Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores"

Transcrição

1 Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de consumidores de energia divididos de acordo com o nível de tensão e para cada um desses grupos, existe um tipo de contratação de energia. Além da diferenciação por quantidade de demanda de energia, existe também diferenças na mensuração e faturação, uma vez que os grupos podem ou não possuir cobrança por demanda de potência. No Ambiente de Contratação Regulada (ACR), os clientes são divididos em dois grandes grupos, A e B, sendo o grupo A para médios e grandes consumidores e o grupo B para pequenos. Dentro do grupo dos grandes consumidores (A), existem subgrupos também divididos por nível de tensão (variando de 2,3 kv até 690 kv), além do subgrupo AS que é para sistemas subterrâneos. O objeto de estudo desse trabalho é o grupo A4 (de 2,3 kv a 25 kv), para grandes consumidores. Para os consumidores do grupo A4 com demanda de energia contratada maior que 3 MW e tensão igual ou maior que 69 kv ou demanda igual ou superior a 500 kw, com qualquer tensão de fornecimento, desde que a energia adquirida seja proveniente de pequenas centrais hidrelétricas ou de fonte solar, eólica e biomassa têm duas opções de contratação de energia: manter o Ambiente de Contratação Regulada (ACR) ou Ambiente de Contratação Livre (ACL). O Ambiente de Contratação Livre (ACL) é o mercado em que os consumidores podem escolher seu fornecedor de energia, negociando livremente um conjunto de variáveis como prazo contratual, preços, variação do preço ao longo do tempo e serviços associados à comercialização. Ao participar do mercado livre o consumidor assume responsabilidades em relação a sua exposição aos preços da energia, mas tem a oportunidade de ser atendido de forma individual, conforme suas características de consumo, o que não é oferecido no mercado cativo. O mercado livre, com sua capacidade de reconhecer a individualidade de cada consumidor em lidar com os riscos e oportunidades da

2 comercialização de energia promove a inovação e o equilíbrio entre oferta e demanda com decisões descentralizadas sobre o consumo e a produção de energia. No ambiente de contratação regulada, os contratos são bilaterais entre distribuidores locais e agentes vendedores de energia, que por sua vez, repassam a energia para os grandes consumidores. Além desses contratos, a energia pode ser adquirida através de leilões. O maior desafio de quem é consumidor do ACR é definir a demanda contratada adequada, coerente com o seu consumo e que minimize seus custos. Impostos sobre a Compra de Energia Devemos considerar os impostos que estão embutidos no preço do fornecimento de energia elétrica. As tarifas aplicadas são: Programas de Integração Social (PIS), Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) e Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Nas cobranças de compra de energia estão presentes tarifas federais e estaduais, recolhidas e repassadas as autoridades competentes pela sua cobrança. Das cobranças citadas acima, os dois primeiro federais e o terceiro estadual. Para os consumidores cativo e para as tarifas de uso do sistema de distribuição do consumidor livre, a ANEEL publica tarifas sem a incidência de tributos, e com base nesses valores as distribuidoras incluem os tributos segundo a formulação abaixo: tarifa tarifa publicada pela ANEEL final 1 PIS COFINS ICMS Antes da edição das leis n os /2002, /2003 e /2004, o PIS e a COFINS eram cumulativos, com alíquotas de 0,65% e 3% apenas sobre o faturamento bruto da concessionária, respectivamente. Com a edição das citadas leis, o PIS e a COFINS tiveram suas alíquotas alteradas para 1,65% e 7,6%, respectivamente, apuradas de forma não cumulativa. Isso significa que além de pagar o débito do PIS e da COFINS sobre o faturamento bruto, a distribuidora também recebe crédito pela aplicação dos mesmos impostos sobre custos e despesas. Assim, a alíquota média do PIS e da COFINS vai variar de acordo com o volume de créditos apurados mensalmente por cada concessionária. Sobre o ICMS, este imposto incide sobre as operações relativas à circulação de mercadorias e serviços e é de competência dos governos estaduais e do Distrito Federal.

3 O ICMS é regulamentado pelo código tributário de cada estado por isso, as alíquotas variam em cada estado. A distribuidora tem a obrigação de realizar a cobrança do ICMS direto na fatura e repassá-lo integralmente ao governo estadual. Estrutura Tarifária O objetivo dessa estrutura tarifária é racionalizar o consumo de energia elétrica ao longo do dia e do ano, motivando o consumidor, pelo valor diferenciado das tarifas, a consumir mais energia elétrica nos horários do dia e nos períodos do ano em que ela for mais barata. Para as horas do dia são estabelecidos dois períodos, denominados postos tarifários. O posto tarifário ponta corresponde ao período de maior consumo de energia elétrica, que ocorre entre 18 e 21 horas do dia. O posto tarifário fora da ponta compreende as demais horas dos dias úteis e as 24 horas dos sábados, domingos e feriados. As tarifas no horário de ponta são mais elevadas do que no horário fora de ponta. Já para o ano, são estabelecidos dois períodos: período seco, quando a incidência de chuvas é menor, e período úmido quando é maior o volume de chuvas. As tarifas no período seco são mais altas, refletindo o maior custo de produção de energia elétrica devido à menor quantidade de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas, provocando a eventual necessidade de complementação da carga por geração térmica, que é mais cara. O período seco compreende os meses de maio a novembro e o período úmido os meses de dezembro a abril. Modalidades Cativo O ambiente cativo de contratação de energia, também conhecido como Ambiente de Contratação Regulada (ACR), é aquele em os acordos de compra e venda são feitos entre consumidor e distribuidora, senda esta sujeita às regras vigentes da ANEEL para a fixação de preços e condições de fornecimento. Para o consumidor deste ambiente de contratação, a principal vantagem é que não há riscos inerentes quanto ao aumento repentino das tarifas, pois todas as tarifas possuem valor fixo, definido pela ANEEL, que é conhecido anteriormente pelo consumidor e sofre apenas de reajustes anuais. Assim, é possível acordar um contrato que garante seu abastecimento de energia e permite fazer uma projeção confiável de custos. Os consumidores inseridos nesta modalidade de contratação podem ser divididos nos grupos A e B, como anteriormente citado, sendo que o grupo A pode ser divido em três modalidades: Convencional, Verde e Azul, sendo estas referentes à

4 contratação de demanda. Em relação à demanda contratada, há o caso de um único valor para todo o dia, sem a diferenciação para horário de ponta e horário fora de ponta, para o grupo Verde e Convencional, e um valor para cada horário para o grupo Azul. No grupo B não há contratação de demanda. Em relação aos períodos do ano, as modalidades cativo Azul, Verde e o Grupo B, possuem a diferenciação de tarifas de consumo de energia para os períodos úmido e seco, enquanto a modalidade cativo possui uma tarifa fixa para ambos os períodos. A ferramenta desenvolvida neste trabalho se destina a simulação de custos de consumidores inseridos nos grupo Verde ou Azul, mas todas as modalidades podem ser simuladas. Geradores Considerando o alto custo que grandes consumidores possuem com seus contratos de energia, estes algumas vezes optam por obter geradores próprios e produzir sua própria energia, principalmente no horário de ponta, quando a tarifa de energia é mais cara. Desta forma, o custo obtido com o gerador envolve sua manutenção e o custo do combustível utilizado por este, que deve ser menor que o custo da tarifa de energia para ser vantajoso ao consumidor. Assim, a energia que o gerador produzir será diminuída da energia que o consumidor necessitará da distribuidora, diminuindo dessa forma seus custos. No entanto, vale a ressalva que não é possível produzir mais energia que a utilizada, pois armazenar a energia produzida e não utilizada gera custos extras e não vantajosos para o consumidor. No simulador desenvolvido neste projeto, para considerar os geradores é necessário criar uma função que reproduza o custo de produção de energia do gerador. Assim, foi utilizado um conjunto de dados referentes ao funcionamento do grupo de geradores instalados no consumidor. Os dados incluem período de funcionamento, volume de combustível gasto, energia produzida por cada gerador, e energia produzida diária total. A partir disto, o objetivo é reproduzir o custo de geração inerente aos geradores. O ponto de partida para esta modelagem foi considerar alguns itens listados abaixo: É fixado que sempre são ligados todos os geradores existentes, ou seja, toda a potência instalada é utilizada.

5 Após a aquisição dos geradores, o único custo de geração é proveniente da compra de combustível. Assim, serão utilizadas médias diárias de custo de combustível e energia gerada para cada mês com de forma a determinar a relação cg, que representa o coeficiente de custo, ou tarifa de energia do gerador. Energia Plus Com grandes consumidores optando pela compra de geradores e dessa forma comprando menos energia das distribuidoras, estas passaram a lucrar menos e então criaram a possibilidade da energia plus. É a opção de uma tarifa mais barata que a tarifa regular, mas que é levemente mais cara que o custo do combustível do gerador. No entanto, o consumidor não teria que lidar com os custos de manutenção do gerador. Assim, é acordada a chamada energia de referência, sobre a qual a tarifa de energia regular é cobrada e então a diferença entre a energia efetivamente consumida e esta energia de referência (caso exista a diferença) é cobrada com a tarifa regular. Modalidade Livre Os contratos de energia no ambiente livre são caracterizados pela definição de um montante de energia a ser disponibilizado pelo gerador em certo período, geralmente de um ano. Este montante é sazonalizado ao longo dos meses de acordo com as características de consumo. Entende-se por sazonalização a divisão do total contratado para o período entre os meses. No caso de o consumidor ultrapassar ou não atingir a quantidade contratada para determinado mês, a quantidade ultrapassada ou remanescente fica sujeita a uma tarifa diferenciada para compra ou venda, o preço spot. O preço spot, ou Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), é uma tarifa semanal aplicada na compra e venda de energia a curto prazo. A composição de seu valor fica sujeita principalmente a disponibilidade

6 de água nos reservatórios de hidrelétricas e ao nível de precipitação pluviométrico, o que é a maior desvantagem dessa modalidade, pois significa um alto índice de incerteza para os consumidores com este tipo de contrato. Neste trabalho serão utilizadas médias mensais para os preços spot. É necessário citar a existência de dois tipos de contratados a serem firmados: energia proveniente de fontes não incentivadas, e energia proveniente de fontes incentivadas. Uma fonte de energia é caracterizada como incentivada se for uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), Biomassa, Solar ou Eólica. Dentro do grupo de energias incentivadas há ainda a divisão entre fontes que oferecem 50% de desconto na composição da tarifas de uso do sistema de distribuição (TUSD) e as que oferecem 100% de desconto na composição da TUSD. Os valores da TUSD serão apresentados posteriormente no simulador. Para contratar energia provenient de fontes incentivadas, o consumidor deve possuir carga maior ou igual a 500 kw. O Simulador O principal objetivo deste projeto é a criação de um simulador, utilizando linguagem de programação VBA em conjunto com o Microsoft Excel, que possibilite ao consumidor a análise das diferentes modalidades para seu tipo de consumo. Assim, com base no conhecimento nas áreas de comercialização de energia no mercado livre e no mercado cativo, e todos esses tomando como base as regras de comercialização do mercado de energia elétrica brasileiro, como explicado acima, foi desenvolvido o programa de tal forma que o usuário possa introduzir os dados de seu consumo, provenientes de sua distribuidora. No simulador, há diferentes opções de forma a facilitar o usuário. Desta forma, primeiramente, o usuário pode introduzir seus dados através da importação e então ajustar os feriados referentes ao período estudado por ele e também ajustar o funcionamento do gerador, caso esta seja uma opção viável para este consumidor.

7 Figura 1 Página inicial do simulador com opções de importação, ajuste de feriados e do funcionamento do gerador além de escolha para os módulos a serem simulados Em seguida, ele deve escolher a modalidade que vai simular. A primeira escolha é entre a modalidade livre, a modalidade cativo ou fazer uma comparação entre as modalidades. Caso o usuário escolha a modalidade livre, ele poderá simular os cenários de energia incentivada sem desconto, com 50% de energia incentivada ou 100% de energia incentivada (descontos abatidos nas tarifas da TUSD). Figura 2 Modalidade livre com opções de energia sem incentivo e com incentivo de 50% e 100%. O resultado da modalidade livre se dá por:

8 Figura 3 Resultados quantitativos para modalidade livre Caso opte pela modalidade cativo, ainda há a divisão nos grupos A e B. O grupo B, para consumidores menores e o grupo A se divide novamente em três modalidades: Verde, Azul e Convencional, como explicado anteriormente. Figura 4 Opções de grupos para a modalidade cativo Figura 5 Opções para o grupo A Em todas as modalidades cativo, o consumidor deve entrar com os dados de tarifas, sejam elas de demanda, se existir, ou de consumo. E ainda, para os casos Azul e Verde, a quantidade de demanda contratada. Estes dados atualizados, podem ser encontrados tanto nas contas de luz quanto no site da ANEEL.

9 Entrada de dados para a Modalidade Cativo Azul Figura 6

10 Figura 7 Entrada de dados para a Modalidade Cativo Verde Figura 8 Entrada de dados para a Modalidade Cativo Convencional Figura 9 Entrada de dados para o consumidor do Grupo B Após a entrada dos dados da modalidade escolhida pelo consumidor, este deve executar a simulação do grupo ou modalidade escolhido. O resultado se dá por:

11 Figura 10- Resultados para a modalidade cativo azul, embora semelhante para todas as modalidades. Como explicado anteriormente, o consumidor deve optar por uma modalidade na qual contratará sua energia. Com isto em mente, foi criado uma opção nesta ferramenta em que se pode fazer duas comparações: Modalidade Cativo (ACR) x Modalidade Livre (ACL) e Modalidade Cativo (ACR) x Modalidade Cativo com energia plus (ACR plus). Assim, caso a opção comparação seja escolhida pelo usuário no menu inicial: Figura 11 Opções de comparação Na opção ACR x ACR plus, o usuário entrará com dados fixos para a modalidade cativo e na opção de energia plus, entrará com um intervalo de dados. Desta forma,

12 pode-se avaliar para qual valor da energia plus a modalidade cativo sem esta passa a ser a melhor opção. Como exemplo, para a modalidade cativo verde no primeiro mês do ano de 2011: Figura 12 Resultado da comparação ACR x ACR plus Com este resultado, fica claro que a energia plus custando menos de 1.88 R$/kWh é uma opção melhor que a modalidade cativo sem esta. E a partir deste valor, a melhor opção seria o oposto. Na opção ACR x ACL, o usuário deve entrar com os dados como na primeira opção de modalidade cativo apresentada neste relatório, no entanto, quando for entrar os dados para a modalidade livre, deverá escolher um intervalo de dados para a tarifação de energia, fazendo uma comparação similar a apresentada acima. Tomando como exemplo, a modalidade cativo verde sendo comparada a modalidade livre, sem desconto, temos que:

13 Figura 13 Resultado da comparação ACR x ACL Todos os testes realizados com este simulador foram feitos com dados de tarifação de abril de 2014 e provenientes da Light para o ano de 2011 de um grande consumidor na modalidade A4. Viabilidade de geradores Foi feito um estudo para a viabilidade da compra de geradores para um grande consumidor utilizando o simulador desenvolvido. Para este consumidor, as possibilidades eram a modalidade cativo ver e modalidade cativo azul. O custo de produção do gerador para o estudo proposto, sem considerar a manutenção, é de 440 R$/MWh. Como em geral as tarifas de energia praticadas pelas distribuidoras no horário da ponta são maiores que o custo de produção do gerador, utilizar o gerador quase sempre é uma alternativa viável. Por falta de dados do período úmido, foi considerada uma diferença na tarifa no período seco em relação ao período úmido de 10%, como é comum acontecer. As simulações foram feitas considerando o consumo de energia elétrica do ano de 2011 e as tarifas praticadas foram obtidas no site da Light. O acionamento dos geradores foi definido de forma a maximizar o benefício do seu uso, sendo, para o mês de Julho, acionado um gerador de 500kW, para os meses de Janeiro, Fevereiro, Maio, Junho, Agosto, Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro, foram utilizados dois geradores de potência 500kW e para os meses de Abril e Março, foram utilizados os três geradores de potência 500kW. Com um custo estimado de R$ ,00 por gerador, na compra de três geradores, seriam gastos R$ ,00. Assim, em aproximadamente 8 meses o custo dos geradores seria amortizado. Abaixo, a tabela com o resultado da simulação para a Modalidade Verde, nas condições acima descritas: Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,10 R$ ,91 R$ ,19 Fevereiro R$ ,45 R$ ,32 R$ ,13 Março R$ ,24 R$ ,28 R$ ,96 Abril R$ ,07 R$ ,28 R$ ,79 Maio R$ ,56 R$ ,71 R$ ,85

14 Junho R$ ,93 R$ ,08 R$ ,85 Julho R$ ,94 R$ ,80 R$ ,14 Agosto R$ ,44 R$ ,86 R$ ,58 Setembro R$ ,64 R$ ,78 R$ ,86 Outubro R$ ,11 R$ ,97 R$ ,14 Novembro R$ ,41 R$ ,56 R$ ,85 Dezembro R$ ,88 R$ ,64 R$ ,24 Valor Anual R$ ,77 R$ ,19 R$ ,58 Tabela 1: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Verde considerando três geradores instalados. No entanto, como Abril e Março são os únicos meses em que os três geradores são utilizados, considerando a compra de apenas dois geradores, o resultado mudaria sensivelmente. A Tabela 2 apresenta os custos da simulação do faturamento do consumidor sem e com o grupo de geradores para o ano de 2011, considerando apenas duas unidades instaladas. Neste caso, a economia gerada pela utilização do grupo de geradores é de R$ ,32. Com esta configuração, os dois geradores somariam um gasto de R$ ,00. Assim, em aproximadamente 6 meses, o custo de aquisição dos geradores seria amortizado. Considerando um custo de manutenção diário de R$67,44/h, o custo de produção do gerador subiria para R$579,28/kWh e, com isto, a economia diminuiria um pouco. Na Tabela 3 estão apresentados os resultados para a modalidade tarifária Verde, considerando o custo de manutenção dos geradores. Neste caso, para uma economia de R$ ,70, em 10 meses os três geradores teriam seus custos amortizados. Considerando a aquisição de apenas dois geradores o resultado seria diferente. Na Tabela 4, está apresentada a fatura do consumidor associado à utilização de apenas dois geradores, com seus respectivos custos de manutenção. Neste caso, dada a economia R$ ,92, o custo de aquisição dois geradores seria amortizado em aproximadamente 6,5 meses. Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,10 R$ ,91 R$ ,19 Fevereiro R$ ,45 R$ ,32 R$ ,13 Março R$ ,24 R$ ,94 R$ ,30 Abril R$ ,07 R$ ,88 R$ ,19 Maio R$ ,56 R$ ,71 R$ ,85 Junho R$ ,93 R$ ,08 R$ ,85 Julho R$ ,94 R$ ,80 R$ ,14

15 Agosto R$ ,44 R$ ,86 R$ ,58 Setembro R$ ,64 R$ ,78 R$ ,86 Outubro R$ ,11 R$ ,97 R$ ,14 Novembro R$ ,41 R$ ,56 R$ ,85 Dezembro R$ ,88 R$ ,64 R$ ,24 Valor Anual R$ ,77 R$ ,45 R$ ,32 Tabela 2: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Verde considerando dois geradores instalados. Mês Sem Gerador Resultados Gerador (Com Man.) Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,10 R$ ,55 R$ ,55 Fevereiro R$ ,45 R$ ,12 R$ ,33 Março R$ ,24 R$ ,76 R$ ,48 Abril R$ ,07 R$ ,24 R$ ,83 Maio R$ ,56 R$ ,19 R$ ,37 Junho R$ ,93 R$ ,56 R$ ,37 Julho R$ ,94 R$ ,44 R$ ,50 Agosto R$ ,44 R$ ,18 R$ ,26 Setembro R$ ,64 R$ ,26 R$ ,38 Outubro R$ ,11 R$ ,61 R$ ,50 Novembro R$ ,41 R$ ,04 R$ ,37 Dezembro R$ ,88 R$ ,12 R$ ,76 Valor Anual R$ ,77 R$ ,07 R$ ,70 Tabela 3: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Verde considerando três geradores instalados e o custo de manutenção dos respectivos geradores. Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador(Com Man.) Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,10 R$ ,55 R$ ,55 Fevereiro R$ ,45 R$ ,12 R$ ,33 Março R$ ,24 R$ ,26 R$ ,98 Abril R$ ,07 R$ ,52 R$ ,55 Maio R$ ,56 R$ ,19 R$ ,37 Junho R$ ,93 R$ ,56 R$ ,37 Julho R$ ,94 R$ ,44 R$ ,50 Agosto R$ ,44 R$ ,18 R$ ,26 Setembro R$ ,64 R$ ,26 R$ ,38 Outubro R$ ,11 R$ ,61 R$ ,50 Novembro R$ ,41 R$ ,04 R$ ,37 Dezembro R$ ,88 R$ ,12 R$ ,76 Valor Anual R$ ,77 R$ ,85 R$ ,92 Tabela 4: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Verde considerando dois geradores instalados e o custo de manutenção dos respectivos geradores.

16 A modalidade Azul se diferencia da modalidade Verde pela possibilidade de se definir uma demanda diferente no horário da ponta e fora da ponta. Porém, de acordo com o site da Light, as tarifas de energia da modalidade Azul são mais atraentes que o custo de produção do gerador, o que inviabilizaria a utilização de um grupo de geradores. Entretanto, ao utilizar o grupo de geradores, há a possibilidade de reduzir a demanda contratada na ponta, o que seria vantajoso para o consumidor. Observando o comportamento da curva de carga do consumidor (Figura 10), verifica-se que é possível diminuir um pouco a demanda contratada na ponta, mesmo sem utilizar o gerador, e, ainda assim, não pagar penalidade. Logo para a modalidade azul sem geradores, foi considerada uma demanda de 3000 kw para o horário de ponta e uma demanda de 3400 kw para o horário fora da ponta. No entanto, para simular a utilização do custo com gerador, pode-se diminuir ainda mais o valor da demanda contratada na ponta. Na Tabela 5, estão apresentados os parâmetros utilizados para simulação da modalidade Azul, considerando duas unidades geradoras, uma redução da demanda contratada na ponta. Observa-se que o custo de produção do gerador é maior que o custo da tarifa da energia no horário da ponta, o que, poderia levar a pensar que a utilização de um gerador nesta modalidade é inviável. Porém, como explicado antes, se considerarmos que a demanda na ponta poderá ser reduzida, a modalidade Azul poderia considerar a utilização do gerador. Para comparar os resultados da modalidade Azul, sem e com os geradores, utiliza-se a Tabela 6. Neste caso, é possível observar que utilizar o gerador na modalidade Azul é uma alternativa viável, pois resulta em uma economia de R$ ,59 anual, com relação à modalidade Azul sem os geradores. Esta economia foi obtida devido a redução da demanda contratada na ponta. Com um custo estimado de R$ ,00 por gerador, na compra de três geradores, seriam gastos R$ ,00. Dado a economia resultante da utilização dos três geradores (R$ ,59), em pouco mais de 11 meses os geradores seriam amortizados.

17 Tabela 5: Tarifas, custos e demanda contratada do consumidor na modalidade Azul utilizando o gerador. Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,67 R$ ,93 R$ ,74 Fevereiro R$ ,45 R$ ,04 R$ ,41 Março R$ ,94 R$ ,99 R$ ,95 Abril R$ ,49 R$ ,77 R$ ,72 Maio R$ ,21 R$ ,55 R$ ,66 Junho R$ ,14 R$ ,47 R$ ,67 Julho R$ ,19 R$ ,72 R$ ,47 Agosto R$ ,16 R$ ,30 R$ ,86 Setembro R$ ,19 R$ ,52 R$ ,67 Outubro R$ ,97 R$ ,09 R$ ,88 Novembro R$ ,20 R$ ,83 R$ ,37 Dezembro R$ ,28 R$ ,09 R$ ,19 Valor Anual R$ ,89 R$ ,30 R$ ,59 Tabela 6: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Azul considerando três geradores instalados. Se considerarmos a aquisição de apenas dois geradores, os custos simulados para o ano de 2011 seriam como apresentados na Tabela 7, onde a economia é ainda maior (R$ ,29). Este resultado foi obtido porque foi considerado o mesmo valor de demanda contratada na ponta para dois ou três geradores. Para a situação dois geradores, com a economia de R$ ,29 e um custo dos dois geradores de R$ , os geradores seriam amortizados em pouco mais de 6 meses. Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador Economia (sem gerador com gerador) Janeiro R$ ,67 R$ ,93 R$ ,74 Fevereiro R$ ,45 R$ ,04 R$ ,41 Março R$ ,94 R$ ,01 R$ ,93 Abril R$ ,49 R$ ,05 R$ ,44 Maio R$ ,21 R$ ,55 R$ ,66 Junho R$ ,14 R$ ,47 R$ ,67 Julho R$ ,19 R$ ,72 R$ ,47 Agosto R$ ,16 R$ ,30 R$ ,86 Setembro R$ ,19 R$ ,52 R$ ,67

18 Outubro R$ ,97 R$ ,09 R$ ,88 Novembro R$ ,20 R$ ,83 R$ ,37 Dezembro R$ ,28 R$ ,09 R$ ,19 Valor Anual R$ ,89 R$ ,60 R$ ,29 Tabela 7: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Azul considerando dois geradores instalados. Para levar em conta o custo de manutenção dos geradores na modalidade Azul, deve-se aumentar o custo de produção dos geradores, exatamente como feito na modalidade Verde. Na Tabela 8 está apresentada uma comparação entre a utilização três geradores, considerando seu custo de manutenção, e a simulação sem geradores, ambos para a modalidade Azul. Como se observa, a economia anual de utilizar os três geradores em relação a não utilizar geradores é de R$ ,71. Neste caso, a amortização dos geradores se dará em 13 meses. Na Tabela 9 está apresentada a fatura do consumidor considerando que apenas dois geradores foram instalados e seus respectivos custos de manutenção dos geradores. A economia para o caso de dois geradores foi de R$ ,89 ao ano e resultou maior que o caso de 3 geradores. A amortização dos geradores, neste caso, ocorrerá em pouco mais de 8 meses. Mês Sem Gerador Resultados Com Gerador(Com Man.) Economia Janeiro R$ ,67 R$ ,57 R$ ,10 Fevereiro R$ ,45 R$ ,84 R$ ,61 Março R$ ,94 R$ ,47 R$ ,47 Abril R$ ,49 R$ ,73 R$ ,76 Maio R$ ,21 R$ ,03 R$ ,18 Junho R$ ,14 R$ ,95 R$ ,19 Julho R$ ,19 R$ ,36 R$ ,83 Agosto R$ ,16 R$ ,62 R$ ,54 Setembro R$ ,19 R$ ,00 R$ ,19 Outubro R$ ,97 R$ ,73 R$ ,24 Novembro R$ ,20 R$ ,31 R$ ,89 Dezembro R$ ,28 R$ ,57 R$ ,71 Valor Anual R$ ,89 R$ ,18 R$ ,71 Tabela 8: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Azul considerando três geradores instalados e o custo de manutenção dos respectivos geradores. Resultados Mês Economia Sem Gerador Com Gerador(Com Man.) Janeiro R$ ,67 R$ ,57 R$ ,10

19 Fevereiro R$ ,45 R$ ,84 R$ ,61 Março R$ ,94 R$ ,33 R$ ,61 Abril R$ ,49 R$ ,69 R$ ,80 Maio R$ ,21 R$ ,03 R$ ,18 Junho R$ ,14 R$ ,95 R$ ,19 Julho R$ ,19 R$ ,36 R$ ,83 Agosto R$ ,16 R$ ,62 R$ ,54 Setembro R$ ,19 R$ ,00 R$ ,19 Outubro R$ ,97 R$ ,73 R$ ,24 Novembro R$ ,20 R$ ,31 R$ ,89 Dezembro R$ ,28 R$ ,57 R$ ,71 Valor Anual R$ ,89 R$ ,00 R$ ,89 Tabela 9: Simulação da fatura de 2011 na modalidade Azul considerando dois geradores instalados e o custo de manutenção dos respectivos geradores. Comparação Verde x Azul Para avaliar qual a melhor alternativa, dentre todas as análises feitas, podemos comparar as modalidades Verde e Azul, ambas com geradores, que resultaram na melhor opção de contratação considerando o tempo de amortização. Na Tabela 10 estão apresentados os resultados das duas modalidades (Verde e Azul), com dois geradores e os respectivos custos de manutenção. Observa-se que a modalidade Verde com dois geradores resultou em um custo menor na maioria dos meses do ano de Analisando anualmente, o custo na modalidade Verde (R$ ,85) é menor que o custo da modalidade Azul (R$ ,00), ambas com geradores e considerando os custos de manutenção. Neste estudo, a economia de usar a modalidade Verde seria de R$ ,15. Mês Custo da modalidade (Geradores com Man.) Verde Azul Economia (Azul Verde) Janeiro R$ ,55 R$ ,57 R$7.453,02 Fevereiro R$ ,12 R$ ,84 R$25.320,72 Março R$ ,26 R$ ,33 R$(4.457,93) Abril R$ ,52 R$ ,69 R$(10.002,83) Maio R$ ,19 R$ ,03 R$(4.169,16) Junho R$ ,56 R$ ,95 R$9.976,39 Julho R$ ,44 R$ ,36 R$17.748,92 Agosto R$ ,18 R$ ,62 R$17.697,44 Setembro R$ ,26 R$ ,00 R$5.161,74 Outubro R$ ,61 R$ ,73 R$14.360,12 Novembro R$ ,04 R$ ,31 R$19.107,27 Dezembro R$ ,12 R$ ,57 R$24.670,45 Valor Anual R$ ,85 R$ ,00 R$ ,15

20 Tabela 10: Simulação da fatura de 2011 nas modalidades Verde e Azul, considerando dois geradores instalados e o custo de manutenção dos respectivos geradores. Conclusão do Estudo de Viabilidade do Gerador A conclusão do estudo indica que: A modalidade Verde é a mais vantajosa que a modalidade Azul; Na modalidade Verde a economia anual seria de R$ ,70, com o uso de três geradores de 500KW cada e considerando o custo de manutenção. Assim, o custo dos três geradores (R$ ,00) seria amortizado em 10 meses; Na modalidade Verde a economia anual seria de R$ ,92, com o uso de dois geradores de 500KW cada e considerando o custo de manutenção. Assim, o custo dos dois geradores (R$ ,00) seria amortizado em 6,5 meses. Conclusão do Projeto Este projeto constituiu da criação de uma ferramenta que analisa e possibilita a um consumidor de energia avaliar seus gastos e também ter a possibilidade de entendê-los. Nesta ferramenta foram incluídas as modalidades cativo grupo A (azul, verde, convencional) e grupo B e modalidade livre. As diversas telas de interação com o usuário foram explicadas juntamente com resultados relativos à aplicação da ferramenta aos dados de medição de energia de um grande consumidor. Também para exemplificar o uso dessa ferramenta visando reduzir os custos de contratação de energia, foi apresentada uma simulação de contratos de demanda. E por fim, apresentado um estudo para a viabilidade da compra de geradores para um grande consumidor, considerando as modalidades cativo azul e verde. Referências DECRETO N (27 de Setembro de 2006). Disponível em CCEE. (Setembro de 2008). Comercialização de Energia Incentivada. Disponível em izacao_energia_incentivada.pdf CCEE. (2009). Operação dos Consumidores Livres. DECRETO Nº DE 30 DE JULHO DE (s.d.). Disponível em

21 Informação de Utilidade Pública ANEEL. (Outubro de 2008). POR DENTRO DA CONTA DE LUZ. Disponível em Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica. Brasília-DF, (s.d.). Disponível em Light Distribuidora. Informações ao Cliente (Tributos aplicáveis ao setor elétrico). Disponível em:<http://www.lightempresas.com.br/web/atendimento/tarifas/teicms.asp?mid= >

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia 1 Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Dr.; Sthefany Campos Camolesi, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Erika Tiemi Anabuki,

Leia mais

6 Simulação de tarifas de energia elétrica

6 Simulação de tarifas de energia elétrica 6 Simulação de tarifas de energia elétrica Concluída a construção da ferramenta computacional, foi possível realizar as simulações utilizando as funcionalidades para a qual esta foi desenhada. Os estágios

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

6 Tarifação da Energia Elétrica

6 Tarifação da Energia Elétrica 69 6 Tarifação da Energia Elétrica A tarifa de energia se compõe de três custos: custo de geração de energia, custo do transporte de energia até as casas por fios, ou seja, custo de transmissão e distribuição

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE 07/04/10 FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE Mercados de Contratação de Energia Geração (ambiente competitivo) Preços resultantes de licitações Preços livremente negociados ou

Leia mais

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA 09/2008 Canal Energia Desde o acórdão proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial - RESP 222810/MG (1999/00618904), no qual decidiu

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 Unidade Responsável: DCAL/SCRLP Data de elaboração: 17/10/2012 As orientações constantes neste manual foram retiradas das Notas Técnicas

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: REGISTRO,

Leia mais

Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses

Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses http://www.gazetadopovo.com.br/economia/bandeira-tarifaria-arrecada-r-54-bilhoes-em-cinco-mesesanwfi63js8uy6mhbi41xg8n7p

Leia mais

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública TREINAMENTO: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS CONTRATOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA ACR E AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL PROGRAMA 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA ERIC LENON PETRILLI 1 ; LEANDRO LOPES DE SOUSA 2 ; VALDIR SIMEÃO LEITE 3 ; JOSÉ ANTONIO DE CAMPOS BADIN 4 1 Graduando do Curso de Tecnologia

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aspectos Tributários dos Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Regulada ACR e Ambiente de Contratação Livre - ACL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 03 Santo André, 16 de maio de 2011 Tópicos do lado da demanda de energia elétrica

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Audiência Publica 035/05 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93 !" ##" $#%#" &&&#" "' (" &&" ')&#" (*+"((,"(-. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93!" Centro Nacional de Referência em Biomassa (CENBIO) Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) Universidade de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var%

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var% 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6), a maior geradora de energia hidrelétrica do Estado de São Paulo e uma das maiores do

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br ICMS no Contrato de Demanda Reservada de Potência de Energia Elétrica Tenille Gomes Freitas* 1. ICMS O ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Cenário Energético Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com S, Paulo, 12 de fevereiro de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP)

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Palestra apresentada a Diretoria do INEE em 25 de janeiro de 2012 Péricles Pinheiro Filho Atualizada em 2012-07-17 Considerações Iniciais Péricles Pinheiro Filho

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA Principais Fatos das Reformas Institucionais da Indústria de Energia Elétrica 1 Introdução 2 Histórico das Reformas do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais