FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA. Profª. Dra. Patrícia Bellon.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA. Profª. Dra. Patrícia Bellon."

Transcrição

1 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA Profª. Dra. Patrícia Bellon. Agosto/2017

2

3 MÉTODOS FÍSICOS

4 MÉTODOS FÍSICOS Manipulação física do AMBIENTE Ação rápida. Calor Frio Umidade/água Luz Som

5 MÉTODOS FÍSICOS Temperatura Calor Fogo. Cigarrinha da raiz Mahanarva frimbriolata Cigarrinha da folha Mahanarva posticata

6 MÉTODOS FÍSICOS Temperatura Solarização aumento da temperatura do solo.

7 MÉTODOS FÍSICOS Inundação ou drenagem Pão de galinha (Scarabaeidae) e gorgulho (Oryzophagus oryzae)

8 MÉTODOS FÍSICOS Luz Repelente Palha de arroz x pulgões

9 MÉTODOS FÍSICOS Luz Atraente Coloração amarela x mosca branca

10 Luz MÉTODOS DE CONTROLE DE PRAGAS MÉTODOS FÍSICOS Armadilhas luminosas

11 Som MÉTODOS FÍSICOS Som apresenta diferentes faixas de frequência (hertz) hz ultra-som somente insetos Utilização de ondas sonoras de diferentes frequências para matar os insetos por aquecimento ou afetar o seu comportamento.

12 Som MÉTODOS FÍSICOS

13 Som MÉTODOS FÍSICOS Aquecimento e ressonância provocado pela intensa energia empregada o Ondas sonoras de hz causam mortalidade de Sitophilus oryzae em grãos armazenados. Restrita a ambientes confinados Alto custo

14 Som MÉTODOS FÍSICOS Frequências diversas atuando como atraente ou repelente o Atua no comportamento do inseto Não letal. Atraente pernilongo e paquinhas. Repelente ultra-som de a hz repelindo mariposas.

15 MÉTODO COMPORTAMENTAL

16 MÉTODO COMPORTAMENTAL Se baseia no estudo fisiológico e comportamental dos insetos visando o seu controle através do seu hábito ou comportamento.

17 COMO OS INSETOS SE COMUNICAM?

18 MÉTODO COMPORTAMENTAL Uso de odores OLFATO: Localização de presas; Defesa e agressividade; Seleção de plantas hospedeiras; Escolha de locais para oviposição; Corte e acasalamento; Organização de atividades sociais.

19 MÉTODO COMPORTAMENTAL Substâncias químicas envolvidas na comunicação entre organismos.

20 SEMIOQÍMICOS MÉTODOS DE CONTROLE DE PRAGAS Desencadeadores Feromônios Preparadores Alomônios Aleloquímicos Cairomônios Sinomônios Antimônios

21 ALELOQUÍMICOS Beneficia emissor Prejudica emissor

22 MÉTODO COMPORTAMENTAL X Beneficia ambos Prejudica ambos

23 FEROMÔNIOS Conceito: Pherein: carregar Horman: estimular Substâncias mensageiras entre indivíduos da mesma espécie.

24 FEROMÔNIOS Vantagem evolutiva da comunicação química

25 FEROMÔNIOS Onde são produzidos?

26 FEROMÔNIOS Como são recebidos?

27 FEROMÔNIOS Tipos de feromônios: o Alarme o Trilha o Agregação o Oviposição o Sexual

28 FEROMÔNIOS o Feromônio de alarme

29 FEROMÔNIOS o Feromônio de trilha

30 FEROMÔNIOS o Feromônio de trilha

31 FEROMÔNIOS o Feromônio de agregação

32 FEROMÔNIOS o Feromônio de oviposição

33 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual

34 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual Século XX Adolf Butenandt Munique, Alemanha Prêmio Nobel Bombyx mori

35 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual Comportamento de chamamento. Resposta do macho. Voo direcionado à pluma de odor.

36 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual Comportamento de chamamento Diaphania indica

37 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual

38 FEROMÔNIOS o Feromônio sexual Resposta do macho

39 FEROMÔNIOS X CONTROLE DE INSETOS

40 Estratégias de Uso dos Feromônios Monitoramento Coleta Massal Atrai e Mata Confusão Sexual

41 Monitoramento Monitoramento regular da população de uma praga, pelo uso de armadilhas numa área conhecida.

42 Monitoramento

43 Monitoramento

44 Monitoramento

45 Monitoramento Bicho-furão em citros Gymnandrosoma aurantianum

46 Monitoramento Como funciona o monitoramento?

47 Monitoramento 10 ha

48 Monitoramento AVALIAÇÃO SEMANAL

49 Monitoramento

50 Coleta Massal É um método de controle onde se utiliza um grande número de armadilhas Capturar o maior número possível do inseto alvo Manter o inseto alvo abaixo do nível de dano econômico.

51 Coleta Massal Migdolus fryanus

52 Coleta Massal Migdolus fryanus Uma armadilha/talhão

53 Coleta Massal

54 Coleta Massal

55 Atrai e Mata Feromônio + Inseticida = Potencial de controle Grapholita molesta Mariposa oriental

56 Atrai e Mata

57 Confusão Sexual Liberação de feromônios no ambiente Macho não encontra a fêmea para acasalamento Sem acasalamento população decresce POPULAÇÃO CONTROLADA

58 Confusão Sexual

59 Como funciona a confusão sexual?

60 Exemplo de confusão sexual Pectinophora gossypiella lagarta rosada do algodão

61 Feromônios utilizados no Brasil Bio BM Bio Bonagota Bio Broca Bio Cydia Bio Grapholita Feromônio Bio Helicoverpa Bio Neo Bio Pseudoplusia Bio Serrico Gossyplure/Bio Pectinophora Inseto Bicho-mineiro-do-café Lagarta-enroladeira-da-folha Broca do café Bicho-da-maçã Mariposa-oriental Helicoverpa armigera Broca-pequena-do-tomateiro Lagarta falsa-medideira Bicho-do-fumo Lagarta-rosada

62 Feromônios utilizados no Brasil Feromônio Inseto Bio Spodoptera Bio Trimedlure Bio Tuta Biolita Cosmolure Gachon Luretape BW-10 Migdo Rmd -1 Lagarta-do-cartucho Mosca-das-frutas Traça do tomateiro Mariposa-oriental Moleque-da-bananeira Traças Bicudo do algodoeiro Broca-da-cana Broca-do-olho-do-coqueiro

63 Feromônios utilizados no Brasil

64 Feromônios utilizados no Brasil

65 Feromônios utilizados no Brasil

66

67 Pesq. agropec. bras., Brasília, v.49, n.11, p , nov. 2014

68 CONCLUSÕES 1. O feromônio sexual sintético impregnado em lure captura maior número de adultos de percevejo marrom Euschistus heros do que o feromônio em septo de borracha. 2. Durante o período crítico do ataque dos percevejos à soja, dos estágios R1 a R4, as armadilhas com feromônio são mais eficientes para captura e monitoramento desses insetos no campo do que a técnica do pano de batida. 3. A aplicação do inseticida no início da infestação da cultura, como resultado do monitoramento populacional por armadilhas iscadas com o feromônio sexual, resulta em um controle mais eficiente da população de E. heros, com redução dos danos nas sementes.

69

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014 Epagri www.epagri.sc.gov.br Cristiano João Arioli Epagri Estação Experimental de São Joaquim cristianoarioli@epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico 07 de janeiro de 2014 São Paulo/SP 1 1 Missão Congregar as empresas de controle biológico buscando o fortalecimento e a representatividade do setor.

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br

Helicoverpa armigera. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Helicoverpa armigera Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@embrapa.br Controle Biológico com ênfase a Trichogramma Postura no coleto Posturas nas folhas Trichogramma Manejo Integrado de Pragas com ênfase

Leia mais

Módulo 2. Conceitos do MIP

Módulo 2. Conceitos do MIP Módulo 2 Conceitos do MIP O que fazer para conter essa praga? A solução não está no MIP por cultura! MIP Soja Identificação das Pragas e dos Inimigos Naturais Monitoramento Tomada de decisão MIP Algodão

Leia mais

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Edson Hirose Embrapa Soja 1 As principais pragas Da Soja? 2 Principais pragas x fase de desenvolvimento da

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Feromônios: Uma Alternativa no Controle de Insetos-praga Luciane Gomes Batista Pereira Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais / CETEC agosto 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Atuação da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Rose Monnerat Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Núcleo de Controle Biológico Autores Dra.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes PRAGAS DO ALGODOEIRO Germano Leão Demolin Leite Vinicius Matheus Cerqueira Bom dia pessoal! Hoje vamos falar

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS BAN 160 Entomologia Geral Fenótipo Extendido e Teias Alimentares Exemplos Sam Elliot Vírus TIPOS DE MICRORGANISMOS Bactérias Protozoários 1 Vírus Eucariota (ex. Protozoário, Levedura) Fungos (incl. Leveduras)

Leia mais

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul André Luis da Silva Introdução Situação da cultura do algodoeiro no estado do MS. Situação da cultura do algodoeiro no Grupo Schlatter. Principais desafios.

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul PAULO E. DEGRANDE Universidade Federal da Grande Dourados O CONVITE versus FALAR

Leia mais

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira

GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1. Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira GET 106 Controle Biológico de Pragas 2013-1 Diego Bastos Silva Luís C. Paterno Silveira PREDADOR Conceito Vida livre durante todo o ciclo de vida Maior Indivíduo mata e consome um grande número de presas

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Núcleo 1 Matrinchã, Jussara e região. Os trabalhos estão concentrados

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

BOLETIM DE AVISOS Nº 43

BOLETIM DE AVISOS Nº 43 BOLETIM DE AVISOS FITOSSANITÁRIOS ALTO PARANAÍBA / TRIÂNGULO MINEIRO BOLETIM DE AVISOS Nº 43 MARÇO/2014 1 LOCALIZAÇÃO / DADOS CLIMÁTICOS E FENOLÓGICOS DO CAFEEIRO ARAXÁ Latitude 19 o 33 21 S Longitude

Leia mais

Métodos Legislativos. Métodos Mecânicos. Métodos Culturais

Métodos Legislativos. Métodos Mecânicos. Métodos Culturais MÉTODOS DE CONTROLE DE PRAGAS Métodos Legislativos Métodos Mecânicos Métodos Culturais Métodos Legislativos Leis e portarias federais ou estaduais Introdução de espécies exóticas que se tornam praga problema

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz José Otávio Menten Estagiária: Mariane S. Ishizuka Agosto de 2014 HOMEM: NÔMADE SEDENTÁRIO FLORESTA CLAREIRA AGRICULTURA EXPLORAÇÃO ATÉ EXAUSTÃO ABANDONO

Leia mais

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq O Brasil é líder na Agricultura Tropical, com uma tecnologia própria Área (ha) 450.000 400.000 350.000 300.000 Área usada Área agricultável

Leia mais

Classificação dos insetos

Classificação dos insetos Classificação dos insetos Reino animal - 3 filos de importância agrícola Nemathelminthes ( nematóides), Mollusca (lesmas, caracóis e caramujos) Arthropoda ( 78% do reino animal) Filo arthropoda é dividido

Leia mais

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Dirceu Pratissoli 1 1 Departamento de Produção Vegetal,

Leia mais

Experiências na Aplicação da Supressão do Bicudo. Guido Aguilar Sanchez Holambra Agrícola - Paranapanema, SP

Experiências na Aplicação da Supressão do Bicudo. Guido Aguilar Sanchez Holambra Agrícola - Paranapanema, SP Experiências na Aplicação da Supressão do Bicudo Guido Aguilar Sanchez Holambra Agrícola - Paranapanema, SP Holambra Agrícola Assessoria e Consultoria S/C Ltda Nome Função MSc Guido Aguilar Sanchez A.

Leia mais

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR PRAGAS AGRÍCOLAS Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR 2010 2 Distribuição Espacial das Pragas < Produtividade Parte aérea Broca Formigas Solo Cupins Migdolus Cigarrinha

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

Copyright WISER. All Rights Reserved.

Copyright WISER. All Rights Reserved. Copyright WISER. All Rights Reserved. Marciano Marques Bittencourt Engenheiro Agrônomo 17 anos Atuação Fruticultura e Horticultura no SUL Sediado em São Joaquim - SC MOLECULAS DE ORIGEM NATURAL HIDRÓLISE

Leia mais

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE

PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE PRINCIPAIS INSETOS-PRAGA DA CANA-DE-AÇÚCAR E CONTROLE Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisadora - Entomologia Agrícola Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Página 256 REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Adriano Moraes Rezende¹ (Fundação Goiás /adrianomoares@fundacaogo.com.br), José Ednilson

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura.

Fig.4. Rapidez de acção 2 a 6 horas após o contacto com o produto, as lagartas deixam de se alimentar, parando de provocar prejuízos na cultura. Tuta absoluta A Tuta absoluta é um lepidóptero originário da América do Sul e foi detectada na Península Ibérica em 2006. Esta praga apresenta um enorme potencial reprodutivo, capaz de causar estragos

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR ROMEU SUZUKI ENGENHEIRO AGRONOMO UNIDADE MUNICIPAL DE MARILÂNDIA DO SUL Janeiro 2005 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Justificativa 3 4. Métodos

Leia mais

Interação interespecífica

Interação interespecífica Interação interespecífica Plano de Aula Objetivos: conhecer os mecanismos de comunicação entre espécies diferentes e os contextos em elas ocorrem e os possíveis mecanismos co-evolutivos Introdução Relações

Leia mais

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems

Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems Danilo Scacalossi Pedrazzoli Diretor Industrial Koppert Biological Systems ABCBio (Associação Brasileira das empresas de Controle Biológico) foi fundada em 2007, com a missão de congregar as empresas de

Leia mais

EFEITO DE AGENTES BIO-CONTROLADORES DO BICUDO Anthonomus grandis (COLEOPTERA; CURCULIONIDAE) NO CULTIVO DO ALGODÃO COLORIDO

EFEITO DE AGENTES BIO-CONTROLADORES DO BICUDO Anthonomus grandis (COLEOPTERA; CURCULIONIDAE) NO CULTIVO DO ALGODÃO COLORIDO EFEITO DE AGENTES BIO-CONTROLADORES DO BICUDO Anthonomus grandis (COLEOPTERA; CURCULIONIDAE) NO CULTIVO DO ALGODÃO COLORIDO Carlos Alberto Domingues da Silva 1, José Ednilson Miranda 2, Marciene Dantas

Leia mais

PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO

PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO NESTA LIÇÃO SERÁ ABORDADO Quais os métodos utilizados na agricultura orgânica para controle de pragas e doenças. Quais os defensivos alternativos e

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL ANEXO 2 LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL Região Norte Mês Semana Título principal FEV. 1ª Como lidar com a resistência de bovinos e ovinos aos antiparasitários

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos

Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Predação, Parasitismo e Defesa em Insetos Objetivos Instrucionais Ao final desta aula o aluno será capaz de: Identificar as diferenças entre predador/parasita/parasitóide, baseado na forma de ataque à

Leia mais

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS 2.500.000 espécies de insetos sobre a Terra 1.000.000 espécies conhecidas 10% pragas agrícolas, florestais ou urbanas 1 patógeno para

Leia mais

Técnicas para controlar e repelir insetos

Técnicas para controlar e repelir insetos Técnicas para controlar e repelir insetos P R O F E S S O R : N A I L T O N R O D R I G U E S D E C A S T R O D I S C I P L I N A : A G R O E C O L O G I A Plantas repelentes e atrativas As plantas têm

Leia mais

IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR. Enrico De Beni Arrigoni

IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR. Enrico De Beni Arrigoni IMPACTO DA COLHEITA SEM DESPALHA A FOGO SOBRE PRAGAS E DOENÇAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR Enrico De Beni Arrigoni UNESP DRACENA 15/06/2012 1. INTRODUÇÃO CONAB / MAPA, 2008 Ítem Cana-de-açúcar (t) Produtividade

Leia mais

CLASSE: INSETICIDA SISTÊMICO DO GRUPO QUÍMICO DOS NEONICOTINÓIDES TIPO DE FORMULAÇÃO: SUSPENSÃO CONCENTRADA PARA TRATAMENTO DE SEMENTES (FS)

CLASSE: INSETICIDA SISTÊMICO DO GRUPO QUÍMICO DOS NEONICOTINÓIDES TIPO DE FORMULAÇÃO: SUSPENSÃO CONCENTRADA PARA TRATAMENTO DE SEMENTES (FS) CRUISER 350 FS DADOS TÉCNICOS COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: 3 (2 cloro tiazol 5 ilmetil) 5 metil [1,3,5] oxadiazinan 4 ilideno N nitroamina (TIAMETOXAM)......... 35 % m/v (350 g/l) Ingredientes inertes:...

Leia mais

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 1 Pragas de solo 1.1 - Cupins Importância econômica -se alimentam de celulose e possuem hábitos subterrâneos. Sintomas de danos -Atacam as sementes, destruindo-as

Leia mais

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer RESUMO 221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Enilton Fick Coutinho

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS

MAPEAMENTO DE RISCO O MAPA DE RISCOS Professor: Eng. Alexandre Dezem Bertozzi MAPEAMENTO DE RISCO Percebeu-se, na década de 70, a necessidade de se criar uma nova metodologia que mapeasse os riscos ambientais dos locais de trabalho. Esse

Leia mais

Recebido em: 12/04/2014 Aprovado em: 27/05/2014 Publicado em: 01/07/2014

Recebido em: 12/04/2014 Aprovado em: 27/05/2014 Publicado em: 01/07/2014 AVALIAÇÃO DE ARMADILHAS COM FEROMÔNIO SEXUAL E ATRATIVO FLORAL PARA MONITORAMENTO DE Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) e Pseudoplusia includens (Walter, 1857) (Lepidoptera: Noctuidae) EM POMAR DE

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Gestão operacional de lavouras transgênicas nas fazendas: Eficiência e Custos Aurelio Pavinato CEO SLC Agrícola S.A. Agenda 1

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 DESAFIOS FITOSSANITÁRIOS NO MANEJO DE LAVOURAS WORKSHOP APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS - FBA Engº Agrº EZELINO CARVALHO INTRODUÇÃO O objetivo desta apresentação é dialogar sobre os problemas fitossanitários

Leia mais

ESTUDO DOS INSETOS NO

ESTUDO DOS INSETOS NO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ARAPIRACA ESTUDO DOS INSETOS NO ESTADO DE ALAGOAS Prof. Dr.: Edmilson Santos Silva DIVERSIDADE HABITAT IMPORTÂNCIA PRAGAS DAS PRINCIPAIS CULTURA DO ESTADO DE ALAGOAS Cana-de-açúcar

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

Dinâmica dos Ecossistemas

Dinâmica dos Ecossistemas UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Monitores: John David & Giuliane Sampaio Dinâmica dos Ecossistemas Fortaleza-CE Versão

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII Zuleide A. Ramiro Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. E-mail: zramiro@uol.com.br

Leia mais

Objetivos desta tarde 04/03/2013. Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil

Objetivos desta tarde 04/03/2013. Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil MANEJO REGIONAL: proposta coletiva e de ampla adesão Paulo E. Degrande, UFGD Foto: R. Inoue Foto: Luciano Biancini Objetivos desta tarde Manejar a Helicoverpa

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA. Helicoverpa armigera: perigo iminente aos cultivos de algodão, soja e milho do estado de Mato Grosso

CIRCULAR TÉCNICA. Helicoverpa armigera: perigo iminente aos cultivos de algodão, soja e milho do estado de Mato Grosso CIRCULAR TÉCNICA Nº 5 / 2013 Julho de 2013 Publicação periódica de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com o

Leia mais

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se exerce uma força. 2. Força moral; firmeza. 3. Vigor, força. 4. Filos. Segundo Aristóteles, o exercício mesmo da atividade, em oposição

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

O que são os «OGM s»???

O que são os «OGM s»??? O que são os «OGM s»??? Em Portugal, como em toda a União Europeia, apenas está autorizada a libertação deliberada no ambiente para o cultivo do milho geneticamente modificado, ou como vulgarmente é denominado,

Leia mais

Apresentação. Jailson Bittencourt de Andrade Coordenador do projeto Pesquisando Kirimurê e da Rede Baías da Bahia

Apresentação. Jailson Bittencourt de Andrade Coordenador do projeto Pesquisando Kirimurê e da Rede Baías da Bahia Própolis Apresentação Em continuidade ao Estudo Multidisciplinar Baía de Todos os Santos (Projeto BTS), estão sendo realizadas investigações com foco nas baías da Bahia, com envolvimento de pesquisadores

Leia mais

É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental?

É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental? É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental? Amabílio J. Aires de Camargo 1 Produzir grande quantidade de alimentos para suprir uma população cada vez maior, implantar infra-estrutura

Leia mais

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome.

Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo alguns apresentar cefalotórax (= cabeça + tórax) e abdome. OS ARTRÓPODES Prof. André Maia Apresentam pernas articuladas com juntas móveis. São triblásticos, celomados e dotados de simetria bilateral. Corpo segmentado e dividido em cabeça, tórax e abdome, podendo

Leia mais

PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO. Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155

PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO. Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155 PULGÃO: TRANSMISSÃO DE VÍRUS E MANEJO Waldir Cintra de Jesus Junior wcintra@fundecitrus.com.br 0800-112155 Tópicos a serem abordados Condições para se ter doença Como os patógenos se disseminam? E os vírus?

Leia mais

Compostagem Caseira e Desperdício Alimentar

Compostagem Caseira e Desperdício Alimentar Compostagem Caseira e Desperdício Alimentar Lipor Associação Municípios desde 1982 Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Gestão, Tratamento e Valorização dos Resíduos Urbanos

Leia mais

A lagarta Helicoverpa armigera

A lagarta Helicoverpa armigera A lagarta Helicoverpa armigera Na última safra, um ataque severo de lagartas do Gênero Helicoverpa foi observado nas lavouras de algodão, soja e milho na região Norte. Inicialmente, várias suposições foram

Leia mais

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas.

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas. FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO COLORIDO BRS VERDE EM CATALÃO - GO. Nilton Cezar Bellizzi 2,4 ; David Hudson lopes Junior 1,4 ; Roberli Ribeiro Guimarães 3,4 ; Juliana Costa Biscaia 3,4

Leia mais

04 Maio 2013 - Cultura do milho

04 Maio 2013 - Cultura do milho 04 Maio 2013 - Cultura do milho Desafio complexo A popularização do cultivo de milho Bt, somada à recente identificação da espécie Helicoverpa armigera no Brasil, redobra a exigência de atenção ao manejo

Leia mais

Uma árvore de muitas utilidades

Uma árvore de muitas utilidades Série Como fazer CAATINGA SOLUÇÕES PARA O SEMI-ÁRIDO Uma árvore de muitas utilidades Março de 2006 CAATINGA Centro de Assessoria e Apoio aos Trabalhadores e Instituições Não Governamentais Alternativas

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096)

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (21)PI0902102-7 A2 j1111111,11111,1111 1,1H FLIeraliva (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (51) InÉCL: CO2F 1/14 CO2F 9/12 (54) Título: SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO

Leia mais

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $4 ! "#$""$% & ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4 1. INTRODUÇÃO As vespinhas pertencentes ao gênero Trichogramma são insetos diminutos (tamanho médio entre 0,2 a 1,5 mm) pertencentes à ordem Hymenoptera

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas

Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas Emergência com Pragas em Arquivos e Bibliotecas Universidade de Brasília Faculdade d de Economia, Administração, Contabilidade bld d e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Situação atual: normatização internacional. Utilização do produto. Sistemas de transporte AGRONEGÓCIO RASTREABILIDADE CONSUMIDORES QUALIDADE

Situação atual: normatização internacional. Utilização do produto. Sistemas de transporte AGRONEGÓCIO RASTREABILIDADE CONSUMIDORES QUALIDADE Situação atual: normatização internacional AGRONEGÓCIO CONSUMIDORES QUALIDADE RASTREABILIDADE Origem Origem do do material material propagação propagação vegetativa: vegetativa: aplis aplis -Lista -Lista

Leia mais

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Agropecuária. Entomologia Agrícola

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Agropecuária. Entomologia Agrícola Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP Curso Técnico em Agropecuária Entomologia Agrícola Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria

Leia mais

NUTRIÇÃO E ACUMULAÇÃO SUBSTÂNCIAS DAS PLANTAS

NUTRIÇÃO E ACUMULAÇÃO SUBSTÂNCIAS DAS PLANTAS Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia NUTRIÇÃO E ACUMULAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS DAS PLANTAS Pedro Pinto Nº 14 11ºA 09/12/2003 Índice Introdução... 3

Leia mais

AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS

AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS AÇÕES EMERGENCIAIS PROPOSTAS PELA EMBRAPA PARA O MANEJO INTEGRADO DE Helicoverpa spp. EM ÁREAS AGRÍCOLAS Conteúdo: 1. Diagnóstico 2. Ações emergenciais 2.1. Estabelecimento de um consórcio para manejo

Leia mais

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Como podemos relacionar o calor, a agitação térmica e o equilíbrio térmico? Questão 2 O

Leia mais

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI)

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Samuel Martinelli Monsanto do Brasil Ltda 1 I WORKSHOP DE MILHO TRANSGÊNICO 07-09 DE MARÇO DE 2012 SETE LAGORAS,MG Conceito de resistência Interpretação

Leia mais