21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?"

Transcrição

1 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento e manutenção. A mesma preocupação existe com o produto de software desenvolvido onde testes, normas e métodos são utilizados para verificar sua qualidade. No entanto, o software continua com sua qualidade comprometida. Um processo de qualidade não garante um produto de qualidade. Percebe-se, neste ponto, uma lacuna nos esforços que vêm sendo realizados na busca pela qualidade de software. O processo, que irá resultar no produto de software, concentra seus esforços na busca pela qualidade do modo de produção e manutenção do software, enquanto a qualidade do produto de software é focada no produto final, através da constatação de sua qualidade por avaliações no software já acabado. As iniciativas pela busca da qualidade de software descritas acima, denominadas abordagem de processo e abordagem de produto, respectivamente, são de grande valor e tratam seus objetivos de forma exemplar, mas agem de forma isolada. A qualidade do produto de software precisa fazer parte, de maneira mais intensa e formal, das preocupações do processo de desenvolvimento e manutenção. As características de qualidade de um produto de software precisam ser alocadas e verificadas nos produtos de software intermediários ao longo do processo e não apenas no produto já acabado. Este procedimento permite que os desvios no produto sejam detectados durante seu desenvolvimento e manutenção, promovendo assim o redirecionamento necessário ao processo para levá-lo à produção de um produto de software de qualidade. Uma solução simples para resolver esta lacuna é a prática simultânea das duas abordagens para qualidade de software (processo e produto) como, por exemplo, o modelo CMM (Capability Maturity Model for Software), que foca a qualidade do processo de software, e a Norma Brasileira NBR , que aborda as características de qualidade de um produto de software. Modelo de processo CMM O CMM, modelo de processo de software desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute) a pedido do DoD (Departamento de Defesa dos EUA), descreve os elementos chave de um processo de software eficiente e eficaz, além de indicar uma maneira evolutiva de transformar um processo de software imaturo, onde se trabalha de forma ad hoc, em um processo de software maduro, disciplinado. Desta forma, este modelo pode ser utilizado tanto para definir o nível de maturidade de uma organização, quanto ao seu processo de software, como também para orientar um trabalho de melhoria de processo. São definidos cinco níveis de maturidade que são: 1 Inicial, 2 - Repetível, 3 Definido, 4 Gerenciado e 5 Otimizado. Cada um destes níveis atua como fundação para o nível seguinte e indica a capacidade do processo de software da organização. No Nível 1 de maturidade, o sucesso da organização depende do heroísmo das pessoas. O Nível 2 já possui um planejamento para novos projetos baseado em suas especificações e em experiências de projetos passados similares. A existência de um processo de software padrão para toda a organização é a principal característica de uma organização Nível 3 de maturidade. No Nível 4, a organização consegue um controle quantitativo da qualidade de seu processo de software e dos produtos gerados por ele. Uma organização Nível 5 de maturidade é aquela que consegue promover uma melhoria contínua de seu processo de software de forma organizada e sem prejudicar o bom andamento dos projetos que estão sendo executados.

2 O CMM abrange práticas de planejamento, gerenciamento, desenvolvimento e manutenção de software. Quando estas práticas são realizadas, a organização aumenta sua possibilidade de atingir metas de custo, cronograma, eficiência e qualidade do produto final. Ou seja, uma organização de software imatura pode se transformar em uma organização madura através da execução das práticas deste modelo. Em uma organização de software imatura, o processo geralmente é improvisado e, mesmo quando o processo é especificado, nem sempre é seguido. Esta organização é reativa e os gerentes estão normalmente focados em resolver crises constantes. Quando prazos rígidos são impostos para a entrega do software, normalmente as funcionalidades, assim como a qualidade do produto como um todo, ficam absolutamente comprometidas. Por outro lado, uma empresa madura possui seu processo de software bem definido e institucionalizado por toda a organização. O processo é atualizado e melhorias são desenvolvidas através de testes e/ ou análises da relação custo/benefício. A estrutura do CMM é baseada na definição dos cinco níveis de maturidade onde KPAs (Key Process Areas) são apresentadas como fundamentais para uma empresa de certo nível de maturidade. A KPA possui um conjunto de práticas consideradas chave para que seu propósito seja cumprido na organização. Estas práticas chave são agrupadas de acordo com seu objetivo em relação à KPA, que pode ser: responsabilidades, habilidades, atividades, medições e análises e verificações. Norma NBR A Norma NBR Tecnologia da Informação Avaliação de produto de software: características de qualidade e diretrizes para o seu uso, que foi editada pela ABNT em 1998, é a versão brasileira da Norma ISO/IEC Information Technology Software product evaluation: quality characteristics and guidelines for their use, de O trabalho de elaboração da Norma NBR envolveu em torno de duas dezenas de profissionais especializados de empresas, universidades e centros de pesquisa, que já aplicavam os conceitos em suas atividades profissionais, antes mesmo do texto final ser aprovado como projeto de norma. Um dos motivos que levou a Comissão de Estudo de Qualidade de Software a elaborar a Norma NBR através da tradução do texto base da ISO/IEC 9.126, e não o de criar uma nova norma, foi a crescente integração da economia mundial que clama pela uniformização dos conceitos de qualidade exigindo o uso de textos normativos comuns a todos os países. A NBR estabelece seis características de qualidade que um produto de software deve ter; além de definir um modelo de qualidade de produto de software e apresenta os momentos onde a Norma pode ser aplicada. O modelo de qualidade de produto de software foi definido para apoiar o objetivo de aplicar as características de qualidade numa avaliação de produto de software e, é baseado na definição das características de qualidade de software através de subcaracterísticas. Sua utilização não é obrigatória. O importante, segundo a própria Norma, é perceber a necessidade de se seguir um modelo numa avaliação. As seis características e as subcaracterísticas que as definem, segundo a NBR , são as seguintes:

3 1.Funcionalidade: Adequação Presença de um conjunto de funções e sua apropriação para as tarefas especificadas. Acurácia Geração de resultados ou efeitos corretos. Interoperabilidade Capacidade de interagir com outros sistemas especificados. Conformidade Estar de acordo com normas, convenções e regulamentações. Segurança de acesso Capacidade de evitar acesso não autorizado a programas e dados. 2.Confiabilidade: Maturidade Freqüência de falhas. Tolerância a falhas Capacidade de manter nível de desempenho em caso de falha ou violação nas interfaces. Recuperabilidade Capacidade de restabelecer seu desempenho e restaurar dados após falha. 3.Usabilidade: Inteligibilidade Atributos do software que evidenciam o esforço feito pelo usuário para reconhecer o conceito lógico e sua aplicabilidade. Apreensibilidade Atributos do software que evidenciam o esforço do usuário para aprender sua aplicação. Operacionalidade Atributos do software que evidenciam o esforço do usuário para realizar sua operação e o controle da sua operação. 4.Eficiência: Comportamento em relação ao tempo Tempo de resposta, de processamento e de velocidade na execução de funções. Comportamento em relação aos recursos Quantidade de recursos utilizados. 5.Manutenibilidade: Analisabilidade Esforço necessário para diagnosticar aonde está a deficiência e causas de falhas. Modificabilidade Esforço necessário para realizar as modificações e a remoção de defeitos. Estabilidade Ausência de riscos de efeitos inesperados ocasionados por algumas modificações. Testabilidade Facilidade de ser testado.

4 6.Portabilidade: Adaptabilidade Capacidade de ser adaptado a ambientes diferentes. Capacidade para ser instalado Esforço necessário para a instalação. Conformidade Consonância com padrões ou convenções de portabilidade. Capacidade para substituir Capacidade e esforço necessário para substituir outro software. Esta Norma pode ser aplicada, segundo ela própria, nos seguintes momentos: na definição dos requisitos de qualidade de um produto de software; na avaliação da especificação de software para verificar se ele irá satisfazer a todos os requisitos de qualidade durante o desenvolvimento; descrição de particularidades e atributos do software implementado como, por exemplo, em manuais de usuário; avaliação do software desenvolvido, antes da entrega; e avaliação do software desenvolvido e antes da aceitação. Integrando CMM e NBR A contribuição, promovida pela utilização simultânea de um modelo de processo e da Norma que descreve as características de qualidade de um produto de software, é proporcionar uma alternativa prática para que o desenvolvimento e manutenção de uma organização de software resulte num produto de qualidade, de acordo com os parâmetros que são reconhecidos internacionalmente. Uma estratégia que pode ser adotada é analisar instâncias de um modelo de processo de software com algum potencial para o uso da Norma NBR Apesar do modelo CMM v 1.1 estar sendo substituído, provavelmente ainda este ano, pelo CMMI (Capability Maturity Model Integration), ele ainda é o mais indicado para um trabalho desta natureza por ser bastante conhecido e utilizado em todo o mundo desde Isso faz com que uma aplicação prática em organizações de software seja viável de imediato, promovendo resultados a curto prazo. O grupo de atividades, que concentra práticas chave sugeridas pelo CMM, são de grande importância nesta análise porque descrevem o que deve ser feito para se estabelecer a capacidade do processo de software. A capacidade de todo o processo de software define os limites de resultados esperados quando se segue o processo de software em uso. Ao introduzir a NBR nas práticas chave das atividades, pretende-se expandir seu objetivo para que possam definir também o que deve ser feito para estabelecer a capacidade do produto. A forma de utilização dos conceitos da NBR em instâncias do modelo de processo CMM devem ser simples e de fácil implementação. Um exemplo pode ser extraído da KPA gerenciamento de requisitos definida para organizações de Nível 2 de maturidade. O propósito colocado pelo CMM para esta KPA é o entendimento comum, entre cliente e equipe do projeto de software, sobre os requisitos do cliente a serem implementados no software. Considerando a utilização da Norma NBR em instâncias cabíveis nesta KPA, é agregado valor ao CMM transformando seu propósito para: entendimento comum, entre cliente e equipe do projeto de software, sobre os requisitos do cliente incluindo as características de qualidade a serem implementadas no software.

5 Uma instância nesta KPA é a atividade de número um que diz: o grupo de engenharia de software revê os requisitos a serem alocados antes de incorporá-los ao projeto de software. O documento Especificação de Requisitos de Software deve descrever o comportamento do software esperado pelo cliente. Considerando o uso da NBR nesta atividade, o grupo de engenharia de software revê os requisitos a serem alocados antes de incorporá-los ao projeto de software, procurando garantir a presença das características de qualidade de produto de software, definidas na NBR , na Especificação de Requisitos de Software. As 18 KPAs, definidas pelo modelo de processo CMM, possuem instâncias que podem ser apontadas com oportunidade de envolver e usar os conceitos da Norma NBR Isto reflete que, independente do nível de maturidade da organização, a oportunidade de usar a Norma NBR no processo de software é sempre possível, aplicável e recomendada. Com esta iniciativa simples, o foco estará na qualidade do software e não mais no processo ou no produto final. Ou seja, deve-se executar as melhores práticas no processo para desenvolver e manter um produto que possua as características de qualidade reconhecidas internacionalmente promovendo, desta forma, a melhoria da qualidade do software como um todo. Bibliografia Carnegie Mellon University. SEI Software Enginnering Institute. The Capability Maturity Model: Guidelines for Improving the Software Process. 14. ed. EUA: Addison Wesley Longman, Associação Brasileira de Normas Técnicas. TI Avaliaçao de produto de software: Características de qualidade e diretrizes para o seu uso, NBR RJ. SEI (Software Enginnering Institute) Paulk, M. C.; et al. The Capability Maturity Model for Software. Pittsburgh: SEI Software Engineering Institute, ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) www. abnt.org.br. International Organization for Standarlization. Information technology Software product evaluation: Quality characteristics and guidelines for their use, ISO/IEC Genebra, Master, S. An Overview of Capability Maturity Model Integration (CMM ISM): version 1.0. In: SIMPROS 2000 Simpósio Internacional de Melhoria de Processo de Software, 2, 2000, SP. Anais do SIMPROS SP, Autor: Mary Lucy Sant'Ana & Ana Cervigni Guerra Biografia: Mary Lucy Sant'Ana é analista de sistemas, matemática e mestranda em Gestão da Qualidade Total, na UNICAMP. Trabalha há 22 anos na área de qualidade. Ana C. Guerra é doutora em Engenharia Mecânica pela UNICAMP. Atua na área de qualidade desde 1994 no CenPRA.

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Qualidade do produto

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade de Produto de Software

Qualidade de Produto de Software Qualidade de Produto de Software Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer-CTI Rodovia Dom Pedro I km 143,6 Campinas SP Brasil Divisão de Qualificação em Software - DQS Ana Cervigni Guerra ana.guerra@cti.gov.br

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br BFPUG Brazilian Function Point Users Group Gerência da Melhoria de S oftware através de Indicadores da Qualidade e Produtividade BFPUG Brazilian Function Point Users Group Software Measurement & IT Project

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1 Qualidade e Teste de Software 2010 1 ISO A ISO ( International Organization for Standardization) nasceu de uma conferência em Londres, em Outubro de 1946. O evento contou com a Participação de 65 delegados

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software COPPE/UFRJ Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Copyright COPPE/UFRJ Direitos Reservados Alguns Dados COPPE/UFRJ Uma Organização com bom desempenho

Leia mais

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO)

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 1. Introdução No início qualidade = funcionalidade capacidade de substituir o hardware

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

JUN 2003. A NBR ISO/IEC 9126, sob o título geral "Engenharia de software - Qualidade do produto", consiste nas seguintes partes:

JUN 2003. A NBR ISO/IEC 9126, sob o título geral Engenharia de software - Qualidade do produto, consiste nas seguintes partes: Cópia não autorizada JUN 2003 NBR ISO/IEC 9126-1 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Engenharia de software - Qualidade de produto Parte 1: Modelo de qualidade Sede: Rio de Janeiro Av. Treze

Leia mais

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE Marina Benedetti Preto¹ RESUMO Muito se fala sobre a qualidade de software, mas sem sempre se tem uma verdadeira noção deste conceito. A qualidade possui

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. Visão Geral Qualidade de Software

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. Visão Geral Qualidade de Software Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação Visão Geral Qualidade de Software Evolução do Conceito de Qualidade W.A.Shewart desenvolveu o sistema de Controlo Estatístico do Processo

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Engenharia Nesta seção você encontra artigos voltados para testes, processo, modelos, documentação, entre outros Qualidade de Software Desvendando um requisito essencial no processo de desenvolvimento

Leia mais

Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO9000-3

Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO9000-3 Alcançando Qualidade de Software com SW-CMM e ISO9000-3 ALEXANDRE NOVAES DORNELAS 1 HAMILTON TRINDADE VIVAS 2 EsAEx Escola de Administração do Exército, Rua Território do Amapá, Nº455, Pituba, Salvador

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

MAAS. Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2.0. Secretaria da Administração do Estado da Bahia

MAAS. Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2.0. Secretaria da Administração do Estado da Bahia SAEB CTG Secretaria da Administração do Estado da Bahia Coordenação de Tecnologias Aplicadas à Gestão Pública MAAS Metodologia de Análise de Aderência de Sistemas Versão 2. Março de 29 SAEB Secretaria

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau - FURB

Universidade Regional de Blumenau - FURB Universidade Regional de Blumenau - FURB Centro de Ciências Exatas e Naturais - CCEN Curso de Ciências da Computação (Bacharelado) Análise Comparativa entre ambientes Oracle relacional versão 7 e Oracle

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA QUALIDADE DE SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA QUALIDADE DE SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA QUALIDADE DE SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Crise do Software Termo utilizado em 1970, quando pouco se falava em Engenharia de Software Problemas

Leia mais

MANAGE SOFTWARE QUALITY REGULARIZED BY ISO 9126 BY THE MEANS OF STRATEGY METHODOLOGY: BALANCED SCORECARD - A CASE STUDY

MANAGE SOFTWARE QUALITY REGULARIZED BY ISO 9126 BY THE MEANS OF STRATEGY METHODOLOGY: BALANCED SCORECARD - A CASE STUDY GERENCIAR QUALIDADE DE SOFTWARE REPRESENTADA NA ISO 9126 POR MEIO DA METODOLOGIA ESTRATÉGICA: BALANCED SCORECARD UMA APLICAÇÃO Renato S. Gomide 1, Luiz F. B. Loja 2, Sirlon D. Carvalho 1, Ricardo A. G.

Leia mais

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model

Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 5: CMM, o Capability Maturity Model Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 MARCELO NORTE DE OLIVEIRA 1 marcelonorte.ti@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA 2 iremar.prof@uol.com.br RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais