Valor presente, taxas de desconto e reconhecimento de ativos passivos. António Martins 16 Março 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valor presente, taxas de desconto e reconhecimento de ativos passivos. António Martins 16 Março 2012"

Transcrição

1 Valor presente, taxas de desconto e reconhecimento de ativos passivos António Martins 16 Março

2 TÓPICOS A ABORDAR 1. NCRF e valor presente: alguns exemplos 2. Literatura financeira, taxas de desconto e risco 3. Vantagens e desvantagens do valor presente 4. Exemplos sobre o procedimento de algumas empresas 5.Excertos de Insights into IFRS : algumas notas práticas sobre taxas de desconto 6.Custo amortizado e momento de reconhecimento de perda potencial: mais juízos de valor? 7. Reflexão final 2

3 1. NCRF e valor presente: alguns exemplos 3

4 NCRF 11 PROP INV. 48 Na ausência de preços correntes num mercado activo do género descrito no parágrafo 47, uma entidade considera a informação proveniente de uma variedade de fontes, incluindo: (a) Preços correntes num mercado activo de propriedades de diferente natureza, condição ou localização (ou sujeitas a diferentes locações ou outros contratos), ajustados para reflectir essas diferenças; (b) Preços recentes de propriedades semelhantes em mercados menos activos, com ajustamentos para reflectir quaisquer alterações nas condições económicas desde a data das transacções que ocorreram a esses preços; e (c) Projecções de fluxos de caixa descontados com base em estimativas fiáveis de futuros fluxos de caixa, suportadas pelos termos de qualquer locação e de outros contratos existentes e (quando possível) por evidência externa tal como rendas correntes de mercado de propriedades semelhantes no mesmo local e condição, e usando taxas de desconto que reflictam avaliações correntes de mercado quanto à incerteza na quantia e tempestividade dos fluxos de caixa. 4

5 Valor de uso (parágrafos 16 a 27) NCRF 12 IMPARIDADE 16 Os seguintes elementos devem ser reflectidos no cálculo do valor de uso de um activo: (a) Uma estimativa dos fluxos de caixa futuros que a entidade espera obter do activo; (b) Expectativas acerca das possíveis variações na quantia ou na tempestividade desses fluxos de caixa futuros; (c) O valor temporal do dinheiro, representado pela taxa corrente de juro sem risco de mercado; (d) O preço de suportar a incerteza inerente ao activo; e (e) Outros factores, tais como a falta de liquidez, que os participantes do mercado reflectissem no apreçamento dos fluxos de caixa futuros que a entidade espera obter do activo. 5

6 Taxa de desconto (parágrafos 25 a 27) NCRF 12 IMPARIDADE 25 A(s) taxa(s) de desconto deve(m) ser a(s) taxa(s) antes de impostos que reflicta(m) as avaliações correntes de mercado sobre: (a) O valor temporal do dinheiro; e (b) Os riscos específicos para o activo em relação aos quais as estimativas de fluxos de caixa futuros não tenham sido ajustadas. 26 Uma taxa que reflicta as avaliações correntes de mercado do valor temporal do dinheiro e dos riscos específicos para o activo é o retorno que os investidores exigiriam se fossem eles a escolher um investimento que gerasse fluxos de caixa de quantias, tempestividade e perfil de risco equivalentes às que a entidade espera obter do activo. Esta taxa é estimada a partir da taxa implícita nas transacções correntes de mercado para activos semelhantes ou a partir do custo médio ponderado do capital de uma entidade cotada em bolsa que tenha um único activo (ou uma carteira de activos) semelhante em termos de potencial de serviço e de riscos para o activo em causa. 6

7 Contudo, a(s) taxa(s) de desconto usada(s) para mensurar o valor de uso de um activo não deve(m) reflectir os riscos em relação aos quais as estimativas de fluxos de caixa futuros tenham sido ajustadas. De outro modo, o efeito de alguns pressupostos será tido em consideração duas vezes. 27 Quando uma taxa de um activo específico não estiver directamente disponível no mercado, uma entidade usa substitutos para estimar a taxa de desconto. 7

8 NCRF 13 INV EM ASSOCIADAS 51 Tendo aplicado o método da equivalência patrimonial e reconhecido as perdas da associada de acordo com o parágrafo 49, o investidor deve determinar se é necessário reconhecer qualquer perda por imparidade adicional com respeito ao conjunto de interesses na associada. 52 Dado que o goodwill incluído na quantia escriturada de um investimento numa associada não é reconhecido separadamente, a totalidade da quantia escriturada do investimento é testada quanto a imparidade segundo a NCRF 12 Imparidade de Activos, comparando a sua quantia recuperável (o mais elevado entre valor de uso e justo valor, menos os custos de vender) com a sua quantia escriturada. Ao determinar o valor de uso do investimento, uma entidade estima: (a) A sua parte no valor presente dos futuros fluxos de caixa estimados que se espera que venham a ser gerados pela associada, incluindo os fluxos de caixa das operações da associada e os proventos da alienação final do investimento; ou (b) O valor presente dos futuros fluxos de caixa estimados que se espera que surjam de dividendos a serem recebidos do investimento e da sua alienação final. 8

9 NCRF 21 PROVISÕES Acontecimentos futuros (parágrafos 48 a 50feita de acordo com o parágrafo 82(b). Valor presente (parágrafos 45 a 47) 45 Quando o efeito do valor temporal do dinheiro for material, a quantia de uma provisão deve ser o valor presente dos dispêndios que se espera que sejam necessários para liquidar a obrigação. 47 A taxa (ou taxas) de desconto deve(m) ser uma taxa (ou taxas) antes dos pré impostos que reflicta(m) as avaliações correntes de mercado do valor temporal do dinheiro e dos riscos específicos do passivo. A(s) taxa(s) de desconto não devem reflectir riscos relativamente aos quais as estimativas dos fluxos de caixa futuros tenham sido ajustados. 9

10 2. Literatura financeira e taxas de desconto, e risco 10

11 VP FC1 (1 k) FC2 (1 k) 2... VP valor presente ou descontado FC Fluxo de caixa estimado K Taxa de desconto Assim: 1 Ajustamento relativo ao risco nos fluxos de caixa estimados. 2 Ajustamento relativo ao risco na taxa de desconto 11

12 1 Ajustamento nos fluxos de caixa: A designada abordagem pelo fluxo de caixa esperado, constante da Norma Interpretativa 2, do Aviso 15653/ Ao desenvolver uma mensuração, a abordagem pelo fluxo de caixa esperado usa todas as expectativas possíveis acerca dos fluxos de caixa em vez do fluxo de caixa singular mais provável. Por exemplo, um fluxo de caixa pode corresponder a 100 UM, 200 UM ou 300 UM com probabilidades de 10 %, 60 % e 30 %, respectivamente. O fluxo de caixa esperado é de 220 UM. A abordagem pelo fluxo de caixa esperado difere assim da abordagem tradicional ao focar a análise directa dos fluxos de caixa em questão e em demonstrações mais explícitas dos pressupostos usados na mensuração. 12

13 2 Ajustamento pela taxa de desconto: Modelos ou modos de quantificação: CAPM (Capital asset pricing model, modelo de valorização de activos financeiros) teoria financeira Surveys (inquéritos a executivos sobre que taxas utilizam) Rules of thumb (regras práticas que a experiência mostra serem seguidas habitualmente) 13

14 A TEORIA FINANCEIRA ALFA SA, cotada PSI 20 EXPANSÃO 3% 2,5% DEPRESSÃO - 2% - 1% Rend. ALFA (%) Rend. PSI 20 (%) -15 cov( R i, 2 Rm) ( Rm) 14

15 > 1 Risco do investimento > risco do mercado Se beta = 1,4, significa que quando o mercado varia 1%, o título varia 1,4%, (para mais ou para menos). 15

16 Do CAPM resulta que: K = rf + (rm rf) K taxa de desconto Rf taxa de remuneração dos activos sem risco beta risco relativo de um activo financeiro face ao risco do mercado (rm rf) remuneração adicional ( prémio de risco) que um investidor que adquiriu uma carteira representativa do mercado( S&P, DAX, etc) prevê obter (rm) face a um investidor que adquiriu um activo financeiro sem risco (rf) 16

17 Questões: 1 Aplicável a activos com cotações 2 Estimação de BETA: dados históricos semanais, diários, mensais, e que horizonte temporal histórico a usar (1 ano, 2 anos, 10 anos ) 3 BETA previsional igual ao BETA histórico? 4 O que representa Rf ( taxa de retorno das aplicações sem risco)? 17

18 Prémios de risco nos EUA (rm rf) nos EUA, segundo cálculos de A. Damodaran, observados em damodaram.com, em 2012 Arithmetic Average Geometric Average Stocks - T. Bills Stocks - T. Bonds Stocks - T. Bills Stocks - T. Bonds ,55% 5,79% 5,62% 4,10% ,38% 3,36% 4,02% 2,35% ,12% -1,92% 1,08% -3,61% Fonte A. Damodaran, 2008, p.24 18

19 Uma outra abordagem: o prémio de risco implícito Lógica inerente: observada a cotação em N, e supondo uma taxa de crescimento dos fluxos de caixa igual à prevista para o PIB, que taxa de desconto faz equivaler a cotação atual aos valor presente dos fluxos de caixa? Ou seja, temos VP, e FC, e queremos calcular K. Vejam se as estimativas, para os EUA, de Damodaran ,62% ,10% ,69% ,65% ,08% ,16% ,37% ,43% ,36% ,20% ,04% 19

20 Usando uma taxa de desconto em que o prémio de risco seja apurado a partir de dados históricos ( BETA) ou implícitos (prémio implícito), que problemas práticos se deparam no cálculo do valor presente? Exos: no cálculo do valor de uso de um ativo, ao quantificar uma imparidade ou no cálculo de valor de uso de um ativo biológico ou no cálculo do valor actual dos dividendos esperados de uma participada ao apurar uma imparidade num investimento reconhecido pelo MEP 20

21 Valor durante o período explícito de previsão = de cash flows (V 1 ) + Valor de perpetuidade após o primeiro período (V 2 ) V = v 1 + v 2 21

22 V 1 n t 1 CFt (1 k) t V 2 CF n 1 k g (1 k) n 22

23 Exemplo: para um ativo ou conjunto de ativos estima se: FC1= FC2= FC 3: De t3 em diante: K= 3,5% + 5% G= 1,5% VP= Se : K= 4% +6,5% G= 2,5% VP= Caso a quantia escriturada seja , haverá imparidade ou não consoante as hipótese assumidas. A teoria financeira tem forma de negar validade a um cenário (K e G) e suportar outro? 23

24 BETA capta todo o risco? Não. Risco de mercado versus risco específico K= rf + pr1+ pr2(?) 24

25 Não existe prova empírica concludente e consensual de que a variabilidade das taxas de retorno de ativos financeiros seja explicável por variáveis como : beta, ratio valor de mercado/valor contabilístico (market to book ratio). Mais de 95% de todas as empresas das América Latina são micro, pequenas ou médias. Assim, é muito improvável encontrar investidores diversificados entre os seus proprietários. Eles estão expostos ao risco de mercado, mas também a riscos específicos. In, Fuenzalida e Mongrut, Estimation of discount rates in Latin America: empirical evidence and challenges, Journal of Economics, Finance and Administrative Science, 15,

26 O universo empresarial português e a dimensão das empresas 26

27 3. Vantagens e desvantagens do valor presente: uma visão pessoal 27

28 VANTAGENS: Informação mais completa Possibilidade de analisar pressupostos e avaliar da sua razoabilidade Maior aderência das demonstrações financeiras à racionalidade subjacente à teoria financeira tradicional Tem subjacente o modelo do justo valor: se se entender que esse é o objetivo e paradigma da informação contabilística DESVANTAGENS Maior possibilidade de manipulação ( cláusulas em contratos de dívida, remuneração, dividendos, reestruturações) Possível ausência de informação, em especial nas PME Complexidade técnica Aumenta a separação entre resultado contabilístico e fiscal relevância versus fiabilidade 28

29 4. Exemplos de procedimentos de algumas empresas 29

30 Nos testes realizados, o valor recuperável de cada grupo de unidades geradoras de caixa e comparado com o respetivo valor contabilístico. Uma perda por imparidade apenas e reconhecida no caso do valor contabilístico exceder o maior valor de entre o valor de uso e o valor realizável liquido. No valor de uso os fluxos de caixa, apos impacto fiscal, são descontados com base no custo medio ponderado do capital depois de impostos ( WACC ), ajustado pelos riscos específicos de cada mercado. As projeções de fluxos de caixa baseiam se nos planos de negocio a medio e longo prazo, aprovados pelo Conselho de Administração, prolongadas de uma perpetuidade. RC 2010; CIMPOR 30

31 RC Cimpor 2010 Imparidades em goodwill País Taxa de desconto (K = WACC) Taxa de crescimento de longo prazo (g) Portugal 7,1% 1,4% Turquia 10,0% 4% Moçambique 11,1% 2,5% Índia 8,9% 3,0% 31

32 Foram efetuados testes de imparidade para a generalidade das empresas que justificam o valor do goodwill, com base nas projeções dos cash-flows futuros descontados, não tendo daí decorrido qualquer perda de valor. Nos referidos testes foram utilizados os seguintes pressupostos: WACC 9,30% OT 10 anos 4,39% prémio de risco 5,00% Nos testes a empresas situadas em países considerados de risco, o prémio de risco foi acrescido, em média, em 3%. RC EFACEC;

33 Uma caso hipotético sobre risco e valor presente: Uma média empresa (ALFA SA) não cotada vende aparelhos de segurança doméstica. Um seu cliente, alegando quebra de um contrato de fornecimento por parte de ALFA, move um processo judicial, e pede indemnização de 20 milhões de euro. Supondo cumpridos os requisitos da NCRF 21 para o reconhecimento de uma provisão, e admitindo o desfecho judicial em 2017, como mensurar a provisão? Hipótese 1: Introduzindo nos fluxos de caixa o fator risco. Ou seja, probabilizando os desfechos, e usando uma taxa de desconto na qual o risco já não entraria (rf). Ex: 4%, como eventual taxa das obrigações a 5 anos de um país com rating AAA. Ou a taxa de juro de um empréstimo a médio prazo cobrada por um banco a empresa com muito baixo risco. 33

34 Hipótese 2. Admitindo o risco na taxa de desconto, que taxa usar? A) Taxa que representa o custo de oportunidade do capital próprio? A.1 Sem risco específico: Ex: 4%+ 5% = 9% A.2 Incluindo risco específico (da empresa ou do passivo)? A norma refere o do passivo O que é um risco específico de uma provisão? A taxa (ou taxas) de desconto deve(m) ser uma taxa (ou taxas) antes dos pré impostos que reflicta(m) as avaliações correntes de mercado do valor temporal do dinheiro e dos riscos específicos do passivo Ex: 4%+? =?% (O risco específico representa a variabilidade ( volatilidade, desvio padrão) dos dos valores da obrigação a suportar futuramente. Como se mede? Prospectivamente ou pela extrapolação de uma média histórica. Teoricamente parece e fazer sentido. Na prática, em 99% casos o juízo de valor será muito incerto. ) 34

35 B) Taxa que representa o custo médio ponderado do capital? Ex: ( Ke* peso do CP) + ( Kd * peso da dívida) Ex: 9%*40% + 5,5% * 60% = 3,6%+ 3,3% = 6,9% Por mim, optaria certamente pela hipótese 1, ou seja, procuraria incluir uma estimativa de risco nos fluxos de caixa, pela inclusão da sua variabilidade; probabilizando tal cenário. 35

36 5.Excertos de Insights into IFRS : algumas notas práticas Autor: KPMG, 2010 p.46 O valor presente é inerente a muitas Normas, mas a taxa de desconto varia. No desconto de pensões de contribuição definida, a taxa a usar será a de uma obrigação do Estado ou de uma empresa. Já no valor presente de vendas com pagamento diferido será uma taxa de juro de mercado. p. 467 Instrumentos financeiros A IAS 39 não prescreve se o risco deve ser incluído nos fluxos de caixa esperados ou na taxa de desconto. Em nosso entender, o ajustamento na taxa de desconto é mais apropriado. Todavia, em certos casos, o risco pode ser totalmente e incorporado nos fluxos de caixa. Na determinação dos elementos a usar na avaliação, uma taxa de desconto isente de risco pode ser obtida através de uma obrigação do tesouro. Porém, em certos casos, as obrigações de um Estado podem incorporar um risco de incumprimento significativo, e não são um benchmark adequado. Taxas pagas por empresas consideradas sólidas serão um melhor indicador de rf. Um spread apropriado pode ser obtido de obrigações emitidas pro entidade com risco idêntico ao instrumento que se pretende avaliar. 36

37 p.727 Provisões O risco é refletido por ajustamento nos fluxos de caixa ou na taxa de desconto. A nosso ver, é mais fácil ajustar os fluxos de caixa e descontálos à taxa rf. Ajustar a taxa de desconto é muito complexo e envolve um alto grau de juízo de valor. A nosso ver, a taxa de desconto não deve incluir ajustamentos para o risco de crédito da entidade. A Norma especifica que a taxa de desconto deve refletir o risco específico do passivo a mensurar. Assim, o uso de taxa média de juro que a entidade paga reflete o risco médio da entidade e não o risco específico do passivo.! 37

38 6.Nota sobre o método do custo amortizado e taxa de juro efetiva: juízo de valor sobre quando reconhecer imparidade? ALFA SA empresta sua subsidiária BETA Lda. Despesas iniciais com a concretização do empréstimo : 3000 Taxa de juro anual: 8% Valor de reembolso acordado: Taxa efetiva ou TIR: 503 = 40 (1 i) 40 (1 i) 2 40 (1 i) (1 i) 4 TIR= 8,26%

39 Momento 0: Débito 41: ; Crédito 12: Momento 1: * 0,0826 = Momento 1: Débito 12: Débito: 41: 1548 Crédito : 7X: Questão: A estimativa de possíveis perdas nos juros e capital a receber (imparidade) deve reconhecer se quando existem evidências de perda de valor do ativo financeiro ( por ex. no período 3), ou, por ex, logo no momento 0, pela inclusão de um risco de não recebimento de juros, o que afeta de imediato a taxa efetiva? Parece me que se vem caminhando para a segunda hipótese 39

40 7. Reflexão final Estimativas: de onde vem para onde vai a contabilidade e a informação financeira Divulgações Auditores Analistas Justo valor: impacto empresarial e social da contabilidade 40

Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso.

Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso. Tópicos Valor de Uso NCRF12 - Imparidade de activos Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso. 4 - Definições Perda por imparidade: é o excedente da

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

Legislação. Resumo: Homologação das Normas Interpretativas do Sistema de Normalização Contabilística.

Legislação. Resumo: Homologação das Normas Interpretativas do Sistema de Normalização Contabilística. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Aviso n.º 8258/2015, de 29 de julho Estado: vigente

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 12 IMPARIDADE DE ACTIVOS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 36 Imparidade de Activos, adoptada

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

CC- 1 INTRODUÇÃO AO CUSTO DE CAPITAL

CC- 1 INTRODUÇÃO AO CUSTO DE CAPITAL CC- 1 INTRODUÇÃO AO CUSTO DE CAPITAL Estimação de Taxas de Desconto Custo do Capital (1) CC- 2! Custo do capital próprio: " Remuneração exigida pelos titulares de capitais próprios, tendo em consideração

Leia mais

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam:

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam: NCRF 12 Imparidade de activos Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 36 - Imparidade de Activos, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

Testes de imparidade ao Goodwill Contabilidade e Relato

Testes de imparidade ao Goodwill Contabilidade e Relato Testes de imparidade ao Goodwill Contabilidade e Relato Maria de Fátima Ferreira dos Santos MEMBRO ESTAGIÁRIA Introdução De acordo com o previsto no n.º 5 do artigo 20.º do Regulamento de Estágio da Ordem

Leia mais

Acréscimos e Diferimentos

Acréscimos e Diferimentos AULA 03 1. Acréscimos e diferimentos 2. Imparidade de activos (IAS 36) 3. Provisões, passivos contingentes e activos contingentes (IAS 37) - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Acréscimos

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Prof. Dr. Adriano Rodrigues Assuntos abordados nesse tópico: Ajuste a valor presente: Fundamentação Mensuração ao valor justo

Leia mais

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 37 - Provisões, Passivos Contingentes

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias

O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias O MEP nos Investimentos em Associadas e Subsidiárias Enquadramento em SNC Influência e Controlo Controlo exclusivo a sociedade dominante tem mais de 50% dos direitos de voto da filial; Controlo conjunto

Leia mais

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 26 IMPARIDADE DE ACTIVOS GERADORES DE CAIXA

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 26 IMPARIDADE DE ACTIVOS GERADORES DE CAIXA IPSAS 26 IMPARIDADE DE ACTIVOS GERADORES DE CAIXA Reconhecimento Esta Norma Internacional de Contabilidade do Sector Público é principalmente extraída da Norma Internacional de Contabilidade IAS 36, Imparidade

Leia mais

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26 DC26 - Rédito (1) Índice Directriz Contabilística Nº 26 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. MENSURAÇÃO 4. IDENTIFICAÇÃO DA TRANSACÇÃO 5. RECONHECIMENTO 5.1. Venda de bens 5.2. Prestação de serviços 5.3. Juros,

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

As relações entre as «áreas

As relações entre as «áreas Os testes de imparidade e as técnicas de avaliação de empresas Aqui se mostra o reforço da ligação entre a contabilidade e a avaliação de empresas, como consequência da aprovação do SNC, decorrente da

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF)

NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 1

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

O sistema de normalização contabilística (SNC): alguns impactos na advocacia

O sistema de normalização contabilística (SNC): alguns impactos na advocacia O sistema de normalização contabilística (SNC): alguns impactos na advocacia António Martins amartins@fe.uc.pt Dez 2009 1 1. Normativo legal e antecedentes 2. Principais componentes do SNC 3. Contas e

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Demonstração de Fluxos de Caixa Demonstração de Fluxos de Caixa Conceitos gerais Métodos directo e indirecto Análise de uma DFC - Contabilidade Financeira II 2008/

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.2 Seção 29 Tributos sobre o Lucro Seção 29 Introdução 2 A Seção 29 se baseia no Projeto de Exposição de março de 2009 do IASB, Income Tax. O mesmo

Leia mais

O SNC e os Juízos de Valor uma perspectiva crítica e multidisciplinar. Principais Implicações da adopção do Justo Valor

O SNC e os Juízos de Valor uma perspectiva crítica e multidisciplinar. Principais Implicações da adopção do Justo Valor O SNC e os Juízos de Valor uma crítica e multidisciplinar 16 de Março de 2012 Ana Maria Rodrigues Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) anarodri@fe.uc.pt Principais Implicações da adopção

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Contabilidade. Com este artigo pretende abordar-se e. Enquadramento e contabilização de custos de desmantelamento

Contabilidade. Com este artigo pretende abordar-se e. Enquadramento e contabilização de custos de desmantelamento TOC Maio 2006 #74 27 Com este artigo pretende abordar-se e clarificar os aspectos relacionados com o enquadramento normativo dos custos de desmantelamento e do restauro de locais contaminados, nomeadamente

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

NCRF 27 Instrumentos financeiros

NCRF 27 Instrumentos financeiros NCRF 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 - Instrumentos Financeiros: Apresentação, IAS 39 - Instrumentos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 33 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 33 Resultados por Acção ÍNDICE Parágrafos Objectivo 1 Âmbito 2-4 Definições 5-8 Mensuração 9-63 Resultados por Acção Básicos 9-29 Resultados 12-18 Acções

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a IAS 23, Capitalização de Custos de Empréstimos

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 FEVEREIRO DE 2008 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE - AVP O AVP tem como objetivo o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro. Que pode estar

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

NCRF 28 Benefícios dos empregados

NCRF 28 Benefícios dos empregados NCRF 28 Benefícios dos empregados Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 19 - Benefícios dos Empregados, adoptada pelo texto original do

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 23 Custos de Empréstimos

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28 BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.4 Avaliação e Debate Passivos Seções 20, 21 e 28 Seção 20 Questões para debate 2 Q 1: arrendamento operacional não cancelável de 10 anos de um

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15

Relevância e Fiabilidade do Justo Valor. Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Relevância e Fiabilidade do Justo Valor Autora Nº 14678 : Tânia Andrade Docente: Cristina Góis Disciplina: Relato Financeiro Empresarial 2014/15 Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO

1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO 1. FINANCIAMENTO A MÉDIO E LONGO PRAZO Finanças II Ano Lectivo 2005/06 Turma TP1 Ricardo Valente 1 Introdução Decisões de financiamento Captação de fundos para financiar actividade corrente, projectos

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL AGRADECIMENTOS... NOTA PRÉVIA... ABREVIATURAS... RESUMO... PREFÁCIO... INTRODUÇÃO... BREVE ABORDAGEM DA PROBLEMÁTICA E OBJECTIVOS DO ESTUDO... METODOLOGIA... PLANO DA INVESTIGAÇÃO... PARTE I - AS RELAÇÕES

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Tópicos Avançados sobre Opções -III. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Tópicos Avançados sobre Opções -III Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner 1 ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS MODELO BLACK-SCHOLES

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 11 PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 11 PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 11 PROPRIEDADES DE INVESTIMENTO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 40 Propriedades de Investimento,

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009.

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009. c) Prestação ou receção de serviços; d) Locações; e) Transferências de pesquisa e desenvolvimento; f) Transferências segundo acordos de licenças; g) Transferências segundo acordos financeiros (incluindo

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

NCRF 11 Propriedades de investimento

NCRF 11 Propriedades de investimento NCRF 11 Propriedades de investimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 40 - Propriedades de Investimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais