PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE"

Transcrição

1 Sumário PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE 25 A O clima como um contexto 27 Sol 1 O QUADRANTE SOLAR usado com uma maquete simula a posição variável do sol e de sua sombra durante o dia e ao longo do ano A CARTA SOLAR, com a representação dos elementos existentes no sítio, pode determinar os horários do dia e do ano no qual o sol estará presente em determinado sítio A RADIAÇÃO SOLAR disponível a cada hora pode ser usada para determinar os horários em que se pode obter o conforto nas áreas externas e para estimar o potencial de ganho solar das edificações. 33 Vento 4 Uma ROSA-DOS-VENTOS pode ser usada para caracterizar a direção, velocidade e freqüência eólica em uma determinada localização por mês ou ano A CARTA DE VENTOS representa os padrões de direção e velocidade dos ventos para cada período do dia e cada mês em uma determinada localidade Use os PRINCÍPIOS DO MOVIMENTO DO AR para adaptar os dados de ventilação coletados em aeroportos ao nível aproximado de ventilação em determinado sítio. 40 Sol e Vento 7 Os MICROCLIMAS DO SÍTIO mais favoráveis à localização das edificações podem ser determinados pela análise da disponibilidade conjunta de sol e vento. 45 Luz Natural 8 Registrando-se os NÍVEIS DE NEBULOSIDADE, pode-se determinar as condições dominantes em cada mês para o projeto de iluminação Os dados sobre a DISPONIBILIDADE DE LUZ NATURAL podem ser usados na determinação dos coeficientes de luz diurna necessários para o projeto O efeito das OBSTRUÇÕES À LUZ NATURAL sobre um sítio pode ser estimado usando-se diagramas de pontos de iluminação natural junto com uma carta solar. 56 Conforto Térmico 11 A CARTA BIOCLIMÁTICA determina as respostas climáticas apropriadas ao alcance do conforto térmico em um determinado clima. 58

2 16 SUMÁRIO B O programa e o uso 61 Ocupação 12 Estime os GANHOS TÉRMICOS DEVIDO À PRESENÇA HUMANA para entender a influência das pessoas nas necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 62 Energia Elétrica 13 Estime os GANHOS TÉRMICOS DEVIDO À ILUMINAÇÃO ELÉTRICA para entender sua contribuição às necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 65 Equipamentos 14 Estime os GANHOS TÉRMICOS DEVIDO AOS EQUIPAMENTOS para entender sua contribuição às necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 67 C A forma e o fechamento 68 Transferências Térmicas pelo Fechamento 15 Estime o FLUXO TÉRMICO ATRAVÉS DA PELE para entender sua contribuição às necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 69 Ganho Solar 16 Estime o GANHO SOLAR PELAS JANELAS para entender a contribuição do sol às necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 71 Ventilação e Infiltração 17 Estime os GANHOS E AS PERDAS POR VENTILAÇÃO OU INFILTRAÇÃO para entender sua contribuição às necessidades de aquecimento e esfriamento de uma edificação. 74 D Combinando o clima, o programa e a forma 76 Estratégias de Projeto 18 A CARTA BIOCLIMÁTICA DA EDIFICAÇÃO, com o registro das temperaturas e umidades relativas de cada mês, identifica as estratégias passivas de aquecimento solar e esfriamento em potencial apropriadas ao clima da edificação A eficiência do CONTATO COM O SOLO como estratégia de redução da carga térmica e como um dissipador de calor depende do clima regional. 79 Períodos de Proteção Solar 20 Os horários e as datas no CALENDÁRIO DE PROTEÇÃO SOLAR registrados na carta solar determinam os ângulos solares que indicam a necessidade de sombreamento. 80 Padrões de Aquecimento e Esfriamento 21 Os GANHOS TÉRMICOS TOTAIS podem ser estimados para a determinação das cargas usadas no dimensionamento das estratégias passivas de esfriamento. As PERDAS TÉRMICAS TOTAIS podem ser comparadas com os parâmetros de conservação de energia A TEMPERATURA DE PONTO DE EQUILÍBRIO: a temperatura externa na qual a edificação faz a transição da necessidade de aquecimento para a necessidade de esfriamento determina quando o aquecimento e o esfriamento são necessários Os PERFIS DE PONTO DE EQUILÍBRIO: as características do clima, o uso e a forma da edificação podem ser utilizados para desenvolver padrões diários de aquecimento e esfriamento que representem o desempenho de uma edificação ao longo de um ano e auxiliem na identificação das estratégias de projeto climático. 91 E Carga elétrica e demanda de água quente 97 Eletricidade 24 As CARGAS ELÉTRICAS necessárias para o dimensionamento das superfícies fotovoltaicas podem ser estimadas a partir dos dados sobre os consumos comercial e residencial. 98 Água Quente 25 A DEMANDA DE ÁGUA QUENTE necessária para o dimensionamento dos coletores de energia solar para o aquecimento d água pode ser estimada a partir dos dados sobre o consumo. 100 PARTE II ESTRATÉGIAS DE PROJETO 101 A Grupos de edificações 103 Ruas, Espaços Abertos e Edificações: Organizações Radiais 26 Os CORREDORES RADIAIS DE VENTILAÇÃO formados por ruas e espaços abertos podem aproveitar a drenagem de ar fresco e as correntes térmicas noturnas. [esfriamento] 104

3 SUMÁRIO 17 Ruas, Espaços Abertos e Edificações: Organizações Compactas 27 SOMBREAMENTO CONJUNTO: as edificações podem ser dispostas de forma a criar sombras umas sobre as outras e também nas áreas externas contíguas. [esfriamento] 106 Ruas, Espaços Abertos e Edificações: Orientação e Localização 28 MICROCLIMAS TOPOGRÁFICOS favoráveis podem ser usados para a implantação de grupos de edificações. [aquecimento e esfriamento] 109 Ruas, Espaços Abertos e Edificações: Forma e Orientação 29 PRISMAS DE SOL podem ser usados para garantir a insolação de edificações, ruas e espaços abertos. [aquecimento e iluminação natural] Os EDIFÍCIOS-TORRE podem ter formas que se relacionem com outras edificações e o vento, para criar ruas agradáveis e microclimas nas áreas externas. [aquecimento] 122 Ruas e Edificações: Organizações em Grade 31 PADRÕES URBANOS EQUILIBRADOS de ruas e quarteirões podem ser orientados e dimensionados de forma a resolver conjuntamente as questões de com a iluminação, insolação, proteção solar e ventilação, de acordo com as prioridades do clima. [aquecimento, esfriamento e iluminação natural] 125 Ruas e Edificações: Organizações Lineares 32 ÁTRIOS LINEARES proporcionam luz a cada uma das edificações do conjunto. [iluminação natural] 128 Ruas e Edificações: Organizações Dispersas e Compactas 33 MALHAS URBANAS COM RUAS AMPLAS otimizam as brisas que aliviam os climas quentes, enquanto que MALHAS URBANAS DENSAS minimizam os ventos de inverno em climas que necessitam de aquecimento. [aquecimento e esfriamento] 130 Ruas e Edificações: Forma e Orientação 34 TRANSIÇÕES GRADUAIS DE ALTURA nos agrupamentos de edificações e na orientação dos ventos predominantes minimizam a ventilação das ruas. [aquecimento] PRISMAS DE ILUMINAÇÃO podem ser usados para dar forma às edificações e recuá-las de modo a garantir níveis de iluminação natural adequados nas ruas e edificações adjacentes. [iluminação natural] RUAS AREJADAS orientadas de acordo com os ventos predominantes otimizam a ventilação dos ambientes urbanos e oferecem às edificações melhores condições de ventilação cruzada. [esfriamento] 137 Espaços Abertos e Edificações: Organizações Dispersas 37 EDIFICAÇÕES DISPERSAS com espaços interligados e bem amplos mantêm a possibilidade de ventilação para esfriamento em cada edificação. [esfriamento] 139 Espaços Abertos e Edificações: Organizações Alongadas 38 LONGOS AGRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES NA ORIENTAÇÃO LESTE OESTE afastados na orientação norte sul otimizam os ganhos térmicos e, ao mesmo tempo, garantem a insolação de cada edificação. [aquecimento] 141 Espaços Abertos e Edificações: Organizações Integradas com Áreas Verdes 39 ARRANJOS COM INTEGRAÇÃO ENTRE ÁREAS VERDES E EDIFICADAS podem ser usados para a redução de temperatura do ar ambiente. [esfriamento] ORGANIZAÇÕES DE EDIFICAÇÕES INTEGRADAS A CURSOS DE ÁGUA podem ser usadas para a redução de temperatura do ar ambiente. [esfriamento] 147 Espaços Abertos e Edificações: Forma e Orientação 41 ESPAÇOS EXTERNOS DE INVERNO protegidos dos ventos podem ser configurados por meio da implantação e da organização das edificações. [aquecimento] A INSOLAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES VIZINHAS pode ser garantida através de configurações apropriadas de edificações e espaços abertos, conforme a orientação de uma rua. [aquecimento] 151 Espaços Abertos e Edificações: O Entorno como Proteção 43 QUEBRA-VENTOS podem ser criados para definir limites que protejam edificações e espaços abertos. [aquecimento e esfriamento] CINTURÕES VERDES irrigados podem ser formados para esfriar as brisas que entram na cidade. [esfriamento] 155 Espaços Abertos e Edificações: Camadas 45 Uma camada de ELEMENTOS AÉREOS DE PROTEÇÃO SOLAR pode proteger os espaços externos e as edificações do sol alto. [esfriamento] 156

4 18 SUMÁRIO B Edificações 158 Recintos e Pátios Internos: Zoneamento 46 MIGRAÇÃO: ambientes internos e externos podem ser zoneados de tal forma que as atividades possam ocorrer nas áreas mais frescas durante os períodos de calor e nas áreas mais quentes durante os períodos frios de um dia ou estação. [aquecimento e esfriamento] 159 Recintos e Pátios Internos: Localização e Orientação 47 A ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS EXTERNAS em relação ao sol e o vento pode ampliar as estações com conforto externo. [aquecimento e esfriamento] 162 Recintos e Pátios Internos: Camadas 48 Uma CAMADA HORIZONTAL DE SOMBREADORES AÉREOS pode proteger o pátio e a edificação do sol alto, enquanto uma camada de elementos verticais pode proteger do sol baixo. [esfriamento] 165 Recintos: Organizações Compactas 49 PLANTAS BAIXAS COMPACTAS reduzem a área de pele e, portanto, as perdas e os ganhos térmicos. [aquecimento e esfriamento] 168 Recintos: Estratégias Conjuntas 50 EDIFICAÇÕES PERMEÁVEIS podem conjugar estratégias com plantas livres e cortes com as estratégias da ventilação cruzada, ventilação por efeito chaminé ou ambas. [esfriamento] 169 Recintos: Organizações Estreitas 51 Arranjos com PLANTAS BAIXAS ESTREITAS possibilitam a iluminação natural de cada recinto. [iluminação natural] Arranjos com PLANTAS BAIXAS ALONGADAS NA ORIENTAÇÃO LESTE OESTE ampliam a área de pele voltada para o sul disponível para a coleta de radiação solar no inverno. [aquecimento] 176 Recintos: Organizações para Insolação 53 Uma INSOLAÇÃO PROFUNDA em edificações espessas depende de uma organização eficaz dos espaços, relacionando-os tanto horizontalmente (em planta) quanto verticalmente (em corte). [aquecimento] 178 Recintos: Luz Natural Através de Outro Recinto 54 A ILUMINAÇÃO NATURAL DE UM RECINTO ATRAVÉS DE OUTRO é possível quando pequenos espaços forem organizados adjacentes a espaços maiores ou mais altos. [iluminação natural] 181 Recintos: Zoneamento 55 ZONAS GERADORAS DE CALOR: podem ser criadas zonas dentro das edificações para o uso ou a rejeição das fontes de ganho térmico interno. [aquecimento e esfriamento] ZONAS DE ESTRATIFICAÇÃO: podem ser criadas zonas em níveis diferentes dentro das edificações para aproveitar a estratificação de temperaturas. [aquecimento e esfriamento] ZONAS DE TRANSIÇÃO TÉRMICA: os recintos que podem tolerar oscilações de temperatura podem ser localizados entre os espaços protegidos e o calor ou frio indesejável. [aquecimento e esfriamento] ZONAS DE ILUMINAÇÃO NATURAL: o layout dos recintos dentro de uma edificação pode ser feito de forma que as atividades que exigem níveis de iluminação superiores estejam próximas às janelas, enquanto aquelas que não requerem tanta luz estejam mais distantes das fontes de luz natural. [iluminação natural] 189 Recintos: Orientação 59 RECINTOS VOLTADOS PARA O SOL E O VENTO aumentam a eficiência do aquecimento solar e da ventilação cruzada. [aquecimento e esfriamento] 190 Recintos: Forma e Fechamento 60 RECINTOS DE GANHO TÉRMICO DIRETO são abertos para coletar o sol e podem armazenar calor dentro de um espaço. [aquecimento] JARDINS-DE-INVERNO podem ser usados para coletar o calor do sol, acumulá-lo em um local central e distribuí-lo a outros recintos. [aquecimento] PAREDES DE ACUMULAÇÃO coletam e acumulam calor solar na periferia de um recinto. [aquecimento] As COBERTURAS DE ÁGUA coletam e acumulam calor e frio sobre o teto de um recinto. [aquecimento e esfriamento] PAREDES E COBERTURAS DE COLETA TÉRMICA captam o calor solar na periferia de um recinto em uma camada de ar, que leva o calor até a armazenagem na estrutura da edificação. [aquecimento] A VENTILAÇÃO CRUZADA através dos recintos é incrementada com o uso de grandes aberturas nos lados de pressão e sucção dos ventos. [esfriamento] 205

5 SUMÁRIO A VENTILAÇÃO POR EFEITO CHAMINÉ através dos recintos é incrementada com o aumento da distância entre as aberturas altas e as baixas. [esfriamento] Os COLETORES DE VENTO podem capturar as brisas acima do nível da cobertura nas edificações cujas janelas têm pouco acesso à ventilação. [esfriamento] MASSAS DE ESFRIAMENTO NOTURNO: massas térmicas podem ser usadas para absorver o calor de um recinto durante o dia e então ser esfriadas pela ventilação noturna. [esfriamento] TORRES DE ESFRIAMENTO POR EVAPORAÇÃO podem fornecer ar frio aos recintos sem a necessidade de ventiladores ou vento. [esfriamento] Um ÁTRIO ou um poço de iluminação interno pode fornecer luz natural aos recintos adjacentes. [iluminação natural] 220 Recintos: Dimensões 71 A PROFUNDIDADE DOS RECINTOS COM ILUMINAÇÃO NATURAL deve ser inferior a 2,5 vezes a altura do piso até as vergas, para manter um nível mínimo de iluminação e uma distribuição uniforme da luz. [iluminação natural] 224 Recintos: Taludes 72 O CONDICIONAMENTO TÉRMICO PASSIVO POR TALUDES pode ser usado para proteger edificações dos extremos de calor e frio e para obter-se uma fração da carga de esfriamento. [aquecimento e esfriamento] 226 Recintos: Cinturões de Água 73 CINTURÕES DE ÁGUA podem ser formados para esfriar brisas que ingressam em uma edificação. [esfriamento] 229 Pátios Internos: Dimensões, Forma e Orientação 74 PÁTIOS INTERNOS BEM VENTILADOS devem ser baixos, largos e permeáveis, enquanto PÁTIOS INTERNOS POUCO VENTILADOS devem ser fechados e ter altura suficiente para barrar o vento, mas ser bastante largos para receber o sol. [aquecimento e esfriamento] 230 Pátios Internos: Dimensões e Forma 75 PÁTIOS INTERNOS BEM SOMBREADOS são altos e estreitos e podem ser usados como acumuladores de ar frio. [esfriamento] 233 C Componentes construtivos 236 Paredes, Coberturas e Pisos: Dimensões 76 A ESPESSURA DA PELE de uma edificação deve ser suficiente para acomodar o isolamento térmico necessário. [aquecimento e esfriamento] 237 Paredes, Coberturas e Pisos: Absortância 77 A ABSORTÂNCIA SUPERFICIAL DE MASSAS para armazenagem térmica interna deve ser alta, para absorver a radiação, enquanto as superfícies sem grande massa devem ser refletivas para redirecionar a radiação até as massas. [aquecimento] 241 Paredes, Coberturas e Pisos: Cores 78 As SUPERFÍCIES DE REFLEXÃO DA LUZ NATURAL em cores claras aumentam os níveis de iluminação dos espaços. [iluminação natural] As CORES DAS SUPERFÍCIES EXTERNAS devem ser escuras nos climas frios, para absorver a radiação, e claras nos climas quentes, para refleti-la. [aquecimento e esfriamento] 243 Coberturas e Paredes: Dimensões e Orientação 80 PAREDES E TELHADOS FOTOVOLTAICOS devem ser orientados para coletar o sol e ser dimensionados para atender a carga elétrica da edificação. [energia elétrica] 245 Coberturas e Paredes: Materiais 81 Os MATERIAIS PARA SEGUNDA PELE devem ser selecionados para refletir o ganho térmico solar e evitar a transmissão de calor à camada interna. [esfriamento] 248 Coberturas e Paredes: Forma e Materiais 82 As coberturas e as paredes podem ser usadas como REFLETORES SOLARES para aumentar a radiação solar que ingressa através das vidraças para coleta solar. [aquecimento] 251 Paredes e Pisos: Dimensões e Materiais 83 As superfícies das MASSAS TÉRMICAS devem ter área e espessura suficientes para armazenar calor e frio adequados. [aquecimento e esfriamento] 253 Paredes e Janelas: Forma e Cor 84 BAIXOS CONTRASTES entre as molduras das janelas e as paredes adjacentes reduzirão o ofuscamento e melhorarão a visibilidade. [iluminação natural] 255

6 20 SUMÁRIO Coberturas e Janelas: Forma 85 POÇOS DE LUZ DE CLARABÓIAS devem ter formas adequadas à distribuição da luz natural nos ambientes. [iluminação natural] 256 Coberturas: Dimensões e Orientação 86 Os SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE ÁGUA POR ENERGIA SOLAR exigem telhados com tamanho suficiente, além de inclinação e orientação para a coleta de sol. [energia elétrica] 257 Paredes: Dimensões e Materiais 87 PAREDES DE COLETA E AQUECIMENTO DE AR ensolaradas podem pré-aquecer o ar quente usado para ventilação. [aquecimento] O ISOLAMENTO TÉRMICO EXTERNO à massa de paredes permite que a massa possa armazenar o calor oriundo do recinto e estabilizar a temperatura do ar interior. [aquecimento e esfriamento] 262 Janelas: Localização e Orientação 89 A ventilação, a iluminação natural e o ganho solar podem ser resolvidos através de ABERTURAS COM FUNÇÕES ESPECÍFICAS OU MÚLTIPLAS. [aquecimento, esfriamento e iluminação natural] A DISTRIBUIÇÃO DAS ABERTURAS DE VENTILAÇÃO pode ser otimizada para aumentar o nível de ventilação cruzada em um recinto e circular o ar entre os usuários, aumentando sua taxa de esfriamento. [esfriamento] 265 Janelas: Dimensões e Orientação 91 JANELAS BEM DISTRIBUÍDAS podem reduzir as perdas térmicas no inverno. [aquecimento] A LUZ NATURAL REFLETIDA pode ser usada para a iluminação natural em climas com céu claro. [iluminação natural] 268 Janelas: Dimensões 93 As ABERTURAS PARA INSOLAÇÃO podem ser ampliadas para aumentar o percentual da necessidade de aquecimento anual provido pela energia solar. [aquecimento] As ABERTURAS PARA ILUMINAÇÃO NATURAL podem ser ampliadas para aumentar os níveis de iluminação interior. [iluminação natural] A área de JANELAS COM CÂMARA-DE-AR usadas para temperar o ar fresco para ventilação ou recuperar o calor através da exaustão de ar pode ser dimensionada para atender à carga de ventilação. [aquecimento e esfriamento] 277 Janelas: Camadas 96 PRATELEIRAS DE LUZ podem ser usadas para sombrear as janelas para visibilidade externa, distribuir a luz de forma uniforme e reduzir o ofuscamento. [esfriamento e iluminação natural] Uma camada de ISOLAMENTO MÓVEL pode ser colocada nas janelas, para reduzir a perda térmica noturna. [aquecimento] BRISES DE AUMENTO DA LUZ NATURAL podem proteger as janelas dos ganhos térmicos solares e, ao mesmo tempo, preservar a visibilidade celeste e reduzir o ofuscamento. [esfriamento e iluminação natural] Uma camada de PROTEÇÃO SOLAR EXTERNA pode sombrear as vidraças e reduzir os ganhos térmicos solares. [esfriamento e iluminação natural] Uma camada de PROTEÇÃO SOLAR INTERNA atrás da janela ou separando as chapas de vidro pode reduzir os ganhos térmicos solares. [esfriamento] 293 Janelas: Materiais 101 Os TIPOS DE JANELA E DE VIDRO podem ser selecionados visando equilibrar as preocupações com iluminação natural, ganho térmico solar e sombreamento de verão. [aquecimento, esfriamento e iluminação natural] 295 PARTE III ESTRATÉGIAS PARA COMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS PASSIVOS 299 Iluminação Elétrica: Tarefas Visuais 102 Pode-se usar a ILUMINAÇÃO ELÉTRICA SOBRE O PLANO DE TRABALHO para altos níveis de iluminação localizada e a iluminação natural para a iluminação ambiente. [iluminação natural] 301

7 SUMÁRIO 21 Iluminação Elétrica: Faixas 103 As ZONAS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA podem ser dispostas paralelamente ao plano da janela, para que fileiras individuais de lâmpadas possam ser ligadas quando houver necessidade. [iluminação natural] 302 Armazenagem de Calor e Frio: Massas Térmicas Distantes 104 TANQUES DE PEDRAS em locais afastados do espaço ocupado podem ser usados para aumentar o calor e o frio que pode ser eficazmente armazenado. [aquecimento e esfriamento] 304 Ventiladores: Auxílio à Ventilação Noturna 105 A VENTILAÇÃO MECÂNICA DE MASSAS pode ser empregada para garantir a circulação apropriada do ar, passando pela armazenagem térmica da edificação e, portanto, melhorando seu potencial de esfriamento. [esfriamento] 307 Ventiladores: Auxílio à Ventilação Natural 106 A VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS ESPAÇOS pode ser empregada para esfriar a edificação e as pessoas durante os horários em que a ventilação natural for insuficiente. [esfriamento] 309 Transferência de Calor e Frio: Sistemas de Distribuição 107 DUTOS E PLENOS podem ser usados para deslocar o calor até partes mais frias e para esfriar as partes quentes da edificação. [aquecimento e esfriamento] 311 Ventilação para Renovação do Ar: Pré-Aquecimento, Pré-Esfriamento e Recuperação de Calor 108 ZONAS DE TRANSIÇÃO TÉRMICA PASSIVA podem temperar o ar fresco para ventilação antes que entre no espaço ocupado, e TROCADORES DE CALOR AR AR podem ser usados para recuperar calor e frio do ar da ventilação. [aquecimento e esfriamento] 313 Ventilação para Renovação do Ar: Esfriamento com o Solo 109 TROCADORES DE CALOR TERRA-AR podem temperar o ar da ventilação durante todas as estações e auxiliar no esfriamento da edificação, no verão. [aquecimento e esfriamento] 314 APÊNDICES 315 A Dados Climáticos por Latitude/Cidade 316 B Dados Climáticos Complementares 352 C Abreviaturas e Tabela de Conversão de Unidades 363 GLOSSÁRIO 365 BIBLIOGRAFIA 373 ÍNDICES 385 Índice Geral 386 Índice de Edificações 403 Índice de Arquitetos 407 Índice de Ferramentas de Projeto: Tabelas, Gráficos e Regras Práticas 410

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 PONTOS- CHAVE Possibilidade de expansão Circulações (atender as normas/ser espaço de transição/exposição) Armazenamento/Depósito Controle

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável.

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável. APRESENTAÇÃO A Reabilitação Sustentável é um serviço que agrega o know-how, os recursos, e a experiência das diversas áreas de atividade da Sotecnisol. A Sotecisol apresenta ao mercado uma oferta inovadora

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.748515, -9.140355 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL

AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: CONFORTO TÉRMICO E ILUMINAÇÃO NATURAL AUT 270 AULA 2 DESEMPENHO AMBIENTAL DA COBERTURA DA FAUUSP: Professora Roberta Kronka Mulfarth Professora Joana Carla Soares Goncalves Arq. Johnny Klemke (Mestrando da FAUUSP) 1. COLOCAÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA:

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, JUSTIFICATIVA: A Sua Excelência o Senhor Vereador JUARES CARLOS HOY Presidente da Câmara Municipal de Canoas PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, O Vereador Pedro Bueno, Vice-líder da Bancada do Partido

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Válido até 05/02/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Freguesia CAMARATE, UNHOS E APELAÇÃO Concelho LOURES GPS 38.816247, -9.130431 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO ADMINSTRATIVO, PRÉDIO DE SOCIABILIDADE, PRÉDIO DE LABORATÓRIOS E SALAS DE AULA E PRÉDIO DA PORTARIA DO CAMPUS

Leia mais

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se exerce uma força. 2. Força moral; firmeza. 3. Vigor, força. 4. Filos. Segundo Aristóteles, o exercício mesmo da atividade, em oposição

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO Válido até 30/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE GONDARÉM, 822, 2.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.159819, -8.682735 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES

VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES VASOS SEPARADORES E ACUMULADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO REAÇÃO

Leia mais

Não fique desligado! - Está ao seu alcance poupar energia

Não fique desligado! - Está ao seu alcance poupar energia Frigorífico / arca congeladora / combinado l Coloque o equipamento afastado de fontes de calor (ex.: forno, aquecedor, janela, etc.). l Afaste o equipamento da parede de modo a permitir a ventilação da

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo.

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Irrigação pode ser definida como sendo a aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade adequada ao desenvolvimento normal das plantas

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Emissão: MINEA/DNEE Dezembro 2010 Av. Cónego Manuel das Neves, 234 1º - Luanda ÍNDICE 1 OBJECTIVO...

Leia mais

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis Aula energias renováveis Hidrelétrica - Desenvolvimento e uso - As usinas hidrelétricas - Turbinas - Sistemas de grande porte Driving the hydropower Hidrelétrica Vento Maré Queda na temperatura da água

Leia mais

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt

Deswik.Sched. Sequenciamento por Gráfico de Gantt Deswik.Sched Sequenciamento por Gráfico de Gantt SOLUÇÕES EM SEQUENCIAMENTO DE LAVRA QUE NOS DIFERENCIAM Uma abordagem dinâmica e moderna para o sequenciamento de lavra Desde gráficos de Gantt interativos

Leia mais

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados

O que é um banco de dados? Banco de Dados. Banco de dados COLÉGIO EST. JOÃO MANOEL MONDRONE - ENS. FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL Rua Mato Grosso n.2233 - Fone/Fax (045) 3264-1749-3264-1507 Banco de Dados O que é um banco de dados? Um conjunto de informações

Leia mais

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS

ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS ANEXO 2 - TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS I. CONTEÚDO MÍNIMO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL SIMPLIFICADO PCAS O Plano de Controle Ambiental Simplificado deverá conter

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

29/04/2014. Professor

29/04/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Introdução a Engenharia Civil Elementos de Vedações Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO SESA nº 0318, DE 31 DE JULHO DE 2002 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA, no uso de suas atribuições, de acordo com o disposto na Lei Federal n.º 8080/90, artigos 15, I e XI, 17, III e XI e na Lei Estadual

Leia mais

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina

Catálogo 2015. Plataformas Cubos Escadas. Acessórios para acesso à piscina Catálogo 2015 Plataformas Cubos Escadas Acessórios para acesso à piscina Acessibilidade A Actual dedica-se ao desenvolvimento, fabricação e comercialização de plataformas para fundo de piscina e escadas

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO I.E.: 149.242.170.112 A São Paulo, 17 de Dezembro de 2010. Universidade Federal do Pampa Pregão Eletrônico Nº 86/2010 Processo Nº: 23100.001555/2010-26 PROPOSTA DE FORNECIMENTO Item Qt. Descrição R$/unid.

Leia mais

1. EMC DO BRASIL 2. SISTEMAS EMC 3. SEU TELHADO E O MEIO AMBIENTE 4. ILHAS DE CALOR URBANA 5. PROCEL E SUSTENTABILIDADE 6. DISTRIBUIÇÃO DA EMC NO

1. EMC DO BRASIL 2. SISTEMAS EMC 3. SEU TELHADO E O MEIO AMBIENTE 4. ILHAS DE CALOR URBANA 5. PROCEL E SUSTENTABILIDADE 6. DISTRIBUIÇÃO DA EMC NO 1. EMC DO BRASIL 2. SISTEMAS EMC 3. SEU TELHADO E O MEIO AMBIENTE 4. ILHAS DE CALOR URBANA 5. PROCEL E SUSTENTABILIDADE 6. DISTRIBUIÇÃO DA EMC NO BRASIL 7. INVESTIMENTOS 1. EMC DO BRASIL QUEM SOMOS? A

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS S O L UÇÕE S DE ÁGUA QUE N T E Índice Conforto garantido 03 Compatibilidade solar e selecção de capacidade 04 Gama EasyAqua 05 Gama NaturaAqua 06 Dados técnicos 07 02 SOLUÇÕES

Leia mais

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui Cursos 2016 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016 Inscreva-se aqui FORMAÇÃO UPONOR CURSO: Curso em Montagem do Sistema de Autofixação por Chão Radiante Curso específico baseado no Sistema de Autofixação

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto CIMENTOL é uma tinta impermeável de grande durabilidade, que mantém a boa aparência por mais tempo. Apresenta ótima aderência sobre alvenaria, concreto e fibrocimento. Características Aparência:

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios

Eficiência Energética e Certificação de Edifícios Eficiência Energética e Certificação de Edifícios DIA DA ENERGIA Energias Renováveis e Eficiência Energética nos Edifícios Instituto Universitário da Maia 29 de Maio de 2015 FRANCISCO PASSOS DIREÇÃO DE

Leia mais

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096)

j1111111,11111,1111 (21)PI0902102-7 A2 (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (21)PI0902102-7 A2 j1111111,11111,1111 1,1H FLIeraliva (22) Data de Depósito: 30/06/2009 (43) Data da Publicação: 09/03/2011 (RPI 2096) (51) InÉCL: CO2F 1/14 CO2F 9/12 (54) Título: SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Designação ECT-UTAD Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Professor responsável José Boaventura Ribeiro da Cunha

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Fundações. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Fundações Após a execução da sondagem, iremos definir qual o tipo de fundação mais adequada a ser utilizado no nosso empreendimento. As Fundações são elementos estruturais

Leia mais

7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007

7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007 7as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Lisboa, 8 de Novembro de 2007 1 Se se fecham cozinhas e restaurantes por falta de limpeza, como nos podemos permitir essa falta de limpeza no ar que respiramos todos os dias

Leia mais

reciclagem a frio KMA 220

reciclagem a frio KMA 220 Technische Especificação Daten Técnica Kaltfräse Usina misturadora W 200 móvel de reciclagem a frio KMA 220 Especificação Técnica Usina misturadora móvel de reciclagem a frio KMA 220 Capacidade da usina

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo

Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala N.A. Data ABRIL/2010 Formato A - 4 Autor CREA ARQ. MÁRCIA SOLDERA 104.438 - RS Validador

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

Transplante capilar Introdução

Transplante capilar Introdução Transplante Capilar Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

HALOTERAPIA Terapia do Sal

HALOTERAPIA Terapia do Sal HALOTERAPIA Terapia do Sal Sendo mais conhecido como terapia de sal, este é um método totalmente natural com base em nebulização de micropartículas de sal cristalino, que reproduz as condições do ambiente

Leia mais

1 Circuitos Pneumáticos

1 Circuitos Pneumáticos 1 Circuitos Pneumáticos Os circuitos pneumáticos são divididos em várias partes distintas e, em cada uma destas divisões, elementos pneumáticos específicos estão posicionados. Estes elementos estão agrupados

Leia mais

Sérgio Luisir Díscola Junior

Sérgio Luisir Díscola Junior Capítulo-3: Estoque Livro: The Data Warehouse Toolkit - Guia completo para modelagem dimensional Autor: Ralph Kimball / Margy Ross Sérgio Luisir Díscola Junior Introdução Cadeia de valores Modelo de DW

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO

METODOLOGIA DE PROJETO METODOLOGIA DE PROJETO DE INTERIORES AULA 06: PERSPECTIVA LINEAR DE 1 PONTO. MÃO LIVRE Disciplina do Curso Superior em Design de Interiores da UNAES/Anhanguera Educacional Arq. Urb. Octavio F. Loureiro

Leia mais

SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA

SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA SIGNIFICADO AMBIENTAL AL-ENERGÉTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA Juan José Mascaró Plantar árvores é uma estratégia atrativa tanto para a poupanca de dinheiro, através da eficiência energética,como para melhorar

Leia mais

Prof. George Sand L. A. De França

Prof. George Sand L. A. De França CALOR INTERNO DA TERRA: Fontes de calor no interior da Terra; Fluxo de calor interno e Distribuição de temperatura no interior da Terra. Prof. George Sand L. A. De França Introdução Fontes de calor do

Leia mais

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum LAVANDERIAS COMERCIAIS Controles Quantum RELATÓRIOS DE LOJA E DE RECEITAS O Quantum Gold monitora o seu equipamento para fornecer relatórios detalhados. Ao fornecer uma visão abrangente das especificações

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS Índice Apresentação Introdução Eficiência na cozinha Material de Construção A

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 2 Instalações de água quente Generalidades As instalações

Leia mais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais

CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS. 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Elementos Estruturais 64 CAPÍTULO 4 4. ELEMENTOS ESTRUTURAIS 4.1 Classificação Geométrica dos Elementos Estruturais Neste item apresenta-se uma classificação dos elementos estruturais com base na geometria

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia)

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Indique o consumo médio mensal

Leia mais

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO

CLIMA QUENTE E SECO Os ventos são quentes, secos e carregados poeira CLIMA QUENTE E ÚMIDO VENTILAÇÃO E CLIMA CLIMA CLIMA QUENTE E SECO regiões desérticas próximas ao equador. Médias de temperatura muito altas e grande amplitude térmica, umidade baixa, a radiação solar é direta, quase sem a

Leia mais

Resolução Comentada Unesp - 2013-1

Resolução Comentada Unesp - 2013-1 Resolução Comentada Unesp - 2013-1 01 - Em um dia de calmaria, um garoto sobre uma ponte deixa cair, verticalmente e a partir do repouso, uma bola no instante t0 = 0 s. A bola atinge, no instante t4, um

Leia mais

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Fontes de energia, calor e temperatura Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Como podemos relacionar o calor, a agitação térmica e o equilíbrio térmico? Questão 2 O

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

arente Linha Aparente p a A h Lin

arente Linha Aparente p a A h Lin Linha Aparente Linha Aparente Linha Aparente Canaleta metálica... 03 Tampa de encaixe... 03 Tampa de pressão... 14 Canaleta meia-lua... 21 Poste condutor... 22 Tampa de encaixe A Linha Aparente da Valemam

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e procedimentos de execução...4

Leia mais

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto

CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto CONTEÚDO 1. A BAC 2. A Metodologia de trabalho 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto 4. O uso do BIM 1. APRESENTAÇÃO DA BAC Empresa Catalana com 40 anos

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

Cat. Escavadeiras Hidráulicas. Compatibilidade entre Multiprocessador e Escavadeira Hidráulica

Cat. Escavadeiras Hidráulicas. Compatibilidade entre Multiprocessador e Escavadeira Hidráulica Cat Multiprocessadores Escavadeiras Hidráulicas Produtividade Máxima Grandes desafios são reduzidos a pequenas peças, graças às grandes forças de corte e esmagamento geradas pelo cilindro de fixação cruzada.

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 5 Sistemas eólicos de geração de energia elétrica Lineu Belico dos Reis O vento, movimento do ar na atmosfera terrestre, é principalmente gerado pelo maior aquecimento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO MISTO DE SOLO REFORÇADO E SOLO GRAMPEADO NA BASE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim PERÍODO 2005 Revisado ABRIL 2011 - Departamento

Leia mais

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid)

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) ISOLAR NEUTRALUX Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) Vidros Câmara de ar Capa metálica Perfil separador Primeira barreira de selagem (Butil) Tamis molecular (Desidratante) Segunda

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Processamento do azeite

Processamento do azeite Processamento Geral dos Alimentos Processamento do azeite Trabalho realizado por: Vanessa Ferraz 20090165 Ano lectivo 2009/2010 Objectivo do trabalho: Com a realização deste trabalho pretende-se fazer

Leia mais

PERMUTADOR DE PLACAS TP3

PERMUTADOR DE PLACAS TP3 PERMUTADOR DE PLACAS TP3 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I (2009/2010 1. Objectivos Determinação de coeficientes globais de transferência de calor num permutador de calor de placas. Cálculo da eficiência

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Mecânica dos Solos Período: 5º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Página: www.lnascimento.com.br Sondagem A investigação

Leia mais

Manutenção volante. A DDS SERVIÇOS possui muita experiência com este modelo de manutenção com resultados altamente satisfatórios.

Manutenção volante. A DDS SERVIÇOS possui muita experiência com este modelo de manutenção com resultados altamente satisfatórios. Manutenção volante O que é a Manutenção Volante? A Manutenção Volante é uma modalidade de manutenção móvel que visa atender clientes que possuam várias unidades prediais distribuídas por uma determinada

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 8. o A/B PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Utilize as informações do texto abaixo para responder às questões que o seguem. Uma máquina simples para bombear água: A RODA D ÁGUA

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) CURVAS HORIZONTAIS Estudo sobre Concordância Horizontal: O traçado em

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA CARGO 45

PROVA ESPECÍFICA CARGO 45 8 PROVA ESPECÍFICA CARGO 45 QUESTÃO 21 O apartamento semi-duplex merece uma explicação adicional. Os gráficos [...] [abaixo] poderão melhor mostrar seu funcionamento. Na figura prejudicada por um X, temos

Leia mais

Serviços de Perfilagem Geológica

Serviços de Perfilagem Geológica Serviços de Perfilagem Geológica Perfuração Avaliação Completação Serviços de wireline Mais opções. Mais serviço. Poço aberto Produção - Acústica Teste de formação Imagem Ressonância magnética nuclear

Leia mais

GEOMETRIA DA INSOLAÇÃO AULA 3 MÁSCARAS

GEOMETRIA DA INSOLAÇÃO AULA 3 MÁSCARAS MÁSCARAS Exemplos de 3 posições relativas de prédio fronteiro paralelo à fachada do prédio em estudo, para um ponto A 1 Linhas horizontais paralelas ao plano da fachada, medidas por meio do ângulo α, a

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Plante Árvores O

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS

DESCRIÇÃO TÉCNICA SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS DESCRIÇÃO TÉCNICA MEMORIAL DESCRITIVO REFERENTE AOS SERVIÇOS DE MELHORIAS NA INFRAESTRUTURA DO GINASIO MUNICIPAL 3 DE JUNHO DO MUNICIPIO DE CHAPADA RS. O presente memorial tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária

Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Etiquetagem Energética de Produtos Apresentação sumária Junho 2014 Índice 1. A etiquetagem energética no contexto Europeu 2. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) 3. Produtos Etiquetados

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Revisão Produto Data da revisão Página

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Revisão Produto Data da revisão Página 13/02/2014 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome Nº: 000050 SC Códigos / AASC1000V / AASC100V / ICPSC1000V / ICPSC10000V / ICPSC100V / 2. Identificação de perigos CLASSIFICAÇÃO DE

Leia mais

Filtração por Contato

Filtração por Contato Filtração por Contato A construção de grandes tanques de decantação com raspadores de geralmente resultam em investimentos de alto custo. A operação destes decantadores podem ser bastante irregulares,

Leia mais

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS

Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior. Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema de Isolamento Térmico pelo Exterior Reboco Delgado Armado sobre Poliestireno Expandido - ETICS Sistema TEPROTERM 2 / 19 1. INTRODUÇÃO I Cerca de 1/3 do consumo mundial de energia destina-se a habitações

Leia mais

recuperador de calor insert

recuperador de calor insert recuperador de calor insert O Recuperador de Calor é uma câmara de combustão em ferro fundido fechada, com porta em vidro cerâmico. Ao contrário da lareira aberta tradicional, onde 90% do calor simplesmente

Leia mais

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa

Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Sinalização de segurança aplicada aos equipamentos e sistemas de proteção ativa Extintores 2,1m 3 Os extintores devem ser convenientemente distribuídos, sinalizados sempre que necessário e instalados em

Leia mais

Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG. António Rocha e Silva

Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG. António Rocha e Silva Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG António Rocha e Silva ISMAI, 29 de Maio de 2015 Casa Termicamente Optimizada (1983) Rua de Salazares, 842 Porto (Ramalde)

Leia mais

2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 2.2 Conceito de Planejamento Ambiental

2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL. 2.2 Conceito de Planejamento Ambiental 2 PLANEJAMENTO AMBIENTAL A crescente degradação das bacias hidrográficas evidencia a necessidade de se viabilizar um planejamento ambiental que garanta efetivamente a resolução dos problemas e conflitos

Leia mais