Osvaldo da Silva. Contabilidade Básica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Osvaldo da Silva. Contabilidade Básica"

Transcrição

1 Osvaldo da Silva ontabilidade Básica

2 2 SUMÁRIO FUNAMENTOS A ONTABILIAE ORIGEM E EVOLUÇÃO A ONTABILIAE EFINIÇÃO E ONTABILIAE OBJETIVOS E USUÁRIOS A ONTABILIAE OBJETIVOS USUÁRIOS A ONTABILIAE PRINÍPIOS FUNAMENTAIS A ONTABILIAE PRINÍPIO A ENTIAE PRINÍPIO A ONTINUIAE PRINÍPIO A OPORTUNIAE PRINÍPIO O REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL PRINÍPIO A PRUÊNIA PRINÍPIO A OMPETÊNIA PRINÍPIO A ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA NOÇÕES BÁSIAS PATRIMÔNIO BENS IREITOS OBRIGAÇÕES ESTÁTIA PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIO (PL) REPRESENTAÇÃO GRÁFIA O PATRIMÔNIO SITUAÇÃO LÍQUIA O PATRIMÔNIO FORMAÇÃO E VARIAÇÕES O PATRIMÔNIO MÉTOO AS PARTIAS OBRAAS ONTAS RAZÃO LANÇAMENTOS A ÉBITO E A RÉITO AS ONTAS ONTAS O ATIVO ONTAS E PASSIVO E E P. L IÁRIO BALANETE E VERIFIAÇÃO PLANO E ONTAS ONEITO IMPORTÂNIA...26

3 MOELO E PLANO E ONTAS BALANÇO PATRIMONIAL ONEITO ONTEÚO O BALANÇO LASSIFIAÇÃO O ATIVO LASSIFIAÇÃO O PASSIVO...38 ONTABILIAE BÁSIA AS VARIAÇÕES O PATRIMÔNIO LÍQUIO REEITA ESPESA RESULTAO PERÍOO ONTÁBIL ENERRAMENTO E ONTAS E REEITA E ESPESA ESTINAÇÃO O RESULTAO O EXERÍIO EMONSTRAÇÃO E RESULTAO O EXERÍIO (RE) REGIME E OMPETÊNIA REGIME E AIXA ESPESAS A PAGAR E REEITAS A REEBER GASTOS QUE BENEFIIAM MAIS E UM EXERÍIO OBRIGAÇÕES QUE SE TRANSFORMAM EM REEITA OPERAÇÕES OM MERAORIAS ATRIBUIÇÃO E PREÇOS AOS INVENTÁRIOS ritérios de avaliação dos estoques USTO AS MERAORIAS VENIAS (MV) Inventário Permanente Inventário Periódico ONTABILIZAÇÕES QUE ALTERAM OS VALORES AS OMPRAS E VENAS RESULTAO BRUTO OM MERAORIAS (RM) BIBLIOGRAFIA...77

4 1 FUNAMENTOS A ONTABILIAE 1 ORIGEM E EVOLUÇÃO A ONTABILIAE É difícil saber quando surgiu a contabilidade. Estudos sobre as civilizações antigas mostram que a contabilidade é tão antiga quanto o homem e que os primeiros sinais de sua existência surgiram aproximadamente anos a.. As necessidades de cada período histórico fez com que a contabilidade fosse se aprimorando. O desenvolvimento da ciência contábil foi significativamente influenciado por fatos importantes como o surgimento da escrita, da moeda, da prensa, o desenvolvimento da América, a invenção da máquina a vapor, o desenvolvimento econômico e às transformações sociopolíticas e socioculturais de cada época. om o passar do tempo, as atividades econômicas foram-se tornando mais complexas, fazendo com que o homem sentisse a necessidade do aperfeiçoamento do seu instrumento de avaliação da situação patrimonial. esde Luca Pacioli (considerado o pai da contabilidade) até os nossos dias, foram inúmeras as obras escritas sobre a área contábil, que contribuíram para a evolução do pensamento contábil. No Brasil, a formação de profissionais na área contábil iniciou-se por volta de 1.754, ainda como olônia de Portugal, com a autorização e criação do curso Aula de omércio (aula tem o significado de faculdade), cuja supervisão esta sob responsabilidade da Junta de omércio de Lisboa. Os formandos recebiam o nome de quarda-livros, denominação dada na época para os contadores. Após o Brasil-olônia, várias escolas com cursos na área contábil foram criadas, das quais apenas a Escola do omércio Álvares Penteado e a Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo destacaram-se das demais pela relevante contribuição que deram para a evolução da profissão contábil em nosso país. 2 - EFINIÇÃO E ONTABILIAE Segundo Ribeiro (1997, p.33) ontabilidade é uma ciência que permite, através de suas técnicas, manter um controle permanente do Patrimônio da empresa.

5 2 Para Marion (1998) a contabilidade é uma ferramenta que tem como objetivo fornecer o máximo de informações úteis para a tomada de decisões dentro e fora da empresa. 3 - OBJETIVOS E USUÁRIOS A ONTABILIAE OBJETIVOS O objetivo principal da contabilidade é gerar informações necessárias para a tomada de decisões tanto pelos usuários internos e ou externos das informações contábeis. São vários os usuários das informações contábeis, tendo cada um sua necessidade especifica. Podemos destacar os seguintes: USUÁRIOS A ONTABILIAE Internos Necessidades: Proprietários Obter informações sobre: os resultados globais da empresa (lucro ou prejuízo), o retorno do capital investido, e eficiência da empresa na utilização dos seus recursos, eficácia dos gestores, grau de endividamento, entre outras. Administradores Gerentes ou diretores Obter informações para avaliação do desempenho dos seus subordinados, acompanhar a evolução da empresa frente aos objetivos traçados no planejamento global e tomada decisão. Externos Necessidades: Investidores Saber sobre o retorno de seus investimentos na empresa, e principalmente sobre a distribuição de dividendos. Também as utilizam para projetarem os resultados futuros da empresa. Fornecedores Verificar o grau de endividamento da empresa e qual o seu volume de vendas. lientes Saber se a situação econômica e financeira da empresa é equilibrada de forma que permita a

6 3 continuidade de suas operações, podendo esta continuar fornecendo seus produtos ou serviços, e ainda conhecer a capacidade de estocagem e fornecimento da empresa. Instituições Financeiras onhecer a capacidade financeira e posição de endividamento de qualquer empresa que deseje ser tomadora de empréstimos ou financiamentos. Sindicatos de empregados Verificar a situação financeira da empresa antes de reunir-se com seus dirigentes para negociar melhorias salariais para seus colaboradores Entidades governamentais Fisco - verificar se a empresa está cumprindo os seus compromissos fiscais. Governo - pode existir o interesse em mensurar a necessidade de apoio governamental para setores estratégicos para o país. Organizações Obtenção de informações sobre Investimentos na não-governamentais proteção do meio ambiente ou em ajuda à população menos favorecida. Estas necessidades demonstram a importância da contabilidade no contexto empresarial contemporâneo.

7 4 4 - PRINÍPIOS FUNAMENTAIS A ONTABILIAE A exemplo do que ocorre com as demais atividades, a contabilidade também possui princípios que fundamentam a execução dos trabalhos contábeis, que devem ser utilizados pelos contadores, de forma a garantir que a escrituração e as demonstrações contábeis, de qualquer tipo de empresa, reflitam de maneira adequada a sua situação patrimonial, financeira e econômica em determinado momento, possibilitando aos vários usuários a tomada de decisões com segurança. aso o contador não obedeça tais princípios, este estará sujeito desde uma advertência até a suspensão do exercício profissional. Franco (1988, p.13) afirma que: A finalidade prática da fixação dos chamados princípios contábeis é a de servir de guia ou parâmetro para o registro de fatos e a elaboração de demonstrações dentro de regras uniformes que facilitem a função informativa da contabilidade PRINÍPIO A ENTIAE Necessidade de diferenciar o patrimônio da empresa do patrimônio dos sócios acionistas ou proprietários da mesma. Exemplo: O Senhor Patinhas, sócio da empresa Xiririka omércio de Alimentos, reside no mesmo prédio onde está locada a sede da empresa. A empresa utiliza o andar térreo, para suas atividades, e o sócio o andar superior como residência. Existe apenas um contrato de locação do imóvel e o valor do aluguel é de $ 2.000,00 (dois mil) e acordo com o princípio da entidade, não podemos considerar o total do aluguel ($ 2.000,00) como despesa da empresa, e sim atribuir parte para a empresa e parte para o proprietário. A determinação da parcela que cabe as partes deverá ser feita pelo contador, com base na área utilizada pela empresa e pelo proprietário, como veremos a seguir. Sabendo-se que a área do imóvel é de 230m 2 e que somente 70% é utilizado pela empresa para execução de suas atividades, podemos dizer que a empresa deve assumir, como despesa, apenas $ 1.400,00 conforme demonstrado a seguir.

8 5 70% => para a empresa $1.400,00 30% => para o proprietário $ 600,00 100% $2.000, PRINÍPIO A ONTINUIAE O registro do contrato social da empresa, na Junta omercial e órgãos públicos, caracteriza o nascimento da mesma, que não tem data definida para o encerramento de suas atividades. A partir deste registro, todas as suas operações (compra de mercadorias, vendas, contratação de financiamentos, realização de investimentos) darão sustentação à continuidade da empresa. Exemplo: A empresa Xiririka necessita contrair um empréstimo bancário para aquisição de um veículo, que será utilizado para entrega de mercadorias aos seus clientes. onsiderando a continuidade da empresa, o banco concede o empréstimo, pois existe a expectativa de geração de resultados futuros que serão capazes de honrar as parcelas do mesmo PRINÍPIO A OPORTUNIAE Tem como preocupação básica o reconhecimento, nos registros contábeis, de todas as variações patrimoniais ocorridas na empresa, de forma que as informações contábeis representem fielmente a situação do patrimônio em determinado período, utilizando para este fim (sempre que possível) a documentação hábil e comprobatória de todas as transações. Exemplo: Ao registrar todas as operações ocorridas no mês de junho, na empresa Xiririka, o contador percebe a falta do recebimento do comprovante referente ao consumo de água. No entanto, sabe-se que a despesa ocorreu, não tendo apenas o documento no momento; portanto com base no neste princípio, o contador registra essa despesa pelo valor do período anterior (maio). Neste caso estamos considerando em junho a mutação do patrimônio da empresa por um valor aproximado, mas não deixaremos de registrar o fato. Após a localização o documento (conta de água) faremos o ajuste do valor.

9 PRINÍPIO O REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL Todos os elementos patrimoniais devem ser registrados, pela contabilidade, por seus valores originais (valor de aquisição), expressos em moeda corrente no país, incluindo-se, ainda, todos os gastos necessários para colocar o bem em condições de gerar benefícios para a empresa, podem estes ser presentes ou futuros. No caso de transações em moeda estrangeira, estas devem ser transformadas em moeda nacional no momento do seu registro contábil. Exemplo: A empresa Xiririka adquiriu um terreno, no valor de $ ,00 (setenta mil), onde deseja construir um novo prédio com o objetivo expandir suas operações. Passado algum tempo, a empresa recebe informação que nas proximidades do terreno será construído um entro Empresarial, o que valorizou o imóvel em $ ,00 (trinta mil). Embora o valor de mercado do terreno seja de $ ,00 (cem mil) a contabilidade manterá seu valor em $ ,00 (setenta mil), pois de acordo com este princípio, não podemos alterar o valor desse bem que faz parte do patrimônio da empresa. Apesar de esta ser a regra geral, existem duas exceções no caso brasileiro a saber: Quando o valor de mercado do bem é menor que o custo histórico O valor pode ser ajustado para o valor de mercado, desde que se tenha certeza que não se conseguirá reverter essa perda de valor no futuro. Quando o valor de mercado do bem é maior que o custo histórico A princípio, não se pode antecipar lucros futuros. Porém, existe um instrumento chamando tecnicamente de Reavaliação, utilizado somente para bens tangíveis operacionais. Neste caso, a empresa contrata três peritos ou empresa especializada, com o objetivo da emissão de um laudo de avaliação, que atestará o valor do bem e a sua vida útil (tempo de duração) remanescente, possibilitando a alteração do valor do bem pela empresa contratante.

10 PRINÍPIO A PRUÊNIA iante de duas alternativas, igualmente válidas, para a quantificação da variação patrimonial, devemos adotar o menor valor para os bens ou direitos e o maior valor para as obrigações. Exemplo: Um colaborador da empresa Xiririka entra na justiça trabalhista pedindo $ ,00 de indenização. O contador da empresa procura um advogado e lhe solicita sua opinião sobre o processo. O advogado informa que existe a possibilidade de 50% do colaborador ganhar a causa e de 50% de não receber nada. Seguindo o princípio da prudência, o contador resolve provisionar o valor de $ ,00 como uma contingência trabalhista (exigibilidade) PRINÍPIO A OMPETÊNIA Todas as receitas e despesas devem ser registradas de acordo com o fato gerador, no período de competência, independentemente de terem sido recebidas (receitas) ou pagas (despesas). omo podemos verificar este princípio não está relacionado aos recebimentos ou pagamentos, mas sim ao reconhecimento das receitas geradas e das despesas incorridas (ocorridas) em determinado período. Exemplo. A empresa Xiririka emitiu uma Nota Fiscal de venda e entregou a mercadoria no dia 15 de janeiro de 2.0XX, porém essa venda foi realizada a prazo, ou seja, o seu vencimento ocorrerá somente em 15 de fevereiro de 2.0XX. Neste caso, devemos registrar esta venda, no mês da geração de receita (janeiro), independentemente de o recebimento ser em outro período (fevereiro) PRINÍPIO A ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA No caso de um ambiente inflacionário, refere-se ao ajuste dos valores dos componentes patrimoniais, devido a perda do poder aquisitivo, mediante aplicação de indicadores oficiais que reflitam a variação do poder aquisitivo da moeda. A aplicação deste princípio ficou prejudicada desde a publicação da Lei 9.249/95.

11 8 5 - NOÇÕES BÁSIAS PATRIMÔNIO Sob o ponto de vista contábil, é o conjunto de Bens, ireitos e Obrigações BENS São as coisas que satisfazem às necessidades do homem e que seja capaz de avaliação econômica. o Materiais são os objetos que a empresa tem para uso (computadores, automóveis, mesas, cadeiras), troca (mercadorias e dinheiro) ou consumo (material de limpeza, material de escritório). o Imateriais são determinados gastos que, por sua natureza, e por determinação da legislação são parte do patrimônio. Exemplos: benfeitorias feitas, pela empresa, em bens de terceiros (reforma de imóveis alugados), direito de uso de marcas, etc IREITOS São todos os valores que a empresa tem para receber de terceiros, provenientes de transações de crédito, como por exemplo vendas a prazo: uplicatas a Receber, Títulos a Receber, Aluguéis a Receber, etc. Exemplos: uplicatas a Receber => Venda de um automóvel a prazo Títulos a Receber => Venda de um terreno a prazo Observe que as contas que representam os direitos estão sempre acompanhadas da expressão A REEBER. É importante salientar que a conta uplicatas a Receber também pode ser denominada como lientes.

12 OBRIGAÇÕES São todos os valores que a empresa tem de pagar à terceiros: uplicatas a Pagar, Salários a Pagar, Impostos a Pagar, Aluguéis a Pagar, Títulos a Pagar, ontas a Pagar, etc. Exemplos: uplicatas a Pagar => ompra de mercadorias a prazo Títulos a Pagar => ompra de terrenos a prazo Salários a Pagar => Salário dos colaboradores a ser pago no mês seguinte. Observe que as contas que representam as obrigações estão sempre acompanhadas da expressão A PAGAR. É importante salientar que a conta uplicatas a Pagar também pode ser denominada como Fornecedores. Podemos constatar que determinada obrigação num patrimônio corresponde a um igual direito em outro patrimônio e vice-versa. Exemplo: Venda de um automóvel a prazo No patrimônio do comprador => uplicatas a Pagar ou Fornecedores => rédito No patrimônio do vendedor => uplicatas a Receber ou lientes => ébito PATRIMÔNIO BENS IREITOS OBRIGAÇÕES aixa (dinheiro) Bancos onta Movimento Veículos Mercadorias Equipamentos Jóias Obra de Arte Vestuário Maquinaria Imóveis uplicatas a Receber Aluguéis a Receber ividendos a Receber 13º. Salário a Receber Títulos a Receber Salários a Receber uplicatas a Pagar Aluguéis a Pagar ividendos a Pagar 13º. Salário a Pagar Títulos a Pagar Salários a Pagar Impostos a Pagar ontribuições a Recolher ividendos a Pagar

13 ESTÁTIA PATRIMONIAL As contas correspondentes aos Bens, ireitos e Obrigações, devem ser distribuídas entre o Ativo e o Passivo da entidade, conforme veremos a seguir ATIVO orresponde aos bens e direitos que a empresa possui: Bens: aixa (valor que esta no caixa da empresa), Bancos conta Movimento (valor que esta depositado no contas correntes da empresa em Bancos), Mercadorias, Imóveis, Veículos, Equipamentos, etc. ireitos: Títulos a Receber, uplicatas a Receber / lientes, Aluguéis a Receber, etc. As contas do ATIVO devem ser discriminadas no lado esquerdo do Balanço Patrimonial PASSIVO orresponde às obrigações que a empresa tem que pagar a terceiros. Obrigações: uplicatas a Pagar / Fornecedores, ontas a Pagar, Salários a Pagar, Impostos a Pagar, etc. As contas do PASSIVO devem ser discriminadas no lado direito do Balanço Patrimonial PATRIMÔNIO LÍQUIO (PL) É a diferença entre o valor do Ativo e do Passivo de uma empresa, em determinado momento. Exemplo: Ativo da empresa => $ ,00 Passivo da empresa => $ 3.000,00 Patrimônio Líquido => $ ,00 As fontes do P.L. podem ser provenientes de: Investimentos efetuados pelos proprietários em troca de ações, quotas ou outras participações.

14 11 Lucros acumulados da empresa REPRESENTAÇÃO GRÁFIA O PATRIMÔNIO XIRIRIKA da Serra S/A Balanço Patrimonial de 31/10/2.0XX ATIVO omponentes positivos PASSIVO omponentes negativos Bens aixa 1.500,00 Obrigações Fornecedores 2.500,00 Bancos 800,00 Títulos a Pagar 2.800,00 Equipamentos 2.700,00 Máquinas 500,00 P.L. Mercadorias 2.500,00 apital 4.000,00 Lucros 700,00 ireitos uplicatas a Receber 2.000,00 TOTAL ,00 TOTAL , SITUAÇÃO LÍQUIA O PATRIMÔNIO O Patrimônio Líquido (PL) consiste na diferença entre o Ativo (A) e o Passivo (P). Não podemos imaginar que uma empresa apresente o seu Ativo ou Passivo Negativos. Assim, os elementos patrimoniais poderão assumir somente os seguintes valores. A > ou = 0 P > ou = 0 PL > ou < 0 om base na equação do balanço (A P = PL), podemos afirmar que, em dado momento, o patrimônio da empresa poderá assumir uma das seguintes situações: 1. Quando A > P, teremos PL > 0 Revela existência da riqueza própria.

15 12 Ativo Passivo Bens 30 Obrigações 30 ireitos 20 Situação Líquida 20 TOTAL 50 TOTAL Quando A > P e P = 0, teremos PL > 0 Revela inexistência de dívidas (Passivo) Ativo Passivo Bens 30 Obrigações 0 ireitos 20 Situação Líquida 50 TOTAL 50 TOTAL Quando A = P, teremos PL = 0 Revela inexistência de riqueza própria. Podemos citar o exemplo de uma empresa que possui bens a sua disposição, que ainda não foram pagos. Ativo Passivo Bens 50 Obrigações 50 Situação Líquida 0 TOTAL 50 TOTAL Quando P > A, teremos PL < 0 Revela má situação, ou seja, a existência de Passivo a escoberto (PL Negativo). Ativo Passivo Bens 15 Obrigações 50 ireitos 5 Situação Líquida (30) TOTAL 20 TOTAL Quando P > A e A = 0, teremos PL < 0 Revela a existência de apenas dívidas (obrigações), e a inexistência de Ativo (bens e direitos).

16 13 Ativo Passivo Bens 0 Obrigações 50 ireitos 0 Situação Líquida (50) TOTAL 0 TOTAL 0 evemos observar que as situações 4 e 5 apresentam uma situação líquida negativa, demonstrando, principalmente na última, que a empresa praticamente não tem condições de subsistência. 6.6 ORIGENS E APLIAÇÕES E REURSOS Ao observarmos o Balanço Patrimonial, podemos visualizar o total de recursos que a empresa obteve e que estão à sua disposição. O Passivo mostra onde a empresa obteve esses recursos e o Ativo onde estes recursos foram aplicados. Passivo origem dos recursos Segundo Ribeiro (2009, p. 20 e 21) os recursos totais que estão à disposição da empresa podem originar-se de duas fontes : a) Recursos de terceiros correspondem às obrigações, isto é, são recursos de terceiros que a empresa utiliza no seu giro normal. Esses recursos, por sua vez, provêm de duas fontes: ébitos de funcionamento (débito no sentido de dívida) obrigações que surgem em decorrência da gestão normal da empresa, como as obrigações a fornecedores, obrigações fiscais, obrigações trabalhistas e outras; ébitos de financiamento recursos obtidos pela empresa junto a terceiros em forma de empréstimos. b) Recursos próprios também podem provir de suas fontes: Proprietários ou sócios parcela do capital que foi investida na empresa pelo titular ou pelos sócios; Giro normal acréscimos ocorridos no Patrimônio Líquido em decorrência da gestão normal da empresa. Esses acréscimos são obtidos pelos lucros, que poderão estar representados em contas de reservas. Ativo aplicação de recursos

17 14 O Ativo mostra onde os recursos foram aplicados, cujas origens estão demonstradas do lado do Passivo, podendo a empresa aplicar seus recursos em bens e direitos FORMAÇÃO E VARIAÇÕES O PATRIMÔNIO. Veremos a seguir, exemplos de formação e variações que podem ocorrer no patrimônio de uma empresa. A demonstração gráfica do patrimônio da Xiririka da Serra, no momento da sua criação, recebendo o valor correspondente a integralização de seu capital. Balanço Patrimonial de XIRIRIKA A SERRA em 30/11/2.0XX Ativo Passivo Bens Obrigações aixa ,00 PL apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo aixa => dinheiro que está entrando na empresa Passivo / PL apital => obrigação da empresa para com seus acionistas A partir de sua criação a empresa realiza as seguintes operações: ompra de terrenos, a vista, no valor de $ 5.000,00. ompra de equipamentos, a vista, no valor de $ 1.000,00. Aquisição de um caminhão, a vista, no valor de $ 1.500,00.

18 15 Ativo Bens aixa ,00 Terrenos 5.000,00 Equipamentos 1.000,00 Veículos 1.500,00 Passivo Obrigações PL apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo => sofreu as seguintes alterações: aixa => diminui o ativo com a saída de $ 7.500,00. Terreno => aumenta o ativo pela entrada do bem Terreno. Equipamentos => aumenta o ativo pela entrada do bem Equipamento. Veículos => aumenta o ativo pela entrada do bem Veículo. Passivo => não sofreu alterações Adquire mercadorias, a prazo, no valor de $ 500,00. Ativo Passivo Bens aixa ,00 Obrigações Fornecedores 500,00 Terrenos 5.000,00 Equipamentos 1.000,00 Veículos 1.500,00 PL Mercadorias 500,00 apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo => sofreu a seguinte alteração: Mercadoria => aumenta o ativo pela entrada do bem Mercadoria. Passivo => sofreu a seguinte alteração: Fornecedores => aumenta o passivo com a dívida com Fornecedores. Poderia ser utilizada a conta uplicatas a Pagar Vende Mercadorias, a prazo, pelo valor de $ 300,00.

19 16 Ativo Bens aixa ,00 Terrenos 5.000,00 Equipamentos 1.000,00 Veículos 1.500,00 Mercadorias 200,00 lientes 300,00 Passivo Obrigações Fornecedores 500,00 PL apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo => sofreu a seguinte alteração: Mercadoria => diminui o ativo com a venda do bem Mercadoria. lientes => aumenta o ativo com o direito de receber de seus clientes. Poderia ser utilizada a conta uplicatas a Receber Paga aos seus fornecedores, em dinheiro, o valor de $ 100,00. Ativo Passivo Bens aixa ,00 Obrigações Fornecedores 400,00 Terrenos 5.000,00 Equipamentos 1.000,00 Veículos 1.500,00 Mercadorias 200,00 PL lientes 300,00 apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo => sofreu a seguinte alteração: aixa => diminui o ativo pela saída do bem dinheiro. Passivo => sofreu a seguinte alteração: Fornecedores => diminui o passivo pelo pagamento aos seus Fornecedores. Recebe de seus lientes, em cheque, o valor de $ 150,00.

20 17 Ativo Bens aixa ,00 Terrenos 5.000,00 Equipamentos 1.000,00 Veículos 1.500,00 Mercadorias 200,00 Bancos 150,00 Passivo Obrigações Fornecedores 400,00 ireitos lientes 150,00 PL apital ,00 Total ,00 Total ,00 Ativo => sofreu a seguinte alteração: lientes => diminui um direito da empresa. Bancos => entra, na empresa, o bem Bancos conta Movimento. 7 - MÉTOO AS PARTIAS OBRAAS Método universalmente aceito, criado por Luca Pacioli, no século XV que consiste no fato de que para um débito efetuado em uma ou mais contas deve corresponder a um crédito equivalente em uma ou mais contas, de maneira que a soma dos valores dos débitos seja igual à soma dos valores dos créditos, conforme exemplos a seguir: Exemplos: A) ébito na conta aixa $ 50,00 rédito na conta apital $ 50,00 B) ébito na conta Mercadorias $ 10,00 $ 20,00 ébito na conta Equipamentos $ 10,00 rédito na conta aixa $ 20,00

21 18 ) ébito na conta Equipamentos $ 20,00 rédito na conta aixa $ 10,00 rédito na conta Fornecedores $ 10,00 ) ébito na conta Mercadorias $ 10,00 ébito na conta Equipamentos $ 10,00 ébito na conta Mercadorias $ 10,00 rédito na conta aixa $ 20,00 rédito na conta Fornecedores $ 10,00 $ 20,00 $ 30,00 $ 30, ONTAS É a nomenclatura que identifica um omponente Patrimonial (Bens, ireitos, Obrigações ou Patrimônio Líquido) ou de Resultado (espesa ou Receita), representando graficamente os débitos e créditos relativos a fatos administrativos de uma empresa. Modelo de conta (Título da onta) ód.... ata Operações ébito rédito / Saldo Exemplos: AIXA ata Operações ébito rédito / Saldo a apital APITAL ata Operações ébito rédito / Saldo a aixa

22 RAZÃO Livro obrigatório, onde devemos agrupar os valores em contas de mesma natureza e de forma racional. evemos efetuar o registro no Razão em contas individualizadas, para termos controle por conta. Seguindo este critério, devemos registrar na conta aixa todos os valores correspondentes às operações que o afetam, debitando-se ou creditando-se nesta conta, podendo a qualquer momento apurar o seu saldo. O saldo de conta é a diferença entre o total dos seus débitos e o total dos seus créditos, podendo este ser devedor ou credor, dependendo da sua natureza. aixa ébito rédito 50,000, , , , , ,00 O saldo da conta AIXA é devedor, pois esta conta é de natureza devedora. OBS.: Todas as contas de natureza devedora terão saldo devedor (lado esquerdo) Total ,00 Saldo ,00 Total ,00 uplicatas a Pagar ébito rédito 5,000, , , , , ,00 O saldo da conta UPLIATAS A PAGAR é credor, pois esta conta é de natureza credora. OBS.: Todas as contas de natureza credora terão saldo credor (lado direito). Total ,00 Total ,00 Saldo ,00

23 20 Independente da natureza da conta (devedora ou credora), os débitos serão efetuados do seu lado esquerdo e os créditos do lado direito, conforme exemplificação a seguir: Título da onta ébito esquerdo rédito direito LANÇAMENTOS A ÉBITO E A RÉITO AS ONTAS Todas as operações ocasionam aumentos e diminuições do Ativo, do Passivo e do Patrimônio Líquido. omo falamos anteriormente, as contas possuem dois lados (esquerdo e direito), os aumentos devem ser registrados em um lado e as diminuições no outro, pois será a natureza da conta (devedora ou credora) que irá determinar o lado a ser utilizado para os aumentos e as diminuições, como veremos a seguir: ONTAS O ATIVO => Lado ESQUERO do Balanço As contas que compõem o Ativo (Bens e ireitos) figuram do lado esquerdo do balanço. Os aumentos e diminuições devem ser registrados da seguinte maneira: Qualquer conta do Ativo Aumentos iminuições ( + ) ( - ) ONTAS E PASSIVO E E P. L. => Lado IREITO do Balanço As contas que compõem o Passivo e o Patrimônio Líquido (P.L.) figuram do lado direito do balanço. Os aumentos e diminuições devem ser registradas da seguinte maneira: Qualquer conta do Passivo ou do P.L. iminuições Aumentos ( - ) ( + )

24 21 Quando a conta do Patrimônio Líquido for negativa, esta estará no lado direito do balanço (Passivo) de forma redutora (subtraindo). Exemplos: Prejuízo Acumulado, apital a Integralizar, etc. Exemplo 1. Integralização de apital no valor de $ Aumento do ativo aixa => debita-se aixa Aumento do P.L. => credita-se apital. AIXA (1) ,00 APITAL ,00 (1) Se as operações acima tivessem sido representadas em contas reais e não nos razonetes simplificados, teríamos o seguinte: AIXA ata Operações ébito rédito / Saldo a apital APITAL ata Operações ébito rédito / Saldo a aixa ompra de Terrenos no valor de $ 2.200,00 (a vista) Aumento do Ativo Terrenos => debita-se Terrenos iminuição do Ativo aixa => credita-se aixa

25 22 TERRENOS (2) 2.200,00 AIXA (1) , ,00 (2) 3. Venda de Terrenos no valor de $ (a prazo) iminuição do Ativo Terrenos => credita-se Terrenos Aumento do Ativo Títulos a Receber => debita-se Títulos a Receber TERRENOS (2) 2.200, ,00 (3) TÍTULOS A REEBER (3) 1.100,00 4. ompra de Materiais no valor de $ (a prazo) Aumento do Ativo Materiais => debita-se Materiais Aumento do Passivo uplicatas a Pagar => credita-se uplicatas a Pagar. MATERIAIS (4) 8.800,00 UPLIATAS A PAGAR 8.800,00 (4)

26 23 5. ompra de Móveis e Utensílios (duas mesas, quatro cadeiras, uma máquina de escrever e uma de calcular) no valor de $ (a prazo) Aumento do Ativo Móveis e Utensílios => debita-se Móveis e Utensílios Aumento do Passivo uplicatas a Pagar => credita-se uplicatas a Pagar. MÓVEIS E UTENSÍLIOS (5) 5.000,00 UPLIATAS A PAGAR 8.800, ,00 (5) 6. Recebimento de ívida no valor de $ Aumento do Ativo aixa => debita-se aixa iminuição do Ativo Títulos a Receber => credita-se Títulos a Receber AIXA ,00 (6) 1.000, ,00 TÍTULOS A REEBER 1.100, ,00 (6) 7. Pagamento de ívida no valor de $ iminuição do Passivo uplicatas a Pagar => debita-se uplicatas a Pagar; iminuição do Ativo aixa => credita-se aixa.

Fundamentos de Contabilidade e Contabilidade Básica

Fundamentos de Contabilidade e Contabilidade Básica Osvaldo da Silva Fundamentos de ontabilidade e ontabilidade Básica Adaptada por Osvaldo da Silva / Revisada por Luis Januário (setembro/2012) APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa igital oferece a

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

Típicos da Administração Pública

Típicos da Administração Pública Lançamentos amentos ontábeis Típicos da Administração Pública ontabilidade PúblicaP onceito É o ramo da ontabilidade que coleta, registra e controla os atos e fatos da Administração Pública, com enfoque

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

MÓDULO VI CONTABILIDADE GERENCIAL BALANÇO PATRIMONIAL INTRODUÇÃO

MÓDULO VI CONTABILIDADE GERENCIAL BALANÇO PATRIMONIAL INTRODUÇÃO MÓDULO VI CONTABILIDADE GERENCIAL BALANÇO PATRIMONIAL INTRODUÇÃO O tema Balanço Patrimonial será tratado sob a ótica do texto legal da Lei 6.404/76, Lei das Sociedades Anônimas e da Lei 10.406/02, o novo

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS

MODELO DE PLANO DE CONTAS 26 MODELO DE PLANO DE CONTAS SINTÉTICA ANALÍTICA TÍTULO 1 ATIVO 1.1 CIRCULANTE 1.1.1 DISPONÍVEL 1.1.1.1 Caixa 1.1.1.2 Bancos Conta Movimento 1.1.1.3 Aplicações de Liquidez Imediata 1.1.2 CRÉDITOS DE VENDAS

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais