UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS GERENCIAIS. Atividade Integrada. Administração Estratégica. Curso de Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS GERENCIAIS. Atividade Integrada. Administração Estratégica. Curso de Administração"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO UNIVERSIDADE DEPARTAMENTO NOVE DE CIÊNCIAS DE JULHO GERENCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS GERENCIAIS Atividade Integrada Administração Estratégica. Curso de Administração São Paulo / 2014

2 1. DISCIPLINA Administração Estratégica 2. SEMESTRE 5 3. PROFESSORES ENVOLVIDOS NA PROPOSIÇÃO DA ATIVIDADE Ana Graziele Lourenço Toledo Eduardo Botelho Corrêa Fábio Marques Rogério Pereira 4. OBJETIVOS DA ATIVIDADE Preparar os alunos para análise, diagnóstico e aplicação dos conteúdos definidos no plano de ensino da disciplina. Avaliar e mensurar os resultados alcançados com o conteúdo aplicado, assim como a necessidade de adaptação e inovação do processo de aprendizado. Colocar o aluno frente ao desafio de propor uma solução e tomar a melhor decisão estratégica para empresa. 5. CRONOGRAMA COM DETALHAMENTO DAS ETAPAS DE APLICAÇÃO DA ATIVIDADE 1ª semana Conteúdo 2ª semana Conteúdo 3ª semana Conteúdo 4ª semana Conteúdo 5ª semana Conteúdo 6ª Semana AV1 Individual a) Explicar como será desenvolvida a atividade e ressaltar a importância e os critérios de avaliação. b) O professor deverá ler e explicar o caso aos alunos. c) O envio do caso pode ser realizado com antecedência para que os alunos realizem a leitura prévia. (no início do 1

3 semestre) a) Definição e entrega do problema e objetivo(s) do caso. O aluno deverá identificar o problema chave do caso e descrevê-lo de maneira completa, assim como os objetivos esperados. 7ª Semana AV1 - Etapa 01 Grupo b) O aluno deve selecionar as variáveis (dados e informações) que serão utilizados na solução do caso. O aluno determina quais serão, porém, o professor deve acompanhar e orientar a quantidade e qualidade desses dados e informações. (quantitativo e qualitativo) Peso: 1,0 8ª Semana b) Devolução e feedback da etapa anterior. O professor deverá orientar os alunos nas correções necessárias para a continuidade da proposta. 9ª Semana b) Devolução e feedback da etapa anterior. Caso necessário, realizar as correções finais da etapa ª Semana AV1 - Etapa 02 Grupo a) Definição das ferramentas de gestão estratégica que serão utilizadas na solução do problema e alcance do(s) objetivo(s) do caso. b) O professor deverá orientar o aluno a utilizar a biblioteca presencial, virtual e o material disponível no use Peso: 1.0 2

4 AVA. c) Desenvolvimento da proposta para solução do problema e alcance do(s) objetivo(s) do caso. Lembrar ao aluno que ele deverá utilizar todas as fases do processo de administração estratégica para a confecção do trabalho. 11ª Semana c) Devolução e feedback da etapa anterior. O professor deverá orientar os alunos nas correções necessárias para a continuidade da proposta. 12ª Semana c) Conteúdo d) Devolução e feedback da etapa anterior. Caso necessário, realizar as correções finais da etapa ª Semana AV1 - Etapa 03 Grupo a) Definição/escolha, em grupo, da melhor alternativa estratégica para o problema ou alcance do(s) objetivo(s) do caso. b) Os alunos em grupo devem discutir as propostas apresentadas pelos colegas e definirem a melhor alternativa estratégica que será proposta para finalizar o caso. Peso: 1.0 3

5 14ª Semana b) Conteúdo d) Devolução e feedback da etapa anterior. O professor deverá a apresentar os resultados alcançados, realizar as correções e sanar as dúvidas dos alunos. 15ª Semana Av1. (10 à 14 de novembro) 16ª Semana b) 19/11 - ADDi 17ª Semana Conteúdo 18ª Semana b) Av2 02/12 19ª Semana c) Conteúdo d) Av3 02/12 20ª Semana Fechamento do semestre. 4

6 6. PONTUAÇÃO 3 pontos conferidos de acordo com as etapas de entrega descritas no cronograma. 7. APRESENTAÇÃO DA ATIVIDADE CASO PARA ESTUDO: BIOMM BIOTECNOLOGIA 1 Segundo a Agência Nacional de Desenvolvimento Industrial ADBI (2010) o setor de biotecnologia no Brasil tem contado com o crescente papel de empresas privadas para seu desenvolvimento. Em relação ao governo, desde 2007, o governo federal tem implementado políticas de apoio à biotecnologia com o objetivo de desenvolver tecnologias nacionais que em longo prazo podem substituir produtos que atualmente o país importa, porém estes investimentos ainda estão aquém de outros países emergentes (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico OECD 2013). Biotecnologia é a aplicação da ciência e da tecnologia aos organismos vivos, bem como partes, produtos e modelos, para alterar materiais vivos ou não vivos para a produção de conhecimentos, bens e serviços (OECD, 2009) abrangendo técnicas como DNA/RNA, proteínas e outras moléculas, cultura e engenharia de células e tecidos, técnicas de processo biotecnológico, vetores de genes e RNA, bioinformática e nano biotecnologia. Segundo a OECD (2009) uma empresa de biotecnologia é aquela que usa pelo menos uma técnica de biologia para produzir bens e serviços ou realizar desenvolvimento tecnológico no setor. Especificamente na biotecnologia aplicada à saúde humana, Eurofarma, Aché laboratórios, União Química e Biogene são empresas que se encontram em destaque dada a grande quantidade de produtos e serviços que compõe seu mix de negócios. Ainda neste nicho (biotecnologia aplicada à saúde humana) o caso a ser estudado é o da empresa BIOMM Technology, uma empresa de capital 100% brasileiro que detém a tecnologia de produção de insulina, proteínas terapêuticas recombinantes e enzimas para biocombustíveis. A empresa fica localizada na cidade de Belo Horizonte em Minas Gerais e foi criada em 2001, a partir da cisão da Biobrás. À época, o grupo dinamarquês Novo Nordisk adquiriu o controle acionário da Biobrás e transferiu as operações de produção de insulina para o exterior, ficando o Brasil sem fornecedor interno para este mercado e tendo que importar a insulina que é consumida no país. Os donos da Biobrás, no entanto, ficando com a posse da patente para a produção de insulina recombinante, anunciaram recentemente o acordo de cooperação com a Fundação Oswaldo Cruz que viabilizará a construção de uma fábrica na cidade de Nova Lima, zona metropolitana de Belo Horizonte. A Biomm S.A. é uma sociedade anônima e possui ações negociadas na BOVESPA. Em 2003, criou-se a Biomm International que explora e administra os direitos de propriedade intelectual da 1 Caso de estudo elaborado pela Profa. Ana Graziele Lourenço Toledo 5

7 insulina recombinante nos negócios internacionais, licenciando a tecnologia de produção de cristais de insulina. Em 2005 mais duas subsidiárias (uma na Rússia e outra nas Ilhas Virgens Britânicas) foram abertas, dando continuidade ao projeto de expansão deste negócio da empresa via internacionalização. 2 Conforme informações declaradas pela Biomm em seu site e nos documentos enviados à Comissão de Valores Mobiliários CVM -, a empresa está buscando o desenvolvimento de novos negócios atuando em dois outros projetos além da construção da fábrica de insulina em Minas Gerais: uma joint venture com uma empresa da Arábia Saudita para transferir tecnologia de produção de insulina através da implantação de uma unidade industrial; o desenvolvimento de técnicas de aperfeiçoamento de fontes alternativas de energia a partir de biomassa mediante financiamento obtido na Financiadora de Estudos e Projetos FINEP. O presidente da Biomm, Francisco Freitas, disse em entrevista à repórter Lidia Rezende 3 do Diário do Comércio MG que em relação ao negócio da insulina, com o funcionamento da fábrica em Nova Lima vai haver um aumento na disponibilidade de medicamentos, além da redução do preço e da universalização do acesso a esses remédios. No mercado privado, haverá mais opções para médicos e pacientes. Certamente tudo isso terá um impacto significativo na economia". Atualmente entre os principais fornecedores de insulina no país estão Lilly, Novo Nordisk, Cellofarm e Sanofy Aventis (Associação Nacional de Assistência ao Diabético, 2014) 4 que possuem fortes economias de escala por causa de sua atuação global e são empresas que investem pesado em pesquisa e desenvolvimento, o que as coloca em posição privilegiada em relação ao desenvolvimento de novos produtos e registro de patentes. Em relação à localização da fábrica em Minas Gerais, Freitas disse que o Estado conta com duas variáveis estratégicas: a geração de mão de obra especializada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a presença de empresas importantes do setor, além da Fundação Biominas. Minas ainda tem uma posição geográfica privilegiada e um aeroporto internacional de porte". Além da parceria com a UFMG, a Biomm mantém sua rede de inovação com as universidades federais do Amazonas e Rio de Janeiro, além das universidades de São Paulo, Brasília e Universidade Federal de Montes Claros sem contar com centros de pesquisa na Alemanha, Estados Unidos, Suécia, Finlândia e Rússia. 5 Atualmente a fonte principal de receita da Biomm é externa, ou seja, vem de seus negócios internacionais; no entanto, seus principais custos estão no Brasil com a construção a fábrica. Segundo uma análise da própria Biomm (2012) este é o principal risco de mercado corrido pela empresa: caso o dólar se desvalorize em relação ao real, as margens da empresa sofrerão. Também se deve considerar que sediada em um país de economia emergente como o Brasil, a Biomm também está suscetível às mudanças políticas e institucionais frequentes nestes países considerando, também, a instabilidade da Arábia Saudita, outro país onde a Biomm possui operações. Porém, desde 02 de janeiro de 2014, a empresa passou a captar recursos através da 2 Conforme dados econômico-financeiros disponibilizados pela Biomm à CVM Informações do site da empresa 6

8 negociação de suas ações no segmento Bovespa Mais que é um segmento destinado a investidores de médio e longo prazo e empresas que desejam ingressar no mercado de capitais de forma incremental (BOVESPA, 2014). Portanto, é clara a intenção da empresa em expandir sua capacidade. No entanto dos dois mercados onde a Biomm atua, alguns dados são pertinentes de serem citados: - insulina recombinante Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (2014), a diabetes é a elevação da glicose no sangue ou hiperglicemia: Os alimentos sofrem digestão no intestino e se transformam em açúcar, chamada glicose que é absorvida para o sangue. A glicose no sangue é usada pelos tecidos como energia. A utilização da glicose depende da presença de insulina, uma substancia produzida nas células do pâncreas. Quando a glicose não é bem utilizada pelo organismo ela se eleva no sangue o que chamamos de HIPERGLICEMIA. 6 Segundo a International Diabetes Federation - IDF (2012), são 371 milhões de pessoas entre 20 e 79 anos de idade diabéticas no mundo e 13,4 milhões no Brasil; somente Estados Unidos, India e China possuem maiores populações diabéticas que o Brasil. O organismo também informa que o número de portadores de diabetes cresce a cada ano, porém cerca de 50% das pessoas não sabem que possuem a doença. Em entrevista à revista Veja, o endocrinologista Enrique Caballero afirmou que apesar do grande número de diabéticos, a política brasileira para o diabetes é deficitária, pois não investe em prevenção e a maior parte do dinheiro é gasta em hospitais e cirurgia para o tratamento gasto nas complicações tardias da doença 7, entre o qual está o fornecimento de insulina. O Ministério da Saúde atualmente adquire insulina de Novo Nordisk e Lilly, mas espera que com a fábrica da Biomm e uma parceria fechada entre o laboratório ucraniano Indar e a Fundação Oswaldo Cruz, mais de 50% da insulina consumida na rede pública possa ser fabricada no país livrando o Brasil da dependência de fornecedores estrangeiros. - biocombustíveis Os biocombustíveis são combustíveis renováveis derivados de biomassa como mamona, palma, girassol, babaçu, amendoim, cana e soja e que substituem de forma total ou parcial os combustíveis derivados de petróleo e gás natural (Portal Brasil, 2014). Segundo a Empresa de Pesquisa Energética-EPE- (2013), a oferta interna de energia aumento 4,1% em 2012, mas gás natural, petróleo e derivados foram os principais responsáveis por este aumento. A proporção de combustíveis renováveis na matriz energética do país é de 42,4%, mas também foi reduzida em 2012 por causa da pouca oferta interna de biomassa de cana isso porque a exportação do etanol cresceu mais de 50% em um ano

9 O setor de transportes é o principal demandados de energia e suas necessidades cresceram 7,2% em 2012; apesar do aumento na frota de veículos leves (automóveis), o governo reduziu o percentual de álcool acrescido à gasolina para 20% de forma que foram os caminhos e aviões os maiores responsáveis pelo crescimento no consumo de combustíveis no país. 8

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

São Paulo, 17 de junho de 2009

São Paulo, 17 de junho de 2009 São Paulo, 17 de junho de 2009 VIII SEMINÁRIO ORGANIZADO PELO COMITÊ DE SAÚDE Tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil" Nos conhecendo... Davi Sales - Engenheiro Eletrônico experiência em interação

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul Precursora da produção do biocombustível de segunda geração no Hemisfério Sul, com planta em Alagoas, GraalBio quer se tornar referência

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA)

Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) Estudo de viabilidade de produção de biocombustíveis na União Econômica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) África Ocidental e Brasil frente aos desafios das energias renováveis CSAO/OCDE e CEREEC/CEDEAO

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS www.valoronline.com.br Agosto 2011 Ano 11 Número 11 R$ 20,00 VALOR ECONÔMICO AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS edição 2011 MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO

Leia mais

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Valor Econômico Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Sérgio Bueno Criada pelo médico gaúcho Fernando Kreutz, de 39 anos, uma vacina terapêutica contra o câncer da próstata pode

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes

Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes Matriz Energética Brasileira do Setor Transportes Eduardo Luiz Correia Estudos de Mercados e Negócios Estratégia Corporativa 05 de novembro de 2010 1 A Petrobras construiu 4 Cenários com o horizonte de,

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo MATRIZ ENERGÉTICA E DADOS ESTATÍSTICOS Santo André, 21 de março de

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Apresentação Biominas. Capital Empreendedor e Oportunidades em Biotecnologia. Eduardo Emrich Soares Diretor Presidente Fundação Biominas

Apresentação Biominas. Capital Empreendedor e Oportunidades em Biotecnologia. Eduardo Emrich Soares Diretor Presidente Fundação Biominas Apresentação Biominas Capital Empreendedor e Oportunidades em Biotecnologia Eduardo Emrich Soares Diretor Presidente Fundação Biominas 1 Capital Semente 2 Estágios das Empresas + Receita com Vendas e Fluxo

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi

Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi São Paulo, 04 de novembro de 2015 SETEMBRO DE 2015 Acumulado de IED até setembro é de US$ 41,8 bi Ao final do terceiro trimestre de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Primeira ação do Núcleo

Primeira ação do Núcleo Novo Núcleo RENAPI No dia 29 de maio, o diretor da ABDI, Clayton Campanhola, e o presidente da Federação das Indústrias de Rondônia (FIERO), Denis Roberto Baú, assinaram o termo de cooperação que oficializou

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul

Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul Pedro Manuchakian Vice-presidente de Engenharia de Produtos General Motors América do Sul Conteúdo O mercado automotivo de 1980 à 2015 O perfil atual do consumidor brasileiro A evolução dos sistemas automotivos

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Em 2014, IED registra queda de 2,3%

Em 2014, IED registra queda de 2,3% São Paulo, 04 de fevereiro de 2015. Dezembro de 2014 Em 2014, IED registra queda de 2,3% O total de investimentos estrangeiros diretos (IED) que ingressou no Brasil em 2014 foi de US$ 62,5 bilhões, uma

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 03/03/2011 Seção: Diversão&arte Pág.: 2 Assunto: Ludoteca

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 03/03/2011 Seção: Diversão&arte Pág.: 2 Assunto: Ludoteca Veículo: Correio Braziliense Data: 03/03/2011 Seção: Diversão&arte Pág.: 2 Assunto: Ludoteca Veículo: Jornal de Brasília Data: 03/03/2011 Seção: Brasil Pág.: 17 Assunto: Ludoteca Veículo: Jornal Alô Brasília

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

AGILIDADE E SEGURANÇA Plataforma de negociação de alta tecnologia, que garante rapidez e segurança nas operações.

AGILIDADE E SEGURANÇA Plataforma de negociação de alta tecnologia, que garante rapidez e segurança nas operações. 1.6 Histórico Há 30 anos no mercado, a Futura Corretora iniciou suas atividades nos mercados de derivativos, como sóciafundadora da BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros). Desde sua fundação, vem disseminando

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Capital de Risco para projetos de Energia

Capital de Risco para projetos de Energia Workshop Internacional sobre Geração de Eletricidade com Gás de Lixo em São Paulo Capital de Risco para projetos de Energia São Paulo, 25 de junho de 2001 1 Fontes de recursos para Projetos e Empresas

Leia mais

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos Apex-Brasil Alessandro Teixeira Presidente Novo Ciclo do Crescimento Econômico

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 EDITAL Nº. 020/2014

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 EDITAL Nº. 020/2014 FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0001/2014 EDITAL Nº. 020/2014 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil (FPTI-BR), por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação (PTI C,T+I),

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso de Graduação em Administração (Presencial) Turmas 1 e 2 MACROECONOMIA Prof. Adm. Dr. José Carlos de Jesus Lopes Material

Leia mais

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Avaliação Triênio 2004-2006 Prof. Marcelo Menossi Teixeira coordgbm@unicamp.br Processo de avaliação Anualmente cada PPG

Leia mais

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras.

com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. China Sendo que, esse percentual é de 47% para o total das indústrias brasileiras. 73% das indústrias gaúchas exportadoras que concorrem com produtos chineses perderam mercado no exterior em 2010. 53% das indústrias gaúchas de grande porte importam da China Sendo que, esse percentual

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo

Companhia de Gás de São Paulo Companhia de Gás de São Paulo Autora:Tatiana Helena Marques Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Mello Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução:

Leia mais

Há 30 anos no mercado, a Futura Corretora iniciou suas atividades nos mercados de derivativos, como sócia fundadora da BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros). Desde sua fundação, vem disseminando em todo

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, São Paulo 25 de outubro de 2010 O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL-JAPÃO Dr. Ivan Ramalho, Secretário-Executivo Ministério

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS - FINEP INCUBADORA DE FUNDOS INOVAR 9ª CHAMADA DE FUNDOS 1. OBJETO A Financiadora de Estudos e Projetos, na qualidade de Secretaria Executiva da Incubadora de s INOVAR,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais