A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE"

Transcrição

1 A concorrência nos mercados financeiros em Portugal v. UE Apresentação Comissão Parlamentar Orçamento e Finanças Abel M. Mateus Autoridade da Concorrência Lisboa, 24/5/2006

2 Temas I -Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

3 Fontes de informação e disclaimer Esta apresentação vai recorrer sobretudo a fontes oficiais de organizações europeias e consultoras internacionais, que comparam a situação concorrencial em Portugal com a UE: Relatórios do BCE sobre Estrutura da Banca Europeia (vários volumes) Dados sobre os balanços e contas ganhos e perdas da OCDE, e vários estudos sobre o sector Relatório da ECA sobre o sector bancário Relatórios das Autoridades inglesa e holandesa sobre o sector Relatórios da CapGemini sobre World Retail Banking Estão em curso vários processos, estudos e investigações sectoriais na Comissão e na AdC sobre os quais não nos podemos pronunciar: Sector Inquiry da Comissão sobre sistemas de cartões de pagamentos Das afirmações aqui feitas nada deve ser inferido sobre a OPA BCP/BPI, cuja notificação está em análise na AdC, e que decorre segundo os procedimentos normais legais

4 Sumário Um sistema financeiro eficiente e concorrencial: Reduz o custo do capital Canaliza as poupanças para o investimento de uma forma eficiente Reduz os custos de transacção e estimula a inovação através do capital de risco Infra-estruturas dos sistemas de pagamentos: afectam os custos de transacção e a competitividade da economia Facilidades nas transferências intertemporais de rendimento: aumentam o nível de bem-estar das famílias.

5 Sumário Sistema financeiro português: relativamente eficiente em termos de qualidade e diversidade dos serviços prestados às famílias e empresas Sujeito a um processo de privatização e liberalização: ganhos substanciais na redução dos custos e melhoria da qualidade dos serviços Indicadores de eficiência e produtividade: próximos da média europeia, ao contrário de muitos outros sectores onde o gap é de 40 a 60%.

6 Sumário Contudo, subsistem problemas concorrenciais que exigem a atenção da Autoridade e que, em termos europeus e em parte por ser uma pequena economia com um grau de abertura moderado, nos colocam numa posição não muito favorável.

7 A regulação do sector Reguladores sectoriais (Banco de Portugal, ISP e CMVM): supervisão prudencial e assegurar a transparência de informação Autoridade: assegurar uma concorrência equilibrada, de forma a que o sector contribua para a eficiência da economia e o bem-estar dos consumidores Apesar de ser altamente regulado: sujeito às mesmas regras da concorrência e ao controle de concentrações como todos os restantes sectores da economia (Lei 18/2003 e Dec Lei 10/2003)

8 Grau de concentração no sector Obriga a uma análise complexa e detalhada por mercados. Em termos globais, é não só superior à média da UE como se encontra próxima do cluster dos níveis mais elevados Uma análise de concentração tem que ser sempre diferenciada: mercados locais versus mercados globais Problemas nos mercados de serviços bancários às famílias e PMEs: resultantes de níveis de informação e de switching costs elevados

9 Resumo dos principais problemas Concentração elevada nos serviços às famílias e PMEs (os 5 maiores bancos dominam) Pricing do cabaz de serviços da banca a retalho entre os mais elevados da UE Elevada concentração (quasi-monopólio) no sistema de pagamentos (cartões e rede informática) Interchange fees dos sistemas de cartões das mais elevadas da UE Sector segurador aproximando-se de níveis elevados de concentração Mercado de capitais pouco desenvolvido, com recurso da maioria das empresas (excl. grandes) ao endividamento bancário Elevados custos de intermediação para os pequenos investidores em carteiras de acções

10 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

11 Condições estruturais concorrenciais Análise multidimensional das condições concorrenciais, envolvendo essencialmente três vectores: Níveis de concentração (EC Guidelines: HHI de concentração elevada, e delta acima de 250 fusão preocupante, ou HHI >2000 e delta 150); Existência de barreiras à entrada (contestabilidade em geral); Possibilidade de colusão (tácita ou explícita). 1/ A maioria das Autoridades da Concorrência segue as Orientações sobre Concentrações da Comissão. 1/ Em análises de concentração, na medida em que se trata de uma análise prospectiva, não é necessário provar que existe colusão, basta provar que existe uma probabilidade significativa de colusão

12 Análise de uma concentração 1º passo - definição e caracterização dos mercados relevantes Metodologia: análise económica da procura e oferta, segundo as características do produto ou serviço e da sua substituibilidade nos dois lados Definição de mercado relevante: é bastante fina, e exige um trabalho técnico aturado Mercados bancários: as metodologias especificam vários níveis de análise, partem geralmente do tipo de cliente e depois descem à especificação do pacote de serviços ou produtos e ao tipo de produto oferecido individualmente, como os quadros seguintes demonstram

13 Mercados geográficos Outra dimensão importante: delimitação geográfica do mercado Mercado único e liberdade de movimento de capitais: parte destes (nomeadamente os grossistas) têm uma dimensão da UE ou do euro Contudo, a relação financeira é caracterizada pela assimetria de informação e o moral hazard, pelo que existem muitos mercados caracterizados pela relação de proximidade Assim, os maiores problemas de concorrência colocamse normalmente nos mercados relacionados com as famílias e as PMEs, que ao contrário das grandes empresas não têm capacidade económica nem informação para poderem escolher os produtos ou serviços no mercado mais vasto do que o local

14 A estrutura do pricing difere substancialmente entre países e varia muito no tempo

15 Análise aos mercados Outro fenómeno importante - serviços são prestados em pacotes. Por exemplo, em torno do crédito hipotecário o banco oferece serviços de depósitos, de gestão da conta, de cheques e pagamentos, etc. Desta forma, tem pouco significado falar de taxas de juro ou comissões individuais, mas é necessário falar de pricing destes pacotes. E numa análise mais fina é necessário estudar o pricing e a qualidade, que tem a ver com outras características como qualidade do serviço e informação prestadas, prazos, etc. Outro aspecto importante - algumas variáveis são formadas em diferentes camadas de mercados. Nos empréstimos hipotecários a taxa de juro de referência é formada a nível da área do euro, o spread no mercado nacional, e as condições individuais são estabelecidas ao nível do cliente ou classes de clientes.

16 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

17 IHH IHH Portugal ,8% 60,5% 62,7% 66,5% Espanha ,9% 44,3% 43,9% 41,9% França ,0% 44,6% 46,7% 44,7% Itália ,8% 30,6% 27,0% 26,0% Alemanha ,2% 20,5% 21,6% 22,1% Irlanda ,5% 46,1% 44,4% 43,9% Países Baixos ,5% 82,7% 84,2% 84,0% Grécia ,0% 67,4% 66,9% 65,0% Bélgica ,3% 82,0% 83,5% 84,3% Áustria ,9% 45,6% 44,2% 43,8% Finlândia ,5% 78,6% 81,2% 82,7% Luxemburgo ,0% 30,3% 31,8% 29,7% UEM-12 - média ,0% 52,8% 53,2% 52,9% Reino Unido ,6% 29,6% 32,8% 34,5% Dinamarca ,6% 68,0% 66,6% 67,0% Suécia ,6% 56,0% 53,8% 54,4% EU média ,6% 52,5% 52,8% 52,7% Estónia ,90% 99,10% 99,20% 98,60% Malta ,60% 82,00% 79,30% 78,70% Lituânia ,60% 83,90% 81,00% 78,90% Eslovénia ,60% 68,40% 66,40% 64,10% Chipre ,50% 69,30% 69,70% 69,40% Eslováquia ,10% 66,40% 67,50% 66,50% República Checa ,40% 65,70% 65,80% 64,00% Letónia ,40% 65,30% 63,10% 62,40% Hungria ,40% 54,50% 52,10% 52,70% Polónia ,70% 53,40% 52,30% 50,20% EU média ,5% 59,8% 59,5% 59,0% Fonte: BCE, 2005 (a) C5

18 Portugal tem já um grau de concentração global acima da média da UE Indices Concentr ação (HHI) Aleman ha I t á lia Luxembur go R. Un ido Espan ha Áust r ia I r lan da Fr an ç a Sué cia Por t ugal Din amar ca Gr é cia P. Baixos Bé lgica Fin lâ n dia Só a Holanda, Bélgica e Finlândia têm um grau superior, mas têm maior exposição internacional

19 Produto bancário Produto bancário em % do activo médio do sector bancário na U.E. (dados OCDE, 2005) 10% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% Portugal Espanha P. Baixos Bélgic a Dinamarc a Grécia

20 Taxas Produto bancário (%activos) Taxas produto bancário (% activos) % 3.5% 3.0% 2.5% 2.0% 1.5% 1.0% 0.5% 0.0% Luxemburgo Alemanha Irlanda França Suécia Áust ria P. Baixos Bélgica Port ugal Dinamarca Espanha R. Unido It ália Finlândia Grécia

21 Margem Financeira ROA ROE Cost to Income Portugal 1,97 0,76 12,11 60,98 Portugal (BD) 1,88 0,75 11,75 58,89 Espanha 1,72 0,76 15,12 55,32 França 0,66 0,55 12,62 66,02 Itália 2,07 0,61 10,58 58,08 Alemanha 0,95 0,12 3,87 68,89 Irlanda 1,01 0,71 15,38 49,4 Países Baixos 1,36 0,5 13,08 67,26 Grécia 2,75 0,61 10,11 62,37 Bélgica 1,14 0,47 14,06 65,33 Áustria 1,7 0,6 14,46 63,31 Finlândia 1,29 0,71 8,03 56,81 Luxemburgo 0,58 0,48 11,3 53,94 UEM-12 - média 1,59 0,64 12,71 65,55 Reino Unido 1,59 0,75 16,75 42,93 Dinamarca 1,07 0,55 13,07 55,92 Suécia 1,42 0,64 15,81 60,1 EU média 1,54 0,64 13,21 63,04 Estónia 2,85 2,02 24,34 49,17 Malta 1,43 1,07 10,15 37,05 Lituânia 2,23 0,94 15,95 66,89 Eslovénia 2,64 0,62 11,47 63,46 Chipre 2,42 0,21 3,51 61,27 Eslováquia 2,71 1,03 14,24 62,3 República Checa 2,27 2,99 24,71 62,59 Letónia 2,52 1,51 22,81 57,4 Hungria 4,58 1,89 24,92 55,98 Polónia 3,09 1,32 16,54 62,04 EU média 2,00 0,93 14,67 60,95 Fonte: BCE, 2005 (b)

22 Portugal tem um grau de eficiência sobre a média da UE Cost-income ratios (2004) Média Alemanha Itália Luxemburgo R. Unido Espanha Áustria Irlanda França Suécia Portugal Dinamarca Grécia P. Baixos Bélgica Finlândia

23 Produtividade no sector Produtividade (da população activa) do sector bancário na U.E. (x1000 ) Média s/ offsh Dinamarca Alem anha Grécia França Irlanda Itália P. Baixos Áustria Finlândia Suécia R. Unido Espanha Portugal Lu xemburgo Rep. Checa Hungria Polónia Eslováquia Média Bélgica

24 Cost to income Cost to Income EU média Polónia Hungria Letónia República Checa Eslováquia Chipre Eslovénia Lituânia Malta Estónia EU média Suécia Dinamarca Reino Unido UEM-12 - média Luxemburgo Finlândia Áustria Bélgica Grécia Países Baixos Irlanda Alemanha Itália França Espanha Portugal (BD) Portugal

25 Portugal está numa posição intermédia na UE em termos de produto bancário e custos administrativos 4.0% 3.5% 3.0% P. Baixos 2.5% 2.0% 1.5% 1.0% 0.5% Portugal Bélgica 0.0% Índice de concentração bancária (Herfindhal - Hirschmann) Prod. Bancário Custos administrativos

26 Mas as margens e custos tendem a ser maiores quanto maior for a concentração (HHI) e menor a exposição internacional (OPEN e FA) Toda a amostra Regressores: Índice de concentração (HHI), g Produto bancário Dependent Variable: PB Method: Least Squares Date: 05/22/06 Time: 15:28 Sample: 1 15 Included observations: 15 Variable Coefficien Std. Error t-statisticprob. C HHI OPEN FA R-squared Mean dependent Adjusted S.D. dependent v S.E. of reg Akaike info criter Sum squa Schwarz criterion Log likelih F-statistic Durbin-W Prob(F-statistic)

27 Portugal tem já um grau de bancarização superior à média Grau de bancarização País Nº balcões por h Alemanha Áustria Bélgica Dinamarca Eslováquia Espanha Finlândia França Grécia Hungria Itália Paises Baix Polónia Portugal Reino Unido Rep. Checa Suécia Média Chipre Eslovénia Estónia Irlanda Letónia Lituânia Luxemburgo Malta

28 Portugal é um dos países europeus com o pricing dos serviços bancários efectivos mais caros, quando medido em relação ao rendimento per capita

29 Variabilidade de preços De acordo com a CapGemini (WRB 2006), a banca na zona euro tem pouca variabilidade de preços entre clientes muito e pouco activos, o que implica que clientes com pouca utilização dos serviços enfrentem custos mais elevados (origem de queixas): preços variam entre 1 e 4,6. Entre países do euro Portugal é um dos países com menos variabilidade

30 Variabilidade de preços

31

32

33

34

35 Fonte: ECB, Structural analysis of EU banking sector, 2002

36 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de Pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

37 Sistemas de pagamentos Portugal - situação preocupante em termos dos sistemas de pagamentos, segundo o relatório da Comissão de Abril 2006 Até ao início deste ano um único acquirer (Unicre), para o sistema dominante (Visa), defrontando-se o novo (BPN) com múltiplas dificuldades de entrada Plataforma técnica única (SIBS), que pode ser justificada pela dimensão do nosso mercado e pelas economias de rede

38

39 Concentração redes de pagamento

40 Redes de pagamentos

41 Redes de pagamentos

42 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Mercados de seguros V Mercados de capitais VI Conclusões

43 Mercados de seguros Em curso: Inquérito Sectorial da Comissão Europeia sobre Seguros a Empresas, devido a condições contratuais acordadas entre associações, que limitam as possibilidades de escolha pelos utentes na negociação dos termos da cobertura e restringem a concorrência As mesmas preocupações: ocorrem no caso de co-seguros entre seguradoras E no caso de acordos para distribuição de produtos e serviços a empresas

44 O mercado dos seguros em Portugal (não vida) tem um grau de concentração superior à média da UE II-5 Market share of the largest non-life insurance groups p (Source CEA) national market First 5 First 10 First 15 Country Change Change Change AT Austria 5,632 7, % 63.8% 9.2% 75.4% 81.4% 6.0% 86.2% 90.0% 3.8% BE Belgium 5,998 8, % 60.1% 8.3% 68.6% 79.7% 11.1% 79.4% 90.2% 10.8% BG Bulgaria % 91.0% 97.6% CH Switzerland 7,747 13, % 56.0% -2.7% 76.5% 76.5% 0.0% 84.3% 86.8% 2.5% CY Cyprus % 48.5% 13.9% 53.6% 71.0% 17.4% 69.4% 84.7% 15.3% CZ Czech Republic 2, % 95.0% 97.2% DE Germany 62, % 36.4% 47.3% DK Denmark 2,969 5, % 69.9% 11.7% 76.1% 84.2% 8.1% 84.2% 90.2% 6.0% EE Estonia ES Spain 11,953 26, % 38.7% 19.2% 30.8% 56.3% 25.4% 40.2% 68.5% 28.3% FI Finland 1,686 2, % 91.3% 3.8% 96.5% 98.7% 2.2% 99.5% 99.9% 0.4% FR France 33,147 52, % 52.4% 11.6% 59.5% 71.5% 12.0% 73.0% 83.9% 10.9% GB United Kingdom 41,139 68, % 53.2% 23.5% 44.4% 69.3% 24.9% 52.2% 77.1% 24.9% GR Greece 625 1, % 38.9% 0.1% 51.2% 56.1% 4.9% 59.5% 69.4% 9.9% HR Croatia % 95.2% 99.1% HU Hungary 500 1, % 81.5% -12.2% 100.0% 95.0% -5.0% 100.0% 98.9% -1.1% IE Ireland 1,460 4, % 67.0% 16.9% 79.7% 96.8% 17.1% 94.8% 99.7% 4.9% IS Iceland % 98.0% 10.0% 100.0% 100.0% 0.0% 100.0% 100.0% 0.0% IT Italy 18,398 35, % 69.3% 35.3% 51.8% 87.6% 35.9% 61.2% 92.8% 31.6% LI Lichtenstein LT Lithuania % 89.8% 97.4% LU Luxembourg LV Latvia % 97.6% 100.0% MT Malta % 89.2% 94.2% NL The Netherlands 11, % 64.9% 74.9% NO Norway 2, % 95.0% 97.5% PL Poland 3, % 92.6% 95.0% PT Portugal 1,836 4, % 70.1% 15.0% 75.5% 86.2% 10.7% 84.9% 96.9% 12.0% RO Romania % 87.7% 94.3% SE Sweden 3,456 6, % 90.8% 6.5% 94.0% 97.6% 3.6% 96.8% 98.7% 1.9% SI Slovenia 1, % 99.3% 100.0% SK Slovakia % 89.7% -10.0% 100.0% 97.2% -2.8% 100.0% 99.9% -0.1% TR Turkey 913 3, % 47.4% 4.4% 67.0% 74.2% 7.2% 79.0% 85.6% 6.6% CEA 214, , % 58.0% 22.4% 51.2% 75.3% 24.1% 61.1% 84.0% 22.8% EU (25) 202, , % 58.1% 24.1% 49.5% 75.1% 25.6% 59.6% 83.7% 24.1% in which Euro (12) 154, , % 56.7% 23.4% 49.1% 75.2% 26.1% 60.1% 84.9% 24.8% Others 11,688 18, % 56.7% -6.6% 80.6% 77.7% -2.9% 87.3% 87.7% 0.3%

45 O mercado vida também tem um grau de concentração superior à média da UE II-6 Market share of the largest life insurance groups p (Source CEA) national market First 5 First 10 First 15 Country Change Change Change AT Austria 2,947 6, % 52.6% 0.9% 71.7% 75.6% 3.9% 83.1% 87.5% 4.4% BE Belgium 3,344 19, % 73.5% 11.9% 80.8% 90.8% 9.9% 90.6% 97.0% 6.4% BG Bulgaria % 100.0% CH Switzerland 11,449 19, % 78.3% 7.2% 86.0% 95.5% 9.5% 95.3% 99.4% 4.1% CY Cyprus % 86.3% -2.9% 99.3% 97.3% -2.0% 100.0% 100.0% 0.0% CZ Czech Republic 176 1, % 75.4% -24.6% 94.7% 99.8% DE Germany 38, % 45.6% 56.6% DK Denmark 3,850 10, % 55.3% -19.3% 90.5% 73.4% -17.1% 96.2% 84.3% -11.9% EE Estonia ES Spain 5,511 18, % 41.5% 4.3% 55.1% 59.6% 4.5% 65.3% 72.6% 7.4% FI Finland 3,392 10, % 84.9% -10.1% 100.0% 99.9% -0.1% 100.0% FR France 48, , % 55.6% 8.6% 68.0% 81.3% 13.3% 80.3% 91.0% 10.7% GB United Kingdom 62, , % 50.0% 19.6% 46.6% 74.8% 28.2% 57.2% GR Greece 580 1, % 64.0% -4.0% 83.2% 88.9% 5.7% 91.8% 97.4% 5.6% HR Croatia % 89.2% 99.5% HU Hungary % 74.2% -19.5% 100.0% 88.6% -11.4% 100.0% 98.3% -1.7% IE Ireland 2,073 7, % 69.0% -2.7% 93.9% 95.5% 1.6% 99.3% 99.9% 0.6% IS Iceland % 100.0% 0.0% IT Italy 7,935 65, % 62.8% 13.4% 63.9% 83.1% 19.3% 72.6% 90.3% 17.7% LI Lichtenstein LT Lithuania % 100.0% LU Luxembourg LV Latvia % 100.0% 100.0% MT Malta % NL The Netherlands 11,775 25, % 74.1% 18.4% 73.6% 91.1% 17.5% 84.6% NO Norway 6, % 100.0% 98.4% -1.6% 100.0% PL Poland 375 2, % 77.5% -22.5% 91.0% 96.0% PT Portugal 842 6, % 78.1% 23.7% 75.6% 90.4% 14.8% 90.6% 96.0% 5.4% RO Romania % 92.3% 98.9% SE Sweden 5,424 12, % 70.3% -2.2% 91.7% 97.5% 5.8% 97.2% 99.7% 2.5% SI Slovenia % 98.7% 100.0% SK Slovakia % 75.2% -24.8% 93.1% 99.5% TR Turkey % 69.0% -8.0% 91.0% 88.7% -2.3% 97.0% 96.8% -0.2% CEA 210, , % 59.2% 15.7% 60.9% 81.5% 20.6% 70.5% 91.7% 21.2% EU (25) 198, , % 57.9% 16.1% 59.0% 80.6% 21.6% 69.1% 91.0% 21.9% in which Euro (12) 125, , % 61.5% 16.6% 62.6% 83.1% 20.5% 72.8% 90.6% 17.8% Others 11,608 26, % 80.5% 9.3% 88.0% 95.9% 7.9% 95.3% 99.5% 4.1%

46 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

47 Custos da Intermediação Financeira em Portugal Estudo da CMVM (Janeiro 2006) Elevados custos para pequenos investidores: as comissões de corretagem e de custódia e pagamento de dividendos (acrescidas de impostos) representam valores elevados quando comparados com os dividendos produzidos por carteiras de acções de pequena dimensão (2,6 a 4,4% para carteiras de a euros) Custos agravados quando os investimentos são em acções transaccionadas noutros mercados, fora do Euronext-Lisboa Necessidade de informação completa e transparente

48 Temas I - Sumário Executivo II Estrutura concorrencial nos mercados bancários dos particulares e PMEs III Estrutura concorrencial global, margens e pricing IV Sistemas de pagamentos V Mercados de seguros VI Mercados de capitais VII Conclusões

49 Questões fundamentais para a Concorrência (recomendações da ECA) I Mobilidade dos clientes: Baixar os switching costs na banca de retalho Introdução de um sistema consistente e de regras transparentes para os consumidores e PMEs poderem comparar os produtos oferecidos pela banca de retalho Implementação de esquemas para facilitar a mobilidade (e.g. Sites para comparações, estatísticas, serviços de mudança, etc.) II- Acesso e governação dos sistemas de pagamentos Estabelecimento do SEPA em moldes concorrenciais entre países da UE e euro

50 Questões fundamentais para a Concorrência (recomendações) Promover o unbundling (separação) dos serviços de pagamentos (por exemplo, processamento e sistemas de cartões, branding e processamento), Identificar um conjunto de princípios de base no que respeita às Interchange Fees dos sistemas de pagamentos

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC IP/08/605 Bruxelas, 18 de Abril de 2008 Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC Mais de metade dos europeus são neste momento

Leia mais

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe)

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe) dossiers Economic Outlook Private Debt Dívida Privada Last Update Última Actualização: 12/07/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy

Leia mais

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015 Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 215 Pode o capitalismo sobreviver? «A tese que tentarei estabelecer

Leia mais

Serviços Postais. Postal Services

Serviços Postais. Postal Services 002 Serviços Postais Postal Services 019 Serviços Postais Postal Services Prestadores de Serviços Postais Postal services Providers * Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso Services

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 009 Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 087 Serviços de Transmissão de Dados (STD) / Serviço de acesso à Internet

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

Universidades Europeias diversificam financiamento

Universidades Europeias diversificam financiamento Universidades Europeias diversificam financiamento Maria da Graça Carvalho IST, PE Grupo PPE Manuel Loureiro - ULHT Ensino Superior: avaliação e sustentabilidade 28 de Fevereiro 2011, Lisboa ISG Instituto

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

Globalização e Distribuição Tendências e Desafios

Globalização e Distribuição Tendências e Desafios Globalização e Distribuição Tendências e Desafios Augusto Mateus Instituto Superior de Economia e Gestão Instituto Formação Empresarial Avançada Augusto Mateus & Associados 20º Aniversário Lisboa, 12 Maio

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho 2009 1 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2017) 217 final - ANEXO 1. Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de maio de 2017 (OR. en) 9046/17 ADD 1 EF 97 ECOFIN 351 AGRIFIN 50 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 8 de maio de 2017 para: Secretário-Geral da Comissão Europeia,

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

Pesquisa TIC Kids Online Brasil

Pesquisa TIC Kids Online Brasil Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes GTER Grupo de Trabalho em Segurança de Redes GTS Pesquisa TIC Kids Online Brasil Parte I: Visão geral

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão

Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão IP/10/571 Bruxelas, 17 de Maio de 2010 Agenda Digital: investimento na economia digital é chave para futura prosperidade da Europa, afirma relatório da Comissão De acordo com o relatório da Comissão Europeia

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010 Exercício de stress test na União Europeia Principais resultados para os bancos portugueses 23 Julho 2010 Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial

Os padrões de especialização na UE-15. Os padrões de especialização na UE-15. Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial Política Económica e Actividade Empresarial 2. O Crescimento, a Competitividade e o Desenvolvimento Empresarial 2.1. A evolução da competitividade e da produtividade

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais