ANDRÉ FURQUIM XOTTA. ESTÁGIO CURRICULAR I e II DESENVOLVIMENTO DE UM BACK OFFICE COM RUBY ON RAILS E. MANUTENÇÃO DE APLICAÇÕES PARA ios e ANDROID

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDRÉ FURQUIM XOTTA. ESTÁGIO CURRICULAR I e II DESENVOLVIMENTO DE UM BACK OFFICE COM RUBY ON RAILS E. MANUTENÇÃO DE APLICAÇÕES PARA ios e ANDROID"

Transcrição

1 ANDRÉ FURQUIM XOTTA ESTÁGIO CURRICULAR I e II DESENVOLVIMENTO DE UM BACK OFFICE COM RUBY ON RAILS E MANUTENÇÃO DE APLICAÇÕES PARA ios e ANDROID EMPRESA: BRAVA INFORMÁTICA LTDA SETOR: SISTEMAS SUPERVISOR: ANDERSON NIELSON ORIENTADOR: ALEXANDRE GONÇALVES SILVA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA BRASIL JUNHO/2011

2 ii APROVADO EM.../.../... Professor Alexandre Gonçalves Silva Doutor em Engenharia Elétrica Professor Orientador Professor Adriano Fioresi Mestre em Ciências da Computação Professor Rogério Eduardo Silva Mestre em Ciência da Computação Anderson Nielson Supervisor da CONCEDENTE

3 iii Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Brava Informática LTDA. CNPJ: / Endereço: Rua Santos Dumont, 935 Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Supervisor: Anderson Nielson Cargo: Gerente de Desenvolvimento ESTAGIÁRIO Nome : André Furquim Xotta Matrícula: Endereço: Paulo Malschitzki, 90, apt. 504 Bairro: Bom Retiro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Curso: Bacharelado em Ciências da Computação Título do Estágio: Desenvolvimento de um Back Office em Ruby On Rails e Manutenção de Aplicações ios e Android Período: 10/01/11 à 10/07/11 Carga horária: 360 AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo professor da disciplina ETG: Carlos N Vetorazzi Jr. CONCEITO FINAL NOTA Rubrica do professor da disciplina ETG Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) Joinville / / Nome do Estagiário : André Furquim Xotta

4 iv QUADRO I a) AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS Pontos 1 - QUALIDADE DO TRABALHO - Considerando o possível 2 - ENGENHOSIDADE - Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. 3 - CONHECIMENTO - Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. 4 - CUMPRIMENTO DAS TAREFAS - Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável 5 - ESPÍRITO INQUISITIVO - Disposição demonstrada para aprender 6 - INICIATIVA - No desenvolvimento das atividades SOMA Pontuação para o Quadro I e II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos. QUADRO II b) AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS Pontos 1 - ASSIDUIDADE - Cumprimento do horário e ausência de faltas 2 - DISCIPLINA - Observância das normas internas da Empresa. 3 - SOCIABILIDADE - Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. 4 - COOPERAÇÃO - Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. 5 -SENSO DE RESPONSABILIDADE - Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA c) AVALIAÇÃO FINAL Pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 102 a REGULAR SOMA TOTAL De 148 a BOM Nome da Empresa: Brava Informática Ltda. Representada pelo Supervisor: Anderson Nielson De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

5 TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Este Termo de Compromisso tem por objetivo a realização do estágio curricular obrigatório dos acadêmicos da UDESC, não gerando vínculo empregatício, nos termos da Lei nº /2008. ESTAGIÁRIO: Nome: André Furquim Xotta CPF: Data Nasc.: 07/10/1986 Endereço: Rua Paulo Malschitzki, 90 apt. 504 CEP: Telefone: (47) Curso: Ciencias da Computação Integral CCT UDESC Fase: 7 Ano/Semestre: 2011/1 Matrícula: O estagiário acima qualificado está segurado pela apólice nº INSTITUIÇÃO DE ENSINO: FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA, fundação pública instituída e mantida pelo Estado de Santa Catarina, com base no artigo 39, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Estadual de 1989, e, na Lei nº , de 01 de Outubro de 1990, inscrita no CNPJ sob o nº / , com sede e foro na cidade de Florianópolis, e jurisdição em todo o território catarinense, situada à Avenida Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi, neste ato representada pelo Diretor Geral do Centro de Ciências Tecnológicas, Professor Dieter Neermann, RG nº , CPF / , doravante denominada UDESC. CONCEDENTE: Concedente: Brava Informática LTDA Endereço: Rua Santos Dumont, 935 CNPJ/CPF: / Representada por: Gilmar Valério Hansen Local de Estágio: Brava - Jlle Supervisor/Responsável: Anderson Nielson Cargo: Gerente de Desenvolvimento Cidade: Joinville Cargo: Diretor

6 vi Cláusula 1ª DO OBJETO DO TERMO DE COMPROMISSO Este termo de compromisso tem por objetivo estabelecer e regulamentar a admissão de alunos da UDESC, através da concessão de estágios curriculares obrigatórios, (remunerados ou não), nos termos da Lei nº Cláusula 2ª DA VIGÊNCIA O vínculo de estágio, objeto do presente Termo de Compromisso de Estágio, terá início da data de sua assinatura, até 24/08/2011, e desde que mantido o vínculo do estagiário com a Instituição de Ensino, nos termos do artigo 11, da Lei nº /2008. Cláusula 3ª DA DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A SEREM EXECUTADAS PELO ESTAGIÁRIO As atividades a serem exercidas pelo estagiário compreendem as tarefas oriundas do plano de estágio e elaborado em consonância com o projeto pedagógico do curso. Parágrafo único A carga horária total do estágio curricular obrigatório é estabelecida no projeto pedagógico de cada curso, observada a cláusula quarta. Cláusula 4ª DO HORÁRIO DE JORNADA A jornada do estagiário será de até 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas semanais, garantida a compatibilidade com as atividades escolares. Parágrafo 1º - O estágio relativo a cursos que alternam teoria e prática, nos períodos em que não estão programadas aulas presenciais, poderá ter jornada de até 40 (quarenta) horas semanais, desde que isso esteja previsto no projeto pedagógico do curso e da instituição de ensino. Parágrafo 2º - Se a instituição de ensino adotar verificações de aprendizagem periódicas ou finais, nos períodos de avaliação, o estagiário terá direito a reduzir pelo menos à metade sua carga horária, para garantir o bom desempenho do estudante. Cláusula 5ª - DO DIREITO AO RECESSO É assegurado ao estagiário, sempre que o estágio tenha duração igual ou superior a 1 (um) ano, período de recesso remunerado, quando for o caso, de 30 (trinta) dias, a ser gozado preferencialmente durante suas férias escolares, de acordo com o disposto na Lei nº /2008, artigo 13. Parágrafo 1º Os dias de recesso previstos neste artigo serão concedidos de maneira proporcional, nos casos de o estágio ter duração inferior a 1 (um) ano;

7 vii Parágrafo 2º Não há direito ao adicional de 1/3 previsto na Constituição Federal, salvo disposição legislativa em contrário; Parágrafo 3º Compete a entidade concedente estipular o dia de concessão do recesso, que será preferencialmente durante as férias escolares. Cláusula 6ª DOS DEVERES DAS PARTES Além de outros previstos neste termo e no plano de atividades do estagiário, são os seguintes os deveres das partes: Parágrafo 1º- Da Instituição de Ensino: I - avaliar as instalações da parte concedente do estágio e sua adequação à formação cultural e profissional do acadêmico; II - indicar professor orientador, da área a ser desenvolvida no estágio, como responsável pelo acompanhamento e avaliação das atividades do estagiário; III - exigir do acadêmico a apresentação periódica, em prazo não superior a 6 (seis) meses, de relatório das atividades; IV - zelar pelo cumprimento do termo de compromisso, reorientando o estagiário para outro local em caso de descumprimento de suas normas; V - elaborar normas complementares e instrumentos de avaliação dos estágios e de seus acadêmicos; VI - comunicar à parte concedente do estágio, no início do período letivo, as datas de realização das avaliações; Parágrafo 2º - Da Entidade Concedente I ofertar instalações que tenham condições de proporcionar ao acadêmico atividades de aprendizagem relacionadas ao seu curso de formação; II indicar funcionário de seu quadro de pessoal, com formação ou experiência profissional na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário, para orientar e supervisionar, sendo este supervisor responsável por no máximo 10 (dez) estagiários simultaneamente; III por ocasião do desligamento do estagiário, entregar termo de realização do estágio com indicação resumida das atividades desenvolvidas, dos períodos e da avaliação de desempenho; IV manter à disposição da fiscalização documentos que comprovem a relação de estágio; V enviar à instituição de ensino, com periodicidade mínima de 6 (seis) meses, relatório de atividades, com vista obrigatória ao estagiário; VI zelar pela aprendizagem do estagiário, em conformidade com o currículo de seu curso de formação; VII - pagar pontualmente a bolsa auxílio e benefícios diretamente ao estagiário ou realizar pontualmente o repasse, quando assim acordado; VIII - fornecer à instituição de ensino todas as informações necessárias à avaliação e acompanhamento do estágio quando solicitada. IX - sinalizar à Instituição os casos de descumprimento ao estabelecido neste termo.

8 viii Parágrafo 3º - Do estagiário I cumprir com zelo e responsabilidade as tarefas que lhe forem submetidas; II cumprir integralmente as horas previstas para o seu estágio, conforme especificado em cláusula própria; III manter regularmente preenchido o relatório de atividades exercidas, a ser devidamente conferido pelo supervisor indicado pela entidade concedente, e, após visto de ambos, em período não superior à seis meses, providenciar a entrega do relatório ao professor orientador indicado pela instituição de ensino; IV no mesmo prazo descrito no item anterior, ou seja, seis meses, deverá o estagiário trazer declaração atualizada da instituição de ensino atestando a sua matrícula e regular freqüência; V acatar as normas internas da Concedente, bem como orientações e recomendações efetuadas por seu supervisor. VI - responder, durante a execução do estágio, por quaisquer faltas ou danos ocasionados, dolosa ou culposamente, ao patrimônio da Concedente e seus clientes e manter sigilo em relação a informações e dados aos quais tiver acesso em razão da realização do estágio. VII - assinar, ao término do estágio, o Termo de Desligamento do Estágio, a ser fornecido pela Concedente. Cláusula 7ª - DO PAGAMENTO DO SEGURO CONTRA ACIDENTES PESSOAIS Nos estágios curriculares obrigatórios não remunerados dos cursos de graduação da UDESC, a responsabilidade pelo pagamento do seguro contra acidentes pessoais em favor do estudante de estágio poderá ficar a cargo tanto da UDESC quanto da entidade concedente da oportunidade do estágio, de acordo com a Resolução nº 200/2006 CONSUNI. Cláusula 8ª DA BOLSA AUXÍLIO No caso do estagiário receber da Concedente bolsa, o seu valor será de R$ 450 mensal. Cláusula 8ª DA RESCISÃO Este estágio poderá ser rescindido nos seguintes casos: a) Não cumprimento dos termos de compromisso. b) Conclusão, trancamento, desligamento e abandono do curso. c) Pedido de qualquer uma das partes, a qualquer tempo. d) Automaticamente, ao término do estágio. e) Após decorrida a terça parte do tempo previsto para a duração do estágio, se comprovada a insuficiência na avaliação de desempenho na concedente ou na instituição de ensino. f) Pelo não comparecimento, sem motivo justificado, por mais de cinco dias, consecutivos ou não, no período de um mês, ou por trinta dias durante o período de estágio. E por estarem de inteiro acordo com a forma deste instrumento, as partes assinam o presente termo de compromisso em 03 vias de igual teor e forma.

9 ix Joinville(SC), 20 de Junho de Diretor Geral do Centro Concedente Testemunhas; Estagiário

10 x AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer as seguintes pessoas que ajudaram-me e fizeram com que este trabalho pudesse ter sido realizado: André F. Destro (pelo apoio e disponibilidade nas dúvidas sobre programação mobile), Felipe Andrade Gallois (pela ajuda em dúvidas sobre o framework Rails, proxy reverso e pelas conversas), Anderson Nielson (pela oportunidade à mim confiada), Gabriel Speckhahn (pela ajuda com os web services) e Alexandre Gonçalves Silva (pela orientação). Por último, e mais importamte, gostaria de agradecer minha família, Tatiana Kaufmann e DEUS pela força e ajuda nos momentos bons e ruins.

11 xi SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... XII LISTA DE SIGLAS... XIII RESUMO... XIV 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAL ESPECÍFICOS ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO A EMPRESA A EMPRESA PRODUTOS DESENVOLVIDOS PRODUTOS MOBILE ECM2Go TRAVEL CASH CRABBOY HANDBREAK PRINCIPAIS CLIENTES DESENVOLVIMENTO FERRAMENTAS E TECNOLOGIAS RUBY RAILS CSS LIVE HTTP HEADERS OBJECTIVE-C E COCOA GRAND CENTRAL DISPATCH FIREBUG PHUSION PASSENGER XCODE ANDROID SDK ECM2GO PRO FUNÇÃO DE PESQUISA DE DOCUMENTOS NO ECM2GO ANDROID CONSIDERAÇÕES FINAIS EXPERIÊNCIAS E DESAFIOS BIBLIOGRAFIA... 32

12 xii LISTA DE FIGURAS Figura 1- Tela de Login do ECM2Go no iphone... 4 Figura 2 - Tela de Login no Emulador do Android... 5 Figura 3 - Tela Inicial do tcash e de Viagens (Disponível Apenas Para ios)... 5 Figura 4 - Tela Inicial do Crabboy... 6 Figura 5 - Handbreak... 7 Figura 6 - Arquitetura MVC Figura 7 - Funcionamento da requisição no Rails Figura 8 - Teste do Back Office com o HTTP Live Headers Figura 9 - Firebug Figura 10 - Xcode Figura 11 - Emulador Android Figura 12 - Tela Inicial do Back Office Figura 13 - Tela de Clientes Figura 14 - Tela de Cadastro de Chaves Figura 15 - Tela de Aplicação Figura 16 - Tela de Log Figura 17 - Tela de Confirmação da Criação de Um Parâmetro de Serviço Figura 18 - ECM BY YOU Figura 19 - Parâmetros XML Figura 20 - Visualização de Formulário Figura 21 - Visualização de Fluxo Figura 22 - Habilitando ECM2Go Pro Figura 23 - Habilitando Versão Pro para ipad Figura 24 - Tabs para formulário e fluxo no ECM2Go Pro para ipad Figura 25 - QuickSearch Box... 29

13 xiii LISTA DE SIGLAS BAM - Buniness Activity Monitoring BPM - Business Process Management CSS - Cascade Style Sheet ECM - Enterprise Content Management GED - Gerenciamento Eletrônico de Documentos HD - High Definition HTML - Hypertext Markup Language JSON - JavaScript Object Notation QSB - Quick Search Box RoR - Ruby on Rails XML - Extensible Markup Language

14 xiv RESUMO Este trabalho apresenta as atividades realizadas na empresa Brava Informática LTDA, as quais totalizam a carga horária de 360h e fazem parte das disciplinas de Estágio Curricular I e II do curso de bacharelado em Ciência da Computação pela Universidade do Estado de Santa Catarina. As atividades se deram, principalmente, na área de programação de aplicações para tablets e celulares, as quais possuem os sistemas operacionais ios da Apple (encontrado em dispositivos como iphones, ipads e ipods) e Android do Google. Para que fosse possível a extensão do aplicativo para celular, chamado de ECM2Go, foi implementado um aplicativo web cuja principal função é fornecer parâmetros de conexão e dados para este aplicativo e para futuras aplicações mobile.

15 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho são descritas as atividades realizadas na empresa Brava Informática LTDA, mais especificamente, dentro da equipe mobile. O escopo do estágio se deu no desenvolvimento de aplicações para ios e Android, as quais foram parcialmente atingidas. Devido a tarefa de implementação da versão Pro do ECM2Go para Android, a qual não estava no cronograma. De qualquer maneira será descrito aqui como o mesmo poderá ser implementado futuramente. Para que fosse possível a implementação dessas novas funcionalidades foi necessário a implementação de um back office, que será descrito adiante neste documento OBJETIVOS GERAL O principal objetivo do trabalho é a manutenção do aplicativo ECM2Go: aplicativo disponível para ios e Android que funciona como um cliente para o produto de ECM (Enterprise Content Management) da TOTVS. Neste contexto foi implementado a funcionalidade de visualização dos processos iniciados pela versão Web do ECM utilizando-se dos Web Services existentes. Foi adicionada, também, a funcionalidade de visualização do fluxo de um processo. Para que fosse possível a implementação dessas funcionalidades foi necessário implementar um back office, que será explicado mais adiante nesse documento na seção ESPECÍFICOS Familiarizar-se com a linguagem Ruby; Estudar a arquitetura de aplicações que usam o framework Rails;

16 2 Revisão de tags HTML; Estudar tipos de seletores em CSS; Estudar principais propriedades CSS; Entender o funcionamento da cascata no CSS; Estudar margens, preenchimento e bordas; Pesquisar sobre layout de páginas em CSS; Implementar layout básico do back office; Implementar CRUD s do back office; Implementar a funcionalidade para geração de logs de acesso; Implantar o back office em ambiente de produção. Implementar ECM2Go pro e ECM2Go pro HD para ios ; Implementar a funcionalidade de pesquisa do ECM2Go para Android ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO A organização deste trabalho segue, a partir do próximo capítulo, com uma introdução sobre a empresa onde este trabalho foi desenvolvido. Assim, serão explorados os produtos da empresa e seus principais clientes. No capítulo 3 serão apresentados ao leitor as principais tecnologias que deram suporte para o desenvolvimento das atividades do estágio e serão apresentadas as atividades realizadas, ou seja, é onde o leitor poderá ver o fruto de toda pesquisa e trabalho em cima das tecnologias. Para finalizar são apresentadas as considerações finais sobre a empresa e do trabalho nela desenvolvido.

17 3 2. A EMPRESA Este capítulo tem como objetivo apresentar a concedente. Aqui serão descritos os principais produtos da Brava Informática LTDA, bem como seus clientes A EMPRESA A BRAVA é uma empresa provedora de soluções que possui mais de 10 anos de atuação no mercado, mais de 900 projetos entregues e mais de horas aplicadas em projetos com uma equipe altamente certificada para atendimento especializado em toda América Latina [BRAVA ECM, 2009a]. A BRAVA possui a credibilidade e experiência que a possibilitou ser uma empresa com o selo TOTVS BUSINESS PARTNER [BRAVA ECM, 2009c]. A linha de atuação da BRAVA é diversificada, ou seja, ela atende a necessidades nas linhas de negócio de ECM, Integração ESB, Coleta de Dados, TV Digital e Mobile Smartphones PRODUTOS DESENVOLVIDOS Segundo [BRAVA ECM, 2009b], com a finalidade de atender as empresas nas mais variadas tecnologias, ferramentas e plataformas, a BRAVA tem em seu portfolio o desenvolvimento de soluções especializadas em Portais, GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos), qualidade, integração e automação de processos que agregam valores ao negócio de seus clientes. Informações sobre a linha de atuação pode ser encontrada em [BRAVA ECM, 2009c]. O trabalho se focou na BRAVA Mobile cujo foco é o desenvolvimento de aplicações para ios e Android, de forma a aproveitar todo o petencial da mobilidade. [BRAVA MOBILE, 2011] Como o foco deste trabalho se dá justamente nos produtos mobile, serão vistas algumas aplicações existentes e suas funções à seguir.

18 PRODUTOS MOBILE Nesta parte, serão vistas algumas aplicações desenvolvidas pela BRAVA mobile segundo [BRAVA MOBILE, 2011] ECM2Go O ECM2Go é uma aplicação disponível para ios, sistema operacional da Apple que roda em iphone/ ipad/ ipod Touch, cuja aplicabilidade é servir como um cliente do ECM TOTVS e através disso, permitir a colaboração de documentos, imagens, contratos e processos. É muito interessante a utilização deste tipo de aplicativo, por exemplo, para fazer com que uma planta baixa (em formato digital) vá até o canteiro de obras de uma construção, ou ainda que um técnico possa acessar do cliente algum manual. Um executivo poderia utilizar o aplicativo, por exemplo, para aprovar algum documento em qualquer lugar que estivesse. Na Figura 1 é apresentado a tela de login do ECM2Go para ios. Figura 1- Tela de Login do ECM2Go no iphone Há disponível, também, uma verão para Android, cuja interface de entrada é mostrada na Figura 2.

19 5 Figura 2 - Tela de Login no Emulador do Android TRAVEL CASH O Travel Cash Plus, ou tcash Plus é um aplicativo disponível apenas para ios que tem como finalidade o gerenciamento de despesas de uma viagem. Com este aplicativo o usuário pode manter todos os dados do planejamento de sua viagem no telefone, registrar todas as despesas que tiver com a viagem, tirar fotos dos recibos, ajustar a localização de sua despesa e exportá-las para uma planilha. A Figura 3 mostra a tela inicial do tcash,. e a tela de cadastro para uma viagem para NY cujo custo é de $ Figura 3 - Tela Inicial do tcash e de Viagens (Disponível Apenas Para ios)

20 CRABBOY O Crabboy consiste em um quadrinho criado por Chicolam e toda semana um novo quadrinho é disponível para o usuário do aplicativo. Para saber mais sobre o projeto e sobre a história mais informações podem ser encontradas em [MENINO CARANGUEJO, 2011]. Na Figura 4 é mostrado a tela inicial do Menino Caranguejo. O aplicativo apresenta as histórias conforme a configuração do dispositivo em inglês, português ou espanhol. Figura 4 - Tela Inicial do Crabboy HANDBREAK O Handbreak tem como finalidade controlar os gastos pessoais. Com ele é possível determinar o limite dos gastos para determinados eventos como, por exemplo, uma ida ao shopping no final de semana ou até mesmo as compras no final do mês. É possível ver como está o limite que você determinou à cada compra registrada, fotografar os itens comprados para facilitar o reconhecimento, bem como registrar o local da compra para facilitar o processo de troca ou devolução. A Figura 5 mostra uma tela do Handbreak.

21 7 Figura 5 - Handbreak 2.3. PRINCIPAIS CLIENTES A Brava possui clientes que estão espalhados basicamente segundo [BRAVA ECM, 2009d] em: Manufatura Metal, Mecânica e Plásticos Manufatura Bens de Consumo Manufatura Química Serviços Construção e Projetos Extrativista e Beneficiamento Saúde Capital Agroindústria Jurídico Manufatura Bens duráveis Educacional Distribuição e Logística Tecnologia Software

22 8 3. DESENVOLVIMENTO Para o desenvolvimento das atividades do estágio foram usadas diversas tecnologias, as quais foram de suma importância para atingir o resultado. Neste capítulo serão vistas as tecnologias que deram suporte para o desenvolvimento das atividades e logo depois será explicada a problemática do estágio e mostrado os resultados atingidos. O desenvolvimento do estágio teve como atividades a implementação de um back office usando o framework Rails e a implementação da versão plus do ECM2Go, cliente do ECM da TOTVS, disponível para ios. Houve a necessidade de adaptação do código implementado para a versão disponível para ipad, já que as mesmas são mantidas separadamente. A implementação da funcionalidade de pesquisa do ECM2Go para Android não pode ser concluída a tempo, mas foi explicada como a mesma poderá ser implementada futuramente FERRAMENTAS E TECNOLOGIAS Nesta parte serão apresentadas algumas das tecnologias utilizadas para o desenvolvimento do trabalho. Serão vistas as seguinte tecnologias: Ruby, Ruby On Rails, CSS, Grand Central Dispacher, Firebug, Live HTTP Headers, XCode, Objective- C/Cocoa, Phusion Passenger e ANDROID SDK RUBY O Rails, utilizado para implementação do back office, é um grande framework para o desenvolvimento de aplicações Web. Uma de suas grandes vantagens segundo [HARDY e.junior, 2007] em relação a outros frameworks para desenvolvimento de aplicações web é que ele foi escrito em Ruby: uma linguagem de programação orientada a objetos muito consistente e elegante. Para alcançar os resultados esperados foi

23 9 necessário fazer um estudo da linguagem, pois a produtividade como um desenvolvedor Rails apenas é adquirida com um conhecimento profundo da linguagem. A linguagem Ruby é originada do Japão e foi, primeiramente, implementada e idealizada por Yukihiro Matz Matsumoto. Ela teve forte influência de linguagens como Perl, Smalltalk, Eiffel e Lisp e, além disso, é multiparadigma: pode-se programar em Ruby usando o paradigma funcional, orientado a objetos, imperativo e reflexivo. [WIKIPEDIA, 2010] Para o uso do framework Rails é necessário instalar uma versão do Ruby que seja compatível: as versões ou são recomendadas. Não deve-se usar as versão (ou anterior) e Mais informações podem ser encontradas em [RUBY ON RAILS, 2011a]. Como o sistema foi implementado no sistema operacional Mac OS X (Snow Leopard), que já vem com o Ruby 1.8.7, não foi preciso fazer a instalação do Ruby RAILS Ruby On Rails é um framework para o desenvolvimento de aplicações web criado em 2003 por David Heinemeier Hansson, um sócio da empresa 36signals, e então expandido pelo time central do Rails, o qual conta com mais de contribuidores. [RUBY ON RAILS, 2010b] A linguagem utilizada para produzir aplicações Rails é o Ruby. Conforme descrito em [RUBY et al., 2011], um dos aspectos do framework são algumas restrições de como sua aplicação web é estruturada. Essas restrições, contudo, visam facilitar o processor de construção da aplicação. Toda aplicação em Rails é composta de três componentes: modelos (models), visões (views) e controladores (controllers). Esses componentes formam uma arquitetura para desenvolvimento de aplicações interativas chamada MVC e terão seu funcionamento explicado conforme [RUBY et al., 2011]. O modelo (model) é responsável por manter o estado da aplicação, o qual pode durar apenas por algumas interações ou também ser armazenado em uma base de dados. Ele reforça as regras de negócio que se aplicam aos dados. Se um determinado

24 10 desconto, por exemplo, não deve ser dado para um produto cujo custo é menor que 20 Reais, o modelo será o responsável por garantir essa restrição. Nada pode tornar os dados inválidos no aplicativo quando implementam-se as regras de negócio no modelo. Pode-se pensar no modelo como sendo um porteiro e um armazenador de dados. Os controladores são responsáveis por orquestrar o aplicativo: eles recebem eventos do mundo externo, interagem com o modelo e exibem uma visão apropriada para o usuário. A visão gera as telas para o usuário, e que geralmente são baseadas no modelo. Uma loja virtual, por exemplo, teria uma lista de produtos dentro de um modelo, que seria acessada pelo modelo e apresentada ao usuário final. O papel do programador Rails é escrever essas partes, ou seja, modelos, visões e controladores e, a medida que a aplicação executa, o próprio Rails é responsável pela unificação das mesmas. Todo trabalho de baixo nível é feito pelo Rails. Figura 6 - Arquitetura MVC A Figura 6 mostra o funcionamento abstrato da arquitetura MVC. Observa-se o envio de uma requisição de um browser, que é capturado por um controlador. O controlador interage com o modelo e invoca uma visão, a qual será mostrada na tela do browser. Na Figura 7 é mostrado como o Rails trata uma requisição. No exemplo o usuário acaba de clicar no botão adicionar ao carrinho para um produto. A requisição é enviada para um roteador, que determinará qual parte do aplicativo ela deverá ser enviada e como ela deve ser analisada. Um método particular, chamado de ação, em um controlador será invocado. Neste caso o controlador será store e a action (ação) add_to_cart. O número 123 é apenas um identificador para o produto selecionado. Essa

25 11 chamada indica, em suma, que o roteador chamará o método add_to_cart da classe controladora StoreController. Logo depois tem-se a interação do controlador com o modelo: seria como se o controlador estivesse encontrando o carrinho do usuário e estivesse atualizando-o para conter o novo produto. Depois disso o controlador invocará a visão que conterá a nova situação do carrinho, e que consequentemente será atualizada e mostrada para o usuário final. Figura 7 - Funcionamento da requisição no Rails Para construção do back office foi utilizado a versão 3 do Rails. Uma das grandes vantagens do Ruby é que ele possui uma diversidade de plugins que podem ser incorporados a aplicação. O back office, por exemplo, usou um plugin chamado Devise, para o processo de autenticação CSS Para construir o back office em Rails foi necessário um estudo do CSS. Segundo [CHANNEL, 2007] CSS (Cascading Style Sheet) é um padrão W3C para definição da apresentação visual para páginas web. O HTML foi projetado para ser uma linguagem de marcação estrutural, ou seja, apenas para definir a estrutura do documento. Aos poucos browsers foram incorporando tags que tinham papel de apresentação devido a demanda de usuários e designers. Com essas tags, por exemplo, podia-se deixar o texto de uma cor azul ou mudar a fonte da página. Aos poucos as páginas web começaram cada vez mais a ficar poluídas com a mistura de elementos que definiam a estrutura e a

26 12 apresentação do documento. A ideia do CSS é simples: remover a apresentação e separar o design do conteúdo do documento. Com o CSS tem-se um arquivo para lidar com CSS (design) e outro para lidar com a estrutura (HTML ou XHML). Em [McFARLAND, 2009] são apontadas as vantagens do uso de CSS. A primeira delas é que o CSS, ou seja, com o uso de folhas de estilo, oferece mais opções de estilo que o HTML. Pode-se formatar um documento exatamente como ele apareceria em uma revista ou um jornal: controlando espaço entre linhas ou definindo a primeira linha recuada. Com o uso do CSS pode-se adicionar uma imagem de fundo em uma página e decidir se e como ela ficará disposta de lado a lado (se repetir). Outra grande vantagem é que o uso de CSS deixa as páginas muito menores e consequentemente levam menos tempo para serem carregadas. Um dos maiores problemas enfrentados por desenvolvedores web é a questão de compatibilidade. O IE6 da Microsoft apresenta muitos problemas na questão de suporte para algumas propriedades CSS, porém para desenvolvimento do backoffice o foco se deu apenas no funcionamento nos seguintes browsers: IE8, Chrome, Safari e Mozilla Firefox. Como o sistema será utilizado por um número restrito de pessoas preferiu-se optar por não incluir browsers como o IE6, que estão fadados a serem eliminados em breve. Pode-se verificar uma contagem regressiva para extinção do IE em [MICROSOFT, 2011]. Em [KIMBLIM, 2010] é possível visualizar a compatibilidade das propriedades do CSS 1, 2 e 3 para os principais navegadores LIVE HTTP HEADERS Live HTTP Header é um plugin para o navegador Firefox que se apresentou muito útil para a tarefa de debug durante o desenvolvimento do back office. Para saber se o back office estava se comunicando corretamente e retornando os parâmetros XML corretamente foi necessário utilizá-lo. A comunicação desta aplicação com o back office se deu utilizando o protocolo HTTP com o método POST, já que foi necessário a passagem de parâmetros. Os parâmetros eram enviados em JSON (JavaScript Object Notation), os quais eram capturados por um controler (controlador) do Rails e retornados em XML(Extensible Markup Language) para aplicação iphone ECM2Go. A Figura 8 mostra um exemplo de como se deu o teste da comunicação com o back office.

ESTÁGIO CURRICULAR I ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR I ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO Fazel Mobini Kesheh ESTÁGIO CURRICULAR I ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO EMPRESA: MACEDON SOLUÇÕES EM INFORMAÇÃO LTDA. SETOR: DESENVOLVIMENTO SUPERVISOR: EDÉSIO ORBEN ORIENTADOR: WESLEY DOS REIS BEZERRA CURSO

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CADASTRO DA EMPRESA E DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 1 CLÁUSULA PRIMEIRA CONCEITOS E OBJETIVOS... 2 CLÁUSULA SEGUNDA DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 4 CLÁUSULA TERCEIRA DA EMPRESA... 5 CLÁUSULA QUARTA

Leia mais

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições:

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições: CONVÊNIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO PROFISSIONAL, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, COM A LEI Nº 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 - CONCEAVI

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 - CONCEAVI 1 RESOLUÇÃO Nº 001/2013 - CONCEAVI Dispõe sobre o Regulamento Geral do Estágio Curricular Obrigatório e Não Obrigatório do Centro de Educação Superior do Alto Vale do Itajaí - CEAVI da Universidade do

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO KIT ALUNO ESTÁGIO PASSO A PASSO

COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO KIT ALUNO ESTÁGIO PASSO A PASSO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO KIT ALUNO ESTÁGIO PASSO A PASSO Maceió/2014 1º PASSO: PREENCHIMENTO DO CADASTRO DO ALUNO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS CADASTRO DO ALUNO Curso: Período que Cursa: Matrícula: Nome Completo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO Termo de Compromisso que entre si celebram e o(a) (Pessoa Jurídica)... e o(a) estudante... com a interveniência da Universidade

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, A INSTITUIÇÃO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA S/S LTDA - CENECT - E O ESTAGIÁRIO O MUNICÍPIO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O presente Regulamento estabelece as políticas

Leia mais

NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Este documento tem como finalidade estabelecer e orientar as atividades de estágio desenvolvidas pelos alunos do Curso Superior

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Plataformas Sistemas Operacionais e Desenvolvimento) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual do Estágio Supervisionado Santa Rita do Sapucaí-MG Janeiro/2011 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2013 CONCEAVI REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 001/2015 - CONCEAVI

RESOLUÇÃO Nº 002/2013 CONCEAVI REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 001/2015 - CONCEAVI 1 RESOLUÇÃO Nº 002/2013 CONCEAVI REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 001/2015 - CONCEAVI Dispõe sobre o Regulamento Geral do Estágio Curricular Obrigatório e Não Obrigatório do Centro de Educação Superior do Alto

Leia mais

FELIPE NUNES ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA ERP VIA WEB

FELIPE NUNES ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA ERP VIA WEB i FELIPE NUNES ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA ERP VIA WEB EMPRESA: P&P INFORMÁTICA LTDA. SETOR: DESENVOLVIMENTO SUPERVISOR: MAURÍCIO PENSKY ORIENTADOR: FABIANO BALDO CURSO: BACHARELADO

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

IF SUDESTE MG REITORIA Diretoria de Gestão de Pessoas PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO REMUNERADO EDITAL N. 01/2015. Reitoria

IF SUDESTE MG REITORIA Diretoria de Gestão de Pessoas PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO REMUNERADO EDITAL N. 01/2015. Reitoria EDITAL N. 01/2015 Reitoria A do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições, considerando a Lei 11.788/2008, publicada no DOU de 26/09/2008

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Matrícula n o : xxx. CPF nº: RG nº: Nascimento: / /

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Matrícula n o : xxx. CPF nº: RG nº: Nascimento: / / 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO.

Leia mais

REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01

REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01 KIT ALUNO REGULAMENTO 04 FICHA CADASTRO 01 PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 02 RELATÓRIO MENSAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 01 RELATÓRIO DE FREQÜÊNCIA 01 AVALIAÇÃO DO ESTAGIÁRIO 01 ROTEIRO PARA O RELATÓRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores

Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Manual Estágio dos cursos de educação profissional técnica de nível médio e dos cursos superiores Instituto Federal de Educação,

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Resolução 004/2011 da Pró-Reitoria de Graduação Capítulo I - Do Conceito Art.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE BRUNO PEREIRA DAMASCENO ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE EMPRESA: OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE SETOR: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 027/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E A FACULDADE MONTES BELOS FMB, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA, VISANDO A CONCESSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 015 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Revoga e substitui, ad referendum, a Resolução CONSUN

Leia mais

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000 TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR FADEC/EMPRESA TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR QUE ENTRE SI CELEBRAM, DE UM LADO A FACULDADE DECISÃO E DE OUTRO LADO, A EMPRESA, VISANDO À REALIZAÇÃO

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

Orientação para a confecção do Termo de Compromisso de Estágio Não- Obrigatório.

Orientação para a confecção do Termo de Compromisso de Estágio Não- Obrigatório. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA Orientação para a confecção do Termo de Compromisso de Estágio Não- Obrigatório. A Faculdade de Educação/Campus de Belo Horizonte/Universidade

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 1.00

MANUAL DO SISTEMA. Versão 1.00 MANUAL DO SISTEMA Versão 1.00 Considerações Gerais...2 Aquisição MOBILE...3 Ativação do Adicion...3 Entendendo o Integrador WebPav/Mobile...4 Controle de Integração...4 Configurando Mobile no Sistema Adicion...6

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA RAFAEL REINERT ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO DO MNT FROTA EMPRESA: NG Informática SETOR: Desenvolvimento SUPERVISOR: Rafael Diogo Richter ORIENTADOR: Carlos Norberto Vetorazzi Júnior CURSO DE

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CSA 02/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 02/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ.

Leia mais

Dê aos seus clientes a experiência que eles desejam

Dê aos seus clientes a experiência que eles desejam Dê aos seus clientes a experiência que eles desejam Avaliação da Experiência Mobile Companhias Aéreas 1. Sumário Executivo 2. Resultados 3. Método 4. Reações aos testes 1. Sumário Executivo No Brasil,

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 016/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

Mobilidade no Atendimento aos Clientes do SAAE Guarulhos

Mobilidade no Atendimento aos Clientes do SAAE Guarulhos Mobilidade no Atendimento aos Clientes do SAAE Guarulhos Ronny Ctvrtnik Consultor / Analista de Sistemas Sênior Endereço: Av Tiradentes, 3198 - Bom Clima Guarulhos - São Paulo SP - Brasil - Tel: +55 (11)

Leia mais

ORIENTAÇÃO DDRH nº 06/2015

ORIENTAÇÃO DDRH nº 06/2015 ORIENTAÇÃO DDRH nº 06/2015 Assunto: Contratação de Estagiários Considerando que o processo de contratação de estagiários é recente no IFG, orientamos os câmpus a procederem de acordo com os fluxos a seguir.

Leia mais

Desenvolvendo para iphone e ipad

Desenvolvendo para iphone e ipad Desenvolvendo para iphone e ipad 3a Edição Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2012, 2013, 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

MANUAL DE SISTEMA. SisFies FIES Pós-graduação. Página1. Manual de Adesão

MANUAL DE SISTEMA. SisFies FIES Pós-graduação. Página1. Manual de Adesão SisFies FIES Pós-graduação Manual de Adesão Página1 Sumário 1 Configurações recomendadas... 3 2 Objetivos... 3 3 Acesso ao sistema... 4 3.1. Acessar com certificado digital 5 3.2. Acessar com CPF/CNPJ

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar:

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar: SOLICITAÇÃO DE FOMENTO on-line MANUAL DO USUÁRIO 1 CONTATOS... 2 2 ANTES DE COMEÇAR... 2 3 ENTRAR NO SISTEMA INFAPERJ... 3 3.1 ACESSO AO SISTEMA...3 3.2 LOGIN...4 4 APRESENTAÇÃO GERAL DA INTERFACE... 5

Leia mais

PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL

PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO (informar I ou II) SEMESTRE LETIVO: (informar 1º ou 2º semestre de 20 ) PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL DADOS GERAIS ALUNO: RA: COORDENADOR DE ESTÁGIO: Prof.

Leia mais

REGULAMENTO. Ação formativa. Mecanismos de Apoio ao Processo de Recuperação da Aprendizagem

REGULAMENTO. Ação formativa. Mecanismos de Apoio ao Processo de Recuperação da Aprendizagem REGULAMENTO Ação formativa São Paulo, setembro de 2014 1 SUMÁRIO A. APRESENTAÇÃO... 3 B. OBJETIVOS... 3 C. PÚBLICO-ALVO... 4 D. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS... 4 E. INSCRIÇÕES... 4 F. ESTRUTURA E CRONOGRAMA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

Manual de utilização do Zimbra

Manual de utilização do Zimbra Manual de utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web ( Firefox, Chrome e Internet Explorer ) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário,

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual da GVDASA Sistemas e toda a informação nele contida é confidencial. Nenhuma parte deste

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE)

RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PARA COLETA E DISSEMINAÇÃO DE DADOS (VERSÃO CLIENTE- SERVIDOR) RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Victor Araújo

Leia mais

Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio

Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio Ministério do Trabalho publica Cartilha do Estágio O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) torna pública esta Cartilha esclarecedora sobre a nova Lei do Estágio com o objetivo de orientar Estudantes,

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

Guia Prático de Acesso

Guia Prático de Acesso Guia Prático de Acesso 1. Como acessar o novo e-volution? O acesso ao novo e-volution é feito através do endereço novo.evolution.com.br. Identifique abaixo as possíveis formas de acesso: 1.1 Se você já

Leia mais

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o CENTRO UNIVERSITARlO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Euripides Soares da Rocha Internet: \\www.univem.edu.br - e-mail: fundação@univem.edu.br RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Desenvolvendo para iphone e ipad

Desenvolvendo para iphone e ipad Desenvolvendo para iphone e ipad 2a Edição Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2012, 2013 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

TDC 2010. desenvolvimento. para iphone. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

TDC 2010. desenvolvimento. para iphone. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) TDC 2010 desenvolvimento para iphone Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Helder da Rocha Java, since 1995 Objec6ve- C & iphone since 2008 HTML, JavaScript, Web www.argonavis.com.br www.helderdarocha.com.br

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO-LETRAS HABILITAÇÃO PORTUGUÊS/INGLÊS O presente termo de Compromisso é firmado entre a Coordenação do Curso de Letras das FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS, a UNIDADE CONCEDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 153/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio Curricular do Curso de Comunicação Social/Publicidade e Propaganda da UNICENTRO e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Cartilha do Estagiário das FaFEM

Cartilha do Estagiário das FaFEM Cartilha do Estagiário das FaFEM Apresentação Dúvidas Freqüentes Resumo dos principais pontos da lei 11.788 Legislação reguladora dos estágios: Lei Federal 11.788 de 25/09/2008 Apresentação As FaFEM, no

Leia mais

Programação para Android

Programação para Android Programação para Android Aula 01: Visão geral do android, instalação e configuração do ambiente de desenvolvimento, estrutura básica de uma aplicação para Android Objetivos Configurar o ambiente de trabalho

Leia mais

SENCHA TOUCH: DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UNIVERSAIS

SENCHA TOUCH: DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UNIVERSAIS SENCHA TOUCH: DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UNIVERSAIS Rafael Nunes BATISTA 1 Ana Paula Ambrósio ZANELATO 2 RESUMO: O presente artigo visa apresentar um novo framework de desenvolvimento, que, embora seja compatível

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO União da Vitória/PR 2011 1 I Da Caracterização

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS Danielle Dias Simões¹, Júlio César Pereira². Universidade Paranaense - Unipar Paranavaí PR - Brasil dannesimoes@hotmail.com juliocesarp@unipar.br Resumo. O

Leia mais

Apresentação. E-commerce de Sucesso. da plataforma para o seu. www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br

Apresentação. E-commerce de Sucesso. da plataforma para o seu. www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br Apresentação da plataforma para o seu E-commerce de Sucesso www.brasilnaweb.com.br 4003-3312 atendimento@brasilnaweb.com.br Assuntos nessa apresentação: - A loja virtual (acesso dos seus clientes para

Leia mais