DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Professor Juliano Napoleão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Professor Juliano Napoleão"

Transcrição

1 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Professor Juliano Napoleão

2 UNIDADE 2 Conflitos de lei no espaço e as normas de Direito Internacional Privado

3 2.1 Os conflitos de lei no espaço pertinentes às relações privadas com conexão internacional Princípio da territorialidade Regra geral: o Estado aplica as normas de sua própria ordem jurídica a todas as relações que se desenvolvam dentro de seu território. Conflitos de lei no espaço Situações em que mais de um ordenamento nacional possa incidir sobre uma relação privada que transcende as fronteiras de um ente estatal, ou seja, que tenha conexão internacional. (PORTELA, 2015, p. 653)

4 2.2 Estrutura normativa do Direito Internacional Privado OBJETO DE CONEXÃO ELEMENTO DE CONEXÃO

5 2.2 Estrutura normativa do Direito Internacional Privado Tipos de normas de Direito Internacional Privado Norma de sobredireito, de superordenamento, indicativa ou indireta: Indicação da norma nacional aplicável a um conflito de leis no espaço; Norma conceitual ou qualificadora: informam como uma regra indicativa deve ser interpretada e aplicada; Normas diretas, referentes à nacionalidade e à condição jurídica do estrangeiro, quando pertiente;

6 2.3 Objetos e elementos de conexão Objeto de conexão Matéria tratada pela norma. Elemento de conexão Critério de determinação do direito aplicável ao objeto de conexão.

7 2.3 Objetos e elementos de conexão Art. 7º LIDB: A lei do país em que domiciliada a pessoa determina as regras sobre o começo e o fim da personalidade, o nome, a capacidade e os direitos de família. Objetos de conexão: o começo e o fim da personalidade, o nome, a capacidade e os direitos de família. Elementos de conexão: domicílio.

8 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Lex fori Aplica-se a norma do Estado onde se desenvolve a relação jurídica. É regra referente à própria aplicação das normas de Direito Internacional Privado.

9 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Domicílio Aplica-se a norma do domicílio de uma das partes; Ex. LINDB, Art. 12. É competente a autoridade judiciária brasileira, quando for o réu domiciliado no Brasil ou aqui tiver de ser cumprida a obrigação. Atenção! O domicílio é o principal elemento de conexão adotado no Brasil;

10 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Nacionalidade Aplica-se a norma do Estado de nacionalidade de uma das partes; Ex. LINDB, Art. 18. Tratando-se de brasileiros, são competentes as autoridades consulares brasileiras para lhes celebrar o casamento e os mais atos de Registro Civil e de tabelionato, inclusive o registro de nascimento e de óbito dos filhos de brasileiro ou brasileira nascido no país da sede do Consulado.

11 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Lex rei sitae Aplica-se a norma do lugar onde está situada a coisa. Ex. CRFB/1988, Art. 5º. XXXI - a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável a lei pessoal do "de cujus";

12 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Lex loci delicti comissi Aplica-se a norma do lugar onde o ilícito foi cometido.

13 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Lex loci execucionis/lex loci solutionis Aplica-se a norma do lugar em que se dá a execução de um contrato ou obrigação. Ex. Súmula 207 do TST: o contrato de trabalho deve ser regido pelo local de prestação de serviço e não pelo local de assinatura do contrato.

14 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Lugar de constituição da obrigação/locus regit actum/lex loci contractus Aplica-se a norma do lugar em que a obrigação foi contraída. CPC, Art o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal, para serem executados, os títulos executivos extrajudiciais, oriundos de país estrangeiro. O título, para ter eficácia executiva, há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação.

15 2.3 Objetos e elementos de conexão Tipos de elementos de Conexão Autonomia da vontade Aplica-se a norma escolhida pelas partes Ex. Lei 9307/2006 (Lei da Arbitragem): Art. 2º A arbitragem poderá ser de direito ou de eqüidade, a critério das partes. 1º Poderão as partes escolher, livremente, as regras de direito que serão aplicadas na arbitragem, desde que não haja violação aos bons costumes e à ordem pública.

16 2.4 Institutos básicos do Direito Internacional Privado Regra geral, a norma de Direito Internacional a ser aplicada é indicada pela lex fori. Tendo em vista o incremento da complexidade das relações privadas com conexão internacional e o correspondente desafio de normatização, muitas vezes o instituto da lex fori não é suficiente.

17 2.4 Institutos básicos do Direito Internacional Privado Qualificação Delimitação do objeto de conexão; Ação anterior à escolha da norma aplicável; Regra geral: qualificação pela lex fori, mas há divergência doutrinária; Exceção: lex causae: LINDB: Art. 8 o Para qualificar os bens e regular as relações a eles concernentes, aplicar-se-á a lei do país em que estiverem situados. Art. 9 o Para qualificar e reger as obrigações, aplicar-se-á a lei do país em que se constituirem.

18 2.4 Institutos básicos do Direito Internacional Privado Ordem pública Aspectos fundamentais de um ordenamento jurídico e da própria estrutura do Estado e da sociedade; Norma estrangeira contrária à ordem pública não é aplicável. LINDB, Art. 17. As leis, atos e sentenças de outro país, bem como quaisquer declarações de vontade, não terão eficácia no Brasil, quando ofenderem a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes.

19 2.4 Institutos básicos do Direito Internacional Privado Reenvio O ordenamento jurídico do Estado A indica a ordem jurídica do Estado B como aplicável a um caso. A norma do Estado B determina como incidente na situação a ordem jurídica do Estado A, ou mesmo de um outro Estado C. Regra: O Brasil não admite o instituto do reenvio: LINDB, Art. 16. Quando, nos termos dos artigos precedentes, se houver de aplicar a lei estrangeira, ter-se-á em vista a disposição desta, sem considerar-se qualquer remissão por ela feita a outra lei.

20 2.4 Institutos básicos do Direito Internacional Privado Direito adquirido Reconhecimento por um Estado de direito adquirido em outro, desde que não ocorra contraposição à ordem pública.

Através de certidão consular ou parecer de dois advogados estrangeiros.

Através de certidão consular ou parecer de dois advogados estrangeiros. Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 44 Aplicação de direito estrangeiro: Ao aplicar o direito estrangeiro determinado por regra do D.I.P., o magistrado deverá atentar para a lei

Leia mais

Aplicação da Lei no Espaço

Aplicação da Lei no Espaço Aplicação da Lei no Espaço Direito Internacional Em regra, o Direito de um Estado aplica-se dentro de seu território e incide sobre as pessoas, bens, atos, fatos e relações que estão sob seu poder soberano.

Leia mais

1. Direito Internacional Privado aspectos gerais:

1. Direito Internacional Privado aspectos gerais: 1 DIREITO INTERNACIONAL PONTO 1: Direito Internacional Privado aspectos gerais PONTO 2: Normas de Direito Internacional Privado PONTO 3: Qualificação PONTO 4: Limites na aplicação do DIPrivado PONTO 5:

Leia mais

Prof. Daniel Sica da Cunha

Prof. Daniel Sica da Cunha Prof. Daniel Sica da Cunha O 25º Concurso para o Cargo de Procurador da República (2011) foi um divisor de águas, pois o Grupo II (30 questões) passou a ser composto por Direito Internacional Público,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade,

Leia mais

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE Preâmbulo Os Estados membros do Conselho da Europa, bem como os restantes Estados signatários da presente Convenção: Considerando que o objectivo do Conselho da

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948)

Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) PREÂMBULO Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui

Leia mais

CONTRATOS INTERNACIONAIS

CONTRATOS INTERNACIONAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CONTRATOS INTERNACIONAIS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO hiltonds@ig.com.br hilton@cavalcanteesilva.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS O contrato é o instrumento

Leia mais

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PROGRAMA DE PROCEDIMENTO

ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PROGRAMA DE PROCEDIMENTO ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DA AdCA PROGRAMA DE PROCEDIMENTO Página 1 de 11 ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, S.A. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88.

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PONTO 1: HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA PONTO 2: REQUISITOS; PROCEDIMENTO PONTO 3: CARTA ROGATÓRIA HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o sistema de franquia empresarial (franchising); revoga a Lei nº 8.955, de 15 de dezembro de 1994; e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O sistema de franquia empresarial

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO BREJÃO CNPJ: 01.616.680/0001-35 SETOR DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FRANCISCO DO BREJÃO CNPJ: 01.616.680/0001-35 SETOR DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS PREGÃO PRESENCIAL N. 015/2016 CONTRA TO DE FORNECIMENTO DE PRODUTOS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E FINANÇAS Contrato N. 019.2016, que entre si celebram o Município de São Francisco do Brejão -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 4.657, DE 4 DE SETEMBRO DE 1942. Vide Decreto-Lei nº 4.707, de 1942 Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro O PRESIDENTE

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO

CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA PROTEÇÃO AOS ARTISTAS INTÉRPRETES OU EXECUTANTES, AOS PRODUTORES DE FONOGRAMAS E AOS ORGANISMOS DE RADIODIFUSÃO Os Estados contratantes, animados do desejo de proteger os direitos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS (TJAM) COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO (CPL) REFERÊNCIA Pedido de Impugnação ao edital do Pregão Eletrônico nº. 018/2016, processo administrativo nº 2015/20602, cujo objeto é a contratação de empresa especializada para o fornecimento e instalação

Leia mais

M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS

M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS CONTRATO 172/2014 CREDOR VALOR 32.010,00 DATA 23.10.2014 M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS ARTESIANOS CONTRATO FIRMADO ENTRE O MUNICÍPIO DE ÁGUA BOA MT E A EMPRESA M.S PRESTADORA DE SERVIÇOS EM POÇOS

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Profª Camila Vicenci

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO. Profª Camila Vicenci DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Profª Camila Vicenci 1 AULA 1- DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO: direito interno público que rege a aplicação extraterritorial das normas jurídicas (sobredireito) referentes

Leia mais

DE LÚCIA REGINA MOREIRA SALLES REP/P/S/INV MIGUEL ÂNGELO CURIA E OUTRO

DE LÚCIA REGINA MOREIRA SALLES REP/P/S/INV MIGUEL ÂNGELO CURIA E OUTRO 1 Poder Judiciário Apelação Cível nº: 0085795-20.2010.8.19.0001 Apelante: JANE BEATRIZ CURIA JOHANSSON Advogado: IRENE AUGUSTA MARTINS COUTINHO Apelados: ESPÓLIO DE LÚCIA REGINA MOREIRA SALLES REP/P/S/INV

Leia mais

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO

CONTRATO PARA AQUISIÇÃO ANEXO 6 MINUTA DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE/ EQUIPAMENTOS PARA ÁUDIO, VÍDEO E FOTO QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÃO E PESQUISA FUNDEPES

Leia mais

Setor social associação

Setor social associação Setor social associação Administração Pública Iniciativa Privada Autarquia Fundação Dir. Público Consórcio Dir. Público Consórcio Dir.Privado Empresa Dependente Empresa Pública Soc. Economia Mista Organização

Leia mais

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações:

Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: 1. Jurisdição internacional concorrente Art. 22 NCPC. Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: I de alimentos, quando: a) o credor tiver domicílio ou residência no

Leia mais

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 154/2003 de 15 de Julho O Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Porto Seguro em 22 de Abril de 2000, aprovado,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Dispõe sobre os contratos de prestação de serviços médicos especializados por pessoas de natureza jurídica de direito privado, na área da medicina

Leia mais

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx).

3.1. Para execução dos SERVIÇOS objeto do presente CONTRATO, o CLIENTE deverá pagar à LIGHT o montante de R$ [XXXX] (xxxx por extenso xxxx). CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, com sede na Av. Marechal Floriano

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito de Família Internacional. Cooperação Internacional. Globalização e Integração Econômica

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito de Família Internacional. Cooperação Internacional. Globalização e Integração Econômica DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito de Família Internacional. Cooperação Internacional. Globalização e Integração Econômica UE Regras de Direito Internacional Privado aplicáveis ao Direito de Família.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto"

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA De Olho no Ponto REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto" 1º. Registro nº. 1.372.079, de 21 de setembro de 2012 5º Oficial de Registro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO ADMINISTRATIVO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DE ALAMBRADO NO ASILO BETEL, QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE CASTILHO e a empresa A. a Z. COMÉRCIO, REPRESENTAÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº 03/2014

RECOMENDAÇÃO nº 03/2014 Autos nº 1.14.009.000349/2014-24 Espécie: Procedimento Preparatório PP Assunto: Recomenda ao Município de Guanambi a instalação de instrumentos que permitam o controle social do horário de atendimento

Leia mais

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL

T E O R I A GERAL DO DIREITO CIVIL ROTEIRO DE AULA Ponto 02 Teoria Geral do Direito Civil 1. Histórico Romano-Germânica Direito Português Direito Brasileiro Idade Antiga Ius Civile (Roma) Idade Média Direito Romano com fortes influências

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM)

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 14, DE 2014 (Senador Alfredo Nascimento - PR/AM) Altera o art. 5º da Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do

Leia mais

Faculdade Novos Horizontes EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO ADMINISTRAÇÃO/CONTÁBEIS INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO - IDPP TAÍS CRUZ HABIBE

Faculdade Novos Horizontes EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO ADMINISTRAÇÃO/CONTÁBEIS INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO - IDPP TAÍS CRUZ HABIBE Faculdade Novos Horizontes EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CURSO: DISCIPLINA: PROFA.: ALUNO (A): ADMINISTRAÇÃO/CONTÁBEIS INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO - IDPP TAÍS CRUZ HABIBE Primeiro Questionário Introdução,

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA PODER EXECUTIVO LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015 LEI ORDINÁRIA N 759/GP/2015 Autoriza o Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE a debitar nas contas de água de seus usuários doações de valores em favor da APAE Associação de Pais e Alunos Excepcionais

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR. Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas

DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR. Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR Pessoas e sujeitos de direito: Pessoas Jurídicas 2 8/10/2010 Profa. Rosinete Cavalcante 1. Pessoas [...] ser ao qual se atribuem direitos e obrigações.. (VENOSA, 2005,

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 2.2 CIRCUNSTÂNCIAS ATENUANTES (art. 65 e 66 do CP) Circunstâncias Atenuantes Art. 65 - São circunstâncias que sempre atenuam a pena: I - ser o agente menor de 21 (vinte e

Leia mais

Produtos de Ingressos disponiveís para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Produtos de Ingressos disponiveís para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 1. Quais tipos de Ingressos estão disponíveis para o público geral? Haverá três tipos de Ingressos disponíveis para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. Ingressos Individuais: São Ingressos para uma Partida

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão ÍNDICE SISTEMÁTICO Capítulo I Noções Fundamentais e Objeto do Direito Internacional Privado 1.1 Considerações iniciais 1.2 Conceito 1.3 Objeto 1.4 Normas de DIPr na Constituição Federal de 1988 1.5 Direitos

Leia mais

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português...

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português... Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia TJ/RO Técnico Judiciário ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não

Leia mais

VOTO EM SEPARADO. AUTORIA: Senador RANDOLFE RODRIGUES I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO. AUTORIA: Senador RANDOLFE RODRIGUES I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 43, de 2013 (nº 349, de 2001, na Câmara dos Deputados), primeiro signatário o Deputado

Leia mais

ATRIBUTOS ou DIREITOS da PERSONALIDADE

ATRIBUTOS ou DIREITOS da PERSONALIDADE ATRIBUTOS ou DIREITOS da PERSONALIDADE Existem direitos denominados personalíssimos porque incidem sobre bens que estão intimamente ligados à pessoa humana, são intransmissíveis e irrenunciáveis, não podendo

Leia mais

CONFLITO ENTRE AS LEIS APLICÁVEIS AO CONTRATO E AO BEM IMÓVEL SITUADO NO BRASIL

CONFLITO ENTRE AS LEIS APLICÁVEIS AO CONTRATO E AO BEM IMÓVEL SITUADO NO BRASIL CONFLITO ENTRE AS LEIS APLICÁVEIS AO CONTRATO E AO BEM IMÓVEL SITUADO NO BRASIL Maristela Basso 1 1. O DIREITO MATERIAL APLICÁVEL À RETOMADA DE IMÓ- VEL SITUADO NO BRASIL E O DIREITO APLICÁVEL AO CONTRATO

Leia mais

Direito Aeronáutico. Regime Jurídico Aplicável ao Direito Aeronáutico. Marcelo Alvares Vicente Nov/2011

Direito Aeronáutico. Regime Jurídico Aplicável ao Direito Aeronáutico. Marcelo Alvares Vicente Nov/2011 Direito Aeronáutico Regime Jurídico Aplicável ao Direito Aeronáutico Marcelo Alvares Vicente Nov/2011 Transporte aéreo doméstico x internacional Quando o transporte aeronáutico será considerado internacional

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

Nome do Museu ou Núcleo Museológico Morada Código Postal Horário Dias em que se encontra encerrado

Nome do Museu ou Núcleo Museológico Morada Código Postal Horário Dias em que se encontra encerrado Logotipo Nome do Museu ou Núcleo Museológico Morada Código Postal Horário Dias em que se encontra encerrado CONTRATO O (nome do Museu ou Núcleo Museológico), com sede em (morada do Museu ou Núcleo Museológico),

Leia mais

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 Serviços [x] O concurso está abrangido pelo Acordo sobre Contratos Públicos (ACP)? SCÇÃO I: NTIDAD ADJUDICANT I.1) DSIGNAÇÃO NDRÇO OFICIAIS

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração.

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração. Santos, 17 de outubro de 2014. CARTA CONVITE Nº 012/2014 Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração Museu do Café O Instituto de Preservação e Difusão da

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015

Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015 Estatuto da Corte Interamericana de Direitos Humanos UNISIM 2015 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Natureza e regime jurídico A Corte Interamericana de Direitos humanos é uma instituição judiciária

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2016.1B EDITAL Nº 19.1B

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2016.1B EDITAL Nº 19.1B ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO 2016.1B EDITAL Nº 19.1B SUMÁRIO 1. Da validade 3 2. Das inscrições 3 3. Das entrevistas, avaliação de currículo e de histórico escolar 3 4. Da classificação 3

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 9.390 - EX (2014/0316102-8) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN REQUERENTE : PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO : H DE G ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

Leia mais

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

: MIN. MARCO AURÉLIO DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 1.437 DISTRITO FEDERAL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) ADV.(A/S) RÉU(É)(S) ADV.(A/S) RÉU(É)(S) : MIN. MARCO AURÉLIO :UNIÃO :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO :EMBAIXADA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Leia mais

AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL

AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL AULA 3 DIREITO EMPRESARIAL CAPACIDADE DA PESSOA FÍSICA Capacidade de direito ou capacidade jurídica É a aptidão que a pessoa física possui de exercer direitos e contrair obrigações. O ser humano possui

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Representação nº 140/98 RECOMENDAÇÃO Nº 23/99 Trata o procedimento de representação formulada por Paulo Murilo Castilho Barone em face da recusa da Polícia Federal em São Paulo em lhe conceder passaporte

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

CARTA DO COLEGIADO MICRONACIONAL LUSÓFONO CML PREÂMBULO

CARTA DO COLEGIADO MICRONACIONAL LUSÓFONO CML PREÂMBULO CARTA DO COLEGIADO MICRONACIONAL LUSÓFONO CML PREÂMBULO EM NOME DE SEUS POVOS, AS MICRONAÇÕES REPRESENTADAS NA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERMICRONACIONAL DE NAÇÕES LUSÓFONAS, Convencidas que a missão histórica

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA PEDIDO DE HABILITAÇÃO PERANTE A CEJA/PE

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA PEDIDO DE HABILITAÇÃO PERANTE A CEJA/PE DOCUMENTAÇÃO NECEÁRIA PARA PEDIDO DE HABILITAÇÃO PERANTE A CEJA/PE O pedido de habilitação para adoção deverá ser dirigido ao presidente da CEJA e encaminhado à ecretaria da Comissão, sendo autuado e registrado

Leia mais

PROTOCOLO DE BUENOS AIRES SOBRE JURISDIÇÅO INTERNACIONAL EM MATÉRIA CONTRATUAL

PROTOCOLO DE BUENOS AIRES SOBRE JURISDIÇÅO INTERNACIONAL EM MATÉRIA CONTRATUAL PROTOCOLO DE BUENOS AIRES SOBRE JURISDIÇÅO INTERNACIONAL EM MATÉRIA CONTRATUAL Os Governos da República Argentina, da República Federativa do Brasil, da República do Paraguai e da República Oriental do

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2016 CSN VOLTA REDONDA

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2016 CSN VOLTA REDONDA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2016 CSN VOLTA REDONDA O presente edital destina-se ao preenchimento de 116 (cento e dezesseis) vagas para Jovens Aprendizes nos Cursos do Programa de Aprendizagem

Leia mais

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa

Instruções para os trabalhadores a recibo verde da. Câmara Municipal de Lisboa Instruções para os trabalhadores a recibo verde da Câmara Municipal de Lisboa Os trabalhadores a recibo verde que configuram verdadeiros contratos de trabalho deverão proceder da seguinte forma: 1- Elaborar

Leia mais

LEILÃO DE IMÓVEIS. 1 OBJETO: 1.1. Alienação dos Imóveis relacionados no Anexo I, parte integrante deste Edital.

LEILÃO DE IMÓVEIS. 1 OBJETO: 1.1. Alienação dos Imóveis relacionados no Anexo I, parte integrante deste Edital. LEILÃO DE IMÓVEIS PATRIMONY ADMINISTRADORA DE BENS S/A, com sede em São Paulo, inscrita no CNPJ sob nº 07.520.413/0001-46, doravante simplesmente denominadas em conjunto VENDEDORA, tornam público, para

Leia mais

CONTRATO N. 020/2013 02 DO OBJETO

CONTRATO N. 020/2013 02 DO OBJETO Estado de Mato Grosso CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS CNPJ. 00.177.279/0001-83 INSTRUMENTO CONTRATUAL de prestação de serviços de interprete de libras na Termo de Dispensa nº 03/2013. CONTRATO N. 020/2013

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 13. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 13 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Conhecer as normas da família ISO 9000. Família da norma ISO 9000 Família ISO 9000 As normas ISO da família 9000 formam um conjunto genérico

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

52, 1º). REQUISITOS (ECA, 52, 3º

52, 1º). REQUISITOS (ECA, 52, 3º 5.9 - ORGANISMOS CREDENCIADOS Fazem a intermediação nos pedidos de habilitação à adoção internacional, desde que a lei do país de acolhida o autorize (ECA, 52, 1º). REQUISITOS (ECA, 52, 3º e 4º) - fins

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários

03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários 03-07-12 - Prospeto a publicar nas ofertas públicas de valores mobiliários A Comissão Europeia (CE) emitiu novas regras quanto ao formato e ao conteúdo do prospeto, do prospeto de base, do sumário, das

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 693.014 RIO GRANDE DO SUL RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :VITOR ADALBERTO FRANÇA KESSLER : LUIS GUSTAVO SCHWENGBER E OUTRO(A/S)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DESEMBARGADORA TEREZA CRISTINA SOBRAL BITTENCOURT SAMPAIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DESEMBARGADORA TEREZA CRISTINA SOBRAL BITTENCOURT SAMPAIO VIGÉSIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR CONFLITO DE COMPETÊNCIA N 0001707-13.2014.8.19.0000 SUSCITANTE: JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DA BARRA DA TIJUCA SUSCITADO: JUÍZO DE DIREITO DA 7ª

Leia mais

FICHA CADASTRAL DO SERVIDOR

FICHA CADASTRAL DO SERVIDOR SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E ADMINISTRAÇÃO COLAR FOTO FICHA CADASTRAL DO SERVIDOR NOME DO SERVIDOR RG DO PARANÁ ( ) M ( ) F DATA NASCIMENTO / / ESTADO CPF PIS/PASEP NATURALIDADE NACIONALIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 Cria o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde, Órgão Complementar do Instituto de Ciências Biológicas, e aprova

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 022/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

PARECER. Ao Sr. Antônio José Francisco F. dos Santos. Diretor da FENAM FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

PARECER. Ao Sr. Antônio José Francisco F. dos Santos. Diretor da FENAM FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS PARECER Ao Sr. Antônio José Francisco F. dos Santos Diretor da FENAM FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS PARECER SOBRE FIM DO LIMITE DE DEDUÇÃO COM EDUCAÇÃO NO IMPOSTO DE RENDA, DETERMINADO PELA LEI 9.250/95

Leia mais

O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo.

O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo. O Advogado-Geral do Estado, Dr. José Bonifácio Borges de Andrada, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: De acordo. Em 16/9/2009 Procedência: Instituto Estadual de Florestas - IEF Interessado:

Leia mais

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE (com pedido de liminar)

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE (com pedido de liminar) EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO-SP: A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE FUNASA -, pessoa jurídica de direito público interno, neste ato representada

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DCP Projeto Pai Presente

MANUAL DO USUÁRIO DCP Projeto Pai Presente MANUAL DO USUÁRIO DCP Projeto Pai Presente TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2/6 Para o Distribuidor/Distribuição: 1) Escolha da Competência 16 Registro Civil de Pessoas Naturais. 2) Escolha

Leia mais

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Eu,...,... (membro do grupo familiar que exerce a atividade autônoma ou de profissional liberal) inscrito no CPF sob o nº....,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSELHO SUPERIOR Nº 01 de 30 de setembro de 2.010. Aprova normas para preenchimento dos cargos da Diretoria Executiva da FUNDECT.

DELIBERAÇÃO CONSELHO SUPERIOR Nº 01 de 30 de setembro de 2.010. Aprova normas para preenchimento dos cargos da Diretoria Executiva da FUNDECT. DELIBERAÇÃO CONSELHO SUPERIOR Nº 01 de 30 de setembro de 2.010 Aprova normas para preenchimento dos cargos da Diretoria Executiva da FUNDECT. O Conselho Superior da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Se aração, ivórcio e Inventário por Escritura Pública

Se aração, ivórcio e Inventário por Escritura Pública Christiano Cassetlari Se aração, ivórcio e Inventário por Escritura Pública Teoria e Prática 7. a edição revista, atualizada e ampliada *** ~ ~ ED,ITORA \~A METODO SÃO PAULO SUMÁRIO 1. BREVES COMENTÁRIOS

Leia mais

Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS

Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS CAFÉ COM NEGÓCIOS (Arapiraca, 05/04/2016) Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS L. GUSTAVO CARVALHO Advogado Mestre em direito tributário (USP) Professor de direito (UNEAL) CARVALHO

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS

INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS CADASTRO DA INSTITUIÇÃO Bloco 1 - Identificação da Instituição O Bloco 1 tem por objetivo cadastrar as instituições geradoras de informações INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO

1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO Declaração ATENÇÃO Aconselha-se a leitura das notas anexas antes de iniciar o preenchimento A PREENCHER PELA C.N.P.D. Autorização Registo Entrada em / / Proc. Nº. / 1. RESPONSÁVEL PELO TRATAMENTO Pessoa

Leia mais

RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS

RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS As respostas não têm caráter de posicionamento oficial do TST, mas refletem a opinião pessoal da Presidência.

Leia mais

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES

A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES A LEI DE BASES DA ECONOMIA SOCIAL (LBES) PALAVRAS-CHAVE: Lei de Bases Economia Social Princípios estruturantes - CRP Princípios orientadores - LBES 1. O QUE É UMA LEI DE BASES? Uma lei de bases é uma lei

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO INSTITUCIONAL

TERMO DE CONVÊNIO INSTITUCIONAL TERMO DE CONVÊNIO INSTITUCIONAL Tendo em vista desenvolver esforços conjuntos nos domínios da cooperação e intercâmbio técnico e cultural, o CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS CESCAGE, pessoa

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Cadastramento de Proponente, Consórcio Público e Entidades Privadas sem Fins Lucrativos

Portal dos Convênios - Siconv. Cadastramento de Proponente, Consórcio Público e Entidades Privadas sem Fins Lucrativos MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Cadastramento de Proponente, Consórcio

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

A opinião do autor não reflete, necessariamente, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários.

A opinião do autor não reflete, necessariamente, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários. Tópicos sobre a subsidiária integral Fabricio Tanure Procurador Federal na CVM Especialista em regulação em mercado de capitais pela UFRJ Professor de Direito Empresarial da UniverCidade A opinião do autor

Leia mais

Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS

Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS Preâmbulo CONSIDERANDO que o Conselho Executivo do Comitê Olímpico Internacional (doravante COI ) delegou seu poder de decisão quanto a qualquer

Leia mais

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITOS POLITICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS FUNDAMENTAIS CONCEITO: O direito democrático de participação do povo no governo, por seus representantes, acabou exigindo a formação de um conjunto de normas legais permanentes, que recebe a denominação de direitos

Leia mais

Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril

Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril Considerando o disposto na Lei n.º 13/05, de 30 de Setembro - Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: (54) 3520 7000 99700-000 Erechim RS

Estado do Rio Grande do Sul MUNICIPIO DE ERECHIM PREFEITURA MUNICIPAL Praça da Bandeira, 354 Fone: (54) 3520 7000 99700-000 Erechim RS CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º 971/2014 PROCESSO N.º 11451/2014 - PREGÃO PRESENCIAL N.º 211/2014 AQUISIÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES - SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - Contrato Administrativo que fazem

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

LIMPEZA E PINTURA DE ELEMENTOS DE ALVENARIA E CONCRETO

LIMPEZA E PINTURA DE ELEMENTOS DE ALVENARIA E CONCRETO 1 / 5 LIMPEZA E PINTURA DE ELEMENTOS DE ALVENARIA E CONCRETO 1. - DEFINIÇÃO É a operação destinada à pintura das partes de concreto e alvenaria que constituem diversos dispositivos de proteção e segurança

Leia mais

Política de investimentos sociais 3M

Política de investimentos sociais 3M Política de investimentos sociais 3M 1. Objetivos A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos sociais com recursos próprios visando: Estabelecer os princípios

Leia mais

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015. 2B EDITAL Nº 03

ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015. 2B EDITAL Nº 03 ADMISSÃO PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2015. 2B EDITAL Nº 03 Recife,2015 Sumário Edital nº 03 - Admissão de alunos para os cursos de Pós-Graduação A Devry João Pessoa, estabelecimento de ensino superior,

Leia mais