TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais"

Transcrição

1 TPref-SQL: uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais Autor: Marcos Roberto Ribeiro 1, Orientadora: Sandra Aparecida de Amo 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade Federal do Uberlândia (UFU) Uberlândia MG Brasil Nível: Mestrado Ano de ingresso no programa: 2006 Época esperada de conclusão: Julho / 2008 Resumo. Em virtude do grande crescimento do volume de informação com a qual os usuários são confrontados, diversas pesquisas envolvendo formalismos permitindo especificar e deduzir preferências e linguagens de consultas para bancos de dados com suporte a preferências têm sido realizadas com o intuito de fornecer mecanismos para obter os melhores objetos (ou tuplas) atendendo certas preferências ou estabelecer uma relação de ordem de preferência sobre um conjunto de objetos. Porém as linguagens de consultas com suporte a preferências tratam apenas de preferências sobre objetos individuais. O objetivo deste trabalho é especificar a linguagem de consultas para bancos de dados TPref-SQL com suporte a preferências temporais. Para isso serão implementados algoritmos de otimização para obtenção de seqüências ótimas a partir de um conjunto de objetos e de preferências especificadas. Será definida uma álgebra relacional incluindo operadores que permitam a especificação de condições envolvendo preferências temporais utilizando um formalismo que lida com seqüências de objetos. E, por fim, será implementado um protótipo capaz de executar tais operadores. Palavras-Chave. Linguagem de consultas, Extensão de SQL, Linguagem de Preferências, Preferências Temporais, Personalização de consultas

2 1. Introdução e Motivação Com o enorme aumento de informação tanto na Internet quanto em bancos de dados privados, ao se realizar uma pesquisa qualquer, um usuário pode se deparar com uma quantidade muito grande de resultados. Sendo que, muitas vezes, tais resultados encontram-se sem qualquer tipo de organização. Para solucionar esse problema, pesquisas recentes têm se preocupado em atender às preferências do usuário da melhor forma possível. Dessa maneira, os resultados retornados por uma busca podem ser filtrados e organizados para atender interesses específicos. O tratamento de preferências pode ser feito de forma quantitativa ou de outras maneiras, porém trabalhos mais recentes vêm buscando tratar preferências de forma qualitativa. Por exemplo, dada uma certa coleção de músicas, para se conhecer aquelas que são preferidas por um usuário de forma quantitativa, pode-se solicitar ao mesmo que dê uma nota a cada música e então seleciona-se aquelas músicas com maiores notas. No entanto, esse método pode ser inviável para uma coleção de músicas muito grande. De forma qualitativa, pode-se obter do usuário informações sobre quais atributos afetam sua preferência. Por exemplo, se o usuário diz que músicas Country são melhores do que músicas Pop, já se consegue obter uma classe de músicas preferidas sem que o usuário avalie cada música individualmente. A comparação de objetos de forma qualitativa leva em consideração a semântica ceteris paribus, ou seja, pode-se comparar dois objetos que se distinguem em apenas um atributo. É possível também, no tratamento de preferências de forma qualitativa, fazer uso de dependência preferencial e importância absoluta ou relativa. Dependência preferencial é quando o valor de um atributo influencia na preferência de outro atributo. A importância absoluta ou relativa permite especificar quando um atributo é mais importante do que outro no momento de decidir entre dois objetos. Outra importante tarefa no tratamento de preferências de forma qualitativa é a obtenção de um subconjunto ótimo de objetos. Uma solução para esse problema é associar a cada conjunto possível um objeto e, a partir daí, proceder com o tratamento de preferências sobre objetos. Existem também certos tipos de aplicações que necessitam de um tratamento de preferências sobre estruturas mais complexas, como seqüências de objetos. Um exemplo do uso de preferências sobre seqüências pode ser considerado a criação de uma lista de música, onde cada música é um objeto com atributos próprios, e a disposição das músicas na lista pode torná-la mais ou menos preferida. Nesse trabalho devem ser tratadas instruções de preferências com condições temporais, o exemplo 1 exibe algumas instruções com essas características. Exemplo 1 Supõe-se que seja necessário montar uma lista de músicas ótima dado um repositório com músicas de diversos gêneros e durações. E o usuário imponha as seguintes condições relativas a suas preferências pessoais: 1) Para músicas Country uma duração longa é melhor do que uma duração breve, mas para músicas Pop uma duração breve é melhor do que uma duração longa. 2) É melhor que a lista de música inicie com uma música Country. 3) Se a música anterior foi Pop é melhor que a próxima seja Country, mas se a música anterior foi Country é melhor que a próxima Pop. Outros trabalhos têm abordado um aspecto muito importante, no sentido de acrescentar instruções de preferências em consultas SQL para banco de dados, permitindo assim, que diversas aplicações possam tratar melhor o interesse de uma busca realizada por seus usuários, mesmo considerando um grande volume de dados. O principal problema tratado nesse trabalho será especificar uma linguagem de consulta para banco de dados, denominada TPref-SQL, com suporte a instruções de preferências temporais. Para que tal linguagem seja especificada serão necessárias várias tarefas, inicialmente serão implementados algoritmos de otimização para preferências temporais. De posse desses algoritmos, será definida uma álgebra relacional com novos operadores para tratar preferências

3 temporais e desenvolvido um protótipo que processe tais operadores. Este artigo encontra-se organizado da seguinte maneira. Na Seção 2 é apresentada uma breve relação de trabalhos tratando formalismos sobre preferências e linguagens de consultas para bancos de dados que suportam instruções de preferências. A Seção 3 descreve os principais objetivos desse trabalho e expõe as soluções que serão desenvolvidas para o problema proposto. Posteriormente, na Seção 4 encontra-se a metodologia que está sendo utilizada na pesquisa, bem como o cronograma do andamento das atividades e a previsão de término para as atividades pendentes. 2. Trabalhos Relacionados Há diversas pesquisas que tratam da especificação, representação e raciocínio com preferências. Em [Doyle and Wellman 1994], é introduzida uma representação de preferências utilizando a semântica ceteris paribus para comparar dois objetos que diferem em apenas um atributo. Nos trabalhos de [Boutilier et al. 2004a, Boutilier et al. 1999] foi proposta uma ferramenta para representar preferências de forma qualitativa sobre objetos com o uso de grafos, chamada CP-net. O formalismo por trás dessa ferramenta mantém a semântica ceteris paribus e acrescenta o conceito de dependência preferencial em que a preferência sobre um atributo é influenciada pelo valor de outro atributo. Ainda nesses trabalhos, são propostos algoritmos e técnicas para comparação e otimização de objetos. Em [Boutilier et al. 2004b] foi apresentado um algoritmo para obter os melhores objetos considerando um conjunto de restrições. Já em [Brafman et al. 2006a] é descrita a criação de uma extensão de CP-net, chamada de TCP-net que leva em consideração a importância absoluta ou relativa. Uma forma de trabalhar com preferências entre conjuntos de objetos foi desenvolvida por [Brafman et al. 2006b], onde se relata como reduzir uma especificação de preferências sobre conjuntos de objetos para uma especificação de preferências sobre objetos simples e um algoritmo para otimização de subconjuntos de objetos. Em [Kießling and Köstler 2002] foi desenvolvida a linguagem Preference SQL, que é uma extensão da linguagem SQL que suporta instruções de preferências. E, posteriormente, em [Endres and Kießling 2006] é tratado o problema de como transformar o formalismo lógico das TCP-nets em consultas na linguagem Preference SQL. Em [Wilson 2004] é definida uma linguagem lógica que permite expressar preferências mais genéricas do que aquelas tratadas pelas TCP-nets. A representação de preferências é feita através de regras de preferências condicionais no formato u : x > x [W ], onde u é uma condição, x > x denota a preferência do valor x sobre x e [W ] é um conjunto de variáveis que não são consideradas. O exemplo 2 mostra como é representado um conjunto de preferências. Outra importante contribuição desse trabalho foi a especificação de um algoritmo para obter os melhores objetos dado um conjunto de instruções, esse algoritmo é apresentado com maiores detalhes na seção 3.1. Exemplo 2 Supondo as seguintes preferências especificadas por um usuário sobre atributos musicais: 1) Gênero (G) Country (c) é melhor do que gênero Pop (p). 2) Se a música for Country prefere-se Ritmo (R) agitado (a) a ritmo tranqüilo (t), se a música for Pop prefere-se o contrário 3) Para músicas Country uma duração (D) longa (l) é melhor do que uma duração breve (b), caso contrário uma duração breve é melhor do que uma duração longa. Essas preferências podem ser representadas pelas seguintes instruções: 1): (G = c) > (G = p); 2)(G = c) : (R = a) > (R = t), (G = p) : (R = t) > (R = a); 3)(G = c) : (D = l) > (D = b), (G = p) : (D = b) > (D = l). Em [de Amo and Giacometti 2007] o trabalho de [Wilson 2004] foi estendido para suportar preferências temporais, dando origem a linguagem TPref. A representação de preferências na linguagem TPref é feita por um conjunto de regras de preferências condicionais temporais no formato u (X = x) > (X = x ), onde u é uma condição temporal e

4 (X = x) > (X = x ) indica que o valor x é preferido ao valor x para a variável X. A condição temporal é uma fórmula que utiliza um fragmento da Lógica Temporal Proposicional (LTP) [Prior 1967] e além dos operadores comuns a (LTP) como, e possui operadores de tempo como: 1) P REV F, o objeto na posição anterior satisfaz a fórmula F ; 2) F, todos os objetos das posições anteriores satisfazem a fórmula F ; 3) F, existe um objeto em uma posição anterior que satisfaz a fórmula F. Onde F é uma fórmula, podendo ser true, false, (X = x) ou uma combinação usando os operadores, e. O exemplo 3 exibe instruções de preferências temporais utilizando a linguagem TPref. Exemplo 3 Para as preferências sobre uma lista de músicas especificadas no exemplo 1, as preferências temporais podem ser representadas pelo conjunto de fórmulas na linguagem TPref: 1) ϕ 1 : (G = c) (D = l) > (D = b), ϕ 2 : (G = p) (D = b) > (D = l); 2) ϕ 3 : F IRST (G = c) > (G = p); 3) ϕ 4 : P REV (G = p) (G = c) > (G = p), ϕ 5 : P REV (G = c) (G = p) > (G = c). Também em [de Amo and Giacometti 2007] foram especificados operadores de tempo futuro que não serão explorados nesse trabalho e um algoritmo para obtenção das seqüências ótimas a partir de um conjunto de regras na linguagem TPref que é apresentado com mais detalhes na seção Descrição do Trabalho Os principais objetivos desse trabalho são: 1) Desenvolver algoritmos de otimização baseados em preferências temporais. 2) Definir uma álgebra relacional com operadores para tratar preferências temporais. 3) Propor e implementar algoritmos para executar os operadores definidos. 4) Especificar uma linguagem de consulta para bancos de dados com suporte a preferências temporais. Nas subseções que se seguem serão apresentados maiores detalhes sobre cada um desses objetivos 3.1. Algoritmos de Otimização Uma das tarefas mais importantes no tratamento de preferências temporais é a obtenção de uma seqüência ótima de objetos ou de um conjunto de seqüências ótimas de objetos. Para realizar esse tipo de tarefa foram implementados os algoritmos BestObj baseado no trabalho [Wilson 2004] e o algoritmo BestSeq baseado no trabalho de [de Amo and Giacometti 2007]. Na implementação desses algoritmos foi acrescido o tratamento de restrições, dessa forma as restrições são consideradas no momento de se obter os melhores objetos ou as melhores seqüências e não após obtê-los trazendo um considerável ganho de performance. Por exemplo, se há uma restrição para uma determinada posição da seqüência todas as melhores seqüências já possuem essa restrição e não é necessário filtrar as seqüências ótimas para depois aplicar essa restrição. O algoritmo BestObj utiliza um grafo de dependência preferencial para ordenar as variáveis, atribui o melhor valor para as variáveis não dominadas e em seguida realiza atribuições para as variáveis dominadas que possuam todas suas variáveis dominantes já atribuidas. O grafo de dependência preferencial possui um vértice para cada variável e uma aresta (X, Y ) se X está presente na condição preferencial da variável Y, a ordenação das variáveis pelo algoritmo obedece a direção das arestas do grafo, iniciando-se pelas variáveis pais. Uma variável X não é dominada por Y se não existe uma aresta (Y, X) no grafo de dependência preferencial, caso exista a aresta (Y, X) então X é a dominada por Y que por sua vez é a variável dominante. O exemplo 4 descreve a execução do algoritmo BestObj. Exemplo 4 Para as preferências do exemplo 2 o grafo de dependência preferencial é exibido na figura 1(a) e a execução do algoritmo BestObj na figura 1(b). No passo 2 a única variável não dominada é G e no passo 3 as variáveis R e D podem ser atribuídas pois sua variável dominante G já foi atribuída.

5 O algoritmo BestSeq busca as seqüências de objetos que melhor atendam a um conjunto de preferências temporais e trabalha de forma incremental, isto é, uma seqüência ótima de tamanho k + 1 é construída a partir de uma seqüência ótima de tamanho k, o algoritmo recebe como entrada também o tamanho desejado das seqüências. A cada passo considera-se as preferências relacionadas a posição atual da seqüência e utiliza-se o algoritmo BestObj para encontrar o melhor objeto para essa posição. Uma possível execução do algoritmo BestSeq pode ser vista no exemplo 5. Exemplo 5 Para o conjunto de preferências temporais do exemplo 3 e o tamanho das seqüências igual três pode-se ter uma execução do BestSeq como exibido na figura 1(c). As regras ϕ 1 e ϕ 2 são consideradas em todas as posições, pois não possuem operadores temporais, a demais regras analisadas de acordo com a seqüência construída até a posição atual e são consideradas quando a condição temporal se torna verdadeira. G R D (a) 1) Variáveis ordenadas: G, R, D 2) Atribuição: G = c 3) Atribuição: R = a, D = l 4) Melhores Objetos: (G = c, R = a, D = l) (b) Figura 1. Execução dos Algoritmos Posição 1: ϕ 1, ϕ 2, ϕ 3 < (G = c, D = l) > Posição 2: ϕ 1, ϕ 2, ϕ 5 < (G = c, D = l), (G = p, D = b) > Posição 3: ϕ 1, ϕ 2, ϕ 4 < (G = c, D = l), (G = p, D = b), (G = c, D = l) > (c) 3.2. Álgebra Relacional A linguagem de consulta proposta deve ser fundamentada em uma álgebra relacional. Portanto será definida uma álgebra relacional contendo um conjunto de operadores suficiente para a obtenção da melhor seqüência ou do conjunto com as melhores seqüências a partir de uma relação em um banco de dados considerando um conjunto de preferências temporais dadas Incorporação de Preferências Temporais a Consultas de Bancos de Dados Para se trabalhar com um grande volume de objetos a utilização de bancos de dados é crucial. De posse da álgebra relacional definida com os novos operadores será especificada a linguagem TPref-SQL. A especificação de tal linguagem permitirá a formulação de consultas que incluam preferências temporais como é mostrado no exemplo 6. Exemplo 6 Voltando ao exemplo da lista de música, o conjunto de preferências especificado anteriormente pode ser expressado pela seguinte consulta com o objetivo de obter a seqüência de músicas ótima: SELECT BESTSEQ(N) * FROM MUSICAS PREFER ((IF GENERO = country THEN DURACAO = longa > DURACAO = breve ) AND (IF GENERO = pop THEN DURACAO = breve > DURACAO = longa ) AND (IF PREV false THEN GENERO = country > GENERO = pop ) AND (IF PREV GENERO = pop THEN GENERO = country > GENERO = pop ) AND (IF (PREV GENERO = country AND DURACAO= breve ) THEN GENERO = country > GENERO = pop )) Onde N é o comprimento da seqüência e a tabela MUSICAS contém as músicas que devem aparecer nas seqüências. Esse tipo de consulta poderá ser criada diretamente por um usuário ou gerada por uma interface para fins de facilidade. 4. Metodologia e Estado da Pesquisa Este projeto será conduzido em etapas que podem ser descritas de forma geral como se segue: 1. Pesquisa bibliográfica sobre trabalhos relacionados a especificação, representação e raciocínio com preferências, linguagens de consulta para bancos de dados e métodos para incorporar instruções de preferências em linguagens de consulta para bancos de dados.

6 2. Seminários para entendimento do cenário do problema a ser tratado. 3. Desenvolvimento dos algoritmos de otimização para preferências temporais. 4. Definição de uma álgebra relacional com novos operadores capazes de tratar preferências temporais. 5. Implementação de protótipo que execute os novos operadores definidos pela álgebra relacional. 6. Especificação de uma linguagem de consultas para banco de dados com suporte a preferências temporais. 7. Redação da dissertação e conclusão do trabalho Cronograma do Trabalho até a Defesa A tabela 1 exibe o cronograma com os semestres previstos para a realização de cada etapa. No momento, a etapa 3 foi concluída e a etapa 4 está sendo executada. Etapas 2/2006 1/2007 2/2007 1/2008 Etapas 2/2006 1/2007 2/2007 1/2008 Etapa 1 X Etapa 5 X Etapa 2 X Etapa 6 X Etapa 3 X Etapa 7 X Etapa 4 X Tabela 1. Cronograma semestral com as etapas do trabalho 5. Trabalhos Futuros Como perspectivas para trabalhos futuros pode-se considerar o tratamento de operadores de tempo futuro da linguagem TPref, desenvolvimento de algoritmos para testes de dominância (comparação de seqüências) e a implementação de um protótipo para a linguagem TPref-SQL. Referências Boutilier, C., Brafman, R. I., Domshlak, C., Hoos, H. H., and Poole, D. (2004a). Cp-nets: A tool for representing and reasoning with conditional ceteris paribus preference statements. Journal of Artificial Intelligence Reasearch (JAIR), 21: Boutilier, C., Brafman, R. I., Domshlak, C., Hoos, H. H., and Poole, D. (2004b). Preference-based constrained optimization with cp-nets. Computational Intelligence, 20(2): Boutilier, C., Brafman, R. I., Hoos, H. H., and Poole, D. (1999). Reasoning with conditional ceteris paribus preference statements. In Proceedings of the 15th Annual Conference on Uncertainty in Artificial Intelligence (UAI), pages Morgan Kaufmann Publishers. Brafman, R. I., Domshlak, C., and Shimony, S. E. (2006a). On graphical modeling of preference and importance. Journal of Artificial Intelligence Research (JAIR), 25: Brafman, R. I., Domshlak, C., Shimony, S. E., and Silver, Y. (2006b). Preferences over sets. In Proceedings of the 21st National Conference on Artificial Intelligence (AAAI). AAAI Press. de Amo, S. and Giacometti, A. (2007). Temporal conditional preferences over sequences of objects. In 19th IEEE International Conference on Tools with Artificial Intelligence. Doyle, J. and Wellman, M. P. (1994). Representing preferences as ceteris paribus comparatives. In Proceedings of the AAAI Spring Symposium on Decision-Theoretic Planning, pages Endres, M. and Kießling, W. (2006). Transformation of tcp-net queries into preference database queries. In Proceedings of the Multidisciplinary Workshop on Advances in Preference Handling, pages Kießling, W. and Köstler, G. (2002). Preference sql - design, implementation, experiences. In Proceedings of 28th International Conference on Very Large Data Bases (VLDB), pages Prior, A. N. (1967). Past, Present and Future. Oxford University Press. Wilson, N. (2004). Extending cp-nets with stronger conditional preference statements. In Proceedings of the 19th National Conference on Artificial Intelligence (AAAI 2004), pages AAAI Press.

TPref-SQL, uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais

TPref-SQL, uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais TPref-SQL, uma linguagem de consultas para bancos de dados com suporte a preferências temporais Autor: Marcos Roberto Ribeiro 1, Orientadora: Sandra Aparecida de Amo 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência

Leia mais

CPrefSQL-Tool: Uma Ferramenta Web para Consultas com Suporte a Contextos e Preferências do Usuário

CPrefSQL-Tool: Uma Ferramenta Web para Consultas com Suporte a Contextos e Preferências do Usuário CPrefSQL-Tool: Uma Ferramenta Web para Consultas com Suporte a Contextos e Preferências do Usuário Vinicius V. S. Dias 1, Sandra de Amo 1 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Nos últimos anos, diversas áreas modernas de aplicação de banco de dados como comércio eletrônico e sistemas multimídia, estão lidando com o desafio

Nos últimos anos, diversas áreas modernas de aplicação de banco de dados como comércio eletrônico e sistemas multimídia, estão lidando com o desafio Implementação de uma Linguagem de Consulta com Suporte a Preferências Condicionais Aluna: Fabíola S. F. Pereira 1, Orientadora: Sandra de Amo 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

UMA PROPOSTA DE PERSONALIZAÇÃO DE CONSULTAS EM DOCUMENTOS XML BASEADA EM PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS

UMA PROPOSTA DE PERSONALIZAÇÃO DE CONSULTAS EM DOCUMENTOS XML BASEADA EM PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UMA PROPOSTA DE PERSONALIZAÇÃO DE CONSULTAS EM DOCUMENTOS XML BASEADA EM PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS ANGÉLICA

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Mineração de Preferências em Data Streams

Mineração de Preferências em Data Streams Mineração de Preferências em Data Streams Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Uberlândia Aluna: Jaqueline Aparecida Jorge Papini jaque@comp.ufu.br Orientadora:

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE REGRAS DE PREFERÊNCIAS TEMPORAIS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE REGRAS DE PREFERÊNCIAS TEMPORAIS 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE REGRAS DE PREFERÊNCIAS TEMPORAIS Rafael Dias Araújo 1, Sandra Aparecida de Amo 2 Abstract: Based on temporal preferences language TPrefSQL, which is under development,

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br 04/08/2012. Aula 7. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 7 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Aprender sobre a modelagem lógica dos dados. Conhecer os

Leia mais

Problemas de Satisfação de Restrições

Problemas de Satisfação de Restrições Problemas de Satisfação de Restrições Texto base: Stuart Russel e Peter Norving - Inteligência Artificial David Poole, Alan Mackworth e Randy Goebel - Computational Intelligence A logical approach junho/2007

Leia mais

OWLPref: Uma Representação Declarativa de Preferências para Web Semântica

OWLPref: Uma Representação Declarativa de Preferências para Web Semântica OWLPref: Uma Representação Declarativa de Preferências para Web Semântica Leonardo Ayres, Vasco Furtado Mestrado em Informática Aplicada Universidade de Fortaleza (UNIFOR) Av. Washington Soares, 1321,

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

Sistemas especialistas

Sistemas especialistas Sistemas especialistas Motor de Inferência para Sistemas Especialistas baseados em Regras de Produção Arquitetura geral: Base de conhecimento Mecanismo de raciocínio Interface com o usuário Motor de inferência

Leia mais

Objetos Móveis. Clodoveu Davis

Objetos Móveis. Clodoveu Davis Objetos Móveis Clodoveu Davis Objetos Móveis em SIET Referências fundamentais Güting, R. H., Böhlen, M. H., Erwig, M., Jensen, C. S., Lorentzos, N., Nardelli, E., Schneider, M., Viqueira, J. R. R. Spatio-temporal

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

IA: Problemas de Satisfação de Restrições. Prof. Msc. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA: Problemas de Satisfação de Restrições. Prof. Msc. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA: Problemas de Satisfação de Restrições Prof. Msc. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Introdução Um PSR é definido por um conjunto de variáveis X 1, X 2,..., X n, e por um conjunto de restrições,

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

INE 5336 Banco de Dados II

INE 5336 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5336 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2008/2 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5336 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Álgebra Relacional. OBS: as operações Seleção e Projeção são operações unárias porque atuam em relações únicas.

Álgebra Relacional. OBS: as operações Seleção e Projeção são operações unárias porque atuam em relações únicas. Álgebra Relacional Álgebra Relacional é o conjunto básico de operações para o Modelo Relacional. Essas operações permitem a um usuário especificar as solicitações básicas de recuperação. O resultado de

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

INE 5432 Banco de Dados II

INE 5432 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Ciências da Computação INE 5432 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2010/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5432 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática Regulamento do Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática (Ciclo integrado de estudos superiores) (Registado na DGES através do n.º R/A-Cr 21/2013) Artigo 1.º Regulamento geral aplicável O Curso

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC por Helcio Wagner da Silva Introdução RISC = Reduced Instruction Set Computer Elementos básicos: Grande número de registradores de propósito geral ou uso

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Fabíola S. Fernandes, Sandra de Amo

Fabíola S. Fernandes, Sandra de Amo Implementação de uma Linguagem de Consulta com Suporte a Preferências Condicionais Fabíola S. Fernandes, Sandra de Amo UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MOTIVAÇÃO

Leia mais

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS

GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS GUILHERME STUTZ TÖWS ANIMAÇÃO DE ALGORITMOS Trabalho de graduação do Curso de Ciência da Computação do Setor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Paraná. Professor: André Luiz Pires Guedes CURITIBA

Leia mais

INE 5616 Banco de Dados II

INE 5616 Banco de Dados II UFSC-CTC-INE Curso de Sistemas de Informação INE 5616 Banco de Dados II Ronaldo S. Mello 2011/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5616 Programa da Disciplina Objetivo Conteúdo Avaliação Bibliografia Cronograma

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento.

Roteiro. Modelo de Dados Relacional. Processo de Projeto de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento. Roteiro Modelo de Dados Relacional Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina

(Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Verificação de Modelos (Model Checking) Estes slides são baseados nas notas de aula da Profa. Corina Cîrstea Lista de Leitura para a Parte Teórica M. Huth and M. Ryan, Logic in Computer Science Modelling

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD. define um conjunto de conceitos para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo.

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo. Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 8 ARRAYS Introdução Até agora, utilizamos variáveis individuais. Significa que uma variável objeto

Leia mais

MINERAÇÃO DE PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS

MINERAÇÃO DE PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MINERAÇÃO DE PREFERÊNCIAS CONDICIONAIS NÁDIA FÉLIX FELIPE DA SILVA Uberlândia -

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Sloan School of Management 15.565 INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: FATORES TECNOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E ORGANIZACIONAIS Panorama Funcional CP0 -- INTRODUÇÃO AO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

ARQUITETURA DE UM SISTEMA SPATIO-TEXTUAL. PALAVRAS-CHAVE: banco de dados espaciais, busca spatio-textual. aplicativo.

ARQUITETURA DE UM SISTEMA SPATIO-TEXTUAL. PALAVRAS-CHAVE: banco de dados espaciais, busca spatio-textual. aplicativo. ARQUITETURA DE UM SISTEMA SPATIO-TEXTUAL Fellipe de Lima Fonseca 1 ; João Batista Rocha-Junior 2 1. Bolsista CNPq, Graduando em Engenharia de Computação, Universidade Estadual de Feira de Santana, e-mail:

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

Problemas de Satisfação de Restrições

Problemas de Satisfação de Restrições Computação Inteligente Problemas de Satisfação de Restrições Lucas Augusto Carvalho Mestrado em Ciência da Computação 2011.1 DCOMP - Universidade Federal de Sergipe 1 Conteúdo Problemas de Satisfação de

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Bacharelado em Engenharia de Software Campus Quixadá A COORDENAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE da UFC em Quixadá, no uso de suas atribuições

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Reconhecimento de entidades nomeadas em textos em português do Brasil no domínio do e-commerce

Reconhecimento de entidades nomeadas em textos em português do Brasil no domínio do e-commerce Reconhecimento de entidades nomeadas em textos em português do Brasil no domínio do e-commerce Lucas Hochleitner da Silva 1,2, Helena de Medeiros Caseli 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Abril de 2006 Prova sem consulta duas horas de duração 1. Projete uma base de dados relacional para armazenar dados sobre pessoas

Leia mais

Thiago Hernandes de Souza

Thiago Hernandes de Souza Thiago Hernandes de Souza SQL Avançado e Teoria Relacional Copyright Editora Ciência Moderna Ltda., 2013 Todos os direitos para a língua portuguesa reservados pela EDITORA CIÊNCIA MODERNA LTDA. De acordo

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS AVALIAÇÃO COMPARATIVA DE ALGORITMOS PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO EM MÚLTIPLOS DOMÍNIOS: MODELOS INTERPRETÁVEIS APLICADOS A DADOS EDUCACIONAIS Hugo Marques Casarini Faculdade de Engenharia de Computação

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Identificação de Interesses Transversais: Uma Visão Geral

Identificação de Interesses Transversais: Uma Visão Geral Identificação de Interesses Transversais: Uma Visão Geral Paulo Afonso Parreira Júnior paulojunior@jatai.ufg.br 24 de Maio de 2013 Agenda Breve Histórico sobre Desenvolvimento de Software Separação de

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro SQL, SQL3 e OQL são linguagens declarativas O SGBD deve processar e otimizar estas consultas antes delas serem efetivamente executadas Uma consulta possui muitas estratégias

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Contagem. Prof. Dr. Leandro Balby Marinho. Matemática Discreta. Fundamentos Inclusão/Exclusão Princípio da Casa dos Pombos Permutações Combinações

Contagem. Prof. Dr. Leandro Balby Marinho. Matemática Discreta. Fundamentos Inclusão/Exclusão Princípio da Casa dos Pombos Permutações Combinações Contagem Prof. Dr. Leandro Balby Marinho Matemática Discreta Prof. Dr. Leandro Balby Marinho 1 / 39 UFCG CEEI Motivação Contagem e combinatória são partes importantes da matemática discreta. Se resumem

Leia mais

Gerenciamento de Workflows Científicos em Bioinformática

Gerenciamento de Workflows Científicos em Bioinformática Gerenciamento de Workflows Científicos em Bioinformática Agosto de 2007 Estudante: Orientador: Co-orientadora: Luciano Antonio Digiampietri João Carlos Setubal Claudia Bauzer Medeiros Roteiro Introdução

Leia mais

Um Método Probabilístico para o Preenchimento Automático de Formulários Web a partir de Textos Ricos em Dados

Um Método Probabilístico para o Preenchimento Automático de Formulários Web a partir de Textos Ricos em Dados Um Método Probabilístico para o Preenchimento Automático de Formulários Web a partir de Textos Ricos em Dados Guilherme Alves Toda 1, Altigran Soares da Silva (Orientador) 1 1 Departamento de Ciência da

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System Fábio Meira de O. Dias, Marcelo Tílio M. Carvalho TecGraf PUC-Rio Tópicos Introdução Planos de emergência Linguagem de definição de planos

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais