INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO"

Transcrição

1 LICENCIATURA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS ANO LECTIVO INTRODUÇÃO ÀS ORGANIZAÇÕES E À GESTÃO EXERCÍCIOS SOBRE PONTO DE ENCOMENDA 1. No país dos BRINQUEDOS a empresa PELUCHE, Lda., produtora de ursos de peluche, produz semanalmente 1200 unidades de ursos de peluche castanhos, trabalhando 48 semanas por ano. Cada modelo de ursos de peluche incorpora 90 grs. da matéria prima X, da qual existe um desperdício de 10% durante o processo produtivo. O custo de efectivação de cada encomenda é de 500 u.m. e o preço de cada quilograma da matéria-prima X é de 76 u.m.. Os técnicos da empresa estimaram os seguintes custos, expressos em percentagem sobre o valor médio pagamento de seguros do armazém: 3% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 5% custo do capital imobilizado em stocks: 20% perdas diversas: 4% Com base nestas informações determine a quantidade óptima a encomendar de cada vez da matéria-prima X, os custos totais de aprovisionamento e o número de encomendas que a empresa PELUCHE, Lda. efectua anualmente. 2. A empresa de sabonetes SUAVIDADE TOTAL, Lda. produz semanalmente sabonetes, estando em funcionamento 48 semanas por ano. Em cada sabonete estão incorporadas 5 grs. da matéria-prima GAMA, sabendo-se que há um desperdício de 10% na produção. O preço de cada quilograma da matéria-prima GAMA é de 100 u.m. e o seu fornecedor pratica a seguinte política de descontos: QUANTIDADES (kgs) DESCONTOS % % % ou mais 10% 1

2 Os técnicos da empresa SUAVIDADE TOTAL, Lda. estimaram que os custos de efectivação de cada encomenda ascendiam a u.m.. custo do capital imobilizado em stocks: 15% pagamento do seguro: 2% aluguer dos armazéns: 3% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 2% perdas por deterioração e roubo: 2% despesas diversas: 1% Sabendo que a empresa SUAVIDADE TOTAL, Lda. tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o montante do lote económico e os custos totais de aprovisionamento da matéria-prima GAMA. 3. A empresa MOTORES E VÁLVULAS, Lda. utiliza na sua produção a componente BETA, cujo consumo semanal é de 50 unidades. A empresa trabalha 48 semanas por ano. O preço de venda de cada componente BETA é de 100 u.m.. O fornecedor desta componente pratica a seguinte política de descontos: (unidades) % % % ou mais 10% Os técnicos da empresa MOTORES E VÁLVULAS, Lda. estimaram que os custos de efectivação de cada encomenda eram de 800 u.m.. aluguer dos armazéns: 4% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 5% pagamento do seguro: 3% custo do capital imobilizado em stocks: 16% perdas por deterioração e roubo: 2% a) Sabendo que a empresa MOTORES E VÁLVULAS, Lda. pretende minimizar os custos totais de aprovisionamento da componente BETA determine o montante do lote económico, os custos totais de aprovisionamento e o número de encomendas a efectuar anualmente. b) Suponha que o vendedor da componente BETA passou a fornecê-la em embalagens de 40 unidades cada. 2

3 Esta alteração vai afectar os custos totais de aprovisionamento da componente BETA? Justifique a sua resposta. 4. No país dos VIDROS a empresa GARRAFEX produz diariamente mil garrafas de vidro, não efectuando qualquer paragem da produção ao longo do ano (considere o ano comercial). Cada garrafa incorpora 20 grs. da matéria-prima AAA, cujo preço de venda é de 100 u.m. por quilograma. Esta matéria-prima é fornecida em embalagens de 120 kgs. O fornecedor da matéria-prima AAA pratica a seguinte política de descontos: (kgs) % % % % ou mais 10% Os técnicos da empresa GARRAFEX estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda era de cerca de u.m.. custo do capital imobilizado em existências: 12% pagamento do seguro: 3% aluguer dos armazéns: 2% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 2% perdas por deterioração e roubo: 1% a) Sabendo que a empresa GARRAFEX tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento da matéria-prima AAA determine o montante do lote económico. b) Determine os custos totais de aprovisionamento de cada quilograma da matéria-prima AAA. c) Suponha que o fornecedor da matéria-prima AAA passou a vendê-la ao quilo. Tal alteração irá alterar o montante do lote económico? Justifique a sua resposta. 5. No país dos POETAS a empresa ESCRITA PERFEITA produz mensalmente um milhão de canetas de tinta preta, encontrando-se encerrada para férias no mês de Agosto. Em cada caneta estão incorporadas 20 grs. da matéria-prima XYZ. Foi estimado que havia um desperdício de 10% na produção de canetas de tinta preta. O preço de venda de cada tonelada da matéria-prima XYZ é de u.m.. O fornecedor da matéria-prima XYZ pratica a seguinte política de descontos: 3

4 (toneladas) % % % 200 ou mais 10% Os técnicos da empresa ESCRITA PERFEITA estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda ascendia a u.m.. custo do capital imobilizado em existências: 12% pagamento do seguro: 2% aluguer dos armazéns: 2% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 3% perdas por deterioração e roubo: 1% A matéria-prima XYZ é fornecida em caixas de trinta toneladas cada. a) Sabendo que a empresa ESCRITA PERFEITA tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o custo anual de cada tonelada da matéria-prima XYZ. b) Determine o número de encomendas feitas anualmente pela empresa ESCRITA PERFEITA, bem como a periodicidade das mesmas. c) Suponha que o fornecedor da matéria-prima XYZ deixou de a vender em caixas e passou a comercializá-la à tonelada. Esta alteração do modo de comercialização da matéria-prima XYZ irá alterar o montante dos custos totais de aprovisionamento? Justifique a sua resposta. 6. No país da BRANCURA a empresa LIMPEZA TOTAL, produtora de detergentes para lavar roupa, produz diariamente quinhentas embalagens de detergente (considere o ano comercial). Em cada embalagem estão incorporadas 40 grs. da matéria-prima BETA. No processo produtivo foi estimada a existência de um desperdício de cerca de 10%. O preço de cada quilograma da matéria-prima BETA é de 100 u.m.. O fornecedor pratica a seguinte política de descontos: (kgs) % % % ou mais 10% 4

5 Os técnicos da empresa LIMPEZA TOTAL estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda era de u.m.. custo do capital imobilizado em existências: 15% aluguer dos armazéns: 7% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 4% pagamento do seguro: 2% perdas por deterioração e roubo: 2% A empresa LIMPEZA TOTAL tem algumas limitações na armazenagem da matéria-prima BETA, razão pela qual se as quantidades adquiridas forem iguais ou superiores a 2500 quilogramas terá de alugar um armazém, cuja renda mensal ascende a u.m.. a) Sabendo que a empresa LIMPEZA TOTAL tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o montante do lote económico, bem como o custo anual de aprovisionamento de cada quilograma da matéria-prima BETA. b) Suponha que o fornecedor desta matéria-prima passou a comercializá-la em embalagens de 30 kgs. Os custos totais de aprovisionamento da matéria-prima BETA foram alterados? Justifique a sua resposta. 7. A empresa PLASTIFEX, Lda., produtora de caixas de plástico, produz semanalmente dois milhões de caixas de plástico. Na produção de cada caixa de plástico estão incorporadas 80 grs. da matéria-prima L, sabendo-se que existe um desperdício de 5% no processo produtivo. O preço de venda de cada tonelada da matéria-prima L é de 700 euros e o fornecedor pratica a seguinte política de descontos: (toneladas) % % % % ou mais 12% A matéria-prima L é fornecida em embalagens de 35 toneladas cada. Os técnicos da empresa PLASTIFEX, Lda. estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda era de euros. custo do capital imobilizado em existências: 12% aluguer dos armazéns: 3% 5

6 pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 2% pagamento do seguro: 2% perdas por deterioração e roubo: 1% A política de gestão de recursos humanos da empresa PLASTIFEX, Lda. define, entre outros aspectos, que todos os trabalhadores têm direito a quatro semanas de férias, gozadas no mesmo período, definido igualmente para todos os colaboradores, período esse durante o qual a empresa encerra. a) Sabendo que a empresa PLASTIFEX, Lda. tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o custo de aprovisionamento de cada tonelada da matériaprima L, bem como a periodicidade das encomendas. b) Suponha que o fornecedor da matéria-prima L deixou de a comercializar em embalagens de 35 toneladas cada, passando a comercializá-la avulso. Os custos de aprovisionamento de cada tonelada da matéria-prima L foram alterados? Justifique a sua resposta. 8. A empresa TINTAX, Lda., produtora de tintas plásticas para exteriores, produz mensalmente quinhentos mil litros de tinta, não efectuando ao longo do ano qualquer paragem do seu processo produtivo. Em cada litro de tinta plástica estão incorporadas 40 grs da matéria-prima T, estimando-se que existe um desperdício de 10% no processo produtivo. Os técnicos da empresa TINTAX, Lda. estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda era de u.m.. perdas por deterioração e roubo: 1% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 3% pagamentos dos salários dos colaboradores da área de marketing: 4% aluguer dos armazéns: 5% pagamento dos seguros dos armazéns: 3% pagamento do seguro contra incêndios do escritório da sede da empresa: 2% custo do capital imobilizado em existências: 13% renda dos escritórios da sede da empresa: 5% O preço de venda de cada tonelada da matéria-prima T é de u.m. e o fornecedor pratica a seguinte política de descontos: (toneladas) % % % % 500 ou mais 10% 6

7 a) Sabendo que a empresa TINTAX, Lda. tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o montante do lote económico e os respectivos custos unitários de efectivação da encomenda e de posse da matéria-prima T. b) Suponha que o fornecedor alterou a sua política de vendas e passou a comercializar a matéria-prima T em embalagens de vinte e quatro toneladas cada. Determine o novo lote económico, bem como o custo unitário de aprovisionamento da matéria-prima T. 9. A empresa DENTES LIMPOS, Lda., produtora de pastas dentífricas, produz mensalmente dez mil embalagens de pastas de dentes. Em cada embalagem de pasta de dentes estão incorporadas 60 grs. da matéria-prima C, sabendo-se que há um desperdício de 5% no processo produtivo. O preço de venda de cada quilograma da matéria-prima C é de 500 u.m. e o fornecedor pratica a seguinte política de descontos: (kgs) % % % ou mais 15% Os técnicos da empresa DENTES LIMPOS, Lda. estimaram que o custo de efectivação de cada encomenda ascendia a u.m.. aluguer do armazém: 5% pagamento dos seguros do armazém: 2% pagamentos dos salários dos trabalhadores do armazém: 2% custo do capital imobilizado em existências: 15% perdas por deterioração e roubo: 1% Se a quantidade adquirida da matéria-prima C for igual ou superior a kgs a empresa terá de alugar um novo armazém, cuja renda mensal é de u.m.. A empresa DENTES LIMPOS, Lda. encerra para férias no mês de Agosto. a) Sabendo que a empresa DENTES LIMPOS, Lda. tem como objectivo minimizar os custos totais de aprovisionamento determine o custo anual de aprovisionamento da matéria-prima C, bem como o número de encomendas que a empresa efectua anualmente. b) Suponha que o fornecedor da matéria-prima C passou a fornecê-la em caixas de 30 kgs cada. O custo total de aprovisonamento da matéria-prima C foi alterado? Justifique a sua resposta. 7

8 10. A empresa BARREX, Lda., produtora de sabão em barra, produz diariamente quinhentas barras de sabão. Em cada barra de sabão estão incorporadas 40 grs. da matéria-prima D. Os técnicos da empresa obtiveram as seguintes informações: há um desperdício de 5% no processo produtivo; os custos de efectivação de cada encomenda não vão sofrer alterações relativamente ao ano transacto; o custo do capital imobilizado em existências corresponde a 12,5% o valor médio investido anualmente em stocks; o aluguer dos armazéns corresponde a 2,5% do valor médio investido anualmente em stocks; o pagamentos dos salários aos trabalhadores do armazém corresponde a cerca de 2% do valor médio investido anualmente em stocks; as despesas gerais com os armazéns correspondem a 1% do valor médio investido anualmente em stocks; o pagamento dos seguros corresponde a 1,5% do valor médio investido anualmente em stocks; as perdas por deterioração e roubo correspondem a 0,5% do valor médio investido anualmente em stocks. No ano transacto foram efectuadas três encomendas da matéria-prima D e os custos de efectivação anuais ascenderam a u.m.. A matéria-prima D é fornecida em embalagens de setenta quilogramas cada. Se a quantidade adquirida, de cada vez, da matéria-prima D se situar entre as 45 e as 71 embalagens a empresa BARREX, Lda. terá de alugar um pequeno armazém, cuja renda semestral é de u.m.. Se a empresa BARREX, Lda. adquirir, de cada vez, pelo menos 72 embalagens da matériaprima D, então terá de alugar um armazém de maior dimensão, cuja renda trimestral ascende a u.m.. O preço de venda de cada quilograma da matéria-prima D é de 300 u.m. e o fornecedor pratica a seguinte política de descontos: (kgs) % % % % ou mais 10% Determine o montante do lote económico da matéria-prima D, os custos totais de aprovisionamento desta matéria-prima, a sua decomposição pelos três tipos de custos de aprovisionamento, os custos anuais de aprovisionamento de cada quilograma da matériaprima D e o número de encomendas a efectuar anualmente, bem como a periodicidade das mesmas. 8

9 SOLUÇÕES 1. N = 5 702,4 kgs r = 0,32 Quantidade óptima: Q = 484 kgs C = Custos totais de aprovisionamento: C = u.m. Nº de encomendas = N = kgs r = 0,25 Quantidade óptima: Q = kgs C = Custos totais de aprovisionamento: C 1500 = ,5 u.m. 3. N = componentes r = 0,3 a) Quantidade óptima: Q = 900 componentes C = Custos totais de aprovisionamento: C 900 = ,33 u.m. Nº de encomendas = 3 b) Quantidade óptima: Q = 23 embalagens (de 40 componentes cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 920 = ,96 u.m. 4. N = kgs r = 0,2 a) Quantidade óptima: Q = 21 embalagens (de 120 kgs cada) 9

10 b) C = Custos totais de aprovisionamento: C 2520 = ,57 u.m. Custos de aprovisionamento unitários = 95,71 u.m. por quilograma c) Quantidade óptima: Q = kgs 5. N = 242 toneladas r = 0,2 a) Quantidade óptima: Q = 4 caixas (de 30 toneladas cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 120 = ,33 u.m. Custos de aprovisionamento unitários = 9673,69 u.m. por tonelada b) Nº de encomendas = 3 encomendas anuais de 4 caixas cada Periodicidade das encomendas: 4 meses c) Quantidade óptima: Q = 100 toneladas C = Custos totais de aprovisionamento: C 100 = u.m. 6. N = kgs r = 0,3 a) Quantidade óptima: Q = kgs C = Custos totais de aprovisionamento: C 1900 = ,63 u.m. Custos de aprovisionamento unitários = 96,139 u.m. por kg b) Quantidade óptima: Q = 64 embalagens (de 30 kgs cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 1920 = ,5 u.m. 10

11 7. N = toneladas r = 0,2 a) Quantidade óptima: Q = 75 embalagens de 35 toneladas cada C = Custos totais de aprovisionamento: C 2625 = euros Custos de aprovisionamento unitários = 637,04 euros por tonelada Nº de encomendas = 4 encomendas anuais de 75 embalagens cada Periodicidade das encomendas: 3 meses b) Quantidade óptima: Q = toneladas C = Custos totais de aprovisionamento: C 2600 = ,85 euros Custos de aprovisionamento unitários = 636,85 euros por tonelada 8. N = 264 toneladas r = 0,25 a) Quantidade óptima: Q = 200 toneladas C = Custos totais de aprovisionamento: C 200 = u.m. Custos de efectivação: C 2 = u.m. Custos de efectivação unitários: 25 u.m. por tonelada Custos de posse: C 3 = u.m. Custos de posse unitários: 92,33 u.m. por tonelada b) Quantidade óptima: Q = 9 embalagens (de 24 toneladas cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 216 = , 11 u.m. Custos de aprovisionamento unitários = 1 072,67 u.m. por tonelada 9. N = kgs r = 0,25 11

12 a) Quantidade óptima: Q = kgs C = Custos totais de aprovisionamento: C 1900 = ,47 u.m. Nº de encomendas = 4 b) Quantidade óptima: Q = 64 caixas (de 30 kgs cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 1920 = ,5 u.m N = kgs r = 0,2 A = u.m. Quantidade óptima: Q = 45 embalagens (de 70 kgs cada) C = Custos totais de aprovisionamento: C 3150 = u.m.. Custos de aquisição: C 1 = u.m. Custos de efectivação: C 2 = u.m. Custos de posse: C 3 = u.m. Custos de aprovisionamento unitários = 295,95 u.m. por kg Nº de encomendas = 3 encomendas anuais de 45 embalagens cada Periodicidade das encomendas: 4 meses 12

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway):

Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Gestão de Stocks. Tipos de inventários (Galloway): Um inventário (stock) é uma reserva de materiais para facilitar a produção ou satisfazer a procura pelos clientes. Os stocks funcionam como almofadas entre as diversas taxas de procura e produção Os inventários

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Sequência orçamental

Sequência orçamental Sequência orçamental 1º Vendas Vendas = Quantidade de produto * PU 2º Produção Produção = Vendas + (Stock final de PA Stock inicial de PA) 3º ompras ompras = onsumo + (Existência final Existência inicial)

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. I Modelo de PL - Formalização António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Recomendações 1. É possível aprender a matéria fazendo apenas

Leia mais

A Farmácia Melhoria apresenta os seguintes dados previsionais para 2004

A Farmácia Melhoria apresenta os seguintes dados previsionais para 2004 Ex. 1 A curva da procura de pasta de dentes traduz-se por P = 8000 2,5 Q. Assumindo a responsabilidade pela gestão da política de preço para a pasta de dentes, qual o preço que propunha atendendo ao objectivo

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ano lectivo: 2014/2015 Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática Investigação Operacional Ficha de exercícios n o 5 Problemas de Transportes e Afectação. Cursos: Economia, Gestão e Optometria

Leia mais

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 12 ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 A SILOS, SA é uma sociedade anónima agro-industrial que se dedica ao fabrico e à venda de rações para animais. A

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II CADERNO DE EXERCÍCIOS CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS Ano Lectivo 2009/2010 Maio de 2010 EXERCÍCIO N º 1C A sociedade M possui 60% de voto da sociedade A, a qual possui, por sua vez, 40% de direitos

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão 2006/2007 Exercícios de Análise Financeira 1. Considere o inventário

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Exercícios de Gestão de Inventários

Exercícios de Gestão de Inventários Investigação Operacional Exercícios de Gestão de Inventários Exercícios de Gestão de Inventários Exercício 1 Uma empresa deve comprar 400 unidades de um artigo, por ano. Esta procura é conhecida e fixa.

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Formulação de problemas de programação linear. Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos)

Formulação de problemas de programação linear. Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos) Investigação Operacional (Economia) Exercícios de programação linear Formulação (Problemas propostos) 1 - Um fabricante produz bicicletas e motoretas, devendo cada uma delas ser processada em duas oficinas.

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE IV - CADERNO DE EXERCÍCIOS Existências ANO LECTIVO 2005/2006 2º SEMESTRE Exercício 24 Durante um determinado mês, a sociedade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Departamento de Planeamento e Controlo Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Fábrica Gelo-Puro (Luanda) Inferência Consultores de Negócio e Gestão Lisboa: Anexo ao Centro de Congressos de Lisboa -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Prof. Isidro

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A

LICENCIATURA EM GESTÃO TESTE 10.01.2006 VERSÃO A OBSERVAÇÕES: (i) A duração da prova é de 2 horas; (ii) Não é permitida a consulta de quaisquer elementos, nem são prestados quaisquer esclarecimentos; (iii) Responda ao Grupo I na tabela constante desta

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções:

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções: PARTE II - Duração: 2 horas Leia com atenção as seguintes instruções: Na folha de respostas escreva o seu nome, o número de membro estagiário e a versão da prova. A não indicação de qualquer um destes

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente)

EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente) EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente) Classifique as seguintes operações e apure o custo das mercadorias vendidas, a margem bruta e os resultados líquidos do período, sabendo que as existências

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Cálculo Financeiro Fixa nº2

Cálculo Financeiro Fixa nº2 Cálculo Financeiro Fixa nº2 2. Regimes de Capitalização 2.1. O Regime de Juro Simples 2.2. O Regime de Juro Composto 8 Considere um empréstimo de 300 000 Euros, pelo prazo de 4 anos, à taxa anual de juro

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Introdução Esta unidade tem como foco os custos de estoque. Abordará os vários custos e exercícios de fixação. Custos dos estoques

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Ebene eins. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Ebene zwei. Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos

Ebene eins. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Ebene zwei. Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos Ebene eins Ebene zwei Ebene drei Modulo 7:» Plano Ebene vier de negócios e Cálculos Autor: Sabine E. Wurzer Ebene B. fünf A. Capítulo 1: Tool.Box Hofläden Aplicado na loja Müller Áustria - Vortragender

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição ISLA Licenciatura em Ciências Empresariais (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 A distribuição é um sector de actividade económica que assegura uma função essencial

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Custos na distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Custos da distribuição necessidade de conhecimento dos custos básicos da distribuição para o planeamento

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009 Centro de Investigação Sobre Economia Portuguesa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA

Leia mais

1. Problemas de Programação Linear

1. Problemas de Programação Linear 1. Problemas de Programação Linear 1.1 A Direcção de Marketing de uma empresa de mobiliário metálico de escritório sugere o lançamento de dois novos produtos: um modelo de secretária e um modelo de estante,

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP)

O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP) O PLANEAMENTO FINANCEIRO A CURTO PRAZO (CP) INTRODUÇÃO O DINAMISMO DO FUNDO DE MANEIO NECESSÁRIO DE EXPLORAÇÃO O ORÇAMENTO ANUAL DE TESOURARIA O BALANÇO PREVISIONAL AS POLÍTICAS FINANCEIRAS DE CP O CONTROLO

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I A natureza da empresa é determinante do tipo de inventários que a empresa possui Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários industriais Os inventários dividem-se em: Matérias-primas, que

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso

RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso No âmbito do PROJECTO PILOTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O ENVOLVIMENTO

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Lista de Exercícios 2º Bim

Lista de Exercícios 2º Bim Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Lista de Exercícios 2º Bim Prof. Marcio Cardoso Machado http://marciocmachado.com.br

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº PARTE I QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº PARTE I QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA PARTE I QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. O controlo orçamental: a) Apresenta limitações para atividades que não sejam contínuas; b) Não é ideal a induzir ações de correção na implementação; c) Deve ser

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Simulação Industrial. Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g. www.bernard.com.br

Simulação Industrial. Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g. www.bernard.com.br Simulação Industrial Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g Custos e Despesas 1 - Custos de Produção 1.1. Fixos Folha de pagamento dos empregados Treinamento dos empregados da produção Custos de

Leia mais

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto 1. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia não dispõe

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo.

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. 1. CONCEITO de ARRENDAMENTO MERCANTIL Arrendamento mercantil é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS SWAPS. Exercícios. ANO : 1º SEMESTRE: 2º ANO LECTIVO :7ª Edição DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS SWAPS. Exercícios. ANO : 1º SEMESTRE: 2º ANO LECTIVO :7ª Edição DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS SWAPS Exercícios ANO : 1º SEMESTRE: 2º ANO LECTIVO :7ª Edição DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues 1 1 -. Vejamos um exemplo de intermediação para duas empresas X e Y que

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. CAPÍTULO I CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. CAPÍTULO I CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A. CAPÍTULO I CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Artigo 1º (Composição) 1- O Conselho de Administração é composto

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

PLANO DE EXPANSÃO DO POLO SPARTACO 2010

PLANO DE EXPANSÃO DO POLO SPARTACO 2010 PLANO DE EXPANSÃO DO POLO SPARTACO 2010 As empresas do Polo empregam 108 colaboradores diretos e 53 indiretos. O terreno do Polo tem 50.849,36m2. Na área de 37.446,66m2 estão instaladas 6 empresas em operação,

Leia mais

Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa.

Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa. Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa. A Distribuição e a Gestão Logística é uma actividade que emprega um elevado e intenso volume de recursos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I II - CADERNO DE EXERCÍCIOS Disponibilidades Exercício 12 A empresa ALFA,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE MERCOSUL/CCM/DIR Nº 15/98 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PETIÇÃO RELATIVA À APLICAÇÂO DE MEDIDA DE SALVAGUARDA PELO MERCOSUL EM NOME DE UM ESTADO PARTE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Introdução à Empresa

Introdução à Empresa Nova School of Business and Economics Introdução à Empresa 1º Semestre - 2011/2012 - Exame de 1ª Época NÃO VIRE ESTA FOLHA NEM NENHUMA DAS OUTRAS QUE CONSTITUEM A PROVA ANTES DE RECEBER INDICAÇÃO DE QUE

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Fábrica 1 Fábrica 2 Fábrica 3 Mina 1 45 80 140 Mina 2 70 145 95 Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Ano lectivo: 2008/2009; Curso: Economia Ficha de exercícios nº5: Problema de Transportes e Problema de Afectação. 1. Uma

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados;

CONTRATO. a) Nos termos do nº 1 do artigo 4º, os operadores económicos são coresponsáveis pela gestão das pilhas e acumuladores usados; CONTRATO Entre: a) Ecopilhas, Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., sociedade comercial por quotas, com sede na Praça Nuno Rodrigues dos Santos, 7, 1600-171 Lisboa, pessoa colectiva

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (2.ª Época) Prestação de provas para registo como auditor de contas 22 de Novembro de 2014 Enunciado

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc.

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc. SEGUNDA ENTREVISTA VISITA EM CASA E/OU NO LOCAL DE TRABALHO Objectivo : Conhecer em detlahes a situação familiar economica e social do beneficiario, a actividade economica jà implementada e fornecer uma

Leia mais

Módulo 5 Gestão de stocks

Módulo 5 Gestão de stocks Gestão das Operações Módulo 5 Gestão de stocks 5-1 Sumário (1/2) 1. Funções dos stocks Tipos de stocks 2. Análise e controlo de stocks Análise ABC Precisão dos registos Contagens periódicas 3. Modelos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Trabalho Prático de Informática/Informática e Computação

Trabalho Prático de Informática/Informática e Computação Calendarização Regras Evento Data de Início Data Final Entrega de enunciados 02-12-2002 07-12-2002 Acompanhamento, apoio e esclarecimentos 07-12-2002 17-01-2003 Data Limite de Recepção de TPs 17-01-2003

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais