SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012"

Transcrição

1 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

2 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro trimestre de Em 2011 foi definido um painel de indicadores com o intuito de monitorizar e avaliar trimestralmente o desempenho das atividades desenvolvidas pela SPMS, de acordo com a Missão e Objetivos definidos para a empresa. A organização da SPMS (organograma infra) está orientada para a prestação de serviços partilhados específicos da área da saúde através de estruturas próprias nas áreas de compras e logística, financeiros, recursos humanos e de sistemas e tecnologias de informação. Organograma da SPMS, EPE 1 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

3 De acordo com o Decreto-Lei nº19/2010, de 22 de março, a Missão da SPMS, EPE consubstanciase na prestação de serviços partilhados específicos da área da saúde em matéria de compras e logística, financeiros e de recursos humanos aos estabelecimentos e serviços do Serviço Nacional de Saúde (SNS), independentemente da sua natureza jurídica, bem como aos órgãos e serviços do Ministério da Saúde e a quaisquer outras entidades, quando executem atividades específicas da área da saúde. Já no decorrer do ano de 2011, o Decreto-Lei nº 108/2011, de 17 de novembro atribui, também, à SPMS, EPE competências no domínio dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação. É Missão da SPMS, especificamente em cada área de atividade: Financeiros a cooperação, a partilha de conhecimentos e de informação e o desenvolvimento de atividades de prestação de serviços nas áreas de gestão financeira e de contabilidade, possuindo atribuições em matéria de planeamento e preparação de orçamento, controlo orçamental, gestão de contratos, contabilidade analítica, contabilidade geral, pagamentos e cobranças e tesouraria. Compras e logística centralizar, otimizar e racionalizar a aquisição de bens e serviços e disponibilizar serviços de logística, possuindo atribuições em matéria de estratégia de compras, procedimentos pré-contratuais, contratação pública, logística interna, pagamentos e monitorização de desempenho. Recursos Humanos a disponibilização de um serviço partilhado de recursos humanos de elevada eficiência e níveis de automatização, possuindo atribuições em matéria de levantamento da informação e diagnóstico, processamento de salários e indicadores de gestão. Sistemas e Tecnologias de Informação a cooperação, a partilha de conhecimento e informação e o desenvolvimento de atividades de prestação de serviços nas áreas dos sistemas e tecnologias de informação e de comunicação, garantindo a operacionalidade e segurança das infraestruturas tecnológicas e dos sistemas de informação do Ministério da Saúde e promovendo a definição e utilização de normas, metodologias e requisitos que garantam a interoperabilidade e interconexão dos sistemas de informação da saúde, entre si e com os sistemas de informação transversais à Administração Pública. Neste sentido, os Indicadores de Gestão selecionados foram agrupados segundo as áreas de atividade acima identificadas, às quais se acrescentou a Gestão de Clientes, que lhes é transversal 2 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

4 CPA/CAPS CAPS + Infarmed Compras e Logística Processos internos Financeira Demonstrações Financeiras SPMS, E.P.E No quadro que se segue, enumeram-se os Indicadores de Gestão Interna selecionados, por Área e respetivas atribuições. Área Atribuições Indicador Fonte a) Assegurar a contabilidade e a gestão económico-financeira da SPMS; b) Proceder à gestão e controlo da tesouraria; c) Efetuar relatórios de gestão destinados ao Conselho de Administração; d) Cumprir as obrigações legais fiscais e orçamentais determinadas pela legislação vigente. a) Organizar e coordenar os procedimentos pré-contratuais relativos à aquisição de bens e serviços; b) Propor acções de racionalização da despesa no âmbito das compras; c) Negociar com os fornecedores as melhores propostas para obter as condições mais vantajosas; d) Proceder à aquisição e gestão de stocks de materiais de consumo corrente; e) Proceder à elaboração de propostas de aquisição de serviços gerais; Valor total do Ativo ( ) Valor total do Passivo ( ) Valor total do Capital Próprio ( ) Valor total dos Rendimentos Operacionais ( ) Valor total dos Gastos Operacionais ( ) EBIT (Resultados Operacionais) ( ) Rendibilidade do Capital Próprio (%) EBITDA ( ) Margem EBITDA (%) Resultado Líquido ( ) Margem Líquida Autonomia financeira (%) Liquidez geral Rácio de Solvabilidade (nº) % valor total de compras efectuadas através da Vortal (%) % de compras por Concursos Públicos (%) % de compras por Ajustes Diretos (%) % de compras por Convite ao abrigo do art.º259 (%) f) Assegurar o aprovisionamento, conservação e distribuição do material da SPMS; % de compras por Acordos Quadro (%) g) Assegurar a adequada gestão do património da SPMS, bem como o respectivo inventário. Valor das poupanças geradas com os Leilões realizados ( ) a) Desenvolver procedimentos para a celebração de Contratos Públicos de Aprovisionamento (CPA) ou Acordos Quadro na área da Saúde; Número de CPA homologados (nº) Nº de visitas ao CAPS (nº) b) Propor a adjudicação de propostas de aquisição de bens e serviços, em representação das % de cobertura do CAPS (medicamentos) 3 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

5 Gestão de Clientes Demonstrações Financeiras HP OpenView e Gestão Operacional TIC Recursos Humanos SPMS, E.P.E Área Atribuições Indicador Fonte entidades adjudicantes, com base nos CPA; c) Gerir o Catálogo de Aprovisionamento Público da Saúde a) Desenvolver e implementar políticas de RH alinhadas com a estratégia da SPMS, promotoras do desenvolvimento das competências, motivação e produtividade dos colaboradores; b) Assegurar os procedimentos administrativos respeitantes ao recrutamento, provimento, % do valor de aqusições de medicamentos em CAPS Nº de funcionários Dias totais de absentismo laboral promoção, transferência e cessação de funções dos colaboradores da SPMS; d) Efetuar o controlo da assiduidade e efetivar o processamento de vencimentos; f) Elaborar o Balanço Social; g) Preparar a informação da área de recursos humanos, legalmente exigida. Nº médio de dias de absentismo laboral Taxa de absentismo laboral RHV a) Assegurar o desenvolvimento, manutenção e operação das TIC no sector da saúde; b) Assegurar uma política de investimento em sistemas de informação, com vista à produção de informação útil para a gestão e melhoria do acesso dos cidadãos ao sistema de saúde; c) Garantir a operacionalidade e segurança das infraestruturas tecnológicas e dos SI do MS; d) Promover a definição e utilização de normas, metodologias e requisitos que garantam a interoperabilidade e interconexão SIS, entre si e com os sistemas de informação transversais à Administração Pública. a) Apoiar as entidades do MS que utilizem os núcleos de serviços disponibilizados pela SPMS; b) Exercer as funções de interlocutor das entidades beneficiárias de serviços partilhados, recolhendo a informação necessária junto dos serviços da SPMS; c) Acompanhar o processo de facturação aos clientes e respectivo pagamento; d) Propor as medidas adequadas à optimização dos serviços prestados pela SPMS. Indicadores de acompanhamento de projectos % de entregáveis realizados dentro dos prazos MS Project % desvio de custos do projecto Contrato 2012 % de produtos não aceites durante a 1ª entrega MS Project Indicadores de níveis de serviço % de Tickets abertos que chegaram ao helpdesk resolvidos no tempo previsto % de horas de indisponibilidade do sistema % de tickets abertos com prioridade alta (4horas) e respondidos dentro do prazo Valor total facturado aos clientes ( ) Prazo médio de pagamento (dias) Prazo médio de recebimento (dias) Quociente de posicionamento relativo 4 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

6 Análise Área Financeira A 31 de março de 2012, o total do Ativo da SPMS, EPE era superior a 10 milhões de euros, o que significa um aumento de 19% em relação a 31 de dezembro de Também o Passivo registou um aumento expressivo em relação a 2011, na ordem dos 56%. Esta tendência crescente do Ativo e do Passivo ficou-se a dever ao aumento da atividade da empresa com a assinatura do Contrato Programa com a ACSS, IP que originou maior receitas mas também maior volume de contas a pagar aos fornecedores. Os Capitais Próprios registaram, também, uma variação positiva entre o final de 2011 e o primeiro trimestre de 2012, embora ligeira (+0,2%), devido à aplicação de Resultados de Os Rendimentos e Gastos Operacionais do primeiro trimestre de 2012 registaram um aumento considerável (+76% em ambos) em relação à média ponderada de três meses de , sendo os valores entre indicadores muito semelhantes em ambos os períodos. Esta evolução explica-se, em grande parte, pelo aumento de atividade da SPMS, EPE associada ao Contrato Programa com a ACSS, IP. Também a análise dos Resultados Operacionais médios de 3 meses de 2011 e do primeiro trimestre de 2012 evidencia uma evolução dos resultado da empresa antes das deduções financeiras e fiscais muito positiva Ativo Passivo Cap. Próprio Rend. Operacionais Gast. Operacionais º Trim Os Rendimentos e Gastos Operacionais do primeiro trimestre de 2012 foram comparados com uma média ponderada de três meses de 2011 ((valor 2011/12 meses)*3)) 5 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

7 A Rendibilidade do Capital Próprio apresenta, por seu turno, uma evolução negativa entre d ezembro de 2011 e março de 2012, tendo decrescido de 0,50% para 0,36% devido a uma quase estagnação do Capital Próprio e um elevado aumento dos Resultados Operacionais. Considerando os resultados antes de Encargos Financeiros, Impostos, Amortizações e Provisões EBITDA a evolução é mais uma vez muito positiva, verificando-se um aumento de mais de 50% no primeiro trimestre de 2012 em relação à média de 3 meses de Contrariamente, a Margem EBITDA, que mede a rentabilidade operacional antes de amortizações e provisões, decresceu ligeiramente de 0,41% para 0,35%. O Resultado Líquido trimestral da empresa quase que duplicou no primeiro trimestre de 2012 em relação à média ponderada de 3 meses de 2011, situando-se nos No mesmo período, a Autonomia Financeira da SPMS decresceu de 66% para 56%, a Liquidez Geral de 2,96 para 2,26 e o Rácio de Solvabilidade de 2,0 para 1,3. Contudo, apesar desta tendência descrente, os valores permitem classificar a estrutura de capital como estável, ou seja, mantém-se uma favorável capacidade da empresa em responder às suas responsabilidades de médio e longo prazo. 6 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

8 Compras e Logística Das compras efetuadas durante o primeiro trimestre de 2012, 81% do valor total corresponde a aquisições através da Plataforma Electrónica de Contratação VortalHealth, o que representa um decréscimo de 9% relativamente a 2011 (88%). Entre 2011 e o primeiro trimestre de 2012, a percentagem do valor de compras por Ajustes Diretos e Ajustes Diretos Simplificados diminuíram 7% (23,3%) e por Convite ao abrigo do art.º259 aumentaram 5% (76,7%). Percentagem (%) de Compras (valor) efetuadas segundo os diferentes procedimentos Acordos Quadro 0% 0% Art.º259 72,9% 76,7% Ajustes Diretos 25% 23,3% Concursos Públicos 1,7% 0% º Trim No primeiro trimestre de 2012 não se realizaram compras por Concursos Públicos ou Acordos- Quadro nem se efetuaram Leilões. 7 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

9 Contratos Públicos de Aprovisionamento/Catálogo de Aprovisionamento Público da Saúde O Catálogo de Aprovisionamento Público da Saúde (CAPS) registou uma melhoria de atividade no primeiro trimestre de 2012 relativamente ao ano de O número de visitas ao CAPS aumentou 62%, quando comparada com uma média ponderada de 3 meses de 2011, alcançando as em apenas três meses. O número de CPAS homologados no primeiro trimestre de 2012 registou um decréscimo muito acentuado em comparação com uma média de 3 meses de 2011 (-81%). No entanto, a análise destes valores terá de ter em consideração a alteração realizada este ano nos procedimentos dos Concursos relativamente ao número de fornecedores selecionados em cada artigo para celebração de CPA, estabelecendo-se um limite de 3 a 5 fornecedores para o caso dos Dispositivos Médicos e de 3 para os Medicamentos. Relativamente aos medicamentos, o CAPS registou um aumento de cobertura, abrangendo atualmente mais de 45% dos CHNM de medicamentos adquiridos pelos Hospitais do SNS no primeiro trimestre de 2012 (+29% em relação a 2011). Em termos de valores totais de aquisições não houve qualquer alteração em relação a 2011, mantendo-se a percentagem do valor de aquisições de medicamentos em CAPS no total de compras de medicamentos nos Hospitais do SNS nos 68,7%. Recursos Humanos Comparativamente ao final do ano de 2011, a SPMS integra atualmente mais 42 colaboradores, totalizando 252 no final do 1º trimestre de O absentismo laboral regista uma tendência decrescente no 1º trimestre de 2012, quando comparado com uma estimativa de um trimestre de , com uma descida de 6% no total de dias de absentismo (de 318 dias para 299 dias) e de 20% no número médio de dias de absentismo por colaborador (de 1,5 dias para 1,2 dias.). 2 Média ponderada de 3 meses de 2011= (nº de dias de absentismo em 2011/12)*3 8 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

10 Gestão de Clientes As faturas emitidas aos clientes relativas aos meses de janeiro a março de 2012 totalizam euros, dos quais 68% ( euros) correspondem ao Contrato-Programa com a ACSS. Relativamente à média ponderada de 3 meses de 2011, o valor faturado aos clientes no primeiro trimestre de 2012 aumentou consideravelmente mas, se não for tido em consideração o Contrato-Programa, verifica-se um ligeiro decréscimo (-11%). No primeiro trimestre de 2012 o prazo médio de pagamento registou uma evolução contrária ao pretendido, em relação ao final de 2011, com um aumento de 97 dias para 139 dias (+43%). Este crescimento explica-se, em grande parte, pelas faturas da ONI com valor muito elevado (849 mil euros). Em contrapartida, o prazo médio de recebimento baixou de 95 dias para 20 dias (-79%), o que poderá estar relacionado com o facto de as grandes faturas efetuadas pela SPMS terem sido apenas realizadas em abril e, por este motivo, não constarem na Conta de Clientes mas sim nas Outras Contas a Receber. Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Dentro da área das TIC, no que concerne aos indicadores de acompanhamento de projeto, verifica-se uma melhoria quer na percentagem de entregáveis entregues no prazo previsto, que aumentou de 30% para 50%, quer na diminuição do desvio de custos do projeto em relação ao inicialmente estabelecido no contrato, que foi nulo neste trimestre. Para além destes indicadores determinados em 2011, inseriu-se ainda a percentagem de desvio de tempo dos projetos (52%), cuja evolução não pode ser analisada por não existirem valores anteriores. Os indicadores de níveis de serviços mostram um decréscimo, no primeiro semestre de 2012, da percentagem de tickets abertos resolvidos no tempo previsto de 98% para 93%, embora a resolução dos tickets de prioridade alta no prazo previsto tenha aumentado de 86% para 89%. A percentagem de horas de indisponibilidade do sistema diminui consideravelmente (-65%) quando comparado o ano de 2011 e o primeiro trimestre de 2012, estabelecendo-se nos 0,7% (2011: 2%). 9 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

11 TIC Recursos Humanos CPA/CAPS Compras e Logística Financeira Área SPMS, E.P.E Indicadores de Gestão da SPMS, EPE 1º Trimestre de 2012 Indicador 1º Trimestre 2012 Valor total do Ativo ( ) % Valor total do Passivo ( ) % Valor total do Capital Próprio ) ,2% Valor total dos Rendimentos Operacionais ( ) ( ) 76% 3 Valor total dos Gastos Operacionais ( ) ( ) 76% 4 EBIT (Resultados Operacionais) ( ) (7.726) 173% 4 Rendibilidade do Capital Próprio (%) 0,36 0,53-32% EBITDA ( ) (9.301) 53% 4 Margem EBITDA (%) 0,35 0,41-15% Resultado Líquido ( ) (6.422) 99% 4 Margem Líquida 0,60 0,28 116% Autonomia financeira (%) 56,00 66,47-16% Liquidez geral 2,26 2,96-24% Rácio de Solvabilidade (nº) 1,28 2,00-36% % valor total de compras efectuadas através da Vortal (%) 80,8 88,4-9% % de compras por Concursos Públicos (%) 0,0 1,7-100% % de compras por Ajustes Diretos (%) 23,3 25,0-7% % de compras por Convite ao abrigo do art.º259 (%) 76,7 72,9 5% % de compras por Acordos Quadro (%) Valor das poupanças geradas com os Leilões realizados ( ) Número de CPA homologados (nº) (1.713) -81% 5 Nº de visitas ao CAPS (nº) (16.080) 62% 4 % de cobertura do CAPS (medicamentos) 45,54 35,36 29% % do valor de aquisições de medicamentos em CAPS no total de compras de medicamentos (%) 68,7 68,7 = 0% Nº de funcionários % Dias totais de absentismo laboral (318) -6% 4 Nº médio de dias de absentismo laboral 1,2 6 (1,5) -20% 4 Taxa de absentismo laboral (%) 3 % de entregáveis realizados dentro dos prazos % % desvio de custos do projecto % % desvio de tempo do projeto 52 ND Var. (Δ) Var. (%) 3 A variação do valor dos Rendimentos Operacionais, Gastos Operacionais, EBIT, EBITDA e Resultado Liquido é calculada com base numa média ponderada de 3 meses de 2011 ((valor 2011/12 meses)*3)), que corresponde ao segundo valor apresentado na coluna de Variação calculada em relação à Média ponderada de 3 meses de 2011 (segundo valor) 5 Esta redução resulta em grande parte da mudança de metodologia explicada na página 8 10 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

12 Gestão de Clientes Área SPMS, E.P.E Indicador 1º Trimestre 2012 % de Tickets abertos que chegaram ao helpdesk resolvidos no tempo previsto % % de horas de indisponibilidade do sistema 0, % % de tickets abertos com prioridade alta (4horas) e respondidos dentro do prazo Valor total facturado aos clientes ( ) * 2011 Var. (Δ) Var. (%) % ( ) -31% 4 Prazo médio de pagamento (dias) 138,78 96,94 43% Prazo médio de recebimento (dias) 19,75 95,31-79% Quociente de posicionamento relativo 0,14 0,98-86% * faturados aos clientes euros respeitantes ao Contrato-Programa com a ACSS. 6 Este indicador começou a ser monitorizado em Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

13 Compras e Logística Financeira Demosntrações Financeiras SPMS, E.P.E Metodologia de Cálculo Área Indicador Valor total do Ativo ( ) Valor total do Passivo ( ) Valor total do Capital Próprio ( ) Valor total dos Rendimentos Operacionais ( ) Valor total dos Gastos Operacionais ( ) 12 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Metodologia Numerador Denominador? Notas/Cálculo EBIT (Resultados Operacionais) ( ) (Receitas operacionais - custos operacionais) - custos administrativos Rendibilidade do Capital Próprio (%) EBIT Capital Próprio EBITDA ( ) EBIT + Amortizações + Provisões Margem EBITDA (%) EBITDA Rendimentos Operacionais Resultado Líquido ( ) Margem Líquida Resultado Líquido Rendimentos Operacionais Autonomia financeira (%) Capital Próprio Ativo Total Liquido Liquidez geral Ativo Circulante: Existências + Dívidas de terceiros de Curto Prazo + Disponibilidades Passivos de Curto Prazo: Dívidas a terceiros de Curto Prazo Rácio de Solvabilidade (nº) Capital Próprio Passivo % valor total de compras efectuadas através da Vortal (%) Valor de compras na Vortal Valor total de compras % de compras por Concursos Públicos (%) Valor dos Concursos Públicos Valor total de compras % de compras por Ajustes Diretos (%) Valor dos Ajustes Diretos Valor total de compras % de compras por Convite ao abrigo do art.º259 (%) Valor dos Convite ao abrigo do art.º259 Valor total de compras % de compras por Acordos Quadro (%) Valor dos Acordos Quadro Valor total de compras - Valor das poupanças geradas com os Leilões realizados (euros) Fonte Processos internos

14 Gestão de Clientes Demonst rações Financeir as TIC Recursos Humanos CPA/CAPS SPMS, E.P.E Área Indicador 13 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Metodologia Numerador Denominador? Notas/Cálculo Número de CPA homologados (nº) Contagem Back Office Nº de visitas ao CAPS (nº) Contagem do CAPS Nº de CHNM para medicamentos % de cobertura do CAPS (medicamentos) Nº de CHNM únicos no CAPS autorizados, AEX e AUEs Back Office com aqusições nos do CAPS + Hospitais do SNS Infarmed % do valor de aqusições de medicamentos em CAPS no total de compras de medicamentos (%) Valor total de compras de medicamentos em CAPS nos Hospitais SNS Valor total de compras de medicamentos nos Hospitais SNS Nº de funcionários Contagem Dias totais de absentismo laboral Contagem Nº médio de dias de absentismo laboral Dias totais de absentismo laboral Nº de funcionários RHV Taxa de absentismo laboral (%) Total de horas de ausência Total de horas trabalháveis % de entregáveis realizados dentro dos prazos Total de entregáveis entregues Total de entregáveis no prazo previstos MS Project % desvio de custos do projecto (Valor total das contratações do Contrato projecto - valor do contrato Valor do contrato inicial 2012 inicial) % desvio de tempo do projecto (Tempo actual do projecto - Tempo inicial do projecto) Tempo inicial do projecto MS Project % de Tickets abertos que chegaram ao helpdesk Total de Tickets resolvidos no HP Total de Tickets abertos resolvidos no tempo previsto tempo previsto OpenView % de horas de indisponibilidade do sistema Total Horas de Gestão Total de Horas Indisponibilidade Operacional % de tickets abertos com prioridade alta (4horas) e HP Pedidos respondidos Total de Pedidos respondidos dentro do prazo OpenView Valor total facturado aos clientes ( ) Número de faturas emitidas correspondentes ao periodo de análise Prazo médio de pagamento (dias) Fornecedores x nº de dias do periodo de análise Compras e FSE Fonte

15 Área Indicador Prazo médio de recebimento (dias) Quociente de posicionamento relativo Metodologia Numerador Denominador? Notas/Cálculo Clientes x nº de dias do periodo de análise Prazo médio de recebimento Vendas e Prestação de Serviços Prazo médio de pagamento Fonte 14 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012

Indicadores de Gestão Interna

Indicadores de Gestão Interna 2011 Indicadores de Gestão Interna SPMS, E.P.E Indicadores de Gestão (2011) No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, a 31 de Dezembro de 2011. O painel de indicadores

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos...

SPMS, E.P.E. Índice. 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 2012 ORÇAMENTO Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 5 3. Orçamento de Tesouraria... 10 4. Orçamento de Investimentos... 11 1 Orçamento 2012 1. Enquadramento 1.1. Objectivos O presente

Leia mais

2012 Plano Actividades

2012 Plano Actividades 2012 Plano Actividades Índice 1. Enquadramento... 2 2. Órgãos Sociais... 4 3. Organograma... 4 4. Recursos Existentes... 6 5. Objectivos Estratégicos, Operacionais e Actividades... 7 1 Plano de Actividades

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Gabinete de Estudos da FESETE Julho 09 1 Introdução Foi efectuada uma análise a um conjunto de empresas das indústrias de

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

2011-2013. Plano Estratégico

2011-2013. Plano Estratégico 2011-2013 Plano Estratégico Índice Sumário Executivo... 2 1. Enquadramento... 3 2. Caracterização... 5 2.1. Atribuição e Missão... 5 2.2. Valores... 7 2.3. Princípios Orientadores... 8 2.4. Princípios

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento

Relatório Semestral de Acompanhamento 4.º relatório semestral Relatório Semestral de Acompanhamento 1º semestre 2012 Município de Mondim de Basto julho de 2012 1 ÍNDICE I. Introdução...3 II. Execução do Plano de Contenção de Despesa Corrente...4

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

Quadro 1. Execução do Plano

Quadro 1. Execução do Plano Município de Condeixa-a-Nova - Relatório de Gestão 2008 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1. Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Relatórios Informa D&B

Relatórios Informa D&B Relatórios Informa D&B RELATÓRIO COMPLETO Toda a informação sobre uma empresa, em comparação com o seu sector, para quem necessite de decidir com plena confiança. - Sumário executivo Novo - Avaliação de

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE CONCURSO LIMITADO POR PRÉVIA QUALIFICAÇÃO ao abrigo dos artigos 162.º a 192.º do Código dos Contratos Públicos (CCP) aprovado pelo n.º 1, do art.º 1.º do D.L. n.º 18/2008, de 29/01 AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos

M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC. Dicionário de termos e conceitos M6 - Avaliação de Projetos e Despesas TIC Dicionário de termos e conceitos Folha de Controlo Nome do Documento: Regulamento para submissão de pedidos de parecer prévio Evolução do Documento Versão Autor

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA. 3º Ano 1º Semestre DEPARTAMENTO DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO DE EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA 3º Ano 1º Semestre Caderno de exercícios Gestão Financeira de curto prazo Ano letivo 2015/2016 1 1 - A Gestão Financeira de Curto

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras

Conselho de Administração MAPA DE REVISÕES. Conselho de Revisão 18 - Adaptação às diretivas legais de gestão. Administração de compras Palavras-Chave: [GESTÃO; COMPRAS] Destinatários Serviço de Aprovisionamento Elaboração Dr. Vitor Ramos (Auditor Interno) Dra. Lurdes Nogueira (Responsável pela Direção do Serviço de Aprovisionamento) Aprovação

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

Serviços Partilhados e Externalização Logística

Serviços Partilhados e Externalização Logística Serviços Partilhados e Externalização Logística Vias para aumentar a eficiência nos cuidados de saúde e recuperar a sustentabilidade do SNS Augusto Mateus 23.11.2011 1. (In)sustentabilidade do SNS 2.

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

no domínio dos em Saúde Vilamoura, 23 Maio 2009 SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde

A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde A experiência no domínio dos Serviços Partilhados em Saúde Joaquina Matos Vilamoura, 23 Maio 2009 Quem Somos O que Somos? Visão Missão Ser referência como entidade de Serviços Partilhados na área da Saúde,

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

O seu parceiro de negócios. APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1

O seu parceiro de negócios. APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1 O seu parceiro de negócios APRESENTAÇÃO AGEMPER LISBOA XX de junho de 2013 1 Serviços prestados A AGEMPER iniciou a sua actividade há mais de 50 anos e actualmente presta serviços em diversas áreas Contabilidade

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Workshop Protecção Social Obrigatória: Níveis de Solidez e Perspectivas

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO Município de Olhão Saldo Inicial Débitos Créditos Saldo Final Faturas Clientes Conta Corrente 575.655,98 1.151.592,32 1.547.633,80 179.614,50 Faturas

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015

2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O E O R Ç A M E N T O 2 9 2. Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2015 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2015 3 0 G R A N D E S O P Ç Õ E S D O P L A N O

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Compras Públicas para um Estado Inteligente

Compras Públicas para um Estado Inteligente Compras Públicas para um Estado Inteligente Princípios de um Estado Inteligente Agimos de modo a assegurar um legado para as gerações futuras, através da racionalidade da gestão e proteção dos recursos

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Análise económica e financeira realizada às Farmácias Comunitárias em Portugal, com base em informação histórica relativa a 2010 e informação prospetiva

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais.

ANO:2011 Ministério da Saúde. Administração regional de saúde do Norte, I.P. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais. ANO:2011 Ministério da Saúde Administração regional de saúde do Norte, I.P. MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso à prestação de cuidados de saúde de qualidade e cumprir e fazer

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual

Balanced Scorecard. Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Balanced Scorecard Ano: 2012 Período: Dezembro Objectivos Estratégicos Actual Acumulado Anual Contribuir para o aumento da eficiência e eficácia da despesa pública 78,37% 121,27% 122,26% Criar as condições

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste

Comunidade Intermunicipal do Oeste -------------------------------------------------ATA Nº 8--------------------------------------------------- ----- Aos onze dias do mês de abril de dois mil e catorze, pelas 11H00, reuniu na sua sede em

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:405184-2014:text:pt:html Finlândia-Helsínquia: Prestação de serviços TI para aplicações TI da Agência Europeia dos Produtos

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais