AS ENERGIAS RENOVÁVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ENERGIAS RENOVÁVEIS"

Transcrição

1 AS ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO DA ENERGIA SOLAR EM ENERGIA ELÉTRICA Equipa 1M06_2: André C. Martins Jaime S. Correia José M. Martins Mariana S. Casalta Miguel S. Ribeiro Supervisor: Abílio de Jesus Monitor: Rúben Madureira MIEM

2 Sumário Objetivos I. O que são e quais são as II. Qual o seu funcionamento? III. Vantagens e desvantagens I. O que são e quais são as a) Concentradores Estacionários b) Concentradores Parabólicos c) Diferentes tipos de concentradores II. III. Qual o seu funcionamento? Vantagens e desvantagens MIEM - 1M06_2 2016/

3 Objetivos suas Compreender o que são fontes de energia renováveis e fontes de energia não renováveis, tal como saber as limitações e as mais valias que apresentam; Conhecer o funcionamento dos painéis solares fotovoltaicos e dos concentradores solares; Estabelecer um contraste entre as vantagens e desvantagens dos dois tipos de dispositivos. MIEM - 1M06_2 2016/

4 Energias suas Renováveis Exs.: energia solar, das ondas e das marés, hídrica, eólica, da biomassa, geotérmica e o biogás. Não Renováveis Exs.: combustíveis fósseis, como o carvão, o petróleo e o gás natural, bem como o urânio. MIEM - 1M06_2 2016/

5 Energia solar Energia elétrica pode ser convertida em suas MIEM - 1M06_2 2016/

6 suas Fig.1. Fig.2 Concentrador Solar. MIEM - 1M06_2 2016/

7 I. O que são e quais são as suas Conversão de energia solar em energia elétrica (eletricidade); Compostos por células fotovoltaicas (constituídas por silício cristalino e arsenito de gálio). MIEM - 1M06_2 2016/

8 II. Qual o seu funcionamento? Radiação solar incide na célula Efeito fotovoltaico Fotões e célula Atravessam São São refletidos absorvidos suas Campo Elétrico gerado pelas camadas de silício Tipo P para o tipo N CORRENTE ELÉTRICA Fig. 3 - Constituição de uma Célula Fotovoltaica. MIEM - 1M06_2 2016/

9 II. Qual o seu funcionamento? Painel Solar Fotovoltaico Regulador de carga da bateria suas Frigorífico Inversor Baterias Fig.4 Processo de conversão da energia solar em energia elétrica através de um painel solar fotovoltaico, ligado a uma bateria. MIEM - 1M06_2 2016/

10 II. Qual o seu funcionamento? suas Fig.5 Processo de conversão da energia solar em energia elétrica através de um painel solar fotovoltaico, ligado a uma rede elétrica pública. MIEM - 1M06_2 2016/

11 III. Vantagens e desvantagens suas Vantagens Fonte praticamente inesgotável; Fonte de energia fiável e economicamente atrativa; Poluição insignificante; Reduzida manutenção. Desvantagens Elevado investimento inicial; Baixa capacidade de armazenamento; Dependência climática; Baixo rendimento. MIEM - 1M06_2 2016/

12 I. O que são e quais são as Unidade básica" de funcionamento de um sistema solar térmico; Rendimento diminui com o aumento da temperatura de funcionamento e diminuição da radiação solar; suas Dois grandes tipos de concentradores: concentradores estacionários e concentradores parabólicos. MIEM - 1M06_2 2016/

13 I. O que são e quais são as Concentradores Estacionários Não acompanham o movimento de rotação aparente do Sol; Coletores Parabólicos Compostos: uma alternativa aos painéis fotovoltaicos. suas Concentradores Parabólicos Acompanham o movimento de rotação aparente do Sol. MIEM - 1M06_2 2016/

14 I. O que são e quais são as Diferentes tipos de Concentradores suas Fig. 6 Sistema de Torre Central (esquema). Fig. 7 Sistema de Torre Central (real). MIEM - 1M06_2 2016/

15 I. O que são e quais são as Diferentes tipos de Concentradores suas Fig. 8 Sistema de Disco Parabólico (esquema). Fig. 9 Sistema de Disco Parabólico (real). MIEM - 1M06_2 2016/

16 I. O que são e quais são as Diferentes tipos de Concentradores suas Fig. 10 Sistema de Concentradores Parabólicos Cilíndricos (esquema). Fig. 11 Sistema de Concentradores Parabólicos Cilíndricos (real). MIEM - 1M06_2 2016/

17 I. O que são e quais são as Diferentes tipos de Concentradores suas Fig. 12 Sistema Linear de Fresnel (esquema). Fig. 13 Sistema Linear de Fresnel (real). MIEM - 1M06_2 2016/

18 II. Qual o seu funcionamento? Radiação solar incide na superfície de absorção Aumento de temperatura Produção de vapor Funcionamento das turbinas PRODUÇÃO DE CORRENTE ELÉTRICA Fig. 14 Sistema de. MIEM - 1M06_2 2016/

19 III. Vantagens e desvantagens suas Vantagens Elevada eficiência; Instalação semelhante à de um painel fotovoltaico; Elevado tempo de vida (> 25 anos). Desvantagens Elevado investimento inicial; Desconhecimento, por parte da sociedade em geral, dos concentradores solares; Manutenção regular constante. MIEM - 1M06_2 2016/

20 suas Os painéis e os concentradores vieram revolucionar o mundo em que vivemos. As vantagens e desvantagens de ambos os dispositivos requerem uma análise cuidada dos parâmetros a ter em conta na hora de optar pelo painel solar fotovoltaico ou pelo concentrador solar. MIEM - 1M06_2 2016/

21 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! MIEM - 1M06_2 2016/

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL

CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª GISELLE PALMEIRA PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL CIÊNCIAS 9 ANO PROF.ª MÁRCIA MACIEL ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GISELLE PALMEIRA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Tecnologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 10.1 Conteúdo Fontes Alternativas de Energia

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se

FONTES DE ENERGIA. Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se Energia. [Do gr. energéia, pelo lat. energia]. 1. Maneira como se exerce uma força. 2. Força moral; firmeza. 3. Vigor, força. 4. Filos. Segundo Aristóteles, o exercício mesmo da atividade, em oposição

Leia mais

O que é energia solar?

O que é energia solar? ENERGIA SOLAR Renováveis O sol, o vento, a água e a biomassa são as fontes mais promissoras de energia hoje. O mundo não precisa investir em mais usinas a carvão e deve investir em alternativas para os

Leia mais

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA.

ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. ECONOMIZAR DINHEIRO USANDO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA. 1 Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos são formas indiretas de energia solar.

Leia mais

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Sistemas fotovoltaicos Geralmente são utilizado em zonas afastadas da rede de distribuição

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 4 Sistemas solares para geração de eletricidade Lineu Belico dos Reis Os sistemas baseados no uso da energia transmitida à Terra pelo Sol para geração de eletricidade

Leia mais

Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos. Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha

Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos. Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha Fundação para a Ciência e Tecnologia Tema 4 Controlo de Fontes de Energia em Veículos Eléctricos Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Orientador: Prof. Dr. Paulo José Gameiro Pereirinha

Leia mais

ASSUNTOS MAIS COBRADOS NO ENEM. Não-Renováveis FONTES DE ENERGIAS

ASSUNTOS MAIS COBRADOS NO ENEM. Não-Renováveis FONTES DE ENERGIAS Natureza: Aluno(a): FONTES DE ENERGIA TEMAS PARA O ENEM Turma: Professor(a): Augusto Melo Ano: 3 o EM Nº Questões: 5 Data: 27/03/13 ASSUNTOS MAIS COBRADOS NO ENEM Não-Renováveis FONTES DE ENERGIAS Energia

Leia mais

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir 1 Ciências Físico-Químicas 7.º ANO Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Ângelo Filipe de Castro Portugal: Energia em trânsito Público-alvo Alunos de Ciências Físico-Químicas do 7.º ano,

Leia mais

Energia Solar Produção e utilização

Energia Solar Produção e utilização Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Energia Solar Produção e utilização Armando Sousa Projeto FEUP 2014/2015 -- MIEEC: Manuel

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO

LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY TRIFÁSICO 10 / 15 / 20 / 25 / 30 / 40 / 50 / 60 / 80 / 120 / 150 / 160 / 180/ 250kVA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31)

Leia mais

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis António Sá da Costa Lisboa, 18 de Junho de 2015 ENERGIA EM PORTUGAL 4 VISÃO GLOBAL

Leia mais

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ

Berlenga Laboratório. rio de Sustentabilidade. Sandra Estanislau ISQ Berlenga Laboratório rio de Sustentabilidade Sandra Estanislau ISQ Ilha da Berlenga - 5 de Julho 2007 Tópicos 1. Objectivos do Projecto 2. Parceria 3. Fases do Projecto Avaliação de Recursos Naturais Energia

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Fundamentos de Redes II Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Site da disciplina http://echaia.com Ementa: Camada física do modelo OSI; Camada

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido

O irmão do aço. Obtendo o ferro fundido O irmão do aço Na segunda aula deste módulo, quando nós estudamos a classificação dos materiais, você aprendeu que eles são divididos em dois grupos: os materiais ferrosos e os materiais não-ferrosos.

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência

Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência SOBRE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Informativo - Normas Quarta 11 Novembro Sobre Sisteme de Iluminação de Emergência Conjunto de Blocos Autônomos. São aparelhos de iluminação de emergência constituído de um

Leia mais

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior

Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E O DESEMPENHO DO SFVCR DO ESCRITÓRIO VERDE DA UTFPR Prof. Dr. Jair Urbanetz Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Instituto de Engenharia do Paraná - IEP Curitiba

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA FORNECIDA POR SISTEMAS RENOVÁVEIS ISOLADOS DE PEQUENO PORTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA FORNECIDA POR SISTEMAS RENOVÁVEIS ISOLADOS DE PEQUENO PORTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ENERGIA FORNECIDA POR SISTEMAS RENOVÁVEIS ISOLADOS DE PEQUENO PORTE MARCOS ANDRÉ BARROS GALHARDO JOÃO TAVARES PINHO Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Alternativas Energéticas

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

1-Eletricidade básica

1-Eletricidade básica SENAI 1 1-Eletricidade básica 1.1 - Grandezas Elétricas: 1.1 - Carga Elétrica, Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistência Elétrica; 1.2 - Leis de Ohm: 1.2.1-1 a Lei de Ohm 1.2.2 múltiplos e submúltiplos

Leia mais

Fundamentos de Transmissão de Dados. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina: Redes de Computadores I

Fundamentos de Transmissão de Dados. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina: Redes de Computadores I Fundamentos de Transmissão de Dados Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina: Redes de Computadores I 2 Fundamentos da Transmissão de Dados Tipos de Transmissão Analógica

Leia mais

Gama VIT. Gama de caldeiras de chão, em ferro fundido, mistas e de só aquecimento

Gama VIT. Gama de caldeiras de chão, em ferro fundido, mistas e de só aquecimento Gama VIT Gama de caldeiras de chão, em ferro fundido, mistas e de só aquecimento Design inovador para gás Caldeira VK Painel de comandos com display digital Economia e eficiência As novas caldeiras digitais

Leia mais

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos com Armazenamento de Energia para Operação Isolada e Conectada à Rede. Ricardo Souza Figueredo Ildo Bet

Sistemas Fotovoltaicos com Armazenamento de Energia para Operação Isolada e Conectada à Rede. Ricardo Souza Figueredo Ildo Bet 10 a 12 de maio de 2016 São Paulo Expo SP Brasil 1 Sistemas Fotovoltaicos com Armazenamento de Energia para Operação Isolada e Conectada à Rede Ricardo Souza Figueredo Ildo Bet Agenda 2 INTRODUÇÃO; SISTEMAS

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA Especificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br Link:

Leia mais

maior lucro menores custos

maior lucro menores custos maior lucro menores custos aumente os lucros da sua empresa através da eficiência energética O setor industrial é responsável por 43% do consumo anual de energia em nosso país. Dentro deste setor, onde

Leia mais

OLED _ Como funciona esta tecnologia

OLED _ Como funciona esta tecnologia OLED _ Como funciona esta tecnologia Imagine uma TV de alta definição com 2 metros de largura e menos de 0,60 cm de espessura, que consuma menos energia do que a maioria das TVs comuns e possa ser enrolada

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I

Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Fontes Renováveis Não-Convencionais Parte I Prof. Antonio Simões Costa Labspot - EEL A. Simões Costa (Labspot - EEL) Fontes Renováveis 1 / 24 Desenvolvimento Histórico da Energia Eólica (1) Primeira turbina

Leia mais

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s:

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s: GABINETE - 1 - O gabinete é considerado a estrutura do PC porque é nele que todos os componentes internos serão instalados e fixados. Portanto, a escolha de um gabinete adequado aos componentes que serão

Leia mais

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 0 Cenário Mundial - demanda elétrica e energias renováveis intermitentes Crescimento da Demanda de 3% a.a. nas últimas 4 décadas Crescimento de 2%

Leia mais

Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da Ilha de Lençóis Cururupu Ma.

Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da Ilha de Lençóis Cururupu Ma. UFMA Universidade Federal do Maranhão - UFMA Instituto de Energia Elétrica - IEE Núcleo de Energias Alternativas - NEA Sistemas híbridos de geração de energia usando fontes renováveis: a experiência da

Leia mais

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski

Escola Estadual Padre Chagas. Ezequiel José Novacoski Escola Estadual Padre Chagas Ezequiel José Novacoski Vamos pensar um pouco. Primeiro devemos pensar como vem sendo cobrado a conta de energia elétrica. A conta de energia vem em KWh e cada kw custa em

Leia mais

Energia Solar Microgeração em Habitações Unifamiliares

Energia Solar Microgeração em Habitações Unifamiliares Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Energia Solar Microgeração em Habitações Unifamiliares Projeto FEUP 2014/2015 MIEEC Armando Sousa Manuel Torres Nuno Fidalgo Supervisor: Nuno Fidalgo Equipa

Leia mais

Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG. António Rocha e Silva

Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG. António Rocha e Silva Edifício Solar XXI e Casa Termicamente Optimizada: a Arquitectura Solar Passiva no LNEG António Rocha e Silva ISMAI, 29 de Maio de 2015 Casa Termicamente Optimizada (1983) Rua de Salazares, 842 Porto (Ramalde)

Leia mais

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Conrado Augustus de Melo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP conrado@fem.unicamp.br 19-92101108 A demanda de eletricidade no setor

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

FONTES E FORMAS DE ENERGIA

FONTES E FORMAS DE ENERGIA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: Armanda Teixeira Ferreira Gonçalves COLÉGIO: Estadual Bairro Senhor Do Bonfim Turma:

Leia mais

Eficiência Energética e Hídrica das Edificações

Eficiência Energética e Hídrica das Edificações Eficiência Energética e Hídrica das Edificações Introdução Edifícios representam um dos maiores consumos de energia nas grandes cidades. Em 2010, edifícios foram responsáveis por 32% do consumo de energia

Leia mais

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano)

QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) QUÍMICA (2ºBimestre 1ºano) TABELA PERIÓDICA ATUAL Exemplo: Se o K (potássio) encontra-se no 4º período ele possui 4 camadas. Nº atômico = Z 19 K-2; L-8, M-8; N-1 Propriedades gerais dos elementos Metais:

Leia mais

Noções Iniciais sobre o Aquecimento Solar 2

Noções Iniciais sobre o Aquecimento Solar 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2013 MODULO I PUC/MINAS Belo Horizonte, março de 2013 Parceiro: Apoio: Eng. Luciano Torres Pereira Noções Iniciais sobre o Aquecimento Solar 2

Leia mais

HALOTERAPIA Terapia do Sal

HALOTERAPIA Terapia do Sal HALOTERAPIA Terapia do Sal Sendo mais conhecido como terapia de sal, este é um método totalmente natural com base em nebulização de micropartículas de sal cristalino, que reproduz as condições do ambiente

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral de Acompanhamento dos Indicadores do Setor Elétrico Mundial Setembro a Dezembro de 212 Eduardo

Leia mais

Tecnologias Alternativas de Geração de Energia em Centros de Dados e Salas de Gerenciamento de Redes

Tecnologias Alternativas de Geração de Energia em Centros de Dados e Salas de Gerenciamento de Redes Tecnologias Alternativas de Geração de Energia em Centros de Dados e Salas de Gerenciamento de Redes Relatório Interno N 64 Revisão 1 Resumo executivo As células a e microturbinas são novas alternativas

Leia mais

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS ELETRICIDADE ENSINO MÉDIO Aluno: Série: 3 a Professor: EDUARDO Disciplina: FÍSICA Data: ELETROSTÁTICA 1) (Unicamp-SP) Duas cargas elétricas Q 1 e Q 2 atraem-se quando colocadas próximas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES TRANSFORMADOR A SECO ÍNDICE DESCRIÇÃO PÁGINA 1 Instruções para a instalação.................................... 02 2 Instruções para a manutenção..................................

Leia mais

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Energia limpa Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Empilhadeira movida a hidrogênio H oje, quando se trata de escolher

Leia mais

Capítulo 5. Sensores Digitais

Capítulo 5. Sensores Digitais Sensores Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 5 Sensores Digitais Capítulo 5 Codificador Incremental de Posição Capítulo 5 Codificador Incremental

Leia mais

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes Curto prazo Hidráulica

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 10 Planejamento na utilização da energia elétrica no meio rural:

Leia mais

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS

TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS S O L UÇÕE S DE ÁGUA QUE N T E Índice Conforto garantido 03 Compatibilidade solar e selecção de capacidade 04 Gama EasyAqua 05 Gama NaturaAqua 06 Dados técnicos 07 02 SOLUÇÕES

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos

Etiquetagem Energética de Produtos Etiquetagem Energética de Produtos Manuel Casquiço Lisboa, 3 de Março 2016 Conteúdos Etiqueta Energética Europeia Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos: Janelas Ascensores Etiqueta Energética Promover

Leia mais

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis Aula energias renováveis Hidrelétrica - Desenvolvimento e uso - As usinas hidrelétricas - Turbinas - Sistemas de grande porte Driving the hydropower Hidrelétrica Vento Maré Queda na temperatura da água

Leia mais

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g

INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do g INTRODUÇÃ.D 2.1 Escalas de movimento do ar, 7 2.2 As radiações solar e terrestre como causas do vento, 7 2.3 Movimento do ar causado pelas forças do gradiente de pressão atmosférica, 9 2.4 A força de Coriolis,

Leia mais

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng.

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. ENERGIA SOLAR NAS CIDADES Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. 1 Matriz energética mundial FONTES DE PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL 4,60% 2,70% 1,40% 0,10% 8,40% Hidráulica Nuclear 3,20%

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer. email: fsauer@gmail.com. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer. email: fsauer@gmail.com. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Redes Sem Fio (Wireless) Prof. Fred Sauer email: fsauer@gmail.com Redes Sem Fio (Wireless) 1 Bibliografia Wireless Communication : O Guia Essencial de Comunicação sem Fio (Livro texto) Andy Dornan Editora

Leia mais

Recursos energéticos e os desafios ambientais

Recursos energéticos e os desafios ambientais Recursos energéticos e os desafios ambientais Recursos naturais Tudo que o homem retira da natureza que lhe tem proveito. Classificação Renováveis São recursos que podem ser repostos. Classificação Não-renováveis

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

ENERGIA FOTOVOLTAICA NAS EDIFICAÇÕES: Jápodemos utilizar esta nova tecnologia? Eng. JoséJuarez Guerra

ENERGIA FOTOVOLTAICA NAS EDIFICAÇÕES: Jápodemos utilizar esta nova tecnologia? Eng. JoséJuarez Guerra ENERGIA FOTOVOLTAICA NAS EDIFICAÇÕES: Jápodemos utilizar esta nova tecnologia? Eng. JoséJuarez Guerra Energias Renováveis ENERGIAS RENOVAVEIS O ASSUNTO DO MOMENTO Cenário Nacional Crescimento moderado

Leia mais

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia.

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. 7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. Em primeiro lugar é preciso esclarecer o que significa e para que serve o aterramento do sistema elétrico. Ao contrário do que é usual considerar,

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Distância entre o eléctrodo de medida e a parede do tanque ( eléctrodos ). Área da superfície dos eléctrodos. Constante dieléctrica da substância.

Distância entre o eléctrodo de medida e a parede do tanque ( eléctrodos ). Área da superfície dos eléctrodos. Constante dieléctrica da substância. O nível de líquidos, interfaces e sólidos granulares pode ser medido usando o efeito de capacitância eléctrica.. A capacitância do condensador é principalmente influenciada por três elementos: Distância

Leia mais

Produção de Energia Elétrica. Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria

Produção de Energia Elétrica. Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria Produção de Energia Elétrica Aula 3 Área 2 Geração e Estudos Hidroenergéticos Fernando Umbria Tópicos Geração termelétrica Geração fotovoltaica Geração termelétrica - conceitos Princípio: conversão de

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

Resumo teórico de geradores

Resumo teórico de geradores Resumo teórico de geradores Podemos definir gerador como um dispositivo que converte outras formas de energia em energia elétrica. Exemplos: pilha, dínamos, hidroelétricas, termoelétricas, reatores nucleares,

Leia mais

Quem Somos. 1998 -A Globalterrafez uma incursão a outros produtos de representação, nomeadamente na importação de automóveis a nível nacional.

Quem Somos. 1998 -A Globalterrafez uma incursão a outros produtos de representação, nomeadamente na importação de automóveis a nível nacional. Quem Somos 1993- Fundação da empresa Globalterra Importação e Exportação Lda., com sede no concelho de Loulé. Dedicado quase exclusivamente à importação de artigosdiversos, provenientes dos Estados Unidos.

Leia mais

Produção de Energia Alternativa

Produção de Energia Alternativa Produção de Energia Alternativa Prof.Pedro Araújo Realizado por: - Diogo Fernandes nº27097 - Gonçalo Paiva nº26743 - José Silva nº27144 Introdução A produção de energias alternativas, tem vindo a ganhar

Leia mais

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico

IFRN - Campus Parnamirim Curso de eletricidade turma de redes de Computadores 2011.2. Figura 35 Relé eletromecânico Figura 35 Relé eletromecânico Figura 36 Aplicação para o relé eletromecânico INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE OS INDUTORES Três conclusões muito importantes podem ser tiradas em relação ao comportamento do

Leia mais

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR

Uso da Energia Solar na Industria. Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Uso da Energia Solar na Industria Prof. Zaqueu Ernesto da Silva LES/DEER/CEAR Fontes de Energia no Brasil Quem usou energia no Brasil - 2012 Consumo de Energia no Setor Industria Setor Industrial % Setor

Leia mais

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis A nossa visão para o Sector Energético Abastecimento seguro das populações Garantia da qualidade de vida Desenvolvimento empresarial Construir um sector

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

Preparação de Água Quente Sanitária

Preparação de Água Quente Sanitária Preparação de Água Quente Sanitária O Ambiente como fonte de energia para água quente Bombas de Calor de Alta Tecnologia OCHSNER Bombas de Calor 3 0 A N O S D E E F I C Á C I A Bombas de calor OCHSNER

Leia mais

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS

GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS GRUPO 1 FONTES DE ENERGIA ENDÓGENAS E RENOVÁVEIS Medidas Propostas Recolha dos óleos alimentares usados domésticos para produção de biodiesel Energia eólica Energia fotovoltaica Central biogás efluentes

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Produza a sua Energia!

Produza a sua Energia! Produza a sua Energia! AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO Produza Energia em sua casa. A solução ideal para reduzir os seus custos com a energia. O QUE É O AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO? Compreende-se Autoconsumo Fotovoltaico

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

M3: Tecnologia dos Componentes Eletrónicos

M3: Tecnologia dos Componentes Eletrónicos M3: Tecnologia dos Componentes Eletrónicos Turma: 2A Curso Profissional Tećnico de Electrońica, Automac aõ e Computadores Profs: Paulo Serafim / António Paulo Santos Objetivos do Módulo Conhecer e identificar

Leia mais

DDS Cercas Elétricas. Cercas Elétricas

DDS Cercas Elétricas. Cercas Elétricas Cercas Elétricas A utilização de cercas eletrificadas como meio de proteção patrimonial tem aumentado muito, assim como acidentes têm ocorrido, inclusive com morte de pessoas e animais, em consequência

Leia mais

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA

PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA PARQUE FOTOVOLTAICO DE SERPA 9 de Novembro de 2007 1. LOCALIZAÇÃO 1. LOCALIZAÇÃO A zona de implantação de 64 ha do Parque está localizada no Distrito de Beja, Concelho de Serpa, Freguesia de Brinches.

Leia mais

Recuperação de Vapores

Recuperação de Vapores Recuperação de Vapores Paulo R. Bittar RECUPERAÇÃO DE VAPORES DURANTE O CARREGAMENTO DE CAMINHÕES-TANQUES RESUMO Combustíveis voláteis como gasolina e etanol, e em menor grau o diesel, apresentam pressão

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014 OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2014 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTA FOLHA ANTES DE APLICAR A PROVA (não imprima esta folha) Prova da 1ª fase: Regulamento da OBF 2014 para a prova da 1ª fase: 3.1 A

Leia mais

III.II Energia Fotovoltaica

III.II Energia Fotovoltaica III.II Energia Fotovoltaica A energia fotovoltaica é a energia obtida quando um material, com determinadas características, perde electrões quando exposto à radiação solar, permitindo estabelecer uma corrente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP. Departamento de computação - DECOM. CIC345 Modelagem e Simulação de Sistemas Terrestre

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP. Departamento de computação - DECOM. CIC345 Modelagem e Simulação de Sistemas Terrestre UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UFOP Departamento de computação - DECOM CIC345 Modelagem e Simulação de Sistemas Terrestre Ouro Preto Minas Gerais - Brasil Relatório Data: 31/02/2008 2 Aluno: Gilberto

Leia mais

Docentes: Suellem Caroline, Magnus Oliveira, Marlúcio Neto

Docentes: Suellem Caroline, Magnus Oliveira, Marlúcio Neto Docentes: Suellem Caroline, Magnus Oliveira, Marlúcio Neto Introduzindo Ao decorrer da história o homem sempre procurou maneiras de facilitar seu trabalho. Uma dessas formas foi a energia elétrica que

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Na sociedade moderna as as pessoas passam a maior parte do do tempo em ambientes iluminados artificialmente.

Na sociedade moderna as as pessoas passam a maior parte do do tempo em ambientes iluminados artificialmente. Boa iluminação aumenta a produtividade gera um ambiente mais prazeroso reduz os acidentes. AMBIENTE LUMÍNICO Na sociedade moderna as as pessoas passam a maior parte do do tempo em ambientes iluminados

Leia mais