Selo LEED de Construção Sustentável

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Selo LEED de Construção Sustentável"

Transcrição

1 Página: 1/7 Elaborado por: Rita Toscano Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Plínio Pereira Data Aprovação: 19/08/2014 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente este documento: Regra de Certificação para De Acordo: NOME DO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA ASSINATURA DO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA CARIMBO DA EMPRESA

2 Página: 2/7 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer a regra de certificação da TÜV Rheinland do Brasil Ltda, doravante referenciada por TÜV Rheinland, para a prestação de serviços de avaliação da conformidade para certificação do. Além disso, são definidas as condições para a obtenção do certificado e selo e para a utilização da Marca de Identificação da Certificação do USGBC. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento aplica-se às atividades de certificação de empreendimentos sustentáveis. 3. RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão desta Regra de Certificação é da área técnica de Energia e Meio Ambiente (EMA). 4. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES LEED Reference Guide v.3/2009, aplicável à certificação LEED pretendida, ou sua versão mais atual disponibilizada pelo USGBC. Norma ASHRAE ( ). 5. GENERALIDADES A TÜV Rheinland fornece seus serviços para avaliação da conformidade e realiza consultoria para a obtenção do certificado após avaliações e submissão da documentação ao órgão certificador USGBC. Assim, empresas demonstram o devido cumprimento das exigências estabelecidas nas respectivas normas de construção sustentável em suas obras mediante a avaliação de um organismo neutro de certificação. A TÜV Rheinland garante a mais plena imparcialidade, competência, independência, responsabilidade, transparência e confidencialidade dos consultores e auditores que participam das auditorias, bem como de todo o processo de certificação. 6. PROCEDIMENTOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 6.1. Solicitação de Orçamento A empresa deve solicitar o orçamento para certificação, através do formulário Solicitação de Orçamento e Análise Crítica para Certificação LEED fornecido pela TÜV Rheinland Análise Crítica da Solicitação A solicitação do cliente deverá ser analisada criticamente quanto à capacidade/competência/disponibilidade da equipe certificadora, escopo da certificação, a localização da organização, o tempo necessário para completar as certificações e quaisquer outras condições de atendimento a solicitação Emissão da Proposta, Termo de Aceite e Contrato Baseada na análise crítica da solicitação, a área técnica elabora o Memorial de Cálculo e envia a área comercial para a elaboração da proposta comercial. Esta proposta contemplará os valores cobrados para os serviços contratados. Caso o cliente aprove a proposta comercial, deve formalizar sua aprovação através do formulário de aceite contido na proposta. Somente após o recebimento do aceite pela área técnica, o processo de consultoria será iniciado. O aceite da proposta assinado configura o contrato de trabalho entre as partes interessadas.

3 Página: 3/ Descrição do Processo de Certificação O processo de certificação divide-se nas etapas descritas abaixo: Preparação para Consultoria de Certificação Após o aceite da proposta pelo cliente, a TÜV Rheinland enviará um plano de consultoria (Registro de Projeto (Checklist)_LEED, no caso de LEED e Checklist Comissionamento, no caso de comissionamento) de comum acordo com o cliente, para cada etapa do processo de certificação, informando a agenda de consultoria, equipe e toda logística necessária. Os consultores serão selecionados em função de sua qualificação, competência e experiência na área a ser certificada Consultoria de Certificação A Consultoria de certificação de um processo LEED deve ser realizada seguindo o cronograma da obra, conforme o Reference Guide da certificação em questão. A aplicação dos conceitos da certificação segue os padrões de pré-requisitos, créditos e pontos bônus aplicável ao processo e à obra Pré-requisitos Os pré-requisitos do LEED são itens de cumprimento obrigatório. Caso algum pré-requisito não seja cumprido, não haverá conformidade e a certificação não será obtida. A atividade de diagnóstico visa juntamente com a equipe de projetos, analisar e identificar quantos créditos do LEED o projeto atende e, depois de realizadas possíveis adequações no projeto ou no memorial, quantos créditos poderão ser atendidos. Realiza-se a viabilização da obtenção da certificação de sustentabilidade ambiental de empreendimento pelo sistema LEED perante o USGBC para o projeto, buscando alto desempenho ambiental e energético do empreendimento e atendimento a todos pré-requisitos obrigatórios com obtenção do número suficiente de pontos em sete categorias, conforme o objetivo do cliente. Os tópicos para o Brasil são os seguintes: Espaço sustentável (sustainable sites); Uso racional da água (water efficiency); Energia e atmosfera (energy and atmosphere); Materiais e recursos (materials and resources); Qualidade ambiental interna (indoor environmental quality); Inovação do processo e do projeto (innovation and design process); Créditos regionais (regional priority). Dentro de cada tópico há pelo menos um pré-requisito que deve ser cumprido para atingir a certificação. Todas estas informações serão evidenciadas pela TÜV Rheinland no Registro de Projeto (Checklist)_LEED. Dentro dos tópicos acima citados, existem créditos, que correspondem aos pontos referentes ao nível de certificação pretendida pelo cliente. A pontuação mínima para obtenção da certificação básica é de 40 pontos. Caso não sejam obtidos os 40 pontos mínimos, não será obtida a certificação. O certificado será emitido quando todos os dados forem analisados pela equipe da auditoria do USGBC Comissionamento de Sistemas Instalados Comissionar os sistemas consumidores de energia de forma a que os mesmos sejam projetados, instalados, testados, operados e mantidos de acordo com os requerimentos do proprietário e em conformidade com as normas pertinentes. Também inspeciona que os sistemas de HVAC, Queda de Tensão, Iluminação, Motores Elétricos, Água Quente e todos os respectivos sistemas de controles que já foram instalados no empreendimento foram construídos e instalados de acordo com os respectivos Memoriais Descritivos das Instalações, os Projetos

4 Página: 4/7 Executivos e os requerimentos da certificação LEED. O comissionamento fundamental é realizado por meio de visitas ao cliente durante a fase de construção do empreendimento, nas quais são realizados vistorias e testes nos sistemas instalados. Como resultado destas visitas, são elaborados relatórios de visita do comissionamento, os quais são encaminhados para o cliente. Com a obra pronta para operação, são executados os testes finais de comissionamento e os resultados são transcritos para o Relatório Sumário de Comissionamento (específico para cada projeto). Para o comissionamento avançado, serão executadas as tarefas de revisão das instalações já comissionadas, além da revisão do manual de instalação, operação e manutenção conforme a demanda do LEED v.3, EAc Plano de Medição e Verificação O plano destina-se a verificar a redução de custos associados com medidas de eficiência energética incorporadas ao projeto, e para fornecer um modelo de energia recalibrado que servirá como ferramenta para os operadores do edifício e para identificar e remediar as causas do mau desempenho do edifício Simulação Energética A eficiência energética é um pré-requisito do LEED e também permite a obtenção de pontos adicionais caso o projeto do edifício tenha um bom desempenho energético. Para avaliação do desempenho energético é necessária realização de uma simulação computacional do consumo anual de energia de acordo com metodologia específica e validada pelo USGBC, que consiste no uso das prescrições da norma americana de eficiência energética - ASHRAE e da utilização de softwares de simulação como o Energy Plus e o Design Builder para o processamento de dados. A Simulação de eficiência energética deverá obrigatoriamente atingir 10% de eficiência em relação a um projeto comum. Ao término de cada uma das etapas, será elaborado um relatório técnico detalhando o consumo de energia do empreendimento de forma comparativa a um empreendimento que tenha sido projetado rigorosamente de acordo com a ASHRAE , permitindo assim identificar o seu nível de eficiência energética e se o pré-requisito foi atendido. Observação: Quando contratado o serviço de consultoria para LEED, o serviço de comissionamento já estará incluso e será executado, pois é pré-requisito para obtenção da certificação LEED Taxas As taxas de certificação serão pagas ao GBCI, através do site, para registro do projeto e do processo. Todas as taxas pagas não serão reembolsadas sob nenhum motivo Documentação Todas as aplicações de certificação devem incluir a seguinte documentação: Documentos gerais da obra Documentação dos pré-requisitos Documentação dos créditos Os documentos requerem uma narrativa submetida em conjunto, descrevendo em detalhes itens como empresa responsável pela obra, local da obra, equipes, etc. A equipe da obra, junto com os consultores, deve providenciar detalhes, esclarecimentos e itens necessários para descrever melhor o projeto Conclusão da Auditoria de Certificação A Equipe Auditora do USGBC deve analisar todas as informações e evidências coletadas durante a consultoria a fim de constatar e concordar quanto às conclusões. No caso de Comissionamento e Consultoria para Certificação LEED, é feita a compilação dos dados levantados durante o processo e upload no site do USGBC para avaliação e emissão da certificação. Especificadamente para Comissionamento Fundamental, o Relatório Sumário de Comissionamento será encaminhado ao GBCI (LEEDonline).

5 Página: 5/7 Na reunião de encerramento, o cliente será informado do resultado da consultoria e receberá uma cópia do 961-FO Registro de Projeto (Checklist)_LEED. Caso ocorram não conformidades ou que os dados estejam sob discussão no USGBC, o cliente será informado e poderá recorrer da decisão Emissão e envio do certificado No caso do processo ser aprovado, é emitido e enviado o certificado de conformidade ao cliente após a assinatura do termo de aceite e cumprimento das condições comerciais entre o GBCI e o cliente. O certificado será emitido conforme os padrões do GBCI, em até seis meses após a conclusão da obra. 7. OBRIGAÇÕES DO CONTRATANTE/SOLICITANTE a. Prontamente fornecer à TÜV Rheinland e seus consultores dados e documentos solicitados para consultoria de certificação, bem como facilitar o acesso destes às instalações da empresa, aos registros e ao pessoal, quando assim for necessário e solicitado; b. Cumprir as obrigações previstas na norma objeto de certificação e nesta regra de certificação; c. Interromper o uso da Marca de Identificação da Certificação em relação ao escopo cujo certificado tenha terminado, sido suspenso ou revogada a validade; d. Manter seus dados cadastrais atualizados junto à TÜV Rheinland; e. Somente declarar que é certificada em relação ao escopo contratado e certificado; f. Não usar a certificação de maneira a prejudicar a imagem do USGBC; g. Não fazer declarações não autorizadas sobre a certificação; h. Usar a certificação apenas para indicar que o escopo está de acordo com a norma objeto da certificação i. Não utilizar o certificado e a Marca de Identificação da Certificação de maneira enganosa. 8. OBRIGAÇÕES DA TÜV RHEINLAND a. Disponibilizar para o cliente o Plano de consultoria conforme o cronograma da obra b. Avaliar evidências objetivas suficientes nas quais possa basear uma decisão de certificação; c. Auxiliar na obtenção de detalhes para confirmar créditos d. Manter o cliente informado sobre eventuais mudanças nos documentos que regem a certificação; e. Manter confidencialidade sobre todo e qualquer dado do cliente (inclusive informações provenientes de outras fontes, tais como reclamantes e regulamentadores), que venha a ter acesso por força das etapas do processo de certificação e exigir dos seus consultores o mesmo sigilo. f. Manter em vigor a(s) marca(s) que compõem a Marca de Identificação da Certificação; g. Responsabilizar-se pelo seu pessoal, incluindo consultores, especialistas e trainees; h. Substituir os consultores, quando solicitado e justificado formalmente pelo cliente. i. Quando a TÜV Rheinland for obrigada por lei a fornecer informações confidenciais a terceiros, o cliente ou pessoa envolvida deve, a menos se regulamentado por lei, ser notificado antecipadamente das informações fornecidas. j. Fornecer o nome e quando solicitado tornar disponíveis as informações curriculares de cada membro de equipe auditora com o tempo suficiente para o cliente discordar da designação de qualquer auditor ou especialista técnico em especial para que a TÜV Rheinland possa eventualmente recompor a equipe. 9. LICENÇA DE USO DO CERTIFICADO A autorização para o uso do certificado USGBC e da Marca de Identificação da Certificação LEED aplica-se exclusivamente à obra inscrita no GBCI.

6 Página: 6/7 É responsabilidade do cliente garantir que o certificado do USGBC e a marca LEED somente sejam utilizados em publicidade de modo coerente ao da certificação da empresa ou escopo de aplicação do contratante. O USGBC concede ao contratante o direito não exclusivo de utilizar-se da Marca de Identificação da Certificação LEED em caráter condicional, limitado, oneroso, temporário e revogável, conforme tratado no primeiro parágrafo deste item, de acordo com o que foi estabelecido anteriormente. Para maiores informações sobre o uso da marca, politicas de privacidade e guias de aplicação, verificar no site do USGB e do GBCI. 10. APELAÇÕES O USGBC e o GBCI recebem apelações através do site e estas serão encaminhadas pela equipe de consultoria, com os devidos esclarecimentos que se fizerem necessários. 11. RECLAMAÇÕES A TÜV Rheinland, ao receber uma reclamação, confirma se a mesma está relacionada com as atividades de certificação pelas quais é responsável (esta confirmação pode ser através da consulta ao banco de dados que descreve as atividades de certificação de cada cliente certificado) e caso esteja, procede ao tratamento da reclamação no 203-FO-008, sujeitando-se aos requisitos de confidencialidade em relação ao reclamante e ao assunto da reclamação. Em alguns casos, deverá ser analisada a eficácia do sistema de gestão certificado. Em qualquer reclamação sobre um cliente certificado, a TÜV Rheinland informa formalmente ao cliente certificado em um prazo de até 15 dias. Para garantir a descrição geral do processo de recebimento, rastreamento, etc, a TÜV Rheinland documenta todas as tratativas do processo em questão no 203-FO-008 e, caso sejam necessárias outras ações, a mesma será encaminhada ao Superintendente Técnico de Sistemas ou a Coordenadora de Sistemas para as devidas ações. Sempre que possível, a TÜV Rheinland fornece ao reclamante relatórios de andamento e o resultado. A decisão a ser comunicada ao reclamante é feita pelo Superintendente Técnico de Sistemas ou Coordenador de Sistemas ou Analista de Qualidade. Caso estes não tenham sido envolvidos com o assunto da reclamação deverão designar os responsáveis por esta comunicação. A TÜV Rheinland envia ao reclamante uma notificação formal (carta ou ) do término do processo de tratamento da reclamação. A TÜV Rheinland determina juntamente com o cliente e o reclamante, por ou carta, se o assunto da reclamação ou solução deve se tornar público e, se assim for, em que extensão. NOTA: Nos casos de irregularidades, reclamações, sugestões ou denúncias, estas devem ser formalizadas junto ao setor de qualidade interna da TÜV Rheinland ou através do site ou 12. RENÚNCIA A empresa pode renunciar à certificação: a. No vencimento do contrato de certificação; b. A qualquer momento, com um aviso prévio de 30 dias; A renúncia poderá ter as seguintes motivações: a. Quando não aceitar as variações das condições econômicas; b. Quando não aceitar as variações introduzidas nesta Regra de Certificação e norma objeto de certificação; c. Quando não aceitar as variações das normas de referência; d. Por outros motivos que devem ser analisados pela TÜV Rheinland.

7 Página: 7/ No caso de renúncia, a empresa obriga-se a: a. Encaminhar à TÜV Rheinland documento assinado pelo seu responsável legal ou quem por ele designado informando a sua decisão; b. Quitar eventuais dívidas com a TÜV Rheinland; c. Restituir e não mais utilizar o certificado de conformidade d. Não utilizar mais a Marca de Identificação da Certificação LEED; e. Destruir todo material publicitário que faça alusão à certificação ou à Marca de Identificação da Certificação LEED. 13. GARANTIA Em especial, a TÜV Rheinland não garante que o certificado LEED possa ser utilizado, pela empresa certificada, de forma ilimitada e para fins de publicidade / propaganda. 14. DOCUMENTOS RELACIONADOS 961-FO Solicitação de orçamento e Análise Crítica para Certificação LEED 961-FO Memorial de cálculo LEED 961-FO Registro de projeto (checklist) LEED 961-FO Checklist Comissionamento 961-FO Boletim de medição de serviços BM 961-FO Relatório de Visita e Comissionamento para LEED 961-FO Motores Elétricos 961-FO Planilha Geral de Iluminação 961-FO Scorecard TÜV LEED 203-FO Registro de Reclamações, Sugestões, Denúncias e Apelações 15. REVISÕES EFETUADAS Data Revisão Responsável 16/06/14 Atualização do documento. Vanessa/Caroline/Rita

Selo de Eficiência Energética Industrial

Selo de Eficiência Energética Industrial Página: 1/9 Elaborado por: Sebastián del Valle Rosales Verificado por: Suzete Schipa Suzuki Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 15/07/2010 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

ISO 14064:2006 Gases de Efeito Estufa

ISO 14064:2006 Gases de Efeito Estufa Página: 1/9 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente

Leia mais

NBR ISO 14064:2007 Gases de Efeito Estufa

NBR ISO 14064:2007 Gases de Efeito Estufa 961-RC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Plínio Pereira Data Aprovação: 19/08/2014 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é o

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Doc:700-RC-001 Página: 1/11 Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 09/12/2013 1 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Selo LEED de Construção Sustentável

Selo LEED de Construção Sustentável Página: 1/6 Elaborado por: Rita Toscano Verificado por: Suzete Schipa Suzuki Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 29/09/2011 Sebastian del Valle Rosales A Empresa abaixo identificada declara conhecer

Leia mais

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES

GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES GUIA DE AUDITORIA PARA OS EMPREENDEDORES Março de 2014 www.aqua-hqe.com.br SUMÁRIO 1. Objetivos da auditoria 2. Definições e abreviações 2.1 Mandatário da auditoria 2.2 Auditado 2.3 Equipe de auditoria

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO. 700-RC-002 Regra de Certificação para Sistemas de Gestão

SISTEMAS DE GESTÃO. 700-RC-002 Regra de Certificação para Sistemas de Gestão Doc. 700-RC-002 Página: 1/20 Elaborado por: Mayara Paulino Verificado por: Plinio Pereira Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/2013 700-RC-002 Regra de Certificação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO. Regra de Certificação para Sistemas de Gestão

SISTEMAS DE GESTÃO. Regra de Certificação para Sistemas de Gestão Doc. 830-RC-001 Página: 1/1 Elaborado por: Mayara Paulino Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Plinio Pereira Data Aprovação: 13/02/2015 Regra de Certificação para Sistemas de Gestão Página: 2/2

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO 1 de 10 1. OBJETIVO Este regulamento tem como objetivo definir as regras que regem o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi) e os principais conceitos aplicáveis aos processos de auditoria

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Razão Social: Astra Rio Saneamento Básico Ltda Nome fantasia: Astral Saúde Ambiental

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

Unicamp Universidade Estadual de Campinas. Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso

Unicamp Universidade Estadual de Campinas. Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso Unicamp Universidade Estadual de Campinas FT - Faculdade de Tecnologia Limeira - SP Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso Revisão 2012 I Objetivo Artigo 1. O objetivo do Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN

Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN Regulamento da Promoção TEST LIFE EVEN A) DO TEST LIFE 1. A presente promoção é realizada pela EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S/A, por si e pelas empresas de seu grupo econômico, doravante GRUPO EVEN,

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições:

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições: A Contratada Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, sediada na Rodovia Campinas/Mogi-Mirim (SP-340), Km 118,5, em Campinas SP, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 02.641.663/0001-10

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE

CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE CONTRATO DE HOSPEDAGEM E DESENVOLVIMENTO DE WEB SITE PREAMBULO PARTES: CONTRATADA: SISTEMAS GERAIS DA INFORMAÇÃO inscrita no CNPJ sob nº 12.777.502/0001-02; doravante designada simplesmente CONTRATADA.

Leia mais

CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION

CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION Pelo presente instrumento particular, de um lado: Winco Sistemas Ltda., pessoa jurídica de direito privado, com sede estabelecida à Rua Amazonas, 669 sala 37, Centro da

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria

Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria Contrato (on-line) de prestação de serviços Papelaria Última modificação: 28/10/2015 Estes Termos e Condições Gerais aplicam-se ao uso dos serviços oferecidos pela DECOLA LOGO LTDA - EPP, empresa devidamente

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte Local/Data: Brasília, 20 de setembro de 2013 GTI-003/2013 Fl. 1/7 Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte 1. INTRODUÇÃO: A presente Nota

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

PARÁGRAFO QUARTO: O processo de implantação do ssotica constará das seguintes atividades:

PARÁGRAFO QUARTO: O processo de implantação do ssotica constará das seguintes atividades: CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pelo presente instrumento particular de contrato de prestação de serviços, de um lado a IPÊ TECNOLOGIA EM SISTEMAS LTDA, pessoa jurídica com sede na cidade de Uberlândia-MG,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010 CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL 04 / 2010 A Companhia de Desenvolvimento de Vitória CDV torna público o presente Edital e comunica que receberá solicitações de financiamento de bolsas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LINGUISTICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LINGUISTICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LINGUISTICOS Assinam o presente contrato, as partes: Prestador de Serviço: Laerte José da Silva, doravante TRADUTOR, residente à Rua Maria Cândida de Jesus, 485/402, Belo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DISMED MAIS O PROGRAMA DISMED MAIS ("PROGRAMA"), desenvolvido pela empresa DISMED DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS OLÍMPIA LTDA, sociedade por cotas de responsabilidade limitada, estabelecida

Leia mais

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO:

NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: NORMAS DE DILIGÊNCIA TÉCNICA DE VERIFICAÇÃO: Considerando: - A Lei nº 12.232/10 estabelece no seu art. 4º que, para participar de licitações públicas, as agências

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG

CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG Pelo presente instrumento particular, de um lado: Winco Sistemas Ltda., pessoa jurídica de direito privado, com sede estabelecida à Rua Amazonas, 669 sala 37, Centro

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

OUVIDORIA GRUPO CARDIF DO BRASIL REGULAMENTO

OUVIDORIA GRUPO CARDIF DO BRASIL REGULAMENTO OUVIDORIA GRUPO CARDIF DO BRASIL REGULAMENTO Art. 1º - DA CONSTITUIÇÃO 1.1. Pela Diretoria do Grupo Cardif do Brasil ( Grupo Cardif ), composto pelas empresas Cardif do Brasil Vida e Previdência S/A, Cardif

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

OFERTA: SITE INSTITUCIONAL. 1. Definições

OFERTA: SITE INSTITUCIONAL. 1. Definições OFERTA: SITE INSTITUCIONAL 1. Definições OFERTA VIGENTE: Forma(s) de disponibilização do(s) RECURSO(S) ao CONTRATANTE, constante(s) nesse Contrato, válida(s) para o ATO DA CONSULTA. RECURSO: Serviço(s)

Leia mais

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO DA EMPRESA A TREND FAIRS E CONGRESSES OPERADORA DE VIAGENS PROFISSIONAIS LTDA, empresa com sede na Cidade de São Paulo, SP, na Rua Sete de Abril,

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb. Banco Interamericano de Desenvolvimento POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.org 1 Í N D I C E Página

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS

RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS RETIFICAÇÃO EDITAL Nº 17/2015 AUXÍLIO DE DIÁRIAS PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 024/2015 PRPGP/UFSM Programa PROIC-HUSM Programa de Bolsas de Iniciação Científica ou Auxílio

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS

CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRATO DICQ Nº / (à ser preenchido pelo DICQ) DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALI- DADE DE LABORATÓRIO

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil Programa TSP Perguntas Frequentes 1. O que é o programa TSP? O programa TSP (do inglês Trademark Service Provider) foi criado no início de 2011 pelo FSC Internacional e diz respeito ao uso das marcas registradas

Leia mais

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS

TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS TERMO DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO GVT SOS DISPOSITIVOS Pelo presente Termo de Uso, de um lado a GVTXXXXXXXXX., sociedade com sede social na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na XXXXXXXXXXXXXXXXXX,

Leia mais

Diário Oficial da Cidade de São Paulo

Diário Oficial da Cidade de São Paulo Diário Oficial da Cidade de São Paulo Nº 163 DOM de 30/08/08 PORTARIA REPUBLICADA POR TER SAÍDO NA SECRETARIA ERRADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE PARTICIPAÇÃO E PARCERIA nas páginas 07 e 08 do Diário Oficial

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

BOLSA PDSE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR

BOLSA PDSE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR Program a de Pós-Graduação em Enfermagem SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE BOLSA PDSE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA

CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA CONTRATO DE ADESÃO DA SOLUÇÃO MEDICINA DIRETA 1. DAS PARTES NEODEL TECNOLOGIA E SOFTWARE LTDA, com sede à Rua Alvorada, no. 64 Conjunto 42, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São Paulo, SP, Cep: 04550-000,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 09/2014 AUXÍLIO PARA PUBLICAÇÃO EM EVENTOS

Leia mais

CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO

CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO São partes ( Partes ), neste instrumento particular ( Contrato ):, inscrito no CNPJ/MF sob n.o, com sede na cidade de, estado de na, doravante denominado LICENCIADO,

Leia mais

Soluções de vídeos na Internet www.k2tv.com.br POLÍTICAS DE USO

Soluções de vídeos na Internet www.k2tv.com.br POLÍTICAS DE USO POLÍTICAS DE USO 1. Como nosso cliente, você terá responsabilidades legais e éticas quanto ao uso dos serviços. A K2TV se reserva ao direito de suspender ou cancelar o acesso a conta de um cliente a qualquer

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO DE ÀREA DE ATUAÇÃO EM MEDICINA PALIATIVA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO DE ÀREA DE ATUAÇÃO EM MEDICINA PALIATIVA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA PARA OBTENÇÃO DO CERTIFICADO DE ÀREA DE ATUAÇÃO EM MEDICINA PALIATIVA Pelo presente edital a AMB e a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP)

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, exclusão e extensão da certificação de processo gráfico de acordo com a norma ABNT NBR 15936-1. 2. DEFINIÇÕES Para

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, de 14 de abril de 2014. Regulamenta o Programa de Concessão de Bolsas para a Participação dos Estudantes do Câmpus Restinga em Atividades Curriculares Externas. O Diretor Geral

Leia mais

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa

Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa Documentos Necessários ao Protocolo de Pesquisa 3. PROTOCOLO DE PESQUISA 3.1) Protocolo de pesquisa: é o conjunto de documentos, que pode ser variável a depender do tema, incluindo o projeto, e que apresenta

Leia mais

IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001. Atividade Autoridade Responsabilidade

IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001. Atividade Autoridade Responsabilidade IN 105 ATENDIMENTO AO CLIENTE 001 1 OBJETIVO Estabelecer as orientações e procedimentos para prestar o atendimento ao cliente que procura algum dos serviços ou produtos que compõe o portfólio e/ou o atendimento

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

Centro Institucional de Pesquisa

Centro Institucional de Pesquisa Centro Institucional de Pesquisa Edital do Programa de Iniciação Científica (PIC UNISANTA) 01/2014 Dispõe sobre as normas contidas no Edital processo de chamada de propostas de projetos de iniciação científica

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N 012/2005. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais,

RESOLUÇÃO CFP N 012/2005. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais, RESOLUÇÃO CFP N 012/2005 Regulamenta o atendimento psicoterapêutico e outros serviços psicológicos mediados por computador e revoga a Resolução CFP N 003/2000. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais