Analisar as conseqüências políticas e militares da Independência do Brasil, concluindo sobre seus reflexos na Guerra da Cisplatina ( ).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analisar as conseqüências políticas e militares da Independência do Brasil, concluindo sobre seus reflexos na Guerra da Cisplatina ( )."

Transcrição

1 CP/CAEM/06 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª (Valor 6,0) Analisar as conseqüências políticas e militares da Independência do Brasil, concluindo sobre seus reflexos na Guerra da Cisplatina ( ). Item ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS Escores Obs MÉTODO Interpretação M01 Compreensão do nível de desempenho exigido M02 Análise do objeto correto M03 Abordagem da idéia central 06 M04 Delimitação do tema no espaço e no tempo 06 M05 Outras idéias complementares 04 M06 Não antecipação de parte do desenvolvimento 04 M07 Ligação com o 05 M08 Dividiu o todo em partes coerentes 10 M09 Durante o desenvolvimento preparou para o atendimento à condicionante da servidão (SFC) M10 Atendeu à condicionante de tempo e de espaço (SFC) 05 M11 Apresentou as idéias com ligação de causa e efeito 10 M12 Elaborou as conclusões parciais Conclusão M13 Retomou o tema central 05 M14 Síntese (idéias coerentes com as CP) 30 M Atendimento à imposição do pedido (condicionante da servidão) 10 M16 Elaborou o parágrafo conclusivo 10 C01 Subtotal Método 180 CONHECIMENTO (Algumas idéias) TOTAL 300 escores 1escores atribuídos para idéias essenciais 180 escores atribuídos a critério do oficial encarregado da correção A importância estratégica da Cisplatina e sua anexação por ordem de D João VI C02 Idéias gerais sobre a Independência do Brasil 10 C03 Idéias gerais sobre o Primeiro Reinado (1822 a 1831) 10 C04 A guerra contra a Argentina pela disputa da Província Cisplatina

2 Outras idéias julgadas pertinentes Conseqüências políticas C05 Instabilidade política e os movimentos separatistas 10 C06 A reação das tropas portuguesas estacionadas na Cisplatina C07 Predominância da aristocracia rural na política, manutenção da mentalidade escravagista e do conservadorismo C08 Disputa entre monarquistas e republicanos C09 Imediato reconhecimento da independência pela Inglaterra e pelos EUA C10 Aumento da influência Britânica no Brasil e na região do Prata 10 C11 C12 Necessidade de organização do Estado Brasileiro, arcabouço jurídico e estrutura administrativa Disputa entre os que desejavam a adoção de uma monarquia constitucional e os que optavam por uma monarquia absolutista C13 Outras idéias julgadas úteis C14 CP: - Momento de instabilidade e fraqueza política, aproveitada pela Argentina para tentar a anexação da Cisplatina. - Necessidade britânica de promover a paz na região do Prata, em conseqüência dos prejuízos comerciais. Conseqüências militares C Necessidade de estruturar um exército genuinamente brasileiro 10 C16 Existência de mercenários nas forças militares C17 Recrutamento forçado para a guerra recaindo principalmente sobre os mais pobres e autorização para incorporar negros escravos C18 Marinha constituída por uma maioria de oficiais não brasileiros C19 Lutas para consolidar a independência C Outras idéias julgadas úteis CP: - Precária estrutura militar, aliada às dificuldades financeiras existentes e a necessidade de consolidar a independência tornaram o esforço de guerra um grande óbice para obter a vitória. Conclusão C21 Conflito de interesses entre Brasil e Argentina C22 Incapacidade de manter a província Cisplatina integrada ao Império C23 Interesse comercial da Inglaterra no Prata 10 Subtotal Conhecimento

3 EXPRESSÃO ESCRITA A1 00 Coerência A2 05 A3 10 B1 00 Clareza B2 05 B3 10 C1 00 Objetividade C2 05 C3 10 D1 00 Coesão D2 05 D3 08 D4 10 Ortografia E1 Pontuação E2 Concordância E3 Regência E4 Subtotal - Expressão escrita 1 RESULTADO GRAU BRUTO MÁXIMO 600 6,0 GRAU BRUTO OBTIDO NA 2ª (Valor 4,0) Apresentar os reflexos da Guerra da Tríplice Aliança que contribuíram para o fim do Império no Brasil. Item ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS Escores Obs MÉTODO Interpretação M01 Compreensão do nível de desempenho exigido 10 M02 Apresentar o objeto correto 10 M03 Abordagem da idéia central 05 M04 Delimitação do tema no espaço e no tempo 05 M05 Outras idéias complementares 03 M06 Não antecipação de parte do desenvolvimento 05 M07 Ligação com o 02 M08 Dividiu o todo em partes coerentes 10 M09 Atendeu à condicionante de tempo e espaço 10 M10 Ordenação pela relevância das idéias (SFC) 10 M11 Apresentou as idéias com ligação de causa e efeito 10 Subtotal Método 80

4 CONHECIMENTO (Algumas idéias) TOTAL 240 escores 90 escores atribuídos para idéias essenciais 0 escores atribuídos a critério do oficial encarregado da correção C01 O período da Guerra da Tríplice Aliança C02 O envolvimento nacional na Guerra da Tríplice Aliança C03 As características de conflito total da Guerra da Tríplice Aliança C04 Outras idéias julgadas pertinentes C05 - Enfraquecimento político do Imperador em conseqüência dos custos (políticos, econômicos, sociais e militares) da guerra. C06 - Fortalecimento do ideal republicano difundido entre os militares C07 - Fortalecimento das Instituições militares, particularmente no EB, conseqüência da evolução militar em doutrina, equipamento etc.. C08 - Surgimento de lideranças militares com ativa participação nas questões militares. C09 - Abolição da Escravatura fruto da participação de escravos na guerra e da ação de algumas lideranças militares. C10 - Instabilidade econômica com aumento da dívida externa devido aos custos da campanha militar. C11 - Outras idéias julgadas pertinentes Subtotal Conhecimento 240 EXPRESSÃO ESCRITA A1 00 Coerência A2 05 A3 10 B1 00 Clareza B2 05 B3 10 C1 00 Objetividade C2 05 C3 10 D1 00 Coesão D2 05 D3 08 D4 10 Ortografia E1 10 Pontuação E2 10 Concordância E3 10 Regência E4 10 Subtotal Expressão escrita 80 30

5 Valor máximo das questões RESULTADO GRAU BRUTO MÁXIMO 400 4,0 GRAU BRUTO OBTIDO NA RESULTADO FINAL GRAU BRUTO DA (escores) 1ª Questão 6, ª Questão 4,0 400 GRAU FINAL DA AVALIAÇÃO GRAU OBTIDO NA (escores) GRAU OBTIDO NA (nota) Item Observações

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

CP/CAEM / 2006 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA

CP/CAEM / 2006 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA CP/CAEM / 2006 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar as características da população brasileira segundo a expectativa de vida e a taxa de

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÙDE) 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÙDE) 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÙDE) 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)! "#$ &%'(!*)+,-,. / 01 2 3 4 %5 6. %, 87 9;:=?A@ BDC@E@ FGB

Leia mais

ANUALIZAÇÃO 2015/2016

ANUALIZAÇÃO 2015/2016 ESCOLA EB 3,3/S DE VILA FLOR HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO ANUALIZAÇÃO 2015/2016 OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO GESTÃO LETIVA (POR PERÍODO) - Conhecer a sociedade portuguesa no século XVIII -

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2009 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CPS CP/ECEME - 2009 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CPS CP/ECEME - 29 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO (Valor 6,) Analisar as consequências político-econômicas da Guerra do Pacífico (1879-1881) e Guerra do Chaco (1932-1935) para

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0)

PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) 1 PEP/2011-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Comparar os períodos Regencial e Segundo Reinado, nos campos político e econômico, concluindo sobre os

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÚDE)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÚDE) CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA (SAÚDE) 1ª QUESTÃO (valor 6,00) A privatização do Sistema Telebrás ocorreu no dia 29 de julho 1998 através de 12 leilões consecutivos

Leia mais

CPS CP/ECEME 2013 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CPS CP/ECEME 2013 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 CPS CP/ECEME 2013 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO Aluno nº GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar as iniciativas de integração regional conhecidas como Comunidade Andina das Nações

Leia mais

PEP 2012 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA

PEP 2012 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1 PEP 2012 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Estudar os reflexos da primeira fase da Guerra Fria (1945-1962), nos campos político e econômico, para

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA - SAÚDE. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CPS CP/ECEME - 2008 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA - SAÚDE. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CPS CP/ECEME - 2008 1ª AVALIAÇÃO SOMATIVA Al Nr FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA - SAÚDE 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Em 2006, a expectativa de vida do brasileiro ao nascer era de 72,3 anos, segundo mostra

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE PESSOAL, ENSINO, SAÚDE E DESPORTO - SEPESD DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - DESAS COPRECOS-BRASIL

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE PESSOAL, ENSINO, SAÚDE E DESPORTO - SEPESD DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - DESAS COPRECOS-BRASIL MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE PESSOAL, ENSINO, SAÚDE E DESPORTO - SEPESD DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - DESAS COPRECOS-BRASIL ANDERSON BERENGUER Ten Cel Farm (EB) Gerente-Geral do Programa

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/20 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 6,0 ) Analisar os fatores fisiográficos da América do Sul, concluindo sobre a influências destes fatores na distribuição

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2010 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA

CPS CP/ECEME - 2010 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA CPS CP/ECEME - 20 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA Aluno Nº 1 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar a disputa pela hegemonia na Ásia Central entre EUA, Rússia e China, a partir do ano

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 3º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Unificação da Itália, Alemanha e EUA

Unificação da Itália, Alemanha e EUA Material de apoio para Monitoria 1. (PUC-SP) Na base do processo das unificações italiana e alemã, que alteraram o quadro político da Europa no século XIX, estavam os movimentos a) sociais, acentuadamente

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL

AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL AS QUESTÕES DA DEFESA E O CONGRESSO NACIONAL João Paulo Batista Botelho Consultor Legislativo do Senado Federal 10/4/2014 OBJETIVO Apresentar aspectos gerais do Poder Legislativo brasileiro e seu papel

Leia mais

Plano de Ensino 1º semestre de 2016. Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU

Plano de Ensino 1º semestre de 2016. Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU Plano de Ensino 1º semestre de 2016 ÁREA DE GESTÃO E NEGÓCIOS Unidade Curricular: AVALIAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS Professores: CLEANTES ALVES LEITE JR. / JOÃO CARLOS IVO DE ABREU Carga horária: 133h Carga

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º sem. Danieli Rodrigues Ximenes Pavão EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º sem. Danieli Rodrigues Ximenes Pavão EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão em Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: FORMA/GRAU:( )integrado ()subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

O QUE ORIENTA O PROGRAMA

O QUE ORIENTA O PROGRAMA O QUE ORIENTA O PROGRAMA A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres estabeleceu um diálogo permanente com as mulheres brasileiras por meio de conferências nacionais que constituíram um marco na

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Processo. Entender como demonstrar resultados requeridos nesta modalidade. 2 1 CRONOGRAMA 2010 ATIVIDADE MAR ABR

Leia mais

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha PRODUÇÃO TEXTUAL Nº3 ENTREGA: 17/ 03/ 2016 2º Ano do Ensino Médio Nome do aluno: Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

PEP/2010 5ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

PEP/2010 5ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) PEP/2010 5ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) São muitas também as referências ao algo mais, à capacidade que tem o brasileiro de desenvolver com o

Leia mais

EDITAL 01/2016 - PROCESSO SELETIVO PARA FUNÇÃO DE TÉCNICO EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA

EDITAL 01/2016 - PROCESSO SELETIVO PARA FUNÇÃO DE TÉCNICO EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA EDITAL 01/2016 - PROCESSO SELETIVO PARA FUNÇÃO DE TÉCNICO EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA A Fundação Educacional de Fernandópolis FEF localizada no município de Fernandópolis Estado de São Paulo torna pública

Leia mais

OUVIDORIA GERAL EXTERNA

OUVIDORIA GERAL EXTERNA OUVIDORIA GERAL EXTERNA Plano de trabalho de Janeiro de 2012 a Julho de 2012 Principais Atividades JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL 1) Apresentação Plano de trabalho para Defensora Pública Geral X 2) Aprovação

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009.

DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. DECRETO Nº. 017/2009, de 04 de setembro de 2009. REGULAMENTA A JUNTA MÉDICA DO MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE E DO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DE GUARANTÃ DO NORTE PREVIGUAR E

Leia mais

PEP/2016-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

PEP/2016-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1 PEP/2016-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) OBSERVAÇÃO: ESTA É UMA DAS FORMAS DE SOLUÇÃO PARA A SERVIDÃO COMPARAR. LEIA A PUBLICAÇÃO MÉTODO PARA

Leia mais

Plano de Articulação Curricular

Plano de Articulação Curricular Plano de Articulação Curricular 2014-2015 Agrupamento de Escolas Fernando Pessoa Índice 1.Introdução... 3 2 2.Prioridades... 4 3.Operacionalização do Plano de Articulação Curricular... 5 4.Monitorização

Leia mais

Professora Erlani. Apostila 3 Capítulo 1

Professora Erlani. Apostila 3 Capítulo 1 Apostila 3 Capítulo 1 No continente africano, muitos focos de tensão e destruição demonstram as instabilidades geradas por guerras civis em diversos países africanos. A história colonial e o passado de

Leia mais

PARECER Nº 6.615/2013

PARECER Nº 6.615/2013 Fls.239 PROCESSO Nº : 8820-0/2012 UNIDADE : FUNDO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DO ESTADO DE MATO GROSSO ASSUNTO : CONTAS ANUAIS DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2012 GESTOR : ROSELI FÁTIMA MEIRA BARBOSA PARECER Nº

Leia mais

Apresentar ao acadêmico do curso uma visão completa sobre o Direito Empresarial, capacitandoo para a construção de seus postulados ou axiomas.

Apresentar ao acadêmico do curso uma visão completa sobre o Direito Empresarial, capacitandoo para a construção de seus postulados ou axiomas. Detalhes da Disciplina Código JUR1021 Nome da Disciplina DIREITO EMPRESARIAL I Carga Horária 60 Créditos 4 Direito Empresarial: histórico, fontes, relações, objeto e princípios. Empresa: atividade empresarial,

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005

SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 SENSIBILIZAÇÃO PARA WORKSHOP DAS NORMAS ABNT NBR ISO 10015:2001 E ABNT NBR ISO 10002:2005 1 ABNT NBR IS O 10002:2005 S atisfação do cliente Diretrizes para o tratamento de reclamações nas organizações.

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA

PROGRAMA ACOMPANHAMENTO. Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO Jardins de Infância da Rede Privada Instituições Particulares de Solidariedade Social RELATÓRIO DO JARDIM DE INFÂNCIA Designação: Centro Social de Azurva Endereço: Rua Professor

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO Autores Terezinha Mônica Sinício Beltrão. Professora da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura do Recife e Professora Técnica da Gerência de Educação

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Suporte ao desenvolvimento da Rede Saúde & Diplomacia Seguimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

4ª CAMPANHA DA REDE DE VOLUNTARIADO DIGITAL DO HOSPITAL DA BALEIA PRESTAÇÃO DE CONTAS

4ª CAMPANHA DA REDE DE VOLUNTARIADO DIGITAL DO HOSPITAL DA BALEIA PRESTAÇÃO DE CONTAS 4ª CAMPANHA DA REDE DE VOLUNTARIADO DIGITAL DO HOSPITAL DA BALEIA PRESTAÇÃO DE CONTAS Prezados Voluntários digitais, A 4ª campanha da Rede de Voluntariado Digital do Hospital da Baleia foi um sucesso.

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

PLANO DE ACÇAO ANUAL PARA A IMPLEMENTAÇAO DA RCS 1325, 2010-2011 Comité de Pilotagem da RCS 1325 Guiné- Bissau

PLANO DE ACÇAO ANUAL PARA A IMPLEMENTAÇAO DA RCS 1325, 2010-2011 Comité de Pilotagem da RCS 1325 Guiné- Bissau PLANO DE ACÇAO ANUAL PARA A IMPLEMENTAÇAO DA RCS 1325, 2010-2011 Comité de Pilotagem da RCS 1325 Guiné- Bissau Discuçao e validaçao reunion Comité Pilotagem 18 / 08 / 10 - Parceiros responsables por actividades

Leia mais

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder?

MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? Por que avaliar os trabalhos? Como os avaliadores devem proceder? MANUAL DO AVALIADOR O que é uma Feira de Ciência? É uma exposição que divulga os resultados de experimentos ou de levantamentos realizados, com rigor científico, por alunos, sob a orientação de um professor.

Leia mais

PEP/2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE

PEP/2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 PEP/2013-2ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar o fenômeno da migração entre as regiões brasileiras, ocorrida na segunda metade do século

Leia mais

PEP 2015-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

PEP 2015-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 PEP 2015-6ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar os hábitos alimentares nas coletividades urbanas e rurais, da Região Nordeste do Brasil,

Leia mais

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR Elza Cristina Giostri elza@sociesc.org.br PROGRAMA Apresentação Diagnóstico de conhecimento e necessidades Conceito Geral Elaboração do relatório

Leia mais

DPS CP/ECEME 2015 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO FAC 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

DPS CP/ECEME 2015 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO FAC 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) DPS CP/ECEME 1 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO FAC 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA HISTÓRIA Aluno nº 1 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar as ações de Portugal na defesa do Brasil Colônia, frente às ameaças colonizadoras

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

CATÁLOGO REGIONAL PALESTRAS, OFICINAS E CURSOS

CATÁLOGO REGIONAL PALESTRAS, OFICINAS E CURSOS CATÁLOGO REGIONAL PALESTRAS, OFICINAS E CURSOS GET GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHADOR SESI/DRMG MINAS GERAIS 2015 www.fiemg.com.br SUMÁRIO 1. PALESTRAS 1.1 MAIS INFORMAÇÕES... 4 2. OFICINAS 2.1 ÉTICA

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM DUBLIN EDITAL Nº 01/2015

EMBAIXADA DO BRASIL EM DUBLIN EDITAL Nº 01/2015 EMBAIXADA DO BRASIL EM DUBLIN EDITAL Nº 01/2015 O Embaixada do Brasil em Dublin faz saber aos interessados, por meio da Comissão de Seleção designada pelo Senhor Embaixador do Brasil em Dublin, que realizará

Leia mais

Principais causas para revolução francesa

Principais causas para revolução francesa Revolução Francesa Principais causas para revolução francesa -Empobrecimento do povo francês guerras, luxo, empréstimos. -Cerca de 80% do povo viviam no campo em situação precária. -Os anos que antecederam

Leia mais

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE

UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO SAUDE UNIAO VITORIOSA PLANO DE GOVERNO 2013 2016 SAUDE A saúde publica centra sua ação a partir da ótica do Estado com os interesses que ele representa nas distintas formas de organização social e politica das

Leia mais

Anexo I 1 Do local, período e horário das inscrições: 08 a 11 de dezembro de 2015, no horário de 14 às 17 horas. 2 Dos requisitos para inscrição:

Anexo I 1 Do local, período e horário das inscrições: 08 a 11 de dezembro de 2015, no horário de 14 às 17 horas. 2 Dos requisitos para inscrição: UNIÃO METROPOLITANA PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR

Leia mais

o MINISTERIO PUBLICO FEDERAL, pelos Pracuradores da Republica

o MINISTERIO PUBLICO FEDERAL, pelos Pracuradores da Republica %~~1~j/ ~~~ 1.26.001.000163/2009-67, 1.26.006.000044/2010-06, 1.26.006.000033/2010-18, 1.26.006.000035/2010-15, 1.26.006.000009/2010-89 e outros. o, pelos Pracuradores da Republica signatarios, no exercicio

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O PROGRAMA JOVEM APRENDIZ Dispõe sobre a Seleção Pública Simplificada para o cargo de educadores sociais e Ofícineiro de teatro visando atuação no Programa Jovem

Leia mais

EDITAL N O. 09/2015 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL N O. 09/2015 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL 06 DE AGOSTO DE 2015 PÁGINA 1 EMBAIXADA DO BRASIL EM PRETÓRIA EDITAL N O. 09/2015 A Comissão de Seleção designada pelo Embaixador do Brasil em Pretória, pela Portaria n O 06, de 05 de agosto de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO QUALIDADE INICIAL. CAQi DO CUSTO ALUNO EM MINAS GERAIS. CAQi em 2012. www.sindutemg.org.br NTO: PISO SALARIAL NAL: RICARDO SÁ

ESTUDO COMPARATIVO QUALIDADE INICIAL. CAQi DO CUSTO ALUNO EM MINAS GERAIS. CAQi em 2012. www.sindutemg.org.br NTO: PISO SALARIAL NAL: RICARDO SÁ RAÇÕES: NTO: PISO SALARIAL 30/09/2013 NAL: RICARDO SÁ CAQi em 2012 ESTUDO COMPARATIVO DO CUSTO ALUNO QUALIDADE INICIAL EM MINAS GERAIS 1 Caderno CUSTO de Debates ALUNO CUT/MG - 1 CAQi FILIADO À www.sindutemg.org.br

Leia mais

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1

Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 Redação Publicitária reflexões sobre teoria e prática 1 AUTOR: MAGOGA, Bernardo CURSO: Comunicação Social Publicidade e Propaganda/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: MARTINS, Jorge S. Redação publicitária Teoria

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MONITOR PAUTA DE FREQUENCIA DOS EXAMES DE 08 A 16 DE FEVEREIRO 2016 PROVISÓRIA

INSTITUTO SUPERIOR MONITOR PAUTA DE FREQUENCIA DOS EXAMES DE 08 A 16 DE FEVEREIRO 2016 PROVISÓRIA Matric Disciplina T1 T2 T3 T4 NF Situa 15-470 Direito Constitucional I 14,00 17,50 15,00 14,00 15,12 Admit 15-470 Introdução ao Direito I *9,00 13,50 13,50 11,00 11,75 Admit 15-470 Economia Política I

Leia mais

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica

Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Audiência Pública na Câmara dos Deputados Comissão Especial sobre a Crise Hídrica Desafios do saneamento básico em face da crise hídrica Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093

FACULDADE DE ARARAQUARA IESP Instituto Educacional do Estado de São Paulo Rua Miguel Cortez, 50, Vila Suconasa, Araraquara/SP Tel: 3332-4093 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade de Araraquara CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

2014 AÇÕES PLANEJADAS 1. Participação em programas sociais na instituição e na comunidade

2014 AÇÕES PLANEJADAS 1. Participação em programas sociais na instituição e na comunidade 2014 AÇÕES PLANEJADAS 1. Participação em programas sociais na instituição e na comunidade A Faculdade Fidelis (FF) encontra-se inserida no Bairro do Boqueirão e no contexto da comunidade Menonita e por

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS ATRAVÉS DO INSTITUTO EUVALDO LODI DIVULGAÇÃO DO RESULTADO FINAL

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS ATRAVÉS DO INSTITUTO EUVALDO LODI DIVULGAÇÃO DO RESULTADO FINAL SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS ATRAVÉS DO INSTITUTO EUVALDO LODI DIVULGAÇÃO DO RESULTADO FINAL PROCESSO DE SELEÇÃO IEL BID N.º 011/2012 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO

Leia mais

Faculdade de Paraíso do Norte - FAPAN

Faculdade de Paraíso do Norte - FAPAN EDITAL N 004/2015 DAC O Diretor Acadêmico da Faculdade de Agronegócio Paraíso do Norte - FAPAN, no uso de suas atribuições regimentais, considerando o disposto no Inciso II do Artigo 44 da Lei n 9.394,

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Não jogue este impresso em via pública. Preserve o meio ambiente. Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Produção Centro Universitário Norte do Espírito Santo (São Mateus) Engenharia de Produção

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ EDITAL APP-CAMPI 2014 EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS A SEREM DESENVOLVIDOS NOS CAMPI DO SISTEMA CEFET/RJ 1. INFORMAÇÕES GERAIS EDITAL APP-CAMPI 2014 A Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) e o

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Código: CONSPROC 2010 Prestação de serviço técnico especializado, modalidade de consultoria

Leia mais

anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA

anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA anexo 1 Diagnóstico AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA Deficiente preparação de base nas disciplinas nucleares Manifestação de algum desinteresse e desmotivação Baixos níveis de raciocínio crítico/analítico Comportamento/Postura/atitude

Leia mais

Organizar o projeto editorial do livro comemorativo dos 60 anos da declaração universal dos direitos humanos.

Organizar o projeto editorial do livro comemorativo dos 60 anos da declaração universal dos direitos humanos. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA OEI/BR08-001/SEDH/PR - FORTALECIMENTO DA ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO BRASIL E DIVULGAÇÃO

Leia mais

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS PORTFÓLIO DE SERVIÇOS PORTFÓLIO DE SERVIÇOS Ana Paula Lima Coaching, Consultoria e Palestras é uma empresa especializada em Gestão de Pessoas, que visa identificar o potencial humano e desenvolvê-lo através

Leia mais

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Crescimento econômico Já sabemos que...

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. A Educação Básica, B Avanços e Desafios Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO ARQUIVO NACIONAL /CONARQ /FORÇAS ARMADAS CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GRUPO DE TRABALHO ARQUIVO NACIONAL /CONARQ /FORÇAS ARMADAS CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GRUPO DE TRABALHO ARQUIVO NACIONAL /CONARQ /FORÇAS ARMADAS CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SUBCLASSE 080 080 PESSOAL MILITAR 080.1 LEGISLAÇÃO Incluem-se atos normativos internos, tais

Leia mais

Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT

Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT Centro Interamericano de Administrações Tributárias CIAT 46ª. ASAMBLEA GENERAL DEL CIAT MELHORAR O DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA: O CONTROLE DE EVASÃO E ASSISTÊNCIA AOS CONTRIBUINTES Subtema 1.3

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

Fundação Educacional de Andradina Edital - 2015

Fundação Educacional de Andradina Edital - 2015 Fundação Educacional de Andradina Edital - 2015 EDITAL DE REQUERIMENTO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA ALUNOS DE CURSOS SUPERIORES E TÉCNICOS DA FEA PARA O ANO 2015 A Comissão Permanente de Análise de Bolsa de

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 15/7/2015, Seção 1, Pág. 9. Portaria n 724, publicada no D.O.U. de 15/7/2015, Seção 1, Pág. 8. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

I SEMINÁRIO SOBRE REFERENCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL. Conjecturas sobre a Mudança de Referenciais Geodésicos no Brasil

I SEMINÁRIO SOBRE REFERENCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL. Conjecturas sobre a Mudança de Referenciais Geodésicos no Brasil I SEMINÁRIO SOBRE REFERENCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL 17 a 20 / Outubro / 2000 Rio de Janeiro Grupo Universidades Conjecturas sobre a Mudança de Referenciais Geodésicos no Brasil Marcelo Carvalho dos Santos

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

DIVISÃO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO ESTUDO COMPARATIVO DOS ASSUNTOS TRATADOS NO CP/ECEME 2013 E NO PEP/2014 COM AS QUESTÕES DO CA 2014

DIVISÃO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO ESTUDO COMPARATIVO DOS ASSUNTOS TRATADOS NO CP/ECEME 2013 E NO PEP/2014 COM AS QUESTÕES DO CA 2014 1 ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO DIVISÃO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO AQUI SÃO SELECIONADOS OS FUTUROS LÍDERES DO EXÉRCITO BRASILEIRO Pesquisa nº 1 4 de junho de

Leia mais

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua;

A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; QUEM SOMOS A Mongeral Aegon é a seguradora mais antiga do Brasil em atividade contínua; Especializada em Vida e Previdência, possui portfólio completo para assegurar nossos clientes e seus familiares dos

Leia mais

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1

EMAIL/FACE: prof.fabioramos@hotmail.com www.facebook.com/prof.fabioramos 1 DIREITOS POLÍTICOS Prof. Fábio Ramos prof.fabioramos@hotmail.com Conjunto de normas que disciplinam as formas de exercício da soberania popular. Princípio da Soberania Popular: Art. 1º, par. único: Todo

Leia mais

APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL

APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL APRESENTAÇÃO APL AUDIOVISUAL AMOSTRA 101 Empresas presentes no Arranjo 64 Empresas formalmente filiadas ao APL 26 Questionários estruturados 21 Entrevistas semiestruturadas PERFIL DAS EMPRESAS PERFIL DAS

Leia mais

Aula 35 O Segundo Reinado brasileiro (1840-1889): a política externa

Aula 35 O Segundo Reinado brasileiro (1840-1889): a política externa Aula 35 O Segund Reinad brasileir (1840-1889): a plítica externa 1 - CONFLITOS PLATINOS: Causa básica: Cntrle da navegaçã na Bacia d Prata. Causas secundárias: Disputas territriais e enfraqueciment de

Leia mais

Ergonomia e Organização do Trabalho CNROSSI ERGONOMIA E FISIOTERAPIA PREVENTIVA

Ergonomia e Organização do Trabalho CNROSSI ERGONOMIA E FISIOTERAPIA PREVENTIVA Ergonomia e Organização do Trabalho Ergonomia Modern Times Charles Chaplin EUA/1936 Conceito Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento, ambiente e, particularmente,

Leia mais