Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará"

Transcrição

1 Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará Rua Edite Braga, 50 - Jardim América Fortaleza - Ceará Fone: (85) Fax: (85) site: MANUAL DE ORIENTAÇÃO SOBRE AS LEIS N OS , de 12 de janeiro de , de 25 de abril de , de 24 de maio de 2002 E A RESOLUÇÃO BACEN 2.963, de 28 de maio de 2002

2 Nota 1:Novamente as Leis que dispõem sobre o alongamento das dívidas originárias de crédito rural trazem, a equivocada frase, em alguns de seus artigos, "ficam autorizados" referente à obrigação que o agente financeiro teria em proceder à renegociação do alongamento e das dívidas. Essa frase "ficam autorizados" do ponto de vista legal não existe. Não se pode transferir ao banco a "opção", o "julgamento" da condição do mutuário que solicita a renegociação poder ou não receber o benefício. Este equívoco ocorreu na época da "securitização", os tribunais têm manifestado-se no sentido de que os agentes financeiros são obrigados a securitizar. Infelizmente há a possibilidade de essa situação voltar a ocorrer. Luiz Augusto Germoni, Diretor Jurídico da Sociedade Rural Brasileira e Professor de Direito Agrário da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Nota 2: Nesse momento da averiguação do valor a ser alongado, o produtor deve estar atento: É o melhor momento para fazer o recálculo, é o melhor momento para serem revistos os débitos lançados em sua conta corrente vinculada e, para tanto, é conveniente ser assistido por profissionais, principalmente no que diz respeito ao recálculo da base da renegociação. A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará, dispõe de técnicos capacitados para fazer este recálculo. APRESENTAÇÃO A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará FAEC apresenta este pequeno manual de orientação aos mutuários do Sistema de Crédito Rural amparados pelas Leis nº s , de 12 de janeiro de 2001; , de 25 de abril de 2002; , de 24 de maio de 2002 e Resolução Bacen 2.963, de 28 de maio de Este é um trabalho da Federação visando tornar bem mais fácil o entendimento sobre o assunto, por parte dos produtores rurais que se encontram em situação de inadimplência para com as instituições financeiras de Crédito Rural. Todos os esforços foram empreendidos pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA, representada por sua Comissão de Crédito Rural junto ao Congresso Nacional e ao Poder Executivo. Sem o apoio da Frente Parlamentar da Agricultura estes avanços não teriam sido alcançados. A todos que direta ou indiretamente contribuíram para minorar o problema do endividamento rural, nossos agradecimentos. José Ramos Torres de Melo Filho Presidente 16

3 41. O produtor já renegociou a sua dívida com base no artigo 3º da lei e gostaria de renegocia-la fundamentado no artigo 4º (PESA), isto é possível? Sim. O produtor poderá renegociar a sua dívida com base no PESA até 31 de outubro de 2002, desde que ele adquira 10,37% do saldo devedor em Certificados do Tesouro Nacional (CTN). 42. Um produtor renegociou a sua dívida optando pelo PESA com base na lei e está inadimplente com o pagamento da parcela anual do PESA, quais são as condições de renegociação? Terá que regularizar a sua situação até 31 de outubro de O produtor ainda não renegociou a sua dívida com base na lei , o que ele deve fazer? Neste caso o produtor terá até o dia 31 de outubro de 2002 para repactuar a sua dívida, inclusive com bônus da parcela que trata o item Nº Qual o prazo para encerramento das renegociações, prorrogações e composições de dívidas amparadas com recursos dos Fundos Constitucionais? Até 31 de outubro de Como se calcula o saldo devedor das operações inadimplentes do F.N.E? Para quem não renegociou usufruindo dos juros fixos, calcula-se até a data de 14 de janeiro de 2001 de acordo com as cláusulas do contrato original sem nenhum encargo de inadimplemento, juros de mora, multa, honorários advocatícios e a partir desta data aplica-se sobre o saldo devedor juros fixos de: Mini produtores, suas cooperativas e associações: taxa de juro efetiva 6% ao ano. SECURITIZAÇÃO 1. O que trata a lei , de 25 de Abril de 2002? Dispõe sobre o alongamento de dívidas de crédito rural, que trata das operações SECURITIZADAS, Lei nº 9.138, Plano PESA (RESOLUÇÃO 2.471), FUNCAFÉ, PRODECER, RECOOP e altera o prazo de renegociação das dívidas dos Fundos Constitucionais. 2. O que é dívida SECURITIZADA? (Lei de 29/11/95) É o alongamento das dívidas originárias do crédito rural, contratadas até 20/06/1995, transformando-as em novas operações de refinanciamento, com valores limitados a R$ 200 mil. O pagamento poderia ser feito em até 10 anos, com 3% de juros ao ano mais a equivalência produto. 3. Quais são as novas condições de alongamento das dívidas já SECURITIZADAS? O mutuário terá direito de alongar e pagar o saldo devedor em 24 anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, com vencimento livremente pactuado, entre o mutuário e o credor, contanto que o pagamento da primeira parcela seja até 31/10/2002 e o da última até 31/10/ Qual a nova taxa de juros, para quem fizer o alongamento das dívidas já SECURITIZADAS? Os juros serão fixos, de 3% ao ano, mais equivalência produto. OBS 1: A equivalência em produto será dispensada quando o pagamento for efetuado até a data do vencimento (com bônus de adimplência). OBS 2: O produtor poderá optar em pagar as prestações em produto, mediante depósito da mercadoria em armazéns credenciados pelo governo. 14 3

4 5. O produtor terá direito a algum bônus de adimplência sobre a parcela de pagamento? Sim. Será mantido o bônus de adimplência sobre a parcela do pagamento de: 30% para saldo devedor até R$ 50 mil em 08/1998; 15% para saldo devedor acima de R$ 50 mil em 08/ O mutuário querendo liquidar a operação antecipadamente, terá direito a algum desconto adicional? Sim. Se o mutuário quiser liquidar antecipadamente a sua dívida, até 31/12/2006, terá mais o seguinte bônus: 20 % para operações de valor até R$ 10 mil; 10 % para operações de valor superior a R$ 10 mil. 7. Quem terá direito de se enquadrar nas novas regras das dívidas SECURITIZADAS? Os mutuários adimplentes com as suas dívidas securitizadas, ou então, que as regularizem até 29/06/2002. OBS 1: As parcelas de 1999 e 2000 vencidas e não pagas, o mutuário deverá reguralizá-las, integralmente, até 29/06/2002 (sem direito ao bônus de adimplência). OBS 2: Foi prorrogada para 29/06/2002 a data de vencimento do pagamento da parcela que venceu em 31/10/2001, com pagamento de 32,5% do valor da parcela vencida (com direito ao bônus de adimplência). 8. Como se calcula o valor de cada uma das 24 parcelas anuais? É só multiplicar o valor do saldo devedor por 0,059. OBS: O saldo devedor será obtido pela soma dos 67,5% remanescentes da parcela de 2001, acrescidos de juros de 3% ao ano, calculados pro rata die, até a data da recaptuação e a soma das parcelas vincendas, excluindo-se os 3% de juros nelas embutidos. 4 FUNDOS CONSTITUCIONAIS 38. Após a renegociação das dívidas do Fundo Constitucional qual o benefício? Taxa de juro fixa a partir de 14 de janeiro de 2001 de 6% para mini produtores, suas cooperativas e associações; 8,75% para pequenos e médios produtores, suas cooperativas e associações e 10,75% para os grandes produtores com direito a um bônus de adimplência sobre os juros de 25% para financiamentos no semi-árido e 15% para as demais regiões, além disso a lei no seu artigo 11, concede bônus de adimplência,incidente sobre o valor de cada prestação na seguinte escala em função da data do contrato: A) Anterior a 31 de dezembro de 1994: bônus de 35%. B) Ano de 1995: bônus de 25%. C) Ano de 1996: bônus de 19%. D) Ano de 1997: bônus de 17%. E) Ano de 1998: bônus de 14%. Os percentuais de desconto sobre o valor da parcela incidem apenas para a fração da dívida cujo crédito original foi de até R$ 200 mil. Para a parte da dívida excedente a R$ 200 mil, não há aplicação dos redutores. 39. As dívidas do F.N.E podem ser renegociadas com base na resolução do Banco Central (PESA)? Sim. Desde que tenham sido contraídas até 31 de dezembro de O produtor já renegociou totalmente sua dívida com base no artigo terceiro da lei , ou seja, prorrogou a dívida por mais 10 anos após vencimento da operação e fixou a taxa de juros. Neste caso ele terá direito ao Bônus de adimplência sobre o valor das parcelas? Sim. O beneficiário terá direito ao bônus aplicado sobre o valor da parcela, variável em função da data de contratação da operação, desde que esteja adimplente, ou então regularize as parcelas em atraso até 31 de outubro de

5 35. Os mutuários que contraíram financiamento de até R$ ,00 por intermédio de cooperativas e ou associações de produtores, poderão renegociar sua dívida isoladamente? Sim. Desde que a operação tenha sido de crédito rural de investimento contratada por agricultores familiares, mini e pequenos produtores rurais, com recursos dos Fundos Constitucionais de Financiamento e ou recursos equalizados pelo Tesouro Nacional e que estejam dentro do seguinte prazo: A) As operações de investimento concedidos até 31 de dezembro 1997 e que ainda não tenha sido renegociadas no ano 2000 e B) As operações de investimento concedidos no período de 2 de janeiro de 1998 a 30 de junho de 2000 (somente operações do PRONAF). 36. Caso o mutuário queira liquidar, antecipadamente, seu financiamento de até R$ ,00 terá algum desconto no valor do saldo devedor? Sim. Um bônus adicional de 10% sobre o montante devido, desde que a liquide até 31 de dezembro de Qual o prazo para encerramento das renegociações, prorrogações e composições de dívidas amparadas com recursos do F.N.E com valores contratados superiores a R$ ,00? Ficou estabelecido na lei o prazo de até 31 de outubro de O que significa a sigla PESA? PESA - RESOLUÇÃO 2.471/98 Programa Especial de Saneamento de Ativos, através da Resolução do Banco Central nº 2.471, ou seja, ela trata mais especificamente das dívidas rurais excedentes a R$ 200 mil em 20/06/1995 e as que não foram securitizadas. 10. O mutuário optando em renegociar a sua dívida pelo PESA, como seria a renegociação? A renegociação está condicionada à aquisição, pelo mutuário, por intermédio do banco credor, de Certificados do Tesouro Nacional, no valor de 10,37% do saldo devedor da dívida a ser renegociada. Os títulos ficarão como garantia do principal da dívida. O cliente ficará pagando somente os juros do saldo devedor da dívida atualizada pelo IGP-M, onde esse não pode ultrapassar a 9,5% ao ano em situação de adimplência. 11. Quais os encargos financeiros que incidirão sobre o saldo devedor da operação, renegociada com base da resolução do Banco Central (PESA)? Em condições de adimplêmcia as taxas de juros são de: 3 % ao ano para valores até R$ 500 mil; 4 % ao ano para valores maiores que R$ 500 mil até R$ 1milhão; 5 % ao ano para valores superiores a R$ 1milhão. 12. Qual o prazo de pagamento da dívida renegociada pelo PESA? 20 anos, com o pagamento somente dos juros do saldo devedor, atualizado pelo IGPM com variação limitada até 9,5%, no caso de adimplência. 12 5

6 13. Qual o prazo de renegociação pelo PESA? Até 29 de junho de 2002 (outras fontes) Até 31 de outubro de 2002 (Fundos Constitucionais) 14. Quais as operações que podem ser renegociadas pelo PESA? As operações contratadas até 31 de dezembro de 1998, desde que com encargos pós-fixados. 15. Como calcular o saldo devedor para o alongamento pelo PESA? O banco deverá apresentar ao produtor extrato consolidado do saldo devedor apurado, para fins de alongamento, calculando o saldo devedor, desde o início do contrato até a data da renegociação, respeitando as cláusulas estabelecidas no contrato. As prestações vencidas e/ou os contratos vencidos, serão atualizados até a data da repactuação, corrigidas pelo índice de remuneração básica da poupança, mais juros efetivos de até 12% ao ano. 16. O que deve ser eliminado do saldo devedor para o alongamento? Multas, moras, taxas de inadimplemento, honorários advocatícios, outros débitos não previstos no contrato original. 17. Quais são os tipos de garantias exigidas para o alongamento pelo PESA? Do principal serão os próprios Certificados emitidos pelo Tesouro Nacional, os quais devem permanecer bloqueados enquanto constituírem garantia da operação. Dos Juros, as usuais do crédito rural, na proporção de 50% do valor do principal renegociado. 6 A.2) A um bônus de adimplência de 30% sobre cada parcela da divida paga até a data do respectivo vencimento; A.3) A uma taxa efetiva de juros de 3% ao ano a partir da data da renegociação; A.4) A manutenção do cronograma de pagamentos. B) Se for dívidas contratadas no período de 02 de janeiro de 1998 a 30 de junho de 2000 terá direito aos seguintes benefícios (somente operações do PRONAF): B.1) Prazo de adesão até 31 de outubro de 2002; B.2) Rebate de 8,8 % no saldo devedor existente em 1º de janeiro de Os financiamentos de investimento de até R$ ,00 que já foram renegociados nos anos 2000 e 2001 terão direito de se enquadrar nesta lei? Todos os financiamentos que já foram renegociados com base na Resolução do Conselho Monetário Nacional 2.765, de 10 de agosto de 2000, não terão direito de ser repactuados com o benefício desta lei. 33. Os mutuários que obtiveram financiamento com recursos do Fundo Constitucional de até R$ ,00, poderão enquadrar-se nesta lei? Sim. Desde que pague as parcelas atrasadas, porém com o benefício de pagar somente 10% do somatório das prestações integrais, sem encargos de inadimplemento, repactuando-se o restante do saldo devedor de forma proporcional entre as parcelas restantes. OBS.: As parcelas vencidas com recursos de outras fontes terão que ser pagas integralmente. 34. O mutuário que contraíu empréstimos de até R$ ,00 com recursos do FAT, poderá enquadrar-se nesta lei? Não. As dívidas contraídas com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT e outras administradas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, continuam sem alternativa de renegociação. 11

7 10 DÍVIDAS DO PRONAF E OUTRAS FONTES ATÉ R$ , O produtor rural que fez um custeio agrícola no valor menor que R$ ,00 terá direito de renegociar a sua dívida de acordo com a lei , de 24 de maio de 2002? Não. A lei só trata de renegociação de dívidas oriundas de Crédito Rural de Investimento, com exceção para os financiamentos que tenham tido frustração de safra por fenômenos climáticos em municípios decretados em situação de emergência ou em estado de calamidade pública, com reconhecimento pelo Governo Federal. 29. Quem terá direito de renegociar as dívidas de Crédito Rural com o valor originalmente contratado de até R$ ,00? A) As operações de crédito rural de investimento contratadas por agricultores familiares, mini e pequenos produtores rurais e suas cooperativas e associações, com recursos dos Fundos Constitucionais de Financiamento e ou recursos equalizados pelo Tesouro Nacional. B) As operações de investimento concedidas até 31 de dezembro 1997 e que ainda não tenha sido renegociadas nos anos 2000 e C) As operações de investimento concedidas no período de 02 de janeiro de 1998 a 30 de junho de 2000 (somente operações do PRONAF). 30. Qual o prazo que o produtor terá para renegociar sua dívida, com contratos originalmente de até R$ ,00? O mutuário terá um prazo de até 31 de outubro de 2002, desde que fique adimplente com suas obrigações, ou seja, pagar as prestações vencidas até esta data, sem encargos de inadimplemento. 31. Ao renegociar a dívida com base nesta lei, quais as vantagens adivindas? A) Se for uma divida contratada até 31 de dezembro de 1997 terá direito aos seguintes benefícios: A.1) A um rebate no saldo devedor de 8,8% na data da renegociação; PROCERA 18.O que trata a Lei , de 24 de Maio de 2002? Esta lei dispõe sobre a repactuação e o alongamento de dívidas oriundas de operações de crédito rural contratadas sob o amparo do Programa Especial de Crédito para Reforma Agrária - PROCERA, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF, ou de outras fontes de recursos, por agricultores familiares, mini e pequenos agricultores, suas associações e cooperativas. 19.Qual é o prazo que têm os agricultores com operações de crédito rural contratadas ao amparo do PROCERA? Os mutuários terão o direito de renegociar as suas dívidas até o dia 31 de outubro de 2002, desde que estejam adimplentes com suas obrigações. OBS: Os agentes financeiros terão prazo até 30 de novembro de 2002 para formalização do instrumento de repactuação. 20.Qual é o novo prazo de pagamento que o produtor com operações contratadas ao amparo do PROCERA terá após a repactuação de sua dívida? Os mutuários terão um prazo de até 15 anos, com prestações anuais e sucessivas, vencendo a primeira em 30 de junho de Qual será a taxa de juros a que ficarão sujeitas as operações contratadas junto ao PROCERA, após a renegociação? As operações repactuadas ficarão sujeitas a uma taxa de juros de 1,15% ao ano. 22.O mutuário com operação do PROCERA terá direito a algum bônus de adimplência, após realizar a sua renegociação? Sim. Os mutuários farão jus, nas operações renegociadas,a bônus de adimplência de 70%, sobre cada uma das parcelas, desde que o pagamento ocorra até a data do vencimento. 7

8 23. Como será calculado o saldo devedor das operações do PROCERA, dos produtores que estejam inadimplentes? O saldo devedor será atualizado até a data da renegociação, pelos encargos pactuados para a situação de normalidade, sem incorporação de multas, encargos de inadimplemento, honorários advocatícios e outros. 24.Se o mutuário com operações contratadas ao PROCERA e esteja com prestações vencidas a partir de 2001, poderá renegociar a sua dívida com base nesta lei, sem ter que pagar as prestações vencidas? Sim. Os mutuários com prestações vencidas a partir do ano 2001, terão direito de renegociar as suas dívidas mesmo estando inadimplentes, com os benefícios da lei, ou seja: Juros após a repactuação de 1,15% ao ano; Bônus de adimplência de 70% sobre o valor da parcela paga até a data do vencimento; Prazo de até 15 anos, com prestações anuais, iguais e sucessivas, vencendo-se a primeira em 30 de junho de O saldo devedor será calculado pelos encargos pactuados para a situação de normalidade até a data da renegociação. 25. Caso um mutuário do PROCERA esteja com todas as suas obrigações em dia, e não quiser optar pela repactuação terá algum outro benefício? Sim. Poderá liquidar a dívida total até o dia 31 de outubro de 2002, com o pagamento de apenas 30% do valor do saldo devedor. 26. O mutuário do PROCERA com obrigações vencidas em anos anteriores a 2001 poderá renegociar as suas dívidas de acordo com os benefícios que trata esta lei? Sim. Para isso o mutuário terá duas alternativas que são: pagamento de 10%, no mínimo, do somatório das prestações integrais vencidas, calculadas sem bônus e sem encargos adicionais de inadimplemento, repactuando-se o restante do saldo devedor em até 15 anos 8 vencendo-se a primeira prestação em 30 de junho de pagamento das prestações integrais vencidas, tomando-se sem encargos adicionais de inadimplemento, pagando-se 30% sobre 90% das prestações em atraso. Ex: Um produtor deve R$ 5.000,00 ao banco pela linha de credito do PROCERA e destes R$ 5.000,00 ele possui R$ 1.000,00 em prestações vencidas e atualizadas em anos anteriores a 2001, qual o valor da parcela que terá de pagar para ficar adimplente e qual o valor do saldo devedor a ser alongado, calculando-se pelas duas opções? I- Primeiro caso: R$ 1.000,00 paga-se 10% e prorroga o restante, ou seja: R$ 1.000,00 x 10% = R$ 100,00 e prorroga por mais 15 anos o saldo de R$ 4.900,00 em suma, paga-se R$ 100,00 e prorroga R$ 4.900,00. II- Segundo Caso: R$ 1.000,00 bônus 70% sobre 90% da parcela vencida e prorroga-se o restante. 30 % x R$ 900,00 = R$ 270,00, paga-se: R$ 270,00 e prorroga-se R$ 4.000, Os mutuários do PROCERA integrantes de contratos coletivos ou grupais realizados por cooperativas e associações poderão renegociar a sua dívida isoladamente? Sim. Os mutuários integrantes de contratos coletivos ou grupais, podem optar pela operação individualizada desde que: A) Estejam adimplentes com suas obrigações vencidas em anos anteriores a B) Usar de uma das duas alternativas do que foi respondido na pergunta Nº 26 para operações com as prestações vencidas em anos anteriores a

9 Pequenos e médio produtores, suas cooperativas e associações: 8,75% ao ano. Grandes produtores: 10,75% ao ano. 46. Qual o novo prazo de alongamento, das dívidas contraídas ao amparo dos Fundos Constitucionais? Até no máximo 10 anos após o vencimento do contrato original, assim, se no seu contrato original a última parcela vence em dezembro de 2005, na repactuação o vencimento da última parcela poderá chegar ao máximo de dezembro de Com relação aos encargos do RECOOP o que aconteceu? Foram reduzido os juros, que antes eram de 12% ao ano + TJLP para 9,75% ao ano sem nenhum indexador. 48. Se o mutuário ficar inadimplente após renegociar sua dívida pelo PESA ou pela SECURITIZAÇÃO, qual será a sua penalidade? A dívida será transferida para o Tesouro Nacional; Trabalho elaborado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará, sob a responsabilidade dos Engenheiros Agronômos Edvaldo Santos Brito e Gerardo Angelim de Albuquerque, com a orientação técnica do seu Presidente, José Ramos Torres de Melo Filho. Substituição dos encargos de inadimplemento originais pelos estabelecidos na MP Nº (SELIC + 1% ao ano); Após 180 dias de atraso de uma parcela o débito é considerado vencido integralmente e cobrado como crédito da União (inscrição na Dívida Ativa da União). Junho/

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999.

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. RESOLUÇÃO N 2.471 Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.568, de 6/11/1998. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. Prazo de renegociação prorrogado. Vide

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação.

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação. RESOLUÇÃO Nº. 3163 Dispõe sobre renegociação de operações de crédito rural amparadas por recursos do Programa Especial de Crédito para a Reforma Agrária (Procera), do Programa Nacional de Fortalecimento

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.322, DE 13 DE JULHO DE 2006. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 285, de 2006 Dispõe sobre a renegociação de dívidas oriundas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 432, DE 27 DE MAIO DE 2008. Institui medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias

Leia mais

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas O Governo Federal, através do Banco Central, divulgou no dia 28 de setembro de 2007 a Resolução nº 3.500, que trata das condições para negociação

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Institui medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário; altera as Leis n os 11.322,

Leia mais

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007

LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 13.979, DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 DISPÕE SOBRE A RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS DECORRENTES DE EMPRÉSTIMOS CONCEDIDOS PELO EXTINTO BANCO DO ESTADO DO CEARÁ S/A BEC, POR PARTE DO ESTADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 432, de 2008 Institui medidas de estímulo à liquidação

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA LEGISLAÇÃO BÁSICA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA LEGISLAÇÃO BÁSICA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA LEGISLAÇÃO BÁSICA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A SUCESSÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO Resolução CMN nº 4.177, de 07 de Janeiro

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

Banco do Nordeste. Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem

Banco do Nordeste. Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem Banco do Nordeste Ações de Apoio aos Produtores Rurais afetados pela Estiagem BRASILIA DF 07 Maio 2013 Quem somos Criado em 1952, Banco Múltiplo com 60 anos de atuação para o desenvolvimento da região

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS agrícolas. Orientações com base no relatório do senador Eunício Oliveira, sancionado pela presidente Dilma Rousseff

RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS agrícolas. Orientações com base no relatório do senador Eunício Oliveira, sancionado pela presidente Dilma Rousseff RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS agrícolas Orientações com base no relatório do senador Eunício Oliveira, sancionado pela presidente Dilma Rousseff Brasília - 2013 APRESENTAÇÃO Desde os primeiros relatos sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação ou renegociação de dívidas originárias de operações

Leia mais

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo.

1 - A MUTUANTE concede ao MUTUÁRIO um empréstimo no valor, prazo e demais condições indicadas no Termo de Requerimento de Mútuo. Folha 1 DE 6 Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus participantes na forma do seu Regulamento Básico. Fundação

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

Gerente de Mercados da OCB. Brasília, 08 de abril de 2011

Gerente de Mercados da OCB. Brasília, 08 de abril de 2011 ENDIVIDAMENTO DO SETOR AGROPECUÁRIO EVANDRO SCHEID NINAUT Gerente de Mercados da OCB Brasília, 08 de abril de 2011 Organização das Cooperativas Brasileiras Ci Criada em 1.969 IV Congresso Brasileiro i

Leia mais

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE (FCO) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 31 DE DEZEMBRO DE 2004 (Em milhares de Reais)

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas.

Produtores rurais de arroz, pessoa física ou jurídica, com sede e administração no país, inclusive cooperativas. CIRCULAR Nº 02/2013-BNDES Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 2013. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas Decorrentes de Operações de Crédito de Investimento Rural

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

CARTA-CIRCULAR CONJUNTA SUP/AOI - 22/2008 SUP/AF - 26/2008. Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. Ref.: Resolução BACEN n o 3.523, de 20.12.

CARTA-CIRCULAR CONJUNTA SUP/AOI - 22/2008 SUP/AF - 26/2008. Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. Ref.: Resolução BACEN n o 3.523, de 20.12. CARTA-CIRCULAR CONJUNTA SUP/AOI - 22/2008 SUP/AF - 26/2008 Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. Ref.: Resolução BACEN n o 3.523, de 20.12.2007 Ass.: Prorrogação do termo final do prazo para envio de arquivos,

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal

Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Políticas Agrícolas e Comercio Internacional Acadêmicas: Jéssica Mello e Marcele Leal Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) O Pronaf iniciou em 28 de julho de 1996, pelo

Leia mais

DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos

DICRE DIRETORIA DE CRÉDITO GCREF - Gerência de Crédito de Fomento COPEN - Coordenadoria de Pequenos Negócios Rurais e Urbanos PRESIDENTE Mâncio Lima Cordeiro DIRETOR DE CRÉDITO Milton Barbosa Cordeiro GERENTE EXECUTIVO DE CRÉDITO DE FOMENTO Raimunda Carmem Pereira da Silva COORDENADOR DE PEQUENOS NEGÓCIOS RURAIS E URBANOS Affonso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

Instituto de Estudos Jurídicos da Atividade Rural DÍVIDAS AGRÍCOLAS: Questões Legais e Reflexos Econômicos Palestrante: Ricardo Barbosa Alfonsin ricardo@alfonsin.com.br Convidado Especial: Ruy Rosado de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) - 10 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1

TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) - 10 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1 TÍTULO : CRÉDITO RURAL CAPÍTULO : Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) - 10 SEÇÃO : Disposições Gerais - 1 1 - O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar

Leia mais

PARECER. (APENSADOS: PL nº 4.501/98, PL nº 609/99, PL nº 882/99 e PL nº 5.184/2001)

PARECER. (APENSADOS: PL nº 4.501/98, PL nº 609/99, PL nº 882/99 e PL nº 5.184/2001) PARECER PROJETO DE LEI Nº 4.053, DE 1998, que anistia e reescalona parte das dívidas oriundas dos financiamentos aos mini e pequenos produtores rurais, da área do Polígono das Secas. AUTOR: Deputado PAULO

Leia mais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais

Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem. JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais Medidas em apoio aos Produtores Rurais afetados pela seca/estiagem JENNER GUIMARÃES DO RÊGO Secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais 1.397 municípios sofrem com a estiagem. SECA aproximadamente

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA

RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA RELATÓRIO DA PESQUISA DE TAXA DE JUROS NAS MODALIDADES: CRÉDITO PESSOAL, CONSIGNADO E CHEQUE ESPECIAL NA CIDADE DE GOIÂNIA Pesquisa realizada pelos técnicos do Procon Goiás, entre os dias 4 e 9 de setembro

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Paulo Eduardo Armiliato. NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014

Paulo Eduardo Armiliato. NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014 Paulo Eduardo Armiliato NOVO REFIS Lei 12.996, de 2014 São Paulo, 14/8/2014 VISÃO GERAL DE PARCELAMENTO TIPOS DE PARCELAMENTO Normais: - Quantidade máxima de parcelas: 60 - Pedido a qualquer tempo Especiais:

Leia mais

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012

CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012. Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 CARTA CONJUNTA SUP/AC 019/2012 SUP/AOI 242/2012 Rio de Janeiro, 04 de outubro de 2012 ASSUNTO: Programa BNDES Especial de Refinanciamento para os Setores de Bens de Capital e de Transporte Rodoviário de

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 Dispõe sobre a atualização monetária de débitos fiscais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no DOE em 19/11/2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. DISPÕE SOBRE A REMISSÃO, A ANISTIA E A TRANSAÇÃO DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS RELACIONADOS

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento.

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento. NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Técnicos: Luciano Marcos de Carvalho Rosemeire Cristina dos Santos Comissão: Crédito Rural Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais

Leia mais

supervisão da Secretaria do Tesouro Nacional - Ministério da Fazenda, condicionado à

supervisão da Secretaria do Tesouro Nacional - Ministério da Fazenda, condicionado à LEI Nº 11.524, DE 24 DE SETEMBRO DE 2007. O VICE PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2886. Ilan Goldfajn Presidente, interino. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 2886. Ilan Goldfajn Presidente, interino. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 2886 Documento normativo revogado pela Resolução 3.746, de 30/6/2009. Dispõe sobre a remuneração da orientação técnica prestada a empreendimentos financiados ao amparo de recursos do crédito

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA

PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA PARCELAMENTO DE TRIBUTOS FEDERAIS REFIS DA COPA INTRODUÇÃO Após a mobilização de vários setores da economia juntamente com as proposições formuladas pelo Congresso Nacional, foi publicada a Lei 12.996/2014,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física CLÁUSULAS GERAIS CLÁUSULA PRIMEIRA - A CAIXA disponibiliza e o(s) CREDITADO(S) aceita(m) os valores de referência, sujeitos a confirmação até a data da efetivação da operação, observadas as normas operacionais

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE FUNDOS REGIONAIS E INCENTIVOS FISCAIS SBN Q 02, Lote 11, Ed. Apex Brasil, Portaria B, Gabinete - CEP: 70.041-907 - Brasília- DF Telefone: (61) 3414-5867

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização:

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização: O QUE É O FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação (MEC) destinado à concessão de financiamento a estudantes matriculados em cursos superiores não gratuitos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2732 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 2732 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 2732 Institui linha de crédito, ao amparo de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (FUNCAFÉ), destinada ao financiamento de estocagem de café, tipo exportação, na rede oficial de

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS ÍNDICE 1.0 - DOS EMPRÉSTIMOS...Página 2 2.0 - DA MODALIDADE... 2 3.0 - DOS LIMITES... 2 4.0 - DA CONCESSÃO... 3 5.0 - DOS PRAZOS... 4 6.0 - DA AMORTIZAÇÃO... 4

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM AMORTIZAÇÃO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO - NÃO CORRENTISTA

CLÁUSULAS GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM AMORTIZAÇÃO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO - NÃO CORRENTISTA CLÁUSULAS GERAIS que regem o presente Contrato de Empréstimo com Amortização Mediante Consignação em Folha de Pagamento - Não Correntista, tendo de um lado o Banco do Brasil S.A., com sede em Brasília,

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

FNO Amazônia Sustentável Rural

FNO Amazônia Sustentável Rural FNO Amazônia Sustentável Rural Conceito É um Programa de Financiamento que apóia os empreendimentos rurais. Finalidades do Crédito Investimento fixo, semifixo e misto (investimento + custeio); Custeio

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais