cadernos de farmanguinhos4 produção pública de insulina Bárbara Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "cadernos de farmanguinhos4 produção pública de insulina Bárbara Ferreira"

Transcrição

1 cadernos de farmanguinhos4 produção pública de insulina Bárbara Ferreira 1

2 Sumário 1. Introdução Epidemiologia Natureza da doença/prevenção/tratamento Histórico tecnológico Produção de insulina no Brasil 5 2. Negociações Farmanguinhos/Indar 8 3. Inovação tecnológica Etapas Complexo produtivo de insulina humana recombinante: laboratório de apoio tecnológico e planta de produção Investimentos totais Transferência de tecnologia Importação e distribuição Qualidade da insulina Farmacovigilância Inspeções da Anvisa Regulação do mercado Dificuldades e ameaças Perspectivas 35 Notas 36 PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

3 1. INTRODUÇÃO 1.1 Epidemiologia O diabetes mellitus (DM) é um grave problema de saúde pública mundial e causa importante de morbidade e mortalidade em indivíduos de diferentes grupos etários e condições sociais. 1 O número de casos aumenta em todo o mundo: em 2000 estimava-se existirem cerca de 171 milhões de diabéticos e que esse número aumentaria para 194 milhões em 2003 e 366 milhões em Fatores como crescimento e envelhecimento populacional, urbanização, aumento da obesidade e inatividade física contribuem para o agravamento desse cenário. 3 King e col., ao relacionarem o crescimento da população adulta com o aumento da prevalência e do número de pessoas maiores de 20 anos com diabetes em vários países, mostraram que o crescimento previsto de 64% da população adulta acrescentaria em 35% a prevalência de diabetes, resultando em aumento de 122% dos indivíduos maiores de 20 anos vivendo com a doença em A maior parte está em países em desenvolvimento onde se observa uma maior projeção do número de casos, principalmente em grupos etários mais jovens. 3, 4 O Brasil reflete o panorama mundial. No final da década de 80 a prevalência de DM na população adulta era estimada em 7,6%. Dados mais recentes, de estudo realizado em Ribeirão Preto na década de 90, mostram a elevação dessa taxa para 12,1%. 5 Esses dados se refletem nas taxas de mortalidade embora subestimadas, devido à não menção ao DM na declaração de óbito, por serem as complicações, particularmente as cardiovasculares, a causa da morte. 6 Adicionando-se a característica de abranger uma grande faixa etária, sua natureza crônica e a gravidade de suas complicações, tem-se um forte impacto nos problemas de saúde que afetam a qualidade de vida dos seus portadores. Esse impacto, medido pelo DALY (disability-adjusted-life-years) mostrou que no Brasil o diabetes mellitus (5.1%), as doenças isquêmicas do coração (5.0%) e as doenças cerebrovasculares (4.6%) englobaram 14,7% do total do DALY avaliado para o grupo de doenças não-transmissíveis, que incluiu grandes grupos de doenças como cânceres, doenças respiratórias, doenças de pele, anomalias congênitas, entre outros. 7 A doença é também um sério problema econômico. Em 2006 o poder público gastou R$ 47,6 milhões com internações decorrentes do diabetes, além de outras despesas como aposentadoria por invalidez devido à amputação de membros, que gera um gasto de R$ 415 milhões por ano no país. 8 A gravidade do problema levou o Ministério da Saúde a instituir em 2002 o Programa Nacional de Assistência Farmacêutica para Hipertensão Arterial e diabetes mellitus com o objetivo de distribuir medicamentos, inclusive insulina, entre pacientes cadastrados na rede do SUS. 9 1

4 1.2. Natureza da doença/prevenção/tratamento São dois, os tipos de diabetes mais comuns: tipo 1 (DM1) e tipo 2 (DM2). O DM1 atinge crianças e adolescentes e ainda não há medidas de prevenção antes do início da doença. Quanto ao DM2, atinge principalmente a população entre 30 e 69 anos, embora o quadro seja crescente em crianças, devido à obesidade e ao sedentarismo infantil. 5, 9 Grande parte destes casos poderia ser prevenida evitando-se o excesso de peso e combatendo-se o sedentarismo. 10 A prevenção no início da doença (prevenção primária) e de suas complicações (prevenção secundária) é a melhor forma de minimizar os impactos sociais e econômicos. Da mesma forma, o diagnóstico precoce pode evitar inúmeras complicações, retardando os efeitos da doença e melhorando a qualidade de vida dos pacientes. O primeiro passo talvez seja o rastreamento de casos potenciais e de novos casos propriamente ditos. Um bom exemplo foi a realização da campanha nacional de rastreamento na comunidade de usuários do Sistema Único de Saúde para detecção do DM, conduzida entre março e abril de 2001 pelo Ministério da Saúde. 11 Uma vez diagnosticados os novos casos e apontados os riscos de complicações, é necessária a aplicação de medidas educacionais efetivas. A 8, 11 informação é a melhor política de combate aos sintomas do diabetes. As estratégias de prevenção variam tanto quanto a diferença na fisiopatologia existente entre o DM1 e o DM2. A prevenção primária no DM1 é pouco estudada, mas alguns autores acreditam que o aleitamento materno e a introdução de leite de vaca apenas após os três primeiros meses de vida previnem o aparecimento da doença. 12 Já no DM2 a prevenção de seu início está ligada ao tratamento de outras patologias relacionadas com o diabetes, como a obesidade, a hipertensão arterial, a dispiledemia e a hiperinsulinemia. A prevenção secundária é comum aos dois tipos de DM e abrange um controle metabólico estrito por meio da manutenção dos padrões normais da glicemia, 13, 14 pois evitará as complicações vasculares decorrentes da hiperglicemia, como a hipertensão arterial, os problemas cardiovasculares, as ulcerações nos pés e amputações, a retinopatia e a insuficiência renal. 15 O monitoramento glicêmico deve estar inserido na rotina do paciente, principalmente quando tal controle envolve tratamento medicamentoso. Existem dois grandes grupos de medicamentos utilizados no diabetes: os antidiabédicos orais e a insulinoterapia. Os antidiabéticos orais são utilizados no DM2 e sua prescrição vai depender do grau de resistência à insulina e da produção de insulina endógena pelo paciente, pois esses parâmetros caracterizam a fase evolutiva da doença, normalmente dividida em quatro, e orientam o profissional de saúde quanto ao tratamento. 16, 17, 18, 19 Nas primeiras fases (1 e 2) emprega-se principalmente monoterapia, enquanto nas fases mais avançadas (3 e 4) costuma ser necessário associar os agentes orais às injeções de insulina, quando modificações no estilo de vida e comprimidos forem insuficientes para obter o controle glicêmico PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

5 O tratamento insulínico estrito é comum aos pacientes com DM1, pela própria característica da doença, de perda parcial ou total das células beta das ilhotas de Langerhans pancreáticas, que resulta na incapacidade progressiva de produzir insulina. Muitos tratamentos à base de insulina estão disponíveis no mercado: insulinas humanas e seus análogos de ação rápida (regular, lispro, aspart, glulisina), intermediária (NPH, Detemir) ou prolongada (Ultralenta Protamina zíncica, Glargina); e ainda formulações de pré-misturas de insulinas (insulinas bifásicas) que diminuem as múltiplas injeções diárias Histórico tecnológico Inúmeros avanços marcam a história do uso terapêutico da insulina, que teve início com a purificação e a cristalização da proteína, passando por sua extração a partir de pâncreas bovino e suíno e pela tecnologia do DNA recombinante para produção de insulina humana, até chegar aos análogos de proteína humana disponíveis hoje no mercado. Podemos destacar como grande salto tecnológico dessa trajetória o desenvolvimento da proteína humana por engenharia genética ou tecnologia de DNA recombinante, no final da década de 70, tornando obsoleta a extração de insulina de origem animal. Essa inovação tecnológica teve grandes implicações não só no processo produtivo do medicamento, com a obtenção da proteína utilizando microorganismos por meio de fermentação biológica, mas também no seu uso terapêutico, uma vez que a técnica de biologia molecular abriu caminho para a criação das insulinas análogas por meio de mudanças estruturais na proteína nativa. Estudos objetivando novos métodos de produção de insulina avançam e já se encontra no estágio de ensaios clínicos a insulina humana obtida por meio de plantas geneticamente modificadas. 22 A primeira versão do desenvolvimento de DNA recombinante de insulina foi desenvolvida pela empresa de biotecnologia Genentech em colaboração com duas grandes empresas farmacêuticas, a Eli-Lilly, americana, e a Novo-Nordisk, dinamarquesa, 23, 24 inovação protegida por patente depositada pela Genentech (EP , 1982). Nos anos subsequentes muitas inovações foram feitas no processo de produção, com patentes depositadas pela Eli-Lilly e Novo-Nordisk. A proteína humana foi rapidamente formulada para a versão contendo protamina, que aumenta o tempo de ação do medicamento (NPH - Neutral Protamine Hagedorn insulina de ação intermediária), além da regular (R), tecnologia desenvolvida primariamente em 1950 pela Novo-Nordisk para a insulina animal. Essa corrida tecnológica foi acompanhada também pela empresa alemã Hoeschst, hoje conhecida como Sanofi-Aventis, que já colecionava histórias de sucesso na área de diabetes: foi, ainda em 1936, o primeiro fabricante a modificar a forma de produção de insulina animal, gerando insulina cristalina com melhor nível de pureza e maior tolerância e, em 1966, responsável pela humanização da insulina 3

6 animal (insulina semi-sintética) e sua produção em larga escala. 25 A insulina humana era, no início, a solução para pacientes diabéticos que não toleravam o uso da insulina animal, apresentando como principais efeitos colaterais a produção de anticorpos anti-insulina e consequente resistência ao tratamento, além de alergias e lipoatrofia. 26 Além disso, a insulina humana acabou com a preocupação da transmissão de doenças animais aos seres humanos, como a encefalite espongiforme bovina. Do ponto de vista econômico, a tecnologia de DNA recombinante diminuiu o tempo e os gastos com a produção do medicamento. 27 Em pouco tempo e com o sucesso terapêutico comprovado, o medicamento alcançou toda a população de insulino-dependentes, embora um segmento da população tenha resistido à mudança da insulina animal para a humana, principalmente por requerer alteração no tempo e na quantidade da droga injetada. 23 Superado o anseio médico de ter uma proteína idêntica à produzida pelo paciente, evitando assim efeitos colaterais significativos, as pesquisas se voltaram para a obtenção de características farmacocinéticas que melhor mimetizassem a liberação da proteína endógena pelo pâncreas, ou seja, a manutenção da normoglicemia utilizando a insulina exógena. No início da década de 90 apareceram novas insulinas, conhecidas como análogos de insulina humana. Essas novas tecnologias resultaram em proteínas com aminoácidos em posições diferentes, quando comparada à insulina humana nativa, como o análogo Aspart B10 (análogo de ação rápida), o primeiro a ser desenvolvido. Como resultado clínico a inovação ofereceu uma ação duas vezes mais rápida que a insulina humana R, constituindo uma alternativa terapêutica. 28 De forma similar, o análogo Lispro (de ação rápida) entrou em uso clínico em 1996, e por ter afinidade com o receptor de insulina similar à insulina R 29, 30 ao contrário do Aspart B10 o Lispro foi considerado mais seguro clinicamente. 31 Ainda no grupo dos análogos de ação rápida, em 2000 surgiu a insulina Aspart B28, que assim como o Lispro, ofereceu vantagens em relação à insulina R, como a redução de 20 a 30% de hipoglicemia noturna e melhora modesta (0,3 a 0,5%) nos níveis de Hemoglobina AIc. A insulina Glulisina tem as mesmas características das anteriores e foi desenvolvida como mais uma alternativa para terapia bolus (Regular, Lispro ou Aspart) e é utilizada em bombas contínuas de infusão subcutânea. Seguindo esse movimento, vários análogos de ação intermediária surgiram como alternativa para a formulação NPH, como a Lenta e a Detemir, em Estudos mostram que a Detemir promove menor variabilidade no automonitoramento da glicemia em jejum, hipoglicemia noturna e ganho de peso menor em relação à NPH. Os análogos de ação prolongada, Glargina e a Ultralenta, chegaram ao mercado também no início dos anos 2000, com grande expectativa de uso, devido à possibilidade de injeção única diária proporcionando maior conforto no tratamento e menor potencial de hipoglicemias PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

7 Paralelamente às inovações realizadas no próprio medicamento, a busca de novas formas de aplicação de insulina foi intensificada no final da década de 80, com grande ênfase na utilização de canetas injetoras de insulina 33 e bombas de infusão. Além da forma de aplicação, outras vias de administração que não a subcutânea têm sido estudadas, como as vias oral, bucal/sublingual, transdérmica, respiratória e outras. Como resultado desses estudos foi lançado em 2006, pela Pfizer, a insulina inalável, constituída por insulina em pó de ação rápida. No entanto, pela pouca adesão por parte dos diabéticos, não atendendo assim às expectativas da empresa, foi retirado do mercado em outubro de Outro estudo em andamento, pela empresa Emisphere, trata de um spray oral, que permite que a insulina seja absorvida pela mucosa bucal e não passe pelo trato gastrintestinal Produção de insulina no Brasil No Brasil, a produção de insulina animal teve início em 1978 com a empresa brasileira Biobrás e sua parceira na época, a Eli-Lilly, detentora de 46% de suas ações. A Biobrás fabricava a matéria prima, fornecida à própria Lilly, e entre 1978 e 1983 a Biobrás-Lilly absorvia 95% do mercado interno. Ao final de 1983 se deu a dissociação, quando a Biobrás, em busca de independência de mercado, resolveu verticalizar a produção, transformando-se em empresa farmacêutica. Ao final da década de 80 a empresa brasileira atingiu o equilíbrio financeiro e começou a descentralizar seus investimentos, buscando novas tecnologias de produção. Assinou um acordo com a Fundação Universidade de Brasília para o desenvolvimento conjunto de insulina humana por engenharia genética, 36 o que culminou na aquisição de patentes no país, nos Estados Unidos, Canadá, Europa e Ásia. 37 A comercialização do produto foi anunciada no início de 1999, mas não foi significativa, devido à alta competitividade promovida pela abertura comercial ao capital estrangeiro no início da década de 90, que favoreceu a instalação no país das multinacionais Lilly e Novo. A subsequente queda no preço da insulina ofertado nas licitações federais por estas multinacionais culminou em duas ações movidas na Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) pela Biobrás: a aplicação de direito anti-dumping contra a Novo Nordisk e o compromisso de preço contra a Eli Lilly sobre as importações de medicamentos contendo insulina realizadas pelas duas empresas. 38, 39 Sob forte concorrência desleal, a Biobrás acabou sendo adquirida por US$ 31 milhões pela empresa dinarmaquesa Novo Nordisk ao final de Com a aquisição pela Novo, as duas passaram a fazer parte de um mesmo grupo empresarial, o que ensejou que o CAMEX decidisse suspender todas as medidas anti-dumping. 41 A mudança no mercado foi tão somente o fim da existência do produtor nacional e a criação da sucessora Biomm, que reteve o laboratório de pesquisa, os 15 pesquisadores, além da patente de processo de 5

8 uso do DNA recombinante, dedicando-se apenas às atividades de pesquisa. 39 Após a venda da Biobrás observa-se a elevação continuada dos preços praticados nas licitações federais e consequente oligopolização do mercado público pelas multinacionais (Gráfico 1). 42 No momento de sua criação, a Biomm comprometeu-se a não realizar atividades produtivas por três anos, completados em dezembro de Apesar do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), em julho de 2003, ter aprovado a operação de venda e decidido pela exclusão da cláusula de não concorrência, até onde se sabe a Biomm não tem produzido em escala industrial. É de se notar que a Biobrás, antes de ser adquirida teria realizado o aumento de escala de produção de insulina, mas não chegou a produzir insulina humana recombinante em escala industrial, nem forneceu ao Ministério da Saúde. Por sua vez, até agora, a Novo Nordisk também não o fez no Brasil. Esses episódios ressaltam, de um lado uma atividade oligopolista, de outro, a fraqueza do setor empresarial brasileiro ante as grandes transnacionais, que, a despeito de receber incentivos governamentais, frequentemente acabam vendendo suas empresas exatamente para aquelas que inviabilizam sua manutenção. De fato, em conhecido episódio recente envolvendo compras do Ministério da Saúde, foram identificados vampiros, intermediários que agiam manipulando para empresas internacionais as aquisições a serem feitas; entre os produtos manipulados estava a insulina da Novo Nordisk. Por essa razão a auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) solicitou ao Ministério o rompimento do contrato com a empresa Novo para compra de insulina. No relatório, os auditores acusam a empresa de oligopólio por ter adquirido o controle acionário da Biobrás. 44 Em 2007 o governo federal lançou a política nacional que prevê um investimento de R$ 10 bilhões em biotecnologia, que será direcionada para quatro áreas: saúde humana, agropecuária, indústria e meio ambiente. O plano é colocar o Brasil entre os países líderes em biotecnologia daqui a alguns anos e tentar reverter esse quadro. 6 PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

9 Gráfico 1: grafico 1 Variação de preço no mercado público brasileiro de insulina US$ 10,00 US$ 9,00 US$ 8,00 US$ 7,00 US$ 6,00 US$ 5,00 US$ 4,00 US$ 3,00 US$ 2,00 US$ 1,00 R$ 20,00 R$ 18,00 R$ 16,00 R$ 14,00 R$ 12,00 R$ 10,00 R$ 8,00 R$ 6,00 R$ 4,00 R$ 2, Venda da Biobrás à Novo Nordisk Animal US $ Humana US $ Animal R$ Humana R$ Fonte: Banco de preços do Ministério da Saúde. grafico Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Total Insulina expedida (doses acumuladas) Suspeita RAM 7

10 2. NEGOCIAÇÕES FARMANGUINHOS/INDAR Em junho de 2003 uma missão de alto nível da Ucrânia visitou a Fiocruz buscando estreitar relações na área científica, tecnológica e comercial relacionadas a produtos farmacêuticos, com ênfase em antirretrovirais. Nas reuniões mantidas, o então presidente da Comissão de Saúde do Parlamento Ucraniano abriu também a possibilidade de cooperação na área de insulina, já que a Ucrânia havia investido em uma instituição modelar, o Indar: após a independência e a monopolização do mercado pela Novo-Nordisk e o fechamento de todos os produtores do país e também da Rússia, criou-se uma empresa de economia mista (da qual o governo detém 70% das ações), foi comprada uma fábrica da Hoescht e realizados investimentos na infra-estrutura, acatando-se as normas regulatórias. Foi uma clara opção por investir na segurança e saúde de seus diabéticos, oferecendo soluções variadas e personalizadas, inclusive com o desenvolvimento e a produção por tecnologia recombinante. Contatos subsequentes, sempre com conhecimento do Ministério da Saúde e do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, acabaram por levar a Fiocruz a enviar uma missão exploratória à Ucrânia (outubro de 2004). Os entendimentos preliminares com o Indar incluíam, além da transferência da tecnologia recombinante de produção da insulina, o desenvolvimento conjunto de aprimoramentos e cooperação para desenvolvimento e produção de outros medicamentos em ambas as direções (inclusive de antirretrovirais), entendimentos formalizados por meio de protocolo firmado entre a Fiocruz e o Indar. O acordo incluía o pleno licenciamento para a Fiocruz, inclusive para exportação na América Latina e África. É digno de registro o fato de que após essa missão a Fiocruz foi procurada por um diretor da Novo-Nordisk do Brasil (em novembro de 2004) para especular sobre possível cooperação; ao ser cientificado de que a Fiocruz desejava o pleno licenciamento, argumentou que dependeria da matriz e não mais procurou a Fiocruz até a visita do diretor do Indar ao Brasil em junho de Logo após a Fiocruz foi novamente procurada pelo diretor geral da Novo-Nordisk, dizendo que continuavam interessados em apresentar uma proposta de transferência de tecnologia. Nunca enviaram tal proposta. Alguns meses depois do encaminhamento do plano de negócios (elaborado na ocasião da visita do Indar) ao secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, o novo ministro da Saúde solicitou que a Fiocruz apreciasse uma proposta da Biomm. Na verdade, tal proposta nunca existiu formalmente, mas ocorreram conversações entre o presidente da Fiocruz e um 8 PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

11 executivo da Biomm que retificaram as notícias iniciais: a Biomm estava consorciada com a Novo- Nordisk, mas ainda não definira uma proposta concreta. Foi criada uma coordenação para refazer o cronograma de implementação, e após visita à fábrica da Novo-Nordisk em Montes Claros foi elaborado um relatório, repassado ao ministro da Saúde, não recomendando a proposta inicial do consórcio Biomm/Novo-Nordisk exposta verbalmente. A Presidência da Fiocruz, ao receber visita conjunta da Biomm/Novo-Nordisk, sugeriu que qualquer proposta futura fosse apresentada por escrito ao secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos. Era opinião institucional que tais movimentos pareciam uma manobra protelatória, apenas para que não fosse efetivado o acordo com o Indar, mantendo assim indefinidamente a atividade oligopolista da Novo-Nordisk. Em janeiro de 2006, por determinação do presidente da Fiocruz, a condução do projeto foi transferida para Farmanguinhos e em 18 de julho do mesmo ano foi assinado o acordo técnico-científico entre a Fiocruz e o instituto ucraniano CJSC- Indar visando a transferência de tecnologia para produção de insulina humana recombinante na unidade. Nos termos acertados, a transferência se fará em um período de 40 meses, ao fim dos quais Farmanguinhos estaria capacitado a produzir cristais de insulina. Simultaneamente à transferência de tecnologia, o acordo estabelece a importação do produto acabado e desde novembro de 2007 Farmanguinhos vem importando o medicamento. As primeiras importações foram realizadas de novembro de 2007 a agosto de 2008, em sete partidas de 500 mil frascos/mês suprindo, segundo pauta definida pelo Ministério da Saúde, a distribuição de medicamentos ao Espírito Santo, Pernambuco, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Bahia. Após esse período, as importações foram suspensas devido ao início do processo de renovação de BPF das instalações ucranianas, finalizada em 17 de março de Para os diabéticos brasileiros a produção nacional representará maior segurança no abastecimento de insulina humana recombinante dos tipos NPH e R (de liberação lenta e de liberação rápida), já que hoje nossas necessidades são integralmente cobertas através de importação. Na estratégia desenhada, Farmanguinhos produzirá os cristais de insulina o insumo farmacêutico ativo (ifa) e estabelecerá com empresas privadas instaladas em território nacional parcerias para formulação e envase do produto. A produção deverá cobrir 50% da demanda do Ministério da Saúde, responsável pelo Programa Nacional de Assistência Farmacêutica para Hipertensão Arterial e Diabetes. Tal desenho tem três objetivos: 1) manter a competitividade no mercado público e preservar um ambiente que estimule a inovação tecnológica; 2) garantir a regulação deste mercado pela presença de um produtor nacional capaz de inibir a elevação especulativa de preços; 3) estimular a indústria farmacêutica nacional. 9

12 3. Inovação tecnológica A tecnologia de produção de insulina humana recombinante (IHr) do Indar envolve a utilização por expressão da insulina Escherichia coli transgênica (E. coli), na qual o precursor da proteína é obtido por fermentação biológica e, então, processado e purificado. Após esses procedimentos, reações enzimáticas específicas transformam tal precursor em insulina humana. A IHr ucraniana é fruto de inovação tecnológica na Ucrânia e tem seu processo de produção protegido por patentes depositadas na Rússia e na Ucrânia, sendo também registrado e comercializado nestes países. A adesão ao acordo geral do TRIPS está sendo negociada pela Ucrânia. Poucas empresas no mundo dominam todo esse ciclo tecnológico produtivo e é importante enfatizar que ao final do processo de transferência de tecnologia Farmanguinhos estará capacitado tecnologicamente para produzir no país o ifa, ou seja, os cristais de insulina, bem como o medicamento insulina humana recombinante R e NPH. É importante registrar que a purificação da insulina do Indar está de acordo com as exigências da Anvisa, com menos de 10 ppm (partes por milhão) de proteínas derivadas da célula hospedeira (E. coli), responsável por muitas reações adversas e processos alérgicos e que o Indar tem certificação BPF da Ucrânia e da Alemanha e exporta insulina para a Rússia. A incorporação da tecnologia recombinante é útil para a Fiocruz não só para suprir o país e regular o mercado, mas, principalmente, para abrir um capítulo de desenvolvimento tecnológico associado visando outros biofármacos. Ademais, abre um capítulo de incorporação imediata da tecnologia master inovador na área pública brasileira, pois não estabelece etapas de trás para diante, mas propõe a absorção simultânea de todas as etapas de produção, encurtando o processo, em tudo compatível com a estrutura que está sendo projetada em Farmanguinhos-Fiocruz e ainda libera o governo de investimentos completos para a produção de fases onde a tecnologia é de fácil domínio, tais como controle de qualidade, envase etc. A produção em Farmanguinhos não propõe suprir o Ministério da Saúde com 100% das demandas, mas apenas 50%, criando assim um ambiente de segurança para os pacientes, estabilidade do mercado e efetiva regulação competitiva, de modo a estimular a inovação tecnológica. 10 PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

13 4. ETAPAS O acordo de transferência da tecnologia de produção de IHr estará vigente por 44 meses divididos em cinco etapas. A transferência de tecnologia tem início após o término da Etapa I (etapa preparatória de registros, com a duração de quatro meses, já encerrada). De forma concomitante à transferência de tecnologia, no período de 40 meses serão importados por Farmanguinhos 18 milhões de frascos de IHr ucraniana, que serão entregues ao Ministério da Saúde em partidas de 500 mil frascos mensais (podendo variar, segundo entendimentos prévios entre Farmanguinhos e o Ministério da Saúde). As atividades determinadas no acordo de transferência de tecnologia estão listadas abaixo: Etapa I (2006): registro do contrato no INPI e registro da IHr ucraniana na Anvisa, por Farmanguinhos (encerra-se com a abertura da carta de crédito do primeiro fornecimento). Etapa II (2007): transferência de informação técnica da engenharia de base para as instalações produtivas e confecção do projeto; treinamento de pessoal na produção dos cristais em escala de bancada e piloto. Implementação do laboratório de apoio tecnológico à produção do ifa Ihr. Importação e distribuição de 3,5 milhões de frascos de insulina. Etapa III (2008): aprovação do projeto na VISA; treinamento com os lotes sementes e sua transferência. Obras para construção da planta de cristais. Importação e distribuição de 5,5 milhões de frascos de insulina. Etapa IV (2009): conclusão das instalações produtivas de cristais e produção de lotes-piloto do ifa. Importação e distribuição de 5,5 milhões de frascos de insulina. Etapa V (2010): produção de lotes piloto de produto final fabricado por terceiro com a utilização de cristais de Farmanguinhos para registro na Anvisa e certificação pela agência da área produtiva. Realização de testes clínicos pós-registro. Importação e distribuição de 3,5 milhões de frascos de insulina. Serão realizadas pesquisas clínicas, tanto da insulina importada do Indar (Etapa II e III) quanto da IHr produzida por Farmanguinhos (Etapa V), zelando pela qualidade da pesquisa e segurança dos pacientes envolvidos. Nesta atividade incluem-se as seguintes ações: identificação de questões clínicas relevantes, elaboração de protocolos de pesquisa, coleta de dados, análise estatística dos dados, gerenciamento dos dados, apresentação e divulgação dos resultados, monitoramento da pesquisa clínica e publicação de artigos. 11

14 O projeto conta não apenas com o gerenciamento feito pela área de gestão de projetos de Farmanguinhos, mas também com o acompanhamento a ser realizado pelo Comitê Técnico, conforme determinado no acordo entre as partes. Este Comitê é composto por oito membros, quatro de cada parceiro, incluindo os responsáveis técnicos pelo projeto. São de responsabilidade deste Comitê: _ Coordenar e dar seguimento às etapas da transferência de informação técnica prevista neste contrato. _ emitir um certificado de aceitação do encerramento de cada etapa da transferência da informação técnica. _ Assessorar as partes na tomada de decisões relacionadas à transferência da informação técnica. _ Revisar e propor às partes o cronograma das atividades das etapas da transferência tecnológica. A Etapa I ou preparatória foi concluída com o registro da insulina ucraniana concedido em março de 2007 pela Anvisa a Farmanguinhos sem nenhuma exigência a cumprir. 45 Vale mencionar que a agência brasileira, em sua inspeção às instalações produtivas do Indar, concedeu o certificado de BPF à empresa ucraniana. 46 Ainda assim, Farmanguinhos realizará estudo clínico fase IV (pós-comercialização) comparando os resultados na insulina do Indar com pelo menos uma das existentes no mercado brasileiro. É também de se registrar que nas fases preliminares, Farmanguinhos, com o apoio do INCQS, promoveu a análise físico-química do produto da Ucrânia, sendo todos os parâmetros considerados satisfatórios. O Comitê encerrou a Etapa I em março de 2007, o que já computou atrasos no cronograma. Mais atrasos ocorrem na Etapa II, que ainda está em execução, embora a previsão inicial de término fosse em Os trâmites regulatórios foram os principais causadores dessa demora, como veremos adiante. A atualização do cronograma oficial está sendo discutida pelo Comitê Técnico. O Comitê Técnico se reúne pelo menos duas vezes ao ano para avaliar a transferência das informações técnicas e ao final de cada etapa de desenvolvimento do projeto, será responsável pela certificação da adequação dos procedimentos realizados. Até o momento o Comitê já se reuniu três vezes: em setembro/2007 no ato de encerramento da Etapa I; em julho/2008 para revisão da Etapa II e em setembro/2008 decidindo por interromper temporariamente a transferência de tecnologia até a conclusão dos trâmites de concessão de BPF ao Indar pela Anvisa. 12 PRODUÇÃO PÚBLICA DE INSULINA

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009

SUMÁRIO EXECUTIVO. Novembro 2009 SUMÁRIO EXECUTIVO Novembro 2009 1 Introdução A Biomm se dedica ao desenvolvimento de processos de produção baseados na biotecnologia, área em que a sua equipe foi pioneira no Brasil desde os anos 1970.

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

REGISTRO DE MEDICAMENTOS

REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS Deborah Masano Cavaloti Manira Georges Soufia 1 Como a Anvisa avalia o registro de medicamentos novos no Brasil Brasília, 20 de janeiro de 2005 No Brasil, os medicamentos são registrados

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 Caso não deseje receber este periódico, basta responder o presente e-mail colocando no Assunto "SUSPENDER ENVIO". RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 1 LEGISLAÇÃO 1.1 Aresto

Leia mais

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador?

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Equipe de Identificação de pré-candidatos (internos ou externos) Pré-candidatos selecionados? Criação da Equipe do Projeto - Diretoria Diretória

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Documento Interno Texto base: Leoni Fuerst Preocupações referentes às questões relativas ao meio ambiente e a ecologia vêm se tornando crescentes

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED A FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS, instituída pela Lei 5.594 de 06 de novembro de 1970, regulamentada pelo Decreto nº 45.712, de 30 de agosto de 2011, por intermédio de sua Presidência,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com Segurança Alimentar e Agricultura Familiar: Análise do Programa da Gestão Integrada da Alimentação Escolar no Município de Goiânia-Go a Partir da Lei 11947/2009 Natalia Ferreira BARBOSA 1 Prof.º Dr. Luiz

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

692.903 518.590 385.512 246.617 126.965 53.171. Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos

692.903 518.590 385.512 246.617 126.965 53.171. Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos Geração de impostos Valores Acumulados em R$ (000) 692.903 518.590 385.512 246.617 53.171 126.965 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Estaduais Federais Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos Geração de empregos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e

Pesquisa deve resultar em inovação tecnológica Projeto desenvolvido em instituição de pesquisa Contrapartida real da empresa parceira: entre 30% e ,129$d 2 3$5&(5,$61$ (&2120,$'2 &21+(&,0(172 3DUFHULDSDUD,QRYDomR7HFQROyJLFD 3,7(3DUFHULDSDUD,QRYDomR 7HFQROyJLFD 3,3(,QRYDomR7HFQROyJLFD HP3HTXHQDV(PSUHVDV &(3,'V &(3,'V&HQWURVGH3HVTXLVD,QRYDomRH'LIXVmR

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM GESTÃO FINANCEIRA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais

Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais POP 2008 Relações Públicas na Gestão de Crise Resumo Treinamento de Crise: simulações para lidar com situações reais Bayer CropScience Desafio Preparar executivos para agir de forma organizada, ágil e

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

WORKSHOP PANORAMA MUNDIAL SOBRE PROBIÓTICOS. Regulamentação atual Medicamentos contendo probióticos

WORKSHOP PANORAMA MUNDIAL SOBRE PROBIÓTICOS. Regulamentação atual Medicamentos contendo probióticos WORKSHOP PANORAMA MUNDIAL SOBRE PROBIÓTICOS Regulamentação atual Medicamentos contendo probióticos Neemias Silva de Andrade Gerência de Produtos Biológicos / GPBIO Gerência-Geral de Produtos Biológicos,

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA

ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA 2ª Jornada de Ciências Farmacêuticas Centro Universitário Estadual da Zona Oeste UEZO - 2012 ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO NA PESQUISA CLÍNICA Robson Leite de Souza Cruz Instituto de tecnologia em Imunobiológicos

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto:

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM LICITAÇÕES PARA O

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais