Dossier Disfunção Eréctil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dossier Disfunção Eréctil"

Transcrição

1 O que é a Disfunção Eréctil (DE)? 02 A cascata de acontecimentos que resultam na erecção 02 As origens possíveis da DE 02 Disfunção Eréctil Vascular 03 Disfunção Eréctil Neurogénica 03 Disfunção Eréctil relacionada com Fármacos 03 O Diagnóstico 04 DE - um problema com solução 04 Os tratamentos 05 Terapêutica oral (tratamento de primeira linha) 05 Outros tratamentos (tratamentos de segunda linha) 06 Falar com o médico sobre a disfunção eréctil 06 O papel da mulher no tratamento da disfunção eréctil 07 Algumas das campanhas realizadas em Portugal 07 Unidade Móvel de Apoio e Aconselhamento Saúde em Movimento 08 Campanha de PUB Workshop O papel da mulher na resolução dos problemas de erecção do homem 09 Conferência sobre Saúde Masculina 09 Onde procurar mais informação

2 O que é a Disfunção Eréctil? A Disfunção eréctil (DE), vulgarmente conhecida por impotência sexual, é definida cientificamente como a incapacidade de obter e/ou manter uma erecção adequada para realizar o coito. A DE é uma patologia muito frequente, afectando cerca de Portugueses e está directamente correlacionada com a idade, a hipertensão, a diabetes, a hiperlipidémia e o tabagismo, podendo ainda estar associada a: disfunção endotelial; factores neurogénicos (prostatectomia radical, lesão da espinal-medula, esclerose múltipla); utilização de fármacos anti-hipertensivos e antidepressivos; factores psico-sociais (depressão, stress). As perturbações da erecção podem ocorrer apenas durante um certo período de tempo, devido, por exemplo, a stress, preocupações ou a excesso de trabalho. Estas resolvem-se normalmente, com descanso ou com a solução do problema, seja familiar ou profissional. Outras vezes, a disfunção eréctil torna-se mais frequente e persistente, dificultando as relações sexuais satisfatórias. Esta situação provoca um forte abalo físico, emocional e social na auto-estima, tornando o homem que sofre de DE cada vez mais inseguro, perturbando as suas relações a vários níveis: familiares, pessoais ou profissionais. A cascata de acontecimentos que resultam na erecção A erecção é um fenómeno complexo que resulta de uma sucessão de acontecimentos que permitem a passagem do estado de flacidez à rigidez completa do pénis. Os estímulos, ao actuarem ao nível do cérebro, vão originar impulsos nervosos e a libertação de hormonas que vão contribuir para o aumento do fluxo de sangue a nível do pénis. O pénis é constituído por dois corpos cavernosos, constituídos essencialmente por tecido muscular, e por um corpo esponjoso, no meio do qual se situa a uretra. A diminuição da resistência periférica, o aumento da circulação de sangue nas artérias cavernosas e o aumento da pressão intracavernosa, a par do relaxamento da musculatura lisa, faz com que os corpos cavernosos se encham de sangue e fiquem engorgitados, tornando-se rígidos com o sangue retido. As origens possíveis da DE Uma erecção é resultado da actividade de uma série de factores psíquicos e físicos que actuam ao nível do cérebro, dos vasos sanguíneos e do sistema nervoso. Qualquer alteração que afecte um dos componentes, poderá contribuir para a disfunção eréctil. Durante muito tempo, pensou-se que os problemas psicológicos estavam na origem de grande parte dos casos de disfunção eréctil permanente. O desenvolvimento de meios de diagnóstico e a descoberta de novos medicamentos vieram alterar esta ideia. Actualmente sabe-se que, em mais de metade dos casos, existe um problema físico ou uma alteração orgânica, que pode ser agravada por factores psicológicos. 2

3 A disfunção eréctil de origem física pode ter origem em várias doenças, ser consequência de uma intervenção cirúrgica ou de um acidente. A diabetes, a hipertensão arterial, o tabaco, o aumento do colesterol e a aterosclerose podem causar a diminuição do fluxo de sangue. Traumatismos da coluna e da medula, fracturas da bacia, algumas intervenções cirúrgicas à próstata e ao cólon e doenças neurológicas como a esclerose múltipla, podem originar lesões nervosas causando alterações no sistema nervoso, pondo em risco a qualidade de vida sexual. Também, os doentes com insuficiência renal ou que tenham tido um enfarte do miocárdio, os alcoólicos e os toxicodependentes, podem ter perturbações na erecção. A disfunção eréctil de origem psicológica pode ser causada por stress, depressão, medo, frustração ou por doenças psiquiátricas. Muitas vezes, existe a ansiedade de execução ou de falha que pode agravar-se com o receio de não ser capaz na próxima vez. Existem também vários medicamentos que podem causar disfunção eréctil, entre os quais, diuréticos, antihipertensores, anti-ulcerosos, anti-depressivos, anti-psicóticos e barbitúricos, entre outros. Quais os diferentes possíveis cenários de DE: Disfunção Eréctil Vascular Na DE arteriogénica os factores de risco podem ser a diabetes, a hipertensão, a hiperlipidémia ou o tabaco, provocando alterações graves a nível dos vasos. Em doentes idosos, a DE pode ser o resultado de doença aterosclerótica generalizada, que inclui a doença coronária arterial. A DE de origem venosa resulta da alteração verificada no tecido miocavernoso e das veias, provocando uma saída do sangue a nível do pénis de uma forma prematura, conduzindo assim à perda da erecção. Os factores de risco são os mesmos que os anteriores. Disfunção Eréctil Neurogénica A Neuropatia eferente resulta da interrupção e disfunção das vias neuronais parassimpáticas eferentes. É causada por danos a nível da medula espinal, esclerose múltipla, prostatectomia radical, neuropatia periférica e outras doenças neuronais (p.e. Doença de Parkinson). Disfunção Eréctil relacionada com Fármacos Uma vasta gama de medicamentos pode estar na origem de uma DE. Estão neste quadro incluídos medicamentos como os Antihipertensivos, Antidepressivos, Anti-arritmicos, Antiandrogénios, Antagonistas dos receptores H2 e ainda hábitos de consumo relacionados com tabaco, cocaína e marijuana. 3

4 O Diagnóstico O diagnóstico desta doença deve basear-se na história clínica e em alguns meios auxiliares de diagnóstico simples e pouco invasivos. O ponto-chave no diagnóstico é a conjunção do exame físico com a história sexual, médica e psico-social. O médico necessita de conhecer a história médica e sexual de cada indivíduo que apresenta uma alteração sexual. Tem que saber se o problema é de origem psicológica ou física, conhecer a identidade sexual do doente quanto aos seus desejos e relações com a sua companheira. Por vezes, é importante inclui-la na abordagem do problema. De acordo com a história clínica e o exame físico, o médico pode então propor um tratamento ou a realização de vários exames para completar a avaliação inicial. Estes podem consistir na realização de análises gerais ou testes específicos para conhecer o estado da circulação e do sistema nervoso. Por vezes, há necessidade de realizar radiografias para completar o diagnóstico. Normalmente, é recomendável uma avaliação psicológica, feita por um profissional habilitado. O homem com problemas sexuais tem, por vezes, muitas dificuldades em assumir a sua perturbação e expô-la com clareza. Com sentimentos de vergonha, de receio e de frustração, o doente sente-se reprimido. É fundamental a identificação destes factores para se criar um clima de confiança e ser indicada a terapêutica mais eficaz. Acima de tudo, é importante que o doente perceba que não deve viver sozinho com o problema. O homem afectado por DE deve reagir e procurar o médico de família ou um especialista, expondo as suas queixas e recolhendo a melhor orientação para o seu caso específico. Existem consultas de Andrologia, de Sexologia e de Urologia em vários hospitais públicos que podem ajudar a encontrar a melhor solução. DE - um problema com solução As alterações sexuais são frequentes e devem ser encaradas com frontalidade para evitar conflitos a nível familiar, social e profissional. Em primeiro lugar, devem ser assumidas e discutidas com franqueza pelo casal. Uma diminuição da actividade sexual pode provocar uma perda da confiança e o receio de falhar pode pôr em risco a qualidade de vida sexual do casal. Há necessidade de um diálogo franco e aberto entre o casal e a procura de apoio médico. O casal deve partilhar as preocupações de forma a encontrar a melhor solução, que passa muitas vezes por uma melhor comunicação que reduza a carga emocional existente. A parceira do homem afectado por DE vive também a perturbação que afecta o casal, sendo certo que terá sempre total predisposição para contribuir com vista a melhorar a actividade sexual e normalizar a qualidade de vida, com a obtenção de prazer para ambos. 4

5 Os tratamentos Os avanços da medicina permitem tratar com êxito os indivíduos que sofrem de diminuição ou perda de rigidez peniana. Desde os casos menos graves aos mais complexos, existem alternativas terapêuticas eficazes que devem ser discutidas entre o médico e o doente, de acordo com a causa existente e com as perspectivas do indivíduo e do casal. Cada opção de tratamento tem vantagens e desvantagens e deve ser escolhida e administrada segundo as indicações precisas para cada situação clínica. Desde fármacos por via oral, ao uso de drogas vasoactivas no pénis, à utilização de dispositivos mecânicos, a terapias psicosexuais, à cirurgia para melhoria da circulação sanguínea ou para implantação de uma prótese, existem actualmente diferentes alternativas que são uma esperança para todos os doentes com este problema de saúde. Terapêutica oral (tratamento de primeira linha) Os medicamentos orais para o tratamento da DE (os inibidores da PDE5), como o Tadalafil, Sildenafil ou Vardenafil apresentam-se como terapêuticas de primeira linha, pela facilidade de administração oral e prevalência mínima de efeitos secundários subsequentes. Alguns dos medicamentos orais facilitam em muito a vida dos doentes que sofrem desta patologia. Os tratamentos orais podem ser divididos em duas categorias: acção curta (sildenafil e vardenafil) e acção prolongada (tadalafil). Em 1998 surgiu o primeiro medicamento oral para o tratamento da DE, o sildenafil e em 2003 surgiram no mercado dois novos medicamentos, o vardenafil e o tadalafil. O sildenafil e o vardenafil têm tempos de acção muito semelhantes, entre 4 a 6 horas e um inicio de acção entre 30 minutos e uma hora após a toma. Não podem ser tomados após as refeições e a ingestão de bebidas alcoólicas. O Tadalafil é um medicamento que tem um tempo de acção de cerca de 36 horas e um início de acção semelhante aos anteriores. Não tem interacção com alimentos e bebidas alcoólicas. As propriedades farmacocinéticas do Tadalafil permitem uma maior liberdade da actividade sexual do casal. Desde Outubro de 2007, passou a estar disponível no mercado português, uma nova formulação, o Tadalafil de Toma Diária. Esta nova apresentação do Tadalafil é indicada para doentes que já respondem positivamente à terapêutica com inibidores da PDE5 e para os quais se prevê uma utilização frequente (pelo menos duas vezes por semana). Nestes doentes, a dose recomendada de tadalfil de toma diária é de 5 mg uma vez ao dia, aproximadamente à mesma hora. O tadalafil de toma diária é o primeiro medicamento oral a ser aprovado para o tratamento da DE sem interrupção do tratamento. As principais vantagens dos tratamentos orais são a sua boa tolerância, com percentagens pouco significativas de acontecimentos adversos, uma boa aceitação por parte dos doentes, a facilidade de 5

6 administração e a segurança. Estas vantagens justificam as razões da sua progressiva aceitação como tratamento inicial da maioria das situações de disfunção eréctil. Todos os medicamentos orais para o tratamento da disfunção eréctil acima referidos são contra-indicados em doentes que tomam nitratos ou cuja reserva cardíaca não permite o esforço físico dispendido numa relação sexual, ou para aqueles a quem a actividade sexual é desaconselhada. Outros tratamentos (tratamentos de segunda linha) A autoinjecção peniana com substâncias vasoactivas é uma das terapêuticas possíveis na DE de causa orgânica. Não obstante, apresenta diversas desvantagens: é extremamente invasiva e pode provocar dor, ferimentos e hematomas no pénis e até priapsmo (erecção involuntária, prolongada e dolorosa). Os aparelhos de vácuo continuam a ser uma alternativa, em virtude da sua inocuidade e baixo preço. No entanto, constituem uma técnica embaraçosa, física e emocionalmente desconfortável, na medida em que retiram toda a espontaneidade ao acto sexual e podem também causar ferimentos, e alterações da sensibilidade peniana, bem como não permite a ejaculação. A cirurgia vascular, as laqueações venosas e as técnicas de revascularização têm indicações limitadas, e têm resultados pouco satisfatórios depois dos 50 anos. Podem causar dor e hemorragia pós-operatória, bem como diminuição da sensibilidade peniana. A colocação de próteses penianas nos doentes que não obtêm satisfação com outros tratamentos menos invasivos é, regra geral, a última proposta a fazer ao doente. Como qualquer prótese, também a peniana oferece riscos de infecção e rejeição orgânica que não podem ser menosprezados. Uma vez que a cirurgia para retirar este tipo de próteses resulta quase sempre na destruição irremediável dos tecidos do pénis, fica desta forma impedida a aplicação de terapêuticas futuras eficazes. Existe também a terapia sexual. Tratar a disfunção sexual de forma a resolvê-la e a melhorar a comunicação no casal, deve ser dirigida não só aos casos de disfunção eréctil de causa psicogénica, mas também como complemento a outras modalidades terapêuticas, quando estão envolvidos factores orgânicos. Falar com o médico sobre a disfunção eréctil Ainda há muitos casos em que o homem afectado pela disfunção eréctil não revela o seu problema ao médico de família ou ao especialista. Para ultrapassar este obstáculo é fundamental que o doente perca a vergonha de assumir e falar sobre o problema. Também o clínico geral/médico de família deve proactivamente procurar saber e oferecer ajuda de forma a elucidar o seu doente sobre esta doença, as suas causas e os tratamentos existentes. 6

7 Um número significativo de problemas de disfunção eréctil tem uma causa mista, ou seja, um factor desencadeante, que é orgânico, associado ao factor agravante, que é psicológico. Por esta razão, a multidisciplinaridade inerente à Andrologia/Urologia ganha especial relevo. Uma maior informação dos profissionais de saúde contribui para uniformizar diagnósticos e terapêuticas, possibilitando um melhor atendimento dos doentes. As opções terapêuticas disponíveis actualmente tornam possível ajudar todos os doentes, independentemente das causas que deram origem à disfunção. O aparecimento dos fármacos orais para o tratamento da DE também veio ajudar a que o assunto seja abordado com maior facilidade e que haja uma maior informação das populações, bem como uma maior procura do tratamento e da resolução do problema. Por outro lado, as campanhas de informação e sensibilização que têm como missão esclarecer relativamente aos factores de risco, em particular os relacionados com estilos de vida, e que vão do tabagismo, à ingestão excessiva de álcool, ao abuso de drogas e medicamentos, ao sedentarismo, à obesidade e às possibilidades de tratamento, têm também, contribuído para um maior grau de informação e para quebrar tabus. O papel da mulher no tratamento da disfunção eréctil A Disfunção Sexual é uma patologia que também tem repercussões na vida sexual da mulher. Por isso, e enquanto membro do casal deve estar envolvida em todo o processo terapêutico. Quando surgem problemas sexuais, os casais sentem normalmente dificuldade em falar sobre eles. Quanto mais depressa assumirem a situação e decidirem procurar ajuda, mais fácil será a sua resolução. Quando a mulher percebe que o seu companheiro está com problemas de disfunção eréctil deve encorajálo a consultar o médico. A disfunção eréctil não deve ser encarada como inevitável, até porque pode ser o primeiro sintoma de uma doença associada. Procurar ajuda e fazer uma avaliação médica adequada pode ajudar a tratar o problema de erecção e a melhorar a saúde em geral. Para participar na resolução do problema a mulher deve manifestar interesse em melhorar a vida sexual do casal, acreditar que há solução, facilitar a abordagem e a decisão de pedir ajuda junto dos profissionais de saúde. Existem especialistas em consultas de Andrologia, Sexologia e Urologia em vários hospitais que dão apoio e aconselhamento sobre problemas sexuais e, actualmente, há vários tratamentos para a DE. Algumas das campanhas de informação e sensibilização realizadas em Portugal Os homens recorrem cada vez mais cedo ao médico e muitas vezes acompanhados da parceira. Vários factores têm contribuído para que isso aconteça, nomeadamente o facto de haver respostas efectivas para o tratamento da DE. Mas também, a divulgação que os media têm dado à patologia e às possibilidades existentes para o seu tratamento e, as acções de esclarecimento que têm sido implementadas junto da população têm ajudado a falar abertamente sobre a doença. 7

8 Nos últimos cinco anos foram realizadas diversas iniciativas, desde campanhas de publicidade a acções de sensibilização e informação realizadas junto da população. Unidade Móvel de Apoio e Aconselhamento Saúde em Movimento Desde 2005, a Sociedade Portuguesa de Andrologia (SPA) em parceria com a Lilly Portugal têm disponibilizado uma Unidade Móvel de Apoio e Aconselhamento onde técnicos de saúde têm respondido e orientado quem tem dúvidas sobre a patologia. Qualquer pessoa se pode dirigir a esta unidade móvel e aos profissionais de saúde aí presentes (psicólogos, terapeutas sexuais e enfermeiros) e solicitar apoio e aconselhamento através do atendimento personalizado, anónimo e confidencial. No gabinete de enfermagem, os utentes também podem medir a tensão arterial, os níveis de glicemia e de colesterol, isto porque, a Disfunção Eréctil é uma patologia que está directamente relacionada com a diabetes e a hipertensão arterial e o colesterol. Campanha de PUB A primeira campanha de televisão sobre Disfunção Eréctil realizada em Portugal aconteceu em 2005, partilhada pela SPA e pela Lilly Portugal. A história tem como protagonistas um casal que aborda a disfunção eréctil, com a frontalidade e a naturalidade que a mesma exige e aconselha a procurar ajuda especializada para tratar um problema que tem solução. Quebrar preconceitos e complexos sobretudo, porque falar é o primeiro passo para ajudar a derrubar o tabu da disfunção eréctil. Um ano depois, a segunda campanha retomou o casal como principal interlocutor e reforçou uma vez mais que a Disfunção eréctil pode deixar de ser um problema. Aconselhe-se com o seu médico ou farmacêutico. Pode voltar a ter tempo para o romance. Em Fevereiro de 2008 será lançada uma nova campanha de televisão e imprensa que pretende dizer aos homens que têm problemas de disfunção eréctil que não estão sozinhos e que não devem ter vergonha de procurar ajuda, pois é uma doença que tem tratamento. Para auxiliar os homens na procura de informação e incentivar não só o homem, mas também o casal a falar sobre o assunto e a procurar ajuda, a Lilly Portugal lançou em 2005 site que contém informações sobre a DE, como abordar a questão junto dos profissionais de saúde e os tratamentos existentes, entre outras informações. O website amardenovo.com foi pensado para orientar a mulher que quer ajudar o seu companheiro a resolver o problema da disfunção eréctil e, desta forma, melhorar a vida sexual do casal. Contém uma série de conteúdos informativos relacionados com a sexualidade, nomeadamente com as questões mais frequentemente colocadas sobre disfunção eréctil (DE), a importância da intervenção da mulher numa 8

9 patologia masculina e enquanto elemento fundamental no tratamento da doença. Pretende, também, ser um meio de aconselhamento sobre como abordar o assunto junto do homem, como ultrapassar a vergonha, retomar a intimidade e recordar a importância do toque e da partilha de sentimentos entre o casal. Workshop O papel da mulher na resolução dos problemas de erecção do homem Alertar para a importância das mulheres no tratamento da Disfunção Eréctil foi o principal objectivo deste workshop que contou com a participação de um Urologista, de uma Psicóloga Clínica e Terapeuta Sexual e de jornalistas. A aposta na mulher enquanto elemento determinante no tratamento da doença surge porque o problema sexual é do casal e não apenas do homem. Manifestar interesse em melhorar a vida sexual do casal, acreditar que o problema pode ser resolvido com sucesso, facilitar a abordagem e falar sobre o assunto e apoiar a procura de um especialista, são algumas das formas de como a mulher pode participar activamente na resolução do problema de erecção do seu companheiro. Conferência sobre Saúde Masculina A SPA, a Lilly e o Sport Lisboa e Benfica realizaram em parceria uma conferência sobre Saúde Masculina. Realizada no Estádio da Luz, a conferência abordou temas como o Colesterol, a Diabetes, a Disfunção Eréctil, o Cancro da Próstata, a Doença Cardiovascular, o Stress e a importância da medicina preventiva versus medicina curativa. A conferência contou com a participação do jornalista da TVI, Pedro Pinto, na qualidade de moderador, foi coordenada pelo Dr. João Paulo Almeida, responsável pelo departamento médico do Benfica e com a participação do Dr. Real Dias, Urologista e do Professor Victor Gil, Cardiologista. O ex-jogador do SLB, Veloso deu também o seu contributo e no final da sessão de esclarecimento falou sobre a importância de manter um estilo de vida saudável em qualquer idade. Onde procurar mais informação 9

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual

impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual impotência sexual Guia definitivo: acabe com todas as suas incertezas sobre impotência sexual INTRODUÇÃO A disfunção sexual é um problema que faz parte do cotidiano de muitas pessoas. A falta de informações

Leia mais

Causas da Disfunção Eréctil

Causas da Disfunção Eréctil Causas da Disfunção Eréctil Uma vez que o Urologista/Andrologista tenha determinado a causa da disfunção, distinguindo as causas orgânicas das psicológicas, está em condições de aconselhar o tratamento.

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória.

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Como Superar a Disfunção Erétil (DE) e a Ejaculação Precoce (EP). Maximen Urologia Especializada O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Mensagem Importante

Leia mais

EPIMEDIUM ICARIIN (HORNY GOAT WEED)

EPIMEDIUM ICARIIN (HORNY GOAT WEED) EPIMEDIUM ICARIIN (HORNY GOAT WEED) Se tratando de fitoterápico: Nome científico: Epimedium sagittatum Família: Berberidaceae Princípio ativo: icariin Classificação científica: Reino: Plantae Filo: Magnoliophyta

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS CONSUMO DE ÁLCOOL & ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS O álcool é a «droga recreativa» mais utilizada em contexto universitário. Estudos recentes revelam que mais de metade dos estudantes universitários tiveram,

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde

Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05. Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Fibromialgia Nº: 45/DGCG DATA: 09/09/05 Para: Contacto na DGS: Administrações Regionais de Saúde e Médicos dos Serviços Prestadores

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 07-05-2014 Revista de Imprensa 07-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Hospital de Viana não vai perder valências

Leia mais

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO!

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! MAIO, MÊS DO CORAÇÃO MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! 12 A 31 DE MAIO DE 2008 EXPOSIÇÃO ELABORADA PELA EQUIPA DO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA, COORDENADA PELA ENFERMEIRA MARIA JOÃO PINHEIRO. B A R R

Leia mais

PRESSURE POINTS SERIES: Introdução à tensão arterial elevada

PRESSURE POINTS SERIES: Introdução à tensão arterial elevada PRESSURE POINTS SERIES: NO.1 Introdução à tensão arterial elevada BLOOD PRESSURE ASSOCIATION A tensão arterial elevada é a maior causa conhecida de invalidez e morte prematura no Reino Unido através de

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Causas Físicas de Impotência

Causas Físicas de Impotência Causas Físicas de Impotência Mais de dois terços de todas as impotências podem ser atribuidas a causas físicas. O mau funcionamento dos nervos, vasos sanguíneos, hormonas, músculo liso dos corpos cavernosos,

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão Cefaleia tipo tensão Cefaleia tipo tensão O que é a cefaleia tipo tensão? Tenho dores de cabeça que duram vários dias de cada vez e sinto-me como se estivesse a usar um chapéu muito apertado - mais como

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008)

Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Disfunção erétil Resumo de diretriz NHG M87 (julho 2008) Leusink P, De Boer LJ, Vliet Vlieland CW, Rambharose VR, Sprengers AM, Mogendorff SW, Van Rijn-Van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês

Leia mais

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores:

O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Plano e Orçamento para 2010 - Saúde O plano e orçamento 2010 que vos é proposto materializam o que queremos para o sector da Saúde nos Açores: Queremos um Serviço Público de Saúde cada vez mais próximo.

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Gestão da Comunicação e Informação Médica

Gestão da Comunicação e Informação Médica 1º Curso de Pós Graduação Executiva em Gestão da Comunicação e Informação Médica 2011 50h presenciais + 50h formação à distância MÓDULO I Clínica para não Clínicos 8h presenciais + 12h formação à distância

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Disfunção Erétil. Diagnóstico e Tratamento. www.clinicadohomem.com.br. Dr. Francisco Costa Neto

Disfunção Erétil. Diagnóstico e Tratamento. www.clinicadohomem.com.br. Dr. Francisco Costa Neto Disfunção Erétil Diagnóstico e Tratamento www.clinicadohomem.com.br Dr. Francisco Costa Neto Tratamento Há muito que nós Andrologistas buscamos e pesquisamos soluções terapêuticas práticas e eficazes no

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Reabilitação da Função Erétil na prostatectomia radical: como fazer

Reabilitação da Função Erétil na prostatectomia radical: como fazer Reabilitação da Função Erétil na prostatectomia radical: como fazer Luiz Otavio Torres Diretor de Relações Internacionais da SBU Secretário Geral da ISSM (International Society of Sexual Medicine) Reabilitação

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Incontinência por imperiosidade

Incontinência por imperiosidade Incontinência por imperiosidade Autor: Luís Abranches Monteiro, Dr., Urologista, Hospital Curry Cabral Lisboa Actualizado em: Julho de 2010 Uma micção imperiosa define-se como aquela que é difícil de adiar,

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

Radioterapia no Cancro do Pulmão

Radioterapia no Cancro do Pulmão Editado em: Novembro de 2006 Apoio: Radioterapia no Cancro do Pulmão Comissão de Pneumologia Oncológica Sociedade Portuguesa de Pneumologia ÍNDICE A Comissão de Pneumologia Oncológica agradece ao autor

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

Comunicação durante o processo de auto-avaliação

Comunicação durante o processo de auto-avaliação Comunicação durante o processo de auto-avaliação Durante o processo de auto-avaliação a política de comunicação deve focalizar os ganhos para todas as partes interessadas, colaboradores e cidadãos/clientes.

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL

RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL RE-INTEGRATE Consulta aos Empregadores PORTUGAL Retorno ao Trabalho Ambiente Integrado de e-learning Projecto Leonardo: 2007 a 2009 Objectivo da Sessão Recolher opiniões sobre website e ferramentas de

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos!

Direção geral. Tem dores? Vamos agir juntos! Direção geral Tem dores? Vamos agir juntos! Tem dores? Tem receio de sofrer por causa duma intervenção cirúrgica ou de um exame? Um dos seus familiares está preocupado com este problema? Este folheto informa-o

Leia mais

Prevalência de Doença Mental Numa População com Deficiência Intelectual. Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro

Prevalência de Doença Mental Numa População com Deficiência Intelectual. Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Prevalência de Doença Mental Numa População com Deficiência Intelectual Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Outubro / 2012 Lisboa Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade

Leia mais

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO www.medialcare.pt SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO 1 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Com a colaboração de uma especialista em Nutrição, propomos apresentar a temática

Leia mais

Acabe, com a dor II 1

Acabe, com a dor II 1 ACABE COM A DOR Acabe, com a dor São as mulheres quem mais sofre quadros dolorosos, com maior frequência e em mais áreas corporais, revela a Associação fnternacional para o Estudo da Dor. Conheça as dores

Leia mais

Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento introdução no mercado. Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany.

Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento introdução no mercado. Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany. Anexo I 3 Substância: Propil-hexedrina Estado- Titular da autorização de Nome do medicamento Membro introdução no mercado Alemanha Knoll AG Postfach 210805 Ludwigshafen DE 67008 Germany Eventin 4 Substância:

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade

Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Tem dores? Vamos agir juntos! Gerir a dor é a nossa prioridade Introdução Sabia isto? Estudos realizados demonstram que uma boa gestão da dor diminui as complicações da operação e favorece a recuperação.

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 1 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira

Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira Resposta ao Recurso da Candidata Nayara Alves de Oliveira RESPOSTA: CORRETA PERMANECE A LETRA D QUESTÃO 42. A senhora Maria Cristina 22 anos, do lar, união estável, tem um filho de 2 anos(pedro). A mesma

Leia mais

Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves

Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves Resposta ao Recurso da Candidata Camila Karla da Cunha Gonçalves RESPOSTA: CORRETA PERMANECE A LETRA D QUESTÃO 42. A senhora Maria Cristina 22 anos, do lar, união estável, tem um filho de 2 anos(pedro).

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Disfunção erétil

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Disfunção erétil CASO COMPLEXO 7 Samuel : Marcelo Cabrini Definição O consenso do National Institutes of Health (NIH) sobre Impotência (1992) definiu disfunção erétil como a incapacidade de obter ou manter uma ereção suficiente

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Serviço de Apoio ao Doente com EM

Serviço de Apoio ao Doente com EM Serviço de Apoio ao Doente com EM Serviço de Apoio RebiCare Apoio de Enfermagem Serviço de Entrega ao Domicílio (CVP) / Serviço de Teleassistência Flexibilidade no suporte terapêutico Linha gratuita de

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 333 33/2014 Brasília, janeiro de 2014. Princípio Ativo: sildenafila Nomes Comerciais 1 : Escitan, Tantrix, Escitan, Havante, Videnfil, Sollevare, Suvvia, Dejavu, Ah-zul, Vasifil, Virineo,

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças!

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08 BIOLOGIA 12ºANO FICHA DE TRABALHO Bom trabalho! Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ) Grupo I Nos estudos efectuados nos últimos anos verificou-se a

Leia mais