segunda-feira, 17 de Outubro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "segunda-feira, 17 de Outubro de 2011"

Transcrição

1 Relatório de Feedback da Avaliação 360º segunda-feira, 17 de Outubro de 2011 Teste 360 Questionário de Vendas Privado & Confidencial

2 Conteúdos Introdução Compreender o seu Relatório de Feedback da Avaliação 360º Médias por competências Gráfico das 5 declarações com maiores e menores médias Resumo do nível de importância de cada competência para a função Áreas de desenvolvimento que seriam mais importantes tendo em conta a sua função Pontos Fortes e como são observados em contexto de trabalho Plano de Desenvolvimento Pessoal Notas Apêndice Pontuações em cada uma das categorias de competências Informação Adicional 2

3 Introdução Este relatório 360º é confidencial. O objectivo deste relatório é a realização de uma análise detalhada da informação obtida a partir de vários indivíduos e posteriormente tratada pelo Sistema Thomas 360º. Relação Definido Completo O próprio 1 1 Gestor 2 2 Par 0 0 Equipa 0 0 Cliente 0 0 Entrevistado 3 3 Se o número de respostas for menor do que o número mínimo esperado, a validade deste relatório é reduzida pelo que recomendamos a obtenção de Feedback adicional. Este relatório fornece um resumo dos resultados da sua chefia directa e dos elementos que responderam ao questionário de Avaliação 360º. Os resultados estão resumidos em cada uma das seguintes categorias de competências. - Profissional de Excelência - Directivo - Visão Estratégica - Organização - Trabalho em Equipa - Foco no Cliente - Comunicação - Impacto - Influência A análise dos parâmetros identifica a média para cada categoria de competências (incluindo e excluindo o próprio) e mostra o intervalo de pontuações que lhe foram atribuídas. Para além disso, as informações são apresentadas graficamente e exibem as cinco declarações com pontuação mais elevada e mais baixa, para identificar seus pontos fortes e áreas de desenvolvimento, respectivamente. Também poderá comparar o grau de variação do ranking de importância das categorias de competências com os seus colegas. 3

4 Compreender o seu Relatório de Feedback da Avaliação 360º Objectivos Principais deste Relatório Um Feedback proveniente de uma única fonte raramente é abrangente para ser consideravelmente robusto e de boa qualidade, onde os funcionários são considerados habilitados a fazer seus próprios trabalhos e interagir efectivamente com os outros, os gestores são considerados como 'coacher' para ajudar e orientar os seus colaboradores para obterem níveis elevados de desempenho. A Avaliação 360º é cada vez mais uma metodologia popular na obtenção de um Feedback de boa qualidade que permite a manutenção e melhoria do desempenho, parte essencial do desenvolvimento pessoal. O objectivo da avaliação 360º é não só obter um bom Feedback, como também envolver uma grande variedade de pessoas no processo. Objectivos da Avaliação 360º - Desenvolver uma consciência de como o seu comportamento é percebido em contexto laboral. - Enfatizar as mudanças que precisa de fazer para se desenvolver. - Fornecer informações que lhe permitirão compreender o que faz bem. - Ter a oportunidade de explorar as razões da pontuação obtida. - Preparar o modo como poderá agir. - Ter a oportunidade de ser responsável pelo seu próprio desenvolvimento. Este relatório é uma compilação de todos os questionários que foram enviados para as pessoas com as quais trabalha. 4

5 Médias por competências A seguinte tabela resume as pontuações da sua avaliação relativamente a cada uma das categorias de competências. Quanto maior a pontuação obtida, maior a percepção de que existe manifestação desse comportamento. As competências estão ordenadas de modo a que a competência com a média mais elevada (excluindo auto-avaliação) encontra-se apresentada na parte superior. 5

6 Gráfico das 5 declarações com maiores e menores médias 6

7 Resumo do nível de importância de cada competência para a função A seguinte tabela sumariza o modo como avalia a importância da competência no desempenho da sua função. Poderá, também, observar as diferenças entre a sua percepção e a percepção dos elementos que lhe forneceram feedback. Competências Ranking Avaliação 1 = Mais Importante 9 = Menos Importante 7 = Alto O próprio Gestor Entrevistado Média 1 = Baixo Influência ,8 3,4 Impacto ,1 3,9 Comunicação ,6 3,8 Foco no Cliente ,1 3,7 Trabalho em Equipa ,3 3,7 Organização ,6 4,2 Visão Estratégica ,1 3,8 Directivo ,1 3,9 Profissional de Excelência ,3 3,5 Comparação de Avaliações - Compare as classificações obtidas em cada competência com as suas próprias avaliações. As suas avaliações são mostradas na coluna da direita. As competências e as classificações mais elevadas estão no topo da tabela; se as classificações das competências forem elevadas e alinhadas com as suas avaliações, estão em conformidade com as prioridades da actual função. Se as suas avaliações forem baixas, comparadas com competências elevadas reflectem áreas com potencial de desenvolvimento. Diferenças de Avaliações - As células em destaque indicam as áreas com maior diferença na classificação de prioridades entre a auto-avaliação e outros grupos inquiridos. As áreas com grandes diferenças entre a classificação de competências obtida por si e pelos outros avaliadores indicam, muitas vezes, uma necessidade de esclarecer as prioridades da sua função. Grandes diferenças podem indicar possíveis áreas de tensão ou de mal-entendidos. 7

8 Observações Qualitativas Pontos Fortes e como são observados em contexto de trabalho Os comentários inseridos nesta secção serão guardados exactamente como foram introduzidos pelos avaliadores - o texto não será editado e/ou filtrado. Quando os comentários aparecem em duplicado, significa que foram inseridos por mais do que um avaliador. Respostas que foram dadas - Teste ugedswsewese4rtghy7gtg - Test mmmmm - Teste efrfre4r65gttgr5f - Test mmmmmm 8

9 Observações Qualitativas Áreas de desenvolvimento que seriam mais importantes tendo em conta a sua função Os comentários inseridos nesta secção serão guardados exactamente como foram introduzidos pelos avaliadores - o texto não será editado e/ou filtrado. Quando os comentários aparecem em duplicado, significa que foram inseridos por mais do que um avaliador. Respostas que foram dadas - Teste ojhrd - Test mmmmmmmmmmmm - Teste kujyhtgrfedwsqaswedfrgthyjukiol - Test mmmmmmmmmm 9

10 Plano de Desenvolvimento Pessoal Registo do desenvolvimento das suas necessidades e objectivos. Use esta página para delinear os seus principais objectivos de desenvolvimento, identificados na conclusão deste Questionário. Competência Necessidade de Desenvolvimento Como alcançar Data Limite Competência Necessidade de Desenvolvimento Como alcançar Data Limite Competência Necessidade de Desenvolvimento Como alcançar Data Limite 10

11 Notas 11

12 Apêndice Pontuações em cada uma das categorias de competências Explicação das seguintes tabelas Cada uma das competências foi dividida nos parâmetros, dos quais recebeu feedback. Cada instrução tem um resumo da distribuição das pontuações provenientes da auto-avaliação, do gestor, dos pares, da equipa, dos clientes e outros, conforme aplicável. Os entrevistados classificaram as declarações com base nas suas observações do seguinte modo: Bom Enquadramento (Alto) - o participante é excepcional e pode ser considerado como um exemplo a seguir nesta área Satisfatório - o participante possui um nível satisfatório tendo em conta a sua função Não muito (Baixo) - o participante precisa de um considerável apoio ou desenvolvimento nesta área. - Não observado / Não aplicável - o participante não tem a oportunidade de demonstrar essa competência, ou, não é aplicável ao seu papel. Nas tabelas que se seguem, esta coluna é rotulada de "não observado". A cada instrução é dada uma classificação média e cada competência tem uma pontuação/classificação geral. 1. A selecção da instrução "Não observado / Não aplicável" implica a exclusão desta no cálculo da média final. 2. A média para cada grupo de avaliadores é apresentada com uma casa decimal. 3. A média de cada declaração é a média ponderada de cada grupo de avaliadores. Do lado esquerdo é exibida a caixa do total das médias, excluindo a auto-avaliação, e do lado direito da caixa estão as médias com a inclusão da auto-avaliação. 4. A média da competência é calculada a partir da média ponderada das respectivas declarações (2). Se a declaração não é observada por ninguém, então não é incluída. Impacto 12

13 Estabelece credibilidade rapidamente Gestor a 3 2,0 Entrevistado a 7 5,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,6 Cria facilmente uma relação empática Gestor a 3 2,0 Entrevistado 3 5,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Atinge resultados win-win Gestor 1 1 5,0 Entrevistado a 4 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,0 4,3 Apresenta entusiasmo e empenho Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 6 4,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,3 4,9 Transmite uma imagem de consistência Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 7 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,6 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,9 4,5 13

14 Influência Faz com que o cliente se sinta bem com a compra Gestor a 6 4,0 Entrevistado a 5 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Vende bem a imagem da empresa O próprio 1 7,0 Gestor a 5 4,5 Entrevistado a 4 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,8 Lida eficazmente com as objecções dos clientes Gestor a 4 3,5 Entrevistado a 3 2,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 2,9 3,9 Demonstra autoconfiança Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,3 3,9 Influencia as pessoas chave Gestor 2 4,0 Entrevistado a 4 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,4 4,3 14

15 Comunicação Esclarece o seu entendimento sobre as necessidades Gestor a 4 3,5 Entrevistado a 4 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 3,8 É um comunicador verbal eficaz O próprio 1 4,0 Gestor 2 4,0 Entrevistado a 4 3,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,7 3,8 Capta os sinais não-verbais dos clientes Gestor a 4 3,5 Entrevistado a 7 5,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,2 4,5 Escreve, de forma eficaz, propostas comerciais Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 5 2,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 4,1 Ouve activamente sem interromper Gestor a 5 4,5 Entrevistado a 5 4,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,4 4,9 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,8 4,2 15

16 Trabalho em Equipa Fomenta o espírito de compromisso na equipa visando o sucesso Gestor 1 1 4,0 Entrevistado a 4 3,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Partilha experiência e informação de bom grado O próprio 1 7,0 Gestor 1 1 5,0 Entrevistado 3 4,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,5 5,3 Encoraja todos na organização para que se vejam como parte de uma equipa Gestor 1 1 3,0 Entrevistado 1 2 4,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Oferece ajuda e apoio a todos os membros da equipa Gestor a 5 4,5 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,6 4,1 Reparte o sucesso das vendas O próprio 1 7,0 Gestor 1 1 3,0 Entrevistado 3 4,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,7 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,7 4,5 16

17 Organização Conclui as tarefas administrativas a tempo Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 7 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,6 Garante que as promessas e as obrigações para com os clientes são cumpridas no prazo Gestor a 6 5,5 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,1 4,4 Identifica acções para atingir metas comerciais Gestor a 3 2,0 Entrevistado 3 5,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,5 4,3 Monitoriza o cumprimento dos objectivos comerciais O próprio 1 3,0 Gestor a 7 4,5 Entrevistado a 7 5,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,8 4,2 Estabelece metas desafiantes, mas realistas Gestor a 7 4,5 Entrevistado a 7 4,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,6 5,1 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 4,2 4,5 17

18 Directivo Demonstra persistência face às dificuldades Gestor 1 1 4,0 Entrevistado 1 2 4,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,0 4,7 Sobre pressão, mantém-se focalizado Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 5 2,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 4,1 Demonstra determinação e direcção Gestor a 5 3,5 Entrevistado a 7 4,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,1 4,7 É focalizado nos resultados Gestor a 5 3,5 Entrevistado a 7 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,6 4,4 Identifica áreas para novas oportunidades Gestor a 7 6,5 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,6 5,1 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,9 4,6 18

19 Visão Estratégica Facilita as relações entre os clientes internos e externos Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 5 2,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 3,8 Assegura que tem em seu poder a informação mais recente sobre os clientes e os Gestor 2 6,0 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,3 4,9 Toma riscos calculados no âmbito de decisões comerciais Gestor 2 3,0 Entrevistado a 7 5,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,0 4,3 Reconhece a necessidade de melhorar continuamente os produtos e serviços Gestor 2 4,0 Entrevistado a 5 4,0 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,0 4,7 Tira vantagem dos pontos fracos do concorrente O próprio 1 7,0 Gestor 2 4,0 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,3 4,6 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,8 4,4 19

20 Profissional de Excelência Procura continuamente melhorar os seus conhecimentos Gestor a 5 3,5 Entrevistado a 7 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,6 4,1 Demonstra profundos conhecimentos do leque de produtos Gestor a 7 4,0 Entrevistado a 5 2,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 4,1 Procura referências de alta qualidade a partir de uma variedade de fontes Gestor a 4 2,5 Entrevistado a 6 5,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,9 4,6 Aceita de forma positiva o feedback construtivo Gestor 2 4,0 Entrevistado a 5 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,2 Reconhece oportunidades de fecho de negócio Gestor a 5 3,5 Entrevistado a 4 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,1 4,1 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,5 4,2 20

21 Foco no Cliente Constrói relações de parceria com o cliente Gestor a 5 4,0 Entrevistado a 7 3,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,8 4,2 Ganha a confiança e o respeito dos clientes Gestor a 5 4,5 Entrevistado a 5 2,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,6 4,1 Garante que as necessidades do cliente são uma prioridade contra todos os outros aspectos Gestor a 3 2,0 Entrevistado a 6 5,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,7 4,1 Pede proactivamente feedback aos clientes Gestor a 5 3,0 Entrevistado a 7 5,7 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 4,3 4,6 Responde com flexibilidade às necessidades dos clientes Gestor a 4 3,0 Entrevistado a 7 3,3 Média das Classificações excluindo a auto-avaliação 3,2 3,8 Excluindo o próprio Incluindo o próprio Avaliação Global sobre esta Categoria de Competências 3,7 4,1 21

22 Informação Adicional Apresentação da Thomas International Ao longo dos últimos 25 anos a Thomas International tornou-se num fornecedor global de sistemas de gestão e ferramentas de avaliação para as empresas. Estas ajudam as organizações a recrutar, reter, desenvolver e formar o seu capital humano. Estamos presentes em mais de 60 países e a nossa avaliação comportamental está disponível em 56 idiomas diferentes. Fornecemos-lhe ferramentas para motivar, estimular e incentivar as pessoas na sua organização através da sensibilização das pessoas, auto-estima e confiança. Os Sistemas Thomas fornecem avaliações precisas, válidas e objectivas que permitem às empresas compreenderem e desenvolverem o potencial dos seus colaboradores. Fornecemos aos profissionais de Recursos Humanos, gestores e directores as ferramentas e a formação necessária para motivar, envolver e liderar os seus colaboradores. Thomas 360º Os comentários sobre o estilo e o conteúdo do relatório são sempre bem-vindos, para a Thomas Portugal. A Avaliação Thomas 360º é gerida pela Thomas International. Se precisar de apoio em relação ao sistema, por favor contacte directamente a Thomas Portugal. Caso necessário, contacte a Thomas International através de: Thomas International Harris House 17 West Street Marlow Buckinghamshire SL7 2LS United Kingdom Tel No: +44 (0) Web: 22

Fulano de Tal. Relatório de Feedback 360 Extended DISC FINXS

Fulano de Tal. Relatório de Feedback 360 Extended DISC FINXS O Feedback 360 é um instrumento projetado para fornecer um foco desenvolvimentista a respeito dos pontos fortes das habilidades comportamentais específicas e suas necessidades de desenvolvimento. Este

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

Inovação & A avaliação

Inovação & A avaliação INOVAÇÃO E ENSINO DA EXCELÊNCIA: AVALIAÇÃO NO AEB, PORQUÊ E COMO Inovação & A avaliação Impacto da avaliação formativa nas aprendizagens (workshop 1) Lisboa, 07 julho 2015 Anabela Serrão PORQUE AVALIAMOS?

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO CENTRO SOCIAL DE SANTA CRUZ DO DOURO NIF FICHA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período em avaliação 1. MISSÃO DA

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

Inventário de Práticas de Liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER

Inventário de Práticas de Liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Inventário de Práticas de Liderança: JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Relatório de feedback individual Preparado para Filipe da Silva Amostra Relatório CONTEÚDO As Cinco Práticas da Liderança Exemplar

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O GRUPO PROFISSIONAL DO PESSOAL AUXILIAR Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção Gestão do Desempenho Ref.: Livro-texto, Cap. 8 Gestão Estratégica de RH Atrair Capacitar Reter e engajar Gestão do Desempenho Recrutamento & Seleção Treinamento & Desenvolvimento Recompensa 2 1 Avaliação

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Comércio e Restauração

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Comércio e Restauração Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Comércio e Restauração Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Comércio e Restauração Índice

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal. Programa do Curso Gestão e Desenvolvimento Pessoal

CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal. Programa do Curso Gestão e Desenvolvimento Pessoal CURSO GESTÃO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL Porquê a Gestão e o Desenvolvimento Pessoal A importância de uma boa gestão de pessoas e equipas é facilmente reconhecida no contexto organizacional da atualidade.

Leia mais

Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER

Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Relatório de feedback individual Preparado para Filipe Da Silva CONTEÚDO The Five Practices of Exemplary Leadership e o relatório

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Anexo 1 - Questionário

Anexo 1 - Questionário Anexo 1 - Questionário O presente questionário insere-se num projecto de investigação do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia /ISCTE, coordenado pelo Professor Doutor Alan Stoleroff. Pedimos-lhe

Leia mais

Avaliação do Capital Humano

Avaliação do Capital Humano Avaliação do Capital Humano Pleno século XXI, A quantidade de água salgada espalhada pelos quatro oceanos do mundo, ainda é incontável. Já imaginou se eles não estivessem em EQUIPE? Avaliação do capital

Leia mais

Regime de Avaliação do Plano de Formação

Regime de Avaliação do Plano de Formação Centro Centro de Formação da Associação de Escolas Bragança Norte Regime de Avaliação do Plano de Formação Escola-Sede: Escola Secundária Abade de Baçal Avenida General Humberto Delgado 5300-167 Bragança

Leia mais

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart Gurus da Qualidade João Noronha ESAC/IPC Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo Ciclo PDCA Plan, Do, Check, Act Ciclo

Leia mais

O Modelo de Excelência da EFQM. IPQ - 14 de Dezembro de 2011

O Modelo de Excelência da EFQM. IPQ - 14 de Dezembro de 2011 O Modelo de Excelência da EFQM IPQ - 14 de Dezembro de 2011 O Modelo de Excelência 9 Critérios: 5 Meios + 4 Resultados 32 Partes de Critério i Pontos de Orientação O RADAR Resultados Abordagens Desdobramento

Leia mais

O inquérito por entrevista

O inquérito por entrevista O inquérito por entrevista Entrevista Técnica de investigação que permite recolher informações, dados, utilizando a comunicação verbal. A entrevista é uma conversa com um objectivo (Bingham & Moore, 1924)

Leia mais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais 1 Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais Ana Maria Doimo Ernesto F. L. Amaral 21 de setembro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Banco Mundial. Monitorização e Avaliação: algumas

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

Especificação e aquisição

Especificação e aquisição Especificação e aquisição especificação: utilidade, linguagem e estilo especificação: estrutura e conteúdo o processo de aquisição aquisição: diálogo com os fornecedores Objectivos - sensibilizar para

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Competência comunicativa e comunicação interpessoal

Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência Definição de competência comunicativa O comunicador competente A relação competente Melhorar a competência comunicativa COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

processo contínuo, dinâmico;

processo contínuo, dinâmico; Avaliação de Desempenho/Performance é a avaliação do desempenho atual ou passado do funcionário em relação a padrões de desempenho. O Processo envolve: a) Estabelecer padrões de desempenho; b) Avaliar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES Conceitos do Livro: Interação Humano - Computador Simone D. J. Barbosa/Bruno Santana da Silva Orienta o avaliador: Introdução Fazer julgamento sobre a qualidade de uso Identificar problemas do usuário

Leia mais

Programa de Gestão da Performance

Programa de Gestão da Performance Programa de Gestão da Performance O impulso para ir mais longe está em suas mãos. Cada dia do ano é um passo à frente no seu desenvolvimento. Movimente-se! Quer ir mais longe? O primeiro passo é ler este

Leia mais

Balanço do Seminário Gestão Estratégica da Contratação Pública. Praia, Dezembro de 2009

Balanço do Seminário Gestão Estratégica da Contratação Pública. Praia, Dezembro de 2009 Balanço do Seminário Gestão Estratégica da Contratação Pública Praia, Dezembro de 2009 Índice 1. Apresentação 3 2. Objectivos pedagógicos 4 3. Destinatários 5 4. Sinopse 6 5. Conteúdos 7 6. Metodologia

Leia mais

DESCRIÇÃO DE TAREFAS. Posição: Oficial de projecto Localização: Nampula. Departmento: Técnico Contrato: 1 ano Role type: Nacional Grade: 6

DESCRIÇÃO DE TAREFAS. Posição: Oficial de projecto Localização: Nampula. Departmento: Técnico Contrato: 1 ano Role type: Nacional Grade: 6 DESCRIÇÃO DE TAREFAS Posição: Oficial de projecto Localização: Nampula Departmento: Técnico Contrato: 1 ano Role type: Nacional Grade: 6 Viajem: 70% dentro de Moçambique e da província Child safeguarding

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

CCSQ. Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 setembro

CCSQ. Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 setembro CCSQ Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente Nome Sample Candidate Data 23 setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório do SHL Manager lhe ajudará a estabelecer as chances de

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade

1.3.Formação da Equipa de Qualidade Constituição definitiva. 1.4.Sensibilização para a Qualidade Implementação do Sistema de Gestão de Qualidade da Segurança Social Nível C 1.1.Reflexão sobre o que significa um processo de Qualidade Pertinência / Oportunidade para o CST IPSS Reunião Técnica 5 de Fevereiro

Leia mais

SATISFAÇÃO DE ADERENTES SPV

SATISFAÇÃO DE ADERENTES SPV SATISFAÇÃO DE ADERENTES SPV Satisfação de aderentes No âmbito do Sistema de Gestão Integrado da Qualidade e Ambiente da Sociedade Ponto Verde, certificada de acordo com os referenciais NP EN ISO 9001:2008

Leia mais

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização

Leia mais

Curso de Liderança, Empowerment e Coaching

Curso de Liderança, Empowerment e Coaching Curso de Liderança, Empowerment e Coaching Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas Desenvolver competências no âmbito da relação com as equipas de trabalho, identificando os vários

Leia mais

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação Análise da Satisfação, Lealdade e Envolvimento dos Colaboradores Lisboa, Março de 2014 Índice 1. Modelo de medida da satisfação dos colaboradores da DGPJ e respetivos indicadores... 4 1.1. Dimensão expectativas

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF Maria João Moura nº3511n Ricardo Gonçalves nº3486n Telma Morais nº3466n O que é a certificação? É a garantia escrita, dada por um organismo certificador independente e imparcial que comprova que o produto

Leia mais

TQM Total Quality Management

TQM Total Quality Management TQM Total Quality Management Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é TQM? Administração da Qualidade Total total quality management (TQM) Pode ser visto como uma extensão lógica da maneira como a

Leia mais

Concurso de Ideias Criativas

Concurso de Ideias Criativas Concurso de Ideias Criativas Normas de participação I - Âmbito e objetivos do concurso 1. O Contrato Local de Desenvolvimento Social de Proença-a-Nova - Projeto Promover e Integrar (CLDS) tem como objetivo

Leia mais

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas

7.1 Contribuições para a teoria de administração de empresas 7 Conclusões Esta tese teve por objetivo propor e testar um modelo analítico que identificasse como os mecanismos de controle e as dimensões da confiança em relacionamentos interorganizacionais influenciam

Leia mais

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008)

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) O ALINHAMENTO ENTRE A ESTRATÉGIA E OS SISTEMAS DE RH: QUESTÕES - CHAVE A CONSIDERAR (Adaptado de Gratton, 1999) O CICLO DE CURTO PRAZO Estabelecimento

Leia mais

Relatório de Satisfação e Clima

Relatório de Satisfação e Clima Relatório de Satisfação e Clima 2014 Divisão de Gestão de Recursos Humanos 2 Motivação é a arte de fazer as pessoas fazerem o que você quer que elas façam porque elas o querem fazer. (Dwight Eisenhower)

Leia mais

1 Proposta técnica e financeira

1 Proposta técnica e financeira Concurso estudo de base PRODEM Especificações técnicas pela compilação da proposta Estabelecer um estudo de base de qualidade é uma tarefa importante para o PRODEM. Incentivamos, portanto, empresas de

Leia mais

DALE CARNEGIE IMMERSION SEMINAR

DALE CARNEGIE IMMERSION SEMINAR DALE CARNEGIE IMMERSION SEMINAR Comunicação Eficaz e Relacionamentos Interpessoais 1 Fundada em 1912 a Dale Carnegie Training evoluiu partindo na crença do poder do autoaperfeiçoamento para uma empresa

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Clima Organizacional Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Clima Organizacional Funcionário Feliz = Lucro maior Mais qualidade de vida no

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL Chegamos ao momento de construir um plano de desenvolvimento para as necessidades identificadas a partir de seu autodiagnóstico e reflexões iniciais.

Leia mais

Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico

Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico Este artigo visa contribuir com os processos de gestão de clima organizacional das empresas. Procuramos apresentar melhorias

Leia mais

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Âmbito de aplicação (art.º 2.º) SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SIADAP Âmbito genérico de aplicação: - Administração directa do Estado; - Administração

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva psilva@est.ipcb.pt Apresentação do Trabalho Phd. Universidade de Évora Doutoramento em Sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

Actualmente, as organizações estão

Actualmente, as organizações estão O balanced scorecard e a estratégia P o r T e l m a F i a l h o d e O l i v e i r a O balanced scorecard pode ser aplicado nos diversos tipos de organizações e, como é um instrumento de apoio à formulação

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Certificação ISO no

Certificação ISO no Certificação ISO 27001 no Instituto t de Informática, I.P. (MTSS) 30-11-2010 1 Agenda O Instituto t de Informática, I.P.; Sistema de Gestão Integrado (ISO 9001, 27001, 20000) Manutenção da Certificação

Leia mais

Convocação para Entrega de Resumos

Convocação para Entrega de Resumos Convocação para Entrega de Resumos 4ª Conferência Sul Americana PHYSIO PILATES - POLESTAR PILATES Maturidade Ativa Salvador/ Bahia, Brasil 27 a 29 de setembro de 2012 Categorias de apresentações e de solicitações

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

2 [ Maio '15 ] [ nº 37 ] Notícias

2 [ Maio '15 ] [ nº 37 ] Notícias 2 [ Maio '15 ] [ nº 37 ] [ Maio '15 ] [ nº 37 ] 3 Pessoas Resultados do Inquérito aos Colaboradores apontam oportunidades de melhoria Já são conhecidos os resultados do Inquérito aos Colaboradores. Entre

Leia mais

Planilha para Relatório e Avaliação de Clube

Planilha para Relatório e Avaliação de Clube Planilha para Relatório e Avaliação de Clube UM RECURSO SOROPTIMISTA PARA CLUBES E SÓCIAS Dicas para preencher o Formulário de Relatório e Avaliação de Clube Online Preencha e envie um Formulário de Relatório

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

O Manual do sam. Peter H. Grasch

O Manual do sam. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Fundo............................................. 5 1.1.1 Testes efectivos................................... 5 2 Usar o sam 6 2.1 Ficheiros de entrada &

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais

colaboradores a chave do nosso sucesso

colaboradores a chave do nosso sucesso nextrans hh nextrans hh heavy haulage heavy haulage política de recursos humanos colaboradores a chave do nosso sucesso busca constante pela excelência Introdução Na busca pela excelência, nós da Nextrans

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU

ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU 0 ORIENTAÇÕES PARA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROFISSIONAIS FAEPU APRESENTAÇÃO Este manual busca orientar os funcionários do quadro da FAEPU sobre a Avaliação de Desempenho que será realizada.

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O

MANUAL DO AVALIADOR O MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

Práticas de Apoio ao Planejamento e à Gestão. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio ao Planejamento e à Gestão. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio ao Planejamento e à Gestão Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Benchmarking Conceitos É a busca das melhores práticas que conduzem ao

Leia mais

Gestão baseada no desempenho

Gestão baseada no desempenho Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro 7.12.2007 Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Tipos de investigação educacional diferenciados por:

Tipos de investigação educacional diferenciados por: Bento Março 09 Tipos de investigação educacional diferenciados por: Praticalidade Básica Aplicada Método Qualitativo Quantitativo Experimental Não experimental Questões Etnográfica Histórica Descritiva

Leia mais

CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS:

CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS: CRIAR SIGINFICADO PARA O TRABALHO DAS PESSOAS: Importância das Soft Skills João Bilhim CAPP ISCSP/UTL 15-04-2010 CONSTRUIR CATEDRAIS 1 A Iron Cage de Weber A rigidez Burocrática O mecanicismo O império

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Relatório específico interno da empresa (modelo)

Relatório específico interno da empresa (modelo) Relatório específico interno da empresa (modelo) Índice ÍNDICE... II ÍNDICE DA EXCELÊNCIA: O ESTUDO... 1 INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA... 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS... 2 FASES DO ESTUDO...

Leia mais

Formulários VIII Vista de estrutura

Formulários VIII Vista de estrutura Formulários VIII Vista de estrutura Permite personalizar o conjunto de controlos de um formulário Cabeçalho, Detalhe e Rodapé do formulário Controlos dependentes: reflectem directamente o conteúdo do registo

Leia mais

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados.

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. II Enquadramento 1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. 2. O Decreto Regulamentar n.º 44-B/83, de 1 de Junho,

Leia mais

Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia

Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia Por que Coaching para Escritórios de Advocacia? Os escritórios são, nos dias de hoje, uma empresa e isso não tem mais volta. Assim, não dá para o advogado

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Sede. Novembro de 2014

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Sede. Novembro de 2014 Relatório Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local Sede Novembro de 2014 1 Índice Índice Introdução e Metodologia, pág. 3 1. Satisfação global, pág. 5 2. Satisfação

Leia mais