Se seu negócio requer o tipo de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Se seu negócio requer o tipo de"

Transcrição

1 ANÁLISE Ambiente com arquitetura orientada a serviço Ambiente com arquitetura orientada a serviço ANÁLISE Ônibus corporativo Um serviço de Bus corporativo é uma via expressa centralizada para dados em ambientes com arquitetura orientada a servidor. Um bom ESB lida com orquestração, roteamento de mensagens e análise de eventos. por Markus Feilner, Arne Rossmann e Christine König Se seu negócio requer o tipo de configuração no qual múltiplos sistemas se comunicam com múltiplos serviços, sua rede encara o perigo de se transformar em uma arquitetura espaguete ( figura 1 ), onde cada serviço se comunica com outro por meio de uma série de interfaces não similares. Ao chegar a esse estágio, faz sentido pensar na introdução de uma arquitetura orientada a serviços (SOA) [1] e na integração de um serviço de Bus corporativo (ESB, do inglês Enterprise Service Bus ) [2]. As técnicas SOA oferecem um modelo para implementar um processo complexo de negócios por meio de um conjunto de softwares que interagem uns com os outros, trocando informações. Aplicativos de usuários e do fornecedor trocam dados em forma de mensagens SOAP. Essa arquitetura permite que uma empresa adicione e integre novos componentes da arquitetura de software de forma fácil com mudanças mínimas nos componentes existentes. O conceito SOA também oferece um padrão de desenvolvimento que garante a interoperabilidade com serviços em conformidade com a SOA. A tecnologia SOA é muito usada para a integração de serviços diversos usados em cenários corporativos. Um cenário típico pode ser uma solução na qual informações de clientes, produtos, pedidos e entregas estão todas integradas e acessíveis por meio de um ambiente comum de aplicativos. O termo serviço de bus corporativo refere-se normalmente ao componente de software que passa e traduz mensagens entre vários serviços em um ambiente SOA. O ESB forma um componente essencial que geralmente é conhecido por um nome mais genérico, o middleware corporativo. Os sistemas ESB sofisticados de hoje não somente passam mensagens, mas também criam registros de eventos de mensagens e, em alguns casos, oferecem recursos de tradução para permitir que serviços com diferentes formatos de mensagens realizem interconexões de forma transparente. Um ESB pode atuar como uma instância central ( figura 2 ) e remove a necessidade de interfaces independentes múltiplas entre os serviços. Mais e mais companhias estão cientes da relevância de integrar serviços distribuídos em aplicativos corporativos heterogêneos, o que significa que o ESB está em alta. Produtos proprietários, como o WebSphere [3], da IBM, BizTalk [4] da Microsoft, Integration Adapters [5] da Oracle e JBoss [6] da Red Hat competem no mercado com produtos gratuitos como Mule ESB [7], Apache ServiceMix [8] e Talend ESB [9] (antigamente conhecido como Sopera [10] ). O Lisog, que agora é parte da Open Source Business Alliance, deu ao ESB um papel importante em sua solução de nuvem [11] ; no nível do produto, Sopera e Mule são alternativas gratuitas e compatíveis. Implementar um ESB pode ser caro e é uma decisão com consequências de amplo alcance. Mesmo implementações pequenas requerem investimentos de, pelo menos, cinco dígitos, sendo os gastos alocados tanto na programação quanto em um serviço abrangente de consultoria. Todos os fornecedores de ESB defendem que o investimento vale a pena porque torna os sistemas mais fáceis de manter e expandir. No entanto, um gerente de TI ou administrador precisa estar ciente 64

