TÓPICOS SOBRE DIABETES. HOSPITAL DE SANTA MARIA SERV. DE ENDOCRINOLOGIA DIABETES E METABOLISMO Director: Prof.ª Isabel do Carmo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÓPICOS SOBRE DIABETES. HOSPITAL DE SANTA MARIA SERV. DE ENDOCRINOLOGIA DIABETES E METABOLISMO Director: Prof.ª Isabel do Carmo"

Transcrição

1 HOSPITAL DE SANTA MARIA SERV. DE ENDOCRINOLOGIA DIABETES E METABOLISMO Director: Prof.ª Isabel do Carmo CLÍNICA DE DIABETES E NUTRIÇÃO Drs. Jorge Luna Caldeira J. M. Bragança Parreira Odette Narciso André Maria Luisa Sagreira Prof. João Martins Dinis Reis Professor Jubilado: Pedro Eurico Lisboa TÓPICOS SOBRE DIABETES Editor: Jorge Caldeira Autores Dr. Jorge Caldeira Dr. J. M. Bragança Parreira Dra. Luisa Sagreira Dra. Odette André Dra. Madalena Lisboa Prof. Pedro Lisboa Prof. João Martins 13.ª Edição 2009

2 ÍNDICE Conceito Definição 2 Classificação da Diabetes Mellitus 5 Diagnóstico 6 Etiopatogenia do tipo 1 7 Etiopatogenia da diabetes tipo 2 9 Epidemiologia 14 Objectivos Terapêuticos 19 Métodos de avaliação e de controlo do grau de equilíbrio da diabetes 20 Educação 25 Terapêutica conforme as formas clínicas 27 Alimentação do diabético 28 Exercício 33 Antidiabéticos Orais 39 Insulinoterapia 48 Falência aos Antidiabéticos Orais 55 Doenças Tardias 58 Retinopatia 58 Nefropatia 60 Cardiopatia 62 H. T. A. 65 Dislipidémias 67 Pé Diabético 72 Hipoglicemia 76 Conselhos à Família 78 Gravidez 79 Cetoacidose 84 Sindroma Hiperglicemico Hiperosmolar 86 Terapêutica da Diabetes nas Operações Cirurgicas 87 1

3 CONCEITO DEFINIÇÃO A Diabetes é uma Síndroma caracterizada por: Deficiente produção de insulina, relativa ou absoluta Graus variáveis de resistência à sua acção Insulinorresistência (IR) Daqui resulta: Hiperglicemia crónica Alterações do metabolismo lipídico e das proteínas A hiperglicemia crónica é responsável pelo quadro sintomático clássico e, ao longo do tempo, pelas alterações Micro e Macrovasculares. A insulina é uma hormona anabólica. Permite a entrada da glucose no músculo e tecido adiposo e ainda o seu armazenamento pelo figado sob a forma de glicogéneo. No jejum, o metabolismo é desviado para a manutenção da glicemia necessária ao metabolismo cerebral. Os níveis de insulina são baixos e há catabolismo proteico e lipídico (com formação de corpos cetónicos) e aumenta a neoglicogénese hepática. Na carência de insulina, o metabolismo é parecido com o do jejum, com a diferença de que a ingestão de alimentos continua, com hiperglicemia progressiva. Há produção de grandes quantidades de corpos cetónicos com a progressiva evolução para a cetoacidose. REVISÃO DO METABOLISMO NORMAL EM JEJUM E NO PERÍODO PÓS-PRANDIAL No pós-prandio imediato: 2 A secreção precoce de insulina inibe A libertação dos ácidos gordos do tecido adiposo A produção hepática da glucose Como consequência a glicemia não aumenta

4 Aos 60 minutos: A glicemia atinge o seu valor máximo O pâncreas produz o máximo de insulina Os tecidos substituem os ácidos gordos pela glicose para obter energia O tecido adiposo armazena gordura O figado armazena glucose Os músculos captam a glucose para oxidação e armazenamento de glicogénio Às 3 horas: Normalizam os níveis de Insulina Glucagon Glucose RESUMO DA FISIOLOGIA Fígado: Em jejum é fonte de glucose para o cérebro No pós-prandio armazena glucose Pâncreas: Segrega Insulina e glucagon A insulina regula: A captação da glucose e seu metabolismo Armazenamento da gordura Armazenamento da glucose pelo figado Tecido Adiposo: Fonte primária de energia para o corpo Fornece substrato para a produção de glucose pelo figado É 10x mais sensível à insulina que o músculo A insulina regula a libertação da gordura no jejum Na carência da insulina os níveis de gordura circulante aumentam e contribuem para a cetoacidose Músculo: Em jejum fornecem substrato para a produção de glucose pelo fígado No período pós-prandial armazenam e oxidam a glucose 3

5 FISIOPATOLOGIA I FISIOPATOLOGIA II 4

6 CLASSIFICAÇÃO DA DIABETES MELLITUS 1. Diabetes do tipo 1 Autoimune Idiopática 2. Diabetes do tipo 2 Predomínio de Insulinorresistência Predomínio de Insulinocarência 3. Outros tipos específicos doenças pancreáticas, endocrinopatias, induzida por fármacos ou drogas, infecções, defeitos genéticos da célula β, síndromas genéticos raros, etc Diabetes Gestacional Além dos tipos específicos são definidos estadios de transição: A glicemia de jejum alterada GJA A tolerância diminuída à glucose TDG glicemia de jejum e às 2h após sobrecarga acima do normal, ou, só às 2h acima do normal. 5

7 DIAGNÓSTICO Suspeita de Diabetes se: História familiar Obesidade Ganho ou perda rápida de peso Doença cardiovascular em indivíduos < 40 anos História obstétrica sugestiva: Ganho excessivo de peso Macrossomia > 4 kg Nados mortos Multiparidade Hiperlipidémia especialmente se triglicéridos elevados e ou Col. HDL baixo Hiperuricémia Sintomas Minor: Piorreia Vulvovaginite de repetição Balanite Piodermite Infecção urinária de repetição Suspeita provável se sintomas clássicos: Poliúria Polidípsia Polifagia Emagrecimento Na suspeita de Diabetes com laboratório duvidoso: glicemia jj 110 mg/dl mas < 126 glicemia pp 2 horas 140 mg/dl e < 200 Efectuar PTGO (75 g adulto 1,75 g/ kg na criança 100g na grávida) Critérios de diagnóstico na gravidez em Portugal estão estabelecidos critérios específicos publicados em Circular normativa da DGS (ver diabetes e gravidez) 6 Um alto índice de suspeita levará ao diagnóstico precoce da Diabetes e da TDG Assim a actuação Educativa precoce, com Correcção do peso, poderá reverter a Diabetes em fase inicial para TDG e a TDG para valores normais.

8 O rastreio sistemático na grávida permite: a) detectar famílias com diabetes (focos) b) prevenir perdas fetais atraso desenvolvimento cerebral por hipoglicemia neonatal ou sofrimento no parto por macrossomia c) pela educação da futura mãe atingir a família corrigindo erros alimentares O diagnóstico precoce permite correcção precoce e assim: Menor risco Cardiovascular Menor complicação da Diabetes Maior qualidade de vida Maior sobrevivência ETIOPATOGENIA DO TIPO 1 Doença de base Autoimune, em que a existência de susceptibilidade genética (HLA: DR3, DR4, DQ) interagindo com factores ambientais desconhecidos (vírus, tóxicos.) conduz a um processo de insulite autoimune, com destruição das células β com consequente insulinopenia absoluta. 7

9 Na fase inicial, da destruição auto imune da célula β, estão presentes anticorpos contra os seus constituintes. Ao longo dos anos persistem anticorpos anti GAD (descarboxilase do ác. glutâmico) Associação a doenças autoimunes partilha de terreno genético vitíligo, tiroidite, D. Graves CLÍNICA DO TIPO 1 Idade de diagnóstico habitualmente antes dos 30 anos Corresponde a cerca de 10% dos casos de diabetes História familiar raramente positiva APRESENTAÇÃO CLÍNICA CLÁSSICA típica nas crianças e adolescentes Quadro clínico e bioquímico agudo e dramático (polis e tendência para a cetose) obrigando à insulinoterapia life saving. Forma de apresentação florida facilitando o diagnóstico de imediato! No consultório! CLÍNICA DO TIPO 1 NO ADULTO 8

10 Dificuldade diagnóstica no adulto magro: tipo 1 ou tipo 2? Forma de apresentação mascarada de tipo 2 = LADA: (latent autoimune diabetes in adult) Doente típico com LADA: 35 anos, não obeso, quadro clínico de evolução lenta, idêntica à do tipo 2 Tratado com dieta e ADO durante meses a poucos anos Progredindo para a insulinodependência É uma forma de TIPO 1 de aparecimento tardio e evolução lenta com marcadores genéticos (HLA) e imunológicos (ANTIGAD) positivos. Corresponde a 10 15% dos casos de diabetes do adulto e cerca de 50% dos casos diagnosticados de TIPO 2 DO ADULTO NÃO OBESO. ETIOPATOGENIA DA DIABETES TIPO 2 Corresponde a 90% dos casos Cerca de 70% a 80% são obesos Idades de diagnóstico habitualmente 45 anos Forte herança familiar: 50% de risco com 2 pais diabéticos 9

11 30% de risco com 1 pai diabético 100% de concordância em gémeos univitelinos Tipicamente há ausência de sintomas durante anos sendo o seu aparecimento e progressão habitualmente lento, manifestando se muitas vezes com o aparecimento das doenças tardias. Dada esta evolução silenciosa ficam muitos casos por diagnosticar. A incidência aumenta com a idade: 6% dos anos, a 16% acima dos 60 anos Associação com outros factores de risco cardiovasculares Síndroma Plurimetabólico Existem populações de alto risco, com prevalências de 20 40% (Índios Pima, Aborígines Australianos, Micronésia, Polinésia, Americanos de origem Mexicana ou Africana) em que a associação de susceptibilidade genética à mudança de estilos de vida, leva ao aparecimento do tipo 2. Nestes grupos a idade de diagnóstico é mais precoce (20 30 anos) A fisiopatologia da Diabetes do tipo 2 é dominada por: Resistência à insulina Anomalias da secreção da insulina Glutoxicidade 10

12 INSULINORRESISTÊNCIA DEFINIÇÃO: Coexistência de insulinemias elevadas com níveis de glicemia normais ou elevadas por diminuição da acção da insulina nos principais órgãos dela dependente: o fígado e os músculos A Insulinorresistência acarreta um conjunto poli sindromático a que hoje se denomina Síndroma Plurimetabólico Conjuga: Intolerância à glucose ou Diabetes Obesidade tipo andróide HTA Dislipidemia Aterosclerose precoce e acelerada HOMEOSTASE Os níveis de glicemia resultam do equilíbrio entre: produção hepática de glucose neoglicogénese sua utilização pelos diversos órgãos. Os maiores gastadores de glucose são: cérebro não precisa da insulina músculos 11

13 A insulina regula a homeostase da glicose: Inibe a produção hepática da glucose Estimula a captação da glucose pelo fígado Estimula a captação da glucose pelo músculo e tecido adiposo Os principais órgãos responsáveis pela insulinorresistência são: Fígado Músculos Tecido Adiposo A captação hepática da glucose no período pós-prandial, no indivíduo normal, é de apenas 7% do total da captação da glucose e não está alterada na diabetes. A captação periférica da glucose no diabético do tipo 2 está reduzida em 40 a 50% sendo por isso responsável pela hiperglicemia pós-prandial. Há neoglicogénese nocturna excessiva, por não ser bloqueada pela insulina, donde resulta a hiperglicemia de jejum. Há diminuição da ligação da insulina aos receptores da membrana celular, por diminuição do seu número. Após a ligação da insulina ao receptor da membrana da célula dão se uma série de reacções enzimáticas que no diabético estão perturbadas: Verifica se uma redução de 50% da actividade da tirosina cinase Há diminuição do transporte da glucose para o interior da célula Há redução de 80% da actividade dos transportadores de glucose GLUTS por: Redução de 50% do seu número Diminuição da sua deslocação para a superfície da célula Diminuição da sua activação 12 Destas perturbações resultam alterações metabólicas intracelulares: Há redução do glicogéneo intracelular por: Carência intracelular de glucose Redução do enzima glicogéneo sintetase

14 Aumenta o consumo de ácidos gordos livres em vez de glucose: pelo músculo, para obter energia pelo fígado: transformando o glicerol em glucose pela neoglicogénese para síntese aumentada de trigliceridos A secreção global de insulina pode estar normal ou elevada, mas: Desaparece o pico precoce da sua secreção Desaparece o carácter pulsátil da secreção Diminui a potencialização pela glucose a outros estímulos secretores da insulina não glucídicos, por ex. dos ácidos aminados A célula β está alterada: Provavelmente há menor número de células Menor capacidade secretora? Menor sensibilidade da célula β à glucose? Glucotoxicidade CONSEQUÊNCIAS A LONGO PRAZO Doença microvascular (relação com a duração e gravidade da hiperglicemia) nefropatia retinopatia neuropatia (por alterações metabólicas no nervo) doença microvascular periférica Doença macrovascular (determinantes multifactoriais) doença coronária e cardiovascular doença cerebrovascular doença vascular periférica Para o relógio começar a contar : Complicações microvasculares: No aparecimento da hiperglicemia Complicações macrovasculares: Antes do diagnóstico da hiperglicemia 13

15 14 EPIDEMIOLOGIA

16 DIABETES DADOS EPIDEMIOLÓGICOS 15

17 16

18 17

19 TIPO 1 Maior incidência meses Inverno Maior incidência entre os 10 e 15 anos Teremos cerca de diabéticos do tipo 1 em Portugal. H. Natural 81% dos diabéticos diagnosticados antes dos 20 anos estão vivos 25 anos depois % terão retinopatia ao fim de 25 anos de evolução e 30 35% terão nefropatia TIPO 2 6% da população 18% acima dos 65 anos > 80% são obesos HTA em 60 a 80 % 18 A Diabetes é a principal causa médica de cegueira antes dos 45 anos aumenta 2 3 x o risco de enfarte aumenta 2 x o risco de AVC aumenta 50 x o risco vascular do pé

20 aumenta 20 x o risco coronário da mulher diabética em relação à mulher normal igualiza a mulher em relação ao homem para o risco coronário a hipertensão arterial é dupla em relação aos não diabéticos OBJECTIVOS TERAPÊUTICOS Recuperação pessoal e social nutrição adequada plena capacidade de trabalho físico e intelectual bem estar físico e psíquico com plena realização pessoal Tentar o melhor equilíbrio metabólico possível procurando assim impedir ou atrasar o aparecimento das doenças tardias, sem que com isso se anule o 1º objectivo: a possibilidade de vida plena. Para cumprir este objectivo deve tentar se: Redução da glicosúria tentando obter a sua anulação Normalização quanto possível da glicemia O limite é apenas imposto pelo risco de hipoglicemias graves Normalização da T.A. procurando valores inferiores a 130/80 Normalização da dislipidemia MEDIDAS TERAPÊUTICAS Regime Alimentar Exercício Físico Higiene Insulina Antidiabéticos Orais 19

21 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO E DE CONTROLO DO GRAU DE EQUILÍBRIO DA DIABETES Presença ou ausência do Síndroma Hiperglicémico (Polis) Peso IMC = Peso / (altura) 2 Registo sinóptico das pesquisas de glicosúria, cetonúria e glicemia Glicemia de jj ou pp Glicosúria de 24h HbA 1c Frutosamina Outros Medição da altura Medição da T.A Perimetro da cintura Observação dos pés Fundoscopia Função Renal creatinina e clearance. Microalbuminúria Ficha lipídica Colesterol total, HDL, LDL, trigliceridos Uricemia Função hepática Urinocultura 1 SÍNDROMA HIPERGLICÉMICO A presença de polis, xerostomia, emagrecimento e prurido, demonstra com segurança a existência de hiperglicemia e glicosúria marcada. Por si só, demonstra a existência de desequilíbrio da diabetes PESO Objectiva a existência de obesidade ou magreza Avalia a evolução ponderal permitindo corrigir o plano alimentar até se atingir o objectivo pretendido: Obter e manter nutrição adequada

22 Manter peso Emagrecer ou engordar Em associação com a altura define nos o Índice de massa corporal (IMC) 3 REGISTOS SINÓPTICOS Mapas de RPG Folha quadriculada que permite a leitura rápida e global e o pormenor Permite: Registo (R) de Glicosúria (G), Cetonúria (C) e de Glicemia (GL), além das doses de Insulina ou A. Orais e ocorrências Avaliação horizontal resultados do dia a dia Avaliação vertical resultados dos diferentes períodos do dia Avaliação global ex.: 25 dias x 4 pesquisas = 100 testes efectuados dá a percentagem global e a sua distribuição. 4 GLICOSÚRIAS: Devem reflectir a espoliação de todo o período Testes 0 indicam glicemias abaixo do limiar renal durante todo o período. Técnica fácil e barata. Aplicável no diabético do tipo 2 sob dieta e nos que não conseguem efectuar a punção digital para a determinação das glicemias. A utilizar no tipo 1 quando incapazes de efectuar glicemias Geralmente sem valor na grávida pelo baixo limiar renal próprio Pode originar erros de interpretação na ocorrência de retenção urinária por bexiga neurogénea ou prostatismo Sem correlação com episódios de hipoglicemia 21

23 5 CETONÚRIAS: Registos simbólicos 0 / + / ++ / +++ Anotadas com cor diferente. Indispensáveis no tipo 1 na urina da manhã e se positiva ou em intercorrência em todas as micções 6 GLICEMIAS: Todos os diabéticos devem fazer a autovigilância da glicemia Registadas com aproximação ao decimal mais próximo Efectuadas antes das refeições, permitem a administração de doses extras de insulina Efectuadas 1,30 h após as refeições, permitem avaliar a glicemia máxima do pós prandio Perfis glicémicos: jj e 1 a 1,5h pp mostram a oscilação da glicemia ao longo do dia facilitando assim o ajuste da insulina Em SOS na dúvida de Hipoglicemia Imprescindível na grávida e no insuficiente renal Os leitores de glicemia têm técnica simples, permitem leituras rápidas e precisas e podem dar-nos o valor das médias das glicemias em memória 7 GLICOSÚRIA DE 24 H Permite avaliar a espoliação urinária de glucose o que pode ajudar na avaliação, nomeadamente se correlacionada com a ingestão HC 22 8 HEMOGLOBINA GLICADA 1 HBA1C NORMAL DE 4 A 6 Avalia a percentagem da glicação da hemoglobina e assim reflecte o grau de compensação de 90 dias as hemoglobinopatias falseiam o resultado São propostos valores inferiores a 7 pelos consensos americanos e inferiores de 6.5 pelos consensos europeus como significativos de bom equilíbrio metabólico. Alguns laboratórios já efectuam uma nova técnica: IFCC cujo padrão normal vai de 2 a 4, mas ainda não aprovada No Programa Nacional de Controlo da Diabetes é proposto que seja efectuada pelo menos 4 vezes por ano no tipo 1 e 2 vezes por ano no tipo 2.

24 9 CETONÉMIA Pode hoje ser avaliada pelo doente. Indicado quando as glicemias são a 300mg/dl. Só o sistema Medissense Precision com tiras próprias para a cetonémia permitem esta avaliação 10 FRUTOSAMINA Reflecte a glicação das proteínas plasmáticas Avalia o grau de compensação das 2 ultimas semanas Técnica mais simples e com menos factores de erro 11 FUNDOSCOPIA Anual desde inicio no tipo 2 Anual após 5 anos ou após puberdade no tipo 1 12 MICROALBUMINÚRIA 13 PERIMETRO DA CINTURA Cinta > a 94 cm no homem e > a 80 cm na mulher significam Obesidade Central (tipo andróide) e resistência à insulina (proposta de consenso da Federação Internacional de Diabetes IDF para a população caucasiana) 23

25 Ajuda a objectivar a perda de peso Deve ser medida pelo menos 3 vezes por ano 14 TENSÃO ARTERIAL São propostos como valores ideais 130/80 Deve ser medida pelo menos 3 vezes por ano A HTA está quase sempre presente no tipo 2 A elevação da T.A. no tipo1 associa se com o aparecimento da microalbuminúria A presença de retinopatia obriga também a manter a T.A. controlada e nos valores mais baixos possíveis 15 OBSERVAÇÃO DOS PÉS Deve ser realizada na 1ª consulta e depois pelo menos 2 vezes por ano O diabético deve observá los todos os dias! 16 PERFIL LIPÍDICO Efectuar pelo menos 1 vez por ano 17 VIGILÂNCIA MÍNIMA ANUAL (PROGRAMA NACIONAL DE DIABETES) 24

26 Estas recomendações devem ter em consideração as características individuais, factores de risco, presença de complicações e condicionantes existentes em termos de recursos. EDUCAÇÃO perpétua A Diabetes é uma situação dinâmica variável Assim o diabético tem de conhecer a sua doença: causas efeitos riscos imediatos e a longo prazo Na prática clínica: ENSINO = EDUCAÇÃO = Autovigilância = Autovariação da terapêutica A Educação tem como objectivo treinar alguém na prática de um novo comportamento até que este se torne habitual, ou seja, até à criação do Hábito. Tem de ser adaptada à situação clínica e ao diabético a quem se dirige. A Educação deve ser planificada e o processo avaliado. Ensino Individual fundamental: respeita a individualidade / personalidade Grupo poupa tempo na informação genérica e permite a troca de experiências 25

27 Temas obrigatórios: 1. O que é a diabetes e explicação fisiopatológica dos sintomas 2. Tipos de diabetes 1 e 2 suas causas 3. Autovigilância sua importância e métodos 4. A alimentação suas regras básicas 5. A insulina o que é para que serve quem tem de a tomar 6. Os medicamentos orais para que servem quem tem de os tomar 7. A hipoglicemia causas pródromos e tratamento com açúcar 8. A cetose o que é causas tratamento 9. O exercício sua importância tipos de exercício cuidados 10. A higiene corporal importância do seu rigor 11. Os cuidados com os pés: cuidados de higiene, unhas, calos, calçado 12. As complicações da diabetes Os olhos a retinopatia importância da sua observação anual Os pés os perigos prevenção As alterações da sensibilidade a neuropatia A HTA perigos vigilância e tratamento o sal A aterosclerose causas prevenção: gorduras, sal, exercício O rim nefropatia As infecções urinárias pele boca Tentar para cada caso, definir os objectivos educacionais e terapêuticos para curto, médio e longo prazo. É útil e facilita o processo educativo, conforme as prioridades que cada caso apresente. 26 Definir objectivos educacionais para cada caso, ex.: cuidados com os pés autovigilância hipoglicemia insulina Definir objectivos terapêuticos para cada caso, ex.: idoso, grávida

28 Só a Educação permite a interligação dos 3 elementos da Tríade terapêutica permitindo a adaptação de 1 ou 2 deles pela variação de outro. Por ex. redução da medicação e ou reforço da ingestão em dias de grande actividade física. O regimen alimentar é o único elemento da tríade sempre presente. TERAPÊUTICA CONFORME AS FORMAS CLÍNICAS TIPO 1: Fase de crescimento: Insulina + Dieta tipo livre (ver capítulo sobre alimentação) Terminado o crescimento: Insulina + Dieta individualizada TIPO 2: Gordo Dieta hipocalórica individualizada + Exercício Acarbose, Metformina, Glitazonas, Inibidores da DPP4 Sulfas Insulina Magro Dieta individualizada Sulfas / Insulina SECUNDÁRIA Dieta Sulfas?, Insulina? NA GRAVIDEZ Dieta Insulina 27

29 ALIMENTAÇÃO DO DIABÉTICO A instituição dum correcto regimen alimentar e a sua observação é indispensável à obtenção dum bom controlo metabólico. Para instituir um regimen alimentar é necessário responder alguns quesitos: 1. Quem é o diabético Criança Adulto activo/sedentário estado de nutrição: gordo/ magro/ OK Idoso Grávida 2. Condições económicas e familiares 3. Situações particulares: cetose ICC HTA Insuf. Renal 4. Que come Inquérito alimentar: Nº de refeições Alimentos consumidos: Pão / batatas / arroz / massas / leguminosas secas Quantidade de carne / peixe / ovos Leite Frutas Legumes Que bebe Álcool REGRAS BÁSICAS: Peso Avalia as variações ponderais, dando assim a noção do cumprimento da dieta e ou da necessidade de a modificar nas consultas subsequentes de acordo com o objectivo que se propôs engordar / emagrecer / estabilizar 28 Abstenção de açúcar A alimentação do diabético é a ideal de qualquer um. O diabético deve abster se do uso do açúcar e dos seus confeccionados. Os alimentos naturalmente açucarados devem ser consumidos de cada vez em unidades únicas de 12 gr: 2,5dl de leite / 1 fruta

30 Desde início, o diabético deve ser instruído no uso do açúcar nos pródromos da hipoglicemia. Permitir os confeccionados com açúcar nas festas, tomados à sobremesa. Fraccionamento Muitas vezes, proibido o açúcar e, frequentemente reduzido o álcool, bastará ensinar a fraccionar por 6 / 7 refeições. Ração hidrocarbonada Deve constituir ± 60% do total calórico Deve ser estável e adequada Estável Ração constante dia a dia e por refeição. Um exercício extra deve determinar uma refeição extra Adequada para Gravidez Aleitamento Crescimento Trabalho físico O diabético deverá escolher a sua ementa através duma lista de equivalências Ração Lipídica não devem representar mais de 30% do total calórico. Retirar a gordura visível: molho, pele das aves e fritos e a gordura da carne Limitar o consumo de enchidos. Evitar os fritos e refugados Utilizar a manteiga com parcimónia para barrar o pão Preferir o azeite na confecção e no tempero em cru. Ração Proteica deve constituir 10 a 15 % do total calórico Restringir o seu uso ao indispensável 0,8 gr./ Kg / peso ideal. No crescimento e gravidez será necessário 1 gr./ kg Na prática, chegam 100 a 120 gr. peixe, carne ou 2 ovos por refeição, a que se deve juntar 0,5 l leite/dia (7,5dl na gravidez e aleitamento) Legumes O seu consumo, em cru ou nas diferentes preparações culinárias, deve ser abundante lembrar a Roda dos Alimentos. A tradicional sopa é uma excelente forma de aumentar a sua utilização. 29

31 Frutas Todas podem ser usadas (2-3 vezes dia) Sal O mínimo indispensável Equivalências em HC (unidades de 12 gr) AMIDOS 1/2 pão (20/25g) 1 batata (50g) tamanho de ovo 2 colheres sopa de arroz/massas 3 colheres de feijão/grão 4 colheres de ervilhas/favas 3 bolachas (Maria/torrada/agua e sal) 3 castanhas CONTENDO AÇÚCAR 1 laranja, pêra, pêssego 1 maçã, banana, pequena 1 rodela de ananás 2 3 ameixas / alperces 2 tangerinas 2 fatias melão/melancia 12/16 morangos 24 cerejas/ginjas 2,5dl leite Dos alimentos que contêm açúcar apenas é permitido 1 unid. por refeição. Dietas tipo utilizamos uma simbologia de quantificação dos HC: 30

32 DL Dieta livre Ração HC habitualmente consumida pelo doente, estabilizada e geralmente elevada ( 250gr). Usada no crescimento ou por condições económicas. D 1 ± 300 g HC jovens, actividade física intensa D 2 ± 200 g HC adultos, grávidas D 3 ± 150 g HC adultos sedentários, idosos, obesos activos D Em dieta de emagrecimento, sempre hipocalórica (< 1200 cal) e fraccionada em 8 a 12 refeições EXEMPLO DE D 2 (± 200 G DE HC) P. Alm. 2,5dl leite 1/2 gordo 1Und (12g) 1 pão (papo seco) Mínimo de manteiga 2 Meio. manhã 1/2 pão/1 fruta/copo de leite 1 Almoço Sopa de legumes (HC não quantificados) 100/120g de peixe ou carne ou 2 ovos legumes, saladas 3 batatas (tamanho de ovo) 3 ou equivalente 1º lanche 1 fruta 1 2º lanche copo de leite + 1/2 pão 2 Jantar id. do Almoço 3 1ª ceia 1 fruta 1 2ª ceia copo de leite + 1/2 pão 2= 16 Un. = 192g EXEMPLO DE ENSINO DIETA DE 200G Homem de 45 anos Diabetes tipo 2 diagnosticada há ± 2 anos em consulta de rotina. Saldo ponderal de 25 Kg desde casamento. Empregado de Escritório, sem outra actividade. Desloca se casa emprego de carro a pé gastaria minutos. 31

33 32 O diabético, particularmente do tipo 1, deve saber contar as Unidades de Hidratos de Carbono que consome no dia a dia. Para os diabéticos que fazem insulinoterapia intensiva (com injecções múltiplas de insulina ou com infusão por bomba de insulina) a contagem das unidades de hidratos de carbono permite o cálculo mais ajustado das doses da insulina rápida para cada refeição. Com este sistema, o diabético adquire maior liberdade na escolha e quantidade dos alimentos sem pôr em causa o controlo glicémico.

34 EXERCÍCIO O exercício contribui para a Prevenção Primária da Diabetes tipo 2. A prática regular de exercício produz: Sensação de bem estar físico e psíquico. Reduz stress psico social. O exercício físico contribui para a Prevenção das Complicações Cardiovasculares da Diabetes (Prevenção Terciária). As complicações cardiovasculares são a principal causa de morte na diabetes 2 (a mortalidade por doença cardiovascular é 2 a 3 vezes maior que nos não diabéticos) e também frequentes na diabetes tipo 1. GASTOS DE ENERGIA CONFORME A DURAÇÃO DO EXERCÍCIO Nos primeiros minutos são gastas as reservas de glicogéneo do músculo. Cerca dos 20 min. são fornecidos aos músculos ácidos gordos e glicose proveniente da neoglicogénese. 33

35 À medida que o exercício se prolonga, os níveis de insulina tendem a baixar, aumentando as hormonas catabólicas. De notar que no diabético tipo 1 os níveis de insulina dependerão da dose administrada e assim, pode ocorrer hipoglicemia se os níveis de insulina forem altas ou ocorrer cetose se os níveis forem baixas. 34 EFEITOS DO EXERCÍCIO 1. Aumenta a sensibilidade à insulina Aumenta o transporte de glucose para o músculo. Diminui o hiperinsulinismo Reduz a insulina basal e p.p. prevenção da D2. 2. Aumenta a massa muscular Aumenta a % de fibras musculares do tipo Diminui a glicemia durante e após o exercício. 4. Diminui a massa gorda Adjuvante da dieta na manutenção do peso e, no emagrecimento tem efeito mais marcado na redução da gordura abdominal. 5. Melhora o perfil lipídico Diminui o Colesterol Total LDL e Trigliceridos Aumenta o Colesterol HDL 6. Diminui Tensão Arterial 7. Corrige as alterações da fibrinólise 8. Diminui a hipercoagulabilidade em vários parâmetros hemorreológicos 9. Melhora a resposta anómala às catecolaminas 10. Aumenta o número de vasos colaterais e a rede capilar, particularmente no músculo cardíaco.

36 RISCOS O exercício físico pode acarretar riscos (por ex.: risco de enfarte). Necessário bom senso da parte do médico e do diabético na escolha do tipo de exercício a realizar. Os riscos dependem do tipo de exercício frequência e intensidade da terapêutica (insulina ou outra) estado de saúde idade do diabético. Avaliação obrigatória sobre a presença de complicações. 1. Avaliação cardiovascular prova de esforço 2. Avaliação da estática dos M. inferiores Corrigir alterações da estática (pé plano/ cavo) com plantares próprios limitando o risco de lesões por sobrecarga. 3. Excluir a presença de neuropatia periférica Risco aumentado de úlceras neuropáticas e fracturas dos metatarsos 4. Avaliar da existência de retinopatia grave Risco de hemorragias retinianas nas manobras de Valsalva. CUIDADOS PRÉVIOS 1. Avaliar o controlo metabólico Pequena refeição antes da prática desportiva Reduzir dose de hipoglicemiantes orais e ou de insulina 2. Ingestão abundante de água Risco de desidratação 3. Açúcar à mão Uso nos pródromos de hipoglicemia. 4. Respeitar um período de aquecimento lento bem como um período de arrefecimento progressivo evitando as lesões musculares de esforço. 35

37 ACONSELHAMENTO Não há receita de exercício ideal aplicável a todos. São condições necessárias à aderência: A individualização: avaliação dos tempos disponíveis: inquérito dos horários A integração harmónica nas actividades do quotidiano nem é sempre fácil É indispensável que o doente perceba a importância do movimento. O exercício deve ser aeróbio Movimento continuo por, pelo menos, 20 minutos e pelo menos 3 vezes por semana A intensidade depende da capacidade de cada um. Na Diabetes tipo 2, o exercício deve ser implementado em todas as idades: Marcha calma Nas deslocações para o emprego ou no intervalo de almoço Passeio a pé ou de bicicleta ou natação, desligar a televisão e dançar As donas de casa, podem, dar passeio de 20 a 30 minutos antes de carregarem com as compras Exercícios da actividade física do dia a dia, não implicam cuidados especiais. DIABETES TIPO 1 A criança, faz naturalmente exercício, frequentemente intenso e não programado. A perda do controlo automático da secreção da insulina, substituída pela insulina exógena, perturba toda a homeostasia. No não diabético, a glicemia mantém se em níveis fisiológicos qualquer que seja a intensidade do exercício No diabético tipo 1 a resposta glicémica é variável. Pode ocorrer hipoglicemia ou agravamento da hiperglicemia com cetose. A hipoglicemia é a reacção mais temida pode ocorrer de imediato durante ou logo após um exercício curto ou prolongado horas após ter terminado, por vezes durante a noite ou manhã seguinte 36

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

28 de Janeiro de 2008. Diabetes Mellitus

28 de Janeiro de 2008. Diabetes Mellitus Medicina II Seminário de Endocrinologia 28 de Janeiro de 2008 Diabetes Mellitus DOCENTE que leccionou: Prof. Mário Rui Mascarenhas DISCENTE que realizou: João Carlos Torrinha Vicente Jorge FISCALIZADOR:

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA Síndrome metabólica: terapêutica fatmacológica 115 SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA M.ª Helena Ramos Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Hospital Geral de Santo António Porto

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

FÁRMACOS UTILIZADOS NO

FÁRMACOS UTILIZADOS NO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV FÁRMACOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença.

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. PORTAL DA SAÚDE Diabetes É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. Devidamente tratada, a diabetes não impede o doente de ter uma vida

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira. Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga

Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira. Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Introdução As doenças endócrinas mais frequentes na gravidez são a diabetes (gestacional

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 Alimentação e Saúde Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 QUANDO ADQUIRIDOS PRECOCEMENTE, OS HÁBITOS H ALIMENTARES CORRECTOS

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z

Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z Tudo o que precisa de saber 1 ÍNDICE DE CONTEÚDOS 04 COMPREENDER A DIABETES TIPO 2 Em que situações surge a diabetes tipo 2? Quais as principais causas? Quais

Leia mais

Dossier Diabetes Índice

Dossier Diabetes Índice Índice Diabetes Uma Epidemia Mundial em crescimento 02 O que é a Diabetes? 02 As causas da Diabetes 03 Tipos de Diabetes 03 A Diabetes Tipos 1 03 A Diabetes Tipo 2 03 A Diabetes Gestacional 04 Comparação

Leia mais

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o

O HDL é conhecido como o bom colesterol porque remove o excesso de colesterol e traz de volta ao fígado onde será eliminado. O LDL-colesterol é o DISLIPIDEMIA Introdução Dislipidemias, também chamadas de hiperlipidêmicas, referem-se ao aumento dos lipídios no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos. O colesterol é uma substância

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Diabetes gestacional e prévia

Diabetes gestacional e prévia 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Diabetes gestacional e prévia Ricardo Rangel Números Nos EUA 1.3% gravidezes DG -88% Tipo 1-7% Tipo 2-5% Índia 17%... Exposição à hiperglicémia. No

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS?

O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? O QUE SÃO OS TRIGLICERÍDEOS? Franklim A. Moura Fernandes http://www.melhorsaude.org Introdução Os triglicerídeos, também chamados de triglicéridos, são as principais gorduras do nosso organismo e compõem

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

Diabetes. Introdução. Sintomas

Diabetes. Introdução. Sintomas Diabetes Introdução A diabetes desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isto pode acontecer se o corpo não produzir quantidades suficientes da

Leia mais

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Bruno de Oliveira Sawan Rodrigo Ribeiro Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Liga de Diabetes - UNIUBE GLP-1 GLP-1 é normalmente produzido pelas células neuroendócrinas L da mucosa intestinal Sua

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Convivendo com o Diabetes

Convivendo com o Diabetes Convivendo com o Diabetes Uma publicação Roche Diagnostica Brasil Revisão e apoio: Sociedade Brasileira de Diabetes SBD Ilustrações, Design e Produção: Alvo Propaganda & Marketing Todos os direitos reservados

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira 2010 Sessão Televoter Diabetes Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira Indivíduos com risco elevado para diabetes (Pré-diabetes) Alteração da glicémia em jejum (AGJ): Glicémia em jejum: entre 110

Leia mais

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg

DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg DIAFORMIN (cloridrato de metformina) União Química Farmacêutica Nacional S/A Comprimido 850 mg Diaformin cloridrato de metformina Comprimido IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

1. O QUE É GLUCOBAY E PARA QUE É UTILIZADO

1. O QUE É GLUCOBAY E PARA QUE É UTILIZADO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Glucobay 50 mg comprimidos Glucobay 100 mg comprimidos Acarbose Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Cloridrato de metformina

Cloridrato de metformina Cloridrato de metformina Prati-Donaduzzi Comprimido de liberação prolongada 500 mg e 750 mg Cloridrato de metformina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de metformina Medicamento genérico

Leia mais