Análise da utilização de Terminais Intermodais Hidroviários-Fluviais do Corredor Logístico do Centro-Oeste.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da utilização de Terminais Intermodais Hidroviários-Fluviais do Corredor Logístico do Centro-Oeste."

Transcrição

1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TERMINAIS INTERMODAIS HIDROVIÁRIOS- FLUVIAIS DO CORREDOR LOGÍSTICO DO CENTRO-OESTE. Código d Apresentação Oral-Economia e Gestão no Agronegócio PATRICIA CAMPEÃO; KEILA GOMES DUCK FERREIRA; PAULO EDUARDO FERLINI TEIXEIRA. UFMS, CAMPO GRANDE - MS - BRASIL. Análise da utilização de Terminais Intermodais Hidroviários-Fluviais do Corredor Logístico do Centro-Oeste. Grupo de Pesquisa: Economias e Gestão no Agronegócio Resumo A região Centro-Oeste brasileira responde por aproximadamente 35% da produção nacional de grãos, só perdendo para a região Sul. Exporta cerca de 25% da sua produção, o que a faz importante demandante do sistema logístico do corredor Centro-Oeste para o escoamento de grãos. Sabe-se que o sistema de transporte hidroviário é considerado de menor custo e o mais apropriado para transportar mercadoria volumosa e pesada, como no caso dos grãos. No entanto, o volume movimentado nos terminais hidroviários fluviais do corredor logístico Centro-Oeste, responde por cerca de apenas 6% do total dos grãos produzidos na região. Portanto o objetivo principal deste artigo é identificar o grau de utilização dos terminais hidroviários fluviais do corredor logístico Centro-Oeste, analisando suas participações no escoamento da safra regional do período , refletindo sobre possíveis respostas à baixa utilização dos mesmos. O método de pesquisa adotado para este estudo é o indutivo, utilizando um estudo de multi-casos como método de procedimento, e técnicas de documentação indireta e direta baseadas, respectivamente, na pesquisa bibliográfica e documental, e na pesquisa de campo com a realização de entrevistas junto aos terminais hidroviários fluviais do corredor logístico Centro-Oeste. Verificou-se que a infra-estrutura dos terminais instalados não apresenta-se como aspecto restritivo ao aumento de utilização. Em geral, os terminais apresentam uma boa capacidade operacional assim como equipamentos em condições suficientes. Um fator que parece ser mais crítico, e de difícil solução, refere-se aos aspectos inerentes aos rios com suas características naturais, as quais impedem uma maior agilidade no transporte. Palavras-chaves: Logística; Agronegócio; Hidrovias; Terminais Abstract 1

2 Key Words: Logistics; Agribusiness; Hidrovia; Terminals 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro possui uma significativa participação nos indicadores econômicos do Brasil, representando 25% do PIB em Dentre os principais produtos gerados encontram-se os grãos e as carnes. No País, a produção de grãos se configura diferentemente em relação às quantidades nas regiões brasileiras, sendo distribuídas da seguinte maneira: 41% região Sul, 35% região Centro-Oeste, 12% região Sudeste, 9% região Nordeste e 3% região Norte. Se, por um lado, a produção apresenta um bom desempenho, a competitividade como um todo ainda enfrenta aspectos restritivos, como no caso das precárias condições do sistema logístico brasileiro. Especialmente o sistema de transporte tem um papel forte na eficiência e eficácia do agronegócio devida às grandes perdas que ocorrem durante o processo e pelo alto custo dos transportes (IBGE, 2009). Nas últimas décadas, os negócios agropecuários foram ocupando áreas de fronteiras, como o Norte e o Centro-Oeste, além de vastas áreas do Nordeste, em geral através de atividades que incorporam modernas tecnologias de produção. Paralelamente, fornecedores de insumos, armazenadores e indústrias de processamento vão se aglomerando ao redor das zonas de produção, visando principalmente à minimização de custos de transporte envolvidos, atendendo, assim, aos princípios de racionalidade econômica, segundo Caixeta Filho (2000). O mesmo autor ressalta que a motivação fundamental para a busca dessa otimização é a necessidade de incrementar a competitividade dos produtos nacionais em face da concorrência externa resultante da abertura econômica, o que implicará não somente a redução de custos referente às operações de exportação, mas também a diminuição de espaços para as tentativas de avanço dos produtos importados. Os custos de movimentação de cargas no agronegócio têm influências diretas com o tipo de transporte utilizado. A matriz de transporte de cargas no Brasil depende em grande parte do transporte rodoviário, com aproximadamente 58% do fluxo de cargas. Já os modais hidroviários e ferroviários correspondem respectivamente a 13% e 25% do volume total de cargas movimentadas, enquanto o modal aéreo e o dutoviário respondem por 0,4% e 3,6%, respectivamente (PNLT, 2007). Essa divisão ocorre mais devido à disponibilidade e rapidez dos modais do que à eficiência econômica do transporte. Para muitos especialistas seria desejável que a matriz de transporte do Brasil tivesse uma conformação similar à dos Estados Unidos, que é 32% rodoviário, 43% ferroviário e 25% hidroviários, ou igual à da Rússia, que se configura 8%, 81% e 11% respectivamente. Esses países possuem extensão territorial semelhante à do Brasil, conseguindo ter um transporte bem mais eficiente e eficaz que o brasileiro. A conformação atual da matriz brasileira traduz-se em desvantagens comparativas em termos de competitividade internacional e seus produtos de exportação, já que eleva seus custos de transporte e impacta negativamente seus custos logísticos totais (PNLT, 2007). 2

3 Dos modais de transportes apresentados na matriz, o transporte hidroviário apresenta-se como tendo um menor custo, pois a capacidade de transporte é maior que a dos outros e o consumo de combustível é menor. Resumindo, para transportar 1 tonelada de carga por mil quilômetros de distância, a barcaça consome menos de 4 litros de combustível, enquanto o transporte ferroviário consome 9 litros e o rodoviário 18 litros, sendo assim o transporte pelos rios é o mais barato. A hidrovia é considerada o transporte mais seguro e menos poluente que os transportes terrestres, segundo Keedi (2000). Com essas vantagens apresentadas pelos autores, não se justifica a baixa utilização deste modal de transporte. Portanto o objetivo principal deste artigo é identificar o grau de utilização dos terminais hidroviários fluviais do corredor logístico Centro-Oeste, analisando suas participações no escoamento da safra regional do período , refletindo sobre possíveis respostas à baixa utilização dos mesmos. O método de pesquisa adotado para este estudo é o indutivo, utilizando um estudo de multi-casos como método de procedimento. O método para a coleta de dados pressupõe a condução de pesquisas diretas e indiretas. A coleta indireta de dados será realizada por meio de pesquisa documental e bibliográfica junto às revistas especializadas do setor, periódicos científicos, dissertações de mestrado, teses de doutorado, entre outras publicações recomendadas (LAKATOS; MARCONI, 1991). Algumas informações complementares, não obtidas pela coleta indireta, foram levantadas por meio de entrevista realizadas junto aos terminais hidroviários fluviais do corredor logístico Centro-Oeste, a saber: Cáceres-MT, Ladário-MS, Porto Murtinho-MS, São Simão-GO, Pederneiras-SP, Santa Maria da Serra-SP, Anhembi-SP. 2. PRODUÇÃO DE GRÃOS DA REGIÃO CENTRO-OESTE A região Centro-Oeste tem grande parte da sua economia voltada à produção agropecuária. Em 2008, a participação da região na produção de grãos foi de 35% em relação ao total brasileiro. Em 2008, a produção de grãos entre as regiões brasileiras apresentou a seguinte distribuição: região Sul com 41%, região Centro-Oeste com 35%, a Sudeste com 12%, a Nordeste com 9% e a Norte com 3%. Gráfico 1: Participação das grandes regiões e unidades da federação na produção de grãos 3

4 FONTE: IBGE (2009) A participação dos Estados na produção da região Centro-Oeste apresentou a seguinte situação em 2008: Tabela 1: Produção de grãos da região Centro-Oeste, no período de 2003 a 2008, segundo os estados da região (mil toneladas) Região CO MT , , , , , ,4 MS 7.906, , , , , ,7 GO , , , , , ,0 DF 356,4 354,7 450,3 437,3 504,3 571,1 FONTE: IBGE, (2009). Do total produzido no Centro-Oeste, 25% foram destinados às exportações. Desta forma, o escoamento dos grãos seguiu roteiros notadamente voltados aos terminais portuários marítimos. De fato, a maior parte dos grãos da região Centro-Oeste é exportada via o Porto de Santos. O volume significativo de grãos destinados às exportações reforça a importância do sistema logístico na competitividade dos produtos do agronegócio brasileiro. Afinal, os custos logísticos impactam decisivamente nos preços praticados SISTEMA LOGÍSTICO Os conceitos básicos da logística encontram seus fundamentos na teoria dos sistemas. Sistema é um conjunto estruturado de elementos ligados entre si, destinado a desempenhar uma função específica, visando metas estabelecidas e providas de mecanismos de controle. Num sistema logístico, entradas típicas são materiais no ponto de origem e saídas são produtos entregues no destino. Veículos, depósitos e pessoas pertencem ao sistema de operação, segundo Machline (2004). O sistema logístico é composto pelos modais de transporte rodoviário, ferroviário e hidroviário. A figura abaixo ilustra esses componentes principais e suas relações básicas. 4

5 Sistema Logístico do Corredor Centro-Oeste Hidroviário Rodoviário Ferroviário Marítimo (Rotas Oceânicas) Fluvial (Navegação Interior) Rodovias Transporte Rodoviário Transporte Marítimo Portos Ferrovias Transporte Ferroviário Terminais Figura 1: Estrutura de um Sistema Logístico Preços competitivos dependem de um bom sistema logístico, que contribua para o estabelecimento de preços aceitáveis pelos consumidores. Os denominados custos logísticos são um dos pontos críticos ao desenvolvimento da competitividade dos produtos brasileiros, principalmente de produtos perecíveis, como é o caso de grande parte dos produtos do agronegócio. Um dos elementos do sistema logístico mais representativo na composição dos custos é o sistema de transporte. O transporte é uma das atividades mais importantes da logística. Com a globalização, além dos custos, o setor de transporte passa a ter exigências como (BERTAGLIA, 2006): Velocidade Em empresas com perspectivas de redução de estoque, a distribuição passa a ser mais freqüente e com uma maior velocidade, sem perder de vista a qualidade do produto; Confiabilidade Ter confiança da entrega do produto em certa quantidade, e no local e momento determinado; Flexibilidade O transporte tem que se adequar ao cliente e também se adaptar ao conceito logístico, onde o transporte é mais que movimentar cargas de um ponto ao outro. A logística se define como a movimentação de bens e serviços de seus pontos de origem aos seus pontos de consumo. O transporte gera o fluxo físico desses bens ou serviços pelos canais de distribuição, sendo utilizadas modalidades de transporte para o deslocamento do ponto de origem ao ponto de armazenamento ou consumo do produto. 5

6 A distância e o tempo são os parâmetros que influenciam as atividades de transporte, correspondendo ao trajeto que o produto percorre; e o tempo que ele gasta é o delimitador da formação de estoques de produtos, pois uma longa distância e um tempo grande de transporte impossibilitam a reposição imediata, segundo Bertaglia (2006). Custo, velocidade, flexibilidade, são de fato aspectos que variam conforme o tipo de transporte considerado. Os modais de transporte concorrem entre si com relação a esses fatores, acarretando em desequilíbrios na utilização dos mesmos. Enquanto um modal é sobrecarregado, outro pode estar com capacidade subutilizada. A seguir discutiremos algumas especificidades dos modais de transporte MODAIS DE TRANSPORTE Para melhor definição de transportes, são apresentados abaixo os modais de transporte mais praticados no Brasil (RIBEIRO; FERREIRA, 2002). Rodoviário: É o modal mais expressivo no transporte de cargas no Brasil, atingindo praticamente todos os pontos do território nacional. Suas características o tornam particularmente útil ao transporte de curtas distâncias de produtos acabados e semiacabados. No entanto, muitos outros tipos de produtos, como os produtos agropecuários, utilizam este modal, seja para deslocamento porta à porta ou para deslocamento até pontos de ligação com outros modais de transporte. Apresenta custos fixos baixos (rodovias estabelecidas e construídas com fundos públicos), porém seu custo variável é médio (combustível, manutenção, entre outros). Para os autores, as vantagens deste modal estão na possibilidade de transporte integrado porta à porta, e de maior flexibilidade de adequação aos tempos demandados, assim como freqüência e disponibilidade dos serviços. Por outro lado, apresenta preços de frete mais elevados do que os modais ferroviário e hidroviário, sendo mais recomendado para mercadorias de alto valor ou perecíveis. Ferroviário: No Brasil, o transporte ferroviário é utilizado principalmente no deslocamento de grandes tonelagens de produtos homogêneos, ao longo de distâncias relativamente longas. Os produtos mais transportados por esse modal são os minérios (ferro, manganês), carvões minerais, derivados de petróleo e cereais em grãos, que são transportados a granel. O modo ferroviário apresenta altos custos fixos em equipamentos, terminais e vias férreas, entre outros. Porém, seu custo variável é baixo. Embora o custo do transporte ferroviário seja inferior ao rodoviário, este ainda não é amplamente utilizado no Brasil. Isto se deve a problemas de infra-estrutura e falta de investimentos nas ferrovias. Hidroviário: O transporte hidroviário é utilizado para o transporte de granéis líquidos, produtos químicos, areia, carvão, grãos e bens de alto valor em contêineres (operadores internacionais). O transporte hidroviário apresenta custo fixo médio (navios e equipamentos) e custo variável baixo (capacidade para transportar grande quantidade de tonelagem). De fato, é o modal que apresenta o mais baixo custo. Para os autores, este modal apresenta como principais vantagens: a capacidade de transportar mercadoria volumosa e pesada, e o fato dos custos de perdas e danos serem considerados baixos se comparados com outros modais. Suas principais desvantagens são a existência de 6

7 problemas de operações no porto, a lentidão, e a forte influência do tempo sobre suas operações. O transporte hidroviário apresenta duas modalidades: marítima navegação costeira ou além mar; fluvial navegação doméstica de rios e canais de navegação. Segundo Bertaglia (2006), as ferrovias e hidrovias competirão em certas áreas, sendo que a hidrovia possui uma melhor relação consumo de energia/tonelada transportada. Caixeta Filho et. al (1998), completam que o transporte fluvial normalmente se caracteriza pela movimentação de cargas volumosas de baixo valor agregado, a baixas velocidades, sendo o mais indicado para movimentações em longas distâncias e apresentando o menor consumo de combustível. Os modais Aeroviário e Dutoviário apresentam-se como os menos utilizados no Brasil. O alto custo, fixo e variável, do transporte aeroviário limita sua utilização aos produtos de alto valor unitário (artigos eletrônicos, relógios, alta moda, etc.) e perecíveis (flores, frutas nobres, medicamentos, etc.). As principais vantagens deste modo de transporte são a velocidade elevada, distância alcançada, segurança (roubos, danos e extravios). A utilização do transporte dutoviário é ainda muito mais limitada. Destina-se principalmente ao transporte de líquidos e gases em grandes volumes e materiais que podem ficar suspensos (petróleo bruto e derivados, minérios). A movimentação via dutos é bastante lenta, mas o transporte opera 24 horas por dia e sete dias por semana. Apresenta custo fixo elevado e custo variável baixo. É considerado o segundo modal de mais baixo custo, ficando atrás apenas do modo de transporte hidroviário. Embora confiável em termos de tempo e perdas, a lentidão na movimentação dos produtos inviabiliza seu uso para o transporte de perecíveis SISTEMA LOGÍSTICO DO CENTRO-OESTE Os caminhos percorridos pelos produtos agrícolas originados na região Centro- Oeste pertencem, notadamente, ao corredor logístico Centro-Oeste. Corredores de transporte são caracterizados como segmentos dos sistemas de transporte, ligando áreas ou localidades, entre os quais ocorre demanda por transporte para viabilizar fluxo de mercadoria de densidade em termos nacionais, segundo Barat (1972). O corredor de transporte do Centro-Oeste é o responsável pelo escoamento da safra agrícola de grãos da região Centro-Oeste para as regiões processadoras e exportadoras desses produtos. Abrange os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Este corredor é composto pelos seguinte elementos: modais de transporte, terminais de transbordo de mercadorias, armazéns de carga, operadores de transportes, entre outros serviços associados. As principais hidrovias, rodovias e ferrovias que fazem parte do corredor Centro- Oeste estão identificadas na figura abaixo. 7

8 Figura 2: Corredor Logístico Centro-Oeste As principais rodovias do corredor são BR-163 e BR-364 e, como parte da reorientação do escoamento da produção regional, foram concluídos recentemente o prolongamento e a pavimentação das rodovias BR-070 e BR-174. Existe a opção intermodal rodo-ferroviária com a Brasil Ferrovias, empresa composta por três ferrovias, administradas por concessão pela empresa ALL Logística : Ferronorte, que interliga o Estado do Mato Grosso ao porto de Santos; Novoeste, que interliga o Estado do Mato Grosso do Sul ao porto de Santos; Ferroban, que atua no Estado de São Paulo. Essa união de ferrovias também exerce influência nos estados vizinhos como Goiás e Minas Gerais, funcionando com uma opção logística rodoferroviária adicional (OJIMA, 2006). O sistema hidroviário é composto pelas hidrovias do rio Paraguai e do rio Paraná. A hidrovia do rio Paraná possui extensão navegável da ordem de km, sendo constituída pelos rios Paraná, Tietê e Paranaíba (AHRANA, 2009). Está inserida numa região de 76 milhões de hectares, passando pelos Estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais. Esta região é responsável por aproximadamente metade do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB), contando ainda com a presença de ferrovias, rodovias e dutovias, regionais e federais, formando um sistema multimodal de escoamento da produção agrícola local para exportação. Já a hidrovia do rio Paraguai tem uma abrangência menor, possuindo trechos de navegação na região do pantanal, onde existem muitas curvas e diferenças de profundidade do leito do rio. Esta hidrovia abrange o estado de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de outros países do MERCOSUL. O tramo brasileiro da hidrovia corresponde a 890 km (AHIPAR, 2009). 8

9 3. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Os principais produtos do agronegócio que circulam pelos terminais hidroviários do corredor Centro-Oeste (CO) são: soja, milho e trigo, juntamente com seus derivados. Aproximadamente 6% do total da safra de grãos do Centro-Oeste é escoado via sistema hidroviário fluvial do corredor CO. A princípio parece ser um número baixo em relação aos benefícios que uma hidrovia pode proporcionar para o transporte de grãos. A figura 3 ilustra a região do corredor CO, identificando especialmente os portos hidroviários e as áreas de produção de grãos que se configuram como fontes potenciais de produtos a serem escoados pelas hidrovias. Os portos fluviais, e seus terminais, localizados neste corredor são: Cáceres-MT, Ladário-MS, Porto Murtinho-MS, São Simão-GO, Pederneiras-SP, Santa Maria da Serra-SP, Anhembi-SP. Figura 3: Áreas Produtoras de Soja que influenciam os Terminais Hidroviários Como pode-se notar na figura 3, as áreas de influência dos terminais de Cáceres são as regiões de Alto Paraguai e Cuiabá. Essas regiões não são destaque na produção de grãos, porém o que se produz é suficiente para abastecer o terminal em questão. Ladário, que se localiza na região do Pantanal, recebe influência da região de São Gabriel D Oeste, grande produtora de grãos em Mato Grosso do Sul. Já Porto Murtinho é influenciado pela região de Dourados-MS. De fato, a maior área produtora de grãos, que influencia os terminais hidroviários fluviais da região Centro-Oeste, é o sul de Goiás. Esta região de terras férteis apresenta alta produção de grãos, sendo responsável por grande parte dos grãos movimentados na hidrovia do rio Paraná. 9

10 Já os terminais de Pederneiras-SP, Santa Maria da Serra-SP, Anhembi-SP, não apresentam uma área de produção delimitada devido ao fato de eles são utilizados basicamente para a recepção das mercadorias embarcadas no terminal de São Simão-GO. As mercadorias desembargadas nesses terminais são, normalmente, encaminhadas aos portos marítimos via modal rodoviário e/ou ferroviário. A seguir serão apresentados dados relativos à movimentação individual de cada um dos portos fluviais localizados no corredor CO, considerando os terminais neles instalados. O intuito é avaliar as suas participações individuais e os possíveis fatores que contribuem para uma participação maior ou menor. Hidrovia do Rio Paraná - Terminal de São Simão (GO) São Simão é um município localizado no sul do Estado de Goiás, próximo aos Estados de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Possui acesso às rodovias BR 364 e BR 365, não possui acesso direto à ferrovias, sendo que a mais próxima é a Ferro Norte. Localiza se a margem direita do rio Paranaíba, possuindo os seguintes terminais: ADM, DNP, Nova Roseira, Caramuru Alimentos, Granol e Louis Dreyfus Commodities. Possui capacidade de armazenagem total, somando todos os terminais, de ton., e uma capacidade operacional total de ton./hora. Por ser uma região produtora, estes terminais hidroviários praticam somente o embarque de produtos, com destino ao sudeste, onde estão localizadas as empresas beneficiadoras de soja e os portos exportadores de commodities. Os principais produtos embarcados são: soja, farelo de soja e milho. Em 2007, o terminal também embarcou sorgo devido à uma alta ocasional na produção deste produto. Por São Simão ter terminais esmagadores de soja, há um movimento significativo na hidrovia de produtos do complexo soja (grão, farelo), e o óleo produzido por essas esmagadoras, atendem o mercado nacional. O gráfico 2 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 2: Movimentação de cargas no Porto de São Simão-GO FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHRANA (2009). Hidrovia do Rio Paraná - Terminal de Terminal de Pederneiras (SP) 10

11 O porto de Pederneiras está localizado à margem esquerda do rio Tietê, no estado de São Paulo. Possui acesso pela rodovia SP-225 e pela ferrovia FERROBAN. Estão instalados no porto os terminais da Caramuru Alimentos e Louis Dreyfus Commodities, totalizando uma capacidade de armazenagem de ton. e uma capacidade operacional de 850 ton./hora (AHRANA, 2006). Este terminal é utilizado basicamente para a recepção de grãos vindos do terminal de São Simão. A região no entorno não é produtora de soja, mas a localização geográfica do terminal é bastante estratégica para o escoamento dos grãos desembarcados, dado o fato de haver possibilidade de integração com o modal ferroviário, pela ferrovia FERROBAN, atualmente administrada pela ALL Logística. Esta é uma alternativa de menor custo em relação ao modal rodoviário. De fato, se forem comparados os gráficos 2 e 4, pode-se perceber uma forte semelhança na movimentação, notadamente, do produto soja. A diferença é que São Simão embarca, e Pederneiras desembarca. O gráfico 3 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 3: Movimentação de Cargas do porto de Pederneiras SP FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHRANA (2009). Hidrovia do Rio Paraná - Terminal de Santa Maria da Serra (SP) O porto de Santa Maria da Serra está localizado à margem esquerda do rio Piracicaba, no estado de São Paulo. Possui acesso pela rodovia SP-191. Esta instalado no porto um terminal multimodal da ADM, com capacidade de armazenagem de ton. e com capacidade operacional de 200 ton./hora (AHRANA, 2006). Este terminal também recebe grãos da região de São Simão, geralmente o que não conseguiu ser desembarcado em Pederneiras. O gráfico 4 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período

12 Gráfico 4: Movimentação de Cargas do porto de Santa Maria da Serra SP FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHRANA (2009). Hidrovia do Rio Paraná - Terminal de Anhembi (SP) O porto de Anhembi está localizado à margem direita do rio Tietê, no estado de São Paulo, sendo último porto do rio. Possui acesso pela rodovia SP-147. Está instalado no porto o terminal multimodal da Caramuru Alimentos, com uma capacidade de armazenagem de ton. (CARAMURU ALIMENTOS, 2009). Como a empresa proprietária do terminal possui uma esmagadora em São Simão, o terminal faz o transbordo de soja e derivados dessa outra unidade.. A empresa possui este terminal como estratégia de transporte, pois quando não há disponibilidade de vagões na ferrovia, é mais interessante a soja vir até Anhembi, local mais próximo do porto de Santos e da capital paulista. O gráfico 5 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 5: Movimentação de Cargas do porto de Anhembi SP FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHRANA (2009). 12

13 Portanto, a hidrovia do rio Paraná se resume ao embarque de grãos em São Simão, região produtora, para o interior de São Paulo, próximo às esmagadoras de soja, fábricas de ração animal e portos exportadores, especificamente Santos. Hidrovia do Rio Paraguai - Cáceres (MT) O terminal hidroviário de Cáceres está localizado na margem esquerda do rio Paraguai, na região do Pantanal, no município de Cáceres, estado de Mato Grosso. O acesso ao porto se dá pela BR-070 e pela BR-174. A infra-estrutura é formada por um conjunto de dois atracadouros, um armazém com 4.356m 2, adaptado para granel sólido (soja), com capacidade estática de 4.000ton., e um pátio externo, descoberto, com 2.295m 2, para ton.. A capacidade de cargas do terminal portuário 1 é de 350ton./h, sendo o transporte da soja por cinta transportadora. A instalação do porto é de 1 silo vertical de armazenagem estática de ton. (AHIPAR, 2009). Cáceres tem comportamento diferente dos terminais da hidrovia do Paraná. Os produtos embarcados em seu terminal têm destino especificamente à exportação. Os terminais têm contratos firmados com a empresa Gravetal na Bolívia, país que faz parte do bloco econômico MERCOSUL e que faz divisa com o Brasil. Os terminais sofrem alguns problemas para a exportação de grãos devido à burocracia e corrupção que existe na fronteira. A receita federal no local não consegue agilizar os controles burocráticos, atrapalhando assim as negociações de venda. O gráfico 6 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 6: Movimentação de Cargas do porto de Cáceres-MT FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHIPAR (2009). Hidrovia do Rio Paraguai Ladário (MS) O terminal para carga seca e líquidos está localizado próximo à fronteira com a Bolívia, junto a Corumbá, no quilômetro da Hidrovia Paraguai-Paraná, com calado mínimo de 3 metros durante todo o ano adequado para barcaças. As instalações para carga seca incluem ton. de armazenagem para grãos, 2 moegas rodo-ferroviárias e 2 13

14 berços atracadouros. Possui também uma área de m², parte da qual utilizada para minério. O terminal movimenta cargas através de vagões, com conexões ferroviárias para Santos e Santa Cruz de la Sierra na Bolívia, e também através de caminhões e barcaças fluviais. O parque para carga líquida possui 6 tanques com dimensões entre m³ e m³, com uma capacidade total de m³, para movimentação de álcool, óleos vegetais, entre outros (Granel Química, 2009). Este terminal da empresa multinacional Granel Química, possui diversos tipos de armazenagem. É estrategicamente localizado para receber soja de Cáceres, porém não o faz pelo motivo de que esta atividade é realizada pelo porto de Cáceres. O terminal recebe soja em grão, via modal rodoviário das áreas produtoras de Mato Grasso do Sul, Sonora e São Gabriel D Oeste, com o objetivo de exportar para o Paraguai e Argentina. Como a região de Ladário é produtora de bovinos, há também o descarregamento de soja peletizada, muito utilizada na nutrição de bovinos. Também ocorre a movimentação de trigo de origem argentina. Este trigo destina-se aos moinhos de São Paulo e de Mato Grosso do Sul, sendo transportado a partir do porto por modal rodoviário. O terminal também faz o carregamento de minério, o qual em alguns momentos disputa com os grãos a utilização das barcaças. O terminal tem a capacidade de operar com líquidos, porém a receita federal não liberou ainda seu funcionamento, por motivos não explicados. Este terminal, como o de Cáceres, sofre problemas com a alfândega, sendo prejudicados nas transações de importação e exportação de produtos na América do Sul. O gráfico 7 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 7: Movimentação de Cargas do porto de Ladário MS FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHIPAR (2009). Hidrovia do Rio Paraguai - Porto Murtinho (MS) O porto de Porto Murtinho está localizado à margem esquerda do rio Paraguai, no estado de Mato Grosso do Sul. Possui acesso pela rodovia BR-267. No porto há uma capacidade de armazenagem de ton. e uma capacidade operacional de 180 ton./hora (AHIPAR, 2009). 14

15 A região de Porto Murtinho esta localizada na Região do Pantanal, portanto não é produtora de grãos. Este terminal é utilizado basicamente para a exportação de grãos para os países do MERCOSUL, normalmente para o Paraguai e Argentina. Estes grãos têm procedência das regiões produtoras de Mato Grosso do Sul. Outra movimentação que é feita no terminal é o descarregamento de trigo argentino, que tem destino aos moinhos dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, concorrendo assim com Ladário. O terminal recebe muita influência política. O governo anterior tinha muito influencia no terminal, porém com a mudança política em 2007, houve uma redução drástica na movimentação do terminal, fazendo com que nos anos de 2007 e 2008 ficasse praticamente inoperante. Problemas como este contribuem para a não utilização do transporte hidroviário. O gráfico 8 apresenta a movimentação de grãos neste porto no período Gráfico 8: Movimentação de Cargas do porto de Porto Murtinho MS FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHIPAR (2009). Como podemos analisar pelo gráfico 9, que ilustra movimentações de cargas embarcadas no período do ano de 2003 a 2008, a hidrovia do rio Paraná, notadamente São Simão, apresentou a maior participação na movimentação de grãos do corredor Centro- Oeste. A participação de São Simão deve-se basicamente aos volumes embarcados por estar em uma importante região produtora de grãos. Pederneiras, Santa Maria da Serra e Anhembi praticamente não embarcam mercadorias e por isso não aparecem neste gráfico. Gráfico 9: Participação dos terminais na movimentação de grãos no período de 2003 a 2008 nas hidrovias do corredor logístico Centro-Oeste 15

16 FONTE: Elaborado pelo autor Dados AHIPAR; AHRANA (2009). A hidrovia do rio Paraguai leva desvantagem em movimentação com a hidrovia do Paraná. Apesar do rio ser mais estreito, existem muitas curvas que acabam atrapalhando o fluxo das barcaças. Além disso, não possui ligação com portos exportadores no Brasil e também está mais distante da região Sudeste. Completando, existe ainda a opção de utilização do modal rodoviário para o escoamento de produtos com maior rapidez. Talvez com menor relevância, outro aspecto que prejudica a questão do transporte de grãos na hidrovia Paraguai é o fato, já citado anteriormente, dos processos alfandegários burocráticos e também da concorrência pela utilização das barcaças com o transporte de minério, o qual remunera melhor o transporte. Não existe atualmente quantidade de barcaças suficiente para atender demandas simultâneas. 4. CONCLUSÕES A partir dos resultados obtidos neste trabalho, foi possível verificar que o sistema hidroviário fluvial instalado no corredor logístico Centro-Oeste apresenta uma baixa participação no escoamento dos grãos produzidos nesta região. De fato, apenas cerca de 6% da produção de grãos da região CO é escoada por meio do sistema hidroviário. De fato, em alguns casos, como o Porto de Ladário, a capacidade de escoamento de grãos encontra-se bastante subutilizada. Neste caso em particular, isto deve-se a grande proximidade com o Porto de Cáceres. De fato, uma melhor e efetiva utilização deste porto poderá acontecer em decorrência da liberação das transações com produtos líquidos, pois dificilmente ele servirá para o escoamento de maiores volumes de grãos. Em outros casos, a dependência entre portos quanto a embarques e desembarques também acabam por mascarar o grau de utilização do sistema hidroviário, pois o que de fato conta são os volumes transportados e não os movimentos de carga nos terminais. A infra-estrutura dos terminais instalados não apresenta-se como aspecto restritivo ao aumento de utilização. Em geral, os terminais apresentam uma boa capacidade operacional assim como equipamentos em condições suficientes. Um fator que parece ser mais crítico, e de difícil solução, refere-se aos aspectos inerentes aos rios com suas características naturais, as quais impedem uma maior agilidade no transporte. Considerando-se esses aspectos, pode-se prever um futuro não muito diferente do atual quanto a questão de utilização do sistema hidroviário fluvial no corredor logístico 16

17 CO. Acredita-se também que esta seja uma realidade dos demais sistemas hidroviários do Brasil. Considerando-se então outras alternativas mais eficientes, pode-se pensar que o sistema ferroviário deveria ser encarado pelas autoridades públicas como uma real solução para o melhoramento do sistema de transporte de cargas brasileiro. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADMINISTRAÇÃO DA HIDROVIA DO PARANÁ (AHRANA). A Hidrovia do Rio Paraná: terminais portuários, Janeiro de Disponível em <http://www.ahrana.gov.br/>. Acesso em: 20 fev ADMINISTRAÇÃO DA HIDROVIA DO RIO PARAGUAI (AHIPAR). Dados estatísticos, Março de Disponível em < Acesso em 31 mar ADMINISTRAÇÃO DA HIDROVIA DO PARANÁ (AHRANA). A Hidrovia do Rio Paraná: dados e informações, Janeiro de Disponível em <http://www.ahrana.gov.br/>. Acesso em: 31 mar BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos; planejamento, organização e logística empresarial, 4ª ed., Bookman BARAT, J. O investimento em transporte como fator de desenvolvimento regional: uma análise da expansão rodoviária no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v.23, n.3, p.25-52, jul.-set./1969. BERTAGLIA, P.R., Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento, Editora Saraiva, São Paulo, 1ª ed., 4ª Tiragem, CAIXETA FILHO, J.V. et. al; Competitividade no Agribusiness: a Questão do Transporte no Contexto Logístico, Relatório Técnico, Piracicaba, 1998, Disponível em<http://www.fundacaofia.com.br/pensa/pdf/relatorios/ipea/vol_ vi_ logisticapartea.pdf>, Acesso em 5 ago CAIXETA FILHO, J.V., Sistemas de Transporte e Logística: conceitos básicos e modelagem matemática. IN ZYLBERSZTAJN,D.; FAVA NEVES, M. ( Org.), Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária e distribuição, São Paulo: Pioneira, CARAMURU ALIMENTOS, Informações de estrutura, Disponível em < Acesso em 31 mar GRANEL QUÍMICA, Informações sobre Terminais, Disponível em < Acesso em 13 mar INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGAFIA E ESTATÍSTICA, IBGE, Estatística da Produção Agrícola, Fevereiro de 2009, Disponível em < 17

18 ntarios.pdf>, Acesso em 09 mar KEEDI, S., Mendonça, P.C.C., Transportes e Seguros no Comércio Exterior, Edições Aduaneiras, 2 ed., 254 p., São Paulo, MACHLINE, C., Logística. IN DIAS, S.R. (Org.), Gestão de Marketing, São Paulo: Saraiva, PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTE. PLNT. Relatório Executivo. Brasília: Ministério dos Transportes/Ministério da Defesa, Abril, OJIMA, A. L. R. de O., Perfil da Logística de Transporte de Soja no Brasil, Informações Econômicas, SP, v.36, n.1, jan RIBEIRO, P.C.C.; FERREIRA, K.A.. Logística e Transporte: uma descrição sobre modais de transporte e plano brasileiro. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 131 RESUMOS EXPANDIDOS...132 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 5 a 8 de outubro, 2009 132

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

COSAN DAY 2012. Julio Fontana

COSAN DAY 2012. Julio Fontana COSAN DAY 2012 Julio Fontana Disclaimer Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência

E S T A D O D O P A R A N Á SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA. Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina Superintendência 7. OS ELEMENTOS DE INTERESSE NO PDZPO Este capítulo apresentará os elementos condicionantes do PDZPO incluídos no PA, quais sejam: As projeções de fluxos de carga; A frota prevista; Os usos previstos do

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Desempenho logístico e inserção econômica do agronegócio da soja: as transformações no escoamento da safra

Desempenho logístico e inserção econômica do agronegócio da soja: as transformações no escoamento da safra Desempenho logístico e inserção econômica do agronegócio da soja: as transformações no escoamento da safra Andréa Leda Ramos de Oliveira Ojima CPF: 269770928-23 Instituto de Economia Agrícola Av. Miguel

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

Modelo de Otimização Logística Multimodal de Transporte para Exportação do Farelo de Soja do Sudoeste Goiano

Modelo de Otimização Logística Multimodal de Transporte para Exportação do Farelo de Soja do Sudoeste Goiano Kellen Cristina Campos Fernandes Cristiane Alvarenga Gajo Modelo de Otimização Logística Multimodal de Transporte para Exportação do Farelo de Soja do Sudoeste Goiano Odilon José de Oliveira Neto 3 Reginaldo

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005

ahrana A HIDROVIA DO RIO PARANÁ Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 1 ahrana Administração da Hidrovia do Paraná Outubro de 2005 A HIDROVIA DO RIO PARANÁ 2 A AHRANA A Administração da Hidrovia do Paraná, órgão subordinado ao DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS

UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS UMA ANÁLISE DOS TIPOS DE TRANSPORTES NO ESCOAMENTO DA SOJA: IMPACTOS E CUSTOS Gabriela Petinati Rodrigues (UFMS ) gabipetinati@hotmail.com Matheus Massuia Regazzini (UFMS ) matheus_massuia@yahoo.com.br

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

MBA em Administração e Logística

MBA em Administração e Logística MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr. Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

VI ENDITEC Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Campus Medianeira

VI ENDITEC Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Campus Medianeira VI ENDITEC Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Campus Medianeira XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO SOJA: DA PRODUÇÃO NACIONAL AO ESCOAMENTO DOS

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL

64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL 64 FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG LOGÍSTICA E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL NO BRASIL PALESTRA: DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA AQUAVIÁRIA Painel - Um modelo institucional para a infraestrutura logística dentro

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM ADMINISTRAÇÃO. Paulo Eduardo Ferlini Teixeira

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM ADMINISTRAÇÃO. Paulo Eduardo Ferlini Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTU SENSU EM ADMINISTRAÇÃO Paulo Eduardo Ferlini Teixeira Desempenho de Terminais Hidroviários do Corredor Logístico Centro-Oeste:

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE APRESENTAÇÃO CARAMURU ALIMENTOS A HIDROVIA QUE GARANTE COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE Novembro/2011 Introdução A demanda mundial por produtos originados de recursos naturais renováveis e não-renováveis

Leia mais

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2011 MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) 1. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA PESQUISA 1.1 - OBJETIVO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM TRANSPORTES Sistema de Tranporte Sob qualquer ponto de vista econômico, político e militar o transporte é,, inquestionavelmente, a indústria mais importante no mundo. Congresso

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios.

A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. A logística de transportes e telecomunicações no noroeste do Mato Grosso: entrave ao desenvolvimento ou oportunidade de negócios. III SASEL SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO Professora Ma. Terezinha Márcia de

Leia mais