1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos"

Transcrição

1 Monitorização e Gestão do Servidor de Índice 1. Monitorização Principais pontos críticos Factores directos Factores indirectos Outras características Gestão Actuação sobre alguns dos pontos críticos Gestão das configurações Eventos e notificações Tipos de eventos Notificações...6 Referências Neste documento pretende-se analisar os passos necessários para fazer a monitorização e a gestão dos servidores de . Numa primeira parte é feita a apresentação das características a monitorizar e o modo como esta será efectuada. Na segunda parte são apresentadas algumas operações de gestão que podem ser realizadas no sentido de actuar sobre os principais pontos críticos. Por fim, na terceira parte são descritos os vários tipos de eventos e as notificações que podem ocorrer. 1. Monitorização 1.1 Principais pontos críticos Um servidor de deve satisfazer todos os seus requisitos funcionais, de modo a garantir os requisitos não funcionais e minimizar os pontos críticos que interferem no seu bom funcionamento. Na figura seguinte estão presentes alguns dos principais pontos críticos que se podem identificar no modelo de servidor de anteriormente proposto. servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 1 de 7

2 Podemos classificar estes pontos críticos como factores directos e indirectos do desempenho: Factores directos São aqueles que têm origem no servidor de , isto é, por todos estes pontos o servidor é responsável pelos mesmos. Factores indirectos Estes são aqueles em que o servidor de não tem controlo sobre os mesmos. Normalmente relacionados com o Sistema Operativo Factores directos Filas de espera As filas vão garantir alguns dos requisitos não funcionais como a fiabilidade, desempenho, robustez, etc. O escalonamento das mensagens é em parte influenciado pelo funcionamento e o estado das filas. Criação de novos processos Por exemplo para o atendimento de novos s. Pode-se determinar se o servidor está congestionado. Normalmente, os servidores têm um limite de criação de novos processos. Capacidade de resposta Aqui tem-se em atenção o tempo de resposta do servidor, que está relacionado com o desempenho e a robustez do servidor. Configurações de funcionamento As configurações, por exemplo podem ser: as permissões de acesso aos recursos do servidor, as configurações dos vários filtros, as contas dos aliseses, etc. Caixas de Depende do formato das caixas de (mbox, maildir ou outro formato). Contas virtuais Contas que são criadas e mantidas pelo servidor de . Deve-se monitorizar: O estado das filas. A capacidade das filas. Taxa de entrada e saída das mensagens. Estado dos processos. Número de processos activos. Número de sub-processos. Tempo de execução dos processos. Tempo de resposta Atraso introduzido pelo processamento. Existência das configurações (ficheiros ou outro suporte). Comunicação entre essas mesmas configurações. Tipo de caixas de . A capacidade das caixas de e os resultados da escrita/leitura dos s. O número total destas contas. Erros ocorridos na entrega de mensagens a estas contas. Actualização do envelope Verificar se o processo responsável pela actualização do envelope o faz correctamente. Procedimentos a efectuar: Verificação do número de mensagens em cada fila. Verificar o limite máximo de cada fila. Medição do número de mensagens presentes num determinado período de tempo. Verificar o estado do processo em questão. Verificar quais é que têm o estado activo. Verificar os sub-processos associados ao processo principal. Medição do tempo de execução. Envio de s de testes e o seu retorno. Para quantificar, pode-se fazer a diferença entre o tempo de entrada e o tempo de saída do servidor. Verificar se a configuração se encontra a localização correcta. Deve-se verificar se comunicação ao recurso em questão é feita correctamente. Consultar o log para verificar os acessos não autorizados. Verificar qual o tipo de caixa utilizado por um servidor. Verificar o espaço em termos de capacidade disponibilizado para as caixas de . A ocorrência de erros no seu acesso pode ser consulta nos logs de registo. Consulta do número de utilizadores com este tipo de contas. Os erros podem-se verificar pela consulta dos logs. Essencialmente, pela consulta dos registos no log. servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 2 de 7

3 1.1.2 Factores indirectos Processos externos Todos os processos que poderão interagir com o servidor de , como por exemplo filtros de spam. Alguns processos que não se tem o conhecimento de seu estado, podem ser utilizados para possíveis acessos não autorizado ao sistema. Partilha de recursos É necessário ter em atenção alguns dos recursos partilhados por parte dos processos, para evitar problemas de concorrência no seu acesso. Em principio o Sistema Operativo deve ser capaz de efectuar o escalonamento de recursos partilhados. Recursos externos Em caso de recorrer a recursos externos, estes também devem ser monitorizados, de modo a verificar que estes estão a responder correctamente aos pedidos do servidor de . Por recursos externos entende-se que são recursos como a base de dados, o servidor de DNS, o servidor LDAP, o servidor de consulta das Listas Negras, etc. Interfaces de rede As interfaces de rede devem ser monitorizados, pois estas permitem a ligação com a rede, tanto à intranet como à Internet Deve-se monitorizar: O estado e as permissões de execução dos processos. Número de processos activos. Tempo de execução dos processos. A utilização dos recursos partilhados. Deve-se monitorizar alguns de recursos disponibilizados por terceiros, ou pelo menos verificar que existe a conectividade entre estes. Estado da interface de rede. Procedimentos a efectuar: Verificar no Sistemas Operativo, o estado e as permissões de execução dos processos em questão. Verificar quais é que têm o estado activo. Medição do tempo de execução. Caso existam erros no acesso aos recursos partilhados, deve-se gerar uma notificação para a estação de gestão. Verificação da disponibilidade do recurso. Verificação da conectividade com o recurso. Verificar o estado da interface de rede. Rede exterior Ligação à Internet. Verificação do estado da interface de rede, e por efectuar pings aos hosts de serviços externos. Contas de sistema Contas que são criadas e mantidas pelo Sistema Operativo. Outro tipo de transporte O número total destas contas. Erros ocorridos na entrega de mensagens a estas contas. Caso exista outros tipos de transportes ou interfaces de entrega, deve-se também proceder à monitorização da comunicação entre ambas as partes. Consulta do número de utilizadores com este tipo de contas. Os erros podem-se verificar pela consulta dos logs. Essencialmente pela verificação de disponibilidade do serviço, por exemplo pode ser verificado com um simples ping ou outro tipo de mecanismo semelhante. servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 3 de 7

4 1.3 Outras características Monitorização dos vários serviços normalmente monitorizadas nos equipamentos de rede, como por exemplo: Tráfego; Tempo de serviço; Ligações; Taxas de transferência na rede; Utilização da memória; etc... Monitorizar todos os dados necessários para gerar informações estatísticas, como por exemplo: Número de mensagens em cada fila de espera; Número de mensagens envidas/recebidas; Número de mensagens que não foram enviadas/recebidas com sucesso; Número de mensagens em que o teste do filtro anti-spam foi positivo; Número de clientes com ligações activas. etc... Funcionamento do servidor - Periodicamente verificar o seu funcionamento e os erros gerados pelos protocolos. Domínios e servidores autorizados. Autenticação do remetente. Verificação do tipo de servidor, por exemplo se é open-relay. servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 4 de 7

5 2. Gestão A monitorização permite ter uma visão do funcionamento do sistema. Por sua vez, a recolha dos dados permite gerar informações estatísticas que podem ser utilizadas para realizar a optimização do sistema que é conseguida pela gestão do servidor de Actuação sobre alguns dos pontos críticos Filas de espera, por exemplo a possibilidade de alteração das mensagens de uma fila para a outra. Bem como a actuação sobre o escalonamento. Mudança do estado do servidor: Activo/Desactivo. Controlo sobre o estado dos principais processos. As configurações dos vários tipos de filtros. Algumas das configurações no protocolo, como por exemplo: mudar o porto para outro valor. Existem muitas operações que se podem efectuar na filas de espera, como: Listagem das mensagens; Eliminar mensagens; Retirar a mensagem da fila; Recolocar a mensagem na fila; Mostrar a mensagem; Nova tentativa de envio das mensagens na fila (flushing). 2.2 Gestão das configurações O objectivo aqui é poder fazer alterações das configurações que são fundamentais no funcionamento do servidor de . Como por exemplo: O tipo de caixa de . Os domínios autorizados a utilizar os recursos. Capacidade das filas de espera. Definir novos ou alterar os aliases.(? não sei se é fácil, por snmp?)... servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 5 de 7

6 3. Eventos e notificações Normalmente os servidores de mail têm os seus logs de registo divididos por tipos de eventos. O objectivo consiste em monitorizar esses eventos e gerar notificações para determinados tipos de eventos. 3.1 Tipos de eventos Os tipos de eventos referem-se geralmente à gravidade da ocorrência [3] [4]: Tipo Critico (Critical) Erro (Error) Aviso (Warning) Informação (Info) Depuração (Debug) Um tipo de evento muito grave, que compromete o desempenho e que afecta todos os utilizadores do sistema. Por exemplo interface de rede que não esta activa, ou quando não existe conectividade com a base de dados. Normalmente, estes eventos afectam apenas alguns utilizadores. O servidor de continua a funcionar mas baixa o seu QoS. Eventos que não afectam directamente o funcionamento do servidor de . Por exemplo: falha na autenticação de um utilizador. Estes eventos estão relacionados com as transacções e o estado de alguns processos. Por exemplo, evento do tipo: utilizador X acabou de se autenticar. Eventos que podem ser importantes para depuração de problemas. 3.2 Notificações O agente deve gerar mensagens TRAP em caso de ocorrência de eventos do tipo Critico. Podendo eventualmente, gerar também em alguns casos do tipo Erro. Deve-se definir o tipo de informações a enviar juntamente com as notificações, devendo esta informação ser relevante para se identificar o problema. Também se geram notificações quando determinados valores que são monitorizados atingem um limite definido. Como por exemplo: quando uma fila de espera atinge um determinado número de mensagens. servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 6 de 7

7 Referências [1] Kyle Dent. Postfix: The Definitive Guide. O Reilly Media, Inc., 1st edition, December [2] Postfix Web Page. [3] zimbra [4] Microsoft Exchange Server 2003 Administrator's Companion servidor_ _monitorizacao_v4.odt Página 7 de 7

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização

aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização aplicação arquivo Condições Gerais de Utilização Manual das condições gerais que regulam a utilização dos serviços disponibilizados pela aplicação Arquivo, plataforma de gestão de informação, do Municipio

Leia mais

Controlo parental AVISO PARA OS PAIS. Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. Defina o controlo parental no sistema PlayStation

Controlo parental AVISO PARA OS PAIS. Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. Defina o controlo parental no sistema PlayStation Controlo parental AVISO PARA OS PAIS Defina o controlo parental no sistema Vita antes de permitir que os seus filhos joguem. 4-419-422-01(1) O sistema Vita oferece funções para ajudar os pais e tutores

Leia mais

Software PHC com MapPoint 2007

Software PHC com MapPoint 2007 Software PHC com MapPoint 2007 Descritivo completo A integração entre o Software PHC e o Microsoft MapPoint permite a análise de informação geográfica (mapas, rotas e análise de dispersão), baseada em

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS Está disponível a partir da versão 2014.73 do XD Rest/Pos/Disco um novo formato no instalador em ambientes Microsoft Windows. O instalador passa a

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2009/2010. Sites dinâmicos. Com Expression Web TI2009/10 EWD_1. Filipa Pires da Silva (2009)

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2009/2010. Sites dinâmicos. Com Expression Web TI2009/10 EWD_1. Filipa Pires da Silva (2009) Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/2010 Sites dinâmicos Com Expression Web TI2009/10 EWD_1 .ASPX vs.html HTML: HTML é uma linguagem para descrever páginas web HTML significa Hyper Text

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4)

Gestão de Actas Escolares. Manual Utilizador. (Versão 4) inovar TI Gestão de Actas Escolares Manual Utilizador (Versão 4) ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 FUNCIONALIDADES DO UTILACTAS... 3 1.ENTRAR NO PROGRAMA... 4 2.CONVOCAR UMA REUNIÃO... 5 2.1. CRIAR... 5 2.2. EDITAR...

Leia mais

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos...

Formas de Pagamento Resumida... 34 Vendas Vendedor... 34 Vendas Vendedor Resumido... 35 Vendas Vendedor Caixa... 35 Vendas por Artigos... Manual POS Conteúdo Configuração no Servidor... 3 Gestão de Stocks... 3 Manutenção de Artigos... 3 Gestão de Clientes... 4 Gestão de Fornecedores... 5 Sistema POS... 6 Manutenção de Series de Armazéns...

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Dicas de Segurança sobre Virus

Dicas de Segurança sobre Virus Dicas de Segurança sobre Virus Utilize uma boa aplicação antivírus e actualizea regularmente Comprove que o seu programa antivírus possui os seguintes serviços: suporte técnico, resposta de emergência

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Manual do Usuário Módulo Controle de Qualidade Analítico Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Manual do Usuário Módulo Laboratório Manual de Operação_Módulo Laboratório_Controle

Leia mais

I - Política de Privacidade e Segurança II - Direitos de Autor III - Termos e Condições de Utilização. Política de Privacidade e Segurança

I - Política de Privacidade e Segurança II - Direitos de Autor III - Termos e Condições de Utilização. Política de Privacidade e Segurança I - Política de Privacidade e Segurança II - Direitos de Autor III - Termos e Condições de Utilização 1 / 6 I - POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SEGURANÇA Declaração de Privacidade As "Termas das Caldas de Aregos",

Leia mais

Implementação de um serviço de correio eletrônico na Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente SQUIRELMAIL e POSTFIX em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de correio eletrônico na Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente SQUIRELMAIL e POSTFIX em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes e Projeto de Redes Implementação de um

Leia mais

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas ,QVWDODomR 5HTXLVLWRV0tQLPRV Para a instalação do software 0RQLWXV, é necessário: - Processador 333 MHz ou superior (700 MHz Recomendado); - 128 MB ou mais de Memória RAM; - 150 MB de espaço disponível

Leia mais

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação I 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores Introdução FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR Modelo de um Sistema de Comunicação» Fonte gera a informação (dados) a transmitir» Emissor converte os dados

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

4. Análise de Tarefas

4. Análise de Tarefas Interacção com o Utilizador 4. Análise de Tarefas Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Identificar necessidades e problemas dos utilizadores Avaliar solução Conceber uma solução Prototipar

Leia mais

Manual Instalação Web Services Client Web.NewHotel

Manual Instalação Web Services Client Web.NewHotel Web.NewHotel Versão: 2008-07-10 Rev. 2008-12-04 Versão de WSServer: 2008.10.27.0 Versão de WSClient: 2008.11.03.0 Versão de NewHotel: 2008.09.13 Av. Almirante Gago Coutinho, 70 1700-031 Lisboa PORTUGAL

Leia mais

e Autorizador Odontológico

e Autorizador Odontológico 1 CONTROLE DE DOCUMENTO Revisor Versão Data Publicação Diego Ortiz Costa 1.0 08/08/2010 Diego Ortiz Costa 1.1 09/06/2011 Diego Ortiz Costa 1.2 07/07/2011 2 Sumário CONTROLE DE DOCUMENTO... 2 1. Informações

Leia mais

O que é uma rede social virtual?

O que é uma rede social virtual? O que é uma rede social virtual? Uma rede social virtual é, portanto, o reflexo da necessidade de comunicar, aplicado às redes Web. É através de páginas pessoais ou de blogues que o sujeito se apresenta

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental

PROCEDIMENTO GERAL Gestão documental Página 1 de 6 I ÂMBITO Abrange o ciclo de vida dos documentos desde a sua entrada/criação na ESEP, até ao fim do seu ciclo de vida na ESEP, incluindo o controlo dos documentos e os registos da qualidade

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Manual Mobuss Construção - Móvel

Manual Mobuss Construção - Móvel Manual Mobuss Construção - Móvel VISTORIA & ENTREGA - MÓVEL Versão 1.0 Data 22/04/2014 Mobuss Construção - Vistoria & Entrega Documento: v1.0 Blumenau SC 2 Histórico de Revisão Versão Data Descrição 1.0

Leia mais

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP

Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Sistema de Recuperação da Senha nos Sistemas Informáticos da FEUP Unidade de Sistemas de Informação Centro de Informática Prof. Correia de Araújo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Índice

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 17/01/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador

ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Manual do Utilizador ACESSO HABITAÇÃO MUNICIPAL Candidatura online Advertências e Indicações Antes das candidaturas serem formalizadas os candidatos deverão: Confirmar se reúnem as condições de acesso ao abrigo do Artigo 5º

Leia mais

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Orientações de Utilização do Sefaz Virtual Ambiente Nacional para as Empresas Versão 1.0 Fevereiro 2008 1 Sumário: 1. Introdução... 3 2. O que é o Sefaz Virtual... 4 3. Benefícios

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0)

Manual do Fénix. Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Manual do Fénix Gestão da ficha de unidade curricular (Portal de coordenador de ECTS) DSI 28-01-2010 (Versão 1.0) Este manual tem como objectivo auxiliar a tarefa de gestão de versões da ficha de unidade

Leia mais

PROBLEMAS NO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES DO CADE (SEI)

PROBLEMAS NO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES DO CADE (SEI) PROBLEMAS NO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES DO CADE (SEI) Agenda 1) SEI Apresentação SEI: Introdução sobre funcionamento do 2) Problemas acompanhamento SEI: Dificuldades encontradas para realizar acompanhamentos

Leia mais

Acidentes de origem eléctrica em Portugal

Acidentes de origem eléctrica em Portugal 0. Introdução Este relatório é o resultado do registo dos acidentes e incidentes de origem eléctrica que foram noticiados pela imprensa nos serviços online a nível nacional no ano de 2011, à imagem dos

Leia mais

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo

Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Descritivo completo Suporte 2008 Rentabilize a sua assistência pós-venda e, em simultâneo, surpreenda os seus clientes com o seu profissionalismo Benefícios Help-desk e suporte pósvenda controlados; Integrado

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

J.I.T. - Just In Time

J.I.T. - Just In Time Publicação Nº 1-2 Dezembro 2009 J.I.T. - Just In Time PONTOS DE INTERESSE: Vantagens e desvantagens 5 S SMED Kanban Just In Time (JIT) é uma filosofia Global de produção, com origem oriental, que consiste

Leia mais

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS

MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS APÊNDICE 2 MODELO DE DECLARAÇÃO DE RECEITAS E DESPESAS (nota de primeira página) Projecto n :... Título do projecto:...... Nome completo do Beneficiário:... Morada:...... Formulário financeiro apresentado

Leia mais

Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados

Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados Perguntas e respostas sobre os serviços móveis de dados (As seguintes informações são só para referência, em caso de dúvida consulte a operadora.) 1. Como se podem utilizar os serviços móveis de dados?

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO DEPARTAMENTO TECNICO OUTSOURCING Rua da Eira, nº18 Letra I e J Algés de Cima 1495-050 Algés Portugal Tel.:

Leia mais

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla

Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Instalação de Carta de Correção Eletrônica Spalla Introdução A Carta de Correção Eletrônica(CC-e) é um evento legal e tem por objetivo corrigir algumas informações da NF-e, desde que o erro não esteja

Leia mais

Impressora Latex série 300. Garantia limitada

Impressora Latex série 300. Garantia limitada Impressora Latex série 300 Garantia limitada 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 Avisos legais As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Guia para consulta rápida

Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Guia para consulta rápida Anabela Viegas, Recursos Humanos Portal de Gestão Documental do Colaborador Slide 1 Agenda Portal de Gestão Documental do Colaborador Introdução Como aceder à plataforma? Como sair da plataforma? Problemas

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD

CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD CONTRATO DE LICENÇA DO UTILIZADOR PARA PRODUTOS DE SOFTWARE DA STONERIDGE ELECTRONICS LTD AO OBTER UM CÓDIGO DE ACTIVAÇÃO E AO INTRODUZIR O MESMO PARA ACTIVAR A LICENÇA DO PROGRAMA DE SOFTWARE E AO INSTALAR

Leia mais

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS DO LABORATÓRIO AS DECISÕES SOBRE O LABORATÓRIO COMEÇAM COM A INTELIGÊNCIA

Leia mais

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira.

Os passos a seguir servirão de guia para utilização da funcionalidade Acordo Financeiro do TOTVS Gestão Financeira. Acordo Financeiro Produto : RM - Totvs Gestão Financeira 12.1.1 Processo : Acordo Financeiro Subprocesso : Template de Acordo Controle de Alçada Negociação Online Data da publicação : 29 / 10 / 2012 Os

Leia mais

Procedimento Gestão Documental

Procedimento Gestão Documental APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Elaborado por Função Nome e Assinatura Data André Duarte Aprovado por ADM Luis Brito REGISTO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Página Alterada Motivo 1 25/08/2008 Todas Redacção Inicial

Leia mais

Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça. SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça

Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça. SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça SIEJ Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça Estatísticas da Justiça A DGPJ é o serviço do Ministério da Justiça responsável pela informação

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS A. PROCEDIMENTOS 1. O que é um Plano Municipal de Emergência (PME)? Um plano municipal de emergência de protecção civil é um documento formal que define

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) PLANIFICAÇÃO ANUAL 8º ANO ANO LETIVO 2013/2014 Previsão de aulas 8º B Aulas previstas 33 1º Período 14 2º Período 12 3º Período 7 Planificação anual resumida

Leia mais

WEBDESK SURFLOG. http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1

WEBDESK SURFLOG. http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1 http://webdesk.surflog.com.br MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 2.0.1 SUMÁRIO Introdução... 3 O Webdesk Surflog... 4 Acessando o Webdesk... 5 Funções do Webdesk... 7 Envio de avisos por e-mail pelo Webdesk... 8

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para

Leia mais

Servidores de impressão HP Jetdirect

Servidores de impressão HP Jetdirect Servidores de impressão HP Jetdirect Adendo ao Guia do administrador - Servidor de impressão de solução USB do HP Jetdirect 2700w (J8026A) Visão geral... 2 Comandos e parâmetros Telnet... 2 Servidor da

Leia mais

atualização gratuita *para clientes Solutio com contrato de manutenção ativo.

atualização gratuita *para clientes Solutio com contrato de manutenção ativo. novidades da versão 2.2 Obrigações fiscais 2013 o Comunicação das faturas para a AT através do Serviço Online Ficheiros do processo o Atualizadas as designações dos tipos de ficheiro o Acrescentadas as

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições Câmara Técnica 3ª reunião PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES Entidades que enviaram contribuições

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS Objectivo Instruções para a constituição do ficheiro, em suporte informático, para

Leia mais

FORMAÇÃO WORDPRESS. Desenvolvimento de sites com a plataforma Wordpress. Abel Soares abelbarbosasoares@gmail.com

FORMAÇÃO WORDPRESS. Desenvolvimento de sites com a plataforma Wordpress. Abel Soares abelbarbosasoares@gmail.com FORMAÇÃO Desenvolvimento de sites com a plataforma Wordpress Abel Soares abelbarbosasoares@gmail.com O QUE É O Sistema de gestão de conteúdos que lhe permite criar e manter, de maneira simples e robusta,

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da. Secretaria Municipal de Saúde do. Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa Bolsa Família Manual de Operação Conteúdo Sumário...

Leia mais

Solicitação de Autorização Intercâmbio

Solicitação de Autorização Intercâmbio Solicitação de Autorização Intercâmbio Passo a Passo - EQAT AGOSTO/2010 Por: Daniel Toledo 1 PARTE 1 PORTAL UNIMED... 4 1. ACESSO AO SITE... 4 2. SOLICITAÇÃO INTERCÂMBIO NACIONAL E ESTADUAL (EXCETO 0976

Leia mais

REGULAMENTO. Campanha Pré-Compra do Galaxy S7 edge S7. 1. Definições

REGULAMENTO. Campanha Pré-Compra do Galaxy S7 edge S7. 1. Definições REGULAMENTO Campanha Pré-Compra do Galaxy S7 edge S7 1. Definições 1.1. Campanha : Iniciativa da Promotora sob a denominação Pré-Compra do Galaxy S7 edge S7 que visa promover os Smartphones Samsung Galaxy

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA INFORMÁTICA ICA 7-5 USO DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES INTERNET NO COMANDO DA AERONÁUTICA 27 DEZ 2001 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA INFORMÁTICA ICA 7-5 USO

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Ao ligar, o equipamento solicita o teste do alto falante SEGURANÇA. Esta é a tela em que você tem a opção de apagar a programação existente, que

Ao ligar, o equipamento solicita o teste do alto falante SEGURANÇA. Esta é a tela em que você tem a opção de apagar a programação existente, que G U I A Colleague Ao ligar, o equipamento solicita o teste do alto falante SEGURANÇA. Esta é a tela em que você tem a opção de apagar a programação existente, que permanece na memória do equipamento por

Leia mais

Configuração de acesso à rede sem fios (wireless) eduroam

Configuração de acesso à rede sem fios (wireless) eduroam CICUA Configuração de acesso à rede sem fios (wireless) eduroam 1. Requisitos Este manual é aplicável com os sistemas e/ou aplicações: Microsoft Windows XP, SP2, português (PT); Placa de rede sem fios

Leia mais

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento Manual de Utilizador Front-Office Aviso de Propriedade e Confidencialidade Este documento é propriedade do INFARMED, I.P., e toda a informação nele incluído

Leia mais

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO!

FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! FAÇA UMA GESTÃO SIMPLES E EFICAZ DO SEU NEGÓCIO! PERSONALIZAÇÃO DA ESTRUTURA DE EQUIPAMENTOS ACOMPANHAMENTO DA OBRA A.T. AGENDAMENTO DE MANUTENÇÃO WIZARD CONTROLE DE A.T POR CONTRATO CONTROLE DE MANUTENÇÃO

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

(4) Não efetuamos alterações nem adaptações de qualquer natureza no software visando adaptar ao uso específico dos usuários.

(4) Não efetuamos alterações nem adaptações de qualquer natureza no software visando adaptar ao uso específico dos usuários. LEIA COM ATENÇÃO: (1) Os TERMOS DE USO dos SOFTWARES disponibilizados no SITE, são regidos pelo CONTRATO DE ADESÃO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE, exibido abaixo. Caso não aceite os termos de uso, não utilize

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

Objetivo do Portal da Gestão Escolar

Objetivo do Portal da Gestão Escolar Antes de Iniciar Ambiente de Produção: É o sistema que contem os dados reais e atuais, é nele que se trabalha no dia a dia. Neste ambiente deve-se evitar fazer testes e alterações de dados sem a certeza

Leia mais

Como aplicar permissões aos utilizadores?

Como aplicar permissões aos utilizadores? Como aplicar permissões aos utilizadores? O gestor do ego tem a possibilidade de autorizar ou restringir os acessos de cada utilizador aos vários campos da aplicação.... As permissões podem ser atribuídas

Leia mais

Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos

Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos Page 1 of 16 145806 Módulo: M_CONFIRMA_AGENDAMENTO - Confirmação dos Agendamentos PDA 145806: Aumento do Campo "Telefone". SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Aumentar o campo "Telefone" nas telas de agendamento, para

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Termos e Condições. Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung.

Termos e Condições. Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung. Termos e Condições Bem-vindo ao site de Internet da Telemedia - Promoção 20% - que disponibiliza descontos em equipamentos de televisão Samsung. 1. Condições Gerais 1.1 A utilização do site: http://www.campanha.telemediaportugal.com,

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito Este documento tem o objetivo de orientar a navegação pelo ambiente restrito do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Web. Aqui

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção

Certificação do Controlo da Produção Certificação do Controlo da Produção 1. Sistema de controlo da produção Eng.º João Carlos Duarte Chefe de Serviços de Normalização APEB O Decreto-Lei n.º 301/2007, de 23 de Agosto, estabelece no seu Artigo

Leia mais

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida

Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Sistema NetConta I - Guia de Referência Rápida Dúvidas ou Sugestões: netconta@polimed.com.br Índice Como entrar no sistema NetConta 1?... 3 1. TRABALHANDO COM UMA REMESSA... 3 1.1.Como criar uma nova remessa?...

Leia mais

Guia - Novo sistema de e-mail corporativo

Guia - Novo sistema de e-mail corporativo Guia - Novo sistema de e-mail corporativo - Acessando o novo cliente E-mail Microsoft Exchange. 1º Passo: Você receberá um e-mail da SEGPLAN, contendo uma senha para o primeiro acesso na conta de e-mail

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO

MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO Relatório de Microprocessadores 2007/2008 Engenharia Física Tecnológica MODULAÇÃO DE UM SINAL ANALÓGICO USANDO UM PWM E UM CIRCUITO RC E AQUISIÇÃO ATRAVÉS DE UM ADC Laboratório IV Trabalho realizado por:

Leia mais

5.2.4 Análise de LCR segundo o tempo. 5.2.5 Regras de marcação LCR

5.2.4 Análise de LCR segundo o tempo. 5.2.5 Regras de marcação LCR Dial-In Control Server (servidor de controlo do acesso telefónico) O sistema selecciona o operador desejado por meio de um prefixo e marca, em seguida, o Dial-In Control Server (DICS). O código de autorização

Leia mais

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto:

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto: Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 8 pontos de entrada digital +24 Vdc isolada e monitorada, é indicado para aplicações onde a situação de linha rompida necessita ser detectada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

ATuLCo. Manual de Instruções. Gestor de Agência de Viagens. ATuLCo Gestor de Agencia de Viagens. Horário Abreu Nr. 53792. António Felgueiras Nr.

ATuLCo. Manual de Instruções. Gestor de Agência de Viagens. ATuLCo Gestor de Agencia de Viagens. Horário Abreu Nr. 53792. António Felgueiras Nr. Manual de Instruções ATuLCo Gestor de Agência de Viagens António Felgueiras Nr. 43481 Horário Abreu Nr. 53792 Ricardo Pinto Nr. 51835 1 Índice O que é o ATuLCo? ------------------------------------- 3

Leia mais

Revisão Diagrama de Caso de Uso. Rodolfo Adamshuk Silva 30/08/2013

Revisão Diagrama de Caso de Uso. Rodolfo Adamshuk Silva 30/08/2013 Revisão Diagrama de Caso de Uso Rodolfo Adamshuk Silva 30/08/2013 Processo Unificado (PU) É um modelo de processo de software baseado no modelo incremental, visando a construção de software orientado a

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas

2 Segmentação de imagens e Componentes conexas Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Departamento Acadêmico de Informática (DAINF) Algoritmos II Professor: Alex Kutzke (alexk@dainf.ct.utfpr.edu.br) Especificação do Primeiro Trabalho Prático

Leia mais

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado. E-learning. 3 de Março de 2007

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado. E-learning. 3 de Março de 2007 VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao Sábado E-learning 3 de Março de 2007 Plataformas de E-learning em contexto educativo Intervenção de José Luís

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Anexo B Especificações do simulador Eduardo Lopes Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade Objetivos Apresentar o simulador de pista com

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:91078-2013:text:pt:html B-Geel: Fornecimento e instalação de uma máquina de cortar, misturar, cozinhar e emulsionar para

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Após vermos uma breve contextualização sobre esquemas para bases dados e aprendermos

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais