RENDIMENTO DE MILHO VERDE SUBMETIDO A DOSES DE COMPOSTO DE CARCAÇA DE AVES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RENDIMENTO DE MILHO VERDE SUBMETIDO A DOSES DE COMPOSTO DE CARCAÇA DE AVES"

Transcrição

1 RENDIMENTO DE MILHO VERDE SUBMETIDO A DOSES DE COMPOSTO DE CARCAÇA DE AVES Rejane Aparecida de Carvalho Pohlmann 1, Helder Barbosa Paulino 2, Rodrigo Couto Santos 3 ¹ Professora Mestre das Faculdades Integradas de Mineiros, Mineiros - GO, Brasil 2 Professor Doutor da Faculdade de Eng. Florestal da Universidade Federal de Goiás 3 Professor Doutor da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal de Goiás Data de recebimento: 02/05/ Data de aprovação: 31/05/2011 RESUMO Avaliou-se o uso do composto de carcaças de aves, na produção de milho verde, utilizando doses crescentes de adubação orgânica e química correspondente, em delineamento por blocos casualizados com sete tratamentos e três repetições, sendo: T1 (sem adubação); T2: 0,402 Mg ha -1 ( ) + 0,136 Mg ha -1 Ureia; T3: 0,804 Mg ha -1 ( ) + 0,272 Mg ha -1 Ureia; T4: 1,608 Mg ha -1 ( ) + 0,544 Mg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto. As características das plantas avaliadas foram: produção (kg ha -1 ), altura: plantas e inserção das espigas (cm), peso: espigas com e sem palha (g), diâmetro e comprimento: espigas (cm). Nas folhas: elementos N, P, K +, Ca 2+, Mg 2+. No solo: ph, Ca 2+, Mg 2+, CTC, K +, P, MO, V%. Processando a análise de variância dos dados e comparação de médias segundo teste de Tukey, ao nível de 5% de probabilidade. Por resultados: não houve diferença estatística na produção; no solo, o teor de K + no T4, apresentou diferença estatística dos demais, e os teores de P e Mg 2+ das folhas, nas adubações, diferem estatisticamente em relação ao T1, permitindo reconhecer o potencial da adubação orgânica para a agricultura, necessitando estabelecer critérios e quantidade a ser aplicada. PALAVRAS-CHAVE: adubação orgânica, adubação mineral, resíduos, Zea mays L. GREEN CORN YIELD AFTER POULTRY CARCASSES COMPOST APPLICATION ABSTRACT The aim of this study was to evaluate the effect of poultry carcasses compost in the production of green maize, submitted to increasing doses of organic fertilization and corresponding chemical fertilization. The experiment was outlined in randomized blocks with seven treatments and three repetitions: T1 (without fertilization); T2: Mg ha -1 ( ) Mg ha -1 Urea; T3: Mg ha -1 ( ) Mg ha -1 Urea; T4: Mg ha -1 ( ) Mg ha -1 Urea; T5: 4.3 Mg ha -1 of compost; T6: 8.6 Mg ha -1 of compost; T7: 17.2 Mg ha -1 of compost. The evaluated characteristics were: production of green maize (kg ha -1 ), height of plants and spikes (cm), weight of spikes with and without straw (g) and diameter and length of spikes (cm). For soil analisys the characteristics evaluated were: ph, Ca 2+, Mg 2+, CTC, K +, P, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 1

2 MO, V%. For leaves analysis, the parameters evaluated were: N, P, K +, Ca 2+, Mg 2+. The data were analyzed through the testing of Tukey average (P<0.05). The results demonstrated that the production of spikes with chemical fertilization was not statistical different from the organic fertilization, in relation to the level of K +. The treatment T4 showed statistical difference when compared to the others. The levels of P e Mg 2+ in the leaves for the different treatments presented statistical differences when compared to treatment T1. The results showed that the applications of high doses of chemical fertilizers and compost in total, do not presented statistical differences. The compost presents potential o be used in agriculture, showing the need of new studies to establish the best form and the amount to be applied. KEYWORDS: organic fertilization, mineral fertilization, residues Zea mays L. INTRODUÇÃO A crescente agroindustrialização do Sudoeste Goiano, onde se localiza a cidade de Mineiros, tem apresentado incrementos na produção de aves, especialmente o peru, apresentando excelentes índices de produção, e nos últimos três anos, com efetiva participação na balança de exportação para o mercado internacional, auxiliando o país para ser colocado no ranking dos maiores exportadores de aves entre os anos de 2007 e 2008, com aproximadamente 177 mil toneladas comercializadas (UBA, 2008). Ainda segundo dados divulgados pela UBA (2008) a produção brasileira anual de carne de peru alcançou 458 mil toneladas, o que significa aves abatidas no país, sendo que destas são abatidas no município de Mineiros, demonstrando a importância da região no cenário nacional. Esse elevado número de produção de aves, por outro lado apresenta uma mortalidade média prevista de 8% a 10%, significando a considerável soma de aves mortas por ano na região, representando uma mortalidade diária de 938 aves, e tal condição, torna a região, também, uma grande produtora dos diversos resíduos, dentre estes as carcaças de aves mortas, cama de aviário, resíduo de incubatório e lodo do abatedouro, que se não dispensada devida atenção representa ameaças iminentes ao meio ambiente. Neste sentido o composto de carcaças de aves, por seu considerável percentual de matéria orgânica e de elementos essenciais para as plantas, pode substituir, ainda que parcialmente, os fertilizantes minerais, reduzindo custos em culturas produzidas na propriedade ou por pequenos produtores rurais, tornando-se uma alternativa para produção das diversas culturas, devido o baixo custo deste material, desde que o mesmo passe por processos de compostagem. Nesse processo, os componentes organicos biodegradaveis passam por etapas sucessivas de transformação sobre ação de diversos grupos de microrganismos, resultando num processo bioquimico altamente complexo, o qual transforma o material decomposto em nutrientes disponíveis para as plantas, bem como, dependendo da característica do material, possibilita a destruição dos microorganismos patogenicos presente no composto (FERNANDES, 1999). Evidentemente que a utilização destes descartes como adubo, exige o manejo ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 2

3 correto do mesmo, sua aplicação no solo (dosagens adequadas), avaliações, físicas, químicas e biológicas, periódicas do solo. Assim OLIVEIRA et al. (2004) comenta que esse tipo de composto apresenta um período de maturação ao redor de 125 dias, para contribuir para uma eficiente produção de matéria seca de plantas de milho, bem como exige a aplicação de doses mais elevadas para a produção máxima da cultura. Fato este que deixa claro a importância do período de compostagem para a produção de um composto de alta qualidade. Podem inviabilizar um desempenho favorável a produção agrícola e na manutenção da fertilidade do solo, em função do desconhecimento dos envolvidos com o processo de produção, o que justifica estudos técnicos. Na compostagem de carcaça de animais mortos, as carcaças possuem grande quantidade de água e nitrogênio, porém apresentam uma relação muito pobre de carbono / nitrogênio. É esta relação que regula todo o processo de compostagem (KIEHL, 2004). Assim, para corrigir esta falha, é necessário adicionar algum tipo de material que seja rico em carbono para balançar a reação. Desta forma a composição do composto pode variar significativamente de uma compostagem para outra, devido a idade da cama de aves usada, o tipo de fonte de carbono (maravalha, casca de arroz) e a temperatura atingida durante a compostagem. Por isso, cada criador deve ter uma amostra do composto analisada para níveis de nitrogênio, fósforo e potássio, para ter sua aplicação nas diferentes culturas de modo adequado (PAIVA, 2004). Na região de Mineiros GO, a compostagem em granjas de produção de peru para engorda, o tempo requerido para alcançar a maturação do composto é de 90 dias, segundo recomendação da empresa que fomenta a criação de aves na região, por serem aves maiores que frango de corte ou poedeiras. Neste sentido, este trabalho tem como objetivo, avaliar o efeito do uso agrícola de composto de carcaça de aves na cultura de milho verde, conduzido sob NEOSSOLO QUARTZARÊNICO submetido a doses crescentes de adubação orgânica e química. METODOLOGIA O experimento foi realizado no Instituto de Ciências Agrárias das Faculdades Integradas de Mineiros, localizado na BR 364, km 312, município de Mineiros-GO, a 800 metros de altitude, ,14 S de latitude e ,85 O de longitude. O clima segundo a classificação de KÖPPEN (1948) é Aw com inverno seco e verão chuvoso, cuja temperatura média do mês mais frio (julho) é maior que 18 C. De acordo com classificação da Embrapa (1999), o solo da área experimental se apresenta como um NEOSSOLO QUARTZARÊNICO. Os resultados da análise química do solo anterior à aplicação dos tratamentos encontram-se na Tabela 1, a qual seguiu a metodologia de RAIJ ; QUAGGIO (1983). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 3

4 TABELA 1. Análise química do solo da área do experimento, antes da aplicação dos tratamentos e plantio do milho, Instituto de Ciências Agrárias FIMES, município de Mineiro-GO, 2008 Camadas ph MO P K Ca Mg H+Al CTC V (cm) CaCl 2 g/dm 3 mg/dm 3 Cmolc/dm 3 % ,0 19,0 2,0 26,0 1,2 0,3 4,0 5,6 28, ,3 24,0 2,0 33,0 2,3 0,5 3,3 6,1 46,3 ph: potencial hidrogenionico; MO: matéria orgânica; P: fósforo; K: potássio, Ca: cálcio; Mg: magnésio; H+Al: hidrogênio + alumínio; CTC: capacidade de troca de cátions; V: saturação por bases. O composto empregado oriundo de dois módulos de criação de peru da região foi obtido da mistura de compostos feitos a partir de aves mortas decompostas em maravalha (61,63% da mistura) e de aves decompostas em casca de arroz (38,37% da mistura). As características químicas dos diferentes compostos foram descritas na Tabela 2. As determinações foram realizadas no laboratório Exata, município de Jataí GO, valores estes utilizados para o cálculo da quantidade de composto ser aplicado à cultura para suprir as necessidades da mesma. TABELA 2. Caracterização química dos compostos de carcaça de peru, preparado com casca de arroz e maravalha, utilizados no experimento. Mineiros, 2008 Tipo de composto N P K Ca Mg S U MO C/N ph % 1,97 4,0 3,2 3,0 0,5 0, ,6 Casca de arroz Maravalha 1,84 1,30 0,3 0,93 0,05 0, ,9 N: Nitrogênio; P: fósforo; K: potássio; Ca: cálcio; Mg: magnésio, S: enxofre; U:umidade; MO: matéria orgânica; C/N: relação carbono/nitrogênio; ph: potencial hidrogeniônico. Utilizou-se de um delineamento experimental em blocos casualizados, com sete tratamentos e três repetições, sendo cada parcela constituída de cinco linhas de cinco metros, espaçadas de 0,8 m abrigando uma população total de 60 mil plantas por hectare. Para a coleta dos dados considerou-se as três linhas centrais, sendo a área útil da parcela 10 m 2. Para os resultados obtidos foram concebidos experimentos com doses crescentes de fertilizantes químicos e de composto de aves mortas, buscando fornecer quantidades equivalentes de N, P 2 O 5 e K 2 O, sendo aplicadas as doses de 0,81, 162 e 325 kg.ha -1 de N; 0,101, 201 e 402 kg.ha -1 de P 2 O 5; e 0,60, 121 e 242 kg.ha -1 de K 2 O, fornecidos apenas com fertilizantes químicos ou com composto de aves mortas. A adubação foi calculada conforme recomendações da Embrapa para cultura do milho verde levando em consideração a analise de solo (Tabela 1) e a quantidade de nutrientes nos compostos (Tabela 2), resultando nos sete tratamentos, sendo estes: T1 (sem adubação); T2: 402 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T3: 804 Kg ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 4

5 ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T4: Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto, sendo adubação orgânica antes da semeadura. A área do experimento, antes utilizada como pastagem de Brachiaria decumbens L, foi gradeada e nivelada, recebendo 2 Mg ha -1 de calcário (PRNT 74,84%), sendo este incorporado por gradagem para se obter uma saturação de bases de 60%, utilizando o método de saturação por bases recomendado por RAIJ et al. (1996). Além disso, antes do plantio, aplicou-se a lanço o composto nas doses estabelecidas, conforme resultado da analise do solo. O adubo químico foi aplicado manualmente a lanço, com posterior incorporação e a semeadura do milho híbrido AG 5011 foi realizada, utilizando régua de madeira perfurada a cada 20 cm, colocando-se duas sementes em cada orifício. Após a emergência da cultura realizou-se o desbaste deixando cinco sementes por metro, conforme recomendado por PEREIRA FILHO (2003). A avaliação nutricional das plantas foi realizada tomando como base a análise das folhas, coletadas quando 5% das espigas apresentavam inflorescência feminina, coletando de dez plantas, das três linhas centrais de cada parcela, a folha oposta e abaixo da espiga, que uma vez coletadas foram lavadas com água destilada e secas em estufa de circulação de ar a 70 0 C, até peso constante, e encaminhado para análise no laboratório da Universidade Federal de Goiás, Campus Jataí, conforme estabeleceu MALAVOLTA et. al. (1997). Com relação aos componentes de produção, avaliou-se a altura de plantas, a altura da primeira espiga e o numero de espigas por planta aos 90 dias após a emergência da cultura, em dez plantas da linha central, utilizando régua de madeira, medindo a planta do nível do solo até a inserção da folha bandeira conforme procedimentos recomendados por PAIVA JUNIOR (2001). Aos 120 dias da emergência da cultura, período da colheita das espigas de milho verde, retirou-se espigas das dez plantas da linha central sendo avaliado o comprimento das espigas despalhadas, diâmetro das espigas, peso das espigas com e sem palhas e produtividade. As propriedades químicas do solo foram analisadas através da amostragem do solo realizada aos 120 dias da emergência da cultura, logo após a colheita das espigas verdes. Nas proximidades de cada planta onde foram coletadas as folhas para analise foliar, foi retirado amostra de solo simples na camada de 0-20 cm de profundidade, coletando cinco sub-amostra para formar uma amostra composta por parcela. A análise estatística do experimento foi realizada segundo critérios metodológicos do programa SAEG (1998), versão 8.0, em um delineamento de blocos casualizados com sete tratamentos e três repetições. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias submetidas ao teste de Tukey a 5% de probabilidade quando constatada significância para determinada fonte de variação. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados permitiram observar que as doses de composto e fertilizante proporcionaram resultados diferentes nas características avaliadas. Assim, para o ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 5

6 Peso de Espiga com Palha (PEP) observa-se que o tratamento T4 (maior dose de adubação química) proporcionou o maior peso, sendo este superior aos demais, porém, diferente estatisticamente apenas do tratamento T1 (sem adubação), fato que demonstra que a aplicação das doses de fertilizantes utilizadas, bem como a forma de aplicação não proporcionou efeitos significativos entre si sobre os componentes de produção avaliados. Entretanto, nota-se que o aumento da dose aplicada, tanto do fertilizante químico, quanto do composto de aves mortas, proporcionaram aumentos de PEP, o que pode indicar potencial de utilização do composto, bem como a necessidade de se elevar a dose de fertilizantes químicos quando estes são aplicados a lanço e incorporados ao solo, conforme se nota na Tabela 3. TABELA 3. Valores médios dos componentes de produção da cultura de milho verde e teor de potássio (K + ) no solo cultivado com adubação química e orgânica em NEOSSOLO QUARTZARÊNICO no município de Mineiros GO TRATAMENTOS PEP PED PRED K + (g) (g) (kg ha -1 ) (mg/dm³) T1 156,5 B 101,5 B 6343,7 B 40,35 B T2 231,1 A 152,7 A 9545,1 A 46,05 B T3 223,5 AB 151,3 A 9458,4 A 45,04 B T4 240,9 A 156,4 A 9777,7 A 69,79 A T5 183,5 AB 118,9 AB 7434,0 AB 45,36 B T6 193,4 AB 125,7 AB 7857,6 AB 46,20 B T7 209,6 AB 139,8 AB 8739,5 AB 44,19 B Média Geral 205,5 135, CV% 11,5 12,7 12,7 15,4 DMS 67,9 49,2 3075,5 21,3 T1 (sem adubação); T2: 402 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T3: 804 kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T4: Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto; médias seguidas de mesma letra não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade; CV% = coeficiente de variação; DMS = diferença mínima significativa; PEP = peso da espiga com palha (g); PED = peso da espiga despalhada (g); PRED = produtividade de espiga despalhada (kg.ha -1 ). Em relação à Produção de Espigas Despalhadas (PED), a adubação química apresentou uma produtividade superior a dos tratamentos que utilizaram o composto de aves mortas, como fonte de nutrientes, embora não foram diferentes estatisticamente entre si. Os tratamentos com adubação química apresentaram produtividades superiores que seus correspondentes orgânicos, apesar desta não apresentar diferenças significativas. Assim observa-se que o tratamento T2 apresentou um incremento de produção de 28,40%, em comparação ao seu correspondente orgânico T5, o T3 20,36% em relação ao T6 e o T4 11,88% em relação ao T7, indicando que a disponibilidade de nutrientes à cultura dada pelo composto e pela forma de aplicação não foi adequada para a obtenção de produtividades mais ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 6

7 elevadas. A forma de aplicação, tanto na adubação orgânica quanto na adubação química (a lanço e incorporado), influenciou os resultados, pois apesar das elevadas doses de fertilizantes e composto de aves aplicados os incrementos em produção não foram significativos. Neste sentido o trabalho de GOMES et al. (2005) corrobora com esse raciocínio, pois os autores ao utilizarem composto confeccionado com restos de cultura de milho e esterco bovino, observaram que quando este adubo orgânico foi distribuído no sulco de semeadura, a produtividade de grãos de milho tendeu a ser maior comparativamente à distribuição a lanço. Com relação à produção de espigas verde despalhada CARDOSO et.al. (2004), utilizando adubação química, observaram uma produtividade média de 21 variedades, na ordem de 10,8 Mg ha -1 e três híbridos comerciais com média de 12,3Mg ha -1, superiores aos observados no tratamentos, indicando que as doses e forma de aplicação dos fertilizantes foram inadequadas para a obtenção de altas produtividades da cultura. Quanto à produtividade de espigas despalhadas foi possível observar que a maior dose de adubação química (T4) apresentou um aumento de 51,4% quando comparada com o tratamento sem adubação (T1), condição também verificada com adubação orgânica, embora em escala menor, na ordem de 37,5%. Os ganhos em produtividade do tratamento (T4) em relação ao seu equivalente em adubação orgânica (T7), foram de aproximadamente 11,7%, resultados diferentes dos encontrados por SILVA et al. (2002), os quais em trabalho conduzido em área de ensaio permanente, de adubação orgânica há 18 anos, apresentaram produção superior à obtida no sistema convencional. SANTOS et al. (2007) da mesma forma observaram que os rendimentos médios de espigas verdes sem palhas para o tratamento com composto foi superior aos rendimentos com adubação química, no entanto, os tratamentos que receberam composto orgânico, com a aplicação realizada no sulco de plantio. Portanto, embora seja observável o aumento de produção com a utilização do composto de aves mortas, enquanto fornecimento de nutrientes para a cultura do milho verde reconheceu-se a necessidade de estabelecer em primeiro lugar, a melhor forma de aplicação do composto, melhor época e melhor dose. Nesse sentido a forma de aplicação do adubo orgânico e do fertilizante químico (a lanço, com incorporação) proporcionou respostas favoráveis a aplicação, com incorporação de composto de aves mortas, comparada a adubação química que apresenta uma resposta positiva em produção até o valor de 12,2 Mg ha -1 de composto de aves mortas, o que equivale a utilização de 1,116 Mg ha -1 na fórmula de fertilizante ( ) + 0,375 Mg de uréia. Em relação aos teores de potássio (K + ) no solo, ao se analisar em números absolutos a Tabela 3 é possível afirmar que os diferentes tratamentos proporcionaram aumentos destes, em relação ao tratamento sem adubação (T1), considerados abaixo do nível critico estimado por VASCONCELOS et al. (2002), o qual delimita o nível critico para K disponível na cultura do milho verde entre 50 a 60 mg.kg -1 e, SOUSA & LOBATO (2004), indicam como nível adequado para solos com CTC > 4 cmolc.dm a 80 mg.dm -3, exceto o T4. Observa-se, portanto, que apenas a maior dose de adubação química (T4) proporcionou resultado superior aos demais tratamentos, apresentando-se diferente estatisticamente e, enquadrando o solo dentro da faixa adequado para o cultivo. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 7

8 O potássio, foi único elemento do solo com diferença estatística significativa entre os tratamentos, nota-se que o incremento no teor deste se deve a disponibilização imediata da totalidade do elemento contido no adubo químico, bem como no composto, pois, como comenta SCHERER & BALDISSERA (1994), esta disponibilidade ocorre toda no primeiro ano após sua aplicação. Para os tratamentos que utilizaram o composto não ocorreram aumentos consideráveis no teor de K no solo. Há ainda que considerar que a quantidade e forma com que o composto de aves mortas fora utilizada, embora não tenha proporcionado aumentos significativos nos teores de nutrientes no solo, possivelmente pela sua incompleta maturação, principalmente no composto com maravalha, que utilizada em maior proporção, apresentou ph menor que 8 e relação C/N final, superior a 20/1. SILVA et al. (2002), trabalhando com composto de lixo urbano, observaram que os melhores resultados na disponibilidade de nutrientes, foram obtidos quando o composto possuía ph acima de 7 e relação C/N menor que 15. Estes parâmetros devem ser levados em consideração com vistas a sua eficiência agronômica. Os dados relativos às variáveis (altura de planta, altura de inserção de espigas, diâmetro e comprimento de espigas despalhadas) apresentados na Tabela 4 não apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos, o que se assemelha a estudos apresentados por SILVA et al. (2004) na aplicação de esterco bovino. Em relação ao diâmetro e comprimento de espigas verdes despalhadas, a adubação orgânica apresentou valores similares, mesmo com a maior dose de adubação química, com uma oscilação não superior a 10% e inferior 7,8%. Quanto ao comprimento das espigas, mesmo com doses elevadas de adubação química não foram significantes, quando comparados com a adubação orgânica, portanto obteve-se resultados semelhantes aos apresentados por Silva et al.(2002) quando da associação de doses de adubo mineral + composto orgânico, revelando a capacidade de produção do sistema orgânico. TABELA 4. Valores médios dos componentes de produção da cultura de milho verde (Zea mays L), em Mineiros-GO Tratamentos AP AE DED CED NE (m) (m) (cm) (cm) T1 1,37 0,58 1 3,91 14,87 T2 1,67 0,80 1 4,52 15,87 T3 1,70 0,82 1 4,40 16,13 T4 1,72 0,82 1 4,42 15,50 T5 1,47 0,65 1 4,03 14,73 T6 1,51 0,63 1 4,13 14,97 T7 1,57 0,71 1 4,44 15,50 Média Geral 1,57 0,78 1 4,41 15,78 CV % (p>0,05) 12,8 19,7 6,8 4,5 T1 (sem adubação); T2: 402 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T3: 804 kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T4: Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto; AP = altura da planta (m); AE = altura da espiga (m); NE = número de espiga; DED = diâmetro da espiga despalhada (cm); CED = comprimento da espiga despalhada (cm); CV%: coeficiente de variação; p>0,05 não significativo pelo teste ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 8

9 de F. Outro fator a considerar, segundo dados apresentados na Tabela 5, são os atributos químicos do solo que não apresentaram alterações significativas, em se tratando de valores de ph, alumínio e magnésio, sendo os aumentos atribuídos a calagem homogênea realizada na área, fato auxiliar para a explicação dos resultados de produtividade obtidos. Apesar das doses de adubação química e orgânica proporcionarem aumentos nos teores de fósforo no solo, estes não resultaram em diferenças estatísticas. Deve-se destacar que para o elemento fósforo, a taxa de disponibilização no primeiro ano conferida por SCHERER & BALDISSERA (1994) é em torno de 60 % do teor total contido no composto. TABELA 5. Atributos químicos do solo NEOSSOLO QUARTZÊNICO cultivado com milho (Zea mays L), submetido a adubação química e composto de carcaça de peru TRATAMENTOS ph Ca 2+ Mg 2+ CTC K + P MO V H 2 0 Cmolc/dm 3 mg/dm³ g/kg % T1 6,5 A 2,6 A 1,0 A 5,2 A 40,3 B 1,0 A 22,0 A 73,3 A T2 6,7 A 2,7 A 1,0 A 5,0 A 46,0 B 1,4 A 23,0 A 82,5 A T3 6,6 A 2,5 A 1,0 A 5,0 A 45,0 B 1,2 A 24,0 A 74,4 A T4 6,4 A 2,6 A 1,0 A 5,1 A 69,8 A 3,2 A 24,0 A 84,5 A T5 6,7 A 2,7 A 1,0 A 4,7 A 45,4 B 1,7 A 26,0 A 82,8 A T6 6,6 A 2,8 A 1,0 A 4,8 A 46,2 B 1,8 A 24,0 A 84,4 A T7 6,5 A 2,8 A 1,0 A 4,9 A 44,2 B 2,6 A 23,0 A 84,0 A Média Geral 6,5 2,7 1,0 5,1 48,0 1,8 23,80 80,80 CV% 3,00 11,00 8,24 7,50 15,52 4,86 9,00 10,00 T1 (sem adubação); T2: 402 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T3: 804 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T4: Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto; ph: potencial hidrogeniônico; cálcio: (Ca 2+ ); magnésio: (Mg 2+ ); CTC: capacidade de troca de cátions; potássio: (K + ); fósforo: ( P); MO: matéria orgânica; V: saturação por bases. Médias seguidas de mesma letra, não diferem entre si, pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade; CV%: coeficiente de variação. Entretanto é possível observar na Tabela 6 que os teores de fósforo (P) na planta encontram-se dentro do limite considerado adequado, em ambos os tratamentos, apresentando efeito significativo para o acumulo de fósforo (P) na planta apenas em relação ao tratamento sem adubação, segundo parametros considerandos adequados por SOUZA & LOBATO (2004), indicando respostas às doses de fósforo aplicadas ao solo. Os teores médios de magnésio na folha apresentados na tabela 6. encontramse em nivel adequado para o desenvolvimento do milho,segundo SOUZA & LOBATO (2004), com exceção dos tratamentos T3 e T4. Observa-se que a adubação com o composto orgânico provocou redução no teor de Mg das plantas de milho fato também observado por RODRIGUES et. al (2009). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 9

10 TABELA 6. Valores médios dos teores de fósforos (P) e magnésio foliar (Mg 2+ ) da cultura do milho (Zea mays L) submetido a diferentes níveis de adubação orgânica e mineral, em Mineiros GO TRATAMENTOS P Mg 2+ g kg -1 T1 1,66 B 1,96 A T2 1,95 A 1,80 AB T3 1,87 AB 1,48 B T4 1,99 A 1,43 B T5 1,85 AB 1,90 A T6 1,90 AB 1,78 AB T7 1,93 A 1,76 AB Média Geral 1,87 1,73 CV% 4,8 8,2 DMS 0,2613 0,4086 T1 (sem adubação); T2: 402 Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T3: 804 kg ha -1 ( ) Kg.ha -1 Ureia; T4: Kg ha -1 ( ) Kg ha -1 Ureia; T5: 4,3 Mg ha -1 de composto; T6: 8,6 Mg ha -1 de composto; T7: 17,2 Mg ha -1 de composto; médias seguidas de mesma letra, não diferem entre si, pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade; CV%: coeficiente de variação; DMS = diferença mínima significativa; P = fósforo ; Mg 2+ = magnésio. CONCLUSÕES Mediante as informações apresentadas neste trabalho foi possível concluir que: O composto de aves mortas apresenta potencial para ser utilizado na agricultura, desde que estabelecida a melhor forma de aplicação bem como as quantidades a serem aplicadas. Além disso, estatisticamente os teores de nutrientes no solo e nas plantas não apresentaram variações significativas com os tratamentos utilizados. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARDOSO, M. J.; CARVALHO, H. W. L; RIBEIRO, V. Q. Avaliação preliminar de cultivares de milho para produção de espiga verde em sistema agrícola familiar. Revista Ciência Agronômica, v. 35, n.2, jul.-dez., 2004 EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília: Embrapa Produção da Informação. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, FERNANDES, F. Manual prático de compostagem de biossolidos. Londrina. PROSAB: UEL, Disponível em: < %20Compostagem.pdf> Acesso em 05 Mai GOMES, J. A.; SCAPIM, C. A. BRACCINI, A. L. E. Adubações Orgânica e Mineral, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 10

11 Produtividade do Milho e Características Físicas e Químicas de um Argissolo vermelho-amarelo. Acta Scientia Agronomica. Maringa, v. 27, n. 3, p , July/Sept., KIEHL, E. J. Manual de Compostagem. São Paulo, Ed. Piracicaba, 173 p KÖEPPEN, W. Climatologia: con um estúdio de los climas de la Tierra. México: Fondo de Cultura Economica, p. MALAVOLTA, E. VITTI, G.C.; OLIVEIRA, S.A. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 2.ed, Piracicaba: POTAFOS, OLIVEIRA, R. F. DE; TEIXEIRA, L.B.; JUNIOR, J.F.; JUNIOR, L.S.C.; GERMANO, V.L.C. Efeito de Composto Orgânico em Diferentes Estádios de Maturação na Produção de Matéria Seca de Milho. Belém: Embrapa Amazônia Oriental (Comunicado Técnico 106) PAIVA JÚNIOR, M. C. DE; VON PINHO, R. G.; VON PINHO, E. V. R.; RESENDE, S. G. DE. Desempenho de cultivares para a produção de milho verde em diferentes épocas e densidades de semeadura em Lavras - MG. Ciência e Agrotecnologia. Lavras, v. 25, n. 5, p , set./out PAIVA, D. P. DE. Guia para operar uma compostagem de aves mortas. Circular ANR-580, Alabama Cooperative Extension Service, Auburn University, Alabama USA: EMBRAPA, Disponível em: < Acesso em: 05 abr PEREIRA FILHO, I. A. O Cultivo do Milho-Verde. Embrapa Informação Tecnológica, Brasília-DF, RAIJ, B. VAN; QUAGGIO, J. A. Métodos de análise de solos para fins de fertilidade. Campinas: IAC, p. (IAC. Boletim Técnico 81). RAIJ. B. Van.; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J. A.; FURLANI, A. M. C. Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2 ed. Campinas: IAC, 285p, (Boletim técnico 100). RODRIGUES, P. N. F.; ROLIM. M. M.; NETO, E. B.; PEDROSA. E.M.R.; OLIVEIRA, V. S. Crescimento e composição mineral do milho em função da compactação do solo e da aplicação de composto orgânico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Campina Grande, v. 13, n. 1, feb SAEG - Sistema de análises estatísticas e genéticas. Versão 8.0. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa-MG: p. (Manual do usuário). SANTOS, I. C.; MENDES, F. F.; MIRANDA, G. V.; GALVÃO, J.C.C.; OLIVEIRA,L.R.; SOUZA, L.V.DE.; GUIMARÃES, L.J.M.; FONTANÉTTI,A.; FALUBA, J. S. Avaliação ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 11

12 de Cultivares para Produção Orgânica de Milho-Verde e Grãos em Consorciação com Mucuna Anã. In: Congresso Brasileiro de Agroecologia. Resumo expandido. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.1, fev Disponível em: <www6. ufrgs.br/seeragroecologia/ojs/include/getdoc.php?id=2510&article=714&mode=pdf> Acesso em 02 fev SCHERER, E. E.; BALDISSERA, I. T. Aproveitamento dos dejetos de suínos como fertilizante. In: Dia de Campo sobre manejo e utilização de dejetos de suínos, 1994, Concórdia-SC. p (EMBRAPA CNPSA Documento 32). SILVA, E. C.; GALVÃO, J. C. C.; MIRANDA, G. V. Produção de milho verde em sistemas de cultivo orgânico e convencional na região de Viçosa-MG Disponível em: < Acesso em 05 mai. de SILVA, J.; LIMA E SILVA, P.S.; OLIVEIRA, M.; BARBOSA E SILVA, K.M. Efeito de esterco bovino sobre os rendimentos de espigas verdes e de grãos de milho. Horticultura Brasileira, Brasília, v.22, n.2, p , abr.-jun SOUSA, D.M; LOBATO, E. Cerrado: Correção do solo e adubação. 2 ed. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas, UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA, UBA Relatório anual 2007/2008. Brasília: Atalaia. Disponível em: < Acesso em 20 Nov VASCONCELLOS, C. A.; PEREIRA FILHO, I.A.; CRUZ, J.C. Adubação para milho verde. Sete Lagoas: EMBRAPA, (Circular técnica 17) ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.12; 2011 Pág. 12

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES

ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES ALTERAÇÕES QUÍMICAS DO SOLO E RENDIMENTO DE MILHO VERDE APÓS APLICAÇÃO DE COMPOSTAGEM DE CARCAÇA DE AVES Pohlmann, R.A.C.* 1 ; Paulino, H.B. 2 ; Portugal, A.F. 3 ; Fernandes, M.S. 4 1 Mestranda da UFG

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4 EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE CAMA DE FRANGO POR DOIS ANOS CONSECUTIVOS NA CONDIÇAO QUÍMICA DO SOLO E OBTENÇÃO DE MATÉRIA SECA EM Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Portugal, A. F.²*; Ribeiro,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV.

EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. EFEITOS DO USO DE CAMA DE FRANGO ASSOCIADA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NO ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MARANDU Vilela, L.A.F.³; Portugal, A.F.²*; Carballal, M.R¹; Ribeiro, D.O.³,

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO GOMES, Onélio Marcos Teston Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica da FAEF-Garça-SP nelio_agro@ibest.com.br

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Absorção de Macronutrientes pela Cultura do Milho sobre Diferentes Wander Luis Barbosa Borges 1,7, Rogério Soares

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 STROJAKI, T. V. 2 ; MORAES, M. T. 2 ; ARNUTI, F. 2 ; TREVISOL, G. 2 ; JANDREY, W. F. 2 ; CANCIAN, L. C. 2 ; PESSOTTO, P. P. 2 ; SILVA, V. R. da 3

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar

Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar Crescimento de milho fertilizado com manipueira aplicada via foliar Narcísio Cabral de Araújo 1, Thiago Costa Ferreira 2, Suenildo Jósemo Costa Oliveira 2, Abílio José Procópio Queiroz 1, Vera Lúcia Antunes

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA

COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS GERADOS NA EMBRAPA RORAIMA Teresinha Costa Silveira de Albuquerque 1 ; Rita de Cássia Pompeu de Sousa 2 ; Clara Lúcia Silva Figueiredo 3 ; Suelma Damasceno Oliveira Costa

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico.

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Teixeira, W. G. (1), Matteucci, M. B. A. (2), Malta, C. G. (1), Barbosa, S. C. (1) e Leandro, W. M.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP FERREIRA, Renato de Araújo renato_a_f@hotmail.com GIACOMETTI,

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max.

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max. RENDIMENTO DE SOJA (GLICINE MAX) SUBMETIDO A SUBISTITUIÇÃO DO ADUBO QUIMICO POR CAMA DE PERU Leonardo Citelli Dias 1, Rejane Aparecida de Carvalho Pohlmann 1 Egresso do Curso de Agronomia UNIFIMES, Rua

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos 96 Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos Paulo Afonso Pires 1, Franciele Moreira Gonçalves 2 Jessica da Silva Santos 2 e Rerison Catarino da Hora 2 1 Faculdade

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dejetos e resíduos de origem animal como alternativa na adubação de feijão irrigado Lilian Christian Domingues de Souza 1, Alício

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO

TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO TEORES FOLIARES DE N, P E K EM MELANCIA FERTIRRIGADA COM DOSES DE NITROGÊNIO E FÓSFORO M. S. Souza 1 ; J. F. de Medeiros 2 ; S. W. P. Chaves 2 ; M. V. T. Silva 3 ; O. M. P. Silva 4 ; A. P. F. Santos 4

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Área: Solos e Nutrição de Plantas EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Paulo Cássio Aves

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aplicação de adubo em milho verde orgânico irrigado

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aplicação de adubo em milho verde orgânico irrigado PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Aplicação de adubo em milho verde orgânico irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina Belmiro dos Santos 2, Lilian

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil SILVEIRA, P. M.; STONE, L. F. PROFUNDIDADE DE AMOSTRAGEM DO SOLO SOB PLANTIO DIRETO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade.

Palavras-Chave: Tratamento de resíduos sólidos orgânicos; adubo orgânico, sustentabilidade. GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS GERADOS NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ATRAVÉS DO USO DA COMPOSTAGEM TERMOFÍLICA EM LEIRA ESTÁTICA COM AERAÇÃO NATURAL. Jéssica Lopes Piesanti

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA E DE ABASTECIMENTO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO FOSFATADA EM PLANTAS DE PINHÃO MANSO A. S. Silva 1 ; L. T. Souto Filho 1 ; M. F. Mendonça 1 ; P. G. Leite 2 ; F. V. da Silva 3 ; R.

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Distância Entre as Linhas da Cultura e o Renque de Eucalipto Sobre o Rendimento de Grãos e Forragem do

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA

RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006. 2. Projeto: PRODUTO ORGANOMINERAL VITAN NA PRODUÇÃO DE BATATA 1 RELATÓRIO PROJETO DE ATIVIDADE DE PESQUISA Nº 021/2006 1 Solicitante: Associação Brasileira da Batata ABBA Rua Vergílio de Rezende, 705 CEP: 18.201-030 Itapetininga/SP E-mail: aaatata@uol.com.r 2. Projeto:

Leia mais

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ /,-----------. (c;) EM.PRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECuARIA EMBRAPA ~ Vinculada ao M'nisté,io da Ag,iculMa ~., CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA - CNPSo Rodovia Carlos João Slrass (Londrina/Warta)

Leia mais