2 Ambiente com arquitetura orientada a serviço ANÁLISE de que a escolha do ESB significa estar comprometido com um produto a longo prazo. A decisão por um fornecedor é difícil de reverter e a mudança futura seria muito cara. Consultores concordam em pelo menos uma coisa: é impossível dar uma recomendação genérica para o produto ESB ideal. Cenários individuais, recursos dos serviços e requisitos do ambiente afetam a escolha. A tabela 1 mostra alguns dos recursos associados com três dos mais populares sistemas ESB de código aberto (Mule ESB, Apache ServiceMix e Talend ESB). Neste artigo, avaliamos de perto as três alternativas mais importantes. Mule ESB O ESB da MuleSoft é o mais popular entre os aplicativos do gênero em código aberto, com mais de 1,5 milhão de downloads e 2,5 mil usuários empresariais. O software é escrito em Java e componentes de sistemas existentes como JMS, serviços web e HTTP podem ser integrados de forma bem simples. Ao mesmo tempo, a MuleSoft gosta de destacar o alto nível de escalonabilidade do Mule ESB, que daria aos usuários a possibilidade de combinar um número maior de aplicativos. O Mule ESB, que é adequado tanto para cenários com SOA quanto com aplicativos embarcados em plataformas centralizadas, usa seu próprio dialeto XML para fins de configuração. O exemplo exibido na listagem 1 mostra a configuração para um aplicativo simples no Mule ESB. O aplicativo recebe um nome e uma URL e, então, exibe um resultado. O código primeiramente configura um namespace para os componentes requisitados. Após um comentário curto em description ( linha 12 ), o aplicativo inicia o fluxo. O Mule indica uma sequência na qual os módulos, como os componentes, são implementados neste fluxo. O ESB Listagem 1: Confi guração do Mule aceita a entrada que chega através de uma URL, como definido pela tag inbound-endpoint (linha 19 ). A entrada de dados é fornecida por meio de um serviço web JAX-WS (API do Java para serviços web XML). O Mule passa essa entrada por um componente echo (org.mule.example. echo.echo ), conforme pode ser visto na listagem 2 e o componente simplesmente dá como saída o nome que foi inserido. Já o Mule Studio permite a visualização do fluxo ( figura 3 ). Os usuários de uma versão comercial podem acessar ferramentas adicionais de integração, como as Native WebSphere MQ e Premium JBDC. Além disso, o console Mule Management permite o controle e gerenciamento de desempenho. Clusterização e implantação são compatíveis na versão 3.2. Os usuários normalmente implantam seu próprio analisador do fluxo de serviços ( Service Flow Analyzer ) para verificar conflitos. O usuário pode, ainda, requisitar suporte adicional, assim como mecanismos adicionais de segurança, como SAML e controles de acesso baseados em recursos de usuários. Apache ServiceMix O Apache ServiceMix é uma solução ESB já utilizada em muitos produtos e organizações de TI. O ServiceMix é baseado na especificação Java Business Integration (JBI) [12], que define um padrão de ar- 01 <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> 02 <mule xmlns=" " 03 xmlns:cxf=" " 04 xmlns:doc=" " 05 xml ns:spring=" " 06 xmlns:core=" " 07 xmlns:xsi=" " 08 xsi:schemalocation=" 09 schema/mule/cxf/3.1/mule-cxf.xsd 10 springframework.org/schema/beans/spring-beans-3.0.xsd 11 org/schema/mule/core/3.1/mule.xsd "> 12 <description> Essa configuração constrói um serviço JAX-WS com CXF. Nós usamos uma "serviceclass"que é interface JAX-WS 13 que definimos. Isso permite que se garanta que o WDLS 14 só é gerado para o método "echo" (em oposição a todos os outros métodos no EchoComponente). 15 Isso mantém nosso WSDL limpo e elegante, mas não é requisitado. 16 Para acionar o serviço Echo vá à URL - services/echoumo/echo/text/hello 17 Para visualizar o WSDL para o serviço Echo vá para localhost:65082/services/echoumo?wsdl </description> 18 <flow name="echoflow"> 19 <core:inbound-endpoint address=" EchoUMO " 20 exchange-pattern="request-response" doc:name="generic" 21 doc:description="generic endpoint specified by address URI"/> 22 <cxf:jaxws-service serviceclass="org.mule.example.echo. Echo" 23 doc:name="soap" 24 doc:description="torne um serviço web disponível via CXF"/> 25 <component doc:name="component" doc:description="invoke a Java component"> 26 <singleton-object class="org.mule.example.echo.echo"/> 27 </component> 28 </flow> 29 </mule> Linux Magazine #87 Fevereiro de

3 ANÁLISE Ambiente com arquitetura orientada a serviço quitetura tão útil para ferramentas Java quanto para ESB. A arquitetura abrange uma coleção de componentes para fornecer ou consumir serviços, sendo que pontos de integração são implementados como plugins. O Apache ServiceMix implementa a versão 1.0 (JSR 208) da especificação JBI e inclui uma série de componentes, sendo que os mais importantes são: servicemix-bean : utiliza POJOs ( Plain Old Java Objects ) servicemix-eip : mecanismo de serviço que inclui uma implantação de roteador alinhada com o EIP ( Enterprise Integration Patterns ) servicemix-file : acesso a sistema de arquivos servicemix-http : acesso a serviços SOAP e HTTP servicemix-jms : acesso a implementações JMS como o Apache Active MQ Um exemplo simples de um copiador automático de arquivos mostra como administradores trabalham com o Apache ServiceMix. Se você quer que o copiador mantenha cópias de arquivos de um diretório ( /home/ servicemix/input ) para outro diretório ( /home/servicemix/output ), é necessário primeiro criar um novo diretório para o projeto e, depois, editar o arquivo pom.xml para configurar o Maven [13], uma ferramenta de gerenciamento do projeto Apache. O seguinte comando cria a unidade de serviço: mvn archetype:create- DarchetypeArtifactId=servicemix- service-unit- DarchetypeGroupId=org.apache. servicemix.tooling- DartifactId=tutorial-file-su Então, é necessário adicionar as dependências do Apache Service- Mix no arquivo pom.xml (listagem 3 ). Agora só falta a configuração para os endpoints do arquivo. Será necessário algo para enviar os arquivos e algo para criar um pool deles. A listagem 4 oferece um exemplo do arquivo obrigatório xbean.xml onde tudo o que você precisa fazer é agrupar o resultado em um serviço: mvn archetype:create- DarchetypeArtifactId=servicemix- service-assembly- DarchetypeGroupId=org.apache. servicemix.tooling- DartifactId=tutorial-sa Em seguida, mude o nome do projeto no arquivo pom.xml e adicione as dependências na unidade de serviço ( Service Unit listagem 5 ). Para uma implementação eficiente, mude para o diretório com um modelo de projeto, tutorial-sa, e emita um comando mvn install para construir o projeto. Isso gera um arquivo ZIP, que pode ser copiado para o diretório $SERVICE- MIX_HOME/hotdeploy. Para mais detalhes sobre o ServiceMix do Apache, confira a documentação do ServiceMix [14]. A variante corporativa do Apache ServiceMix leva o nome de Fuse ESB e é comercializada pela FuseSource [15]. A edição corporativa oferece recursos extras e também inclui o Fuse Message Broker (baseado no Apache Active MQ), o Fuse Medidation Router (que usa o Apache Camel [16] ) e o Fuse Service Framework (com Apache CXF). Figura 1 Se cinco serviços precisam se comunicar um com o outro, o resultado é um tipo de arquitetura espaguete. No pior cenário, o departamento de TI tem que programar e manter cada conector dentro de casa. Figura 2 Um ESB atua como um caminho central para que as mensagens passem entre os serviços. 66

4 Ambiente com arquitetura orientada a serviço ANÁLISE Os desenvolvedores também usam o Fuse IDE como um ambiente integrado de desenvolvimento e a interface gráfica Fuse HQ para gerenciar e monitorar o ESB. Se você estiver interessado, o Fuse Soft também oferece suporte e treinamento. Talend ESB O Sopera ASF é uma plataforma de integração orientada a serviço desenvolvida para a integração de projetos no Deutsche Post AG. O fornecedor oferece o software de código aberto desde Em novembro de 2010, a Talend comprou a Sopera e, agora, continua o projeto sob o rótulo Talend ESB. A ferramenta tem uma estrutura modular: ela integra aplicativos de terceiros, processos, dados e soluções SOA dentro de seu próprio SOA, suportando tanto padrões básicos como SOAP, WSDL e XML, assim como padrões mais abrangentes, como UDDI, WS Policy e BPEL. Outra variante do SOA associada com o Talend ESB é o Apache Camel. O framework de integração de código aberto Camel suporta EIP para negociar regras de mediação. Uma vez que o framework é baseado em URLs simples, os administradores podem trabalhar com quase qualquer modelo de transporte, como HTTP, JMS (Active MQ ou outra implementação JMS) ou JBI. Os usuários podem trabalhar em rede com Talend ESB em ambientes Java e Microsoft, e combinar os dois por meio de um framework SOA padronizado. Para essa finalidade, o Talend ESB suporta os padrões Java J2SE, J2EE e a API Windows Communication Foundation (WCF) no framework.net 3.0. O Talend ESB usa uma arquitetura distribuída e pode ser implementada em ambientes distribuídos e geograficamente separados. Nesse contexto, distribuído também significa que um Bus centralizado não é essencial. Em vez disso, as funções são executadas em bibliotecas backbone de serviços. O exemplo a seguir mostra como um aplicativo SOA é projetado em Talend ESB. Esse exemplo usa um serviço web para simplesmente mostrar qualquer entrada de dados ( echo ). Um cliente alimenta o serviço com dados e o provedor oferece o serviço. Existe um tutorial detalhado sobre essa configuração no endereço [17]. Para criar um cliente, você primeiro precisa de uma nova tarefa. Então, você pode proceder com a definição de uma entrada de dados simulados por meio do componente FixedFlowInput e transformar isso em uma mensagem XML por meio do txmlmap. A mensagem é, então, alimentada para o tesbconsumer, que dispara a chamada de serviço para Listagem 2: Componente Echo 02 public class Echo 03 { 05 public String String string) 06 { 07 return string; 08 } 09 } Listagem 3: pom.xml 01 <dependencies> 02 <dependency> 03 <groupid>org.apache.servicemix</groupid> 04 <artifactid>servicemix-file</artifactid> 05 <version>${servicemix-version}</version> 06 </dependency> 07 </dependencies> Listagem 4: xbean.xml 01 <beans xmlns:file=" " 02 xmlns:tut="urn:servicemix:tutorial"> 03 <!-- add the sender endpoint here --> 04 <!-- add the poller endpoint here --> 05 </beans> 06 <file:sender service="tut:file" 07 endpoint="sender" 08 directory="file:/home/servicemix/output" /> 09 <file:poller service="tut:file" 10 endpoint="poller" 11 file="file:/home/servicemix/input" 12 targetservice="tut:file" 13 targetendpoint="sender"/> Listagem 5: pom.xml 01 <project> 02 [...] 03 <dependencies> 04 <dependency> 05 <groupid>org.apache.servicemix.tutorial</groupid> 06 <artifactid>tutorial-file-su</artifactid> 07 <version>1.0-snapshot</version> 08 </dependency> 09 </dependencies> 10 [...] 11 </project> Linux Magazine #87 Fevereiro de

5 ANÁLISE Ambiente com arquitetura orientada a serviço o provedor ESB. Novamente, você pode configurar o arquivo de linguagem WSDL ( Web Service Definition Language ) requisitada para isso. Tudo o que você precisa agora é de um provedor com dois componentes ESB: um que aceite a requisição e outro que retorne a resposta. Novamente, você precisa de uma tarefa para o fornecedor. Os dois componentes são combinados por um tlogrow, de forma que o fluxo de dados entre eles seja exibido na linha de comando. O tesbproviderrequest tem que ser configurado usando o mesmo arquivo WSDL que o cliente acabou de criar. Então, é possível iniciar o provedor para os serviços requisitados. Para tanto, vá à aba Start na parte inferior da área de trabalho. O cliente recebe, então, o comando para iniciar usando o mesmo mecanismo. A edição corporativa do Talend ESB também suporta a integração de plugins comerciais adicionais. Pacotes opcionais permitem aos usuários implementar o Sopera ESB.NET, Sopera BPM, Sopera Application, Data Integration e Sopera HQ (gerenciamento de sistema e serviço). O fornecedor também suporta ambientes runtime comerciais. A versão corporativa é sujeita a uma licença separada. O que faz da edição corporativa do Talend ESB interessante é a cooperação aprimorada entre equipes administrativas por meio do repositório Talend e o console administrativo uniforme para gerenciamento centralizado das atividades e localização dos serviços. Comunidades, suporte e IDEs Os três fornecedores de ESB possuem comunidades bem ativas, embora a maior seja, sem dúvidas, a do Mule, onde membros da comunidade oferecem suporte útil, extensões e I-Beans que eles mesmo programaram. O repositório Git do Mule contém muitos plugins. Mule ESB Apache ServiceMix Versão atual Licença Community edition (CPAL) e Enterprise edition com suporte comercial Licença Apache 2.0 Arquitetura Java, centralizada Java, centralizada Comunidade Suporte Sistemas operacionais suportados Servidor de aplicação suportado Suporte de linguagens para serviços/dispositivos Suporte de desenvolvimento Comunidade ativa Muleforte, com extensões, I-Beans, fóruns e listas de correio Pessoa de contato, atualizações de software, suporte 8/5 ou 24/7, suporte, service packs Linux, Windows, Solares, AIX, HP-UX, Mac OS X Geronimo, Jboss, WebLogic, WebSphere, Oracle, Sun One, Tcat, Tomcat, Resin, Jetty, Framework Spring Groovy, Java, JavaScript, Jaxen, Jython (Python), JRuby, JXPath O desenvolvimento suporta Eclipse Mule IDE, Mule Studio, Profi ler, Japex, Data Integrator IDE, Ant, Maven Fórum ativo, listas de correio Fóruns de discussão, suporte 8/5 ou 24/7, service packs Windows XP e 2000, Solaris, HP-UX, Linux, Mac OS X Geronimo, Jboss, Jonas Java, Groovy, JRuby, Rhino, JavaScript Console web para desenvolvimento de componentes JBI Gerenciador de processo de negócios JBPM, BPEL BPEL (Apache ODE), Bpm-Script Monitoração Gerenciamento e monitoração, correção do gerenciamento, ferramentas de migração JMX, Ant Tasks Disponibilidade Persistência de mensagem Transações Alta disponibilidade e resistência a falhas, políticas de repetição de tentativas para autocorreção da conectividade Filas de VM persistentes (fi las internas do SEDA forçam a persistência) Independente de transporte (por exemplo, JDBC, XA, JMS, reconhecimento de mensagens, transações de múltiplos recursos) Tabela 1 Resumo dos três fornecedores de ESB de código aberto. Alta disponibilidade e clusterização de contêineres JMS, JDBC JMS, JCA 68

6 Ambiente com arquitetura orientada a serviço ANÁLISE Após a aquisição da Sopera pela Talend, os usuários agora se beneficiam de uma comunidade muito forte. Uma comunidade bastante ativa cresce em torno do Talend Open Studio, com comunicação intensa por fóruns e muito trabalho de desenvolvimento oferecido pelos membros. Embora uma comunidade exista para o Apache ServiceMix ou Fuse ESB, ela não possui o mesmo grau de movimentação das concorrentes. Os três fornecedores oferecem versões corporativas. Os clientes podem escolher entre diversos modelos com diversos recursos. Corporações tendem a optar pela versão Enterprise TalendESB (Sopera) 4.21 Licença pública Eclipse (Community edition); anteriormente licença Sopera (Enterprise edition) Java, sob demanda, distribuída Fórum, blog, seminários online Telefone, help desk, atualizações gratuitas, service packs Windows XP, Vista e Server 2003, Solaris, Linux Geronimo, Jboss, WebLogic, WebSphere, SAP NetWeaver, Tomcat, Jetty Java,.NET Kit de ferramentas próprio (Eclipse) Sopera BPM (baseado em Intalio BPM), Apache ODE, SAG, webmethods BPMS Eclipse, interface de gerenciamento para o Service Registry, JMX, arquitetura distribuída Sopera HQ das ferramentas com suas garantias de suporte, principalmente em se tratando de aplicativos de missão crítica. Nesse caso, a organização de TI da companhia não precisa depender da comunidade em casos de desastre. Os três fornecedores também oferecem suporte de desenvolvimento. Além do Mule IDE, que é baseado em Eclipse, o MuleSoft tem agora o Mule Studio em seu portfólio. O Mule Studio dá aos programadores a capacidade de modelar fluxos graficamente e configurar os componentes, como uma conexão JDBC. Esse componente gráfico torna possível a definição de um fluxo genérico em um curto período de tempo. Apesar disso, os desenvolvedores podem se concentrar em integrar os componentes requisitados. Seguindo a aquisição da Sopera pela Talend, a versão 4.2 agora tem uma ferramenta gráfica que permite aos administradores integrar seu SOA. Isso dá aos usuários uma interface gráfica, assim como fazem as ferramentas mais familiares Talend Open Studio e Data Profiler, que oferecem a possibilidade de arrastar componentes em um tipo de quadro onde eles podem ser combinados e configurados. Programadores podem, assim, se concentrar em desenvolvimento puro de componentes Java. O Fuse também oferece uma ferramenta que dá aos usuários um espaço de trabalho gráfico onde eles podem arrastar, vincular e configurar componentes no formato do Fuse IDE. Todas as soluções são baseadas em Eclipse. Concorrentes: IBM, Red Hat e Microsoft Os concorrentes proprietários servem a grupos muito diferentes. Os usuários sempre podem encontrar ajuda em fóruns, grupos de usuários, blogs, webcasts e wikis. O BizTalk, da Microsoft, é mais apropriado para clientes que já tem soluções da empresa, pois está disponível somente na plataforma Windows. A plataforma SOA da Red Hat, JBoss, cria uma API proprietária e é vendida como uma solução stand-alone sem Tomcat ou middleware similar. Suas forças estão no setor de mensagens. O WebSphere, da IBM, é uma das soluções mais caras, mas que consegue oferecer aos clientes pagantes respostas para quase qualquer problema. ESBs de código aberto: algo para todo mundo Cada uma das três soluções ESB abordadas tem seus benefícios e uma versão corporativa com suporte do fornecedor. Os clientes podem escolher entre diversos modelos com diversos níveis de disponibilidade. Os fornecedores não oferecem suporte para as edições comunitárias, mas contam com comunidades movimentadas. Arquitetura distribuída JMS JMS, JDBC Figura 3 Um exemplo simples de um aplicativo no Mule Studio. Linux Magazine #87 Fevereiro de

7 ANÁLISE Ambiente com arquitetura orientada a serviço O Mule ESB oferece as vantagens de uma grande comunidade. Além disso, conta com muitos conectores para serviços de nuvem, como o Salesforce, Amazon Web Services ou Twitter. Isso facilita a tarefa de desenvolver soluções ESB que acessam serviços web algo interessante levando em consideração que a integração dos serviços baseados em nuvem com aplicativos legados pode se tornar mais importante no futuro. Em contraste, a Talend oferece um IDE muito intuitivo para a programação de sua própria solução baseada em ESB. A Talend ampliou seu portfólio para incluir uma solução ESB e está gradualmente chegando perto do Mule. O Apache ServiceMix e Fuse ESB possui uma curva de aprendizado maior se comparado aos outros fornecedores, sendo assim, próprios para desenvolvedores experientes. As principais vantagens desses programas é a excelente interoperabilidade com outros projetos Apache relevantes, como o Active MQ, Camel ou CXF. Além disso, o OSGi ( Open Services Gateway Initiative [18] ) criou uma base atemporal para uma plataforma de integração baseada em um padrão reconhecido. Quadro 1: Análises de ESB As empresas de pesquisas de mercado Forrester e Gartner investigaram de forma constante os ESBs em anos recentes. Os melhores produtos são destacados como líderes e os de desempenho mais forte também são recomendados. Os bons fornecedores de acordo com a Gartner são corporativos que têm soluções ou tecnologias inovadoras no portfólio e cujo uso tem alguma infl uência no usuário fi nal. Dito isso, os candidatos podem pontuar de 0 (muito fraco) a 5 (muito forte) para cada característica na pesquisa. Uma visão geral dos resultados: Fuse ESB 4.0 baseado no Apache ServiceMix foi listado como líder no estudo de 2011 da Forrester. Sua orquestração ganhou 5 pontos, a arquitetura fi cou com 4.88 e as conexões com O BizTalk fi cou como líder em 2010 de acordo com a Forrester. O analista investigou o BizTalk Server 2010 e o ESB Toolkit. O BizTalk alcançou um bom valor de 5 na categoria Estratégia. A IBM também foi citada como líder em 2011 pelos seus produtos WebSphere Enterprise Service Bus Registry Edition (WESBRE) e WebSphere Message Broker (WMB). O IBM WebSphere Enterprise Service Bus (WESB) garantiu um lugar na categoria de forte desempenho. O levantamento da Forrester vê o Mule ESB 3 como de forte desempenho. Seus principais benefícios são conexões 5.0, arquitetura (4.70) e mudança e controle (4.47). A plataforma SOA JBoss foi listada como de forte desempenho pela Forrester com notas de 3.98 para mediação, 3.37 para mudanças e controle de 3.33 para conexões. O Gartner citou o Sopera como um bom fornecedor no quesito plataforma e integração em Gostou do artigo? Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em Este artigo no nosso site: Mais informações [1] SOA: Service -oriented_architecture [2] ESB: wiki/enterprise_service_bus [3] IBM WebSphere: -01.ibm. com/software/decision-management/ operational-decision-management/websphereoperational-decision-management/ [4] Microsoft BizTalk: com/biztalk/en/us/default.aspx [5] Adaptadores de integração da Oracle: adapters/overview/index.html [6] Plataforma SOA JBoss Enterprise: [7] MuleSoft: [8] Apache ServiceMix: servicemix.apache.org/ [9] Talend: - application-integration/index.php [10] Sopera: [11] Levantamento da Forrester Research: analystreports/infrastructure/forrester - wave-esb-q pdf [12] JBI: Java_Business_Integration [13] Apache Maven: [14] Guia de iniciantes para Apache Service-Mix: -beginnerusing-maven-to-de-velop-jbi-applications.html [15] FuseSource: [16] Apache Camel: [17] Tutorial do Talend ESB tutorial: talendforge.org/tutorials/tutorial. php?language=english&idtuto=94 [18] Iniciativa Open Services Gateway: 70

8

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

PROJELER. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2. Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com.

PROJELER. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2. Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2 Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com.br Platinum Implementation Partner 1 Enterprise Edition Software de Código Aberto

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Integrações e o ecossistema Java. Fabric8 ao Resgate!

Integrações e o ecossistema Java. Fabric8 ao Resgate! Integrações e o ecossistema Java Fabric8 ao Resgate! Quem sou eu? Leandro O. Gomes blog.leandrogomes.com @leandro_gomes 7 anos de estrada Arquiteto de Software na Owse no Rio de Janeiro Apaixonado por

Leia mais

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Otimização e Automação de Processos de Negócio Abril/2008 Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Maurício Bitencourt, PMP Diretor Executivo mauricio.bitencourt@projeler.com.br

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5 Visão Geral do IBM Business Process Manager ii Visão Geral Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais PDF são fornecidos como uma conveniência para

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Fatos e Mitos do Java EE Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br O Que É o Java EE? É um padrão de bibliotecas e componentes (APIs) para a criação de aplicações corporativas Também é um padrão

Leia mais

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Agenda Apresentação Contexto do mercado Soluções para Java 5+ Soluções para Java 2 Conclusões Apresentação Saulo Arruda (http://sauloarruda.eti.br) Trabalha com

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos ESB Enterprise Service Bus Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Resumo Introdução Definição Problemas atuais e Vantagens Evolução do ESB ESB versus EAI, MOM, Workfow, SOA

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

SOA na Prática Ricardo Limonta

SOA na Prática Ricardo Limonta SOA na Prática Ricardo Limonta Arquiteto JEE Objetivo Apresentar os conceitos de Arquiteturas Orientadas a Serviços; Entender a relação entre SOA e a tecnologia Web Services; Implementar SOA com Web Services

Leia mais

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1 TDC2012 EJB simples e descomplicado, na prática Slide 1 Palestrantes Kleber Xavier Arquiteto Senior / Globalcode kleber@globalcode.com.br Vinicius Senger Arquiteto Senior / Globalcode vinicius@globalcode.com.br

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

The Open Source Business Process Platform Company. Proposta Comercial. Plataforma Intalio BPP

The Open Source Business Process Platform Company. Proposta Comercial. Plataforma Intalio BPP Proposta Comercial Plataforma Intalio BPP 2 É com grande prazer que apresentamos nossa Proposta Comercial, com o objetivo de fornecer total visibilidade da plataforma Intalio BPP (Business Process Platform),

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral Comunicação Gerenciamento de Filas Padrões e Produtos 1 Middleware Orientado a Mensagens RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens (MOM)

Middleware Orientado a Mensagens (MOM) Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação Cliente e servidor precisam estar ativos durante a comunicação Implica em espera para

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005

IMPORTANTE: Todos os pedidos devem ser recebidos até: 10 de abril de 2005 HP 690 East Middlefield Road Mt. View, CA 94043, EUA Resposta de Clientes N.º (650) 960-5040 System Handle ou Referência de Conta de Suporte: Identificação de Contrato de Serviço: IMPORTANTE: Todos os

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Spring: Um suite de novas opções para Java EE

Spring: Um suite de novas opções para Java EE Spring: Um suite de novas opções para Java EE Alberto J Lemos (Dr. Spock) Instrutor Globalcode Ricardo Jun Taniguchi Instrutor Globalcode 1 Agenda > Sobre o Spring Framework > Escopo de integração com

Leia mais

soluções transversais SOLUÇÕES middleware

soluções transversais SOLUÇÕES middleware soluções transversais SOLUÇÕES middleware RESUMO DA SOLUÇÃO ITbank framework 4g performance orquestração interoperabilidade O Middleware SOA ITBank framework 4g implementa uma arquitetura SOA com orquestração

Leia mais

Midleware CXF. Angélica A. P. Ribeiro, Leandro M. G. Sousa. Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Caixa Postal 38520 000 Monte Carmelo MG Brazil

Midleware CXF. Angélica A. P. Ribeiro, Leandro M. G. Sousa. Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Caixa Postal 38520 000 Monte Carmelo MG Brazil Midleware CXF Angélica A. P. Ribeiro, Leandro M. G. Sousa Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Caixa Postal 38520 000 Monte Carmelo MG Brazil Faculdade de computação {angelribeiro,leandromagno}@si.ufu.br

Leia mais

Portfólio Operacional

Portfólio Operacional Portfólio Operacional www.3layer.com.br 3layer@3layer.com.br Porto Alegre, RS Brasil 2014 Sumário PARTE 1 Introdução Histórico Premissas Foco PARTE 2 Estrutura de Operações Parceiros Serviços Produtos

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA

APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA OFERECE SUPORTE A PROCESSOS DE NEGÓCIOS ESSENCIAIS EM SISTEMAS PÚBLICOS E PRIVADOS PRINCIPAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Ata de Registro de Preços para licenças de softwares da plataforma Red Hat Linux

TERMO DE REFERÊNCIA. Ata de Registro de Preços para licenças de softwares da plataforma Red Hat Linux TERMO DE REFERÊNCIA Ata de Registro de Preços para licenças de softwares da plataforma Red Hat Linux Página 1 de 43 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO ATUALIZAÇÃO E AQUISIÇÃO DE SUBSCRIÇÃO DE LICENÇAS DO SOFTWARE

Leia mais

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas Symantec Discovery Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas VISÃO GERAL O Symantec Discovery ajuda a garantir a resiliência

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço A1Provendo e Consumindo Web-Services com JAX-WS Capítulo 22 Introdução aos Web-Services via JAX-WS - Um breve histórico sobre Web-Services Os Web-Services são uma tecnologia popular para apoiar iniciativas

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Belo Horizonte, 06 de Maio de 2010 A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Referente: CONSULTA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO DE GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE

ESPECIFICAÇÕES. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE Departamento de Planejamento e Projetos de Infraestrutura - DEPI ESPECIFICAÇÕES Aquisição de Solução de Gerenciamento de Desempenho de Aplicações JEE Especificação Técnica - Aquisição de Solução de Gerenciamento

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados.

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Visão Geral e-coree Estabelecida em 1999 Escritórios rios no Brasil e EUA Aproximadamente 100 profissionais Atua em prestação de serviços offshore desde 2004 Roteiro

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O Introdução a Arquiteturas ESB Uma típica sala de TV Uma TV e um DVD. Uma típica sala de TV em operação Conexão ponto a ponto entre a sala de TV e o DVD. A sala de TV dos seus sonhos Uma TV Digital, sistemas

Leia mais

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com SOA Service Oriented Architecture Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com 1 Roteiro SOA Serviços Tecnologias para o desenvolvimento de serviços Modelagem de Negócios 2 O que é SOA É uma arquitetura de desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS

CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS Documentação da Infraestrutura de TIC com o INGRIS CMS Cabling Management System INFRAESTRUTURA DE CONECTIVIDADE Um bom sistema de administração provê

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS Você trabalha ou quer trabalhar com tecnologias orientadas para objetos e sua distribuição na internet usando objetos inteligentes, especialmente

Leia mais

Alfresco Content Management

Alfresco Content Management Alfresco Content Management Alfresco é um sistema ECM (Enterprise Content Management) também conhecido como GED (Gestão Eletrônica de Documentos) em nosso mercado de porte corporativo para atender a empresas

Leia mais

Descrição da Vaga: Desenvolver aplicações Java web; Gerar consultas e manutenção de tabelas e atributos via SQL.

Descrição da Vaga: Desenvolver aplicações Java web; Gerar consultas e manutenção de tabelas e atributos via SQL. Título da Vaga: Desenvolvedor Java Web Descrição da Vaga: Desenvolver aplicações Java web; Gerar consultas e manutenção de tabelas e atributos via SQL. Requisitos: Sólida experiência em desenvolvimento

Leia mais

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O R e d H a t E n t e r p r i s e L i n u x e m u s o : G i g a n t

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aplicação de Método baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações gerais em Avisos, na página 7. Prefácio Este Leia-me

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Vanderson Botelho da Silva (SERPRO/SUPST/STCTA) Emerson Sachio Saito (SERPRO/CETEC/CTCTA) Flávio Gomes da Silva Lisboa (SERPRO/CETEC/CTCTA) Serge Normando Rehem

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 O que há de novo? Por que vale a pena atualizar? Microsoft Corporation Publicado em: 18 de dezembro de 2006 Sumário Executivo O System Center Operations

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL PM

Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL PM UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA Relatórios Técnicos do Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO n 0016/2009 Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL

Leia mais

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades

Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Treinamento técnico KL 202.10 Treinamento técnico KL 202.10 Kaspersky Endpoint Security e o gerenciamento. Migração e novidades Migração

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

posso personalizar minha implantação de gerenciamento de identidades sem codificações e serviços extensivos?

posso personalizar minha implantação de gerenciamento de identidades sem codificações e serviços extensivos? RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitários Connector Xpress e Policy Xpress no CA IdentityMinder posso personalizar minha implantação de gerenciamento de identidades sem codificações e serviços extensivos? agility

Leia mais

A partir do XMon é possível:

A partir do XMon é possível: Monitoramento XMon É uma ferramenta para gerenciar o seu ambiente de TI de forma centralizada e constante, obtendo informações precisas da performance de todos os seus ativos e previna possíveis problemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais