ALONSO, BARRETTO & CIA. AUDITORES INDEPENDENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALONSO, BARRETTO & CIA. AUDITORES INDEPENDENTES"

Transcrição

1 COMUNICADO TÉCNICO RETENÇÕES DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES REVISADO EM 15/05/2013 Resumo Documentos Fiscais e Contrato de Prestação de Serviços IRF Imposto de Renda na Fonte Retenção da CSLL, PIS e da COFINS INSS Instituto Nacional de Seguridade Social ISS Imposto Sobre Serviços Por NICOLAU ROJO Nosso Associado Auditor Independente, especialista no Terceiro Setor, Auditor do Ministério Público. ALONSO, BARRETTO & CIA. AUDITORES INDEPENDENTES

2 ÍNDICE I. OBJETIVOS II. III. ASPECTOS CONTÁBEIS, FISCAIS E CONTROLE INTERNO PROVIDÊNCIAS SUGERIDAS QUE SE ANTECIPAM À CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS IV. RISCOS DAS PESSOAS JURÍDICAS 1. Falta de Retenção 2. Retenção e Não Recolhimento V. IMPORTÂNCIA DA DOCUMENTAÇÃO FISCAL E CONTÁBIL NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS 1. Elaboração do Contrato de Prestação de Serviços 2. Emissão da Nota Fiscal e NF-e 3. Emissão do Recibo de Prestação de Serviços 4. Guarda de Documentos Fiscais 5. O Cuidado na Elaboração das Declarações Acessórias 5.1. DACON / DCTF e DIPJ 5.2. EFD (Escrituração Fiscal Digital) - PIS / COFINS Substituição da DACON VI. RETENÇÃO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 1. Incidência 2. Modalidades de Retenções 3. Serviços Prestados por Empresas de Factoring 4. Não Incidência do IRRF / PIS / COFINS / CSLL nos Serviços de Armazenamento e Transportes 5. Retenção do IRRF 6. Retenção da CSLL, PIS e COFINS e Alíquotas 6.1. PJs Amparadas pela Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário 6.2. Retenção para as PJs no Regime de Não-Cumulatividade da COFINS e do PIS ou aos Regimes de Alíquotas Diferenciadas. 7. Retenção do INSS (Com alteração transitória - Lei /11 e Decreto de 16/10/12 - Vigência escalonada - Tópico VI -7) 8. Retenção do ISS VII. ABRANGÊNCIA DAS RETENÇÕES - TODAS AS PESSOAS JURÍDICAS 1. Pessoas Jurídicas Optantes pelo Simples e Declaração de Opção Obrigatória 1.1. Empresas Enquadradas no Simples na Condição de Fonte Pagadora 2. Dispensa de Retenção e Recolhimento - IRF, CSLL/COFINS/PIS e INSS 3. Casos em que Haverá Retenção Somente da CSLL 4. Prazos e Formas de Recolhimento 5. Retenção das Entidades Imunes e Isentas VIII. ASPECTOS LÓGICOS A SEREM CONSIDERADOS E VARIÁVEIS A SEREM UTILIZADAS IX. POSSIBILIDADES DE ENQUADRAMENTO E OPÇÃO DE INTEGRAR SISTEMA INFORMATIZADO X. COMPROVANTE ANUAL DE RETENÇÃO / INFORME DE RENDIMENTOS 1

3 I. OBJETIVOS Este Comunicado de Orientação Técnica tem por objetivos assessorar profissionais que militam nas Áreas Financeiras, Fiscais, Recursos Humanos e Contábeis sobre Retenções de Impostos e Contribuições incidentes nos pagamentos oriundos de Prestação de Serviços em geral, como segue:- 1. Esclarecer as modalidades de pagamentos e as respectivas incidências; 2. Efetuar as retenções cabíveis a fim de evitar futuras penalidades ou multas/autuações por parte do fisco; 3. Orientar os responsáveis pelas retenções, sobre a apresentação das DCTF-s, DACON-s, DIRFs e demais obrigações acessórias que informam eletronicamente o fisco; 4. Minimizar as dúvidas que surgem no cotidiano das Pessoas Jurídicas em geral, em razão da enorme gama de retenções e situações específicas e eliminar riscos iminentes; 5. Considerar que situações específicas podem surgir, quando então serão exigidas consultas mais apuradas; II. ASPECTOS CONTÁBEIS, FISCAIS E CONTROLE INTERNO Este Comunicado visa, também, expor de forma resumida e com a maior abrangência possível as ocorrências mais constantes, a fim de esclarecer as dúvidas e dificuldades que ocorrem diariamente, quando do pagamento de Notas Fiscais de Serviços e/ou Recibos de Sociedades Civis, no tocante à Retenção dos Impostos e Contribuições incidentes, seus respectivos recolhimentos aos Órgãos Públicos, que afetam diretamente as áreas Financeiras, Fiscais e Contábeis, de todas as Pessoas Jurídicas, inclusive as Entidades Imunes e Isentas. Além dos Aspectos Fiscais e Contábeis, que atribuem responsabilidades aos Administradores, Contadores e Tesoureiros, devemos também abordar Aspectos Conceituais, Fatos Geradores, Exceções, a correta interpretação e o enquadramento de cada situação de per si. Ressalte-se a influência que terá no futuro Balanço Patrimonial, nas Obrigações Acessórias eletrônicas ao Fisco, tais como, DCTFS, DIRFS, DACONS, ECD-PIS COFINS, DIPJ-s, etc. A suspensão do recolhimento mínimo de Impostos e Contribuições em determinado mês, não significa isenção dos pagamentos, sendo requerido o acúmulo de outras incidências, que poderão ocorrer no próprio mês ou nos meses seguintes. A CONTRATANTE é corresponsável na revisão da documentação fiscal, orientando a CONTRATADA no sentido de cumprir todas as exigências fiscais, desde a assinatura do Contrato (se houver), na emissão da Nota Fiscal/NFSe., observando eventuais reduções de Base de Cálculo, Identificação e destaque dos Impostos e Contribuições (Valor Bruto, Retenção, Líquido), etc.. Sob o Aspecto de Controle Interno, é imprescindível que a Pessoa Jurídica disponha de Eficiência e Segurança em toda atividade operacional, para que possa identificar em tempo oportuno o correto enquadramento, corrigir eventuais erros, divergências ou omissões, eliminando riscos financeiros e multas. III. PROVIDÊNCIAS SUGERIDAS QUE SE ANTECIPAM À CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Recomenda-se sempre elaborar o Contrato de Prestação de Serviços entre as partes, (CONTRATANTE e CONTRATADA), com o objetivo de disciplinar os direitos e as obrigações recíprocas. É de suma importância que os profissionais responsáveis pela Contratação dos Serviços identifiquem os Tributos (Impostos e Contribuições) incidentes na transação e façam constar da Proposta e/ou Pedido de Compras. 2

4 Podem ocorrer situações onde a CONTRATADA pleiteia honorários líquidos de impostos, pois, em algumas situações, incluem esse tipo de cláusula indevidamente, onerando a CONTRATADA. Nessa situação a CONTRATANTE deve calcular e recolhê-los nas datas estabelecidas pela legislação. Consequentemente é necessário que a CONTRATADA indique previamente, na Nota Fiscal/NFSe., e/ou Recibo de Honorários Profissionais (Sociedades civis de Profissões Legalmente Regulamentada), quais as retenções tributárias, exigidas por lei: IRRF, INSS, PIS, COFINS, CSLL e ISS, ou ainda, não estando sujeita às referidas retenções, mencionar a base legal de isenção/imunidade. Dessa forma, a CONTRATANTE já ciente das retenções tomará as providências cabíveis, efetuandoas, evitando penalidades ou retenções indevidas. Na hipótese do detalhamento dos Honorários Profissionais, das incidências e das retenções tributárias, deve haver entendimento entre as partes, que poderá resultar em benefício para ambas, sem riscos nem prejuízos ao fisco. Nas Contratações de Serviços de Construção ou Reformas, o Contrato deverá prever a aplicação de Equipamentos não Manuais, para ser destacado nas faturas, consequentemente, excluir os 11% da base de cálculo para fins Previdenciários. IV. RISCOS DAS PESSOAS JURÍDICAS A fim de evitar riscos de autuações fiscais, aquisição de passivos contingentes e dificuldade na obtenção de Certidões Negativas de Débitos CND, bem como de cometer Crimes contra a Ordem Tributária, nas contratações de serviços, a Pessoa Jurídica deve estar atenta às exigências e obrigações legais e tributárias. A CND Certidão Negativa de Débitos é de suma importância e necessária na legalização das Pessoas Jurídicas, na Compra e Venda de Imóveis, na Conclusão de Obras (Alvarás), impedimentos às concorrências Públicas, etc. 1. FALTA DE RETENÇÃO A falta de Retenção é considerada um risco às Pessoas Jurídicas, conforme preceitua o RIR - Decreto 3000/99, com base nos excertos vigentes e reproduzidos abaixo:- Das Responsabilidades pela retenção do IRRF Artigo 717 do RIR - Compete à Fonte reter o de que trata este Título, salvo disposição em contrário...; Artigo 722 do RIR - A fonte pagadora fica obrigada ao recolhimento, ainda que não o tenha retido. Verificada a falta de retenção dos Tributos pela Pessoa Jurídica, serão exigidos: a Multa de ofício e os Juros de mora. 2. RETENÇÃO E NÃO RECOLHIMENTO A Retenção e a Falta de Recolhimento caracterizam um risco ainda maior, considerado Crime contra a Ordem Tributária, conforme Inciso II, Artigo 2º da Lei nº 8.137/90, abrangendo todos os Tributos (Impostos e Contribuições). A Retenção e a Falta de Recolhimento, também, caracterizam Crime de Apropriação Indébita, conforme Artigo 168-A da Lei 9.983/2000, que incorporou ao Código Penal. No âmbito da Previdência Social, a falta dessa retenção na fonte torna a empresa contratante dos serviços pessoalmente responsável, nos termos do 5º do art. 33 da Lei 8.212/91, abaixo reproduzido: 5º - O desconto de contribuição e de consignação legalmente autorizadas sempre se presume feito oportuna e regularmente pela empresa a isso obrigada, não lhe sendo lícito alegar omissão para se eximir do recolhimento, ficando diretamente responsável pela importância que deixou de receber ou arrecadou em desacordo com o disposto nesta Lei. 3

5 V. IMPORTÂNCIA DA DOCUMENTAÇÃO FISCAL E CONTÁBIL NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS 1. Elaboração Do Contrato De Prestação De Serviços O contrato é de suma importância na contratação de serviços, para fixar limites de atuação e garantir uma contraprestação em relação ao trabalho executado, a fim de garantir que as condições acordadas entre as partes sejam cumpridas. Para evitar discussões jurídicas, na contratação dos serviços, a elaboração dos contratos deve ser detalhada entre as partes, visando relação comercial benéfica. Portanto, será importante observar criteriosamente todas as obrigações que emergem de qualquer Contrato de Prestação de Serviços, além do pagamento de salário ao empregado, os encargos sociais, os custos de vale transporte e alimentação do trabalhador, materiais diretos e indiretos, e principalmente os impostos incidentes. Solicite ao Prestador dos Serviços que apresente uma planilha detalhada de custos e certifique-se de que todos os valores especificados no parágrafo acima estejam corretamente contemplados. Esta é a melhor maneira de certificar-se de que o valor a ser pago à empresa contratada contempla todas as obrigações legais. No caso de contratação de Mão de Obra Terceirizada, como a prestação dos serviços será nas dependências do tomador, mas com vinculo empregatício junto à empresa prestadora destes serviços, a Previdência Social e o Ministério do Trabalho exigem a fiscalização destas empresas pelos seus contratantes. Os tomadores de serviços devem ficar atentos para que não tenham conivência com sonegação de impostos, fraudes sociais ou trabalhistas de forma a serem denunciados como corresponsáveis nos respectivos processos trabalhistas e previdenciários movidos contra essas empresas. 2. Emissão Da Nota Fiscal e NF-e (NFS-e) A Nota Fiscal de Serviços e a NFSe-(Eletrônica) é documento fiscal de emissão obrigatória para o contribuinte Prestador de Serviços, inclusive para Pessoas Isentas ou Imunes, de acordo com seu Código de Atividades (CNAE) e é comprobatória, para fins fiscais, da operação de circulação de mercadoria e de prestação de serviços ocorrida entre as partes. A sua emissão constitui-se em obrigação acessória tendo como conteúdo uma obrigação de fazer (positiva), no interesse do fisco, como órgão arrecadador ou fiscalizador dos tributos. Em Outubro de 2005, foi adotada a Nota Fiscal Eletrônica, sendo considerado um grande avanço na legislação brasileira. A finalidade da alteração sistemática foi substituir a Nota Fiscal em papel Modelo 1 ou 1A, por NFSe - Nota Fiscal Eletrônica com validade jurídica para todos os fins e em todos os Estados da Federação. Considere-se também a guerra fiscal entre Municípios, com a redução das alíquotas para estabelecerse em seu território e obter maiores receitas. A NFSe é uma forma legal de combater a Sonegação Fiscal (ferramenta do fisco) e proporcionar eficiência na fiscalização Pessoas Jurídicas estabelecidas no Município de S.Paulo Especificamente para as Pessoas Jurídicas estabelecidas no Município de São Paulo convêm consultar a Instrução Normativa nº 6 SF/SUREM, de 22/06/2011 (DOM SP de 23/06/2011), e a Lei nº , DE 8 DE JULHO DE 2011, que altera alguns dos principais artigos da Lei de 24 de Dezembro de 2003 bem como: A obrigatoriedade da emissa o da NFS-e se tratando de prestadores de serviços estabelecidos no Municí pio de Sa o Paulo, salvo exceço es prescritas nesta mesma lei. A inclusa o de novos serviços que estara o sujeitos a retença o; (aguardar cronograma a ser 4

6 estabelecido pela PMSP); Empresas optantes pelo simples que estavam dispensadas da retença o, na o gozam mais de tal isença o. A Obrigatoriedade da emissão da NFTS (Nota Fiscal de Tomador de Serviço) e a extinção da D.E.S (Declaração Eletrônica de Serviço), Lembramos que a Empresa Prestadora do Serviço deverá informar no documento fiscal o valor correspondente à retenção das contribuições incidentes sobre a operação. 3. Emissão do Recibo De Prestação de Serviços As Pessoas Jurídicas de profissão legalmente regulamentadas, os profissionais liberais, (Engenheiros, Médicos, Contadores, Administradores, Advogados, Psicólogos, Enfermeiros, etc.), normalmente constituídas sob a forma de Sociedades SIMPLES, estão desobrigadas( ou por opção) da emissão da Nota Fiscal, por força de legislação Municipal de seu domicílio (como ocorre no Município de São Paulo). Essas Pessoas Jurídicas estão obrigadas a emitir Recibo de Prestação de Serviços, de Honorários Profissionais, estando sujeitas às mesmas regras específicas de retenção. Essas Sociedades Civis podem optar pela NFSe. A Legislação de cada município deve ser consultada. 4. Guarda de Documentos Fiscais Os documentos fiscais deverão ser mantidos pela Pessoa Jurídica até que o direito de a Fazenda Pública proceder ao lançamento do imposto tenha sido atingido pela decadência. O direito de proceder ao lançamento do imposto de renda, de acordo com o artigo 173 do CNT, extingue-se após cinco anos, contados do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o lançamento poderia ter sido efetuado. Para as Notas fiscais Eletrônicas NF-e, e outras obrigações acessórias eletrônicas, a regra geral é que o emitente e o destinatário deverão manter em arquivo digital das NF-e pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais, devendo ser apresentadas à administração tributária, quando solicitado. A prescrição ocorre em 5 anos. 5. O Cuidado na Elaboração das Declarações Acessórias O contribuinte deverá ter muita atenção na elaboração das Declarações Acessórias DCTF, DACON, DIRF e DIPJ pois o banco de dados da Receita Federal está cada vez mais informatizado e as informações prestadas pelo contribuinte nas referidas declarações são confrontadas com as existentes nos sistemas da RFB(Receita Federal do Brasil) e PFN(Procuradoria Fazenda Nacional), e caso não sejam confirmadas as vinculações dos créditos, os débitos serão imediatamente cobrados por meio de TERMO DE INTIMAÇÃO. Por exemplo: Ocorrerá intimação quando o valor informado na DCTF for inferior ao débito informado no DACON, DIPJ ou DIRF. O Termo de Intimação (emitido por via Eletrônica) é um documento emitido pela Secretaria da Receita Federal do Brasil que contém informações para que o contribuinte corrija as inconsistências detectadas pelos sistemas de controle e análise eletrônica. A comunicação se fará por via postal, com AR (aviso de recebimento), emitida eletronicamente e enviada para o endereço do contribuinte. A comunicação solicitará a correção das declarações envolvidas, como DCTF, DIRF e DIPJ, ou ainda do DARF, quando for o caso. Consequentemente a cautela no preenchimento e o treinamento dos funcionários que realizam o preenchimento das declarações são de extrema importância de forma a minimizar os riscos de autuações fiscais. 5

7 A DIRF é a declaração feita pela fonte pagadora, destinada a informar à RFB o valor do imposto de Renda, CSLL, PIS/PASEP e COFINS retidos na fonte, dos rendimentos pagos ou creditados para seus beneficiários. Portanto, as pessoas jurídicas e físicas, que tenham pago ou creditado rendimentos com retenção do IRRF e/ou PIS/PASEP, COFINS e CSLL, ainda que em um único mês do ano calendário a que se referir a declaração, estão obrigadas à apresentação da DIRF DACON, DCTF E DIPJ A DACON a exemplo da DIPJ é declaração de cunho informativo no que diz respeito à apuração dos impostos. Daí a necessidade de informar a base de cálculo e retenções dos Impostos e Contribuições na Fonte. Já a DCTF trata-se principalmente de Confissão de Dívidas, ou seja, a PJ deve informar apenas o que deveria pagar e como pagou. Exemplo fictício: A PJ tinha R$ 1.000,00 de IRPJ a pagar, e sofreu retenção na fonte no valor de R$ 300,00, terá que pagar apenas R$ 700,00. É este o valor a ser informado na DCTF. Nela você informará a origem da receita, o vencimento, e os dados do DARF de pagamento, tais como data, valor, juros, multas e o total. As Informações Sobre a Retenção na Fonte, inclusive os dados da empresa retentora, serão fornecidos e demonstrados na DIPJ e na DACON EFD (Escrituração Fiscal Digital) PIS/COFINS - Substituição da DACON Conforme previsto no 3º do art. 3º da IN RFB 1.052, de 2010: As declarações e demonstrativos, relativos a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), exigidos das pessoas jurídicas que tenham apresentado a EFD-PIS/COFINS, em relação ao mesmo período, serão simplificados, com vistas a eliminar eventuais redundâncias de informação. Ainda não há data definida para a substituição completa da DACON. Na DIPJ, os Demonstrativos do Imposto de Renda Retido na Fonte, e todas as fichas que tiverem relação com IRRF, inclusive as retenções referentes aos rendimentos de sócios, dirigentes, ou titulares serão cruzadas com as informações fornecidas na DIRF. Confrontos e Vinculações feitas pelos Sistemas da RFB na Pessoa Jurídica - DCTF X DIPJ: confronto dos débitos informados na DCTF com as informações da DIPJ - DCTF X DACON: confronto dos débitos informados na DCTF com as informações da DACON - DCTF X DIRF: confronto dos débitos informados na DCTF com as informações do DIRF - DCTF X DCOMP: confronto dos débitos informados na DCTF e vinculações com créditos compensados na DCOMP - DCOMP x DIPJ: confronto dos créditos informados na DCOMP com as fichas da DIPJ - DIRF x DIPJ: confronto dos valores retidos informados na DIRF com as fichas da DIPJ - DCTF X DARF: confronto dos débitos informados na DCTF com as informações do DARF - DCOMP x DARF: confronto dos créditos informados na DCOMP com as informações do DARF - EFD CONTRIBUIÇÕES - Outros cruzamentos VI. RETENÇÃO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 1. Incidência Os Pagamentos efetuados pelas Pessoas Jurídicas a outras Pessoas Jurídicas de Direito Privado, pela Prestação de Serviços de serviços de limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, locação de mão de obra, assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de Serviços Profissionais, estão sujeitos a retenção na fonte da do IRRF, PIS, COFINS E da CSLL. 6

8 O disposto acima se aplica inclusive aos pagamentos efetuados por: I Sociedades sem Fins Lucrativos, Associações, inclusive entidades sindicais, federações, confederações, centrais sindicais e serviços sociais autônomos; II Sociedades Simples, inclusive Sociedades Cooperativas; III Fundações de Direito Privado IV Condomínios Edifícios. 2. Modalidades de Retenções As Retenções serão efetuadas sobre todos os pagamentos, descritos neste Comunicado, inclusive os Pagamentos antecipados por Conta de Serviços para entrega Futura. Observe-se, no entanto, que por ocasião da efetiva Prestação do Serviço surgirá o crédito e deverá ser feita a respectiva retenção do imposto, com base no valor total do serviço. Caso o valor do serviço já tenha sido totalmente antecipado, o contribuinte deverá fazer o reajustamento da base de cálculo ou solicitar ao prestador do serviço a devolução da parcela correspondente ao imposto retido. Considerando que essas alternativas nem sempre são as mais adequadas, é recomendável, no caso de adiantamento integral, que a retenção já seja feita nessa ocasião, considerando o regime de Competência e ocorrência do Fato Gerador ainda que nesse momento não haja tal obrigatoriedade. 3. Serviços Prestados por Empresa de Factoring A Retenção sobre os Serviços de Assessoria Creditícia, Mercadológica, Gestão de Crédito, Seleção de Riscos, Administração de Contas a Pagar e a Receber, aplica-se inclusive quando tais Serviços forem Prestados por Empresa de Factoring. 4. Não Incidência do IRRF/ PIS/COFINS/CSLL nos Serviços de Armazenamento e Transportes De acordo com o Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 38, de 5 de abril de 2011, os pagamentos efetuados por Pessoas Jurídicas por conta de serviços de armazenamento, movimentação e transporte de mercadorias, monitoramento da temperatura de contêineres, logística, armazenagem de contêiner, operador portuário (movimentação e armazenagem de mercadorias destinadas ou provenientes de transporte aquaviário), atividades alfandegadas na zona de embarques de navios, e locação de veículos, máquinas e equipamentos, por não se caracterizarem serviços profissionais previstos no 1º do art. 647 do Decreto nº 3.000, de 26 de março de Regulamento do Imposto de Renda (RIR/1999), não estão sujeitos à retenção na fonte do imposto sobre a renda, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), de que trata o art. 30 da Lei , de Retenção do IRRF Estão sujeitas à incidência do Imposto na Fonte, as importâncias pagas ou creditadas por Pessoas Jurídicas a outras Pessoas Jurídicas, civis ou mercantis, pela prestação de serviços. 7

9 Para exemplificar, selecionamos alguns tipos de Serviços, que ocorrem com maior freqüência, incidindo Imposto de Renda Retido na Fonte, no dia a dia das Empresas. CÓDIGO ALÍQUOTA TIPO DE SERVIÇO % Serviços de Limpeza, Conservação, Segurança e Locação de Mão de Obra (art. 3º do DL nº 2.462/1988) ,5% Serviços de Natureza Profissional (Ex. Engenheiros, Médicos, Advogados, Contadores, Dentistas, Fisioterapeutas, etc.) 0588 Tabela Progressiva 3208 Tabela Progressiva Rendimentos do Trabalho sem Vínculo Empregatício. Obs. Esta modalidade enseja pagamento a Pessoa Física e deve ser evitada por representar risco trabalhista no futuro. Alugueis e Royalties Pagos a Pessoa Física ,5% Serviços de Factoring ,5% Comissões Corretagens/ Propaganda e Publicidade % Beneficiários Não Identificados As hipóteses de incidência elencadas não coincidem de modo absoluto, com a totalidade das situações em que a Legislação prevê a retenção deste imposto pelas fontes pagadoras. Portanto, para fins de aprofundamento na matéria e para pagamentos de rendimentos que não estejam elencados no Anexo I deste Comunicado recomenda-se consultar periodicamente a legislação do Imposto de Renda. 6. Retenção da CSLL, PIS, COFINS e Alíquotas O artigo 30 da Lei nº /2003 instituiu a retenção na fonte da CSLL, PIS e COFINS, nos pagamentos efetuados, pelas Pessoas Jurídicas à outras Pessoas Jurídicas de direito privado, pela prestação dos serviços de: - Limpeza; Conservação; Manutenção; Segurança; Vigilância; Transportes de Valores e Locação de Mão-de-obra; pela prestação de Serviços de Assessoria Creditícia Mercadológica; Gestão de Créditos; Seleção e Risco; Administração de Contas a pagar e a Receber, bem como pela remuneração dos Serviços Profissionais. O valor da CSLL, da COFINS e do PIS retidos será determinado mediante a aplicação, sobre o montante a ser pago, do percentual total de 4,65%, (quatro inteiros e sessenta e cinco centésimos por cento), correspondente à soma das alíquotas de 1% (um por cento), 3% (três por cento) e 0,65% (sessenta e cinco centésimos por cento), respectivamente, e recolhido mediante o código de arrecadação Pessoa jurídica em Geral ,65% CSLL, da COFINS e do PIS/PASEP á alíquota é de 4,65%. (Art. 30 da Lei /03) 6.1 PJ-s Amparadas pela Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário As Pessoas Jurídicas amparadas pela suspensão da exigibilidade do crédito tributário ou por sentença judicial transitada em julgado, de qualquer das contribuições sujeitas à retenção, deverão informar a CONTRATANTE da situação especial, inclusive comprovação desta prerrogativa amparada em medida judicial, atendendo os códigos abaixo. 8

10 Pessoa jurídica beneficiária de isenção, na forma da legislação específica, de uma ou mais das contribuições % CSLL % COFINS ,65% PIS/PASEP 6.2 Retenção para as PJ-s No Regime de Não-Cumulatividade da COFINS e do PIS ou aos Regimes de Alíquotas Diferenciadas As alíquotas 3,0% (três por cento) e 0,65% (sessenta e cinco centésimos por cento) aplicam-se inclusive na hipótese de as receitas da prestadora do serviço estar sujeita ao regime de nãocumulatividade da COFINS e do PIS ou aos regimes de alíquotas diferenciadas. Para melhor compreensão quanto à retenção de IR, INSS, PIS/COFINS/CSLL, incidentes sobre os serviços contratados de Limpeza, Conservação e Segurança, recomendamos consultar o Art. 1 1 e 2 da IN SRF 459 /2004, que traz informações pormenorizadas sobre estes serviços. 7. Retenção do INSS A empresa CONTRATANTE dos Serviços mediante cessão de Mão-de-Obra ou Empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11 % sobre o valor bruto da Nota Fiscal, da Fatura ou do Recibo de Prestação de Serviços. (Vide 7.1 Redução Temporária abaixo). Em seguida deverá recolher à Previdência Social, a importância retida, através de documento de arrecadação (GPS), gerado pelo próprio Sistema da RFB, nos prazos estabelecidos, identificando a Razão Social e o CNPJ da empresa CONTRATADA, conforme dispõe o artigo 112 da IN RBF nº 971/2009). A CONTRATADA deverá emitir Nota Fiscal, NFSe-, Fatura ou Recibo de Prestação de Serviços com especificações das condições especiais, que venham influir na Base de Cálculo do Tributo, conforme dispõe 1º, do art. 112 da IN RFB 971/09. A Relação dos Serviços sujeitos à retenção, consta dos artigos 117 e 118 da IN RFB 971/2009 é exaustiva e a pormenorização das tarefas compreendidas em cada um dos serviços, é exemplificativa Redução Temporária de alíquota Contratação de Serviços (Artigo 31 da Lei 8212/91) Haverá redução temporária, ATÉ 31 DE DEZEMBRO DE 2014, de 11% para 3,5% - com base na nova redação da Lei /12, que alterou o Parágrafo 6º Inciso IV do Artigo 7º da Lei /11, passando a ter a seguinte redação: Lei /11, Inciso IV, Parágrafo 6 º No caso de contratação de empresas para execução dos serviços referidos no caput, mediante cessão de mão de obra, definida pelo artigo 31 da Lei de 24/07/1991, a empresa contratante deverá reter 3,5 % do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. Legislação regulamentada pelo Decreto nº de 16/10/ Tal entendimento foi ratificado pelo Decreto no artigo 2º, inciso III, a saber: III - no caso de contratação de empresas para execução dos serviços referidos neste artigo, por meio de cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei nº 8.212, de 1991, a empresa contratante deverá reter 9

11 três inteiros e cinco décimos por cento do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços. (gn) Importante:- Transitoriamente, até 31/12/2014, recomendamos aos usuários deste Comunicado, consultar os Serviços/Atividades citados e a vigência da redução temporária, no Artigo 2º do Decreto nº Empresas optantes pelo Simples As empresas optantes pelo Simples Nacional que prestarem serviços mediante cessão de mão-deobra ou empreitada NÃO ESTÃO SUJEITAS À RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA, sobre o valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços emitidos, com exceção da microempresa (ME) ou a empresa de pequeno porte (EPP) tributada na forma: a) Dos Anexos IV e V da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para os fatos geradores ocorridos até 31 de dezembro de 2008; b) Do Anexo IV da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para os fatos geradores ocorridos a partir de 1º de janeiro de São atividades de prestação de serviços tributadas na forma do Anexo IV da referida Lei Complementar: a) A construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; b) O serviço de vigilância, limpeza ou conservação. Cessão de mão-de-obra e empreitada Para efeitos de retenção, a legislação previdenciária definiu seu próprio conceito de cessão de mão de obra e empreitada. Conforme art. 115 e 116 IN 971/2009. Art Cessão de mão-de-obra, por sua vez, é a colocação à disposição da empresa contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de trabalhadores que realizem serviços contínuos, relacionados ou não com sua atividade fim, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação, inclusive por meio de trabalho temporário. 1º Dependências de terceiros são aquelas indicadas pela empresa contratante, que não sejam as suas próprias e que não pertençam à empresa prestadora dos serviços. 2º Serviços contínuos são aqueles que constituem necessidade permanente da contratante, que se repetem periódica ou sistematicamente, ligados ou não a sua atividade fim, ainda que sua execução seja realizada de forma intermitente ou por diferentes trabalhadores. 3º Por colocação à disposição da empresa contratante, entende-se a cessão do trabalhador, em caráter não eventual, respeitados os limites do contrato. Art Empreitada é a execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido. Vide Lista no ANEXO 4 8. Retenção do ISS Quanto ao ISSQN - Imposto s/serviços de qualquer natureza, por ser de natureza Municipal, as Pessoas Jurídicas devem observar a Legislação pertinente aos seus respectivos municípios, 10

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por:

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS

AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS AS RETENÇÕES APLICADAS ÀS EMPRESAS PRODUTORAS CULTURAIS Dando continuidade a nossa proposta de oferecer subsídios para uma gestão mais qualificada das produtoras de projetos culturais, abordamos agora

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS.

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS 11% - SERVIÇOS PRESTADOS POR EMPRESAS. A Lei nº 9.711/1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro de 1999, introduziu a obrigatoriedade da retenção pela empresa contratante

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

2 RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE...5 3 RETENÇÃO DO PIS, COFINS E CSLL NA FONTE 4,65%...7 4 RETENÇÃO DO ISS NA FONTE...8

2 RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE...5 3 RETENÇÃO DO PIS, COFINS E CSLL NA FONTE 4,65%...7 4 RETENÇÃO DO ISS NA FONTE...8 ORIENTAÇÃO SOBRE AS RETENÇÕES EM NOTAS FISCAIS E PAGAMENTOS 2014 INSS IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PIS COFINS CSLL ISS - AUTÔNOMOS SUMÁRIO 1 - RETENÇÃO DE INSS NA FONTE 11%...3 2 RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS Art. 647. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de um e meio por cento,

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund.

TABELA DE SERVIÇOS SUJEITOS AO IR FONTE - PESSOA JURIDICA. Tipos de Serviços Prestados por Pessoa Juridica Incidência do IR Fonte Fund. Administração de bens ou negocios em geral art. 647 RIR/1999 Advocacia art. 647 RIR/1999 Aluguel do movel ou imovel entre pessoas juridicas art. 647 RIR/1999 Ambulatorio art. 647 RIR/1999 Analise clinica

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 315 - Data 7 de novembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMPREITADA. FORMA DE CONTRATAÇÃO.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA AUDITORIA-GERAL DO ESTADO COORD. DE PROCEDIMENTOS E CAPACITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Elaboração:

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS SERVIÇOS DE CONTROLE DE VETORES

Leia mais

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor

RETENÇÃO NA FONTE. IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor RETENÇÃO NA FONTE IMPOSTO DE RENDA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PIS/PASEP e COFINS INSS ISS INSTRUTOR: VALMIR DE BRITO Redator e consultor. 1 RETENÇÃO NA FONTE FATO GERADOR O imposto de renda na fonte tem como

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

Veja como Evitar a Retenção de Contribuição Previdenciária sobre a Nota Fiscal de Serviço

Veja como Evitar a Retenção de Contribuição Previdenciária sobre a Nota Fiscal de Serviço Matéria Cenofisco Veja como Evitar a Retenção de Contribuição Previdenciária sobre a Nota Fiscal de Serviço A Lei nº 8.212/91 estabelecia no art. 31 que, o contratante de quaisquer serviços executados

Leia mais

MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS

MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS MANUAL REFERENTE RETENÇÃO DE TRIBUTOS MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Prezado Senhor Este é um manual que tem por finalidade ajudar ao funcionário na correta aplicação da legislação municipal

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 13 12 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 18 - Data 16 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL Serviços de coleta de resíduos não-perigosos. Enquadramento.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 186 - Cosit Data 29 de julho de 2015 Processo *************** Interessado *************** CNPJ/CPF *************** ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais administradas pela Secretaria da Receita Previdenciária

Leia mais

GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO DE TRIBUTOS NA FONTE IMPOSTO RENDA PIS/COFINS/CSLL INSS AUTONOMO/PESSOA FISICA

GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO DE TRIBUTOS NA FONTE IMPOSTO RENDA PIS/COFINS/CSLL INSS AUTONOMO/PESSOA FISICA GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO DE TRIBUTOS NA FONTE IMPOSTO RENDA PIS/COFINS/CSLL INSS AUTONOMO/PESSOA FISICA RETENÇÃO NA FONTE CONCEITO Considerações: Assim como um condutor de um veiculo tem por obrigação

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 Programa Retenções na Fonte ISSQN, IRRF, - Fato Gerador; - Tipos de Serviços; - Responsável Tributário; - Apuração

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 43/2014 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE IMPORTÂNCIAS PAGAS OU CREDITADAS PELAS PESSOAS JURÍDICAS A COOPERATIVAS DE TRABALHO... Pág. 608

Leia mais

OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR.

OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR. OBRIGAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS DO TERCEIRO SETOR. Roberto Rodrigues de Morais Elaborado em 01/2008. 1. Iniciando mais um ano-calendário deparamos com as tarefas relacionadas ao encerramento no exercício

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 6 - Data 6 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF IRPJ. RETENÇÃO NA FONTE.

Leia mais

TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO

TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO TRIBUTOS FEDERAIS: IRPJ, CSLL, COFINS E PIS - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS - RETENÇÃO NA FONTE - ROTEIRO Sumário Introdução I - Abrangência da obrigatoriedade I.1 - Imposto de Renda I.2 - Contribuições

Leia mais

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I.

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I. 1 CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 A partir de Fevereiro/2004 as empresas de serviços

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia

Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Receita Federal do Brasil Delegacia da Receita Federal do Brasil de Goiânia Imposto de Renda Retido na Fonte Apresentação: Josemar Pereira da Silva AFRFB Mauro Alves Gomes - AFRFB Palestra proferida a

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção INSS por Contribuinte Individual 12/05/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009... 4 3.2 Exemplo

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ

INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ INSS - APLICAÇÃO DE RETENÇÃO NA FONTE PJ As Pessoas Jurídicas que adquirirem serviços de terceiros conforme IN RFB 971/2009 deverão estar aplicando retenção na fonte, referente ao INSS conforme verão no

Leia mais

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Edicarlos Lima Silva Auditor Público Externo Consultor de Estudos e Normas CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivo -

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta os dispositivos da Lei Complementar nº002, de 28 de dezembro de 2001 - Código Tributário Municipal, dispondo sobre a Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS OUTUBRO / 2015 RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS ISS PIS / COFINS CSLL / IRRF IRF OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DEFINIÇÕES BÁSICAS Quem é contribuinte do imposto: É sempre o que pratica o fato gerador.

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006

PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 PARECER SOBRE O ENQUADRAMENTO DAS EMPRESAS DE CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO ANEXO III OU IV DA LEI COMPLEMENTAR N. 123/2006 Apesar do quanto informado pela Receita Federal no link "Perguntas e Respostas",

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 255 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. EMPRESAS

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE MANUAL DE INSTRUÇÃO FDE/DRA Nº 002/2016: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2016 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 25 1) APRESENTAÇÃO

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial TERCEIRO SETOR TEM VÁRIAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS *Por Roberto Rodrigues de Morais, Artigo elaborado

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 259 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS RETENÇÃO. SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO,

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 285 - Data 14 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS RETENÇÃO. SERVIÇOS DE ELABORAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS - SEFIN COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL - CRE ESCLARECIMENTOS SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE. MAIO 2012 APRESENTAÇÃO A Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA 1- Examinamos os Balanços Patrimoniais

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS Compensação de Títulos com 04/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 A Compensação como Forma de Extinção da Obrigação...

Leia mais

Manual prático de retenção na fonte

Manual prático de retenção na fonte Manual prático de retenção na fonte imposto de renda, CIDE, csll, pis/cofins, inss e iss Manual pratico de retencao.indd 1 3/6/2009 12:41:22 Manual pratico de retencao.indd 2 3/6/2009 12:41:22 Manual prático

Leia mais

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos.

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos. GUARDA DE DOCUMENTOS E LIVROS Prazos de Prescrição 1. Introdução Com a chegada do novo ano, as empresas têm a necessidade de guardar os documentos fiscais de períodos anteriores e com eles vêm dúvidas

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

CARTILHA DE RETENÇÕES NA FONTE - FEDERAIS

CARTILHA DE RETENÇÕES NA FONTE - FEDERAIS CARTILHA DE RETENÇÕES NA FONTE - FEDERAIS 1) RETENÇÕES PARA PAGAMENTOS A PESSOAS JURÍDICAS A) INSS - PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ATRAVÉS DE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA E EMPREITADA - RETENÇÃO DE 11% A empresa contratante

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 59 - Data 30 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF PLANOS DE SAÚDE. MODALIDADE

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF

- GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - GUIA DO EMPRESÁRIO RETENÇÃO NA FONTE IRRF - PARTE 1 - IRRF IMPOSTOS DE RENDA RETIDO NA FONTE O imposto de renda retido na fonte é um mecanismo criado pelo governo que obtetiva o seguinte: - maior controle

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA 1º PASSO Certificado Digital ou Senha Web? Existem duas formas de acessar o sistema para a emissão da NFS-e, uma com o Certificado Digital e a outra pela Senha

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS NA FONTE

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS NA FONTE ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS NA FONTE INTRODUÇÃO: A legislação tributária vem transferindo às empresas, cada vez mais, o dever de, além de procederem ao recolhimento dos tributos dos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais

Pergunte à CPA. ISS Regras Gerais 05/08/2014 Pergunte à CPA ISS Regras Gerais Apresentação: Samyr Henrique Muniz Qbar ISS Legislação básica Art. 156, III da C.F./88 Lei Complementar 116/2003 (lista de serviços) Lei Ordinária de cada município

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES CONCEITOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA Colocação à disposição da contratante Em suas dependências ou nas de terceiros indicadas

Leia mais

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT Fl. 11 Fls. 1 nfls txtfls Solução de Consulta Interna nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO 27 Data 13 de setembro de 2013 Origem SRRF06/DISIT

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM FINANÇAS E GESTÃO CORPORATIVAINSTITUTO A VEZ DO MESTRE COMO SABER EM QUE MOMENTO PODE ATRIBUIR À RETENÇÃO NA FONTE DOS IMPOSTOS SOBRE AS NOTAS FISCAIS

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 35 - Data 29 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO ELÉTRICA. TRIBUTAÇÃO. ANEXO

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB

SUMÁRIO. 5- Certificação Digital e Procuração para a RFB 2 SUMÁRIO I- INTRODUÇÃO II- BREVE HISTÓRICO III- PRINCIPAIS ASPECTOS LEGAIS ( IN 1177/11) 1- Obrigatoriedade da apresentação 2- Dispensa da Apresentação 3- Forma e lugar da apresentação 4- Prazo de entrega

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SRF INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 539 DE 25 /04 /2005 Altera a Instrução Normativa SRF nº 480, de 15 de dezembro de 2004, que dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE. Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015

TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE. Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015 TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE Professora : Maria Inês Oliveira sigestaotreinamento@yahoo.com.br Mar 2015 TRIBUTOS RETIDOS NA FONTE Módulo I Retenção IRRF, PIS,COFINS e CSLL Serviços Prestados por Pessoa Jurídica

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 36 - Data 4 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO HIDRÁULICA, ELÉTRICA, SANITÁRIA, DE GÁS

Leia mais

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE

ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE INSTRUÇÃO FDE / DRA Nº 002/2011: ROTEIRO PARA RETENÇÃO DE IMPOSTOS NA FONTE 2011 (Destinado a Associações de Pais e Mestres - APMs de Escolas Estaduais de São Paulo) Página 1 de 22 1) APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais