Acromegalia possibilidades terapêuticas: quando não operar?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acromegalia possibilidades terapêuticas: quando não operar?"

Transcrição

1 Acromegalia possibilidades terapêuticas: quando não operar? Fulvio Clemo Santos Thomazelli Prof. Endocrinologia do Curso de Medicina da Universidade Regional de Blumenau

2 De acordo com as normas do Conselho Federal Medicina (n ) e Vigilância Sanitária RDC 102. Declaro que: ( ) participo em estudos clínicos e/ou experimentais subvencionados pelo (a): ( ) sou conferencista / palestrante do laboratório ( ) sou membro consultivo / diretivo, do laboratório e/ou empresa da equipamentos médico hospitalares: ( ) participo do comitê normativo de estudos científicos do laboratório: ( x ) não possuo conflito de interesses na presente palestra

3 Casos Clinicos 1 2 Masc, 28anos, procedente Gaspar Fem, 61anos, procedente de Itajai FSH 3,37 LH 3,28 Prl 20,9 T4l 0,81 TSH 3,86 Cortisol 16,3 GH 9,87 Testo T 166 IGF (117 a 321) GTT: GH: 9,57-10,03-15,16-19,72-18, RNM: lesao 27x26x22mm, ocupando quase toda gld hipofisaria, com remodelamento da sela tursica, com extensao para cisterna suprasselaer com compressao sobre quiasma optico, compativel com macroadenoma Campimetria: OD: perda 2 em 14 OE: perda 2 em IGF (41 a 243) GH > 40 Prl 22 Cortisol 9,1 T4l 0,81 TSH 1,71 Gli 109 HbA1c 5, RNM: lesão expansiva intrasselar 1,8x2,5x2,8cm, sugestiva de macroadenoma de hipófise. A lesão se estende a porção postero-superior dos seios esfenoidais, remodelando a sela nesta topografia, obliterando cisterna suprasselar e seio cavernoso direito, determinando discrete deslocamento lateral do nervo óptico e carotida interna deste lado Campimetria: OD perda 2 em 14 OE: perda 3 em 14

4 Introdução Hiato diagnóstico permanece na media de 8 a 10anos após o aparecimento dos primeiros sintomas 1 80% são macroadenomas (>10mm) 1 Mortalidade 1,7x maior que a população geral 2,3 1.Vieira Neto L et al Arq Bras End Metabol 55: Dekkers OM et al J Clin Endocrinol Metab; 93(1): Holdaway IM et al 2008 Eur J Endocrinol; 159(2):89-95.

5 Abordagem interdisciplinar: endocrinologistas, neurocirurgiões, intensivistas, oftalmologistas, otorrinolaringologistas, neurorradiologistas, neuropatologistas e radioterapeutas. Tratamento

6 Katznelson et al J Clin Endocrinol Metab 99(11):

7 Giustina A et al Nat Rev Endocrinol 10,

8 Objetivos do tratamento Normalização bioquímica Redução de mortalidade Melhora dos sintomas Controle da massa tumoral Preservação da função hipofisária

9 Critérios de cura Nível randômico (basal) de GH < 1 ng/ml Valor médio de GH < 1,0 (perfil de 5 pontos) Nadir de GH < 0,4 ng/ml durante o TOTG Normalização do IGF-I para sexo e idade. Recomenda-se utilizar o mesmo ensaio de GH e IGF-1 nas monitorizações Giustina A et al J Clin Endocrinol Metab 95:

10 Cirurgia Transesfenoidal Vantagens Resultado imediato Possibilidade de cura Resolução de sintomas neurológicos compressivos Redução ou eliminação da massa tumoral Redução dos níveis de GH/IGF-1 (facilitando terapia adjuvante debulking ) Baixo Custo Desvantagens Depende da habilidade do cirurgião Menor ou nenhuma chance de cura em grandes lesões (seio cavernoso) Risco de hipopituitarismo Risco de complicações (DI, fístula, etc) Risco anestésico (disfunção respiratório e cardíaca) Possibilidade de recidiva

11 Análogos da Somatostatina Terapia Primária - Pré-operatório para melhora das condições clínicas em pacientes com grande risco cirúrgico ou sem condições operatórias - Pacientes com adenomas invasivos, sem comprometimento visual ou neurológico, com baixa probabilidade de cura cirúrgica Terapia Adjuvante - Doença mal controlada (sempre) ou inadequadamente controlada (individualizando caso a caso) Efeitos Colaterais - Cálculos biliares em cerca de 15 % (4 a 22 %) - Efeitos gastrointestinais (diarréia, náusea, etc) 49% transitórios e < 10 % persistentes - Metabolismo de glicose hipoglicemia em 2% e hiperglicemia em 7 a 15% - Dor local (24%), queda de cabelo (3 a 6%), bradicardia sinusal, deficiência de vitamina B12, alteração na absorção de drogas orais

12 Premissas A cirurgia continua sendo o tratamento primário de escolha no tratamento da Acromegalia 1,2,3,4 Os tratamentos primários clinico e cirúrgico devem ser interpretados como complementares no atual momento 5 O tratamento clínico primário rotineiro, objetivando melhora controle bioquímico, é contra-indicado 2,4 1. Wass JA et al Pituitary 2: Katznelson L et al J Clin Endocrinol Metab 99: Vieira Neto L et al Arq Bras End Metabol 55: Giustina A et al Nat. Rev. Endocrinol. 10, Cozzi R et al J Clin End Metab 91 (4):

13 Cirurgia Mas... E os resultados?

14 Fatores preditores de resposta cirúrgica Experiencia profissional (mínimo de 50 cirurgias transesfenoidais/ano) Niveis pre-operatórios de GH Extensão tumoral extrasselar Tamanho tumoral

15 Jane JÁ et al J Clin Endocrinol Metab 96: Séries Históricas

16 1. Wass JA et al Pituitary 2: Jane JÁ et al J Clin Endocrinol Metab 96: Starke RM et al 2013 J Clin Endocrinol Metab 98: Microadenomas: cura cx de 85-90% 1,2,3 Macroadenomas: cura cx de 40-50% 1,2,3 Obs: critérios adotados de cura distintos nas series históricas

17 Cx endoscopica CLASSIFICAÇÃO KNOSP Jane JÁ et al J Clin Endocrinol Metab 96:

18 CX endoscópica Fatores preditivos de remissão: 1) GH < 45 (OR 6,41 IC 95% 1,57-26,38) 2) Knosp 0-2 (OR 6,81 IC 95% 2,38-19,44) 2000: Nadir GH < 1,0 (GTT) ou IGF-1 normal para idade e sexo 2010: Nível randômico (basal) de GH < 1 ng/ml, valor médio de GH < 1,0 (perfil de 5 pontos), nadir de GH < 0,4 ng/ml durante o TOTG, normalização do IGF-I para sexo e idade. Starke RM et al 2013 J Clin Endocrinol Metab 98:

19 Uso de análogo somatostatina no pré-operatorio Sexo (masc/fem) 31/36 Idade (anos) 54.9 ± 14.2 Hiperprolactinemia 10 DM 16 Hipopituitarismo (tireoide/sr/gônadas) 17 (3/0/13) Microadenoma (invasivo %) 19 (60%) Macroadenoma (invasivo %) 48 (42%) Adenomas invasivos (%) 31 (46%) Invasivos: seio cavernoso, seio esfenoidal ou limites imprecisos Criterios de exclusão: microadenomas não invasivos (exceto se recusa do pcte em realizar cx), comprometimento neuro e/ou oftalmológico, hepato e/ou nefropatia Cozzi R et al J Clin End Metab 91 (4): Reopção de tto

20 67 pacientes 3 adenomas desapareceram (2micro e 1 macro) 1 deles permaneceu com IGF-1 e GH normais 18meses após suspensão do tratamento 5 macros invasivos evoluíram para sela vazia 3 deixaram de ser invasivos Cozzi R et al J Clin End Metab 91 (4):

21 Metanálise (35 estudos): 2629 pctes, follow up 6 a 360meses Neurocx Remissão* 1 71% > 1 47% * Remissão: GH randomico < 2,5ug/l GH nadir < 1,0ucg/l GTT IGF-1 normal sexo/idade * Somente 18 estudos descreviam remissão Dabhr AMA et al J Clin End Metab, 99 (11):

22 Survival of acromegalic patients (n = 429) over a 30-year period. Pctes mais comprometidos Idade mais avançada Doença mais prolongada Niveis de IGF-1 na ultima consulta Maior prevalencia de DM Fausto Bogazzi et al. Eur J Endocrinol 2013;169: European Society of Endocrinology

23 Classificaçao Sem modificação Modificação mínima Modificação moderada Modificação acentuada Vol tumoral (%) Diametro max (%) Resposta (n) ,2% (22) 25.1 a a 20 31,1% (31) 50.1 a a 30 30,3% (30) >75 >30 14,1% (14) 13 microadenomas 25 macro in situ 32 expansão extrasselar 29 invasivos * Houve crescimento tumoral em 2pctes GH < 2,5ug/L em 57,6% IGF-1 normalizado em 45,5% Ambos parâmetros: 42,4% Colao A et al J Clin Endocrinol Metab 91:

24 Estudo PRIMARYS 20% Lanreotide 120ucg, macroadenomas (n = 89) GH < 2,5ucg/L em 77,8% IGF-1 normalizou em 50% Ambos parâmetros 43,5% Caron PJ et al J Clin Endocrinol Metab 99:

25 Metaanalise Tratamento pre-operatorio

26 OR 3,62 (IC 95%: 1,88 a 6,96)

27

28

29

30 Normalização IGF-1 Normalização IGF-1 Nadir GH < 1,0 no GTT

31

32 VOLTANDO AOS CASOS CLÍNICOS

33 1 Casos Clinicos Prescrito Octreotide LAR 20ucg/mes em Recebido em Data GH (ng/ml) IGF-1 ( )(ng/ml) , , , * , , ,20 399** * Aumentado para Octreotide LAR 30ucg/mes; **40ucg/mes RNM: alargamento da sela tursica, com lesão cistica apresentando realce periferico no contraste, em assoalho da sela e na adenohipofise. Analise com exame previo de , demonstrou discreta redução das dimensões da lesão. 21x4x16mm

34 Caso Clinico 1 CX hipofisária transesfenoidal em (internaçao de 11 dias, uso de dreno durante 5 dias. Intercorrência imediata: fistula liquorica) Prl 17 T4l 1,04 Cortisol 14,9 GH 0,1 TestoT 466 IGF (152 a 396) RNM: alargamento da sela tursica, com herniação intrasselar espaço subaracnoide. Herniação quiasma optico e haste hipofisario p/ interior da sela tursica. Sem recidiva tumoral no presente exame

35 Data GH (ng/ml) IGF-1 (ng/ml) , , , , , Paciente não usa medicamentos atualmente. Tornou-se pai recentemente. Sem apresentar evidencias de recidiva da acromegalia e/ou hipopituitarismo até o presente momento. Sem alteração visual.

36 Caso Clínico 2 Prescrito octreotide LAR 30ucg/mes em 12/2014. Medicamento obtido em 03/ Cortisol < 1,0 ug/dl Prl 11,2 ng/ml T4l 0,91 IGF ng/dl (41-243) GH 4,25 ng/dl

37 Para todo problema complexo há uma solução clara, simples e errada (Henry Louis Mecken )

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin)

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin) Anatomia Localiza-se na base do crânio sela túrcica Hipófise anterior: derivada da bolsa de Rathke Hipófise posterior: origem neural, formada por axônios e terminções nervosas dos neurônios hipotalâmicos

Leia mais

revisão sumário Bras Endocrinol Metab. 2011;55(2): Descritores Acromegalia; recomendações; diagnóstico; tratamento

revisão sumário Bras Endocrinol Metab. 2011;55(2): Descritores Acromegalia; recomendações; diagnóstico; tratamento revisão Recomendações do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia para o diagnóstico e tratamento da acromegalia no Brasil Recommendations of Neuroendocrinology

Leia mais

Preditores de Cura na Acromegalia

Preditores de Cura na Acromegalia Preditores de Cura na Acromegalia Luíz Antônio de Araújo Endoville - Centro de Endocrinologia e Diabetes de Joinville. Declaração de Conflito de Interesses Pesquisa Clinica: Novartis Oncologia Transporte

Leia mais

Tratamento da Hiperprolactinemia

Tratamento da Hiperprolactinemia 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Tratamento da Hiperprolactinemia Quando, Como e até Quando? Érica Correia Garcia Érica Correia Garcia Eixo Hipotálamo Hipófise PRL Introdução

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM) Imagem 01. Ressonância Nuclear Magnética (RM) de crânio, corte axial, ponderada em T1, sem contraste.

Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM) Imagem 01. Ressonância Nuclear Magnética (RM) de crânio, corte axial, ponderada em T1, sem contraste. Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM) Imagem 01. Ressonância Nuclear Magnética (RM) de crânio, corte axial, ponderada em T1, sem contraste. Imagem 02: Detalhe de Ressonância Nuclear Magnética (RM)

Leia mais

REVISITANDO A SÍNDROME DE NELSON. Sthefanie Giovanna Pallone Orientador: Dr. Cesar Luiz Boguszewski

REVISITANDO A SÍNDROME DE NELSON. Sthefanie Giovanna Pallone Orientador: Dr. Cesar Luiz Boguszewski REVISITANDO A SÍNDROME DE NELSON Sthefanie Giovanna Pallone Orientador: Dr. Cesar Luiz Boguszewski Junho 2015 Introdução Tratamento da Doença de Cushing Cirurgia Transesfenoidal (remissão 70%-90%) Radioterapia

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná campus Luiz Meneghel, Setor de Enfermagem, Bandeirantes, Paraná, Brasil

Universidade Estadual do Norte do Paraná campus Luiz Meneghel, Setor de Enfermagem, Bandeirantes, Paraná, Brasil QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM ACROMEGALIA THAISSY FERNANDA DE OLIVEIRA 1 SIMONE CRISTINA CASTANHO SABAINI DE MELO 1,2 CRISTIANO MASSAO TASHIMA 1 SANDRA MARISA PELLOSO 2 NATÁLIA MARIA MACIEL GUERRA

Leia mais

Controle hormonal dos adenomas hipofisários pela cirurgia transesfenoidal: evolução dos resultados nos primeiros cinco anos de experiência

Controle hormonal dos adenomas hipofisários pela cirurgia transesfenoidal: evolução dos resultados nos primeiros cinco anos de experiência Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Departamento de Cirurgia e Anatomia - FMRP/RCA Artigos e Materiais de Revistas Científicas - FMRP/RCA 2011 Controle hormonal

Leia mais

ACROMEGALIA. Manoel Martins

ACROMEGALIA. Manoel Martins ACROMEGALIA Manoel Martins mramartins@gmail.com Acromegalia: definição Doença causada pelo excesso crônico de GH Adultos: acromegalia Crianças/adolescentes: gigantismo A derrota de Golias perante Davi:

Leia mais

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

Médico Neurocirurgia Geral

Médico Neurocirurgia Geral Médico Neurocirurgia Geral Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 40 anos de idade procura a emergência de um hospital com dor irradiada incapacitante para o membro inferior direito após

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

Síndrome de Cushing. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE

Síndrome de Cushing. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE Síndrome de Cushing Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo CHLN-Hospital Santa Maria, EPE Síndrome de Cushing Exposição prolongada e inadequada a quantidades excessivas de glucocorticóides

Leia mais

Tratamento de macroprolactinoma com cabergolina em adolescente

Tratamento de macroprolactinoma com cabergolina em adolescente Relato de Caso Tratamento de macroprolactinoma com cabergolina em adolescente An adolescent patient with prolactinoma treated with cabergoline Leila Warszawski 1, Daniela Barbosa L. Coelho 2, Andrea Cristina

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

Hiperprolactinemias. Manoel Martins

Hiperprolactinemias. Manoel Martins Hiperprolactinemias Armadilhas no Diagnóstico Manoel Martins Caso clínico Mulher de 40 anos procura o Serviço de Diabetes e Endocrinologia do HUWC por amenorréia há 15 anos. Refere que se queixava ao ginecologista

Leia mais

CLUBE DA HIPÓFISE Ano VII 27/02/2013 Futuro do Tratamento Clínico na Doença de Cushing

CLUBE DA HIPÓFISE Ano VII 27/02/2013 Futuro do Tratamento Clínico na Doença de Cushing CLUBE DA HIPÓFISE Ano VII 27/02/2013 Futuro do Tratamento Clínico na Doença de Cushing Luíz Antônio de Araújjo Tratamento da D. Cushing Transsphenoidal surgery is first-line therapy in Cushing s disease

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Dr. José Jukemura Assistente Doutor da Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo FMUSP Classificação WHO 2004 TEBD-PB

Leia mais

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS

DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS DOENÇA DE GRAVES EM IDADE PEDIÁTRICA: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DOS ANTITIROIDEUS Resultados do Hospital de Braga 1 Serviço de Endocrinologia; 2 Serviço de Pediatria; C.Grupo Endocrinológico Pediátrico, Hospital

Leia mais

Uso do Análogo de Ação Prolongada da Somatostatina no Tratamento do Gigantismo e da Acromegalia. caso especial. Mirta Knoepfelmacher

Uso do Análogo de Ação Prolongada da Somatostatina no Tratamento do Gigantismo e da Acromegalia. caso especial. Mirta Knoepfelmacher caso especial Uso do Análogo de Ação Prolongada da Somatostatina no Tratamento do Gigantismo e da Acromegalia Mirta Knoepfelmacher A APRESENTAÇÃO DESTE CASO tem o objetivo de discutir as diversas formas

Leia mais

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso?

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Abordagem diagnóstica de um nódulo hepático o que o cirurgião deve saber? Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Maria Fernanda Arruda Almeida Radiologia

Leia mais

Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso.

Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget. tratamento com Risendronato oral e Pamidronato endovenoso. Remissão prolongada da atividade metabólica da Doença de Paget Óssea após Ibandronatooral J Clin Endocrinol Metab, em um February paciente 2012, 97(2):366 376 com rápida recidiva após tratamento com Risendronato

Leia mais

RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Somatuline autogel acetato de lanreotida RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução injetável de liberação

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

ACO-SECREÇÃO DE HORMÔNIO de crescimento deve ser pesquisada em

ACO-SECREÇÃO DE HORMÔNIO de crescimento deve ser pesquisada em D i s c o rdância Entre IGF-1 e GH Pós-Sobre c a rga de Glicose no Rastreamento de Acromegalia em Paciente Com Macroprolactinoma Relato de Caso e Revisão Sobre o Te m a apresentação de caso FABRÍCIA TORRES

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea

Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Luíz Antônio de Araújo Diretor do Dpto de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia SBEM

Leia mais

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II 0209030011 - HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA Nome: HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA 0209040017 - BRONCOSCOPIA (BRONCOFIBROSCOPIA) CBO: 223120 0301010170 - CONSULTA/AVALIAÇÃO

Leia mais

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Invasive asymptomatic macroprolactinoma in a male patient Relato de Caso Flávia Regina de Oliveira*, Juliana Dean Gomes*, Luciana

Leia mais

Tumores da hipófise. Avaliação clínica

Tumores da hipófise. Avaliação clínica Tumores da hipófise Avaliação clínica Tumores da hipófise 10-25% de casos não seleccionados de autópsias RMN 10% de indivíduos normais Tumores da hipófise Incidência: 2/100000 Prevalência: 20/100000

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA. Fernanda Bolfi

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA. Fernanda Bolfi UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA Fernanda Bolfi Revisão Sistemática da interferência da normalização do fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 (IGF-1)

Leia mais

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Daiane de Barros Silva 1 ; Lucio Vilar 2 1 Estudante do Curso de Medicina- CCS UFPE. Email: daianebarros@hotmail.com,

Leia mais

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira VARIZES DE MEMBROS INFERIORES Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira Definição Dilatação, alongamento, tortuosidade com perda funcional, com insuficiência valvular Incidência: 3/1 sexo feminino;75%

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DA NEUROMIELITE ÓPTICA (NMO) DORALINA G. BRUM

CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DA NEUROMIELITE ÓPTICA (NMO) DORALINA G. BRUM CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DA NEUROMIELITE ÓPTICA (NMO) DORALINA G. BRUM Fatos históricos marcantes da neuromielite óptica Características centrais da NMO 1.Sintomas 2.Ressonância magnética 3. Laboratóriais

Leia mais

RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Somatuline autogel acetato de lanreotida RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU EM CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução injetável de liberação

Leia mais

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016

Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais. Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Preparo pré-operatório do Paciente Diabético Manejo de insulina e antidiabéticos orais Daniel Barretto Kendler GEMD 21/05/2016 Por que a preocupação? 50% dos diabéticos sofrerão alguma cirurgia Hiperglicemia

Leia mais

SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE. Prof. Dra. Lucila L K Elias

SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE. Prof. Dra. Lucila L K Elias SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE Prof. Dra. Lucila L K Elias TÓPICOS Unidade hipotalâmica-hipofisária Eixos hipotálamo-hipófise-glândula-alvo Hormônios hipofisiotróficos Retroalimentação negativa Hipófise

Leia mais

ACRONOR Núcleo de Estudos em Acromegalia e Doenças Relacionadas do Norte - Nordeste Brasileiro ACROMEGALIA PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

ACRONOR Núcleo de Estudos em Acromegalia e Doenças Relacionadas do Norte - Nordeste Brasileiro ACROMEGALIA PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE ACRONOR Núcleo de Estudos em Acromegalia e Doenças Relacionadas do Norte - Nordeste Brasileiro ACROMEGALIA PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE EXPEDIENTE COORDENADOR DO PROJETO: Dr. Renan Magalhães Montenegro

Leia mais

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP

COLECISTITE AGUDA TCBC-SP Colégio Brasileiro de Cirurgiões Capítulo de São Paulo COLECISTITE AGUDA Tercio De Campos TCBC-SP São Paulo, 28 de julho de 2007 Importância 10-20% população c/ litíase vesicular 15% sintomáticos 500.000-700.000

Leia mais

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Francisco Bandeira, MD, Phd, FACE Coordenador Apresentação: Paula

Leia mais

6 a 8 ml/kg ( ml)

6 a 8 ml/kg ( ml) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Uma mulher de 65 anos, 60 kg de peso, tabagista de longa data, é levada ao pronto-socorro em franca insuficiência respiratória por DPOC descompensada. Após tentativas de ventilação

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE

NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE Denise Momesso Doutoranda e Mestre em Endocrinologia pela UFRJ Médica do IEDE Coordenadora da Endocrinologia do Hospital Pró- Cardíaco

Leia mais

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Serviço de Radioterapia Directora de Serviço: Dra. Gabriela Pinto ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Rita da Costa Lago / Darlene Rodrigues / Joana Pinheiro / Lurdes

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção cirúrgica indicada

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR:

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 45 15 04 VERSÃO

Leia mais

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR

Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Há mais de uma lesão grave, como definir qual é a culpada? Devemos abordar todas ao mesmo tempo ou tentar estratificar? O papel do USIC, OCT e FFR Dr. Miguel A. N. Rati Serviço de Hemodinâmica Hospital

Leia mais

Nódulos da tireóide. Nilza Scalissi. Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Nódulos da tireóide. Nilza Scalissi. Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo ENDOCRINOLOGIA & METABOLOGIA Santa Casa -SP Nódulos da tireóide Departamento de Medicina Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Nilza Scalissi Bócio Nodular Necrópsia-14.6% nódulos múltiplos

Leia mais

Tratamento de Resgate após. Eu prefiro HIFU ou Crioterapia GUSTAVO CARDOSO CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA

Tratamento de Resgate após. Eu prefiro HIFU ou Crioterapia GUSTAVO CARDOSO CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA Tratamento de Resgate após Falha da Radioterapia Eu prefiro HIFU ou Crioterapia i GUSTAVO CARDOSO GUIMARÃES CHEFE DO SERVIÇO DE UROLOGIA Câncer da Próstata Estados Unidos Siegel R, CA CANCER J CLIN 2014

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 O Secretário de Atenção à Saúde Substituto, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria GM/MS nº 1.161,

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual

Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual Hiperglicemia Hospitalar: Tratamento Atual Dra. Anna Gabriela Fuks Mestre em Endocrinologia pela UFRJ Responsável pelo Serviço de Endocrinologia do Hospital Copa D or Diretora CienDfica da Sociedade Brasileira

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS

CIRURGIA DO PÂNCREAS UNIFESP CIRURGIA DO PÂNCREAS PANCREATITE CRÔNICA Educação Continuada - 2007 Cirurgia Geral CBC-SP EJL PANCREATITE CRÔNICA Alterações pancreáticas parenquimatosas e ductais evolutivas e de caráter irreversível

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

Brazilian Journal of OTORHINOLARYNGOLOGY.

Brazilian Journal of OTORHINOLARYNGOLOGY. Braz J Otorhinolaryngol. 2014;80(2):146-151 Brazilian Journal of OTORHINOLARYNGOLOGY www.bjorl.org.br ARTIGO ORIGINAL Endoscopic endonasal transsphenoidal resection of pituitary adenomas: preliminary evaluation

Leia mais

ANEXO PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS ACROMEGALIA

ANEXO PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS ACROMEGALIA ANEXO PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS ACROMEGALIA 1 Metodologia de busca e avaliação da literatura Foram realizadas buscas nas bases de dados Medline/Pubmed, Embase e Cochrane em 04/05/2011.

Leia mais

TUMORES HIPOFISÁRIOS. Eveline Gadelha Pereira Fontenele. Sinopse

TUMORES HIPOFISÁRIOS. Eveline Gadelha Pereira Fontenele. Sinopse TUMORES HIPOFISÁRIOS Eveline Gadelha Pereira Fontenele Sinopse Parte I - Introdução Anatomia da hipófise Desenvolvimento hipofisário Tumores Parte II - Diagnóstico Clínico Anatômico Funcional Parte III

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 02/2016 Belo Horizonte, 26 de Janeiro de 2016 GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane Cordeiro Júnior Diretora Maria do Carmo Paixão Rausch Equipe técnica: Cíntia

Leia mais

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O

2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA ASPECTOS PRÁTICOS EM ENDOCRINOLOGIA O que fazer perante: Hipoglicemia TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipoglicemia

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA

Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA Lesões Benignas do FígadoF Tumores Epiteliais Hepatocelular Hiperplasia nodular focal Hiperplasia

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Jornada Paulista de Anestesia Pediátrica 2006 Profa Dra Norma Sueli Pinheiro Módolo UNESP Faculdade de Medicina de Botucatu Depto. de Anestesiologia Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Anestesia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO METABOLISMO DA GLICOSE EM PACIENTES ACROMEGÁLICOS PRÉ E PÓS TRATAMENTO COM OCTREOTIDE LAR

AVALIAÇÃO DO METABOLISMO DA GLICOSE EM PACIENTES ACROMEGÁLICOS PRÉ E PÓS TRATAMENTO COM OCTREOTIDE LAR AVALIAÇÃO DO METABOLISMO DA GLICOSE EM PACIETES ACROMEGÁLICOS PRÉ E PÓS TRATAMETO COM OCTREOTIDE LAR Lívia Lugarinho Corrêa Dissertação de mestrado apresentada ao programa de Pós-Graduação em Medicina,

Leia mais

ACROMEGALIA. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 199, de 25 de fevereiro de 2013, republicada em 22 de novembro de 2013.

ACROMEGALIA. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS nº 199, de 25 de fevereiro de 2013, republicada em 22 de novembro de 2013. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas ACROMEGALIA Portaria SAS/MS nº 199, de 25 de fevereiro de 2013, republicada em 22 de novembro de 2013. 1 metodologia DE BUSCA E AVALIAÇÃO DA LITERATURA Foram

Leia mais

Nervamin. (cloridrato de tiamina) Prati-Donaduzzi Comprimido revestido 300 mg. Nervamin_bula_profissional

Nervamin. (cloridrato de tiamina) Prati-Donaduzzi Comprimido revestido 300 mg. Nervamin_bula_profissional Nervamin (cloridrato de tiamina) Prati-Donaduzzi Comprimido revestido 300 mg INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Nervamin cloridrato de tiamina APRESENTAÇÕES Comprimido revestido de 300 mg

Leia mais

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 19º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Enunciado Paciente de 61 anos, sexo feminino, sem queixas no momento, foi submetida à radiografia de tórax como avaliação pré-cirúrgica. Qual achado pode ser

Leia mais

Opções terapêuticas e dificuldades no manuseio de paciente acromegálica. Relato de caso*

Opções terapêuticas e dificuldades no manuseio de paciente acromegálica. Relato de caso* RELATO DE CASO Opções terapêuticas e dificuldades no manuseio de paciente acromegálica. Relato de caso* Therapeutic options and difficulties in the handle of the patient with acromegaly. Case report Carolina

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia

Imagem da Semana: Radiografia Imagem da Semana: Radiografia Imagem 01. Radiografia de tórax e abdome em AP Recém-nascido (RN), a termo, sexo masculino e parto vaginal. Foi reanimado na sala de parto devido a apneia e frequência cardíaca

Leia mais

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C)

Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) Controvérsias e Avanços Tecnológicos sobre Hemoglobina Glicada (A1C) DR. AUGUSTO PIMAZONI NETTO Coordenador do Grupo de Educação e Controle do Diabetes do Hospital do Rim Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

SÍNDROME INTRA-SELAR

SÍNDROME INTRA-SELAR SÍNDROME INTRA-SELAR ANALISE DE 506 CIRURGIAS TRANSESFENOIDAIS PEDRO SAMPAIO* A sela turcica, apesar de seu tamanho diminuto, constitui área de patologia peculiarmente importante. As lesões aí havidas,

Leia mais

AVALIAÇÃO NEURORRADIOLÓGICA DO POLÍGONO DE WILLIS NO SEGUIMENTO DIAGNÓSTICO DA ACROMEGALIA

AVALIAÇÃO NEURORRADIOLÓGICA DO POLÍGONO DE WILLIS NO SEGUIMENTO DIAGNÓSTICO DA ACROMEGALIA 79 AVALIAÇÃO NEURORRADIOLÓGICA DO POLÍGONO DE WILLIS NO SEGUIMENTO DIAGNÓSTICO DA ACROMEGALIA Guaracy Cavalcante de Albuquerque 1 Fabrícia de Farias Silva 2 Caroline Moraes Amaral 3 Sabrina de Melo Gomes

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Nº 227, sexta-feira, 22 de novembro de 2013 1 ISSN 1677-7042 57 Expediente do Processo: 0256078/12-0 Expediente do Recurso: 0769745/12-7 Parecer: 109/2013/COARE/GGIMP Empresa: SILIMED - COMÉRCIO DE PRODUTOS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

- Papel da Quimioterapia Neo e

- Papel da Quimioterapia Neo e Carcinoma Urotelial de Bexiga: Tratamento Sistêmico na Doença Músculo-Invasiva - Papel da Quimioterapia Neo e Adjuvante Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Prof. Medicina Interna Univ. Católica de Brasília

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para tornar obrigatória a cobertura de assistência

Leia mais

Espessamento da haste hipofisária: relato de caso Thickening of the pituitary stalk: a case report

Espessamento da haste hipofisária: relato de caso Thickening of the pituitary stalk: a case report Revista de Medicina e Saúde de Brasília RELATO DE CASO : relato de caso Thickening of the pituitary stalk: a case report Gleim Dias de Souza 1, Luciana Rodrigues Queiroz de Souza 2, Anna Carla de Queiros

Leia mais

TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO. Termo de ciência e consentimento

TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO. Termo de ciência e consentimento TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO Termo de ciência e consentimento Por este instrumento particular o(a) paciente ou seu responsável, Sr.(a), declara, para todos os fins legais, que dá plena autorização

Leia mais

Polipectomia e Sinusectomia

Polipectomia e Sinusectomia Após Preenchimento entregar: ORIGINAL NA ULP; Polipectomia e Sinusectomia 01 CÓPIA P/ MÉDICO; 01 CÓPIA P/ PACIENTE. CONSENTIMENTO INFORMADO Por este instrumento particular o(a) paciente ou seu responsável

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

TRH pós PR é segura? Archimedes Nardozza Jr

TRH pós PR é segura? Archimedes Nardozza Jr TRH pós PR é segura? Archimedes Nardozza Jr Declaração de Conflito de Interesse De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta?

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Profa Dra Eliana Marisa Ganem CET/SBA do Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP BNP - 50.233 lesão neurológica - 12

Leia mais

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia

Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia N i i l d d d b d Nos primeiros lugares das dores de cabeça da Urologia Câncer de próstata :malignidade mais diagnosticada em homens Incontinência urinária afeta diretamente qualidade de vida Cirurgia:

Leia mais

Recursos Próprios 2013

Recursos Próprios 2013 Recursos Próprios 2013 " Serviços Próprios de Atendimento Pré-Hospitalar (SOS) e Assistência Domiciliar ( Home- Care): reconhecendo a importância destas modalidades assistenciais para o cliente e para

Leia mais

ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte

ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte ROBERTO MAX LOPES Hospital Biocor e Santa Casa de Belo Horizonte Corresponde a 5 a 10 % das DCC Cardiopatia congênita mais encontrada no adulto Pode estar associada a patologia do sistema de condução em

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Manual de Cirurgia Segura

Manual de Cirurgia Segura Manual de Cirurgia Segura Índice Apresentação... pág. 4 Termos de Consentimento Informado... pág. 4 Lateralidade... pág. 5 Profilaxia Antibiótica... pág. 6 Time Out ou Pausa Cirúrgica... pág. 7 NR 32...

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 265/2013 Brasília, agosto de 2013. Princípio Ativo: cabergolina Nome Comercial 1 : Dostinex. Sumário 1. O que é a cabergolina?... 1 2. O medicamento possui registro na Agência Nacional de

Leia mais

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE

(LAING, COUGLEY, KLENERMAN, % 50% ; BIRKE 1 - INTRODUÇÃO 2 As alterações de sensibilidade no paciente portador de diabetes mellitus são responsáveis diretas pela considerável morbidade relacionada com as úlceras plantares e suas conseqüências.

Leia mais

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10

15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Fóruns 28 de setembro de 2013 15º FÓRUM DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA AUDITÓRIO 10 Insuficiência Cardíaca Como abordar na: IC Fração de ejeção reduzida / normal IC descompensada IC Crônica IC Chagásica

Leia mais

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5

JEJUM PRÉ-ANESTÉSICO E OPERATÓRIO. Localizador: Data: Vigência: Revisão: Página: HND.ANT.POP /5 HND.ANT.POP.002 20.10.2015 20.10.2017 01 1 /5 1. FINALIDADE Este procedimento tem como objetivo estabelecer regras e normas para orientar a realização do jejum pré-anestésico visando redução dos riscos

Leia mais

AVALIAÇÃO PLASMÁTICA DE IGF-1 NO PROLACTINOMA

AVALIAÇÃO PLASMÁTICA DE IGF-1 NO PROLACTINOMA Arq Neuropsiquiatr 2006;64(3-B):849-854 AVALIAÇÃO PLASMÁTICA DE IGF-1 NO PROLACTINOMA Daniela Zylberberg 1, Erika C.O. Naliato 1,2, Alair Sarmet 3, Eduardo Sato 4, Fernando S.R. Costa 4, Alice H.D. Violante

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais