Estação Telecom: Construir ou Alugar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estação Telecom: Construir ou Alugar?"

Transcrição

1 Estação Telecom: Construir ou Alugar? O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Marcos Macias Martinez para a etapa de classificação do I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) Partindo da perspectiva de uma operadora de telecomunicações, que com freqüência necessita planejar a expansão da sua rede e isto pode demandar a implantação de novos pontos de presença (sites), este tutorial apresenta um estudo prático para implantar um novo ponto, comparando duas opções: alugar um terreno (propriedade) e construir o prédio ou alugar o imóvel. Baseado em informações técnicas (tais como consumo de energia e área) e outros requisitos (como área de escritório e de operação), este estudo pretende encontrar a opção mais viável para instalar um novo ponto de presença ou estação de telecomunicações. Marcos Macias Martinez Engenheiro de Telecomunicações pela Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban São Paulo, SP), e Técnico em Eletrônica pelo Colégio Clóvis Bevilácqua (São Paulo, SP). Atuou como Supervisor de Técnicos em Eletrônica na Henisa Hidro-Eletromecânica - Empresa Nacional de Instalação Ltda, nas áreas de Manutenção Industrial, Predial e de Telecomunicações, e como Especialista em Infra-estrutura na MetroRED Telecomunicações Ltda. Atualmente atual como Engenheiro de Telecomunicações na Brasil Telecom Multimídia Ltda., sendo responsável manutenção preventiva e corretiva dê infra-estrutura dos sites, e pelo planejamento de expansões e melhorias dos sites. Foi também selecionado para a fase classificatória do I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) Categoria: Infraestrutura para Telecomunicações Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 02/10/2006 1

2 Estação Telecom: Introdução Este tutorial tem como objetivo orientar o leitor para planejar um projeto de uma Estação de Telecomunicação, explanando conceitos de infra-estrutura e comparando custos de implantação de Estações com locação de imóvel e readequação, e com locação de terreno e construção. A infra-estrutura é necessária para darmos as condições mais favoráveis a usuários e equipamentos, aumentando a confiabilidade e qualidade do sistema, sendo muito importante em diversas áreas desde uma simples urbanização do terreno até transmissões de alta velocidade via satélite. Para garantirmos a confiabilidade e ininterrupção em nossas transmissões, o que se refere a infra-estrutura é importante termos um projeto na medida das necessidades ou demanda. Entende se como um bom projeto, aquele que não só atende as necessidades de demanda, mas que os equipamentos especificados tenham boa performance para garantir uma qualidade de energia e climatização das Estações com um custo benefício satisfatório. 2

3 Estação Telecom: Conceitos Básicos Para obtermos excelência nas execuções de cada projeto, temos que levar em consideração as normas aplicáveis de acordo com o tipo de estação com seu devido planejamento e análise de custos,(barradas 1980). Através de uma simulação de demanda, elaboramos um planejamento de uma estação, localizada na região de Santo André São Paulo, onde o objetivo é tomar a decisão se devemos implantar uma estação em um prédio já existente através de locação com readequação de sua infra-estrutura ou construirmos uma estação nova em um terreno locado. Para esta implementação, utilizamos as etapas descritas a seguir. Premissas de Infra-estrutura Nesta etapa são definidos os conceitos básicos para orientar a execução de um projeto de uma Estação de Telecomunicações. A infra-estrutura da Estação abrange as facilidades de instalações que são utilizadas para apoiar o desempenho das funções dos equipamentos ou desempenhar funções de proteção e segurança. Sob este ponto de vista podemos classificar a infra-estrutura em: Instalações Prediais; Ambiente de Grupo Geradores; Sistema de Combustível; Ambiente de Equipamentos de energia e transmissão; Sistema de distribuição CA; Sistema de distribuição CC; Pátio Externo; Sistema de Supervisão e Telecomunicações; Sistema de Proteção e Aterramento. Gerência de Infra-estrutura Esta etapa é realizada com a ajuda da estrutura organizacional da gestão do projeto apresentado. Essa etapa engloba toda a fase de planejamento físico das atividades e seu correspondente planejamento econômico/financeiro. O produto desta etapa é depende do gerente ou gestor do projeto, cujo grau de perfeição está diretamente ligado ao sucesso ou fracasso do empreendimento. O organograma abaixo apresenta uma estrutura administrativa para planejar e controlar os projetos em execução, que geralmente terá as seguintes atividades: Elaboração do cronograma físico de execução das obras; Elaboração do cronograma financeiro de despesas; Execução da logística para o encadeamento das atividades envolvidas; Apropriação de equipes e recursos materiais (instrumentos, veículos, etc.); 3

4 5. Definição dos parceiros e sub-fornecedores de materiais e equipamentos; 6. Identifica ção clara e objetiva dos pontos críticos do projeto. Estudo de Viabilidade da Implantação Figura 1: Organograma da estrutura administrativa do projeto. Nesta etapa é apresentado o planejamento, para atender a necessidade de implantar equipamentos de transmissão com projeção inicial e final, permitindo a comparação da implantação de uma Estação, entre um prédio locado e um terreno locado, ambos com seus devidos custos, sendo então avaliados também numa linha do tempo, respeitando o fluxo de ações conforme abaixo: Figura 2: Fluxograma de ações do projeto.

5 Estação Telecom: Pesquisa Para obtermos uma pesquisa satisfatória de um Site é importante sabermos qual a sua projeção. Essa projeção poderá ser efetuada através de uma análise de demanda obtendo uma projeção inicial e final, quantificando em equipamento de transmissão, conforme exemplo apresentado na tabela abaixo. Tabela 1: Estimativa de demanda inicial e final para a estação de telecom. Período Quantidade de Equipamentos Eletrônicos Backbone Total 2005 Alcatel 1660SM kit básico 1 Alcatel 1660SM PlacaxSTM-1o (S-1.1) Bastidores (300x600x2200mm) Alcatel 1660SM PlacaxSTM-1e Alcatel 1660SM Placa1xSTM- (S-.1) Total Alcatel 1660SM Placa PR_EA 2 8 Alcatel 1662SM kit básico 1 Alcatel 1662SM Placa63x2M 16 1 Alcatel 1662SM Placa3x3M 1 Alcatel 1662SM Placa ISA-ETH 1 Nortel 0M100 kit básico 3 Nortel 0M100 Placa2xSTM-1o (S-1.1) Nortel 0M100 Placa3x3/5M Nortel 0M100 Placa32x2M Nortel 0M100 Cabo 32x2 Upper 5 18 Nortel 0M100 Cabo 32x2 Lower 5 18 Nortel 0M200 kit básico 1 Nortel 0M200 PlacaxSTM-1o (S-1.1) 1 15 Nortel 0M200 PlacaxSTM-1e 15 Siemens SXA Sub-bastidor ETMUX 1 Siemens SXA Placa Dual STM-1o (S-1.1) Siemens SXA Placa Dual STM-1e Bastidores (300x600x2200mm) 1 8 5

6 Tellabs Cluster Placa QMH Cisco MGX Placa FRSM Canalizada Cisco MGX Placa FRSM Não-Canalizada Datacom DM70SE Sub Datacom DM70SE Placa Alcatel 7670 kit básico 1 Alcatel xE Alcatel xE Cisco MGX kit básico 1 1 Tellabs Cluster com 3 Sub-bastidores Slaves Área Colocation para Clientes 20 Subtotal de Bastidores Subtotal de Bastidores Com essa quantificação poderemos estimar os parâmetros apresentados a seguir. Área necessária para o Site (m²) 0 8 Figura 3: Área total. Consumo médio de Energia ( kva ).(NBR 510 e TIA EIA 92) 6

7 Figura : Consumo de energia. 7

8 Estação Telecom: Análise Imobiliária Uma vez tendo esses dois parâmetros (Área estimada e consumo de energia), podemos avaliar os prováveis imóveis, levando em consideração os seguintes critério, conforme abaixo: 1. Critérios para notas 02: Não Atende: Imóvel não atende os critérios ou necessita de grandes investimentos; 0: Atende Parcialmente: Imóvel atende os critérios com médios investimentos; 06: Atende: Imóvel atende os critérios com pequenos investimentos. 2. Critérios para Avaliações 2.1 Distância do meio de transmissão (com relação a planta externa): está relacionado ao custo de construção (destrutivo ou não / m²). 2.2 Acessos para Estação: se o local é de fácil acesso, referente a rua, rodovia, avenida, se tem históricos de enchentes. 2.3 Localização da Sala de Equipamentos: se existem problemas de acesso aos equipamentos, com escadas que dificultam o transporte ou se os equipamentos cabem ou não no elevador. 2. Demanda de Energia: Se o prédio ou local de construção, tem condições de atender a demanda de energia ou se temos que efetuar investimentos para acender. 2.5 GMG (Grupo Motor Gerador): no caso de prédios, se temos condições de instalar GMG com relação a distribuição de carga na laje, problemas de poluição sonora, vibrações e condições de descarga de Gás. 2.6 Demanda de Área (m²): se o local locado atende a demanda de Área especificada. 2.7 Pé direito: é importante avaliar o pé direito pois não deverá ser menor que 2,30 m (devido à altura dos Rack s serem de 2,10 m) e nem maior que.0 m (devido o alto investimento de Gás FM 200 ou similar para sistema de detecção e combate a incêndio). 2.8 Ar Condicionado: se o local locado tem condições de instalar as máquinas de Ar Condicionado, inclusive seus condensadores. 2.9 Segurança: se o local a ser locado, tem portaria, controle de acesso, portas seguras, vigilância entre outros. 3. Prédios Avaliados Com o objetivo de avaliar o melhor imóvel para implementação da estação, foram relacionados cinco imóveis para avaliação: Comercial Tower; Edifício Olinda; Edifício São Francisco; Edifício Pereira Barreto; 8

9 5. Edifício CEMPE.. Planilha Consolidada. Itens de Avaliação Distância de Fibra Óptica Tabela 2: Planilha consolidada. TOWER OLINDA FRANCISCO BARRETO CEMPE 6 6 Acesso para Estação Localização da Sala de Equipamentos 6 6 Demanda de Energia 2 GMG Área m² 6 Pé direito 2 Ar Condicionado Segurança 6 2 Total

10 Estação Telecom: Estimativa de Custo Para estimativa do custo foi considerado, para esta fase inicial o dimensionamento da sala e consumo de energia, 0 (quarenta) bastidores (mantendo o espaço final para crescimento de todas as salas para 80 bastidores); gerador de emergência de 0kVA, retificador carregador de bateria 150 A, com capacidade final para 00 A. Nota: Não estão previstos, compra de imóvel (terreno, prédio ou edifício) e o aluguel do imóvel, em que há grande variação preço, dependendo da localidade. 1. Estimativa de custos considerando Locação de Imóvel 1.1 Sistema Elétrico: R$ ,00 Cubículo de entrada e medição, em 13,8kV, com dois disjuntores; Transformador de força, 75kVA, 13,8-0,22/0,127kV. Nota: Duas unidades (redundante); Quadro de distribuição de força e painéis de pequeno porte; Grupo gerador de emergência, 0kVA, 220/127kVA, com painel de sincronismo. Nota: Duas unidades (redundante); Retificador carregador de bateria capacidade de até 800A e bateria. Nota: Duas unidades (redundante); com autonomia de 5 hs.(eltek, Sistemas de Energia). 1.2 Ar Condicionado: R$ 5.000,00 Contempla Ar Condicionado Tipo "wall mounted", 3 TR. Previsto quatro unidades e mais um (reserva).(norma TIA EIA 92). 1.3 Sistema de CFTV: R$ 2.000,00 1. Sistema de Detecção e Combate a Incêndio: R$ ,00 Contempla em um sistema de detecção e combate ao incêndio p/ 135m Sistema de Supervisão: R$ , Integração: R$ ,00 Contempla em: Instalar, testar equipamentos e fornecimento de cabos elétricos, esteiras para cabos, ferragens, para raios, aterramento, etc. 1.7 Projeto: R$ , Imobiliário: R$ , Reforma do Prédio: R$ ,00 *Prevista para 15 m² TOTAL: R$ ,00 10

11 2. Estimativa de custos considerando Locação de Terreno e Construção 2.1 Sistema Elétrico: R$ ,00 Cubículo de entrada e medição, em 13,8kV, com dois disjuntores; Transformador de força, 75kVA, 13,8-0,22/0,127kV. Nota:.Duas unidades (redundante); Quadro de distribuição de força e painéis de pequeno porte; Grupo gerador de emergência, 0kVA, 220/127kVA, com painel de sincronismo. Nota: Duas unidades (redundante); Retificador carregador de bateria capacidade de até 800A e bateria. Nota: Duas unidades (redundante) com autonomia de 5 hs.(eltek, Sistemas de Energia). 2.2 Ar Condicionado: R$ 5.000,00 Contempla Ar Condicionado Tipo "wall mounted", 3 TR. Previsto quatro unidades e mais um (reserva).(norma TIA EIA 92). 2.3 Sistema de CFTV: R$ 2.000,00 2. Sistema de Detecção e Combate a Incêndio: R$ ,00 Contempla em um sistema de detecção e combate ao incêndio p/ 135m Sistema de Supervisão R$ , Integração: R$ ,00 Contempla em: instalar, testar equipamentos e fornecimento de cabos elétricos, esteiras para cabos, ferragens, para raios, aterramento, etc. 2.7 Projeto: R$ , Imobiliário: R$ , Construção: R$ ,00 Prevista para 160 m² TOTAL : R$ ,00 11

12 Estação Telecom: Considerações Finais Após análise técnica e financeiro do projeto comparativo, concluímos que temos a melhor opção é implantarmos a estação por locação e readequação de imóvel com custos de R$ ,00, contra a segunda opção de locação de terreno e construção com custos de R$ ,00. Desta forma teremos uma economia no projeto de R$ 9.500,00, sendo implantado no prédio Pereira Barreto, conforme avaliações. Despesas Locação de Imóvel Locação de Terreno e Construção Sistema Elétrico 267,2 267,2 Ar Condicionado 5,0 5,0 Sistema de CFTV 2,0 2,0 Sistema de Detecção e Combate a Incêndio 108,8 108,8 Sistema de Supervisão 66,3 66,3 Integração 137,5 137,5 Projeto 37,0 37,0 Imobiliário 17,5 17,5 Reforma do Prédio 62,5 0,00 Construção 0,00 112,0 TOTAL 765,80 815,30 Referências Barradas, A.Ferreira da /silva. Telecomunicações Sistemas de Energia, Editora Livros Técnicos e Científicos S.A, acesso em 29/11/2005. Eltek, Sistemas de Energia. Manual Técnico de Baterias Chumbo Ácidas Reguladas por Válvula Tipo OpzV. Norma NBR 510. Norma TIA EIA

13 Estação Telecom: Teste seu Entendimento 1. Quais dos sistemas abaixo fazem parte da infra-estrutura de uma estação telecom? Instalações Prediais, Sistema de Proteção e Aterramento. Ambiente de Grupo Geradores e Sistema de Combustível. Sistema de distribuição CA e Sistema de distribuição CC. Sistema de Supervisão e Telecomunicações. Todos os anteriores. 2. Qual das alternativas abaixo não representa uma atividade de gerenciamento do projeto? Elaboração do cronograma físico de execução das obras e do cronograma financeiro de despesas. Desenvolvimento de aplicação de suporte a operação. Execução da logística para o encadeamento das atividades envolvidas. Apropriação de equipes e recursos materiais (instrumentos, veículos, etc.). Definição dos parceiros e sub-fornecedores de materiais e equipamentos. 3. Em geral, o motivo que leva a empresa a decidir pela locação ou construção de uma estação telecom é: Estado geral das instalações. Quantidade de equipamentos envolvidos. Solução que implique no menor custo, desde que atendidas todas as premissas do projeto. Localização da rede. Localização dos clientes a serem prospectados. 13

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC).

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Infra-estrutura de Internet Data Center (IDC) Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Pollette Brancato Diretora de

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura 2012 (Telemar R1)

Compartilhamento de Infraestrutura 2012 (Telemar R1) Compartilhamento de Infraestrutura 2012 (Telemar R1) Data Base: Julho 2012 Versão 1.0 Índice DESCRIÇÃO GERAL... 2 SEGMENTOS ALVO... 2 BENEFÍCIOS... 2 ABRANGÊNCIA... 2 SITES... 3 COLOCATION INDOOR... 4

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 06/01/2003).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 06/01/2003). Implantação de Estações Rádio Base (ERBs) Este tutorial apresenta a descrição das etapas básicas de implantação de uma estação rádio base (ERB) em redes celulares. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICA PRINCIPAL Sistema de Monotrilho Trem com tração elétrica e sustentação por pneus, que se desloca sobre uma viga,

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXSNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Marcio Jaeger de Quadros

Marcio Jaeger de Quadros Marcio Jaeger de Quadros Engenheiro Eletricista Graduação PUC-RS Engenheiro de Segurança do Trabalho Pós-Graduação PUC-RS CREA-RS 145889 1. Objetivo Trabalhar nas áreas de Engenharia Elétrica e Segurança

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial

Leia mais

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br

Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE ENERGIA E AUTOMAÇÃO. www.grupotse.com.br Escolha o melhor parceiro para estar entre os maiores. Escolha TSE www.grupotse.com.br I. A EMPRESA II. SERVIÇOS III. CLIENTES IV. CERTIFICAÇÕES V. CASES www.grupotse.com.br A Empresa Com Matriz em São

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A. SOENG Construção Hidroelétrica Ltda.

APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A. SOENG Construção Hidroelétrica Ltda. APRESENTAÇÃO PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREDIAIS EDIFÍCIOS COMERCIAIS TRIPLE A SOENG Construção Hidroelétrica Ltda. Oscar MORIO Tsuchiya Engenheiro Civil EPUSP (1975) diretor tecnico - SOENG SOENG Construção

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

REQUISITOS DE DATACENTERS PARA HOSPEDAGEM de PIX

REQUISITOS DE DATACENTERS PARA HOSPEDAGEM de PIX REQUISITOS DE DATACENTERS PARA HOSPEDAGEM de PIX Equipe de Engenharia PTT.br e-mail: eng@ptt.br Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR NIC.br DOCUMENTO DE USO RESTRITO. DIVULGAÇÃO SOMENTE COM PERMISSÃO

Leia mais

Brasília, 27 de abril de 2011

Brasília, 27 de abril de 2011 Rede Nacional do Governo Federal para o PNBL Brasília, 27 de abril de 2011 1 Programa Nacional de Banda Larga 2 Rede Nacional - 2014 Abrangência 27 capitais 4.283 municípios Quantidade de Estações 322

Leia mais

SOLUÇÕES COMPLETAS SOLUÇÕES COMPLETAS. em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações

SOLUÇÕES COMPLETAS SOLUÇÕES COMPLETAS. em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações SOLUÇÕES COMPLETAS em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações SOLUÇÕES COMPLETAS em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações CFTV IP CABEAMENTO ESTRUTURADO

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA

CADERNO DE ORIENTAÇÕES LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA LOCAÇÃO DE IMÓVEL UNIDADE REGIONAL BAHIA Dezembro de 2013 SUMÁRIO 1. OBJETO... 3 2. GENERALIDADES... 3 3. DO EDIFÍCIO... 4 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, ELETRÔNICAS, DADOS E VOZ... 4 5. INSTALAÇÕES DE REFRIGERAÇÃO...

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Locação de imóveis Pág.: 1/6 1 Objetivo Esta Norma estabelece os procedimentos referentes à celebração, renovação e rescisão dos contratos de locação de imóveis efetuados pela COPASA MG, exclusivamente para o exercício de

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 Macroprocesso Processo Subprocesso Gerência GERÊNCIA REGIONAL Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 1.2.8.1 Receber e analisar solicitação Receber solicitação de demanda de expansão do sistema de Supervisor de Unidade

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

Implantação do novo datacenter. Superintendente de Informática. Observação: Os títulos que estiverem em vermelho são de preenchimento obrigatório.

Implantação do novo datacenter. Superintendente de Informática. Observação: Os títulos que estiverem em vermelho são de preenchimento obrigatório. DATACENTER Nome do Projeto: Área Responsável: Implantação do novo datacenter. Superintendência de Informática Idealizadores/Responsáveis do Projeto: Nome Luiz Mauro de Pádua Silveira Cargo Superintendente

Leia mais

Projetando um. Futuro Sustentável.

Projetando um. Futuro Sustentável. Projetando um Futuro Sustentável. UMA NOVA FORMA DE PENSAR. UMA NOVA FORMA DE PENSAR O TODO. UTILITASfuncional Todo projeto tem a finalidade de transformar ideias e necessidades dos clientes em resultados

Leia mais

Solutions with flexibility

Solutions with flexibility Solutions with flexibility Solutions with flexibility Nossa História Missão Visão e Valores Fundada em 2010 A Mega Cabling, tem como objetivo principal fornecer consultoria, materiais e serviços na elaboração

Leia mais

Parte II: Projeto Executivo de Implantação

Parte II: Projeto Executivo de Implantação Data: 17/04/2009 V 2.0 PROJETO EXECUTIVO INTELIG CLUSTER CENU Parte II: Projeto Executivo de Implantação IMPLANTAÇÃO DE CLUSTER PARA ATENDIMENTO À REDE INTELIG COM SOLUÇÃO MOTOROLA/CANOPY Cluster SPO CENU

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Automação Predial e Patrimonial - Memorial Descritivo para Lojas CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Pasta: cyrella_metropolitano-pro-ec-lojas-1-0-2012.doc DATA: 14/05/2012 0 Emissão de Memorial Descritivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Superação dos resultados Inovação Integridade Valorização Humana Melhoria Continua

APRESENTAÇÃO. Superação dos resultados Inovação Integridade Valorização Humana Melhoria Continua APRESENTAÇÃO EMPRESA A LHS Engenharia tem como principal objetivo a prestação de serviços e apoio adequado que garantem soluções eficazes com resultado garantido, durabilidade e excelente relação custo/benefício.

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

APRESENTAÇÃO Missão Nossos Valores Compromisso Principais Serviços Av.: Celso Garcia, 3731 Tatuapé - São Paulo/SP -CEP 03063-000

APRESENTAÇÃO Missão Nossos Valores Compromisso Principais Serviços  Av.: Celso Garcia, 3731 Tatuapé - São Paulo/SP -CEP 03063-000 APRESENTAÇÃO A HM Telecom atua no mercado de Telecomunicações desde 2002, tem em seu sucesso um diferencial embasado em conceitos e processos que garantem a satisfação e fidelidade de nossos Clientes.

Leia mais

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS ANEXO IX DIRETRIZES MÍNIMAS PARA EQUIPAMENTOS E SISTEMAS SUMÁRIO Diretrizes Mínimas para Equipamentos e Sistemas... 3 Introdução... 3 Apêndice I Memorial Descritivo de Sistemas Eletrônicos Equipamentos

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 20/05/2013 a 24/05/2013. Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ Tel.

ISO 9001 : 2008. De 20/05/2013 a 24/05/2013. Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ Tel. ISO 9001 : 2008 Segurança em Instalações de TI (Data Center) De 20/05/2013 a 24/05/2013 Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) 2195-6000 Carga Horária:

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

Eliaquim Mota Coelho. Objetivo Atuar na área de elétrica, Automação,Eletromecânica,Instrumentação e Eletroeletrônica,Mecatrônica.

Eliaquim Mota Coelho. Objetivo Atuar na área de elétrica, Automação,Eletromecânica,Instrumentação e Eletroeletrônica,Mecatrônica. Eliaquim Mota Coelho Objetivo Atuar na área de elétrica, Automação,Eletromecânica,Instrumentação e Eletroeletrônica,Mecatrônica. Brasileiro, 41 anos (solteiro) CPF: 46081437353 Conjunto Jardim Sevilha.

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

< Gerenciamento de Obras >

< Gerenciamento de Obras > Quem Somos A Markarquitetura vem, desde 2002, prestando serviços em arquitetura e engenharia em Interiores Corporativos e, mais recentemente, em Edificações Corporativas de forma estruturada e oferecendo

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com. COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.br - Outubro 2009-1 1 AGENDA 1. Up to Date Ar Condicionado

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1. O objetivo deste Termo de Referência é disponibilizar aos interessados em atender a solicitação de propostas da PPP ESPLANADA SUSTENTÁVEL

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução

Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução Estudo Preliminar de Viabilidade Econômico Financeira da PPP UAI da Praça Sete 1. Introdução O presente estudo tem como objetivo apresentar as principais premissas e fontes de informação que subsidiaram

Leia mais

Ministério da Previdência Social Redução de Gastos Julho - 2015 DESPESA 2012 2013 2014 2015 2016 DATAPREV DESPESA 2012 2013 2014 EXEC 1º SEM PROJEÇÃO Diárias e Passagens 562.609.894 587.443.620 609.750.166

Leia mais

Parte II: Projeto Executivo de Implantação

Parte II: Projeto Executivo de Implantação Parte II: Projeto Executivo de Implantação IMPLANTAÇÃO DE CLUSTER PARA ATENDIMENTO À REDE INTELIG COM SOLUÇÃO MOTOROLA/CANOPY REVISÃO DO DOCUMENTO: DATA DA REVISÃO RESPONSÁVEL REVISÃO 7/02/ Gleice Guimarães

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação

Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação Trabalhamos em função do cliente apresentando uma gama de soluções chave na mão de forma a garantir: Satisfação Eficácia Continuidade Inovação Fidelização PRINCIPAIS CLIENTES A anglobal atende a mais de

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 1 MANUAL DE REFERÊNCIA TÉCNICA - ELEVAC 200 APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, é um sistema de

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Gerência de Projetos. Aula 5. Nivelamento de Recursos Humanos. Data: 13/05/2015

Gerência de Projetos. Aula 5. Nivelamento de Recursos Humanos. Data: 13/05/2015 Gerência de Projetos Aula 5 Nivelamento de Recursos Humanos Data: 13/05/2015 Prof. Cássio Montenegro Estrutura da Aula Parte 1 Resolução da Atividade 8; Apresentação da Atividade 9; Teoria na qual será

Leia mais

CONECTANDO A SUA EMPRESA AOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DE QUE ELA PRECISA

CONECTANDO A SUA EMPRESA AOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DE QUE ELA PRECISA CONECTANDO A SUA EMPRESA AOS RECURSOS TECNOLÓGICOS DE QUE ELA PRECISA Empresa A CDD Tecnologia Ltda é uma empresa baiana, fundada em 1996, voltada para o desenvolvimento de soluções tecnológicas na área

Leia mais

AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS. Apresentação : Marcelo Zugaiar

AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS. Apresentação : Marcelo Zugaiar AUTOMAÇÃO PARA OPERAÇÃO EM TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Apresentação : Marcelo Zugaiar 1 Automação para Operação em Transporte de Passageiros Condução automática dos trens Estações inteligentes Sistema de

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DA FÁBRICA NO JACARÉ - FQM.

REESTRUTURAÇÃO DA FÁBRICA NO JACARÉ - FQM. REESTRUTURAÇÃO DA FÁBRICA NO JACARÉ - FQM. A fábrica da FQM do Jacaré, composta por 09 (nove) prédios, sofria com os vários gargalos de comunicação existentes. Praticamente não havia uma infraestrutura

Leia mais

12 ANOS NO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES

12 ANOS NO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES 12 ANOS NO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES 2011 PROLINK TELECOM 12 ANOS NO MERCADO DE TELECOMUNICAÇÕES A PROLINK é uma empresa, voltada para prestação de serviços de assessoria, projetos, fornecimento, instalação

Leia mais

= CONSTANTE x CUB PR x M2

= CONSTANTE x CUB PR x M2 1 TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÃO ELÉTRICAS E TELEFONIA, TUBULAÇÃO DE ALARME/CFTV/LÓGICA/SOM/TV E SPDA (SISTEMA PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA). PRESCRIÇÕES

Leia mais

redes, infraestrutura e telecom

redes, infraestrutura e telecom redes, infraestrutura e telecom Integração de soluções, projetos, implementação e manutenção de redes, infraestrutura de TI e telecom para empresas de grande e médio portes. SERVIÇOS redes, infraestrutura

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

Quando entramos no edifício onde trabalhamos, passando

Quando entramos no edifício onde trabalhamos, passando Técnica Especificações Técnicas de edifícios comerciais Quando entramos no edifício onde trabalhamos, passando pelas rampas da garagem, subindo os elevadores até o nosso andar e caminhando em direção a

Leia mais

ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006

ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO GERAL ESCLARECIMENTOS AO PREGÃO Nº 653/2006 Ref. Processo nº 50600.009513/2006-99 OBJETO:

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira Data Center : Conceitos Básicos Alex Martins de Oliveira Conceitos e Projetos Disponibilidade, Confiabilidade e Redundância Planejamento de Espaços Distribuição Elétrica e UPS (Uniterruptable Power Supply)

Leia mais

Métodos e Processos na Execução de Instalações

Métodos e Processos na Execução de Instalações Eficiência da Mão de Obra e Otimização das Instalações Elétricas através da Substituição dos Cabos Alimentadores por Barramentos Blindados em Prédio Comercial Métodos e Processos na Execução de Instalações

Leia mais

Aterramento em Sites de Telecomunicações

Aterramento em Sites de Telecomunicações Aterramento em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Aterramento em Sites de Telecomunicações. Augusto José Maluf Engenheiro Eletrônico

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A

SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO S/A Esclarecimentos Processo Seletivo n 001/2014 Processo n 24/100.025/2014 Pergunta: O pavimento

Leia mais

Engenheiro em Eletrônica (FACENS/Sorocaba 2002). Técnico em Eletrotécnica (ETE Rubens de Faria e Souza/Sorocaba 1996).

Engenheiro em Eletrônica (FACENS/Sorocaba 2002). Técnico em Eletrotécnica (ETE Rubens de Faria e Souza/Sorocaba 1996). Sistemas de Energia DC - Baterias em Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de baterias para uso em infra-estrutura de telecomunicações. James Clayton de Vasconcelos Engenheiro em Eletrônica

Leia mais

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas

Plano Plurianual da Distribuição. Turn Key 1. Dados e Informações para Projeto sobre as. SE S Esmeraldas e Jaboticatubas Doc. TC 00267/2009 SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES GERÊNCIA DE MANUTENÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES Plano Plurianual da Distribuição Turn Key 1 Dados e Informações para Projeto sobre

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES

MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS (NORMAS E DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA) MUSEU DAS TELECOMUNICAÇÕES ELABORAÇÃO, APROVAÇÃO, DETALHAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS PROJETOS

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA empresa e contato APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Luga Telecom conta hoje com uma experiência consolidada de seus colaboradores, que possuem mais de 10 anos de experiência e atuação no mercado corpora vo e de

Leia mais