Em 07/02/2012, a ANS alterou as regras de envio, exigindo agora a transmissão do 4º trimestre dos exercícios.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em 07/02/2012, a ANS alterou as regras de envio, exigindo agora a transmissão do 4º trimestre dos exercícios."

Transcrição

1 CIRCULAR 001/2012 Assunto: PPA da PEL - 4º trimestre de 2011 Prezados Clientes, Conforme disposto na RN 227/10, da Diretoria Colegiada, regulamentada pela IN 45/10, da DIOPE, ambas da Agência Nacional de Saúde Suplementar, as Operadoras de Planos de Saúde ficam obrigadas a enviar eletronicamente, em conjunto com o DIOPS, o Relatório de Procedimentos Previamente Acordados sobre a Provisão de Eventos a Liquidar, elaborado por auditores independentes registrados na Comissão de Valores Mobiliários. A obrigação acima mencionada iniciou para as informações do 1º ao 3º trimestre de 2011, cujos prazos de envio para a ANS constam na RN 173/08, com a redação dada pela RN 212/10 e veiculadas em noticias no site da ANS. Link ANS: Em 07/02/2012, a ANS alterou as regras de envio, exigindo agora a transmissão do 4º trimestre dos exercícios. Link ANS: Portanto estamos solicitando aos clientes que enviem a documentação conforme orientação desta circular até o dia 15/03/2012 para que possamos realizar os trabalhos dentro do prazo final de entrega que será em 30/03/2012.

2 A seguir, listamos os documentos iniciais que devem ser providenciados pelas operadoras de planos de saúde para a aplicação dos Procedimentos Previamente Acordados da Provisão de Eventos a Liquidar de cada trimestre: O nome de cada arquivo enviado a esta auditoria deve resumidamente identificar seu conteúdo e deve estar correlacionado com seu respectivo item desta Circular. Para isto deve ser aberta uma pasta para cada um dos 6 itens desta Circular e dentro delas colocar os seus respectivos arquivos. 1. Enviar Balancete de Verificação contendo a movimentação do trimestre (saldo anterior, débito, crédito, saldo atual). 2. Enviar arquivo eletrônico dos Controles Gerenciais Obrigatórios (denominação atual dos antigos Registros Auxiliares Obrigatórios), previstos a partir da RDC nº 38 de 27/10/2000, a seguir listados: Os Controles Gerenciais Obrigatórios devem conter a movimentação e a totalização por mês do trimestre. Para cada controle gerencial devem ser gerados dois arquivos eletrônicos, um em.pdf, que possibilita melhor leitura, outro em.csv ou.xls ou.txt ou.mdb, que possibilite a tabulação dos dados Registro de Eventos Conhecidos ou Avisados. O Registro de Eventos Conhecidos ou Avisados deve conter, no mínimo, os seguintes elementos (com totalizador ao final do relatório mensal): a) número do evento; b) número do contrato; c) data de emissão; d) vencimento do contrato; e) natureza; f) cobertura; g) data do conhecimento do evento; h) nome do usuário principal; i) CNPJ/CPF do usuário principal; j) nome do usuário do evento; k) data da ocorrência do evento; l) nome do prestador dos serviços; m) tipo de documento; n) número do documento; o) data da contabilização; p) valor do evento.

3 Obs.: 1. Os eventos conhecidos decorrem de atendimentos feitos: a) por terceiros, isto é, pela rede de prestadores de serviços conveniados ou cooperados (em se tratando de cooperativas), mediante emissão de nota fiscal de serviços ou outro documento comprobatório; ou b) pela rede própria da Operadora, quando existente. Neste caso, o atendimento é feito por pessoal próprio/assalariado e a apuração do valor de cada atendimento deve ser feita através de rateio das despesas que concorreram, direta ou indiretamente, para o atendimento feito. Esse rateio deve ser feito com base em metodologia a mais racional possível e consistente ao longo dos períodos. 2. Para adequação com os registros contábeis, esse registro auxiliar deve ser totalizado, segregadamente, por atendimentos feitos por terceiros e por atendimentos efetuados pela rede própria Registro de Eventos Ressarcidos ou Recuperados (glosas). O Registro de Eventos Ressarcidos ou Recuperados (por glosas) deve conter, no mínimo, os seguintes elementos (com totalizador ao final do relatório mensal): a) número do evento; b) número do contrato; c) data de emissão; d) vencimento do contrato; e) natureza; f) cobertura; g) nome do usuário principal; h) CNPJ/CPF do usuário principal; i) nome do usuário do evento; j) data da ocorrência do evento; k) data do conhecimento do evento; l) nome do prestador dos serviços; m) tipo de documento; n) número do documento; o) data do registro contábil da glosa; p) data do ressarcimento ou recuperação (glosa); q) valor do ressarcimento ou recuperação (glosa) Registro de Eventos Ressarcidos ou Recuperados (coparticipação). Esse registro deve conter, no mínimo, os seguintes elementos (com totalizador ao final do relatório mensal):

4 a) número do evento; b) número do contrato; c) data de emissão; d) vencimento do contrato; e) natureza; f) cobertura; g) nome do usuário principal; h) CNPJ/CPF do usuário principal; i) nome do usuário do evento; j) data da ocorrência do evento; k) data do conhecimento do evento; l) nome do prestador dos serviços; m) tipo de documento; n) número do documento; o) data do registro contábil da coparticipação; p) data do ressarcimento ou recuperação (coparticipação); q) valor do ressarcimento ou recuperação (coparticipação). 3. Enviar arquivo eletrônico em.pdf do Livro Razão Contábil, com a movimentação do trimestre e que contenha as respectivas contrapartidas, das seguintes contas de Provisão de Eventos/Sinistros a Liquidar: , , e Caso no Livro Razão dessas contas não conste a contrapartida, enviar arquivo do Livro Razão das contas da 411, 412 e Enviar arquivo eletrônico do Controle Gerencial de Eventos a Liquidar, para a posição do final do trimestre. Esse controle gerencial deve possibilitar a segregação/informação do valor dos eventos a liquidar em: (a) eventos avisados nos últimos 30 dias; e (b) eventos avisados há mais de 30 dias. O Registro de Eventos a Liquidar deve conter, no mínimo, os seguintes elementos (com totalizador em cada coluna que apresente valor): a) nome do prestador dos serviços; b) tipo de documento; c) número do documento; d) número do evento; e) número do contrato; f) data de emissão; g) vencimento do contrato; h) natureza; i) cobertura;

5 j) nome do usuário principal; k) CNPJ/CPF do usuário principal; l) nome do usuário do evento; m) data da ocorrência do evento; n) data do conhecimento do evento; o) data da contabilização do evento; p) data do vencimento; q) data do pagamento (se pago); r) valor do evento; s) valor da glosa; t) valor a pagar. 5. Enviar arquivo eletrônico do relatório de pagamentos realizados após a data-base de fim do trimestre, que abranja o período que vai do dia 1º ao último dia útil anterior à última semana cheia do mês seguinte ao encerramento do trimestre. O Registro de Eventos Pagos deve conter, no mínimo, os seguintes elementos: a) nome do prestador dos serviços; b) tipo de documento; c) número do documento; d) número do evento; e) número do contrato; f) data de emissão; g) vencimento do contrato; h) natureza; i) cobertura; j) nome do usuário principal; k) CNPJ/CPF do usuário principal; l) nome do usuário do evento; m) data da ocorrência do evento; n) data da conhecimento do evento; o) data da contabilização do evento; p) data do pagamento; q) valor do evento; r) valor da glosa; s) valor pago. Com base nesse relatório enviar cópias digitalizadas dos documentos: nota fiscal, fatura ou boleto bancário, e dos seus respectivos pagamentos, das seguintes contas de maior valor financeiro: - 10 (dez) contas médico-hospitalares de prestador pessoa jurídica; - 10 (dez) contas médico-hospitalares de prestador pessoa física; - 10 (dez) contas odontológicas de prestador pessoa jurídica; e - 10 (dez) contas odontológicas de prestador pessoa física. Digitalizar e enviar o protocolo das contas selecionadas.

6 6. Caso a operadora possua eventos a pagar contabilizados, garantidos por depósito(s) judicial(is), informar o montante dos eventos a liquidar garantido por depósito(s) judicial(is) (R$ ), assim como o valor do(s) depósito(s) judicial(is) (R$ ) e o respectivo razão contábil na extensão.pdf. Enfatizamos que os documentos listados nos itens de 1 a 6 devem ser enviados a esta auditoria, até o dia 15/03/2012, IMPRETERIVELMENTE, de modo que seja possível atender a determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar. Caso não sejam remetidos até esta data-limite, a responsabilidade pelo não cumprimento do prazo é da operadora. Etapas para aplicação dos Procedimentos Previamente Acordados: Descrição Envio dos documentos pelas operadoras a esta auditoria. Análise dos documentos enviados pelas operadoras. Caso a auditoria encontre inconsistências entre os relatórios e/ou documentos e os registros contábeis, a auditoria enviará as inconsistências para a operadora. A operadora deve se manifestar sobre as inconsistências apontadas pela auditoria, dando as devidas explicações a respeito das mesmas. A operadora deve se manifestar por escrito para esta auditoria, em resposta assinada, enviando-a digitalizada, ressaltando que a resposta vai para a ANS. Preparo e envio, por esta auditoria, do relatório sobre os Procedimentos Previamente Acordados. Datas/Prazos Até o dia 15/03/2012 Até o dia 16/03/2012 Até o dia 21/03/2012 Até o dia 23/03/2012 Entre o dia 24/03/2012 ao dia 30/03/2012 Em função da necessidade de atendimento dessa nova obrigação, solicitamos o repasse dessas informações às áreas Contábil e de Tecnologia da Informação, no sentido de agilizar a elaboração das informações e dos arquivos eletrônicos, relativos ao 4º trimestre. Esclarecemos que os trabalhos de aplicação dos Procedimentos Previamente Acordados serão realizados exclusivamente nos escritórios desta empresa de auditoria. Em função do prazo exíguo para sua conclusão, os documentos deverão estar disponibilizados no prazo acima estabelecido, os quais devem ser enviados conforme orientações constantes no ANEXO desta Circular. Cabe ressaltar ainda, que caso essa operadora não tenha realizado até a presente data, a contratação formal de auditoria independente versando sobre a aplicação dos

7 Procedimentos Previamente Acordados, nos moldes da RN 227/10 e IN 45/10, ambas da ANS, gentileza contatar a Sra. Viviane Silva ( ou ); ou pelo e- mail: para que seja elaborada uma proposta adequada ao perfil de sua empresa, visando atendermos essa nova obrigação legal determinada pela Agência Reguladora (ANS). Curitiba, 01 de março de Atenciosamente, Diretoria Técnica da GRUNITZKY - AUDITORES INDEPENDENTES S/S ANEXO Envio de arquivos para aplicação do PPA via sistema INTRANET - Grunitzky Auditores Independentes S/S. O Cliente (operadora) deverá acessar o endereço localizar o menu INTRANET, selecionar a opção CLIENTE, na qual será redirecionado à página para efetuar o cadastro. No primeiro acesso, deverá utilizar os seguintes dados: Número do CNPJ da operadora, = e senha = 123mudar, será então solicitada a atualização cadastral, na qual deverá ser informado Nome, Telefone, e senha de acesso para o Diretor Responsável perante a ANS, para o Contador e para o Diretor Financeiro. Após esta atualização o próximo acesso deve ser efetuado com as informações cadastradas. Após, deverá seguir os seguintes passos: 1º) Dentro do módulo INTRANET, escolher a opção enviar arquivos para PPA (Procedimentos Previamente Acordados), selecionando o item a ser enviado (PEL, DIOPS ou SIP), bem como o exercício e trimestre correspondente. Para enviar os arquivos, estes devem ser compactados em arquivo único na extensão.zip, pois somente será aceito um arquivo para cada PPA/Ano/Trimestre. 2º) A Grunitzky, ao receber o arquivo, procederá a análise, respondendo o questionário eletronicamente conforme o anexo I da IN 45 DIOPE e encaminhará e- mail para que o CLIENTE verifique as ocorrências apontadas, na análise feita pela auditoria, e faça suas observações e justificativas, lembrando que as justificativas são para a Agência Reguladora.

8 3º) Ao receber o de confirmação que o questionário está disponibilizado para justificativas, o cliente deverá acessar o sistema localizando a opção Questionário - PEL IN 45 - Anexo I e proceder as respostas nas justificativas solicitadas. Após concluir, deverá enviar o arquivo na opção envio ao auditor e aguardar de confirmação da Grunitzky para proceder a impressão e envio deste questionário da seguinte forma: Envio em meio eletrônico em arquivo PDF pelo sistema na opção envio do Questionário - PEL IN 45 - Anexo I, assinado pelo Diretor Responsável perante a ANS e pelo Contador, para a qual os campos já estarão disponíveis na impressão. 4º) Após emissão do Relatório do PPA sobre a PEL pela Grunitzky, este deve ser enviado para a ANS em meio eletrônico pelo cliente, portanto a Grunitzky enviará um ao cliente confirmando que já está disponível para download o arquivo digital preparado na opção do sistema Relatório PPA sobre a PEL para envio a ANS no exercício e trimestre correspondente. 5º) O cliente deverá enviar esse Relatório em meio eletrônico no site da ANS e guardar, por 5 anos, o relatório emitido pela Grunitzky.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA BRADESCO S.A. CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ( Bradesco Corretora )

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA BRADESCO S.A. CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ( Bradesco Corretora ) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA BRADESCO S.A. CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ( Bradesco Corretora ) É propósito da Bradesco Corretora atuar sempre no melhor interesse de seus clientes ( Cliente

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Brasília Março/2011 Página 1 Glossário 4 1. Capítulo I - Regras Gerais 6 2. Capítulo II-Procedimentos Operacionais 6 2.1. Cadastro 6 2.1.1. Aspectos gerais 6 2.1.2. Cadastro

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS. Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013-

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS. Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013- MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA E-MARCAS Instituto Nacional da Propriedade Industrial Diretoria de Marcas Versão 2.2 -Atualizado em 19/03/2013- 2 Índice PARTE I... 5 PEDIDO DE REGISTRO DE MARCAS: INFORMAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS DEMONSTRATIVOS

MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS DEMONSTRATIVOS MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS DEMONSTRATIVOS 2015 Versão.01 MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS DEMONSTRATIVOS SERVIÇOS/PROGRAMAS IGD SUAS IGD PBF Sumário NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE OS SALDOS BANCÁRIOS DAS CONTAS

Leia mais

Planos de saúde: guia prático

Planos de saúde: guia prático Planos de saúde: guia prático Dicas úteis para quem tem ou deseja ter um plano de saúde A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Atualizado em dezembro/2011 Índice O que é a ANS? 3 Como a ANS

Leia mais

I - Partes 1 - Designado TRIBANCO

I - Partes 1 - Designado TRIBANCO I - Partes 1 - Designado TRIBANCO CONVÊNIO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SISTEMA TRIBANCO Banco Triângulo S.A., com a sede na Avenida Cesário Alvim, nº. 2.209 - Bairro Aparecida - Uberlândia/MG - Inscrito no

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO REFEIÇÃO PASS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO REFEIÇÃO PASS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CARTÃO REFEIÇÃO PASS Pelo presente instrumento particular, na qualidade de CONTRATANTE, a empresa qualificada no preâmbulo deste contrato ou conforme indicada na Proposta

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA TOUR OPERATOR SISTEM (TOS)

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA TOUR OPERATOR SISTEM (TOS) CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA TOUR OPERATOR SISTEM (TOS) As presentes Condições Gerais de Utilização do Sistema Tour Operator Sistem da Schultz Operadora regulam as obrigações entre a proprietária

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução... 3 O e-sic... 4 Primeiro acesso... 5 Cadastrando-se no e-sic... 6 Acessando o e-sic... 7 Funções do e-sic... 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic... 9 Como

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA MEUSOFT MEI

MANUAL DO SISTEMA MEUSOFT MEI MANUAL DO SISTEMA MEUSOFT MEI www.meusoft.com.br Indice Item Descrição Pg 1. Objetivo e Principais Funcionalidades 3 2. Para acessar e instalar a aplicação 4 3. Conhecendo o MeuSoft MEI 6 3.0 Tela inicial

Leia mais

Manual do Usuário Prestador SGU-CARD

Manual do Usuário Prestador SGU-CARD Manual do Usuário Prestador SGU-CARD ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. ACESSO AO SGU-CARD... 3 3. CONSULTAS (CONSULTÓRIOS)... 6 3.1. Consultas em aberto... 6 3.2. Execução das Consultas em aberto... 11 3.3.

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA PROJETO SIAT

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA PROJETO SIAT ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA PROJETO SIAT MANUAL DO USUÁRIO ATUALIZADO EM ABRIL DE 2010 SUMÁRIO 01 O SISTEMA 03 02 FINALIDADE 03 03 QUEM DEVE APRESENTAR 03 04 MEIO DISPONÍVEL PARA DECLARAR 03

Leia mais

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO AO SISTEMA ACQIO PAGAMENTOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO AO SISTEMA ACQIO PAGAMENTOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA CONTRATO DE CREDENCIAMENTO E ADESÃO AO SISTEMA ACQIO PAGAMENTOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Por este instrumento, a pessoa física ou a pessoa jurídica qualificada no Cadastro de Identificação

Leia mais

Senhor Diretor de Relações com Investidores/Representante Legal,

Senhor Diretor de Relações com Investidores/Representante Legal, OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SEP/Nº 02/2015 Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2015. ASSUNTO: Orientações gerais sobre procedimentos a serem observados pelas companhias abertas, estrangeiras e incentivadas Senhor

Leia mais

1 Introdução. 1 A requisição das informações de que trata esse documento, bem como os detalhes de envio, foram comunicados por intermédio

1 Introdução. 1 A requisição das informações de que trata esse documento, bem como os detalhes de envio, foram comunicados por intermédio 1 Introdução O objetivo deste documento é servir como material de consulta, sendo destinado aos técnicos responsáveis pela elaboração e envio das informações referentes aos cartões de pagamentos, requisitadas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO LEIAUTE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL DIGITAL (ECD)

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO LEIAUTE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL DIGITAL (ECD) MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO LEIAUTE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL DIGITAL (ECD) Capítulo 1 Informações Gerais... 7 Seção 1.1. Introdução... 7 Seção 1.2. Legislação... 8 Seção 1.3. Pessoas Jurídicas Obrigadas a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM. Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM. Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/UFAM Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil Manual Ilustrado para preenchimento da Plataforma Brasil O presente Manual

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE 1 de 42 RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108974 2ª PARTE 1 - DESENVOLV EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA 1.1 SUBÁREA - FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS

Leia mais

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE Brasília (DF) - 2013 Versão 14.02.2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. GLOSSÁRIO... 4 3. PARTICIPAÇÃO NO SISTEMA... 6 3.1 Representantes

Leia mais

AVISTA S.A ADMINISTRADORA ADORA DE CARTÕES DE CREDITO (AVIS11)

AVISTA S.A ADMINISTRADORA ADORA DE CARTÕES DE CREDITO (AVIS11) AVISTA S.A ADMINISTRADORA ADORA DE CARTÕES DE CREDITO (AVIS11) Simples ESCRITURA PARTICULAR DA PRIMEIRA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, EM SÉRIE ÚNICA, DA ESPÉCIE COM GARANTIA

Leia mais

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO SICREDI

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO SICREDI CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO SICREDI A COOPERATIVA DE CRÉDITO pertencente ao Sicredi Sistema de Crédito Cooperativo, devidamente qualificada no termo de adesão a este instrumento, doravante

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PENSÃO AO CÔNJUGE OU COMPANHEIRA(O) ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PENSÃO AO CÔNJUGE OU COMPANHEIRA(O) ÍNDICE ÍNDICE DAS CARACTERÍSTICAS... 2 DO OBJETIVO... 2 DAS DEFINIÇÕES... 2 DAS CONDIÇÕES DE INGRESSO... 4 DO PAGAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO, MANUTENÇÃO E DO CANCELAMENTO DA COBERTURA... 6 DA ATUALIZAÇÃO... 7 DA APLICABILIDADE

Leia mais

1 Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos

1 Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos Cartilha de Extensão de Benefício do Plano de Saúde Coletivo Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou RN nº 279, da ANS, de 24 de novembro de 2011, a qual

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO

PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO PORTAL PROCESSUAL E AJUIZAMENTO ELETRÔNICO A partir do dia 17/09/2012 foi disponibilizado, no site da SJES, o acesso ao Portal Processual, que consolida as principais funcionalidades do sistema de acompanhamento

Leia mais

Agosto/2014 Versão 1.1

Agosto/2014 Versão 1.1 Padrões para o Reporte de Perdas Operacionais no BDPO Orientações da Susep ao Mercado Agosto/2014 Versão 1.1 Sumário: 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Área Responsável... 3 1.2. Base Legal... 3 1.3. Abrangência...

Leia mais

Padrão TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar

Padrão TISS - Troca de Informações em Saúde Suplementar Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar - Troca de Informações em Saúde Suplementar para preenchimento das Guias Odontológicas Índice O que é TISS 3 Como utilizar esse manual 4 Instruções

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO

CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO CHAMADA DE PROJETOS Nº 11/2015 APOIO A PROJETOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO DE NEGOCIOS DE MOBILIDADE EMPRESARIAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DE UBERLÂNDIA - PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE MINAS.

Leia mais