UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE DOCUMENTANDO CORRETAMENTE AS INFORMAÇÕES DE PROJETOS Por: Marcos Paulo Veit Orientador Prof. Nelsom Magalhães Niterói 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE DOCUMENTANDO CORRETAMENTE AS INFORMAÇÕES DE PROJETOS Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Projetos. Por: Marcos Paulo Veit

3 3 AGRADECIMENTOS Aos amigos e familiares pelo incentivo dado.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico à minha esposa Gisele e ao meu filho João por servirem de fonte de inspiração.

5 5 RESUMO Um dos maiores problemas encontrados atualmente no gerenciamento de projetos é a questão da documentação ser realizada adequadamente e de maneira eficaz. Por vários motivos esta questão é deixada de lado em prol da agilidade na entrega, mas este tipo de atitude gera uma série de consequências e a principal delas é a perda de qualidade do trabalho executado, além do custo do retrabalho e da perda de tempo. Algumas ações podem ser tomadas, como o uso de ferramentas (softwares) ou de ações ligadas a processos, de forma que tenhamos este risco minimizado e o trabalho final entregue da forma esperada pelo cliente.

6 6 METODOLOGIA Os métodos utilizados para a geração deste trabalho foram: Consulta a livros relativos a gerenciamento de projetos Consulta ao material didático da cadeira de Gerenciamento de Projetos da AVM Consulta a sites da Internet Pesquisa nos processos da empresa OI Buscou-se retratar a história dos processos de arquivamento, bem como a sua aplicação atual em projetos, buscando informar as soluções de software existentes.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I BASE HISTÓRICA - O ARQUIVISMO 10 CAPÍTULO II APLICAÇÃO A PROJETOS 16 CAPÍTULO III POR QUE DOCUMENTAR? 23 CAPÍTULO IV SOLUÇÃO MICROSOFT 28 CONCLUSÃO 33 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 34 ÍNDICE 35 FOLHA DE AVALIAÇÃO 36

8 8 INTRODUÇÃO Com o crescente aumento de profissionais ligados às áreas de gerenciamento de projetos e a também crescente quantidade de projetos sendo elaborados e executados nas empresas, se faz necessário um correto arquivamento de documentações inerentes aos projetos, bem como dos próprios projetos executados. A criação de um Repositório de Documentos é imprescindível para esta prática, mas muitas empresas não se preocupam com este aspecto, ficando o Gerente de Projetos com esta incumbência, mesmo que seja em um arquivo pessoal. Como os arquivos oficiais são de propriedade das empresas, protegidos pela legislação, deve-se tomar o cuidado para que informações confidenciais não constem neste arquivo. Qualquer projeto, sendo concluído ou até mesmo abandonado pode e deve servir como referência para trabalhos futuros, poupando tempo e evitando retrabalho. Isso deve fazer parte de um processo de aprendizado constante nas empresas, no qual os acertos são utilizados como parâmetro de excelência e os erros apresentados como um "atalho" para o sucesso, pois devem ser vistos como exemplos de caminhos que devem ser evitados, poupando tempo e dinheiro. Em tempo de retenção de recursos nas empresas, muitas vezes um projeto é iniciado ou uma prévia é realizada para que seja submetido à aprovação dos stakeholders e é cancelado por falta de recursos disponíveis. Nestes casos todo o trabalho realizado inicialmente em levantamentos e análises para se identificar possibilidades e pontos importantes do projeto pode ser desperdiçado se não for corretamente armazenado. Transcorrido algum tempo, em caso do projeto ser novamente levado à aprovação, se não houver uma preocupação na manutenção dos dados, todo o levantamento deverá ser realizado novamente, gastando-se tempo e consequentemente dinheiro.

9 9 Mesmo depois de finalizado um projeto deve servir como fonte de consulta para os colaboradores da empresa, pois se pudermos partir de um patamar mais alto na elaboração de um novo projeto todos tem a ganhar. Pontos conflitantes e de discórdia podem ser identificados, bem como melhores práticas na execução de determinadas tarefas, se levadas em consideração particularidades das empresas. Causas de fracasso de projetos anteriores seriam identificadas e serviriam de alerta para os novos projetos, principalmente se forem consequência de uma cultura empresarial ou de atos de determinado setor da empresa. Toda informação deve ser levada em consideração para a realização dos estudos preliminares de um projeto.

10 10 CAPÍTULO I BASE HISTÓRICA O ARQUIVISMO Trata a história da humanidade e a sua necessidade transmitir os conhecimentos adquiridos para as gerações futuras. 1.1 A definição de arquivo É o conjunto de documentos, independentemente da sua data, da sua forma e do suporte material, produzidos ou recebidos por qualquer pessoal, ou por qualquer organismo público ou privado no exercício da sua atividade, conservados pelos seus criadores ou sucessores para as suas necessidades ou transmitidos a instituições responsáveis por mantê-los. 1.2 A História Desde o início dos tempos, juntamente com o desenvolvimento da humanidade, havia a vontade e a necessidade de se registrar o dia a dia e passar estas informações para as gerações futuras. A humanidade passou a sentir necessidade de armazenar de forma organizada as informações de épocas anteriores e atuais para passar para as gerações futuras, independente do meio de armazenamento. Vários autores defendem que a História dos Arquivos não pode ser considerada à margem da História Geral e sim que formam parte integrante,

11 11 tanto que a sociedade condiciona a sua existência, a sua organização, os seus critérios de conservação e, mesmo, a sua finalidade. A evolução histórica dos arquivos e do seu conceito como veremos é paralela ao desenvolvimento das sociedades humanas. Assim, os arquivos surgem desde que a escrita começou a estar ao serviço da sociedade, e teriam nascido no seio das Antigas Civilizações do Médio Oriente há cerca de seis milénios atrás. Estes arquivos tiveram grande importância e constituíam já um complexo sistema de informação, não sendo concebidos como simples depósitos de placas de argila, mas como complexas estruturas organizativas e funcionais. Os primeiros registros de arquivos datam de 4000 anos A.C., na região do Vale do Nilo e da Mesopotâmia. Foram encontradas placas de argila dispostas em grandes estantes de madeira, contendo informações diversas, desde cartas, sentenças judiciais, etc. Estes arquivos situavam-se nesta época em Templos e Palácios, para estarem mais próximos das classes dirigentes. Por gerações a fio os processos de arquivamento de informações foram sendo desenvolvidos e aprimorados. Atribui-se a Efíaltes, cerca de 460 a. C., a criação do primeiro arquivo do mundo grego. Também aqui os arquivos se situavam em templos e em dependências do Senado, tanto a Sul da Ágora como em Atenas. Da Grécia Antiga destacam-se os arquivos de GEA e PALAS ATENEN, por se encontrarem importantes depósitos de documentos, como leis e decretos, atas judicias, decretos governamentais, inventários, etc. Por volta de 509 a.c. foi criado o primeiro arquivo da Roma Antiga, pelo cônsul Valerius Publicoa. Os arquivos da Roma antiga seguem de perto os das cidades gregas, continuando a funcionar em templos, em Roma no Templo de Saturno, junto ao erário público, onde se guardavam as Tabulae

12 12 Publicae, que depois se veio a denominar Tabularium, agora situado no Capitólio. O Tabularium desempenhava a função de Arquivo Central do Estado, já com a importância de um grande serviço público. Os documentos diplomáticos eram conservados no Templo de Júpiter e os testamentos no de Vesta. No âmbito da Organização Arquivística, tivemos grandes progressos, pois os romanos tinham um grande sentido prático e concediam à administração do Império uma grande importância, tanto que muitos dos critérios utilizados por eles continuam ainda hoje em dia válidos, como por exemplo as linhas orientadoras da profissão de arquivista e a configuração da sua rede de arquivos. No período da Idade Média, passou-se a considerar Arquivo como um local para depósito para preservação de documentos de valor (prova ou memória de atos ocorridos no passado). A gestão de documentos esteve fundamentalmente nas mãos da Igreja, detentora do Saber e da Cultura, concentrados em Catedrais e Mosteiros. Os Arquivos Eclesiásticos vão assim ter a função de guardar e gerir os títulos de propriedade, seja da Igreja ou de outras instituições públicas e particulares. Apesar disto os Arquivos nesta época recuperam a importância que tinham na Antiguidade, sendo que, com o redescobrimento do Direito Romano no Século XII, entramos numa nova fase da história dos arquivos. Então, a partir do século XIII, começa a ser introduzida a prática dos registros, que eram livros onde se transcreviam os documentos outorgados por uma autoridade ou entidade, nas Chancelarias e outras instituições. Nesta época, as unidades administrativas destas estruturas dividiam-se em secções orgânicas, com funcionários especializados (arquivistas) e normas a serem seguidas.

13 13 Durante o século XIV surgem vários Arquivos Centrais como o Archivo de la Corona de Aragón em 1318 e o Arquivo da Torre do Tombo em Nesta época assistimos ao primeiro grande movimento de nomeação de arquivistas oficiais nas Cortes de Europa. Este movimento faz com que os Arquivos sejam encarados de uma forma diferente, contribuindo, a partir do século XV, com o surgimento de grandes cronistas oficiais, juntamente com o aparecimento dos primeiros cultores da crítica filológica e textual. Com o século XVI, surge um novo sistema administrativo, o Estado Moderno. Absolutista e Centralizador por natureza, ele contribuirá para a concentração dos arquivos, fazendo surgir os primeiros Arquivos de Estado, que resultam de novas concepções de administração e reformas institucionais. A criação do Arquivo de Simancas em 1540, na Espanha por ordem de Carlos V, considerado o Arquivo Moderno do Estado Espanhol, é de fato um sinal bastante significativo do novo sistema administrativo. Este arquivo é considerado como o primeiro exemplo de um Arquivo de Estado. Mais tarde, iremos assistir à criação do Arquivo Secreto do Vaticano em 1611, e ainda na Espanha o Arquivo das Índias, em Será importante referir que esta centralização dos documentos provocará ajustes metodológicos, sendo frequente a elaboração de normas, regulando os preceitos de rotina do Arquivista. Segundo autores como Jean Favier, a noção de Propriedade dos Arquivos foi substituída pela de Arquivos Públicos depositários dos documentos do Estado e cuja conservação era ou podia ser de interesse público. O arquivo se converte então num elemento fundamental da administração e adquire uma função predominantemente jurídico-politica. Estado. Este período da História é conhecido como a época dos Arquivos de

14 14 Com a Revolução Francesa vieram inúmeras modificações na Europa e no mundo e consequentemente no mundo arquivista. Com o advento do Estado de Direito nasce um novo conceito, a Soberania Nacional. Neste contexto, nascem os princípios de responsabilidade, de garantia, eficácia e justiça da atuação da Administração perante os cidadãos. Associado a isto, o Arquivo passa a ser considerado como Garantia dos Direitos dos Cidadãos, e Jurisprudência da atuação do Estado. Um dos grandes marcos para a História dos Arquivos é a fundação, em 1789, dos Archives Nationales de França, e com eles a Lei de 7 Messidor, que proclama que os Arquivos estabelecidos junto da representação nacional eram um depósito central para toda a República. Esta Lei traz um conceito moderno e liberal de Arquivo, onde o Arquivo Central do Estado deixou de constituir um privilégio dos órgãos de poder e passou a ser entendido como Arquivo da Nação aberto ao cidadão comum. No século XIX, a política de concentração dos Arquivos vai ser continuada um pouco por toda a Europa, à exceção da Grã-Bretanha, onde o processo vai ser mais tardio. No início deste século, perante o desenvolvimento do Positivismo, que preconizava a verificação documental ao serviço da análise histórica, os arquivos adquirem uma posição instrumental relativa à Paleografia e à Diplomática. Já na segunda metade deste mesmo século e agora sob os auspícios do Historicismo os arquivos vão se transformar em verdadeiros laboratórios do saber histórico. Na Época Contemporânea os arquivos vão adquirir dupla dimensão, onde por um lado são garantia dos direitos dos cidadãos, por outro conservam e gerem a memória do passado da nação e por isso vão ser objeto da investigação histórica. No século XX vamos assistir à consolidação do conceito e função de Arquivo, como conjunto de documentos, independentemente da data, da forma

15 15 e do suporte material, produzidos ou recebidos por qualquer pessoa ou por qualquer organismo público ou privado no exercício da sua atividade, conservados pelos seus criadores ou sucessores para as suas próprias necessidades ou transmitidos a instituições de Arquivos. Os Arquivos irão recuperar a sua dimensão administrativa, que se irá acentuar nos Anos 30, e se consolidará mais tarde nos anos 50, onde a Arquivística irá desenvolver um sistema para facilitar a Administração nos momentos mais difíceis, como por exemplo a Segunda Guerra Mundial. É precisamente a partir dos Anos 50 que se tenta conciliar as dimensões tradicionais da Arquivística, a História e a Administração. Surge então no âmbito da UNESCO, em Agosto de 1950 o Conselho Internacional de Arquivos (CIA), que vem dar resposta à necessidade de coordenação a nível internacional da Arquivística. Com o CIA, teremos a intensificação da cooperação entre países, na Organização de Congressos, Mesas Redondas, bem como o aumento da publicação de literatura especializada, como a revista Archivium (criada em 1951). Vemos surgir também as Conferências Internacionais da Table Ronde des Archives. Os Anos 60 são envolvidos por preocupações de ordem prática, dando-se uma acentuação na vertente técnica da Arquivística. O grande marco desta época acontece em 1964, ano em que é publicado o Elsevier s Lexicon of Archive Terminology. A Arquivística nos anos 90 entrou numa nova era, onde a grande preocupação era e ainda é, nos dias de hoje, a importância da Informática como meio de gerir novos documentos. Nesta nova era a Arquivística afirma-se definitivamente como uma Ciência da Informação e se clarificam o seu objeto e o seu método.

16 16 CAPITULO 2 APLICAÇÃO A PROJETOS 2.1 Os Repositórios Na aplicação em Gerenciamento de Projetos os documentos devem ser depositados em um Repositório, de forma que fiquem a disposição dos membros da equipe e de qualquer interessado. Quando falamos neste assunto logo vem à mente o conceito de documento em formato digital. Normalmente tratamos desta maneira, visto a enorme quantidade de documentos a serem tratados por mais de uma pessoa ou equipe. É este aspecto que trataremos a seguir, sem esquecer da importância dos processos de armazenamento físico de documentações importantes, como por exemplo um Termo de Abertura assinado pelos patrocinadores. Como mencionado anteriormente, em um repositório devem ficar as versões de documentos e a situação atual dos projetos. Infelizmente nem sempre é assim, pois muitas vezes os documentos ficam registrados apenas nos computadores pessoais dos membros da equipe ou do Gerente de Projeto. Um repositório do projeto armazena todos os diretórios e arquivos gerenciados pela ferramenta de gerenciamento do projeto. Ele é um recurso global que precisará ser acessado pela maioria dos "clientes" da equipe do projeto. Dependendo do tamanho de um projeto, pode haver vários repositórios, cada um deles com milhares de diretórios e arquivos. O número

17 17 de arquivos contido em cada repositório dependerá do tamanho da máquina em que o servidor do repositório está sendo executado e do número de usuários que acessarão os dados simultaneamente. O servidor do repositório manipula o tráfego de leitura/gravação no repositório do projeto. No caso em que um repositório mais simples possa atender as necessidades, em empresas menores e voltadas para pequenos projetos, outras soluções podem ser aplicadas, sem a implantação de uma grande infraestrutura. As soluções vão desde um micro utilizado como servidor, com uma pasta compartilhada, ligado em rede até a soluções disponíveis na Internet, por vezes gratuitas. Google e Yahoo tem soluções deste tipo que comportam perfeitamente este tipo de solução. Devemos sempre atentar que este tipo de solução não tem a confiabilidade de uma solução corporativa, mas em boa parte dos casos supre a necessidade. Voltando aos casos de maior porte, como em qualquer equipamento de armazenamento de informações (servidor) um equipamento que sirva de repositório do projeto deve ser confiável, tolerante a falhas e escalonável. Em termos de desempenho nunca deve ser o gargalo no acesso aos dados e não deve impactar o andamento das atividades deve permitir múltiplos acessos simultâneos. Não somente o repositório deve ser bem planejado, mas toda a estrutura ao seu redor também deve ser tratada. Não adianta ter um servidor que atenda às necessidades se o acesso (Rede) não estiver bem dimensionado.

18 18 O repositório do projeto deve estar em um servidor exclusivo. Isso significa que o servidor do repositório do projeto não deve ser usado para: compilações, builds ou testes executar outras ferramentas de terceiros servidor de servidor Web Existem atualmente softwares de gerenciamento de projetos que contém a solução para um repositório, que veremos mais à frente. Neles há estruturas distintas para cada finalidade, como servidor web, distribuidor de arquivos, etc. Como em qualquer processo de tratamento de banco de dados, outra questão de suma importância é o tratamento dado aos processos de backup. Devem ser realizados periodicamente, de acordo com a política da empresa e de acordo com o porte dos projetos. 2.2 Armazenamento de dados em Projetos Quanto maior o projeto, mais difícil será para compartilhar, sem transtorno, as informações entre todos os membros da equipe e as parte interessadas. Isso se aplica especialmente nos casos em que mais de uma pessoa trabalha na mesma entrega. Se o gerente do projeto não pensar com antecedência nos processos de gerenciamento de documentos, a equipe do projeto terá muita dificuldade para encontrar informações relevantes e em consequencia disso ficará frustrada ao ter que lidar com formatos inconsistentes. Isso geralmente resulta em confusão e esforço extra para refazer o trabalho que já está concluído. Se você estiver criando um repositório de documentos, você necessita estabelecer algumas regras e processos para proteger a integridade dos documentos que serão armazenados. Por exemplo, normalmente todos os

19 19 membros da equipe necessitam de acesso aos seus próprios documentos. Entretanto, você necessita decidir se qualquer membro da equipe poderá atualizar documentos criados por outros membros da equipe. Em alguns projetos isto seria perfeitamente aceitável, enquanto que em outros projetos isso seria considerado uma brecha na segurança. O arquivista também pode ter a incumbência de retirar os documentos não relevantes ao projeto, de forma a termo sempre as informações importantes ou as mais atualizadas armazenadas. Também, você deverá decidir se qualquer um dos membros da equipe poderá adicionar documentos no repositório do projeto, ou se esse processo será designado a uma pessoa especifica, como um arquivista. Isso poderá ser considerado como uma burocracia ou uma despesa desnecessária, mas se você tiver uma grande quantidade de documentação, é importante que os documentos que forem adicionados ao repositório sigam um processo consistente e tenham uma boa qualidade. A qualidade do repositório poderá degradar se todos tiverem a liberdade para adicionar, remover e modificar os documentos arquivados. Para termos este controle precisamos de ter em mãos um gerenciador, uma ferramenta para que tenhamos todos os processos sob nossa gestão. Em um projeto de maior porte temos diversos tipos de documentos que precisam ser armazenados e compartilhados por exemplo, os documentos do Termo de Abertura do projeto, a Declaração de Escopo, os Requisitos do Negocio, o Plano de Testes, etc. Depois que os documentos forem criados, os membros da equipe necessitarão saber aonde os mesmos serão armazenados. Dependendo do seu software e da sofisticação da sua organização em relação ao armazenamento, os documentos poderão ser armazenados dentro de um arquivo de Rede, em um arquivo dentro do disco rígido do seu computador, em um pacote de software para gerenciamento de

20 20 documentos, etc. Além disso, você deverá criar um nome padronizado para os documentos iniciais e para todas as revisões dos mesmos. Por exemplo, se você atualizar o documento Termo de Abertura do projeto, que processo você deverá seguir? Você acha que será necessário substituir a versão antiga? ou, salvar o documento original e chamar este novo documento de Termo de Abertura do projeto - Versão 2. Tudo isso faz parte dos procedimentos de gerenciamento de documentos. Os relatórios de acompanhamento deverão ser determinados com antecedência, seguindo as orientações do PMBOK, com a definição dos nomes padrões para os relatórios de andamento (Status). Se cada membro da equipe emitir um relatório de andamento (Status) ao gerente do projeto, logo o gerente do projeto terá dúzias ou centenas de relatórios de andamento (Status) Dados Estruturados e Não Estruturados Os dados podem ser armazenados em dois estados - estruturados e não estruturados. Os dados estruturados referem-se à informação que é armazenada no formato repetitivo e estruturado. Também referem-se às pastas, às tabelas, às bases de dados, aos armazéns de dados, etc. Este tipo de dados é facilmente armazenado e acessado por um programa de computador. Por outro lado, os dados não estruturados estarão tipicamente em um formato que seja mais fácil para o ser humano compreender. Os dados não estruturados incluem documentos, imagens, gráficos, vídeos, áudios, etc. Os dados não estruturados podem ser cada vez mais manipulados através de um computador, mas a compreensão básica do conteúdo ainda é melhor que seja executada por humanos.

21 21 Embora os documentos criados por um projeto sejam de interesse e preocupação dos membros das equipes dos projetos, o conceito do termo Gerenciamento de Documentos poderá ser estendido para incluir quaisquer tipos de dados não estruturados como descrito acima. Ou seja, se o seu projeto gerar pastas de áudios e vídeos, você poderá usar as mesmas técnicas de padrões de nomes que são utilizadas para os documentos do projeto, indexação, armazenamento no repositório, etc Dados Estruturados - Campos, registros, arquivos, tabelas - Códigos, modelos, scripts - Ferramentas de Códigos Fonte, bancos de dados - Difícil para organizar sem ferramentas ou estrutura Dados Não Estruturados - Documentos, fotos, gráficos, textos, vídeos, chat - Ferramentas de documentos, difícil para adquirir - Pode ser organizado sem ferramenta 2.3 Software de Gerenciamento de Projetos Abaixo temos alguns exemplos de softwares utilizados em Gerenciamento de Projetos: Mirax Project: Software para gerenciamento de projetos, com suporte a WBS, gráficos Gantt e alocação de recursos. Net Project: Ferramenta de gestão de projetos via web. Project Builder: Solução nacional 100% WEB para apoio ao gerenciamento de múltiplos projetos com enfoque no trabalho colaborativo. Possibilita a aproximação dos planos estratégico,

22 22 tático e operacional. Possui alinhamento com as boas práticas difundidas pelo PMI(PMBOK) e GTZ(ZOPP). Virgos: software para Gestão de Projetos que simplificada o acompanhamento de projetos, com acesso e manutenção via for Project: Ferramenta de análise de risco avançada para gerenciamento de projetos. Microsoft Project o Análises: TopTenReviews o IT Week o ZDNet.co.uk o Sites: MSProject.com o MPA o Microsoft Project MVP o Microsoft Project Management Software o John Dahlgren's MS Project Tools and Tips o Plug-Ins: projecttime Primavera Project Insight: Softwarre 100% baseado na web que permite que as equipes colaborem em projetos em tempo real. Seavus Project Viewer: Permite a visualização e impressão de arquivos do Microsoft Project.

23 23 CAPÍTULO III POR QUE DOCUMENTAR? Esta deve ser uma das perguntas mais realizadas no mundo de gerenciamento de projetos, principalmente pelos clientes. Para quê se preocupar em anotar tudo? Para quê perder tempo? A documentação feita de maneira correta e completa é uma das maiores ferramentas do gerenciamento de projetos para pouparmos tempo, dinheiro, tanto da equipe e do gerente quanto dos clientes. Com isso não há margens à dúvidas e em qualquer momento basta recorrer à documentação arquivada. Devemos levar em consideração duas questões em documentação: durante a vida do projeto e após o término do projeto. Durante a vida de um projeto vários fatores podem interferir no bom andamento das atividades e consequentemente causar atrasos no cronograma. Um deles é o problema da falta de documentação adequada aos processos e às atividades da equipe. Por quantas vezes gastamos tempo tentando relembrar algum assunto importante mencionado em uma reunião que não teve ata? E as consequências de uma conversa informal não oficializada com um cliente que acabou gerando uma alteração de escopo não dimensionada no cronograma? Para alguns pode parecer um preciosismo exagerado, mas para outros pode significar a diferença entre ter sua palavra desmentida ou ratificada perante um cliente, por exemplo.

24 24 É claro que se deve tomar cuidado para que apenas as informações relevantes para o projeto sejam documentadas, evitando assim o armazenamento de lixo no projeto. Outros motivos são: A memória das pessoas é limitada não somos máquinas, somos seres humanos susceptíveis a falhas e geralmente uma das consequências de problemas como o stress diário, quantidade de tarefas a serem cumpridas, etc. é a perda de memória. Informações claras são uma característica fundamental de um projeto de sucesso: distribuir informações documentadas ajuda a esclarecer atividades, decisões e objetivos. Identificar lacunas na comunicação terá impacto positivo direto nos resultados do projeto. Responsabilidades: mesmo que a boa vontade impere entre os membros da equipe, as responsabilidades sempre devem estar documentadas. Novamente, lacunas de compreensão podem fazer com que uma atividade fique esquecida, com impactos de tempo e custo em sua recuperação. Não confio em todos a meu redor: infelizmente o gerente de projeto nunca deve se esquecer que podem existir pessoas que desejam o fracasso do projeto, ou querem fugir do trabalho. Para estas pessoas, a falha no registro de informações é um prato cheio, já que elas poderão manipular suas próprias versões dos fatos sem que você tenha documentação adequada para expor a verdade. Distribuição: distribuir um ou um comunicado é muito mais prático do que ficar ligando para várias pessoas para passar uma informação.

25 25 Para reduzir custos, normalmente são cortados documentação e testes, justamente os dois pilares da qualidade. Ricardo Bicalho O segredo é achar a forma certa de fazer a documentação do projeto. Da mesma forma que as decisões mais importantes dos principais stakeholders não devem ficar apenas em uma nota de , uma informação do dia a dia que apenas interessa a uma ou duas pessoas não precisa se tornar um relatório em formato padronizado. Após o término de um projeto é importante termos toda a documentação arquivada e principalmente o item de lições aprendidas. Mesmo que o projeto seja cancelado houve um trabalho realizado que acabou gerando frutos. Qualquer levantamento realizado, proposta de solução para um determinado problema, qualquer dado gerado pode ser importante para a empresa. Seja um projeto semelhante ou o mesmo projeto sendo reaberto, estas informações podem ser reaproveitadas, ou pelo menos o processo de geração e levantamento pode ser o mesmo, de forma que o tempo necessário para a execução destas tarefas seja reduzido, acarretando assim em economia financeira e agilidade na entrega. Por quantas vezes somos perguntados a respeito de um antigo projeto que foi cancelado por falta de recursos financeiros e que será submetido novamente à aprovação porque não foram armazenadas as informações essenciais para este novo pleito? Todo o trabalho tem de ser refeito (retrabalho) para gerar novamente os dados necessários.

26 Guardar lições aprendidas Um dos mais importantes motivos de nos preocuparmos em armazenar de forma correta as informações dos projetos se refere a lições aprendidas. Afinal de contas, com a experiência adquirida ao longo de um trabalho é que conseguimos nos aprimorar e iniciar um próximo com a certeza de que será entregue com uma qualidade superior ao anterior. E com certeza esta é uma das etapas mais esquecidas em um projeto, por vários fatores: Pressões para cumprir prazos, que leva o gerente a se preocupar mais com as atividades diretamente relacionadas ao produto do projeto. Mudança de foco ao terminar um projeto. As pessoas e organizações acabam mais concentradas no próximo projeto do que no fechamento correto do projeto anterior. Falta de interesse da alta gestão neste tipo de documentos. Problemas culturais na empresa que levam o gerente a acreditar que documentar lições aprendidas é uma perda de tempo, já que não terá verdadeira influência sobre os próximos projetos da organização. Trata-se muito mais do que um documento para cumprir a formalidade do projeto. São as informações que permitirão que os erros passados não se repitam e os acertos possam ser feitos novamente. Por isso é importante registrar tanto as boas quanto as más experiências do projeto. Estes registros ajudarão a moldar as atividades e controles dos projetos futuros. Deve-se procurar criar uma base de dados simples e de fácil leitura, dinâmico e que leve diretamente ao ponto crítico, com informações relevantes para a empresa e para os próximos projetos.

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE ESCOPO SCOPE STATEMENT Preparado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto Versão 3 Aprovado por Ricardo Viana Vargas Patrocinador 01/11/2010 I - Patrocinador Ricardo

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit)

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) Agenda A palestra Angola Cliente O projeto Usando o PMBOK Usando o Cobit Lições Aprendidas Conclusão

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli

Há mais de 10 anos ajudando igrejas de todo o Brasil a se fortalecer, crescer e cumprir sua missão. Marcos Antonio Bassoli Informatize sua igreja com a Gileade Sistemas! A empresa A Gileade Sistemas busca o que há de melhor em tecnologia para oferecer às igrejas soluções que auxiliem na organização administrativa e que possam,

Leia mais

CURSO Microsoft Project Server. Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server

CURSO Microsoft Project Server. Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server CURSO Microsoft Project Server Instalando, Configurando e Administrando o Microsoft Project Server Conteúdo Programático: 1. Visão Geral. O que é o Project Server / EPM. Arquitetura da Solução de EPM.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

MS Outlook como Ferramenta de Produtividade.

MS Outlook como Ferramenta de Produtividade. MS Outlook como Ferramenta de Produtividade. O que tem em comum o nosso tempo em geral e a atenção que dedicamos às coisas que nos são importantes? Se a sua resposta passa pela analise do velho problema

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Preparando a força de trabalho para o futuro Planejamento de recursos humanos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Tecnologia para garantir qualidade e eficiência

Tecnologia para garantir qualidade e eficiência Tecnologia para garantir qualidade e eficiência 20 Fenacon em Serviços Julho/Agosto 2010 É cada vez maior o número de empresas que adotam a virtualização de documentos. Além de economia em tempo e papel,

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO AGENDA AGENDA 1. Sobre a Shift 2. Integração de ferramentas de apoio 1. SCMBug Integração entre SCM Tools e ferramentas

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Tecnologias de GED Simone de Abreu

Tecnologias de GED Simone de Abreu Tecnologias de GED Simone de Abreu A rapidez na localização da informação contida no documento é hoje a prioridade das empresas e organizações, já que 95% das informações relevantes para o processo de

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO 10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO UMA DAS GRANDES FUNÇÕES DA TECNOLOGIA É A DE FACILITAR A VIDA DO HOMEM, SEJA NA VIDA PESSOAL OU CORPORATIVA. ATRAVÉS DELA, ELE CONSEGUE

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito COMPUTADORES NAS EMPRESAS Prof. Reginaldo Brito Os computadores são essenciais para enfrentar o desafio da concorrência global, na qual as empresas precisam ser eficientes e ágeis e tem de produzir produtos

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV

RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV Conselho Federal de Contabilidade CPL - Comissão Permanente de Licitação SAS Quadra 05 - Bloco J Edifício CFC CEP: 70070-920 - Brasília-DF E-mail: cpl@cfc.org.br RESPOSTAS DE QUESTIONAMENTOS - IV PREGÃO

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais