Resposta: C Comentário: Resposta: D Comentário: Item A: falso Item B: falso Item C: falso Item D: verdadeiro Item E: falso Resposta: C Comentário:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resposta: C Comentário: Resposta: D Comentário: Item A: falso Item B: falso Item C: falso Item D: verdadeiro Item E: falso Resposta: C Comentário:"

Transcrição

1 1. Comentário: A molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos unidos por pontes de hidrogênio. Ao se replicar, as pontes de hidrogênio são quebradas e as hélices se separam, havendo o pareamento de novos nucleotídeos seguindo a regra de pareamento entre A e T e G e C. Como cada molécula filha apresenta uma fita parental e uma fita nova, pode-se dizer que a replicação do DNA é semiconservativa. 2. Comentário: Analisando cada item: Item A: falso. Moléculas como DNA, RNA, enzima e aminoácidos participam do processo de produção de proteínas. Item B: falso. Na maioria dos organismos, o fluxo de informação genética é unidirecional, no sentido DNA RNA proteínas. Entretanto, nos organismos conhecidos como retrovírus, como o HIV da AIDS, ocorre uma situação particular envolvendo a ação dos ácidos nucléicos, uma vez que o RNA viral é inicialmente transcrito em DNA através de uma enzima presente no próprio vírus, denominada transcriptase reversa. Essa enzima toma a molécula de RNA do vírus como molde e forma uma cadeia simples de DNA. Depois, essa cadeia simples de DNA se separa do RNA, e outra enzima atua, completando a estrutura de dupla-hélice do DNA. Item C: falso. O DNA possui segmentos denominados genes que se constituem nas fontes de informação para a produção das proteínas. Item D: verdadeiro. Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, que pode ser então editado em diferentes RNA mensageiros, cada qual capaz de gerar um diferente peptídeo. Em organismos procariontes, isso não acontece, de modo que vários genes são transcritos em um único RNA mensageiro, cada qual codificando um peptídeo. Item E: falso. A molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos, sendo essa aberta em eucariontes e circular em procariontes, enquanto RNA e proteínas são moléculas de fita simples, a primeira formada por nucleotídeos e a segunda por aminoácidos. Em alguns vírus, somente, o DNA é de fita simples e o RNA é de fita dupla. 3. Comentário: Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, que pode ser então editado em diferentes RNA mensageiros, cada qual capaz de gerar um diferente peptídeo. Assim, um mesmo gene pode ser utilizado como base para a produção de vários peptídios. Isso justifica o fato de o tamanho do genoma (e conseqüentemente o número de genes) não ser um indicativo exato do número de proteínas produzidas por um organismo. Isso pode ser evidenciado na tabela pelo fato de o homem possuir um genoma menor que o do arroz, mas ainda assim produzir mais proteínas, de modo que o tamanho do genoma não é diretamente proporcional ao número de proteínas produzidas pelo organismo. 4. Comentário: O gene é o segmento de DNA com informação para produzir um RNA capaz de ser traduzido num peptídeo, sendo que cada molécula de DNA inclui vários genes. O conjunto de todos os genes de um organismo é conhecido como genoma. Existem, entretanto, trechos de DNA não-codificante no material genético, ou seja, trechos de DNA sem informação para a produção de RNA que se expressa como proteínas. Esse DNA não-codificante é por vezes chamado DNA lixo, uma vez que sua função é obscura, apesar da existência de evidências de que produza RNA de ação reguladora. Assim, o DNA não-codificante pode ser expresso em informações que, apesar de não serem traduzidas em sequências de proteínas, interferem no fenótipo. 5. Resposta: E Comentário: Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, que pode ser então editado em diferentes RNA mensageiros, cada qual capaz de gerar um diferente peptídeo. Esse mecanismo é conhecido como splicing alternativo. Assim, um mesmo gene pode ser utilizado como base para a produção de vários peptídios. Isso justifica o fato de o tamanho do genoma (e conseqüentemente o número de genes) não ser um indicativo exato do número de proteínas produzidas por um organismo. Isso pode ser evidenciado na tabela pelo fato de o homem possuir um genoma menor que o do arroz, mas ainda assim produzir mais proteínas, de modo que o tamanho do genoma não é diretamente proporcional ao número de proteínas produzidas pelo organismo. Assim, as complexidades morfológica e fisiológica de uma espécie estão relacionadas à quantidade de proteínas, que, devido ao splicing alternativo, não tem relação direta com o tamanho do genoma e o número de genes. Do mesmo modo, a complexidade de um organismo não tem relação direta com seu número de genes, mas com a maior habilidade em realizar o splicing alternativo, ou seja, de sintetizar várias proteínas a partir de um único gene. 6. Comentário: A molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos unidos por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre citosina e guanina. Devido a essa característica, em moléculas de DNA tem-se que a quantidade de adeninas é igual à de timinas e a quantidade de citosinas é igual à de guaninas. Desse modo, se o conteúdo de citosinas e guaninas é de 48%, o conteúdo

2 de adeninas e timinas é de 52%. Como a quantidade de adeninas é igual à de timinas, tem-se que a quantidade de cada uma delas é de 52% 2 = 26%. 7. Comentário: Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. Nesses organismos, então, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, passa então por um processo de edição denominado splicing, através do qual ocorre remoção dos introns não-codificantes e união dos exons codificantes para formar um RNAm que é efetivamente traduzido em peptídio. Assim, a receita do bolo está representando a receita da proteína, ou seja, a informação codificante dos exons dentro das letras em disposição aleatória, ou seja, a informação não-codificante dos introns. 8. Resposta: A Comentário: Na replicação do DNA, as pontes de hidrogênio entre as duas fitas são quebradas pela enzima DNA helicase, expondo as bases nitrogenadas de ambas as fitas. No ponto de abertura da dupla-hélice, ela assume uma configuração em forma de Y conhecida como forquilha de replicação. A partir daí, a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos às bases expostas, seguindo a regra de pareamento entre adenina e timina e entre guanina e citosina. Se as enzimas que agem na replicação do DNA iniciassem o processo numa das extremidades da dupla-hélice e prosseguissem até a outra extremidade, o processo de replicação seria muito lento, considerando o longo comprimento da molécula de DNA, dificultando os processos de divisão celular. Assim, para acelerar o processo, a replicação ocorre com duas propriedades especiais: - ocorrência de múltiplos locais de origem, ou seja, ocorrência de vários sítios de origem de replicação onde conjuntos de enzimas agem simultaneamente para iniciar o processo de síntese; - bidirecionalidade, ou seja, ocorrência de conjuntos de enzimas agindo nos dois sentidos a partir de cada sítio de origem de replicação, formando bolhas de replicação. Assim, na figura B, a existência de uma única forquilha de replicação indica a existência de um único local de origem com as enzimas agindo de modo unidirecional, o que tornaria a replicação demasiadamente demorada. Já na figura A, a existência de várias bolhas de replicação indica a existência de vários locais de origem com as enzimas agindo de modo bidirecional, o que tornaria a replicação mais rápida e compatível com os processos vitais. 9. Comentário: A molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos, enquanto o RNA é formado por uma fita simples de polinucleotídeos. Em alguns vírus, somente, o DNA é de fita simples e o RNA é de fita dupla. Nas moléculas de dupla fita, esta é mantida por pontes de hidrogênio que somente podem se formar entre guanina e citosina e entre adenina e timina (no DNA) ou uracila (no RNA), de modo que nas moléculas bicatenárias, pode-se afirmar que os teores de G = C e A = T ou U. Nas moléculas de fita simples, não ocorre esse pareamento por pontes de hidrogênio, de modo que não há G C e A T ou U. No caso em questão, se o ácido nucleico contém timina é por que se trata de DNA, mas como G = 20% C = 40% e A = 30% T = 10%, trata-se de uma molécula de fita simples, que apenas pode pertencer a um vírus. 10. Resposta: E Comentário: Cada molécula de DNA é formada por uma dupla cadeia de polinucleotídeos unidas por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre guanina e citosina. As duas cadeias se organizam de modo antiparalelo, ou seja, se uma das cadeias se inicia com o grupo fosfato (extremidade 5 ) do nucleotídeo e termina com a pentose (extremidade 3 ) do nucleotídeo, a outra cadeia se inicia com a pentose (extremidade 3 ) do nucleotídeo e termina com o grupo fosfato (extremidade 5 ) do nucleotídeo. Na replicação do DNA, as pontes de hidrogênio entre as duas fitas são quebradas pela enzima DNA helicase, expondo as bases nitrogenadas de ambas as fitas. No ponto de abertura da dupla-hélice, ela assume uma configuração em forma de Y conhecida como forquilha de replicação. Em seguida, a enzima DNA primase adiciona um primer de RNA complementar em orientação antiparalela à cadeia molde de DNA. Então, a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos complementares à cadeia molde de DNA, sempre ligando os novos nucleotídeos na cadeia em formação pelo grupo fosfato (extremidade 3 ) do nucleotídeo e em orientação antiparalela à cadeia molde de DNA. Se as enzimas que agem na replicação do DNA iniciassem o processo numa das extremidades da duplahélice e prosseguissem até a outra extremidade, o processo de replicação seria muito lento, considerando o longo comprimento da molécula de DNA, dificultando os processos de divisão celular. Assim, para acelerar o processo, a replicação ocorre com duas propriedades especiais: - ocorrência de múltiplos locais de origem, ou seja, ocorrência de vários sítios de origem de replicação onde conjuntos de enzimas agem simultaneamente para iniciar o processo de síntese; - bidirecionalidade, ou seja, ocorrência de conjuntos de enzimas agindo nos dois sentidos a partir de cada sítio de origem de replicação, formando bolhas de replicação. O gene é o segmento de DNA com informação para produzir um RNAm capaz de ser traduzido num peptídeo. A produção do RNAm, denominada transcrição, envolve a enzima RNA polimerase, que adiciona novos nucleotídeos complementares ao gene no DNA,

3 sempre ligando os novos nucleotídeos na cadeia em formação pelo grupo fosfato (extremidade 3 ) do nucleotídeo e em orientação antiparalela à cadeia molde de DNA. Assim, analisando cada item: Item I: verdadeiro. Tanto a replicação quanto a transcrição, em seu início, implicam na implicam na disponibilidade de um DNA molde e de nucleotídeos de RNA (no caso da replicação do DNA porque ela se inicia pela produção da seqüência primer pela enzima DNA primase, que é constituída de RNA). Item II: verdadeiro. A replicação do DNA tem múltiplos locais de origem, ocorrendo simultaneamente, em vários trechos na molécula-mãe do DNA, e a transcrição também pode ocorrer em vários genes simultaneamente, com uma enzima RNA polimerase transcrevendo cada gene (constituído por apenas uma das fitas de DNA naquele trecho da dupla-hélice de DNA). Item III: verdadeiro. O princípio do antiparalelismo na montagem das cadeias nucleotídicas é observado na replicação do DNA e na transcrição, sempre com as cadeias em formação em orientação inversa à cadeia molde de DNA. Item IV: verdadeiro. Tanto no início da replicação como no da transcrição, há a necessária participação de uma RNA polimerase, uma vez que a replicação do DNA se inicia com a produção do primer de RNA pela enzima DNA primase, que pode ser considerada um tipo de enzima RNA polimerase. Item V: verdadeiro. Os sítios de ligação das enzimas DNA e RNA polimerases são chamados promotores, enquanto os sítios de desligamento das enzimas citadas são chamados de seqüências de término. 11. Comentário: Analisando cada item: Item A: falso. Todas as células somáticas de um organismo pluricelular apresentam o mesmo genoma, ou seja, o mesmo conjunto de genes em seu DNA. A diferença entre as células, originada pela especialização celular, se dá pela ativação ou inativação de conjuntos específicos de genes em cada célula, ou seja, ocorre pela diferença nos genes expressos. Entretanto, o DNA de todas as células de todos os tecidos tem mesma composição e organização, incluindo mesmas sequências de nucleotídeos e mesmos genes, variando, como já mencionado, o conjunto de genes expressos. Item B: verdadeiro. O DNA lixo ou DNA não codificante corresponde a trechos de DNA cuja sequência de nucleotídeos não codifica proteínas, mas, por vezes, produz moléculas de RNA de função reguladora. Como exemplo, temos os micrornas, que apresentam sequências de nucleotídeos complementares ao de certas moléculas de RNAm, de modo a ligar com os mesmos por pontes de hidrogênio e formar moléculas de RNA de fita dupla, as quais, por sua vez, não podem ser traduzidas pelos ribossomos. Assim, os micrornas impedem a tradução de um certo RNAm e bloqueiam a síntese da proteína por ele codificada. Item C: falso. O RNAm corresponde ao RNA que copia a informação do gene para que os ribossomos executem a síntese da proteína codificada. Item D: falso. RNA e DNA são constituídos por nucleotídeos, sendo cada nucleotídeo constituído por uma base nitrogenada (adenina, citosina, guanina ou timina no DNA e adenina, citosina, guanina ou uracila no RNA), uma pentose (desoxirribose no DNA e ribose no RNA) e um fosfato. O RNA apresenta uma cadeia de polinucleotídeos (fita simples) e o DNA apresenta duas cadeias de polinucleotídeos unidas por pontes de hidrogênio (fita dupla). Item E: falso. 12. Comentário: Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. Nesses organismos, então, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, passa então por um processo de edição denominado splicing, através do qual ocorre remoção dos introns não-codificantes e união dos exons codificantes para formar um RNAm que é efetivamente traduzido em peptídio. 13. Resposta: E Comentário: Analisando cada item: Item A: verdadeiro: Ribozimas são moléculas de RNA de ação catalítica. Segundo a Hipótese do Mundo do RNA, no início da vida na Terra, moléculas de RNA com ação de ribozimas teriam sido o primeiro material genético na natureza, passando a partir de um certo momento controlar a síntese de proteínas. Somente num segundo momento é que o DNA assumiu o papel de material genético das células. Item B: verdadeiro: Moléculas de RNA agem na transmissão da informação genética do DNA para as proteínas, através de sua ação de RNAm, RNAr e RNAt. Em vírus com RNA como material genético, o RNA controla a reprodução através de sua capacidade replicativa. Item C: verdadeiro: Apesar de ser produzido no núcleo a partir do DNA, a ação do RNA como RNAm, RNAr e RNAt se dá predominantemente no citoplasma. Item D: verdadeiro: O RNA assume várias funções, como no RNAm que transfere a informação genética do gene para o ribossomo sintetizar a proteína codificada, no RNAr que compõe o ribossomo e age como ribozima, e no RNAt que transporte aminoácidos para o ribossomo sintetizar a proteína. Item E: falso: As bases purinas são as mesmas em DNA e RNA, correspondendo a adenina e guanina; as bases pirimidinas são diferentes em DNA e RNA, correspondendo a citosina e timina no DNA e citosina e uracila no RNA.

4 14. Comentário: Analisando cada item: Item A: falso. O DNA possui segmentos denominados genes que se constituem nas fontes de informação para a produção das proteínas. Nesse processo, o gene é transcrito em fitas simples de RNA mensageiro, que são posteriormente traduzidas pelos ribossomos em cadeias peptídicas. A replicação do DNA é semiconservativa, ou seja, cada molécula filha contém uma fita conservada da molécula parental e uma fita nova sintetizada a partir do molde da parental, sendo que a enzima DNA polimerase, responsável por sintetizar a nova fita, sempre trabalha no sentido 5 3, ou seja, adicionando novos nucleotídeos sempre na extremidade 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) da cadeia de polinucleotídeos em formação. Item B: falso. Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. A maior parte do DNA corresponde a introns. Item C: verdadeiro. Em células eucarióticas, ocorre DNA em três organelas, núcleo, mitocôndrias e cloroplastos, de modo que as três são capazes de replicação, transcrição e tradução. Item D: falso. Em todos os organismos celulares, a molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos, enquanto o RNA é formado por uma fita simples de polinucleotídeos. Em alguns vírus, somente, o DNA é de fita simples e o RNA é de fita dupla. Item E: falso. Em eucariontes, o DNA se associa a proteínas para formar cromossomos. Esses, durante a divisão celular, se encontram numa forma condensada na qual é impossível o acesso da enzima RNA polimerase (responsável pela transcrição) aos genes, de modo que não ocorre produção de RNA. 15. Comentário: Analisando cada item: Item I: falso. O DNA é constituído por duas cadeias de polinucleotídeos (formados por nucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster 3 5, entre a hidroxila do carbono 3 da pentose de um nucleotídeo e o fosfato do carbono 5 da pentose do outro nucleotídeo). As bases nitrogenadas dos nucleotídeos não participam da ligação fosfodiéster 3 5, se mantendo para dentro da dupla fita e unindo a mesma por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre guanina e citosina. Item II: verdadeiro. Como mencionado acima, no DNA, as bases nitrogenadas das duas fitas de DNA interagem através de pontes de hidrogênio. Item III: verdadeiro. As duas cadeias de DNA são antiparalelas, ou seja, em orientação inversa, de modo que uma delas vai do carbono 5 (correspondente àquele ligado ao fosfato) para o 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) e a outra vai do carbono 3 para o 5. Item IV: falso. A dupla hélice de DNA executa um giro completo a cada cerca de 10 pares de bases. Item V: falso. A dupla hélice de DNA possui giro para a direita, e em sua estrutura apresenta 2 sulcos ou depressões, de tamanhos diferentes, que giram ao longo de todo o seu comprimento. O sulco menor resulta da depressão entre as duas cadeias complementares, enquanto que o sulco maior resulta da depressão existente entre os giros adjacentes da hélice. Os sulcos são importantes porque deixam livres superfícies para a interação entre o DNA e as proteínas. Giro para direita = 10 pares de bases Sulco menor = depressão entre as cadeias complementares Sulco maior = depressão entre os giros adjacentes

5 16. Resposta: A Comentário: Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, passa então por um processo de edição denominado splicing, através do qual ocorre remoção dos introns não-codificantes e união dos exons codificantes para formar um RNAm que é efetivamente traduzido em peptídio. Assim, analisando cada item: Item I: verdadeiro. A enzima RNA polimerase é a responsável pela transcrição do gene, tanto exons como introns, em pré-rnam. Somente posteriormente é que ocorrerá o splicing do pré-rnam para a remoção dos introns e formação do RNAm definitivo que será traduzido. Item II: verdadeiro. Como mencionado acima, o splicing é o processo que promove a remoção dos introns de uma molécula de RNA pré-mensageiro. Item III: verdadeiro. No splicing, um sistema denominado spliciossomo identifica, no pré-rnam, o limite entre os introns e os dois exons adjacentes. O spliciossomo então se liga a esse trecho, remove os introns e liga os dois exons adjacentes imediatamente entre si. Item IV: falso. A unidade de transcrição corresponde ao segmento contínuo de DNA que é transcrito pela enzima RNA polimerase (e não DNA polimerase). Como mencionado acima, em eucariontes, essa transcrição copia exons e introns, produzindo uma molécula inicialmente de pré-rnam (e não de RNAm, que só será gerado após o splicing). Item V: falso. O splicing significa corte e colagem com a remoção dos introns de uma molécula de pré-rnam. 17. Comentário: A replicação do DNA é semiconservativa, ou seja, cada molécula filha contém uma fita conservada da molécula parental e uma fita nova sintetizada a partir do molde da parental. Na replicação do DNA, as pontes de hidrogênio entre as duas fitas são quebradas pela enzima DNA helicase, expondo as bases nitrogenadas de ambas as fitas. No ponto de abertura da dupla-hélice, ela assume uma configuração em forma de Y conhecida como forquilha de replicação. A partir daí, a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos às bases expostas, seguindo a regra de pareamento entre adenina e timina e entre guanina e citosina, sempre trabalhando no sentido 5 3, ou seja, adicionando novos nucleotídeos por ligações fosfodiéster 3 5 sempre na extremidade 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) da cadeia de polinucleotídeos em formação. Se as enzimas que agem na replicação do DNA iniciassem o processo numa das extremidades da dupla-hélice e prosseguissem até a outra extremidade, o processo de replicação seria muito lento, considerando o longo comprimento da molécula de DNA, dificultando os processos de divisão celular. Assim, para acelerar o processo, a replicação ocorre com duas propriedades especiais: - ocorrência de múltiplos locais de origem, ou seja, ocorrência de vários sítios de origem de replicação onde conjuntos de enzimas agem simultaneamente para iniciar o processo de síntese; - bidirecionalidade, ou seja, ocorrência de conjuntos de enzimas agindo nos dois sentidos a partir de cada sítio de origem de replicação, formando bolhas de replicação. Assim, analisando cada item: Item A: falso. Como mencionado acima, a replicação do DNA é semiconservativa e bidirecional. Item B: falso. Como mencionado acima, a replicação do DNA se inicia em múltiplos locais de origem. Item C: verdadeiro. Como a enzima DNA polimerase só promove o crescimento da nova fita em formação no sentido 5 3 e as duas fitas de DNA são antiparalelas (em orientação inversa), uma das novas fitas produzidas é contínua, sendo feita no sentido correto 5 3, e a outra nova fita é descontínua, porque não pode ser feita no sentido 3 5 e daí é feita em fragmentos de Okazaki, pequenos trechos de DNA produzidos em sentido 5 3 e então ligados entre si pela enzima DNA polimerase. Como a replicação se inicia com um primer de RNA (sintetizado pela enzima DNA primase) a partir do qual a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos, a ocorrência da cadeia descontínua requer múltiplos primers de RNA, um para cada fragmento de Okazaki. Item D: falso. Várias enzimas DNA polimerase e de outros tipos (como DNA helicase e DNA primase) são utilizadas no processo de replicação. Item E: falso. Devido ao comportamento da enzima DNA polimerase, os filamentos contínuo e descontínuo são sintetizados no sentido Comentário: O DNA é constituído por duas cadeias de polinucleotídeos (formados por nucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster 3 5, entre a hidroxila do carbono 3 da pentose de um nucleotídeo e o fosfato do carbono 5 da pentose do outro nucleotídeo). As duas cadeias de DNA são antiparalelas, ou seja, em orientação inversa, de modo que uma delas vai do carbono 5 (correspondente àquele ligado ao fosfato) para o 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) e a outra vai do carbono 3 para o 5. Além disso, as duas fitas são unidas por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre guanina e citosina. O princípio do antiparalelismo na montagem das cadeias nucleotídicas é observado na replicação do DNA e na transcrição, sempre com as cadeias em formação em orientação inversa à cadeia molde de DNA. Como a transcrição do DNA em RNA é feita de modo a parear adenina com uracila, timina com adenina, guanina com citosina e citosina com guanina. Assim, a sequência 5 ACGGCTATTTAG 3, em um filamento

6 de DNA implica numa cadeia complementar de sequência 3 TGCCGATAAATC 5. Ao transcrever essa fita, o RNA apresentará a sequência de 5 ACGGCUAUUUAG Comentário: Numa molécula de DNA, a quantidade de adeninas é igual à de timinas e a quantidade de guaninas é igual à de citosinas. Assim, se na molécula em questão ocorre 24% de guanina, também ocorre 24% de citosina, num total de 48% para essas duas bases. Desse modo, sobram 52% para dividir entre adenina e timina, ou seja, 26% para adenina e 26% para timina. Com um total de 600 nucleotídeos, sendo 26% de timina, ocorrem 156 timinas. 20. Resposta: A Comentário: A molécula de DNA é constituída de nucleotídeos, sendo cada nucleotídeo constituído de um grupo fosfato (1), uma pentose (ribose ou desoxirribose, 2) e uma base nitrogenada (adenina, citosina, guanina ou timina, 3). 21. Comentário: A molécula de ATP ou adenosina-trifosfato é quimicamente caracterizada como um nucleotídeo, apresentando em sua estrutura uma base nitrogenada (adenina), uma pentose (ribose) e três grupos fosfatos ligados por ligações fosfoanidra de alta energia. Assim, a figura representa o ATP, o qual é um nucleotídeo que, ao ter suas ligações fosfoanidras quebradas, libera energia para o as reações químicas do metabolismo. 22. Comentário: O DNA é uma molécula que age armazenando informações que condicionam o aparecimento de cada característica genética de um certo organismo, sendo que essa informação se expressa na forma de produção de proteínas. O gene é o segmento de DNA com informação para produzir um RNA capaz de ser traduzido num peptídeo, sendo que cada molécula de DNA inclui vários genes. 23. Resposta: A Comentário: O DNA é constituído por duas cadeias de polinucleotídeos (formados por nucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster 3 5, entre a hidroxila do carbono 3 da pentose de um nucleotídeo e o fosfato do carbono 5 da pentose do outro nucleotídeo). Assim, as denominações C3 e C5 referem-se, na molécula, aos átomos de carbono da pentose. 24. Comentário: Analisando cada item: Item A: falso. Nucleosídeos são moléculas constituídas pela união entre uma base nitrogenada e uma pentose, e nucleotídeos são moléculas constituídas pela união entre uma base nitrogenada, uma pentose e um grupo fosfato. O DNA é constituído por duas cadeias de polinucleotídeos (formados por nucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster 3 5, entre a hidroxila do carbono 3 da pentose de um nucleotídeo e o fosfato do carbono 5 da pentose do outro nucleotídeo). As duas cadeias de DNA são antiparalelas, ou seja, em orientação inversa, de modo que uma delas vai do carbono 5 (correspondente àquele ligado ao fosfato) para o 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) e a outra vai do carbono 3 para o 5. Além disso, as duas fitas são unidas por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre guanina e citosina. Item B: falso. A replicação do DNA é semiconservativa, ou seja, cada molécula filha contém uma fita conservada da molécula parental e uma fita nova sintetizada a partir do molde da parental, sendo que a enzima DNA polimerase, responsável por sintetizar a nova fita, sempre trabalha no sentido 5 3, ou seja, adicionando novos nucleotídeos sempre na extremidade 3 (correspondente àquele com a hidroxila da pentose) da cadeia de polinucleotídeos em formação. Item C: falso. Como mencionado acima, nucleotídeos são compostos por grupos fosfato, uma pentose e uma base nitrogenada. Item D: verdadeiro. Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. A maior parte do DNA corresponde a introns. Item E: falso. O DNA possui segmentos denominados genes que se constituem nas fontes de informação para a produção das proteínas. Nesse processo, o gene é transcrito em fitas simples de RNA mensageiro, que são posteriormente traduzidas pelos ribossomos em cadeias peptídicas. 25. Comentário: O DNA é uma molécula que age armazenando informações que condicionam o aparecimento de cada característica genética de um certo organismo, sendo que essa informação se expressa na forma de produção de proteínas. O gene é o segmento de

7 DNA com informação para produzir um RNA capaz de ser traduzido num peptídeo, sendo que cada molécula de DNA inclui vários genes. O conjunto de todos os genes de um organismo é conhecido como genoma. Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, que pode ser então editado em diferentes RNA mensageiros, cada qual capaz de gerar um diferente peptídeo. Esse mecanismo é conhecido como splicing alternativo. Assim, um mesmo gene pode ser utilizado como base para a produção de vários peptídios. Isso justifica o fato de o tamanho do genoma (e consequentemente o número de genes) não ser um indicativo exato do número de proteínas produzidas por um organismo. Isso pode ser evidenciado na tabela pelo fato de o homem possuir um genoma menor que o do arroz, mas ainda assim produzir mais proteínas, de modo que o tamanho do genoma não é diretamente proporcional ao número de proteínas produzidas pelo organismo. Assim, as complexidades morfológica e fisiológica de uma espécie estão relacionadas à quantidade de proteínas, que, devido ao splicing alternativo, não tem relação direta com o tamanho do genoma e o número de genes. Do mesmo modo, a complexidade de um organismo não tem relação direta com seu número de genes, mas com a maior habilidade em realizar o splicing alternativo, ou seja, de sintetizar várias proteínas a partir de um único gene. 26. Resposta: E Comentário: O DNA é formado por unidades denominadas nucleotídeos, sendo cada um deles constituído de uma base nitrogenada (adenina, citosina, timina ou guanina), uma desoxirribose (pentose, ou seja, açúcar de 5 átomos de carbono) e um grupo fosfato. Os nucleotídeos se ligam por ligações fosfodiéster entre as pentoses e os fosfatos, formando polinucleotídeos. No DNA, ocorrem duas cadeias de polinucleotídeos unidas por pontes de hidrogênio entre as bases nitrogenadas voltadas para dentro das cadeias, obrigatoriamente entre adenina e timina e entre citosina e guanina. As duas cadeias de DNA se torcem no espaço, formando uma dupla hélice. Essa estrutura do DNA foi descrita pelos pesquisadores Watson e Crick. Assim, analisando cada item: Item A: falso. No modelo de Watson e Crick, os fosfatos ficam no esqueleto dos filamentos de polinucleotídeos e as bases se localizam na parte interna da dupla hélice. Item B: falso. No modelo de Watson e Crick, as bases são ligadas por pontes de hidrogênio, ligando as duas cadeias de polinucleotídeos. Item C: falso. Segundo a informação de Chargaff e Wyatt, a razão entre as quantidades de adenina e timina e a razão entre guanina e citosina são sempre muito próximas da unidade para o DNA, ou seja, a razão entre adenina e timina é igual a 1, de modo que a quantidade de adenina é igual a de timina, e a razão entre guanina e citosina é igual a 1, de modo que a quantidade de guanina é igual a de citosina. Desse modo, analisando a dupla hélice de DNA, para cada base purina (adenina e guanina) haverá uma base pirimidina (timina e citosina). Entretanto, dentro de uma das cadeias, a disposição de purinas e pirimidinas não segue padrão algum. Item D: falso. O fato de Chargaff e Wyatt defenderem que a quantidade de adenina é igual a de timina e a que a quantidade de guanina é igual a de citosina já sugere o emparelhamento específico dos nucleotídeos; os dados de Atsbury, Wilkins e Randal sobre helicoidização permitiram que Watson e Crick desenvolvessem o modelo do DNA como dupla hélice. Item E: verdadeiro. Na replicação semiconservativa de DNA, cada cadeia age como molde para a produção de uma cadeia complementar, determinando sua sequência e garantindo a perfeita cópia do material genético. 27. Resposta: A Comentário: Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. Nesses organismos, então, Em organismos eucariontes, o gene no DNA é inicialmente transcrito em um pré-rna mensageiro, passa então por um processo de edição denominado splicing, através do qual ocorre remoção dos introns não-codificantes e união dos exons codificantes para formar um RNAm que é efetivamente traduzido em peptídio. No splicing, um sistema denominado spliciossomo, formado por pequenas molécula de RNA conhecidas como snrna ( pequenos RNA nucleares ) identifica, no pré-rnam, o limite entre os introns e os dois exons adjacentes. O spliciossomo então se liga a esse trecho, remove os introns e liga os dois exons adjacentes imediatamente entre si. Assim: (1) A unidade de transcrição é segmento contínuo de DNA transcrito pela RNA polimerase; (2) Na transcrição do gene com introns e exons, é formado inicialmente um pré-rnam; (3) Pequenas moléculas de RNA associadas a proteínas formam ribonucleoproteínas que formam... (4) o spliciossomo responsável pelo processo de splicing... (5) que remove os introns do pré-rnam e forma... (6) o RNAm somente com exons, que será finalmente traduzido. 28. Comentário: Em eucariontes, existem trechos de DNA não-codificante dentro do gene, chamados de introns, para diferenciar dos trechos de DNA codificante dentro do gene, chamados de exons. Nesses organismos, então, o gene no DNA é inicialmente transcrito pela enzima RNA polimerase em um pré-rna mensageiro (1), que passa então por um processo de edição denominado splicing (2; realizado no núcleo por um sistema denominado spliciossomo), através do qual ocorre remoção dos introns não-codificantes e união dos exons codificantes para formar um RNAm que é efetivamente traduzido (3) em peptídio. Assim: Item I: verdadeiro. A etapa 1 representa a transcrição, realizada pela enzima RNA polimerase, cujo sítio de ligação ao gene se chama de região promotora.

8 Item II: verdadeiro. A etapa 2 representa o splicing, no qual há a retirada das regiões não codificantes (íntrons) do pré-rnam para formar o RNAm. Item III: verdadeiro. A etapa 3 representa a tradução, realizada no citoplasma pelos ribossomos, onde o RNAm será traduzido em polipeptídeo. Item IV: falso. A diminuição do tamanho do pré-rnam no splicing se dá pela retirada dos introns, e não dos éxons, o que é feito pelo spliciossomo, sem relação alguma com o RNAr. 29. Comentário: O DNA é uma molécula que age armazenando informações que condicionam o aparecimento de cada característica genética de um certo organismo, sendo que essa informação se expressa na forma de produção de proteínas. O gene é o segmento de DNA com informação para produzir um RNA capaz de ser traduzido num peptídeo, sendo que cada molécula de DNA inclui vários genes. O conjunto de todos os genes de um organismo é conhecido como genoma. Em eucariontes, o DNA está associado a proteínas básicas denominadas histonas, formando estruturas denominadas cromossomos. Segundo a Teoria Uninêmica, cada cromossomo equivale a uma única molécula de DNA, ou seja, uma única dupla-hélice de DNA. 30. Comentário: No processo de replicação (auto-duplicação) do DNA, as pontes de hidrogênio entre as duas fitas são quebradas pela enzima DNA helicase, expondo as bases nitrogenadas de ambas as fitas. A partir daí, a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos às bases expostas, seguindo a regra de pareamento entre adenina e timina e entre guanina e citosina. Assim, a replicação do DNA é semiconservativa, uma vez que cada molécula filha conserva uma cadeia do DNA parental e produz uma nova cadeia. Desse modo, ao cultivar as bactérias em meio com timina radioativa, seu DNA se apresentará radioativo em suas duas fitas. Ao transferir as bactérias para um meio com timina não radioativa e promover sua reprodução, o DNA das mesmas se replicará de modo semi-conservativo, conservando a fita parental com timina radioativa e produzindo uma fita nova com nucleotídeos com timina não radioativa, gerando moléculas híbridas (com uma fita radioativa e a outra fita não radioativa). A cada nova reprodução bacteriana, ocorre nova replicação semi-conservativa, sempre conservando uma fita parental e produzindo uma nova fita com nucleotídeos com timina não radioativa, como no esquema abaixo. Geração inicial radioativa Transferidas para o meio com timina não radioativa R-r 100% com ambas as fitas radioativas (r) Na replicação, conserva-se as fitas parentais radioativas (r) e produz-se novas fitas com timina não radioativa (nr) r-nr r-nr 100% com uma das fitas radioativa (r) e a outra não radioativa (nr) Na replicação, conserva-se as fitas parentais e produz-se novas fitas não radioativas n-nr nr-nr r-nr 50% com uma das fitas radioativa (r) e a outra não radioativa (nr) e 50% com ambas as fitas não radioativas (nr) Na replicação, conserva-se as fitas parentais e produz-se novas fitas não radioativas r-nr nr-nr r-nr 25% com uma das fitas radioativa (r) e a outra não radioativa (nr) e 75% com ambas as fitas não radioativas (nr) Deve-se perceber que, a cada nova geração bacteriana no meio com timina não radioativa, a porcentagem de bactérias com moléculas de DNA híbridas (com uma fita radioativa e outra fita não radioativa) se reduz à metade: de 100% na 1ª geração para 50% na 2ª geração e 25% na 3ª geração. Assim, após a 3ª divisão, das 800 bactérias geradas, 25% delas, ou seja, 200 delas terão moléculas de DNA híbridas com uma fita não radioativa e outra radioativa, e todas as demais terão DNA com ambas as fitas não radioativas. Como

9 o RNA é produzido no meio com timina não radioativa, não apresentará marcação radioativa, inclusive porque quem era radioativo no meio original era a timina e o RNA não possui timina e sim uracila. 31. Comentário: A molécula de DNA é formada por uma dupla hélice de polinucleotídeos unidos por pontes de hidrogênio entre adenina e timina e entre citosina e guanina. Devido a essa característica, em moléculas de DNA tem-se que a quantidade de adeninas é igual à de timinas e a quantidade de citosinas é igual à de guaninas, ou seja: A da fita molde = T da fita complementar; G da fita molde = C da fita complementar; T da fita molde = A da fita complementar; C da fita molde = G da fita complementar; Se em uma fita de DNA a relação (A + G)/(T + C) = 0,5, temos que (A molde + G molde )/(T molde + C molde ) = 0,5. Assim, substituindo as bases para a fita complementar, temos que (T complementar + C complementar )/(A complementar + Gc omplementar ) = 0,5 = 1/2, ou, ao contrário, (A complementar + Gc omplementar )/ (T complementar + C complementar ) = 2/1 = 2. Desse modo, as lacunas são preenchidas correta e respectivamente por pontes de hidrogênio e 2, Comentário: Os monômeros formadores dos ácidos nucléicos são estruturas denominadas nucleotídeos, compostos por: - Uma molécula de açúcar do grupo das pentoses (monossacarídeo com cinco átomos de carbono), no caso, desoxirribose; - Uma base nitrogenada purina (dotada de dois anéis carbônicos conjugados) ou pirimidina (dotada de um único anel carbônico); no DNA, são purinas adenina e guanina e, pirimidinas timina e citosina; - Ácido fosfórico, que inclusive confere o caráter ácido aos ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos são formados por polinucleotídeos, polímeros de nucleotídeos. O "esqueleto" de um ácido nucléico é composto por fosfatos e pentoses que se alternam. As bases nitrogenadas estão ligadas aos açúcares desse "esqueleto", ficando lateralmente à cadeia de polinucleotídeos. No DNA, ocorrem duas fitas de polinucleotídeos, unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os pares de bases. Os únicos pares possíveis são entre adenina (A) e timina (T), onde se formam 2 pontes de hidrogênio, e entre guanina (G) e citosina (C), onde se formam 3 pontes de hidrogênio. Assim, - como 1 tem dois anéis conjugados, é uma base purina, e como forma 3 pontes, trata-se da guanina; - como 2 tem dois anéis conjugados, é uma base purina, e como forma 2 pontes, trata-se da adenina; - como 3 tem um único anel, é uma base pirimidina, e como forma 2 pontes, trata-se da timina; - como 4 faz parte do esqueleto do polinucleotídeo e está ligado ao fosfato, trata-se da desoxirribose. 33. Comentário: No processo de replicação (auto-duplicação) do DNA, as pontes de hidrogênio entre as duas fitas são quebradas pela enzima DNA helicase, expondo as bases nitrogenadas de ambas as fitas. A partir daí, a enzima DNA polimerase adiciona novos nucleotídeos às bases expostas, seguindo a regra de pareamento entre adenina e timina e entre guanina e citosina. Assim, a replicação do DNA é semiconservativa, uma vez que cada molécula filha conserva uma cadeia do DNA parental e produz uma nova cadeia. Desse modo, ao cultivar as bactérias em meio com N14, seu DNA apresentará esse isótopo em suas duas fitas. Ao transferir as bactérias para um meio com N15 e promover sua reprodução, o DNA das mesmas se replicará de modo semi-conservativo, conservando a fita parental com N14 e produzindo uma fita nova com nucleotídeos com N14, gerando moléculas híbridas (com uma fita com N14 e outra com N15). A cada nova reprodução bacteriana, ocorre nova replicação semi-conservativa, sempre conservando uma fita parental e produzindo uma nova fita com nucleotídeos com N15, como no esquema abaixo.

10 Geração inicial N14 Transferidas para meio com N15 N14-N14 N15-N15 100% com ambas as fitas com N14 N15 Na replicação, conserva-se as fitas fitas parentais parentais com N15 com e N14 e produz-se novas novas fitas fitas com com N14 N15 100% com uma das fitas com N15 e a outra com N14 Na Na replicação, conserva-se as fitas parentais e e produz-se novas fitas com N14 N15 N15-N15 N14-N14 50% com uma das fitas com 50% com uma das fitas com N15 outra com N14 50% N15 e a outra com N15 e 50% com ambas as fitas com N14 com ambas as fitas com N15 Na Na replicação, conserva-se as fitas parentais e e produz-se novas fitas com N14 N15 N15-N15 N14-N14 25% com uma das fitas com N15 e a outra com N15 N14 e 75% com ambas as fitas com N15 N14 Deve-se perceber que, a cada nova geração bacteriana no meio com N15, a porcentagem de bactérias com moléculas de DNA híbridas (com uma fita com N14 e outra com N15) se reduz à metade: de 100% na 1ª geração para 50% na 2ª geração e 25% na 3ª geração. Resolução: Observe o gráfico correspondente ao resultado obtido na primeira etapa do experimento, na qual as células se reproduziram em meio normal com N14, com 100% das moléculas de DNA com ambas as fitas com N14: Densidade do DNA com duas fitas com N14 Densidade do DNA híbrido N14/N15 Densidade do DNA com duas fitas com N15 Observe o gráfico correspondente ao resultado obtido na 1ª geração desenvolvida em meio com N15, com 100% das moléculas de DNA com uma fita com N14 e outra com N15:

11 Densidade do DNA com duas fitas com N14 Densidade do DNA híbrido N14/N15 Densidade do DNA com duas fitas com N15 Observe o gráfico correspondente ao resultado obtido na 2ª geração desenvolvida em meio com N15, com 50% das moléculas de DNA com uma fita com N14 e outra com N15 e 50% das moléculas de DNA com ambas as fitas com N15: Densidade do DNA com duas fitas com N14 Densidade do DNA híbrido N14/N15 Densidade do DNA com duas fitas com N15 Observe o gráfico correspondente ao resultado obtido na 3ª geração desenvolvida em meio com N15, com 25% das moléculas de DNA com uma fita com N14 e outra com N15 e 75% das moléculas de DNA com ambas as fitas com N15: Os gráficos que correspondem, respectivamente à primeira, à segunda e à terceira gerações em meio com N15 são Y, Z e X.

12 34. Comentário: O DNA é constituído por duas cadeias de polinucleotídeos (formados por nucleotídeos unidos por ligações fosfodiéster 3 5, entre a hidroxila do carbono 3 da pentose de um nucleotídeo e o fosfato do carbono 5 da pentose do outro nucleotídeo). Assim, ligação fosfodiéster 3 5 tem esse nome porque a função resultante da reação entre hidroxila (da pentose) e ácido (fosfato do ácido fosfórico) denomina-se éster. 35. Comentário: Os monômeros formadores dos ácidos nucléicos são estruturas denominadas nucleotídeos, compostos por: - Uma molécula de açúcar do grupo das pentoses (monossacarídeo com cinco átomos de carbono); - Uma base nitrogenada purina (dotada de dois anéis carbônicos conjugados) ou pirimidina (dotada de um único anel carbônico); - Ácido fosfórico, que inclusive confere o caráter ácido aos ácidos nucléicos. O termo nucleosídeo descreve a molécula formada por pentose e base nitrogenada, sem o fosfato. Os ácidos nucléicos são formados por polinucleotídeos, polímeros de nucleotídeos. O "esqueleto" de um ácido nucléico é composto por fosfatos e pentoses que se alternam. As bases nitrogenadas estão ligadas aos açúcares desse "esqueleto", ficando lateralmente à cadeia de polinucleotídeos. No RNA, a pentose é a ribose, as pirimidinas são guanina e citosina e as purinas são adenina e guanina, sendo a molécula constituída de uma única cadeia de polinucleotídeos. No DNA, a pentose é a desoxirribose, as pirimidinas são guanina e citosina e as purinas são adenina e timina, sendo a molécula constituída de duas cadeias de polinucleotídeos. Essas são unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os pares de bases. Os únicos pares possíveis são entre adenina (A) e timina (T), onde se formam 2 pontes de hidrogênio, e entre guanina (G) e citosina (C), onde se formam 3 pontes de hidrogênio. Assim: - I, II e III são grupos fosfato. - IV é a hexose, no caso a ribose, mostrando que se trata de um ribonucleotídeo. Observação: Como identificar que se trata de ribose? Os carbonos da pentose podem ser numerados de 1 a 5, sendo o carbono 1 aquele que se liga à base nitrogenada e o carbono 5 aquele que se liga ao fosfato; a contagem feita no sentido horário a partir de então. Veja abaixo: C5 C4 C1 C3 C2 Ribose e desoxirribose são monossacarídeos, açúcares simples com 5 carbonos, que obedecem à fórmula geral C 5 H 10 O 5. A desoxirribose, entretanto, foge à fórmula por ter um oxigênio a menos ( desoxi ), tendo fórmula molecular C 5 H 10 O 4. A diferença está no carbono 2 da pentose, que, na ribose, tem um grupo hidroxila (- OH) e, na desoxirribose, apenas um hidrogênio (- H). Observe que no carbono 2 existe um grupo hidroxila, de modo que a pentose em questão é a ribose do RNA. - V é a base nitrogenada, no caso a adenina. Observação: Como identificar que se trata de adenina? Como 2 tem dois anéis conjugados, é uma base purina, ou seja, adenina ou guanina, e como forma 2 pontes, não pode ser a guanina, sendo, pois, a adenina. Ao observar a molécula como um todo, pode-se chegar à conclusão de que é a adenosina-trifosfato ou ATP, formada de adenina, ribose e três grupos fosfato e responsável pela transferência de energia entre reações exotérmicas liberadoras de energia e endotérmicas consumidoras de energia. Por fim, analisando cada item: Item A: falso. A subunidade III é um fosfato, a subunidade IV é a ribose e a subunidade V é a adenina. Assim, a molécula em questão é um nucleotídeo, e não um nucleosídeo, podendo ser chamada de adenina-nucleotídeo-monofosfato. Item B: falso. As subunidades III (fosfato) e V (adenina) fazem parte da molécula de DNA, mas não a subunidade IV, que é a ribose. Item C: verdadeiro. As reações endergônicas utilizam moléculas de ATP, como a indicada na figura. Item D: falso. No modelo de escada para a dupla-hélice de DNA, o esqueleto de desoxirriboses e fosfatos representam o corrimão e as bases nitrogenadas, como V, devidamente unidas por pontes de hidrogênio entre as cadeias, representam os degraus. 36. Comentário: A replicação do DNA é promovida por uma série de enzimas, como a DNA helicase, que promove a quebra das pontes de hidrogênio e a abertura da dupla hélice, e a DNA polimerase, que produz uma nova cadeia de polinucleotídeos, sempre no sentido 5 3, obedecendo o princípio do antiparalelismo. Assim: - a fita molde iniciando na extremidade 3 produz uma fita complementar que cresce no sentido 5 3, sendo chamada cadeia líder e produzida de modo contínuo;

13 - a fita molde iniciando na extremidade 5 produz uma fita complementar que deveria crescer no sentido 3 5, o que não é possível, de modo que ela é feita em fragmentos denominados de fragmentos de Okazaki, colocados no sentido 5 3 ao contrário do deslocamento da DNA helicase, sendo ligados pela enzima DNA ligase e produzindo uma cadeia de modo descontínuo, chamada de cadeia retardada. A replicação do DNA é bidirecional, de modo que a partir de cada sítio de origem (onde se inicia a replicação), grupos de enzimas agem nos dois sentidos. Assim, sendo Ori o sítio de origem, temos que: A fita produzida será contínua em B e C e descontínua em A e D. 37. Comentário: Analisando cada item: A) A determinação da estrutura do DNA foi possível porque os raios X são um tipo de radiação eletromagnética com comprimento de onda (λ) de mesma ordem de grandeza que as distâncias que separam as cadeias de nucleotídeos. B) As posições dos átomos em uma substância química cristalizada podem ser inferidas pelo padrão de difração de raios X que a atravessam. C) As ligações que ocorrem entre as bases nitrogenadas no interior da hélice do DNA são possíveis devido à diferença de eletronegatividade entre os átomos de nitrogênio ligados a átomos de hidrogênio nas bases. D) Os fosfatos representados apresentam um átomo de oxigênio unido por ligação covalente a um átomo de hidrogênio que possibilita a interação da molécula de DNA com íons positivos no interior da célula. E) Na estrutura do DNA as ligações de hidrogênio ocorrem entre pares de bases específicos: a adenina liga-se unicamente com a timina e a citosina liga-se unicamente com a guanina. 38. Comentário: Os monômeros formadores dos ácidos nucléicos são estruturas denominadas nucleotídeos, compostos por: - Uma molécula de açúcar do grupo das pentoses (monossacarídeo com cinco átomos de carbono): desoxirribose no DNA e ribose no RNA; - Uma base nitrogenada purina (dotada de dois anéis carbônicos conjugados) ou pirimidina (dotada de um único anel carbônico); são purinas adenina e guanina e pirimidinas timina, citosina e uracila; - Ácido fosfórico, que inclusive confere o caráter ácido aos ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos são formados por polinucleotídeos, polímeros de nucleotídeos. O "esqueleto" de um ácido nucléico é composto por fosfatos e pentoses que se alternam. As bases nitrogenadas estão ligadas aos açúcares desse "esqueleto", ficando lateralmente à cadeia de polinucleotídeos. No DNA, ocorrem duas fitas de polinucleotídeos, unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os pares de bases. Os únicos pares possíveis são entre adenina (A) e timina (T) e entre guanina (G) e citosina (C). No RNA, ocorre uma única fita de polinucleotídeos. Uma vez que a figura apresenta ribose como nucleotídeo, trata-se de um nucleotídeo de RNA. Observação: Como identificar que se trata de ribose? Os carbonos da pentose podem ser numerados de 1 a 5, sendo o carbono 1 aquele que se liga à base nitrogenada e o carbono 5 aquele que se liga ao fosfato; a contagem feita no sentido horário a partir de então. Veja abaixo:

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Aula 8 Ácidos nucleicos Atividades para sala 01 D 02 B No DNA, ocorrem duas fitas de polinucleotídios. As duas fitas são unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É um polímero, ou seja, uma longa cadeia de nucleotídeos. Estrutura Molecular dos Nucleotídeos: Os nucleotídeos são constituídos por 3 unidades: Bases

Leia mais

Duplicação do DNA & Síntese de proteínas

Duplicação do DNA & Síntese de proteínas Duplicação do DNA & Síntese de proteínas Aula de Biologia Tema: Duplicação do DNA & Síntese Protéica Daniel Biólogo Planetabiologia.com ÁCIDOS NUCLÉICOS 1) Conceito: Os Ácidos Nucléicos são macromoléculas,

Leia mais

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS. Telmo Giani Fonte: Internet

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS. Telmo Giani Fonte: Internet Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Telmo Giani Fonte: Internet OS ÁCIDOS NUCLEICOS DNA Ácido fosfórico Desoxirribose Bases Púricas: A e G Bases Pirimídicas: C e T Dupla fita RNA Ácido fosfórico Ribose

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS 15/6/2010. Universidade Federal de Mato Grosso Disciplina de Bioquímica. - Desoxirribose, presente no DNA; - Ribose, presente no RNA.

ÁCIDOS NUCLÉICOS 15/6/2010. Universidade Federal de Mato Grosso Disciplina de Bioquímica. - Desoxirribose, presente no DNA; - Ribose, presente no RNA. Universidade Federal de Mato Grosso Disciplina de Bioquímica ÁCIDOS NUCLÉICOS Prof. Msc. Reginaldo Vicente Ribeiro Cuiabá Maio de 2010 São as biomoléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Nucleotídeos É a unidade formadora dos ácidos nucléicos: DNA e RNA. É composto por um radical fosfato, uma pentose (ribose RNA e desoxirribose DNA) e uma base nitrogenada

Leia mais

DNA: Replicação e Transcrição. Professora: MSc Monyke Lucena

DNA: Replicação e Transcrição. Professora: MSc Monyke Lucena EXTRA, EXTRA Se a mãe for (DD) e o pai (D), nenhum dos descendentes será daltónico nem portador. Se a mãe (DD) e o pai for (d), nenhum dos descendentes será daltônico, porém as filhas serão portadoras

Leia mais

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota.

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota. Biologia Código Genético Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia CÓDIGO GENÉTICO NÚCLEO E SÍNTESE PROTEICA O núcleo é de fundamental importância para grande parte dos processos que

Leia mais

3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos

3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos 1 3 Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos - São compostos ricos em energia - Funcionam como sinais químicos - São reservatórios moleculares da informação genética a) Nucleotídeos - São encontrados polimerizados

Leia mais

REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição

REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JUL/2011 HISTÓRICO 1957 CRICK e GAMOV Dogma Central da Biologia Molecular A Célula DIFERENCIAÇÃO Núcleo: DNA CRESCIMENTO

Leia mais

ESTRUTURA E FUNÇÃO DOS GENES E CROMOSSOMOS

ESTRUTURA E FUNÇÃO DOS GENES E CROMOSSOMOS Faculdade Ciência da Vida Disciplina: Genética Básica Aula 2 ESTRUTURA E FUNÇÃO DOS GENES E CROMOSSOMOS PROFESSORA: Fernanda Guimarães E-MAIL: guimaraes.biologia@gmail.com NÚCLEO Abriga do material genético

Leia mais

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 Introdução a Biologia i Molecular: DNA Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Corpo Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS.

ÁCIDOS NUCLEICOS. ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLEICOS, DNA e RNA, são moléculas que contêm as instruções de como fazer o organismo. Elas são formadas de nucleotídeos, que são uma base nitrogenada, um fosfato

Leia mais

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais:

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais: Atividade extra Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão

Leia mais

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo 2 - ÁCIDOS NUCLÉICOS Na natureza há dois tipos de ácidos nucléicos: DNA ou ácido desoxirribonucléico e RNA ou ácido ribonucléico. Analogamente a um sistema de comunicação, essas informações são mantidas

Leia mais

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 7 Ácidos Nucleicos. Definição NUCLEOTÍDEO (RNA)

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 7 Ácidos Nucleicos. Definição NUCLEOTÍDEO (RNA) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos BIOQUÍMICA GERAL Definição Importância e aplicações Estrutura Geral Função

Leia mais

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica A estrutura química da molécula de RNA apresenta pequenas diferenças em relação ao DNA. http://www.nature.com/scitable/learning-path/theelaboration-of-the-central-dogma-701886#url

Leia mais

MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR

MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR Aula 1 - Estrutura e Propriedades dos Ácidos Nucleicos Evidências de que o DNA constitui o material genético Experimento de Frederick Griffith (1928) Pneumococcus pneumoniae

Leia mais

14/02/2017. Genética. Professora Catarina

14/02/2017. Genética. Professora Catarina 14/02/2017 Genética Professora Catarina 1 A espécie humana Ácidos nucleicos Tipos DNA ácido desoxirribonucleico RNA ácido ribonucleico São formados pela união de nucleotídeos. 2 Composição dos nucleotídeos

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Tópicos! Estrutura e função

Leia mais

Síntese de Proteínas. Professora: Luciana Ramalho 2017

Síntese de Proteínas. Professora: Luciana Ramalho 2017 Síntese de Proteínas Professora: Luciana Ramalho 2017 Introdução O que torna Você diferente do seu amigo? Ou de um fungo? R: É o DNA! Como o DNA influencia nas suas características? R: Ele codifica as

Leia mais

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Genética Molecular Genética Molecular Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Genética Estuda

Leia mais

Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição

Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

genética molecular genética clássica DNA RNA polipeptídio GENÉTICA Exercícios 1. Julgue os itens que se seguem.

genética molecular genética clássica DNA RNA polipeptídio GENÉTICA Exercícios 1. Julgue os itens que se seguem. GENÉTICA clássica molecular DNA RNA polipeptídio Exercícios 1. Julgue os itens que se seguem. 01. As cadeias de RNA mensageiros são formadas por enzimas que complementam a sequência de bases de um segmento

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre sub 23/07/2014 1 23/07/2014 1 AU09 Estrutura título e Função mestre do Material Genético Nalini subtítulo Drieli Josviak mestre Doutorado drinaly@gmail.com 23/07/2014 2 23/07/2014 2 Material Genético:

Leia mais

Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS

Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS Aula 2 - Revisão DNA RNA - PROTEÍNAS Estudo Dirigido Aula 2 - Revisão 1. Características comuns a todos os organismos vivos; 2. Domínios da Vida e tipos celulares, principais diferenças dos tipos celulares;

Leia mais

Descoberta da Estrutura do DNA

Descoberta da Estrutura do DNA DNA Estrutura Descoberta da Estrutura do DNA James Watson (geneticista americano) Francis Crick (físico inglês) Esclareceram a estrutura do DNA em 1953 O que se sabia sobre os genes Fatores hereditários

Leia mais

Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas. Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes

Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas. Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes Revisão Geral Sumário História da Genética Molecular DNA e RNA Dogma Central Replicação Transcrição

Leia mais

Organização estrutural e funcional do núcleo. Professor Otaviano Ottoni Netto

Organização estrutural e funcional do núcleo. Professor Otaviano Ottoni Netto Organização estrutural e funcional do núcleo Professor Otaviano Ottoni Netto Núcleo Celular Estrutura do Núcleo Alberts et al., 1994 - págs 335 e 345 _Tráfego de proteínas entre núcleo e citoplasma_

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA EM TURMA 212 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA EM TURMA 212 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2017 92 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE BIOLOGIA EM TURMA 212 PROFª FERNANDA 2º BIMESTRE

Leia mais

Grupo 14 - Ácidos Nucléicos: Nucleotídeos, DNA e RNA.

Grupo 14 - Ácidos Nucléicos: Nucleotídeos, DNA e RNA. Grupo 14 - Ácidos Nucléicos: Nucleotídeos, DNA e RNA. Andrés M Gonçalves de Jesus; Danilo Badaró; Diego Oliveira; Erica Saemi Miyasato; Fernando Pereira; Rodolfo M. de Aquino Ácidos nucleicos são biopolímeros,

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ÁCIDOS NUCLEICOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ÁCIDOS NUCLEICOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 07 ÁCIDOS NUCLEICOS Nome do Nucleotídeo Adenina Guanina Timina Citosina Base Adenina (A) Guanina (G) Timina (T) Citosina (C) Purina / Pirimidina Purin Purina Pirimidina Pirimidina

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns BIO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Crescimento e

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL 1ª série Ens. Médio 1. A figura a seguir refere-se à hereditariedade: a) EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL b) Explique de que forma a molécula de DNA atua no fenômeno da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Monitoria da disciplina de Biologia Molecular (CBI 613) Monitor responsável: Bruno Jhônatan Costa Lima (13.2.2032) Assunto: Síntese proteica e regulação da expressão gênica GENES E CROMOSSOMOS 1. Identifique

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

a) Baseando-se nos resultados acima, qual é a sequência mais provável desses 4 genes no cromossomo, a partir do gene A? b) Justifique sua resposta.

a) Baseando-se nos resultados acima, qual é a sequência mais provável desses 4 genes no cromossomo, a partir do gene A? b) Justifique sua resposta. CAP. 08: HERANÇA QUANTITATIVA OU POLIGENICA CAP. 09: MAPAS DE LIGAÇÃO GÊNICA - LINKAGE CAP. 10: O MATERIAL GENÉTICO E A GENÉTICA DO FUNCIONAMENTO DOS GENES 1. Considere dois genes e seus respectivos alelos:

Leia mais

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JUN/2011 Princípios Básicos As proteínas são vinculo entre genótipo e fenótipo; A expressão gênica é o processo pelo qual o DNA coordena a síntese

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS BIOQUÍMICA

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS BIOQUÍMICA BIOVESTIBA.NET VIRTUAL UFRGS BIOQUÍMICA 1. (Ufrgs 2015) Observe a tira abaixo. Se o filho do Radicci tornar-se vegetariano do tipo que não utiliza produtos derivados de animais, ficará impossibilitado

Leia mais

03/02/2010. Estrutura de Ácidos. Nucléicos e. Organização do. Genoma Humano. DNA por Watson & Crick, (Nature 171: ).

03/02/2010. Estrutura de Ácidos. Nucléicos e. Organização do. Genoma Humano. DNA por Watson & Crick, (Nature 171: ). DNA por Watson & Crick, 1953 Estrutura de Ácidos Nucléicos e Organização do Genoma Humano (Nature 171: 737-738). Modelo de estrutura tridimensional do DNA, baseado principalmente nos estudos de difração

Leia mais

Ácidos Nucleicos e Nucleotídeos

Ácidos Nucleicos e Nucleotídeos Ácidos Nucleicos e Nucleotídeos Andrés M Gonçalves de Jesus; Danilo Badaró; Diego Oliveira; Erica Saemi Miyasato; Fernando Pereira; Rodolfo M. de Aquino Ácidos nucleicos são constituídos por nucleotídeos

Leia mais

Aulas Multimídias Santa Cecília. Profa. Renata Coelho

Aulas Multimídias Santa Cecília. Profa. Renata Coelho Aulas Multimídias Santa Cecília Profa. Renata Coelho Duplicação, transcrição e tradução DNA Modelo de Watson e Crick, proposto em 2 de abril de 1953: DNA é formado por 2 fitas (dupla hélice) Cada filamento

Leia mais

Núcleo. Vera Andrade Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular

Núcleo. Vera Andrade  Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ Núcleo Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular Nux (grego) = semente, por ser considerado tão importante para a célula quanto a semente é para

Leia mais

Princípios de Sistemática Molecular

Princípios de Sistemática Molecular ! Ciências teóricas e sistemática biológica "! DNA, genes, código genético e mutação! Alinhamento de seqüências! Mudanças evolutivas em seqüências de nucleotídeos! Otimização em espaços contínuos e discretos!

Leia mais

1. (Acafe 2016) Cientistas identificam nova mutação genética relacionada à obesidade.

1. (Acafe 2016) Cientistas identificam nova mutação genética relacionada à obesidade. 1. (Acafe 2016) Cientistas identificam nova mutação genética relacionada à obesidade. Um estudo realizado por pesquisadores do departamento de medicina da Imperial College London, na Inglaterra, revelou

Leia mais

IFSC Campus Lages. Transcrição. Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri

IFSC Campus Lages. Transcrição. Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri IFSC Campus Lages Transcrição Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri RNA - estrutura Semelhante ao DNA, com ribose como glicídio e uracila como base nitrogenada, no lugar da timina do DNA. RNA é unifilamentar

Leia mais

Aula 14 ÁCIDOS NUCLEICOS. André Luís Bacelar Silva Barreiros Marizeth Libório Barreiros. META Introduzir o aluno ao estudo dos ácidos nuleicos.

Aula 14 ÁCIDOS NUCLEICOS. André Luís Bacelar Silva Barreiros Marizeth Libório Barreiros. META Introduzir o aluno ao estudo dos ácidos nuleicos. Aula 14 ÁCIDOS NUCLEICOS META Introduzir o aluno ao estudo dos ácidos nuleicos. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Saber definir e classificar os ácidos nulceicos. Conhecer as funções biológicas

Leia mais

DNA. Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura.

DNA. Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. DN Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. DN: dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. Em 1950, Erwin hargaff, ao estudar amostras de DN de diversas espécies, constatou que

Leia mais

Armazenamento da informação genética

Armazenamento da informação genética Universidade Federal do Pampa Curso de Nutrição Biologia celular e molecular Armazenamento da informação genética Profª Ms. Vanessa Retamoso Prof Ms. Vanessa Retamoso NÚCLEO INTERFÁSICO: é o núcleo da

Leia mais

Ácidos Nucleicos e suas propriedades

Ácidos Nucleicos e suas propriedades UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO AF 060- Biotecnologia Vegetal Ácidos Nucleicos e suas propriedades Prof a. Renata FaierCalegario

Leia mais

Direção da Síntese DNA mrna Proteínas

Direção da Síntese DNA mrna Proteínas Direção da Síntese DNA mrna Proteínas Discentes: Ana Carolina Q. D. Medina 9215722 Carlos S. Vasconcellos 8928552 Celso A. de Souza Júnior 8928718 Orlando Campovilla 8523404 Docente: Júlio César Borges

Leia mais

Introdução a Biologia Molecular: DNA Genética Humana

Introdução a Biologia Molecular: DNA Genética Humana Introdução a Biologia Molecular: DNA Genética Humana Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JAN/2012 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

Organização do genoma e variação individual

Organização do genoma e variação individual Organização do genoma e variação individual José Francisco Diogo da Silva Junior Mestrando CMANS/UECE PLASTICIDADE CELULAR 1 PLASTICIDADE CELULAR PLASTICIDADE CELULAR 2 COMPOSIÇÃO DO DNA ESTRUTURA DO DNA

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica BÁSICA EM IMAGENS

Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica BÁSICA EM IMAGENS Universidade Federal de Pelotas Instituto de Química e Geociências Departamento de Bioquímica 05 BÁSICA EM IMAGENS - um guia para a sala de aula Nucleotídeos Hierarquia estrutural na organização molecular

Leia mais

- Ácidos Nucleicos e Síntese Proteica - Profª Samara

- Ácidos Nucleicos e Síntese Proteica - Profª Samara - Ácidos Nucleicos e Síntese Proteica - Profª Samara A verdade por trás da descoberta da estrutura do DNA Rosalind Franklin Mãe do DNA (1920-1958) Erwin Chargaff (1905-2002) FOTO 51 1953 James Watson e

Leia mais

Prof. João Carlos Setubal

Prof. João Carlos Setubal Prof. João Carlos Setubal QBQ 102 Aula 3 (biomol) Transcrição e tradução Replicação Dogma Central da Biologia Molecular Transcrição RNA mensageiro Usa Uracila ao invés de Timina Tradução de mrnas Ocorre

Leia mais

Estrutura do DNA HISTÓRICO HISTÓRICO ÁCIDOS NUCLÉICOS JAMES WATSON e FRANCIS CRICK. 1953: Watson and Crick GREGOR MENDEL

Estrutura do DNA HISTÓRICO HISTÓRICO ÁCIDOS NUCLÉICOS JAMES WATSON e FRANCIS CRICK. 1953: Watson and Crick GREGOR MENDEL ISTÓI Estrutura do DA 1953: Watson and rick 1865 - GEG MEDEL Estudou cruzamento entre diferentes tipos de ervilhas demonstrando que certas características físicas dessas plantas eram transmitidas de geração

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Fases do Ciclo Celular

Fases do Ciclo Celular Ciclo Celular Fases do Ciclo Celular Todas as células passam por um ciclo de vida que, assim como a vida de um organismo complexo, apresenta diferentes fases e é irreversível. Duração do ciclo celular

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

Carregadores de energia. ATP, GTP, etc. Cofatores e coenzimas. Coenzima A, FAD, NAD. Mensageiros químicos. AMP cíclico, GMP cíclico

Carregadores de energia. ATP, GTP, etc. Cofatores e coenzimas. Coenzima A, FAD, NAD. Mensageiros químicos. AMP cíclico, GMP cíclico Nucleotídeos: funções essenciais Unidades monoméricas dos ácidos nucléicos Carregadores de energia ATP, GTP, etc Cofatores e coenzimas Coenzima A, FAD, NAD Mensageiros químicos AMP cíclico, GMP cíclico

Leia mais

Introdução à Biologia Molecular. Prof. Leonardo Crema

Introdução à Biologia Molecular. Prof. Leonardo Crema Introdução à Biologia Molecular Prof. Leonardo Crema HISTÓRICO 1865 - GREGOR MENDEL Estudou cruzamento entre diferentes tipos de ervilhas demonstrando que certas características físicas dessas plantas

Leia mais

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Aula de Bioquímica II Tema: Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo USP

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Fred. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Fred. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Fred DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 1º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

A Estrutura dos Ácidos Nucléicos

A Estrutura dos Ácidos Nucléicos Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biologia Molecular A Estrutura dos Ácidos Nucléicos Priscila M. M. de Leon Dra., Médica Veterinária Profa, PNDP Biotecnologia/UFPel

Leia mais

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica BG 11 EPM 14/15 A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica como Verdadeira (V) ou Falsa (F) cada

Leia mais

Transcrição em Eucariotos. Prof. Doutor Júlio César Borges Disciplina: Bioquímica II Lenita P. Altoé Paula B. Perroni Rhaissa M.

Transcrição em Eucariotos. Prof. Doutor Júlio César Borges Disciplina: Bioquímica II Lenita P. Altoé Paula B. Perroni Rhaissa M. Transcrição em Eucariotos Prof. Doutor Júlio César Borges Disciplina: Bioquímica II Lenita P. Altoé Paula B. Perroni Rhaissa M. Bontempi _sumário _sumário Transcrição Dogma central Considerações iniciais

Leia mais

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Ano Lectivo: 2007/200 Disciplina: Biologia e Geologia (ano 2) Ano: 11º Turma: CT Curso: C.H. - C.T. Duração: 0 min. Data: 31 / /2007 Docente: Catarina Reis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado Genética Bacteriana

Leia mais

Geralmente é arredondado e único por célula, mas existem núcleos com outras formas e células com mais de um núcleo

Geralmente é arredondado e único por célula, mas existem núcleos com outras formas e células com mais de um núcleo Núcleo Celular Geralmente é arredondado e único por célula, mas existem núcleos com outras formas e células com mais de um núcleo Núcleo Celular Algumas células não têm núcleo (são anucleadas), como as

Leia mais

Anabolismo Nuclear e Divisão Celular

Anabolismo Nuclear e Divisão Celular 1. (UFRN) Uma proteína X codificada pelo gene Xp é sintetizada nos ribossomos, a partir de um RNAm. Para que a síntese aconteça, é necessário que ocorram, no núcleo e no citoplasma, respectivamente, as

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof.: Anderson Marques de Souza 2016

ÁCIDOS NUCLEICOS E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof.: Anderson Marques de Souza 2016 ÁCIDOS NUCLEICOS E BIOLOGIA MOLECULAR Prof.: Anderson Marques de Souza 2016 Hereditariedade sem identidade os fatores de Mendel Em 1865, Mendel apresenta seus trabalhos sobre a hereditariedade. Em 1900

Leia mais

A função da água e sais minerais dentro da célula

A função da água e sais minerais dentro da célula A QUÍMICA DA VIDA A função da água e sais minerais dentro da célula Eles tem a ver com o metabolismo das mitocôndrias na qual a principal função seria de não parar a que sustenta, vejamos isso entre água

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

1) (FMSA-SP) Os fenômenos 1, 2 e 3 no esquema ao lado são respectivamente:

1) (FMSA-SP) Os fenômenos 1, 2 e 3 no esquema ao lado são respectivamente: 1) (FMSA-SP) Os fenômenos 1, 2 e 3 no esquema ao lado são respectivamente: a) tradução, transcrição, duplicação b) duplicação, transcrição, tradução c) duplicação, tradução, transcrição d) tradução, duplicação,

Leia mais

BIOLOGIA. LISTA de RECUPERAÇÃO. Professor: Éder DATA: 18 / 04/ 2017

BIOLOGIA. LISTA de RECUPERAÇÃO. Professor: Éder DATA: 18 / 04/ 2017 DATA: 18 / 04/ 2017 LISTA de RECUPERAÇÃO BIOLOGIA Professor: Éder 01 - (Centro Universitário de Franca SP) Um segmento de uma fita de DNA com a sequência de bases nitrogenadas CGATTGC terá em sua fita

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

Nucleotídeos e Ácidos Nucleicos. Maiara Paparele dos Santos

Nucleotídeos e Ácidos Nucleicos. Maiara Paparele dos Santos Nucleotídeos e Ácidos Nucleicos Maiara Paparele dos Santos Conceito Ácidos nucleicos sequência de nucleotídeos o moedas energéticas; o Componentes de cofatores enzimáticos o DNA (ácido desoxirribonucleico)

Leia mais

ESTRUTURA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS E REPLICAÇÃO DO DNA. Aula teórica 4. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética

ESTRUTURA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS E REPLICAÇÃO DO DNA. Aula teórica 4. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética ESTRUTURA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS E REPLICAÇÃO DO DNA Aula teórica 4 LGN0114 Biologia Celular Maria Carolina Quecine Departamento de Genética mquecine@usp.br FUNÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO 1. Função genotípica:

Leia mais

ESTRUTURAS E FUNÇÕES BIOLÓGICAS DOS NUCLEOTÍDEOS: OS ÁCIDOS NUCLÉICOS

ESTRUTURAS E FUNÇÕES BIOLÓGICAS DOS NUCLEOTÍDEOS: OS ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURAS E FUNÇÕES BIOLÓGICAS DOS NUCLEOTÍDEOS: OS ÁCIDOS NUCLÉICOS META Introduzir o estudo das funções biológicas, propriedades químicas e estruturas dos nucleotídeos. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

Biologia Molecular. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano)

Biologia Molecular. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Biologia Molecular Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini E-mail: marilanda_bellini@yahoo.com Blog: http://marilandabellini.wordpress.com

Leia mais

DUPLICAÇÃO DO DNA REPLICAÇÃO DO DNA

DUPLICAÇÃO DO DNA REPLICAÇÃO DO DNA DUPLICAÇÃO DO DNA OU REPLICAÇÃO DO DNA 18/04/2017 1 MITOSE EM CÉLULAS EUCARIÓTICAS 2n A mitose ocorre em células somáticas 1. Intérfase 1.1 Prófase 1.2 Metáfase 1.3 Anáfase 1.4 Telófase 1.4.1 Citocinese

Leia mais

PROF: L. CLAUDIO BIOLOGIA

PROF: L. CLAUDIO BIOLOGIA NOME: 1ºANO- EXERCICIOS DE RECUPERAÇÃO PROF: L. CLAUDIO BIOLOGIA 1. (G2) Quais são as duas propriedades fundamentais do DNA que permitem a essa substância desempenhar o papel de material genético? 2. (G2)

Leia mais

Amostras. Página 1 de 8

Amostras. Página 1 de 8 1. (Pucpr 2016) Entre os diferentes seres vivos existe uma diferença entre a quantidade de pares de bases de DNA por célula. De um modo geral, existe um incremento de DNA à medida que se progride na escala

Leia mais

Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA

Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA Professores Dra. Daniela Alves Silvestre OBJETIVOS Compreender a partir do estudo da técnica de sequenciamento do DNA através da utilização de didesoxinucleotídeos,

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto 3 Ano Disciplina: Ciências da Natureza - Biologia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto 3 Ano Disciplina: Ciências da Natureza - Biologia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 3 Ano Disciplina: Ciências da Natureza - Biologia Pré Universitário Uni-Anhanguera 1 1) (UFES-ES) O modelo abaixo representa a configuração

Leia mais

Estrutura e Função de proteínas. Continua...

Estrutura e Função de proteínas. Continua... Estrutura e Função de proteínas Continua... Estrutura Quaternária Descreve o número e as posições relativas das subunidades nas proteínas multiméricas; O nível + alto da estrutura são os arranjos macromoleculares...

Leia mais

Transcrição do DNA. Dogma central. O fluxo da informação é unidirecional. Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 26/04/2015

Transcrição do DNA. Dogma central. O fluxo da informação é unidirecional. Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 26/04/2015 Transcrição do DNA José Francisco Diogo da Silva Junior Mestrando CMANS/UECE Dogma central O fluxo da informação é unidirecional Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 1 A iniciação

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

Principais funções dos sais minerais:

Principais funções dos sais minerais: A Química da Vida Água Água mineral é a água que tem origem em fontes naturais ou artificiais e que possui componentes químicos adicionados, como sais, compostos de enxofre e gases que já vêm dissolvidas

Leia mais

Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34

Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34 Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34 NÚCLEO O núcleo é o centro de coordenação das atividades da célula. Em geral há um núcleo por célula; células sem núcleo são apenas uma fase da vida;

Leia mais

Introdução à Bioquímica Celular

Introdução à Bioquímica Celular Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Introdução à Bioquímica Celular Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com O que é Biologia Celular? É o ramo da ciência

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Professoras responsáveis Profa. Dra. Maria Tercília. Vilela de Azeredo Oliveira

Professoras responsáveis Profa. Dra. Maria Tercília. Vilela de Azeredo Oliveira Professoras responsáveis veis: : Profa. MSc.. Rosana Silistino de Souza Pós Graduanda: : Bruna Victorasso Jardim Profa. Dra. Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Nosso organismo é composto por células

Leia mais

RNA catalítico e suas funções

RNA catalítico e suas funções Bioquímica II Profº Drº Júlio Borges RNA catalítico e suas funções Bruna Uebelhart Grandino Nº USP: 8928423 Gisleine Moretti Franhani Nº USP: 8928548 Gustavo Augusto Nº USP: 8928274 Luana Toyama Nº USP:

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Ficha de trabalho. 1. Observa a figura 1 que representa as relações tróficas em dois ecossistemas. Figura 1

Ficha de trabalho. 1. Observa a figura 1 que representa as relações tróficas em dois ecossistemas. Figura 1 Ficha de trabalho 1. Observa a figura 1 que representa as relações tróficas em dois ecossistemas. Figura 1 1.1 Relativamente ao ecossistema terrestre considerado, esquematize uma cadeia alimentar. Bactéria

Leia mais