Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita"

Transcrição

1 Eletricidade Aplicada Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

2 Dimensionamento de Condutores II Circuitos Elétricos Residenciais

3 Existem diferenças entre as tensões medidas no ponto de entrega, e no ponto de utilização mais afastado do circuito Lado da Fonte Lado da Carga 3

4 Ocorre uma queda de tensão provocada pela passagem da corrente em todos os elementos do circuito (interruptores, condutores, conexões, etc.) A queda de tensão produz efeitos que prejudicam o funcionamento adequado e reduzem avida útil dos equipamentos ligados à rede 4

5 A norma NBR 5410:2004 estabelece que a queda de tensão verificada não deve ser superior aos valores limites, dados em relação ao valor da tensão nominal da instalação Dada normalmente em percentual da tensão nominal da instalação 5

6 QD 4% MT MT/BT BT QG Circuitos Distribuição Circuitos Terminais Ponto de entrega no primário Transformador propriedade da unidade consumidora QD 7% 7%, calculados a partir dos terminais secundários do transformador MT/BT, no caso de transformador de propriedade da unidade consumidora 6

7 4% MT MT/BT BT QD Circuitos Terminais Transformador propriedade da concessionária Ponto de entrega no secundário 7% 7%, calculados a partir dos terminais secundários do transformador MT/BT da empresa distribuidora de eletricidade, quando o ponto de entrega for aí localizado 7

8 Fornecimento em tensão secundária de distribuição BT 4% QD Circuitos Terminais Ponto de entrega no poste 5% 5%, calculados a partir do ponto de entrega, nos demais casos de ponto de entrega com fornecimento em tensão secundária de distribuição 8

9 4% Grupo gerador próprio BT QG Circuitos Distribuição QD Circuitos Terminais QD 7% 7%, calculados a partir dos terminais de saída do gerador, no caso de grupo gerador próprio 9

10 Existem 2 maneiras de calcular a queda de tensão a partir da análise do modelo da carga: Modelo de carga concentrada Modelo de carga distribuída 10

11 Modelo de carga concentrada Desenho O processo de cálculo indicado anteriormente é usado para circuitos de distribuição e para circuitos terminais que servem a um única carga 11

12 Modelo de carga concentrada Expressão única para a queda de tensão de um circuito com carga concentrada V tli r cos xsin n l cumprimento do circuito km I corrente do projeto A r resistência do condutor Ω/km x retância do condutor Ω/km ângulo do fp t Coeficiente 12

13 Modelo de carga concentrada Tabela que define o coeficiente que depende do tipo de circuito e do tipo de tensão Tipo de Circuito Tipo de Tensão t Monofásico a 2 (fase-fase ou fase-neutro) Monofásico a 3 condutores equilibrado (2 fases-neutro) Trifásico equilibrado 2 De fase 1 De linha 2 De fase 1 De linha 3 13

14 Modelo de carga concentrada Existem catálogos de fabricantes e em publicações técnicas que fornecem a queda de tensão unitária em V/A.km, para os tipos mais comuns de linha e para os fatores de potência de 0.8 e 0.95(indutivos). V tli r cos xsin n V li V n n 14

15 Modelo de carga distribuída Desenho 15

16 Modelo de carga distribuída Para um circuito com cargas distribuídas, as quedas de tensão serão calculadas por trecho de circuito, sendo a queda total obtida da soma das quedas dos trechos. 16

17 Modelo de carga distribuída Para um circuito com o mesmo fator de potência e condutores de seção igual V t r cos xsin l I n i i i1 n 17

18 Modelo de carga distribuída Em função da queda de tensão unitária, tem-se: V V l I n n n i i i1 18

19 Roteiro pelo dimensionamento pela queda de tensão i. Tipo de isolação do condutor ii. iii. iv. Método de instalação Material do eletroduto (magnético e não magnético) Tipo de circuito (monofásico ou trifásico) v. Tensão do circuito vi. vii. Fator de potência Comprimento do circuito (km) viii. Queda de tensão admissível ix. Corrente de projeto x. Cálculo da queda de tensão unitária xi. Escolha do condutor 19

20 Exemplo 1: dimensionar os condutores para um circuito terminal (F-F) de um chuveiro, tendo como dados: P=5400 W, V=220 V, FP=1, isolação de PVC, eletroduto de PVC embutido em alvenaria, temperatura ambiente: 30 C, comprimento do circuito: 15 m. 20

21 Solução: Informações predefinidas i. Tipo de isolação: PVC ii. Método de instalação: 7-B1 iii. Material do eletroduto: não magnético iv. Tipo do circuito: monofásico (fase-fase) v. Tensão do circuito: 220V vi. Fator de potência: 1 vii. Comprimento do trecho: 0,015 km viii. Queda de tensão admissível: 0,004 21

22 Solução: Cálculos ix. Corrente do projeto S P 5400 fp VA I p S ,54 V 220 x. Queda de tensão unitária A VV 0, Vn 23,9 V Akm I l 24,54 0,015 p 22

23 Solução: xi. Escolha do condutor Considera-se conforme a Tabela coluna 5: - material não magnético - circuito monofásico - FP = 0,95 indutivo Escolha do condutor: consultado a tabela mostrada, coluna 5, obtém-se o valor 16,9 V/ A.km, valor imediatamente inferior ao calculado 23

24 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0,82 Os condutores 70fase, fase 0,64 e proteção 0,67 terão 0,62 seção 0,67 nominal 0,55 igual 0,59 a 2,5 mm2 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 24

25 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1,09 Pelo critério da 50 capacidade 0,86 de 0,95 corrente 0,85 os condutores 0,94 0,76fase, 0,82 fase e proteção 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 deveriam ter seção nominal igual a 4 mm2 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 25

26 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1,09 Logo os condutores 50 fase, 0,86fase e 0,95 proteção 0,85terão 0,94 seção 0,76 nominal 0,82 igual a 4 mm2 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 (maior seção nominal entre os dois critérios) 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 26

27 Exemplo 2: dimensionar os condutores para um circuito de tomadas da cozinha, tendo como dados: S=2000 VA, V=127 V, isolação de PVC, eletroduto de PVC embutido em alvenaria; temperatura ambiente: 30 C. 27

28 Solução: Informações predefinidas i. Tipo de isolação: PVC ii. Método de instalação: 7-B1 iii. Material do eletroduto: não magnético iv. Tipo do circuito: monofásico (fase-neutro) v. Tensão do circuito: 127V vi. Fator de potência: 1 vii. Comprimento do trecho: 0,010 km viii. Queda de tensão admissível: 0,004 28

29 Solução: Cálculos ix. Corrente do projeto S VA IP , A x. Queda de tensão unitária VV 0,04127 V 32,36 V Akm I l 15,7 0,010 p 29

30 Solução: xi. Escolha do condutor Considera-se conforme a Tabela coluna 5: - material não magnético - circuito monofásico - FP = 0,95 indutivo Escolha do condutor: consultado a tabela mostrada, coluna 5, obtém-se o valor 27,6 V/ A.km, valor imediatamente inferior ao calculado 30

31 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0,82 Os condutores 70fase, fase 0,64 e proteção 0,67 terão 0,62 seção 0,67 nominal 0,55 igual 0,59 a 1,5 mm2 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 31

32 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1,09 Contudo a norma 50 NBR 0, define 0,95 como 0,85 seção 0,94 mínima 0,76 para 0,82 circuitos de 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 corrente um valor igual a 2,5 mm2 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 32

33 Solução: xi. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1,49 Logo os condutores fase, fase e proteção terão seção nominal igual a 2,5 35 1,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1,09 mm2 (mesmo 50 valor 0,86 obtido considerando 0,95 0,85 o 0,94 critério 0,76de capacidade 0,82 de corrente) 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 33

34 Exemplo 3 supondo um circuito terminal com cargas distribuídas, conforme a figura vista a seguir: eletroduto de PVC embutido em alvenaria, temperatura: 30 C 34

35 Solução Informações predefinidas i. Tipo de isolação: PVC ii. Método de instalação: 7-B1 iii. Material do eletroduto: PVC - não magnético iv. Tipo do circuito: Fase-Neutro, 2 condutores v. Tensão do circuito: 127V vi. Temperatura ambiente: 30 C vii. Queda de tensão admissível: 0,004 35

36 Calculando a potência total do circuito S Calculando a corrente IP , A VA 36

37 viii. Queda de tensão unitária ix. VV 0,04127 V 32,36 V Akm I l 15,7 0,010 Escolha do condutor Considera-se conforme a Tabela coluna 5: - material não magnético - circuito monofásico - FP = 0,95 indutivo p Escolha do condutor: consultado a tabela mostrada, coluna 5, obtém-se o valor 27,6 V/ A.km, valor imediatamente inferior ao calculado 37

38 ix. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44 Os condutores fase, fase e proteção terão seção nominal igual a 1,5 mm ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 38

39 ix. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 Contudo a norma NBR 5410 define como seção mínima para circuitos de 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44 corrente um valor igual a 2,5 mm ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 39

40 ix. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0,82 Logo os condutores fase, fase e proteção terão seção nominal igual a 2,5 70 0,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0,59 mm2 (mesmo valor obtido considerando o critério de capacidade de 95 0,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44 corrente) 120 0,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 40

41 x. Queda de tensão unitária: V V V trecho trecho trecho V I p l 100 V 16,915, 70, ,01 % Primeiro Trecho 41

42 Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 42

43 Repete-se o procedimento para cada trecho Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,7 0,010 2,5 16,9 2,01 2,01 A-B ,0 0,010 2,5 16,9 1,46 3,47 B-C 800 6,3 0,010 2,5 16,9 0,84 4,31>4 C-D 200 1,6 0,003 2,5 16,9 0,06 4,37 D-E 100 0,8 0,002 2,5 16,9 0,02 4,37 O valor calculado para a queda de tensão a partir do trecho B-C é maior do 4%. Assim, é necessário refazer o cálculo para um seção nominal maior do que 2,5 mm2 43

44 Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 44

45 Repete-se o procedimento para cada trecho Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,7 0, ,6 1,31 1,31 A-B ,0 0, ,6 0,92 2,23 B-C 800 6,3 0, ,6 0,53 2,76 C-D 200 1,6 0, ,6 0,04 2,80 D-E 100 0,8 0, ,6 0,01 2,81<4 O valor calculado para cada um dos trechos do circuito é menor do 4%. Assim, a seção nominal do condutor adotada é 4 mm2 45

46 Exemplo 4 considerando um circuito de iluminação de um estacionamento, conforme o seguinte esquema: eletroduto de PVC embutido no solo, temperatura: 25 C, utilizando lâmpadas a vapor de mercúrio de 250 W, com reator de 220 V e fator de potência de 0,88 ( 284 VA = 250 W x 0,88) 46

47 Solução Informações predefinidas i. Tipo de isolação: PVC ii. iii. Método de instalação: 61A-D (eletroduto embutido no solo) Material do eletroduto: PVC - não magnético iv. Tipo do circuito: Fase-Fase (e proteção), 2 condutores v. Tensão do circuito: 220 V vi. Temperatura ambiente: 25 C vii. Queda de tensão admissível: 0,004 47

48 Calculando a potência total do circuito Calculando a corrente I S VA p S ,45 A V

49 viii. Queda de tensão unitária ix. VV 0, V 45,48 V Akm I l 6, 450,030 Escolha do condutor Considera-se conforme a Tabela coluna 5: - material não magnético - circuito monofásico - FP = 0,95 indutivo p Escolha do condutor: consultado a tabela mostrada, coluna 5, obtém-se o valor 27,6 V/ A.km, valor imediatamente inferior ao calculado 49

50 ix. Escolha do condutor Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0,44 Os condutores fase, fase e proteção terão seção nominal igual a 1,5 mm ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 50

51 x. Queda de tensão unitária: V V V trecho trecho trecho V I p l 100 V 27, 66, 450, ,43 % Primeiro Trecho - Considera-se sempre o trecho mais longo (30 m) 51

52 Repete-se o procedimento para cada trecho Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,45 0,030 1,5 27,6 2,42 2,42 A-B 566 2,58 0,030 1,5 27,6 0,97 3,39 B-C 284 1,29 0,030 1,5 27,6 0,48 4,87<4 O valor calculado para cada um dos trechos do circuito é menor do 4%. ssim, a seção nominal do condutor adotada é 1,5 mm2 52

53 53

54 V Tensão Nominal Variação Tensão Nominal V 2lI r cos xsin V li r cos xsin V 3lI r cos xsin V tli r cos xsin V tli r cos xsin r n V n n n n n n V li V l I x n n cumprimento do circuito km corrente do projeto A resistência do condutor Ω/km retância do condutor Ω/km ângulo do fp t Coeficiente V 2lI r cos xsin n V li r cos xsin n V 3lI r cos xsin n V t r cos xsin l I n i i i1 V V l I n n n i i i1 l cumprimento do circuito km I corrente do projeto A r resistência do condutor Ω/km x retância do condutor Ω/ km ângulo do fp t Coeficiente n S 5400 Ip 24,54 A V 220 V V 0, V 23,9 V A km I l 24,540, 015 p V V 0, V 32,36 V A km I l 15,7 0,010 V V V trecho trecho trecho p V I p l 100 V 16,915, 70, ,01 % S VA S 1420 Ip 6,45 A V 220 V V 0, V 45,48 V A km I l 6,450,030 V V V trecho trecho trecho p V I p l 100 V 27, 65, 480, ,01 % 54

55 Eletroduto e eletrocalha material magnético material não-magnético Seção mm 2 Monofásico e Trifásico Circuito Monofásico Circuito trifásico FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 FP=0,8 FP=0,95 1, ,4 23,3 27,6 20,2 23,9 2, ,8 14,3 16,9 12,4 14,7 4 9,0 10,5 8,96 10,6 7,79 9,15 6 5,87 7,00 6,03 7,07 5,25 6, ,54 4,20 3,63 4,23 3,17 3, ,27 2,70 2,32 2,68 2,03 2, ,50 1,72 1,51 1,71 1,33 1, ,12 1,25 1,12 1,25 0,98 1, ,86 0,95 0,85 0,94 0,76 0, ,64 0,67 0,62 0,67 0,55 0, ,50 0,51 0,48 0,50 0,43 0, ,42 0,42 0,40 0,41 0,36 0,36 55

56 Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,7 0,010 2,5 16,9 2,01 2,01 A-B ,0 0,010 2,5 16,9 1,46 3,47 B-C 800 6,3 0,010 2,5 16,9 0,84 4,31>4 C-D 200 1,6 0,003 2,5 16,9 0,06 4,37 D-E 100 0,8 0,002 2,5 16,9 0,02 4,37 Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,7 0, ,6 1,31 1,31 A-B ,0 0, ,6 0,92 2,23 B-C 800 6,3 0, ,6 0,53 2,76 C-D 200 1,6 0, ,6 0,04 2,80 D-E 100 0,8 0, ,6 0,01 2,81<4 56

57 Trecho P [W] Ip [A] D [km] Seção do condutor [mm2] ΔV [V/A.km] ΔV (trecho) [%] ΔV (acum) [%] O-A ,45 0,030 1,5 27,6 2,42 2,42 A-B 566 2,58 0,030 1,5 27,6 0,97 3,39 B-C 284 1,29 0,030 1,5 27,6 0,48 4,87<4 57

58 Bibliografia Rolim, Jacqueline Gisèle. EEL7052 Materiais Elétricos. Universidade de Santa Catarina Centro Tecnológico Pedroso, Carlos Marcelo. Materiais Elétricos Guia EM da NBR Dimensionamento de Circuitos. Revista Eletricidade Moderna. O condutor de neutro nos sistemas de baixa tensão visam o equilíbrio e a proteção do respectivo sistema 58

59 4% QD M T Ponto de entrega no primário MT/B T Transformador propriedade da unidade consumidora B T QG Circuitos Distribuiç ão QD Circuito s Termina is 7% 59

60 4% M T MT/B T Transformador propriedade da concessionária B T Ponto de entrega no secundário QD 7% Circuito s Termina is 60

61 Fornecimento em tensão secundária de distribuição B T QD 4% Circuito s Termina is Ponto de entrega no poste 5% 61

62 4% Grupo gerador próprio QD B T QG Circuitos Distribuiç ão Circuito s Termina is QD 7%

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Dimensionamento de condutores Tipos de Condutores Condutores isolados Condutores unipolar Condutores multipolar Critérios para dimensionamento:

Leia mais

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão.

Instalações alimentadas diretamente por um ramal de baixa tensão, a partir de uma rede de distribuição 4% 4% pública de baixa tensão. 7.3. Queda de tensão (conforme NBR 5410/97, item 6.2.7) a) A queda de tensão entre a origem da instalação e qualquer ponto de utilização não deve ser superior aos valores da Tabela 18, dados em relação

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 10 Planejamento na utilização da energia elétrica no meio rural:

Leia mais

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos.

4 LINHAS ELÉTRICAS. Figura 5: Exemplos de fios e cabos. 8 4.1 Condutores elétricos. 4 LINHAS ELÉTRICAS Os condutores elétricos constituem os principais componentes das linhas elétricas que conduzem eletricidade até as cargas elétricas. Define-se condutor elétrico

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 EXPERIÊNCIA 1 CIRCUITO RLC EM CORRENTE ALTERNADA 1. OBJETIOS 1.1. Objetivo Geral Apresentar aos acadêmicos um circuito elétrico ressonante, o qual apresenta um máximo de corrente

Leia mais

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS

Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Seminário Online DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS Leonel Rodrigues Gerente de Aplicação de Produto Nexans Product Application Dept. Sep 2014 1 Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga):

2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 2. Critério do limite da queda de tensão (qualquer carga): 23 4 Dimensionamento de Circuitos de Motores 24 Exemplo de aplicação 4.4(3.7): 4(3 Calcular a seção

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

Instalações Elétricas de BT. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT Odailson Cavalcante de Oliveira Circuito Monofásico A tensão monofásica refere-se a tensão entre fase e neutro. v = 2Vsen ωt - valor instantâneo de tensão i = 2Isen ωt φ - valor

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT: 1. Seção mínima; 2. Capacidade de condução de corrente; 3. Queda de tensão; 4. Proteção contra sobrecargas; 5. Proteção contra curtos-circuitos;

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS ELETRICIDADE ENSINO MÉDIO Aluno: Série: 3 a Professor: EDUARDO Disciplina: FÍSICA Data: ELETROSTÁTICA 1) (Unicamp-SP) Duas cargas elétricas Q 1 e Q 2 atraem-se quando colocadas próximas

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Soluções de ligação à rede Miniprodução

Soluções de ligação à rede Miniprodução 1 - Instalação de consumo BT monofásica ou trifásica Instalação de miniprodução monofásica 1A - Esquema de pormenor (multifilar) - Ligação à rede através dos terminais de entrada do contador de miniprodução

Leia mais

Transformadores Trifásicos

Transformadores Trifásicos Três transformadores monofásicos podem ser conectados para formar um banco trifásico de transformadores. Qualquer das conexões mostradas na figura a seguir podem ser usadas. Joaquim Eloir Rocha 1 Joaquim

Leia mais

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki Sistema Trifásico Prof Ms Getúlio Teruo Tateoki Em um gerador trifásico, existem três enrolamentos separados fisicamente de 0 entre si, resultando em três tensões induzidas defasadas de 0 figura abaixo

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS Os seis critérios de dimensionamento de circuitos de BT.......................188 Capacidade de condução: o que diz a norma..........................................189 Cálculos

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Tópicos Relacionados Ondas longitudinais, velocidade do som em líquidos, comprimento de onda, freqüência,

Leia mais

1-Eletricidade básica

1-Eletricidade básica SENAI 1 1-Eletricidade básica 1.1 - Grandezas Elétricas: 1.1 - Carga Elétrica, Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistência Elétrica; 1.2 - Leis de Ohm: 1.2.1-1 a Lei de Ohm 1.2.2 múltiplos e submúltiplos

Leia mais

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia.

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. 7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. Em primeiro lugar é preciso esclarecer o que significa e para que serve o aterramento do sistema elétrico. Ao contrário do que é usual considerar,

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia 1) Uma minúscula esfera de metal que contém 1,075.10²² átomos está com uma falta de elétrons de 3,12.10 18 elétrons.

Leia mais

Medidor TKE-01. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-01. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O TKE-01 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (Varh) em sistema de corrente alternada (CA). A leitura do

Leia mais

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO

4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4. DIMENSIONAMENTO DE ESCADAS EM CONCRETO ARMADO 4.1 Escada com vãos paralelos O tipo mais usual de escada em concreto armado tem como elemento resistente uma laje armada em uma só direção (longitudinalmente),

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Dimensionamento de Condutores e Eletrodutos Método da capacidade de condução de corrente Roteiro: 1. Calcular a corrente de projeto (I p ) dos circuitos da edificação; 2. Definir parâmetros de instalação

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Sistemas Elétricos de Potência 3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento técnico baixa tensão Seção mínima Capacidade

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados 1 Temperatura característica dos condutores 1 Corrente de curto-circuito no condutor 1 Gráfico das correntes máximas de curto-circuito

Leia mais

A LEITURA DO TEXTO ABAIXO SERÁ NECESSÁRIA PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES:

A LEITURA DO TEXTO ABAIXO SERÁ NECESSÁRIA PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES: 1) Classificar as afirmativas abaixo em V pra verdadeiras e F para falsas, de acordo com a forma de eletrização dos corpos em: positiva, negativa ou neutro. a) (V)Um corpo é eletrizado positivamente quando

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

7 - CORRENTES DE FALTA

7 - CORRENTES DE FALTA 36 7 - CORRENTES DE FALTA Toda instalação elétrica está sujeita a defeitos que proporcionam altas correntes elétricas, as denominadas correntes de falta. Sempre da ocorrência de uma falta, os dispositivos

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA Professor Leonardo Gonsioroski O que é uma Instalação Elétrica? Uma instalação elétrica é definida pelo conjunto de materiais

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT

Manual Técnico. Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Manual Técnico Aplicações recomendadas para os fios e cabos de BT e MT Líder Mundial na Indústria de Cabos Com a energia como base de seu desenvolvimento, a Nexans é a líder mundial na indústria de cabos,

Leia mais

LIGAÇÕES TRIFÁSICAS LIGAÇÃO ESTRELA ESTRELA. 1. Yy Sem neutro dos 2 lados

LIGAÇÕES TRIFÁSICAS LIGAÇÃO ESTRELA ESTRELA. 1. Yy Sem neutro dos 2 lados LIGAÇÃO ESTRELA ESTRELA 1. Yy Sem neutro dos 2 lados LIGAÇÕES TRIFÁSICAS a) Em vazio Como não existe neutro no primário não pode circular o harmónico de tripla frequência da corrente magnetizante. O fluxo

Leia mais

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico Figura 35 Relé eletromecânico Figura 36 Aplicação para o relé eletromecânico INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE OS INDUTORES Três conclusões muito importantes podem ser tiradas em relação ao comportamento do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO.

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. Silveira, Priscila Silva; Valner Brusamarello. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Av. Osvaldo Aranha, 103 - CEP: 90035-190 Porto

Leia mais

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza

1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1ª) Lista de Exercícios de Laboratório de Física Experimental A Prof. Paulo César de Souza 1) Arredonde os valores abaixo, para apenas dois algarismos significativos: (a) 34,48 m (b) 1,281 m/s (c) 8,563x10

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto:

Módulo 8 Entradas Digitais 24 Vdc Monitorado. Os seguintes produtos devem ser adquiridos separadamente para possibilitar a utilização do produto: Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, possui 8 pontos de entrada digital +24 Vdc isolada e monitorada, é indicado para aplicações onde a situação de linha rompida necessita ser detectada

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi

Instalações Elétricas Industriais. Prof. Carlos T. Matsumi Instalações Elétricas Industriais Divisão de Sistemas de Alimentação Faixa de Tensão Elétrica (IE) orrente Alternada - A orrente ontínua- Extra Baixa Tensão: Tensão Inferior à 50 V (A) e 120 V () Baixa

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

Fundamentos De Hardware

Fundamentos De Hardware Fundamentos De Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 O QUE É ELETRICIDADE?... 3 A TOMADA PARA COMPUTADOR... 3 ATERRAMENTO... 4 ESPECIFICAÇÕES DE UM ATERRAMENTO... 4 ELETRICIDADE

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 6 Corrente Alternada e Corrente Contínua INTODUÇÃO À ENGENHI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI Professores velino Francisco Zorzo e Luís Fernando lves Pereira ula 6 Corrente lternada e Corrente Contínua

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS CLIENTE: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA FOLHA: SEP: RLAM: ÍNDICE DE REVISÕES 1 de 18 Emissão original. DESCRIÇÃO

Leia mais

Capítulo II. Elementos de Circuitos

Capítulo II. Elementos de Circuitos Capítulo II Elementos de Circuitos.1 Introdução O objetivo da engenharia é projetar e produzir dispositivos que atendam às necessidades humanas. Para tanto, é necessário que se conheçam os componentes

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 12.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo apresenta-se os conceitos e as principais etapas para a realização de projetos de instalações elétricas prediais de baixa tensão (até 1000 V), monofásicos

Leia mais

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410)

Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Proteção Contra Sobretensões ( NBR 5410) Na NBR 5410, norma que regulamenta as instalações elétricas de baixa tensão, a primeira menção ao tema das sobretensões aparece no item 1.3.4 - Proteção contra

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 RESISTORES 01. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( )

2ª série LISTA: Ensino Médio. Aluno(a): Professor(a): Jean Jaspion DIA: MÊS: 02 RESISTORES 01. Segmento temático: Turma: A ( ) / B ( ) LISTA: 05 2ª série Ensino Médio Professor(a): Jean Jaspion Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: QUESTÃO 01 (FM Petrópolis RJ/2015) Três resistores estão associados em paralelo entre os terminais

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV Prévio EIV ESTUDOS PARA A REGULAMENTAÇÃO DO EIV NO MUNICÍPIO DE CURITIBA APRESENTAÇÃO AO CONCITIBA 31.05.2012 Coordenação de Uso do Solo IPPUC Prévio Regulamentação IPPUC CONCITIBA 31.05.2012 SUMÁRIO O

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAE - Santa Barbara D'Oeste DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Santa Barbara d'oeste 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA

Leia mais

arente Linha Aparente p a A h Lin

arente Linha Aparente p a A h Lin Linha Aparente Linha Aparente Linha Aparente Canaleta metálica... 03 Tampa de encaixe... 03 Tampa de pressão... 14 Canaleta meia-lua... 21 Poste condutor... 22 Tampa de encaixe A Linha Aparente da Valemam

Leia mais

Divisão da instalação em circuitos

Divisão da instalação em circuitos Divisão da instalação em circuitos 285 Tipo de proteção a ser empregada Vamos optar pela instalação do DR nos circuitos terminais e DTM na entrada + demais terminais. 286 Página 143 Tipo de proteção a

Leia mais

Estudo de Coordenação e Seletividade

Estudo de Coordenação e Seletividade Estudo de Coordenação e Seletividade Memorial de Cálculo Obra: Subestação Abrigada 750kVA para Pavilhão Industrial de Reciclagem Proprietário: Prefeitura Municipal de Ponte Preta - RS Localização: Parte

Leia mais

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra

Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Matrizes de Transferência de Forças e Deslocamentos para Seções Intermediárias de Elementos de Barra Walter Francisco HurtaresOrrala 1 Sílvio de Souza Lima 2 Resumo A determinação automatizada de diagramas

Leia mais

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω rof. José oberto Marques UMC CUSO BÁSCO DE ENGENHAA EXECÍCOS DE ELETCDADE BÁSCA 1) Um condutor de eletricidade de cobre tem formato circular 6mm de diâmetro e 50m de comprimento. Se esse condutor conduz

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA BARREIRAS RIGIDAS EM CONCRETO ARMADO 1 de 6 1. OBJETIVO 1.1. A presente especificação tem por objetivo fixar as características técnicas e condições mínimas para aceitação dos serviços na execução de barreiras rígidas, em concreto armado,

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 3: ATERRAMENTOS 1. FINALIDADE O sistema de equipotencialização principal da edificação consiste na interligação de elementos especificados visando obter a equipotencialidade necessária para os

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Os eletrodutos são as canalizações que contém os condutores (item 6.2.11.1). Os eletrodutos podem ser de aço ou de PVC 70 o C.

Os eletrodutos são as canalizações que contém os condutores (item 6.2.11.1). Os eletrodutos podem ser de aço ou de PVC 70 o C. 1 Os eletrodutos são as canalizações que contém os condutores (item 6.2.11.1). Os eletrodutos podem ser de aço ou de PVC 70 o C. Mangueiras plásticas NÃO são eletrodutos. 2 3 Nas extremidades dos eletrodutos

Leia mais

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva KEOR T TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva KEOR T UPS TRIFÁSICO KEOR T foi projetado com tecnologia avançada e com componentes de última geração, para garantir um ótimo desempenho, alta eficiência, alta disponibilidade

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Cálculo de Parâmetros Elétricos: Resistência, Indutância e Capacitância. Aula 3: Cálculo de Parâmetros Elétricos Prof. Fabiano F. Andrade 2010 Tópicos da Aula (Parte

Leia mais

VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES

VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO REAÇÃO

Leia mais

Tanto aspectos do circuito elétrico como do caminhamento físico da instalação são contemplados no diagrama unifilar.

Tanto aspectos do circuito elétrico como do caminhamento físico da instalação são contemplados no diagrama unifilar. 4. DIAGRAMA UNIFILAR 4.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS O diagrama unifilar é um desenho que utilizando simbologia específica, representa graficamente uma instalação elétrica, indicando, sobre a planta arquitetônica:

Leia mais

ANEXO VI. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços x Valores Ofertados. 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VI. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços x Valores Ofertados. 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 6) Anexo VI ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VI de s Ponto de Rede Planilhas de Serviços x Valores

Leia mais

Aula 5 Projetos elétricos

Aula 5 Projetos elétricos Aula 5 Projetos elétricos Um projeto elétrico é um conjunto de símbolos desenhados sobre uma planta baixa interligados de tal forma para mostrar com deve ser executada a obra. Todo projeto elétrico residencial,

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Emissão: MINEA/DNEE Dezembro 2010 Av. Cónego Manuel das Neves, 234 1º - Luanda ÍNDICE 1 OBJECTIVO...

Leia mais

Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação

Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação Física Atividade 3 os anos Glorinha ago/09 Nome: Nº: Turma: Atividade de revisão do 1º semestre de 2009 e autoavaliação de recuperação Essa atividade tem o objetivo de revisar alguns conceitos estudados

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Autotransformadores

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Autotransformadores Autotransformadores Pode-se observar, na figura a seguir, que dois enrolamentos normais podem ser conectados de forma que um deles é comum a ambos os circuitos do primário e do secundário. Joaquim Eloir

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA Página: 1 Data de Criação: 22/03/2004 Período Início: 2004/01 Horas Aula Teórica: 68 Prática: 0 ExtraClasse: 0 Carga Horária:68 Número de Créditos: 4 Sistema de Aprovação: Aprovação por Média/Freqüência

Leia mais

Acesso de Viatura na Edificação e Áreas de Risco

Acesso de Viatura na Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais