Tributo e espécies tributárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tributo e espécies tributárias"

Transcrição

1 Tributo e espécies tributárias Alexsander Roberto Alves Valadão* Conceito de tributo O conceito de tributo está previsto no artigo 3.º do Código Tributário Nacional (CTN), que estabelece de modo adequado as características necessárias para a identificação dessa categoria jurídica, diferenciando-a de outras figuras semelhantes. Segundo o CTN, tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada. Se dividirmos em partes, para fins didáticos, a definição legal acima, poderemos examiná-la de modo mais preciso. Tributo é toda prestação pecuniária compulsória: podemos afirmar que tributo é um pagamento, uma obrigação (prestação) em dinheiro (pecuniária), o bem fungível por excelência; e obrigatória (compulsória), afastando-se, portanto, a figura da faculdade ou liberalidade de quem paga, para dar lugar à imposição do pagamento pelo contribuinte. Em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir: a prestação exigida pode ser cobrada em moeda (dinheiro, como já foi exteriorizado na primeira parte, quando se refere à pecúnia) ou em outro bem que possa ser avaliado em dinheiro, de forma que, quando o legislador resolve aceitar, sempre mediante previsão legal, outro bem que não seja dinheiro, como bens imóveis, nem por isso a prestação deixa de ter natureza de tributo. Embora essa prática fosse mais comum na Idade Média, quando o soberano recebia a maior parte das exações que cobrava em bens e não em dinheiro, atualmente não é incomum que a lei permita o adimplemento da obrigação tributária por meio de bem diverso de Mestre e Doutorando em Direito Tributário pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor da Graduação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), da Pós-Graduação do Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA), da PUCPR e da Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst).

2 DIREITO TRIBUTÁRIO dinheiro. Como exemplo, pode-se citar o recebimento de impostos em vários Municípios com o pagamento até mesmo por meio de serviços ao Município, ou ainda o recebimento de contribuições especiais em imóveis, depois destinados à reforma agrária. Que não constitua sanção por ato ilícito: é de fundamental importância que não se confunda tributo com o pagamento de multas pecuniárias provenientes do descumprimento de um dever previsto em lei. O pagamento do tributo jamais será motivado por apenamento do cidadão que não observou uma regra para cujo descumprimento está prevista uma multa. Do ponto de vista da conduta em si, tanto uma pessoa que ultrapassou um sinal vermelho e foi multada, quanto alguém que é proprietário de veículo automotor (e sujeito, portanto, ao pagamento de IPVA), têm o dever legal de realizar a mesma conduta, qual seja, levar dinheiro aos cofres do Estado. Ainda assim, juridicamente, são prestações com naturezas completamente distintas, pois motivadas por fatos também distintos o primeiro descumpriu um dever legal e, portanto, paga uma multa, e o segundo revelou capacidade contributiva e, por isso, paga um tributo. Instituída em lei: essa parte da definição é importante para diferenciar o tributo das figuras contratuais, que também obrigam determinada pessoa a levar dinheiro aos cofres públicos. É o caso de alguém que aluga um imóvel da União e todo mês deve depositar o valor correspondente ao aluguel previsto no contrato; deve também pagar mensalmente os tributos devidos à União. Nesse caso, a conduta é a mesma. Nas duas situações, é levado dinheiro aos cofres públicos, mas por motivos diferentes. Com efeito, a distinção está basicamente na origem da obrigação, sendo que em nenhum dos casos temos o descumprimento de dever legal, enquadrando-se na condição anterior (não se constitui em sanção por ato ilícito). Entretanto, a origem da obrigação nos dois casos é distinta, pois a obrigação tributária é uma obrigação ex lege, ao passo que a obrigação de aluguel é ex voluntae, ou seja, originária diretamente do contrato e não da lei, como é o caso do tributo. Daí a importância dessa parte da definição. Cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada: boa parte dos autores entende dispensável essa passagem da definição legal, pois temos várias situações em que a atividade do agente público é vinculada, e não discricionária. De todo modo, esse trecho serve para ressaltar o caráter vinculado e nada discricionário da cobrança do tributo. Se o contribuinte praticou o fato gerador previsto na lei, é dever do agente público responsável (de forma impessoal e independentemente de qualquer relação pessoal que possa ter com o sujeito passivo da obrigação) cobrar o tributo exatamente como previsto em lei. Da mesma forma, qualquer vantagem ou benesse que possa ser concedida a um contribuinte só poderá ocorrer quando prevista em lei, de maneira impessoal; assim, todos que estiverem na mesma condição fática terão direito aos mesmos benefícios fiscais.

3 11 Espécies tributárias As espécies tributárias são descritas na Constituição Federal (CF); suas características mais importantes encontram-se nos artigos 145, 148, 149, 149-A e 195 da Carta Magna em vigor. Há várias correntes sobre quantas são as espécies tributárias: duas (teoria bipartite) taxas e impostos (Alfredo Augusto Becker e Pontes de Miranda); três (teoria tripartite) taxas, impostos e contribuições de melhoria (Aliomar Baleeiro, Rubens Gomes de Souza, Roque Carrazza, Geraldo Ataliba e Paulo de Barros Carvalho); quatro (teoria quadripartite) taxas, impostos, contribuições especiais e contribuições de melhoria (Arnaldo Borges); ou taxas, impostos, empréstimos compulsórios e contribuições (Fábio Fanuchi); cinco (teoria quinquipartite) taxas, impostos, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais (Ives Gandra da Silva Martins, Hugo de Brito Machado e José Eduardo Soares de Melo). Alguns autores chamam o gênero contribuições especiais de contribuições sociais. As duas teorias que agregam a quase totalidade da doutrina são as que afirmam serem três ou cinco as espécies tributárias, sendo que as demais têm pouco ou nenhum prestígio atualmente na doutrina. O posicionamento mais recente do Supremo Tribunal Federal (STF) é no sentido de adotar a teoria das cinco espécies tributárias. A teoria clássica tripartite afirma que a principal distinção reside no fato gerador do tributo ter ou não relação com alguma atividade estatal. Quando há essa relação, é denominado de tributo vinculado, ou seja, ligado à atividade estatal que vai motivar a cobrança do tributo. Como exemplo, podemos citar a prestação de serviço, o exercício do poder de polícia ou a realização de obra pública. Por outro lado, o tributo é denominado de não vinculado quando não contar no seu fato gerador com a previsão de qualquer atividade estatal, tendo como hipótese de incidência, portanto, atividade praticada eminentemente por particulares e, dessa forma, não ligado a qualquer atividade estatal. Por exemplo, os impostos, cujo fato gerador é sempre uma atividade de um particular, que revela capacidade contributiva do administrado. Essa teoria afirma que os empréstimos compulsórios e as contribuições especiais podem ser enquadradas ou como imposto ou como taxa, dependendo da sua configuração (se têm ou não vinculação com alguma atividade estatal), não tendo, com isso, características próprias que justifiquem a existência de nova categoria jurídica.

4 DIREITO TRIBUTÁRIO Já a teoria que afirma serem cinco as espécies tributárias vê características importantes nos empréstimos compulsórios e nas contribuições especiais, de forma a separá- -los das taxas, impostos e contribuições de melhoria, justificando a existência de novas categorias nessa classificação. Com efeito, o que mais se destaca como característica para diferenciá-los é a finalidade, ou previsão legal, de afetação (destinação) desses recursos a objetivos intencionalmente previstos no texto constitucional. Essa afetação dos recursos deve estar prevista na lei, a qual institui tanto os empréstimos compulsórios quanto as contribuições especiais e que motiva a sua criação. O fato de o artigo 4.º, II, do CTN, afirmar que a destinação legal do produto da arrecadação do tributo não é fator para estabelecer a natureza dele, esse dispositivo não pode se sobrepor à previsão constitucional posterior, que empresta importância a essa característica tanto para os empréstimos compulsórios quanto para as contribuições especiais, em face da supremacia da CF sobre as normas infraconstitucionais. Entretanto, o STF, de forma contraditória, vem utilizando esse dispositivo para afirmar que, se os recursos não são utilizados na prática para o fim a que foram criados, tanto no empréstimo compulsório quanto na contribuição especial, isso se constitui em mera irregularidade administrativa, recomendando-se a punição do administrador que não cumpre a lei. No entanto, isso não afeta a natureza do tributo, que se mantém a mesma, de forma a continuar a se distinguir da figura dos impostos e das taxas. Dentre essas classificações, temos, para efeitos didáticos, que a divisão em cinco tributos é a mais adequada, pois ajuda a compreender cada uma dessas espécies, razão pela qual foi adotada para fins desta síntese. Logo, vale o estudo das principais características de cada uma delas. Impostos Imposto é todo tributo que tem por fato gerador um ato particular independente de qualquer atividade estatal específica em relação ao contribuinte (CTN, art. 16). Em outras palavras, o que motiva a cobrança do imposto é um fato previsto na lei (auferir renda, por exemplo), que é totalmente alheio a qualquer atividade do Estado (diferente da taxa, v.g., que possui como motivo para sua cobrança a prestação de um serviço ou de um ato fiscalizatório pelo Estado). No caso do imposto, o fato gerador revela apenas a capacidade contributiva do contribuinte, que, apenas e tão somente por esse motivo (revelar capacidade econômica para ajudar nas despesas que o Estado tem), será chamado a contribuir para o pagamento dessas despesas com parte do seu patrimônio.

5 13 Contribuições de melhoria Contribuição de melhoria é um tributo vinculado que, para ser cobrado, deve provir de uma atividade estatal em relação ao contribuinte, e essa atividade deverá, necessariamente, consistir na realização de uma obra pública, resultando em valorização dos imóveis próximos a ela (todos os que forem atingidos por valorização decorrente da obra pública realizada). Esse tributo deverá, entretanto, observar na sua cobrança dois limites concomitantes, que restringirão sua incidência sobre o patrimônio do proprietário do imóvel atingido pela valorização. Existe um limite geral, determinante para a arrecadação total desse tributo quanto a uma determinada obra, que não poderá ultrapassar o custo total dela; existe também um limite específico ou individual, que determina que o valor a ser cobrado de cada proprietário de imóvel atingido pela valorização não poderá ser superior ao montante de valorização agregado ao imóvel, ou seja, o limite será resultante do valor a mais apresentado pelo imóvel. Essa verificação se dará com a comparação de seu valor antes e depois da obra pública realizada. Assim, o Estado poderá, com esse tributo, apenas reaver o valor que foi indevidamente acrescido ao patrimônio do particular, em função de uma obra pública, mas não poderá, em hipótese alguma, arrecadar mais do que gastou (por imposição do limite global). Não poderá, ainda, cobrar individualmente de cada contribuinte valor superior à valorização verificada no imóvel e que tenha sido motivada pela obra pública realizada (CTN, art. 81). Taxas (CTN, art. 77) Taxa é um tributo vinculado (pressupõe atividade estatal), que tem como fato gerador uma atividade do Estado, realizando uma prestação de serviço efetivamente utilizado ou apenas colocado à disposição do contribuinte, e que seja um serviço público específico e divisível definido no artigo 79, II e III, do CTN. São chamadas de taxas de serviços. Serviço diplomático, Forças Armadas e segurança pública, v.g., não podem ser financiados por taxa, uma vez que não são nem específicos nem divisíveis, por não ser possível saber quanto cada cidadão recebe de benefício com o serviço diplomático ou com a segurança institucional que o Brasil realiza. Existe ainda um outro fato gerador das taxas, que consiste no exercício do poder de polícia pelo Estado, no sentido de realizar a adequação do direito individual do contribuinte ao interesse coletivo, fiscalizando sua conduta de forma a moldar o exercício do seu direito aos interesses da coletividade definido no artigo 78 do CTN. Por exemplo, taxa de vistoria dos bombeiros, taxa sanitária, estacionamento regulamentado em vias públicas etc. São as chamadas taxas de polícia ou de fiscalização.

6 DIREITO TRIBUTÁRIO As taxas, tanto as de fiscalização quanto as de serviços, não podem ter base de cálculo própria dos impostos (v.g., taxa de lixo não pode ter como base de cálculo o tamanho do imóvel, mas apenas o custo do serviço prestado), por vedação constitucional (CF, art. 145, 2.º). Essas taxas podem ser cobradas mesmo que não resultem em benefício ao contribuinte, como é o caso das taxas judiciárias (pagas por quem perde o processo) ou da taxa de fiscalização para emissão de alvará (que, após a vistoria, pode ser negado). O STF julgou inconstitucional a taxa de iluminação pública exatamente porque ela foi editada como taxa de serviço e não preenchia os requisitos exigidos, de ser específica e divisível. Em seu lugar, a Constituição permitiu (art. 149-A, redação dada pela EC 39/2002) a criação de outra espécie tributária, chamada de contribuição de iluminação pública; por não ser uma taxa, não precisa observar as características de serviço específico. Empréstimo compulsório Empréstimo compulsório é um tributo restituível (empréstimo), que poderá ser criado para custear despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública (ciclones, enchentes, seca etc.) ou guerra externa iminente ou declarada (não pode ser utilizado para financiar repressão a levante interno ou guerra civil), ou ainda para financiar investimento público de caráter urgente e de relevante interesse nacional (v.g., investimento em energia elétrica, para evitar apagão ). Existe a previsão, no artigo 15, III, do CTN, da criação de empréstimo compulsório para a absorção temporária de excesso de liquidez no mercado (como o empréstimo sobre combustível e venda de veículos, criado na era Sarney). No entanto, como esse tipo de empréstimo não foi contemplado no artigo 148 da CF, entende-se que foi ab-rogado tacitamente pela nova Constituição. A finalidade é característica importante também nessa espécie tributária, a qual deve estar vinculada aos motivos que levaram à sua criação. O parágrafo único do artigo 148, da CF, determina que os recursos arrecadados sejam todos utilizados para resolver os problemas que motivaram sua criação. Contribuições especiais Contribuições especiais são tributos caracterizados por sua finalidade, uma vez que seus valores devem ser aplicados nas finalidades que geraram sua criação. O artigo 149 da CF prevê quatro subespécies de contribuições especiais:

7 15 contribuição social para fins sociais, como o financiamento da seguridade social especificado no artigo 195 da CF, além da educação, moradia etc. Por exemplo, INSS empregado, empregador, PIS, Cofins, CSLL, salário-educação, entre outros; contribuição de interesse das categorias profissionais ou corporativas para aprimoramento, fiscalização e desenvolvimento das atividades profissionais (contribuição da OAB, CRM, CRO, CRC, sistema S em geral, como Sesc, Senac, Senai, Senat, Sebrae etc.); contribuição de intervenção no domínio econômico ou interventivas utilizada pelo Estado para intervir na atividade privada, estimulando condutas, o desenvolvimento de produtos e atividades que sejam de interesse público (vide o art. 177, 4.º, II, da CF, que prevê finalidades para a CIDE-combustível, a contribuição para o Instituto do Açúcar e do Álcool IAA, a contribuição para o Instituto Brasileiro do Café IBC, a contribuição para o adicional de frete para renovação da marinha mercante ou AFRMM etc.). contribuição de iluminação pública (CF, art. 149-A) para financiar os gastos com a iluminação das cidades, suportada pelos Municípios e que poderá ser cobrada na fatura de energia elétrica de cada cidadão. Para um aprofundamento do estudo desses temas, notadamente sobre a classificação dos tributos, recomenda-se o texto do professor Eurico Marcos Diniz de Santi, denominado As classificações no sistema tributário brasileiro, publicado no livro Justiça Tributária, editado pela Max Limonad, em 1998.

Tributo e espécies tributárias

Tributo e espécies tributárias Tributo e espécies tributárias Alexsander Roberto Alves Valadão* Conceito de tributo O conceito de tributo está previsto no artigo 3.º do Código Tributário Nacional (CTN), que estabelece de modo adequado

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br

EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA. Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA Klaus E. Rodrigues Marques klaus.marques@brasilsalomao.com.br COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Definição: aptidão para criar, in abstracto, tributos. (Roque Carrazza)

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Direito Tributário Revisão Final

Direito Tributário Revisão Final Direito Tributário Revisão Final Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Tributo (Conceito): Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Direito Tributário. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Direito Tributário Profª. Joseane Cauduro Introdução Importância do Direito Tributário Definição: Conjunto de normas hierarquizadas, formado por princípios e normas, que tem por fim cuidar direta

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN:

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 06 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: (Continuação de espécies tributárias).

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro.

Comentários às questões de Direito Tributário da Prova de Analista de Planejamento e Orçamento APO /2010 Professor Alex Sandro. 1 Saudações, caros alunos. Seguem abaixo os comentários sobre as questões de Direito Tributário abordadas na Prova de Analista de Planejamento e Orçamento aplicada no último dia 28/02/2010. 56- A lei que

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Marcos Soares da Mota e Silva

Marcos Soares da Mota e Silva Marcos Soares da Mota e Silva Pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET) e em Direito Processual Tributário pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Espécies Tributárias. 1- Impostos 2- Taxas 3- Contribuições de Melhoria 4- Empréstimos Compulsórios 5- Contribuições Especiais ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS

Espécies Tributárias. 1- Impostos 2- Taxas 3- Contribuições de Melhoria 4- Empréstimos Compulsórios 5- Contribuições Especiais ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS Espécies Tributárias CONCEITO Art. 3.º, da Lei 5.172/66 - Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída

Leia mais

Tributo: Conceito e Espécies

Tributo: Conceito e Espécies CAPÍTULO 1 Tributo: Conceito e Espécies Sumário: 1. Conceito de tributo: 1.1. Prestação pecuniária, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir; 1.2. Prestação compulsória; 1.3. Prestação instituída

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

1 O DIREITO DE PROPRIEDADE E A PROPRIEDADE RURAL NA CF/88

1 O DIREITO DE PROPRIEDADE E A PROPRIEDADE RURAL NA CF/88 INTRODUÇÃO No presente trabalho, cujo tema insere-se nas áreas de Direito constitucional agrário e tributário, inicialmente, faremos uma breve análise sobre o direito de propriedade e a propriedade rural.

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

1. DIREITO TRIBUTÁRIO

1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1. DIREITO TRIBUTÁRIO Definição de Direito Tributário: Ramo didaticamente autônomo do Direito que Disciplina a criação, arrecadação e fiscalização dos tributos (V.FURLAN: 01). Direito Tributário x Ciência

Leia mais

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária

Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Direito Tributário Introdução, Normas Gerais, Tributos e Espécies e Competência Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Ordenamento Jurídico- Tributário 1.Constituição Federal, Título

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO.

REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Centro Universitário de Brasília - UNICEUB VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR REGIMES DE TRIBUTAÇÃO DE PIS E COFINS ASPECTOS DOS CONCEITOS DE RECEITA TRIBUTÁVEL E FATURAMENTO. Brasília 2009 1 VICTOR JOSÉ TUMA JUNIOR

Leia mais

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM

III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM OMAR AUGUSTO LEITE MELO Advogado, sócio do escritório Leite Melo & Camargo Sociedade de Advogados, sócio e editor da Tributo Municipal III Seminário de Gestão e Arrecadação Municipal AMM O sistema tributário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

TRIBUTO. 1. Definição de tributo

TRIBUTO. 1. Definição de tributo TRIBUTO 1. Definição de tributo a) A definição de tributo vem prevista no art. 3º do Código Tributário Nacional, como sendo toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir,

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins

ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Imposto negado ICMS não é faturamento, portanto, não é base para Cofins Pedro Melchior de Melo Barros Com efeito, o presente estudo cinge-se à discussão de aspectos relativos à inclusão dos valores arrecadados

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 18/2014

NOTA TÉCNICA Nº 18/2014 NOTA TÉCNICA Nº 18/2014 Brasília, 04 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Taxas, Preços Públicos e Tarifas REFERÊNCIA(S): Constituição Federal de 03 de outubro de 1988; Lei nº 4.320, de 17 de março

Leia mais

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre

CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre DISCIPLINA: Direito Tributário I CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR133 1. EMENTA: Direito tributário. O tributo. Teoria da norma tributária. Espécies tributárias.

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II

DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II AUTOR: MELINA DE SOUZA ROCHA LUKIC GRADUAÇÃO 2012.2 Sumário Direito Tributário e Finanças Públicas II INTRODUÇÃO... 3 AULA 01. CONCEITO DE TRIBUTO... 5 AULA 02.

Leia mais

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza

A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A análise constitucional das taxas de coleta domiciliar de lixo e de limpeza pública. RESUMO: O presente artigo tem por finalidade abordar a temática constitucional que

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO PARECER: 41 / 2009 PARECER: 41 / 2009 ASSUNTO: Descabimento da exigência de nota fiscal de serviços para pagamento de valores de aluguel contratados com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: UESPI- Universidade

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE III

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE III EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE III Olá pessoal, vamos à PARTE III da bateria de questões que selecionei dos últimos concursos realizados pela FCC e outras bancas, de acordo com o edital

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver.

Olá Concursandos! Vou escolher uma dessas listadas acima para resolver. Olá Concursandos! No artigo de hoje, vou tratar das taxas (taxas-serviço público, pois as taxaspoder de polícia vão ficar para outra oportunidade). É impressionante como esse ponto cai em concurso da ESAF!

Leia mais

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo

Gestão Tributária 03.09.2015. André Antunes Soares de Camargo Gestão Tributária 03.09.2015 André Antunes Soares de Camargo Meus Deus... http://www.impostometro.com.br/ Como está a tributação no Brasil? http://www.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/brazil/ http://ibpt.com.br/home/publicacao.list.php?publicacaotipo_id=2

Leia mais

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital

Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Imposto de Renda sobre o Ganho de Capital Formas de Redução e Isenção da Obrigação Tributária gerada pelo ganho de capital com a venda de imóveis. Lucas Calafiori Catharino de Assis Conceito de Tributo

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

TAXA E IMPOSTO IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, -1-

TAXA E IMPOSTO IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, -1- TAXA E IMPOSTO IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, Professor Emérito das Universidades Mackenzie, Paulista - UNIP e Escola de Comando e Estado Maior do Exército - ECEME, Presidente da Academia Internacional

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM

Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos. Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM Base de cálculo das taxas de poder de polícia e de regulação dos serviços públicos Ericksen Prätzel Ellwanger Assessor jurídico da FECAM Taxas noções introdutórias Taxa espécie tributária Características:

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19 Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Capítulo I IMPOSTO... 25 1. Imposto... 27 1.1. Sínteses das

Leia mais

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação

Imposto. Como esse assunto foi cobrado em concurso? A ESAF/AFTE/PA considerou correto: Tem por fato gerador uma situação Imposto 1. IMPOSTO O imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte (art. 16, do CTN). Como esse assunto

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Reconhecimento renovado pela portaria MEC nº 608 de 19.11.13, DOU de 20.11.13 Componente Curricular: Direito Tributário I Código: DIR -569 Pré-requisito: ------ Período Letivo:

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II

DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II DIREITO TRIBUTÁRIO E FINANÇAS PÚBLICAS II AUTOR: MELINA DE SOUZA ROCHA LUKIC GRADUAÇÃO 2012.1 Sumário Direito Tributário e Finanças Públicas II INTRODUÇÃO... 3 AULA 01. CONCEITO DE TRIBUTO... 5 AULA 02.

Leia mais

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1

SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 SISTEMA SIMPLES NACIONAL: ATENDIMENTO JUNTO AO ESCRITÓRIO REAL 1 LETÍCIA SANTINON CARVALHO 2 RODRIGO BENETTI DA SILVA 3 PROFESSOR ORIENTADOR: JOAQUIM M. DE PAULA PINTO JUNIOR 4 RESUMO: Este trabalho apresenta

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Contribuição de melhoria - uma forma eficaz de realizações de obras públicas Rafael Frazzon Giacomelli* Sumário: 1. Conceito 2. Breve Visualização Histórica 3. Distinção 4. Fato

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 1.2 Disciplina: Legislação e Tributação Comercial 1.3 Carga Horária: 36 1.3.1 Encontros: 1.4 Período: 3º 1.5

Leia mais

1º SIMULADO DO SABBAG

1º SIMULADO DO SABBAG 1º SIMULADO DO SABBAG TURMA DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL Caros Alunos do Curso DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL: este é o primeiro simulado do nosso projeto de estudo. Ele versa sobre os princípios tributários

Leia mais

03/12/13 <<< Câmara Municipal de Pomerode >>> Projeto de Lei Complementar (E) nº 280/2013 de 26/11/2013

03/12/13 <<< Câmara Municipal de Pomerode >>> Projeto de Lei Complementar (E) nº 280/2013 de 26/11/2013 Projeto de Lei Complementar (E) 280/2013 de 26/11/2013 Voltar Imprimir Situação: Entrada na Ordem do Dia Trâmite: 26/11/2013 Regime: Ordinário Assunto: Alteração Trâmite do Projeto Autor: Executivo ROLF

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.559, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Institui a Taxa de Combate a Incêndios no município de Morrinhos e dá

Leia mais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais Tributos em espécie Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais 1 Espécies tributárias Impostos Taxas De polícia De serviço Contribuição de melhoria Empréstimo

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO. Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos

DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO. Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos DIREITO TRIBUTÁRIO: TRIBUTAÇÃO, GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FISCALIZAÇÃO Professora responsável: Profª. Dra. Nélida Cristina dos Santos Carga Horária: 52 horas Ementa: O fenômeno da tributação é das mais relevantes

Leia mais

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem

- lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social. - bitributação X bis in idem I. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA - lei ordinária: regra - lei complementar: empréstimos compulsórios e contribuição para a seguridade social vide arts. 146 e 148 da CF vide arts.

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

Direito Tributário Exercícios Aula 2

Direito Tributário Exercícios Aula 2 Direito Tributário Exercícios Aula 2 Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com (PGE.RN.2001.FCC.47) São causas extintivas do crédito tributário, segundo o Código Tributário Nacional: a) o pagamento,

Leia mais

Princípios Constitucionais do Direito Tributário

Princípios Constitucionais do Direito Tributário 1 Princípios Constitucionais do Direito Tributário Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009

Resolução de Questões Direito Tributário Prof. Vinícius Casalino 18.03.2009 01. Analise os itens a seguir: I - Imposto direto é aquele em que a pessoa que praticou o fato tipificado na lei suporta o respectivo ônus fiscal e imposto indireto é aquele em que o ônus financeiro do

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

DESPACHO nº 361/2012

DESPACHO nº 361/2012 DESPACHO nº 361/2012 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 30/10/2012) Ref.: expediente CFM nº 9420/2012 Assunto: Cobrança. Anuidade. SESI. Imunidade. Inocorrência. Isenção. Possibilidade. Trata-se de expediente

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito

Direito Tributário Nacional: Princípios Constitucionais Tributários. Fontes do Direito PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professor: Leandro Chiarello de Souza E-MAIL: leandrosouza@conection.com.br Período/ Fase: 5ª

Leia mais

Direito Tributário Constitucional

Direito Tributário Constitucional Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Direito Tributário Constitucional Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Repartição

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se de ação de consignação em pagamento, com previsão no art. 164, I, do CTN, tendo em vista que a Fazenda Municipal se recusa a receber a prestação tributária

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009

1-RELATÓRIO 2- FUNDAMENTAÇÃO 2-1 QUANTO AO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS-ISS PARECER: 42 / 2009 PARECER: 42 / 2009 ASSUNTO: Consulta sobre necessidade ou não de apresentação de nota fiscal de serviços ou de circulação de mercadorias para o recebimento de pagamento de valores de locação de automóvel

Leia mais

x---------------------z direta e imediata = Direta referibilidade da atuação Estatal. Basta a atuação (certidão, licença)

x---------------------z direta e imediata = Direta referibilidade da atuação Estatal. Basta a atuação (certidão, licença) Continua (Atividade Financeira do Estado II) HIT Aspecto material consiste numa atuação do Estado x---------------------z direta e imediata = Direta referibilidade da atuação Estatal. Basta a atuação (certidão,

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

Hipótese de Incidência Fato Gerador Obrigação Tributária Lançamento Tributário Crédito Tributário CDA LEF

Hipótese de Incidência Fato Gerador Obrigação Tributária Lançamento Tributário Crédito Tributário CDA LEF PONTO 1: NATUREZA DO TRIBUTO 1. Conceito de Direito Tributário 1 É ramo do Direito Público, uma vez que presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica, prepondera o interesse da coletividade.

Leia mais

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO NA OAB/MG A sociedade deve elaborar contrato atendendo à Lei 8.906/94 e ao Regulamento Geral do Estatuto da OAB, bem como ao Provimento do Conselho Federal 112/06, com as alterações

Leia mais

- Classificações tradicionais: correntes dicotômica e tricotômica Tradicionalmente a doutrina era dividida em duas escolas.

- Classificações tradicionais: correntes dicotômica e tricotômica Tradicionalmente a doutrina era dividida em duas escolas. 3. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS Tributo é gênero que comporta espécies tributárias. A classificação dos tributos em espécies é importante porque, embora os tributos tenham características comuns, motivo pelo qual

Leia mais