EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO"

Transcrição

1 EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação do IR e da CSLL pela modalidade de Lucro Real. Quando tem receita superior a R$ 48 milhões por ano; Cujas atividades sejam financeiras ou de factoring; Quando tem lucros e rendimentos de filiais no exterior; Quando recebem benefícios fiscais específicos. II - Determinada empresa comercial iniciou suas atividades em janeiro de 2010, sendo tributada pelo lucro real trimestral. No primeiro trimestre, apresentou prejuízo contábil de R$ ,00, com despesas não dedutíveis no valor de R$ 4.000,00 incluídas no resultado. No 2o trimestre, obteve lucro contábil de R$ ,00, incluindo receitas não tributáveis de R$ ,00. Considerando as alíquotas vigentes no país. Demonstre a memória de cálculo e o valor do o imposto de renda devido pela empresa referente ao 2o trimestre, em reais. Prejuízo contábil (60000) Adição (despesas não dedutíveis) 4000 Prejuízo fiscal 1º trimestre (56000) Receitas Exclusão - receita não tributável (20000) (Por exemplo, uma equivalência patrimonial) Lucro antes da compensação 2º trimestre Base de compensação = 30% de = (máximo a ser compensado) Compensação (56000) Lucro real IR de 15% (42600) IR adicional acima de ( ) * 10% = (22400) IR total da empresa = (65000) Se fosse calcular a contribuição social: também pode compensar 30% Base = CS = * 9% = (25560) III - Observe os seguintes fatos apurados na empresa MSG Ltda, em 31/12/2010, em reais: 1

2 Itens Valores Provisões Indedutíveis Resultado positivo em Equivalência Patrimonial já tributado em outras empresas Despesas com brindes Lucro líquido em 31/12/2010, antes da Contribuição Social Base de cálculo negativa em 31/12/ Provisões dedutíveis Com as informações acima calcule, o Lucro Líquido Ajustado e a Base de Cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), em reais. Lucro líquido em 31/12/ Antes da CS Provisões indedutíveis O fisco não deixa deduzir (adição) Resultado de equivalência Não é tributável (10000) patrimonial Despesas com brindes O fisco não deixa deduzir Provisões dedutíveis Já estão no lucro líquido Não é pra fazer nada antes da CS Lucro líquido ajustado Abatimento máximo 30% de Abatimento efetivo (32400) Lucro tributável Contribuição social 9% de IV - A Companhia Comercial Sulca S/A, enquadrada na tributação pelo lucro real, ao final de um determinado exercício social, apresentou as seguintes informações: Custo das Vendas ,00 Despesa de Depreciação ,00 Despesa de Devedores Diversos (PDD) ,00 Despesas Comerciais ,00 Despesas Financeiras Líquidas ,00 Dividendo recebido, Investimento Avaliado pelo Custo ,00 Ganho na Venda de Imobilizado ,00 Perda pelo Método da Equivalência Patrimonial ,00 Vendas Líquidas ,00 2

3 Considerando as determinações fiscais no livro de apuração do lucro real LALUR, demonstre os valores apurados, em reais, referentes ao lucro contábil (LAIR) e ao lucro real. Vendas líquidas Ganho na venda de imobilizado Dividendo recebido, investimento avaliado pelo custo Custo das vendas (600000) Despesa de depreciação (50000) Despesa de devedores diversos (PDD) (20000) Despesas comerciais (200000) Despesas financeiras líquidas (160000) Perda pelo método da equivalência patrimonial (40000) Lucro contábil Adições e exclusões Despesa de devedores diversos (PDD) Adição (indedutível) Dividendo recebido, investimento avaliado pelo custo (16000) Exclusão (fisco não tributa) Perda pelo método da equivalência patrimonial Adição (indedutível) Lucro real ou tributável V - A Cia. Bola iniciou suas atividades em 2009, sendo tributada pelo lucro real. Apresentou nesse ano um lucro contábil de R$ 3.000,00, porém um prejuízo fiscal de R$ 5.000,00. Em 2010, a empresa passou a ser tributada pelo lucro presumido, retornando ao lucro real em 2011, quando obteve um lucro, antes do cálculo do IR, de R$ ,00. Neste resultado estão incluídas despesas não dedutíveis no valor de R$ 2.000,00. Com base na legislação tributária vigente, demonstre o valor do imposto de renda devido em 2011 pela Cia. Bola. Lucro antes do IR em Despesas não dedutíveis Lucro antes da compensação Compensação máxima 30% Máximo 6000 Prejuízo fiscal em Compensação efetiva (5000) Lucro real ou tributável em IR 15% 2250 VI - A Cia. Pilares apurou prejuízo fiscal de R$ ,00 no ano de Em 2010, obteve um resultado positivo antes de IR e CSL no valor de R$ ,00, incluídas as seguintes contas de receitas e despesas, em reais: Resultado negativo de equivalência patrimonial ,00 Provisões não dedutíveis ,00 3

4 Multa proveniente de uma autuação fiscal ,00 Brindes ,00 Demonstre o valor do imposto de renda a pagar no ano de 2010, em reais. Lucro antes do IR em Resultado negativo de equivalência patrimonial Adição / indedutível Provisões não dedutíveis Adição / indedutível Multa de autuação fiscal Adição / indedutível Brindes Adição / indedutível Lucro antes da compensação Limite máximo de compensação 30% Compensação efetiva (300000) Lucro real ou tributável IR de 15% IR adicional = ( (12 * 20000)) * 10% = ( ) * 10% = * 10% = IR total = CS de 9% * 9% = VII - Uma empresa apresentou, no final do exercício de 2010, um lucro antes do cálculo de Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no valor de R$ O contador analisou detalhadamente este resultado, destacando os seguintes ajustes necessários para calcular, pagar e registrar os dois tributos: Em reais Provisão para créditos de liquidação duvidosa 6.000,00 Despesas de Brindes Não Dedutíveis 2.000,00 Resultado Positivo de Participação em Empresas Controladas Avaliadas pelo Método de Equivalência Patrimonial 4.000,00 Com base nas informações apresentadas, demonstre os cálculos dos devidos impostos. Lucro antes do IR e CS Provisão para créditos de liquidação duvidosa Adição / indedutível Despesas de brindes

5 Adição / indedutível Resultado positivo por equivalência patrimonial (4000) Exclusão / não tributado Lucro tributável IR de 15% 3600 CS de 9% 2160 VIII - Uma empresa possui saldo de prejuízos fiscais de R$ 2.000,00, registrados na parte B do LALUR e apresenta, no ano, um lucro antes do Imposto de Renda de R$ 6.000,00, incluindo resultado positivo de participação em controladas e coligadas (equivalência patrimonial), no valor de R$ 400,00. Sendo assim, demonstre o cálculo do Imposto de Renda, em reais, atendendo às regras da legislação fiscal. Lucro antes do IR 6000 Ganho de equivalência patrimonial (400) Exclusão / não tributado Lucro ajustado 5600 Compensação de prejuízos máxima 5600 * 30% = 1680 Compensação efetiva (1680) Lucro real 3920 IR de 15% 588 IX - Uma empresa tributada pelo lucro real fez a opção do pagamento trimestral para o ano de Obteve lucro tributável de R$ ,00 no primeiro trimestre, de R$ ,00 no segundo trimestre, apresentou prejuízo fiscal no terceiro trimestre de R$ ,00 e resultado positivo no quarto trimestre de R$ ,00. Assim, terminou o ano com um resultado fiscal de R$ ,00. Considerando as informações fornecidas, demonstre o total de Imposto de Renda a ser pago pela empresa, referente ao ano de 2010, em reais. Trimestre 1 Lucro tributável IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR total no trimestre Trimestre 2 Lucro tributável IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR total no trimestre Trimestre 3 Prejuízo fiscal (100000) IR 0 Trimestre 4 Resultado positivo

6 Compensação máxima * 30% = Compensação efetiva (100000) Lucro tributável IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR total no trimestre Total pago de IR no ano de 2010 = (T1) (T2) + 0(T3) (T4) = X - A Zelote S/A apresentou as seguintes informações parciais, em reais, referentes ao mês de janeiro de 2010: Receita de vendas ,00 Receita de aplicações financeiras ,00 IR na Fonte s/aplicações financeiras ,00 Ganho de equivalência patrimonial ,00 Ganhos de capital ,00 Considerando-se as informações parciais recebidas da Cia. Zelote e a legislação tributária do Imposto de Renda, aplicável à apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre O lucro Líquido por estimativa (antecipações mensais em bases estimadas), demonstre o valor do Imposto de Renda e da CSLL, apurado por estimativa, em janeiro, em reais. Regime de estimativa IR Receita de vendas Percentual para base de cálculo 8% * 8% = Ganhos de capital Base de cálculo = IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = 9200 IR total = Regime de estimativa CSLL Receita de vendas Percentual para base de cálculo 12% * 12% = Ganhos de capital Receitas de aplicações financeiras Base de cálculo = CSLL alíquota de 9%

7 QUESTÃO 2 RESPONDA A QUESTÀO APRESENTADA SEGUIR: I. Com base nas informações abaixo, calcule o IR e a CSLL na modalidade Lucro Presumido. Comércio e Indústria Serviços Posto de Gasolina Receita Bruta % da atividade 8% 32% 1,6% Base de Cálculo Ganho na venda de Imobilizado Rendimentos Financeiros Lucro Tributável IR Adicional de IR Despesa com IR (IR + Adicional) IRRF Antecipação 0 (12.000) 0 IR a Pagar Comércio e Indústria Serviços Posto de Gasolina Receita Bruta % da atividade 12% 32% 12% Base de Cálculo Ganho na venda de Imobilizado Rendimentos Financeiros Resultado Tributável CSLL Antecipação de CSLL 0 (16.000) 0 CSLL a Pagar QUESTÃO 3 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Faça um breve comentário sobre o tributo ICMS. Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação. 7

8 É um imposto estadual que tem como principal fato gerador a circulação da mercadoria. Incide sobre operações relativas à circulação de mercadorias, prestações de serviços de transporte, prestações de serviços de telecomunicações, entradas de mercadoria importada do exterior, entre outros casos. O ICMS é cobrado no Estado de origem do bem ou serviço. A alíquota interna na maioria dos estados varia entre 17% e 19%. Na sua base de cálculo, devem-se incluir os fretes, seguros e demais importâncias pagas. Contudo, excluem-se as vendas canceladas e os descontos incondicionais. II - Faça um breve comentário sobre o tributo IPI. Imposto sobre Produtos Industrializados. O IPI é um imposto federal que incide sobre produtos industrializados, nacionais ou estrangeiros. Tem como fato gerador o desembaraço aduaneiro do produto importado ou a saída do produto industrializado do estabelecimento da empresa. A alíquota utilizada varia conforme o produto e é definida pelo poder executivo, através da tabela TIPI. O governo pode estimular ou frear o consumo de um determinado produto através de sua alíquota de IPI. Existem produtos isentos e produtos com alíquota muito alta (cigarros, por exemplo). O IPI segue o princípio da essencialidade, onde cobra mais dos produtos que são menos essenciais para a economia do país. O IPI incide na importação e nas indústrias de transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento e renovação. III - A Companhia Industrial Alpha adquiriu matérias-primas para serem utilizadas na produção. A nota fiscal do fornecedor continha os seguintes dados: - valor das matérias-primas R$ 2.000,00 - IPI R$ 400,00 - valor total da nota fiscal R$ 2.400,00 - ICMS destacado na nota fiscal R$ 340,00 Sabendo que o IPI e o ICMS são impostos recuperáveis para a empresa, demonstre o cálculo do valor que poderá ser computado no custo das matérias-primas. O valor do ICMS está embutido no valor das matérias primas. O valor do IPI não está. O custo das matérias primas, portanto, é R$ 2000 R$ 340 (do ICMS) = R$ IV Com relação à Legislação do ICMS e do IPI, comente as seguintes afirmações: a) nas empresas industriais, os tributos indiretos IPI e ICMS pagos pela empresa compradora em decorrência da aquisição de matérias-primas, materiais de embalagem e demais mercadorias utilizadas na produção representam, de acordo com a legislação pertinente, créditos da empresa compradora junto ao governo; 8

9 É uma afirmação verdadeira, os impostos IPI e ICMS são recuperáveis, ou seja, não são cumulativos. Os impostos que foram pagos na compra de insumos de produção ou compra de materiais para revenda podem ser abatidos totalmente dos impostos relativos à revenda da mercadoria. b) os valores dos impostos recuperáveis pagos na aquisição das matérias-primas e demais materiais utilizados na produção devem compor o custo de aquisição que serão incorporados aos estoques desses materiais; Não devem compor o custo de aquisição, pois eles serão compensados. c) uma empresa industrial adquiriu quilos de matérias-primas para uso na industrialização, pagando ao fornecedor o total de R$ ,51, incluindo 18% de ICMS e R$ ,68 de IPI. Com base nessas informações, o estoque de matérias-primas deve registrar como custo unitário de compras o valor de R$ 50,00; É uma operação entre duas indústrias, portanto, o montante do IPI não integra a base de cálculo do ICMS. Custo sem impostos = ( ) / 1.18 = / 1.18 = Custo unitário = / 3000 Custo unitário = R$ (um pouco acima dos R$ 50 mencionados) d) nas vendas de ativo imobilizado para uma empresa comercial, o valor do IPI deve integrar a base de cálculo do ICMS; A afirmação é verdadeira de acordo com a Lei Complementar 87/96. e) nas vendas de materiais de consumo para uma empresa industrial, o valor do IPI não deve integrar a base de cálculo do ICMS. A afirmação é verdadeira de acordo com a Lei Complementar 87/96. V - Com relação à Legislação do ICMS e do IPI comente as seguintes afirmações: a) a simples circulação de mercadorias entre as filiais de uma mesma empresa industrial não se caracteriza como fato gerador do ICMS; A afirmação é verdadeira. Súmula 166. Não constitui fato gerador do ICMS o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte. 9

10 b) o fato gerador do ICMS se restringe à circulação de produtos industrializados e ao desembaraço de produtos importados; A afirmação é falsa. Incide também sobre serviços de telecomunicação e transporte intermunicipais e interestaduais. c) a base de cálculo do ICMS é o valor da operação com mercadorias, não incluindo as importâncias acessórias, tais como seguros e fretes pagos pelo comprador; A afirmação é falsa. Na base de cálculo entram também o valor do frete, do seguro, dos descontos condicionais etc. Também entra o IPI, quando a destinação da mercadoria for o uso a consumo ou o ativo fixo. d) Os contribuintes do IPI são todas as pessoas jurídicas que praticam operações que envolvam a circulação de mercadorias; A afirmação é falsa. Os contribuintes são as empresas que industrializam produtos (transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento ou renovação). São também contribuintes os importadores. e) a base de cálculo do IPI dos produtos importados inclui os tributos e os encargos cambiais pagos pelo importador. A afirmação é verdadeira. Lei 4502/64, art. 14, inciso I. VI - Uma empresa contribuinte do ICMS, mas não contribuinte do IPI, deve registrar como custo das mercadorias adquiridas para revenda, quando cobrados esses dois impostos: a) incluindo o IPI e excluindo o ICMS; b) incluindo o ICMS e excluindo o IPI; c) incluindo o ICMS e o IPI; d) excluindo o ICMS e o IPI; e) excluindo o ICMS e o IPI, mas incluindo o ICMS relativo revenda. Letra a é a resposta correta. Justifique a resposta: Como a empresa não é contribuinte do IPI, o imposto IPI pago não poderá ser recuperado. Ele será um custo, portanto o valor do IPI deve ser incluído como custo da mercadoria. Já o ICMS será um direito a ser compensado, portanto deve ser excluído do custo da mercadoria. 10

11 QUESTÃO 4 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Comente sobre o tributo ISS. O Imposto Sobre Serviços é um imposto de competência municipal que tem como fato gerador a prestação de serviços. A alíquota varia conforme a legislação de cada município, indo de 2 a 5%. De um modo geral o ISS leva em consideração a localização do estabelecimento ou domicílio do prestador de serviços, com exceção das atividades listadas no artigo 3 da Lei Complementar 116/2003. II - Comente sobre a base legal para a incidência do ISS. O assunto é tratado no art. 156, inciso III, da Constituição Federal e regulamentado, em suas normas básicas, pelo Decreto-lei nº 406/68. O ISS incide sobre a prestação de serviços previstos na Lei Complementar 116/2003. A base de cálculo do imposto é o preço do serviço, ou seja, tudo que for cobrado em virtude de prestação dos serviços ou direitos, seja na conta ou não, inclusive a título de reembolso, reajustamento ou dispêndio de qualquer outra natureza. III - Comente a figura do responsável (ou sujeito passivo indireto) pelo pagamento do ISS. O sujeito passivo do ISS é a empresa ou profissional autônomo, com ou sem estabelecimento fixo, que preste serviços da lista de serviços. A figura do responsável, sujeito passivo indireto obrigado a cumprir o pagamento do tributo em nome do contribuinte, também existe no lss, porque a legislação municipal pode eleger a pessoa responsável pelo pagamento do imposto. Por exemplo, no município de São Paulo o tomador do serviço deve reter e recolher o imposto, quando o prestador não emite a nota fiscal, e é obrigado a fazer, ou, quando não é obrigado a emitir nota fiscal e não emite recibo ou comprovante de recolhimento do imposto. IV - Todas as empresas prestadoras de serviços estão obrigadas a recolher o ISS para o Município onde estão estabelecidas? Justifique a resposta. Não, nos incisos do artigo 3 da Lei Complementar 116/2003 há uma lista de atividades cujas empresas prestadoras de serviço passam a dever o imposto no local onde o serviço foi prestado. Existem atividades que não obrigam a empresa a recolher o ISS, como por exemplo, exportação de serviços para o exterior, quando o serviço não é desenvolvido no Brasil, e também as micro empresas, ou empresas de pequeno porte, quando tributadas pelo Simples Nacional. V - Uma empresa negocia o recebimento de R$ 7.600,00, líquido de ISS (alíquota de 5%), pela prestação de serviços, sendo 50% na emissão da nota e o restante, 15 dias depois. Demonstre o cálculo do valor total do ISS devido nesta operação, em reais. 11

12 A empresa deseja receber R$ 7600 líquido de ISS, cuja alíquota é 5%. Precisará cobrar = (7600 / 0.95) = R$ O ISS devido será 5% de R$ 8000 = R$ 400. QUESTÃO 5 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - As contas abaixo representam um grupo de receitas e despesas e, embora distribuídas aqui aleatoriamente, compõem a demonstração do resultado do exercício da empresa Boapermuta S/A. Com base nas informações apresentadas, calcule a despesa e o valor a pagar do Pis/Pasep e Cofins cm base no método cumulativo. Receitas Não-Operacionais R$ 4.000,00 Provisão para Contribuição Social 9% Juros Recebidos R$ 3.000,00 Depreciação (*) R$1.400,00 Participação de Administradores 5% Impostos e Taxas R$ 1.000,00 Propaganda e Publicidade R$ 3.600,00 Vendas Canceladas R$ ,00 PIS/PASEP 0,65% Despesas Bancárias R$ 1.600,00 Estoque Inicial R$ ,00 Comissões sobre Vendas de Mercadorias R$ 6.000,00 Descontos Incondicionais Concedidos R$40.000,00 Estoque Final R$ ,00 Descontos Condicionais Concedidos R$ 8.000,00 Participação de Partes Beneficiárias 5% Juros Pagos R$ 1.000,00 Vendas de Mercadorias R$ ,00 COFINS 3% Salários e Encargos R$ 6.000,00 Água e Energia (*) R$ 400,00 Provisão para Imposto de Renda 15% Compras de Mercadorias (*) R$ ,00 ICMS s/ Compras e Vendas 19% Descontos Obtidos R$ ,00 Método cumulativo Lucro Presumido 12

13 Vendas de Mercadorias Vendas Canceladas (40000) Descontos Incondicionais Concedidos (40000) Receitas Não-Operacionais 4000 Base de cálculo para PIS e COFINS PIS 0,65% 806 COFINS 3% 3720 Se fosse fazer pelo método não cumulativo Lucro real A base de cálculo é a mesma PIS 1,65% 2046 COFINS 7,6% 9424 Créditos Depreciação 1400 Água e energia 400 Compra de mercadorias (matéria prima) Base de créditos Crédito de PIS 1,65% Crédito de COFINS 7,6% 7736 PIS a pagar = = R$ COFINS a pagar = = R$ 1688 II - A Cia. Pomar é uma empresa comercial e apresenta os seguintes dados referentes ao mês de outubro de 2010, em reais: Receita Bruta ,00 PIS s/ Vendas 130,00 ICMS s/ Vendas 3.670,00 Result. Positivo de Participação em Controladas 1.000,00 Receitas Financeiras 600,00 Despesas Financeiras 1.600,00 Ganho com venda de bens do Ativo Imobilizado 200,00 Custo das Mercadorias Vendidas ,00 Despesas de Vendas 2.800,00 13

14 Despesas Administrativas 2.000,00 Demonstre o cálculo do PIS e COFINS cumulativo e informe o lucro bruto e o lucro operacional. A base do PIS e COFINS é a receita bruta. Receitas financeiras não entram, nem ganho com venda de bens do ativo imobilizado PIS 0.65% (130) COFINS 3% (600) ICMS sobre vendas (3670) Receita líquida Custo das mercadorias vendidas (10000) Lucro bruto 5600 Resultado positivo em controlada 1000 Receitas financeiras 600 Despesas financeiras (1600) Despesas de vendas (2800) Despesas administrativas (2000) Lucro operacional 800 OBS: o ganho com venda de bens do ativo imobilizado foi considerado não operacional. III - Uma empresa mista, que tem em seu estatuto social previsão de atividades comerciais e de prestação de serviços, é tributada pelo lucro presumido. Ao final do 1o trimestre de 2010, apresenta as seguintes contas de resultado, em reais: Receita Bruta de Vendas ,00 Receita de Prestação de Serviços ,00 Receitas Financeiras 4.000,00 Despesas Dedutíveis ,00 Considerando apenas as informações apresentadas demonstre as memórias de cálculo do PIS e da COFINS. No método cumulativo não são deduzidas as despesas. Receitas financeiras não fazem parte da base de cálculo. Receita bruta de vendas Receita de prestação de serviços Receita total PIS 0,65%

15 COFINS 3% 9000 IV - O Supermercado Capixaba é uma empresa que fez a opção, em 2010, pelo lucro presumido. Em janeiro, adquiriu R$ ,00 em mercadorias, além de ter R$ ,00 de estoque inicial. A receita de revenda de mercadorias montou R$ ,00 no mês, com o supermercado obtendo, ainda, receitas financeiras, no valor de R$ ,00. Considerando apenas as informações apresentadas demonstre a memória de cálculo do PIS e da COFINS, referente ao mês de janeiro de Lucro presumido = método cumulativo. Receitas financeiras não entram. Receita de vendas PIS 0,65% 5200 COFINS 3% V - Uma empresa tributada pelo lucro presumido apresentou os seguintes dados, ao final do mês de janeiro de 2010: Receita Bruta de Vendas R$ ,00 Descontos Incondicionais Concedidos (N.Fiscal) R$ ,00 Devolução de Vendas R$ ,00 Perda na Venda de Bens do Ativo Imobilizado R$ ,00 Considerando apenas as informações apresentadas apresente a memória de cálculo do PIS e da COFINS, referente ao mês de janeiro de Lucro presumido = método cumulativo. A perda na venda de bens do ativo imobilizado não entra na base de cálculo. Receita de vendas Descontos incondicionais (120000) Devoluções de vendas (40000) Base de calculo do PIS/COFINS PIS 0,65% COFINS 3% VI - Uma empresa comercial tributada pelo Lucro Real apresentou as seguintes informações em reais no mês de outubro de 2010: Estoque Inicial ,00 15

16 Compras de Mercadorias ,00 Estoque Final ,00 Vendas de Mercadorias ,00 Despesas com Energia Elétrica ,00 Receitas Financeiras 2.000,00 Despesas Financeiras 3.000,00 Com base apenas nas informações apresentadas e na legislação tributária vigente demonstre a memória de cálculo do PIS e da COFINS da empresa referente ao mês de outubro de Vendas de mercadorias PIS 1,65% 3300 COFINS 7,6% Créditos Compras de mercadorias Energia elétrica (considerando que a energia foi usada na produção das mercadorias vendidas) Base de cálculo para créditos PIS 1,65% 1980 COFINS 7,6% 9120 PIS devido = 1320 COFINS devido = 6080 QUESTÃO 6 RESPONDA AS 2 (DUAS) QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Historicamente os faturamentos decorrentes das atividades das empresas são constantes no decorrer do ano-calendário, com base nas informações abaixo demonstre em valores a estimativa das prováveis economias escolhendo o regime de tributação ideal com o menor ônus tributário entre o regime do Lucro Presumido e o SIMPLES: Empresa Faturamento Mensal % FP s/ Faturamento 16

17 Serviços Mercúrio % Comercial Minerva % Outras informações: os encargos sociais incidentes sobre a FP (folha de pagamento, incluindo sistema S ) correspondem a 27,8% sobre folha; e no lucro presumido as contribuições sociais sobre o faturamento têm as alíquotas do regime cumulativo e a alíquota total do SIMPLES conforme a tabela é de 11,61%. Simples Mercúrio Faturamento anual Mercúrio * 12 = Mercúrio - Simples 11,61% Simples Minerva Faturamento anual Minerva * 12 = Minerva Simples 11,61% Lucro Presumido Mercúrio Faturamento trimestral Mercúrio * 3 = Percentual da atividade para IR e CS 32% IR 15% - trimestre 5760 IR anual CS 9% - trimestre 3456 CS anual Base mensal para PIS/COFINS/ISS PIS 0,65% 260 PIS anual 260 * 12 = 3120 COFINS 3% 1200 COFINS anual 1200 * 12 = ISS 5% 2000 ISS anual 2000 * 12 =

18 INSS 20% sobre o faturamento mensal 20% de = 8000 INSS mensal 27,8% 2224 INSS anual Total anual = Lucro Presumido Minerva Faturamento trimestral Minerva * 3 = Percentual da atividade para IR 8% IR 15% - trimestre 6480 IR anual Percentual da atividade para CS 12% CS 9% - trimestre 5832 CS anual Base mensal para PIS/COFINS/ICMS PIS 0,65% 1170 PIS anual 1170 * 12 = COFINS 3% 5400 COFINS anual 5400 * 12 = ICMS 18% ICMS anual * 12 = INSS 15% sobre o faturamento mensal 15% de = INSS mensal 27,8% 7506 INSS anual Total anual = Empresa Tributos Simples Tributos Lucro presumido Mercúrio Minerva

19 O regime de tributação Simples é o mais vantajoso para ambas as empresas. II - Em 20 de fevereiro a diretoria financeira solicitou ao departamento de planejamento tributário uma análise das demonstrações financeiras levantadas em 31 de janeiro. O objetivo deste estudo seria fornecer subsídios à tomada de uma decisão muito importante. Qual regime de tributação a companhia deveria optar para recolher o imposto de renda e a contribuição social? E se existiriam alternativas a serem imediatamente implantadas para minimizar o impacto no caixa com estes encargos tributários durante o ano-calendário? Com base na demonstração de resultado abaixo e sabendo que na história da empresa os resultados da sua atividade são constantes no decorrer do ano-calendário, projete a economia tributária que seria possível na escolha do regime de tributação ideal e sugira alternativas de reestruturação que viabilizem uma redução maior no ônus tributário demonstrando em valores a estimativa das prováveis economias: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO MÊS DE JANEIRO RECEITA BRUTA Venda de Mercadorias e Produtos Receita de Prestação de Serviços IMPOSTOS E CUSTOS Mercadorias e Produtos Prestação de Serviços LUCRO BRUTO Despesas Operacionais LUCRO OPERACIONAL LAIR CSLL 9% IRPJ 15% Adicional 10% Total dos Encargos LUCRO LÍQUIDO Lucro real Lucro operacional no ano * 12 = IR de 15%

20 IR adicional = ( ) * 10% = CS 9% Total de IR + CS no ano = Lucro Presumido (considerando uma empresa apenas, exercendo 2 atividades) Receita trimestral de venda de mercadorias * 3 (comércio) = Percentual de presunção para IR 8% Percentual de presunção para CS 12% Receita trimestral de prestação de serviços * 3 = Percentual de presunção para IR e CS 32% Base de cálculo para IR = IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR anual ( ) * 4 = Base de cálculo para CS = CS de 9% CS anual * 4 = Total de IR + CS no ano = Considerando a separação em duas empresas pelo lucro presumido. Lucro Presumido produtos Receita trimestral de venda de mercadorias * 3 (comércio) = Percentual de presunção para IR 8% IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR anual ( ) * 4 20

21 = Percentual de presunção para CS 12% CS de 9% CS anual * 4 = Total de IR + CS no ano (comércio) = Lucro Presumido serviços Receita trimestral de prestação de serviços * 3 = Percentual de presunção para IR 32% IR de 15% IR adicional ( ) * 10% = IR anual ( ) * 4 = Percentual de presunção para CS 32% CS de 9% CS anual * 4 = Total de IR + CS no ano (serviços) = Total de IR + CS (comércio + serviços) = = Comparação Total de IR + CS no ano Lucro real Lucro presumido (1 empresa) Lucro presumido (2 empresas) Para efeito de pagamento de IR e CS, a opção pelo lucro presumido é mais vantajosa. Há ainda uma pequena vantagem caso a empresa possa ser divida em duas, pelo regime do lucro presumido. Orientações do professor para a prova: 21

22 Verificar a solicitação de escolha dos regimes tributários. Seja qual for o regime, o FGTS não influencia (não calcular). INSS patronal só deve ser considerado nos regimes LP e LR, pois já está incluso na alíquota do Simples (percentual 27,8%). ISS será de 5%. ICMS será de 18% na compra e na venda. IPI será informado o percentual na compra ou venda. No caso de 1 empresa com 2 tipos de receitas, deverá ser usada a tabela por receita (tabela do presumido). PIS e COFINS para LR é não cumulativo, e para o LP é cumulativo. Vendas canceladas, descontos incondicionais concedidos e devoluções não devem gerar efeitos tributários nos seguintes impostos: IR, CSLL, PIS, COFINS, ICMS e IPI. O ganho na venda de imobilizado e receitas financeiras são tributados pelo IR e CS, mas não são tributados no PIS e COFINS. O resultado de equivalência patrimonial (positivo ou negativo) não deve ter efeitos tributários em nenhum tributo. Só existe prejuízo fiscal (IR ou base negativa da CS) a serem compensados em até 30% no LR. A diferença básica entre o LR anual por estimativa mensal e o LP é que na estimativa eu não considero a receita de aplicações financeiras e o IR retido na fonte (para cálculo do IR apenas). Atentar para o adicional do IR compatível com o período de cálculo (mensal, trimestral, anual). R$ por mês. Pensar nas possibilidades de cisão, mudança de local, pro labore ou dividendos, etc. 22

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007 SUPERAVIT - Boletim Eletrônico Fiscal Consultoria TRIBUTÁRIA: (84) 3331-1310 E-Mail: jorge@superavitcontabil@com.br MSN: superavit.contabil@hotmail.com SITE: www.superavitcontabil.com.br ASSUNTOS CONTÁBEIS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais.

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais. Aula 8 Questões Comentadas e Resolvidas Tributos: conhecimentos básicos. Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição social sobre o lucro. Imposto de Renda Retido na Fonte IRRF. Imposto sobre Circulação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Roberto Haddad Ajuste a Valor Presente (AVP) Ativo decorrente de operações de longo prazo (Art. 3º) Os valores decorrentes do ajuste a valor presente, do

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2

Manual do Usuário 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 1 5. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU IMPOSTO...2 5.1 Digitações dos Sócios...2 5.1.1 Campo CPF...2 5.1.1.a Campo Saldo Anterior...3 5.1.1.b Campo Saldo...3 5.1.1.c Campo Isento...3 5.1.1.d Campo Tributado...3

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

PIS e COFINS. Rápido compêndio QUAIS AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO PARA AS PESSOAS JURÍDICAS EXISTENTES HOJE?

PIS e COFINS. Rápido compêndio QUAIS AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO PARA AS PESSOAS JURÍDICAS EXISTENTES HOJE? PIS e COFINS Rápido compêndio Planejamento Tributário é uma técnica gerencial que visa projetar as operações industriais e mercantis, conhecendo as obrigações e os encargos fiscais inseridos em cada uma

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

AULA DE IRPJ - DIA 26-06-2013 EXPOSITOR: PROF. JOSÉ MINATEL ÂNCORA: PROF. EDUARDO SABBAG

AULA DE IRPJ - DIA 26-06-2013 EXPOSITOR: PROF. JOSÉ MINATEL ÂNCORA: PROF. EDUARDO SABBAG CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE DIREITO TRIBUTÁRIO REDE LFG-ANHANGUERA AULA DE IRPJ - DIA 26-06-2013 EXPOSITOR: PROF. JOSÉ MINATEL ÂNCORA: PROF. EDUARDO SABBAG MODELOS DE EXERCÍCIOS GABARITADOS SOBRE CÁLCULO

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 30 - Data 29 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI IMPORTAÇÃO POR CONTA

Leia mais