Assegurar que o Progress produz resultados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assegurar que o Progress produz resultados"

Transcrição

1 Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social ( ) Comissão Europeia

2

3 Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social ( ) Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades Unidade 0.1 Manuscrito concluído em Maio de 2008

4 Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que actue em seu nome são responsáveis pelo uso que possa ser feito com as informações contidas nesta publicação photos: 123RF EUROPE DIRECT é um serviço que o/a ajuda a encontrarrespostas às suas perguntas sobre a União Europeia Número verde único (*): (*) Alguns operadores de telecomunicações móveis não autorizam o acesso a números ou podem sujeitar estas chamadas telefónicas a pagamento Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu) Comunidades Europeias, 2008 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte Uma ficha bibliográfica figura no fim desta publicação Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2008 ISBN DOI /54411

5 Preâmbulo Tenho o prazer de apresentar o quadro estratégico para a execução do programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (Progress) para o período A Comissão, como os governos do mundo inteiro, sente-se obrigada a apresentar resultados tangíveis aos cidadãos num clima de expectativas públicas crescentes e no âmbito de um orçamento determinado. As questões sociais são frequentemente complexas e de múltiplas facetas, atravessando as fronteiras de serviços diferentes e os limites de responsabilidade entre a União Europeia e os Estados-Membros. Como as exigências de maior responsabilidade e a necessidade de confiar nos organismos públicos crescem com mais acuidade, é mais do que nunca importante que a Comissão Europeia pense a mais longo prazo e estabeleça planos estratégicos para o futuro. O quadro estratégico traça os contornos dos desafios com que se depara a União Europeia no campo social e a maneira que entendemos utilizar para os vencer. O quadro estratégico define a missão do programa Progress, o seu contributo para a realização dos objectivos da agenda social e os seus resultados a longo prazo e específicos, e é completado por uma lista de medidas de desempenho que servirão para determinar até que ponto o programa Progress tem fornecido os resultados previstos. Comprometemo-nos amplamente com uma série de interessados ao produzirmos o quadro estratégico, que foi desenvolvido através de um processo participativo e consultivo que contou com o contributo e o apoio relevantes de vários indivíduos e várias instituições. Em nome da Comissão Europeia, gostaria de exprimir toda a minha gratidão a todos aqueles que participaram no processo, bem como o seu empenho. O quadro estratégico estabelece uma agenda completa e ambiciosa para a Comissão, uma agenda que os cidadãos europeus esperam que ela defenda no melhor dos seus interesses como principal prioridade. Nesta nossa progressão, eu sei que posso contar sempre com o apoio e a dedicação do nosso pessoal e com o empenho e a colaboração contínuos dos nossos parceiros e participantes. Nikolaus G. van der Pas Director-geral Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades Assegurar que o Progress produz resultados 3

6 Índice 1. Do contexto político até ao Progress 5 2. Missão do Progress: como é que a vamos realizar? 8 3. Modelo lógico do Progress 9 4. Resultado final Resultados intermédios Aplicação efectiva do direito da União Europeia Compreensão e apropriação comuns dos objectivos da União Europeia Parcerias eficazes Resultados imediatos Partilha eficaz de informações e aprendizagem Políticas e legislação da União Europeia baseadas na evidência Integração de questões transversais e coerência Maior capacidade das redes nacionais e da União Europeia Debate político de qualidade e participativo Acompanhamento e avaliação 20 Para saber mais 21 4 Assegurar que o Progress produz resultados

7 Progress Programa comunitário para o emprego e a solidariedade social Do contexto político até ao Progress O futuro das políticas e dos programas e serviços sociais e de emprego da UE está ser moldado por um conjunto de forças diversas: globalização, mudanças tecnológicas numa sociedade baseada no conhecimento, alterações demográficas, padrões de vida e qualidade de vida. Ao mesmo tempo há muitos interessados (governos, organizações e cidadãos a título individual) envolvidos na definição destas políticas. E a capacidade da sociedade europeia para aproveitar as aptidões dos diferentes cidadãos e para os ajudar a realizar todas as suas potencialidades continuará a ser confrontada com variáveis como a educação, o nível de rendimentos, a empregabilidade, o género ou outras características pessoais, bem como a capacidade das comunidades. O aproveitamento das oportunidades proporcionadas por estas forças exige, por isso, processos de elaboração de políticas inovadores, a colaboração com parceiros e um empenhamento no sentido de conseguir verdadeiros resultados que beneficiem os cidadãos europeus. É aos Estados-Membros que cabe a principal responsabilidade em matéria de emprego e de assuntos sociais. Cada um dos 27 países tem o seu próprio sistema de segurança social, com uma agenda de reformas diferente. No entanto, os principais desafios a enfrentar no futuro são, em larga medida, comuns a todos os Estados-Membros. Missão do Progress Reforçar o apoio da União Europeia (UE) aos compromissos e esforços dos Estados- Membros para criarem mais e melhores empregos e construírem uma sociedade mais coesiva Assegurar que o Progress produz resultados 5

8 Onde é que a União Europeia se encaixa? As mudanças que a União Europeia (UE) tem pela frente são profundas e têm implicações significativas para a sua missão. Além disso, a UE tem um papel fundamental a desempenhar na criação de uma Europa Social moderna, inovadora e sustentável: pode e deve estimular, facilitar e permitir a mudança entre organismos governamentais e não governamentais fundamentais e entre intervenientes públicos e privados. Para ser eficaz tem de trabalhar em parceria com outros e atrair aqueles que possuem recursos e competências para ajudarem a enfrentar estes desafios. Para atingir estes objectivos a política social da UE conta com diversos instrumentos para apoiar os Estados-Membros. Estabelece normas mínimas comuns a todos os Estados- Membros, assegurando um nível de protecção universal para todos os cidadãos dos 27 países da UE. Além disso, garante que todas as empresas respeitam as mesmas regras, ficando assim com igual capacidade para competir. A UE também define objectivos comuns com os Estados-Membros e acompanha os seus progressos. A este respeito, o método aberto de coordenação ajuda as políticas nacionais a orientarem-se para os objectivos comuns da UE, embora permitindo que os Estados- Membros possam escolher como atingi-los. Por outro lado, a UE incentiva o diálogo social e civil. Assim, as organizações dos parceiros sociais, que representam os dois sectores das empresas (a gestão e o trabalho) realizam debates, consultas, negociações e acções conjuntas. Este diálogo permite aos parceiros sociais ajudarem a definir normas sociais europeias e desempenharem um papel fundamental na governação da UE. Por último, mas não menos importante, a UE concede assistência financeira aos Estados- Membros para apoiar os seus esforços. Neste caso, o principal instrumento de que a UE dispõe é o Fundo Social Europeu, cujo objectivo é promover o emprego e reduzir as diferenças em matéria de riqueza e de níveis de vida nos Estados-Membros. 6 Assegurar que o Progress produz resultados

9 Como é que este quadro foi concebido? Procedeu-se a uma análise profunda dos programas da UE em matéria de emprego e de assuntos sociais. Essa análise considerou que a Comissão devia ser mais eficaz nas suas acções, realizar um planeamento mais estratégico e ser mais focalizada nas suas actividades. Portanto, para facilitar o planeamento estratégico foi criado um grupo de trabalho encarregado de elaborar o quadro estratégico e o plano de avaliação do desempenho. Este grupo é constituído por cerca de 20 membros, em representação da Comissão Europeia, dos Estados-Membros, dos parceiros sociais e da sociedade civil, e por um especialista em avaliação do desempenho que serve de consultor técnico. A nossa intenção é utilizar este quadro estratégico para estabelecer a estratégia do Progress e avaliar o seu apoio à contribuição da UE. Como se trata de um documento aberto, continuará a ser desenvolvido à medida que for preciso abordar questões específicas da política social e do emprego com um carácter mais imediato e outras forem sendo resolvidas ou passarem a ter menos prioridade. Este quadro corresponde à visão estratégica da Comissão Europeia e dos seus principais parceiros Assegurar que o Progress produz resultados 7

10 2. Missão do Progress como é que a vamos realizar? O objectivo central do Progress é reforçar o apoio que a UE dá aos Estados- Membros para realizarem a agenda social. Mas como é que vamos realizar na prática esta missão? Em primeiro lugar, faremos análises e formularemos pareceres em matérias pertinentes para o emprego e os assuntos sociais e abordaremos e controlaremos de que modo os Estados-Membros aplicaram a legislação e as políticas da UE. Além disso, auscultaremos os interessados e a sociedade em geral para garantir que podem expressar as suas preocupações e expectativas e que as mesmas são escutadas e, a nível da UE e dos Estados- Membros, promoveremos a transferência de políticas, a aprendizagem e o apoio relativamente aos objectivos e prioridades da UE. Para ajudar o programa a realizar a sua missão, o presente quadro estabelece os objectivos a atingir pelo Progress («resultados») tanto no futuro próximo como a mais longo prazo, a contribuição que pode dar e como é que vamos trabalhar juntamente com os nossos parceiros para conseguir esses objectivos. O quadro segue uma cadeia lógica em que o resultado final determina os resultados intermédios e depois os resultados imediatos que procuraremos atingir durante o ciclo de vida do programa, de 2007 a Para atingir os resultados intermédios é preciso que os resultados imediatos sejam alcançados e assim por diante. O quadro estratégico tem a ver com a produção de resultados concretos pelo Progress. Por conseguinte, para além do conjunto de resultados tangíveis a gerar pelo programa (designados «produtos») identificámos resultados claros a atingir durante a execução do Progress. A avaliação do desempenho é fundamental para responsabilizar a UE e os Estados-Membros pelas políticas e pelas acções que adoptam. O quadro fornece também um conjunto de indicadores de desempenho que serão utilizados para avaliar se o Progress atingiu as suas metas e forneceu os seus produtos. Agenda social Mais e melhores empregos e sociedades mais coesivas que ofereçam igualdade de oportunidades para todos nos Estados-Membros. 8 Assegurar que o Progress produz resultados

11 3. Modelo lógico do Progress Este modelo procura contar a história lógica do que é o Progress e daquilo que procura conseguir. Agenda social Mais e melhores empregos e sociedades mais coesivas que ofereçam igualdade de oportunidades para todos nos Estados-Membros. Resultado final Os Estados-Membros aplicam leis, políticas e práticas de modo a contribuir para o resultado pretendido da agenda social Resultados intermédios Aplicação efectiva do direito da UE Compreensão e apropriação comuns dos objectivos da UE Parcerias eficazes Resultados imediatos Partilha eficaz de informações e aprendizagem Políticas e legislação da UE baseadas na evidência Integração de questões transversais e coerência Maior capacidade das redes nacionais e da UE Debate político de qualidade e participativo Produtos Formação pertinente e aprendizagem de profissionais de direito e de política Relatórios de acompanhamento/avaliação rigorosos sobre a aplicação e o impacto da legislação e das políticas da UE Identificação e divulgação de boas práticas Actividades de informação e comunicação, ligação em rede dos interessados e eventos Instrumentos, métodos e indicadores estatísticos adequados Pareceres, estudos e análises de políticas adequados Apoio a ONG e a redes Assegurar que o Progress produz resultados 9

12 4. Resultado final O programa Progress funciona como catalisador e animador pretende desencadear e apoiar reformas nos Estados-Membros e intensificar os seus esforços para criar mais e melhores empregos e construir uma sociedade mais coesiva. O nosso sucesso será avaliado em função da capacidade para atrair parceiros válidos, sobretudo os Estados-Membros, para obter consensos com esses parceiros e para decidir quais as melhores formas de acção. Este resultado representa o objectivo do Progress centrado na política significa informar e influenciar o modo como as decisões são tomadas e executadas a nível da UE e nacional. Este objectivo define o que iremos fazer para assegurar que o Progress cumpre as suas promessas, mas essencialmente os Estados-Membros devem desempenhar a sua parte. Em primeiro lugar, devem reconhecer que as políticas de emprego e sociais fazem parte integrante da Estratégia de Lisboa renovada e que são necessárias mudanças. Devem conhecer e chegar a acordo sobre os objectivos da UE em termos de emprego, de assuntos sociais e de igualdade de oportunidades. As políticas de emprego e sociais devem ser desenvolvidas e realizadas a todos os níveis e num ambiente que incentive a convergência para os objectivos da UE. Os Estados-Membros têm um papel fundamental a desempenhar na criação deste ambiente. Finalmente, a participação da UE e dos interessados nacionais não é apenas uma questão de «marcar presença», mas sim de desempenhar um papel importante e ser capaz de influenciar o modo como as decisões são tomadas e as O êxito do Progress será avaliado em função políticas executadas. da nossa capacidade para atrair e vincular O resultado final assenta nos resultados intermédios os nossos parceiros a cumprirem os seus e imediatos e nos produtos que são indicados mais à compromissos frente. Cada resultado e cada produto tem um conjunto de indicadores de desempenho que serão utilizados para avaliar as realizações do Progress neste domínio. Resultado final Os Estados-Membros aplicam leis, políticas e práticas de modo a contribuir para o resultado pretendido da agenda social 10 Assegurar que o Progress produz resultados

13 Os cidadãos devem ter um nível de protecção comum em matérias abrangidas pela legislação comunitária em toda a UE 5. Resultados intermédios Para atingir o resultado final, prosseguiremos três resultados intermédios. Todos os resultados têm a mesma importância e não seguem uma hierarquia Aplicação efectiva do direito da União Europeia A aplicação do direito da UE aos níveis nacional, regional e local determina a sua eficácia. Uma aplicação efectiva cria uma situação de igualdade e garante um nível comum de protecção legal para todos os cidadãos da UE em domínios como a saúde e a segurança, a legislação laboral e as condições de trabalho, a informação e consulta dos trabalhadores e a não discriminação e igualdade de género. No entanto continuam A agenda «Legislar melhor» visa assegurar a existir problemas com a aplicação e a execução do direito que quando a UE intervém o faz de forma comunitário, como revela o número crescente de processos eficaz e atinge as suas metas. A legislação da de infracção e de queixas por incumprimento. A necessidade UE não constitui um fim em si mesma. Procura conferir normas sociais mínimas comuns a de melhorar a aplicação do direito da UE constitui uma todos os cidadãos e trabalhadores da UE prioridade essencial da agenda «Legislar melhor». Assim, para atingir este resultado ajudaremos os Estados- Membros a respeitarem melhor as normas comunitárias em matéria de protecção dos trabalhadores e de direitos dos cidadãos. Promoveremos melhores normas de inspecção, de acompanhamento e de execução pelos Estados- Membros e analisaremos de modo mais sistemático como a legislação da UE foi aplicada. Em termos de acções concretas, será dada formação a juristas a nível da UE e nacional; haverá actividades de comunicação e de aumento de sensibilização sobre os direitos e as obrigações conferidos pela Indicadores de desempenho legislação da UE ao grande público e aos principais interessados; e dos resultados Taxa de transposição e eficácia da aplicação serão elaboradas orientações. do direito da UE Assegurar que o Progress produz resultados 11

14 5.2. Compreensão e apropriação comuns dos objectivos da União Europeia O nosso objectivo com este resultado é incentivar governantes e decisores políticos importantes da UE e nacionais e os interessados a compreenderem melhor e a assumirem como seus os objectivos e as prioridades da UE. A mudança positiva de compreensão por estas partes permitirá uma maior convergência das políticas nacionais em relação às da UE. Com base nas revisões feitas pelos pares e nas avaliações comparativas, os Estados- Membros chegaram a acordo sobre orientações e objectivos comuns para informar, coordenar e reforçar reformas a nível nacional. Contudo, a eficácia destes processos depende largamente daquilo que os Estados-Membros e os interessados conseguirem aprender entre si através da identificação de boas práticas e da adopção de medidas a nível da UE e nacional. O programa Progress procurará fundamentar estas acções recolhendo e Uma maior compreensão e apropriação dos objectivos da UE deve permitir uma maior convergência das políticas e da legislação nacionais em relação às metas da UE analisando evidências pertinentes e exactas. Além disso, asseguraremos que qualquer aconselhamento político da nossa parte consiga resistir a um exame circunstanciado e essencialmente que reúna apoio a nível da UE. Por outro lado, as revisões feitas pelos pares ou as actividades de aprendizagem mútua darão resposta às necessidades, preocupações e expectativas dos interessados a nível da UE e nacional. Indicadores de desempenho de resultados Atitudes em relação aos objectivos da UE Em que medida os discursos políticos e as prioridades nacionais traduzem os objectivos da UE 12 Assegurar que o Progress produz resultados

15 Qualquer processo de mudança bem sucedido exige a participação plena e activa de todos os interessados 5.3. Parcerias eficazes A criação de parcerias mais fortes entre intervenientes da UE e nacionais ajudará a formar consensos e a fundamentar a mudança em apoio dos objectivos e das prioridades da UE. A Comissão Europeia, os Estados-Membros e outros intervenientes relevantes (incluindo os parceiros sociais e a sociedade civil) são responsáveis conjuntamente pela realização dos objectivos da UE. No entanto, à medida que a governação se torna mais complexa e as expectativas dos intervenientes aumentam, mais é necessário o empenhamento público. Trabalhar em conjunto pode ajudar todos os envolvidos, incluindo os cidadãos da UE, a compreenderem os problemas complexos com que a Europa se debate. Além disso, uma tal abordagem interactiva envolve aqueles que normalmente são excluídos dos debates políticos, promove o diálogo público e fundamenta a mudança através da construção de um terreno comum, da gestão das diferenças e da criação de novas parcerias. Como é que podemos ajudar a tornar as parcerias mais eficazes? Em primeiro lugar, podemos implicar os interessados em cada parte do processo político: definição do problema, recolha de informações, consultas, elaboração de opções, tomada de decisões, execução e avaliação. Além disso, a parceria deve desenvolver-se com base em princípios de empenhamento do público: deve haver fóruns Indicadores de desempenho para debates importantes e abertos das políticas públicas sobre dos resultados os objectivos da UE. Consenso sobre os objectivos e as políticas da UE Identificação e envolvimento dos principais intervenientes que podem influenciar ou provocar mudanças a nível da UE ou nacional Eficácia das parcerias Resultados intermédios Aplicação efectiva do direito da UE Compreensão e apropriação comuns dos objectivos da UE Parcerias eficazes Assegurar que o Progress produz resultados 13

16 6. Resultados imediatos Prosseguiremos cinco resultados imediatos principais para atingir os resultados intermédios Partilha eficaz de informações e aprendizagem A partilha de informações e a aprendizagem sobre o direito e as políticas da UE não têm qualquer utilidade Daremos eficácia à partilha de informações se não forem realizadas de forma eficaz. Portanto, para e à aprendizagem através de cooperação, aumentar a eficácia destas actividades, governantes e orientações e uma utilização eficaz de decisores e interessados da UE e nacionais constituirão instrumentos de comunicação parcerias para identificar as melhores práticas e os instrumentos de avaliação que ajudem a melhorar os processos de governação e de aplicação das políticas e os seus resultados. O conhecimento que é adquirido será depois transferido para todas estas partes para fazer progredir a legislação e as políticas da UE. Por sua vez, isto exige material informativo específico e contributos. Além disso, recorrendo a outras orientações e outros materiais de informação, aconselharemos os interessados sobre os seus direitos e obrigações no âmbito do direito da UE, fazendo com que sejam mais claros e mais coerentes. Por último, os resultados do processo de tomada de decisão serão comunicados através dos meios adequados consoante a audiência-alvo. 14 Assegurar que o Progress produz resultados

17 Como será avaliado o desempenho? Para avaliar a realização deste resultado do Progress, teremos em conta a percepção que os decisores, os parceiros sociais, as ONG e as redes têm dos seus direitos/obrigações e dos objectivos e das políticas da UE. Do mesmo modo, examinaremos o nível de satisfação dos utilizadores em relação à informação disponível. Produtos e respectivos indicadores de desempenho PRODUTO: formação pertinente e aprendizagem de profissionais do direito e da política Número de pessoas que receberam formação ou Número de revisões feitas pelos pares ou de outros exercícios de aprendizagem mútua Satisfação dos participantes com a formação Medida em que as acções de formação/revisões feitas pelos pares visam intervenientes qualificados e pertinentes da UE e nacionais PRODUTO: relatórios de acompanhamento/avaliação rigorosos da execução e do impacto da legislação e das políticas da UE Número de relatórios de acompanhamento e de avaliação Elaboração oportuna, exacta e completa dos relatórios Satisfação dos utilizadores com os relatórios PRODUTO: identificação e divulgação de boas práticas Número de publicações sobre boas práticas, seminários e publicações com base na Internet Acessibilidade das boas práticas Leitura das publicações, assistência aos seminários temáticos e carregamento de publicações a partir da Internet Pertinência e variedade das boas práticas identificadas PRODUTO: actividades de informação e comunicação, ligação em rede dos interessados e eventos Volume de participação nos eventos Satisfação com os eventos Número de visitas a sítios relacionados na Internet Assegurar que o Progress produz resultados 15

18 6.2. Políticas e legislação da União Europeia baseadas na evidência Através do Progress queremos assegurar que as políticas e a legislação da UE se baseiam na evidência e são pertinentes para as necessidades dos Estados-Membros e para os desafios que têm pela frente. Com este objectivo em mente procederemos a estudos e Utilizaremos informações e instrumentos análises comparativas de políticas de alta qualidade e para assegurar que as políticas da UE se que possam influenciar. Tal significa que recolheremos baseiam numa evidência sólida e dão informações relevantes, credíveis e exactas sobre resposta às necessidades e preocupações as necessidades, expectativas e preocupações dos na UE interessados e utilizaremos instrumentos e métodos estatísticos e indicadores comuns que possam ter apoio à escala da UE. Como será avaliado o desempenho? Avaliaremos o desempenho deste resultado examinando se as políticas e a legislação da UE se fundamentam numa análise profunda da situação e dão resposta às condições, às necessidades e às expectativas nacionais. Além disso, avaliaremos em que medida o aconselhamento político do Progress incita ao desenvolvimento e aplicação das decisões da UE. Produtos e respectivos indicadores de desempenho PRODUTO: instrumentos, métodos e indicadores estatísticos adequados Número de instrumentos, métodos e indicadores desenvolvidos Satisfação dos utilizadores PRODUTO: pareceres, estudos e análises de políticas adequados Número de pareceres, estudos e análises de políticas Satisfação com os pareceres, estudos e análises de políticas Pareceres, estudos e análises de políticas oportunos, claros e rigorosos 16 Assegurar que o Progress produz resultados

19 6.3. Integração de questões transversais e coerência As questões relacionadas com o emprego e os assuntos sociais não são independentes umas das outras as políticas num domínio têm implicações noutros domínios. Por conseguinte, asseguraremos uma melhor integração e um tratamento mais coerente das questões transversais nas políticas da UE. Por exemplo, integraremos a igualdade de género em todas as secções e actividades das políticas e recolheremos dados desagregados sobre a participação dos géneros, quando for pertinente. Outras As questões sociais são por natureza considerações sobre igualdade, nomeadamente as pluridimensionais. Para sermos eficazes exigências em matéria de acessibilidade de pessoas com precisamos de dar maior atenção e de forma deficiência serão tidas em conta em todas as actividades mais coerente às questões transversais em todos do programa e as actividades de comunicação os domínios das políticas da UE relacionadas devem promover questões transversais. Para esse fim com o Progress apoiaremos ou realizaremos acções transversais e em colaboração entre secções de políticas. Como será avaliado o desempenho? A avaliação do desempenho deste resultado consistirá em verificar se as questões transversais são tratadas nas secções de políticas do Progress e se as normas da UE apresentam uma lógica de intervenção comum subjacente em relação às questões relacionadas com o Progress. Por outro lado, verificaremos em que medida o Progress promove sistematicamente a integração do género e se é atribuído financiamento para apoiar ou realizar acções transversais. Resultados imediatos Partilha eficaz de informações e aprendizagem Políticas e legislação da UE baseadas na evidência Integração de questões transversais e coerência Maior capacidade das redes nacionais e da UE Debate político de qualidade e participativo Produtos Formação pertinente e aprendizagem de profissionais de direito e de política Relatórios de acompanhamento/avaliação rigorosos sobre a aplicação e o impacto da legislação e das políticas da UE Identificação e divulgação de boas práticas Actividades de informação e comunicação, ligação em rede dos interessados e eventos Instrumentos, métodos e indicadores estatísticos adequados Pareceres, estudos e análises de políticas adequados Apoio a ONG e a redes Assegurar que o Progress produz resultados 17

20 6.4. Maior capacidade das redes nacionais e da União Europeia O nosso objectivo é aumentar a capacidade das redes nacionais e da UE para participarem e influenciarem no processo de tomada de decisões e na aplicação de políticas tanto a nível da UE como nacional. Aumentaremos por isso o investimento neste domínio. Como será avaliado o desempenho? Em termos de avaliação do desempenho será considerado o número de pessoas servidas ou atingidas pelas redes apoiadas pelo Progress, bem como a medida em que as suas competências de advocacia melhoraram. Examinaremos igualmente o grau de satisfação das autoridades da UE e nacionais com a contribuição das redes e em que medida estas adoptam uma abordagem transversal. Aumentaremos a capacidade das redes nacionais e da UE para apoiar, promover e desenvolver políticas e objectivos relacionados com o Progress Produtos e respectivos indicadores de desempenho PRODUTO: apoio às ONG e às redes Volume de financiamento concedido às ONG e às redes Satisfação das ONG e das redes com a relação com as autoridades da UE e nacionais 18 Assegurar que o Progress produz resultados

21 6.5. Debate político de qualidade e participativo Para as parcerias terem êxito é preciso que todos os Parcerias eficazes traduzem-se num parceiros possam expressar a sua opinião e integrarse no debate sobre políticas públicas de uma forma comprometimento activo e importante com todos os interessados. É este o nosso objectivo efectiva. Por conseguinte, asseguraremos a existência de um debate proveitoso a nível da UE e nacional sobre a legislação, as políticas e os objectivos relacionados com o Progress, com a participação de todos os interessados. Para isso aumentaremos os compromissos públicos de acordo com os princípios rigorosos de governação da UE. Como será avaliado o desempenho? Em relação a este resultado, o desempenho do Progress será avaliado com base na medida em que os princípios da boa governação são respeitados no debate político e em que os resultados dos debates políticos vão alimentar o desenvolvimento da legislação e das políticas da UE. Produtos e respectivos indicadores de desempenho PRODUTO: actividades de informação e comunicação, ligação em rede dos interessados e eventos Volume de participação nos eventos Satisfação com os eventos Número de visitas a sítios relacionados na Internet Assegurar que o Progress produz resultados 19

22 O acompanhamento e a avaliação estão no centro do quadro estratégico do Progress 7. Acompanhamento e avaliação O acompanhamento e a avaliação do desempenho do Progress constitui um aspecto central do quadro estratégico, porque nos permite assegurar que o programa está a funcionar como previsto e está a produzir resultados concretos. O acompanhamento ajudará a determinar em que medida estamos no bom caminho e se precisamos de ajustar a nossa acção para produzirmos os resultados esperados do Progress. Acompanharemos os resultados do programa através de relatórios de actividades anuais para o Parlamento Europeu e o Comité do Progress. Estes relatórios farão um relato claro e rigoroso de como as actividades realizadas atingiram os resultados do programa. Os resultados do programa de acompanhamento servirão depois de base para a avaliação do Progress, que será realizada num momento intermédio do programa (cobrindo o período ) e no final. A avaliação intercalar verificará em que medida o Progress está a atingir os seus objectivos, a utilização dos recursos e o seu valor acrescentado. A avaliação final actualizará os resultados intercalares e procederá a um exame global do Progress e do seu impacto. Os relatórios de avaliação serão apresentados ao Parlamento Europeu, ao Conselho da União Europeia, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões. 20 Assegurar que o Progress produz resultados

23 Para saber mais Sítio web do Progress Folheto de apresentação do Progress Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades Agenda social Estratégia de Lisboa structural_reforms237_en.htm Método aberto de coordenação Agenda Legislar melhor Fundo Social Europeu Assegurar que o Progress produz resultados 21

24

25 Comissão Europeia Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social ( ) Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias p cm ISBN DOI /54411 A presente publicação está disponível em linha unicamente nas línguas oficiais da União Europeia.

26

27

28 KE PT-N As publicações da Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades interessam-lhe? Pode descarregá-las em: ou assiná-las gratuitamente pela Internet: ESmail é a carta de informação electrónica da Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades. Pode assiná-la pela Internet em:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

O modelo de balanced scorecard

O modelo de balanced scorecard O modelo de balanced scorecard Existe um modelo chamado balanced scorecard que pode ser útil para medir o grau de cumprimento da nossa missão. Trata-se de um conjunto de medidas quantificáveis, cuidadosamente

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças as Empresariais Planeamento e Controlo de Gestão Parte I António nio Samagaio Lisboa, 21 de Fevereiro de 2008 APRESENTAÇÃO I. Apresentação Docente Alunos

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS ÍNDICE CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros ANEXO REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS Artigo 1º.- Definições Artigo 2º.- Âmbito de aplicação Artigo 3º.-

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA)

SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 1 / SAMA/ 2009 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) PROJECTOS-PILOTO SUSTENTADOS EM REDES DE NOVA GERAÇÃO OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INVESTIMENTO TERRITORIAL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020 foram formalmente

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos?

Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? Queres ir Estudar para outro Estado-Membro da União Europeia? Quais as Oportunidades? Quais os teus Direitos? ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE ESTUDAR noutro país da UE I. DIREITO DE

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011

ESPECIAL PMEs. Volume III Fundos europeus 2ª parte. um Guia de O Portal de Negócios. www.oportaldenegocios.com. Março / Abril de 2011 ESPECIAL PMEs Volume III Fundos europeus 2ª parte O Portal de Negócios Rua Campos Júnior, 11 A 1070-138 Lisboa Tel. 213 822 110 Fax.213 822 218 geral@oportaldenegocios.com Copyright O Portal de Negócios,

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais