O PODER NA VISÃO DE FOUCAULT E DE MARIA LUCIA DE ARRUDA ARANHA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PODER NA VISÃO DE FOUCAULT E DE MARIA LUCIA DE ARRUDA ARANHA"

Transcrição

1 O PODER NA VISÃO DE FOUCAULT E DE MARIA LUCIA DE ARRUDA ARANHA Leonardo Magela Lopes Matoso * Mônica Betânia Lopes Matoso** resenha RESUMO A resenha apresentada trata-se de uma identificação acerca da concepção do Poder, extraído do livro a Microfísica do Poder de Michel Foucault e do livro Filosofando: Introdução á Filosofia de Maria Lúcia de Arruda Aranha, onde buscou apreender na ótica dos autores o conceito de poder e identificar em que corroboram e divergem suas opiniões. Palavras-Chaves: Poder. Foucault. Aranha. * Monitor bolsista no âmbito das Bases Biológicas da Enfermagem e atualmente é bolsista do PIBIC, no Centro de Oncologia e Hematologia de Mossoró. E:mail: leonardo.l. com site:http://mante rasaude.blogspot.com.br/. ** Graduada em Serviço Social e Pós-Graduada em Pluralidade Cultural e Orientação Sexual. Técnica de Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Gerencia Executiva e Desenvolvimento Social de Mossoró. E:mail: Falar sobre poder é algo muito relativo, pois varia no tempo e em função das inúmeras teorias abordada por diferentes autores, no qual cada um deles compreende o mesmo de uma maneira peculiar. Nessa ótica essa resenha tem o intuito de mostra à visão de Poder segundo Maria Lúcia de Arruda Aranha e Michel Foucault, nas respectivas obras Filosofando: Introdução a Filosofia e A Microfísica do Poder. De acordo com aranha o conceito de poder é a capacidade ou possibilidade de agir, de produzir efeitos desejados sobre indivíduos ou grupos humanos. Para ela o poder pode ser compreendido por meio de dois polos: o de quem exerce o poder e o daquele sobre o qual o poder é exercido. Em sua perspectiva para que o poder seja exercido é preciso que se tenha força. Sendo que a força não C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.5, n.1, p , jan./dez

2 MATOSO, L. M. L.; MATOSO, M. B. L. significa necessariamente a posse dos meios violentos de repressão ou opressão, mas de meios que permitam influir no comportamento de outras pessoas. Dai a autora afirmar que a força é um instrumento para o exercício do poder. Ainda segundo a autora, a concepção de poder significa a capacidade de modificar a vontade do outro na sua própria vontade; é uma ação a ser exercida sobre um sujeito, no qual sua vontade é transformada na vontade de quem estiver com o poder convertendo desta forma seus ideais. No entanto ao falar do poder Aranha da ênfase a Política, em especial ao poder do Estado, onde a mesma faz sua analisa a partir de uma visão Macro do Poder. Ela revela que uma das condições necessárias e exclusiva do Estado é a força física, pois faz com que ocorra uma melhor ordem e funcionamento na sociedade. No entanto esta condição não é suficiente para a manutenção do poder, pois um Estado que se sustenta apenas na força não pode durar. Desta forma o Estado tende a se manter por meio da aplicação de leis, recolher impostos, possuir um exército, constituindo-se assim um poder centralizador, no qual o soberano, através de um jogo de vontades e força exerce uma ação na sociedade servil. Destaca-se ainda que o poder é uma relação ou um conjunto de relações pelas quais indivíduos ou grupos interferem na atividade de outros indivíduos ou grupos. No entanto este poder tem que ser legítimo, ou seja, deve haver o consentimento daqueles que obedecem. Sendo assim, o poder torna-se legítimo porque emana do povo e se faz em conformidade com a lei. O Poder em Michel Foucault foi analisado sobre uma ótica diferenciada. O 220 C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.5, n.1, p , jan./dez. 2012

3 O poder na visão de Foucault e de Maria Lucia de Arruda Aranha mesmo não partiu de um macro poder, mas sim das menores relações. No capítulo por uma Genealogia do Poder, Foucault tentou abordar o poder de forma minuciosa sobre a profundeza do micro, abordando os minúsculos poderes que se estendem e tecem a rede social. Para ele não existe uma teoria global do poder, ou seja, em sua ótica o poder não é considerado uma realidade que possui uma natureza ou uma essência que definem suas características. O poder não é de longe um objeto natural, ele é uma prática social que se constitui historicamente e tais praticas se modelam nas relações sociais. O micro poder por sua vez é como ramificações dos galhos de uma árvore, sendo o tronco da árvore o poder central o Estado e os galhos que se subdividem formando diversos ramos é o Micro Poder e tais poderes estão sempre Dai o título da sua obra, a Microfísica do Poder, pois seria a análise dessa rede de minúsculos poderes que constituem uma sociedade. Destaca-se ainda que o micro Poder existe integrado ou não ao Estado. O que significa dizer que o poder é algo que se exerce, que se efetua, e que funciona como uma maquinaria social que não esta situada em um lugar privilegiado ou exclusivo, mas se dissemina por toda a estrutura social. Não é um objeto, uma coisa, mas uma relação. E esse caráter relacional do poder implica que as próprias lutas contra seu exercício não possam ser feitas de fora, de outro lugar, do exterior, pois nada está isento de poder. Nesse ínterim o poder não é estático e sim dinâmico, é algo que se exerce em redes, uma vez que não existe uma entidade ou grupo que centraliza o produzindo novas articulações de Poder. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.5, n.1, p , jan./dez

4 MATOSO, L. M. L.; MATOSO, M. B. L. poder, portanto, o Poder se exerce tanto no nível macro quanto no micro. Foucault retrata o poder como sendo algo que não se pode possuir. Portanto, não existe em nenhuma sociedade divisão entre os que têm e os que não têm poder. Pois o poder de certa forma é uma abstração. Percebe-se que os autores trabalhados nessa resenha convergem suas ideias quando nos mostra que o poder esta nas práticas sociais, que não é algo pronto e acabado, porém deve ser modelado na sociedade através das relações sociais. Ambos coadunam também, em relação ao poder central, sendo este o Estado. Em relação as suas divergências, Aranha trabalha com uma visão macro do poder, mostrando a soberania do Estado e força que exerce sobre a sociedade servil, já Foucault trabalha numa trabalhar a soberania do Estado e sim os seus aparelhos. Revelando que o poder esta nas pequenas relações, como por exemplo, num charme exercido pela pessoa amada, numa relação materno/paterna, numa manifestação política, numa sala de aula entre outras. Esta resenha nos possibilitou uma análise e um esclarecimento acerca do que viria a ser o poder. São textos com informações imensuráveis, onde nos passou uma leitura tecnicista, o que dificultou a nossa compreensão, mesmo assim, buscamos abordar a essência dos textos de forma clara e concisa. Em suma, são textos de absoluta importância para o conhecimento e para o comprometimento com a profissão e com a sociedade. Pois, como futuros profissionais da área da saúde, devemos buscar estes elementos para elucidar o conhecimento acerca do Homem em Sociedade. perspectiva micro, ele não se limita a 222 C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.5, n.1, p , jan./dez. 2012

5 O poder na visão de Foucault e de Maria Lucia de Arruda Aranha THE POWER OF VISION IN FOUCAULT AND MARY LUCIA AND ARRUDA ARANHA ABSTRACT Keywords: The review appears this is an identification on the design of Power, excerpted from the Microphysics of Power Michel Foucault and the book Philosophizing: Introduction to Philosophy of Maria Lucia de Arruda Spider, which sought to identify the perspective of the authors of the concept able to identify and corroborate and diverge in their opinions. Power. Foucault. Spider. Artigo recebido em 10/07/2012 e aceito para publicação em 12/09/2012 REFERÊNCIAS ARANHA, M.L. A. Filosofando: Introdução á filosofia. In: ARANHA, M. A. M. M. H. P. 2.ed. São Paulo: Moderna, FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edição Graal; C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.5, n.1, p , jan./dez

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PROFESSORES: Adriana de Souza Medeiros Batista Marcelo Fernandes Cipreste 1. EMENTA: Antecedentes teóricos, históricos, perspectiva contemporânea

Leia mais

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa

Elementos para uma teoria libertária do poder. Felipe Corrêa Elementos para uma teoria libertária do poder Felipe Corrêa Seminário Poder e Estado Florianópolis, março de 2012 DEFINIÇÕES DE PODER - Poder é toda probabilidade de impor a própria vontade numa relação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PROFESSORA: Adriana de Souza Medeiros Batista 1. EMENTA: Antecedentes teóricos, históricos, perspectiva contemporânea da bioética. Ética

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO DE APOIO ACADÊMICO NA GRADUAÇÃO

A MONITORIA COMO INSTRUMENTO DE APOIO ACADÊMICO NA GRADUAÇÃO A MONITORIA COMO INSTRUMENTO DE APOIO ACADÊMICO NA GRADUAÇÃO Joseliane Fernandes Miguel dos Santos (1), Ana Paulo Pereira do Nascimento (2) Thiago Jardelino Dias (3) Universidade Federal da Paraíba-UFPB/

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Micro e Macro Economia Código: EPD005 Curso: Engenharia de Produção Faculdade Responsável: Engenharia de

Leia mais

A ORDEM NOBRE MEDIEVAL E SUA RELAÇÃO COM O PODER E A SABEDORIA. MEDIEVAL NOBLE ORDER AND ITS RELATION WITH THE POWER AND WISDOM.

A ORDEM NOBRE MEDIEVAL E SUA RELAÇÃO COM O PODER E A SABEDORIA. MEDIEVAL NOBLE ORDER AND ITS RELATION WITH THE POWER AND WISDOM. A ORDEM NOBRE MEDIEVAL E SUA RELAÇÃO COM O PODER E A SABEDORIA. MEDIEVAL NOBLE ORDER AND ITS RELATION WITH THE POWER AND WISDOM. Amanda Lopes Blanco 1. RESUMO Este artigo se propõe analisar as obrigações

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR CONTRIBUIÇÕES DE UMA OFICINA SOBRE GENÊRO E SEXUALIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR MARTINS, Beatriz Rodrigues 1 ; ROSINI, Alessandra Monteiro 2 ; CORRÊA, Alessandro Sousa 3 ; DE CARVALHO, Deborah Nogueira 4 ;

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Engenharia Ambiental - Campus EAD INDICADOR Curso* Campus EAD* ÍNDICE DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE (Autor) Tiago Roberto Alves Teixeira Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão tiago.porto@hotmail.com (Orientadora) Áurea Andrade Viana

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES. Profa: Maria Leonor da S. Teixeira

B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES. Profa: Maria Leonor da S. Teixeira B2 - PODER NACIONAL E SUAS EXPRESSÕES Profa: Maria Leonor da S. Teixeira 1 O B J E T I V O Identificar o Poder Nacional como instrumento de que dispõe a Nação para a execução da Estratégia, com vistas

Leia mais

As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i

As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i As tendências contemporâneas no ensino de Matemática e na pesquisa em Educação Matemática: questões para o debate i José Dilson Beserra Cavalcanti ii INTRODUÇÃO A finalidade do presente trabalho é apresentar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES MEDICINA - SÃO CARLOS Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Medicina - Campus São Carlos INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL SATISFAÇÃO

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

CARTA DE RECIFE 2010

CARTA DE RECIFE 2010 CARTA DE RECIFE 2010 EXTENSÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL: PROCESSOS DE FORMAÇÃO E CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NAS INSTITUIÇÕES COMUNITÁRIAS Apresentação O Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária das

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO

A FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO A FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO Natália Pereira SILVA RESUMO: O contrato é um instrumento jurídico de grande importância social na modernidade, desde a criação do Código Civil de 2002 por Miguel Reale, tal

Leia mais

A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS

A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS A PRODUÇÃO DE MAQUETES COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE MODELOS ATÔMICOS Janice Silvana Novakowski Kierepka 1 Thatiane de Britto Stähler 2 Lenir Basso Zanon 3 Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p.

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p. R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011. 87p. Zilda DOURADO 1 A ecolinguística está firmando-se como uma nova epistemologia nos estudos da linguagem, pois estuda

Leia mais

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social A publicação Orientações para Conselheiros de Saúde foi desenvolvida pelo Tribunal de Contas da União para fortalecer o controle

Leia mais

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 15) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teoria do Conhecimento Teoria do Conhecimento A crise da Razão Blaise Pascal (1623-1662) Soren Kierkegaard (1813-1855) Pascal (séc. XVII)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PLANO DE ENSINO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL PLANO DE ENSINO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E PROMOÇÃO SOCIAL 5ª UNIDADE REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DISCIPLINA: Filosofia CURSO: Ensino Médio SÉRIE/ANO:3ª/ PLANO DE ENSINO CARGA

Leia mais

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

PLANO DE CURSO. CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.2 Professor:

Leia mais

Políticas, planos e programas de Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina

Políticas, planos e programas de Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina Parte A Políticas, planos e programas de Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina Estado (governo) Garantia dos direitos sociais Política Pública Garantia dos direitos sociais Qual é o processo

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE NÚMEROS INTEIROS NUMA TURMA DE 7º ANO EJA Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 RESUMO

UMA ABORDAGEM SOBRE NÚMEROS INTEIROS NUMA TURMA DE 7º ANO EJA Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 RESUMO UMA ABORDAGEM SOBRE NÚMEROS INTEIROS NUMA TURMA DE 7º ANO EJA Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Alexsandra Ramalho COSTA CEAI Dr. João Pereira de Assis alexsandraramalhoc@gmail.com

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 6-17/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS BSC - BALANCE SCORECARD 2 O QUE É BALANCE SCORECARD O BSC é uma nova abordagem para administração estratégica, desenvolvida por Robert

Leia mais

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA EMENTAS - 2017.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL II Desenvolvimento da percepção dos elementos da organização musical, através de atividades práticas; utilização de elementos

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA Seminário do ENADE Agronomia, Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Educação Física, Medicina Veterinária e Estética e Cosmética Profª. Ma. Denise Tatiane Girardon

Leia mais

O ENSINO DE DIREITOS HUMANOS NOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO DO IFRS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Laura, D. A. 1 ; Letícia S.F. 2

O ENSINO DE DIREITOS HUMANOS NOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO DO IFRS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Laura, D. A. 1 ; Letícia S.F. 2 O ENSINO DE DIREITOS HUMANOS NOS CURSOS DE ENSINO MÉDIO DO IFRS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Laura, D. A. 1 ; Letícia S.F. 2 RESUMO- A temática dos direitos humanos é uma pauta cada vez mais presente no

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TÉCNICO INFORMÁTICA FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Aluno: Marcos José Cosme De Souza Orientador: Prof.ª. Dra. Débora Coutinho Paschoal Dourado

Aluno: Marcos José Cosme De Souza Orientador: Prof.ª. Dra. Débora Coutinho Paschoal Dourado Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração O MODELO DE LIDERANÇA SITUACIONAL DE HERSEY E BLANCHARD

Leia mais

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas?

E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? E nas aulas anteriores... O que é História? Quem produz História? O que são fontes Históricas? História e Pedagogia História: É a interpretação da ação transformadora do homem no tempo; Pedagogia: Teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011/1 DISCIPLINA: História(s) da Educação no Brasil - JA0001 PROFESSOR: Ms. Guinter Tlaija Leipnitz I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 horas

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 horas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR: BACHARELADO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA

POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA POLÍTICA. MARGINALIZAÇÃO POLÍTICA ÉTICA PROFISSIONAL E EMPRESARIAL POLÍTICA. O QUE É POLÍTICA? POLIS = CIDADE-ESTADO atividade humana que se refere à cidade. Aristóteles Política é a realização do bem

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

PREVENÇÃO NAS ESCOLAS

PREVENÇÃO NAS ESCOLAS PREVENÇÃO NAS ESCOLAS PREVENÇÃO NAS ESCOLAS Diga Sim à Vida a Turma da Mônica na Prevenção do Uso de Drogas Parceria: SENAD/MEC/FIOCRUZ 2º ao 5º ano Ensino Fundamental Escolas da Rede Pública Público-Alvo:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos

Leia mais

TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis

TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis Universidade Federal de Pernambuco andrezabarbozasilva@hotmail.com ppfidelis@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: INTRODUÇÃO A ECONOMIA Código da Disciplina: EPD003 Curso: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

PRATICA PEDAGOGICA INTERDISCIPLINAR, POSSIBILIDADE DE ENSINO SOBRE DIVERSIDADE CULTURA NO ENSINO FUNDAMENTAL.

PRATICA PEDAGOGICA INTERDISCIPLINAR, POSSIBILIDADE DE ENSINO SOBRE DIVERSIDADE CULTURA NO ENSINO FUNDAMENTAL. PRATICA PEDAGOGICA INTERDISCIPLINAR, POSSIBILIDADE DE ENSINO SOBRE DIVERSIDADE CULTURA NO ENSINO FUNDAMENTAL. Joyce Ludimile Tavares de Lira UFPE- Universidade Federal de Pernambuco joyceludmile@hotmail.com

Leia mais

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira

P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I. CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas Total: 80 horas. Professora Doutora Márcia Maria de Oliveira Curso: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO CÓDIGO DRP30156 P L A N O DE C U R S O DISCIPLINA SOCIOLOGIA I HABILITAÇÃO: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PERÍODO 3 CRÉDITOS 06 CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30 horas

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando

Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando Virgolim, A. M. R. (2007). Altas habilidade/superdotação: encorajando potenciais. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial. Resenhado por: Lara Carolina de Almeida (Universidade

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE RELATÓRIO DE ATIVIDADES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS ALEGRETE RELATÓRIO DE ATIVIDADES NOME DO BOLSISTA: JÉSSICA MARILDA GOMES MENDES 1)RELATÓRIO REFERENTE AO MÊS DE: Setembro de 2016 2)ATIVIDADES INDIVIDUAIS E ESTUDOS REALIZADOS - Correção e elaboração das oficinas a serem aplicadas na

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FILOSOFIA Código: ENF 304 Pré requisito: Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina Professor Responsável Carga Horária Dia/Horário Proposta:

Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina Professor Responsável Carga Horária Dia/Horário Proposta: Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em História Disciplina: Foucault e a História: Diálogos possíveis!? Professor Responsável: William Vaz de Oliveira willianvaz@yahoo.com.br Carga Horária:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP Fone: (35)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP Fone: (35) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000. Fone: (35) 3299-1000 PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIO EDITAL 082/2016 PROGEPE Orientações

Leia mais

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS

O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS O PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E OS IMPOSTOS DIRETOS E INDIRETOS Giovana JERONIMO 1 Wesley TEIXEIRA 2 RESUMO: através de um breve apontamento teórico, o presente estudo buscou analisar o princípio

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II Necessidade de compreensão de que MÉTODO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (METODOLOGIA) ALVES, 2008. MÉTODO NA GEOGRAFIA

Leia mais

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Comportamento Organizacional Carga horária: 72 horas/aula (36

Leia mais

SER PROFESSOR. Escolha de Poucos. Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC. Mestrando: Enildo do Nascimento

SER PROFESSOR. Escolha de Poucos. Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC. Mestrando: Enildo do Nascimento SER PROFESSOR Escolha de Poucos Mestrando: Enildo do Nascimento Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC RAZÕES PELA GRANDE QUEDA NA PROCURA PELO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: -a) falta de

Leia mais

MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO

MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO MARX, ENGELS E A DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO Thalia Jaqueline Schuh; 1 Michel Goulart da Silva 2 1 Bolsista PIBIC-EM/CNPq. 2 Orientador IFC. Introdução Discute-se neste trabalho a contribuição teórica de

Leia mais

REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA REPRESENTAÇÕES EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE: ALGUMAS REFLEXÕES DOS ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Verginia Batista Resumo O presente artigo intitulado

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA Rio de Janeiro, 14 de abril de 2016. OF / CBE / PRES / Nº 2016.408. Do Presidente da Confederação Brasileira de Esgrima CBE. Aos Senhores (as) Responsáveis pelas Entidades de Prática Desportiva EPDs Filiadas,

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TCC 2016/2

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TCC 2016/2 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TCC 2016/2 1. INTRODUÇÃO Para obter o título de Bacharel em Ciências Biológicas pela Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, o aluno deverá desenvolver um Trabalho de

Leia mais

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV 1 O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Daiane de Freitas 1 Ademir Damazio 2 Introdução O presente trabalho tem

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

AVANÇAR: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA GESTÃO ESTRATÉGICA DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL

AVANÇAR: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA GESTÃO ESTRATÉGICA DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL AVANÇAR: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA GESTÃO ESTRATÉGICA DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL MÔNICA CÔRTES DE DOMENICO GUILHERME DORNAS MARIA TERESA ROSCOE RICARDO JACOBINA 2 Painel 13/039 Gestão

Leia mais

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética

Por Fernanda Cintra Lauriano Silva. 1 Ética Analisa a ética enquanto influenciadora da conduta ideal e da conduta real dos indivíduos. Demonstra divergência doutrinária entre os conceitos de moral e ética, juízo de fato e juízo de valor e analisa

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR HISTÓRIA 85 PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: HISTÓRIA Curso:Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio Série/Período: 2º Ano Carga Horária: 40 h/a (33 h/r) Docente

Leia mais

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança Missão Controle Atenção confiança competência Respeito Segurança Nosso objetivo desde a municipalização SUS foi e continua sendo a análise permanente da situação de saúde, controle dos determinantes, riscos

Leia mais

Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4

Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4 Disciplina: Teoria das Organizações AULA 4 Assunto: Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail:

Leia mais

A ÉTICA E A MORAL NAS RELAÇÕES ENTRE-HUMANOS: RESENHA CRÍTICA DO FILME A ILHA

A ÉTICA E A MORAL NAS RELAÇÕES ENTRE-HUMANOS: RESENHA CRÍTICA DO FILME A ILHA A ÉTICA E A MORAL NAS RELAÇÕES ENTRE-HUMANOS: RESENHA CRÍTICA DO FILME A ILHA Leonardo Magela Lopes Matoso * resenha RESUMO O filme a Ilha, nos mostra uma utópica cidade rigorosamente controlada e estruturada

Leia mais

Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza

Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza Pesquisa Jornal Primeiras Letras Fortaleza Pesquisa realizada em fevereiro 2013, mediante questionários anônimos aplicados nas capacitações realizadas nesse mês. Participaram coordenadoras pedagógicas

Leia mais

Caminho das pedras. Organização Convide os participantes a formar pequenos grupos. Materiais Barbante, lã colorida, cartões e tesoura.

Caminho das pedras. Organização Convide os participantes a formar pequenos grupos. Materiais Barbante, lã colorida, cartões e tesoura. Ofici3 cin3 Caminho das pedras Objetivos Desenvolver sequências didáticas que disseminem uma prática sociointeracionista do ensino da leitura e da escrita. Conhecer a metodologia da sequência didática

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PENTECOSTE DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS RECURSOS INTERPOSTOS À BANCA EXAMINADORA DA DISPOSIÇÃO E DOS FUNDAMENTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PENTECOSTE DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS RECURSOS INTERPOSTOS À BANCA EXAMINADORA DA DISPOSIÇÃO E DOS FUNDAMENTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PENTECOSTE DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo PROFESSOR DA EDUCAÇÃO FÍSICA que insurgem

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

BLOG EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS: UMA FERRAMENTA DA INTERNET A SERVIÇO DA EXTENSÃO

BLOG EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS: UMA FERRAMENTA DA INTERNET A SERVIÇO DA EXTENSÃO Anais Eletrônicos VI Semana de Extensão UFS Extensão e Cultura de 03 a 07 de nov. de 2009 BLOG EM ENGENHARIA DE ALIMENTOS: UMA FERRAMENTA DA INTERNET A SERVIÇO DA EXTENSÃO Roselene S. Araújo 1 Hannah Caroline

Leia mais

O CÉREBRO: SUAS PARTES E SEU FUNCIONAMENTO. Carolina Cruz de Melo Gabrielle Cardoso Colman Rafaela Moreira Francisco

O CÉREBRO: SUAS PARTES E SEU FUNCIONAMENTO. Carolina Cruz de Melo Gabrielle Cardoso Colman Rafaela Moreira Francisco O CÉREBRO: SUAS PARTES E SEU FUNCIONAMENTO Carolina Cruz de Melo Gabrielle Cardoso Colman Rafaela Moreira Francisco Professor Orientador: Guy Barcellos Sapucaia do Sul, abril de 2015 1 SUMÁRIO 1. TEMA

Leia mais

ANALISANDO A HERMENÊUTICA JURÍDICA

ANALISANDO A HERMENÊUTICA JURÍDICA ANALISANDO A HERMENÊUTICA JURÍDICA Ariolino Neres Sousa Júnior * Devemos sempre realizar a hermenêutica jurídica? E para que? Essas são algumas das preocupações que permeiam o cotidiano da comunidade acadêmica

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio ETIM. Formação Geral. Plano de Trabalho Docente

Ensino Técnico Integrado ao Médio ETIM. Formação Geral. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Integrado ao Médio ETIM Formação Geral Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC MONSENHOR ANTÔNIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS O curso objetiva a formação de docentes capacitados para atuar no ensino

Leia mais

Incorpore uma marca 1

Incorpore uma marca 1 Incorpore uma marca 1 Anne Lis SKRZYPIEC 2 Eveline SOBERANO 3 Fátima Dayane de OLIVEIRA 4 Luisa Verena PERINE 5 Profª Ms. Patrícia Piana Presas 6 FAE - Centro Universitário Franciscano do Paraná, PR RESUMO

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados

Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados Uma formação dos professores que vai além dos saberes a serem ensinados Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Genebra 2012 Endereços Internet http://www.unige.ch/fapse/sse/teachers/perrenoud/

Leia mais

Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000]

Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000] R E S E N H A S Motrivivência Ano XX, Nº 31, P. 251-255 Dez./2008 Lutas e Artes Marciais na Escola: Das Brigas aos Jogos com regras, de Jean-Claude Olivier [Porto Alegre: Artmed, 2000] Fabiano Filier Cazetto

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano:

PLANO DE CURSO. Código: FIS09 Carga Horária: 60 Créditos: 03 Pré-requisito: Período: IV Ano: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Educação Física na Infância Professor: Gilson Pereira Souza E-mail: professorgilsonpereira@gmail.com Código:

Leia mais

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias

Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Vamos brincar de construir as nossas e outras histórias Ano 02

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS INFÂNCIA, LINGUAGEM E EDUCAÇÃO - GEPILE Maria Nazaré da Cruz Universidade Metodista de Piracicaba O Grupo de Estudos e Pesquisas Infância, Linguagem e Educação é um grupo novo,

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Ciências ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: Ciências ÁREA DE ENSINO: FUNDAMENTAL I SÉRIE\ ANO: 4º ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 A VIDA SOB MICROSCÓPIO *Conhecer a história do microscópio *Conhecer doenças causadas por microrganismos *conhecer que os seres vivos são formados por células *Conhecendo microscópio e sua utilidade.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Aula Inaugural -Teoria Geral da Constituição Profº.. Francisco De Poli de Oliveira OBJETIVOS 1. Conhecer a Teoria Geral da Constituição; 2. Aplicar os conhecimentos aprendidos na

Leia mais

gente bonita de verdade qualidadedevida é cuidar-se por inteiro

gente bonita de verdade qualidadedevida é cuidar-se por inteiro gente bonita de verdade na comunidade qualidadedevida é cuidar-se por inteiro r a z ã o d e s e r nossa Razão de Ser é criar e comercializar produtos e serviços que promovam o bem- estar/ estar bem bem-estar

Leia mais

Espaços Econômicos e Regiões

Espaços Econômicos e Regiões Espaços Econômicos e Regiões Economia Regional e Urbana Prof. Vladimir Fernandes Maciel Noção de Espaço Noção de espaço através de abstração. Espaço abstrato: constituído de um conjunto de relações definidoras

Leia mais