Sinalizações. Árbitro Lateral (FUKU-SHIN)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sinalizações. Árbitro Lateral (FUKU-SHIN)"

Transcrição

1 Sinalizações Árbitro Lateral (FUKU-SHIN)

2

3 Golpe quase perfeito (vale 04 pontos) Waza-ari Com a bandeira correspondente ao competidor que marcar o ponto, estender o braço paralelo ao solo. Simultaneamente apitar um silvo rápido e forte.

4 Golpe perfeito (vale 10 pontos) Com a bandeira correspondente ao competidor que marcar o ponto, estender o braço num ângulo de 45 º (para cima). Simultaneamente apitar um silvo rápido e forte. Ippon

5 Técnica que se deduz como ponto Correspondente ao movimento de bandeira para Waza-ari ou Ippon e a outra bandeira cobrindo os olhos. Simultaneamente apitar um silvo curto. Tek-kaku

6 Balançar as bandeiras cruzando-as na frente do corpo, na altura dos joelhos. Simultaneamente apitar vários silvos rápidos. Significado: Nenhum ponto ou penalidade Tora-nai

7 Bandeiras em forma de triângulo na frente do olhos. Significado: Não viu Mie-nai

8 Fora dos limites do Dojô Jo-gai Com a bandeira correspondente apontar diretamente para baixo. Simultaneamente apitar um silvo curto seguido de vários rápidos. Para simultâneos Jo-gai, as duas bandeiras são apontadas para baixo.

9 Queda Ten-to Com a bandeira correspondente apontar para o competidor penalizado, seguido por largo e completo movimento circular e então, apontar para baixo em direção ao solo. Simultaneamente apitar vários silvos contínuos e agudos.

10 Lesões, violações, machucados, enfermidades e outras emergências Bandeira correspondente sobre a cabeça. Apitar vários e contínuos silvos agudos. Sinalização para emergências

11 Solicitando um Médico Bandeiras são cruzadas sobre a cabeça. Médico

12 Contato Ate A ponta da bandeira correspondente é mantida tocando o lado da face.

13 Ignorado a advertência do Shu-shin Chui Mu-shi Método de sinalização: Movimento simultâneo das duas bandeiras cobrindo os ouvidos.

14 Golpes ou técnicas perigosas ou proibidas Kin-shi Ponta da bandeira correspondente apontando para a garganta.

15 Sem habilidade para competir Mu-no Usar duas bandeiras, cruzando os braços na frente do tórax

16 Atitude pobre, falta de educação ou boas maneiras Bandeira correspondente elevada num ângulo reto, com o cotovelo na frente do corpo, então, a bandeira é movimentada de um lado para o outro. Fu-kei

17 Quando a técnica é ignorada Mu-shi Bandeira correspondente é elevada cobrindo os olhos

18 Agarrar Bandeiras juntas em uma das mãos enquanto a outra mão segura as duas bandeiras. Tsuka-mi

19 Declaração de vitória do Aka (Shiro) Mesmo sinal do Ippon, exceto que não há apito Aka (Shiro), no Kachi

20 Empate Hiki-wake Bandeiras cruzadas sobre a cabeça.

21 Técnica débil / fraca Yowai Braço estendido para frente, paralelo ao solo na altura da cintura, então movimentar para baixo até o nível dos joelhos.

22 Técnica bloqueada ou coberta Uke Uma bandeira levantada, cotovelo flexionado e colocado ao corpo, e outra levantada lateralmente e paralela ao piso movendo-se até tocar a primeira bandeira.

23 Fora do alvo Nuke Braço flexionado num ângulo reto, com a bandeira passando pelo estômago num movimento de varredura.

24 Fora da distância, alcance (muito longe) Ma-ai Toh-ma Braços estendidos, segurando as bandeiras para frente a uma distância de 15 cm entre elas, então, abre se os braços para fora até a largura dos ombros.

25 Fora da distância (muito perto) Ma-ai Chika-ma Braços estendidos, segurando as bandeiras para frente a na largura dos ombros, então, fecha-se os braços até uma distância de 15 cm entre elas.

26 Erro de Tempo Osoi Segurar as bandeiras correspondentes em cada mão, então com os braços dobrados paralelos na frente do corpo, movimentá-las rapidamente girando em torno delas mesmas.

27 Ataques simultâneos Bandeiras sustentadas na frente do corpo, na altura da cintura, cotovelos flexionados, tocar as pontas das bandeiras. Ai-uchi

28 Base débil / fraca Tachi Bandeiras na frente do tórax formando um triângulo.

29 Técnica com puxada de mão antes do Kime Snap back Bandeira correspondente movida do tórax para frente em ação de Snap (ação do socar).

30 Técnica sem finalização Furi - Uchi Bandeira correspondente elevada para frente, e em seguida para cima até a altura do ombro.

31 Ausência de flexão do joelho após o chute ou chute empurrado Furi-Geri Com o cotovelo estendidos, o braço com a bandeira correspondente faz um movimento ascendente de uma posição mais baixa para uma mais alta.

32 Técnica empurrada Oshi Segurar a bandeira correspondente na vertical, então, empurrar para frente afastando do corpo.

33 Técnica com movimento oposto ao do corpo Nige Bandeira correspondente em uma mão, braço estendido para frente e então, movendo uma vez para trás, sobre o ombro.

34 Uso incorreto de uma parte do corpo para golpear Fu-teki A ponta da bandeira correspondente tocando de leve a outra mão.

35 Técnica mais rápida Hayai Um braço flexionado segurando uma bandeira na vertical, cotovelo junto ao corpo, a outra bandeira na horizontal toca a ponta no meio da bandeira que está na vertical.

36 Ações simultâneas com encerramento de tempo, Jo-gai, Ten-to, etc. Doji Ambos os braços estendidos para frente na largura dos ombros, bandeiras nas duas mãos e então aproximá-las de uma vez num movimento de bater

37 Após o ato (Técnica executada após o Yame, Jo-gai, etc.) Ato Segurando as bandeiras correspondentes em cada mão, então move-se os braços dobrados para acima dos ombros na altura da cabeça.

38 Elevação de Pontuação (Tempo muito bom) Yoshi Com a bandeira estendida na frente do corpo faça movimento circular com a ponta da bandeira.

39 Sequência de ataques ou Técnicas Descontroladas Mo-Da Uma bandeira cobre os olhos e a outra estendida para frente no nível do estômago.

40 No final da técnica a pressão no piso é fraca. Uma bandeira em frente no nível do estômago, braço paralelo ao piso, a outra bandeira (do lado que executou a técnica) golpeia para baixo ao lado da outra bandeira. Pressure

41 KOGO KUMITÊ

42 Bandeira do lado ofensivo se move para trás do corpo. Significado: Esconder a(s) Mão(s) Kakushi

43 Lado defensivo inicia uma técnica antes que o lado ofensivo Saki Topo da bandeira se move a partir do lado defensivo para o lado ofensivo.

44 Movimento de escapar Nige-tai Bandeira correspondente em uma mão, braço estendido para frente, então, se move para trás, sobre o ombro uma vez.

45 Muito perto Chika-ma Unir as bandeiras em frente ao peito, com as pontas voltadas para cima

46

47

48

49 Karatê-Dô Tradicional

50 Todos os direitos reservados, por José Humberto de Souza Rua Antônio Maria, centro Cuiabá/MT Tel. (65) Tel/Fax (65) Site da federação: Site da academia: Celular: (65)

51 Ficha Técnica Fotos: Manoel Júlio Pedroso Árbitro Central: José Humberto de Souza Árbitro Lateral: Rodrigo Lúcio de Souza Editoração Gráfica/ Eletrônica: Rodrigo Lúcio de Souza (edição 2002) Renato Lúcio de Souza (edição 2009) Supervisão: José Humberto de Souza

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO

CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 REGULAMENTO CAMPEONATO ESTADUAL DE GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2015 CATEGORIAS FEMININAS: REGULAMENTO Pré-Mirim: até 6 anos Mirim: 7 e 8 anos, completos no ano da competição Pré-Infantil: 09 e 10 anos, completos

Leia mais

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores

O que é o Basquetebol? O Campo Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? A equipa e o Campo O é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cujos objectivos são introduzir

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física Seguidamente, apresento os elementos gímnicos que seriam abordados nas aulas dos dias 20 e 22 de Outubro. Dada a impossibilidade da vossa presença,

Leia mais

Suburi. Kaeshi Tsuki. Choku Tsuki

Suburi. Kaeshi Tsuki. Choku Tsuki Suburi Os Suburi são os movimentos base da prática de Jo. É um trabalho individual, constituído por golpes de ataque e de defesa. Juntando dois ou mais, em sequência, criam-se Suburi compostos. Choku Tsuki

Leia mais

1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20.

1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20. 1 PONTO DE FUGA 1.1- Vamos começar com a planta baixa, na escala 1:20. Obs: passe a planta, com as medidas indicadas em uma folha separada, na escala 1:20. 30 1.2- Coloque essa planta na parte de cima

Leia mais

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde

OS SINAIS DO ÁRBITRO. Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde OS SINAIS DO ÁRBITRO Entender o árbitro para entender o jogo. Tradução : Xavier Vouga & Pierre Paparemborde Os 49 sinais do árbitro têm como objetivo facilitar a comunicação com os jogadores e o público

Leia mais

Documentos de Apoio - Disciplina de Educação Física 2010-11 ANDEBOL. Caracterização

Documentos de Apoio - Disciplina de Educação Física 2010-11 ANDEBOL. Caracterização ANDEBOL Caracterização O Andebol é um jogo desportivo colectivo, disputado entre duas equipas de sete jogadores efectivos (6 jogadores de campo e um guarda-redes) e cinco suplentes e jogado num campo rectangular.

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

The Japan Karate Association. Nihon Karate Kyokai TORNEIOS - REGULAMENTOS E REGRAS DIRECIONADO À DIRIGENTES OFICIAIS E JUÍZES

The Japan Karate Association. Nihon Karate Kyokai TORNEIOS - REGULAMENTOS E REGRAS DIRECIONADO À DIRIGENTES OFICIAIS E JUÍZES The Japan Karate Association Nihon Karate Kyokai TORNEIOS - REGULAMENTOS E REGRAS DIRECIONADO À DIRIGENTES OFICIAIS E JUÍZES ÍNDICE REGULAMENTOS E REGRAS DIRECIONADO À DIRIGENTES OFICIAIS E JUÍZES CAPÍTULO

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado

TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado TÉCNICAS E EXERCÍCIOS DO ESTILO COSTAS * Autor: Antonio Hernández Tradução: Leonardo de Arruda Delgado Neste artigo você encontrará o índice das técnicas e exercícios disponíveis para o estilo costas.

Leia mais

EVENTOS NACIONAIS: Equipamentos: Eventos onde as regras serão observadas: Responsabilidade: Patch: PATCH COSTURADO Patch COSTURADO costura

EVENTOS NACIONAIS: Equipamentos: Eventos onde as regras serão observadas: Responsabilidade: Patch: PATCH COSTURADO Patch COSTURADO costura EVENTOS NACIONAIS: Este documento baseado no JUDOGUI REQUERIMENTS AND JUDOGUI CONTROL PROCEDURE da Federação Internacional de Judô FIJ, visa estabelecer o padrão nacional para a utilização dos judoguis

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINÁSTICA REGULAMENTO TÉCNICO 2013-2016 GINÁSTICA ARTÍSTICA FEMININA 2014 CATEGORIA PRÉ INFANTIL B Faixa etária - 9 e 10 anos, completos no ano da competição. Provas a) Salto (altura da mesa 1,10 metro); b) Barras

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues.

NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. Lista 12: Equilíbrio do Corpo Rígido NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para serem resolvidos e entregues. ii. Ler os enunciados com atenção. iii.

Leia mais

June 2015 Monstar Games Events

June 2015 Monstar Games Events June 2015 Monstar Games Events SEXTA-FEIRA (05/06) - RX Individual Evento # 1 Fifth Gear 5x for time: 40 Double-Unders 30 Kettlebell Swings (24/16 kg) 20 Push Press (54/36 kg) Time Cap: 15 Minutos Standards

Leia mais

REGRA 2 - A DURAÇÃO DO JOGO

REGRA 2 - A DURAÇÃO DO JOGO REGRAS DE HANDEBOL REGRA 1 - A QUADRA 1.1 A quadra é de forma retangular: compreende uma superfície de jogo e duas áreas de gol e mede 40m de comprimento e 20m de largura. Os grandes lados são chamados

Leia mais

XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO)

XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO) XXVII CPRA LISTA DE EXERCÍCIOS FÍSICA (IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO) 1) Uma bola de 0,70 kg está se movendo horizontalmente com uma velocidade de 5,0 m/s quando se choca com uma parede vertical e

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE KOSHO-RYU KENPO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE KOSHO-RYU KENPO PROGRAMA TÉCNICO OFICIAL KOSHO RYU KENPO HOMOLOGADO PELA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE KOSHO-RYU KENPO CINTO BRANCO PARA OBTER CINTO AMARELO 1- História do Kenpo 2- Saudação Oficial Kosho Ryu Kenpo 3- Posições,

Leia mais

Apoio Teórico de Badminton

Apoio Teórico de Badminton Apoio Teórico de Badminton Caracterização» O badminton é um jogo de raquetas onde se utiliza um volante e pode ser jogado individualmente jogo de singulares e em pares jogo de pares em que o objectivo

Leia mais

Modalidade Alternativa: Badminton

Modalidade Alternativa: Badminton Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas Modalidade Alternativa: Badminton Ações técnico-táticas Regulamento Professora: Andreia Veiga Canedo Professora Estagiária: Joana Filipa Pinto Correia Ano

Leia mais

AS REGRAS DO BASQUETEBOL

AS REGRAS DO BASQUETEBOL AS REGRAS DO BASQUETEBOL A BOLA A bola é esférica, de cabedal, borracha ou material sintéctico. O peso situa-se entre 600 g e 650g e a circunferência deve estar compreendida entre 75 cm e 78 cm. CESTOS

Leia mais

Cerimonial é a linguagem mais completa para disciplinar a convivência humana seja pelo aspecto formal ou informal, onde utilizamos as normas de

Cerimonial é a linguagem mais completa para disciplinar a convivência humana seja pelo aspecto formal ou informal, onde utilizamos as normas de Cerimonial é a linguagem mais completa para disciplinar a convivência humana seja pelo aspecto formal ou informal, onde utilizamos as normas de protocolo, rituais, civilidade e etiqueta, unidas à criatividade,

Leia mais

RESUMO DAS REGRAS DO BASQUETE. Regulamento (FIBA)

RESUMO DAS REGRAS DO BASQUETE. Regulamento (FIBA) RESUMO DAS REGRAS DO BASQUETE Regulamento (FIBA) Equipe Ter no mínimo 8 jogadores aptos a jogar (5 em quadra e 3 no banco.) e no máximo 12 jogadores aptos a jogar. Deve ter um técnico, e se o time preferir

Leia mais

REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO

REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO REGULAMENTO PARA CAMPEONATO LUTAS NO ALTO E CHÃO KARATÊ - SHUBU-DO Índice: 1º Objetivo 2º Finalidade 3º Área de competição 4º Uniforme 5º Sistema de competição 6º Tempo de combate 7º Infrações e desclassificações

Leia mais

Fundamentos técnicos

Fundamentos técnicos 1 Fundamentos técnicos Controle de corpo Em toda modalidade esportiva é preciso que o iniciante domine seu próprio corpo em movimentos básicos como: saída rápida, parada brusca e mudança de direção. Dominar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA OBRA: SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEMORIAL DESCRITIVO SINALIZAÇÃO INTRODUÇÃO Devido ao pequeno tráfego de pessoas nos locais a serem pavimentados foi

Leia mais

A História do Judô COMPORTAMENTO NO DOJO. O Dojo é como nossa segunda casa. Um lugar para crescermos e aprendermos o respeito e a harmonia.

A História do Judô COMPORTAMENTO NO DOJO. O Dojo é como nossa segunda casa. Um lugar para crescermos e aprendermos o respeito e a harmonia. A História do Judô O Judô surgiu no em 1882. Ele foi criado por um jovem de 23 anos, chamado Jigoro Kano. Ele era magro, pesava apenas 50 kg e media 1,50m. Ele praticava Jiu-Jitsu, uma outra arte marcial

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 3 de 8 Instalações: Pavilhão Data: 12-03-2010 Hora: 9h20m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA por MANUEL CAMPOS TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA Muitos treinadores

Leia mais

FESTIVAL DE MINI-BASQUETE 2ª Copa Sérgio Ney Palmeiro REGULAMENTO

FESTIVAL DE MINI-BASQUETE 2ª Copa Sérgio Ney Palmeiro REGULAMENTO FESTIVAL DE MINI-BASQUETE 2ª Copa Sérgio Ney Palmeiro O mini-basquete é um jogo para crianças de até 12 anos (nascidos a partir de 1993). Foi desenvolvido como uma forma divertida de se descobrir o basquete.

Leia mais

PROFESSOR: Guilherme Franklin Lauxen Neto

PROFESSOR: Guilherme Franklin Lauxen Neto ALUNO TURMA: 2 Ano DATA / /2015 PROFESSOR: Guilherme Franklin Lauxen Neto DEVOLUTIVA: / /2015 1) Dado um cilindro de revolução de altura 12 cm e raio da base 4 cm, determine: a) a área da base do cilindro.

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6.

VOLEIBOL. 11. O Jogador que executa o saque, deve estar em qual posição? 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997. a) posição número 6. VOLEIBOL 1) Em que ano foi criado o voleibol? a) 1997 b) 2007 c) 1996 d) 1975 e)1895 2. Quem inventou o voleibol? a) William G. Morgan b) Pelé c) Roberto Carlos d) Ronaldinho Gaúcho e) Michael Jackson

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles.

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. FUTEBOL Gesto Técnico: Passe com o pé Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. Utiliza-se quando existe um colega desmarcado, em

Leia mais

13. INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 13-1 TRANSMISSÃO/SELETOR DE MARCHAS

13. INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 13-1 TRANSMISSÃO/SELETOR DE MARCHAS 13. TRANSMISSÃO/SELETOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 13-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 13-1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA 13-2 DESMONTAGEM DA TRANSMISSÃO 13-6 INSPEÇÃO DA TRANSMISSÃO 13-6 MONTAGEM DA TRANSMISSÃO 13-7 INFORMAÇÕES

Leia mais

Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição

Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição Traduzido por Rubem Cauduro ISKF Brasil Nov/2013 1/16 (Pagina em Branco) Nov/2013 2/16 Comitê Técnico ISKF (a) Alterações das regras (i) Quaisquer

Leia mais

TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL.

TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL. TOM, SEMITOM, SUSTENIDO, BEMOL. Tom e semitom (ou tono e semitono): são diferenças específicas de altura, existentes entre as notas musicais, isto é, são medidas mínimas de diferença entre grave e agudo.

Leia mais

Unidade didática de Ginástica

Unidade didática de Ginástica Livro do Professor 5 Unidade didática de Ginástica Objetivos gerais da Ginástica Compor e realizar as destrezas elementares de solo, aparelhos e minitrampolim, em esquemas individuais e/ou de grupo, aplicando

Leia mais

Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner. Projeto AIPRA (Processo CNPq 559912/2010-2)

Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner. Projeto AIPRA (Processo CNPq 559912/2010-2) Autoria: Fernanda Maria Villela Reis Orientadora: Tereza G. Kirner Coordenador do Projeto: Claudio Kirner 1 ÍNDICE Uma palavra inicial... 2 Instruções iniciais... 3 Retângulo... 5 Quadrado... 6 Triângulo...

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra Limpeza do terreno Dependendo do porte da obra e da declividade do terreno serão necessários a utilização de equipamentos de grande

Leia mais

Escala de Equilíbrio de Berg

Escala de Equilíbrio de Berg DEPARTAMENTO DE TERAPIA OCUPACIONAL - UFPR DISCIPLINA DE TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA Á NEUROLOGIA CLÍNICA-ESCOLA DE TERAPIA OCUPACIONAL - UFPR ESCALA DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL NOME: IDADE: SEXO DIAGNÓSTICO:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA PLANA

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA PLANA LIST E EXERÍIOS E GEOMETRI PLN 01) FUVEST - medida do ângulo inscrito na circunferência de centro O é: a) 125 o b) 110 o c) 120 o 35 d) 100 o O e) 135 o 02) Num triângulo de lados = 12, = 8 e = 10, a medida

Leia mais

Cat. Escavadeiras Hidráulicas. Compatibilidade entre Multiprocessador e Escavadeira Hidráulica

Cat. Escavadeiras Hidráulicas. Compatibilidade entre Multiprocessador e Escavadeira Hidráulica Cat Multiprocessadores Escavadeiras Hidráulicas Produtividade Máxima Grandes desafios são reduzidos a pequenas peças, graças às grandes forças de corte e esmagamento geradas pelo cilindro de fixação cruzada.

Leia mais

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar

Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Livro de Exercícios de Ginástica Artística / Play GYM para o Desporto Escolar Documento de Apoio a Professores Responsáveis por Grupo/Equipa de Ginástica Artística Janeiro 2008 Livro de Exercícios de Ginástica

Leia mais

Kosmodisk Programa Básico de Exercícios

Kosmodisk Programa Básico de Exercícios Classic Kosmodisk Programa Básico de Exercícios NOVA EDIÇÃO Kosmodisk 2 Programa Básico de Exercícios Kosmodisk Programa Básico de Exercícios Bem-vindo para o PROGRAMA KOSMODISK BASIC EXERCÍCIO, especialmente

Leia mais

Lista de Exercícios - Força e Movimento I

Lista de Exercícios - Força e Movimento I UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica I Lista de Exercícios - Força e Movimento I Perguntas: 1. Na figura 1 as forças F 1 e F

Leia mais

Instruções para Instalação

Instruções para Instalação Instruções para Instalação 1- PARA MARCAR A POSIÇÃO DE COLOCAÇÃO DA FECHADURA NA PORTA: Marque uma linha horizontal na altura que será colocada a fechadura, sugerimos que a maçaneta fique a 1,10m de altura

Leia mais

GUIA GERAL DO PIX-DSX

GUIA GERAL DO PIX-DSX ADCP-80-354 GUIA GERAL DO PIX-DSX Sumário Página 1. TERMINAÇÕES COM WIRE WRAP...3 2. ENERGIA...4 3. ELEMENTO DE REDE (EQUIPAMENTO)...5 4. ROTEAMENTO DE JUMPER DE CONEXÃO CRUZADA...8 1390027 Rev A Página

Leia mais

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine:

Boa Prova! arcsen(x 2 +2x) Determine: Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Unidade Acadêmica de Matemática e Estatística - UAME - Tarde Prova Estágio Data: 5 de setembro de 006. Professor(a):

Leia mais

Camisa Clássica Feminina RenataPerito.com

Camisa Clássica Feminina RenataPerito.com Camisa Clássica Feminina Molde de camisa feminina de mangas longas, levemente acinturada, com pala e colarinho. Possui pence horizontal na frente e pences verticais nas costas. O abotoamento frontal é

Leia mais

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque.

REGRAS OFICIAIS. 1.3. De cada lado deste quadrado será demarcada, à 7 metros da rede e paralela a esta, uma linha denominada linha da área de saque. REGRAS OFICIAIS 1. A QUADRA 1.1. A área de jogo trata-se de um retângulo de 10 metros de largura por 20 metros de comprimento. 1.2. Este retângulo será dividido na sua metade por uma rede, formando em

Leia mais

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo

Esportes de Combate. Aula 1. Judô e taekwondo Esportes de Combate Aula 1 Judô e taekwondo Objetivos 1 Apresentar dois esportes da categoria de COMBATE e suas principais regras. 2 Conhecer a história desses esportes e sua entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA

PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA PROGRESSÕES PEDAGÓGICAS PARA EXERCÍCIOS ACROBÁTICOS DA TRAVE - TEORIA E PRÁTICA Rosangela Marques Busto 1 As séries de trave incluem exercícios acrobáticos e ginásticos. Dentre as primeiras, estão as várias

Leia mais

CINTURÃO AMARELO. B - Posições de guarda: 1. Posição de guarda geral. 2. Deslocações em todas as direcções.

CINTURÃO AMARELO. B - Posições de guarda: 1. Posição de guarda geral. 2. Deslocações em todas as direcções. CINTURÃO AMARELO A - Rolamentos e Quedas 1. Rolamento à frente, sobre o ombro direito. 2. Rolamento para trás, sobre o ombro esquerdo. 3. Queda para a frente amortecida. 4. Queda a retaguarda amortecida.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO, DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA. COORDENADORIA DE DESPORTOS DESPORTO ESCOLAR CODESP REGULAMENTO ESPECÍFICO DA GINÁSTICA ARTÍSTICA JERNS 2014 Art.

Leia mais

Manual de Instalação. Max Veda Porta. Modelos 320 340 360. Portas de Madeira/Ferro instalação externa

Manual de Instalação. Max Veda Porta. Modelos 320 340 360. Portas de Madeira/Ferro instalação externa Max Veda Porta Modelos 320 340 360 320 340 360 Portas de Madeira/Ferro instalação externa 1 Com uma chave de fenda rosqueie o pino acionador até que este fique recolhido dentro da capa do Max Veda Porta.

Leia mais

COMO TIRAR MEDIDAS. Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas.

COMO TIRAR MEDIDAS. Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas. COMO TIRAR MEDIDAS Na modelagem industrial, as medidas são padronizadas, mas é sempre bom saber como elas são tiradas. MEDIDAS HORIZONTAIS OU DE CIRCUNFERÊNCIA. 1. PESCOÇO OU DEGOLO: passe a fita métrica

Leia mais

Seqüência de Desenvolvimento

Seqüência de Desenvolvimento Seqüência de Desenvolvimento Motor, Padrões Fundamentais de Movimento e TGMD-2 2Test Seqüência de Desenvolvimento Motor q (GALLAHUE & OZMUN, 1998) Seqüência de Desenvolvimento Motor (TANI, MANOEL, KOKUBUM

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

Campeonato Nacional de Salvamento Aquático Desportivo. Albufeira 2011. Regulamento

Campeonato Nacional de Salvamento Aquático Desportivo. Albufeira 2011. Regulamento Campeonato Nacional de Salvamento Aquático Desportivo Albufeira 2011 Regulamento Índice Disposições Gerais... 3 1. Introdução... 3 2. Calendário... 3 3. Participação... 4 4. Inscrições... 4 4.1 Processo

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA

COLÉGIO MATER DEI MANUAL DE TESTES DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA CLÉG ATER DE AUAL DE TESTES DE AVALAÇÃ EDUCAÇÃ FÍSCA 2015 1 SUÁR 1-EDDAS DE CRESCET CRPRAL...03 assa corporal (Peso)...03 Estatura (Altura)...03 Índice de assa Corporal (C)...04 2-TESTES DE APTDÃ FÍSCA

Leia mais

BADMINTON FEDERAÇÃO PARANAENSE LEIS DO BADMINTON DEFINIÇÕES 1. QUADRA E EQUIPAMENTO DE QUADRA. Folha nº 1/9 Revisão BWF: 05 Junho 14

BADMINTON FEDERAÇÃO PARANAENSE LEIS DO BADMINTON DEFINIÇÕES 1. QUADRA E EQUIPAMENTO DE QUADRA. Folha nº 1/9 Revisão BWF: 05 Junho 14 Folha nº 1/9 DEFINIÇÕES Jogador Jogo Simples Duplas Lado de Serviço Lado de Recepção Rally Golpe (Batida) Qualquer pessoa jogando Badminton. A disputa básica no Badminton entre lados opostos, cada qual

Leia mais

Chavetas. Agora você já tem uma noção dos elementos

Chavetas. Agora você já tem uma noção dos elementos A UU L AL A Chavetas Agora você já tem uma noção dos elementos de máquinas mais usados para fixar peças: rebite, pino, cavilha, contrapino ou cupilha, parafuso, porcas, arruela e anéis elásticos. Para

Leia mais

MORGANTI JU-JITSU REGRAS DE COMPETIÇÃO

MORGANTI JU-JITSU REGRAS DE COMPETIÇÃO MORGANTI JU-JITSU REGRAS DE COMPETIÇÃO ÁREA DE COMPETIÇÃO A área de competição deverá ser plana e livre de obstáculos; possuir um mínimo de 4m (quatro metros) de largura por 4m (quatro metros) de comprimento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO O traçado de linhas retas PERPENDICULARES, PARALELAS e OBLÍQUAS é feito com o auxílio de esquadros,

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do cotovelo. Eles foram compilados para dar

Leia mais

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes.

2.1 - Triângulo Equilátero: é todo triângulo que apresenta os três lados com a mesma medida. Nesse caso dizemos que os três lados são congruentes. Matemática Básica 09 Trigonometria 1. Introdução A palavra Trigonometria tem por significado do grego trigonon- triângulo e metron medida, associada diretamente ao estudo dos ângulos e lados dos triângulos,

Leia mais

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm 1 MEMÓRIA DE CÁLCULO - ESTRUTURAL 4.1 MEMÓRIA DE CÁLCULO FUNDAÇÕES 4.1.1 DESCRIÇÃO Referências Estacas Material Geometria Armadura P1, P2, P3, P4, Tipo: 18x18 Concreto: C25, Bloco de 1 estaca Estribos

Leia mais

SISTEMA DE GRADUAÇÃO DO BOXE CHINÊS ADOTADO PELA: (CSAKF) CONFEDERAÇÃO SULAMERICANA DE KUNG-FU

SISTEMA DE GRADUAÇÃO DO BOXE CHINÊS ADOTADO PELA: (CSAKF) CONFEDERAÇÃO SULAMERICANA DE KUNG-FU SISTEMA DE GRADUAÇÃO DO BOXE CHINÊS ADOTADO PELA: (CSAKF) CONFEDERAÇÃO SULAMERICANA DE KUNG-FU INICIANTE: (FAIXA BRANCA) Juramento 1 Posturas básicas Socos jab,s e diretos Defesa e esquiva de socos jab,s

Leia mais

Confecção de plaina de madeira pequena sem capa. A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira:

Confecção de plaina de madeira pequena sem capa. A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira: Confecção de plaina de madeira pequena sem capa A.Etapas do processo de confecção de uma plaina de madeira: 1. Escolha dos componentes 2. Linhas de referência 3. Corte e desbastes B.Sobre as plainas 1.

Leia mais

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR?

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? Quando se desenvolve músculos mais fortes e resistentes você diminui o desgaste do sistema cardiovascular, economizando energia, pois sua musculatura tem um torque de

Leia mais

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO ELABORAÇÃO Dezembro / 2013 Sumário 1 Introdução... 3 2- ABORDAGEM TEÓRICA - SISTEMA DEPOSICIONAL FLUVIAL MEANDRANTE... 3 3 TRABALH

Leia mais

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m.

Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO. 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. Memorial Descritivo BUEIROS CELULARES DE CONCRETO OBRAS / LOCALIZAÇÃO 01 BUEIRO triplo na RS715 com 3,00m X 2,50m X 16m, cada célula, no km 0 + 188,5m. 01 BUEIRO triplo na RS 715 com 3,00m X 2,00m X 19m,

Leia mais

Departamento de Clínica Cirúrgica

Departamento de Clínica Cirúrgica Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Clínica Cirúrgica Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental TIPOS DE SUTURAS Edevard J de Araujo - eja2536@gmail.com

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

Exercícios de Mecânica - Área 3

Exercícios de Mecânica - Área 3 1) O bloco de peso 10lb tem uma velocidade inicial de 12 pés/s sobre um plano liso. Uma força F = (3,5t) lb onde t é dado em segundos, age sobre o bloco durante 3s. Determine a velocidade final do bloco

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ UNIFAP PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DEPARTAMENTO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS-DCET CURSO DE FÍSICA Disciplina: Física Básica III Prof. Dr. Robert R.

Leia mais

M-1-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DO CASSETETE POLICIAL MILITAR

M-1-PM. Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DO CASSETETE POLICIAL MILITAR M-1-PM Polícia Militar do Estado de São Paulo MANUAL POLICIAL MILITAR MANUAL DO CASSETETE POLICIAL MILITAR Setor Gráfico do CSM/M Int. 2ª Edição Impresso em 1.982 Tiragem: 2.100 exemplares POLÍCIA MILITAR

Leia mais

TRIGONOMETRIA. AULA 1 _ Os triângulos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

TRIGONOMETRIA. AULA 1 _ Os triângulos Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 TRIGONOMETRIA AULA 1 _ Os triângulos Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 CLASSIFICAÇÃO DOS TRIÂNGULOS Vamos relembrar como classificam-se os triângulos: Quanto aos lados: 3 lados iguais Triângulo

Leia mais

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina Catálogo 2015 Plataformas Cubos Escadas Acessórios para acesso à piscina Acessibilidade A Actual dedica-se ao desenvolvimento, fabricação e comercialização de plataformas para fundo de piscina e escadas

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

TEMA : O Basquetebol

TEMA : O Basquetebol TRABALHO PARA A DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TEMA : O Basquetebol Trabalho realizado por: David Carreira Ribeiro Pág.1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO BREVE ENQUADRAMENTO HISTÓRICO....... 1 2 CARACTERISTICAS GERAIS

Leia mais

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 01 - Em uma competição de salto em distância, um atleta de 70kg tem, imediatamente antes do salto, uma velocidade na direção horizontal de módulo 10m/s. Ao saltar,

Leia mais

GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006

GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006 GUIA DE JUIZES De acordo com o Regulamento de Volteio da CBH e Guia de Juizes da FEI 2006 A. PRINCÍPIOS GERAIS DE JULGAMENTO É a responsabilidade dos juizes - baseada no seguinte regulamentos - compreender

Leia mais

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal

O essencial sobre Autor: Francisco Cubal O essencial sobre Autor: Francisco Cubal 1 Qual a história do Voleibol? Em 1895 o professor de Educação Física G. Morgan, nos Estados Unidos, criou uma modalidade desportiva que, devido ao seu toque no

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas

Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas Universidade Regional do Cariri Departamento de Construção Civil Cursos de Tecnologia em Construção Civil DESENHO TÉCNICO 1 - TE 069 Utilização dos Instrumentos de Desenho Técnico e Normas Julho 2015 Prof.ª

Leia mais

Uma visita aos programas de Matemática dos 2.º e 3.º Ciclos

Uma visita aos programas de Matemática dos 2.º e 3.º Ciclos Uma visita aos programas de Matemática dos 2.º e 3.º Ciclos Formando: Benilde Matos Actividade: Do Espaço ao Plano Introdução Esta actividade insere-se no capítulo Do Espaço ao Plano que faz parte do programa

Leia mais

Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição

Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição Torneios - Competições Regras e Regulamentos Terceira edição Traduzido por Rubem Cauduro ISKF Brasil Nov/2013 1/37 (Pagina em Branco) Nov/2013 2/37 Comitê Técnico ISKF (a) Alterações das regras (i) Quaisquer

Leia mais

Unidade didática de Natação

Unidade didática de Natação 74 Unidade didática de Natação Objetivos gerais da Natação Adaptar se ao meio aquático, movimentando se na água com segurança e à vontade. Saber estar e deslocar se na água executando as técnicas de nadar,

Leia mais

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2

AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 AS LEIS DO TÊNIS DE MESA Capítulo 2 2.1 A MESA 2.1.1 A parte superior da mesa, chamada superfície de jogo, deve ser retangular, com 2,74 m de comprimento por 1,525 m de largura, e situar-se em um plano

Leia mais