Avaliação de fragrâncias para perfumes em emulsões cosméticas contendo silicones

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de fragrâncias para perfumes em emulsões cosméticas contendo silicones"

Transcrição

1 Avaliação de fragrâncias para perfumes em emulsões cosméticas contendo silicones Anderson Freire Carniel Professor Curso de Farmácia Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes Margareth Ferreira Cunha Coordenadora do Curso de Farmácia Universidade Braz Cubas Mogi das Cruzes Caio de Miranda Chelucci Aluno de Iniciação Científica - Curso de Farmácia Universidade Braz Cubas Monique Sonaly Oliveira Aluna de Iniciação Científica - Curso de Farmácia Universidade Braz Cubas Nadja Silva dos Santos Reis Aluna de Iniciação Científica - Curso de Farmácia Universidade Braz Cubas Resumo As grandes marcas mundiais de cosméticos algumas vezes são advindas de mardas de outros produtos consagrados oriundos do automobilismo, da moda, de artigos esportivos e vestuários diversos. Estas marcas querem vincular na mente do usuário que seu perfume lançado, deve ter a mesma performance em outros produtos cosméticos, tais como géis, cremes, sabonetes, shampoo e emulsões. Diante disso, este trabalho visa o desenvolvimento de formulações cosméticas com fragrâncias fornecidas por empresa fabricante de perfumes e que gostaria de avaliar a probabilidade de incorporar estas em outros produtos cosméticos. Foi escolhida uma emulsão contendo misturas de silicones, por estarem muito presentes em vários tipos de cremes caracterizados quimicamente neste sistema emulsionado. Como ferramenta de pesquisa, empregou-se métodos físico-químicos como testes de solubilidade, leitura e ajustes de ph, ajustes visando escala piloto. Diante dessas alterações, buscou-se desenvolver uma formulação que fosse compatível com os silicones utilizados e com as fragrâncias, o que observamos relativa oxidação em algumas formulações e diminuição da textura (relação com viscosidade) em outras formulações, podendo fazer um paralelo com alguma interação de componentes oriundos da degradação das fragrâncias e/ou dos silicones que pudessem interagir com os agentes de consistência ou emulsificantes das formulações, alterando portanto, as exigências de qualidade e de estabilidade. Palavras-Chave: Cosméticos, Desenvolvimento, Fragrâncias, Emulsões, Silicones 1 Introdução O Projeto de Pesquisa Científica Desenvolvimento de formulações cosméticas que compreendeu desde outubro de 2014 à março de 2015, teve como finalidade o desenvolvimento de formulações cosméticas em emulsão, contendo fragrâncias utilizadas em perfumes, no intuito de avaliar se as mesmas poderiam ser empregadas em emulsões na presença de silicones. Sabe-se que fragrâncias são oriundas de processos obtidos de partes de alguns animais ou vegetais. Sendo assim, estas podem interferir na estabilidade de formulações cosméticas. Atualmente várias marcas internacionais de produtos cosméticos utilizam as fragrâncias usadas em seus respectivos perfumes para se apresentarem e gerarem identificação da respectiva marca aos seus consumidores, em produtos tais como géis capilares, géis pós barba, sabonetes e loções, emulsões faciais e corporais. Uma empresa de perfumes da região do Alto Tietê (região cujo município de Mogi das Cruzes, sede de nossa Universidade, pertence) forneceu amostras de várias fragrâncias para que pudéssemos fazer a avaliação se estas seriam adequadas em um sistema emulsionado. Percebemos que estas de fato interferem em algumas propriedades físico-químicas e sensoriais destes produtos e ainda associamos a alguns tipos de silicones que poderiam aumentar capacidades de performance dos produtos emulsionados manipulados.

2 Os silicones, são um grande grupo de substâncias químicas com largo emprego na área cosmética estética e na farmacêutica também. Em cosméticos confere ações de emoliência, hidratação, suavidade, redução de oleosidade, brilho da formulação, dentre outras. Para este projeto, foi testado a aplicação das propriedades desses silicones em cremes corporais (emulsões corporais em creme) e assim, estudando a estabilidade preliminar em presença das fragrâncias cedidas por empresa do mercado nacional. 2 Objetivo Desenvolvimento de formulações cosméticas contendo fragrâncias para perfumes em emulsões cosméticas contendo silicones, verificando resultados durante ensaio de estabilidade preliminar. 3 Materiais e Métodos 3.1.Materiais Equipamentos Potenciômetro (phmetro) Digimed,MB-10, ph indicador strips Universal Merck, Centrifuga microprocessadora Quimis; Balança Analítica Bel Engineering; Manta aquecedora Fisatom; Pipetas volumétricas de 10mL, 15mL; Pipetas graduadas de 5mL, 10mL, 20mL; Cálice de vidro de 100mL e 150mL; Béqueres de 50mL, 100mL, 150mL; Provetas de 50mL, 100mL; Bastão de vidro; Câmara climática 40ºC e UR 60% Nova Ética; Vidros de relógio; Tubos de ensaio; Tubos para centrifugação do tipo Falcon; Espátulas, Gral e pistilo de porcelana; Reagentes Água purificada obtida junto ao laboratório LEF (Laboratório de Especialidades Farmacêuticas Universidade Braz Cubas) Nipagin ; (Metilparabeno), Glicerina, Propilenoglicol, Silicones: DC*AP 8087 e DC* ; Lanette (Misturas de álcool cetílico, cetoestearílico e tensoativos); Óleo Mineral; Nipasol (Propilparabeno), BHT (butilhidroxi tolueno) e as Fragrâncias nominadas em tabela no decorrer deste trabalho. 3.2 Métodos Teste de solubilidade com silicones. Foram feitos testes de solubilidades com 5 soluções diferentes, sempre utilizando 2 gotas do silicone a ser analisado e aumentando gradativamente o volume da solução de 2 em 2 ml para verificar a solubilidade com limite de até 10 ml de solução para 0,2mL de silicone. Soluções utilizadas: Água purificada em temperatura ambiente (25 C) Água purificada aquecida 50 C Álcool Absoluto HCl 0,1M NaOH 0,1M Silicones testados e seus respectivos INCI name: DC*AP 8087 (Bis-Hydroxy/Methoxy Amodimethicone) DC* (Aminopropyl Phenyl Trimethicone)

3 . Se o silicone se solubilizasse era caracterizado como solúvel, caso não se solubilizasse, era caracterizado com insolúvel Teste de solubilidade com fragrâncias Para realização dos testes de solubilidade das fragrâncias foram utilizados quase todas as mesmas soluções utilizadas nos silicones, exceto a contendo água purificada aquecida a 50 C, também aumentando o volume gradativamente de 2 em 2 ml das soluções com limite de 10 ml para 3 gotas de fragrância. As fragrâncias utilizadas estão descritas abaixo junto ao descrito e denominado o seu odor característico julgado pelos próprios analistas com nomes admitidos pelos mesmos (acqua-azul-glade) 4753 (tutti-fruti-chiclete) 4747 (shampoo-cabelo-limpo) 4205 (babaloo-com-guaraná) 4538 (tutti-fruti) 4222 (chiclete) 1772 (insenso-senhora) 4268 (flor-de-laranjeira) 4478 (flores-victoria-secrets) Modo de preparo das emulsões (cremes) Aquecer a fase aquosa até 75ºC e fase oleosa separadamente até 70ºC. Homogeneizando. Pelo método misto verter as duas fases em um gral de porcelana. Homogeneizar vigorosamente até cerca de 50ºC, controlando o tempo. Adicionar o silicone e os ativos cosmetológicos previamente levigados. Homogeneizar lentamente por 5 minutos. Retirar alíquota para controle de processor. Acondicionar, rotular Leitura do ph das formulações O ph é um índice que caracteriza o meio como ácido, básico ou neutro. É utilizado um aparelho específico denominado potenciômetro ou phmetro para obter o valor de H + presente na amostra analisada. Para as leituras de ph utilizou-se o phmetro. Para as emulsões, em um béquer de 100mL colocou-se 0,5g de creme e em seguida 50mL de água destilada; promoveu-se a diluição e em seguida levou ao aparelho. Inicialmente realizou-se a lavagem do eletrodo com solução de KCl e tirou-se o excesso com papel apenas encostando para não danificar o eletrodo. Em seguida, introduziu o eletrodo na amostra, aguardou a estabilização do aparelho e anotou o valor Teste de separação de fases A centrifugação é um processo usado para separar ou concentrar materiais suspensos em uma solução. A teoria consiste no efeito da gravidade sobre as partículas em suspensão. As duas massas diferentes terão comportamentos diferentes, onde uma irá se sedimentar e a outra não.( NICÉSIO, 2013).

4 Para verificar a separação de fases, utilizou-se uma centrífuga microprocessadora. Inicialmente colocou-se as amostras dos produtos em tubos para centrifugação tipo Falcon e posteriormente, na centrífuga, para que não ocorra o desequilíbrio deve-se colocar também, tubos para centrifugação do tipo Falcon contendo água em frente ao outro tubo com o mesmo volume. O aparelho era ligado em velocidade 5 por cerca de 10 minutos. Após esse tempo, desligou-se o aparelho, esperou que parasse totalmente e retirou os tubos verificando se houve ou não separação das fases no fundo dos tubos. 4 Resultados e Discussões Com a metodologia proposta, obtivemos os seguintes resultados que se seguem: Tabela 1. Solubilidade dos silicones em relação às soluções preparadas: Soluções / DC*AP 8087 DC* Silicones H2O 25 C Solúvel Insolúvel H2O 50 C Solúvel Insolúvel Àlcool Parcialmente Solúvel absoluto Solúvel HCl 0,1M Insolúvel Insolúvel NaOH 0,1M Insolúvel Insolúvel Para início do projeto, realizamos testes de solubilidade dos ativos em diferentes solventes. Na prática, determinar a solubilidade de uma amostra em determinado solvente pode fornecer informações úteis como hidrossolubilidade e lipossolubilidade, e posteriormente facilitar o desenvolvimento de formulações com matérias que forneçam meios solúveis à essas amostras, que garanta uma melhor incorporação do ativo. Em relação ao ph, as formulações se mantiveram estáveis preliminarmente após acompanhamento de 4 (quatro) semanas.

5 Tabela 2. Estabilidade em relação ao ph das formulações contendo silicones em relação às emulsões preparadas Silicones ph 1.semana ph 2.semana ph 3.semana ph 4.semana DC*AP ,5 5,6 5,65 5,6 DC* ,0 6,0 6,1 6,0 Para realização dos testes de solubilidade das fragrâncias foram utilizados quase todas as mesmas soluções dos silicones, exceto a água purificada aquecida a 50 C, também aumentando o volume gradativamente de 2 em 2 ml das soluções com limite de 10 ml para 3 gotas de fragrância. As fragrâncias utilizadas estão descritas abaixo e ao lado esta o escrito o seu odor característico julgado pelos próprios analistas (acqua azul-glade) 4753 (tutti-fruti-chiclete) 4747 (shampoo-cabelo limpo) 4205 (babaloo com guaraná) 4538 (tutti-fruti) 4222 (chiclete) 1772 (insenso-senhora) 4268 (flor de laranjeira) 4478 (flores, victoria secrets) Tabela 3. Resultados mostrados na tabela abaixo da classificação de cada fragrância fragrância Água purificada Àlcool HCl 0,1M NaOH 0,1M 25 C absoluto 4447 Insolúvel Solúvel Insolúvel Turvo/insolúvel 4753 Parcialmente Solúvel Insolúvel Insolúvel solúvel 4747 Insolúvel Solúvel Insolúvel Insolúvel 4205 Parcialmente Solúvel Insolúvel Insolúvel solúvel 4538 Insolúvel Solúvel Parcialmente solúvel Parcialmente solúvel 4222 Insolúvel Solúvel Insolúvel Insolúvel 1772 Insolúvel Solúvel Insolúvel Insolúvel 4268 Insolúvel Solúvel Insolúvel Insolúvel 4478 Insolúvel Solúvel Insolúvel Insolúvel

6 4295 Parcialmente Solúvel Insolúvel Insolúvel solúvel Obs: 3 gotas de fragrância parcialmente solúvel com 8 e 10 ml de àgua. 8mL e 10 ml é insolúvel em água deionizada até 6 ml, e é A fragrância 4205é insolúvel em água até 4 ml e parcialmente solúvel em 6mL depois A fragrância 4538 é insolúvel quando diluída com NaOH 0,1M até 4 ml, e parcialmente solúvel com 6mL, 8mL e 10 ml da solução. 8mL e 10 ml. A fragrância 4295 é insolúvel em água purificada até 6 ml, e parcialmente solúvel com Tabela 4. ph das fragrâncias Fragâncias ph , , , ,5 Durante o projeto, a formulação do creme contendo silicone DC AP8087 precisou de algumas alterações. A primeira formulação desenvolvida apresentou instabilidade nos valores de ph, logo de início era muito ácido, o que seria inviável, uma vez que o ideal para shampoo é ter um ph levemente ácido em torno de 5,5 6,5, pois possuem tensoativos aniônicos Portanto, realizamos ajustes no ph para alcalinizá-lo. Obtivemos os resultados: (a) para uma coloração mais escura (b)outro fator relevante foi a viscosidade muito baixa. Tabela 5. Teste de Solubilidade de fragrâncias (fornecidas por empresa da área de fragrâncias) Fragrância Solubilidade 1708 solúvel em água 1772 insolúvel em água 4205 insolúvel em água 4222 insolúvel em água 4224 solúvel em água 4268 insolúvel em água 4295 insolúvel em água 4447 insolúvel em água 4478 insolúvel em água 4538 insolúvel em água 4566 insolúvel em água

7 4567 insolúvel em água 4592 insolúvel em água 4747 insolúvel em água 4753 insolúvel em água 4834 insolúvel em água A empresa nos forneceu durante a fase de testes, amostras de suas essências, para que pudéssemos definir o odor e assim, escolher algumas para utilizarmos em nossas formulações. Para isso, realizamos o Teste de Solubilidade das Essências, e caracterizamos como solúvel em água ou insolúvel em água. Posteriormente, definimos os odores de cara uma, nomeando conforme o odor que nos lembrasse. Dentre elas, escolhemos três para incorporar em nossas formulações e partir de então serem usadas como parte das formulações. As essências foram incorporadas na temperatura correta de acordo com Boas Práticas de Manipulação Após isto, se realizou o ensaio de estabilidade preliminar, que indica num primeiro mês se a formulação possui condições para serem realizados testes de dosemento por exemplo. Nesta preliminar, realizou-se ph, centfrigação e aspecto. Trabalhar com os silicones foram um desafio para a incorporação em formulações cosméticas, ainda mais quando se trata de fragrâncias metais, que podem apresentar-se como em quantidades de bioflavonóides e que para nosso espanto, nos causou mais problemas se tratando de estabilidade nas formulações. Logo nos primeiros dias a viscosidade se alterava. De imediato, optamos por utilizar o Lanette por ser um agente espessante, mas o problema era ainda maior com a adição de fragrâncias porque alterava também coloração. Partindo para uma nova formulação, desta vez, para trabalhar a viscosidade que era muito baixa, adicionou-se EDTA, um agente sequestrante que forma complexos solúveis com íons metálicos e previne o aumento da coloração. As características de determinados ativos, muitas vezes são obstáculos para a incorporação de formulações, por isso, trabalhamos pontos importantes quando se trata de estabilidade de produtos, como alteração de textura, coloração, ph, viscosidade, todos esses, critérios importantes em formulações cosméticas se tratando da qualidade do produto, do grau de excelência exigido pelos usuários. Temos a nossa disposição, inúmeras opções de ativos, com as mais diversas propriedades e aplicações, precisamos aprender a conhecer melhor e trabalhar as características deles para que possam ser cada vez mais explorados, não apenas em formulações cosméticas, mas nas diversas áreas que nos possibilitam seus usos. Fig. 01: amostras submetidas à estabilidade preliminar

8 A base escolhida para fazer a incorporação das fragrâncias junto aos silicones foi a base Lanette 15%, foram experimentadas 3 técnicas ( mista, continental fase aquosa na oleosa e inglesa fase oleosa na aquosa) A formulação da base foi: Cera Autoemulsificante - (Lanette ) % Auxiliar fusão de Ceras - (óleo mineral) % Poliol - (propilenoglicol ou glicerina) % Conservante - (Nipagin + Nipazol ) ,2% Antioxidante - (BHT) ,5% Água purificada qsp % A técnica escolhida foi a continental (A/O) pela sua melhor aparência e também foi feito uma análise sensorial com as 3 técnicas verificando a oleosidade, evanescência, emoliência, textura (visual) e o tacking de cada uma das técnicas. Todas as 3 técnicas que foram feitas tiveram o ph inicial 6,0 Ensaio de Estabilidade Preliminar Para realizar o ensaio de estabilidade foi adicionado silicones à base lanete 15%, 2,25% do silicone DC* e 1% do silicone DC* CE e 5 ml de fragrância 4592 em 500 gramas de base e essa base siliconada foi submetida à 5 condições diferentes, ou seja, em meio ácido, alcalino, oxidativos, catalisado por metais e as condições de luminosidade FeSO4 0,05M Luz NaOH 0,05M HCl 0,05M Formulação Controle Foi feito a incorporação da base com os reagentes HCl 0,05M, NaOH 0,05M e HCl 0,05M, para o teste de luz a amostra foi colocada em um recipiente transparente e separado uma formulação controle sem reagentes somente a base com silicone e fragrância em recipiente adequado, feito isso foram separados em 5 recipientes e verificados o ph inicial, todos com ph 6,0.

9 Ensaio Preliminar O ensaio preliminar tem como objetivo identificar possíveis alterações durante a vida útil do produto tais como alterações de cor, contaminações microbiológicas, alteração de ph, entre outras. O ensaio preliminar foi feito 1 (uma) vez por semana e sempre verificando aparência, ph e outras possíveis alterações nas triplicatas de amostras. O resultado foi verificado e anotado em dias. Dia 0 = o dia em que foi feito a mistura da base com os reagentes e submetida às condições de estabilidade, todas as formulações apresentaram ph 6,0. Fig. 02: amostras com escurecimento após estabilidade preliminar Foi observado a mudança de coloração na segunda semana, foi acrescentado na formulação da base Lanette 15%, 0,2% de EDTA por ser um sequestrante de metais, e como foi adicionado fragrância na base, geralmente nas fragrâncias existem muitos metais. 5 Conclusão Observou após o desenvolvimento de tais emulsões em creme, que a incorporação da fragrância, deve ser revista, pois houve escurecimento na maioria das formulações, para que não haja questionamentos sobre seus produtos. Referências da Literatura ANSEL, POPPOVICH & ALLEN Farmacotécnica, sistemas de liberação de fármacos. Ed. Premier, São Paulo, 2008.

10 BRANDÃO, L. Index ABC Ingredientes para a indústria de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. 2.ed. São Paulo: Ed. SRC, EQUIPE DE REDAÇÃO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA. Tensoativos surfactantes alterando a tensão superficial; dez Disponível em < Acesso em: 28 fev, :15 MENDONÇA, F.C. Relatório de Práticas em Métodos Instrumentais de Análise, Minas Gerais, Disponível em: < Acesso em: 28 fev 2015, 17:05 NICÉSIO, R. G. Centrifugação: conceito e aplicações, São Paulo, nov Disponível em: < Acesso em 28, fev SKOOG, D. A; WEST, D. M; HOLLER, F.J; STANLEY, R.C. Fundamentos de química analítica 8ª Ed. São Paulo: Ada Santos Seles, Trand.

Lauril éter sulfato de sódio

Lauril éter sulfato de sódio Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: 05177 - lauriletersulfato de sódio CAS: 1335-72-4 INCI: Sodium laureth-2 sulfate Sinonímia: LESS

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO REJUVASOFT

INFORMATIVO TÉCNICO REJUVASOFT FOLHA 1 de 8 PRODUTO: REJUVASOFT DESCRIÇÃO: INCI: Quaternium 91, Cetearyl Alcohol, Behentrimonium Chloride, Myristyl Myristate Nº. CAS: 97281-29-3, 67762-27-0, 17301-53-0, 3234-85-3. Os consumidores estão

Leia mais

CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10

CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10 CICLO DE PROFISSÕES DIA 27/10 Chegada à UNIP: 07:00h Local: de acordo com a tabela abaixo (vide laboratório) Paramentação: jaleco de manga comprida, gorro, máscara, luva, sapato fechado, de preferência

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA E APARELHAGEM UTILIZADA EM LABORATÓRIO Objetivo: Explicação das normas básicas de segurança no laboratório. Aula teórica com retroprojetor, transparências e demonstração de algumas

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

D-Panthenol (Dexpanthenol)

D-Panthenol (Dexpanthenol) Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 9 H 19 NO 4 Peso molecular: 205,25 DCB/ DCI: 02855 - dexpantenol CAS: 81-13-0 INCI: D-Panthenol Sinonímia: Pró-Vitamina B5 Denominação botânica: Não

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO

MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO 1 INTRODUÇÃO (Parte teórica, relacionada ao estudo em questão) 2 OBJETIVO (Objetivo do trabalho ou do relatório) 3 PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS 3.1 MATERIAIS (Todos os materiais

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012

MÉTODO DE ANÁLISE. Emissão inicial: 23.04.2007 Última revisão: 25.07.2012 Pág.: 1/5 1.0. OBJETIVO Determinar o teor Zinco em Óxido de Zinco, Pó de Zinco, ligas metálicas de Zinco e resíduos de Zinco. 2.0. ABRANGÊNCIA Laboratório de Controle de Qualidade. 3.0 DEFINIÇÕES Não se

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA

FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS SOLUÇÕES SOLUÇÕES SOLUÇÕES CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FORMA COSMÉTICA FORMAS COSMÉTICAS FORMAS COSMÉTICAS Os produtos cosméticos contêm grande diversidade de matérias-primas, que podem ser naturais, semisintéticas ou sintéticas. Esses materiais apresentam-se em consistências

Leia mais

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas

Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde Proposta de Padronização para o Preparo de Medicamentos na Farmácia Magistral: Formas Farmacêuticas Semi-Sólidas e Líquidas Mestranda: Sybelle Okuyama Orientadora:Prof

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E DES. SUSTENTÁVEL CET-0303 QUÍMICA APLICADA PREPARAÇÃO, PADRONIZAÇÃO E DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06 01 de 06 1. PRINCÍPIO Para que os resultados dos métodos de análise expressem valores representativos da quantidade total de substância disponível, é imprescindível recorrer a técnica de coleta definida

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS

III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS III- TIPOS DE FORMULAÇÕES DE AGROTÓXICOS Ingrediente ativo x inerte Ingrediente ativo (i.a.) Composto com atividade biológica Geralmente insolúvel em água Ingrediente inerte Outros componentes (cargas,

Leia mais

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR

Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR Identificação de Plásticos através de Testes Físico-Químicos MANUAL PARA O PROFESSOR 0 Índice 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 4 3. Material/Equipamento... 5 3.1. Preparação das amostras... 5 3.2. Teste

Leia mais

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética.

Dica: O visitador pode acompanhar a manipulação dos produtos, bem como sua aditivação com os ativos para melhor entendimento desta forma cosmética. Acne e Hidratação. Objetivo da Escolha do Tema A hidratação da pele é de fundamental importância para a manutenção dos mecanismos fisiológicos e bioquímicos da pele como os mecanismos celulares de proteção

Leia mais

GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada

GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada GEL TRANSDÉRMICO (PLO) Farmacotécnica aplicada Preparação do veículo em 3 partes, passo a passo O gel de P.L.O. é composto por uma fase oleosa (LIPS) e uma fase aquosa (Gel de Polaxamer 407). Recomenda-se

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

Concimi Speciali PH DE CALDA 137

Concimi Speciali PH DE CALDA 137 Concimi Speciali PH DE CALDA RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA, NA FAZENDA AGRÍCOLA FAMOSA (POÇO 02). RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA,

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014

PROCESSOS EXTRATIVOS. Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 PROCESSOS EXTRATIVOS Profa. Dra. Wânia Vianna 1s/2014 Extração Sólido- Liquida sólido------------ líquido Solução extrativa. É a que resulta da dissolução parcial de uma droga de composição heterogênea,

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples.

UAB/UFABC Química Divertida. Propriedades do sabão. OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. 1 UAB/UFABC Química Divertida Propriedades do sabão OBJETIVO: Este experimento tem como objetivo a preparação de um sabão simples. TAREFAS A SEREM ENTREGUES!!!! Preste bem a atenção!!!!! Você deverá responder

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto

M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O. Prof. Agamenon Roberto M A T E R I A I S D E L A B O R A T Ó R I O Prof. Agamenon Roberto Prof. Agamenon Roberto MATERIAS DE LABORATÓRIO 2 TUBO DE ENSAIO: Tubo de vidro fechado em uma das extremidades, empregado para fazer reações

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares

TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes. Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares TECNOLOGIA DE Sabões e detergentes Conteúdos a serem abordados: --Tensão superficial -- Polaridade -- Forças intermoleculares Tensão superficial Força existente na superfície de líquidos em repouso. Fortes

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

I Fundamentos Teóricos II Parte experimental III Apresentação dos Resultados IV Discussão/Conclusão

I Fundamentos Teóricos II Parte experimental III Apresentação dos Resultados IV Discussão/Conclusão Química no duche Índice I Fundamentos Teóricos Detergente Surfactantes Reacção de saponificação Tensão superficial Volume de espuma produzido Densidade ph Viscosidade II Parte experimental 1. Materiais

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO

ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO ALKOPON 70 ECO ALKOPON 28 ECO TM PERSONAL CARE Evolution by chemistry Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009

GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 11 DE MARÇO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE

CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE CO-TENSOATIVOS PERSONAL CARE Evolution by chemistry Há 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece inovações que promovem a beleza e o bem-estar

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

A HISTÓRIA DO SABONETE

A HISTÓRIA DO SABONETE SABONETES por: Colunista Portal Educação SABONETE BARRA DE OLIVA UMA PRODUÇÃO DE PRECIOSIDADES DO POMAR. CONFIRA NA LOJA www.luciamotta.loja2.com.br Os sabonetes são cosméticos detergentes Na antiguidade,

Leia mais

Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano)

Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano) Actividade laboratorial (Biologia e Geologia 11º ano) INFLUÊNCIA DO CO 2 NA DISSOLUÇÃO DE CALCÁRIOS (Parte II Proposta de Resolução do Guião) O que se pretende 1. Seleccionar o material necessário ao estudo

Leia mais

Hidragloss Quat C22. Identificação. Material Técnico. Fórmula Molecular: Não aplicável. Peso molecular: Não aplicável. DCB/ DCI: Não aplicável

Hidragloss Quat C22. Identificação. Material Técnico. Fórmula Molecular: Não aplicável. Peso molecular: Não aplicável. DCB/ DCI: Não aplicável Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável DCB/ DCI: Não aplicável CAS: Não aplicável INCI: Behentrimonium Chloride (and) Cetearyl Alcohol and Astrocaryum

Leia mais

MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS

MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS MANUAL DE COSMETOLOGIA ARTESANAL TÉCNICAS E INFORMAÇÕES DOS COSMÉTICOS ARTESANAIS PREFÁCIO O presente manual surgiu de um desafio, produzir um texto com informações exatas e confiáveis sem no entanto lançar

Leia mais

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Geral ASSUNTO: Soluções e Unidades de Concentração 1 1. TIPOS MAIS COMUNS DE SOLUÇÃO Solução

Leia mais

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo

Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo Página 1 de 6 Procedimento de verificação do Potenciômetro de íon Seletivo 1- Objetivo Verificar a confiabilidade de medição da concentração de Flúor pelo método ISE 2- Aplicação Aplicável aos equipamentos

Leia mais

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF

TRANSCUTOL CG. Informações Técnicas. INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF Informações Técnicas TRANSCUTOL CG INCI NAME: Ethoxydiglycol CAS NUMBER: 111-90-0 SIMILAR: Trivalin SF INTRODUÇÃO Desde os anos setenta, TRANSCUTOL CG é utilizado na indústria farmacêutica devido sua poderosa

Leia mais

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran HCl 0,1N FCAV/UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Analítica Fundamentos da Análise Titrimétrica (Volumétrica) NaOH 0,1N Prof a. Dr a. Luciana M. Saran Fenolftaleína 1 O QUE É? ANÁLISE TITRIMÉTRICA

Leia mais

Introdução. Gerais. Funcionais. Propriedades. da Matéria Organolépticas. Específicas. Químicas. Físicas. Química. Rômulo

Introdução. Gerais. Funcionais. Propriedades. da Matéria Organolépticas. Específicas. Químicas. Físicas. Química. Rômulo Introdução Gerais Propriedades Funcionais da Matéria Organolépticas Específicas s Físicas Propriedades Gerais São propriedades comuns a todo tipo de matéria massa extensão impenetrabilidade divisibilidade

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras.

Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido de sódio 0,1mol/L para posteriormente determinar a acidez de amostras. Pág. 1 de 8 I - OBJETIVOS Preparar e padronizar uma solução de ácido clorídrico 0,1mol/L para posterior determinação de pureza de amostras alcalinas. Preparar e padronizar uma solução aquosa de hidróxido

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO

PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO PRODUÇÃO DE AMOSTRAS DE AMIDO CATIÔNICO E REALIZAÇÃO DE TESTES DE FLOCULAÇÃO José Carlos Trindade Filho. IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial, Fecilcam, jctf_epa@hotmail.com Me. Nabi Assad

Leia mais

OXISMOOTH PERSONAL CARE

OXISMOOTH PERSONAL CARE OXMOOTH PERONAL CARE Evolution by chemistry Há mais de 40 anos desenvolvendo soluções que evoluem o mundo Para o mercado de Personal Care, a Oxiteno oferece formulações que promovem a beleza e o bem-estar

Leia mais

Lavagem e Esterilização/Inativação. Farmácia UNIP

Lavagem e Esterilização/Inativação. Farmácia UNIP Lavagem e Esterilização/Inativação Farmácia UNIP Objetivo Garantir a qualidade dos medicamentos homeopáticos: Equipamentos e utensílios não devem ceder material de sua composição ao medicamento; fácil

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Escola Secundária do Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Química SÍNTESE DO SULFATO DE COBRE PENTAIDRATADO Pedro Pinto Nº 14 11ºA 27/11/2003 Objectivo do Trabalho O objectivo

Leia mais

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7 1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ - UTPR DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA BACHARELADO EM QUÍMICA Práticas de ísico

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão

LÍQUIDO F. coesão = F. repulsão Tensoativos Tensoativos 1 Forças Tensões - Força de coesão: força que tende a reunir as moléculas. - Força de repulsão: força que tende a separar as moléculas. SÓLIDO F. coesão > F. repulsão LÍQUIDO F.

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F.

Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. Universidade Estadual de Maringá Câmpus Regional de Goioerê Curso de Engenharia Têxtil Tratamento Têxteis 900 Professor: Washington Luiz F. dos Santos Equipe: Joni Dutra Neves R.A.: 15.477 Luciana Crespim

Leia mais

MODIFICADORES DE REOLOGIA:

MODIFICADORES DE REOLOGIA: MODIFICADORES DE REOLOGIA: Os modificadores de reologia ACUSOL oferecem uma série de características e benefícios em produtos saneantes domésticos e institucionais. CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Concedem

Leia mais

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular.

As forças atrativas entre duas moléculas são significativas até uma distância de separação d, que chamamos de alcance molecular. Tensão Superficial Nos líquidos, as forças intermoleculares atrativas são responsáveis pelos fenômenos de capilaridade. Por exemplo, a subida de água em tubos capilares e a completa umidificação de uma

Leia mais

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico 1. (UFF 2009) Desde a Antiguidade, diversos povos obtiveram metais, vidro, tecidos, bebidas alcoólicas, sabões, perfumes, ligas metálicas, descobriram elementos

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA

TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA Prof. Borges / Lessa TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA AULA 06 DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES Diluir significa adicionar solvente a uma solução que já existe. Este método faz com que o volume de solução aumente e a concentração

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais Prof. Dr. Anselmo Introdução A interpretação e análise dos resultados são feitas a partir

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Experimento 4 Cromatografia de papel

Experimento 4 Cromatografia de papel Experimento 4 Cromatografia de papel Objetivo Estudo da cromatografia de papel como método de separação e caracterização. Temas abordados Misturas homogêneas, técnicas de separação, forças intermoleculares,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE FORMULAÇÕES DESENVOLVIDAS PARA O PROCEDIMENTO DE DEPILAÇÃO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE FORMULAÇÕES DESENVOLVIDAS PARA O PROCEDIMENTO DE DEPILAÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE FORMULAÇÕES DESENVOLVIDAS PARA O PROCEDIMENTO DE DEPILAÇÃO Héllen Priscila de Matos 1 ; Rosana Mendonça Martins 1 ; Daniele Fernanda

Leia mais

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ

PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas. Professora: ERIKA LIZ PRODUTOS PARA A PELE Formas Cosméticas Professora: ERIKA LIZ Produtos para pele Sequência do Tratamento Cosmético 1º Passo : Limpeza Por que a limpeza diária da pele é importante? Higiene A limpeza é um

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE COCO OBTIDO ARTESANALMENTE

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE COCO OBTIDO ARTESANALMENTE CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO ÓLEO DE COCO OBTIDO ARTESANALMENTE Jessica Renally Medeiros Santos 1 jessycaszafir@hotmail.com Jakeline Santos Martins 1 Marileide Santos Freire 1 Nivaldo da Silva Neto

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES

CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES ANEXO : COMPLEMENTAÇÃO TEORIA CLASSIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS ANTIOXIDANTES 1 Antioxidantes para sistemas medicamentosos lipófilos: 1.1 NATURAIS: a) Tocoferóis: São líquidos viscosos de cor amarelada,

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

FARMACOTÉCNICA HOSPITALAR. Carlos Tiago Martins Moura Farmacêutico Serviço de Farmácia - HUWC

FARMACOTÉCNICA HOSPITALAR. Carlos Tiago Martins Moura Farmacêutico Serviço de Farmácia - HUWC FARMACOTÉCNICA HOSPITALAR Carlos Tiago Martins Moura Farmacêutico Serviço de Farmácia - HUWC INTRODUÇÃO: A farmacotécnica hospitalar é um serviço que propicia grande economia para a instituição pois a

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS

CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 novembro, 1997 Número 6/97 CUIDADOS BÁSICOS COM PEAGÔMETROS André Luiz Bugnolli Paulo Renato Orlandi Lasso Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

07/2013. Pro-Lipo Tecnologia em Lipossomas

07/2013. Pro-Lipo Tecnologia em Lipossomas 07/2013 Pro-Lipo Tecnologia em Lipossomas Pro-Lipo Formação de Lipossomas Instantâneo Estruturas Baseadas em Fosfolipídeos Os fosfolipídeos são altamente utilizados pelas suas propriedades emulsionantes

Leia mais

Semissólidos ERIKA LIZ

Semissólidos ERIKA LIZ Semissólidos ERIKA LIZ Ação As preparações são aplicadas à pele por seus efeitos físicos, ou seja, sua capacidade de agir como protetores, lubrificantes, emolientes, secantes, ou devido ao efeito específico

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

OS SEMELHANTES SE ATRAEM?

OS SEMELHANTES SE ATRAEM? OS SEMELHANTES SE ATRAEM? Objetivo Analisar a solubilidade de substâncias de uso doméstico. Descrição A solubilidade de substâncias se dá em função de uma afinidade eletrônica existente entre as espécies

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015. Roteiro de estudos para recuperação trimestral

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015. Roteiro de estudos para recuperação trimestral COLÉGIO NOSSA SENHORA DE LOURDES 2ª SÉRIE Ensino Médio -2015 Disciplina: Professor (a): QUÍMICA LUÍS FERNANDO Roteiro de estudos para recuperação trimestral Conteúdo: Referência para estudo: Sites recomendados:

Leia mais