Manual Módulo de Custos

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Módulo de Custos"

Transcrição

1 Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

2 Conteúdo Introdução I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI Custo de Fabricação: Custo Padrão: Simulação de Custo por Desenvolvimento de Novos Produtos Simulação do Custo de Fabricação Simulação do Preço de Venda com a Margem II - Locais que estão envolvidos para apuração de custo ou simulação de custo Empresas que operam pelo lucro Presumido Empresas que operam pelo lucro Real Empresa que operam com Simples Nacional Veja as Empresas que Operam por Lucro Real como fica o seu Valor de Inventário A partir daí será feita a mesma análise para a empresa que opera com o tipo de tributação Lucro Presumido III - Significado de cada campo da pasta VALOR no Cadastro de Produtos Atual c/ (ICMS, PIS, COFINS): Atual s/ (ICMS, PIS, COFINS): Médio Pond. c/ (ICMS, PIS, COFINS): Médio Pond. s/ (ICMS, PIS, COFINS): Reposição: Fabricação: IV - Formas de Custear Produtos no ERP JAD O custo Real ou Custo Padrão Critério de absorver a Mão de Obra por um Custo Médio por hora produtiva Porque é preciso cadastrar como Imobilizados Como posso verificar se Mão de Obra e Fábrica Geral foram o não totalmente Absorvido ao final do mês V - Ferramentas Diárias para análise do Custo x Vendas VI - Desenvolvendo um novo Produto VII - Fazendo simulação de custo, de Fabricação VIII - Fazendo simulação de Preço de Venda shp group 2 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

3 Introdução I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI. O ERP JAD possui diversas formas de calcular custos. Estas formas são: 1- Custo de Fabricação. 2- Custo Standard, ou custo padrão. 3- Simulação de Custo por desenvolvimento de novos produtos. 4- Simulação de Custo de fabricação. 5- Simulação de Preço de Venda com a Margem. Porém, para um bom aproveitamento das formas de custo que o ERP JAD tem, é muito importante que o usuário saiba o significado de cada campo. E cada tipo de custo do ERP JAD. Bem como, os módulos envolvidos na apuração do custo. E o Tipo de Situação tributária da empresa usuária do ERP JAD. Isto é, qual o regime fiscal a empresa está operando. Por Regime de Lucro Presumido, ou pelo regime de Lucro Real, ou Simples Nacional. Este tipo de regime e muito importante, para a dedução dos impostos quanto estiver configurando o ERP na parte fiscal. Pois, dependendo do tipo de situação tributária a empresa irá ter a recuperação dos impostos, ou não. Próximo passo é descrever o conceito de cada tipo de custo no ERP JAD. 1 - Custo de Fabricação: Este tipo de custo é o custo real de um lote ou uma peça. Apurado em relação a uma fórmula, ou árvore de um produto. Considerando os gastos reais no processo de fabricação, e o apontamento de mão de obra real. Pois, este custo é que irá calcular o custo médio ponderado do estoque de produtos acabados. 2 - Custo Padrão: Este tipo de custo é apurado em relação a uma fórmula ou árvore de um produto. Considerando os gastos Standard no processo de fabricação. shp group 3 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

4 Com base nos gastos standard será calculado o custo do produto. Este custo irá calcular o custo médio ponderado de inventário dos produtos acabados. Porém, deve ter em mente que este modo de calcular o custo simplifica o processo de encerramento de Ordens de Fabricação, porém, com certeza irá afetar o controle de estoque da empresa. Visto que as baixas de estoque serão sempre pelo gasto Standard no processo de fabricação, e não pelo real. Por este motivo está gerando diferença de inventário. 3- Simulação de Custo por Desenvolvimento de Novos Produtos. Este tipo de custo tem como objetivo no desenvolvimento de um novo produto ir orientando quanto irá custar este novo produto. Porém, tem que ter em mente que o custo que está sendo apresentado no momento do desenvolvimento é o custo médio ponderado de inventário. Existe a possibilidade de ao fazer este desenvolvimento do produto, estar usando um componente que nunca a empresa comprou anteriormente. Para este caso o Simulador de custo irá trazer como custo o valor ZERO, para este componente. Logo tem que analisar este fato e pedir ao departamento competente que determine quando irá custar este componente. Após isto, inserir este valor no Cadastro deste componente. Para que o desenvolvimento do produto possa ter o custo correto. Pois, caso ao contrário você terá um custo errado, e o ERP JAD está demonstrando onde está o erro, estará trazendo como custo o valor ZERO. 4- Simulação do Custo de Fabricação Este tipo de custo tem como objetivo, de com base a uma fórmula existente, poder simular mudanças na fórmula. Mudando quantidade de um insumo, trocando de insumo, alterando o preço do insumo, alterando a quantidade de Mão de Obra, ou a quantidade de Despesa de Fábrica Geral, quanto será o custo de fabricação para este produto. shp group 4 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

5 5- Simulação do Preço de Venda com a Margem. Este tipo de custo tem como objetivo orientar o Departamento Comercial a fazer simulações de Preço de Venda de um produto acabado. Pois este simulador parte do custo de fabricação Standard, considerando o preço de cada insumo médio ponderado, os gastos de mão de obra, e fábrica geral determina o custo de fabricação. Sobre este custo acrescentamos à margem de lucro desejado, os impostos que incide sobre este produto, comissões e outras despesas que pode recair sobre o custo deste produto para determinar Preço de Vendas. Neste módulo ainda você pode ou não alterar tipos de despesas que devem influenciar preço do produto para verificar quanto irá afetar o preço de venda final. II - Locais que estão envolvidos para apuração de custo ou simulação de custo. 1- Para conseguir fazer o custo é necessário que o produto a ser custeado, os insumos que entram na composição deste produto, e os seus custos estejam cadastrados no Cadastro de Produto. 2- Para fazer o custo do produto acabado ou intermediário é necessário que este produto tenha a sua fórmula ou árvore de produto cadastrada, com seus insumos e processos de fabricação. 3- Como já foi descrito anteriormente para que possa custear um produto é necessário que o cadastro tenha o custo do produto proveniente das compras. Na compra é que irá tirar os impostos. Por isso é muito importante à parametrização da CFOP, considerando o TIPO DE SITUACAO TRIBUTÁRIA DA EMPRESA. 4- Veja abaixo como devem ser parametrizadas as CFOP de compras dependendo do tipo de situação tributária de cada empresa. 5- Para você verificar a CFOP deve fazer a seguinte navegação no ERP JAD. 1. Cadastros. 2. Fiscal. 3. Aplicações das Operações Fiscais. shp group 5 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

6 Quando estiver neste módulo deve procurar a operação fiscal de compras exemplo 1.101, 2.101, ou 3.101, e outras que sua empresa usa como compras. Acessar a Pasta (COFINS/PIS/ICMS) vide abaixo. Com base nesta pasta, iremos configurar a mesma dependendo as situações tributária de cada empresa. 1. Empresas que operam pelo lucro Presumido. Para este tipo de empresa o imposto de PIS e COFINS é despesa. Logo não devem deduzir estes impostos do preço de compras para apurar o valor de inventários. Este tipo de empresa somente deve deduzir do valor de Compras o valor do ICMS para efeito de valor de inventário. Logo no campo PIS e COFINS para CFOP de compras deve ficar como demonstra a figura página anterior. Em branco, e no campo Cód. de Tributação de ICMS ficar como demonstra igual a 00 - Tributa integralmente. 2. Empresas que operam pelo lucro Real shp group 6 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

7 As empresas que operam pelo lucro real devem subtrair do valor de suas compras os impostos de PIS, COFINS, e ICMS. Para este tipo de empresa geralmente a porcentagem de PIS e de 1,65%, o de COFINS e de 7,60% e a porcentagem de ICMS, que estiver no cadastro do produto que está comprando. Esta percentagem varia de acordo com o produto que pode ser de 7,00%, 12,00%, 18,00% ou 25,00%, para as operações de dentro do estado. Para as operações de fora do estado será considerada a porcentagem que estiver no cadastro de Alíquota de ICMS para Operações de Fora do Estado. Se a empresa que está usando o JAD tiver uma porcentagem de PIS e COFINS diferente do que está sendo mencionado, deverá Ir ao cadastro de Aplicação Fiscal e colocar a porcentagem que está sendo tributada. Para os impostos PIS e COFINS. 3. Empresas que operam com Simples Nacional Para este tipo de empresa todos os impostos são custos logo o preço de compras Bruto é o valor de custo de seus insumos, não devem deduzir nada (ICMS, PIS e COFINS). Para isto deve ir à tela acima demonstrada e clicar para ativar o Box (Não Deduz ICMS do Custo). Veja a seta acima. ISTO SOMENTE PARA EMPRESAS QUE TEM O SIMPLES NACIONAL. Veja no caso das Empresas que Operam por Lucro Real como fica o seu Valor de Inventário. O Valor Líquido de Inventário para as empresas dependendo do tipo de tributação de cada empresa. shp group 7 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

8 Considerando uma compra de um insumo cujo preço foi de R$ 137,45, e considerando também uma CFOP código 1.101, tributando ICMS, PIS, COFINS, e IPI. Ao receber esta mercadoria através do módulo de recebimento de material, para uma empresa que trabalha com Lucro real, existe a seguinte situação, para o valor líquido da compra que irá afetar o custo medido ponderado de inventário. R$ 137,45 * 18,00% = 24,74 de ICMS R$ 137,45 * 1,65% = 2,27 de PIS R$ 137,45 * 7,60% = 10,44 de COFINS Total de Impostos 37,45 Valor da compra sem imposto para este insumo e de R$ 137,45-37,45 = valor líquido sem imposto R$ 100,00. Este e o valor que vai ponderar o valor de inventário. Você poderá verificar este cálculo quando der entrada no recebimento do material. Na pasta de produto no módulo de Recebimento de Materiais (RM), tem a pasta de Complemento, dentro da pasta de Complemento do Produto você visualizara exatamente o valor que está sendo considerado para efeito de apuração do valor médio ponderado de inventário. Veja a demonstração abaixo, quando estiver recebendo material oriundo de compras para uma empresa que tem o seu tipo de tributação por lucro real. shp group 8 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

9 Como pode observar o valor do imposto de PIS e COFINS é demonstrado quanto está sendo deduzido do preço da compra. O valor do ICMS é demonstrado na tela que está digitando o produto no (RM), pois na Pasta de Produto é demonstrado o valor dos impostos, ICMS e do IPI. Como pode observar o valor líquido da mercadoria é de R$ 100,00, este e o valor que vai ponderar o valor médio de inventário sem imposto. 3.1 Em seguida o procedimento é fazer a mesma análise para a empresa que opera com o tipo de tributação Lucro Presumido. Na CFOP de compras no campo de PIS Zeros e no campo de COFINS zeros, veja a figura abaixo. Quando receber a mesma mercadoria, pelo Módulo de Recebimento de Materiais (RM) o sistema fará o seguinte cálculo. A o receber esta mercadoria através do módulo de recebimento de material, para uma empresa que trabalha com Lucro Presumido, ocorre a seguinte situação, para o valor líquido da compras que irá afetar o custo medido ponderado de inventário. shp group 9 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

10 R$ 137,45 * 18,00% = 24,74 de ICMS R$ 137,45 * 0,00% = 0,00 de PIS R$ 137,45 * 0,00% = 0,00 de COFINS Total de Impostos 24,74 Valor da compra sem imposto para este insumo e de R$ 137,45-24,74 = valor líquido sem imposto R$ 112,71. Este e o valor que vai ponderar o valor de inventário, ao custo existente de inventário. Você poderá constatar este calculo quando do recebimento de material. Na pasta de produto do RM você tem a pasta de Complemento, dentro da pasta de Complemento do Produto podemos visualizara exatamente o valor que está sendo considerado para efeito de apuração do valor médio ponderado de inventário. Veja a demonstração na próxima página, quando do recebimento do material oriundo de compras. Para a empresa que tem o seu tipo de tributação por Lucro Presumido. shp group 10 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

11 Como podemos observar na figura acima temos o ICMS calculado no valor de R$ 24, 74, este será o único valor a ser tirádo do custo de compras. Isto porque o PIS, e COFINS para este tipo de empresa é despesa. Veja agora na figura abaixo na pasta de Complemento como está o valor dos campos PIS e COFINS, e o campo Vr. Merc. Estoque. Pois, o valor neste campo e que irá afetar o valor de custo médio ponderado de inventário. Veja a figura abaixo. Com base nas explicações anteriores assumimos que está clara, o conceito de Tipos de custos, tipo de Situação Tributária, e o que a CFOP irá influenciar no custo médio ponderado de estoque. Agora vamos verificar o que significa cada campo de Valores no Cadastro de Produto. shp group 11 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema t :

12 III - Significado da cada campo da pasta VALOR no Cadastro de Produtos. Para chegarmos ao Módulo de Cadastro de Produtos temos que fazer a seguinte navegação. 1. Cadastros. 2. Produtos. 3. Produtos. No cadastro de Produtos existem diversas pastas. Devemos ir à pasta VALORES. Nesta pasta é que irá analisar os campos de valores individuais que são usados para efeito do calculo de Custo. Você pode ver ainda onde serão inseridos preços para as simulações de custos. Principalmente se estiver trabalhando com custo Reposição, para os produtos comprados em Reais ou Dólar. Se desejar simular algum custo com o insumo Comprado em dólar, você deverá ir ao Capítulo sobre este tipo de Moeda. Na figura abaixo você verá pasta de VALORES do cadastro de produto. Será explicado o que significa cada campo, e como estes campos são atualizados no ERP JAD. Na figura acima observe a divisão CUSTO, a abaixo dessa palavra seguem os campos nos quais serão descritos abaixo: shp group 12 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

13 1- Atual c/ (ICMS, PIS, COFINS), 2 - Atual s/ (ICMS, PIS, COFINS), 3 - Médio Pond. c/ (ICMS, PIS, COFINS), 4 - Médio Pond. s/ (ICMS, PIS, COFINS), 5 - Reposição, 6 - Fabricação. 1. Atual c/ (ICMS, PIS, COFINS): Este campo receberá o valor da última compra com impostos. Isto ocorre quando no momento do recebimento de material estiver usando a CFOP tipo COMPRAS, o valor desta compra aparecerá neste campo, aparecerá ainda a data que foi feita esta última compra. Isto é, para orientar os Departamentos de Compras, Custos etc., a respeito da data na qual foi feita a última compra deste produto, e quanto foi pago. 2. Atual s/ (ICMS, PIS, COFINS): Este campo receberá o valor da última compra com impostos. Isto ocorre quando no momento do recebimento de material estiver usando a CFOP tipo COMPRAS, o valor desta compra aparecerá neste campo, aparecerá ainda a data que foi feita esta última compra. Vale à pena lembrar que os impostos que são retirados para aparecer neste campo, são exatamente os impostos que foram informados na CFOP de COMPRAS. Se a empresa é de lucro presumido e na CFOP a percentagem de PIS e COFINS está com ZEROS ou Branco, embora na literal do campo esta sem PIS, COFINS, ICMS. Este valor estará apenas sem o ICMS. Conforme já foi demonstrado anteriormente, o ERP JAD calcula o custo líquido das compras. Porém, se na aplicação fiscal estiver com porcentagem de PIS e COFINS, este campo estará sem os três impostos que são ICMS, PIS, COFINS. 3. Médio Pond. c/ (ICMS, PIS, COFINS): Este campo é recalculado toda vez que receber um material cuja CFOP é do tipo COMPRAS. Pois irá fazer uma ponderação do valor do inventário COM IMPOSTO, com nova compra Com Imposto. Este campo, é usado para calcular o custo de um produto produzido com Imposto. shp group 13 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

14 A ponderação é feita através da fórmula de media ponderada. Também serve para saber qual é o valor do estoque Com Impostos. Novamente, vale lembrar que os impostos estão dependendo do tipo de empresa se lucro real, presumido, ou Simples Nacional, e o que estiver configurado na CFOP de Compras. 4. Médio Pond. s/ (ICMS, PIS, COFINS): Este campo é recalculado a toda vez que receber um material cuja CFOP e tipo COMPRAS, Pois, irá fazer uma ponderação do valor do inventário Sem Imposto, com esta nova compra Sem Impostos. Este campo e usado para calcular o custo de um produto produzido Sem Imposto. A ponderação e feita através da fórmula de media ponderada. Também serve para saber qual e o valor do estoque Sem Impostos. Novamente vale lembrar que os impostos estão dependendo do tipo de empresa se lucro real ou presumido, Simples Nacional, e o que está na CFOP de Compras. A empresa de lucro Presumido, e Nacional Simples, sabem que embora a literal está sem ICMS, PIS e COFINS somente foi retirado o ICMS, para Empresas Lucro Presumido, e a Nacional Simples não retirou nenhum imposto. Conforme já foi demonstrado anteriormente. 5. Reposição: Este campo será usado para fazer Simulação do Custo de Fabricação ou Simulação de Preço de Venda com a Margem. Pois, os preços serão informados via Input pelo usuário do sistema colocando o preço que deseja. Normalmente o custo reposição será o preço futuro que irá pagar para um insumo, ou diversos insumos. Neste caso o usuário deve inserir o custo Reposição a todos os insumos que serão usados pelo PRODUTO ACABADO ou INTERMEDIARIO. Que esta, deseja estudar. Pois, o ERP JAD irá pegar este custo informado, quando estiver fazendo Simulação e Custo. Porém, na simulação de custo tem que selecionar que custo deseja estudar. Para que o ERP JAD faça o seu estudo de custo. Se Reposição ou outro tipo de custo. Dependera o que foi selecionado. Veja na figura abaixo as opções que temos para fazer a Simulações de Custos. shp group 14 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

15 É preciso ter em mente que o custo Reposição é um valor informado pelo usuário, este custo não irá sofrer nenhuma alteração por parte do ERP JAD. Se colocar o preço Reposição LÍQUIDO o ERP JAD, irá usar este valor para seu cálculo. Se o usuário colocou seu custo Reposição Com Imposto, o ERP JAD irá usar este custo. Quem deve saber que forma deseja trabalhar com o Custo Reposição é o usuário. Pois, para efeito de custo o ERP JAD, irá usar o número informado, não irá deduzir ou acrescentar imposto algum. Existe ainda, um outro tipo de Custo Reposição que é para os produtos comprados em Dólar ou outra moeda qualquer. Para isto é necessário que antes de qualquer coisa a moeda que irá usar deverá estar cadastrada no CADASTRO FINANCEIRO deste produto. Após isto, tem que ver que tipo e parâmetro que o ERP JAD foi configurado para trabalhar com esta moeda. Pois, pode ser parametrizado para usar o rate: Diário, 1 Dia do mês, Ultimo dia do mês ou Especial. Se o parâmetro estiver como Diário, é necessário diariamente cadastrar o rate do dia para esta moeda, pois caso o rate não estiver cadastrado, o ERP JAD, não tem como converter o valor da moeda que está no cadastro deste produto, para o valor em reais. Vale esclarecer que esta conversão de moeda para real deveria ocorrer somente quando estiver fazendo simulação de custo na Opção de custo REPOSICAO. Nas demais opções você pode usar o mesmo critério. Porém, se o produto que está simulando tiver algum insumo que não tenha o valor para o custo que você está usando o ERP JAD, este trará este insumo com valor zero. Isto porque, os outros custos são oriundos de uma entrada por compras, ou algum ajuste feito no preço. Para ilustrar as diversas opções de rate veja a figura abaixo que dará a idéia, para configurar este parâmetro. shp group 15 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

16 Para acessar este parâmetro basta fazer a seguinte navegação. 1- Logística 2- Vendas 3- Parâmetros Quando estiver nesta Função, aparecerão diversas pastas, você deverá clicar sobre a Pasta RATE que aparecerá conforme a tela abaixo. 6- Fabricação: O campo custo de Fabricação será atualizado todas as vezes que estiver fazendo um produto pelo módulo de MRP. Este custo será atualizado no encerramento de uma ordem de fabricação. Este campo somente será atualizado quando estiver produzindo um produto cujo TIPO de produto no cadastro de produto é Produto Acabado, ou Produto tipo Intermediário. O produto intermediário é aquele que pode ser usado no processo de fabricação para fazer um outro produto, ou também pode ser vendido no estado que estiver. O valor que aparece neste campo é o preço da última vez que fabricou este produto. O valor real de custo deste produto está no campo PREÇO MEDIO PONDERADO SEM IMPOSTOS e com IMPOSTO que aparece com as literais, Médio Pond. s/ (ICMS, PIS, COFINS): e Médio Pond. c/ (ICMS, PIS, COFINS): Isto porque estes campos é o valor real de inventário. Pois, a cada lote que produção pode ter custos diferentes para o mesmo produto, dependendo das perdas que houve para fazer este lote ou esta peça. Logo necessita ponderar para que tenha o preço real médio de fabricação. shp group 16 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

17 O usuário poderá sempre verificar o ultimo preço de fabricação do produto. Pois, se observar a última ordem de fabricação deste produto ela tem exatamente o valor que está no campo FABRICAÇÃO. Porém, para você fazer esta análise é necessário que o parâmetro do MRP esteja configurado para mostrar o custo do lote ou produto no encerramento da ordem de fabricação. Veja a figura abaixo uma ordem de fabricação demonstrando quanto custou o produto no encerramento desta OF. Conforme visto na figura anterior, obtemos o custo que foi para fazer este Lote ou peça. Agora no cadastro deste produto é possível verificar o preço da última vez que fabricou este produto. Porém, no exemplo que será demonstrado abaixo, trata-se de um produto que foi fabricado a primeira vez, logo é demonstrado também como ficam os campos de médio ponderado. shp group 17 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

18 Agora veja o parâmetro que deve estar ativado para que o custo do produto apareça no encerramento da ordem de fabricação. Veja na figura da próxima página. Porém, vale lembrar que diversas empresas não querem este parâmetro ativado. Pois, não querem demonstrar o operador que encerra a ordem de fabricação quanto está custando o produto que acabou de produzir. Para acessar este parâmetro tem que fazer a seguinte Navegação. 1- Logística, 2- Estoque/Produção, 3- Produção (MRP I - II), 4- Diversos, 5- Parâmetros. shp group 18 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

19 Ativar o Parâmetro que está indicado pela Seta abaixo demonstrada. IV - Formas de Custear Produtos no ERP JAD. Agora que você conhece todos os campos que envolvem o custeio, ou simulação de Custo dos Produtos, será descrito como você pode aprimorar o nosso Custo de Fabricação ou Simulação de Custo. O custo Real ou Custo Padrão Conforme já demonstrado anteriormente, está baseada na árvore do produto e os preços dos insumos. Que é o Custo Médio Ponderado do Insumo. Porém, um custo de produção não é somente o quanto é gasto de insumo Real valorizado pelo valor médio ponderado. Você deve considerar as outras despesas que envolvem o custo no processo produtivo. As despesas de Mão de Obra, Despesas de Fabricação, etc. Que é o quanto custam as Despesas da Fábrica. Estas despesas devem ser consideradas na apuração do custo de fabricação. shp group 19 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

20 Para absorver estas despesas em no custo de fabricação, existem alguns critérios, que podem se usados são descritos abaixo. Critério de absorver a Mão de Obra por um Custo Médio por hora produtiva. Neste caso há vários critérios, porém, o mais simples é o critério descrito em seguida. Com esta linha de raciocínio você poderá desenvolver os demais critérios possíveis, que o ERP JAD irá aceitar. Imagine que a empresa tem uma folha de pagamento da fábrica, e esta folha tem entre Mão de Obra Fixa e variável um valor total de R$ ,00. Para o valor desta folha você tem de Mão de Obra, um total de horas úteis mensal sem o DSR de horas. Logo temos R$ ,00 que é a folha / horas úteis. O custo médio por hora de R$ 4,21, você poderá usar este valor para absorver o custo de mão de obra no processo produtivo. Para fazer isto você deve ir ao cadastro de produto, e cadastrar um item como Mão de Obra de Fabricação. Após isto siga para o módulo de ajuste de custo e cadastramos o valor de R$ 4,21. Você tem que tomar o cuidado quando for cadastrar item no cadastro de Produtos. No campo TIPO de produto você tem que usar o tipo SERVICO. Veja o exemplo na figura abaixo. shp group 20 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

21 Deverá cadastrar esta Mão de Obra como Serviço, porque no módulo de CPV. Local onde irá verificar quanto houve absorção de mão de obra no fechamento do mês. Neste relatório é que podemos saber ao encerramento do mês se a taxa de mão de obra foi suficiente para absorver toda despesa da Folha de Pagamento da Fábrica referente à Mão de Obra. Se desejar aprimorar mais o seu custo, você pode cadastrar diversos tipos de mão de obra, com códigos diferentes e a descrição ao que se refere cada tipo de mão de obra. Através dos diversos códigos de mão de obra, você terá uma análise melhor do seu custo. Você pode ter diversas taxas diferentes de absorção destas mãos de obra. E quando for fazer a árvore de produto podemos colocar esta mão de obra diferenciada em cada processo de fabricação, para que possa absorver estas diversas de mãos de obra por processo produtivo. Critério para absorver as despesas da Fábrica Geral. O critério para absorver as despesas de Fábrica Geral, é o mesmo usado para a Mão de Obra. Neste caso você irá cadastrar um item denominado Fábrica Geral, Porém, com o TIPO de produto ATIVO IMOBILIZADO. Veja a figura abaixo. shp group 21 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

22 Porque devemos cadastrar como Imobilizados. Isto porque quando fizer o fechamento de mês o relatório de CPV irá demonstrar o insumo Imobilizado. Demonstrará produto a produto custeado quando absorveu de despesa de Fábrica Geral. Desta forma podemos saber se a taxa de absorção que está sendo usada, é suficiente ou não para absorver o total da Despesa de Fábrica Geral. Através deste insumo podemos fazer a análise de Volume em relação à absorção de Mão de Obra e Fábrica Geral. Estes produtos que cadastrados (Mão de Obra e Fábrica Geral) deverão fazer parte integrante da fórmula ou árvore do produto, inclusive com a quantidade, de quando irá gastar de mão de obra para fazer o rendimento previsto na fórmula. Imagine que seu rendimento da fórmula é para fazer 100 quilos ou uma peça, tem que estimar quanto tempo de mão de obra irá gastar para fazer 100 quilos ou uma peça. O mesmo critério é aplicado para a absorção das despesas de Fábrica Geral. Isto está diretamente relacionada de como você achou a taxa de absorção da Fábrica Geral. Veja nas próximas figuras como ficaria a árvore ou fórmula para um produto, com estes insumos. Exemplo de uma fórmula usando o insumo Serviço e o insumo de Imobilizado, para melhor apuração do custo de fabricação. Para acessar a fórmula faça a seguinte navegação. 6- Cadastros, 7- MRP, 8- Fórmulas. Quando estiver no Módulo de Fórmulas é possível abrir uma fórmula especifica e escolher o processo que desejar, neste processo poderá incluir os itens Mão de Obra e Fábrica Geral. shp group 22 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

23 Na tela acima demonstramos como devemos usar o artifício de absorver as despesas de Fábrica Geral e de Mão de Obra. Para nos cadastramos os valores apurados de Mão de Obra e Fábrica Geral devemos fazer a seguinte Navegação: 1- Logística, 2- Estoque/Produção, 3- Estoque, 4- Controle de Estoque, Neste módulo cadastrar a taxa que deseja usar tanto para Mão de Obra (s) e Fábrica Geral. shp group 23 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

24 Para isto selecione o produto. Após selecionar coloque o cursor sobre o produto e clicque na janela CUSTO, que aparecera a figura abaixo. Veja o exemplo de Fábrica Geral. Deverá cadastrar esta taxa em todos os campos. Pois, dependendo do tipo de custo que for usar em nossas simulações de custo, teremos sempre custeado estes dois itens. Agora que temos a Mão de Obra e Fábrica Geral cadastrada na fórmula vamos fazer uma nova ordem de fabricação do produto TESTE3. E comparar com o custo que você viu na página 11. Veja como o custeio se comportou. shp group 24 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

25 Como pode observar na figura acima o custo mudou; pois, era de R$ 24,74 na página 12, e agora é de R$ 25,11, por considerar Mão de Obra, e Fábrica Geral no custo de fabricação. Neste momento existem duas produções para o produto TESTE3, veja como ficou o custo da última produção e como estão os custos médios ponderados. Observe que o último custo de fabricação está no campo Custo de Fabricação, conforme indica. Pois, foram ponderados com esta nova produção. Existe ainda outro critério de carregar no custo real, as Despesas de Mão de Obra e de Fábrica Geral. Porém, para esta alternativa você terá que Cadastrar todos os Equipamentos que usou nos processos produtivos. Nestes equipamentos é que colocará quanto custa à hora de cada equipamento no processo produtivo. Esta máquina, deverá cadastrar nas fórmulas de acordo com o processo. As máquinas que serão usadas no processo de fabricação. Porém, em cada máquina é necessário cadastrar o custo por máquina, das despesas, mão de Obra Direta, Mão de Obra Indireta, e Despesas de Fábrica Geral. Esta máquina deverá ser colocada no processo de fabricação. Quando usar esta alternativa não pode usar na fórmula Mão de Obra e Fábrica Geral, conforme foi descrito anteriormente. Pois, o sistema somente custeará desta forma se não encontrar na fórmula nenhum produto TIPO Serviço ou Ativo Imobilizado. Veja o exemplo de como pode fazer custo de produto usando este critério, colocar as máquinas no processo de fabricação, na próxima página. Para acessar o cadastro de Equipamentos faça a seguinte Navegação no ERP JAD: 1. Cadastros, 2. MRP, 3. EQUIPAMENTOS. Após ter cadastrado o equipamento deve ir à pasta DESPESAS, e clicar sobre esta pasta que abrirá a Tela abaixo. shp group 25 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

26 Na figura abaixo mostra o Cadastro de Equipamento. Neste caso existe a Mão de Obra Direta para este equipamento, Mão de obra Indireta, e as Despesas de Fabricação. Porém, neste caso no encerramento da Ordem de Fabricação tem que fazer o apontamento de produção para encerrar a ordem de fabricação. Observe que o último custo de fabricação está no campo Custo de Fabricação, conforme indica. Pois, foram ponderados com esta nova produção. Existe ainda outro critério de carregar no custo real, as Despesas de Mão de Obra e de Fábrica Geral. Porém, para esta alternativa terá que Cadastrar todos os Equipamentos que usou nos processos produtivos. E nestes equipamentos é que iremos colocar quanto custa à hora de cada equipamento no processo produtivo. Deverá cadastrar essa máquina nas fórmulas de acordo com o processo. As máquinas que serão usadas no processo de fabricação. Porém, em cada máquina você terá que cadastrar o custo por máquina das despesas. Mão de Obra Direta, Mão de Obra Indireta, e Despesas de Fábrica Geral. Esta máquina deverá ser colocada no processo de fabricação. Quando estiver usando esta alternativa não pode usar a fórmula Mão de Obra e Fábrica Geral, conforme foi descrito anteriormente, pois o sistema somente custeará desta maneira se não encontrar na fórmula nenhum produto TIPO Serviço ou Ativo Imobilizado. Veja exemplo de como pode fazer custo de produto usando este critério e colocar as máquinas no processo de fabricação, em seguida. Para acessarmos o cadastro de Equipamentos temos que fazer a seguinte Navegação no ERP JAD. 1. Cadastros, 2. MRP, 3. EQUIPAMENTOS. Após ter cadastrado o equipamento deve ir à pasta DESPESAS, e clicar sobre esta pasta que abrirá a Tela abaixo. Na figura abaixo mostra o Cadastro de Equipamento. Neste caso temos a Mão de Obra Direta para este equipamento, Mão de obra Indireta, e as Despesas de Fabricação. Porém, neste caso no encerramento da Ordem de Fabricação tem que fazer o apontamento de produção para encerrar a ordem de fabricação. shp group 26 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

27 Observação: Quando estiver usando este critério para absorver as despesas de Mão de Obra e Despesas Industriais, estes valores não serão considerados na SIMULAÇÃO DE CUSTOS. Pois, este critério está associado ao apontamento de produção. Como poderá verificar se Mão de Obra e Fábrica Geral foram ou não totalmente Absorvido ao final do mês. No final do mês você pode fazer a análise de custo, onde tem todos os fatores que envolvem neste capítulo. Pois, você tem que fazer o ENCERRAMENTO DO MÊS, e após isto você imprime o relatório do CPV = CUSTO PRODUTOS VENDIDOS. Foi demonstrado na próxima página onde deve fazer o encerramento do mês e emitir o relatório do CPV. shp group 27 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

28 Para fazer o encerramento do mês faça a seguinte Navegação. 1. Logística, 2. Estoques/ Produção, 3. Estoque, 4. Fechamento (Mensal). Ao clicar sobre esta função aparecerá a tela abaixo. Deve selecionar o mês que deseja encerrar e após clicar sobre o Botão GERAÇÃO. Este fechamento é para o sistema guardar mês a mês quanto tem de estoque no final de cada mês e quanto é de estoque de cada insumo que inicia o mês. Serve ainda para que a empresa possa emitir o seu registro de inventário, e guardar os valores de custo do mês que está encerrando. Após ter sido feito o encerramento do mês é que você poderá Emitir o relatório de CPV = Custo dos Produtos Vendidos. Veja a navegação de como emitir o relatório do CPV. 1. Logística, 2. Estoques / Produção, 3. Estoque, 4. CPV - Custos dos Produtos Vendidos. shp group 28 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

29 Ao clicar sobre esta função aparecera o relatório abaixo demonstrado. Neste relatório você tem todos os produtos produzidos no mês, quanto gastou de matéria prima, quanto gastou de material de embalagem, quando foi à mão de obra para a quantidade produzida, quanto absorveu de Fábrica geral, e qual foi o preço deste produto ao custo e Fabricação. Por quanto você vendeu este produto, e a margem de lucro ou prejuízo em relação ao custo de fabricação. Determina, ainda, em seu TOTAL GERAL, o valor total de mão de obra absorvida e o valor total de fabrica geral absorvido, o total de quilos ou pecas produzidas. Desta forma você saberá se houve um ganho na fabrica pela produtividade. Se toda sua Mão de Obra e Fábrica Geral foi absorvida, ou você teve um prejuízo por ter produzido a menos que sua capacidade de produção, e não conseguiram absorver as suas despesas fixas e variáveis. V - Ferramentas Diárias para análise do Custo x Vendas. O ERP JAD tem algumas ferramentas rápidas para tirar duvida em relação à margem durante o curso de um mês. Não precisa esperar o final do mês para saber o resultado. Pois, existem ferramentas para analisar a margem deste de quando da colocação de um pedido. Pois este pedido pode ficar bloqueado por lucratividade. Denominamos tecnicamente de GPM (GROSS PROFIT MARGEM). Isto é, se você vendeu um produto, cujo preço de venda é menor que o preço de custo. shp group 29 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

30 Existe ainda, consulta que demonstra se houve lucro ou não ao consultar uma NF. Nesta consulta posso saber o resultado desta venda. Para fazer esta consulta tenho que fazer a seguinte Navegação. 1. Logística, 2. Vendas, 3. Saídas, 4. Emissão / Retomada de NF. Clicar sobre esta Função. Irá aparecer à tela abaixo: Neste gride selecione a NF que deseja analisar e clique sobre a mesma, após a NF aparecer clique sobre a pasta produtos aparecerão todos os produtos que foram vendidos nesta nota, após isto selecione o produto que deseja analisar e clique sobre o produto desejado. Irá aparecer às informações de vendas deste produto como quantidade, valor Impostos etc. Nesta tela, em cima, tem a pasta de DIVERSOS, clique sobre ela pasta que ir conforme tela abaixo. shp group 30 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

31 Na figura demonstrada na página anterior foi faturado o produto TESTE3 ao preço menor que o preço de custo de fabricação. Isto é o preço de venda, menos os impostos é de R$ 47,23 o preço líquido de venda. Este preço líquido, comparado com o custo de fabricação líquido na época deste faturamento houve um prejuízo de R$ 2,615 em relação ao custo de fabricação, pois, o valor das quantidades vendidas ao custo Médio Ponderado Líquido sem Imposto é de R$ 49,845. Isto fica no sistema para sempre, para podemos a qualquer momento consultar uma NF e verificar item a item qual foi o resultado desta venda na ocasião que faturou. shp group 31 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

32 Após isto você pode consultar vários relatórios em estatística de vendas comparando a venda com o custo de fabricação. Para que durante o mês possa analisar o que está ocorrendo no mês, não precisa esperar o final do mês para saber se o seu resultado foi positivo ou negativo. VI - Desenvolvendo um novo Produto Simulação: Conforme você verificou anteriormente existem diversas formas de simular custos, que podem ser: No cadastro de fórmulas tem o Botão Simulação, esta simulação é para que ao desenvolver um produto, assim é possível saber quanto este produto irá custar ao preço de fabricação Standard. É possível ainda copiar uma fórmula para outra e mudar a fórmula do produto. Após ter feito a cópia faça os ajustes necessários para chegar a sua fórmula final. Porém, durante a simulação, o sistema estará demonstrando quanto este produto está custando ao PRECO MÉDIO PONDEDRADO SEM IMPOSTOS. Isto é ao valor de inventário dos insumos que está usando para composição do produto que está desenvolvendo. Porém, pode acontecer nesta simulação que estiver fazendo, usar um insumo que nunca sua empresa comprou anteriormente. Logo no ERP JAD não possui este custo. Neste caso o ERP JAD estará trazendo o valor de custo para este insumo ZERO. A partir deste momento temos duas alternativas a fazer: Pedir a compras cotar este produto e ajustar o custo do mesmo colocando o seu custo no campo Médio Pond. s/ (ICMS, PIS, COFINS): Deixar o componente sem custo, porém, está sabendo que o custo apresentado pelo estudo não é o correto. Para fazer a simulação de um novo produto devemos fazer a seguinte Navegação. 1. Cadastros, 2. MRP, 3. FÓRMULAS. shp group 32 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

33 Clicar sobre esta função entrara no Módulo de Fórmulas. Neste módulo tem um Botão SIMULAÇÃO. Clicar neste Botão aparecera à tela abaixo. Veja abaixo um exemplo de tela de SIMULAÇÃO. Na coluna com a seta, está demonstrado o custo que está pegando do cadastro. O custo Médio Ponderado sem Impostos. Se não tiver este custo no cadastro, o valor que aparecera nesta coluna é ZERO. Logo, o custo demonstrado estará incorreto. Pois, está faltando preço para um ou alguns insumos. shp group 33 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

34 VII - Fazendo simulação de custo, de Fabricação. Simulação de Custos: A simulação de custos parte de uma fórmula ou árvore de um produto em processo de produção, ou já desenvolvido. Com esta árvore ou fórmula você poderá fazer simulações, de trocar um componente, abaixar ou aumentar o custo de um determinado componente, podemos ainda aumentar a quantidade deste componente, ou abaixar a quantidade deste componente, trocar um componente por outro similar, assim, sucessivamente podemos fazer qualquer tipo de alteração no projeto original que desejar. Poderá ainda simular o custo do produto através dos diversos custos que o JAD ERP possui. Que pode ser ao preço de Compras com Imposto ou sem imposto, Preço Médio Ponderado de Inventário com ou sem imposto, pode ser ao Preço do Custo Reposição, em reais ou dólar, logicamente obedecendo ao parâmetro de Rate que foi configurado o ERP JAD. Abaixo está sendo demonstrado na figura da Simulação de Custos. Para acessar este Módulo faça a seguinte Navegação. 1. Logística, 2. Estoque/Produção, 3. Produção (MRP I ou II) Clicar sobre esta função aparecera diversas pastas. Na pasta PCP clicar sobre ela irá aparecer a Função 1. Simulação de Custos. shp group 34 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

35 Como pode observar nas duas figuras, na página anterior foi feita à simulação que desejava, com componentes, preços, quantidades, incluiu outro componente, ou excluiu etc. Quando foi impresso a simulação, temos o custo do produto ao Custo que desejávamos. No exemplo da página anterior foi selecionado para este estudo de custo o custo REPOSICAO veja a seta. Após ter simulado um custo de Fabricação ao de Reposição, posso simular agora o preço de Venda para este Produto. Conforme demonstramos no capítulo VIII. VIII - Fazendo simulação de Preço de Venda. Simulação de Custos / Preço de Vendas Com base na simulação de custos que foi feito no capítulo anterior. Agora você poderá fazer a simulação do Preço de Vendas. Isto é, você poderá colocar diversas taxas diferentes. Para os impostos tipos ICMS, IPI, PIS, COFINS. Você pode determinar uma margem de MARCAPE que desejar, poderá ainda incluir no calculo do custo, comissões de Vendas, Royaltes, e Despesas Administrativas, as despesas Administrativas podem estar dentro do MARCAPE. Com estas informações o ERP JAD irá demonstrar o seu Preço de Vendas. Caso, este preço estiver fora da realidade do mercado, você pode alterar a porcentagem de MARCAPE, porcentagem de Comissões etc. Ate que encontrar um preço compatível com a realidade do mercado para esse produto. shp group 35 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Veja na figura abaixo a simulação do Preço Comercial.

36 Sua necessidade, nossa solução Após definir que o preço de Venda é ideal. Poderá imprimir este estudo conforme demonstra a figura na próxima folha. Impressão do Estudo do Preço de Vendas. shp group 36 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

37 Após a conclusão final do preço de Vendas, e de que modo determinamos o Preço de Vendas, se a fórmula original foi alterada em alguma coisa. Tipo Componente, Quantidade do Componente, Inseriu ou Excluiu um componente etc. Podemos imprimir o estudo de custo de fabricação. E devemos passar este estudo ao Departamento de Desenvolvimento de Produto, para que este Departamento certe as quantidades ou componentes, para este produto que você acabou de simular. Existe ainda outra forma de fazemos a simulação de custos. Pois, podemos criar novos campos. Campos estes que achamos que é muito importante na composição da simulação do preço final de Vendas. Para criarmos estes campos que achamos importantes. Temos que fazer o seguinte: No próprio módulo do MRP temos diversas pastas. Temos que ir na PASTA de DIVERSOS. E sobre esta pasta, darmos um clique irá aparecer Diversas Funções, entre elas a função PARÂMETRO. Sobre esta função dar dois cliques que abrirá a tela que demonstramos na próxima página. Esta página escrevemos os tipos de despesas que achamos importante para afetar o preço final de Vendas. Podemos incluir ate 4 fatores diferentes conforme demonstra a seta na figura abaixo demonstrada. Configurando Parâmetros no MRP: Como podemos verificar, acima criei nomes no local onde estão os Fatores, que vai de 1 a 4. Desta forma podemos criar estes 4 fatores com a nomenclatura que desejamos. E estes campos que criamos agora irão fazer parte integrante da simulação de custos. shp group 37 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

38 Quando terminamos o estudo de preço de vendas com estes novos fatores. Podemos imprimir o estudo com estes novos campos. Pois, os mesmos aparecerão em seu relatório. No exemplo não colocamos percentagem. Apenas fizemos constar no relatório os campos criados no parâmetro demonstrado neste estudo. shp group 38 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE MANUAL DO LAUDO DE ANALISE Emissão: 17/05/2011 Revisão: 26/05/2015 Revisado por: Juliana INDICE I. Que tipos de LAUDO de ANALISE...03 II. O que é uma PROPRIEDADE...03 III. Como fazer para cadastras as

Leia mais

Manual de Frete. sobre. Compras. Reselase 1.1.0

Manual de Frete. sobre. Compras. Reselase 1.1.0 Manual de Frete sobre Compras Reselase 1.1.0 1 Indexe: 1- Tipos de Frete Pagina 03 2- Como funciona o frete sobre compras Pagina 04 3- Configurando a CFOP de frete sobre compras Pagina 05 4 Fazendo um

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE ETIQUETAS: ENTRADAS E NO MRP UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE ETIQUETAS: ENTRADAS E NO MRP UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE ETIQUETAS: ENTRADAS E NO MRP UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE Emissão: 01/03/2010 Revisão: 22/05/2015 Revisado por: Juliana Este manual tem como objetivo explicar as

Leia mais

TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD

TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD Emissão e Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana Caminho para acessar o módulo de compras para criação de cotações, requisições e pedidos segue abaixo. Neste módulo existem

Leia mais

MANUAL PARA JUNTAR DIVERSOS PEDIDOS EM

MANUAL PARA JUNTAR DIVERSOS PEDIDOS EM 19/7/2010 SHP MANUAL PARA JUNTAR DIVERSOS PEDIDOS EM UMA NOTA SHP HELP DESK Manual para juntar diversos Pedidos em uma Nota Este manual tem por objetivo ajudar na atividade de juntar diversos pedidos de

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS Apresentação As rotinas de Pedido de Compra do WinThor são utilizadas pelas empresas com objetivo de realizar: o pedido de compra baseado, ou não, em uma sugestão de compra, a cotação de compra entre fornecedores,

Leia mais

Manual - Emissão de nota fiscal

Manual - Emissão de nota fiscal Manual - Emissão de nota fiscal Transferência de ICMS entre Estabelecimentos. Emissão: 22/05/2010 Revisão: 27/05/2015 Revisado por: Juliana 1- Cadastrar texto da lei para sair na observação da NF. Como

Leia mais

Processo de Controle das Reposições da loja

Processo de Controle das Reposições da loja Processo de Controle das Reposições da loja Getway 2015 Processo de Reposição de Mercadorias Manual Processo de Reposição de Mercadorias. O processo de reposição de mercadorias para o Profit foi definido

Leia mais

Manual do Módulo SAC

Manual do Módulo SAC 1 Manual do Módulo SAC Índice ÍNDICE 1 OBJETIVO 4 INICIO 4 SAC 7 ASSOCIADO 9 COBRANÇA 10 CUSTO MÉDICO 10 ATENDIMENTOS 11 GUIAS 12 CREDENCIADO 13 LIVRETO 14 BUSCA POR RECURSO 15 CORPO CLÍNICO 16 MENU ARQUIVO

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01. Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012:

ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01. Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012: ATUALIZAÇÃO DA VERSAO 05.07.01 Abaixo constam as alterações referentes a versão 05.07.01 do dia 28/09/2012: ATENÇÃO: Versões intermediarias não são de atualização obrigatório para todos os clientes, apenas

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Vendas e Caixa) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 Vendas... 3 1.1

Leia mais

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont

Manual de Integração - E-Fiscal X Telecont Atualizado em Maio/2008 Pág 1/36 Para integrar os dados do sistema Efiscal com o sistema Telecont, efetue os procedimentos abaixo: CADASTRO DE EMPRESAS ABA BÁSICO Acesse menu Arquivos Empresas Usuárias

Leia mais

CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS

CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS CONTABILIDADE COM MÚLTIPLOS PLANOS DE CONTAS As mudanças ocorridas com a publicação da lei 11.638/07 e alterações da lei 11.941/09 exigiram das empresas uma adequação em sua estrutura de balanços e demonstrações

Leia mais

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk

Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP. PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk Emissão: 16/09/2010 Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana PEDIDO DE VENDAS SHP PPV0102 v. 3.2.7.39 Help Desk 1 Conteúdo Introdução:... 3 CAMINHO:... 4 Inclusão e inicio do PEDIDO DE VENDAS... 5 DETALHES

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.04 Inventário Manual...2 Relatório de contagem...2 Contagem...3 Digitação...3 Inventário Programado...6 Gerando o lote...7 Inserindo produtos manualmente no lote...8 Consultando

Leia mais

Treinamento Sistema Condominium Módulo III

Treinamento Sistema Condominium Módulo III Financeiro (Lançamentos Despesas e Saldos) Nesse módulo iremos apresentar os principais recursos da área contábil do sistema. Contábil> Lançamentos Nessa tela é possível lançar as despesas dos condomínios,

Leia mais

Inventario de produtos

Inventario de produtos Inventario de produtos Parar o TAC. Gerar o inventario. Informações de erros na importação de produtos. Produtos sem código tributário associado. A posse de produtos no Thotau. Como corrigir as posses

Leia mais

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Página 1 de 9 Este é um dos principais módulos do SIGLA Digital. Utilizado para dar entrada de produtos no estoque, essa ferramenta segue a seguinte

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

Tutorial contas a pagar

Tutorial contas a pagar Tutorial contas a pagar Conteúdo 1. Cadastro de contas contábeis... 2 2. Cadastro de conta corrente... 4 3. Cadastro de fornecedores... 5 4. Efetuar lançamento de Contas à pagar... 6 5. Pesquisar Lançamento...

Leia mais

15 4 Operação Avançada do Sistema: Inclusão de Nota Fiscal e seus relacionamentos

15 4 Operação Avançada do Sistema: Inclusão de Nota Fiscal e seus relacionamentos 15 4 Operação Avançada do Sistema: Inclusão de Nota Fiscal e seus relacionamentos Agora vamos fazer algo mais complexo, que vai demonstrar várias das facilidades do sistema. Vamos Incluir uma Nota Fiscal

Leia mais

Síntese de fluxo de máquinas e implementos

Síntese de fluxo de máquinas e implementos Síntese de fluxo de máquinas e implementos Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Objetivo... 3 Parâmetros para utilização do processo... 3 Cadastro

Leia mais

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New

Módulo Vendas Balcão. Roteiro passo a passo. Sistema Gestor New 1 Roteiro passo a passo Módulo Vendas Balcão Sistema Gestor New Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão com uso de Impressora fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa......3

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA KIRON NF-e Kiron Sistema Nota Fiscal Eletrônica

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA KIRON NF-e Kiron Sistema Nota Fiscal Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA KIRON NF-e 2 Índice CADASTROS... 4 Cliente Fornecedor - Transportadora... 4 Unidade de Medida... 5 Produto... 7 NCM... 8 Artigos da Nota Fiscal... 10 Natureza de Operação - CFOP...

Leia mais

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL VERSÃO 359 U N I P A C K NOTA FISCAL ELETRÔNICA CONTENDO ITENS COM CFOP S DISTINTOS RIO DE JANEIRO 25 DE JULHO DE 2013 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 03 2- MOTIVAÇÃO... 03

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 1 2 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 2- Notas de Compra (Incluindo Quantidades no Almoxarifado) 07 2.1 - Notas complementares 12 2.2 - Desmembramento de bens 13 3- Requisições

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

Manual. Atualização nº 1160 Novembro/2015 23/11/2015

Manual. Atualização nº 1160 Novembro/2015 23/11/2015 1 Manual Atualização nº 1160 Novembro/2015 23/11/2015 NOVOS RECURSOS 2 01.01 Contrato de Colocação e Termo de Responsabilidade. 3 Se preferir, modifique os dados, alterando o tamanho da fonte e o texto.

Leia mais

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014

Neste bip. Como converter o arquivo CAGED para acerto. Você Sabia? Edição 52 Dezembro de 2014 Neste bip Como converter o arquivo CAGED para acerto... 1 Novo modo de alterar senha de operador... 2 Novo recurso no lançamento [+ planilha]... 2 13 parcela final e SEFIP... 3 Como converter o arquivo

Leia mais

Tesche & Vasconcelos - Ciaf. Emissão primeira NF-e pelo Ciaf-800

Tesche & Vasconcelos - Ciaf. Emissão primeira NF-e pelo Ciaf-800 Emissão primeira NF-e pelo Ciaf-800 Para emissão da primeira Nota Fiscal eletrônica pelo Ciaf-800 a mesma deve ser obrigatoriamente uma nota de teste. Para que possa efetuar esta emissão faça o seguinte

Leia mais

Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema

Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema Este documento visa facilitar e viabilizar a introdução ao módulo de Manufatura no Sistema Execom!ERP, de maneira sucinta. Para maiores informações entrar em contato através das seguintes maneiras: Skype

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS Página 1 de 11 Considerações Iniciais Previous Top Next CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 - Procedimento de Backup - Segurança Recomendamos a Atualização do Sistema pelo Site da Sistematec, para utilizar a última

Leia mais

MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK

MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK Data: Abril de 2014 MANUAL LOJA VIRTUAL - PORTAL PHARMA LINK ÍNDICE Objetivo:... 2 Premissas:... 2 1 CADASTRO NA LOJA VIRTUAL... 3 1.1 Acesso...3 1.2. Cadastrar Loja...3 1.3 Ativação de Cadastro...6 1.3.1

Leia mais

Manual de Cobrança. Código Nome De Até 1 Jose da Silva a Jz 2 Ana Maria k Pz 3 Marcelo q zz

Manual de Cobrança. Código Nome De Até 1 Jose da Silva a Jz 2 Ana Maria k Pz 3 Marcelo q zz Manual de Cobrança Cadastrando um Funcionário Entre no programa e no menu principal entre na opção: Cadastros / Cadastros de Funcionários e Acionador. Será apresentada a tela abaixo: Nesta tela deverão

Leia mais

Manual. EFD Contribuições

Manual. EFD Contribuições Treinamento Escrita Fiscal Material desenvolvido por: Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Implantta Serviços

Leia mais

O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa.

O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa. ORG 13.8 KOMUNIK O QUE É Manual Estoque - Versão 4.55.001-2ª Edição - 2012 O Komunik é uma ferramenta de comunicação interna que permite a interação completa entre todos os setores de uma empresa. PRA

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

Entrada de Notas. Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática

Entrada de Notas. Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática Entrada de Notas Manual desenvolvido para Célula Materiais Equipe Avanço Informática 1 Índice Parametrização... 2 Criando os Diretórios... 2 Parametrização que influenciam a Entrada da Nota Fiscal... 3

Leia mais

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico Manual Verba 1 Sumário Conceito de verba... 3 Funcionamento básico... 3 Outros Pontos a Serem Considerados... 5 Parâmetros relacionados à verba... 8 Tela Parâmetros de Configuração... 8 Tela Parâmetros

Leia mais

MANUAL TISS Versão 3.02.00

MANUAL TISS Versão 3.02.00 MANUAL TISS Versão 3.02.00 1 INTRODUÇÃO Esse manual tem como objetivo oferecer todas as informações na nova ferramenta SAP que será utilizada pelo prestador Mediplan, a mesma será responsável para atender

Leia mais

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER A integração de dados do Controller com a contabilidade, seja com o sistema Contábil ou com qualquer outro sistema, é feita através de lotes. Os lançamentos seguem a estrutura

Leia mais

Entrada de Produtos. Supermercados

Entrada de Produtos. Supermercados Entrada de Produtos Supermercados 1 Objetivo: Cadastrar a entrada dos produtos no sistema permite o controle do estoque e o controle financeiro. O objetivo do texto é explicar como cadastrar as notas fiscais

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

ROTEIRO SOBRE NOTAS DE IMPORTAÇÃO CONTROLLER

ROTEIRO SOBRE NOTAS DE IMPORTAÇÃO CONTROLLER Inicialmente, o mais importante O objetivo deste material é apresentar como deve-se proceder em todas as fases, o cadastramento de uma Nota de Importação no Controller. Este material abordará os tópicos

Leia mais

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque)

SuperStore. Sistema para Automação de Óticas. MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Módulo Estoque) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACERTO DE ESTOQUE...

Leia mais

Manual Rotina DAPI MANUAL AVANÇO MANUAL INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email]

Manual Rotina DAPI MANUAL AVANÇO MANUAL INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] Manual Rotina DAPI [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL AVANÇO MANUAL INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Fiscal Autor: Equipe

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

Manual das planilhas de Obras

Manual das planilhas de Obras Manual das planilhas de Obras Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 01. Pedidos... 3 Pedido de material detalhado;... 3

Leia mais

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0

Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Manual Módulo Livro Caixa Livro Caixa Atualizada com a versão 1.3.0 Noções Gerais: Pg. 02 Instruções para instalação Pg. 02 Ferramentas úteis Pg. 04 Menu Arquivos Empresas Usuárias Pg. 05 Ativar Empresa

Leia mais

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO:

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: Sumário NA AGENDA COMO FAÇO PARA VER PACIENTES COM TRATAMENTO EM ABERTO MAIS SEM AGENDAMENTO?... 2 COMO FAÇO PARA PROCURAR UM PACIENTE E IMPRIMIR

Leia mais

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DE PAF-ECF

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DE PAF-ECF MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE VERSÃO DE PAF-ECF Sobre a Atualização de Versão de PAF-ECF. Para o SAT (Sistema de Administração Tributária), atualizar a versão do PAF-ECF significa incrementar o número da versão,

Leia mais

TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA TRABALHANDO COM SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1 Entendendo o Negócio: Substituição Tributária (ST) é um tributo criado e implementado pelas Unidades da Federação antes do advento da atual Constituição Federal,

Leia mais

Treinamento de. Linx Pos

Treinamento de. Linx Pos Treinamento de caixa Linx Pos Será instalados no terminal da loja, o ícone, conforme imagem abaixo: Linx POS ÍNDICE Abertura de caixa e leitura X Lançamentos Cancelamento de itens Consulta preços no ato

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Cheques 1

2013 GVDASA Sistemas Cheques 1 2013 GVDASA Sistemas Cheques 1 2013 GVDASA Sistemas Cheques 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma

Leia mais

30 ANOS DE SOCIALISMO

30 ANOS DE SOCIALISMO PASSO A PASSO DO CANDEX Como cadastrar um partido ou uma coligação: 1 Para cadastrar um partido ou uma coligação no Candex começamos clicando no Módulo PEDIDOS e em seguida no ícone NOVO PEDIDO; 2 Preenchemos

Leia mais

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque

2 Bloco K: Controle da Produção e do Estoque Bloco K - Inventário Físico e Controle de Produção Desenvolvido o processo de geração do Bloco K para o EFD. DLL: fiscal.dll Comando: Ex_F_ApuracaoIcmsIPI 1 Apuração ICMS e IPI No cadastro de Apuração

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Data Cempro Informática Ltda. Integração WinLivros X ContabMilenium

Data Cempro Informática Ltda. Integração WinLivros X ContabMilenium Integração WinLivros X ContabMilenium Para configurar a integração entre os sistemas WinLivros e ContabMilenium devemos primeiramente verificar se a base de dados é integrada (se está no mesmo local) ou

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY MANUAL DE INSTALAÇÃO DO ODONTO TECHNOLOGY 1 Índice I - Prefácio...3 II - Instalação do tipo servidor...4 III Obter o nome do computador servidor...17 IV Instalação do tipo cliente...19 V Como inserir a

Leia mais

OFIC1200 - Consulta da O.S.

OFIC1200 - Consulta da O.S. OFIC1200 - Consulta da O.S. Este programa é utilizado para consultar O.S. Para isso, deve ser seguido por 3 etapas: 1ª - Selecionar uma O.S., partindo de diversas opções. 2ª - Selecionada a O.S., filtrar

Leia mais

Digitação de Orçamentos

Digitação de Orçamentos Digitação de Orçamentos Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Aba Dados Gerais... 3 Aba Dados do Veículo... 5 Aba Cardápio... 5 Aba Serviços...

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 1.0 18/01/2013 Sempre consulte por atualizações deste manual em nossa página. O Cotação Web está em constante desenvolvimento, podendo ter novas funcionalidades adicionadas

Leia mais

Cadastro de Tabelas de Preços

Cadastro de Tabelas de Preços Cadastro de Tabelas de Preços Para incluir uma nova tabela de preço de produtos, proceda da seguinte forma: Acesse o módulo Administrativo. Clique no menu Cadastros em seguida clique na opção Tabelas de

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

Ressarcimento de ICMS-ST

Ressarcimento de ICMS-ST Ressarcimento de ICMS-ST Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Planilha de Ressarcimento... 4 Relacionar Nota Fiscal de Entrada...

Leia mais

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF)

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF) 1 Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão SEM Impressora de cupom fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa...3 2. Configurações dos Parâmetros......3 3. Cadastro de cliente...4

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS

MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS MANUAL SPED(EFD) PIS-COFINS O que é SPED? É um arquivo de texto que detalha todas as movimentações fiscais da empresa em um determinado período, listando todas as operações de compra (Notas de compra)

Leia mais

Excel Planilhas Eletrônicas

Excel Planilhas Eletrônicas Excel Planilhas Eletrônicas Capitulo 1 O Excel é um programa de cálculos muito utilizado em empresas para controle administrativo, será utilizado também por pessoas que gostam de organizar suas contas

Leia mais

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Transmissão Antes de começar a trabalhar, vamos entender o item do menu transmissão, é nele que se faz atualização dos dados do moinho para o seu computador,

Leia mais

Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel

Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel! Como utilizar o comando Consolidar do Excel?! Quais são os diferenciais em relação ao cálculo aritmético normal?! Quais são

Leia mais

BH PARK Software de Estacionamento

BH PARK Software de Estacionamento BH PARK Software de Estacionamento WWW.ASASSOFTWARES.COM.BR Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Travar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4 Contrato de Manutenção...

Leia mais

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN.

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN. VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE ACD2016 FINALIZAÇÃO: 10 JUN. 13 04 NOV.2014 FEV. 201313 JUN. 2016 PUBLICAÇÃO: Prezado Cliente, Neste documento estão descritas todas as novidades

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ. Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ

Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ. Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ Prefeitura Municipal de São Luís Manual de uso dos serviços da SEMFAZ 1 Sumário 1. Introdução 2. Emissão de Certidões 3. Autenticação de Certidões 4. Cadastro de Imóveis/Empresa 5. Acessando meu cadastro

Leia mais

Treinamento Módulo Contas a Pagar

Treinamento Módulo Contas a Pagar Contas a Pagar Todas as telas de cadastro também são telas de consultas futuras, portanto sempre que alterar alguma informação clique em Gravar ou pressione F2. Teclas de atalho: Tecla F2 Gravar Tecla

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO MASTER VENDAS 1. CONCEITO Master Vendas não é somente um sistema, e sim, um novo conceito de gestão para sua empresa. Foi desenvolvido por profissionais de informática juntamente com

Leia mais

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos)

Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Parte A INICIANDO E CONFIGURANDO (5 passos) Primeiros Passos para o Simulador de Ações do FinanceDesktop. Seja bem-vindo(a) ao Simulador de Ações FinanceDesktop. Seu propósito é oferecer um ambiente completo e fácil de usar que permita o registro

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Controle do Arquivo Técnico

Controle do Arquivo Técnico Controle do Arquivo Técnico Os documentos existentes de forma física (papel) no escritório devem ser guardados em pastas (normalmente pastas suspensas) localizadas no Arquivo Técnico. Este Arquivo pode

Leia mais

Sistema Futura Ponto. Aparecida Legori Futura Sistemas 27/05/2014

Sistema Futura Ponto. Aparecida Legori Futura Sistemas 27/05/2014 2014 Sistema Futura Ponto Aparecida Legori Futura Sistemas 27/05/2014 Índice Cadastro 1. Departamentos 2. Função 3. Empresa 4. Eventos 5. Feriados 6. Grade Horária 7. Justificativas 8. Funcionários 9.

Leia mais

Importação de Notas pelo Código de Barras DANFE... 12

Importação de Notas pelo Código de Barras DANFE... 12 IMPORTAÇÃO DE NF-E (ENTRADA) SUMÁRIO Importação de Notas pelo Arquivo XML... 2 Parametrização dos Produtos... 4 Parametrização de Código de Situação Tributária (CST)... 5 CST de ICMS... 5 CST de IPI...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO SERVIÇO DE AIDF NO PORTAL

MANUAL DO USUÁRIO DO SERVIÇO DE AIDF NO PORTAL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL DO USUÁRIO DO SERVIÇO DE AIDF NO PORTAL PASSO 1: O Usuário entra com seu Usuário e Senha: Os dados

Leia mais

Manual Administrador - Mídia System

Manual Administrador - Mídia System Manual Administrador - Mídia System Logo após cadastrarmos sua Empresa em nosso sistema, será enviado um e-mail confirmando as informações de acesso do Administrador do sistema. Obs: Caso não tenha recebido

Leia mais

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo:

O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: O arquivo SPED é complexo, contém diversas amarrações e muita informação. Algumas medidas diminuem o impacto de dificuldade na validação do arquivo: Não gere toda a movimentação de uma vez. O ideal e aconselhável

Leia mais

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br PARÂMETROS DE LANÇAMENTOS PARAMETRIZAÅÇO PARA O MÉDULO LANÅAMENTOS NO SISTEMA ARQUIVO > LANÅAMENTOS > PARÑMETROS E CONFIGURAÅÖES PREENCHIMENTO DAS GUIAS: 1. GUIA IMPOSTOS: a) Contas relacionadas à apuração

Leia mais

Esclarecimentos. Relatório de Apuração de ICMS do sistema Avance Retguarda

Esclarecimentos. Relatório de Apuração de ICMS do sistema Avance Retguarda Esclarecimentos Relatório de Apuração de ICMS do sistema Avance Retguarda Afim de sanar as dúvidas mais frequentes e possíveis diferenças de valores ou informações no relatório de Apuração de ICMS do sistema

Leia mais

Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida Controle de Contatos Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida Controle de Contatos" Editorial Brazil Informatica I Vida Controle de Contatos Conteúdo Part I Introdução 2 1 Vida Controle... de Contatos Pessoais 2 Part II Configuração 2 1 Configuração...

Leia mais

Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques. Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados

Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques. Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados Dicas Logycware Como utilizar o módulo de Estoques Copyright Logycware Sistemas de Informática 2008 Todos os Direitos Reservados 1. INTRODUÇÃO Este tutorial tem por objetivo ajudar a realizar as configurações

Leia mais

Multas. Ordem de Serviço. Sinistro. Estoque

Multas. Ordem de Serviço. Sinistro. Estoque Multas Orçamento Manutenção Ordem de Serviço Sinistro Abastecimento Plano de Manutenção (Revisão) Estoque Comece o cadastro de Multas clicando em Incluir, depois coloque a data e horário do momento da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Manual de Avaliação de Desempenho Cadastro

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Manual de Avaliação de Desempenho Cadastro UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Manual de Avaliação de Desempenho Cadastro UNIFAP MACAPÁ-AP 2013 S U M Á R I O 1 Tela de Login...2 2 Acessando ao submenu cadastro de avaliação

Leia mais