Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar de Dezembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Dezembro de 2014"

Transcrição

1 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 31 de Dezembro de

2 Índice I. INTRODUÇÃO... 4 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 4 III. GERENCIAMENTO DE CAPITAL Disposições Gerais Estrutura Organizacional do Gerenciamento de Capital Comitê de Ativos e Passivos (ALCO) Plano de Capital Testes de Estresse Comunicação Interna Sistemas Utilizados Patrimônio de Referência (PR) PR e RWA: índices e limites Metodologia de Avaliação e Monitoramento da Adequação do PR Riscos não abrangidos pelas parcelas do PRE IV. ESTRUTURA GLOBAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS V. RISCO DE MERCADO Governança Value at Risk Back Testing Testes de Estresse Estrutura de Precificação Comunicação Interna Sistemas Utilizados Políticas de Hedge Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking Metodologia de Cálculos Regulatórios Locais Evolução da Exposição VI. RISCO DE LIQUIDEZ Apetite de Risco de Liquidez Governança Políticas e Procedimentos Teste de Estresse de Liquidez Comunicação Interna Sistemas Utilizados VII. RISCO DE CRÉDITO Políticas de Crédito Medição e Avaliação de Crédito Aprovação de Crédito Risco de Concentração Monitoramento e Comunicação Interna Mitigação de Crédito Exposição a Risco de Contraparte Detalhamento da Exposição de Crédito Operações em atraso, baixadas para prejuízo e montante de provisão Operações de venda ou transferência de ativos financeiros e outras estruturas Contratos sujeitos a Risco de Crédito de Contraparte

3 VIII. RISCO OPERACIONAL Objetivo Estrutura de Governança e de Comunicação Papéis e Responsabilidades Política, Procedimentos e Processos de Risco Operacional Sistemas Metodologia de Cálculo de Capital

4 I. INTRODUÇÃO Este relatório destina-se a prover acesso público às informações relativas ao gerenciamento de riscos do Standard Chartered Bank Brasil S/A Banco de Investimento ( Standard Chartered Brasil ), subsidiária integral do Grupo Standard Chartered ( Grupo ), em conformidade com o disposto na Circular 3.678/2013 do Banco Central do Brasil ( BACEN ). Adicionalmente, o relatório tem como objetivo atender aos dispositivos das Resoluções 3.380/2006, 3.464/2007 e 3.721/2009 do Conselho Monetário Nacional, as quais determinam que as estruturas de gerenciamento de riscos operacional, de mercado e de crédito devem ser evidenciadas em relatório de acesso público. Importante ressaltar que todas as unidades de gerenciamento de risco atuam de maneira independente das áreas de negócios. As informações qualitativas deste relatório são atualizadas com periodicidade mínima anual, de acordo com o especificado na Circular 3.678/2013. Este relatório foi aprovado pela diretoria do banco no Brasil, sendo a mesma responsável pela exatidão das informações de acordo com a regulamentação do BACEN e deve ser lido juntamente com as demais informações divulgadas pelo Standard Chartered Brasil, em especial as Demonstrações Contábeis disponíveis em II. CONTEXTO OPERACIONAL Com a internacionalização do mercado financeiro brasileiro nas últimas décadas e fortalecimento das relações comerciais do Brasil com países da Ásia, África e Oriente Médio, regiões onde o Standard Chartered Bank está presente há mais de um século, o Brasil passou a ser um mercado importante dentro da estratégia internacional do Grupo Standard Chartered. Em meados de 2009, o Standard Chartered Bank formalizou pedido ao BACEN para a incorporação de um banco de investimento com autorização para operar no mercado de câmbio no país. Através de ofício datado de 20 de abril de 2010 o BACEN concedeu a licença. O Banco iniciou suas atividades em 24 de maio de 2010, com o objetivo principal de apoiar e desenvolver negócios que envolvam a África, Ásia e Oriente Médio, com foco em um grupo seleto de clientes locais e multinacionais e oferecendo produtos nos segmentos de câmbio, juros e tesouraria. III. GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3.1 Disposições Gerais O Standard Chartered Brasil define um conjunto de controles, processos, ferramentas, sistemas e relatórios padrões, necessários para o adequado controle e gerenciamento do Capital necessário às suas atividades. O processo é baseado nas políticas globais de gerenciamento de Capital do Grupo Standard Chartered Bank. com adaptações para enquadramento ao requerido pela Resolução do Conselho Monetário Nacional e incluem, mas não se limitam a: - Discussão, em comitês apropriados, sobre o capital mantido pela Instituição, sua adequação face aos riscos do negócio e planejamento de necessidades futuras de capital considerando o plano estratégico da Instituição; - Preparação de informativos, sempre que aplicável, sobre riscos não cobertos pelo PRE; - Preparação do plano de capital, sujeito à revisão, no mínimo, anual; - Preparação de informativos de simluações de eventos severos e condições extremas de mercado (testes de estresse) e avaliação de seus impactos no capital; - Preparação de informativos gerenciais, sobre a adequação do capital para a Diretoria; - Processo Interno de avaliação de adequação de capital (Icaap), caso requerido pela legislação local em vigor. A gestão de capital no Grupo é direcionada para a manutenção de uma base de capital robusta e compatível com o desenvolvimento dos negócios, requerimentos de órgãos reguladores e a fim de manter bons ratings de crédito. O planejamento de Capital leva em consideração: 4

5 Requerimentos regulatórios atuais e avaliação de padrões futuros Demanda por capital oriunda de projeções de crescimento de negócios, deterioração nos níveis de qualidade de crédito, choques ou estresse de mercado. Demanda prevista de capital para suportar ratings de crédito e como ferramenta de sinalização ao mercado Oferta disponível de capital e opções de levantamento de capital O plano de capital do Grupo utiliza modelos e técnicas quantitativas, que permitem avaliar a demanda de capital para cobrir riscos materiais e suportar sua avaliação interna de adequação de capital. Cada risco material é avaliado, mitigadores relevantes são considerados e níveis adequados de capital são determinados. O planejameno de capital e a metodologia de avaliação conta com uma estrutura robusta de governança e processos. A responsabilidade geral pelo gerenciamento eficiente dos riscos é do quadro de Diretores. Não há atualmente nenhum impedimento prático ou legal que impeça a pronta transferência de recursos de capital em quantidade superior àquela requerida pelos órgãos reguladores ou para quitar compromissos assumidos por sua controladora Standard Chartered Plc e as subsidiárias, quando aplicável. 3.2 Estrutura Organizacional do Gerenciamento de Capital O Standard Chartered Brasil possui estrutura para gerenciamento de capital com participação das áreas relevantes e coordenação pela área de Controladoria, designando um diretor responsável pelo Gerenciamento do Capital cujo nome está registrado junto ao Banco Central. O diretor indicado não é responsável por funções relacionadas à administração de recursos de terceiros. A política de gerenciamento de capital é revisada e aprovada pela diretoria do Standard Chartered Brasil, sendo a mesma responsável pela exatidão das informações divulgadas, e pela compatibilidade com o planejamento estratégico da instituição e com as condições de mercado, de acordo com o disposto no Artigo 8º da Resolução do Conselho Monetário Nacional. 3.3 Comitê de Ativos e Passivos (ALCO) O Standard Chartered Brasil mantém um comitê mensal composto por membros da Diretoria bem como outras pessoas-chave, cujo objetivo é a manutenção do Balanço Patrimonial (Capital e liquidez) que suporta os objetivos estratégicos e cumpre com os requerimentos do Grupo bem como os regulamentos locais. O Comitê possui, de acordo com respectivos termos de referência, responsabilidades sobre o capital, tais como: 1. Aprovar a previsão de capital assegurando que tais previsões são consistentes com o negócio mantido pela Instituição localmente e aderente aos limites, políticas / objetivos e requerimentos regulatórios aplicáveis. 2. Administrar o nível de capital requerido e direcionar o melhor retorno sobre ativos ponderados ao risco. 3. Assegurar a frequente remessa de dividendos aos acionistas e, onde a retenção dos lucros for solicitada, assegurar que as aprovações necessárias são obtidas previamente. 4. Revisar e aprovar o ICAAP anualmente quando aplicável. 3.4 Plano de Capital O plano de capital do Standard Chartered Brasil deve considerar a legislação brasileira em vigor, bem como as políticas de plano de capital existentes no Grupo. O documento deve ser revisado, no mínimo, anualmente e aprovado pela Diretoria. Tal documento deve ser consistente com o planejamento estratégico e prever: 1) Metas e projeções de capital para os próximos 3 anos; 5

6 2) Descrição das principais fontes de capital da instituição; e 3) Plano de contingência de capital. O documento deve ser consistente com o plano de negócios e objetivos estratégicos da Instituição conforme discutidos nos demais Comitês. A distribuição de resultados deve considerar as políticas de remessa de lucros e distribuição de resultados do Grupo. O plano de capital deve considerar também: 1) ameaças e oportunidades relativas ao ambiente econômico e de negócios; 2) projeções dos valores de ativos e passivos, bem como das receitas e despesas; 3) metas de crescimento ou de participação no mercado; e 4) eventuais alterações no plano de negócios. 3.5 Testes de Estresse A área de Gerenciamento de Risco de Mercado ( GMR ) prevê em seu monitoramento de limites de risco, a metodologia do VaR complementada pelos testes de estresse. GMR complementa as medições semanais de VaR através de testes de estresse nas exposições ao risco de mercado com o objetivo de destacar o risco potencial que pode surgir a partir de eventos extremos de mercado. Os informativos de simulações de eventos severos e condições extremas de mercado (testes de estresse) e avaliação de seus impactos no capital devem levar em consideração os testes de estresse divulgados por GMR trimestralmente. 3.6 Comunicação Interna Os relatórios de testes de estresse e dos riscos não cobertos pelas parcelas do PRE deverão ser divulgados internamente em relatório gerencial (inclusive durante reuniões do ALCO e Comitê Executivo) de forma trimestral, juntamente com qualquer evento relevante no período, confirmando a adequação do capital da instituição face aos riscos e operações existentes no período. Trimestralmente, deve haver um processo de verificação da necessidade da implementação do Processo Interno de avaliação de adequação de capital (Icaap), conforme legislação local em vigor. 3.7 Sistemas Utilizados A estrutura de gerenciamento de capital do Standard Chartered Brasil utiliza os seguintes sistemas para cálculo e monitoramento do capital: Mitra: Sistema local para cálculo das parcelas de risco de mercado do PRE e elaboração de relatórios; CRK: Sistema Local de Contabilidade e Back-Office Exchange: Sistema Local de Back-Office para operações de câmbio 6

7 3.8 Patrimônio de Referência (PR) A seguir apresentamos o detalhamento da apuração do Patrimônio de Referência (PR), de acordo com os Anexos I e II da Circular nº 3.678/13. Número da linha ANEXO I - Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre adequação do PR Valor sujeito a Capital Principal: instrumento e reservas Valor (R$ mil) tratamento transitório (R$ mil)¹ 1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas 4 Instrumentos autorizados a compor o Capital Principal antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do conglomerado, não dedutível do Capital Principal 6 Capital Principal antes dos ajustes prudenciais Referência do balanço do conglomerado ² Número da linha Capital Principal: ajustes prudenciais Valor (R$ mil) Valor sujeito a tratamento transitório (R$ mil)¹ Referência do balanço do conglomerado ² 7 Ajustes prudenciais relativos a apreçamento de instrumentos financeiros 8 Ágios pagos na aquisição de investimentos com fundamento em expectativa de rentabilidade futura Ativos intangíveis Créditos tributários decorrentes de prejuízos fiscais e de base negativa de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e os originados dessa contribuição relativos a períodos de apuração encerrados até 31 de dezembro de 1998 Ajustes relativos ao valor de mercado dos instrumentos financeiros derivativos utilizados para hedge de fluxo de caixa de itens protegidos que não tenham seus ajustes de marcação a mercado registrados contabilmente. Diferença a menor entre o valor provisionado e a perda esperada para instituições que usam IRB Ganhos resultantes de operações de securitização 14 Ganhos ou perdas advindos do impacto de mudanças no risco de crédito da instituição na avaliação a valor justo de itens do passivo 15 Ativos atuariais relacionados a fundos de pensão de benefício definido 16 Ações ou outros instrumentos de emissão própria autorizados a compor o Capital Principal, adquiridos diretamente, indiretamente ou de forma sintética 17 Investimentos cruzados em instrumentos elegíveis ao Capital Principal 18 Valor agregado das participações inferiores a 10% do capital social de empresas assemelhadas a instituições financeiras não consolidadas, de sociedades seguradoras, resseguradoras, de capitalização e de entidades abertas de previdência complementar, que exceda 10% do valor do Capital Principal, desconsiderando deduções específicas 19 Participações superiores a 10% do capital social de empresas assemelhadas a instituições financeiras não consolidadas, de sociedades seguradoras, resseguradoras, de capitalização e de entidades abertas de previdência complementar 20 Mortgage servicing rights 21 Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias que dependam de geração de lucros ou receitas tributáveis futuras para sua realização, acima do limite de 10% do Capital Principal, desconsiderando deduções específicas 22 Valor que excede a 15% do Capital Principal 23 do qual: oriundo de participações no capital social de empresas assemelhadas a instituições financeiras não consolidadas, de sociedades seguradoras, resseguradoras, de capitalização e de entidades abertas de previdência complementar 24 do qual: oriundo de direitos por serviços de hipoteca 25 do qual: oriundo de créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias que dependam de geração de lucros ou receitas tributáveis futuras para sua realização 26 Ajustes regulatórios nacionais 26.a Ativos permanentes diferidos 26.b Investimento em dependência, instituição financeira controlada no exterior ou entidade não financeira que componha o conglomerado, em relação às quais o Banco Central do Brasil não tenha acesso a informações, dados e documentos 26.c Instrumentos de captação elegíveis ao Capital Principal emitidos por instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o conglomerado 7

8 continuação ANEXO I - Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre adequação do PR 26.d Aumento de capital social não autorizado 26.e Excedente ao valor ajustado de Capital Principal 26.f Depósito para suprir deficiência de capital 26.g Montante dos ativos intangíveis Circular nº 3.678, de 31 de outubro de 2013 constituídos antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Ajustes regulatórios aplicados ao Capital Principal em função de insuficiência do Capital Complementar e de Nível II para cobrir deduções 28 Total de deduções regulatórias ao Capital Principal Capital Principal Número da linha Capital Complementar: instrumentos Valor (R$ mil) Valor sujeito a tratamento transitório (R$ mil)¹ 30 Instrumentos elegíveis ao Capital Complementar 31 dos quais: classificados como capital social conforme as regras contábeis 32 dos quais: classificados como passivo conforme as regras contábeis 33 Instrumentos autorizados a compor o Capital Complementar antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do conglomerado, não dedutível do Capital Complementar 35 dos quais: instrumentos emitidos por subsidiárias antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Capital Complementar antes das deduções regulatórias Número da linha Capital Complementar: deduções regulatórias Valor (R$ mil) Valor sujeito a tratamento transitório (R$ mil)¹ 37 Ações ou outros instrumentos de emissão própria, autorizados a compor o Capital Complementar, adquiridos diretamente, indiretamente ou de forma sintética Circular nº 3.678, de 31 de outubro de Investimentos cruzados em instrumentos elegíveis ao capital complementar 39 Valor agregado das participações inferiores a 10% do capital social de instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o - conglomerado e que exceda 10% do valor do Capital Complementar 40 Participações superiores a 10% do capital social de instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o conglomerado - 41 Ajustes regulatórios nacionais 41.a Instrumentos de captação elegíveis ao capital complementar emitidos por instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o conglomerado, limitando-se aos instrumentos detidos por terceiros e emitidos até 31 de dezembro de Ajustes regulatórios aplicados ao Capital Complementar em função de insuficiência do Nível II para cobrir deduções 43 Total de deduções regulatórias ao Capital Complementar 44 Capital Complementar 45 Nível I Número da linha Nível II: instrumentos Valor (R$ mil) Valor sujeito a tratamento transitório (R$ mil)¹ 46 Instrumentos elegíveis ao Nível II 47 Instrumentos autorizados a compor o Nível II antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do conglomerado, não dedutível do Nível II 49 dos quais: instrumentos emitidos por subsidiárias antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Excesso de provisões em relação à perda esperada no IRB 51 Nível II antes das deduções regulatórias Valor sujeito a Número Nível II: deduções regulatórias Valor (R$ mil) tratamento da linha transitório (R$ mil)¹ 52 Ações ou outros instrumentos de emissão própria, autorizados a compor o Nível II, adquiridos diretamente, indiretamente ou de forma sintética 53 Investimentos cruzados em instrumentos elegíveis ao Nível II Valor agregado das participações inferiores a 10% do capital social de instituições autorizadas a 54 funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o - conglomerado, que exceda 10% do valor do Capital Complementar 55 Participações superiores a 10% do capital social de instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o conglomerado - 56 Ajustes regulatórios nacionais Referência do balanço do conglomerado ² Referência do balanço do conglomerado ² Referência do balanço do conglomerado ² Referência do balanço do conglomerado ² 8

9 continuação ANEXO I - Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre adequação do PR Instrumentos de captação emitidos por instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do 56.a Brasil ou por instituição financeira no exterior, que não componha o conglomerado, limitando-se aos instrumentos detidos por terceiros e emitidos até 31 de dezembro de Total de deduções regulatórias ao Nível II 58 Nível II 59 Patrimônio de Referência (Nível I + Nível II) Total de ativos ponderados pelo risco Número da linha Índice de Basileia e Adicional de Capital Principal % 61 Índice de Capital Principal (ICP) 54.91% 62 Índice de Nível I (IN1) 54.91% 63 Índice de Basileia (IB) 54.91% 64 Requerimento mínimo de Capital Principal, incluindo os Capital Principal, incluindo os adicionais de capital (% dos RWA) 4,50% 65 do qual: adicional para conservação de capital - 66 do qual: adicional contracíclico - 67 do qual: adicional para instituições sistemicamente importantes em nível global (G-SIB) 68 Capital Principal disponível para suprir o requerimento do Adicional de Capital Principal (% dos RWA) 54.91% Número da linha Mínimos Adicionais % 69 Índice de Capital Principal (ICP), se diferente do estabelecido em Basileia III 70 Índice de Nível I (IN1), se diferente do estabelecido em Basileia III 5,50% 71 Índice de Basileia (IB), se diferente do estabelecido em Basileia III 11% Valor sujeito a Número Valores abaixo do limite para dedução (não ponderados pelo risco) Valor (R$ mil) tratamento da linha transitório (R$ mil)¹ Valor agregado das participações inferiores a 10% do capital social de empresas assemelhadas a 72 instituições financeiras não consolidadas, de sociedades seguradoras, resseguradoras, de - capitalização e de entidades abertas de previdência complementar Participações superiores a 10% do capital social de empresas assemelhadas a instituições financeiras 73 não consolidadas, de sociedades seguradoras, resseguradoras, de capitalização e de entidades - abertas de previdência complementar 74 Mortgage servicing rights 75 Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias, não deduzidos do Capital Principal - Número da linha Limites à inclusão de provisões no Nível II Valor (R$ mil) 76 Provisões genéricas elegíveis à inclusão no Nível II relativas a exposições sujeitas ao cálculo do requerimento de capital mediante abordagem padronizada 77 Limite para a inclusão de provisões genéricas no Nível II para exposições sujeitas à abordagem padronizada 78 Provisões elegíveis à inclusão no Nível II relativas a exposições sujeitas ao cálculo do requerimento de capital mediante abordagem IRB (antes da aplicação do limite) - 79 Limite para a inclusão de provisões no Nível II para exposições sujeitas à abordagem IRB - Número da linha Instrumentos autorizados a compor PR antes da entrada em vigor da Resolução 4.192, de 2013 (aplicável entre 1 de outubro de 2013 e 1 de janeiro de 2022) Valor (R$ mil) Valor sujeito a tratamento transitório (R$ mil)¹ 80 Limite atual para os instrumentos autorizados a compor o Capital Principal antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Valor excluído do Capital Principal devido ao limite 82 Instrumentos autorizados a compor o Capital Complementar antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Valor excluído do Capital Complementar devido ao limite 84 Instrumentos autorizados a compor o Nível II antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de Valor excluído do Nível II devido ao limite Referência do balanço do conglomerado ² Referência do balanço do conglomerado ² 1- Coluna em que deve constar o valor dos ajustes regulatórios sujeitos ao tratamento temporário. O ajuste regulatório corresponde ao valor: a) dos instrumentos autorizados a compor o PR da instituição antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de 2013, que, entre 1º de outubro de 2013 e 31 de dezembro de 2021, ainda compõem o PR da instituição, conforme art. 28 da Resolução nº 4.192, de 2013 (as linhas 33, 35, 47, 48 e 49 poderão ter valores preenchidos nesta coluna até 31 de dezembro de 2021); b) dos ajustes prudenciais que, entre 1º de outubro de 2013 e 31 de dezembro de 2017, ainda não forem integralmente deduzidos do PR, conforme art. 11 da Resolução nº 4.192, de 2013 (as linhas 5, 8, 9, 12, 15, 18, 19, 21, 22, 23, 24, 25, 34, 48, 83 e 85 poderão ter valores preenchidos nesta coluna até 31 de dezembro de 2017). 2- Deve constar nesta coluna a referência dos instrumentos reportados na tabela em relação ao balanço patrimonial da instituição ou do conglomerado, conforme inciso I e 1º do art. 3º desta Circular. 3- As linhas 4, 33, 35, 47 e 49 devem ser apagadas a partir de 1º de janeiro de 2022, data em que os instrumentos nela informados não serão mais aceitáveis para compor o PR. 9

10 Número da linha ANEXO II - Principais Características dos Instrumentos do Patrimônio de Referência (PR) Característica Instrumento 1 Emissor - 2 Identificador único (ex.: Cusip, Isin ou identificador Blommberg para colocação privada) - 3 Lei aplicável ao instrumento - Tratamento Regulatório - 4 Tratamento temporário de que trata o art. 28 da Resolução n 4.192, de Tratamento após tratamento temporário de que trata a linha anterior - 6 Elegibilidade para instituição individual/conglomerado/conglomerado e instituição individual - 7 Tipo de instrumento - 8 Valor reconhecido no PR (em R$ mil, na última data-base reportada) - 9 Valor face do instrumento (em R$ mil) - 10 Classificação contábil - 11 Data original de emissão - 12 Perpétuo ou com vencimento - 13 Data original de vencimento - 14 Opção de resgate ou recompra - 15 (1) Data de resgate ou recompra (2) Datas de resgate ou recompra condicionadas - (3) Valor de resgate ou recompra (R$ mil) 16 Datas de resgate ou recompra subsequentes, se aplicável - Remuneração/Dividendos - 17 Remuneração ou dividendos fixos ou variáveis - 18 Taxa de remuneração e índice referenciado - 19 Existência de suspensão de pagamento de dividendos - 20 Completa discricionariedade, discricionariedade parcial ou mandatório - 21 Existência de cláusulas que alterem prazos ou condições de remuneração pactuados ou outro incentivo para resgate - 22 Cumulativo ou não cumulativo - 23 Conversível ou não conversível em ações - 24 Se conversível, em quais situações - 25 Se conversível, totalmente ou parcialmente - 26 Se conversível, taxa de conversão - 27 Se conversível, conversão obrigatória ou opcional - 28 Se conversível, especificar para qual tipo de instrumento - 29 Se conversível, especificar o emissor do instrumentopara o qual pode ser convertido - 30 Características para extinção do instrumento - 31 Se extinguível, em quais situações - 32 Se extinguível, totalmente ou parcialmente - 33 Se extinguível, permanentemente ou temporariamente - 34 Se extinção temporária, descrição da situação em em que o instrumento volte a ser considerado PR - 35 Posição na hierarquia de subordinação em caso de liquidação (especifica o tipo de instrumento de ordem imediatamente superior) - 36 Possui características que não serão aceitas após o tratamento temporário de que trata o art. 28 da Resolução n 4.192, de Se sim, especificar as características de que trata a linha anterior - O Patrimônio Líquido do Standard Chartered Brasil é constituído pelo Capital Social (Ações Ordinárias no Exterior), Reserva de Capital e Reserva Especial de Lucros. Nos períodos em questão o Standard Chartered Brasil não possuía ações, instrumentos híbridos de capital e dívida, instrumentos de dívida subordinada e demais instrumentos financeiros autorizados pelo Banco Central do Brasil a integrar os níveis I e II, bem como participação em instituição financeira no exterior ou excesso de recursos aplicados no Ativo Permanente objetos de dedução. Não há prazo de vencimento para quaisquer dos instrumentos que compõem os níveis I e II do PR. 10

11 3.9 PR e RWA: índices e limites RWA - ÍNDICES, LIMITES VALOR Mar -14 VALOR Jun -14 VALOR Set-14 VALOR Dez-14 PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) 294, , , ,557 (-) EXCESSO DOS RECURSOS APLICADOS NO ATIVO PERMANENTE PR NÍVEL 1 294, , , ,557 CAPITAL PRINCIPAL 294, , , ,557 RWA 509, , , ,778 Valor Total RWACPAD 166, , , ,065 Fator 2% 6, Fator 20% ,189 14,642 Fator 50% 73, ,663 30,473 20,729 Fator 100% 92,270 57, , ,032 Fator -100% - (9) (74) (67) Valor Total RWACAM 29, ,245 21,523 4,648 Valor Total RWAJUR [1] 25,668 45,370 56,441 43,270 Valor Total RWAJUR [2] 179, , , ,991 Valor Total RWAJUR [3] Valor Total RWAJUR [4] Valor Total RWACOM Valor Total RWAACS Valor Total RWAOPAD 108, , , ,804 ÍNDICE DE BASILEIA (IB) 58% 51% 38% 33% ÍNDICE DE NÍVEL I (IN1) 58% 51% 38% 33% ÍNDICE DE CAPITAL PRINCIPAL (ICP) 58% 51% 38% 33% Os índices calculados no quadro anterior seguiram as fórmulas abaixo: Índice de Basileia (IB): = Índice de Nível I (IN1): 1= í 1 Índice de Capital Principal (ICP): = 3.10 Metodologia de Avaliação e Monitoramento da Adequação do PR 11

12 O Standard Chartered Brasil tem como política a manutenção de um índice de Basiléia suficiente para atender as regras internacionais advindas do Comitê de Basiléia de Supervisão Bancária bem como normas do BACEN sobre adequação de capital. Através de relatórios diários de posição de alocação de capital, distribuídos a todas as áreas impactadas e diretoria, é feito o monitoramente dos negócios e suas necessidades de capital. O relatório contém detalhamento das posições relativas a limites operacionais e às parcelas de exposição a risco em conformidade com o requerido pelo Banco Central do Brasil. Temos mecanismos de alerta quando se atinge uma aproximação do limite mínimo de Patrimônio de Referência e mensalmente é feita a reunião do Comitê de Gestão de Ativos e Passivos (ALCO), onde todas as posições em aberto são revisadas e possíveis novos negócios são analisados Riscos não abrangidos pelas parcelas do PRE Dentro da classificação de riscos do Grupo, além daqueles já abrangidos pela parcela PRE como Crédito, Mercado, Operacional outros tipos de risco são levados em consideração e são objetos de discussão no comitê ALCO. Destacamos abaixo os mais relevantes: Liquidez de Curto Prazo: risco de o banco não ter recursos financeiros suficientes no curto prazo para cumprir com as obrigações em seus respectivos vencimentos ou ter acesso a tais recursos apenas a custos excessivos Liquidez Estrutural: risco de perda real ou de oportunidade em virtude de o Grupo não conseguir atingir suas estratégias de negócios ou objetivos de crescimento devido a uma estrutura de balanço sub-ótima, incluindo confiança excessiva em uma fonte de captação em particular Capital: risco de perda real ou de oportunidade em virtude de alocações sub-ótimas de capital ou aumento no custo de capital Estratégico: risco de perda real ou de oportunidade em virtude de falha em otimizar o potential de ganhos do Grupo Reputacional: potencial para danos à franquia do Grupo, resultando em perda de receitas ou impacto adverso na capitalização de mercado, como resultado de uma visão negativa da organização ou de suas ações oriunda das partes interessadas IV. ESTRUTURA GLOBAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O Standard Chartered define risco como o potencial de um impacto adverso nos interesses do Grupo avaliado em termos de probabilidade de ocorrência e severidade de eventos desfavoráveis. O gerenciamento eficaz dos riscos é fundamental para a geração de resultados consistentes e sustentáveis. Isso representa portanto uma parte central da gestão financeira e operacional do Grupo. Os riscos da instituição são gerenciados de maneira ampla, com o objetivo de maximizar retorno dentro de um apetite de risco pre-estabelecido pelo Grupo. A estrutura de governança de riscos inclui monitoramento regular pelas áreas e comitês responsáveis pelo gerenciamento de riscos do Banco, seguindo a metodologia adotada pelo Grupo. O Grupo utiliza um conjunto de princípios que descrevem a cultura de gerenciamento de riscos que deseja manter: Equilíbrio entre risco e retorno: riscos são assumidos em suporte aos requerimentos das partes interessadas, em linha com a estratégia e dentro do apetite de risco do Grupo; 12

13 Responsabilidade: é responsabilidade de todos os funcionários assegurar que os riscos sejam assumidos de forma disciplinada e focada. O Grupo possui plena consciência de suas responsabilidades sócioambientais e com a ética ao assumir riscos para geração de resultados; Delegação Responsável: o risco é assumido apenas com aprovação de pessoas autorizadas e quando houver infra-estrutura apropriada e recursos. Toda assunção de riscos deve ser transparente, controlada e comunicada; Prevenção: busca prevenir riscos futuros e maximizar consciência de todos os riscos; e Vantagem competitiva: busca de vantagem competitiva por meio de gerenciamento e controle de riscos eficientes e eficazes. Os riscos são classificados em diferentes tipos, ou seja, formas distintas de exposição a perdas. Cada tipo de risco é um agrupamento de perdas potenciais materiais e que podem surgir em diferentes atividades e áreas do Grupo. O Grupo gerencia os riscos da instituição em linha com as recomendações da Basiléia e melhores práticas. Tem como política divulgar os elementos necessários para suprir as partes interessadas com informações adequadas que demonstrem que os riscos estão sendo geridos de forma eficaz e em conformidade com a regulamentação aplicável. Os relatórios consolidados de gerenciamento de riscos do Grupo Standard Chartered estão disponíveis na internet V. RISCO DE MERCADO O Grupo Standard Chartered caracteriza risco de mercado como o risco de perdas resultantes de alterações nos preços e taxas de mercado. O Grupo possui exposições a risco de mercado decorrentes principalmente das operações com clientes. O objetivo das políticas e processos de risco de mercado do Grupo Standard Chartered é obter o melhor equilíbrio entre risco e retorno, sem deixar de atender as necessidades dos clientes. As principais categorias de risco de mercado para o Grupo Standard Chartered são: Risco de taxa de juros: resultantes de mudanças nas curvas de juros, spreads de crédito e volatilidades implícitas das opções de taxa de juro; Risco da taxa cambial: resultantes de alterações nas taxas de câmbio e volatilidades implícita das opções de câmbio; Risco de preço das mercadorias: resultantes de alterações nos preços das commodities e volatilidades implícitas das opções de commodities, abrangendo energia, metais e agricultura; Risco de preço das ações: resultantes de alterações nos preços das ações, índices de ações, cestas de ações e das volatilidades implícitas das opções relacionadas. A política e estrutura local de gerenciamento de risco de mercado é baseada nas políticas globais de gerenciamento de Risco de Mercado do Grupo com adaptações para enquadramento ao requerido pela Resolução 3464/2007 do Conselho Monetário Nacional. Dentre as responsabilidades da área de gerenciamento de risco de mercado destacam-se: Monitoramento e análise das posições aos fatores de risco; Controle e monitoramento do risco de liquidez; Assegurar que posições estejam de acordo com limites estabelecidos e aprovados internamente; Assegurar que os procedimentos internos estejam de acordo com as políticas globais de risco de mercado definido pela matriz e requerimentos locais; Análise prévia aos fatores de risco de novas operações/produtos; Elaboração e envio dos relatórios regulatórios referentes a risco de mercado e liquidez; Elaboração e revisão da documentação das políticas e procedimentos da área de risco de mercado; 5.1 Governança 13

14 O Comitê de Risco do Grupo (GRC), aprova o apetite de risco de mercado para o Standard Chartered Bank, considerando a volatilidade do mercado, a variedade de produtos comercializados e classes de ativos, o volume de negócios e tamanho das transações. O Comitê de Risco de Mercado do Grupo (GMRC) é responsável, por competência delegada pelo GRC, por definir os limites de Value at Risk (VaR) para os diversos níveis de negócio, além de recomendar o nível de VaR para o Grupo e limites de perdas em cenários de estresse de risco de mercado. O GMRC também é responsável pelas políticas e outras normas para o controle de risco de mercado e pela supervisão de sua implementação efetiva. Estas políticas abrangem tanto as operações incluidas na carteira de negociação (trading) como as operações classificadas como banking. Adicionalmente, limites por localidade e linhas de negócio são propostos dentro dos termos das políticas internas do Grupo. A área de Risco de Mercado (GMR), aprova e monitora as posições contra os limites estabelecidos. Limites adicionais são definidos para produtos específicos além de limites de concentrações de posição sempre que necessário. Como ferramentas de gestão de risco são utilizadas, além de VaR, medidas de sensibilidade. Por exemplo, a sensibilidade às taxa de juros é medida em termos de exposição a um aumento de um ponto base na curva de juros, enquanto que as sensibilidade às moedas, commodities e ações são medidas em termos dos valores adjacentes ou montantes envolvidos.o risco das opções são controlados através de limites de revalorização dos preços do ativo adjacente e movimentos na volatilidade, além de limites de risco de volatilidade e de outras variáveis que determinam o valor das opções. Dentre os limites monitorados pela área de risco de mercado, destacam-se: Limites de VaR (carteiras trading e banking); Limites de sensibilidades (carteiras trading e banking); Limites de sensibilidade por prazo (bucketing); Limites de fixing (carteira trading); Limites de exposição cambial por moeda; Limites de Liquidez (descasamento máximo por prazo, limite de depósitos por prazo, testes de estresse de liquidez); 5.2 Value at Risk O Grupo Standard Chartered mede o risco de perdas resultantes de potenciais movimentos adversos futuros nas taxas de mercado, preços e volatilidades usando a metodologia de VaR. VaR, em resumo, é uma medida quantitativa do risco de mercado que aplica condições históricas recentes de mercado para estimar a perda potencial futura no valor de mercado, esta medida não deverá ser excedida em um determinado período de tempo dado um certo nível de confiança. O VaR fornece uma medida consistente que pode ser aplicada nas diversas linhas de negócios e produtos ao longo do tempo e pode ser monitorado contra o resultado diário das posições. O VaR é calculado para os movimentos esperados de um período mínimo de um dia útil e um nível de confiança de 97,5 por cento. Este nível de confiança sugere que perdas potenciais diárias, além da medida do VaR, possam ocorrer seis vezes por ano. O Grupo aplica duas metodologias do VaR: Simulação histórica: envolve a reavaliação de todas as posições em aberto para refletir o efeito das mudanças historicamente observadas nos fatores de risco de mercado sobre o valor da carteira atual. Este método é aplicado para os fatores de risco de mercado. Simulação de Monte Carlo: esta metodologia é semelhante à simulação histórica, com mais observações dos fatores de risco. Estes são gerados por técnicas de amostragem aleatória, mas os resultados mantêm a variabilidade e as correlações das mudanças nos fatores de risco observadas historicamente. Este método 14

15 é aplicado para o VaR de spread de crédito. Em ambos os métodos o período de histórico de observações utilizado é de um ano. 5.3 Back Testing Para avaliar o seu poder de previsão, modelos de VaR são testados contra os resultados reais. O Back testing é realizado diariamente e verificado contra o clean P&L (resultado limpo ) que é o resultado real para um dado dia útil ajustado para eliminar o efeito de itens não relacionados ao risco de mercado. O Back testing também é realizado contra o clean P&L hipotético, definido como o clean P&L que teria ocorrido para um determinado dia útil, se a carteira utilizada como base para o cálculo de VaR permanecesse inalterada. 5.4 Testes de Estresse Perdas além do intervalo de confiança não são captadas pelo cálculo do VaR. Assim, o VaR não dá nenhuma indicação do tamanho das perdas inesperadas nessas situações. A área de Risco de Mercado (GMR) complementa as medições semanais de VaR através de testes de estresse nas exposições ao risco de mercado com o objetivo de destacar o risco potencial que pode surgir a partir de eventos extremos de mercado. O teste de estresse é uma parte integrante do quadro de gestão de risco de mercado e considera tanto eventos históricos quanto cenários forward looking. A metodologia de testes de estresse é aplicada tanto na carteira trading quanto na carteira banking do Grupo. Os cenários de estresse são atualizados regularmente para refletir as mudanças no perfil de risco e eventos econômicos. O GMRC tem a responsabilidade de rever resultados dos testes de estresse e, se necessário, aplicar as reduções na exposição global de risco de mercado. O GRC considera os resultados dos testes de estresse como parte da sua supervisão do apetite pelo risco do grupo. A metodologia do teste de estresse pressupõe que as possibilidades de ação da Tesouraria seria limitada durante um evento de estresse, refletindo a redução da liquidez que muitas vezes ocorre. Cenários de teste de estresse são aplicados às taxas de juros, spreads de crédito, taxas de câmbio, preços de commodities e os preços das ações. Desta forma, todas as classes de ativos das cateiras trading e banking são contempladas. Cenários ad hoc também são preparados para refletir as condições específicas de mercado e para concentrações de risco que surgem nas diversas linhas de negócio do Grupo. 5.5 Estrutura de Precificação Os produtos só poderão ser negociados no Standard Chartered Brasil após aprovação formal do Programa de Produtos do Grupo, que identifica os riscos, controles e tratamentos regulatórios. A estrutura de controles é avaliada continuamente pelas áreas relevantes e pela Auditoria Interna. É política do Grupo que todos os instrumentos devem ser registados nas contas financeiras com base no valor justo. A área de controle de produtos (Product Control) é responsável pelos controles de valorização em conformidade com as políticas internas do Grupo. Sempre que possível, posições são marcadas a mercado em uma base consistente e diária com preços cotados em mercados ativos. Se isso não for possível, as posições são marcadas utilizando modelos que tenham sido validados pelo GMR de forma periódica e independente. A área de controle de produtos (Product Control) assegura o cumprimento das políticas internas do grupo de ajustes de valorização 15

16 ( valuation adjustments ) que incorporam risco de contraparte, bid/ask spreads e liquidez do mercado O GMRC prevê a supervisão e gestão de todas as políticas e realiza uma análise mensal dos ajustes de valorização. 5.6 Comunicação Interna Os relatórios elaborados pela área de risco de mercado tem como objetivo facilitar o controle e gerenciamento das posições do banco. A periodicidade de cada relatório pode variar conforme políticas internas do banco ou exigências dos órgãos reguladores. Dentre os principais relatórios destacam-se: Relatório de VaR e exposições aos fatores de risco; Relatório de Liquidez Relatório de Backtesting; Relatório de Teste de Estresse; Relatórios Regulatórios; Os relatórios de risco de mercado e liquidez são enviados diariamente para membros da diretoria do banco. 5.7 Sistemas Utilizados A área de gerenciamento de risco de mercado do Standard Chartered Brasil utiliza os seguintes sistemas para cálculo e monitoramento de risco de mercado e liquidez: Radar: Sistema Global para Cálculo de risco de mercado e controle das posições; Mitra: Sistema local para cálculo de risco de mercado regulatório e elaboração de relatórios; Asset Control: Sistema Global de armazenamento de dados de mercado utilizados nos cálculos das exposições e VaR. CRK: Sistema Local de Back-Office Exchange: Sistema Local de Back-Office para operações de câmbio 5.8 Políticas de Hedge As operações de hedge executadas pela Tesouraria têm como objetivo: anular riscos indesejados advindos de operações realizadas com clientes; mitigar os riscos de descasamentos de posição, prazos, moedas ou indexadores. controlar e enquadrar as operações aos limites de exposição pré aprovados; reduzir exposições de operações em condições de estresse ou de baixa liquidez. 5.9 Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking A Carteira de Negociação (trading): consiste em todas as operações com instrumentos financeiros e mercadorias, inclusive derivativos, detidas com intenção de negociação ou destinadas a hedge de outros elementos da carteira de negociação, e que não estejam sujeitas à limitação de sua negociabilidade. As operações detidas com intenção de negociação são aquelas destinadas à revenda, obtenção de benefício dos movimentos de preços efetivos ou esperados, ou realização de arbitragens. O risco de taxa de juros da carteira banking é gerenciado pela Tesouraria do Standard Chartered Brasil, pela área de Gestão de Ativos e Passivos (ALM) sob a supervisão local do Comitê de Ativos e Passivos (ALCO). 16

17 A área de ALM gerencia o risco de juros da carteira banking utilizando produtos aprovados e está sujeita a limites específicos de VaR e sensibilidade. VaR e testes de estresse são aplicados às posições da carteira banking da mesma forma que aplicados para a carteira de negociação. O Standard Chartered Brasil não possui depósitos sem vencimento definido. Para os depósitos com cláusula de resgate antecipado (liquidez diária), o banco possui políticas internas que definem o percentual máximo que pode ser considerado no mapa de liquidez. Atualmente o banco adota uma postura conservadora e não considera nenhum depósito com liquidez diária em seu mapa de liquidez. Este montante é informado separadamente no relatório diário de liquidez enviado à Tesouraria e Diretoria Metodologia de Cálculos Regulatórios Locais O Standard Chartered Brasil adota o modelo padronizado definido pelo Banco Central do Brasil para o cálculo das Parcelas referentes às operações incluídas na carteira de negociação.. Para as informações referentes à carteira banking (Rban) enviadas no relatório regulatório DLO, o banco utiliza o modelo de VaR histórico, holding period 10 dias, nível de confiança 99% e histórico de 250 dias Evolução da Exposição a) valor total da carteira de negociação por fator de risco de mercado relevante, segmentado entre posições compradas e vendidas; Em 31/12/2013 Em 31/03/2014 Em 30/06/2014 Em 30/09/2014 Em 31/12/2014 Fator de Risco Comprado Vendido Comprado Vendido Comprado Vendido Comprado Vendido Comprado Vendido taxa de câmbio 2,442,391 2,442,002 2,575,956 2,573,027 2,557,005 2,544,974 4,385,046 4,390,958 3,697,755 3,712,053 taxa de juros (moeda local) 1,674,298 1,054,077 1,626,759 1,250,717 1,866,756 1,528,480 4,062,085 3,185,675 3,042,535 2,717,290 taxa de juros (moeda estrangeira) 2,586,709 2,587,334 2,787,648 2,629,344 2,765,486 2,755,849 5,062,482 4,947,301 3,832,217 3,833,935 taxa de juros Total 4,261,007 3,641,411 4,414,407 3,880,061 4,632,242 4,284,329 9,124,567 8,132,976 6,874,752 6,551,225 preço de ações preço de mercadorias * Em R$ mil b) total da exposição a instrumentos financeiros derivativos por categoria de fator de risco de mercado, segmentado entre posições compradas e vendidas; 17

18 realizadas no Brasil Em 31/12/2013 Em 31/03/2014 Em 30/06/2014 Em 30/09/2014 Em 31/12/2014 Fator de Risco Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Balcão 1,580,937 2,156,934 1,722,101 2,143,358 1,570,669 2,008,797 2,822,577 3,362,465 2,609,997 2,556,798 taxa de câmbio Bolsa 762, , , , , , , , , ,563 Total 2,343,027 2,337,176 2,327,629 2,304,581 2,294,440 2,225,977 3,764,683 3,781,412 3,125,988 3,202,361 Balcão 665, , ,264 1,028,005 1,028,856 1,000,166 2,284,570 2,273,282 1,830,899 2,112,748 taxa de juros (moeda local) Bolsa 956,959 91, , , , ,946 1,267, , , ,087 Total 1,622, ,525 1,520,043 1,150,449 1,572,480 1,383,112 3,551,750 2,706,072 2,823,207 2,426,835 Balcão 1,703,077 2,183,188 1,760,521 2,206,668 1,622,650 2,146,442 3,017,189 3,563,414 2,639,952 2,623,173 taxa de juros (moeda estrangeira) Bolsa 785, , , , , ,412 1,437, , , ,850 Total 2,488,594 2,482,508 2,543,060 2,520,079 2,504,937 2,436,854 4,455,174 4,337,756 3,277,464 3,340,023 Balcão 2,368,210 3,062,706 2,551,785 3,234,673 2,651,506 3,146,608 5,301,759 5,836,696 4,470,851 4,735,921 taxa de juros Total Bolsa 1,742, ,327 1,511, ,855 1,425, ,358 2,705,165 1,207,132 1,629,820 1,030,937 Total 4,110,686 3,453,033 4,063,103 3,670,528 4,077,417 3,819,966 8,006,924 7,043,828 6,100,671 5,766,858 Balcão preço de ações Bolsa Total Balcão preço de mercadorias Bolsa Total realizadas no exterior Em 31/12/2013 Em 31/03/2014 Em 30/06/2014 Em 30/09/2014 Em 31/12/2014 Fator de Risco Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Balcão taxa de câmbio Bolsa Total Balcão taxa de juros (moeda local) Bolsa Total Balcão taxa de juros (moeda estrangeira) Bolsa Total Balcão taxa de juros Total Bolsa Total Balcão preço de ações Bolsa Total Balcão preço de mercadorias Bolsa Total * Em R$ mil VI. RISCO DE LIQUIDEZ 18

19 O Standard Chartered Brasil caracteriza risco de liquidez como o risco de o Banco não possuir fontes disponíveis para honrar eficientemente todas suas obrigações correntes e futuras sem afetar suas operações diárias e sem incorrer custos muito excessivos. O Grupo tem como política manter liquidez adequada sempre em todas as localidades e para todas as moedas estando, portanto, em uma posição que possibilite o cumprimento de todas suas obrigações conforme elas apareçam. Além disso, gerencia o risco de liquidez no curto prazo com o objetivo de garantir que as demandas de caixa sejam supridas quando requeridas, enquanto no médio prazo o objetivo é garantir que o balanço esteja estruturalmente alinhado com a estratégia do Banco. O Standard Chartered Brasil procura gerenciar ativamente o risco de liquidez através de ferramentas qualitativas e quantitativas de gerenciamento de risco, as quais serão descritas nesta política. O Standard Chartered Brasil gerencia seu risco de liquidez de acordo com os seguintes princípios fundamentais: Prevenir é melhor que remediar e, portanto, as métricas de balanço e tendências são utilizadas proativamente para antecipar e gerenciar as posições de liquidez; A metodologia de fluxo de caixa é utilizada para o gerenciamento diário de liquidez focado no curto e médio prazos; Ativos líquidos devem ser realizáveis durante situações de estresse de liquidez, mesmo que em quantidades reduzidas; O Comitê de Ativos e Passivos ( ALCO ) é responsável por garantir que a liquidez seja gerenciada de acordo com as políticas/diretrizes do Grupo e exigências regulatórias locais; Plano de Contingência local deve ser elaborado com o objetivo de gerenciar uma situação de crise de liquidez; Assegurar que os requerimentos regulatórios locais sejam cumpridos. 6.1 Apetite de Risco de Liquidez É uma política do Grupo a manutenção de nível adequado de liquidez em todas as localidades de forma a cumprir suas obrigações correntes e futuras, além disso, deve-se manter excesso de liquidez para possibilitar o acesso a novas oportunidades de negócios que possam surgir. Qualquer falha do Banco relacionada ao não cumprimento das obrigações pode acarretar em consequências reputacionais graves. Quaisquer preocupações de clientes e do mercado relacionadas ao Banco podem gerar uma crise de confiança e, consequentemente, a retirada repentina e significativa de depósitos e não renovação de operações. Desta forma, o Banco possui limitado apetite de risco de liquidez. O apetite de risco pode ser melhor observado por tipo de risco: a) Liquidez de curto prazo Risco de liquidez de curto prazo é o risco de o Banco não ter fontes de liquidez para cumprir suas obrigações de curto prazo eficientemente sem afetar suas operações diárias e sem incorrer custos excessivos. Controles: Maximum Cumulative Outflow (Desembolso acumulado máximo) Wholesale Borrowing External (Captações no mercado) Wholesale Borrowing Internal (Captações internas) Swapped Funds (Fluxos entre moedas) Intraday Liquidity (Liquidez intradia) Liquidity Stress Test (Teste de estresse de liquidez) 19

20 b) Liquidez Estrutural Risco de liquidez estrutural é a perda potencial real ou de oportunidade como resultado de o Banco não conseguir seguir o crescimento e as estratégias de negócios desejados devido a uma estrutura não adequada de balanço, incluindo a dependência excessiva de uma fonte única de captação/liquidez. Controles: Advances to Deposits Ratio (Ativos/Depósitos) Medium Term Funding Ratio (Razão de funding de médio prazo) Commitments Limits (Limites de obrigações) c) Crise de Liquidez Risco de crise de liquidez é o risco que o Banco está exposto em uma situação de estresse de liquidez devido a um problema reputacional no mercado ou ainda problemas qualitativos relevantes. Controles: Liquidity Crisis Management Plan (Plano de Gerenciamento de Crise de liquidez) Maiores informações sobre os controles mencionados podem ser encontrados nas políticas internas de risco de liquidez do Standard Chartered Bank. O Grupo procura gerenciar sua liquidez prudentemente em todas as localidades e para todas as moedas. Eventos excepcionais de mercado podem impactar a liquidez do Banco, afetando sua habilidade de honrar suas obrigações. As principais incertezas relacionadas a risco de liquidez são as retiradas de depósitos de clientes a taxas substancialmente mais altas que as esperadas ou que os recebimentos de ativos não ocorram nas datas de vencimento esperadas. Para mitigar tais incertezas, a base de captações é segregada por tipo e vencimento. Adicionalmente à utilização das captações no mercado, o Grupo possui um plano e linha de contingência de liquidez que pode ser utilizado em eventos de estresse. 6.2 Governança A estrutura de governança do Grupo para gerenciamento de risco de liquidez é composta dos seguintes comitês: GALCO (Group Asset and Liability Committe) é o comitê responsável por aprovar as políticas globais de gerenciamento de risco de liquidez. O LMC (Liquidity Management Committe) é o comitê autorizado pelo GALCO para estabelecer ou delegar as propostas de limites e políticas de risco de liquidez. O gerenciamento da liquidez de cada localidade é de responsabilidade do ALCO (Asset and Liability Committe) de acordo com os limites pré-definidos pelo LMC, com as políticas de liquidez do Grupo e com as exigências regulatórias locais. A área de risco de mercado e liquidez e Group Treasury sugerem e monitoram a implementação de políticas e controles relacionados ao risco de liquidez. Estrutura de governança local para o gerenciamento de risco de liquidez: ALCO Head of Group CEO 6.3 Políticas e Procedimentos ALM Treasury Global Markets Country Finance CAO Group Market Risk 20

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR)

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) NOVO BANCO CONTINENTAL S/A - BANCO MÚLTIPLO - CNPJ:

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR - 30/06/2015 R$Mil

Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR - 30/06/2015 R$Mil Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR 30/06/2015 R$Mil Capital Principal: instrumentos e reservas Valor R$M Valor sujeito a tratamento 1 Instrumentos Elegíveis

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2013

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2013 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 30 de Junho de 2013 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 4 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 4 III. GERENCIAMENTO

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Setembro de 2011

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Setembro de 2011 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 30 de Setembro de 2011 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 3 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 3 III. ESTRUTURA GLOBAL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Março de 2011

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Março de 2011 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 31 de Março de 2011 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 3 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 3 III. ESTRUTURA GLOBAL

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A.

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Credit Risk True False Market Risk True False Operational Risk False True ALM&T False True Finance True False RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Junho de 2014

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2012

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2012 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 30 de Junho de 2012 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 3 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 3 III. GESTÃO DE CAPITAL...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Dezembro de 2012

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Dezembro de 2012 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 31 de Dezembro de 2012 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 3 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 3 III. GESTÃO DE CAPITAL...

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. APRESENTAÇÃO

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A (BTMU B) entende que uma adequada gestão de riscos operacionais é fundamental para garantir a perenidade de seus negócios. O principal objetivo

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Setembro/2013 ÍNDICE 1. Definições, Base Legal e Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional de Gerenciamento do Risco de Liquidez... 4 3. Principais

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Capital. Maio/2013

Gerenciamento de Capital. Maio/2013 Gerenciamento de Capital Maio/2013 Perfil do BANDES FOCO DE ATUAÇÃO: Interiorização do crédito Crédito para empreendedores de micro e pequenos negócios Fortalecer o crédito ao setor urbano Fortalecer a

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

I - créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias;

I - créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias; COMUNICADO 20.615 Divulga orientações preliminares e cronograma relativos à implementação, no Brasil, das recomendações do Comitê de Basileia para Supervisão Bancária acerca da estrutura de capital e de

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A.

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Credit Risk True False Market Risk True False Operational Risk True False ALM&T True False Finance True False RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Março de 2015

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 1 Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015 Índice: 1. Objetivo... 3 2. Conceito/Definição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM Disponibilização de relatórios de acesso público RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração da descrição da estrutura de gestão de risco de

Leia mais

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital.

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. RESOLUCAO 3.988 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Classificação da Informação: Uso Irrestrito Sumário 31 de agosto de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos DIRETORIA

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais