CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA"

Transcrição

1 CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

2 1. Conceito de Funcionário Público (intraneus): Art Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública. Cargo diz respeito ao funcionário público em sentido estrito (relação estatutária). Emprego quando a relação funcional é regida pela CLT. Função é a própria atividade, atribuição, tarefa objeto dos serviços prestados. Não confundir com o múnus público encargo ou ônus conferido pela lei e imposto pelo Estado em algumas situações. Ex.: depositário, curador etc.

3 Funcionário público por equiparação 1º - Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000) Paraestatal autarquias, sociedades de economia mista, fundações públicas, serviços sociais autônomos (sistema S ).

4 Prestadora de serviço empresa (sociedade empresária ou firma individual) contratada ou conveniada para exercer atividades típicas da administração pública. Ex.: diretor de hospital privado conveniado/contratado que presta serviços de atendimento a segurados da previdência social.

5 2. Crimes funcionais são os crimes praticados por funcionário público. A doutrina classifica-os em: Próprios a qualidade de funcionário público é essencial à sua realização, não havendo outra figura típica semelhante para que não ostente tal condição. Ex.: prevaricação. Impróprios podem ser praticados por outros agentes que não sejam funcionários públicos.

6 3. Causa de aumento de pena 2º - A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos neste Capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou assessoramento de órgão da administração direta, sociedade de economia mista, empresa pública ou fundação instituída pelo poder público. (Incluído pela Lei nº 6.799, de 1980)

7 PECULATO Art Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa. 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

8 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo funcionário público. Sujeito passivo é o Estado, bem como o particular eventualmente lesado. 3. Elementos Objetivos do Tipo: No caput (PECULATO PRÓPRIO): PECULATO APROPRIAÇÃO - Apropriar-se significa apoderar-se indevidamente; invertendo o título da posse, agindo como se fosse dono (animus rem sibi habendi).

9 PECULATO DESVIO desviar significa dar destinação diversa à coisa, em proveito próprio ou alheio. Se o desvio for para benefício da administração, não há crime de peculato, mas conforme o caso, pode ser emprego irregular de rendas ou verbas públicas (art. 315, CP). POSSE DESVIGIADA - O sujeito tem a posse da coisa em razão do cargo (relação direta). O proveito pode ser material ou moral. Ex.: emprestar o dinheiro desviado sem juros para ganhar a simpatia de alguém.

10 No 1º (PECULATO IMPRÓPRIO): PECULATO FURTO Subtrair ou concorrer para que alguém subtraia. O sujeito não tem a posse da coisa, mas se aproveita da facilidade proporcionada pelo cargo. Se não houver essa facilidade, o crime é comum de furto. OBJETO MATERIAL - dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular.

11 No 2º PECULATO CULPOSO: Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem: ano. Pena - detenção, de três meses a um Trata-se de crime autônomo caracterizado pela participação culposa em delito doloso alheio.

12 4. Elemento Subjetivo do Tipo: No caput e no 1º, o elemento subjetivo é o dolo. Vontade e consciência de apropriar-se, desviar ou subtrair o objeto material, valendo-se da condição de funcionário público. No 2º PECULATO CULPOSO, a modalidade de culpa é a negligência.

13 5. Consumação e Tentativa: Peculato Apropriação Quando inverte o título da posse, agindo como se fosse dono (praticando ato de disposição) ou negando-se a restituir o dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel. Peculato desvio quando dá destino diverso ao objeto material. Peculato furto quando subtrai/retira da esfera de vigilância e disponibilidade da administração. As três hipóteses dolosas admitem tentativa, ressalvando-se o peculato apropriação na modalidade negativa de restituição.

14 Peculato Culposo Consuma-se quando ocorre o resultado (a prática de outro crime por terceiro). Não há tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena caput e 1º - reclusão de 2 a 12 anos e multa. 2º - na modalidade culposa detenção de 3 meses a 1 ano. Competência do Juizado Especial Criminal. A ação penal é pública incondicionada.

15 CAUSA DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE E REDUÇÃO DE PENA PELA REPARAÇÃO DO DANO NO PECULATO CULPOSO: 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; Se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta. Antes do trânsito em julgado da primeira decisão condenatória (em 1º grau ou no acórdão), a reparação do dano é causa de extinção da punibilidade. Após, há redução de pena pela metade.

16 A reparação do dano em peculato doloso pode servir como arrependimento posterior (art. 16, CP), se realizada antes do recebimento da denúncia ou como atenuante (art. 65, III, b, CP), se realizada antes da sentença. Após a sentença transitada, funciona como requisito para a progressão de regime (art. 33, 4º, CP).

17 PECULATO MEDIANTE ERRO DE OUTREM Art Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, recebeu por erro de outrem: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1. Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo funcionário público no exercício do cargo. Sujeito passivo é o Estado, bem como a pessoa eventualmente prejudicada.

18 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo apropriar-se (apoderar-se) Objeto material - dinheiro (pecúnia, moeda) ou qualquer utilidade (com valor econômico). No exercício do cargo implica efetivo exercício. Recebeu por erro de outrem o erro é a falsa representação da realidade, sendo irrelevante a causa do erro. O erro pode incidir sobre a obrigação, sobre coisa entregue (qualidade ou quantidade) ou sobre o funcionário que a recebeu.

19 ERRO ESPONTÂNEO OU PROVOCADO? 1ª corrente (MAJORITÁRIA): O recebimento deve ser de boa fé, ou seja, o erro do terceiro deve ser espontâneo, não provocado pelo funcionário público, que num momento posterior apresenta dolo de apropriar-se do objeto material. Se, desde o início, havia dolo de ficar com a coisa e o funcionário induz ou mantém em erro o terceiro, responde por estelionato (crime mais grave pena de reclusão de 1 a 5 anos), dependendo do caso concreto, com o aumento de pena do 3º do artigo 171, CP.

20 2ª corrente (Greco, Nucci): O erro pode ser espontâneo ou provocado pelo funcionário público, que induz ou mantém em erro o terceiro. Em ambas as hipóteses, responde pelo artigo 313, CP. 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É dolo de apropriar-se definitivamente da coisa (animus rem sibi habendi). Segundo o entendimento majoritário, o dolo deve ser posterior ao recebimento de boa fé. Se o funcionário recebe por erro, não há crime, em função do erro de tipo.

21 5. Consumação e Tentativa: À semelhança do crime de apropriação, consuma-se com a inversão do título da posse, em duas situações: ato inequívoco como se fosse dono da coisa ou negativa de restituição. É crime material e instantâneo. Admite-se a tentativa, embora seja de difícil configuração. 6. Pena e Ação Penal: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. Cabe SURSIS PROCESSUAL(art. 89, da Lei 9099/95). A ação penal é pública incondicionada.

22 INSERÇÃO DE DADOS FALSOS EM SISTEMA DE INFORMAÇÕES Art. 313-A. Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)). Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

23 1. Objetividade Jurídica: peculato eletrônico Tutela-se a Administração Pública no tocante à proteção das informações constantes de seus sistemas informatizados ou bancos de dados. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo crime próprio, somente pode ser praticado pelo funcionário público autorizado. Sujeito passivo é o Estado, bem como o particular prejudicado.

24 3. Elementos Objetivos do Tipo: Inserir (diretamente) ou facilitar a inserção (indiretamente) de dados falsos (objeto material). Alterar ou excluir indevidamente (elemento normativo) dados corretos (objeto material). Objeto Material - Dados são elementos de informação ou representação de fatos ou instruções de forma apropriada para armazenamento, transmissão ou processamento por meios automáticos. Banco de dados é o conjunto de elementos, materiais ou não, coordenados entre si, que funcionam como uma estrutura organizada com a finalidade de armazenar dados. Podem ser sistemas informatizados (em computadores) ou outros meios (papeis, fichas etc).

25 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É composto pelo dolo (vontade e consciência de inserir, facilitar a inserção, alterar ou excluir) associado ao especial fim de agir: obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano. Não há previsão de modalidade culposa. Também não há o crime do artigo 313-A, CP, se o funcionário não atua com o intuito de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano. A vantagem tem que ser indevida e pode ser de qualquer natureza (patrimonial ou moral). O dano causado pode ser à administração ou ao particular que venha a ser prejudicado.

26 5. Consumação e Tentativa: Crime formal e instantâneo, consuma-se com a prática das condutas, independente de ocorrência efetiva do resultado (obtenção da vantagem ou dano), que caracteriza mero exaurimento. Admite-se tentativa, por se tratar de crime plurissubsistente. 6. Pena e Ação Penal: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. Causa de aumento de pena do artigo 327, 2º, CP (função de confiança). A ação penal é pública incondicionada.

27 MODIFICAÇÃO OU ALTERAÇÃO NÃO AUTORIZADA DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES Art. 313-B. Modificar ou alterar, o funcionário, sistema de informações ou programa de informática sem autorização ou solicitação de autoridade competente: Pena detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e multa. Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até a metade se da modificação ou alteração resulta dano para a Administração Pública ou para o administrado.

28 1. Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é funcionário público. Basta que ostente essa qualidade, não havendo necessidade de ser funcionário autorizado, até porque o crime é cometido sem autorização da autoridade competente. Sujeito passivo é o Estado, além da pessoa prejudicada, conforme previsto no parágrafo único.

29 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: Modificar corresponde a uma transformação radical, já a alteração não chega a desnaturar o programa ou sistema. Objeto material: sistema de informações (sistema que manipula informação ou banco de dados) ou programa de informática (software). Elemento Normativo: Sem solicitação ou autorização da autoridade competente.

30 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo, vontade livre e consciente de alterar ou modificar o objeto material, sem autorização ou solicitação da autoridade. Não há previsão de modalidade culposa. Assim, a conduta descuidada (negligência, imprudência ou imperícia) do funcionário pode trazer efeitos civis e administrativos, mas é irrelevante penal. 5. Consumação e Tentativa: O crime é material e instantâneo, consumandose com a efetiva alteração ou modificação do sistema ou programa. Admite-se a tentativa.

31 6. Pena e Ação Penal: Pena detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e multa. Causa de aumento de pena: Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até a metade se da modificação ou alteração resulta dano para a Administração Pública ou para o administrado. A ação penal é pública incondicionada.

32 EXTRAVIO, SONEGAÇÃO OU INUTILIZAÇÃO DE LIVRO OU DOCUMENTO Art Extraviar livro oficial ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo; sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente: Pena - reclusão, de um a quatro anos, se o fato não constitui crime mais grave. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública.

33 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é somente o funcionário público que tem a guarda do livro oficial ou documento em razão do cargo. Há violação de dever funcional. Se não for o funcionário público, o sujeito pode responder, conforme o caso, pelo crime previsto no artigo 305 (contra a fé pública) ou 337 (particular) ou 356 (advogado), todos do CP. Sujeito passivo é o Estado.

34 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: 1) extraviar (desencaminhar, perder-se do destino), 2) sonegar (ocultar, omitir, fazer desaparecer) ou 3) inutilizar (tornar inútil, imprestável, destruir total ou parcialmente). Objeto material: livro oficial (criado por lei) ou qualquer documento.

35 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo, vontade livre e consciente de extraviar, sonegar ou inutilizar, total ou parcialmente, livro oficial ou qualquer documento, de que tem a guarda em razão do cargo. Não se exige especial fim de agir. Se o sujeito destruir, suprimir ou ocultar documento com a finalidade de obter vantagem, para si ou para outrem, responde pelo crime do artigo 305, CP. Não há previsão de modalidade culposa.

36 5. Consumação e Tentativa: Crime material e instantâneo (que pode ter efeitos permanentes na conduta de extraviar ou inutilizar), consuma-se o delito com a ocorrência efetiva do resultado (extravio, sonegação ou inutilização). Admite-se tentativa nas condutas de extraviar e inutilizar. Não cabe tentativa na conduta de sonegar, pois se o funcionário tem o dever de apresentar o livro e não o faz (omissão), o crime já está consumado.

37 6. Pena e Ação Penal: Pena - reclusão, de um a quatro anos, se o fato não constitui crime mais grave. Trata-se de crime expressamente subsidiário. A ação penal é pública incondicionada.

38 EMPREGO IRREGULAR DE VERBAS OU RENDAS PÚBLICAS Art Dar às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da estabelecida em lei: Pena - detenção, de um a três meses, ou multa. 1. Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo somente pode ser o funcionário público que tem competência para gerir ou administrar verbas ou rendas públicas. Sujeito passivo é o Estado.

39 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo: dar significa canalizar, utilizar, empregar, aplicar. Objeto material: Verbas Públicas são fundos que a lei orçamentária destina aos serviços públicos ou de utilidade pública. Rendas públicas são quaisquer dinheiros recebidos pela fazenda pública. Elemento normativo: aplicação diversa da estabelecida em lei. Trata-se de norma penal em branco, que precisa ser complementada por lei em sentido material (lei ordinária, complementar ou Constituição).

40 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo, vontade livre de dar aplicação às verbas e rendas públicas com consciência de que o faz de maneira diversa daquela estabelecida na lei. Não há previsão de modalidade culposa, que pode caracterizar ilícito administrativo ou improbidade. É cabível a alegação de estado de necessidade, na hipótese de emergências (calamidades, desastres) ou situações extremas imprevisíveis, que levem o administrador a aplicar determinadas verbas a destinações diversas das previstas na lei.

41 5. Consumação e Tentativa: Crime material e instantâneo consuma-se o delito com a efetiva destinação diversa da verba ou renda pública. Admite-se tentativa, pois é possível fracionar o iter criminis. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de um a três meses, ou multa. Competência do JECRIM, se não houver foro por prerrogativa de função. A ação penal é pública incondicionada.

42 CONCUSSÃO Art Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública, além da liberdade individual (constrangimento) e do patrimônio particular (vantagem indevida/prejuízo). 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é o funcionário público. Sujeito passivo é o Estado, bem como o prejudicado.

43 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo: exigir significa impor, constranger, ordenar, determinar. A conduta de exigir é praticada antes de receber (exaurimento). Para si ou para outrem, mas não para a administração. Nesse último caso, há excesso de exação ( 1º). Direta (de forma explícita, face a face) ou indiretamente (através de interposta pessoa).

44 Em razão da função (violação de dever funcional/abuso de autoridade), não precisa ser necessariamente no exercício da função, pois o tipo afirma ainda que fora da função ou antes de assumi-la. Vantagem indevida é ilícita, injusta, ilegal. Para a maioria da doutrina, é de caráter patrimonial. Para Greco, Bitencourt e outros é qualquer vantagem (pessoal, moral, sexual etc) já que o bem jurídico é a administração pública.

45 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É composto pelo dolo (vontade e consciência) e pelo especial fim de agir (para si ou para outrem). Não há modalidade culposa. 5. Consumação e Tentativa: É crime formal e instantâneo, que se consuma com a conduta de exigir a vantagem, independentemente sua efetiva obtenção. 6. Pena e Ação Penal: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa. A ação penal é pública incondicionada.

46 EXCESSO DE EXAÇÃO 1º - Se o funcionário exige tributo ou contribuição social que sabe ou deveria saber indevido, ou, quando devido, emprega na cobrança meio vexatório ou gravoso, que a lei não autoriza: Pena - reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública, além da liberdade individual (constrangimento) e do patrimônio particular (tributo indevido/prejuízo).

47 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo funcionário público competente para a cobrança de tributos. Sujeito passivo é o Estado e o particular prejudicado. 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: exigir significa impor, constranger, ordenar, determinar a cobrança de tributo indevido. Empregar (utilizar) meio vexatório ou gravoso que a lei não autoriza na cobrança de tributo devido.

48 Objeto material: Tributo ou contribuição social. Elemento normativo: tributo indevido (ilícito, injusto) ou meio vexatório ou gravoso que a lei não autoriza (norma penal em branco, a ser complementada por lei de natureza tributária). 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo direto de exigir tributo que sabe indevido ou indireto, quando deveria sabê-lo, ou de cobrar o tributo devido empregando meio vexatório ou gravoso não autorizado pela lei. Não se exige especial fim de agir. Não há modalidade culposa.

49 5. Consumação e Tentativa: É crime formal e instantâneo, que se consuma com a conduta de exigir o tributo indevido ou de empregar o meio vexatório ou gravoso (sem autorização legal) na cobrança do tributo devido, independentemente sua efetiva arrecadação (mero exaurimento). 6. Pena e Ação Penal: Pena - reclusão, de 3 (três) a 8 (oito) anos, e multa. A ação penal é pública incondicionada.

50 FORMA QUALIFICADA DE EXCESSO DE EXAÇÃO 2º - Se o funcionário desvia, em proveito próprio ou de outrem, o que recebeu indevidamente para recolher aos cofres públicos: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Se o funcionário pratica o excesso de exação e não recolhe o valor recebido aos cofres públicos, mas o desvia para si ou para outrem, responde pela forma qualificada.

51 Tutela-se a Administração Pública, além do patrimônio particular (tributo indevido/prejuízo). 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é o funcionário público responsável pelo recebimento e recolhimento dos tributos. Sujeito passivo é o Estado e o particular lesado.

52 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo: desviar em proveito próprio ou de outrem significa dar destinação diversa ao tributo recebido indevidamente em vez de recolhê-lo aos cofres públicos. Objeto material: Tributo ou contribuição social. Elemento normativo: recebidos indevidamente. 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É composto pelo dolo de desviar (vontade e consciência) e pelo especial fim de agir (em proveito próprio ou de outrem). Não há modalidade culposa.

53 5. Consumação e Tentativa: É crime material e instantâneo, que se consuma com a conduta de desviar o tributo já recebido indevidamente em proveito próprio ou de outrem. Admite-se, em tese, a tentativa. Entretanto, se o sujeito não conseguir efetivamente desviar, já está consumada a conduta anterior de excesso de exação.

54 6. Pena e Ação Penal: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa. Note-se que, apesar de ser conduta abstratamente mais grave, a pena mínima é menor, o que soa desproporcional. A ação penal é pública incondicionada.

55 CORRUPÇÃO PASSIVA Art Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública, além da liberdade individual (constrangimento) e do patrimônio particular (vantagem indevida/prejuízo).

56 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo somente pode ser o funcionário público, prevalecendo-se da função. Sujeito passivo é o Estado, bem como o particular prejudicado. 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: 1) solicitar significa pedir. O particular que, premido pela circunstância, cede ao pedido (sem tomar a iniciativa de oferecer) não comete crime de corrupção ativa;

57 2) receber significa tomar, entrar na posse da vantagem oferecida pelo particular, sem que tenha solicitado antes; 3) aceitar promessa significa anuir, concordar, admitir o recebimento futuro da vantagem indevida oferecida pelo particular. Para si ou para outrem, mas não para a administração. Direta (de forma explícita, face a face) ou indiretamente (através de interposta pessoa).

58 Em razão da função (violação de dever funcional), não precisa ser necessariamente no exercício da função, pois o tipo afirma ainda que fora da função ou antes de assumi-la. Vantagem indevida é ilícita, injusta, ilegal. Para a maioria da doutrina, é de caráter patrimonial. Para Greco, Bitencourt e outros é qualquer vantagem (pessoal, moral, sexual etc) já que o bem jurídico é a administração pública. 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É composto pelo dolo (vontade e consciência) e pelo especial fim de agir (para si ou para outrem). Não há modalidade culposa.

59 5. Consumação e Tentativa: Nas condutas de solicitar vantagem indevida ou aceitar promessa de tal vantagem é crime formal e instantâneo, que se consuma independentemente sua efetiva obtenção. Na conduta de receber é crime material e instantâneo, que se consuma com a efetiva posse da vantagem indevida. Em tese, admite-se a tentativa, dependendo da forma de execução (por escrito, carta extraviada). 6. Pena e Ação Penal: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. A ação penal é pública incondicionada.

60 CAUSA DE AUMENTO DE PENA ( CORRUPÇÃO EXAURIDA ): 1º - A pena é aumentada de um terço, se, em consequência da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo dever funcional.

61 CORRUPÇÃO PRIVILEGIADA 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem: Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é somente o funcionário público que tem o dever funcional de praticar o ato. Sujeito passivo é o Estado.

62 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: praticar (executar com violação de dever funcional), deixar de praticar (omissão dolosa) ou retardar (postergar, atrasar indevidamente, praticar com excesso de prazo). Objeto material: ato de ofício é aquele que se encontra dentro das atribuições do agente. Elemento normativo: com infração de dever funcional. Motivo determinante: Cedendo a pedido (solicitação) ou influência de outrem.

63 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É dolo de praticar, deixar de praticar ou retardar ato de ofício, com a consciência da infração de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem. Não se exige especial fim de agir. Não há previsão de modalidade culposa. 5. Consumação e Tentativa: Crime material e comissivo na primeira modalidade, consuma-se com a efetiva prática do ato com infração de dever funcional. Admite-se tentativa.

64 Nas demais, consuma-se com a abstenção (deixar de praticar) ou retardamento do ato de ofício, após o decurso do prazo. Quando não houver prazo definido, adota-se um critério de proporcionalidade. Não se admite tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. Competência do JECRIM, se não houver foro por prerrogativa de função. A ação penal é pública incondicionada.

65 PREVARICAÇÃO Art Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Constitui o crime o fato de o funcionário retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. Tutela-se a Administração Pública, que deve pautar-se pelo Princípio da Impessoalidade.

66 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é somente o funcionário público que tem o dever de praticar o ato de ofício. Sujeito passivo é o Estado, bem como a pessoa eventualmente prejudicada. 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: praticar (executar contra disposição expressa de lei), deixar de praticar (omissão dolosa) ou retardar (postergar, atrasar indevidamente, praticar com excesso de prazo).

67 Objeto material: ato de ofício é aquele que se encontra dentro das atribuições do agente. Elemento normativo: indevidamente (injustamente, com infração de dever funcional) ou contra disposição expressa de lei em sentido material (sendo óbvio que quando há violação de dever funcional, em última análise, também se contraria a lei). 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É dolo de praticar o ato de ofício contra disposição expressa de lei ou de deixar de praticá-lo ou retardá-lo, com a consciência da infração de dever funcional,

68 Especial fim de agir para satisfazer a interesse ou sentimento pessoal. Interesse pessoal diz respeito ao aspecto patrimonial, material ou moral. Sentimento pessoal se relaciona com afetividade, ódio, benevolência. Ainda que seja nobre o sentimento (altruísmo), há crime, pois viola-se a impessoalidade da administração pública. Não há previsão de modalidade culposa.

69 5. Consumação e Tentativa: Crime material e comissivo na primeira modalidade, consuma-se com a efetiva prática do ato com violação expressa de norma legal. Admite-se tentativa. Nas demais, consuma-se com a abstenção (deixar de praticar) ou retardamento do ato de ofício, após o decurso do prazo. Quando não houver prazo definido, adota-se um critério de proporcionalidade. Não se admite tentativa.

70 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Competência do JECRIM, se não houver foro por prerrogativa de função. A ação penal é pública incondicionada.

71 PREVARICAÇÃO IMPRÓPRIA Art. 319-A. Deixar o Diretor de Penitenciária e/ou agente público, de cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho telefônico, de rádio ou similar, que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo: (Incluído pela Lei nº , de 2007). Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Veda-se o acesso indevido ao meio de comunicação. Tutela-se a Administração Pública.

72 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é somente o Diretor de Penitenciária e/ou agente público que tem o dever funcional de vedar ao preso o acesso indevido a aparelho de comunicação. Sujeito passivo é o Estado. 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: deixar de cumprir o dever de vedar (omissão dolosa/violação funcional). Objeto material: aparelho telefônico, de rádio ou similar, que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo.

73 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É dolo de deixar de cumprir o dever funcional de vedar ao preso o acesso indevido a aparelho de comunicação. Não se exige especial fim de agir. Não há satisfação de interesse ou sentimento pessoal (prevaricação), tampouco intuito de obter vantagem indevida (corrupção passiva). Não há previsão de modalidade culposa.

74 5. Consumação e Tentativa: Crime omissivo, consuma-se com a mera abstenção (deixar de cumprir o dever de vedar), ou seja, tendo conhecimento do acesso indevido, o agente deixa de vedá-lo. Não se admite tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Competência do JECRIM, se não houver foro por prerrogativa de função. A ação penal é pública incondicionada. O preso que utilizar indevidamente o aparelho de comunicação comete falta grave na execução (art. 50, VII, LEP).

75 CONDESCENDÊNCIA CRIMINOSA Art Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública, sobretudo o seu poder disciplinar.

76 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo funcionário público que tenha atribuição de disciplinar (superior hierárquico) ou do mesmo nível ou hierarquia distinta (não tem competência). Sujeito passivo é o Estado. 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo: deixar (abster-se conduta omissiva) de responsabilizar (apurar e punir, caso necessário) o subordinado ou de levar o fato ao conhecimento da autoridade competente quando lhe faltar competência.

77 Elemento normativo: Por indulgência (benevolência, tolerância), com violação da disciplina e hierarquia da administração pública. Infração (sentido amplo administrativa ou penal) cometida no exercício do cargo. Não alcança fatos que não tenha relação com o efetivo exercício funcional.

78 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo, vontade e consciência de não responsabilizar o subordinado ou comunicar a infração à autoridade competente. Não se exige especial fim de agir. Se houver satisfação de interesse ou sentimento pessoal, o crime é de prevaricação. Se houver recebimento ou promessa de vantagem indevida, há corrupção passiva exaurida.

79 5. Consumação e Tentativa: É crime omissivo próprio, consumando-se com a mera omissão. Não cabe tentativa. Não há previsão de um prazo específico, mas a lei 8112/90 dispõe que a apuração da infração deve ser imediata (art. 143). 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. Competência do JECRIM. A ação penal é pública incondicionada.

80 ADVOCACIA ADMINISTRATIVA Art Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário: multa. Pena - detenção, de um a três meses, ou Parágrafo único - Se o interesse é ilegítimo: Pena - detenção, de três meses a um ano, além da multa. 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública (moralidade, impessoalidade).

81 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo: Patrocinar significa defender, advogar (agir como advogado, procurador), assumir a causa. Valendo-se da qualidade de funcionário. O sujeito deve se prevalecer da condição de funcionário para ter acesso ao órgão público ( perante a administração pública. Interesse privado o interesse deve ser alheio. Não há crime, se o funcionário defende interesse público, próprio ou de familiares. Direta (pessoalmente) ou indiretamente (por interposta pessoa).

82 5. Consumação e Tentativa: É crime comissivo, instantâneo e de mera conduta, consumando-se com a prática de qualquer ato que configure patrocínio de interesse privado. Admite-se a tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de um a três meses, ou multa. A ação penal é pública incondicionada. Forma qualificada Parágrafo único - Se o interesse é ilegítimo: Pena - detenção, de três meses a um ano, além da multa.

83 ABANDONO DE FUNÇÃO Art Abandonar cargo público, fora dos casos permitidos em lei: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. 1º - Se do fato resulta prejuízo público: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. 2º - Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de fronteira: Pena - detenção, de um a três anos, e multa. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo funcionário público. É crime de mão própria. Sujeito passivo é o Estado.

84 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleo Abandonar significa deixar ao desamparo, largar. Para caracterizar o abandono, é necessário que seja criada situação de risco para a administração pública. É crime de perigo concreto. Segundo Hungria, é necessária a acefalia do cargo público, a inexistência ou ocasional ausência de substituto legal do desertor.

85 De acordo com a lei 8112/90, em seu art. 138, Configura abandono de cargo a ausência intencional do servidor ao serviço por mais de trinta dias consecutivos. Trata-se de infração disciplinar, que não pode ser confundida com o crime de abandono de função. O decurso do prazo acima não é determinante para a existência do crime, desde que não exista efetivo perigo de dano à administração. Não há objeto material. Para Nucci, o objeto material é o Cargo público. Cargo público (conceito restrito) é o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor (art. 3º, da lei 8112/90). Elemento normativo - fora dos casos permitidos em lei norma penal em branco, a ser complementada pela lei em sentido material. Ex.: estado de necessidade, inexigibilidade de conduta diversa.

86 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo de abandonar o cargo público gerando perigo de dano para a administração. Não há modalidade culposa. 5. Consumação e Tentativa: Consuma-se com o abandono, por lapso temporal juridicamente relevante, a ponto de levar à efetiva criação de perigo concreto para a administração (possibilidade de dano) em razão da acefalia do cargo. Em tese, admite-se tentativa, apesar de ser difícil a sua ocorrência e comprovação.

87 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. FORMAS QUALIFICADAS 1º - Se do fato resulta prejuízo público: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Trata-se de efetivo resultado de dano para a administração.

88 2º - Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de fronteira: Pena - detenção, de um a três anos, e multa. Faixa de fronteira é faixa interna paralela à fronteira, com largura de 150 km (Art. 1º da Lei 6634/79). A ação penal é pública incondicionada.

89 EXERCÍCIO FUNCIONAL ILEGALMENTE ANTECIPADO OU PROLONGADO Art Entrar no exercício de função pública antes de satisfeitas as exigências legais, ou continuar a exercê-la, sem autorização, depois de saber oficialmente que foi exonerado, removido, substituído ou suspenso: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é funcionário público. É crime de mão própria. Sujeito passivo é o Estado.

90 Continuar a exercê-la é prosseguir realizando, sem autorização, depois de saber oficialmente que foi exonerado, removido, substituído ou suspenso. Exercício de função pública é o efetivo desempenho das atribuições do cargo público ou função de confiança. Elemento Normativo (norma penal em branco): antes de satisfeitas as exigências legais, ou, sem autorização, depois de saber oficialmente que foi exonerado, removido, substituído ou suspenso.

91 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo de entrar no exercício antecipado ou de continuar (dolo direto depois de saber ). Não há modalidade culposa. 5. Consumação e Tentativa: Crime de mera conduta e instantâneo, consumase com a prática de algum ato funcional, que caracterize que o sujeito entrou em exercício antes de satisfeitas as exigências legais ou permaneceu no exercício do cargo sem autorização. Não é necessária a existência de dano para a administração pública.

92 Admite-se tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. A ação penal é pública incondicionada.

93 VIOLAÇÃO DE SIGILO FUNCIONAL Art Revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo, ou facilitarlhe a revelação: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa, se o fato não constitui crime mais grave. 1 o Nas mesmas penas deste artigo incorre quem: I permite ou facilita, mediante atribuição, fornecimento e empréstimo de senha ou qualquer outra forma, o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou banco de dados da Administração Pública; II se utiliza, indevidamente, do acesso restrito. 2 o Se da ação ou omissão resulta dano à Administração Pública ou a outrem: Pena reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.

94 1. Conceito e Objetividade Jurídica: Tutela-se a Administração Pública. Viola-se o dever de lealdade para com a administração pública. É crime de perigo concreto. 2. Sujeitos do Delito: Sujeito Ativo é somente o funcionário público que, em razão do cargo (não necessariamente no exercício), revela ou facilita a revelação de fato sigiloso. Sujeito passivo é o Estado e a pessoa prejudicada com a revelação do segredo.

95 3. Elementos Objetivos do Tipo: Núcleos: Revelar significa desvelar, divulgar diretamente; facilitar significa tornar fácil, retirar os obstáculos para a revelação (ex.: permitir passivamente o acesso ao segredo). É necessário que fato de que tem ciência em razão do cargo não seja de conhecimento do púbico e que deva permanecer em segredo. Formas equiparadas: permitir ou facilitar o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou banco de dados da Administração Pública (ver art. 313-A, CP), mediante atribuição, fornecimento e empréstimo de senha ou qualquer outra forma, bem como de utilizar, indevidamente, do acesso restrito. Ex.: Rede Infoseg, Receita.

96 4. Elemento Subjetivo do Tipo: É o dolo (vontade e consciência) de revelar ou facilitar a revelação da informação sigilosa ou de permitir ou facilitar o acesso de pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou de utilizar indevidamente o acesso restrito. Não se exige especial fim de agir, tampouco que seja causado algum prejuízo. Não há previsão de modalidade culposa.

97 5. Consumação e Tentativa: Crime instantâneo e formal, consuma-se com a efetiva revelação do fato sigiloso ou com a facilitação da revelação a pelo menos uma pessoa ou com a permissão ou facilitação de acesso a pessoas não autorizadas a sistemas de informações ou com a utilização indevida do acesso restrito, não se exigindo a ocorrência de dano. Admite-se a tentativa. 6. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. Crime subsidiário se o fato não constitui crime mais grave. A ação penal é pública incondicionada.

98 RESISTÊNCIA Art Opor-se à execução de ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário competente para executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio: Pena - detenção, de dois meses a dois anos. 1º - Se o ato, em razão da resistência, não se executa: Pena - reclusão, de um a três anos. 2º - As penas deste artigo são aplicáveis sem prejuízo das correspondentes à violência. Núcleo: opor-se à execução - apresentar resistência ativa a fim de impedir a realização de ato que está em andamento (exige-se a atualidade da execução do ato).

99 Ato legal - deve abranger o aspecto material (a ordem a ser executada) e o formal (a forma ou ao meio de sua execução). Ato ilegal é aquele que não tem fundamentação na lei ou que não cumpre as formalidades legais. Não há crime em resistir ao ato ilegal. Meios de execução: mediante violência (vis corporalis) ou ameaça (vis compulsiva), que não precisa ser grave. A violência deve ser dirigida à pessoa do funcionário ou quem o auxilie. Não caracteriza resistência a atitude passiva, contemplativa ou omissiva (ex.: deitar no chão, agarrar-se a um poste, não abrir a porta), que pode configurar crime de desobediência (art. 330, CP).

100 Exige-se, além do dolo, o especial fim de impedir a execução do ato legal. Não há crime, pois, no ato instintivo de autodefesa, sem intenção positiva de ofender. STJ: a resistência oposta pelo assaltante para evitar a prisão, quando perseguido logo após a prática do crime de roubo não constitui crime autônomo, pois representa desdobramento da violência característica do crime patrimonial (RE /PR). Crime formal, consuma-se com a prática de violência ou ameaça para impedir a realização do ato, não havendo necessidade de que se impeça efetivamente a sua execução. Forma qualificada ( 1º): Exaurimento. Deve haver nexo causal entre a resistência e não execução do ato. Concurso com outro crime violento (violência física) ( 2º): Trata-se de concurso formal impróprio (soma de penas).

101 DESOBEDIÊNCIA Art Desobedecer a ordem legal de funcionário público: Pena - detenção, de quinze dias a seis meses, e multa. Núcleo: desobedecer - descumprir, desatender. Ordem legal Não é mera solicitação ou pedido, mas de ordem (legalidade - mesmo comentário do crime de resistência). Não há crime em desobedecer à ordem ilegal. O funcionário deve ser competente para emitir a ordem, que deve se dirigida expressamente a quem tem o dever legal de cumpri-la.

102 Não há crime de desobediência quando a lei ou a decisão judicial cominam para o ato penalidade administrativa ou civil, a menos que se ressalve expressamente a aplicação do artigo 330, CP. Ex.: art. 219, CPP x art. 201, 1º, CPP. Crime formal e instantâneo, consuma-se com a prática ou abstenção de ato que corresponda ao não atendimento da ordem legal emanada por funcionário público. Na forma omissiva, consuma-se com o decurso do prazo para o cumprimento da ordem. Admite-se a tentativa na forma comissiva.

103 DESACATO (art. 331 do CP) Art Desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. Controvérsia: o funcionário público no exercício de suas funções pode desacatar outro funcionário público? 1ª Corrente não, a não ser que se tenha despido da qualidade funcional ou o fato tenha sido cometido fora do exercício de suas funções. 2ª Corrente - Sim, desde que o funcionário seja inferior hierárquico do ofendido. 3ª Corrente (MAJORITÁRIA - STJ) - Sim, em qualquer caso, em razão do decoro da função pública que deve vigorar entre os funcionários.

104 Núcleo: desacatar - ofender, humilhar, agredir, desprestigiar o funcionário público. Crime formal, independe de o funcionário sentir-se ofendido em sua honra, bastando que a conduta seja capaz de causar dano à sua honra profissional (objetiva). A censura ponderada ou a crítica sincera, ainda que feitas com veemência, não constituem o delito. Ofensa cometida no exercício da função - o funcionário, no momento do fato, está desempenhando um ato de seu ofício. Ofensa cometida em virtude da função - embora o sujeito passivo, no momento da conduta, não esteja realizando ato de ofício.

105 É indispensável que o fato seja cometido na presença do sujeito passivo, que ele tome conhecimento imediato (direto) da ofensa. Se não for na presença, há crime contra a honra com causa de aumento de pena (CP, art. 141, II). O dolo é de ofender o prestígio da função pública, o que distingue o desacato cometido mediante violência física ou moral do crime de resistência. Controvérsia: O ânimo calmo é elemento subjetivo do crime? 1ª Corrente (dominante na jurisprudência) exige ânimo calmo, sendo que o estado de exaltação exclui o elemento subjetivo do tipo. 2ª Corrente - não exige ânimo calmo. O estado de exaltação não exclui o elemento subjetivo do tipo.

106 Controvérsia: A embriaguez exclui o elemento subjetivo? 1ª Corrente (majoritária) - O crime de desacato exige dolo específico, sendo que a embriaguez do agente é incompatível com esse elemento subjetivo, excluindo o delito. 2ª Corrente (minoritária) - O desacato não exige dolo específico, assim, o estado de embriaguez do agente não exclui o crime. 3ª Corrente (minoritária) - Não é qualquer estado de embriaguez que exclui o elemento subjetivo do crime de desacato. Delito formal, consuma-se no momento em que o sujeito realiza o ato ofensivo. Independe de o sujeito passivo sentir-se ofendido ou de restar abalado o prestígio ou a autoridade da função pública. Por exigir a presença do sujeito passivo, o crime é unissubsistente, não admitindo a tentativa.

107 Concurso de Crimes: O desacato absorve, pelo princípio da consunção, as infrações de menor gravidade objetiva que o integram: vias de fato, a lesão corporal leve, a difamação e a injúria. Se a outra infração for mais grave, como a lesão corporal grave, haverá concurso formal (CP, art. 70). Se o sujeito, com uma só conduta, ofende diversos funcionários, há um só crime. Pena e Ação Penal: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. Competência do JECRIM. A ação penal é pública incondicionada.

108 CORRUPÇÃO ATIVA (art. 333, do CP) Art Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício: Pena reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa. Parágrafo único - A pena é aumentada de um terço, se, em razão da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou omite ato de ofício, ou o pratica infringindo dever funcional. Núcleos: Oferecer - expor à aceitação, apresentar no sentido de que seja aceito pelo funcionário. Prometer - obrigar-se, comprometer-se, garantir a entrega de alguma coisa.

109 É indispensável que não exista exigência ou solicitação por parte do funcionário. O oferecimento ou a promessa por parte do particular devem ser espontâneos e anteriores a ação do funcionário. O tipo penal não apresenta a previsão do verbo dar. Assim, a conduta do particular que dá a vantagem, atendendo a pedido ou exigência do funcionário público é atípica. Elementos Subjetivos do Tipo: Exige-se, além do dolo, o especial fim de agir), contido na expressão "para determinálo a praticar (corrupção imprópria), omitir ou retardar ato de ofício (corrupção própria)".

110 O objeto material é a vantagem de qualquer natureza (material ou moral), que deve endereçar-se ao funcionário, não a terceiro (parente ou amigo), mas o delito pode ser realizado mediante interposta pessoa (intermediário). Não há corrupção ativa se a vantagem é oferecida ou prometida ao funcionário depois de sua regular conduta funcional (ativa ou omissiva). Dá-se a vantagem para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício. Também não há crime na hipótese de o sujeito dar ao funcionário pequenas gratificações ou doações em agradecimento a comportamento funcional seu. Não há crime de corrupção ativa se o agente oferece ou promete vantagem para impedir que o funcionário realize um ato ilegal que o prejudica ou que não é de sua competência.

111 Consumação e Tentativa: Crime formal ou de consumação antecipada, atinge o momento consumativo no instante em que o funcionário toma conhecimento da oferta ou da promessa. A recusa do funcionário é irrelevante à consumação. A tentativam depende da forma de execução. Causa de Aumento de Pena (corrupção exaurida): Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço), nos termos do parágrafo único do art. 333, "se, em razão da vantagem ou promessa, o funcionário retarda ou omite ato de ofício, ou o pratica infringindo dever funcional. Se o funcionário, em razão da vantagem ou promessa, pratica ato de ofício legal, sem infringir dever funcional, não se aplica a majorante.

112 REINGRESSO DE ESTRANGEIRO EXPULSO Art Reingressar no território nacional o estrangeiro que dele foi expulso: Pena - reclusão, de um a quatro anos, sem prejuízo de nova expulsão após o cumprimento da pena. Reingressar significa voltar, entrar novamente. Crime instantâneo, consuma-se no momento em que o estrangeiro penetra no território. A tentativa é admissível. Pressuposto: o estrangeiro foi expulso legalmente, nos termos dos arts. 65 a 75 do Estatuto dos Estrangeiros (Lei n. 6815/80). Sujeito ativo só pode ser o estrangeiro, admitindo-se a participação de 3º, nacional ou não, ainda que não expulso. É crime próprio (Greco) e de mão-própria (Bitencourt).

113 DA DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA Art Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente: Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa. 1º - A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de nome suposto. 2º - A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

114 Calúnia (CP, art. 138): o sujeito somente atribui, falsamente, ao sujeito passivo, a prática de um falo descrito como crime. Denunciação caluniosa: não somente atribui à vítima, falsamente, a prática de um delito, como leva o fato ao conhecimento da autoridade, causando a instauração de inquérito policial ou de ação penal contra ela. Comunicação falsa de crime ou de contravenção" (CP, art. 340): não há acusação contra pessoa determinada, apenas a comunicação de um fato. Auto-acusação falsa (CP, art. 341): o denunciado não imputa o fato a terceiro, mas a si mesmo.

Lição 5. Crimes contra a administração pública

Lição 5. Crimes contra a administração pública Lição 5. Crimes contra a administração pública 5.1. CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS PECULATO Artigo 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Capítulo I Dos Crimes Praticados por Funcionário Público contra a Administração em Geral Peculato Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública 1 de 6 14/02/2015 21:13 Curtir Compartilhar 6 mil Tweet Seguir 91.4Mil seguidores PROGRAMA DO CONCURSO Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública Peculato TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: (...) TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A

Leia mais

1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações

1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações 1. DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Inserção de dados falsos em sistema de informações Art. 313-A. Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! Divirtam-se! 5º Simulado de Ética na Administração Pública 1. (CESPE/ACE/TCE-AC/2009) Suponha que Fábio, auditor-fiscal da Receita Federal do

Leia mais

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO)

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) O direito protegido é o funcionamento da administração pública, ou seja, a normalidade, prestígio da administração em geral.

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 Certas práticas, sejam cometidas por agentes públicos ou por particulares, afetam negativamente a gestão pública. Algumas são consideradas crimes pelo Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei n. 2.848, de

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011

Teoria Parte 09. Direito Penal. Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10. Prof. Lísias Data de impressão: 19/01/2011 PF Turmas 02 I 04 I 06 I 08 I 10 Teoria Parte 09 Data de impressão: 19/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO

Leia mais

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL

TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO PÚBLICO CONTRA A ADMINISTRAÇÃO EM GERAL Peculato Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov.

Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC. por Siomara Pantarotto. siomara@planalto.gov. Aspectos Éticos e Jurídicos Relacionados à Segurança da Informação e Comunicações SIC por Siomara Pantarotto siomara@planalto.gov.br Identificar e refletir acerca dos aspectos jurídicos e éticos relacionados

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

DIREITO PENAL. Os Crimes Praticados por Funcionário Público Contra a Administração

DIREITO PENAL. Os Crimes Praticados por Funcionário Público Contra a Administração DIREITO PENAL 21 Os Crimes Contra a Administração Pública Os Crimes Praticados por Funcionário Público Contra a Administração Introdução Administração Pública: É toda a atividade dos órgãos públicos, quer

Leia mais

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia Crimes contra a Administração da Justiça e Denunciação caluniosa Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PENAL CURSO BÁSICO PROFESSOR JÚLIO MARQUETI

CURSOS ON-LINE DIR. PENAL CURSO BÁSICO PROFESSOR JÚLIO MARQUETI Agora iniciaremos um trabalho peculiar, passaremos a cuidar dos crimes em espécie. Para sermos eficientes, necessário que estabeleçamos um método prático. Para fazê-lo, primeiramente, devemos nos recordar

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES 01. Funcionário público da fiscalização em transportes, no exercício da sua função, que adverte um amigo seu de uma fiscalização itinerante

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 458, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 458, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Publicado no D.O.U. nº 8 de 13/01/2015, Seção 1 pag. 56 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 458, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Aprova o Manual de Postura do Fiscal O CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso da competência

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE RESPONSABILIDADE TÉCNICA OU ÉTICO-PROFISSIONAL RESPONSABILIDADE CIVIL CONSIDERAÇÕES SOBRE A RESPONSABILIDADE A vida em sociedade somente é possível através dos relacionamentos entre as pessoas. Seja do ponto de vista pessoal ou profissional, todos os atos praticados implicam

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2003 Altera dispositivos do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Código Penal, para agravar penas e determinar

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ DOS CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA O título reservado aos crimes contra a fé pública divide-se em quatro capítulos, com as seguintes epígrafes: Da moeda falsa, Da falsidade de títulos e outros papéis públicos,

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Apologia de crime ou criminoso

Apologia de crime ou criminoso 1. CRIMES CONTRA A PAZ PÚBLICA O iter criminis é dividido em três fases: cogitação, preparação e execução. O ponto que inicia a execução é aquele no qual se atinge o núcleo do tipo, saindo da esfera do

Leia mais

DIREITO PENAL. Professora Caroline Pastri Pinto ARTIGOS 293 A 305; 307; 308; 311-A; 312 A 317; 319 A 333; 335 A 337; 339 A 347; 350; 357 E 359.

DIREITO PENAL. Professora Caroline Pastri Pinto ARTIGOS 293 A 305; 307; 308; 311-A; 312 A 317; 319 A 333; 335 A 337; 339 A 347; 350; 357 E 359. Professora Caroline Pastri Pinto Formada em Direito pela Universidade Estadual de Maringá. Advogada e Consultora Jurídica atuante na área de Direito Penal, dentre outras. Ex-servidora da 4ª Vara Criminal

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1-Fundação Pública Federal contrata o técnico de informática

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Prof. Maurilúcio Alves de Souza

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Prof. Maurilúcio Alves de Souza DIREITO PENAL CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Prof. Maurilúcio Alves de Souza CONSIDERAÇÕES GERAIS - Consecução das finalidades sociais: (paz, saúde, educação, interesses coletivos); - Proteção às

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART.

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II. Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90

Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II. Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90 Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II Francisco Monteiro Rocha Júnior * Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90 Os crimes previstos no artigo 2.º da Lei 8.137/90, cujo caput aduz constitui

Leia mais

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO.

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO. ART. 313 PECULATO MEDIANTE ERRO DE OUTREM A p r o p r i a r - s e d e d i n h e i r o o u q u a l q u e r u t i l i d a d e q u e, n o e x e r c í c i o d o c a r g o r e c e b e u p o r e r r o d e o

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

O impacto da Lei Anticorrupção no universo das entidades sem fins lucrativos. Abril/2016

O impacto da Lei Anticorrupção no universo das entidades sem fins lucrativos. Abril/2016 O impacto da Lei Anticorrupção no universo das entidades sem fins lucrativos Abril/2016 Panorama Nacional Lei n.º 12.846 de 1 de agosto de 2013 ( Lei Anticorrupção ) Decorrência, em grande medida, de compromissos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO

DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO DECRETO-LEI Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - CÓDIGO PENAL BRASILEIRO Art. 14 - Diz-se o crime: Tentativa II - tentado, quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade

Leia mais

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica 1. DA FALSIDADE DOCUMENTAL Documento Público: é aquele elaborado por funcionário publico no exercício de suas funções e nos limites das suas atribuições. Falsificação de documento particular Art. 298 -

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

"FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados

FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados "FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013 Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados CORRUPÇÃO, O MALDOSÉCULO http://www.transparency.org/ http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/12/ranking-do-indice-de-percepcao-da-corrupcao-no-mundo.html

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação Art. 312, caput, primeira parte - até a palavra cargo PECULATO APROPRIAÇÃO Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado.

Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado. Tempo do crime art. 4º do CP: considera-se praticado o crime, o momento da ação ou omissão mesmo que outro seja o momento do resultado. (utilizado como critério para inimputabilidade do menor de 18 anos).

Leia mais

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa).

Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Aula 5 Pressupostos da responsabilidade civil (Culpa). Pressupostos da responsabilidade civil subjetiva: 1) Ato ilícito; 2) Culpa; 3) Nexo causal; 4) Dano. Como já analisado, ato ilícito é a conduta voluntária

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco

TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco TJ - SP Direito Penal Dos Crimes Praticados Por Funcionários Públicos Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DOS CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIO

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações OBJETIVO Identificar os aspectos jurídicos e éticos relacionados à Segurança da Informação e Comunicações que impliquem em responsabilidades civil,

Leia mais

Direito Administrativo e Constitucional

Direito Administrativo e Constitucional Direito Administrativo e Constitucional Código Penal Artigos 312 a 32701 Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Administrativo e Constitucional CÓDIGO PENAL TÍTULO XI Dos Crimes

Leia mais

Sumário. Nota introdutória, xv

Sumário. Nota introdutória, xv Nota introdutória, xv 1 Princípios constitucionais da administração pública, 1 1.1 Conteúdo do capítulo, 1 1.2 Princípios e regras, 2 1.3 Princípi~ constitucionais, 4 IA Princípios expressos, 7 104.1 Legalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários...

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... Sumário Prefácio... 15 Introdução... 19 PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23 Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... 25 1. Infração tributária e crime contra a ordem tributária...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso Funcionário Preso 15/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Informação Sefip... 5 4. Conclusão... 6 5. Referências...

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais