Palavras-chave Balanus trigonus; fouling ; recrutamento; sucessão ecológica; estuário; Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave Balanus trigonus; fouling ; recrutamento; sucessão ecológica; estuário; Santos"

Transcrição

1 Recrutamento e colonização de cirripédios Balanus trigonus em painéis artificiais em águas estuarinas de Santos-SP, Brasil: um estudo de 45 meses. Giordano, F. 1 ; Borges, R. P. 1 ; Santos, J. A. P. 2 ; Rosso, S. 3 1 Universidade Santa Cecília Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade de Ecossistemas Marinhos 2 Universidade Santa Cecília Faculdade de Ciências e Tecnologia Biologia Marinha 3 Universidade de São Paulo - Depto. de Ecologia do Instituto de Biociências Os estudos sobre comunidades de organismos incrustantes de substratos artificiais fouling particularmente os de sucessão, revelaram que alguns desses animais apresentam características que os qualificam como oportunistas. Esse parece ser o caso de algumas cracas. O presente estudo buscou identificar as espécies de cirripédios que ocorreram na área final do estuário de Santos, bem como revelar características de sua ocorrência ao longo de um período de 45 meses em placas cerâmicas que compuseram duas abordagens distintas: avaliação da sucessão e do recrutamento. Os possíveis mecanismos que explicam essa ocorrência também foram investigados. Detectou-se apenas uma espécie de craca nas placas, Balanus trigonus, que apresentou nítida periodicidade. As ocorrências da espécie nas placas com avançado processo sucessional indicaram a existência de espaços liberados, passíveis de ocupação. Palavras-chave Balanus trigonus; fouling ; recrutamento; sucessão ecológica; estuário; Santos Cirriped Balanus trigonus colonization and recruitment in artificial panels in estuarine waters in Santos -SP, Brazil: a 45 months study. Fouling community organisms studies, specially the successional ones, reveal that some animals appear to be opportunists. That s the some barnacle s case. The aim of this study is to identify outer Santos estuary cirripeds species and to reveal their occurrence characteristics through 45 months growing in ceramic tiles substract. The work was developed in two distinct fronts: succession evaluation and recruitment evaluation. Also, it was evaluated mechanisms that possibly explain species occurrence. Only one specie was found, Balanus trigonus, that clearly demonstrated periodicity. Its occurrence in long time succession tiles indicated the need of free space available to be occupied. Keywords Balanus trigonus; fouling; recruitment; ecological succession; Santos estuary INTRODUÇÃO Tradicionalmente estudos descritivos de sucessão primária e dinâmica temporal da comunidade são baseados no monitoramento da composição específica e da abundância das espécies em curto prazo e, mais raramente, médio ou longo prazos. Isso ocorre notadamente em trabalhos envolvendo organismos do fouling. Alguns desses organismos apresentam-se com maior evidência nas comunidades de certas regiões, como é o caso de Balanus trigonus (Garcia & Salzwadel, 1995; Garcia & Moreno, 1998; Glasby, 1). UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 35

2 Estudos realizados com B. trigonus caracterizaram-na como uma espécie oportunista, de ampla distribuição e sucessora inicial (Werner, 1967; Ayling, 1976; Chalmer, 1982; García & Moreno, 1998). Chalmer (1982) observou ainda, que a persistência dessa craca no processo sucessional era curta e que não apresentava capacidade de invadir comunidades em estágios mais avançados, o que foi contestado por outros autores (Garcia & Salzwadel, 1995; Garcia & Moreno, 1998). Walker et al. (7) observaram dominância de Balanus sp. após mais de um ano de sucessão em recifes artificiais. O padrão temporal do recrutamento de cracas pode variar de uma região para outra. Em geral nas áreas temperadas ocorre nítida sazonalidade (Cecere & Matarrese, 1983); em regiões tropicais ou subtropicais o recrutamento tende a ocorrer ao longo de todo o ano (Sutherland & Karlson, 1977; Silva et al., 198; Chalmer, 1982; Omena et al., 1983; García & Moreno, 1998), embora haja relatos de sazonalidade em águas subtropicais (Brown & Swearingen, 1998). Foi observado que os padrões de assentamento são, em parte, responsáveis pelo direcionamento do processo sucessional (Chalmer, 1982;). Porém, há muitas evidências de que o recrutamento deve ser tratado como um processo estocástico (Keough, 1983, Cowen & Sponaugle, 9). A distribuição de larvas não ocorre da mesma forma em lugares distintos e isso tem influência na dinâmica das comunidades. Só que na quase totalidade dos estudos, não se tem informações a respeito dessa distribuição (Gaines et al., 1985). Acompanhar o recrutamento e a sucessão ecológica por um período superior a um ano traz importantes informações sobre padrões que antes poderiam ser atribuídos ao aspecto puramente sazonal ou mesmo a simples acaso. Neste trabalho, desenvolveu-se um estudo de médio-longo prazo (45 meses) sobre o recrutamento e a dinâmica da população de cirripédios em comunidades de invertebrados marinhos, em placas de "fouling" na região estuarina. Procurou-se elucidar Quais espécies de cirripédios ocorreram neste local durante a sucessão; quando se deu esta ocorrência; com que intensidade e quais são os mecanismos prováveis para se explicar essa ocorrência. MATERIAIS E MÉTODOS Dois conjuntos, cada um com quatro placas de cerâmica não vitrificada do tipo lajota colonial, com dimensões de 15 cm por 15 cm, foram montados em duas plataformas planas de PVC de,5 m 2 conforme descrito por Rocha (1988). Os conjuntos foram submersos, presos ao Píer do Clube de Pesca, localizado na Ponta da Praia, entrada do estuário de Santos (SP). As placas ficaram submersas a uma distância fixa de cerca de,5 metro acima do fundo. Os conjuntos foram montados com as faces a serem analisadas voltadas para baixo, de modo a evitar o recebimento de luz e o crescimento de algas. Deste modo o trabalho trata apenas dos seres heterótrofos. Um cuidado importante foi o de suspender cada conjunto por um único cabo, permitindo a rotação da plataforma e dessa forma evitando o estabelecimento de gradientes que poderiam introduzir dependência adicional entre as quatro placas. A imersão inicial se deu no meio do período de inverno de A partir daí as placas foram periodicamente retiradas a intervalos entre e 4 dias para registro de dados, e devolvidas em seguida ao mar. No meio do outono de 1997 foi realizada a última leitura, totalizando 5 coletas de dados. No caso das placas destinadas ao recrutamento, estas foram sistematicamente raspadas e lavadas antes de retornar ao mar. Os registros para posterior estimativa dos recobrimentos específicos foi realizado pelo método dos contatos. Para isso, utilizou-se um reticulado traçado sobre uma chapa transparente UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 36

3 acrílica delimitando pontos regularmente espaçados, constituindo um elemento amostral quadrado de 11cm x 11 cm. Para possibilitar análise de séries temporais, os valores de recobrimento foram padronizados para um intervalo de 3 dias por meio de interpolação. RESULTADOS Aparentemente não deve haver na área e no tempo transcorrido do trabalho, cirripédios capazes de recrutar no "fouling" e que sejam competidores à altura de Balanus trigonus daí, essa espécie ter dominado e usufruído sozinha o próprio sucesso na exploração dos recursos quando eles se apresentaram. As Figuras 1 e 2 mostram a distribuição percentual de ocorrência desse cirripédio em 4 pontos analisados periodicamente, evidenciando quais foram os momentos de maior abundância nas 5 coletas. Figura 1 Ocorrência de Balanus trigonus de 8/1993 a 4/1997 : recrutamento e sucessão com dados originais, não interpolados. O tratamento das séries de dados por filtragem do ruído através da média móvel de três pontos, indicou a ocorrência de uma leve tendência decrescente dos valores de recobrimento, tanto nas placas de recrutamento como nas de sucessão, como pode ser observado na Figura 2. Contudo, apenas a tendência na sucessão foi considerada significativa em análise da correlação de Spearman entre recobrimento filtrado e o tempo (Tabela 1). UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 37

4 6 RECRUTAMENTO INTERPOLADO 6 6 SUCESSÃO INTERPOLADA Recobrimento 3 3 Recobrimento Número das amostras Número das amostras Figura 2 Série de dados interpolados, após remoção de ruído pela média móvel; à esquerda, recobrimento percentual nas placas de recrutamento; à direita, recobrimento percentual nas placas de sucessão. Tabela 1 Correlação de Spearman nas placas de recrutamento e sucessão. Correlação N R p Tempo x recrutamento 48 -,281217,52838 Tempo x sucessão 47 -,298849,41297 DISCUSSÃO Banaigs & Wahl (1991) definem "fouling" como sendo a colonização de superfícies vivas ou não vivas por microorganismos, plantas ou animais sésseis em um fenômeno onipresente em ambientes marinhos. Um dos fatos comuns aos experimentos conduzidos sobre "fouling" empregando painéis é a breve duração destes, em geral não mais que doze meses (Relini, 1974). Uma nova dimensão de discussão pôde ser dada com este estudo de duração bem maior (45 meses). Segundo Pawlick (1992) e Rodriguez et al. (1993), larvas de invertebrados marinhos bênticos freqüentemente requerem um caminho químico para recrutarem e se metamorfosearem. Podemos imaginar, portanto, que nas placas estudadas esse caminho químico naturalmente tenha sido fornecido pelas condições ambientais gerais e mais especificamente pelo substrato, seja ele biológico ou não. O fato das placas estarem protegidas dos raios de luz impediu que as algas fizessem parte deste tipo de comunidade. Banaigs & Wahl (1991) definiram a intensidade da colonização pelo "fouling" em dada superfície como dependente de pelo menos três parâmetros principais: 1) Pressão do "fouling" local, que potencialmente é um produto do "pool" local de colonização e da "atividade biológica" das águas locais (temperatura, nutrientes iluminação). 2) Tempo de exposição da superfície considerada, a qual pode ser determinada pela longevidade de um organismo, em relação à freqüência média da perturbação física do substrato, abiótico ou biótico. 3) Propriedades físico-químicas de uma superfície não-viva (grau de aspereza e umidade do substrato, cor, toxicidade, etc.), ou viva (defesas "anti-fouling" de organismos). No presente experimento sugere-se que os dois primeiros destes três parâmetros devam ter influenciado mais a intensidade do "fouling". UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 38

5 A pressão do "fouling" local foi confirmada ao se comparar visualmente a fauna das placas com a das pilastras do píer. Via de regra mudanças da composição nas placas era acompanhada por mudanças também nas pilastras. O tempo de exposição da superfície das placas a uma variedade de perturbações também pode ter influenciado a comunidade, sobretudo no caso de espécies que por serem mais volumosas estavam mais sujeitas às perturbações físicas. Esses efeitos foram reportados por Xavier et al. (8), que relataram que a área perturbada exerce influência direta na estrutura da comunidade ao longo do seu desenvolvimento, bem como detectaram nítido favorecimento de espécies oportunistas. O comportamento das larvas levando a agregações de indivíduos varia largamente entre os invertebrados marinhos sésseis. Em geral, larvas de espécies aclonais dispersam-se amplamente, porém na maioria das vezes isso se dá através de mecanismos comportamentais complexos que ocorrem antes ou durante o recrutamento (Jackson, 1985). Quanto ao recrutamento por espécies aclonias, como as cracas, percebeu-se um comportamento fortemente invasor de espaços vazios, revelados por intensos e breves picos de abundância. Thiyagarajan et al. (6) reforçaram a idéia do aproveitamento dos espaços vazios por B. trigonus ao verificarem a grande influência de filmes de microorganismos na seleção de local pelas larvas. Os biofilmes estão diretamente relacionados aos espaços liberados no substrato primário. Segundo Sutherland & Karlson (1977), a seqüência de espécies em uma comunidade de ambiente marinho de substratos consolidados, depende da época do ano em que o processo se inicia apenas em ambientes onde a reprodução é marcadamente sazonal como é o caso de comunidades de clima temperado. Jackson (1977) estudando recifes de coral em clima tropical valorizou muito mais a estratégia de permanência das espécies na comunidade, sobretudo as coloniais, do que a suas estratégias de colonização. Garcia & Moreno (1998) demonstraram que B. trigonus foi a espécie mais proeminente do "fouling" em trecho do litoral da Colômbia, apresentando grande recrutamento nos meses do final de inverno e início de primavera. De fato nos meses 24 (julho de 95) e 36 (julho de 96) observaram-se taxas de recobrimento de B. trigonus em torno de 3 a 4 %. Os dados presentes, no entanto, não apontam total concordância com as informações de Garcia & Moreno (op.cit.), sobretudo porque o maior pico de recrutamento de B. trigonus deu-se no 9º mês, no outono, portanto. O estudo daqueles autores demonstrou ainda que a orientação dos indivíduos recrutados não é aleatória havendo uma preferência em relação a corrente marítima. Não detectou-se no presente estudo essa orientação diferencial; embora não tenha sido registrada formalmente, a orientação das cracas nunca pareceu ser sistemática. Considerando que as correntes de maré no Canal de Santos são essencialmente unidirecionais (nos dois sentidos), não haver padrão definido de orientação dos indivíduos de cracas recrutados pode ser uma confirmação do efeito homogeneizante do fato da plataforma poder girar em torno de seu eixo central. B. trigonus pode ser considerada oportunista, mantendo-se importante na comunidade em sucessão provavelmente ao se aproveitar, entre outras coisas, da dinâmica de espaços abertos. Os resultados obtidos mostram que a espécie está recrutando praticamente o ano todo, embora com aparente sazonalidade. UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 39

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BANAIGS, B. & WAHL, M. - Marine Epibiosis. III. Possible antifouling defense adaptation in Polysyncraton lacazei (Didemnidadae, Ascidiaceae). J. Exp. Mar. Biol. Ecol., v. 145, pp , CHALMER, P. N. - Settlement patterns of species in a marine fouling community and some mechanisms of succession. J. Exp. Mar. Biol. Ecol., v. 58, n. 1, pp , COWEN, R. K. & SPONAUGLE, S. Larval Dispersal and Marine Population Connectivity. Annu. Rev. Marine. Sci., v. 1, pp , 9. GARCÍA, B. C. & MORENO, I. - Recruitment, growth, mortality and orientation patterns of Balanus trigonus (Crustacea: Cirripedia) during succession on fouling plates. Scientia Marina, v. 62, n. 1-2, pp , 1998 JACKSON, J.B.C. - Competition on marine-hard substrata: The adaptative significance of solitary and colonial strategies. American Naturalist, v. 111, pp , JACKSON, J.B.C. - Distribution and ecology of clonal and aclonal benthic invertebrates In: Population, Biology and evolution of clonal organisms Edited by J.B.C. Jackson, Yale University Press, New Haven, Connecticut, pp , KEOUGH M.J. & P. T. RAIMONDI, 1995 Behaviour variability in marine larvae. Austr. J. Ecol. 15: KROHLING, W.; BROTTO, D.S.; ZALMON, I.R. - Fouling community recruitment on an artificial reef in the North Coast of Rio de Janeiro State. Journal of Coastal Research, Special Issue 39, pp , 6. MENGE, B. A. - Relative importance of recruitment and other cause of variation in rocky intertidal community structure. J. Exp. Mar. Biol. Ecol., v. 146, pp. 69-, MENGE B.A. & SUTHERLAND, J.P. - Species diversity gradient: Synthesis of the roles of predation, competition, and temporal heterogeneity. American Naturalist, v. 1, pp , MENGE, B. A.; LUBCHENCO, J.; GAINES, S.D.; ASHKENAS, L.R. - A test of the Menge- Sutherland model of community organization in a tropical rocky intertidal food web. UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 4

7 Oecologia, v. 71, pp , PAWLIK, J.R. - Chemical ecology of the settlement of benthic marine invertebrates. Oceanogr. Mar. Biol. Annu. Rev.,v. 3, pp , RELINI, G. - La colonizzazione dei substrati duri in mare. Mem. Biol. Mar. Oceanogr., v. 4, n. 6, pp , ROCHA, R. M. - Ascidias do Canal de São Sebastião: uma abordagem ecológica (São Sebastião-SP). Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia. 148 p., RODRIGUEZ, S.R.; OJEDA, F. P.; INETROSA, N.C. - Settlement of benthic marine invertebrates. Mar. Ecol. Progr. Ser., v. 97, pp , SUTHERLAND J.P. & KARLSON, R. H. - Development and stability of the fouling community at Beaufort, North Carolina. Ecol. Monogr., v. 41, pp , THIERY, R.G. - Environmental instability and community diversity. Biol. Rev., v. 57, pp , WALKER, S. J.; SCHLACHER, T. A.; SCHLACHER-HOENLINGER, M. A. - Spatial heterogeneity of epibenthos on artificial reefs: fouling communities in the early stages of colonization on an East Australian shipwreck. Mar. Ecology, v. 28, pp. 1-11, 7. THIYAGARAJAN, V.; LAU, S.C.K.; CHEUNG, S.C.K.; QIAN; P.-Y. - Cypris habitat selection facilitated by microbial films influences the vertical distribution of subtidal barnacle Balanus trigonus. Microbial Ecology, v. 51, pp , 6. XAVIER, E. A.; GAMA, B. A. P.; PORTO, T. F.; ANTUNES, Bruno L.; PEREIRA, Renato C. - Effects of disturbance area on fouling communities from a tropical environment: Guanabara Bay, Rio de Janeiro, Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, v. 56, n. 2, pp , 8. AGRADECIMENTOS Aos alunos do Curso de Biologia da UNISANTA pelo apoio e dedicação durante as coletas de campo e nas análises de laboratório. UNISANTA BioScience p ; Vol. 2 nº 1, (13) Página 41

COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES. META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades

COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES. META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES Aula 8 META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Ao final da aula, nós deveremos:

Ao final da aula, nós deveremos: 1 Sucessão ecológica 1. Variação temporal em comunidades: básico 2. Sucessões primária e secundária 3. Mecanismos biológicos e a sucessão 4. Resumo 5. Para saber mais Ao final da aula, nós deveremos: 1.

Leia mais

RECRUTAMENTO E SUCESSÃO ECOLÓGICA DA MACROFAUNA INCRUSTANTE EM SUBSTRATOS NO PORTO DO RECIFE - PE, BRASIL

RECRUTAMENTO E SUCESSÃO ECOLÓGICA DA MACROFAUNA INCRUSTANTE EM SUBSTRATOS NO PORTO DO RECIFE - PE, BRASIL RECRUTAMENTO E SUCESSÃO ECOLÓGICA DA MACROFAUNA INCRUSTANTE EM SUBSTRATOS NO PORTO DO RECIFE - PE, BRASIL Patrícia Paula Coelho Felipe NERY¹; Sigrid Neumann LEITÃO²*; Mucio Luiz Banja FERNANDES¹; Andréa

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE POPULACIONAL DE Callichirus major NA PRAIA DE JOSÉ MENINO SANTOS E ITARARÉ SÃO VICENTE.

DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE POPULACIONAL DE Callichirus major NA PRAIA DE JOSÉ MENINO SANTOS E ITARARÉ SÃO VICENTE. DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE POPULACIONAL DE Callichirus major NA PRAIA DE JOSÉ MENINO SANTOS E ITARARÉ SÃO VICENTE. Angela Cristina Chichitosti Pedrucci*, Roberto Pereira Borges** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937)

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) CONCEITOS DE ECOLOGIA É a ciência das biocenoses (Clemens, 1916) É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) É a ciência que estuda as leis que regem

Leia mais

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos*

O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1. Danielle Mayumi Tamazato Santos* O melhor lugar para se viver: o caso do camarão-ferrinho 1 Danielle Mayumi Tamazato Santos* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Assis. Departamento de Ciências Biológicas.

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA Ivonete Batista Santa Rosa Gomes 1 Mariluce Rezende Messias 2 Resumo:

Leia mais

Ervas marinhas: Ecologia e produção primária

Ervas marinhas: Ecologia e produção primária Ervas marinhas: Ecologia e produção primária João Silva Centro de Ciências do Mar do Algarve ERVAS MARINHAS SEAGRASSES O que são ervas marinhas? As ervas marinhas são angiospérmicas (plantas com flor),

Leia mais

Ecologia Introdução - Natureza

Ecologia Introdução - Natureza Introdução - Natureza http://travel.guardian.co.uk www.cantodasaves.hpg.ig.com.br Introdução - Ecologia Ecologia - ciência Aplicação do método científico Ciência fundamentalmente empírica, baseada em experimentação

Leia mais

Ecologia Marinha. Programa/Conteúdo/Métodos Ensino Teórico e Prático. Pedro Ré (Teóricas) 2007/2008

Ecologia Marinha. Programa/Conteúdo/Métodos Ensino Teórico e Prático. Pedro Ré (Teóricas) 2007/2008 Ecologia Marinha Programa/Conteúdo/Métodos Ensino Teórico e Prático Pedro Ré (Teóricas) 2007/2008 Joana Figueiredo, Sónia Brazão, Filipa Faleiro, Gil Penha-Lopes (Práticas) AULAS TEÓRICAS I- Ecologia do

Leia mais

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente)

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente) Conceitos Básicos de Ecologia Professora: Patrícia Hamada Colégio HY Três Lagoas, MS População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo

Leia mais

ESTUDO QUALITATIVO DE SUCESSÃO DA FAUNA INCRUSTANTE SOBRE RECIFES ARTIFICIAIS EM ÁREA SOB INFLUÊNCIA DE USINA TERMOELÉTRICA EM PERNAMBUCO, BRASIL 1.

ESTUDO QUALITATIVO DE SUCESSÃO DA FAUNA INCRUSTANTE SOBRE RECIFES ARTIFICIAIS EM ÁREA SOB INFLUÊNCIA DE USINA TERMOELÉTRICA EM PERNAMBUCO, BRASIL 1. ESTUDO QUALITATIVO DE SUCESSÃO DA FAUNA INCRUSTANTE SOBRE RECIFES ARTIFICIAIS EM ÁREA SOB INFLUÊNCIA DE USINA TERMOELÉTRICA EM PERNAMBUCO, BRASIL 1. Múcio Luiz Banja Fernandes 2 ; Andréa Karla Pereira

Leia mais

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria

BI63B - ECOSSISTEMAS. Profa. Patrícia C. Lobo Faria BI63B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria pclfaria@uol.com.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/patricialobo Fonte: http://www.portalescolar.net http://exame.abril.com.br/mundo/noticias /fotografa-retrata-urso-polar-no-articoem-pele-e-osso

Leia mais

Prof. Dr. Roberto M. Shimizu. Prof. Dr. Sergio Rosso.

Prof. Dr. Roberto M. Shimizu. Prof. Dr. Sergio Rosso. Ecologia BIE210 Prof. Dr. Roberto M. Shimizu (rshimizu@ib.usp.br) Prof. Dr. Sergio Rosso (serrosso2@gmail.com) Aula de hoje: 1.Introdução geral ao curso. 2.O que é Ecologia? 3.Ecossistema: a) conceito

Leia mais

Comunidade: definição

Comunidade: definição 1 Comunidade: definição 1. Definições e a importância dos padrões 2. Riqueza, diversidade e padrões de abundância 3. Padrões espaciais em comunidades 4. Resumo 5. Para saber mais... Ao final da aula, nós

Leia mais

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Condições e recursos

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Condições e recursos BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental Condições e recursos Programa Introdução Módulo I: Organismos Forrageamento & Mecanismos de defesa Reprodução: seleção sexual e cuidado

Leia mais

A MÚSICA DA BIODIVERSIDADE

A MÚSICA DA BIODIVERSIDADE Caroço-da-terra: ensaios agroecológicos A MÚSICA DA BIODIVERSIDADE Paula Martins paulamartins339@gmail.com O planeta possui uma grande diversidade de espécies que o caracterizam como um grande indivíduo

Leia mais

Análise comportamental do deslocamento do caramujo Littorina flava em costão rochoso da Praia Barra do Una, Peruíbe - SP

Análise comportamental do deslocamento do caramujo Littorina flava em costão rochoso da Praia Barra do Una, Peruíbe - SP Análise comportamental do deslocamento do caramujo Littorina flava em costão rochoso da Praia Barra do Una, Peruíbe - SP Brunna da Silva Vianna 1 ; Fabio Giordano 2 ; Paloma Sant Anna Dominguez 1 ; Walter

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DE BOSQUES DE MANGUE CUNHA-LIGNON, M. 1 INTRODUÇÃO: Os manguezais são ecossistemas característicos das zonas estuarinas tropicais e subtropicais. Por muitos anos, os manguezais

Leia mais

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL CÁTIA C. B. RODRIGUES 1, HÉRCULES ARCE², ROSEMEIRE V. GOMES³ 1 Meteorologista, Responsável técnica pelo CEMTEC/AGRAER, Campo Grande MS,

Leia mais

Ecologia de comunidades. Padrões e processos. Alexandre Palma

Ecologia de comunidades. Padrões e processos. Alexandre Palma Ecologia de comunidades Padrões e processos Alexandre Palma Comunidades Definição Conjunto de organismos de diferentes espécies vivendo em um dado local e tempo. Ecologia de comunidades Estudo dos padrões

Leia mais

ANÁLISE DE ANOS COM ESTIAGEM NA REGIÃO DE BAGÉ/RS

ANÁLISE DE ANOS COM ESTIAGEM NA REGIÃO DE BAGÉ/RS ANÁLISE DE ANOS COM ESTIAGEM NA REGIÃO DE BAGÉ/RS Flavio Varone 1,2,3, Simone Ferreira 2, Rita Alves 2 1 FEPAGRO Brasil - Rio Grande do Sul - fvarone@gmail.com 3 2 CEPSRM/UFRGS - Brasil - Rio Grande do

Leia mais

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp

Fragmentação. Umberto Kubota Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação Umberto Kubota ukubota@gmail.com Laboratório de Interações Inseto Planta Dep. Zoologia IB Unicamp Fragmentação ou Mosaicos Naturais Fragmentação Processo no qual um habitat contínuo é dividido

Leia mais

Conceitos florestais e Sucessão Ecológica

Conceitos florestais e Sucessão Ecológica CAMPUS NILO PEÇANHA PINHEIRAL Disciplina: Ecologia Florestal Conceitos florestais e Sucessão Ecológica Prof a. Dr a. Cristiana do Couto Miranda O que é Floresta? Qual é a importância? VÁRIOS TIPOS DE FLORESTAS

Leia mais

Ecologia de Populações Padrões de distribuição

Ecologia de Populações Padrões de distribuição Ecologia de Populações Padrões de distribuição Padrões de distribuição Os habitats existem como um mosaico de diferentes manchas, portanto, cada população vive dentro de manchas de habitats adequados.

Leia mais

Biodiversidade e prosperidade económica

Biodiversidade e prosperidade económica Biodiversidade e prosperidade económica Helena Castro e Helena Freitas Centro de Ecologia Funcional Universidade de Coimbra O que é a biodiversidade? Biodiversidade é a variedade de seres vivos. Aqui se

Leia mais

ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT

ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT 1 ESTUDOS DOS MACROINVERTEBRADOS ASSOCIADOS À VEGETAÇÃO AQUÁTICA NO RIO NOVO - FAZENDA CURICACA, POCONÉ, MT DANILO G. Q. RIBEIRO DA SILVA 1, DAVI COUTO VALLE 1, EMANUEL LIMA TORRILHAS 1, MARIA EMILIANA

Leia mais

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS Leandro Amorim da Silva 1, Fernando Mayer Pelicice

Leia mais

Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e

Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e O Meio Ambiente Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e estão ligadas a vida dos seres humanos.

Leia mais

Impactes na biodiversidade

Impactes na biodiversidade Impactes na biodiversidade A biodiversidade Biodiversidade é a variabilidade entre os organismos vivos de todas as fontes, inter alia, meio terrestre, meio marinho, e outros ecossistemas aquáticos e os

Leia mais

Comunidade é a assembléia de populações de várias espécies que vivem no mesmo lugar.

Comunidade é a assembléia de populações de várias espécies que vivem no mesmo lugar. Comunidade é a assembléia de populações de várias espécies que vivem no mesmo lugar. Interações interespecíficas = relações entre espécies em uma comunidade Exemplos: competição, predação, herbivoria,

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL DA ABERTURA DE DOSSEL EM FLORESTA E PLANTIO DE CACAU NA RPPN DA SERRA DO TEIMOSO, BA

VARIAÇÃO ESPACIAL DA ABERTURA DE DOSSEL EM FLORESTA E PLANTIO DE CACAU NA RPPN DA SERRA DO TEIMOSO, BA VARIAÇÃO ESPACIAL DA ABERTURA DE DOSSEL EM FLORESTA E PLANTIO DE CACAU NA RPPN DA SERRA DO TEIMOSO, BA Andrade S.C.S. 1 ; Castro, L.S. 2 ; Coelho, C.P. 3 ; Fialho, M.S. 4 ; Pinheiro, T.F. 5 ; Santos, F.A.M.

Leia mais

PPGECB / IB / UFMT Prova de Seleção para o Curso de Mestrado Turma 2014

PPGECB / IB / UFMT Prova de Seleção para o Curso de Mestrado Turma 2014 PPGECB / IB / UFMT Prova de Seleção para o Curso de Mestrado Turma 2014 Questão 1 A figura abaixo mostra uma árvore filogenética que reflete as relações de parentesco entre alguns animais da ordem Perissodactyla,

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5

VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5 VARIABILIDADE CLIMÁTICA INTERDECADAL DA PRECIPITAÇÃO NA AMÉRICA DO SUL EM SIMULAÇÕES DO PROJETO CMIP5 Paola F. A. COSTA, Alice M. GRIMM UFPR- Grupo de Meteorologia - Curitiba Paraná - grimm@fisica.ufpr.br

Leia mais

ECOSSISTEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA

ECOSSISTEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA ECOSSISTEMA Prof.: Dr. ORIEL HERRERA Monitores: John David & Giuliane Sampaio Fortaleza/CE Versão 2010 ECOSSISTEMA

Leia mais

Fatores de Formação do Solo

Fatores de Formação do Solo Clima Forma ativa e diferencial de atuação na formação do solo; Rochas iguais + condições climáticas diferentes = solos diferentes Rochas diferentes + condições climáticas iguais = solos iguais Sheila

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Como você acha

Leia mais

EFEITO DO ISOLAMENTO E DO TAMANHO DA ÁREA SOBRE RIQUEZA DE ESPÉCIES DE FAUNA ABRIGADA EM TRONCOS

EFEITO DO ISOLAMENTO E DO TAMANHO DA ÁREA SOBRE RIQUEZA DE ESPÉCIES DE FAUNA ABRIGADA EM TRONCOS EFEITO DO ISOLAMENTO E DO TAMANHO DA ÁREA SOBRE RIQUEZA DE ESPÉCIES DE FAUNA ABRIGADA EM TRONCOS Discentes: Letícia Gomes, Poliana Moreno, Geraldo Freire, Pamela Moser, Mariana Garcez Stein e Danilo Fortunato

Leia mais

Plano de monitorização e gestão de espécies invasoras na área de influência de Alqueva. Pedro Bettencourt; Sara de Sousa nemus.pt

Plano de monitorização e gestão de espécies invasoras na área de influência de Alqueva. Pedro Bettencourt; Sara de Sousa nemus.pt Plano de monitorização e gestão de espécies invasoras na área de influência de Alqueva Pedro Bettencourt; Sara de Sousa nemus.pt Índice 1. Introdução 2. Área de estudo 3. Objecto de estudo 4. Tendências

Leia mais

Produtividade. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Produtividade. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Produtividade Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Estudo de energia do ecossistema Foram iniciados em 1942 por R. L. Lindeman The trophic dynamic aspect of ecology A idéia geral foi converter

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DAS ESTAÇÕES NO ESTADO DE SÃO PAULO PARA AS VARIAVEIS TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO

VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DAS ESTAÇÕES NO ESTADO DE SÃO PAULO PARA AS VARIAVEIS TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DAS ESTAÇÕES NO ESTADO DE SÃO PAULO PARA AS VARIAVEIS TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO BRUNO PARALUPPI CESTARO¹; JONATAN DUPONT TATSCH²; HUMBERTO RIBEIRO DA ROCHA³ ¹ Meteorologista,

Leia mais

BIB 124 Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes Instituto de Biociências Universidade de São Paulo

BIB 124 Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes Instituto de Biociências Universidade de São Paulo BIB 124 Diversidade e Evolução dos Organismos Fotossintetizantes Instituto de Biociências Universidade de São Paulo 2014 Roteiro para trabalho em campo no litoral, Praia Cibratel, Município de Itanhaém,

Leia mais

Identificação da biodiversidade encontrada no costão rochoso da praia do Caramborê, Peruíbe, São Paulo, Brasil

Identificação da biodiversidade encontrada no costão rochoso da praia do Caramborê, Peruíbe, São Paulo, Brasil Identificação da biodiversidade encontrada no costão rochoso da praia do Caramborê, Peruíbe, São Paulo, Brasil Barbara Faria Lourenço 1 ; Edinéia Farraboti 1 ; Neilton Carvalho 1 ; Antônio Rosendo 1 ;

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS ÍSIS TAMARA DE VLIEGER 1,2, DAVID AUGUSTO REYNALTE TATAJE 1,2 1 Universidade Federal da Fronteira Sul, campus

Leia mais

Biodiversidade. Rede GEOMA

Biodiversidade. Rede GEOMA Biodiversidade Rede GEOMA Três linhas principais 1. Priorização de áreas para conservação da biodiversidade regional; 2. Desenvolvimento de modelos de distribuição de espécies; 3. Dinâmica de populações

Leia mais

CÉLIO ROBERTO JÖNCK INFLUÊNCIA DE UMA QUEDA D ÁGUA NA RIQUEZA, COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA TRÓFICA DA FAUNA DE DOIS REMANSOS DE UM RIO DA MATA ATLÂNTICA

CÉLIO ROBERTO JÖNCK INFLUÊNCIA DE UMA QUEDA D ÁGUA NA RIQUEZA, COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA TRÓFICA DA FAUNA DE DOIS REMANSOS DE UM RIO DA MATA ATLÂNTICA CÉLIO ROBERTO JÖNCK INFLUÊNCIA DE UMA QUEDA D ÁGUA NA RIQUEZA, COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA TRÓFICA DA FAUNA DE DOIS REMANSOS DE UM RIO DA MATA ATLÂNTICA Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção

Leia mais

Ecossitemas e saúde Ambiental:: Prof MSc. Dulce Amélia Santos

Ecossitemas e saúde Ambiental:: Prof MSc. Dulce Amélia Santos SUCESSÃO ECOLÓGICA É a substituição sequencial de espécies em uma comunidade. Compreende todas as etapas desde a colonização das espécies pioneiras até o clímax. Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas

Leia mais

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria

Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria urso de Graduação em Engenharia Ambiental Ecossistemas BI63B Profa. Patrícia Lobo Faria Ecologia de comunidades: Abordagem geral sobre Distúrbios: Fragmentação de hábitats, efeito de borda, ecologia da

Leia mais

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)

EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) EFEITOS DE FRENTES FRIAS NO COMPORTAMENTO CLIMÁTICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES) ANDERSON DA SILVA. SIMÕES 1, WESLEY SOUZA CAMPOS CORREA 2, EBERVAL MARCHIORO 3. 1 Graduando de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

O homem não teceu a teia da vida:ele é simplesmente um fio nessa teia. O que quer que faça à teia, ele faz a si mesmo...

O homem não teceu a teia da vida:ele é simplesmente um fio nessa teia. O que quer que faça à teia, ele faz a si mesmo... INTRODUÇÃO À ECOLOGIA 1 O homem não teceu a teia da vida:ele é simplesmente um fio nessa teia. O que quer que faça à teia, ele faz a si mesmo... Chefe Seattle 2 A Ecologia É uma ciência nova, surge no

Leia mais

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA

Componentes do Ambiente. Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Componentes do Ambiente Leonardo Rodrigues EEEFM GRAÇA ARANHA Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Bióticos: Seres vivos Microorganismos Animais Plantas Abióticos: Físico Químico Luz Temperatura

Leia mais

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Alberto Cargnelutti Filho 1 Marcos Toebe 2 Cláudia Burin 2 Bruna Mendonça Alves 2 Giovani Facco 2 Gabriele Casarotto 3 1 - Introdução Por apresentar

Leia mais

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Comunidade é uma assembleia de populações de espécies que ocorrem juntas no espaço e no tempo. Comunidades

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO DIARIA NA CIDADE DE SÃO PAULO Neide Oliveira INMET-7 Disme/SP neide.oliveira@inmet.gov.br Resumo Este trabalho analisou chuvas intensas ocorridas

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA ITUPORANGA SC Katiani ELI 1, Leonardo NEVES 2, Roberto HAVEROTH 3, Joabe W. PITZ 1, Isaac W. PITZ 3, Júlio

Leia mais

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle

aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 12: estudos de coorte estudos de caso-controle Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Estudo epidemiológico observacional experimental dados agregados dados individuais

Leia mais

Disciplina: BI63 B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria

Disciplina: BI63 B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria Curso de Graduação em Engenharia Ambiental Disciplina: BI63 B - ECOSSISTEMAS Profa. Patrícia C. Lobo Faria http://paginapessoal.utfpr.edu.br/patricialobo Estrutura etária, de tamanho e espacial de populações.

Leia mais

DIVERSIDADE, HISTÓRIA NATURAL E CONSERVAÇÃO DE VERTEBRADOS NA AMÉRICA DO SUL BIZ0304

DIVERSIDADE, HISTÓRIA NATURAL E CONSERVAÇÃO DE VERTEBRADOS NA AMÉRICA DO SUL BIZ0304 DIVERSIDADE, HISTÓRIA NATURAL E CONSERVAÇÃO DE VERTEBRADOS NA AMÉRICA DO SUL BIZ0304 Denize Ezaki Marina Inês Murúa Paula Yumi Nagumo Yago Ferro Monteiro PORTFOLIO EFFECT Analogia entre economia e o

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2010 PROVA DE BIOLOGIA

COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2010 PROVA DE BIOLOGIA Questão 1: O leitor já presenciou um encontro do mineiro com o mar? Eu já. E não quero ver de novo. Abandona-se tudo, roupas pelo caminho, carro na calçada, mãe no hospital, tudo passa, na lógica sedenta

Leia mais

Aula 7 PRODUTIVIDADE DOS ECOSSISTEMAS

Aula 7 PRODUTIVIDADE DOS ECOSSISTEMAS PRODUTIVIDADE DOS ECOSSISTEMAS Aula 7 META Apresentar produtividade primária nos ecossistemas terrestres, os fatores limitantes da produtividade e os padrões de produção primária nos ecossistemas aquáticos.

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE TEMPERATURAS DA SUPERFÍCIE DO MAR SOBRE O ATLÂNTICO E PRECIPITAÇÃO NO SUL E SUDESTE DO BRASIL

RELAÇÕES ENTRE TEMPERATURAS DA SUPERFÍCIE DO MAR SOBRE O ATLÂNTICO E PRECIPITAÇÃO NO SUL E SUDESTE DO BRASIL RELAÇÕES ENTRE TEMPERATURAS DA SUPERFÍCIE DO MAR SOBRE O ATLÂNTICO E PRECIPITAÇÃO NO SUL E SUDESTE DO BRASIL RESUMO Alice M. Grimm (1); Valdeci R. Feuser (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal

Leia mais

EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE. Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais

EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE. Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais EFEITOS LOCAIS E DE LARGA ESCALA NA DINÂMICA CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE Local and large scale effects on climate dynamics in Viçosa - Minas Gerais Jackson Martins Rodrigues Rafael de Ávila Rodrigues Flávio

Leia mais

Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia

Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia Ajuste de modelos de séries temporais para pressão atmosférica de Uberlândia Valiana Alves Teodoro Mirian Fernandes Carvalho Araújo Lúcio Borges de Araújo Introdução Na comercialização de produtos originados

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia Questões Gerais de Ecologia a. Leia atentamente as questões e responda apenas 3 (três) delas. identidade (RG) e o número da questão. 1. Como a teoria de nicho pode ser aplicada à Biologia da Conservação?

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência

A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Relato de Experiência A RELAÇÃO ENTRE A FOTOGRAFIA E A PERCEPÇÃO AMBIENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PIBID/CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Relato de Experiência Fernando Lourenço Pereira Cristiane Monteiro dos Santos 2 Ana Carolina

Leia mais

Densidade de Callichirus major (Say, 1818) nas praias do José Menino, Santos/SP, e Itararé, São Vicente/SP.

Densidade de Callichirus major (Say, 1818) nas praias do José Menino, Santos/SP, e Itararé, São Vicente/SP. Densidade de Callichirus major (Say, 1818) nas praias do José Menino, Santos/SP, e Itararé, São Vicente/SP. Fernanda A. Moschetto¹; Roberto Pereira Borges 2 1 Aluna bolsista CAPES no Mestrado em Ecologia

Leia mais

Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado

Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado Me. Ciro Líbio Caldas dos Santos Prof. LCN/Biologia - UFMA Imperatriz PPG Ecologia e Conservação - UFMS Qual a escala em estudos

Leia mais

ECOSSISTEMAS CARACTERÍSTICAS

ECOSSISTEMAS CARACTERÍSTICAS ECOSSISTEMAS COMPONENTES, ESTRUTURA E CARACTERÍSTICAS ECOSSISTEMA Conjunto resultante da interação entre a comunidade e o ambiente inerte (Cap 1) 1. Unidade funcional básica, composta de uma BIOCENOSE

Leia mais

Aquecimento global Rise of temperature

Aquecimento global Rise of temperature Aquecimento global Rise of temperature Drop by drop. Comenius project What is Global warming? Aquecimento global é o aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra ocorrido

Leia mais

O que é a comunidade? Histórico. Histórico. Limite das comunidades - Nicho. Ecologia de Comunidade

O que é a comunidade? Histórico. Histórico. Limite das comunidades - Nicho. Ecologia de Comunidade Escalas de Organização Ecológica Ecologia de O que é a comunidade? Grupo de populações que coexistem no espaço e no tempo e interagem uma com as outras, direta ou indiretamente Interação ->? vegetal ->?

Leia mais

FUNDAMENTOS EM ECOLOGIA

FUNDAMENTOS EM ECOLOGIA FUNDAMENTOS EM ECOLOGIA PROFª Luciana Giacomini 1º semestre FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA TODO FLUXO DE ENERGIA OBEDECE ÀS DUAS PRIMEIRAS LEIS DA TERMODINÂMICA: Num sistema fechado a energia NÃO se perde,

Leia mais

Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David

Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA Prof. Oriel Herrera Bonilla Monitores: Giuliane Sampaio John David Fortaleza - CE Versão 2010 Ecossistemas Duas fontes

Leia mais

PEA Projeto em Engenharia Ambiental

PEA Projeto em Engenharia Ambiental PEA Projeto em Engenharia Ambiental Prof. Antonio Germano Martins Engenharia Ambiental UNESP Sorocaba Grupo do Rafa Ana Lúcia Fermino Oliveira Mirella Yonezawa Paulo Roberto Takahama Rafael Takayama Garrafoli

Leia mais

O CONSUMO DAS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA DA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE: PADRÕES E EVOLUÇÃO DE 2002 A 2009

O CONSUMO DAS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA DA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE: PADRÕES E EVOLUÇÃO DE 2002 A 2009 1 Felipe Tavares Guilherme da Silva O CONSUMO DAS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA DA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE: PADRÕES E EVOLUÇÃO DE 2002 A 2009 Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO.

PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. PERFIL TRIMESTRAL, MENSAL E HORÁRIO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO AS MARGENS DA BAIA DE CAXIUANÃ, MELGAÇO, PA: ESTUDO DE CASO. GUILHERME FRANCISCO CAMARINHA NETO¹, ANTONIO CARLOS LÔLA DA COSTA², ALEX

Leia mais

AJUSTE DE UM MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR PARA LAVRAS/MG EM 2011

AJUSTE DE UM MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR PARA LAVRAS/MG EM 2011 AJUSTE DE UM MODELO DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR PARA LAVRAS/MG EM 2011 LUIZ G. CARVALHO 1, CAMILA C. ALVARENGA 2 DANIELA C. RODRIGUES 3 1 Eng. Agrícola, Prof. Adjunto,

Leia mais

VER A PRAIA COM OUTROS OLHOS. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa.

VER A PRAIA COM OUTROS OLHOS. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa. Disciplinas intervenientes Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Língua Portuguesa. 1 Motivação. Visita ao Aquário Vasco da Gama ou (ver lista de contactos) ou. Visita ao Centro de Interpretação

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 8º Ano COMPETÊNCIAS TEMAS/UNIDADES CONTEÚDOS 1º Período SUSTENTABILIDADE NA TERRA 28 Compreender o significado dos conceitos: espécie, população, comunidade,

Leia mais

Codex Troano: análise particional e principais gestos composicionais

Codex Troano: análise particional e principais gestos composicionais Codex Troano: análise particional e principais gestos composicionais MODALIDADE: COMUNICAÇÃO André Codeço dos Santos andrecdoeco@gmail.com Pauxy Gentil-Nunes pauxygnunes@gmail.com Resumo: Codex Troano

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Importância + Ocorrência dos ventos + Implantação e orientação + Mecanismos + Diferenças de

Leia mais

Renascimento de florestas

Renascimento de florestas Renascimento de florestas regeneração na era do desmatamento Robin L. Chazdon SUMÁRIO 1. Percepções sobre florestas tropicais e regeneração natural... 15 1.1 Visão cíclica das florestas... 15 1.2 A resiliência

Leia mais

DIVERSIDADE. Priscila Rosa PGECOL Outubro 2007

DIVERSIDADE. Priscila Rosa PGECOL Outubro 2007 DIVERSIDADE Priscila Rosa PGECOL Outubro 2007 O QUE É DIVERSIDADE? Número de espécies encontradas em uma comunidade -RIQUEZA UNIFORMIDADE medida da distribuição no número de indivíduos entre as espécies

Leia mais

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da terra. Formas de precipitação: chuva, neve, granizo, orvalho

Leia mais

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes.

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes. Hidrosfera Compreende todos os rios, lagos,lagoas e mares e todas as águas subterrâneas, bem como as águas marinhas e salobras, águas glaciais e lençóis de gelo, vapor de água, as quais correspondem a

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS PARA O CULTIVO DO MILHO, NA CIDADE DE PASSO FUNDO-RS. Claudia Guimarães CAMARGO Bolsista do grupo PET do curso de Meteorologia/ FacMet/UFPel e-mail: camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

EFEITOS DE UM BLOQUEIO ATMOSFÉRICO NO CAMPO DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NO RIO GRANDE DO SUL

EFEITOS DE UM BLOQUEIO ATMOSFÉRICO NO CAMPO DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NO RIO GRANDE DO SUL EFEITOS DE UM BLOQUEIO ATMOSFÉRICO NO CAMPO DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NO RIO GRANDE DO SUL Allan de Oliveira de Oliveira e- mail: allan_rs@yahoo.com.br Jaci M. B. Saraiva e- mail: dgejaci@super.furg.br

Leia mais

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO Liv Soares Severino 1 ; João Luís da Silva Filho 1 ; João Batista dos Santos 2 ; Arnaldo Rocha de Alencar 1. (1)Embrapa Algodão: e-mail liv@cnpa.embrapa.br

Leia mais

EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1

EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1 EXERCÍCIOS SEÇÃO 1 - ESTATÍSTICA 1 1. População ou universo é: a) Um conjunto de pessoas; b) Um conjunto de elementos quaisquer c) Um conjunto de pessoas com uma característica comum; d) Um conjunto de

Leia mais

Seminário Ano Internacional da Biodiversidade Quais os desafios para o Brasil? Painel 11: Os Oceanos e a Biodiversidade Marinha

Seminário Ano Internacional da Biodiversidade Quais os desafios para o Brasil? Painel 11: Os Oceanos e a Biodiversidade Marinha Seminário Ano Internacional da Biodiversidade Quais os desafios para o Brasil? Painel 11: Os Oceanos e a Biodiversidade Marinha June Ferraz Dias junedias@usp.br Alguns fatos sobre os oceanos... Talassociclo

Leia mais

Ecologia Humana Conceitos Gerais

Ecologia Humana Conceitos Gerais Ecologia Humana Conceitos Gerais Jean Paul Metzger IBUSP 2008 Homem Meio Ambiente Meio = local + condição fisico-química Meio ambiente: local ambiente ou condição ambiental Ecossistema, Habitat, nicho...

Leia mais

TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO

TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA

Leia mais

INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso

INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO. Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso INFLUÊNCIA DE LA NIÑA SOBRE A CHUVA NO NORDESTE BRASILEIRO Alice M. Grimm (1); Simone E. T. Ferraz; Andrea de O. Cardoso (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DISTÚRBIOS ONDULATÓRIOS DE LESTE EM ALCÂNTARA: ESTUDO DE CASO

CARACTERIZAÇÃO DE DISTÚRBIOS ONDULATÓRIOS DE LESTE EM ALCÂNTARA: ESTUDO DE CASO CARACTERIZAÇÃO DE DISTÚRBIOS ONDLATÓRIOS DE LESTE EM ALCÂNTARA: ESTDO DE CASO Gunter de Azevedo Reschke (1); Gilberto Fisch (1) Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos (NEMRH-MA) niversidade

Leia mais

Saída de Campo em Costão Rochoso na Ilha de Urubuqueçaba no litoral de Santos dirigida ao Ensino de Tópicos de Biologia e Ecologia Marinha

Saída de Campo em Costão Rochoso na Ilha de Urubuqueçaba no litoral de Santos dirigida ao Ensino de Tópicos de Biologia e Ecologia Marinha Saída de Campo em Costão Rochoso na Ilha de Urubuqueçaba no litoral de Santos dirigida ao Ensino de Tópicos de Biologia e Ecologia Marinha Claudio A. Garcia¹, Barbara del Rey ¹, Taynara Cordeiro ¹, Fabio

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Processo seletivo PPGECB - 2013 Prova de conhecimentos em Ecologia e Evolução CPF do candidato: MS ( ) DR ( ) Instruções para a prova: 1) Não coloque NOME nas folhas de prova em hipótese alguma. Sua única

Leia mais

Ecologia de comunidades Novas perspectivas: Macroecologia & Teoria metabólica. Alexandre Palma

Ecologia de comunidades Novas perspectivas: Macroecologia & Teoria metabólica. Alexandre Palma Ecologia de comunidades ovas perspectivas: Macroecologia & Teoria metabólica Alexandre Palma Pontos de vista 4 diferentes visões em ecologia de comunidades: Determinística comunidades como resultado de

Leia mais