Prof. Alexandre Laurindo Fernandes. Unidade I LOGÍSTICA NO COMÉRCIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Alexandre Laurindo Fernandes. Unidade I LOGÍSTICA NO COMÉRCIO"

Transcrição

1 Prof. Alexandre Laurindo Fernandes Unidade I LOGÍSTICA NO COMÉRCIO ELETRÔNICO

2 Princípios do funcionamento do comércio eletrônico Conceito de comércio O comércio envolve a troca de bens e serviços por dinheiro e é uma prática antiga que passou por várias etapas de evolução.

3 Síntese da evolução do comércio eletrônico Escambo. Armazém geral. Comercialização por catálogo. Lojas especializadas. Lojas de departamento. Supermercados. Shopping center. Lojas de desconto. Outlets. t Comércio eletrônico.

4 Tipos de comércio Escambo: troca de mercadoria por outra mercadoria. Não envolvia dinheiro. Armazém geral: devido ao aumento gigantesco do número de mercadorias comercializadas no período colonial, os armazéns gerais surgiram com as seguintes práticas: comercialização básica com dinheiro; produtos básicos; encomendas de clientes; produtos estocados; sem qualidade e/ou variedade; produtos em pontos estratégicos.

5 Tipos de comércio Comercialização por catálogo: Montgomery Ward 1972 Richard Sears 1886 Ambas com ponto forte na centralização dos estoques em locais estratégicos, cujas vantagens e desvantagens da centralização foram: rapidez na distribuição das mercadorias; maior variedade de tipos, marcas e tamanhos; redução nos preços; devolução do dinheiro em caso de insatisfação.

6 Tipos de comércio Lojas especializadas: surgiram para atender o crescimento de demanda e sofisticação exigida pelos consumidores e tinham uma linha específica de produtos. Nesse modelo, havia a precisão de suprir determinadas necessidades de um grupo de clientes e, assim, essas lojas se especializavam unicamente em roupas, calçados ou móveis, por exemplo.

7 Tipos de comércio Lojas de departamentos: se tornaram populares no início do século XX por estarem localizadas, geralmente, nos grandes centros e colocarem à disposição dos consumidores, em um único prédio, diversos departamentos especializados em produtos como eletrodomésticos, roupas etc.

8 Tipos de comércio Supermercados: surgiram na década de 1950 com o conceito de autosserviço. Nessa época, ampliaram o acesso a geladeiras e carros. Inicialmente, os supermercados abrangiam a venda de alimentos, porém logo ampliaram seu escopo para roupas, artigos de higiene, eletrodomésticos, louças etc., o que permitiu a criação de um centro de vendas, com a vantagem de que geralmente ele estava situado em um local estratégico.

9 Tipos de comércio Devido ao grande consumo, os supermercados passaram a comprar em grandes quantidades e ter mais poder de negociação, tirando o poder do fabricante para os varejistas.

10 Tipos de comércio Shopping centers: união, em um mesmo espaço, de lojas especializadas, estacionamento, bancos, praça de alimentação, cinemas etc.; facilitando a vida do consumidor e oferecendo-lhe conforto e segurança. Toda essa estrutura ampliava o custo de comercialização e fazia com que as mercadorias disponíveis nesse tipo de varejo fossem mais caras, o que colocava barreiras no acesso de pessoas com menor poder aquisitivo aos shopping centers.

11 Tipos de comércio Com o custo mais elevado nos shoppings e nas lojas de departamento, a competição gerou outro conceito de varejo.

12 Tipos de comércio Lojas de desconto: nelas, além de não haver uma preocupação com as instalações ou com o acabamento dos prédios, a especialização é normalmente em apenas um segmento de produtos, como roupas, sapatos, móveis etc. Além disso, suas instalações são baseadas em custos mais baixos. Outlets: com o conceito de vender a um custo mais baixo, pelo fato de serem basicamente operados pelos fabricantes, permitem um contato direto destes com os consumidores finais, o que ajuda a conhecer suas necessidades e orientar melhor o negócio em função delas.

13 Tipos de comércio Importante!! O surgimento de uma nova modalidade não significa o desaparecimento da anterior, mostra sim a tendência, o que o consumidor está procurando com mais frequência nos dias de hoje. Podemos ver que todas as modalidades de comércio existem atualmente, talvez com características diferentes. Vamos avaliar se isso é verdade??

14 Tipos de comércio Escambo: feiras do rolo em algumas cidades. Comercialização por catálogo: Avon, Natura, entre outras. Lojas de departamentos: C&A, Renner, Daslu. Lojas especializadas: Centauro, Ikesaki. Supermercados: atuais hipermercados. Shopping centers: centros de lazer. Lojas de descontos e outlets: artigos de grife baratos. Sucesso nos EUA.

15 Interatividade Qual é o tipo de comércio que é, basicamente, operado pelos fabricantes? a) Shopping centers. b) Lojas de departamentos. c) Lojas especializadas. d) Outlets. e) Armazém geral.

16 Comércio eletrônico Principais conceitos Segundo Bertaglia (2006) e Albertin (2010): O comércio eletrônico é um meio pelo qual as empresas podem se relacionar comercialmente com seus fornecedores, clientes e consumidores em uma escala global, através da tecnologia de informação. (BERTAGLIA, 2006, p. 196) O comércio eletrônico é a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócio num ambiente eletrônico por meio da aplicação intensa das tecnologias de comunicação e de informação, atendendo aos objetivos de negócio. (ALBERTIN, 2010, p. 3)

17 Internet Com a expansão da banda larga no Brasil, deu-se início a milhares de compradores virtuais. Comprar matéria-prima, peças de reposição, material de escritório e até mesmo determinados serviços se tornou muito mais seguro, rápido e eficiente com a utilização da internet. Com ela, pode-se fazer a cotação de produtos com um vasto número de empresas, tirar dúvidas e ver imagens e vídeos explicativos dos itens comprados, o que acaba por eliminar a necessidade de receber a visita de um fornecedor.

18 Transação eletrônica Para Bertaglia, a transação eletrônica permite que as companhias sejam mais produtivas e flexíveis, respondam mais rapidamente às necessidades dos clientes e trabalhem de forma mais próxima aos fornecedores. Os processos de compra via internet podem ser realizados parcial ou completamente, incluindo neles a transação negócio a negócio (B2B), negócio a consumidor (B2C) e intraorganizacional (C2C), com infraestrutura pública de fácil acesso e baixo custo.

19 Transações eletrônicas Três definições de e-commerce segundo os autores Kalakota e Whinston (1997): Do ponto de vista da comunicação: entrega da informação, dos produtos e dos serviços ou dos pagamentos feitos por meio de linhas telefônicas, redes de computadores ou qualquer outro meio eletrônico. Do ponto de vista do processo do negócio: aplicação de tecnologia para a automação de transações de negócios e de fluxo de dados.

20 Transações eletrônicas Do ponto de vista de serviços: diz respeito às facilidades proporcionadas pelas transações de comércio eletrônico, tais como troca de informação ágil e segura, integração de dados entre empresa e cliente, atuação em áreas geográficas maiores. Obs.: toda essa troca de informação pode ser feita através de um Sistema de Gestão Empresarial (ERP) utilizando um PDA.

21 Características do comércio eletrônico Algumas vantagens do comércio eletrônico: permite conexão direta entre compradores e vendedores; facilita a troca de informações entre os envolvidos na transação; elimina a limitação de tempo e lugar; adapta-se ao comportamento do cliente; é atualizado em tempo real.

22 Características do comércio eletrônico Objetivos das empresas nesse processo: Os objetivos das organizações que adquirem e adotam estruturas para atuar no comércio eletrônico são, dentre outros: melhor desempenho financeiro; ampliação do poder de competição; redução de estoques; redução dos custos de produção; suprimento das necessidades dos clientes; atendimento das mudanças globais.

23 Características do comércio eletrônico Connoly (1997) aponta que o comércio eletrônico é mais do que apenas a operação de troca de mercadorias por dinheiro. Ele deve incluir e estar fortemente embasado em pesquisa, segurança, desenvolvimento, marketing, criptografia, moedas de pagamento eletrônico, negociação, venda e suporte; pois, se não for seguro, eficiente e ágil, ele não atrai clientes. As empresas que decidirem adotar o e- commerce devem ter uma visão muito clara do que pretendem, isso porque, de uma forma geral, o mercado ainda não sabe como atuar nessa modalidade de comércio para economizar dinheiro e aumentar seus lucros.

24 A logística e o papel do comércio eletrônico Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e as informações associadas, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente (Council of supply chain, Management Professional, s.d.). Essa definição está certa, porém ela deve ser repensada frente ao e- commerce, que trouxe mudanças fundamentais nas áreas de planejamento e prestação de serviços.

25 Comércio eletrônico Alguns dos serviços que sofreram mudanças frente às vendas eletrônicas: Empacotamento; Armazenagem; Separação; Distribuição; Transporte Análise de crédito; Outros serviços financeiros.

26 Tipos de e-commerce EDI Eletronic Data Interchange É a transferência eletrônica de dados (padronizados) entre os computadores das empresas participantes para facilitar a comunicação global. Iniciado nos EUA na década de 1980, nos segmentos de varejo e transportes, expandindo-se para outros segmentos e trouxe grandes benefícios percebidos cotidianamente. Seu diferencial de atuação é conectar todos os envolvidos na transação e permitir o intercâmbio automático de dados.

27 Tipos de e-commerce EDI Eletronic Data Interchange Ele é fundamental para a prática da filosofia Just In Time (JIT). Das mil maiores empresas norte- americanas, 95% delas o utilizam. Provê segurança, recuperação de informação, registro de erros e serviços de auditoria e de apoio aos clientes. Só não é usado com maior amplitude pelo seu custo elevado de implantação, ficando, assim, restrito à utilização entre empresas. Ex.: farmácias.

28 Interatividade Podemos considerar características do e- commerce: a) Conexão entre computador e vendedor. b) Atualização em tempo real. c) Adaptação ao comportamento do cliente. d) A, B e C são verdadeiras. e) NDA.

29 Tipos de e-commerce Realizado há mais de 20 anos, o comércio eletrônico se desdobra em alguns tipos. O mais utilizado é o de transferência eletrônica de dados e os mais conhecidos são: Business to Business (B2B); Business to Consumer (B2C); Consumer to Consumer (C2C).

30 B2B Business to Business O modelo Business to Business B2B (empresa para empresa) é aquele no qual o comércio é praticado entre empresas e pessoas jurídicas. Nesse modelo, as empresas fornecedoras desenvolvem sites através dos quais as empresas clientes podem obter e trocar informações com os fornecedores e adquirir produtos ou serviços. Esse tipo de comunicação é fechada, cara e exclusiva. Vamos ver como funciona...

31 Estágios do B2B 1 o momento: feitas, exclusivamente, por EDI grandes empresas compradores com seus fornecedores de maior porte. Ex.: grandes redes varejistas e indústria automotiva. 2 o momento: em busca de popularização centralização em fornecedores com sites já abertos na internet. O resultado que era para ser apenas divulgação da empresa e dos produtos, passou a ser de vendas na web. 3 o momento: as empresas compradoras no e- commerce B2B passaram a se preocupar com o processo do negócio ao longo da cadeia de suprimento.

32 Estágios do B2B 4 o momento: surgem mais intermediários horizontais no processo de comercialização B2B. Com o intuito de oferecer facilidades, muitos sites procuraram reduzir a ineficiência de empresas já instaladas. 5 o momento: as soluções verticais passaram a ser enfatizadas, com o objetivo de agilizar as transações ao longo de uma cadeia de suprimentos, o que resultou em vantagens econômicas a todos os participantes. Em resumo, esse tipo de transação se baseia em baixos lucros e em grandes volumes transacionados.

33 B2C Business to consumer O B2C é uma transação eletrônica que ocorre entre uma empresa (pessoa jurídica) e um cliente (pessoa física). Mercado altamente competitivo, em que a maioria das empresas que vendem pela internet não tem tanto sucesso, ocasionando abertura e fechamento de empresas diariamente. Ocasionou mudança na forma de consumo dos produtos, transformando a estrutura das lojas (mais envio que lojas físicas). Mudança na forma de comercialização de jornais, revistas, músicas, vídeos: clientes se informam, escutam músicas e assistem a vídeos pela internet.

34 B2C Business to consumer Fatores importantes: Em 2009, o Brasil representou cerca de 25% do montante faturado no mundo. Essa marca só não foi e não está sendo maior devido a alguns fatores: erros e atrasos na entrega; falta de seriedade; conhecimento do funcionamento de uma empresa pontocom ; barreiras de segurança e psicológica; lentidão e dificuldade nos ressarcimentos. Ex.: política para crimes virtuais inexistentes.

35 C2C Consumer to consumer O C2C é uma modalidade de relação comercial na qual a transação é realizada entre duas pessoas físicas, em que um consumidor, na condição de pessoa física, divulga um produto ou serviço na internet e, quem apresentar interesse, entra em contato para comprá-lo. Essa operação é pautada pela confiança no relacionamento, já que não envolve empresas. Contudo, os sites que fomentam o e-commerce C2C estão cada vez mais dinâmicos, confiáveis e seguros. Ex.: Mercado livre, Primeira mão e Que barato.

36 M-Commerce Mobile commerce O m-commerce é um modelo de comércio realizado por telefones celulares, iphones, ipads etc. Podemos chamar de m-commerce qualquer transação que envolva dinheiro e seja conduzida por meio de uma rede de comunicação móvel; assim, o comércio eletrônico móvel é um subconjunto do comércio eletrônico geral e envolve tanto transações B2B quanto B2C. Devido à necessidade atual ser a mobilidade, ou seja, na vida atual temos de ter conectividade permanente, seja na vida pessoal ou profissional, em tempo e em qualquer lugar.

37 M-Commerce Divisão O m-commerce está dividido em 3 categorias: Venda de produtos e serviços: é uma operação na qual o vendedor utiliza seu celular ou iphone com a função de um PDA para ter acesso aos estoques da empresa e responder imediatamente aos questionamentos do cliente visitado. Se necessário, o vendedor até mesmo reserva os lotes pelo aparelho e efetua a venda, impossibilitando que o material em estoque seja vendido a outro cliente por outro vendedor.

38 M-Commerce Divisão Prestação de serviços: importante para melhorar a prestação de serviços públicos e privados. Pode-se utilizar um celular inteligente para fazer solicitações e buscar informações importantes na solução de problemas. Ao valer-se do celular, tem-se a vantagem de que ele é diretamente direcionado ao cliente. Esse tipo de marketing evitaria situações como o recebimento de propagandas equívocas, muito comum em mailings. Ex.: Viagra, silicone.

39 M-Commerce Mobile commerce Apoio logístico: a mobilidade pode facilitar as operações dos envolvidos em determinado negócio, interligando a cadeia logística de maneira eficiente e tornando-a mais segura. Situação: cooperativa de soja cuja agenda está no campo e programa a colheita e o transporte de soja para exportação. Precisa reservar 5 vagões de trem para o deslocamento até o porto de embarque e para isso utiliza-se do celular, acionando o computador central da ferroviária, digitando sua demanda para o período necessário.

40 M-Commerce Sua solicitação é respondida com a indicação da disponibilidade de vagões na rota e no dia desejados e também com a disponibilidade nos dias próximos, tudo com a informação dos respectivos preços. Assim, o agente faz a escolha e a reserva dos vagões sem falar diretamente com nenhuma pessoa. Obs.: como a internet é uma riquíssima fonte de captação de clientes, a divulgação de informações de produtos e serviços via celular é cada vez mais comum.

41 Interatividade Qual o nome dado à transação eletrônica que ocorre entre uma empresa (pessoa jurídica) e um cliente (pessoa física): a) B2C. b) B2B. c) C2C. d) EDI. e) NDA.

42 Estrutura do comércio eletrônico A aplicação do comércio eletrônico se dá com base na tecnologia já existente, constituída por uma infinidade de computadores, redes de comunicações e softwares de comunicação, formando o que é chamado de infovia. Conjunto de meios pelos quais trafegam as informações eletrônicas, ou seja, textos, sons, imagens etc., a infovia é descentralizada e pode estar baseada em telefones, televisores, na internet, dentre outros. Ela pode ser vista como a base completa para prover o sistema de comunicação ao longo do qual todo o comércio eletrônico transitará.

43 Estrutura do comércio eletrônico Dentro dessa estrutura, o comércio eletrônico é construído basicamente sobre dois pilares indispensáveis ao seu funcionamento: Políticas públicas: devem propor acesso universal, oferecer segurança e privacidade e criar condições para que os preços sejam atraentes e justos, pois, caso contrário, os valores inacessíveis irão gerar exclusão digital. Padrões técnicos: deve-se pensar na natureza da publicação da informação, nas interfaces de usuários, no transporte e na compatibilidade da rede como um todo. A velocidade da informação também é outro ponto importante a ser verificado.

44 Estrutura do comércio eletrônico Tipos de convergência tecnológica: Convergência de conteúdo: transforma todos os tipos de conteúdo de informação, como livros, documentos de negócios, vídeos, filmes e músicas, em informações digitais. Convergência de transmissão: tem o papel de comprimir e armazenar informações digitalizadas para que elas possam viajar pelos fios de telefone e cabos existentes. Convergência de meios de acesso à informação: acesso por computador, televisão, telefone, fax, modem, monitores de vídeos internos, entre outros.

45 Estrutura do comércio eletrônico Modelos Funcionalidades no modelo B2B: Denominadas de categoria de transações de ligação de mercado, em que os negócios, os governos e outras organizações necessitam de comunicação computador a computador como uma maneira rápida, econômica e segura de conduzir as transações, que incluem em seu processo EDI e correio eletrônico para a compra de mercadorias, acesso a informações, consulta de serviços e envio e recebimento de propostas. Ex.: portal de negócio B2B.

46 Estrutura do comércio eletrônico Modelos Funcionalidades no modelo B2C: Denominadas de categoria de transação de mercado, em que os clientes aprendem sobre os produtos por meio de uma publicação via internet e realizam a compra on-line, principalmente, por meio de sistemas eletrônicos de pagamentos seguros. Funcionalidades no modelo C2C: Denominadas de categoria de transações dirigidas ao mercado, é a troca de informações entre os departamentos de uma empresa, para que assim todos possam acompanhar e tomar decisões.

47 Estrutura do comércio eletrônico Modelos Funcionalidades do e-commerce: 4 modelos bastantes utilizados: gerenciamento de finanças e home banking; home shopping; home entertainment; microtransações de informação.

48 Estrutura do comércio eletrônico Sinais eletrônicos: São os responsáveis por tornar a transação via e-commerce segura e flexível e atender as necessidades de todos os envolvidos. Eles são estruturados de várias formas com analogias eletrônicas e se apoiam em bancos ou instituições financeiras. Tipos de sinais eletrônicos: dinheiro ou em tempo real (e-cash); em débito ou em pré-pagamento; pagamento; em crédito ou em pós-pagamento.

49 Estrutura do comércio eletrônico Internet: Não podemos falar de comércio eletrônico sem falar da internet, cujo nome surgiu da junção de duas palavras: interconnected e network, que significam rede interconectada e designam a rede mundial pública de computadores interligados por cabos ou tecnologias sem fio. Estrutura da rede: Para a conexão, são necessários os seguintes componentes: servidor, cliente, intranet, extranet, entre outros.

50 O comércio eletrônico nas empresas As empresas ainda estão em fase de transição e deixam de utilizar as tecnologias de informação e comunicação simplesmente como um fator para a evolução do ambiente social e empresarial e passam a utilizá-las las com todo seu poder revolucionário. As empresas que melhor se adequarem a essas necessidades tirarão maiores retornos do mundo dos negócios na era da venda eletrônica.

51 Negócios na era digital Modelos: Segundo Ticoll, Lowy e Kalakota (1998), apresentam quatro desses modelos existentes no novo ambiente digital: mercado aberto, agregação, cadeia de valor e aliança. Mercado aberto: intercomunicação dos participantes do ambiente empresarial e social de forma fácil, livre e a custos reduzidos, sem intermediação de comunicação eletrônica. Agregação: se diferencia do mercado aberto por não ser visto como autoorganizado, pois sofre interferência do agregador.

52 Negócios na era digital Cadeia de valor: existe a necessidade de integração ampla e intensa de vários parceiros de negócios para a realização dos processos da cadeia de valor, o que permitiria maior flexibilidade e adequação de recursos. Aliança: criação de espaço de valor, em que produtores, fornecedores, clientes e consumidores podem realizar seus vários processos de negócios da forma mais livre possível, utilizando todos os componentes desse espaço.

53 Dicas importantes Gestor logístico: Necessidades no CE: modelo tradicional, porém com especificidades. Análise do negócio: visão ampla dos negócios (clientes, hábitos, onde estão, concorrentes como trabalham, fornecedores). Investimento na infraestrutura de comunicação e informação. Parceria em negócios: relacionamento estreito entre quem vende, quem entrega, sistema de pagamento etc.

54 Interatividade As categoria de transações dirigidas ao mercado são funcionalidades no modelo: a) B2B. b) B2C. c) C2C. d) A e B estão corretas. e) NDA.

55 ATÉ A PRÓXIMA!

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Portal Utilizado com a evolução das intranets, possibilitam a identificação, e

Portal Utilizado com a evolução das intranets, possibilitam a identificação, e Sistemas de Informação Utilizando Recursos Web Web Economia Uma revolução nas regras de negócios E business Se, em primeiro momento, a grande maioria das empresas entrou na rede apenas para marcar presença

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL O SIAC é a solução integrada de automação comercial da Itautec para frente de loja. Um sistema que integra toda a área de vendas, fazendo com que a loja trabalhe

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 01 Visão Geral

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 01 Visão Geral Sistemas web e comércio eletrônico Aula 01 Visão Geral Professor: Cristiano Mariotti Mestre em Ciências em Sistemas Computacionais http://www.mscmariotti.pro.br Contato: professor@mscmariotti.pro.br Tópicos

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre E-COMMERCE x E-BUSINESS E-COMMERCE processos pelos quais consumidores, fornecedores e

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

1 o. Fórum MOBILE + M-COMMERCE. Soluções B2C e B2B. Mauro Faccioni Filho. Fazion Sistemas. www.fazion.com.br

1 o. Fórum MOBILE + M-COMMERCE. Soluções B2C e B2B. Mauro Faccioni Filho. Fazion Sistemas. www.fazion.com.br M-COMMERCE Soluções B2C e B2B Mauro Faccioni Filho Fazion Sistemas www.fazion.com.br Sobre a Fazion A FAZION foi fundada em 2006, com foco no ambiente corporativo. Desenvolve inteligência em mobilidade,

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

EZO Soluções Interativas

EZO Soluções Interativas EZO Soluções Interativas 01. Conceito sobre a EZO A EZO Soluções Interativas surgiu no ano de 2006 com o foco no desenvolvimento de soluções e tecnologias que aproximassem as pessoas. Em 08 anos conseguimos

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 13 E-commerce Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons 15 de Outubro

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções

, diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções , diferente é gerar praticidade, desenvolvendo soluções A UniSolution atua na área de consultoria e desenvolvimento de sistemas desde 1995, atendendo clientes do segmento industria, comércio e prestadores

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais