Padrões Tecnológicos Linguagens de Programação, Banco de Dados, Frameworks e Portais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões Tecnológicos Linguagens de Programação, Banco de Dados, Frameworks e Portais"

Transcrição

1 Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Gestão Superintendência Central de Governança Eletrônica Padrões Tecnológicos Linguagens de Programação, Banco de Dados, Frameworks e Portais Belo Horizonte Dezembro 2010

2 Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento e Gestão Frederico César Silva Melo Subsecretário de Gestão Rodrigo Diniz Lara Diretor da Superintendência Central de Governança Eletrônica Fabrício Salum Diretor da Diretoria Central de Gestão da Informação Elaboração: Frederico Maximiano Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental

3 SUMÁRIO 1. Introdução Alinhamento Estratégico Inovação Levantamento da Situação Atual Bancos de Dados Oracle SQL Server MySQL Participação no mercado Linguagens de Programação Java PHP Frameworks de Desenvolvimento Sistema de Gerenciamento de Conteúdo (CMS) Padrões utilizados na PRODEMGE Padrões utilizados na SEF Outros Padrões a Serem Seguidos Guia de Desenvolvimento Seguro e-ping Framework Demoiselle Conclusão...30

4 ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Arquitetura Futura GRP Minas...9 Gráfico 1 Instalação de Banco de Dados e Plano de Implantação...17 Gráfico 2 Bancos de Dados utilizados no Governo de Minas...18 Gráfico 3 Linguagens de Programação utilizadas no Governo de Minas...20 Gráfico 5 Linguagens de Programação mais Populares, segundo o TIOBE...21 Gráfico 4 Fornecedores de sistemas de informação para Governo de Minas...22 Figura 2 Exemplo de Framework de Desenvolvimento...23 Figura 3 Modelo Arquitetural do Demoiselle...29

5 1. Introdução O projeto Plataforma de Sistemas tem como objetivo organizar o desenvolvimento e manutenção dos sistemas informatizados dos órgãos e entidades do Governo do Estado de Minas Gerais. Para isso, foram levantados os padrões já utilizados nas maiores áreas de tecnologia da informação do Governo: Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE e Secretaria de Estado da Fazenda de Minas GERAIS SEF. Dessa forma, e buscando o alinhamento com os padrões de mercado e, principalmente, buscando a racionalização de gastos e esforços com aquisições, capacitações, manutenções de diversas soluções pelos órgãos estaduais, oferece-se um guia de padrões a serem seguidos, que proporcionará, dentre outras vantagens: a integração entre eles, a construção de várias aplicações demandando menos esforços, por meio da reutilização de soluções compartilhadas e a segurança dos sistemas baseados nas melhores práticas de desenvolvimento.

6 2. Alinhamento Estratégico O Projeto Estruturador Governo Eletrônico visa aprofundar as relações entre o governo e a sociedade, com ênfase: na abertura de novos espaços de interlocução e participação; na prestação de serviços de melhor qualidade e de amplo acesso ao cidadão e empresas; na maior eficiência dos processos administrativos das instituições públicas; e na maior transparência às decisões, projetos, receitas e gastos das instituições públicas. (PPAG/MG ), sendo estes dois últimos diretamente os direcionadores do projeto de padrões tecnológicos. Para isso, alinha-se ao Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), considerando alguns de seus objetivos e resultados finalísticos. Em resumo, o Projeto persegue maior transparência e controle social por meio da ampliação do uso do governo eletrônico. Este projeto se alinha a essas diretrizes na medida em que auxilia no desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação com a adoção de tecnologias consolidadas e robustas, bem como orientando os órgãos sobre a aplicabilidade das soluções existentes dependendo das características de cada projeto, proporcionando uma maior efetividade nos gastos com TI, racionalização dos recursos ou ampliando as possibilidades de oferta de serviços públicos por meio das Tecnologias de Informação e Comunicação. Além disso, em dezembro de 2008, foi publicado o decreto nº , que institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado de Minas Gerais. Essa Política é o instrumento normativo que permite a perseguição dos objetivos do PMDI relacionados ao Governo Eletrônico. É constituída de objetivos, princípios e diretrizes para alinhar as ações e a utilização dos recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito da Administração Pública Estadual à estratégia do Governo (art.1º, Decreto /2008). Além das metas já mencionadas, a Política explicita, em seu artigo 2º, inciso II, a questão norteadora deste projeto: promover a eficácia e a eficiência da Gestão Pública do Estado. Em seu artigo 5º o Decreto enumera ainda algumas diretrizes gerais que auxiliam a compreensão dos fundamentos deste projeto: III - a racionalização na utilização de recursos de TIC; IV - a integração e a interoperabilidade de seus serviços, processos e aplicações; V - a consistência e a confiabilidade dos seus dados e informações; VI - a padronização técnica de seus serviços, processos, aplicações e dados;

7 Diretrizes específicas também são dadas, no artigo 6º, e estão em conformidade com a instituição dos padrões: I - Prospecção, Padrões e Plataformas Tecnológicas: a. O Estado prospectará tecnologias e padrões de TIC para a prestação de serviços públicos; b. O Estado adotará padrões técnicos de TIC e plataformas tecnológicas de hardware e software e assegurará a observância dos mesmos para a prestação de serviços públicos; III - Aplicações e Arquitetura de TIC: a. O Estado padronizará e garantirá a integridade de seus dados, componentes, classes, objetos e promoverá a interoperabilidade das aplicações, utilizando para tal, modelos de arquitetura de TIC; b. O Estado desenvolverá e implementará um modelo integrado de processos e dados para suporte às ações governamentais comuns a todos os seus órgãos e entidades; c. O Estado desenvolverá e adotará um modelo de referência para a aquisição de aplicações de TIC; d. O desenvolvimento e a manutenção de aplicações finalísticas serão realizados de forma descentralizada, sob responsabilidade dos órgãos e entidades; e. O planejamento e o controle das aplicações corporativas serão realizados de maneira centralizada; Finalmente, justifica-se a atuação da SEPLAG neste projeto, considerando que é sua competência, segundo artigo 13º: III propor medidas que visem à racionalização do uso da tecnologia da informação no âmbito do poder executivo da Administração Pública Estadual, por meio do compartilhamento de recursos e informações; IV - propor medidas para a melhoria do desempenho das unidades de tecnologia da informação;

8 3. Inovação Deve-se ressaltar o caráter de ineditismo do projeto, pois são poucos os entes federados que o fazem, pelas mais diversas razões. Em pesquisa em todos os sites de TI dos Governos Estaduais, não se encontrou projeto semelhante a este, exceto no Governo Federal e no Governo do Paraná. No primeiro, tem-se a iniciativa de se estabelecer cartilhas e normas para o uso de determinados padrões, destacando-se o de interoperabilidade (e-ping). No segundo, foi criada uma plataforma de desenvolvimento (Pinhão) com base na linguagem java. Nos demais estados, os padrões estabelecidos restringem-se a especificações de equipamentos e identidade visual. Abaixo, segue a lista dos sites consultados e o resultado dessa pesquisa: Governo Sítio Padrões Federal e-ping Acre e-ping Alagoas Não Encontrado Amapá Site fora do ar (03/11/10) Amazonas Não Encontrado Bahia Não Encontrado Ceará Não Encontrado Espírito Santo Não Encontrado Goiás Não Encontrado Maranhão Não Encontrado Mato Grosso Não Encontrado Mato Grosso do Sul Não Encontrado Minas Gerais Não Encontrado Pará Não Encontrado Paraíba Não Encontrado Paraná Plataforma Pinhão Pernambuco Padrão de Metodologia de Implantação de Sistemas Piauí Não Encontrado Rio de Janeiro Não Encontrado Rio Grande do Norte Site fora do ar (03/11/10) Rio Grande do Sul Não Encontrado Roraima Não Encontrado Santa Catarina Não Encontrado São Paulo Não Encontrado Sergipe Não Encontrado Tocantins Não Encontrado

9 Por outro lado, o projeto se mostra importante na medida em que comporá ou auxiliará outras iniciativas. Por essa perspectiva, destacam-se os pontos comuns com um possível GRP Government Resource Planning em sua segunda fase, de estudo de viabilidade técnica e econômica, além do mapeamento dos processos administrativos, cujo Termo de Referência para implantação (Fase III) já está sendo elaborado. Um ERP (ou GRP, no caso de governo) consiste, resumidamente, em um sistema de informação que integra todos os dados e processos das áreas meio ou administrativas de uma organização. Sua implantação, contudo, não se dá em curto prazo. É essencial que os sistemas que compõem os sistemas (conjunto de processos) a serem unificados interajam entre si, por meio de interfaces padrões, de modo a facilitar a substituição gradativa desses sistemas pelos módulos do GRP. Além disso, o futuro sistema integrado de gestão deverá ser capaz de estabelecer troca de dados com outros sistemas (finalísticos, por exemplo). Isso será tão mais fácil quanto mais aderente a padrões abertos for sua tecnologia de integração com os sistemas externos. Abaixo, tem-se uma visão da arquitetura do GRP, em que se torna mais clara a necessidade de estabelecimento de padrões explicada anteriormente. Figura 1 Arquitetura Futura GRP Minas

10 Componente Elaborações 1 Processos Corporativos A arquitetura futura contempla uma visão consolidada dos processos corporativos, segmentando as funções através de componentes de negócio com escopo e fronteiras padronizadas e bem definidas, baseadas no modelo futuro de processos, proporcionando a uniformidade, automação, integração e reuso, resultando num ganho de eficiência operacional e capacidade de tomada de decisão. A solução sistêmica deve utilizar um banco de dados único e operar numa plataforma comum capaz de interagir com um conjunto integrado de aplicações acessórias, consolidando todas as operações de negócio em um mesmo ambiente computacional. Esta solução viabiliza uma compreensão do ecossistema do Estado fornecendo informações precisas, de forma rápida e intuitiva, criando o ambiente base para execução dos processos corporativos. 2 Integração e Serviços O barramento de integração é a tecnologia chave para o modelo futuro do GRP Minas, sendo responsável por prover a harmonização da comunicação entre aplicações, dados e serviços. O barramento será responsável por centralizar toda a troca de mensagens entre os diversos sistemas do Estado e o ambiente GRP Minas. A harmonização e integração das aplicações que suportam os processos corporativos são alcançadas através do desacoplamento, encapsulamento e exposição de funções de negócio como interfaces baseadas em serviço. Esta abordagem modularizada, baseada no conceito de baixo acoplamento, permite promover mudanças no ambiente com um menor impacto. Esta camada responde a eventos gerados na arquitetura (chamada a um serviço, término de operações) e é capaz de: Roteamento, mudança de estado, tradução, incremento/manipulação de conteúdo (mediação). Garantia de entrega, entrega segura, entrega transacional, entrega gerenciável (transporte). Detecção, disparo e distribuição de eventos (eventos). Atua como um intermediário entre os elementos da arquitetura, reduzindo significativamente o grau de acoplamento entre eles. Foi idealizada na arquitetura do GRP Minas a federação do barramento de integração, considerando: Um barramento específico para suportar a troca de mensagem direta com serviços e funcionalidades relacionadas aos processos corporativos; Um barramento corporativo integrando às demais aplicações do Estado (finalísticas, departamentais e legados, etc.). O objetivo da utilização de federação de barramentos é o ganho de performance, fortalecer o baixo acoplamento de camadas e a eventual utilização de conectores nativos. O repositório de serviços disponibiliza funcionalidades de busca e "descobrimento" de descritores de serviços publicados, de forma que consumidores procurem pelos serviços desejados em momento de execução, permitindo o reuso e reduzindo o grau de acoplamento da arquitetura. Possibilita ainda o versionamento e o gerenciamento do ciclo de vida dos serviços publicados e a categorização dos descritores para facilitar a busca. 3 Portais A arquitetura futura busca a simplificação e unificação do acesso aos serviços corporativos pelos Beneficiados, através da disponibilização de Portais. O Portal é uma tecnologia com capacidade de integrar diversas aplicações através do conceito de portlet, além de servir como hub de acesso à conteúdo corporativo para usuários internos e externos. O escopo do Portal considera: Personalização;

11 Motor de busca; Suporte para redes sociais; Suporte para biblioteca de documentos; Workflow de publicação de conteúdo; Portlets pré-configurados e recursos de construção de portlets; Recursos de colaboração. 4 Gateways e Protocolos A arquitetura futura inclui um Gateway de serviço, no conceito de centralização de comunicação. O Gateway oferece acesso aos serviços do Estado para os aplicativos de canal. Ele é o intermediário dos serviços, que liga os aplicativos aos provedores de serviço, que oferecerão acesso às funções corporativas. O Gateway é um componente de integração capaz de suportar diferentes protocolos de comunicação, possibilitando que toda a troca de mensagens eletrônicas entre o Estado e os Beneficiados seja concentrada num único canal de acesso. Alguns protocolos que deverão ser suportados pelo Gateway: WebServices, SPB, ISO8583 e EDI. 5 Gestão de Informações A visão futura da arquitetura foi desenhada considerando que as informações devem ser compartilhadas, centralizadas, gerenciadas e acessíveis. A gestão da informação provê uma camada de abstração entre as aplicações e as fontes de informação, criando uma visão de modelo unificado de dados e conteúdo. Para operacionalizar a gestão da informação, diversos componentes tecnológicos são necessários para compor a solução: Domínio de dados: onde são representados os dados físicos da empresa; Serviços Comuns: define as plataformas de comunicação que permitem a troca de dados entre as diferentes aplicações; Serviços de Informação: oferece serviços para integrar informações apropriadas em tempo e formato adequados, garantir a consistência e integridade dos dados e construir uma visão unificada dos dados que permita que sejam consumidos de forma racional pelo negócio. 6 Inteligência de Negócio A arquitetura futura foi desenhada de forma a possibilitar a ampla utilização das informações como instrumento de tomada de decisão. A inteligência de negócio abrange a capacidade de realizar análises complexas e mineração de informações para suportar a gestão de negócios em todos os níveis (estratégico, tático e operacional). Fazem parte da solução de inteligência de negócio: Recursos para desenvolvimento e apresentação de relatórios analíticos; Recursos para exploração dimensional de informações; Recursos de dashboards para informações gerenciais e operacionais; Recursos de scorecard; Recursos de mineração de dados e análise preditiva. 7 Gestão de Regras de Negócio Foi considerada na visão futura a possibilidade de externalização das regras de negócio das aplicações, abstraindo a complexidade do código fonte, provendo maior flexibilidade para mudanças. A tecnologia de gestão de regras de negócio é utilizada para definir, implementar, executar, monitorar e manter uma variedade de regras de negócio complexas que são usadas por aplicações de uma empresa. Esta tecnologia gerencia o ciclo de vida de regras de negócio e permite que a lógica de negócios seja externalizada do código da aplicação principal e seus processos, permitindo assim que tanto os especialistas de negócios e desenvolvedores possam definir e gerenciar a lógica de negócios. A utilização desta tecnologia é aplicável principalmente nos casos de

12 implantação de soluções in-house, serviços de negócio e customizações de pacotes de mercado. 8 BPM e Gestão de Conteúdo Compõem a arquitetura futura, tecnologias que suportam a automação dos processos corporativos (BPM), integradas a recursos de gestão de conteúdo (ECM). Os recursos de ECM e BPM costumam afetar três dimensões de negócio: Processos de negócio com foco em pessoas, decisões e fluxos de trabalho; Processos de negócio com intensa movimentação de documentos; Processos de negócio com fluxos de intensa necessidade de integração com aplicações e sistemas. No escopo tecnológico do BPM, foi considerado: Engine de Workflow: recurso para publicação, execução e controle de estado de processos/ serviços de negócio. BAM: recurso para monitorar on-line a execução de processos de negócio, através da coleta e tratamento de eventos sistêmicos. ECM é a solução de software para gerar, indexar, controlar, armazenar, compartilhar e recuperar informações existentes em documentos. A utilização destes recursos é indicada para casos de necessidade de automação de funções de negócio externas ao GRP e a gestão de conteúdo. 9 Gestão de Identidade e Acesso Está previsto a capacidade de gestão centralizada de identidade e acesso de usuários aos diversos componentes da arquitetura futura. Fazem parte do escopo: Identidade: Recursos para criação e manutenção do perfil de identidade dos servidores e demais Beneficiados. Autorizações: Recursos para gestão dos níveis de autorização para acesso aos recursos de rede, aplicativos, sistemas, informações e instalações, e certificação de profissionais em relação às políticas de segurança da informação. Acessos: Recursos para autenticação e conexão de usuários à serviços baseados em sistemas de informação, conforme privilégios de autorização definidos. 10 Infraestrutura A camada de infra-estrutura na arquitetura futura representa a visão física e lógica dos elementos/ recursos e serviços de infra-estrutura tecnológica necessários para suportar o ambiente futuro do GRP. A arquitetura futura de suporte ao GRP demanda obrigatoriamente uma atualização/ transformação das ferramentas e serviços de operação da infra-estrutura atuais, incluindo a automação, monitoração e gestão de um amplo conjunto de componentes, incluindo: Segurança, conectividade, HW, SW básico; Ferramentas de monitoração, automação e correlação de eventos; Serviços de infra-estrutura, incluindo: gestão de mudança e configuração, problemas e incidentes, banco de dados, ativos, etc.; Ferramentas de desenvolvimento, incluindo: gestão de requisitos, controle de versão, biblioteca de código, modelagem e desenvolvimento, testes, etc.; A utilização de Cloud Computing deve ser avaliada, inicialmente para ambiente não produtivo, como forma de melhor aproveitamento de recursos e redução de custos. Na tabela acima, em que se encontram detalhados os componentes da arquitetura do GRP, destacou-se as funcionalidades que dependem de padrões tecnológicos. Os itens estão em

13 consonância com as características dos padrões adotados no Governo de MG, o que se tornará mais claro na seção seguinte. Tendo em vista ainda a arquitetura do GRP, foram especificados requisitos não funcionais do sistema a fim de garantir a plena integração dos seus módulos e destes com sistemas externos. A seguir, seguem os requisitos mais significativos para este projeto, já alinhados aos modelos mais utilizados no estado, detalhados nas próximas seções: Ser executável, no mínimo, em SO Linux Red Hat Enterprise V.5 ou superior e Microsoft Windows Server 2003 ou superior. Suportar, no mínimo, os gerenciadores de banco de dados relacional: SQL Server 2005 ou superior, Oracle 10g ou superior e DB2 versão 8 ou superior. Permitir Integração de dados via Bancos de Dados Relacionais As customizações da solução devem ser realizadas por meio de linguagem nativa da solução ou Java EE Possuir ambiente de desenvolvimento e servidor de aplicações padrão JEE, que permita desenvolver e complementar novas funcionalidades, com completo ferramental de desenvolvimento como: controle de modelo de dados, dicionário de dados, metodologia de controle de projetos de desenvolvimento e controle de versões. Por outro lado, o GRP deve servir como um direcionador de outros padrões a serem utilizados, considerando, sobretudo, sua futura abrangência, caso implementado. De qualquer forma, o trabalho realizado para se determinar, dentre outros, os requisitos não funcionais, realizados pela equipe de consultoria da IBM, juntamente à SEPLAG, SEF e PRODEMGE, considerou os padrões de mercado para soluções ERP e as tecnologias que mais se adaptariam às utilizadas no estado. Portanto, justifica-se o uso dos materiais desenvolvidos para o GRP neste projeto. São alguns padrões que devem ser seguidos: Atender ao paradigma de Arquitetura Orientada a Serviços (Permitindo o compartilhamento de Funcionalidades para sistemas e Aplicativos Externos) Contemplar extração de dados tanto com recursos/ferramentas EAI como ETL na mesma solução Incluir ferramentas de Workflow, de forma a permitir automatizar processos que envolvam tomadas de decisão ou aprovação de documentos. Estas ferramentas deverão ser integradas aos recursos de disponíveis no ESTADO, bem como suportar ferramentas de automação de escritório como MS Exchange. Oferecer interfaces Application Programming Interfaces (APIs) para que as aplicações (sistemas externos) possam ser integradas à SOLUÇÃO, tendo acesso às funcionalidades por ela oferecidas. As APIs da Solução devem estar disponíveis nas seguintes tecnologias: API JavaEE ou API por web services. Permitir consulta e exportação de dados (em formato CSV) por usuários autorizados a informações contidas nas trilhas de auditoria Permitir exportar uma visão de relatório/consulta para diferentes formatos durante análise (Excel, HTML, txt, pdf) Permitir integração com serviços de agenda e correio eletrônico compatíveis com IMAP, SMTP, POP3 para envio e recebimento de s. Permitir Integração de dados via Serviços / Interfaces (FTP) Permitir validação de usuários integrada ao Microsoft Active Directory Possibilitar a exportação de relatórios e consultas em formato.csv ou.xls Possuir conformidade com padrão X.509 para utilização de assinaturas digitais.

14 Possuir suporte a servidores com arquitetura padrão x86 de, no mínimo, núcleo quádruplo (quad core). Ser desenvolvido e codificado para ambiente operacional de 64 bits. Ser executável, no mínimo, em processadores de arquitetura CISC. Suportar Certificados Digitais ICP-Brasil para autenticação de usuários Suportar conexões seguras a partir de Secure Sockets Layer Protocol Suportar Integração com IBM MQ Series, SAG EntireX Broker, Oracle SOA Suite e Informática Power Center Suportar WS-Security. Suportar, de forma nativa, o protocolo de transferência de arquivos FTP e as linguagens de marcação XML e XSLT. Suportar, de forma nativa, os padrões abertos de conectividade: HTTP, HTTPS e WebServices (WSDL, SOAP, UDDI). Todas as funcionalidades que envolvam interação do sistema com o usuário final devem estar disponíveis em interface gráfica em ambiente web, compatível com os browsers Internet Explorer (versão 8 e superiores) e Mozilla Firefox (versão 3 e superiores). Utilizar serviços de diretório baseados em padrões de mercado LDAP v3, modelo X.500, com conexão segura.

15 4. Levantamento da Situação Atual O levantamento feito pelo último diagnóstico do Plano Diretor de Governo Eletrônico, realizado em 2008 com todos os órgãos, demonstrou um elevado grau de alinhamento entre os órgãos e destes com os padrões sugeridos por este projeto. Isso legitima a indicação dos padrões, e sugere um esforço pequeno para serem aceitos plenamente Bancos de Dados Bancos de Dados BD são instrumentos de armazenamento e organização de dados, enquanto o software específico, disponibilizado ao usuário final, é responsável pela coleta, tratamento e processamento desses dados. Abaixo, descrevem-se os três Bancos de Dados mais comumente utilizados e escolhidos como padrões para o Governo de Minas e, em seguida, apresenta-se dados que corroboram a afirmação de que são os três mais significativos. É válido ressaltar que todos BD elencados aqui são do tipo relacionais, ou seja, compostos por tabelas e relacionamento entre as tabelas. Essa estrutura torna mais simples a integração de dados entre BD Oracle O Oracle surgiu no fim da década de 70, por uma iniciativa pioneira, introduzindo o conceito de banco de dados relacional. É o principal banco de dados atualmente, respondendo por 48% do mercado de sistemas de gerenciamento de banco de dados relacionais, mesmo sofrendo pequena queda de crescimento no último ano (GRAHAN, Coleen. SOOD, Bhavish. SOMMER, Dan. HORIUCHI, Hideaki. Market Share: RDBMS Software by Operating System, Worldwide, dados do Gartner fornecidos no site da Oracle). Seu uso é particularmente significativo em grandes empresas, o que pode ser entendido considerando três fatores: hardware, pessoas e segurança. O Oracle é conhecido por oferecer boa proteção aos dados, o que pode justificar seu uso em empresas maiores, onde dados são mais sensíveis, mesmo demandando maior capacitação e configuração de hardware.

16 SQL Server Criado em 1988, supõe-se que o banco de dados SQL Server seja o principal concorrente do Oracle. Essa hipótese é bem aceitável, considerando as comparações disponibilizadas pela Microsoft em seu site, que focam principalmente no Oracle. Por ser um produto Microsoft, considera-se uma vantagem a integração nativa com as demais soluções da empresa, largamente utilizados nas empresas, o que pode justificar seu suposto crescimento e participação MySQL O MySQL, lançado em meados da década de 1990, é um software livre para desenvolvimento. Isso, alinhado com sua grande capacidade de integração com o PHP podem explicar seu rápido crescimento 25% entre 2005 e 2006, segundo a Evans Data Corporation (dado extraído do site do BD: e suas perspectivas de expansão, conforme o gráfico 1, sobre participação no mercado. Dentre os bancos de dados open source, como o Postgree e Firebird, o Mysql tem se destacado, principalmente para uso na web. De acordo com um artigo de Julho de 2008, da Forrester (http://www.forrester.com), no mercado de Bancos de Dados open source, o MySQL teve a maior adoção e crescimento (justificando o slogan do sistema The world's most popular open source database ), sendo ainda o BD mais lembrado pelos consumidores e tendo o maior número de consumidores pagantes por suporte ao produto (estimado em ) dados retirados do site do BD Participação no mercado 2008 O gráfico abaixo, elaborado pelo Gartner e retirado do site do MySQL, ilustra o que foi dito anteriormente e corrobora os dados apresentados. O Oracle figura como o sistema de gerenciamento de banco de dados relacional mais utilizado no mundo. Contudo, sua perspectiva de crescimento não se mostra tão grande, o que endossa os dados da mesma instituição sobre sua participação no mercado em 2009, bem como sua efetiva queda de crescimento. Neste quesito, o MySQL dentre as soluções analisadas se destaca. O SQL Server da Microsoft ocupa a segunda posição dentre os sistemas mais usados, o que apoia a hipótese supramencionada, elaborada a partir de visitas ao site da Microsoft (benchmarking focando em Oracle). E em terceiro lugar, está o MySQL.

17 Gráfico 1 Instalação de Banco de Dados e Plano de Implantação No Plano Diretor de Governo Eletrônico de 2008 pode-se verificar a tendência de padronização já adotada pelos órgãos e entidades do Estado de Minas Gerais. O gráfico 2 mostra que 63% dos Bancos de Dados BD utilizados são Oracle, SQL Server ou MySQL, que são os padrões sugeridos pela PRODEMGE 1. O Oracle, adotado como padrão pela SEF é o banco de dados que se destaca comparativamente (26%) e é responsável, em geral, por suportar sistemas corporativos de grande porte e alto volume de transações on-line. Cabe, ainda, analisar a participação significativa do BD Access. Esse sistema de gerenciamento de banco de dados da Microsoft surgiu nos anos 90 e é voltado para uso em desktops e não em servidores. Essa é a principal diferença dele em relação os demais BDs como o Oracle, SQL Server e MySQL. Embora seja suficiente para várias aplicações e permita o compartilhamento de dados por meio de uma intranet, por exemplo, não é destinado a soluções de maior porte. Exemplificando a simplicidade do BD, o sistema não possui gatilhos de bancos de dados e 1 A PRODEMGE está em processo de adoção do PostGRESQL para demandas intermediárias entre o Oracle e o mysql, ou seja, onde as funcionalidades do mysql não são suficientes, mas, em contrapartida, as funcionalidades do Oracle são subutilizadas em virtude da sua magnitude. Além disso, devido à compra da Sun e do mysql pela Oracle, estrategicamente é interessante avaliar outro BD livre, caso o mysql mude sua política de licenciamento.

18 procedimentos armazenados (store procedures). Contudo, ele pode e tem sido muito usado em pequenas e médias empresas para armazenamento de dados em pequenas quantidades. Gráfico 2 Bancos de Dados utilizados no Governo de Minas 4.2. Linguagens de Programação Linguagens de programação são métodos padronizados para expressar instruções para um computador. É o instrumento fundamental para desenvolvimento de softwares. Abaixo, descrevem-se as duas linguagens mais utilizadas pelo Governo de Minas e, em seguida, apresentam dados que legitimam essa escolha. É válido ressaltar que as linguagens elencadas aqui dão suporte ao paradigma de desenvolvimento orientado a objetos, ou seja, permitem encapsular unidades de software (objetos) para serem reutilizadas ou, ainda, permitir desenvolvimento paralelo de diversas partes de um programa. Além disso, são linguagens tipicamente interpretadas simplificadamente, isso significa que a execução dos programas não é feita diretamente pelo sistema operacional ou processador, o que garante menor consumo de memória e maior agilidade na realização de alterações em códigos.

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC-008/2008 1 ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO 1. INFORMAÇÕES GERAIS E CARACTERÍSTICA DO ATUAL AMBIENTE CORPORATIVO

Leia mais

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Belo Horizonte, 06 de Maio de 2010 A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Referente: CONSULTA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO DE GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Alfresco Content Management

Alfresco Content Management Alfresco Content Management Alfresco é um sistema ECM (Enterprise Content Management) também conhecido como GED (Gestão Eletrônica de Documentos) em nosso mercado de porte corporativo para atender a empresas

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS Natureza dos problemas ESTRUTURAL E CONJUNTURAL Estrutural 1. Ausência de efetividade em alguns modelos de ouvidorias.

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Relato de Experiência da ATI-PE WCGE 2010 20/07/2010 1 Introdução 2 Sobre a ATI Agência Estadual de Tecnologia

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 Visão Geral Microsoft Corporation Publicado: 18 de dezembro de 2006 Atualizado: 5 de abril de 2007 Sumário Executivo O System Center Operations Manager 2007

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL

Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL Seção I - INFORMAÇÕES SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO GOVERNAMENTAL O Projeto Sistema Integrado de Gestão Governamental se constitui no desenvolvimento de uma solução sistêmica própria, a ser construída

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Demoiselle Framework. Palestrante: Flávio Gomes da Silva Lisboa JUN/2009

Demoiselle Framework. Palestrante: Flávio Gomes da Silva Lisboa JUN/2009 Demoiselle Framework Palestrante: Flávio Gomes da Silva Lisboa JUN/2009 Sumário Introdução Desenvolvimento de TI para Governo Elementos de Decisão Estratégia para a área de tecnologia Diretivas da Arquitetura

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014

PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 PESQUISA DE PREÇOS 01/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades Subáreas Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos Design Área: Inovação Perfil Profissional: Instrutor/Consultor Competências Implantação de incubadoras de empresas; Processo de seleção de

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo

Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo Utilização do SGBD PostgreSQL no Metrô São Paulo Versão 2 Novembro /2006 1 Elaborado por: Gerência de Informática e Tecnologia da Informação Gustavo Celso de Queiroz Mazzariol - gqueiroz@metrosp.com.br

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Fatos e Mitos do Java EE Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br O Que É o Java EE? É um padrão de bibliotecas e componentes (APIs) para a criação de aplicações corporativas Também é um padrão

Leia mais

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Rogerio Jovaneli, de INFO Online Segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011-15h51 SÃO PAULO - A Cast, fornecedora de soluções e serviços em TI, revela dispor de 1,5

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

A ewave do Brasil é uma empresa de TI provedora de soluções de software.

A ewave do Brasil é uma empresa de TI provedora de soluções de software. A ewave do Brasil é uma empresa de TI provedora de soluções de software. Segue abaixo os perfis para os quais a ewave está recrutando. Caso tenha interesse em participar do processo seletivo ou alguém

Leia mais

Plataforma de Business Intelligence

Plataforma de Business Intelligence Plataforma de Business Intelligence ASTEN TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Asten é uma empresa do ramo da tecnologia da informação (TI) que tem seu foco na busca por soluções inovadoras. Nosso slogan criando

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Computação em Nuvem Apresentação Executiva

Computação em Nuvem Apresentação Executiva Expresso em Nuvem - Lançamento 2010 Computação em Nuvem Apresentação Executiva Apresentador: Wilton Mota Março de 2010 Institutional Presentation of SERPRO Agenda Institucional SERPRO; Conceitos de Computação

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA/1123 FNDE -EDITAL Nº 01/2009 1. Perfil: Consultor ESPECIALISTA EM PLANO DE METAS ANALISTA PROGRAMADOR DELPHI - Código 1 - CGETI. 2. Nº de vagas:

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 02/2014

PESQUISA DE PREÇOS 02/2014 PESQUISA DE PREÇOS 02/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

Número do Recibo:83500037

Número do Recibo:83500037 1 de 5 06/06/2012 18:42 Número do Recibo:83500037 Data de Preenchimento do Questionário: 05/06/2012. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: APLICATIVOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS

CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES BÁSICAS INGRIS CMS Documentação da Infraestrutura de TIC com o INGRIS CMS Cabling Management System INFRAESTRUTURA DE CONECTIVIDADE Um bom sistema de administração provê

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Elvis Pontes Conceitos e Componentes de Software Software (SW) são: os programas de computador; é a parte intangível do computador, representada pelos programas,

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Daniel Paulo de Assis

Daniel Paulo de Assis Daniel Paulo de Assis Brasileiro, solteiro, 32 anos Rua Dr. Seng, 100 Bela Vista - São Paulo SP Telefone: (11) 9-4991-5770 / (18) 9-9119-2006 E-mail: daniel@dpassis.com.br WebSite: dpassis.com.br Linkedin:

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Índice EMPRESA... 03 ESPECIALIDADES... 03 TRABALHOS REALIZADOS... 04 PRODUTOS... 05 SERVIÇOS... 06

Índice EMPRESA... 03 ESPECIALIDADES... 03 TRABALHOS REALIZADOS... 04 PRODUTOS... 05 SERVIÇOS... 06 Apresentação Índice EMPRESA... 03 ESPECIALIDADES... 03 TRABALHOS REALIZADOS... 04 PRODUTOS... 05 SERVIÇOS... 06 2 EMPRESA CDN&T Informática e Suporte Ltda, empresa que atua a mais de 15 anos no mercado

Leia mais

vgf Violin Gerenciador de Franquias

vgf Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Visão Geral Bem-vindo ao Violin Gerenciador de Franquias, uma poderosa aplicação vertical que dá

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Java Web/UI. Maven3 Redmine CVS. Áreas de conhecimento: Web o Aplicativos Web o Portal de conteúdo o REST Services Web Site Performance

Java Web/UI. Maven3 Redmine CVS. Áreas de conhecimento: Web o Aplicativos Web o Portal de conteúdo o REST Services Web Site Performance Java Web/UI Atribuições do cargo: Desenvolvimento de um Portal/Aplicativo Web de conteúdo público utilizando HTML5+CSS3+JS de design responsivo usando a Web API do portal de transparência como provedora

Leia mais

Caderno de Serviços Prodemge

Caderno de Serviços Prodemge Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais Caderno de Serviços Prodemge JANEIRO/2015 Controle de Versão Disponível com SCGE/SEPLAG 1 Índice

Leia mais

Lucas Nascimento Santos

Lucas Nascimento Santos Lucas Nascimento Santos Mobile Application Developer lucassantoos56@gmail.com Resumo Lucas Nascimento Santos (@ll_ucasn), engenheiro de software. Estudante de Ciência da Computação na Universidade Salvador

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Service Appliance IVETIME. Disponibilidade de serviço instantânea! Plug and Play. Segurança. Tolerância a falhas. Manutenção zero. Elevada Performance

Service Appliance IVETIME. Disponibilidade de serviço instantânea! Plug and Play. Segurança. Tolerância a falhas. Manutenção zero. Elevada Performance IVETIME Service Appliance Disponibilidade de serviço instantânea! Aumentar a produtividade Transformar o serviço a Clientes Proteger o capital intelectual Plug and Play Segurança Tolerância a falhas Manutenção

Leia mais

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS 21/11/2013 PET Sistemas de Informação Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 1 BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS Leonardo Pimentel Ferreira Higor Ernandes Ramos Silva 21/11/2013

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Número do Recibo:83977951

Número do Recibo:83977951 1 de 5 30/04/2014 17:33 Número do Recibo:83977951 Data de Preenchimento do Questionário: 30/04/2014. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: APLICATIVOS

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Estudo arquitetura de plataforma de telemedicina

Estudo arquitetura de plataforma de telemedicina Estudo arquitetura de plataforma de telemedicina Índice Sistemas Operacionais... 2 Linguagens de desenvolvimento... 4 Segurança no modelo cliente-servidor... 8 Gerentes de Banco de Dados... 9 Desenho da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL

OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL OPORTUNIDADES DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL Analista de Sistema SR Datastage (Cod 11170) Local: São Paulo/ SP Chácara Sto Antonio Empresa: Previdência Perfil: SQL Server 2000 / 2008 DTS; ERWin; Transact

Leia mais

PESQUISA DE PREÇOS 03/2014

PESQUISA DE PREÇOS 03/2014 PESQUISA DE PREÇOS 03/2014 Considerando a necessidade de aquisição de software integrado de gestão, para atender as necessidades desta Prefeitura Municipal de Porto Alegre, solicitamos que as empresas

Leia mais