ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO"

Transcrição

1 ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO FÉLIX ABRAO NETO 2 ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 4 FERNANDO DE LIMA CANEPPELE 5 JAIR DE JESUS FIORENTINO 6 Este trabalho teve como objetivo o desenvolvimento e avaliação de um programa computacional para determinação do custo de energia elétrica de uma agroindústria, por meio da análise tarifária vigente. A análise tarifária foi baseada na resolução 456 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e na utilização de geradores no horário de ponta. Os dados de consumo no horário de ponta, consumo horário fora de ponta, demanda em horário de ponta, demanda em horário fora de ponta e fator de potência, foram obtidos em relatório de memória de massa fornecido pela concessionária de energia. Os resultados encontrados permitiram concluir que o software desenvolvido pode determinar a melhor tarifa em função do aspecto econômico, sem levar em conta a aquisição do gerador. PALAVRAS-CHAVE: programa computacional para conservação de energia, eficiência energética, energia na agroindústria. ANAEEL SOFTWARE FOR AGROINDUSTRIES ENERGETIC EFFICIENCY DIAGNOSE ABSTRACT This work had as objective the development and evaluation of a software for determination of agroindustry electric energy cost using the effective rate analysis. The rate analysis was based an ANEEL (Brazilian Electricity Regulatory Agency) Resolution 456 and the use of generators during peak hours. The consumption data during and out of the peak hours, the demand during and out of the peak hours and the power factor were obtained from a mass 1 Parte da tese de doutorado do 1 o autor intitulada: Diagnóstico Informatizado de Eficiência Energética uma Proposta às Agroindústrias. 2 Professor do Dep. de Eng. Elétrica da Univ. Federal do Mato Grosso do Sul, 3 Prof. Dr. Dep. de Eng. Rural, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Campus de Botucatu, , Botucatu, SP, 4 Prof. Assistente, CCET- UNIOESTE, Doutorando em Energia na Agricultura, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Campus de de Botucatu 5 Mestrando em Energia na Agricultura, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Campus de Botucatu 6 Professor do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

2 memory report by ENERSUL (an electricity company). Results allowed conclude that developed software can determine the best rate in function of economic aspect, not considering the costs of acquisition of the generator. KEYWORDS: Electricity preservation computerizing program, energetic efficiency, electricity in the agroindustry. 1. INTRODUÇÃO Conservar energia implica na transformação da sociedade do desperdício numa sociedade mais racional na utilização de seus recursos globais, especialmente os insumos energéticos (SERAPHIM & TEIXEIRA,1997). Além disso a conservação pode conduzir à redução da necessidade de novas centrais de geração de energia elétrica, contribuindo para a preservação do meio ambiente (HADDAD, 2001). Basicamente pode-se mencionar dois estágios diferentes de conservação: a eliminação dos desperdícios e a introdução de técnicas que aumentem a eficiência no uso da energia (JANNUZZI, 2000). A conservação de energia elétrica na agroindústria necessita de uma melhor avaliação, considerando suas características e os tipos de atividades desenvolvidas, visto que, outros segmentos industriais, já estão a algum tempo se preocupando, instalando controladores de demanda, motores de alto rendimento, banco de capacitores automatizados e quando necessário redimensionando dos motores elétricos (BRASIL, 1998). Este trabalho teve como objetivo o desenvolvimento de um programa computacional para análise tarifária de uma agroindústria, elaborado de forma prática e de fácil aplicação para o usuário. 2. MATERIAIS E MÉTODOS A linguagem de programação utilizada foi DELPHI- BORLAND/5.0. Através de dados obtidos pelos relatórios de memória de massa e de medições elétricas localizadas, elaborou-se o programa para simular o desempenho técnico e econômico do sistema elétrico da unidade agroindustrial, obedecendo ao diagrama de blocos apresentado na Figura 1. Para avaliação do programa desenvolvido, aplicou-se o sistema em uma unidade de secagem e armazenagem de cereais da Empresa Produsoja Cereais Ltda, localizada na BR 163 km 624 município de São Gabriel do Oeste, no estado de Mato Grosso do Sul, durante o período de 01/03/2003 a 30/06/2003, quando a unidade processou soja e milho comercial.

3 Os dados da memória de massa de energia elétrica da empresa foram obtidos junto à Concessionária de energia elétrica do Mato Grosso do Sul (ENERSUL), realizada através de medições em alta tensão na tarifa horo-sazonal verde, em forma de um relatório mensal, apresentando as medições de Consumo Ativo (kwh), Consumo Reativo (kvarh), Demanda (kw), Fator de Potência (FP) e Fator de Carga (FC). Medidas com intervalos regulares de 15 em 15 minutos. ARQUIVO CADASTRO DO CLIENTE TARIFAÇÃO DADOS TECNICOS DE ENTRADA RELATORIOS SAIR VERDE CONVENCIONAL VERDE COM GERADOR HORO-SAZONAL AZUL AZUL COM GERADOR TRAFO SETOR MOTOR SUPERDIMENSIONADO CARGA INSTALADA ALTO RENDIMENTO REVERSÃO DE CARGA INVERSOR DE FREQUENCIA CORREÇÃO DO F.P. AJUSTE DE TAPS REDIMENSIONAMENTO DE CIRCUITO Figura 1. Diagrama de Bloco de Programação e Aplicação do Software ANAEEL

4 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO O programa ANAEEL foi desenvolvido para possibilitar às agroindústrias a análise da utilização e racionalização da energia elétrica consumida no processo agroindustrial, baseando-se na necessidade de uma proposta computacional adequada aos diversos tipos de atividades realizadas pelas agroindústrias. Em casos em que, a tarifa seja convencional os dados podem ser obtidos através do histórico de consumo dos últimos 12 meses. Com os dados de energia elétrica obtidos através de relatório de memória de massa pode-se alimentar e testar o software ANAEEL. Fez-se uma análise e propos-se soluções para melhorar o custo da energia elétrica considerando as condições técnicas e econômicas da empresa em estudo. Pôde-se também determinar a melhor tarifa a ser aplicada na empresa, em função do consumo, demanda, fator de potência e fator de carga. As Figuras 02 e 03 apresentam as telas e a forma de entrada dos dados, para cadastrar o cliente ou usuário e a devida gravação, com a possibilidade da realização de uma consulta para se escolher um cliente já cadastrado e analisar o relatório referente. Figura 2. Entrada de Dados para Cadastramento do Cliente.

5 Figura 3. Relação dos Clientes Cadastrados. Utilizando os dados da memória de massa, referentes ao mês de abril de 2003, pôde-se analisar e escolher a tarifa a ser aplicada para a agroindústria em estudo, conforme os valores apresentados nas telas das Figuras 04, 05, 06, 07, 08 e sintetizado na tela da Figura 09. Figura 4: Análise com a Tarifação Convencional.

6 Figura 5: Análise com a Tarifação Horo-Sazonal Verde. Figura 6: Análise com a Tarifação Horo-Sazonal Verde com uso do Gerador no Horário de Ponta.

7 Figura 7: Análise com a Tarifação Horo-Sazonal Azul. Figura 8: Análise da Tarifação Horo-Sazonal Azul com uso do Gerador no Horário de Ponta. Ao analisar os dados fornecidos pelo relatório da tarifação mostrado pela Figura 9, constata-se que a opção pela medição horo-sazonal verde é 21,43% mais econômica que a opção pela medição convencional, entretanto, analisando-se a utilização da opção horosazonal, com o uso do gerador no horário de ponta, pode-se observar que, houve uma redução de 12,2% na conta de energia elétrica em relação à opção horo-sazonal verde ou azul. Neste caso, torna-se viável a opção, em função do contrato de demanda, pela tarifa horo-sazonal verde com gerador no horário de ponta.

8 Para que o cliente cadastrado com a tarifa horo-sazonal verde, ou azul se beneficie dessa redução é necessário a instalação de um grupo gerador atuando no horário de ponta. Quando não há um gerador no sistema é necessário um estudo de análise econômica do investimento. Figura 9: Relatório Resumido das Análises da Tarifação. 4. CONCLUSÃO O programa desenvolvido e avaliado neste estudo, pode ser utilizado por empresas enquadradas nos grupos tarifários A ou B, para medições envolvendo conservação de energia. Ele também proporcionou a análise do faturamento de forma prática e eficiente, correção do fator de potência e a aplicação de equipamentos eficientes. Permitiu ainda, o armazenamento no banco de dados, estudo de várias empresas e consulta dos mesmos, para verificar a comparação entre elas e concluir a forma mais racional de se realizar estudo sobre a eficiência energética para um determinado segmento de agroindústria.

9 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. Manual de Conservação de Energia Elétrica na Indústria. Elaborado pelo CODI Comitê de distribuição, sob a supervisão técnica da Eletrobrás HADDAD, J. Paulo, H. ; Ramalho, P. G.; - Conservação de energia: eficiência energética de instalações e equipamentos ITAJUBÁ MG. FUPAI, p 113. JANNUZZI, GILBERTO DE MARTINO; Políticas públicas para eficiência energética e energia renovável no novo contexto de mercado: uma análise da experiência recentes dos EUA e do Brasil / Gilberto De Martino Jannuzzi. - Campinas, SP: Autores Associados, SERAPHIM & TEIXEIRA, A. M. Conservação e Racionalização de energia elétrica no meio rural. In: Seraphim, O. J.; Tecnologia e aplicação racional de energia elétrica e de fontes renováveis na agricultura. Campina Grande: UFPB, p

ANÁLISE TARIFÁRIA UTILIZANDO UM SISTEMA INFORMATIZADO 1

ANÁLISE TARIFÁRIA UTILIZANDO UM SISTEMA INFORMATIZADO 1 ANÁLISE TARIFÁRIA UTILIZANDO UM SISTEMA INFORMATIZADO 1 FÉLIX ABRAO NETO 2, ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 1 Parte da tese de doutorado do 1 o autor intitulada: Diagnóstico Informatizado de Eficiência Energética:

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS Rafael Nishimura, Saulo Gomes Moreira, Wellington Rocha Araújo, Amâncio R. da Silva Júnior, Gervásio

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

Energia Elétrica - Tarifação

Energia Elétrica - Tarifação Autores: Prof. José Márcio Costa - DEA/UFV Prof. Luís César Silva - CCA/UFES Energia Elétrica - Tarifação Fundamentação Para a adoção de estratégias para a otimização do uso de energia elétrica faz-se

Leia mais

Cap. 14 Medição de Demanda

Cap. 14 Medição de Demanda Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 14 Medição de Demanda Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS DE MATO GROSSO DO SUL ESTUDO DE CASOS

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS DE MATO GROSSO DO SUL ESTUDO DE CASOS EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA EM INDÚSTRIAS DE MATO GROSSO DO SUL ESTUDO DE CASOS Wellington Rocha Araújo, Saulo Gomes Moreira, Amâncio Rodrigues da Silva Júnior, Bráulio C. Paucar, Gervásio S. Lara, Luciana

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

FATEC - Faculdade de Tecnologia, 19046-230, Presidente Prudente, SP, Brasil. {camila.gabriel, daniel.neto, deyver.bordin}@fatec.sp.gov.

FATEC - Faculdade de Tecnologia, 19046-230, Presidente Prudente, SP, Brasil. {camila.gabriel, daniel.neto, deyver.bordin}@fatec.sp.gov. Plataforma computacional estruturada com sistemas baseados em regra fuzzy para análise da racionalidade e eficiência da utilização de energia elétrica em empresas de avicultura de postura Camila Pires

Leia mais

Comportamento do fator de demanda como instrumento de eficiência energética em serrarias do sudoeste paulista

Comportamento do fator de demanda como instrumento de eficiência energética em serrarias do sudoeste paulista Comportamento do fator de demanda como instrumento de eficiência energética em serrarias do sudoeste paulista Fernando de Lima Caneppele 1, Odivaldo José Seraphim 2 1 Faculdade de Zootecnia e Engenharia

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

6 Simulação de tarifas de energia elétrica

6 Simulação de tarifas de energia elétrica 6 Simulação de tarifas de energia elétrica Concluída a construção da ferramenta computacional, foi possível realizar as simulações utilizando as funcionalidades para a qual esta foi desenhada. Os estágios

Leia mais

ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2

ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DO VOLUME DE CARGA E POTÊNCIA DE ENERGIA ELÉTRICA Vanessa dos Anjos BORGES 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo demonstrar o processo pelo qual

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Roberto V. Maffei Prof. João Gilberto A. Chagas Filho Chapecó, 2015. 1 Elaboração: Roberto V. Maffei Revisão: João Gilberto A. Chagas Filho Propriedade da Unidade Central

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC

MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC MÉTODO ALTERNATIVO PARA A CORREÇÃO DOS EXCEDENTES REATIVOS NO CAMPUS DO PICI DA UFC Abstract: The actions to be adopted for solution of reactive excesses are in a way mechanized now, because this is a

Leia mais

Março 2007 DT 001_REV 01

Março 2007 DT 001_REV 01 Março 2007 DT 001_REV 01 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 CONCEITO BÁSICO SOBRE TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA... 2.1 Classes e subclasses de consumo... 2.2 Componentes das Tarifas de Energia Elétrica... 3 ESTRUTURA

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO Proben Esplanada ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E A UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CONTROLADOR DE DEMANDA E GERADOR DIESEL EM UMA UNIVERSIDADE

UTILIZAÇÃO DE CONTROLADOR DE DEMANDA E GERADOR DIESEL EM UMA UNIVERSIDADE UTILIZAÇÃO DE CONTROLADOR DE DEMANDA E GERADOR DIESEL EM UMA UNIVERSIDADE Saulo G. Moreira, Wellington R. Araújo, Amâncio R. Silva Jr, Gervásio S. Lara, João C. Okumoto, Rafael Nishimura, Everton A. Martos,

Leia mais

HUMBERTO DE ÁVILA RODRIGUES* SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JÚNIOR* DÉCIO BISPO ** JOSÉ ROBERTO CAMACHO* CARLOS HENRIQUE SALERNO*

HUMBERTO DE ÁVILA RODRIGUES* SEBASTIÃO CAMARGO GUIMARÃES JÚNIOR* DÉCIO BISPO ** JOSÉ ROBERTO CAMACHO* CARLOS HENRIQUE SALERNO* GERENCIAMENTO DO USO DA ENERGIA ELÉTRICA EM UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO UTILIZANDO A LÓGICA DIFUSA: ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO DESTE INSUMO NOS CUSTOS DA REFEIÇÃO HUMBERTO DE ÁVILA RODRIGUES* SEBASTIÃO CAMARGO

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão.

Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise aos gestores de conta de energia de alta tensão. Curso Gestor de Conta Prof. Tomaz Nunes Departamento Engenharia Elétrica - UFC Gerência de Grandes Clientes 1 conta Objetivo Uma iniciativa da Coelce com o objetivo de prover ferramentas simples de análise

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br SOUZA, Adriano dos Santos; SOUZA, Júlio Borges; OLIVEIRA, Luis Carlos Origa; ESTEVAM, Giulliano Pierre. Adequação ao sistema de tarifação de consumidores

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA

Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Gerência de Grandes Clientes GRGC Superintendência ncia de Atendimento SPA Resolução Normativa N. 414/2010 Nacional de Energia Elétrica (ANEEL): Agência Estabelece as condições gerais de Fornecimento de

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA

PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA PROPOSTA DE AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO HORÁRIO DE PONTA ERIC LENON PETRILLI 1 ; LEANDRO LOPES DE SOUSA 2 ; VALDIR SIMEÃO LEITE 3 ; JOSÉ ANTONIO DE CAMPOS BADIN 4 1 Graduando do Curso de Tecnologia

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Palavras-chave: Energia elétrica, fator de carga e potência, lógica fuzzy.

Palavras-chave: Energia elétrica, fator de carga e potência, lógica fuzzy. Revista Energia na Agricultura ISSN 1808-8759 METODOLOGIA DE DETERMINAÇÃO DE FUNÇÕES DE PERTINÊNCIA DE CONTROLA- DORES FUZZY PARA A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA DE EMPRESAS DE AVICULTURA DE POSTURA 1 CAMILA PIRES

Leia mais

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções 1 Excelência no uso da Energia Elétrica 1- Conceito 2- Legislação atual em Baixa Tensão 3- Visão de Futuro/ Tendência Mundial 4-

Leia mais

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação

4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4 Fator de carga e fator de demanda: conceituação 4.1. Fator de carga (FC) Segundo a resolução a normativa nº 414 de 9 de setembro de 2010 da ANEEL, o fator de carga é definido como sendo a razão entre

Leia mais

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 Participantes: Gerente do Projeto: João Carlos R. Aguiar Aquecimento de água: Evandro Camelo e Eduardo Souza Ar Condicionado: Sérgio M.

Leia mais

Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy

Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy Otimização da geração de energias alternativas e renováveis para energização rural utilizando lógica fuzzy Fernando de L. Caneppele 1, Marianna C. Peccinelli 1, Odivaldo J. Seraphim 2, Luís R. A. Gabriel

Leia mais

Consumo de energia elétrica em uma pocilga para terminação de suínos

Consumo de energia elétrica em uma pocilga para terminação de suínos 74 Consumo de energia elétrica em uma pocilga para terminação de suínos Wesley Ederson Grando 1, Jair Antonio Cruz Siqueira 1 e Darlisson Bentes dos Santos 1 1Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Leia mais

GenSys. Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades

GenSys. Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades GenSys Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades GenSys Software para Análise e Gerenciamento de Energia Elétrica Controle de Demanda Controle de Fator de Potência Automação de Grupos Geradores

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO CARLOS ROGERIO DE MELLO 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 1. INTRODUÇÃO O consumo de energia elétrica no Brasil é cada vez maior, por ser fruto

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira

Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira Redução de despesas com a otimização do contrato de demanda de energia elétrica da UTFPR câmpus Medianeira Filipe Marangoni (UTFPR) filipemarangoni@utfpr.edu.br Taise Vanessa Becker (UTFPR) taise.becker@gmail.com

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

INFLUÊNCIA DE BANCO DE CAPACITORES NAS CARGAS ELÉTRICAS INDUSTRIAIS NO DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DE DISTRIBUIÇÃO

INFLUÊNCIA DE BANCO DE CAPACITORES NAS CARGAS ELÉTRICAS INDUSTRIAIS NO DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DE DISTRIBUIÇÃO GSI ENGENHARIA E CONSULTORIA LTDA. GSI Nº: ART 545-07 - CD 262-07 INFLUÊNCIA DE BANCO DE CAPACITORES NAS CARGAS ELÉTRICAS INDUSTRIAIS NO DESEMPENHO DOS SISTEMAS DE TRANSMISSÃO DE DISTRIBUIÇÃO Revisão 0

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

Importância da medição de energia para a eficiência energética

Importância da medição de energia para a eficiência energética 64 Importância da medição de energia para a eficiência energética Elaborado por César Lapa, Marco Antonio Saidel e Katia Gregio Di Santo INTRODUÇÃO A eficiência energética destaca-se cada vez mais no cenário

Leia mais

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ-

DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN PLANT PERFORMANCE PHOTOVOLTAIC OF CAMPUS CEARÁ- DESEMPENHO DA USINA FOTOVOLTAICA DO CAMPUS CEARÁ- MIRIM/IFRN 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 RESUMO: A região nordeste do Brasil dispõem

Leia mais

Gerenciamento de Energia Elétrica no Ambiente Hospitalar

Gerenciamento de Energia Elétrica no Ambiente Hospitalar Gerenciamento de Energia Elétrica no Ambiente Hospitalar José Eduardo Zagato Rosa, Sérgio Santos Mühlen Departamento de Engenharia Biomédica (DEB), Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC)

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DE SANTO ANTONIO DE JESUS

RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DE SANTO ANTONIO DE JESUS RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ENERGIA ELÉTRICA EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA UNIDADE DE NEGÓCIOS DE SANTO ANTONIO DE JESUS Pedro Cunha Filho (1) Engenheiro Civil graduado pela UFBA, com cursos nas

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá Trabalho de Conclusão de Curso Análise comparativa entre os aquecedores solares industrial

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

PLANO DE ENSINO. PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PPGEEA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

Eficiência energética Uso de grupo gerador ETA 006

Eficiência energética Uso de grupo gerador ETA 006 Categoria Inovação 2015 Eficiência energética Uso de grupo gerador ETA 006 Nomes e e-mails dos Autores: Glauber Carvalho Barbosa glaubercarvalho@odebrecht.com Lucas Braga Cherem lucascherem@odebrecht.com

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015)

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015) Auditoria, diagnóstico energético e proposta de ação: análise da viabilidade de implantação de um sistema alternativo de geração de energia em uma indústria de médio porte da área metal-mecânica Juliana

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

AUTOMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

AUTOMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AUTOMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CASSANDRA, AMARAL, N. Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Comunicação e Automação, Universidade Federal Rural do Semi-Árido Av. Francisto

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO CAPÍTULO 03 2 Capítulo 03 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO Figura 01 Entrada de energia residencial Figura 02 Quadro de Distribuição Monofásico com DR (Disjuntor ou Interruptor) Geral 3 Figura

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014 Pregão Presencial nº 009/2014 Aos 17 dias do mês de abril de 2014, na sala de licitações da CENTRAIS ELÉTRICAS DE CARAZINHO S/A. ELETROCAR, com sede na Av. Pátria,

Leia mais

GESTÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LWART PROASFAR QUÍMICA

GESTÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LWART PROASFAR QUÍMICA !"#! $&%(')%(*+-,.0/-1)%3254768%3.09-*47:-1);=4-?@1)2A:-, B(C 4-+-4ED(4-F-* %3, 'HGI%>+-*.>;=

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Milthon Serna Silva Cristiano Santos Carvalho Roberto Felipe andrade Menezes José Raimundo Teodoro Júnior

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA AGRÍCOLA CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA ESTUDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM INSTALAÇÕES AGROINDUTRIAIS

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética

Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética Infográfico da fatura de energia elétrica em prol da Eficiência Energética André Luis Boaventura Nathália Aparecida Lopes João Ricardo Neves Ana Maria Osório Araya Resumo A motivação para essa pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB

PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB Tomaz Nunes Cavalcante Neto ¹, Ricardo Silva Thé Pontes ¹, Adson Bezerra Moreira 2, Fabrício Bandeira da Silva ¹. ¹ Departamento de Engenharia

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Engenharia Elétrica 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Engenharia Elétrica 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Engenharia Elétrica 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO DE CONTROLE DE MOTORES

Leia mais

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC Submetemos a vossa apreciação informações sobre o sistema de compensação de energia reativa em tempo real, livre de

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia 1 Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Dr.; Sthefany Campos Camolesi, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Erika Tiemi Anabuki,

Leia mais

Glossário. 1. Apresentação. 2. Área de Atuação. 3. Manutenção Industrial. 4. Missão. 5. Dados Cadastrais. 6. Responsáveis Técnicos

Glossário. 1. Apresentação. 2. Área de Atuação. 3. Manutenção Industrial. 4. Missão. 5. Dados Cadastrais. 6. Responsáveis Técnicos Dossiê Empresarial Glossário 1. Apresentação 2. Área de Atuação 3. Manutenção Industrial 4. Missão 5. Dados Cadastrais 6. Responsáveis Técnicos 1. Apresentação Atuamos na área da engenharia de aplicações

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Projetos e execução de Subestações (em poste ou abrigadas em cubículos); Projetos e execução de Rede Rural ou Urbana (Condomínios);

Projetos e execução de Subestações (em poste ou abrigadas em cubículos); Projetos e execução de Rede Rural ou Urbana (Condomínios); Portfólio A Empresa A S h o c k P r o j e t o s s u r g i u e m 2 0 0 0, t e n d o como diferencial, até os dias de hoje, a procura por um atendimento d i f e r e n c i a d o a o s s e u s c l i e n t

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Manual de Administração de Energia

Manual de Administração de Energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...4 2.1. Circuitos de Distribuição...4 2.2. Transformadores... 10 2.3. Fator de Potência... 15 3. ANÁLISE DE CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA... 20 3.1. Características

Leia mais

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS Delberis A. Lima delberis@aluno.feis.unesp.br Eduardo S. Hoji shigueo@aluno.feis.unesp.br Antônio M. Cossi cossi@aluno.feis.unesp.br

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS

PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS PROCEDIMENTOS DE ANÁLISE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO INDUSTRIAIS Alin do A. Martins, Antonio C. Delaiba, Décio Bispo, Ranulfo G. Júnior, Sérgio F. P. Silva Universidade Federal

Leia mais

Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo. Cesar Augusto Palácio Dantas

Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo. Cesar Augusto Palácio Dantas Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo Cesar Augusto Palácio Dantas 1 Estrutura da Apresentação Introdução Central de Controle Operacional Sistema de Controle Resultados

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais