UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP QUESTÕES COMENTADAS: PREPARAÇÃO PARA O EXAME DO CRC ELABORADO PELOS ALUNOS DO 8º PERÍODO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADOR DO CURSO: PROFº ROBERNEI LIMA ORIENTADOR: PROFº AILTON COSTA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 2011

2 Este trabalho destina-se a orientar os estudantes de Contabilidade, profissionais em início de carreira, além de novos entrantes no mercado de trabalho, que desejam participar dos exames de suficiência da classe. Este trabalho é uma proposta de orientação didática que aguça o pensar, o refletir e o aprender dos participantes, no qual o resultado contribuirá para além dos horizontes da faculdade.

3 Alunos elaboradores da apostila: Ana Maria B. Pereira Angeline Fátima Silva Emídio Carlos Siqueira Fernanda Paula Silva Duarte Gisele Cristina Maciel Janete Moreira Guska Juliana Naiara de Souza Letícia Sumire Kobayashi Lucas Fernandes Maciel Marina Hilst Ribeiro Natalia Mariane Correa Patrícia de Fátima Consolini Rafael Renno Brogliato Sérgio Henrique S. M. Santos Vanessa Alves Cunha Vivian Elias 8º Período Ciências Contábeis "

4 QUESTÕES

5 1. (Exame de Suficiência CRC) Presume-se que a entidade não tem a intenção nem a necessidade de entrar em liquidação, nem reduzir materialmente a escala das suas operações; se tal intenção ou necessidade existir, as demonstrações contábeis têm que ser preparadas numa base diferente e, nesse caso, tal base deverá ser divulgada. A afirmação acima tem por base o Princípio da: a) Continuidade b) Oportunidade c) Prudência d) Relevância 2. (Exame de Suficiência CRC) Um contabilista, em razão do enquadramento de empresa cliente em regime de tributação simplificado, resolve elaborar a escrituração contábil em regime de caixa. A atitude do contabilista: a) Está em desacordo com os Princípios de Contabilidade e consiste em infração ao disposto no Código de Ética Profissional do Contabilista, qualquer que seja o porte da empresa. b) Está em desacordo com os Princípios de Contabilidade, mas não consiste em infração ao disposto no Código de Ética Profissional do Contabilista, qualquer que seja o porte da empresa. c) Não consiste em infração ao disposto no Código de Ética Profissional do Contabilista e está em conformidade com os Princípios de Contabilidade, caso a empresa em questão seja uma microempresa. d) Não consiste em infração ao disposto no Código de Ética Profissional do Contabilista, mas está em desacordo com os Princípios de Contabilidade, caso a empresa em questão seja uma microempresa. 3. (Exame de Suficiência CRC) Refere-se ao processo de mensuração e apresentação dos componentes patrimoniais para produzir informações íntegras e tempestivas, afirmando que a falta de integridade e tempestividade na produção e na divulgação da informação contábil pode ocasionar a perda de sua relevância. Este enunciado refere-se à aplicação do Princípio: a) Da Competência b) Da Oportunidade c) Da Prudência d) Do Registro pelo Valor Original 4. (Exame de Suficiência CRC) A contabilidade de uma empresa em 31/12/2001 na conta Mercadorias registrava um saldo de R$ ,00 avaliado pelo custo de aquisição, sendo R$ 4.000,00 o valor de mercado. O investimento em mercadorias deverá ser ajustado ao valor de mercado tendo em vista o Princípio Fundamental de Contabilidade: a) Da Continuidade b) Da Entidade c) Da Prudência d) Do Registro pelo Valor Original 5. (Exame de Suficiência CRC) A avaliação dos componentes patrimoniais deve ser feita com base nos valores de entrada, considerando-se como tais os resultantes do consenso com os agentes externos ou da imposição destes. Esta afirmativa refere-se ao: a) Princípio da Atualização Monetária b) Princípio da Continuidade c) Princípio do Registro Pelo Valor Original d) Princípio da Competência 6. (Exame de Suficiência CRC) Considerando os dados abaixo, a alternativa que contém o valor do resultado do exercício de acordo com o Principio da Competência é: 1) Despesas não incorridas e não pagas R$ ,00.

6 2) Receitas ganhas e não recebidas R$ ,00 3) Despesas incorridas e pagas R$ ,00 4) Despesas incorridas e não pagas R$ ,00 5) Receitas recebidas e não ganhas R$ ,00 6) Despesas não incorridas e pagas R$ ,00 7) Receitas ganhas e recebidas R$ ,00 a) R$ ,00 de prejuízo b) R$ ,00 de prejuízo c) R$ ,00 de lucro d) R$ ,00 de lucro 7. (Exame de Suficiência CRC) De acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade, o Princípio da Prudência determina que: a) O registro deve ensejar o reconhecimento universal das variações ocorridas no patrimônio da Entidade, em um período de tempo determinado, base necessária para gerar informações úteis ao processo decisório da gestão. b) A adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior para os do Passivo, sempre que se apresentarem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o patrimônio líquido. c) A continuidade influência o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o valor ou vencimento dos passivos, especialmente quando a extinção da entidade tem prazo determinado, previsto ou previsível. d) A avaliação dos componentes patrimoniais deve ser feita com base nos valores de entrada, considerando-se como tais os resultantes do consenso com os agentes externos ou da imposição destes. 8. (Exame de Suficiência CRC) A respeito dos Princípios de Contabilidade, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. A observância dos Princípios de Contabilidade é obrigatória no exercício da profissão e constitui condição de legitimidade das Normas Brasileiras de Contabilidade. II. Os ativos avaliados pelo seu valor de liquidação baseiam-se no Princípio da Continuidade, pressupondo que a Entidade continuará em operação no futuro. III. A falta de integridade e tempestividade na produção e na divulgação da informação contábil pode ocasionar a perda de sua relevância, por isso é necessário ponderar a relação entre a oportunidade e a confiabilidade da informação. Está (ao) CERTO (S) apenas o (s) item (ns): a) I e II b) I e III c) II d) III 9. (Exame de Suficiência CRC) Uma empresa tem um Custo Fixo mensal pré-determinado no montante de R$ ,00. No mês de julho de 2003 produziu unidades de seu produto, incorrendo em R$ ,00 de Custo Variável. Considerando, alternativamente, uma produção de unidades o Custo Unitário da produção seria de: a) R$ 10,00 b) R$ 11,00 c) R$ 12,33 d) R$ 13, (Exame de Suficiência CRC) O superávit financeiro que permitirá a abertura de créditos suplementares nos termos da lei é apurado em: a) Balanço das Variações Patrimoniais /

7 b) Balanço Financeiro c) Balanço Orçamentário d) Balanço Patrimonial 11. (Exame de Suficiência CRC) O saldo positivo das diferenças acumuladas mês a mês, entre a arrecadação prevista e a realizada, considerando-se ainda a tendência do exercício, entende-se por: a) Excesso de Arrecadação b) Superávit Financeiro c) Ativo Real Líquido d) Superávit Orçamentário 12. (Exame de Suficiência CRC) Recentemente, uma loteadora colocou à venda terrenos de ótima localização para fins residenciais. Uma empresa de grande sucesso, atuante no ramo de indústria têxtil, instalada numa cidade em crescimento, que possui recursos disponíveis por tempo indeterminado, decidiu adquirir dois terrenos no valor de R$ ,00 cada, para fins de auferir rendas através de locação. Tal bem deve ser registrado no: a) Ativo Circulante b) Ativo Realizável a Longo-Prazo c) Ativo Permanente Imobilizado d) Ativo Permanente Investimento 13. (Exame de Suficiência CRC) As receitas e as despesas estão geralmente relacionadas nas empresas com fins lucrativos. Sendo assim, podemos afirmar que: a) A despesa é incorrida no momento em que ocorre o consumo e a receita no momento em que recebemos direitos já provisionados b) A despesa é incorrida no momento em que ocorre o desembolso e a receita é realizada no momento em que se transfere a propriedade do bem c) A receita é realizada no momento em que é transferida a propriedade do bem ou serviço e a despesa é incorrida no momento do consumo d) A receita é realizada por ocasião da transferência da propriedade e a despesa é incorrida no momento da aquisição, independente do pagamento 14. (Exame de Suficiência CRC) De acordo com o Princípio da Competência, as receitas consideram-se realizadas: a) Quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua propriedade para terceiro b) Pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo c) Pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo d) Quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior 15. (Exame de Suficiência CRC) Quanto aos procedimentos de auditoria, marque a alternativa CORRETA: I. A contagem física é um procedimento realizado no caixa, nos estoques e nos bens do imobilizado. II. A confirmação com terceiros é um procedimento utilizado na conta corrente bancária, nos estoques em poder de terceiros, nos empréstimos a pagar e nas contas a receber de clientes. III. A conferência de cálculos é um procedimento efetuado nos estoques, nas despesas antecipadas, nas depreciações de bens do imobilizado e nos juros provisionados. IV. A inspeção de documentos é um procedimento que ocorre nos relatórios de despesas, nas licitações de compras, nos contratos e nos livros sociais. #

8 a) As alternativas I, II, III e IV são verdadeiras, pois todas retratam procedimentos corretos de auditoria. b) As alternativas I, II e IV são verdadeiras, porém a alternativa II não possui fundamento, pois a mesma requer quebra do sigilo bancário que não é permitido. c) As alternativas I, II e IV são verdadeiras, porém a alternativa II não possui fundamento, pois a mesma requer quebra do sigilo bancário que não é permitido. d) As alternativas I e III são falsas, pois existem procedimentos que o auditor depende de terceiros e muitas vezes os mesmos não conseguem retorno a tempo de emitir um parecer. 16. (Exame de Suficiência CRC) Quanto ao Controle Interno, marque a alternativa INCORRETA: a) São exemplos de confronto de ativos com os registros contábeis, a contagem de caixa e comparação com o saldo do razão geral, as conciliações bancárias e inventário físico de bens confrontado com os registros contábeis de cada um. b) Segregação de funções consiste em estabelecer que uma mesma pessoa pode ter acesso aos ativos e aos registros contábeis, pois essas funções são compatíveis. c) A conferência independente dos cálculos, a conferência da classificação contábil de todos os registros finais e a conferência independente do registro das transações contábeis são exemplos de amarração de sistema. d) Os testes de observância consistem em o auditor confrontar os manuais internos com a prática existente na empresa, podendo assim trabalhar com segurança na observância de documentos e registros contábeis. 17. (Exame de Suficiência CRC) A Lei no. X, publicada no dia 30 de agosto de 2010, majorou a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI, sendo omissa quanto à sua entrada em vigor. Com relação à situação hipotética apresentada e à vigência das leis tributárias, assinale a opção CORRETA. a) A referida majoração somente poderá ser cobrada nos casos em que os fatos geradores tenham ocorrido a partir de , devido aos Princípios da Legalidade, da Anualidade e da Tipicidade Cerrada. b) De acordo com o Princípio da Anterioridade Nonagesimal, a referida majoração somente poderá ser cobrada em face dos fatos geradores ocorridos após noventa dias da sua publicação. c) Os valores provenientes dessa majoração podem ser cobrados em face dos fatos geradores ocorridos a partir de sua publicação, já que o IPI não se submete ao Princípio da Anterioridade. d) Poderá ser cobrada a referida majoração em face dos fatos geradores ocorridos após quarenta e cinco dias da publicação na Lei no. X, devido à regra contida na Lei de Introdução ao Código Civil, já que aquela Lei foi omissa quanto a sua entrada em vigor. 18. (Exame de Suficiência CRC) Em relação às férias, assinale a opção CORRETA. a) A época da concessão das férias será a que melhor atenda aos interesses do empregador, sendo garantido ao empregado estudante, menor de 18 anos, o direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares. b) Após cada período de 12 meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a férias de, no mínimo, 10 dias corridos, descontadas as faltas que o empregado teve durante o período aquisitivo. c) As férias serão concedidas por solicitação do empregado, em no máximo três períodos não inferiores a 10 dias, nos 12 meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito. O empregado estudante terá direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares. d) Não terá direito a férias o empregado que, no curso do período aquisitivo, deixar o emprego e for readmitido dentro de 30 dias subseqüentes à sua saída. 19. (Exame de Suficiência CRC) Com relação à legislação tributária, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 0

9 I. Qualquer tributo, uma vez instituído por Lei, pode ser modificado por Decreto, que são normas jurídicas elaboradas pelo Poder Executivo. II. Medidas Provisórias são editadas pelo Presidente da República. Caso o Congresso não aprecie a matéria em 60 dias, prorrogável por mais 60, fica convertida, automaticamente, em Lei. III. As leis complementares serão aprovadas por maioria absoluta. A sequência CORRETA é: a) F, F, V b) F, V, F c) F, V, V d) V, V, F 20. (Exame de Suficiência CRC) A norma jurídica encarregada de dispor sobre conflitos de competência em matéria tributária entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios é: a) A Lei Ordinária. b) O Decreto Regulamentar. c) A Constituição Federal. d) A Lei Complementar. 21. (Exame de Suficiência CRC) Determina a natureza jurídica específica do tributo: a) A denominação e demais características formais. b) O fato gerador da respectiva obrigação. c) A classificação do tributo junto à Secretaria da Receita. d) A destinação legal do produto da sua arrecadação. 22. (Exame de Suficiência CRC) O empregado que falta ao trabalho constantemente, sem justificar a ausência, é considerado para efeitos de justa causa: a) Desídia. b) Ato de indisciplina. c) Abandono de emprego. d) Incontinência de conduta. 23. (Exame de Suficiência CRC) Constitucionalmente a função fiscalizadora é vinculada a um dos poderes da República. O Tribunal de Contas da União funciona como órgão auxiliar do: a) Poder Independente. b) Poder Executivo. c) Poder Legislativo. d) Poder Judiciário. 24. (Exame de Suficiência CRC) A imunidade constitucional das instituições de educação sem fins lucrativos refere-se a: a) Apenas taxas. b) Impostos e contribuições. c) Impostos, taxas e contribuições. d) Apenas impostos. 25. (Exame de Suficiência CRC) Uma empresa obteve um empréstimo no valor de R$ ,00, para capital de giro, com vencimento dentro do próprio mês. Pagou no ato R$ 1.500,00 a título de encargos financeiros. Este fato implica em: a) Aumento do Ativo e Patrimônio Líquido no valor de R$ ,00 e diminuição do Passivo no valor de R$ 1.500,00.

10 b) Aumento do Ativo no valor de R$ ,00 e redução do Passivo em R$ 1.500,00 e aumento do Patrimônio Líquido em R$ ,00. c) Aumento do Patrimônio Líquido e Ativo em R$ ,00 e aumento do Passivo em R$ ,00. d) Aumento de Passivo em R$ ,00, aumento do Ativo em R$ ,00 e redução do Patrimônio Líquido em R$ 1.500, (Exame de Suficiência CRC) Uma empresa adquiriu um lote de mercadorias para revenda por R$ ,00. No encerramento do exercício, este lote, a preço de mercado, estava avaliado em R$ ,00. No Balanço Patrimonial final do exercício, essa mercadoria tem o valor correspondente ao custo de aquisição subtraído da Provisão para Ajuste de Estoque ao Preço de Mercado de: a) R$ ,00, mas com redução de R$ ,00. b) R$ ,00, sem qualquer redução. c) R$ ,00, mas com ágio de R$ ,00. d) R$ ,00, mas com redução de R$ , (Exame de Suficiência CRC) Compreende uma Variação Ativa: a) Aumento do Ativo ou diminuição do Passivo. b) Aumento das Obrigações ou diminuição dos Direitos. c) Aumento dos Direitos ou diminuição do Ativo. d) Aumento do Resultado ou diminuição das Despesas. 28. (Exame de Suficiência CRC) Indique o saldo inicial da conta Caixa considerando os dados abaixo: 01/02/2002 Vendas à vista, recebidas em moeda corrente, no valor de R$ ,00. 05/02/2002 Liquidação de duplicata no valor de R$ ,00 com desconto de 10%, pago através de cheque. 07/02/2002 Pagamento de salários no valor de R$ ,00, em moeda corrente. 11/02/2002 Aquisição de mercadorias, em moeda corrente, no valor de R$ ,00. 18/02/2002 Vendas a prazo no total de R$ ,00. 18/02/2002 Saldo final da conta Caixa: R$ ,00. a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ , (Exame de Suficiência CRC) A empresa realiza uma operação de desconto com um banco de suas duplicatas a receber. O lançamento a crédito na conta Clientes ocorre no momento que: a) O banco acusar o recebimento da duplicata. b) O banco emitir o aviso de crédito. c) A duplicata for enviada ao banco para desconto. d) A duplicata for descontada no banco. 30. (Exame de Suficiência CRC) A receita bruta de vendas de bens e serviços, os abatimentos incondicionais concedidos e os impostos incidentes sobre as vendas são demonstrados: a) No Balanço Patrimonial. b) Na Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos. c) Na Demonstração do Resultado do Exercício. d) Na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido.

11 31. (Exame de Suficiência CRC) A empresa elaborou a folha de pagamento de pessoal da área administrativa com salários no montante de R$ ,00. É de 34% a alíquota total da Previdência, sendo 11% da parte dos empregados e 23% da parte patronal. A contabilização dos encargos da empresa com a Previdência é: a) Despesas com Salários A Contribuições a Recolher R$ 3.300,00 b) Despesas com Previdência A Contribuições a Recolher R$ 6.900,00 c) Despesas com Previdência A Contribuições a Recolher R$ ,00 d) Despesas com Salários A Contribuições a Recolher R$ , (Exame de Suficiência CRC) A opção que contém fato contábil misto é: a) Venda de imóvel, com lucro. b) Pagamento de salários do mês anterior. c) Pagamento de compras e recebimento de vendas do mesmo mês. d) Liquidação de duplicata parte em cheque e o restante em dinheiro. 33. (Exame de Suficiência CRC) Pertence ao Passivo Circulante ou Passivo Exigível a Longo Prazo, a conta: a) Clientes. b) Reserva Legal. c) Adiantamentos de Clientes. d) Adiantamentos a Fornecedores. 34. (Exame de Suficiência CRC) A receita recebida antecipadamente é entendida como: a) Realizada e ainda não contabilizada. b) Realizada e ainda não recebida. c) Recebida e ainda não contabilizada. d) Recebida e ainda não realizada. 35. (Exame de Suficiência CRC) A opção que representa unicamente Capitais de Terceiros é: a) Capital Social e Duplicatas a Pagar. b) Capital Social e Lucros Acumulados. c) Duplicatas a Pagar e Impostos a Pagar. d) Duplicatas a Pagar e Lucros Acumulados 36. (Exame de Suficiência CRC) O pagamento de uma dívida é uma operação que: a) Aumenta o Passivo e diminui o Ativo. b) Aumenta o Patrimônio Líquido e diminui o Ativo e Passivo. c) Diminui o Ativo e o Passivo. d) Diminui o Patrimônio Líquido e o Passivo, e aumenta o Ativo. 37. (Exame de Suficiência CRC) O saldo credor da conta Caixa: a) É admissível nos casos de desfalques de dinheiro sofridos pela empresa. b) É inadmissível numa escrituração regular e correta. c) Pode ocorrer nos casos de lançamento em duplicidade de vendas a vista. d) Pode ocorrer nos casos de omissão de escrituração de compras a vista.

12 38. (Exame de Suficiência CRC) O lançamento correspondente a um cheque sacado no banco onde a empresa mantém depósito, para suprimento de caixa: a) Altera o Ativo Circulante. b) Aumenta o Ativo Circulante. c) Mantém o Ativo Circulante. d) Reduz o Passivo Circulante. 39. (Exame de Suficiência CRC) A apropriação de um serviço realizado, relativo a uma receita antecipada pode ser contabilizada da seguinte forma: a) Receitas Antecipadas A Receitas de Serviços b) Clientes A Caixa c) Caixa A Receitas Antecipadas d) Receitas de Serviços A Receitas Antecipadas 40. (Exame de Suficiência CRC) Quanto ao Controle Interno, marque a alternativa INCORRETA: a) São exemplos de confronto de ativos com os registros contábeis, a contagem de caixa e comparação com o saldo do razão geral, as conciliações bancárias e inventário físico de bens confrontado com os registros contábeis de cada um. b) Segregação de funções consiste em estabelecer que uma mesma pessoa pode ter acesso aos ativos e aos registros contábeis, pois essas funções são compatíveis. c) A conferência independente dos cálculos, a conferência da classificação contábil de todos os registros finais e a conferência independente do registro das transações contábeis são exemplos de amarração de sistema. d) Os testes de observância consistem em o auditor confrontar os manuais internos com a prática existente na empresa, podendo assim trabalhar com segurança na observância de documentos e registros contábeis. 41. (PROVÃO 2002 QUESTÃO 19) O Sr. José dos Santos adquiriu um carro de passeio para a sua esposa no valor de R$35.000,00. O pagamento foi efetuado à vista com cheque da sua empresa. Questionado pelo seu Contador, ele argumentou que a empresa era sua e, portanto, poderia perfeitamente pagar as suas contas pessoais com o dinheiro da empresa. O princípio contábil ferido pelo Sr. José foi o da: a) Prudência b) Continuidade c) Competência d) Oportunidade e) Entidade 42. (PROVÃO 2002 QUESTÃO 1) O Sr. Cordeiro tem um escritório de contabilidade, onde atende a vários pequenos empresários, não só executando os serviços profissionais específicos de sua área, mas também orientando-os em outros aspectos a seu alcance. Em 3 de janeiro, foi procurado por um cliente cuja empresa tivera, em dezembro, um faturamento de R$ ,00, quando a incidência do ISS seria de 5%. Todavia, foi informado da existência de uma nova Portaria sobre ISS que alterava a alíquota para 7%. Essa portaria fora publicada em 16 de dezembro de 2001 e de seu texto não constava referência à data da vigência. O cliente desejava saber, então, quanto recolher ao ISS, tendo o Sr. Cordeiro informado que deverá ser o valor de:

13 a) R$ 700,00, pois a portaria entrou em vigor na data da publicação b) R$ 700,00, pois a portaria entrou em vigor no primeiro dia do ano seguinte ao da publicação c) R$ 500,00, pois a portaria só entrará em vigor 30 dias após a data da publicação d) R$ 500,00, pois a portaria só entrará em vigor 45 dias após a data de publicação e) R$ 500,00, desconsiderando a portaria, pois se trata de um ato normativo que não tem validade legal 43. (PROVÃO 2002 QUESTÃO 6) A Indústria Química Barra Leve S/A fabrica, dentre outros, um produto químico de alto teor de poluição ambiental, capaz de matar plantas e animais que mantiverem contato com seus dejetos. Durante anos, despejou in natura, no rio Tegu, os dejetos de sua produção. Recentemente, o município onde está instalada a Indústria aprovou uma Lei Ambiental que pretende multar com valores elevados quem poluir rios e canais locais. Visando a evitar uma multa pesada, a Barra Leve precisou, em caráter emergencial, instalar um tanque de saturação para receber a descarga dos dejetos. Dentre as Teorias da Administração, esse comportamento da Barra Leve é característico da teoria: a) Clássica b) Sistêmica c) Ambiental d) Contingencial e) De relações humanas 44. (ENADE 2009 QUESTÃO 16) As empresas A e B adquiriram, na mesma data, 01/07/X7, equipamentos idênticos e nas mesmas condições, por R$ ,00 cada um, com vida útil estimada em 5 (cinco) anos. Os equipamentos foram colocados em funcionamento imediatamente e nenhuma empresa considerou o seu valor residual. Em 31/12/X7, o saldo de depreciação acumulada dos referidos equipamentos, nas empresas A e B, respectivamente, foi de R$ 6.000,00 e de R$10.000,00. Com base nas informações disponíveis, os métodos de depreciação adotados pelas empresas A e B foram: a) Horas de Trabalho e Soma dos Dígitos b) Horas de Trabalho e Unidades Produzidas c) Quotas Constantes e Soma dos Dígitos d) Quotas Constantes e Unidades Produzidas e) Soma dos Dígitos e Quotas Constantes 45. (ENADE 2009 QUESTÃO 18) No processo de destinação dos lucros auferidos por uma empresa, vários procedimentos são adotados para a constituição de reservas e para a distribuição de dividendos. Por meio da análise da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido da Cia. Marte, verificou-se que I. A Cia. Marte distribuiu dividendos de 45% do lucro líquido do exercício, conforme determina o seu estatuto. II. Os saldos de reservas de lucros, exceto para contingências, de incentivos fiscais e de lucros a realizar excedem o valor do capital social. III. A reserva legal foi constituída de 2,5% do lucro líquido e o saldo final de tal reserva correspondia a 20% do capital social. IV. O fato que originou a constituição da reserva para contingências em exercício anterior não se efetivou e a empresa não reverteu a reserva, mesmo com a expectativa de que o fato não mais ocorrerá. Estão CORRETAS somente as afirmativas: a) I e III b) II e III c) II e IV d) I, II e III e) II, III e IV "

14 46. (PROVÃO 2002 QUESTÃO 11) Avelino Ferreira e Oscar Ortiz constituem a Ferreira Ortiz Ltda., sociedade por cotas de responsabilidade limitada, com capital subscrito de R$ ,00, com a finalidade de explorar a venda de produtos de informática. Na constituição, Avelino entra com R$ ,00 em dinheiro, mas Oscar, não tendo essa quantia, subscreve somente R$ ,00. Passam-se alguns meses e a empresa não consegue realizar negócios suficientes para se manter. O capital inicial logo se esvai e, num determinado dia, um credor entra com um processo de falência contra a sociedade. Com a condenação da Ferreira Ortiz Ltda. no processo, o Juiz verifica que Oscar não possui qualquer bem alienável. De acordo com o Direito Comercial, o Juiz deve determinar que: a) Oscar pague sua parte da dívida trabalhando para o credor. b) Oscar seja considerado insolvente até pagar sua parte da dívida ao credor. c) Avelino pague, além da sua, a parte da dívida de Oscar, já que é seu fiador natural. d) Avelino, que possui bens, pague sua parte na dívida e que Oscar seja liberado do pagamento. e) Avelino e Oscar não precisarão pagar a dívida, já que se trata de uma sociedade de responsabilidade limitada. 47. (ENADE 2009 QUESTÃO 22) Leia as asserções a seguir: No método da equivalência patrimonial, a conta de investimentos da empresa investidora será igual ao valor do patrimônio líquido da(s) empresa(s) coligada(s) ou controlada(s), proporcional à sua participação no capital da(s) empresa(s) investida(s). POR QUE O conceito de equivalência patrimonial é baseado no fato de que os resultados e quaisquer variações patrimoniais de uma coligada ou controlada devem ser reconhecidos no momento de sua geração, independentemente de serem ou não distribuídos. Acerca dessas afirmações, é CORRETO afirmar que: a) A primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. b) A primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. c) As duas afirmações são falsas. d) As duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. e) As duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. 48. (ENADE 2009 QUESTÃO 24) Os indicadores de rentabilidade e de prazos médios da empresa ABC S.A., referentes aos exercícios de X1 e X2, foram os seguintes: Rentabilidade Prazo Médio INDICADORES X1 X2 Giro do Ativo 0,6 0,6 Margem Liquida 15,20% 19,10% Rentabilidade do Ativo 9,10% 11,50% Rentabilidade do PL 18,40% 21,70% Prazo Médio de Renovação de Estoque Prazo Médio de Recebimento de vendas Prazo Médio de Pagamento de Compras Ciclo Operacional Ciclo Financeiro Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que: a) A capacidade de pagamento melhorou, devido ao aumento do ciclo financeiro.

15 b) A empresa ganhou R$ 15,20 para cada R$ 100,00 investidos no ativo em X1. c) A empresa passou a conceder, em média, um prazo maior em suas vendas a prazo. d) A remuneração do capital próprio reduziu durante o período sob análise. e) A rentabilidade do ativo aumentou em X2, devido ao aumento da margem líquida. 49. (PROVÃO 2002 Questão 15) O Contador da Empresa Gama, quando estava encerrando as demonstrações contábeis do exercício de 2001, recebeu do Departamento de Pessoal uma relação contendo os valores que deveria provisionar sobre férias dos empregados. Notou, então, que alguns funcionários não constavam na lista. Consultando o Departamento de Pessoal, recebeu a informação de que esses funcionários haviam tido um número excessivo de faltas e que, por isso, não tinham direito a férias. A resposta do Departamento de Pessoal está correta? a) Sim, pois as faltas injustificadas ao trabalho afetam a gradação alusiva ao período de férias. b) Sim, pois as faltas injustificadas ao trabalho devem ser descontadas no período das férias. c) Sim, pois, se as faltas injustificadas ao trabalho não tiverem sido descontadas no salário, refletirão na perda das férias. d) Não, pois as faltas injustificadas ao trabalho são irrelevantes para efeito de férias. e) Não, pois as faltas injustificadas ao trabalho devem ser apenas descontadas no salário do empregado, não repercutindo nas férias. 50. (Provão 2002 Questão 17) A Empresa Real Transportes Ltda. possuía no Ativo Imobilizado um ônibus cujo valor contábil líquido era de R$ ,00. O referido veículo sofreu um acidente com perda total e não havia seguro contra acidente. A empresa havia comprado esse veículo através de financiamento e ainda devia ao banco R$ ,00, relativos a essa aquisição. O efeito contábil desse acontecimento no Balanço Patrimonial da empresa é redução no: a) Ativo e no Patrimônio Líquido de R$37.000,00. b) Ativo e no Patrimônio Líquido de R$ ,00. c) Ativo e no Passivo de R$46.000,00. d) Passivo e no Ativo de R$37.000,00. e) Passivo e no Patrimônio Líquido de R$83.000, (Provão Questão 22) Em 1º de outubro de 2001, o consultório dentário do Dr. Alvarenga fez um contrato de assinatura de jornal por um período de um ano, no valor total de R$ 564,00 a serem pagos em seis parcelas iguais vencíveis no último dia de cada mês. A consequência dessa operação, por ocasião do encerramento do exercício pelo regime de competência, em 31/12/2001, em termos de resultado, será: a) Obrigação de R$564,00. b) Despesa de R$ 141,00. c) Despesa de R$564,00. d) Despesa antecipada de R$564,00. e) Receita antecipada de R$282, (Provão Questão 24) Para a apuração do resultado da Companhia Verde Mar Ltda. em 31/12/2001, o Contador levantou os seguintes dados que estavam registrados na contabilidade: - Compras de mercadorias no período R$ 1.200,00 - Mercadorias em 31/12/2000 R$ 360,00 - Receita de Vendas em 31/12/2001 R$ 2.600,00 Considerando-se que o estoque existente em 31/12/2001 é de R$ 480,00, pode-se afirmar que: a) O lucro bruto do período foi de R$1.520,00. b) O lucro bruto do período foi de R$1.080,00. c) O prejuízo no período foi de R$1.080,00..

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROVA ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE DA SECRETARIA DO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXRCÍCIOS DIVERSOS SUMÁRIO EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DOS EXAMES DE SUFICIÊNCIA...2 EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DE CONCURSOS PÚBLICOS...33 QUESTÕES DE CONSOLIDAÇÃO...46 QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12.

WRM Auditoria e Consultoria Ltda. - CNPJ (MF) 00.164.845/0001/12. Lins (SP), 12 de Março de 2.010. À SOCIEDADE DE PROMOÇÃO SOCIAL DO FISSURADO LÁBIO- PALATAL - PROFIS Rua Silvio Marchione 3-55 Bauru SP. ILMO.SR. Diretor - Presidente Encaminhando em anexo, o Relatório

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Ciências Contábeis Turma: Aluno(a): R.A.: Assinatura: Data: / / SIMULADO CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA B INSTRUÇÕES O entendimento do enunciado faz parte

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4

Tópicos Contemp. de Contabilidade ( Contabilidade Internacional) 16-08-2013 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 3º CONTAB Aula - 4 AULA 4 Princípios e Convenções Além dos princípios éticos no exercício de sua profissão, o contador, deverá observar e aplicar os princípios e convenções contábeis, porque são eles que norteiam e direcionam

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF)

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF) Conteúdo 1 Inspetor... 2 1.1 Questão n 1 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 2 1.2 Questão n 2 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 3 1.3 Questão n 3 Estrutura

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda

Rodobens Locação de Imóveis Ltda Rodobens Locação de Imóveis Ltda Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ.

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ. CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte - MG RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ./14 (1) INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002

Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 kpmg Caixa Econômica Federal Relatório dos auditores independentes sobre revisão especial das Informações Financeiras Trimestrais (IFTs) Trimestre findo em 30 de setembro de 2002 KPMG Auditores Independentes

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais