Conheça o Sicoob Lagoacred Gerais Elementos da cultura organizacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conheça o Sicoob Lagoacred Gerais Elementos da cultura organizacional"

Transcrição

1 AMPLIAÇÃO E REFORMA DA SEDE DO SICOOB LAGOACRED GERAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS AOS ASSOCIADOS INVESTIMENTO FEITO NO IMÓVEL SEDE DA COOPERATIVA Um novo espaço pensado e projetado para dinamizar o fluxo de informações, otimizar os processos operacionais, e principalmente, para dar mais conforto, privacidade e agilidade no atendimento dos associados. Conheça o Sicoob Lagoacred Gerais Elementos da cultura organizacional Nossa missão: Crescer com o crescimento dos associados. Nossa visão: Ser a instituição financeira preferida dos associados. Nosso propósito: Tornar a vida financeira dos associados mais organizada, agradável e bem-sucedida, com produtos e serviços de alta qualidade, por meio de um atendimento de excelência. Nosso objetivo: Oferecer linhas de crédito com baixo custo, linhas de investimentos com remuneração superior ao mercado, serviços bancários com isenção parcial ou total de tarifas e obter resultados financeiros condizentes com o porte da cooperativa, conforme meta estipulada. Nosso pensamento: Não podemos pensar no dinheiro simplesmente como dinheiro, fortuna, poder e luxo. Precisamos pensar no dinheiro como fomentador de atividades empreendedoras, como gerador de empregos, como agregador da comunidade e como patrocinador do desenvolvimento social. Nosso compromisso social: Contribuir com a sociedade na preservação do meio ambiente; na promoção do microempreendedoríssimo com crédito produtivo e orientado; e no direcionamento responsável das crianças carentes, proporcionando a elas educação, inclusão social e prosperidade intelectual. Página 1 de 12

2 Novo espaço da sede do Sicoob Lagoacred Gerais 1 Piso Muito mais espaço para atender o associado, com um layout bem distribuído que proporciona conforto e privacidade. 3 salas com espaços privativos e confortáveis para três gerentes especializados e preparados (gerente de pessoa física, gerente de pessoa jurídica e gerente de produtos/serviços) para atender o associado; 1 espaço estratégico para o gerente administrativo e o seu assistente atenderem os associados, fornecedores e empresas parceiras no dia a dia. Cabem a esta gerência todos o funcionamento e logística da cooperativa; 4 TVs para veiculação de comerciais das empresas dos associados; 8 guichês para atendimentos diversos a associados PF e PJ; 2 guichês para atendimento de produtos a associados PF e PJ; 1 balcão de atendimento simplificado com dois atendentes; 8 guichês de caixas, sendo 2 para atendimentos prioritários; 1 biombo para proporcionar privacidade e segurança para o associado no momento do seu atendimento no caixa; 8 terminais de caixas eletrônicos no setor de autoatendimento, que funciona de 6h às 21h30; 1 espaço reservado e confortável para o associado tomar café, chá e água; 1 espaço com computador e impressora para o associado imprimir seus extratos (Espaço on-line); 1 gerador de energia para atendimento da cooperativa no caso da falta de fornecimento de energia por parte da Cemig; 1 ponto de apoio para a Polícia Militar; 2 banheiros, sendo um masculino e um feminino, preparado para uso de pessoas com necessidades especiais; Página 2 de 12

3 Cadeiras suficientes, organizadas por setor e por senhas, para o associado aguardar o seu atendimento. 2º Piso (Acesso por escada e elevador) Um novo espaço para atender o associado, acrescentando novas funcionalidades e agilidade no atendimento. 7 guichês para o atendimento de parcelamento de crédito; 1 assistente de gerente especializado para o atendimento das demandas do setor; 1 gerente especializado para o atendimento do associado; 1 guichê para recepção de descontos de recebíveis; 1 balcão com duas atendentes para entrega de talões, cartões de crédito/débito, criação e alteração de senhas, malotes processados, entrega de cheques depositados devolvidos e vários outros serviços; 1 sala para o gerente geral atender os associados com mais privacidade e conforto; 3 guichês de caixas para atendimento empresarial ou para o atendimento de associados que tenham muitos documentos para serem autenticados; 1 setor operacional para processamento de adesão de associados, abertura de contas, atualização cadastral, processão de adesão de produtos, contratos de empréstimos, descontos de recebíveis, abertura de poupanças e aplicações e outros mais; 1 espaço com computador e impressora para o associado imprimir seus extratos (Espaço on-line); 1 sala TI de última geração; 1 sala de monitoramento visual em tempo real de toda a agência; 1 sala para telefonista; 1 almoxarifado organizado para o controle dos gastos com suprimentos de informática; 1 espaço organizado para o associado tomar água, café e chá; 2 banheiros, sendo um masculino e um feminino. Página 3 de 12

4 3º Piso (Acesso por escada e elevador) Um novo espaço para otimizar o fluxo de informação, decisão e verificação de conformidade. 1 Sala para o setor de Contabilidade e Recursos Humanos; 1 Sala para Controladoria; 1 Sala para Auditoria externa e Interna; 1 Sala para o departamento de marketing; 1 Sala para a Diretoria; 1 Sala para o Conselho Fiscal; 1 Sala para o Conselho de Administração; 1 Sala para a Assistência da diretoria; 1 Sala para o Almoxarifado; 1 Espaço confortável para Copa; 1 Espaço para Biblioteca, sala de leitura e descanso para os funcionários que almoçam na agência; 4º Piso (Acesso por escada e elevador) Um novo espaço para treinamento dos funcionários e dos associados. Um novo centro de excelência para a cooperativa e para a cidade. 1 Auditório para 120 pessoas com hall de espera, banheiros masculino, feminino e para pessoas com necessidades especiais, ar condicionado, som ambiente e cadeiras com prancheta escamoteáveis; 1 Foyer; 1 Copa para suporte de buffet; Página 4 de 12

5 1 Banheiro masculino e 1 feminino, preparado para uso de pessoas com necessidades especiais; 1 Sala para treinamento e capacitação de funcionários, estagiários e aprendizes, visando o atendimento das resoluções e normativos dos órgãos reguladores e sistema Sicoob Confederação; 1 Arquivo de documentos. Sobre a ampliação e reforma da Sede do Sicoob Lagoacred Gerais O motivo da ampliação e reforma: 1- Comportar o crescimento da cooperativa: a) Em 2014 a Lagoacred teve a adesão de cerca de 200 associados por mês, chegando a admitir 2048 novos associados neste ano; b) Até março de 2015, tivemos a adesão aproximada de 280 associados por mês; c) O Quadro Social, o Ativo Total, Patrimônio Líquido e Sobras da cooperativa tem alcançados crescimentos anuais muitos superiores à média do sistema financeiro e cooperativo nacional. d) Histórico de ampliações e reformas da sede do Sicoob Lagoacred Gerais desde a sua fundação: Abertura da sede (abril de 1997): 147 associados. Mudança de ponto e ampliação da sede (fevereiro de 2004): 752 associados o Após esta mudança de sede a cooperativa admitiu associados. Mudança de ponto e ampliação da sede (fevereiro de 2009): associados o Após esta mudança de sede a cooperativa admitiu associados. Ampliação e reforma da sede (março de 2015): associados Página 5 de 12

6 Como nas mudanças e reformas anteriores, a previsão é que o crescimento se mantenha promissor e altamente expressivo. 2- Somente com mais espaço, seria possível comportar tal crescimento. Os associados, anteriormente, não estavam tendo conforto, privacidade e agilidade ao ser atendido no dia a dia; 3- Como necessitaríamos aumentar o espaço de atendimento, aproveitamos a oportunidade que surgiu de alugarmos os 2 andares superiores do prédio. Foi uma oportunidade única, pois não foi necessário mudar de endereço para realizar a ampliação. São vários os fatores que indicaram a ampliação da sede: a) Permanência em um local muito estratégico comercialmente para o funcionamento de uma instituição financeira; b) Direito e preferência de renovar o contrato de locação; c) Local amplo com layout bem definido que possibilita aumentar a produtividade dos nossos colaboradores e com isso melhorar ainda mais o atendimento aos associados; d) Boas instalações sem haver a necessidade de adquirir uma sede própria. Como se sabe, sede própria não é bom negócio para as instituições financeiras. Por quê investir no imóvel que não é da cooperativa? 1- O locador tem grandes interesses em manter o imóvel a disposição da cooperativa por muitos anos; 2- O investimento será quitado em 5 anos, dentro dos critérios contábeis de amortização e depreciação. O investimento se pagará com o crescimento dos negócios, proporcionados pela ampliação e crescimento da cooperativa. Em nenhum momento o investimento trará perda no resultado para os associados; 3- Não compensa para a cooperativa comprar o imóvel, sendo inviável financeiramente ter sede própria (ver análise financeira na página 11); Página 6 de 12

7 4- O valor que foi investido na parte civil, ou seja, no prédio, será em grande parte compensada no abatimento negociado no valor do aluguel do imóvel. Dessa forma, o valor que vamos deixar de pagar, obtido na negociação do aluguel, pagará grande parte do valor investido no prédio (ver na página 10 e 11); 5- Desenvolvemos um projeto que: a) Priorizasse o atendimento ao cooperado com conforto, privacidade e segurança; b) Fortalecesse a visibilidade da cooperativa perante o mercado, atraindo associados em potencial; c) Proporcionasse conforto para os funcionários; d) Possibilitasse a criação de setores com layout propícios para a otimização das rotinas operacionais; e) Proteção do patrimônio da cooperativa. A ampliação e reforma foi pensada e projetada com o objetivo de proteger o patrimônio da cooperativa, dinamizar o fluxo de informações, e principalmente, para dar mais agilidade, conforto, segurança e privacidade aos associados durante o atendimento. O 3º piso, onde ficou instalada a Contabilidade, Recursos Humanos, Controladoria, Auditoria, Conselho de Administração, Conselho fiscal, Diretoria, Assistência da diretoria e Marketing, não houve troca do mobiliário (cadeiras, mesas e armários). Continuamos usando os móveis de 8 anos atrás. Para se ter uma ideia, a mesa de reunião do Conselho de Administração é a mesma desde a fundação da cooperativa, há 18 anos. As mesas, cadeiras e armários da Diretoria são as mesmas compradas no ano de 2004, ou seja, de 11 anos atrás. Todos podem ficar tranquilos em relação a ampliação da sede, porque fizemos um excelente negócio para a cooperativa, e obviamente para os associados. Não fizemos esse investimento para suprir algum desejo particular dos diretores ou dos funcionários, fizemos o investimento pensando no futuro e no sucesso da cooperativa. O plano orçamentário foi feito pela Diretoria, aprovado pelo Conselho de Administração, conferido pelo Agente de Controle Interno, fiscalizado pelo Conselho Fiscal e auditado pelas auditorias do Sicoob Central Cecremge e pelas auditorias externas do CNAC. Página 7 de 12

8 As tomadas de preços para compras de materiais e bens contaram com um procedimento rigoroso de análise, avaliação e transparência. Os orçamentos que apresentaram o menor preço, com a qualidade e prazo de entrega desejados pela cooperativa foram os escolhidos. Os orçamentos passaram pelas análises técnicas do gestor da obra, pelo gerente responsável e pela Diretoria Executiva, sempre embasados na ética e austeridade desta administração. Os valores investidos foram feitos dentro das normas contábeis e atenderam perfeitamente todas as auditorias que foram feitas durante e após o término da execução do projeto. Investimento feito no imóvel referente a ampliação e reforma da sede da cooperativa. Observação: os materiais, serviços, equipamentos, mobiliários foram adquiridos com Notas Fiscais, dentro das normas fiscais do município, estado e união. CIVIL Material/Serviço Valor Azulejo R$ 1.695,00 Areia Fina R$ 2.230,00 Areia Grossa R$ 2.095,00 Argamassa AC 1 R$ 3.240,60 Argamassa AC 2 R$ 1.486,60 ART (documentos exigidos pelo CREA) R$ 63,64 Bloco 15/20/40 vazado / ladrilho R$ 693,30 Brita R$ 540,00 Cal R$ 595,00 Material hidráulico R$ ,05 Reparo hidrante R$ 500,00 Cimento R$ 8.515,50 Concreto R$ 2.632,00 Ferragem R$ ,35 Granito R$ 5.623,00 Granito modificação do projeto p/ melhorias R$ 3.340,00 Laminado reforma de mesa R$ 1.579,04 Lavatório bojo R$ 1.445,89 Lavatório bojo para deficiente R$ 175,76 Página 8 de 12

9 Formica Banheiro instalação R$ 2.182,50 Material elétrico R$ ,19 Material pintura interno R$ ,30 Material pintura externo R$ 3.196,50 Mictório R$ 336,80 Piso R$ ,40 Portas/portais/fechaduras R$ 2.008,00 Porta, basculante e veneziana R$ 2.082,00 Projeto arquiteto estrutural R$ ,00 Projeto engenheiro estrutural R$ 4.000,00 Projeto engenheiro Corpo de bombeiro R$ 1.200,00 Engenheiro Weder-projetos estrutural, elétrico, hidros sanitário e corpo bombeiro R$ ,00 Acompanhamento do engenheiro R$ 5.792,00 Correio/transporte/chapa R$ 6.993,80 Rejunte e agregados R$ 1.281,51 Serviço construção civil/bombeiro R$ ,00 Serviço construção civil/bombeiro- modificação do projeto p/ melhorias R$ ,00 Serviço eletricista R$ ,00 Serviços eletricista modificação do projeto p/ melhorias R$ 7.725,00 Serviço pintura R$ ,00 Serviço pintura modificação do projeto p/ melhorias R$ ,00 Cobertura metálica do prédio R$ ,00 Terra /Maquinas para aterrar estacionamento R$ 3.166,00 Tijolo R$ 4.852,00 Telha 2.44x1.10x5 sem amianto R$ 197,50 Vaso sanitário R$ 1.792,46 Vaso sanitário para deficiente R$ 224,05 R$ ,74 AGREGADOS Equipamento/Material/Serviço Valor 2 elevadores R$ ,00 Instalação dos 2 elevadores em horário noturno R$ 6.500,00 Adaptação dos 2 elevadores de 2 paradas para 4 paradas R$ 7.540,00 2 escadas de metal com instalações p/ o 3º e 4º andar R$ ,00 R$ ,00 Página 9 de 12

10 Abatimento no preço do aluguel negociado no contrato: Em janeiro de 2014, após 5 anos no local, conforme previsto no contrato entre o locador e a cooperativa, o aluguel passou por reajuste de preço de forma a acompanhar os preços praticados no mercado local. Com isso a proposta do locador foi de R$24.000,00 (mês) para a ocupação dos 4 andares e que a reforma ficasse por conta da cooperativa. Por fim, após negociações, fechamos o valor do aluguel com uma redução no preço para compensar os gastos que a cooperativa teria com a reforma do prédio. Ano Proposta de aluguel mensal Aluguel fechado mensal Redução mensal Prazo Redução do aluguel anual 2014 R$24.000,00 R$16.500,00 R$7.500,00 12 R$90.000, R$24.000,00 R$18.500,00 R$5.500,00 12 R$66.000, R$24.000,00 R$20.000,00 R$4.000,00 12 R$48.000, R$24.000,00 R$20.000,00 R$4.000,00 12 R$48.000, R$24.000,00 R$20.000,00 R$4.000,00 12 R$48.000,00 o TOTAL DO ABATIMENTO: R$ ,00 Observação: Do valor de R$ ,74 referente a parte civil (Materiais de construção e mão de obra) e agregados (Elevadores e escadas de metal) o Sicoob Lagoacred Gerais receberá de volta o valor de R$ ,00 referente ao abatimento no valor do aluguel a ser pago ao locador. O remanescente no valor de R$ ,74 será pago pela cooperativa, o que vem representar um valor de R$3.089,06 por mês, considerando um tempo de permanência razoável no local de 10 anos. Ou seja, boa parte do valor investido no prédio foi feito com o abatimento recebido no valor negociado do aluguel. Análise financeira e viabilidade econômica em ter a sede da cooperativa em imóvel alugado e não em imóvel próprio. Descrição do cenário em índices : Valor aproximado do imóvel: R$ ,00 Valor médio do aluguel mensal: R$ ,00 (equivalente a 0,32% do valor do imóvel) Margem operacional (Receita da cooperativa): 2,10% ao mês. Resultado: 2,10% 0,32% = 1,78% (Resultado mensal da Lagoacred) Página 10 de 12

11 Descrição do cenário em valores : R$ ,00 aplicado no mercado a 2,1% ao mês = R$ ,00 (receita mês) Valor do aluguel mensal pago pela cooperativa = R$ ,00 (despesa mês) Resultado financeiro mensal = R$ ,00 R$ ,00 = R$ ,00 Resultado financeiro em 1 ano = R$ ,00 x 12 = R$ ,00 Resultado financeiro em 5 anos = R$ ,00 Resultado financeiro em 10 anos = R$ ,00 Observações complementares 1- Início do planejamento da ampliação e reforma: 23/12/2013; 2- Início da ampliação e reforma: 12/06/2014; 3- Encerramento da ampliação e reforma: 13/03/2015; 4- A ampliação e reforma foram feitas durante o funcionamento da cooperativa, onde tivemos o absoluto cuidado para não incomodar o associado durante sua estada na agência. A cooperativa não teve que ficar, por nenhum minuto fechada, nem mesmo nos momentos mais complexos da reforma, e nem mesmo quando foi feita as mudanças no 1º piso, local este de grande fluxo de associados durante o horário comercial. Boa parte da obra, que poderia vir a incomodar o associado durante o dia, tivemos a atenção em direcioná-la para o horário da noite, após às 18 horas; 5- No início da obra tomamos todas as medidas operacionais e de segurança para efetivação da ampliação e reforma, com atenção para execução das mudanças estruturais do prédio e com atenção para a não ocorrência de acidentes de trabalho por parte dos profissionais das empresas contratadas. a. Contratamos engenheiro especializado que atendesse as mais rigorosas exigências do setor da construção civil, onde foi elaborado os projetos arquitetônico, civil, elétrico, hidráulico, acessibilidade e corpo de bombeiro; b. Contratamos técnico de segurança para acompanhamento da obra, de forma a não haver acidente de trabalho. Fomos felizes e eficazes, pois, fizemos toda ampliação e reforma - durante 1 ano - e não houve nenhum acidente, sequer um arranhou aconteceu. Página 11 de 12

12 Conclusão As análises financeiras e viabilidade econômica demonstram que não é atrativo para uma instituição financeira imobilizar seus ativos circulantes, pois estes devem estar disponíveis para ser movimentado no negócio da instituição e gerar os retornos financeiros desejados por todo investidor. Podemos comprovar este comportamento ao observar que praticamente todos os bancos em funcionamento no Brasil não mantiveram suas agências próprias. Aqueles que ainda tinham imóveis próprios venderam para terceiros e depois os alugaram para ali manter as suas agências em pleno funcionamento. Ainda que um imóvel próprio venha a se valorizar pelos índices do mercado imobiliário, certamente não dará retornos tão equivalentes quanto o dinheiro sendo usado na movimentação do negócio da cooperativa, gerando riquezas para os associados. E mesmo que a valorização do imóvel venha dar retornos significativos, estes serão tributados como atos não cooperativos, e ainda, sendo considerado pelos órgãos reguladores do sistema financeiro como uma atividade conflitante com o que determina o estatuto da cooperativa. Fator importante: o investimento feito não vai prejudicar o resultado da cooperativa, pelo contrário, vai promover mais resultados e sobras, considerando que a logística e fluxo de trabalho estão mais dinâmicos e otimizados, e principalmente, considerando que o associado está mais satisfeito com o conforto, privacidade e agilidade no atendimento. Portanto, o associado pode se sentir bem representado. Todo investimento na ampliação e reforma da sede da Lagoacred foi feito para lhe dar o melhor atendimento no dia a dia, e ainda com certeza, o melhor retorno financeiro. E tudo foi feito dentro das normas legais e aprovado por todas as alçadas da cooperativa, e ainda, validada pelas auditorias. Sendo só para o momento, deixamos os nossos cordiais cumprimentos. Muito obrigado! Lagoa da Prata / MG, 13 de março de Diretoria Executiva Conselho de Administração Sicoob Lagoacred Gerais Página 12 de 12

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você.

Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você. Cliente Nossa Caixa, o Banco do Brasil tem orgulho de receber você. Conheça os benefícios e novidades do seu novo banco. Banco do Brasil. É de São Paulo. É do Brasil. É Todo Seu. Índice Introdução...3

Leia mais

Projeto de Lei n.º 013/2015

Projeto de Lei n.º 013/2015 [ Página n.º 1 ] ESTABELECE NORMAS DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO E ADEQUAÇÃO DE AMBIENTES DE ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE CASTANHEIRA-MT, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

PDDE - ÁGUA NA ESCOLA GUIA DE ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS

PDDE - ÁGUA NA ESCOLA GUIA DE ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS PDDE - ÁGUA NA ESCOLA RESOLUÇÃO nº. 30, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010 CD/FNDE GUIA DE ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS GARANTIR O ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM CONDIÇÕES APROPRIADAS PARA CONSUMO EM ESCOLAS PÚBLICAS. Qual

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA LOCAÇÃO DE IMÓVEL Nº 001/2015 Página 1 de 5 EDITAL DE CHAMAMENTO A COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS (POTIGÁS), por intermédio da sua Diretoria Executiva, na forma das disposições contidas no artigo 24, inciso X, da Lei 8.666/93 e alterações

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças Orçamento Participativo 2014 Formulário 01 - Previsão de Demandas DESPESAS DE CUSTEIO 1.465.000 Cód. Despesa Auxílio Financeiro a Estudante 3.3.90.18 Ajuda de custo para participação em apresentações, congressos e seminários 3.3.90.18

Leia mais

NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015.

NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015. NORMATIVO SARB 004/2009, revisto e atualizado em 17 de junho de 2015 e publicado em 13 de julho de 2015. O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

Tabela de Tarifas Pessoa Natural

Tabela de Tarifas Pessoa Natural Divulgada em: 02/03/205 Vigência a partir de: 20/04/205 PADRONIZAÇÃO DOS S PRIORITÁRIOS 2 LISTA DE S CANAIS DE ENTREGA SIGLA NO EXTRATO VALOR DA TARIFA CADASTRO. CADASTRO R$ 25,00 CONTA DE DEPÓSITOS 2.

Leia mais

case rabobank Rabobank Maior banco do setor de alimentos e agronegócio do mundo mostra integração e mobilidade em sua nova sede, em São Paulo

case rabobank Rabobank Maior banco do setor de alimentos e agronegócio do mundo mostra integração e mobilidade em sua nova sede, em São Paulo Rabobank Maior banco do setor de alimentos e agronegócio do mundo mostra integração e mobilidade em sua nova sede, em São Paulo [ 42 ] OFFICE STYLE OFFICE STYLE [ 43 ] Em 1896, na Holanda, surgiu um novo

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

Soluções. para sua Empresa

Soluções. para sua Empresa Atendimento Outras Soluções Investimentos Soluções para Parceiros e Empregados Soluções para sua Empresa Linhas de Crédito Seguros e Cartões Soluções em Recebimentos Soluções em Pagamentos Soluções sob

Leia mais

Manual do Processo de Controladoria

Manual do Processo de Controladoria Manual do Processo de Controladoria Apresentação MV Sumário Processo de Controladoria 5 Leia-me primeiro... 5 Contas a Pagar -... Provisionamento 7 Validar Dados da Nota Fiscal... 11 Registro no Contas

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:...

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor digitar ou preencher com letra de forma.) SOBRE O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO DO JAPÃO Como soube deste

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 5: Serviços Bancários Objetivo Conscientizar nossos clientes sobre os serviços bancários e as funções de cada funcionário O conteúdo deste material é baseado

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

PLANOS ESPECIAIS 2008

PLANOS ESPECIAIS 2008 PLANOS ESPECIAIS 2008 DEMONSTRATIVO 4 BIMESTRE SARP SECRETARIA ADJUNTA DA RECEITA PÚBLICA - SARP INSTITUCIONAL Secretaria Adjunta da Receita Pública SECRETARIA ADJUNTA DA RECEITA PÚBLICA - SARP NEGÓCIO

Leia mais

Instruções para o Questionário Online

Instruções para o Questionário Online Instruções para o Questionário Online Este é um pequeno guia para o preenchimento do questionário de Monitor de Cooperativas Mundial. O questionário está disponível em www.euricse.eu/en/worldcooperativemonitor

Leia mais

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra

Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra Apoio ao Setor de Armazenagem e Irrigação Moderinfra O BNDES, como banco de fomento à economia, entende que um dos itens de grande importância para a sustentação do crescimento do país é o apoio ao armazenamento

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E RELATÓRIO DE CONTROLE ORÇAMENTÁRIO

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E RELATÓRIO DE CONTROLE ORÇAMENTÁRIO TITULOS/MESES Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Notas CIRC. E REALIZÁVEL LONGO PRAZO 563.039.643,69 DISPONIBILIDADES 7.682,65 CAIXA 2.529,22 BANCOS 5.153,43 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE

Leia mais

AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES

AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA SMALL SHOPPING AGES CARTA CONVITE: N 001/2012 A AGES EMPREENDIMENTOS EDUCACIONAIS LTDA, situada à Avenida Universitária, n 23, Parque das Palmeiras, Paripiranga (BA),

Leia mais

Processo nº: 106/15 Interessado: Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Norte CAU/RN Assunto: Aquisição de Imóvel TERMO DE REFERÊNCIA

Processo nº: 106/15 Interessado: Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Norte CAU/RN Assunto: Aquisição de Imóvel TERMO DE REFERÊNCIA Processo nº: 106/15 Interessado: Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Norte CAU/RN Assunto: Aquisição de Imóvel TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO Aquisição de sede própria que dará a estrutura

Leia mais

Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 www.qualityassociados.com.br

Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 www.qualityassociados.com.br Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 A empresa Rua George Smith, 29 Lapa São Paulo SP CEP 05074-010 Telefone/Fax: 55.11.3837-000 A Quality Associados foi criada

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

O Feirão DA SUA CASA.

O Feirão DA SUA CASA. O Feirão DA SUA CASA. Tudo o que você queria saber sobre o financiamento da CAIXA para comprar, construir ou reformar sua casa. E tudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida para quem ganha até R$ 4.900,00.

Leia mais

Valor Inovação Gestão de Negócios

Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Definição de Negócios Assessorar o empresariado brasileiro para o desenvolvimento dos setores comercial, industrial e de serviços. Ser um agente eficiente

Leia mais

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz Capa Doar Faz Bem Ações que reverberam Manual de Doações www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 Este Manual foi criado com o intuito de inspirar,

Leia mais

Projeto Teleporto. Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos. Nota Técnica 04. Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010

Projeto Teleporto. Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos. Nota Técnica 04. Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 2010 2010 Projeto Teleporto Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos Nota Técnica 04 Previ-Rio 09/2010 Nota Técnica 04 MODELO DE ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE TERRENOS DO PROJETO TELEPORTO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 Brasília, 4 de abril de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Tratamento Contábil das Despesas do Programa Mais Médicos REFERÊNCIA(S): Portaria SGTES nº 30, de 12/02/2014

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E NOTAS EXPLICATIVAS

RELATÓRIO GERENCIAL, DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO E NOTAS EXPLICATIVAS Titulos/Meses dezembro-06 janeiro-07 fevereiro-07 março-07 abril-07 maio-07 junho-07 Notas CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 4.418.607,04 4.532.392,35 4.648.629,79 - - - - DISPONIBILIDADE 171.907,15

Leia mais

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

MANUAL GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO Define-se como risco de mercado a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela Cooperativa, o que inclui os riscos das operações

Leia mais

MANUAL DO LOCATÁRIO. Guia ilustrado com tudo sobre a sua nova locação

MANUAL DO LOCATÁRIO. Guia ilustrado com tudo sobre a sua nova locação MANUAL DO LOCATÁRIO Guia ilustrado com tudo sobre a sua nova locação TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE SEU NOVO LAR VISTORIA E OCUPAÇÃO MANUTENÇÕES E BENFEITORIAS PAGAMENTO E REAJUSTE DESOCUPAÇÃO DO

Leia mais

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping

uvaeverde.com.br Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping Retorno do investimento garantido em contrato ou a devolução da verba inicial investida* Cláusula vigésima: do retorno do investimento inicial 20.1 A Franqueadora se compromete

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC Valores vigentes a partir de: 01/08/2014. Cartão de débito Saque Transferências Extrato Consultas (Saldo e extrato) Compensação de cheques Talão de cheque SERVIÇOS

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*)

TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*) TABELA DE TARIFAS PESSOA JURÍDICA Divulgada em 04/02/2015 Vigência a partir de 06/03/2015 (*) PRODUTOS E SERVIÇOS SIGLA NO EXTRATO COBRANÇA POR Conta Salário Cartões e Pagamentos Emissão de Cartão Salário

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR 1 APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão Financeira do GESC Instrutor do Curso de Contabilidade

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014

Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Anexo à Política de Investimentos 2010 a 2014 Diretrizes para Investimentos em Imóveis (aprovadas pelo CDE em sua 18ª reunião realizada nos dias 14 a 16 de dezembro de 2009 Índice Anexo à Política de Investimentos...1

Leia mais

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro, através do Comitê do, instituído pela Portaria Inmetro n.º 092, de 25 de

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR Materiais Indiretos e Prestação de Serviços Março, 2009 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - Objetivos... 3 3 - Interação entre a Sadia e o Fornecedor... 3 4 - Orientações Gerais...

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DST/AIDS DATA DA VISITA: 24/04/2015 Coordenador (a): Lauer Marinho Sandenberg E-mail: ddaids@vitoria.es.gov.br Endereço: Rua Cais do São Francisco, nº 54 Bairro: Centro Telefone: (27) 3132-5107 Horário de funcionamento:

Leia mais

Ações Institucionais. Ações Efetivadas:

Ações Institucionais. Ações Efetivadas: Transparência 2 - Planejamentos e Resultados Crefito-2-2013 (Extraído do Relatório de Gestão, cuja íntegra encontra-se disponível na seção Demonstrações Contábeis e Prestação de Contas). 2.1 Plano estratégico

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

As instalações físicas encontram-se detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS

As instalações físicas encontram-se detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS As instalações físicas encontramse detalhadas no quadro seguinte. QUADRO DE INSTALAÇÕES FÍSICAS ESPAÇO FÍSICO QUANTIDADES GERAL FACULDADE ÁREA M 2 Salas de aula, medindo cada uma, 69, com um quadro branco,

Leia mais

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP Define os documentos e modelos de demonstrações contábeis exigidos para prestação de contas finalística das entidades do terceiro setor sujeitas ao velamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 1 Quem Somos 3 Missão e Visão 4 Nossos Valores 5 Introdução 6 Apresentação 7 Estrutura Organizacional 8 à 13 Consultoria e Soluções Tecnológicas 14 Desenvolvimento Operacional

Leia mais

Conquistando Clientes. Comprovantes de Renda

Conquistando Clientes. Comprovantes de Renda Política de Crédito 03 Conquistando Clientes Documentação Necessária Comprovantes de Residência Comprovantes de Renda 06 09 11 25 Preenchimento das Propostas 02 Conquistando Clientes Para lhe auxiliar

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011 INTERESSADA: EFORTE ESCOLA DE FORMAÇÃO TÉCNICA E EMPRESARIAL RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS: TÉCNICO

Leia mais

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA

1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1 - AQUISIÇÃO DO CARTÃO BB PESQUISA 1º PASSO: Recebimento do e-mail de aprovação do projeto. 2º PASSO: Preenchimento e assinatura do Termo de Aceitação de Apoio Financeiro e do Cadastro de Portador, que

Leia mais

ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE

ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE CÓDIGO ÁREA PERFIL PRÉ-REQUISITO ATRIBUIÇÕES CIDADE VAGAS UNIDADE BAN2001 Contabilidade Graduação em Contabilidade e registro no Conselho de Classe. ANEXO I CARGO ANALISTA PERFIL/PRÉ-REQUISITO/ATRIBUIÇÕES/CIDADE/VAGAS/UNIDADE

Leia mais

Exercício 2011. Relatório de prestação de contas

Exercício 2011. Relatório de prestação de contas Exercício Relatório de prestação de contas MENSAGEM DA DIRETORIA A Assembléia Geral da ONU declarou 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas, destacando a contribuição das cooperativas para o desenvolvimento

Leia mais

LINK LOCUS Escritórios Virtuais. OFFICE LOCUS Escritórios Presenciais para uso full time 24h por dia

LINK LOCUS Escritórios Virtuais. OFFICE LOCUS Escritórios Presenciais para uso full time 24h por dia Enquanto você se movimenta, a Locus garante a retaguarda. Há mais de 13 anos, a Locus trabalha com um conceito muito utilizado por profissionais do mundo todo: Business Services. São soluções imediatas

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CARTILHA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS I APRESENTAÇÃO Fundação Francisco e Clara de Assis A Fundação Francisco e Clara de Assis buscam trabalhar para o desenvolvimento dos programas e ações de combate à pobreza

Leia mais

Informativo. dezembro/2013. Prezados cooperados,

Informativo. dezembro/2013. Prezados cooperados, Informativo Prezados cooperados, dezembro/ Rapidamente chegamos ao fim de. Um ano de muito trabalho e de grandes conquistas, de muitas entregas e muitas ações realizadas alinhadas à nossa visão de envidar

Leia mais