Gestão das Instalações Desportivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão das Instalações Desportivas"

Transcrição

1 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aquisição de materiais e equipamentos desportivos.

2 1. Função do aprovisionamento 1.1. Âmbito da função de aprovisionamento Noção e objetivos do aprovisionamento; Atividades da função de aprovisionamento.

3 Noção e objetivos do aprovisionamento O aprovisionamento Definição Conjunto de atividades que visam o abastecimento em tempo oportuno de todos os bens e serviços necessários ao funcionamento eficaz da empresa. O aprovisionamento Objetivos O aprovisionamento poderá efetuar-se de diferentes formas. No entanto, todas elas seguem o mesmo objetivo, que consiste em situar, onde quer que se encontrem, os produtos que satisfaçam as necessidades da empresa. Os objetivos do aprovisionamento serão assim definidos: O aprovisionamento visa situar os produtos necessários à produção ou venda; O aprovisionamento visa o abastecimento oportuno dos produtos para venda ou fabricação.

4 Atividades da função de aprovisionamento O abastecimento oportuno dos produtos deve ser realizado optimizando a relação qualidade/preço. Os produtos poderão assumir caracteristicas diversas, desde as matérias primas às embalgens de comercialização ou transporte. Os tipos de materiais existentes no armazém de um empresa dependem das necessidades da empresa, da atividade que desenvolve e dos objetivos que visa atingir no mercado. Os artigos em armazém poderão ser classificados segundo a natureza do seu consumo, ou seja, os artigos distinguem-se em categorias de acordo com o seu grau de utilização. Neste sentido, os materiais existentes em armazém classificam-se em: artigos de consumo corrente, artigos em trânsito, artigos estratégicos e materiais diversos.

5 Categoria dos materiais em armazém Artigos de consumo corrente Artigos em trânsito Artigos estratégicos Materiais diversos Artigos que a empresa utiliza regular e continuamente, mesmo que seja de forma sazonal Artigos armazenados com vista à execução de trabalhos e que permanecem pouco tempo em armazém. Artigos que se encontram em armazém para fazer face a faltas (ruturas) de origem extraordinária. Artigos variados que se destinam à manutenção tanto do armazém como da empresa em geral: desde peças de máquinas a ferramentas de características diversas.

6 Stock definição Stock consiste no conjunto de materiais que se encontram no armazém da empresa e que permitem o seu normal funcionamento. Stock de matérias primas Stock de mercadorias Stock de produtos acabados Stock de embalagens Tipos de Stocks O stock de matérias primas é sempre constituído de forma a garantir a fabricação regular e contínua. O stock de mercadorias é renovado constantemente de forma proporcional às vendas. O stock de produtos acabados é constituído para evitar faltas de produto em armazém ou para garantir a existência de produto para venda. O stock de embalagens é constituído para garantir o acondicionamento do produto acabado e das mercadorias.

7 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aula 54 Sumário Aprovisionamento e stocks.

8 Identificados os bens que podem constituir-se em stock, é tempo de definir as atividades que fazem parte da definição de aprovisionamento e os objetivos que pretendem cumprir. Assim as atividades a que se dedica o aprovisionamento serão: - a compra; - a armazenagem; - a gestão de stocks. Os objetivos serão: - a organização das compras dos materiais nas melhores condições de qualidade e preço; - a obtenção e manutenção das melhores condições de armazenagem; - a garantia de uma boa gestão administrativa, económica e material dos stocks.

9 Atividades do aprovisionamento Comprar Armazenar Gerir os stocks A compra dos materiais deve efetuar-se nas melhores condições de qualidade e de preço (boa relação qualidade/preço). A armazenagem dos materiais e a sua manutenção deve fazer-se de forma eficiente e eficaz. A gestão dos stocks faz-se ao nível da gestão material, gestão administrativa e da gestão económica.

10 Objetivos das Atividades de aprovisionamento As atividades de aprovisionamento visam Organizar, de forma eficiente e eficaz, as compras de materiais em stock ou a incorporar na produção. Conseguir as melhores condições físicas de armazenagem dos materiais em stock. Assegurar uma boa gestão material administrativa e económica em stocks.

11 Gestão de Stocks Gestão material Gestão administrativa Gestão económica Desenvolve tarefas de receção, conferência, arrumação e entrega dos materiais. Processa e analisa documentos relacionados com a localização e quantificação dos stocks. Determina as quantidades a adquirir e a sua gestão, de modo a evitar ruturas ou excessos de stocks em armazém.

12 Vantagens dos stocks Os stocks são uteis, na medida em que fazem face a situações imprevisíveis de falta de produtos em armazém, a chamada rutura de stocks que se pretende evitar. Muitas vezes constituem-se stocks com o intuito de comprar a baixos preços para depois, em situação de alta de preços, os revender a preços mais elevados, conseguindo um valor acrescentado maior: é a chamada especulação. Um stock permite, também, assegurar o consumo regular de um produto, apesar da sua produção ser irregular. Comprando-se em grandes quantidades, também se beneficia de descontos. A existência de stocks justifica-se face à irregularidade do consumo, ou seja, nem sempre se consome a mesma quantidade e, em situações de maior consumo, a empresa deverá estar preparada para o satisfazer. O stock serve para fazer face às eventualidades das entregas. Os fornecedores de materiais nem sempre fazem as suas entregas atempadamente, logo, os stocks permitem a manutenção da situação por alguns dias. Todos os stocks que se constituam e que ultrapassem os limites do razoável tornamse inúteis e passam a ser considerados uma grande desvantagem para a empresa.

13 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aula 55 e 56 Sumário Aprovisionamento e stocks.

14 Inconvenientes dos stocks Certos produtos não podem ser guardados em stock, pois apresentam alguma fragilidade, não permitindo a sua conservação durante muito tempo. Outro inconveniente é o investimento de capital que se faz em muitos produtos e sobre os quais a empresa não vai ter retorno tão depressa como pretendido, pois enchem os armazéns e tornam-se um peso morto para a empresa. O custo de constituição de um stock é bastante elevado e a empresa tem de o suportar. A possibilidade de rutura que conduz a uma falha nas vendas ou na produção. As empresas arriscam-se a perder clientes ou a parar toda a sua linha de fabrico devido à falta de produtos ou de matérias primas.

15 1. Função do aprovisionamento 1.2. Gestão Material de Stocks Armazém e Equipamentos; Atividades da Gestão Material de Stocks.

16 Armazém e equipamentos Enquadrada na gestão material de stocks, a seleção do armazém, ou armazéns, e do equipamento do armazém reveste-se de grande importância para a empresa porque, além dos elevados custos que estes aspetos envolvem, deles depende o correto funcionamento do abastecimento da empresa, seja da fabricação ou do ponto de venda. A armazenagem eficiente consiste em: -Tornar a receção dos materiais mais rápida e segura. - Utilizar os equipamentos adequados à arrumação dos materiais. - Racionalizar o espaço para os materiais existentes. - Localizar rapidamente os produtos através de referências.

17 Armazém A escolha do armazém deverá ter em conta aspetos essenciais como a sua localização e o seu tamanho.

18 Localização Tamanho Armazém Localização e Tamanho A localização do armazém depende de diversos fatores: Localização da empresa e dos utilizadores do armazém; Preço; Localização dos fornecedores; Finalidades e características da empresa. A área do armazém depende: Das características físicas do produto; Do espaço para a movimentação dos produtos; Das atividades que se desenvolvem no armazém. Ex: uma empresa industrial localizará o seu armazém perto da área de fabrico. Uma empresa comercial poderá afastar o seu armazém, mas dependerá de um a boa rede de distribuição dos seus produtos (transporte). Ex: produtos congelados necessitam de espaços de frio adequados. Ex: produtos de grande volume necessitam de mais espaço de movimentação. Ex: se a empresa deseja juntar todo o aprovisionamento num só armazém, a sua área terá de ser maior.

19 Normas de armazenamento de material desportivo Na conceção do local de armazenamento, devem ser respeitadas as seguintes normas: - Dimensão adequada ao material; - Pé direito nunca inferior a 2,50 m; - Portão e acessibilidades adequadas ao tipo de materiais; - Localização no mesmo piso do recinto desportivo, evitando percursos longos; - Ventilação adequada, evitando humidades e alterações rápidas e profundas de temperatura; - Iluminação suficiente de acordo com as regras das modalidades; - Segurança; - Boas acessibilidades tanto para o exterior como para o interior da instalação.

20 Equipamento O equipamento de armazém visa determinados objetivos conjugados com as finalidades da empresa. Para tal, o equipamento deve: - Aumentar a produtividade das operações; - Melhorar o uso do espaço; - Diminuir os custos; - Otimizar a movimentação de pessoas e cargas.

21 Seleção do Equipamento A escolha dos equipamentos deverá ter sempre em vista os requisitos enunciados de modo a rentabilizar a sua eficiência. A seleção do equipamento a ser utilizado no armazém é condicionada por fatores diversificados que se relacionam com: - o tamanho do armazém; (ex: um pequeno armazém não pode suportar equipamentos de grande porte) -as características do produto a ser manuseado; (ex: o tipo de produto que se deseja manusear condiciona a utilização de determinados equipamentos). - a capacidade de movimentação do armazém; (ex: pouco espaço inviabiliza a utilização do empilhador). - a capacidade financeira da empresa; (ex: os custos do equipamento poderão limitar a sua compra) - desempenho que se pretende; - oferta do mercado e tecnologia.

22 Tipos de Equipamentos Equipamento administrativo Equipamento de arrumação Equipamento de movimentação Equipamento de logística Deste equipamento fazem parte o mobiliário, os equipamentos informáticos e outros que se encontrem ligados ao tratamento administrativo dos stocks Deste tipo de equipamentos destacam-se as prateleiras, fixas ou dinâmicas e os empilhadores. Deste tipo de equipamentos destacam-se as plataformas móveis, os porta-paletes, elétricos ou manuais e os empilhadores. Este tipo de equipamento são mais atuais e servem para localizar e quantificar os produtos existentes em armazém. Ex: Emissores de rádio e de frequência, vulgarmente designados por PDA`s.

23 Atividades da gestão material de stocks A armazenagem dos produtos pressupõe uma série de atividades, como receber os bens, conferi-los e guardá-los para que possam ser entregues em locais próprios. O armazenamento é, pois, um serviço que comporta variados custos que a empresa terá de suportar em equipamentos, armazéns, pessoas e outros custos associados, aumentando o custo do bem à saída do armazém e, consequentemente, o seu preço de venda. As atividades da gestão de material pressupõe a atividade de pessoas qualificadas com formação específica e adequada para que essa gestão seja eficiente, eficaz e com alto nível de rentabilidade e produtividade, reduzindo os erros de processo. Neste sentido, aos responsáveis pelo armazém deverá proporcionar-se formação em várias áreas relacionadas com o aprovisionamento como a seguir se indica.

24 Classificação Distribuição Técnicas de Armazenagem Manutenção Contabilidade das existências Reaprovisionamento Documentação Tecnologia Formação dos responsáveis pelo armazém Classificar e tratar os produtos consoante a sua importância e características. Rentabilizar os espaços e volumes consoante as características dos produtos. Determinar a melhor armazenagem, conhecer os circuitos do armazém e controlar o seu funcionamento. Manter em condições de higiene e funcionalidade de todos os espaços do armazém. Proceder ao inventário de existências e registo de entradas e saídas de produtos. Reabastecer o armazém de forma regular. Conhecer os documentos e os circuitos documentais relacionados com a gestão material de stocks. Utilizar as novas tecnologias, maximizando a rentabilidade dos equipamentos.

25 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aula 57 Sumário Áreas de gestão material de stocks. Sistema de arrumação

26 Áreas da gestão material de stocks A gestão material dos stocks engloba, em síntese, três áreas específicas: a receção e conferência, a arrumação e a entrega dos produtos necessários quer à fabricação quer ao ponto de venda. Receção e conferência Arrumação Entrega Consiste na conferência dos materiais recebidos no armazém, com base em documentos do contrato de compra e venda (fatura ou guia de remessa). Consiste na separação dos produtos recebidos, segundo a sua classificação, e na definição do espaço destinado à movimentação dos equipamentos: -Arrumação em áreas específicas; - Utilização de códigos; - Utilização de etiquetas. Consiste em dinamizar as entregas no momento certo e em quantidades certas através do recurso a técnicas de gestão de stocks, apoiadas Prof. José na Luís tecnologia Morgado disponível.

27 A codificação e etiquetagem assumem grande importância na arrumação e entrega dos produtos, pois estes processos permitem a sua localização rápida e o registo da sua entrada ou saída do armazém ou ponto de venda. O código de barras constituído por um conjunto de barras negras impressas numa etiqueta ou postas no próprio produto simplificou as tarefas de conferência, arrumação e entrega com recurso à leitura óptica. Atualmente diz-se que o futuro das cadeias de abastecimento está no RFID (Radio Frequency Identification), a identificação por rádio frequência. No entanto, o código de barras persiste, em combinação com os novos sistemas de leitura óptica.

28 Sistema de arrumação O armazenamento eficiente depende, em larga medida, de um eficiente sistema de codificação, como anteriormente foi referido. Este sistema de codificação poderá ser utilizado através de tecnologia mais avançada, mas em geral, contempla os seguintes aspetos: arrumar os materiais através de um código específico, arrumar os materiais por zona de localização e arrumar os materiais por lotes. Codificação Áreas Lotes Cada material possui um código específico, colocado numa etiqueta para que possa ser identificado em quantidade e localização dentro do armazém. Os materiais ou stocks são arrumados por áreas diferenciadas. Ex: área de natação, área de montanhismo entre outros. Os stocks devem ser agrupados por lotes de fabrico ou de entrada em armazém, uma vez que os produtos que constituem um lote têm características idênticas.

29 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aula 58 Sumário Documentos da gestão material de stocks.

30 Documentos da Gestão Material de Stocks A gestão material de stocks desenvolve-se segundo as atividades e áreas já referidas, mas sempre suportadas por documentos específicos que disponibilizem informação a qualquer momento. Todas as tarefas estão simplificadas pela informatização dos processos e, muitas vezes, não existe materialização em papel das informações recolhidas. No entanto no nosso país, ainda existem muitas empresas que recorrem ao suporte de papel para recolha de informação de entradas e saídas de armazém, arrumação e entrega de produtos. Receção Arrumação Entrega Nota de encomenda; Guia de remessa; Fatura; Guia de entrada. Etiquetas; Fichas; Plano de armazenagem. Guia de saída; Ficha de armazém; Ficha de stocks.

31 Documentos da Gestão Material de Stocks (receção)

32 Documentos da Gestão Material de Stocks (entrega)

33 Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aula 68 Sumário Gestão administrativa de stocks.

34 1. Função do aprovisionamento 1.3. Gestão Administrativa de Stocks Organização e Registo de Stocks; Organização das Compras de Stocks.

35 Organização e Registo de Stocks A gestão administrativa está estritamente ligada à gestão material de stocks, nas suas suas áreas fundamentais, a receção e a entrega particularmente. A organização dos stocks, como em qualquer área da empresa, assume um papel fundamental na procura de eficiência e eficácia de todos os processos desenvolvidos. Registo de stocks em documentos adequados Os documentos administrativos permitem a obtenção de informação exata e necessária em qualquer momento, desde que estejam devidamente atualizados e organizados. Os documentos relacionados com os stocks devem fornecer, assim, informação que permite à empresa conhecer: a quantidade de produtos existentes em stock, a identificação dos materiais existentes e a sua localização precisa, evitando perdas de tempo e de eficiência na sua procura.

36 Atualmente muitas empresas já informatizaram os seus processos de gestão de stocks, pelo que a informação é produzida eletronicamente sem o recurso a documentos em suporte de papel. No entanto muitas empresas ainda utilizam documentos em papel, como por exemplo: guia de entrada, guia de saída, ficha de gestão de stocks, ficha de armazém, requisição de materiais, fichas de fornecedores e os contratos celebrados com as entidades fornecedoras de produtos. Esses documentos permitem retirar as seguintes informações: Conhecer o stock existente em armazém; Evitar a rutura ou o excesso de produtos; Calcular o custo de um determinado produto à saída do armazém; Permitir uma leitura fácil e rápida de informação; Registar entradas e saídas de armazém.

37 Organização das Compras de Stocks As compras de materiais encerram um conjunto de tarefas que asseguram a aquisição de bens e serviços vitais ao funcionamento da empresa. A compra de materiais, sejam eles mercadorias, matérias primas ou outros, só poderá realizar-se após o percurso de uma série de fases desde a receção das requisições das áreas onde estes materiais são necessários até à negociação propriamente dita.

38 Etapas de realização da compra de materiais 1ª ETAPA Identificação dos bens/serviços a adquirir. 2ª ETAPA Seleção de fornecedores. 3ª ETAPA Negociação e comunicação. 4ª ETAPA Realização da compra/adjudicação. 5ª ETAPA Envio da informação aos serviços de controlo

39 Etapas de realização da compra Tarefas a realizar 1ª Etapa - Identificação dos bens/serviços a adquirir. Receção dos pedidos dos Serviços requisitores ou obtenção dos dados diretamente do computador que leva à definição dos produtos a adquirir. 2ª Etapa Seleção dos fornecedores. Verificar se há contactos anteriores com fornecedores. Estabelecer contactos com novos fornecedores, analisando as propostas e decidir as que podem interessar à empresa. Apresentar as condições inseridas no caderno de encargos. Condições essas que são apresentadas aos fornecedores e que condicionarão a sua seleção e as negociações em termos de: preços, faturação, prazos de pagamento, condições de transporte, locais de entrega, características dos produtos e formas de resolução de conflitos.

40 Etapas de realização da compra Tarefas a realizar 3ª Etapa - Negociação. Negociar com os fornecedores e comunicar à secção de contabilidade para disponibilização da verba necessária, dando cabimento à despesa a efetuar. Partes em que se divide a negociação Pré-Negociação Encontro negocial Pós-negociação Nesta parte, recolhem-se informações e estabelecem-se objetivos. Discutem-se as condições e chega-se a acordo. Transferem-se as condições acordadas para o departamento financeiro para se fechar o negócio. Elementos da negociação: Preços; Prazos de pagamento; Descontos; Modalidades de entrega; Colaboração comercial; Remuneração de serviços.

41 Etapas de realização da compra Tarefas a realizar 4ª Etapa Realização da compra/adjudicação. Realizar a compra com base num contrato que poderá ser: anual, mensal ou pontual. A adjudicação é uma das últimas etapas do processo de aquisição e representa a garantia mútua por meio da celebração do contrato de compra firmado entre comprador e vendedor. 5ª Etapa Envio de informação aos Serviços de Controlo. Informar o serviço de receção e controlo das mercadorias/materiais: - produto e quantidade. Informar a secção de contabilidade: - Preço e condições de pagamento.

42 Documentos a utilizar nas fases da compra Etapas 1ª Receção de pedidos Documentação Documento base Requisição ou pedido de materiais (doc.1) 2ª Fornecedores Propostas/Orçamentos (doc.2) 3ª Negociação e Comunicação Documento interno 4ª Efetivação da Compra Nota de encomenda (doc.3) 5ª Envio de Informação Documento interno

43 Documento 1 Requisição ou pedido de materiais

44 Documento 2 Ficha de Fornecedor

45 Documento 3 Nota de Encomenda

Armazenagem de Mercadorias

Armazenagem de Mercadorias Especialização Armazenagem de Mercadorias Armazenagem de Mercadorias Os objectivos da armazenagem eficiente serão concretizados se a empresa providenciar espaços adequados ao produto que comercializa e

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 14 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015

Perfil e Competências Pessoal Não docente. Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades Isabel Gomes Teixeira Ano Letivo 2014/2015 Perfil e Competências Pessoal Não docente Ano Letivo 2014/2015 Introdução A forma de ver e viver na escola dos nossos dias colocou novos desafios à comunidade escolar e levou à necessidade de repensar

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 9 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA)

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE DE GESTÃO II 2.º ANO DE AUDITORIA E FISCALIDADE MÉTODO

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente WWW.ZETES.COM ALWAYS A GOOD ID Precisão de aprovisionamento para o retalhista omnicanal Evitar a perda de vendas As expetativas dos clientes estão a mudar e

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

FASES DO PROCESSO DE COMPRA E VENDA

FASES DO PROCESSO DE COMPRA E VENDA Liquidação Na fase da liquidação, o vendedor apura o montante que o comprador terá que suportar com a execução da encomenda. O apuramento do montante a pagar é calculado considerando o preço fixado e descontos

Leia mais

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta PHCLogística DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística A solução para diminuir

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Curso de Educação e Formação (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Saída profissional: Empregado/a Comercial Planificação Anual Disciplina de componente tecnológica:

Leia mais

EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS

EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS Exercício 1 Construa o modelo Entidades-Relacionamentos a partir da seguinte descrição do sistema: Uma empresa de venda de automóveis retende implementar um sistema

Leia mais

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas

Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural. Guia Prático: perguntas com respostas Mercado liberalizado da eletricidade e do gás natural Guia Prático: perguntas com respostas Nota introdutória A liberalização dos mercados de eletricidade e do gás natural e a sequente extinção das tarifas

Leia mais

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto

ESTOCAGEM. Processos e Serviços em Transporte. Curso Técnico em Logística Módulo II. Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto ESTOCAGEM Processos e Serviços em Transporte Curso Técnico em Logística Módulo II Prof. Esp. Luís Teodoro Peixoto CONTEÚDO Vantagens de constituir estoques; Custos de Estoques: fixos e variáveis; Classificação

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

de Finanças as de Lisboa

de Finanças as de Lisboa Direção de Finanças as de Lisboa Pontos a abordar Objetivos visados com as alterações Situações enquadráveis no RBC Situações excepcionados do RBC Tipos de Documentos de Transporte (Formas de Emissão)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Equipamentos. Os equipamentos de armazém são parte integrante de um sistema planeado de armazenamento.

Equipamentos. Os equipamentos de armazém são parte integrante de um sistema planeado de armazenamento. Equipamentos Os equipamentos de armazém são parte integrante de um sistema planeado de armazenamento. Os Sistemas de armazenagem são conjuntos de equipamentos que servem para arrumar, de forma conveniente,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Software de Gestão Manutenção e Produção

Software de Gestão Manutenção e Produção Software de Gestão Manutenção e Produção Parceiro global para toda a área de Tecnologias da sua empresa ENQUADRAMENTO A ALIDATA e a SENDYS são empresas 100% portuguesas, no mercado há mais de 30 anos,

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

Vantagens da solução Starter Easy

Vantagens da solução Starter Easy Vantagens da solução Starter Easy Software certificado A solução Starter Easy obedece às regras de certificação dos programas informáticos de faturação definidos pela Autoridade Tributária, conforme o

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Restauração e Catering Ano letivo 2012/2013 Unidade Curricular Logística e aprovisionamento ECTS 4 Regime Obrigatório Ano 2º Ano Semestre 1º Semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Assistentes

Leia mais

STOCKS E MERCHANDISING

STOCKS E MERCHANDISING GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos de Educação e Formação Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL STOCKS E MERCHANDISING (Tipologia 3) Página 1 de 6 Competências Gerais Participar no controlo quantitativo

Leia mais

COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA. Warehouse Management System. Software Solutions

COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA. Warehouse Management System. Software Solutions COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA Warehouse Management System Software Solutions Porque é que um SGA pode tornar o seu armazém seja rentável? Com a instalação de um Software de Gestão de Armazéns

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA A finalidade deste documento é, essencialmente, clarificar os procedimentos a considerar antes da abertura de ano e a forma como realizar esta operação. O manual está

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO LETIVO : 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO LETIVO : 2011/2012 ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO : 2011/2012 Analisar a evolução do conceito de organização Enumerar algumas finalidades de caráter económico e social das organizações Reconhecer

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES

ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

JUNTOS MUDAMOS A SAÚDE PARA MELHOR NOVA ESTRATÉGIA COMERCIAL MADEIRA

JUNTOS MUDAMOS A SAÚDE PARA MELHOR NOVA ESTRATÉGIA COMERCIAL MADEIRA compromisso serviço JUNTOS MUDAMOS A SAÚDE PARA MELHOR NOVA ESTRATÉGIA COMERCIAL MADEIRA 2016 S DE 2016 PARA UMA SAÚDE MAIS PRÓXIMA Melhorar a saúde na Madeira é uma motivação que nos faz evoluir todos

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 8 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Executar atividades administrativas de apoio às diversas áreas da empresa. Atividades Arquivar documentos Arquivar documentos, classificando-os em pastas específicas,

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Componente Técnica, Tecnológica e Prática Componente Científica Componente Sociocultural Morada: Rua D. Jaime Garcia Goulart, 1. 9950 361 Madalena do Pico. Telefones: 292 623661/3. Fax: 292 623666. Contribuinte:

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um analisador termogravimétrico (TGA) 2014/S 051-084398. Anúncio de concurso. Fornecimentos

Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um analisador termogravimétrico (TGA) 2014/S 051-084398. Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:84398-2014:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um analisador termogravimétrico (TGA) 2014/S 051-084398 Anúncio

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Não dispensa a leitura integral do modelo de funcionamento

Não dispensa a leitura integral do modelo de funcionamento Informação de negociação de cotações, no âmbito do Portal Informativo de Cotações do Oeste (PICO), para Equipamentos Informáticos Computadores de Secretária e Periféricos. 18 de Março de 2014 1 Informação

Leia mais

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo O módulo PHC Logística CS permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à sua expedição. PHC Logística CS A solução para diminuir os custos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012

Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012 Iº ENCONTRO NACIONAL DE TESOURARIA JOSÉ LOPES DMC/BNA LOBITO 2012 INTRODUÇÃO Este Iº encontro de Tesouraria, traduz o interesse do BNA em partilhar conhecimentos com os bancos comercias e outros agentes

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA.

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. 1. Encomendas 1.1 Qualquer encomenda só poderá ser considerada se for formalizada por escrito. 1.2 A formalização da encomenda pelo Cliente implica o reconhecimento

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA. Warehouse Management System Software

COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA. Warehouse Management System Software COMO CONSEGUIR QUE O SEU ARMAZÉM RENTÁVEL SEJA Warehouse Management System Software O seu armazém deve ser: produtivo, com movimentos eficazes, com o stock otimizado, com o espaço aproveitado, sem erros,

Leia mais

Planeamento da Produção

Planeamento da Produção Regula o funcionamento da ao nível operacional através de decisões do tipo o que, quando e quanto produzir ou comprar estratégico do negócio estratégico do negócio estratégico da estratégico da agregado

Leia mais

SOLUÇÕES DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS VALORIZAÇÃO DO CAPITAL HUMANO

SOLUÇÕES DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS VALORIZAÇÃO DO CAPITAL HUMANO SOLUÇÕES DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS VALORIZAÇÃO DO CAPITAL HUMANO SOLUÇÕES DE RECURSOS HUMANOS ARTSOFT Os Recursos Humanos são o ativo mais relevante de uma organização, sendo, por isso, alvo de grande

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Edição: 0.1 JUL/2013 Página 2 de 19 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH

CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH CONNOSCO AS SUAS FATURAS PODEM SER CASH SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME ESTE É O SEU MILLENNIUM. www.millenniumbcp.pt SOLUÇÃO DE FATURAÇÃO CASH ON TIME TUDO O QUE PRECISA DE SABER ÍNDICE 01. CASH ON

Leia mais

SCORE Product Technician

SCORE Product Technician Coordenação PRIMAVERA Academy Destinatários Este programa de formação destina-se a técnicos ou potenciais técnicos que pretendam enveredar por uma carreira nas TIs, obtendo as competências básicas para

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo PHCLogística CS DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística CS A solução para

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais