Produção e germinação de sementes do estilosantes em função da época de colheita 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção e germinação de sementes do estilosantes em função da época de colheita 1"

Transcrição

1 Produção e germinação de sementes do estilosantes em função da época de colheita 1 Itamar Pereira de Oliveira 2, Hernane Marques Arantes 3, Kátia Aparecida de Pinho Costa 4, Resumo: A melhor época de colheita tem sido estudada para se conseguir sementes com vigor e alto poder germinativo. Ambas as características, quando em seus maiores valores, resultam em culturas com altas populações de plantas e maiores produtividades das leguminosas. Este trabalho tem como objetivo avaliar a emergência dos germoplasmas Stylosanthes macrocephala, bem como a variação na percentagem de sementes germinadas. Os germoplasmas foram distribuídos em campo no delineamento totalmente casualizado com três repetições. As médias foram submetidas à análise de regressão (R2). A colheita das sementes foi feita aos 46, 50, 54, 58, 62, 66 e 70 dias após o início da floração DAIF. Considerou-se início de floração, quando 5 % das plantas emitiam as primeiras flores. Os germoplasmas 1582, 1511 apresentaram maior percentagem de sementes emergidas aos 61 DAIF e o 1587 apresentou uma curva crescente com o DAIF. A curva do MZ foi praticamente linear com muito pouca inclinação da reta. Os germoplasmas MZ, 1587, 1582, 1511 mostraram máximos de emergência pelo teste de 10 dias de incubação quando colhidas aos 53, 59, 61 e 63 DAIF. Palavras chaves: adaptação de leguminosa, cerrado, germoplasma, Latossolo vermelho escuro, Stylosanthes macrocephala. Production and seed germination of stylosanthes in relation to harvest time Abstract: The best crop time has been studied to get high robustness seeds and high rate of germination. Both characteristics when present in their high values, result in high population crops and high production leguminous. This research had the objective to evaluate the germplasm emergency of "Stylosanthes macrocephala", as well the variation of germinated seed. The germplasm was totally distributed in field in randomized block design with three replications. The averages were submitted to regression analysis (R2). The seed harvest was made at 46, 50, 54, 58, 62, 66 and 70 days after flower starting (DAFS). The flower beginning was considered when 5% of the plants emitted the first flowers. The germplasms 1582, 1511 presented bigger percentage of emerged seeds at 61 DAFS and 1587 presented increasing lineal curves with DAFS. Also, the response curves of MZ was practically lineal with very little inclination of straight line. The germoplasmas MZ, 1587, 1582, 1511 showed bigger emergency by 10 days incubation test at 53, 59, 61 and 63 DAFS. Key words: Dark Red Latosol, germplasm legume, adaptation, savannah, Stylosanthes macrocephala. 1 Trabalho realizado na Pontifícia Universidade Católica de Goiás e apresentado na Faculdade Montes Belos ara publicação. 2 Professor PhD, Orientador da Faculdade Montes Belos. 3 Formando da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 4 Professora Doutora do Instituto Federal do Estado de Goiás.

2 2 1. Introdução Dentre as diversas espécies de leguminosas adaptadas à região do Cerrado, destacam-se as do gênero Stylosanthes. Buscando acessos mais adaptados e utilizando técnicas avançadas, é possível obter exemplares deste gênero com características ideais para uma forrageira nas condições de cerrado. Características como adaptação para solos ácidos e de baixa fertilidade, resistência à doenças, valor nutritivo e produção de sementes tornam o "Stylosanthes macrocephala", uma espécie de forrageira com uma potencialidade maior em relação às outras leguminosas. Considerando as qualidades desta espécie, o estudo de adaptação de germoplasmas torna uma necessidade avaliar suas características e conhecer seu potencial de utilização como forrageira. A qualidade das forragens pode ser atingida cultivando forrageiras leguminosas consorciadas com gramíneas com capacidade para fixar nitrogênio do meio ambiente. Tem sido relevante, o estudo da dinâmica de persistência que está diretamente ligado ao aumento do nitrogênio disponível no solo influenciando o teor de proteína da pastagem e esta, à dieta animal (CADISH et al. 1993). Estudos mostram que o "Stylosanthes macrocephala" pode ser utilizado tanto em bancos de proteína, quanto em consórcio com gramíneas, por possuir um excelente potencial de produção de sementes, adaptação ao clima tropical, tolerância ao alumínio, produtividade, vigor, persistência sob pastejo ou corte, tolerância à pragas e doenças, valor nutritivo e/ou aceitabilidade e retenção de folhas verdes durante a seca (CIAT, 1993; NASCIMENTO et al, 1998). Especialista em pastagem têm declarado que a espécie Sylosanthes macrocephala constitui uma das opções de forrageiras promissoras para a agropecuária na região dos Cerrados. Este trabalho tem como objetivo avaliar o efeito da época de colheita do "Stylosanthes macrocephala" na produção de sementes e germinação uma vez que exixtem poucos estudos sobre a germinação desta espécie. 2. Revisão bibliográfica Vilela (2011) caracterizou a espécie Stylozantes macrocephala possui hábito de crescimento decumbente, em estande puro, podendo tornar-se mais ereto, em condições de competição por luz. Sua altura pode também atingir um metro. Suas folhas são mais estreitas que as de S. capitata e mais pontiagudas. O florescimento, nas condições de Campo Grande, MS, ocorre a partir da segunda quinzena de abril. As flores são, em sua maioria, amarelas, podendo ser encontrados exemplares com tonalidade bege. A maturação das sementes ocorre no final da segunda quinzena de maio e a colheita deve ser iniciada quando houver o máximo de sementes maduras, antes do início da queda dos capítulos, fenômeno muito comum nesta espécie. Artigos técnicos relatam que os novos híbridos e linhas produzidas, na atualidade, são melhoradas para melhor adaptação e maior produção de massa, além das qualidades alimetares, como o estilosantes Campo Grande que é originado de uma mistura física de duas espécies de leguminosas, Stylosanthes capitata e S. macrocephala, coletadas em solos de Areia Quartzosa e de baixa fertilidade, remanescentes de experimento anterior, que, após vários

3 3 multicruzamentos, teve sua seleção definida (SILVA, 2011). Ambas as espécies podem chegar a mais de um metro de altura e seu florescimento ocorre nos meses de Abril a Maio, respectivamente, e a principal característica da sua persistência é a ressemeadura natural, já que as suas plantas são predominantemente anuais e bianuais. O estilosantes é uma forrageira rica em proteína e executa uma função importante de transformar o nitrogênio encontrado na atmosfera e fixá-lo biologicamente no solo, reduzindo os investimentos em insumos agrícolas, contribuindo para a redução dos impactos ambientais e possibilitando maior ganho de peso nos animais. Além das características de bom fixador de nitrogênio no solo e seu alto teor protéico, o estilosante Campo Grande possui ainda grande adaptação a solos arenosos e de baixa fertilidade; alta produtividade de sementes; alta capacidade de ressemeadura natural; resistente a cigarrinha das pastagens, antracnose e ao percevejo castanho. Diminui a infestação de carrapatos, por antibiose e antixenose. Resistente a solos mal drenados; auxilia na recuperação de áreas degradadas; boa digestibilidade e palatabilidade; pode ser consorciado com diversos tipos de pastagens ou plantado solteiro em banco de proteínas; versatilidade na alimentação, ou seja, pode ser oferecido in natura, como feno, silagem e em pelets. Tolerante a desfolha natural e ambientalmente correto (SILVA & ZIMMER, 2004). A importância de estudar materiais resultantes de cruzamentos, nos campos, das leguminosas pode ser observada nas pesquisas de Barros et al. (2005) que tem verificado que utilizando marcadores moleculares do tipo SIG (sistema de informação geográfica) e RAPD (random amplified polymorphic DNA) permitem verificar diferenciação entre acessos de Stylosanthes macrocephala, evidenciando a alta variabilidade genética. A diversidade genética entre os acessos de S. macrocephala mostra a importância desta coleção em futuros trabalhos de caracterização agronômica e de melhoramento genético. O SIG permite atualizar e gerar novos descritores ecológicos para acessos de S. macrocephala analisados, cujas informações são úteis na identificação de suas características adaptativas. A análise conjunta da diversidade genética e dos descritores ecológicos mostra tendência de regionalização da variabilidade genética por bacia hidrográfica. 3. Material e Métodos O ensaio foi realizado no município de Goiânia-GO, no Campus II do Departamento de Zootecnia da Universidade Católica de Goiás, utilizando o Stylosanthes macrocephala em monocultivo. Foram avaliadas quatro germoplasmas de Stylosanthes macrocephala, denominado de MZ, 1582, 1511 e O preparo do solo constou de uma aração e gradagem. A adubação foi realizada com a incorporação de 300 kg/ha de calcário filler, 200 kg/ha de superfosfato simples e 50 kg/ha de cloreto de potássio aplicados no sulco. Cada parcela teve uma área de seis metros quadrados, com quatro linhas espaçadas de meio metro. O espaçamento entre as parcelas foi de dois metros. Na semeadura foram utilizados quatro kg/ha de sementes puras, descascadas e escarificadas. A colheita das sementes foi feita aos 46, 50, 54, 58, 62, 66 e 70 dias após o início da floração (DAIF), manualmente, feito nas

4 PRODUÇÃO (Kg/ha) 4 linhas centrais das parcelas, usando-se três amostragens de um metro quadrado por parcela. Considerou-se início de floração quando 5% das plantas emitiam as primeiras flores. Os germoplasmas foram distribuídos em campo no delineamento totalmente casualizado com três repetições. As médias foram submetidas a análise de regressão (R), após verificação da significância entre os tratamentos, observadas pela análise de variância. 4. Resultados e Discussão A Figura 1 representa o rendimento de sementes em relação às datas de colheita, caracterizado como, dias após o início da floração (D. A. I. F) do Stylosanthes macrocephala. A variação de produção foi observada nas quatro variedades, que se comportaram de maneiras distintas, com o ponto máximo de produção em datas variadas (Quadro 1). Nota-se que as linhas MZ e 1511 obtiveram um pico de produção mais precoce em relação às outras linhas, porém com uma menor variação de produção, consequentemente, tendo um ponto de colheita mais prolongado. As linhas 1587 e 1582 se comportaram mais tardias em relação às outras, com uma variação de produção maior, sendo menor o tempo de colheita das sementes destas variedades. Linhas que possuem uma produção satisfatória e uma menor oscilação de produção no seu processo de maturação, tornam-se mais atrativa para o seu beneficiamento e comercialização. Segundo Vieira (2000) para se determinar a melhor época de colheita, deve-se levar em conta dois aspectos básicos: a maturação fisiológica da semente e a maturação de colheita. A primeira é caracterizada no período em que a planta cessa a translocação de nutrientes para a semente, tendo neste ponto, um acúmulo de matéria seca. A maturação de colheita é o período ideal, no qual o teor de umidade já se encontra num nível adequado, para colheita segura, levando em consideração a desuniformidade de maturação inerente à espécie. 350 y(1582) = -0,8802x ,149x ,4 R 2 = 0,9871 y(mz) = -0,5045x ,557x - 897,13 R 2 = 0, y(1511) = -0,2418x ,167x - 186,72 R 2 = 0, y(1587) = -3,0625x ,5x ,7 R 2 = 0,

5 % DE GERMINAÇÃO Figura 1: Curvas de regressão representativas da produtividade de sementes (kg/ha) das quatro linhas de Stylosanthes macrocephala em função da época de colheita (dias após o início da floração - D.A.I.F.). 5 Sabendo-se que as linhas MZ e 1511 possuem um período mais prolongado de produção, aumentamse as chances de se obter maiores quantidades de sementes no período de maturação de colheita, consequentemente obtendo maior número de sementes de melhor qualidade. Quadro 1: Valores de D.A.I.F. das quatro linhas de Stylosanthes macrocephala. que permitem a produção máxima de grãos. LINHAS Datas MZ Relacionando a porcentagem de germinação com as épocas de colheita (Figura 2), a variedade MZ, apresentou um período de maturação de sementes mais curto, em torno de 53. Ao mesmo tempo, as variedades 1587, 1511 e 1582 apresentaram um ponto de máxima germinação, em torno de 61, 78 e 131 respectivamente, sendo estes mais tardios quanto ao período de maturação de suas sementes. 100,0 y(1587) = -0,0967x ,773x - 269,8 R 2 = 0,952 y(mz) = -0,2283x ,347x - 565,96 R 2 = 0, ,0 80,0 70,0 y(1582) = -0,0061x 2 + 1,5971x + 10,476 R 2 = 0, ,0 y(1511) = -0,0087x 2 + 1,3575x + 34,914 R 2 = 0, ,0 Figura 2: Curvas de regressão representativas % germinaçãio de sementes (kg/ha) das quatro linhas de Stylosanthes macrocephala em função da época de colheita (dias após o início da floração - D.A.I.F.).

6 % DE GERMINAÇÃO Avaliando os valores máximos da curva de regressão das quatro variedades (Quadro 2), nota-se que MZ e 1587 apresentaram uma porcentagem de germinação mais adiantada, enquanto que, as variedades 1582 e 1511 são mais tardias em relação à data de colheita. Quadro 2: Valores máximos de x (datas de colheita) de acordo com as curvas de regressão, em relação a porcentagem de germinação. LINHAS Valores máximos de x (D.A. I.F) MZ A porcentagem de germinação foi considerada, a somatória da porcentagem de sementes germinadas (Figura 7) com a porcentagem de sementes duras (Figura 4). Segundo Popinigis (1985) são quatro os fatores básicos que afetam a germinação: água, temperatura e oxigênio. A variação da quantidade, tempo de exposição e as relações entre esses fatores são responsáveis pela variação da porcentagem de germinação. Figura 3: Curvas de regressão representativas % germinaçãio de sementes (kg/ha) das quatro linhas de Stylosanthes macrocephala em função da época de colheita (dias após o início da floração - D.A.I.F.). 100,0 y(1587) = -0,0967x ,773x - 269,8 R 2 = 0,952 y(mz) = -0,2283x ,347x - 565,96 R 2 = 0, ,0 80,0 70,0 y(1582) = -0,0061x 2 + 1,5971x + 10,476 R 2 = 0, ,0 y(1511) = -0,0087x 2 + 1,3575x + 34,914 R 2 = 0, ,0

7 % DE SEMENTES MORTAS 40,00 y(1511) = 0,0087x 2-1,3575x + 65,086 35,00 R 2 = 0,7132 y(1587) = 0,0967x 2-11,773x + 369,8 R 2 = 0,952 30,00 y(1582) = -0,0137x 2 + 0,7122x + 25,003 25,00 R 2 = 0, ,00 15,00 10,00 5,00 y(mz)= -0,0627x 2 + 6,9717x - 167,32 R 2 = 0, Figura 4: Teor de sementes duras em relação às épocas de colheita de quatro variedades de S. macrocephala. Outro fator, que influencia diretamente na germinação, é a dormência das sementes, que em leguminosas apresentam uma maior frequência. As sementes da maioria das leguminosas controlam a entrada de água, pelo motivo da casca serrecoberta, ou constituída de substâncias cerosas que exercem diretamente o papel de obstar a água (CARVALHO, 1980). Em Stylosanthes sp. a dormência ocorre da mesma forma sendo necessário a utilização de métodos para a quebra de dormência, objetivando reduzir o número de sementes duras, que nesta espécie pode apresentar superior a 20% (SOUZA, 1996). O tratamento com ácido sulfúrico concentrado, o tratamento mecânico e o tratamento térmico utilizando água quente, são métodos mais utilizados para a quebra de dormência das sementes de Stylosanthes sp. Sendo optativa a escolha do método, levando em consideração, mão de obra, material disponível e quantidade de sementes a ser escarificada. O tratamento escolhido para a quebra de dormência do S. macrocephala, foi o térmico, utilizando água quente, devido o fácil manuseio, menor risco e disponibilidade de material e mão de obra.

8 % DE SEMENTE DURAS 8 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 y(1511) = 0,0581x 2-5,5101x + 173,21 R 2 = 0,8635 y(1587) = 0,0302x 2-1,1393x + 23,261 R 2 = 0,7037 y(mz) = -0,0832x ,861x - 296,86 R 2 = 0,9274 y(1582) = -0,1094x ,308x - 344,08 R 2 = 0, ,00 D. A. I.F Figura 5: Teor de sementes duras em relação às épocas de colheita de quatro variedades de S. macrocephala. Esse tratamento possui uma eficiência em torno de 73,33% (dados obtidos em testes) e demonstrou uma certa seletividade das sementes. Nas amostras de sementes colhidas no início do período (D. A. I.F), consideradas imaturas, o grau de resistência do tegumento das sementes era baixo, ocorrendo assim uma maior porcentagem de sementes mortas (Figura 3), e nas amostras de sementes que foram colhidas nas datas mais adiantadas, a podem influir decisivamente, não só no estabelecimento de uma população inicial no campo, como também sobre todo ciclo da planta e sobre a produtividade. Uma dessas características fisiológicas é denominada de vigor das sementes. O vigor é importante na avaliação da qualidade das sementes, pois detecta modificações mais sutis resultante do avanço da deterioração, não revelados no teste de germinação porcentagem de sementes duras, foi maior (Figura 4). De acordo com Popinigis (1985) existem outras características fisiológicas da semente que

9 % de sementes emergidas 7 dia A avaliação da emergência, portanto, fornece após a semeadura apresenta uma tendência para maior dados relativos ao vigor do lote das sementes, como vigor nas sementes colhidas mais tardias (a partir do mostra a Figura 5 o vigor das sementes aos sete dias 54 ). 9 50,00 45,00 40,00 y(mz) = 0,0268x 2-3,1762x + 104,42 R 2 = 0,9425 y(1511) = -0,0377x 2 + 4,5873x - 122,55 R 2 = 0, ,00 30,00 y(1587) = 0,0238x 2-0,9714x - 2,5333 R 2 = 0, ,00 20,00 15,00 10,00 5,00 y(1582) = -0,0556x 2 + 6,7302x - 183,33 R 2 = 0,6179 0,00 Figura 6. Avaliação da emergência das variedades de S. macrocephala, 10 dias após a semeadura em relação as datas de colheita (). Quadro 4. Valores máximos da porcentagem de emergência observado 10 dias após a semeadura das variedades de S. macrocephala. Variedade Valor máximo P(x) MZ P(x) 1582 P(x) 1511 P(x)

10 % DE SEMENTES GERMINADA 10 50,00 45,00 y(1511) = -0,0668x 2 + 6,8676x - 138,3 R 2 = 0, ,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 y(mz) = -0,0055x 2-1,1088x + 107,83 R 2 = 0, ,00 y(1582) = -0,0603x 2 + 7,0877x - 164,94 R 2 = 0,6563 y(1587) = -0,2131x ,717x - 564,21 R 2 = 0,7939 Figura 7: Variação na quantidade de sementes germinadas em relação ao dias após início da floração. A porcentagem de sementes germinadas (Figura 7) variou muito entre as variedades, possuindo um valor máximo de 46% na variedade 1582 e um valor mínimo em de 14% em MZ, demonstrando assim que nas mesmas condições, as variedades se comportaram de maneira diferente. A variedade 1582 foi a que apresentou melhores resultados, pois são valores altos e não oscilantes em comparação com as demais variedades. 5. Conclusão 1. Os germoplasmas MZ e 1587 são mais precoces nos testes de emergência com 10 dias de incubação. 2. O germoplasma 1582, é o que apresenta melhores resultados com valores maiores e não oscilantes nos testes de emergência. 6. Referências Bibliográficas BARROS, A. M.; FALEIRO, F.G.; KARIA, C.T.; SHIRATSUCHI, L.S.; ANDRADE, R.P.; LOPES, K.B. Variabilidade genética e ecológica de Stylosanthes macrocephala determinadas por RAPD e SIG. Pesq. agropec. bras., Brasília, v.40, n.9, p , set CADISH, G.; CARVALHO, E.F.; SUHET, A.R. Importance of legume nitrogen fixation in sustainability of pastures in the cerrados of Brasil. In: INTERNATIONAL GRASSLAND, 17, Rockhampton. Proceedings... Rockhampton: NZGA/ TGSA/ NZSAP/ ASAP/NZIAS, p CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes. Ciência, Tecnologia e Produção. Fundação Cargil. Campinas, p CIAT- CENTRO INTERNACIONAL DE AGRICULTURA TROPICAL. Informe Anual Progra de Pastos Tropicales. Cali, Colômbia p. NASCIMENTO, M.P.S.C.B.; NASCIMENTO, H.T.S., FERNANDES, C.D. Avaliação Agronômica de Acessos de Stulosanthes. In: REUNIÃO ANUAL

11 DA SACIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. Anais... Botucatu SP p POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: Agiplan, p. SILVA, M. P. Estilosantes - Stylosanthes spp. Fauna e Flora do Cerrado, Campo Grande, Junho Disponível em series/flora/estilo/ estilosantes.htm. Acesso em 09 Ago SILVA, M.P. Germinação de Stylosanthes macrocephala.disponível em www. academicoo.com/tese-dissertacao/germinacao-destylosanthes-macrocephala Acesso em 08/08/2010. SILVA, M. P.; ZIMMER, A. H. Avaliação agronômica de consorciações de braquiárias e Andropogon gayanus com novos acessos de 11 estilosantes sob pastejo. Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia. Campo Grande, MS p. SOUZA, F.H.D. Preparo das sementes de estilosantes Mineirão para semeadura. Comunicado Técnico, n 53, janeiro/1966. VIEIRA, S.R. Geoestatística em estudo de variabilidade espacial do solo. In: NOVAIS, R.F.; ALAVARES, V.V.H.; SCHAEFER, C.E.G.R. (ed.). Tópicos em ciência do solo. Viçosa:SBCS, v.1. p VILELA, H. Série Leguminosas Tropicais Gênero Stylozantes - (Stylozantes multilinea Stytilozantes Campo Grande). Disponível em com.br/conteudo/artigos/artigos_leguminosas_tropicais_st ylozanthes_multilinea.htm. Acesso em 06/08/2011.

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO DE ADUBOS VERDES EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA NO SUDESTE GOIANO

INFLUÊNCIA DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO DE ADUBOS VERDES EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA NO SUDESTE GOIANO INFLUÊNCIA DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO DE ADUBOS VERDES EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA NO SUDESTE GOIANO Mário Guilherme De Biagi Cava 1 ; Marcos Vinicius Ribeiro Nascimento 2 ; Bruce James Santos

Leia mais

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia --.. --- FOL 4820 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rondônia Ministério da Agricultura e do Abastecimento Nº 03, dez./97, p.1-4 Formação e manejo de bancos

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Efeito dos diferentes níveis de adubação fosfatada sobre as características anatomo fisiológicas da cunhã (Clitoria ternatea L.) cultivada em um latossolo vermelho distrófico Arnon Henrique Campos ANÉSIO¹;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO Ítalo Bazzo de Oliveira 1 ;João Batista Leite Jr. 2 1 Acadêmico do curso de agronomia da UEMS, Unidade

Leia mais

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Flívia Fernandes de Jesus 1, Fabrícia C. Adriano 2, Fabrício de C. Peixoto 3, Adilson Pelá 4, Nei Peixoto 5 1. Bolsista

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE A ADUBAÇÃO FOLIAR EM FEI- JOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) II ( 1 ). EDUARDO ANTÔNIO

OBSERVAÇÕES SOBRE A ADUBAÇÃO FOLIAR EM FEI- JOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) II ( 1 ). EDUARDO ANTÔNIO OBSERVAÇÕES SOBRE A ADUBAÇÃO FOLIAR EM FEI- JOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) II ( 1 ). EDUARDO ANTÔNIO BULISANI, SHIRO MIYASAKA e Luiz D'ARTAGNAN DE ALMEIDA. Em estudo anterior ( 2 ), constatou-se que o

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai)

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) Renata Freires Lima¹; José Antonio Maior Bono² ¹Acadêmica do Curso de Agronomia da

Leia mais

Conceitos básicos sobre pastagens e sementes para sua formação

Conceitos básicos sobre pastagens e sementes para sua formação Conceitos básicos sobre pastagens e sementes para sua formação Rodolfo Godoy e Francisco H. Dübbern de Souza Julho/2010 Conceitos técnicos : para que???? - possibilitam descrições corretas e precisas de

Leia mais

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ L.C.Dias², W.S. Rezende³, M. R. Carbalial 4, L. A. Silva 5 Resumo Com o objetivo de se avaliar o efeito de produção

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima 1 Everton Diel Souza, 2

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=617>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Produção e longevidade de sementes de capim elefante Paraíso (Pennisetum hybridum cv.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA Rafael Santos Finholdt (1), Roberto Kazuhiko Zito (2), Maria Eugenia Lisei de Sá (3) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, rafaelfinholdt@yahoo.com.br;

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO

LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO LONGEVIDADE DE SEMENTES DE Crotalaria juncea L. e Crotalaria spectabilis Roth EM CONDIÇÕES NATURAIS DE ARMAZENAMENTO Odilon Peixoto de Morais Júnior 1, Vladimir Sperandio Porto 1, Daniela Cleide Azevedo

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO PHYSIOLOGIC QUALITY OF SOYBEAN SEEDS IN FUNCTION OF GERMINATION Ayza Eugênio Viana Camargos (1) Resumo Antonio Pizolato Neto (2)

Leia mais

Comunicado Técnico. Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1 Francisco H. Dübbern de Souza 1. ISSN X São Carlos, SP. Foto capa: Odo Primavesi

Comunicado Técnico. Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1 Francisco H. Dübbern de Souza 1. ISSN X São Carlos, SP. Foto capa: Odo Primavesi Comunicado Técnico Dezembro, 81 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Odo Primavesi Avaliação de genótipos e recomendação de cultivares de aveia forrageira, para a região central do Estado de São

Leia mais

Passo a Passo para a Formação de uma Boa Pastagem

Passo a Passo para a Formação de uma Boa Pastagem A FORMAÇÃO DE UMA PASTAGEM O sucesso da formação de uma pastagem depende muito mais de conhecimento do que de sorte. Grande parte dos procedimentos necessários a uma boa formação, apresentados a seguir,

Leia mais

Palavras-chave: Zea mays L., densidade populacional, nitrogênio, produção.

Palavras-chave: Zea mays L., densidade populacional, nitrogênio, produção. XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência da Adubação Nitrogenada e Densidade Populacional sobre um Híbrido Simples, na Região Sul do Mato Grosso

Leia mais

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO Liv Soares Severino 1 ; João Luís da Silva Filho 1 ; João Batista dos Santos 2 ; Arnaldo Rocha de Alencar 1. (1)Embrapa Algodão: e-mail liv@cnpa.embrapa.br

Leia mais

Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária 1. Paulo A. Viana 2 e Maria C. M.

Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária 1. Paulo A. Viana 2 e Maria C. M. Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária Paulo A. Viana e Maria C. M. Viana 3 Pesquisador Embrapa Milho e Sorgo, pviana@cnpms.embrapa.br. CP. 5, CEP 357-97,

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 1 Hugo Fernandes dos Santos; 1 Lamartine Eduardo de Assis ; 2 Rosilene Agra da Silva] 1 Graduandos em Agronomia CCTA/UFCG

Leia mais

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO.

ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO. ESTUDO DO PROGRESSO GENÉTICO NA POPULAÇÃO UFG- SAMAMBAIA, SUBMETIDA A DIFERENTES MÉTODOS DE SELEÇÃO RAMOS, Michele Ribeiro 1 ; BRASIL, Edward Madureira 2 Palavras-chave: progresso genético, métodos de

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil.

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Luís Cláudio de Faria 1, Patrícia Guimarães Santos Melo 2, Leonardo Cunha Melo 1, 1, 1, Antônio Joaquim Braga

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha

Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha Galvão, J.C.C., Rodrigues, O. L.,Conceição, P. M., Corrêa, M.L.P. e Lemos, J.P. galvao@ufv.br; orismario.rodrigues@ufv.br

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO CRIOULAS PARA A PRODUÇÃO DE SILAGEM NO MUNICÍPIO DE ARAQUARI - SC

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO CRIOULAS PARA A PRODUÇÃO DE SILAGEM NO MUNICÍPIO DE ARAQUARI - SC AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO CRIOULAS PARA A PRODUÇÃO DE SILAGEM NO MUNICÍPIO DE ARAQUARI - SC Modalidade: ( ) Ensino ( X ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: (X) Médio ( ) Superior ( ) Pós-graduação Área:

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA Tássio Bonomo Murça (1), Domingos Sávio Queiroz (2), Luiz Tarcisio Salgado (3), Sabrina Saraiva Santana (4), Sérgio Dutra de Resende (5) (1) Bolsista

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

Capim Andropógon: Estabelecimento e manejo

Capim Andropógon: Estabelecimento e manejo Capim Andropógon: Estabelecimento e manejo Ademir Hugo Zimmer Embrapa Gado de corte Gilberto Gonçalves Leite Embrapa Cerrados ENIPEC - 2008 Características do Capim Andropogon Gênero Andropogon com 100

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA

CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA CULTIVO E ESTABELECIMENTO DA ALFAFA Joaquim Bartolomeu Rassini INTRODUÇÃO ALFAFA (forragem) Características agronômicas: alta capacidade de adaptação (clima, solo, altitude), alta produtividade (15 a 25

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

( ) Recebida para publicação em 3 de maio de 1968.

( ) Recebida para publicação em 3 de maio de 1968. ESTUDO DE GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PÊSSEGO (PRUNUS PÉRSICA BATSCH) DE DIVERSAS VARIEDA DES ( 1 ). MARIO OJIMA e ORLANDO RIGITANO. O conhecimento do poder germinativo das sementes de diferentes variedades

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,7:1 4,4:1 15,0:1 SUGESTÃO DE SEMEADURA Para produção de forragem Épocas de semeadura: abril e maio para as regiões Norte e Oeste do Paraná; de março a maio para a

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR

ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR MORAIS, H. A. (Test Agro, Rio Verde/GO henrique.morais@terra.com.br), CABRAL, R. S. (UniRV Universidade

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO IAPAR 81 Cultivar do grupo carioca, de porte ereto, recomendada para cultivo a partir de junho de 1997. Apresenta

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra AULA Nº 6 aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra em local ventilado. As sementes ortodoxas devem ser conservadas em sacolas ventiladas até que sejam levadas ao

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado.

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. Híbridos de SORGO Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. 1G233 Estabilidade produtiva, com qualidade de grãos Altura: 1,15m semiaberta

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS IMPLANTAÇ IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉ ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS Luis Fernando G. de Menezes UTFPR/DV luismenezes@utfpr.edu.br Qualidade da semente Método de estabelecimento Densidade de semeadura

Leia mais

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE Marcos Antônio Drumond 1, José Barbosa dos Anjos 1, Máira Milani 2, Luiz Balbino Morgado 1, e José Monteiro

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno.

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno. PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE José Tiago Rambo Hoffmann 1 ; Leandro Werlang 1 ; Rogério Klein 1 ; Marcos Paulo Zambiazi 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antônio Feldman

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Milho-Verde em Consórcio com Feijão em Diferentes Populações Lauro Kenji Komuro 1, João Antonio da Costa Andrade

Leia mais

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde PARCERIIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO Lucas do Rio, Outubro de 2007 PLANO DE PARCERIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO TECNOLOGIAS DE NUTRIÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS LINHA DE PESQUISA: Avaliação de

Leia mais

Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716)

Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716) Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716) Ana Lúcia Lara Lanza (1) ; Iran Dias Borges (2) ; Júnia de Paula Lara (3) ; Kelson Willian de Oliveira (4) ; Ana Gabriela Ferreira Magalhães

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Forragicultura Código da Disciplina: VET 219 Curso: Medicina Veterinária Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANGA VISANDO O MERCADO DE CONSUMO IN NATURA LAERTE SCANAVACA JUNIOR 1 ; NELSON FONSECA 2

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANGA VISANDO O MERCADO DE CONSUMO IN NATURA LAERTE SCANAVACA JUNIOR 1 ; NELSON FONSECA 2 AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANGA VISANDO O MERCADO DE CONSUMO IN NATURA LAERTE SCANAVACA JUNIOR ; NELSON FONSECA INTRODUÇÃO A seleção de variedades de mangueira para consumo de frutas frescas depende de

Leia mais

Produção de matéria seca dos capins Tifton 85 e Piatã em associação com feijão-guandu Super N ou sob adubação nitrogenada

Produção de matéria seca dos capins Tifton 85 e Piatã em associação com feijão-guandu Super N ou sob adubação nitrogenada Produção de matéria seca dos capins Tifton 85 e Piatã em associação com feijão-guandu Super N ou sob adubação nitrogenada Dry matter production of Tifton 85 grasses and grass Piatã in association with

Leia mais

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco Página 1075 PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1 Jefferson Luis Anselmo 1 ; Denis Santiago da Costa; Thiago Zago Leonel; Fábio da Silva

Leia mais

2 CORTE. y = x x R2 = NITROGÊNIO(kg/ha)

2 CORTE. y = x x R2 = NITROGÊNIO(kg/ha) Original Article TEOR DE PROTEÍNA BRUTA E PRODUÇÃO DE MASSA SECA DO CAPIM- BRAQUIÁRIA SOB DOSES DE NITROGÊNIO CRUDE PROTEIN AND PRODUCTION OF DRY MATTER OF THE GRASS- BRAQUIARIA UNDER DOSES OF NITROGEN

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DO BOTÃO DE OURO (TITHONIA DIVERSIFOLIA) EM DIFERENTES IDADES DE CORTE NO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO Gabriel Augusto do Livramento¹, Gustavo Henrique Barramansa

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 AGUIAR, A. R. de 2 ; GONÇALVES, C. E. P. 2 ; SILVA, C. M. S. 3 ; AGUIAR, D. 3 ; MACHADO, M. 4 ; KÖPP, M. M. 5; OLIVEIRA, J. C. P. 5 ; SILVA, A. C. F.

Leia mais

Melhoramento Genético da Alfafa

Melhoramento Genético da Alfafa Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Melhoramento Genético da Alfafa Editores Técnicos Reinaldo de Paula Ferreira Daniel Horacio Basigalup Jorge

Leia mais

Valor nutritivo do feno de Tifton 85 (Cynodon spp.) sequeiro em cinco idades de corte

Valor nutritivo do feno de Tifton 85 (Cynodon spp.) sequeiro em cinco idades de corte Valor nutritivo do feno de Tifton 85 (Cynodon spp.) sequeiro em cinco idades de corte Duarte Carvalho Minighin 1, Carlos Antunes Oliveira Pereira 2, Renata Vitarele Gimenes Pereira 3 1. Aluno do curso

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada.

Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada. Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada. Francisco Bezerra Neto 1 ; Aurélio Paes Barros Júnior 1 ; Maria Zuleide de Negreiros

Leia mais

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA *

QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * QUALIDADE DA FIBRA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE PLANTIO DA SEMENTE DE ALGODÃO LINTADA, DESLINTADA E DESLINTADA E TRATADA * Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

ISSN do Livro de Resumos:

ISSN do Livro de Resumos: PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA PARTE AÉREA DE MILHO PIPOCA CRIOULO E BATATA-DOCE EM SISTEMA CONSORCIADO Eduardo Canepelle 1, Emerson Saueressig Finken 2, Natane Thaís Simon 2, Endrio Rodrigo Webers 2, Darlan

Leia mais

Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio.

Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio. Produtividade de Matéria Seca de Capim Brachiaria brizantha cv. Marandu, com residual de 8 Toneladas de Cama Aviária e Diferentes Doses de Nitrogênio.. SODRÉ M. C. R. F ¹, CARBALIAL M. R. ², DIOG M. F.

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max.

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max. RENDIMENTO DE SOJA (GLICINE MAX) SUBMETIDO A SUBISTITUIÇÃO DO ADUBO QUIMICO POR CAMA DE PERU Leonardo Citelli Dias 1, Rejane Aparecida de Carvalho Pohlmann 1 Egresso do Curso de Agronomia UNIFIMES, Rua

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 )

EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) EFEITO DO TAMANHO DO VASO E DA ÉPOCA DE CORTE DE PLANTAS DE TRIGO NO ESTUDO DA AÇÃO DOS NUTRIENTES N, P e K ( 1 ) HERMANO GARGANTINI e EDMIR SOARES (-), Seção de Fertilidade do Solo, Instituto Agronômico

Leia mais

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS Rodrigo Salvador 1 ; Guilherme Vitória 2 ; Herberto Lopes 3 ; Francieli Steffler Weber 4 ; Romano Roberto Valicheski 5 ; Sidinei Leandro Klöckner

Leia mais

Adubação nitrogenada em pastagem de Uroclhoa brizantha cv. Paiaguás: recuperação de nitrogênio e eficiência na produção de forragem

Adubação nitrogenada em pastagem de Uroclhoa brizantha cv. Paiaguás: recuperação de nitrogênio e eficiência na produção de forragem Adubação nitrogenada em pastagem de Uroclhoa brizantha cv. Paiaguás: recuperação de nitrogênio e eficiência na produção de forragem Yago Magalhães Franco 1(IC)*, Arthur Gabriel Teodoro 1(IC), Lucas Matheus

Leia mais

Medição dos teores de clorofila em cultivares de milheto submetidos à adubação nitrogenada

Medição dos teores de clorofila em cultivares de milheto submetidos à adubação nitrogenada Medição dos teores de clorofila em cultivares de milheto submetidos à adubação nitrogenada Lainny Jordana Martins Pereira e Sousa¹ (IC)*, Bruno Monteiro Brandão² (IC), Tatiany Arrais Lopes ³ (IC), Diogo

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho

Formulário para submissão de trabalho Dados do Trabalho e do (a) Orientador (a) Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: Avaliação de substratos de germinação de rosa (Rosa sp.) variedade arco-íris Nível de Ensino: Graduação

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE PASTAGENS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE PASTAGENS DEGRADADAS Universidade Estadual Paulista Câmpus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias RECUPERAÇÃO DE PASTAGENS DEGRADADAS Ricardo Andrade Reis Marcio dos Santos Pedreira Andreia Luciane Moreira

Leia mais

Requisitos de Clima e Solo da espécie

Requisitos de Clima e Solo da espécie Requisitos de Clima e Solo da espécie Clima O amendoim forrageiro apresenta ampla faixa de adaptação, desenvolvendo-se bem desde o nível do mar até aproximadamente 1.800 m de altitude, em áreas com precipitação

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

Doses de Fósforo na Produção de Sementes de Alface.

Doses de Fósforo na Produção de Sementes de Alface. Doses de Fósforo na Produção de Sementes de Alface. Cristiaini Kano 1 ; Antonio Ismael Inácio Cardoso 1 ; Roberto Lyra Villas Bôas 2 1 UNESP FCA Depto Produção Vegetal, C. Postal 237, 18603-970, Botucatu,

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios AGRICULTURA I Téc. Agronegócios CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO INTRODUÇÃO: Ciclo vegetativo variado Evidencia cultivares desde extremamente precoces, cuja polinização pode ocorrer

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL

CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO RECOMENDADAS PARA OS CERRADOS DO MEIO- NORTE DO BRASIL José Lopes Ribeiro (1), Eleusio Curvelo Freire 2), Francisco José Correia Farias 2), Francisco Pereira de Andrade

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SAFRINHA, SOLTEIRO E CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis em DOURADOS, MS 1.INTRODUÇÃO

PRODUTIVIDADE DE MILHO SAFRINHA, SOLTEIRO E CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis em DOURADOS, MS 1.INTRODUÇÃO PRODUTIVIDADE DE MILHO SAFRINHA, SOLTEIRO E CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis em DOURADOS, MS Islaine Caren Fonseca (1), Gessí Ceccon (2), Valdecir Batista Alves (3), Neriane de Souza Padilha (4)

Leia mais