DIABETES MELLITUS EM GATOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIABETES MELLITUS EM GATOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS DIABETES MELLITUS EM GATOS Jéssica Yuri Hayama Marchetti São Paulo, jan. 2007

2 JÉSSICA YURI HAYAMA MARCHETTI Aluna do curso de Pós graduação Especialização Lato Sensu em Clínica Médica de Pequenos Animais da UCB Diabetes Mellitus em Gatos Trabalho monográfico de conclusão do curso de Pós graduação Especialização Latu Sensu em Clínica Médica de Pequenos Animais (TCC), apresentado à UCB como requisito parcial para a obtenção do título de Pós Graduação em Clínica Médica de Pequenos Animais, sob a orientação da Prof. a Fernanda Vieira Amorim. São Paulo, jan. 2007

3 DIABETES MELLITUS EM GATOS Elaborado por Jéssica Yuri Hayama Marchetti Aluna do Curso de Pós graduação Especialização Lato Sensu em Clínica Médica de Pequenos Animais da UCB Foi analisado e aprovado com grau:... São Paulo, de de. Membro Membro Professor Orientador Presidente São Paulo, jan ii

4 RESUMO MARCHETTI, Jéssica Yuri Hayama Diabetes mellitus é um distúrbio endócrino crônico manifestado pela incapacidade absoluta ou relativa das células β produzirem e secretarem insulina e/ou ação deficiente de insulina nos tecidos, incapacitando a utilização de glicose pelo organismo, ocorrendo como conseqüência mais comum à hiperglicemia prolongada, podendo causar cetoacidose e outras alterações na maioria dos sistemas corpóreos que podem ser fatais se não tratados. O Diabetes mellitus tem sido diagnosticado progressivamente na prática da clínica de felinos, afetando um a cada gatos. A doença apresenta diversas classificações, porém para o uso em felinos utilizam-se os termos: Tipo 1 e Tipo 2. Os quatro sintomas clássicos do Diabetes Mellitus são: poliúria, polidipsia, polifagia e perda de peso. A patogênese em felinos ainda não está totalmente elucidada, porém a hipofunção das células β, hiperprodução de amilina, intoxicação por glicose, doença pancreática exócrina, redução da sensibilidade à insulina, obesidade, endocrinopatias e sexo são fatores que predispõem a ocorrência da doença. Gatos podem apresentar patas geladas, posição palmígrada e/ou plantígrada como resultado de neuropatia diabética, uma das principais complicações em longo-prazo. O Diabetes mellitus não-complicada é diagnosticada quando há presença de hiperglicemia persistente em jejum e glicosúria, associada a pelo menos três sintomas clássicos de diabetes. O tratamento tem os objetivos de: resolver os sinais clínicos associados com o diabetes, evitar períodos de hipoglicemia e prevenir o desenvolvimento de complicações que podem ser alcançados através da correção do peso e dieta, uso de drogas hipoglicemiantes orais e insulinoterapia. Já a cetoacidose diabética é considerada uma emergência podendo o paciente morrer em poucas horas se não tratado de forma adequada e intensa. A monitoração do paciente pode ser feita através da: avaliação diária da glicosúria, monitoração da glicemia domiciliar, realização da curva glicêmica, determinação de corpos cetônicos no sangue e dosagem de proteínas glicosiladas. Um bom controle glicêmico é obtido quando alcança-se os seguintes valores de referência: glicemia pontual: mg/dl, hemoglobina glicosilada: <2,5 e frutosamina sérica: µmol/l. O paciente felino apresenta peculiaridades como o Diabetes Transitório, fenômeno de Somogyi e hiperglicemia de estresse fazendo com que principalmente esta última, dificulte o diagnóstico. O prognóstico para o Diabetes mellitus felino em geral é reservado em longo prazo.

5 iii ABSTRACT MARCHETTI, Jéssica Yuri Hayama Diabetes mellitus is a chronic endocrine disturbance manifested by the incapacity absolute or relative of the cells ß produce and they secrete insulin and/or deficient action of insulin in the fabrics, disabling the glucose use for the organism, happening as consequence more common lingering hyperglycemia could cause ketoacidosis and other alterations in most of the corporal systems that can be fatal if no treated. The Diabetes Mellitus have been diagnosed progressively in practice of the clinic of felines, it affects one to each cats. The disease presents several classifications however for the use in felines the terms are used: Type 1 and Type 2. The four classic symptoms of the diabetes mellitus are: polyuria, polydipsia, polyphagia and weight loss. The pathogenesis in felines is not still totally elucidated, but, impaired of the cells ß, hipper production of amylin, intoxication for glucose, exocrine pancreatic disease, reduction of the sensibility to the insulin, obesity, endocrinopathies and sex are factors that predispose the occurrence of the disease. Cats can present cold paws, palmigrade and/or plantigrade stances as a result of diabetic neuropathy, one of the main ones complications to long-period. To Diabetes no-complicated mellitus it is diagnosed when there is presence of persistent hyperglycemia in fast and glycosuria, associated the at least three classic symptoms of diabetes. The treatment has the objectives of: to solve the clinical signs associated with the diabetes, to avoid hypoglycemia periods, to prevent the development of complications and can be gotten through: correction of the weight and diet, use of oral hypoglycemic drugs and insulin therapy. The diabetic ketoacidosis is considered an emergency being able to the patient to die in few hours if no treated in an appropriate and intense way. The patient's monitoration can be made through the daily evaluation of the glycosuria, home monitoration of the glycemia, accomplishment of the blood glucose curve, determination of ketones bodies in the blood and dosage of glycosylated proteins. A good one glycemic control is obtained when is reached the following reference values: punctual glyicemia: mg/dl, hemoglobin glycosylated: <2,5 and serum fructosamine: µmol/l. The feline patient presents peculiairities like the transitory Diabetes, phenomenon of Somogyi and stress Hyperglycemia doing with that mainly this last one hinders the diagnosis. The prognostic for the diabetes feline mellitus in general, is long term reserved. iv

6 SUMÁRIO Página Resumo...iii Índice de quadros...vii Índice de figuras...viii Índice de abreviações... x Índice de símbolos...xiii 1. Introdução Histórico da descoberta do Diabetes Mellitus e da Insulina O Pâncreas Aspectos Anatômicos 3.2. Aspectos Morfológicos 3.3. Aspectos Fisiológicos 4. Metabolismo dos Carboidratos Desarranjos Metabólicos Classificação Patogênese Sinais Clínicos Diabetes Mellitus não complicada 8.2. DM complicada ou Cetoacidótica e Síndrome Hiperosmolar v

7 9. Diagnóstico Proteínas Glicosiladas 9.2. Exames Laboratoriais 9.3. Testes de Resposta 10. Tratamento Correção do Peso e Dieta Hipoglicemiantes Orais Insulinoterapia Exercícios Físicos Monitoração do Paciente Diabético Hipoglicemia Tratamento da Cetoacidose Diabética Tratamento da Síndrome Hiperosmolar 11. Diabetes Mal Controlado Prognóstico Conclusão Referências Bibliográficas vi

8 ÍNDICE DE QUADROS 1. Tipos celulares e hormônios liberados nas ilhotas de Langerhans Comparação entre DMDI e DMNI em humanos e gatos Freqüência dos sinais clínicos de DM nos gatos Sinais Clínicos observados durante o exame físico de gatos diabéticos Guia para o diagnóstico diferencial de DM em gatos Principais alterações metabólicas em gatos diabéticos Agentes hipoglicemiantes orais Propriedades das preparações insulínicas utilizadas em gatos Etapas para diagnóstico das causas de resistência à insulina, procedimento e tratamento vii

9 ÍNDICE DE FIGURAS 1. Papiro Ebers Minkowisk e Mering Fotografia mais comum de Banting e Bast, juntos da cadela Marjorie Anatomia do pâncreas, em relação ao estômago e duodeno Diagrama esquemático do pâncreas Fotomicrografia do pâncreas humano Fotomicrografias das Ilhotas de Langerhans Demonstração da secreção de insulina pelas células β, através de método imunocitoquímico Secreção de glucagon Secreção de Somatostatina Cortes histológicos do pâncreas Neuropatia diabética Glicemia pós-prandial Efeito do Psyilium sobre a glicose sanguínea pós-prandial Perfusão com diferentes metabólitos viii

10 16. Molécula de insulina PZI VET Método correto de mensuração de insulina Técnica de venopunção para a monitoração do paciente diabético Curva glicêmica ideal ix

11 ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES a.c.... antes de Cristo acetil-coa...acetil-coenzima A µu/ml... Micro unidades por mililitros µmol/ l... Micromol por litro ¼...Um quarto AA... Acetoacetato ACTH... Hormônio adrenocorticotrófico AHOs...Agentes hipoglicemiantes orais ALT... Alanina aminotransferase AMPc... Nucleotídio cíclico adenosina-monofosfato AST... Aspartato aminotransferase beta-hob... beta-hidroxibuurato Co...Company CO 2... Dióxido de carbono CT...Tomografia computadorizada d.c.... depois de Cristo dl...decilitro DM...Diabetes Mellitus DMDI... Diabetes Mellitus dependente de insulina DMNDI... Diabetes Mellitus não dependnete de insulina Dr...Doutor et al....e colaboradores Ex...Exemplo g... Grama g/kg... Gramas por quilograma x

12 h... Hora HCl...Ácido clorídrico HF...High fiber i.e...por exemplo IGF-1...Insulin-Like Growth Factor-1 IM...Intra-muscular Inc...Incorporadora IV...Intra-venoso kcal/kg/dia... Quilocaloria por quilograma por dia Kg... Quilograma L...litro l...litro LF... Low fiber meq/l...miliequivalente por litro MEV...Veia marginal da orelha mg... Miligrama mg/dl...miligrama por decilitro min...minuto ml...mililitro ml/h...mililitros por hora ml/kg...mililitros por quilogramas mmol...milimol mmol/l... Milimol por litro mol...mol mosm...miliosmol mosm/kg... Miliosmol por quilograma xi

13 Na Cl...Cloreto de sódio NaHCO 3... Bicarbonato de sódio Ng...Nanograma NPH... neutral protamine Hagedorn ph...concentração do íon hidrogênio PZI... Insulina protamina-zinco RX... Raio-X T4... Tiroxina TCO 2... Dióxido de Carbono total TTGIV... Teste de tolerância à glicose intravenosa U...Unidade U/Kg... Unidade por quilograma U/ml... Unidade por mililitro UI...Unidade internacional vs...versus xii

14 ÍNDICE DE SÍMBOLOS %...Porcento <...Menor que >...Maior que... Marca registrada µ... Micro α... Alfa β...beta δ...delta xiii

15 1. INTRODUÇÃO O número de pacientes felinos geriátricos vem crescendo nas clínicas e hospitais veterinários. Por isso, é necessário que o médico veterinário possua conhecimento especial das enfermidades mais comuns dessa faixa etária. Dentre essas, se destaca-se o Diabetes Mellitus (DM), por ser a endocrinopatia mais importante do gato idoso. Desde a primeira descrição em 1927, o Diabetes Mellitus tem sido diagnosticado progressivamente na prática da clínica de felinos, contudo, ainda é um assunto de intensa pesquisa, pois ainda existem diversas particularidades a serem descobertas e melhor entendidas (PANCIERA et alii, 1990). Diabetes Mellitus é uma enfermidade metabólica manifestada pela incapacidade absoluta ou relativa das células β do pâncreas de produzirem e secretarem insulina, ou pela resistência periférica dos tecidos à sua ação. Ela resulta em um metabolismo anormal da glicose e da gordura e, como conseqüência, hiperglicemia prolongada, cetoacidose e outras alterações na maioria dos sistemas orgânicos, que podem ser fatais se não tratados (LURYE e BEHREND, 2004). Devido às diferenças fisiologias e particularidades do paciente felino diabético, esse trabalho objetiva um revisão bibliográfica sobre os conceitos básicos e a fisiologia do Diabetes Mellitus nessa espécie.

16 2. HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DIABETES MELLITUS E DA INSULINA As primeiras referências sobre o Diabetes Mellitus datam de 1000 anos a.c. e foram encontradas no Egito. Os primeiros registros escritos foram encontrados no papiro egípcio descoberto por Ebers, datado de a.c. (ROCCA e PLÁ, 1963) (Figura 1). Além disso, cientistas descobriram vestígios da disfunção em algumas múmias, através de análises de órgãos embalsamados (NEGRÃO, 2000). Figura 1: Papiro Ebers. Primeiros registros sobre o Diabetes Mellitus. Fonte: Acesso em 21/02/2007.

17 O nome Diabetes Mellitus é originário da Grécia Antiga e foi dado por Celsus, há cerca de 2000 mil anos. A palavra Diabetes significa "sifão", pois o sinal clínico mais evidente da doença é o aumento do volume da urina (MESSINA et alii, 2002, NEGRÃO, 2000, ROCCA e PLÁ, 1963). Na Índia, por volta de 400 anos a.c., os médicos Charak e Surust diagnosticaram uma alteração na urina de um paciente diabético, devido ao seu sabor adocicado (NEGRÃO, 2000). O médico egípcio Arateus, o Capadócio, no ano 300 dc., relatou com precisão o estado do paciente diabético que, naquela época, evoluía para a morte (NEGRÃO, 2000). Desde Areteu, num período de 1600 anos, a Medicina não evoluiu no estudo dessa enfermidade (ROCCA e PLÁ, 1963). Foi só por volta de 1674, que o médico britânico Thomas Willis descobriu o porquê da atração das formigas pela urina dos doentes. Ele anotou em seus registros que ela era "maravilhosamente doce". O nome da doença passou então a ser denominado Diabetes Mellitus, (meli do grego: mel), ou seja, "sifão de mel" (MESSINA et alii, 2002). Em 1815 o Dr. M. Chevreul demonstrou que o açúcar dos diabéticos era a glicose. Os trabalhos clínicos e anatomo-patológicos adquiriram bastante importância ao final do século passado, quando Mering e Minkowski (Figura 2), em 1889, demonstraram que a pancreactomia em cães resulta em Diabetes grave e letal (ROCCA e PLÁ, 1963).

18 Figura 2: Minkowski e Mering. Fonte: Acesso em 21/02/2007. Em 1921, os canadenses Banting e Best (Figura 3) conseguiram isolar a insulina (palavra de origem latina, Insula significa ilha ) e demonstrar seu efeito hipoglicemiante utilizando cães como cobaias (ROCCA e PLÁ, 1963).

19 Figura 3: Fotografia mais comum de Banting e Bast, juntos da cadela Marjorie. Fonte: Acesso em 21/02/2007. Em janeiro de 1922, pela primeira vez, foram usados extratos pancreáticos para o tratamento de Diabetes Mellitus em Leonard Thompson, uma criança de 14 anos. Logo após, processos de isolamento e purificação da insulina bovina e porcina tornaram-nas disponíveis comercialmente, o que foi considerado uma das mais importantes intervenções terapêuticas já feitas na história da medicina. Em 1923 Best e Macleod receberam o Prêmio Nobel de Medicina (NEGRÃO, 2000). 3. O PÂNCREAS 3.1 Aspectos Anatômicos O pâncreas é constituído por dois lobos estreitos (direito e esquerdo), que se unem num ângulo agudo ao piloro (Figura 4). Além dos lobos, normalmente há dois ductos pancreáticos (menor e maior) (ELLENPORT, 1986). O lobo direito é circundado pelo mesoduodeno, e é localizado caudal e dorsalmente ao lobo caudado do fígado e rim direito e, geralmente, termina a uma pequena distância caudal a este último. O lobo esquerdo localiza-se

20 caudalmente entre a face visceral do estômago e o cólon transverso e termina no pólo cranial do rim esquerdo (Figura 4) (ELLENPORT, 1986). Em relação aos ductos pancreáticos, o menor possui uma abertura no duodeno próximo ou junto com o ducto biliar, já o maior possui uma abertura três a cinco cm mais caudalmente no intestino (ELLENPORT, 1986). Porém, no gato existe uma singular relação anatômica entre o ducto pancreático e o ducto biliar. Ao contrário de outras espécies, o ducto pancreático do gato, une-se ao ducto biliar comum antes que o ducto solitário verta para o duodeno (SCHERK, 2004).

21 Figura 4: Anatomia do pâncreas, em relação ao estômago e duodeno. 1- Esôfago. 2- Cárdia. 3- Fundo. 4- Curvatura maior do estômago. 5- Corpo do estômago. 6- Curvatura menor do estômago. 7- Antro pilórico. 8- Piloro. 9- Duodeno descendente. 10- Duodeno ascendente. 11- Lobo direito do pâncreas. 12- Lobo esquerdo do pâncreas. 13- Jejuno. Fonte: BOYD e PATERSON, Aspectos Morfológicos O pâncreas é uma glândula túbulo-alveolar composta que apresenta porções endócrina e exócrina (HERDT, 1999). A porção exócrina do pâncreas, formada pelos ácinos pancreáticos (Figura 5), produz bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) e enzimas que auxiliam no processo digestivo (HERDT, 1999). As enzimas que compõe a secreção pancreática esócrina são: lipase, colesterolesterase, amilase, ribonuclease, desorribonuclease, tripsinogênio, quimiotripsinogênio e pré-carboxipeptidase.

22 Figura 5: Diagrama esquemático do pâncreas, demostrando os ácinos secretórios e seus tipos de células, além das ilhotas de Langerhans. Fonte: GARTNER e HIATT, A porção endócrina do pâncreas é uma estrutura diferenciada para manter a homeostase da glicemia. Ela consiste de grupos isolados de células poligonais ou arredondadas. Essas áreas são vasculares e são denominadas ilhotas de Langerhans. As ilhotas de Langerhans, por sua vez, são circundadas pelas células acinares pancreáticas de secreção exócrina (Figuras 6 e 7), e são constituídas, basicamente, de células α produtoras de glucagon, células β produtoras de insulina, células δ secretoras de somatostatina e células F ou PP, que secretam o polipeptídeo pancreático (Quadro 1). (GARTNER e HIATT, 1997, NELSON e STRUBLE, 1997). Além das células descritas anteriormente, Gartner e Hiatt descrevem também a presença de células G produtoras de gastrina. Uma disfunção que envolva qualquer destas linhagens celulares resulta num excesso ou deficiência do hormônio respectivo na circulação (NELSON e STRUBLE, 1997).

23 Figura 6: Fotomicrografia do pâncreas humano, evidenciando um ácino secretório e ilhotas de Langerhans (I) (H&E - 132X). Fonte: GARTNER e HIATT, Figura 7: Fotomicrografias das Ilhotas de Langerhans. A - I - Ilhota de Langerhans. E Células que compõem a porção exócrina do pâncreas. C - Cápsula fibrocolágena que

24 delimita as ilhotas de Langerhans (H&E 40X). B Notar que cada célula está em contato com um capilar sanguíneo (C) (H&E 400X). Fonte: STEVENS e LOWE, Aspectos Fisiológicos Insulina A insulina é um hormônio protéico que tem como principal função a manutenção da glicemia dentro dos valores de normalidade. Sua produção e ação são reguladas de acordo com a quantidade de alimentos ingeridos pelo indivíduo (COSTA e ALMEIDA NETO, 1994). O mais importante fator que controla a secreção de insulina é a concentração de glicose sangüínea. Altos níveis séricos de glicose sangüínea desencadeiam a síntese e a liberação de insulina pelas células β (Figura 8) (GRECO e STABENFELDT, 1999). A insulina é liberada por exocitose e se liga ao seu receptor, acarretando a ativação rápida dos sistemas de transporte de glicose e aminoácidos da membrana, o aumento da síntese protéica e a inibição da sua degradação, além da inibição da lipólise e da gliconeogênese hepática (NOGUEIRA, 2002).

25 Figura 8: Demonstração da secreção de insulina pelas células β, através de método imunocitoquímico. Fonte: STEVENS e LOWE, Portanto, o efeito resultante das ações da insulina é a diminuição das concentrações sanguíneas de glicose, ácidos graxos e aminoácidos e a conversão intracelular desses compostos em formas de armazenamento, como glicogênio, triglicerídeos e proteínas, respectivamente (GRECO e STABENFELDT, 1999). Desse modo, a insulina age nas vias metabólicas de carboidratos, gorduras e proteínas, impedindo que a glicose sangüínea aumente drasticamente após uma alimentação e armazenando glicose no fígado e nos músculos (na forma de glicogênio). Além disso, ela intervém decisivamente na formação do tecido gorduroso e de participa de modo importante no crescimento ósseo, muscular e de vários órgãos (COSTA e NETO, 2004). Glucagon Hormônio protéico produzido pelas células α das ilhotas de Langerhans que participa, juntamente com a insulina, no controle do metabolismo glicêmico (GARTNER e HIATT, 1997, GRECO e STABENFELDT, 1999). Existem também outros locais onde o glucagon é produzido. O estômago produz uma substância chamada glucagon intestinal, que é idêntico ao glucagon pancreático, e o intestino delgado

26 produz uma substância imunologicamente semelhante, chamada glicentin (GRECO e STABENFELDT, 1999). Fisiologicamente, o glucagon tem ação oposta à insulina, sendo que a maioria de seus efeitos está centrada no fígado. O glucagon aumenta a produção de AMPc, que resulta em diminuição da síntese de glicogênio, aumento da glicogenólise e da gliconeogênese, estando esta última relacionada ao metabolismo protéico. Desse modo, ocorre um aumento nas concentrações de glicose sanguínea (GARTNER e HIATT, 1997, GRECO e STABENFELDT, 1999). Normalmente, após o consumo de alimentos, a resposta inicial do sistema metabólico é a secreção aumentada de insulina, que resulta na conservação de energia através da formação de meios de armazenamento de carboidratos, gorduras e proteínas. A secreção de glucagon (Figura 9) aumenta no intervalo entre a ingestão de alimentos, momento em que as concentrações sanguíneas de glicose começam a declinar. Tal secreção faz com que o animal mobilize os depósitos de energia para a manutenção da homeostasia da glicose, prevenindo uma hipoglicemia pós-prandial (GRECO e STABENFELDT, 1999).

27 Figura 9: Secreção de glucagon. As células secretórias de glucagon estão localizadas principalmente na periferia das ilhotas pancreáticas. Fonte: STEVENS e LOWE, Somatostatina Secretada pelas células δ pancreáticas, tem efeitos tanto endócrinos como exócrinos (GARTNER e HIATT, 1997). As ações da somatostatina podem ser classificadas como inibidoras. A somatostatina pancreática inibe o processo digestivo, pois diminui a absorção e a digestão de nutrientes, levando à redução da motilidade e da atividade secretória no trato gastrintestinal (GARTNER e HIATT, 1997, GRECO e STABENFELDT, 1999). Uma das funções fisiológicas mais importantes da somatostatina é a regulação das células pancreáticas. Ela inibe a secreção de todas as células endócrinas das ilhotas de Langerhans. As células α são mais afetadas que as β. Desta forma, a secreção de glucagon é mais afetada pela secreção de somatostatina do que a de insulina (GRECO e STABENFELDT, 1999). A secreção de somatostatina (Figura 10) é aumentada por nutrientes, tais como glicose e aminoácidos, e pelos neurotransmissores do sistema nervoso autônomo, adrenalina, noradrenalina e acetil-colina. Dos hormônios pancreáticos, somente o glucagon estimula a secreção de somatostatina (GRECO e STABENFELDT, 1999).

28 Figura 10: Secreção de somatostatina. Células secretoras de somatostatina são as que estão presentes em menor quantidade no parênquima pancreático e estão localizadas aleatoriamente nas ilhotas de Langerhans. Fonte: STEVENS e LOWE, Gastrina Secretado pelas células G, estimula a secreção gástrica de HCl, a motilidade e o esvaziamento gástrico (GARTNER e HIATT, 1997). Polipeptídio pancreático É secretado pelas células PP em resposta à ingestão de alimentos, via secretagogos gastrintestinais e por estimulação colinérgica. É estimulado também pela hipoglicemia e inibido pela ingestão de glicose. Sua ação mais conhecida é a inibição da secreção pancreática exócrina. Desse modo, atua de forma regulatória após a alimentação e causa a redução no apetite (CINGOLANI et alii, 2004). Quadro 1 Tipos celulares e hormônios liberados nas ilhotas de Langerhans.

29 CELULA % TOTAL LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO β 70% Ao longo da ilhota (mais concentrada no centro) Reduzir a concentração de glicose sanguínea α 20% Periferia da ilhota Aumentar a concentração de glicose sanguínea δ 5% Ao longo da ilhota Paracrina: inibir secreção hormonal. Exócrina: inibe o processo digestivo. G 1% Ao longo da ilhota Estimular produção de HCl pelas células parietais do estômago PP (F) 1% Ao longo da ilhota Inibe secreção exócrina do pâncreas Fonte: modificado de GARTNER e HIATT, METABOLISMO DOS CARBOIDRATOS A oxidação da glicose é a principal fonte de energia para a maioria das células corporais. A glicose está presente no organismo em sua forma simples

30 e na forma de glicogênio. A gliconeogênese inclui todos os mecanismos e vias responsáveis pela conversão de não-carboidratos a glicose ou glicogênio (HERDT, 1999). O glicogênio está presente na maioria das células, sendo que em maior parte no fígado e no músculo esquelético. Tanto a síntese como a quebra do glicogênio, ou seja, a glicogenólise, são reguladas por mecanismos complexos (MARTINS, 2001). A glicose é especialmente essencial para a manutenção da função do sistema nervoso central (SNC), pois ele não possui capacidade de sintetizá-la nem de armazená-la. Por isso, uma hipoglicemia pode apresentar efeitos deletérios ao SNC. Para a defesa do organismo, existem os sistemas reguladores da glicose, os quais objetivam prevenir ou corrigir a hipoglicemia (MARTINS, 2001). O estado basal Por convenção, o estado basal é a condição metabólica seguinte a uma noite de jejum (10 a 14 horas). Esse momento permite uma observação clínica e experimental da produção glicêmica endógena basal. (MARTINS, 2001). No estado basal, o consumo de glicose é igual à sua produção hepática, por definição. O estado basal é caracterizado pelo uso parcimonioso da glicose como combustível, a qual é seletivamente dirigida aos órgãos que não têm reservas energéticas alternativas (MARTINS, 2001). Produção de glicose

31 Na presença de hiperglicemia, a produção hepática de glicose é significativamente reduzida em comparação com a euglicemia. Fica evidente que, normalmente, dois sinais inibitórios, hiperglicemia e hiperinsulinemia endógena, concorrem para bloquear a produção hepática de glicose. De maneira oposta, a hipoglicemia pode levar a um aumento da liberação hepática de glicose (MARTINS, 2001). A insulina é um inibidor potente, específico e de ação rápida da produção hepática de glicose. Portanto, todos os hormônios antagonistas da insulina agem facilitando a glicogenólise e a gliconeogênese. O glucagon e as catecolaminas agem rapidamente, enquanto o cortisol, GH e hormônio tireóideo, nessa ordem, estão envolvidos no controle tardio da liberação da glicose (MARTINS, 2001). Consumo de Glicose O estado Pós - Prandial O estado pós-prandial é o período absortivo no intervalo entre as refeições (MARTINS, 2001). Estado de jejum A glicose e os aminoácidos são conservados pela utilização extensa de gorduras e corpos cetônicos para a produção de energia. Grandes porções dos ácidos graxos liberados do tecido adiposo são captadas diretamente pelo fígado para a produção de corpos

32 cetônicos. A formação hepática de corpos cetônicos é promovida pela baixa disponibilidade de glicose, pela alta proporção entre glucagon e insulina e pelo pronto suprimento de ácidos graxos. O glucagon desempenha importante função na produção excessiva de corpos cetônicos no Diabetes Mellitus. Os ácidos graxos não podem ser utilizados para a síntese de glicose. Os corpos cetônicos são formados na mitocôndria a partir da acetil-coa. As lipoproteínas hepáticas de muito baixa densidade podem ser sintetizadas a partir de ácidos graxos derivados do tecido adiposo bem como de ácidos graxos recém-sintetizados. Condições hormonais determinam a distribuição de ácidos graxos de lipoproteínas de muito baixa densidade no organismo. Variações nas concentrações do hormônio de crescimento podem ajudar no desvio da utilização do combustível periférico oriundo da glicose e de aminoácidos para corpos cetônicos e ácidos graxos (MARTINS, 2001).

33 5. DESARRANJOS METABÓLICOS Com o processo de digestão, há um aumento da concentração de glicose sangüínea, aminoácidos e hormônios intestinais que fazem com que as células β secretem insulina. (MIGLIORINI, 1991). Num gato diabético, a deficiência de insulina diminui a absorção e a utilização de glicose pelos diversos tecidos, causando uma hiperglicemia moderada a grave. Com isso, o organismo do animal reconhece esse estado como se fosse inanição, e cataboliza de maneira intensa a gordura e a proteína corporal para serem utilizadas como fonte de energia (KIRK et alii, 1993). Para a compensação deste processo, ocorre a gliconeogênese, que remove aminoácidos e glicogênio do fígado, piorando o desarranjo no metabolismo dos carboidratos. Ácidos graxos, derivados do tecido adiposo, são transportados até o fígado e convertidos a corpos cetônicos através da oxidação. Em curto prazo, há a preservação da vida do animal, porém quando em excesso, causa cetonúria e cetoacidose (SCHAER, 1977).

34 6. CLASSIFICAÇÃO O sistema de classificação para o Diabetes Mellitus é complicado ao tentar comparar o Diabetes nos gatos com o Diabetes nos seres humanos. Nos seres humanos, o Diabetes é classificado freqüentemente em tipos. O Tipo 1 é considerado insulinodependente (DMDI), e é denominado freqüentemente de Diabetes juvenil. O Tipo 2 é chamado de não-insulino-dependente (DMNDI), ou de início tardio, porque acomete pessoas mais idosas. Alguns médicos veterinários na Europa utilizam uma classificação diferente para os animais. O tipo de Diabetes é determinado pelas alterações microscópicas verificadas no pâncreas. Ambos os tipos podem ter subcategorias insulinodependentes e não-insulino-dependentes (Quadro 2) (FRISBY, 2004a). Em felinos, utiliza-se os termos Tipo 1, Tipo 2 (NELSON e STRUBLE, 1997) e Tipo 3 ou Diabetes secundária, com base nos mecanismos fisiopatológicos e alterações que

35 afetam as células β (NORMAN e MOONEY, 2000). Porém, FELDMAN e NELSON (1996), também classifica o Diabetes, em Diabetes Transitório. Dependente de insulina ou Tipo 1 (DMDI) Causado pela destruição das células β com perda progressiva, e eventualmente completa, da secreção de insulina. (NELSON e STRUBLE, 1997, REPETTI e BORLINA, 2003, FRISBY, 2004a). A perda da função das células β é irreversível, portanto o paciente é obrigado a manter a terapia insulínica para o controle glicêmico (REPETTI e BORLINA, 2003, FRISBY, 2004a). A etiologia da degeneração de células β em gatos ainda não foi elucidada. A pancreatite crônica é encontrada histologicamente em alguns gatos com DMDI e pode ser a responsável pela destruição destas células. Outros gatos não apresentam amiloidose, inflamação, ou degeneração de suas ilhotas pancreáticas, mas a avaliação imunohistoquímica revela que estes animais sofreram redução numérica das ilhotas pancreáticas e/ou células β (NELSON e STRUBLE, 1997). Não dependente de insulina ou Tipo 2 (DMNDI) Caracteriza-se por resistência periférica à ação da insulina ou por células betas disfuncionais (REPETTI; BORLINA, 2003). A identificação clínica do DMNDI é mais freqüente no gato do que no cão (NELSON, 1992, NELSON e STRUBLE, 1997). Isto significa que a insulina desses pacientes é menos efetiva, e inicialmente, eles podem ter

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS SOMATOSTATINA ENDÓCRINO A somatostatina é classificada como um hormônio inibitório, cujas principais ações Além são: da

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA.

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA. DIABETES MELLITUS Ilhotas de Langerhans: cél s alfa que secretam glucagon horm hiperglicemiante; E as cél s beta que secretam insulina horm hipoglicemiante; Glicose para o sg entra dentro das células (PELO

Leia mais

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES

EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 EFICÁCIA DA INSULINA GLARGINA NO TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS TIPO I EM CÃES Veruska Martins da Rosa Buchaim 1 ; Carlos Maia Bettini 2 RESUMO: A diabetes

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO *

DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO * DIABETES MELLITUS EM PEQUENOS ANIMAIS: ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO E MONITORIZAÇÃO * 1. INTRODUÇÃO A Diabetes Mellitus é um distúrbio complexo que resulta da incapacidade das ilhotas pancreáticas secretar

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Pâncreas. Glucagon. Insulina

Pâncreas. Glucagon. Insulina Diabetes Mellitus Pâncreas Pâncreas Glucagon Insulina Insulina Proteína composta de 2 cadeias de aminoácidos Seqüência de aa semelhante entre as espécies domésticas e humana Absorção de glicose glicemia

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade.

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I

Diabetes mellitus tipo I. Classificação e Etiologia 26/08/2010. Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos. Diabetes mellitus tipo I Terapia do Diabetes mellitus em cães e gatos X Profa Dra Viviani De Marco Universidade Guarulhos Hospital Veterinário Pompéia SP Patofisiologia do Diabetes Hiperglicemia do estresse Doenças x resistência

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA GLICÉMIA E GLICOSÚRIA A glucose é o principal açúcar existente no sangue, que serve como "fonte de energia" aos tecidos. A glicémia é a taxa de glucose existente no sangue, e o seu nível é em geral mantido

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ENFOQUE NUTRICIONAL *

DIABETES MELLITUS: ENFOQUE NUTRICIONAL * DIABETES MELLITUS: ENFOQUE NUTRICIONAL * Introdução A diabetes mellitus é uma enfermidade cuja incidência vem crescendo muito na clínica de pequenos animais nas últimas décadas, principalmente na população

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA GOMES, André PARRA, Brenda Silvia FRANCO, Fernanda de Oliveira BASILE, Laís JOSÉ, Luana Trombini ROMERO, Vinícius Lovizutto Acadêmicos da Associação Cultural

Leia mais

Distúrbios do metabolismo energético de ruminantes

Distúrbios do metabolismo energético de ruminantes Distúrbios do metabolismo energético de ruminantes Distúrbios do metabolismo energético de ruminantes Cetose Toxemina da prenhes Lipidose hepática Distúrbios do metabolismo energético de ruminantes Oxidação

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Sistema de Comunicação Corpórea: Endócrino Nervoso Produtos = Hormônios: ajudam a enviar informações para outras células

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE Nice Testa Rezende HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE INSUFICIÊNICA ADRENAL PRIMÁRIA HIPERINSULINISMO DOENÇA METABÓLICA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOPITUITARISMO OU DEFICIÊNCIA ISOLADA DE GH 1 DOENÇA

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Me. Leandro Parussolo Sistema Endócrino Função de garantir o fluxo de informações entre diferentes cells, permitindo a integração funcional de todo o organismo; Garantir a reprodução;

Leia mais

DROGAS HIPOGLICEMIANTES

DROGAS HIPOGLICEMIANTES DROGAS HIPOGLICEMIANTES Secreção da insulina Insulina plasmática Receptor de insulina Ações da insulina DIABETES: Síndrome de múltipla etiologia, decorrente da falta de insulina e/ou sua incapacidade

Leia mais

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA HIPOTÂMICO HIPÓFISÁRIO 1.1. Relações anatômicas Hipófise Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino Infundíbulo Controla a função hipofisária através

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Prevalência Mortalidade Disfunção da Modulação Autonômica

Leia mais

estimação tem diabetes?

estimação tem diabetes? Será que o seu animal de estimação tem diabetes? Informação acerca dos sinais mais comuns e dos factores de risco. O que é a diabetes? Diabetes mellitus, o termo médico para a diabetes, é uma doença causada

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

A diabetes é muito comum? Responsabilidade pessoal A história da diabetes

A diabetes é muito comum? Responsabilidade pessoal A história da diabetes Introdução A diabetes é muito comum? Se acabou de descobrir que tem diabetes, isso não significa que esteja doente ou que se tenha transformado num inválido. Há milhares de pessoas com diabetes, levando

Leia mais

Evânia Marcia Silva Barros

Evânia Marcia Silva Barros 1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA EM PEQUENOS ANIMAIS DIABETES MELITO CANINO

Leia mais

VITAMINA B2. Riboflavina. Informações Técnicas. INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5

VITAMINA B2. Riboflavina. Informações Técnicas. INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5 Informações Técnicas VITAMINA B2 Riboflavina INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5 INTRODUÇÃO A vitamina B2 faz parte de vários sistemas enzimáticos (oxidases e desidrogenases); participa

Leia mais

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata

Boletim Informativo 2-2007. Estamos disponibilizando as matérias sobre a especialidade de endocrinologia, a primeira trata PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS NNO VVO LLAABBO RRAATTÓ RRI IO DD EE AANNAATTOMI IIAA PPAATTOLLÓGI IICAA Estamos comunicando com satisfação nossos novos serviços na especialidade

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

TIREÓIDE E PARATIREÓIDE

TIREÓIDE E PARATIREÓIDE Disciplina de Fisiologia Veterinária TIREÓIDE E PARATIREÓIDE Prof. Fabio Otero Ascoli Localização: TIREÓIDE Caudalmente à traquéia, na altura do primeiro ou segundo anel traqueal Composição: Dois lobos,

Leia mais

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal

Estrutura adrenal. Função da medula adrenal. Função da medula adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal. Funções do córtex adrenal Estrutura adrenal Função da medula adrenal O córtex compreende a zona glomerulosa, secretora dos minelocorticóides, e a zona reticulada, secretora de glicocorticóides e dos androgênios adrenais. A medula

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA. Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica

FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA. Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica 1 BREVE REVISAO SOBRE CARBOIDRATOS MONOSSACARÍDEOS FUNÇÃO

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais